Festa e recorde dos italianos
Por José Nilton Dalcim
30 de setembro de 2020 às 20:16

O tênis italiano já teve dias de glórias em Roland Garros. A maioria aqui nem havia nascido nos tempos de Nicola Pietrangeli, talvez nem de Adriano Panatta, mas quem sabe nos de Francesca Schiavone. Nesta quinta-feira, quatro homens – recorde na Era Aberta em qualquer Grand Slam – e uma mulher avançaram à terceira rodada e é bem provável que Matteo Berrettini, o melhor de todos no ranking, se junte a eles.

Marco Cecchinato já brilhou em Paris, há três anos, com uma inesperada semifinal e não vingou. Jannik Sinner tem um potencial notável, indicado pela ATP tempos atrás como dono do backhand mais veloz do circuito. Os dois estão no caminho de Alexander Zverev, que foi levado a cinco sets pelo voleador Pierre Herbert. Cecchinato é o adversário imediato do alemão e é bem provável que Sinner seja o seguinte. Não dá para desconsiderar a hipótese de vermos o garoto de 19 anos e em seu segundo Slam desafiar Rafael Nadal nas quartas.

Aliás, Stefano Travaglia é o próximo na lista de Nadal, que continua em ritmo de treino. Travaglia não é mau jogador no saibro, usa variados recursos como o piso exige. Mas, aos 28 anos, nunca sequer entrou no top 70 e agora, em seu nono Slam, finalmente ganhou dois jogos seguidos. Merece crédito pela vitória suada diante de Kei Nishikori, num jogo de 101 erros não forçados dos quais 50 foram do italiano.

Lorenzo Sonego avança num setor esvaziado da chave e tem chance contra Taylor Fritz, mas dificilmente passará por Diego Schwartzman em eventuais oitavas, ainda que seja um top 50 de 25 anos e com jeito para jogar bem na terra. Saca forte, gosta de atacar mas é muito inconsistente.

Boa surpresa mesmo causou Martina Trevisan, canhota de apenas 1,60m. Passou o quali para jogar seu primeiro Slam aos 26 anos e mostrou eficiência defensiva além de cabeça boa para virar o jogo em cima de Cori Gauff. A tarefa contra a versátil Maria Sakkari não vai ser fácil. Vale lembrar que Monica Seles foi a última canhota a ganhar Roland Garros há 28 anos.

A única marca ruim do tênis italiano ficou por conta de Sara Errani. Não por sua derrota de 3h11, onde lutou bravamente como sempre, mesmo por vezes tendo de sacar por baixo tal a falta de sincronia de movimento. Mas pela ironia e desdém com a adversária, que parecia ter problemas físicos claros. Acusou Kiki Bertens publicamente de fingir contusão, ainda que a holandesa tenha sofrido cãibras e saído da quadra de cadeira de rodas. Não ficou bonito. (Veja aqui as cenas)

Dia agitado
Rafael Nadal brigou mais com as rajadas de vento do que contra o tênis quadradinho de Mackenzie McDonald, cujo maior feito foi tentar um saque por baixo (veja que bizarro), muito mal feito diga-se. Não tenho dúvidas que o espanhol reservou uma quadra para treinar à tarde, porque o jogo não valeu quase nada.

Dominic Thiem quase se enrolou no terceiro set contra Jack Sock, mas evitou o desgaste físico bobo. Vai ter uma terceira rodada interessante contra Casper Ruud, ou seja, dos favoritos é quem vem sendo realmente testado. E não para por aí: é quase certo que nas oitavas surja Stan Wawrinka no caminho e, depois, Diego Schwarztman. Dá para ser pior?

O feminino, ao contrário, viu baixas de peso. Serena Williams nem entrou em quadra devido ao tendão de Aquiles problemático e Vika Azarenka fez um jogo ruim e pouco inspirado. Além do sufoco de Kiki Bertens, sobrou ‘pneu’ para Elina Svitolina.

Tudo aponta cada vez mais na direção da romena Simona Halep, que ficou na Europa e só jogou no saibro desde o retorno do circuito. Amanda Anisimova merece cuidado, mas os golpes retinhos não devem incomodar na lentidão de Paris.

Saiba mais
– Zverev correu risco o tempo todo contra um inspirado Herbert, que foi magnífico nos voleios e nas deixadas mas, como sempre, falhou bisonhamente em lances capitais. O francês que resta agora é o canhoto Hugo Gaston, 20 anos e bom jogador, mas que terá Wawrinka pela frente.
– Além de El Peque, o tênis argentino avança com Federico Coria e Nadia Podoroska, que tiraram cabeças de chave. Guido Pella pode se juntar a eles se vencer Carreño.
– Eugenie Bouchard fez jus ao convite e pela primeira vez desde janeiro de 2017 ganhou dois jogos seguidos de Slam. Ela hoje é 168 do ranking.
– Três qualis estão na terceira rodada masculina: Cecchinato, Martinez e Korda.
– Acorde cedo para torcer por Thiago Monteiro: ele fará o primeiro jogo da quadra 4, portanto às 6h, contra Marcos Giron.
– Dia importante para Djokovic: se vencer Berankis, somará 70ª vitória em Roland Garros, igualando Federer e ficando somente atrás de Nadal.
– Tsitsipas e Rublev, depois das viradas de 0-2, podem precisar de fôlego diante de Cuevas e Fokina.
– Pliskova e Ostapenko fazem o grande duelo feminino da quinta. Tcheca tem 4-2 no histórico.


Comentários
  1. Heitor

    Muito impressionante segunda rodada do Rublev contra um perigoso jogador, depois de uma primeira rodada em que começou perdendo de 2 sets zero.

    Responder
  2. Luiz Fabriciano

    Opinião do Daniel Evans: “a bola não serve nem para cachorro morder”.
    Opinião do Sasha Zverev: “a bola é perfeita”.

    E aí, quem entende mais de tênis e bolas?
    É possível afirmar que bola A é melhor que B ou essa opinião também é de cunho bem pessoal?

    Responder
  3. Alice

    Curiosidades sobre Dominic Thiem / Roland Garros:

    2016 – *Semifinais* parado por Djokovic (rumo ao seu 1° RG).
    O curioso que até esse jogo, Thiem ainda era o 15° do ranking. Após essa semi final estreou no Top 10 (7° lugar) e de lá não saiu mais. Ou seja, está há 4 anos entre os 10 melhores do mundo. Sendo hoje o #3 do ranking.
    2017 – *Semifinais* parado por Nadal (bateu Djoko nas quartas);
    2018 – *Final* parado por Nadal (Djokovic foi surpreendido nas quartas, se não teria tido mais um confronto nas semis com o Thiem);
    2019- *Final* parado por Nadal (bateu Djoko nas semis)
    22-4 =》 84,61% de aproveitamento.

    Ou seja, o único homem que foi capaz de parar Dominic Thiem em Roland Garros nos últimos 3 anos, foi o maior campeão de RG. Impressionante o que o austríaco está sen capaz de fazer sobre essa terra batida…

    Responder
    1. Marcelo

      Também demonsrra a dificuldade de vencer o “Big 4”. Passar por um Big 4 era uma tarefa monstruosa… imagine por 2 ou 3 num mesmo torneio. Acredito que com a idade/contusao do Federer, em algum momento o Thiem “belisque” o Top 2. Serìa um feito e tanto do Thiem apos mais de 15 anos. E Posso estar redondamente errado, mas acho que o Federer jamais volta ao Top 2 novamente.

      Jogadores que chegaram mais próximos do Top 2: Wawrinka, Nalbandian, Sverev, Ferrer e agora o Thiem (nao co to Hewitt e Roddick, por terem sido no. 1.

      Responder
  4. Evaldo Aparecido Moreira

    È,
    E O Shapovalov já foi………perdeu de 3a 2 para o espanhol Carballes Baena, ai, o russo endoida hein Youzhniiiiiiiiiiiiiiii, e o Dimitrov, na surdina, venceu mais uma e sem susto hein, vamos ver o andar da carruagem para ele, torço para ele ir longe, e quem sabe, chegar as finais, mais ai é pedir demais.
    A segunda semana promete, poderemos ter algumas surpresas, segue o bonde……
    Vejo a galera mencionar o Wawrinka, o suiço tá solto, e com a calibragem boa na direita, e o backhand dele pesado, neste ritmo ai, o encontro dele e o Thiem, promete, passando por, Stan só pega pedreira, a conferir.
    Vamos Monteiro, vamos vamos, o Marton F, é bom jogador, daqueles chatos pra dedeu, mas só mais você Tiago, mantendo essa intensidade, o saque afiado, e a solidez na base, vai longe.

    Responder
  5. Paulo Almeida

    Eu me enganei: esse Berankis não foi nem sombra do que incomodou o Djoko em Cincinnati. Enfim, outro treino.

    O Sandgren deve ter gastado tudo contra o Hurkacz mesmo pra perder de forma tão bisonha. Um adversário bem inesperado esse colombiano!

    Sou mais o Monteiro contra o Fucsovics.

    Responder
  6. Rodrigo S. Cruz

    Esse Denis ” Vacilãosov” tem uma das piores cabeças do circuito.

    Duas vezes ele sacou por jogo diante do Roberto ” Pangareles” Baena, e desperdiçou.

    Mas os dois últimos pontos foram dois voleios BIZARROS.

    O primeiro deles o vacilão deixou na rede, e o segundo ele alongou pra fora…

    Responder
  7. periferia

    Olá….filmes sobre esportes

    Lances Inocentes (xadrez)….1993…Steven Zaillian.
    Filme interessante.
    É sobre um garoto com grande aptidão para o jogo.
    A figura do gênio/polêmico Bobby Fisher está por todo o filme ..quase como um fantasma….(até no título original)….mas não é sobre ele….é sobre o inicio da paixão pelo esporte…uma história real bem contada.

    O Melhor Jogo da História (golfe).2005…Bill Paxton.
    História de um jovem amador que disputou o U.S. Open de golfe de 1913 contra os grandes profissionais da época…uma história real bem contada.

    Prefontaine Um Nome sem Limites (atletismo).1997…Steve James.
    Cinebiografia do fundista Steve Prefontaine…curiosidade…o treinador do atleta….Bill Bowerman foi o criador da Nike..produzindo o primeiro tênis da marca….uma história real bem contada.

    Abs

    Responder
  8. EDVAL CARDOSO

    Tudo bem que as tvs dêem preferência aos jogos do Nadal e Djokovic,pelos fãs e tudo mais,mas vamos combinar,que jogos chatos, não por causa deles,mas pelos adversários,que não tem o mínimo de competitividade nessas duas primeiras rodadas,o jogo do Shapo tá muito mais divertido de ver.

    Responder
  9. Rubens Leme

    Dalcim, em homenagem ao cearense Thiago Monteiro, o disco de estreia de um cearense arretado lá de Sobral. Belchior é um destes artistas que algum dia daremos o devido crédito, compositor excepcional, artista de grande sensibilidade e que teve um triste final de vida, até mos deixar em 2017, aos 70 anos.

    O disco traz a versão original e menos polida de “A Palo Seco”. Que este simples rapaz latino-americano inspire e ilumime o Thiago, lá em Paris. Stan o aguarda na final.

    https://www.youtube.com/watch?v=4RvCRJ0wXyU&list=PL_G2ONaOGRwDUFI-5JMtP_ZuTSIY-_BxF

    Responder
  10. Rafael Azevedo

    Feliz e triste…

    Feliz pela Vitória convincente do Monteiro. Os 2 últimos sets me fizeram crer na possibilidade de vitoria sobre o Fucsovics

    Triste com a Band. Não sei os motivos, mas por que não transmitiu o jogo do cearense? Lastimável!

    Responder
  11. Evaldo Aparecido Moreira

    Dalcim,
    Lembro de comentar , acho que ano passado, a respeito do Thiago Monteiro, sobre o que fazer, o que melhorar em alguns aspectos, e de lá pra cá, o Monteiro melhorou demais, o saque mais potente e o backhand, deu salto notável, mas como sou exigente, rsrsrs, gostaria de vero Tiago indo mais a rede, ou seja, na transição, na subida volear mais, e acredito que ele mão pra isso, venceu o Giron, com autoridade, e o próximo pode ser o hungaro, esse dá trabalho, ou o albert Ramos, como você até o momento, a participação do Thiago Monteiro, Dalcim?

    Acredito eu, se manter o foco, e na ofensiva, vence qualquer um dos citados ao meu ver, mas o Marton é de carne de pecoço Dalcim, kkkkkkkkk

    Responder
  12. Rubens Leme

    Boa vitória do Thiago que enfrentou um tenista fisicamente muito parecido com o Leonard Hofstadter, de Big Bang Theory. Consultei Pai Luxa, o invicto, o homem que tirou a urucubaca do Rony, ontem (isso sim é mandiga das boas!), e ele me garantiu que a final de Paris será entre o Thiagão e o Stan, o Chico Bento dos Alpes, em jogo de cinco sets. Mas não quis me adiantar o campeão, disse que os chacras precisam se alinhar melhor, falta um Bruno Henrique ali na conjução. Bruno Henrique ou Lucas Lima, explicou, mas não Gustavo Scarpa, esse já rodou.

    Recado dado.

    Responder
    1. Gabi

      Não foi esse Miami que jogou contra o Boston rsrs…Poxa, Miguel!! rsrs.

      Lakers conseguiu resolver um problemão ontem: o garrafão fechado do Heat. Furou a defesa com mão calibrada e daí em diante foi sentindo a brisa de Miami…

      Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Abriram antes do jogo do Djoko começar. É assim que se procede. Caso o teto fosse fechado no primeiro game do Djoko, aí não abriria mais.

          Responder
  13. Gustavo Luis

    Por mais que o Zverev tenha sofrido hoje, acho que ele vem acabando aos poucos com aquele estereótipo de não ir muito longe nos Slams, acredito que de um jeito ou de outro, ele mesmo não jogando tão bem nas rodadas iniciais, acaba vencendo seus jogos, creio que no mínimo ele vá novamente para 2 semana.

    Sempre é bom relembrar que, em 2020, ele fez semi no Ausopen, e foi finalista no Usopen, meu palpite para Roland Garros é que ele pare novamente nas quartas, dessa vez perdendo para Nadal

    Responder
  14. Sérgio Ribeiro

    Quando iria imaginar o Touro num Saibro lento mais próximo a base , encurtando os pontos , e Zverev e Thiem ( principalmente este ) , querendo vencer a moda antiga. O forehand do Alemão simplesmente não anda . Faz um esforço danado pra nada. Deve cair rapidinho. E Dominic se escapar dos mísseis de STANIMAL, vai perder vários pontos para o Touro somente nas curtinhas. Espero que Massu e Ferrer não percam mais tempo no puxão de orelhas nos garotos. Somando os Posts do Blog com os do face TênisBrasil , mais de 30 cravaram que Serena fingiu a lesão no jogo contra Azarenka . No mesmo dia o Bola Amarela cravou Tendão de Aquiles . Ninguém iria se deslocar até Paris se não fosse verdade . O preconceito realmente é triste . Aliás a Rainha perdeu a chance de fazer como Fognini e CIA . Entrava em quadra e faturava mais uns $$$$$$$$$$$ e partia logo a seguir. A vejo na mesma situação do Craque. Wimbledon ou Wimbledon… Abs!

    Responder
  15. Rafael Azevedo

    To achando que o Sinner vai “roubar” de Zverev o duelo das quartas de final contra o Nadal…

    Dalcim, se o Wawrinka vencer esse slam, na sua visão, ele passaria o Murray no ranking dos melhores da história?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que o número 1 e os títulos olímpicos ainda pesariam a favor do Murray, mas não seria qualquer absurdo que alguém dissesse o contrário, Rafael.

      Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Puxa, não tenho qualquer preferência nesse caso. Admiro demais os dois. Um tem um poder ofensivo espetacular e um jeitão meio despreocupado com o jogo. O outro é um guerreiro, se defende incrivelmente, faz qualquer coisa com a bola.

          Responder
      1. Heitor

        Mestre Dalcim, meu ídolo! Permita-me discordar um pouco. Concordo com você que Murray permaneceria maior e discordo apenas quando falas que entenderia quem discutisse sobre isso.

        Ainda que o monstro do Stan vença RG, e vou além, ainda que ele conquiste RG esse ano e Wimbledon ano que vem (fechando o grande slam de carreira), ainda assim considero que o Murray seria muito maior que Stan sem haver espaço pra discussão.

        É diferente, por exemplo, do big 3, em que os número dos mesmos são muito parelhos em todos os aspectos, de forma que a discussão é ampla e há pontos a serem argumentados a favor de cada um deles.

        Quanto a Murray e Wawrinka:
        Murray atingiu o número 1 do mundo, ganhou 3 slams, foi vice em outras 8 finais, fez 10 semis e 9 quartas. Chegou 21x entre os 4 e 30x entre os 8.

        Venceu 1finals, conseguiu a classificação para 8 finals (o que demonstra a sua regularidade), venceu 14 masters 1000, foi vice em 7 masters 1000, venceu 2 ouros olímpicos e carregou os britânicos na Copa Davis para o título sem uma única derrota. E ainda leva vantagem no confronto direto com Stan.

        No total são 20 títulos de grande importância, totalizando 46 na soma com os demais.

        Enquanto isso, Stam só tem 3 Slams, 1 masters 1000 (4 títulos grandes) e 16 títulos no total (mais da metade, 9, em atp 250).

        Stan está entre os melhores e maiores que vi, mas a diferença pra Murray é muito grande, não acho que 1 ou 2 slams a mais tornaria ele maior, mesmo o peso de um Slam sendo gigante.

        Abraço, turma boa!

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Você viu como dá margem para discussão? Você já se manifestou… rsrs… São dois geniais tenistas, as preferências são válidas.

          Responder
      2. Miguel BsB

        Por mais que eu goste do Murray como pessoa (nem tanto do jogo) e respeite demais o seu currículo, eu seria um que colocaria Stan na frente…
        Mais por conta do estilo de jogo mesmo, e, provavelmente, eu seria minoria.

        Responder
  16. VINICIUS BENEDITO CUSTODIO

    Dalcim pelo que vc viu, o Stan tem chance de fazer frente ao thiem, em um possível jogo de oitavas ou nível do thiem está muito superior vc acha?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É sempre difícil você avaliar jogadores com adversários tão distintos. Mas não tenho qualquer dúvida que o Stan estará muito motivado para um duelo desse tamanho.

      Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Haja geleia indigesta então, hein? kkkkkk

      Porque além dos 20 slams e dos outros recordes que o sérvio não derrubou, temos que:

      1) o Djokovic começou a jogar com o Federer em Monte Carlo 2006, e só foi conseguir ultrapassá-lo em 2018.
      ou seja, o cara demorou 12 ANOS para atingir o feito. kkkkkk

      2) o sérvio esbanja um físico superior a qualquer versão do suíço.

      3) 6 anos mais jovem

      kkkkk

      Responder
  17. Paulo Almeida

    Randy Rhoads (guitarrista de Quiet Riot/Ozzy Osbourne) teve sua carreira interrompida aos 25 anos em um acidente estúpido de avião. Outros grandes nomes do rock que perderam a vida em tragédias automobilísticas foram Cliff Burton (baixista do Metallica), Criss Oliva (guitarrista do Savatage) e Cozy Powell (baterista de várias bandas, principalmente Rainbow).

    Para mim, a perda do Criss (ASSASSINADO por um motorista bêbado que invadiu a contramão e colidiu de frente com seu veículo) foi a pior de todas. Tocava com uma facilidade absurda e tinha muito, mas muito feeling. Está tranquilamente entre os melhores guitarristas de todos os tempos.

    Responder
      1. Paulo Almeida

        Nada a ver. A maioria esmagadora das lendas está viva ou morreram depois de velhos. No entanto, alguns artistas são superestimados pelo fato de terem partido cedo mesmo. Não é o caso do Randy.

        Não foi você que disse que nolistas não entendem nada de música?

        Responder
    1. Miguel BsB

      Colocaria o Dimebag Darrel (Pantera) nessa lista aí, apesar de não ter sido acidente automobilístico.
      Foi BIZARRO, assassinado por um “fã” maluco com um tiro enquanto estava em cima do palco tocando…
      O outro “maluco” que assassinou John Lennon tá na cadeia até hoje e só sai morto.
      Randy Rhodes, um dos maiores e mais revolucionários guitarristas de Hard Rock/Heavy Metal de todos os tempos. Na época, eram ele e o Van Halen na disputa pelo trono.
      Crazy Train é uma das minhas músicas favoritas.

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Bem lembrado, Miguel. O assassinato do excelente Dimebag também foi muito chocante.

        Seu irmão Vinnie Paul, co-fundador do Pantera juntamente com ele, morreu recentemente e os dois estão enterrados um ao lado do outro. Sabia??

        Responder
  18. Denis

    Dalcim, olhando a confusão hoje no jogo do Demo fiquei pensando se já houve algum caso no circuito de jogadores que chegaram as vias de fato em quadra. Lembro daquela discussão do Connors e Big Mac que acho que foi a mais pesada e outras menores tipo Murray e Delpo e, mais recentemente, Medvedev e Tsitsipas. Você lembra de algum caso mais grave que esses?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Lembro uma do Koeller que levou um tapa na virada. Houve uma discussão feia do Medvedev e Tsitsipas em Miami em que o juiz precisou interferir.

      Responder
  19. Henrique Luz

    Uma pena para Serena, mas apesar de muitos acharem que ela está muito longe do 24o slam, lembramos que nos últimos 8 grand slams ela fez 4 finais, 1 semifinal (onde se lesionou) e 1 quartas (onde se lesionou no final do jogo). E perdeu na terceira rodada em 2 slams. Para qualquer jogador seria um currículo e tanto. Então acho que vale a pena continuar, diferente de Vênus que está só passando vexame nos últimos torneios.

    Responder
  20. Mário Cesar Rodrigues

    Dalcim em Roma Rafa nos dois primeiros jogos estava voando estou achando poupando o físico .sacando melhor pq a bol a dev E ser vem colocada caso contrário não vai sempré aprofundar as bolas coisas que para ele é importante na defesa está indo bem.mas sinceramente penso é torço que Rafa vai a final e a semi seja com Atam ou Thiem antes se tudo correr vem pega a promessa italiana Rafa gosta de colocar estes principiantes bons no seu devido lugar Rafa estará na final e lembrando que a previsão para até Domingo é tempo frio pode isto prejudicar Rafa,?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele não gosta de frio bem de quadra tão pesada, mas não acredito em grandes riscos para o Nadal antes de cruzar com alguém realmente top, como Thiem ou Schwartzman.

      Responder
  21. Rubens Leme

    Só hoje que vi a chave do Stan: pode pegar Thiem, Dieguito e Nadal antes da final. Coisa fina, hein? Aliás, Dalcim, nesta hipótese de vencer todos e levantar o quarto Slam em cima do Djoko conseguiria uma proeza, de derrotar os três líderes do ranking mundial.

    Nosso Chico Bento suíço-irlandês vai precisar de muito chocolate e Guinness e tentar melhor, como bem lhe ensinou o tio Samuel.

    Vamo que vamo!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Seria um dos maiores feitos da história do tênis, não há dúvida. Mas o Thiem também tem uma sequência hercúlea semelhante, provavelmente tendo de vencer três campeões de Roland Garros para ganhar o torneio.

      Responder
      1. Rubens Leme

        Thiem repetiria o Guga que bateu o Muster, o Kafelnikov e o Bruguera. Está fácil pra ele também. Mamão com açucar. Mas ele para no toblerone.

        Responder
  22. ERNANI PINHEIRO CHAVES

    Legal a renovação do tênis francês e italiano né? Qual o diferencial das Federações nesses dois países Dalcim? Você viu os dois garotos na dupla contra o Marcelo? Promissores , me parece!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A França investe pesado na base, tem um ótimo programa infantil chamado Tennis 10 e Roland Garros serve de centro de treinamento. Segundo os italianos, não há grande participação da Federação Italiana no progresso, ficando mais por conta dos centros de treinamento e no trabalho individual, um pouco semelhante ao Brasil. Mas tanto França como Itália têm um extenso calendário de torneios em todos os níveis e muita atenção aos torneios menores, entre 15 e 80 mil dólares, que ajuda muito na transição.

      Responder
    2. Marcelo

      Maior neste sentido, mas menor sob outra ótica: do Guga em Rg 97 nao se esperava nada.

      Já o Thiem entra favoritìssimo depois do Nadal…

      De qualquer forma, ambos feitos notáveis! (Na minha opiniao)

      Responder
  23. Lucas Duarte Parra

    Dalcim,você acha que esse vários jogos de 5 sets contra adversários bem inferiores tem saldo positivo(mostra que está com ótimo físico e cabeça em dia) ou negativo para o Zverev(joga mal e sofre muito contra tenistas inferiores)??
    Como fica a confiança de um jogador depois desses jogos?

    Responder
  24. Maurício Luís *

    QUEM poderá ajudar a nós, secadores do Nadal? CHAPOLIN COLORADO!
    E se não der certo… “Muttley, faça alguma coisa!”
    ———————————————————————————————————————————————————————————————————————————–
    A Sara Errani nervosinha com as cãibras da Kiki Bertens. Mas mesmo que ganhasse, até onde ela pensa que vai com esse saque que mais parece uma bomba… de chocolate?
    E a Serena cada vez + longe de mais um Slam. Pelo visto, vai ficar nos 23 mesmo, o que já é a maior marca da Era aberta. Não acredito que vá longe no Aberto da Austrália, porque mesmo que recuperada, estará sem ritmo. Seu físico não tá ajudando em nada mais.
    E me desculpem os fãs do Federer, mas também não acredito em mais nenhum Slam pra ele. Mas é outro que não precisa provar + nada pra ninguém.

    Responder
    1. Marcelo

      Sou fã do Federer, mas compartilho da tua opinião: a cada torneio, as chances se reduzem. E uma vitoria hoje nos GS talvez pudesse se dar mais por sorte (por exemplo, os principais eliminados precocemente) do que por suas próprias capacidades.

      Também nao vejo nada de errado nisso. Apenas o tempo passando : – )

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Ainda creio numa vitória do Federer em Wimbledon.

      Principalmente se a chave lhe for favorável, ou se o Djokovic ficar pelo caminho.

      E costumo dizer que o Djokovic, na edição passada, apenas deixou de perder.

      Pois ganhar, ganhar mesmo, não ganhou.

      E eu deixo as noletes do segmento AL QAEDA doidas com isso!

      kkkk

      Responder
  25. Roberto Rocha

    Interessante que, mesmo vencendo com total tranqüilidade, Nadal ainda não me convenceu… mas ainda terá um jogo para ajustes. Depois, na segunda semana do torneio, as coisas complicam. Hoje, Djokovic é franco favorito. Tem jogado o tênis mais vistoso e eficiente. Mas todos nós já vimos esse filme…

    Responder
  26. periferia

    A legião romana está invadindo a Gália novamente.
    Nem Asterix está conseguindo para-los.

    O pessoal do teceiro escalão está em queda livre….
    Nishikori…..Isner…Fognini….Sock….Simon…Gasquet…Querrey….kohlschreiber…Cilic….Monfils…Mannarino…Lopez…Verdasco…

    Responder
  27. Lucas Leite

    Dalcim, o desempenho dos franceses na chave masculina foi o pior da história em Roland Garros? Dos 18 jogadores que entraram na chave principal, só 4 passaram da estreia, com nomes como Monfils, Simon, Gasquet, Humbert e Mannarino ficando pelo caminho. Hoje mais 3 caíram, dentre eles: Paire e Herbert, esse último que teve chances claras em todos os sets contra o Zverev, mas de um forma muito estranha não conseguiu vencer. Me parece que ter um único francês na terceira rodada é muito, mas muito pouco, ainda mais sendo o desconhecido Gaston (que estreou contra outro WC francês, diga-se de passagem). Campanha que os franceses não irão querer relembrar.

    Responder
  28. Gildokson

    Aqui pra nós, essa possível sequência de adversários do Thiem é tão salgada que da até para não apontar mais ele como favorito só por causa dela. Bater em sequência Stan, anão chatinho, Rafa e Djokovic? Deus o ajude kkkkkkk

    Responder
    1. Roberto Rocha

      Realmente, a coisa ficou feia pro Thiem…mas se ele conseguir realizar essa tarefa hercúlea, certamente verá sua carreira decolar rumo às estrelas…

      Responder
        1. José Eduardo Pessanha

          Continuas nesse papo de Slam parrudo? Então, caso o Djokovic seja campeão, será um Slam Olívia Palito. Não vai pegar ninguém de peso até a final e ainda enfrentará um oponente que virá desgastado da outra chave. rs

          OBS: O nível do circuito hoje beira à indigência. E ainda comparam Zverev, Tsitsipas, Carreno Busta, Bautista e outros quejandos com o circuito cheio de bons jogadores da Era Roger Federer. É dose pra elefante. kkk

          Responder
          1. Paulo

            Caro Pessanha, nao dá para ficar vivendo do passado. Ahh porque a nba era melhor antes, ahh porque o tenis era melhor antes.

          2. Paulo Almeida

            Pessanha, ganhar de um Nadal, Thiem ou Stan “desgastados” vale 10 vezes mais do que ganhar de Philippoussis, Baghdatis, González, Roddick, Hewitt, Agassi de fraldão, Cilic e Soderling.

            Aliás, Agut, Busta e Tsitsipas são infinitamente superiores a pelo menos três dos listados acima.

            Abs.

  29. Miguel BsB

    Amanhã é Thiago! Vamos!
    Thiem pegou uma chave realmente encardida…acho que passa pelo Ruud, que vem de jogo desgastante, mas, contra Stan, ai é 50/50. Dps el Peque, seu amigo. É, não ta fácil a vida nesse quadrante não, e, quem sobreviver, muito provavelmente vai ter que encarar o Touro Miúra, Rei de Roland Garros…
    Como falei no outro post, prefiro assistir a um jogo do Herbert, jogo de rede, voleia muito, a 70% do circuito masculino.

    Responder
  30. Fedex

    Thiem foi mais uma vez testado, mostrou que precisa melhorar em alguns fundamentos. Por outro lado economiza energia, e vai pegando ritmo, tendo em vista que não jogou mais de 3 sets, mas precisa tomar mais cuidado, sendo que tem a chave mais difícil do torneio. Caso chegue na semi, pode fazer um grande jogo contra Nadal.
    Dalcim, como vc avalia o jogo do Thiem, frente a um adversário que deu trabalho a partir do segundo set?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que ele foi bem, mas precisa sair um pouco mais da postura defensiva, porque em algum momento terá de apostar mais no seu poder de fogo. Contra o Stan, por exemplo, será difícil ficar só lá atrás.

      Responder
  31. Edgard Upinho

    Dalcim, pelo que demonstrou até agora, vejo wawrinka bastante calibrado nesse início de roland garros. Já o vejo com um dos fortes candidatos no quadrante de nadal e em caso de chegar na final contra djoko, sei não se não teremos um novo título como em 2015. Falando no espanhol lenda do barro, continuo o achando “flojo” no saque e gostaria de vê-lo duelar com um jovem talento como Sinner.

    Responder
  32. Rubens Leme

    É impressionante que o Sock tenha vencido 1Masters e jogado um Finals, porque ele não tem mais postura de tenista. Parece mais um garota que teve um ano mágico,
    ficou rico, resolveu se divertir, foi surfar, deixou a barba crescer (e a barriga também), mas de quando em quando resolve se aventurar sem grandes compromissos.

    Estava indo bem como duplista, mas resolveu tentar novamente a sorte como simplista. Você até vê que seus melhores golpes ainda estão lá, mas totalmente descalibrados.

    Sei que teve um período de lesões, mas acho que jo fundo ele até curtiu. Deu mais tempo pra pegar um bronze.

    Responder
  33. Marcelo Calmon

    Dalcim,
    O Herbert é que perdeu o jogo. Mas jogou muito bem. Deve ter sido o jogador que mais foi à rede no torneio. E com sucesso, a não ser nos pontos decisivos. Era pra ter ganho com alguma folga.
    Aliás o Zverev não deveria ser punido por conta de ter pulado a rede ? O Herbert mostrou muito bom humor na situação.
    A Errani depois ainda disse que a Bertens saiu de cadeira de roda, mas logo depois estava normal no restaurante. Mas cãibra é assim mesmo.
    O clima também esquentou no jogo do Demoliner. O Evans ameaçou ir pro confronto físico, mas foi com o Middelkoop.
    Polonesa segue atropelando.
    Gostei também da italiana Trevisan. Teve outro lance que precisaria do VAR no jogo dela. Ela discordou da marca que a juíza mostrou. Disse que seria outra marca. Seria MP a favor, mas acabou sendo BP que foi convertido. Quase que ela se complica.
    Amanhã espero que a Band passe o Monteiro deste o início. Tem também no mesmo horário a estreia da Stefani.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Incrível como um tenista profissional não conhece a regra, ou pior ainda dá de ombros a ela. Ir checar marca do outro lado da quadra a gente aprende lá no infantil que não pode. Deveria ser advertido e tomar multa.

      Responder
  34. DANILO AFONSO

    Nos últimos dias tem se comentado muito acerca da lentidão das partidas do torneio de Roland Garros em decorrência da chegada do outono europeu e nova bola Wilson. E com esse novo cenário, tenistas e torcedores especulam qual dos principais favoritos ao título, Nadal, Djokovic, Thiem e Wawrinka, teria se beneficiado com as mudanças.

    Fugindo um pouco da polêmica da nova bola, pois não há dados estatísticos para embasar a percepção dos tenistas, vou expor abaixo números comparando o aproveitamento dos tenistas ao longo da carreira conforme a VELOCIDADE DO PISO:

    NADAL
    Very Fast – 74,4% (145-50)
    Fast – 75,3% (125-41)
    Medium Fast – 80% (217-36)
    Medium – 85,8% (217-36)
    Medium Slow – 88,7% (133-17)
    Slow – 91,5% (107-10)
    VERY SLOW – 95,8% (68-3)

    DJ0KOVIC
    Very Fast – 82% (201-44)
    Fast – 81,9% (163-36)
    Medium Fast – 85,6% (184-31)
    MEDIUM – 86,1% (186-30)
    Medium Slow – 83,5% (71-14)
    Slow – 78,7% (48-13)
    Very Slow – 68,3% (24-11)

    THIEM
    Very Fast – 58,7% (54-38)
    Fast – 54,3% (44-37)
    Medium Fast – 57,8% (37-27)
    MEDIUM – 79,8% (71-18)
    Medium Slow – 75,3% (58-19)
    Slow – 50% (6-6)
    Very Slow – 60% (3-2)

    WAWRINKA
    Very Fast – 51,8% (71-66)
    Fast – 63,6% (91-52)
    Medium Fast – 61,2% (90-57)
    Medium – 69% (109-49)
    MEDIUM SLOW – 70,7% (87-36)
    Slow – 69,8% (44-19)
    Very Slow – 50% (9-9)

    Analisando a estatística acima, fica claro que o NADAL tem um melhor aproveitamento de vitórias à medida que o piso é mais lento, já DJOKOVIC, THIEM e WAWRINKA possuem melhor aproveitamento nos pisos com velocidade mediana.

    Os números acima corroboram ao que leio em vários sites e fóruns: de que o piso mais lento favorece o espanhol em razão da maior quantidade de ralis, e que o sérvio que gosta de jogar com o peso da bola do adversário, teria um aproveitamento inferior nos pisos mais lentos.

    Enfim, se as novas condições de Roland Garros 2020 resultaram em um jogo muito lento quando comparado a outras edições, em tese, Nadal seria o maior beneficiado.

    Responder
    1. DANILO AFONSO

      Apesar do FEDERER está afastado do circuito, não podemos deixar de expor o aproveitamento dele.

      Very Fast – 83,7% (282-55)
      Fast – 83,6% (219-43)
      Medium Fast – 83,5% (259-85)
      Medium – 80,7% (213-51)
      Medium Slow – 78,7% (96-26)
      Slow – 77,8% (56-16)
      Very Slow – 76,7% (46-14)

      Federer ao contrário do Nadal, o seu aproveitamento vai piorando conforme o piso é mais lento.

      Responder
    2. Luiz Fabriciano

      Muito interessantes esses dados Danilo.
      E como a escalada de Nadal e Federer são idênticas: um para um lado e outro para o outro.
      Daí podemos ver também o quanto Nadal foi exigido por Federer quando jogaram apenas em pisos mais rápidos e venceu, já que o gráfico aponta sua aptidão para o outro piso.

      Responder
    3. Gabriel aguiar

      Bem interessante, mas pelo o que li a questao do Nadal nao é bem o piso, é o quique da bola, numa quadra umida e no frio, ela gira menos, quica mais baixo, logo atrapalha o jogo dele, ele precisa de um saibro seco

      Responder
  35. Paulo Almeida

    O Chico Bento jogou muito hoje, como nos seus melhores dias, mas não é confiável. De qualquer forma, é melhor o Thiem abrir o olho para o possível confronto de oitavas. E o pior é que ainda tem que passar pelo ótimo Ruud, rs.

    Nadal e Dieguito vão nadando de braçadas em suas chaves e o Zé Verev se complicando como sempre. Sei não, mas acho que o alemão para no Sinner nas oitavas.

    O craque sérvio teve alguma dificuldade contra o Ricardão em Cincinnati, então não deve ser outro treino amanhã. Aliás, é até bom que seja testado.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Existe o Craque Suíço, meu caro Piloto . Fica frio que muitos estão percebendo sua participação com outros Nicks . O Dalcim somente pediu para o rapaz diminuir o tom … Abs!

      Responder
      1. Paulo Almeida

        O craque sérvio é o Pelé do tênis.

        Não venha me encher com esse negócio de fake, Ribeiro. Já basta um paranoico.

        Aliás, você nem percebeu que esse Jhonny que apareceu não é o Johnny/Vitor Hugo.

        Abs!

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *