Vem aí um duro Roland Garros
Por José Nilton Dalcim
26 de setembro de 2020 às 19:41

Se as previsões se confirmarem, tenistas, organizadores e espectadores devem estar preparados para difíceis dias em Roland Garros. O próprio site oficial do torneio alertava neste sábado para a tenebrosa previsão do tempo neste começo de outono em Paris: frio, chuva e vento.

Os mais confiáveis serviços de metereologia indicam este domingo de primeiro dia de jogos com muita chuva a partir das 11 horas locais e alguma chance de melhoria no fim de tarde, com não mais do que 16 graus. Para a segunda-feira, é provável que o mau tempo só dê trégua a partir das 14h de Paris. Por fim, terça e quarta prometem ser dias normais, porém o aguaceiro deve voltar no fim de semana de no máximo 15 graus.

Isso quer dizer que somente aqueles escalados para a nova Philippe Chatrier e seu novíssimo teto retrátil terão vida sossegada, tanto nas condições mais amenas como na garantia do calendário. Isso certamente vai criar reclamações e possivelmente, injustiças.

E se a bola já parece pesada, o que pensar então diante desse panorama climático? Quique baixo, muita força para fazer os golpes andarem, prováveis quebras de serviço em número expressivo e chance de jogos bem demorados.

Único Grand Slam com 15 dias de duração, Roland Garros larga às 6h (de Brasília) deste domingo com ótimas atrações, se obviamente os jogos acontecerem. No masculino, estão garantidos Goffin-Sinner e Wawrinka-Murray, além de Halep-Sorribes porque todos serão na Chatrier. Lá fora, seria promissor Zverev-Novak, Schwartzman-Kecmanovic, Evans-Nishikori, Azarenka-Kovinic e Konta-Gauff.

O que esperar das meninas
Halep larga com favoritismo natural, mas pode ter alguns duelos exigentes. A estreia é contra a especialista Sara Sorribes e lá nas oitavas deve vir a atual vice Marketa Vondrousova. As quartas parecem mais fáceis.

O outro quadrante promete mais equilíbrio, já que se prevê Elina Svitolina x Elise Mertens e Victoria Azarenka x Serena Williams. Com tantas incertezas sobre como será o estilo ideal, sugiro  esperar. No entanto, o título deste sábado de Svitolina em Hamburgo, sob condições tão semelhantes, me parece lhe dar favoritismo.

No lado inferior, Karolina Pliskova e Sloane Stephens prometem duelo precoce na 3ª rodada e a eventual partida de quartas seria diante de Petra Kvitova ou Madison Keys, embora eu esteja curioso para ver Angelique Kerber nesse setor.

A quarta semifinalista tem duas fortes candidatas: Aryna Sabalenka e Garbiñe Muguruza, que no entanto devem se cruzar nas oitavas. Elena Rybakina pode dar trabalho nas quartas.

Vale lembrar que quatro das top 10 estão de fora: a atual campeã Ashleigh Barty mais Naomi Osaka, Bianca Andreescu e Belinda Bencic.

Saiba mais
– Esta será a 90ª edição do torneio internacional, que é o que realmente conta em termos de Grand Slam.
– A premiação geral caiu, mas os perdedores de estreia ganharão 60 mil euros, 14 mil a mais do que em 2019. A partir das quartas, no entanto, há queda de quase 30%. Os campeões levam 1,6 mi contra 2,3 do ano passado.
– A tenista em atividade com mais títulos no saibro é, acreditem, Serena, com 13. A recordista na Era Aberta tem 66: Chris Evert.
– Nadal e Djokovic também disputam a honra de ser o ‘trintão’ com mais Slam. Cada um tem 5 no momento.
– A última canhota a ganhar Roland Garros foi Seles, em 1992, e a última a vencer sem perder sets, Henin, em 2007.
– Murray não jogou uma única partida sobre o saibro desde que perdeu para Wawrinka na semi de Paris de 2017.
– Roland Garros é o único Slam em que o campeão do ano anterior jamais perdeu na estreia da edição seguinte na Era Aberta.
– Feli López chega a 75 Slam disputados, agora a 4 do recordista Federer. O espanhol soma também 74 seguidos. Venus totaliza incríveis 87 na carreira e Serena, 76.


Comentários
  1. JAN DIAS

    Como eu havia dito anteriormente, STAN 🇨🇭 conseguiu manter a forma física durante a pandemia e também manter seu backhand potente e afiado… Torcendo por
    ele ou pro THIEM ganhar RG; a meu ver são os que têm mais chance de vencer NADAL e DJOKO no saibro..
    Por outro lado, uma tristeza imensa em ver o MURRAY 🇬🇧 se arrastando na quadra… é duro admitir mas a carreira dele em alto nível acabou..

    Responder
  2. Sérgio Ribeiro

    E realmente o garoto Italiano passou o carro em Goffin . O belga vem mal no Saibro não e’ de hoje. Muita choradeira de vários Tenistas fazendo coro com Nadal em relação a bolinha. Eu vi STANIMAL meter 42 WINNERS em hora e 1/2 fazendo a bolinha andar muito. Então, na boa . Menos para os Chorões. Até mesmo Sasha andou disparando alguns mísseis . O Espanhol tendo tempo pra preparar seu golpes de fundo fará estragos . Ou seja , mantém o favoritismo com Novak e Thiem vindo na cola . Nada mudou a nosso ver. Abs!

    Responder
  3. João ando

    Já que falam tanto de bolas de tênis …uma bem estranha que eu não sei se ainda existe era a tretorn….aqui no Brasil tinha uma bola chamada pzm que era bem grande para os padrões normais se não falha a memoria

    Responder
  4. Paulo Almeida

    Já era pro Murray. Está mais avariado do que o Guga que varreu o Federer em Rolanga 2004.

    Essa lesão provavelmente surgiu por conta do esforço enorme que o britânico fez para se tornar número 1 do mundo em 2016. Jogava tudo quanto é torneio sem descanso e, como não nasceu com a melhor relação peso/altura da história (Djokovic), acabou pagando um preço alto.

    Acho que um grande campeão como ele, que valorizou tanto os títulos do GOAT, não merece ficar passando vergonha. O melhor é se retirar das quadras.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      TRÊS imensas bobagens para variar . Um triplo 6 x 4 é varrer o que cara-palida ? Murray e Novak jogaram o mesmo número de torneios em 2016 . Como estava Novak no início de 2017 ? E continua com a babaquice de GOAT com um cara atrás em SLAM , número de Semanas e FINALS . Na boa , és um autêntico Mané incorrigível kkkkkkkk Abs!

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Varreu em sets diretos mesmo e com o quadril detonado. Vexame do suíço já com dois Slams na bagagem perder para o Guga naquelas condições, mesmo sendo fraco no saibro.

        Errado! Murray fez muito mais partidas do que o Djokovic em 2016, incluindo dois ATP 500 naquela reta final. O escocês estava insano pelo número 1.

        GOAT é quem tem mais títulos, semanas e domínio sobre os arquirrivais na era mais difícil do tênis (década de 2010).

        Sem choro!

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Deixa de ser bobo , guri. GUGA somente caiu nas Quartas para Nalbandian . Federer está longe de ser fraco no Saibro . Murray e Novak disputaram 18 Torneios em 2016 . E Novak começou 2017 lesionado no cotovelo. O amigo é um desinformado que tenha diminuir os oponentes do Cara do Poster do teu quarto kkkkkkkkk Abs!

          Responder
          1. Paulo Almeida

            Murray jogou muito mais partidas no segundo semestre, incluindo Olimpíadas, Cincinnati, Pequim, final de Xangai, Basel e final de Paris.

            Tenho certeza que sua lesão apareceu aí e a Djokovic surgiu até antes, mas por motivos diferentes.

            Fim de papo!

  5. periferia

    Bola

    O jovem espanhol estava em uma semana triste.
    O pai percebendo….comprou uma bola de presente para ele.
    Lembrando o prazer que sentira ao ganhar sua primeira bola (aquela bola com feltro amarela…quicava para todo lado …era a “bola”) .
    O jovem espanhol agradeceu….tirou da embalagem…começou a manusear a bola …quase como procurando algo.
    – Como liga? – perguntou.
    O pai assustado respondeu :
    – Não liga.
    O jovem espanhol continuou a especionar a embalagem onde se encontrava a bola .
    – Ela não tem manual de instrução???o que essa bola faz???
    – Ela não faz nada….vc é que faz coisas com ela.
    – O quê?
    – Vc coloca efeito nela…ela gira…faz curvas….quica….é uma bola….( pai ficando impaciente).
    O jovem espanhol desconfiado ficou olhando a bola demoradamente….ela era “pesadinha”.
    Tudo bem….pensou ele….era um presente e faria o melhor com o presente que recebeu….apesar de não gostar muito de novidade….se adaptaria a novidade.
    Assim como aquele filme …
    Seria apenas ele e Wilson.

    Tio Toni poderia aparecer …

    Responder
  6. Maurício Luís *

    Dalcim, por favor, 2 dúvidas.
    1) Como faço pra mandar uma mensagem de apoio à Carla Suárez Navarro? Minha prima tinha o mesmo problema de saúde do que ela;
    2) O que aconteceu com o coreano Hyeon Chung?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que o ideal é você usar alguma mídia social dela. Sei que ela tem twitter e face. O Chung jogou quali e perdeu na segunda rodada.

      Responder
  7. Rodrigo S. Cruz

    Eu tinha comentado em uma resposta para o Miguel que o Wawrinka tinha tudo pr aganhar do Murray, sem perder sets.

    (a menos que as “viajadas” do suíço comprometessem o desempenho)

    E a minha previsão de confirmou: o Stan atropelou o Murray.

    Quanto ao britânico, é muito triste ver um grande campeão como ele jogando tão abaixo do que costumava.

    Infelizmente, o Andy Murray de hoje é um ex-tenista em atividade…

    Responder
    1. Maurício Luís *

      Eu torço pro Murray, mas concordo plenamente. O nível dele agora é pra ATP 250 quando muito. E embora eu não seja médico, sei por pessoa conhecida que passou pelo mesmo procedimento que o atrito gerado entre as partes da prótese pode liberar substâncias nocivas na corrente sanguínea. Mas acredito que isto deve estar sendo monitorado pelos médicos dele… assim espero…

      Responder
  8. Nattan Labatto

    Acredito que Nadal estaria em “apuros” se a quadra estivesse rápida igual a de Madri com essa bola Wilson (quique baixo e pouco spin). Apesar do espanhol ter tido sucesso nas rápidas, é justamente as quadras lentas que o fizeram Rei do saibro.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Engano seu, Nattan. O Nadal não gosta do saibro tão lento, ele gosta de um saibro mais rápido. Madri claro tem a altitude, é diferente.

      Responder
      1. Nattan Labatto

        Obrigado pelo toque, Mestre! Eu tinha essa falsa impressão sobre o Touro Miúra, justamente por ter tido “menos sucesso” em Madri (4 títulos) que em Roma e MC. Ah, também por ter perdido aquela final para o Leão da Montanha, em sets diretos, em 2009.

        De qualquer forma, o espanhol é de fato uma aberração nesse piso!

        Novamente, grato!

        Responder
  9. Willian Rodrigues

    Vejo com muita tristeza o fato de Murray não retornar ao seu mais alto nível. Sujeito que faz bem ao esporte…
    À época que ele anunciou seu retorno ao circuito profissional, alguns ortopedistas mundo afora alertaram para o risco de desgaste mais rápido da prótese de quadril, e do risco de intoxicação a partir das partículas metálicas oriundas desse desgaste. Imagino que ele seja MUITO bem assessorado, inclusive acompanhado pelos melhores médicos do mundo, mas, será que vale a pena colocar a saúde em risco após já ter conquistado tanta coisa?
    Dalcim, pelo que assistimos hoje, será que ele ainda terá mesmo condições de disputar grandes títulos?

    Responder
  10. Miguel BsB

    É, achei que seria equilibrado mas o Stan atropelou pela faixa inversa britânica o Murray!
    O Rodrigo comentou ali embaixo e é isso mesmo, não existe qualquer comparação entre Wawrinka e Goffin…
    Pode botar 3 Goffins pra bater na bola que não geram a potência dos golpes do suíço.
    Em termos de conquistas então, não há nem o que discutir…

    Responder
      1. Willian Rodrigues

        Dalcim, conforme o ditado, “onde há fumaça, há fogo!” Praticamente todos os jogadores reclamando. Não se trata de “choramingação” de Nadal e Thiem. Sem dúvidas, essas bolas estão mesmo fora do padrão mais ideal para as atuais condições climáticas de Paris, e talvez, não sejam mesmo ideais para o saibro em qualquer localidade. Uma pena, por que o espetáculo poderia ser ainda maior! Espero que nenhum atleta seja acometido por lesões em decorrência disso.
        Saudações

        Responder
  11. Nattan Labatto

    Por falar em jogo duro em RG, a maior Vitória de Roger Federer no Slam francês foi em 2011 contra o até então imbatível, Novak Djokovic. Jogão, o suíço jogo demais!!!

    Ainda bem que o Nole devolveu a derrota, desta vez em sets diretos, na semi do ano seguinte. 💪🏻👊🏻

    Nilo, ñ esqueça de nos atualizar sobre as semanas que faltam pro Djoking quebrar o recorde do helvético.

    Abs

    Responder
    1. Willian Rodrigues

      Prezado Nattan, aquela foi uma das melhores partidas que Federer já disputou no saibro. Se dúvidas, jogou demais! Entretanto, Djokovic vinha de uma incrível sequência de 42 vitórias, com jogos muito intensos contra Nadal, incluindo o saibro de Madri e Roma. Apenas lembrando que o sérvio evitou o torneio de Monte Carlo 2011 por dores no joelho, e estava com proteção naquela semifinal contra Federer em RG.
      Estivesse menos desgastado, não teria perdido naquele dia. HeHeHe

      Responder
  12. Miguel BsB

    Se tem um jogador no circuito que sabe se adaptar às mais diferentes condições e superar dificuldades é o Nadal.
    O cara é o melhor saibrista da história, rei de RG.
    Além do mais, com o físico em dia, ele aguenta jogos mais lentos, por horas e horas, mesmo aos 34 anos.
    Apesar de tudo, mesmo não sendo as condições ideias (para ele), continua favoritaço ao título.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Ainda é cedo para afirmar.

      Mas acho que esse Roland Garros ficou um pouco mais com cara de Novak Djokovic.

      As condições muito lentas devido ao tempo e o novo tipo de bola vão privilegiar os tenistas mais físicos.

      E eu sempre disse que acho que nem o NADAL tem tanto físico como o chiliquento.

      Os jogos tendem a ter uma duração maior, e muitas trocas de bola.

      Claro que essa minha impressão pode estar errada.

      Vamos aguardar…

      Responder
      1. Willian Rodrigues

        Não fica agourando o sérvio não doutor Rodrigo… Sai pra lá com qualquer mandinga! KKKKK
        Deixa “nóis sonhá” com o 18º título de grand slam!

        Responder
  13. Marcelo Seri

    Grande Dalcim, talvez vc já tenha falado aqui, mas não me atentei..
    Esse ano não vai ter aquela transmissão via streaming oficial de Roland Garros?
    Abraços!

    Responder
  14. João ando

    Quem jogpu tênis sabe que as bolas dunlop e slangezer e até babolat era duras …principalmente as duas primeiras. …agora bola wilson dura essa eu quero conhecer …..Acho que e desculpa do Rafael se não ganhar o torneio

    Responder
  15. Luiz Fernando

    Goffin vai sendo atropelado pelo Sinner no set 2, 50, após perder o primeiro. O belga é um bom jogador, mas é outro do time dos atuais Cilic, Wawrinka e Nishikori, caras q estão ali p perder, não p jogar, dos principais jogadores. Esses caras tem q sair de cara mesmo, p dar lugar aos q tem mais coragem e bola pesada p incomodar os favoritos…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      O Goffin deu azar de estrear contra o jovem e promissor Sinner.

      Mas é risível você querer colocar o belga no mesmo patamar do Stan…

      O suíço tem 3 títulos de Grand Slam.

      Além de ter muito mais potência nos golpes da base e no saque…

      O Goffin é um jogador muito esforçado, mas que possui poucas armas.

      É leve, rápido de pernas e joga no contra-ataque…

      Mas muito limitado tecnicamente para ser comparado com o Wawrinka.

      Responder
      1. Willian Rodrigues

        Concordo com você Rodrigo!
        A diferença entra esse suíço e o belga é abissal.
        Trata-se daquele que mais se aproximou do Big 4, na verdade. Mais que o próprio Del Potro, em minha modesta opinião. Se bem que ninguém sabe até onde teria ido esse argentino, caso não fosse vítima de tantas lesões graves (afirmação feita pelo próprio Federer). H2H entre os dois é 4 x 3 em favor do Delpo.
        Assisti à partida Murray – Wawrinka hoje e achei o suíço muito bem fisicamente. Pode ser que vá longe nesse torneio hein!

        Responder
  16. Alice

    Não sei o que a história nos reserva, mas é curioso que esse Roland Garros totalmente atípico e ‘tenebroso’…dado às “novas bolas pesadas”, ao “novo clima”… úmido, frio e ainda chuvoso…pode dar a Nadal, o seu RG de número “13” …bem curioso. É um grande azar ou sorte pra quem acredita….rs

    Responder
    1. Flávio

      Alice o Tsitsipas acabou de entregar o título de Atp Hamburgo para o bom Rublev,agora o Tsitsipas tem talento mas é um cabeça de vento, está mostrando que ganhou o finals do excelente Thiem na sorte porque não há explicação por ele ser tão lerdo e meio pipoca (porque entrega no final)assim,então mestre Dalcin até onde você acha que o cabeça de vento do Tsitsipas pode ir no Rolland Garros? Abraços!

      Responder
      1. José Nilton Dalcim

        Olha, essa derrota pode piorar a cabeça dele, sem falar na parte física (pediu atendimento no joelho) e a difícil mudança de bola em apenas dois dias. Vai pegar o Munar, que já foi melhor mas é especialista, depois quem sabe o Cuevas, a quem venceu com certa dificuldade em Hamburgo. Mas duro mesmo vai ser passar pelo Krajinovic.

        Responder
      2. Alice

        Complicado, Flávio. Será que ele chega a segunda semana? Pois é, apostei alto … mas pode até cair nas primeiras rodadas. Estou até suspresa que até agora, Zverev vai perdendo seu primeiro set… Quem diria que o tenista mais bem preparado para assumir a ponta do ranking mundial após era Big Four, fosse…ninguém menos do que Dominic Thiem.

        Responder
        1. Flávio

          Alice o Zverev que é um bom jogador e venceu bem, agora o Tsitsipas que tem um bom talento, mas o cara é um cabeça de vento demais, lamentavelmente o cara jogando o seu talento fora, e pelo o seu histórico de vida seria interessante o Tsitsipas vencer na carreira, mas aí depende dele. Agora eu acho legal ver a evolução do Hublev que pode dá trabalho no futuro.

          Responder
  17. Davi Poiani

    Olá Dalcim, não compreendi a seguinte frase ao final do texto:
    – Roland Garros é o único Slam em que o campeão do ano anterior jamais perdeu na edição seguinte na Era Aberta.
    Você quis dizer perder na primeira rodada?

    Responder
  18. Paulo Almeida

    Eu nunca fui muito com a cara de Roland Garros por ter ficado obsoleto em relação aos outros Slams, mas finalmente correram atrás do tempo perdido com o teto retrátil.

    Assim, o GOAT único Djokovic não será mais prejudicado pelas chuvas, como já foi tantas vezes no passado, inclusive quando levantou a taça.

    Responder
  19. rafael

    Bela dissertação do que teremos pela frente em RG. Certamente poderemos ter surpresas, mas os gênios sempre se adaptam melhor. Que tenhamos excelentes jogos! Mestre, frente essas condições o maior prejudicado seria o Nadal?

    Responder
  20. Wadih

    Dalcin, se voce tivesse que apostar suas fichas em que momento diria que a Serena aposenta?? Minha torcida no feminino sera Azarenka ou Halep, muito mais simpaticas e em forma, serena com aquele corpo nada atletico nao sei como nao se lesiona… Uma ultima pergunta: vi que vc tem um podcast nao eh? Ele esta disponivel no Spotify? La so achei uns ja bem antigos. Sabe como posso baixar pra ouvir na estrada?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que Serena vai tentar ao menos disputar mais uma vez Wimbledon e os Jogos Olímpicos, portanto deve seguir até o final de 2021, talvez se despedindo no US Open. Paramos de colocar no Spotify. Hoje ele está disponível no YouTube e em áudios apenas no Instagram e Facebook. Abraço!

      Responder
  21. Sandro

    Independentemente da bola, do tempo, da temperatura, do clima, se estiver chovendo, ventando, nevando etc…, enfrentar Nadal em Roland Garros continuará sendo dificílimo. E se, por acaso, Nadal for vencido por alguém, com certeza será um jogo muito brigado.

    Responder
  22. Rafael Azevedo

    Dalcim, há a possibilidade de alguns jogos externos serem transferidos para a Philippe Chatrier, para cumprir a programação, ou não tem horário vago?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Possível, mas só se os jogos da Chatrier forem mesmo bem rápidos e houver necessidade de encerrar um determinado jogo externo (para completar um cruzamento de jogo, por exemplo).

      Responder
  23. VINICIUS BENEDITO CUSTODIO

    Dalcim, você acha que o torneio termina domingo dia 11, com essa previsão de tempo se confirmar?se fosse só um ou dois dias eu até acreditaria, mas pela previsão que vc pontuou, vai ser terrível essa primeira semana para os jogadores.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eles sempre tentam cumprir o calendário, Vinicius, porque já há outros torneios marcados na sequência e um adiamento maior que um dia acabaria por trazer grande prejuízo.

      Responder
  24. Yan Almeida

    Dalcim, boa noite!

    Queria saber sua opinião rápida sobre os semifinalistas de Hamburgo e seu palpite pra grande final. Creio que os 4 jovens que entraram em quadra tem bom repertório no saibro e podem dar trabalho em RG, se mantiverem a cabeça no lugar. Por fim, Andrey Rublev, campeão juvenil de RG, pode enfim vencer seu amigo Medvedev em uma eventual oitavas de final? Hoje, acho que ele seria o favorito desse confronto…

    Abraços

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ah que Rublev pode, sim. Está num ótimo momento. E sua adaptação em Hamburgo mostra que está com boa cabeça para s paciência que Roland Garros vai exigir.

      Responder
  25. Lucas Leite

    Dalcim, o que você acha das condições em que está sendo jogado o ATP 500 de Hamburgo em relação ao que teremos em Roland Garros? Os jogadores que foram longe no torneio alemão e terão tempo mínimo de preparo para o Slam francês terão muito a que se adaptar?

    Responder
  26. Rodrigo S. Cruz

    O Nadal e o Thiem reclamaram da nova bola, e do tempo frio em Paris.

    O espanhol destacou que vai ser preciso muito mais força para fazer a bola correr, o que vai impactar as articulações.

    O único que não reclamou de nada foi o GOAT da cédula de 3 reais… (rs)

    E considerando que a chave dele é a mais fácil do torneio, ninguém o segura até a final.

    Responder
      1. Willian Rodrigues

        Dalcim, você não julga que seria MUIOT estratégico Novak Djokovic jogar o ATP 500 Viena que se inicia no dia 26/10? Isso, considerando-se que no Masters 1000 de Paris ele não pode somar pontos. Em caso de título na Áustria, ele ficaria numa posição ainda mais confortável para a manutenção da liderança até 08 de março. Ou as condições lá não favoreceriam seu jogo e isso seria um “tiro-no-pé”?
        Perdão, se já tiver levantado algo a respeito aqui no Blog. Posso ter perdido…

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Olha, William, não imagino que Djokovic esteja tão desesperado com os pontos assim. Ele terá muitas oportunidades e não precisaria se desgastar em Viena.

          Responder
  27. Luiz Fernando

    Rafa tem q ir la com ou sem frio, com ou sem bola diferente, com ou sem quadra coberta e vencer. Se perder parabeniza o adversário q jogou melhor. O mesmo vale p os demais, neste e em outros torneios. Ja basta os bobos de sempre virem aqui dizendo q a quadra esta assim ou assado, jogador tem q entrar em quadra e jogar, sem desculpas p este ou aquele resultado…

    Responder
    1. Rafael Azevedo

      É isso aí.
      Jogador de tênis é jogador de tênis.
      E não jogador de saibro, de dia, em quadras abertas e bolas leves…(ou qualquer outra combinação de piso, horário, projeto da quadra e da bolinha)

      Responder
    2. Rafael

      Perfeito! Quando os grandes perdem, sempre arrumam uma desculpa. Só ver o que Nadal falou quando perdeu pro argentino em Roma. Não conseguiu enxergar o óbvio! El Peque não deixou ele jogar.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *