Palmo a palmo
Por José Nilton Dalcim
18 de setembro de 2020 às 20:03

Embora em situações diferentes, os dois grandes favoritos para o título masculino em Roma deram o segundo passo rumo à que parece ser a inevitável conclusão do torneio, na segunda-feira. Novak Djokovic encarou um primeiro set bem complicado diante do amigo e parceiro de treino Filip Krajinovic, vivendo alguns altos e baixos, e Rafael Nadal mostrou versatilidade diante de Dusan Lajovic, o sérvio que bate backhand com uma mão.

A disputa entre Djoko e Nadal pela hegemonia dos Masters é bem equilibrada. Ambos somam 35 títulos e 51 finais. Rafa leva vantagem nas semifinais (73 a 68), vitórias (386 a 362) e eficiência (83% a 82,1%). E não é lá muito justo acusar o espanhol de ser soberano num piso só. Vejam: Nadal tem 25 títulos no saibro, mas Djokovic soma 26 na dura. Não há Masters na grama.

O primeiro set entre os sérvios foi uma maratona de 88 minutos, em que cada um perdeu seu primeiro game de serviço e desperdiçou chances preciosas de quebra. Djokovic poderia ter simplificado com os dois set-points que atingiu no 10º game, um deles numa devolução de segundo saque raramente falha. Aí no tiebreak levou um susto, ao ver Krajinovic sacar com 4-1. Um único vacilo e a virada veio, mas Nole ainda precisou de três set-points para concluir, depois de desperdiçar um deles com uma dupla falta que saiu 1 metro.

Há de se elogiar acima de tudo a exibição arrojada e sólida de Krajinovic. Entrou com proposta ofensiva, aguentou a pancadaria, correu demais atrás de curtinhas, foi à rede e contra-atacou com qualidade. Tremendo esforço. Djokovic fez lances excepcionais, mas também errou bastante, ainda que muitas vezes tenha sido por mínimos centímetros. Quando aquele forehand mais rasante na paralela – que exibiu com enorme desenvoltura em Flushing Meadows – começou a entrar, disparou.

Nadal se deu ao luxo de tentar variadas táticas. Devolveu lá atrás, jogou em cima da linha, cruzou backhand, subiu à rede, deu curtinha. Cardápio completo diante de um Lajovic apenas esforçado. Mais uma vez, o primeiro saque do espanhol foi o ponto menos consistente, a ponto de perder dois games de serviço.

As quartas de final deste sábado não prometem surpresas para os dois. Djokovic será favoritíssimo diante do quali alemão Dominik Koepfer e Nadal entra com histórico de 9 a 0 sobre Diego Schwartzman.

Matteo Berrettini é a esperança local e tenta sua segunda semi de Masters diante do bom norueguês Casper Ruud, que tem jogo de base firme. Quem vencer, provavelmente desafiará o número 1. Já Grigor Dimitrov faz uma campanha digna, marcou ótima virada sobre Jannik Sinner e encara outro ‘nextgen’, o canadense Denis Shapovalov. Vale lembrar que Dimitrov é outro grande ‘freguês’ de Nadal, com 13 derrotas em 14 jogos.

Quem vai parar Azarenka?
Nem mesmo a troca radical de piso atrapalhou Victoria Azarenka. que já ganhou mais três jogos em Roma, entre eles uma incrível ‘bicicleta’ sobre a número 5 Sofia Kenin. A bielorrussa também jogou pouco hoje, já que a russa Daria Kasatkina se machucou no começo do tiebreak, e agora se prepara para desafios. De quebra, uma bela atitude ao socorrer e consolar a adversária.

Neste sábado, encara a força de Garbiñe Muguruza sobre as quadras de saibro e, se passar, poderá cruzar com a cabeça 1 Simona Halep. É um quadro digno de finais de Roland Garros. Mas nem de longe indicará a possível campeã, porque no lado inferior estão a atual campeã Karolina Pliskova e a vencedora dos dois anos anteriores, Elina Svitolina. E cada uma tem problemas nas quartas. Svitolina encara Marketa Vondrousova, a inesperada vice de Paris no ano passado, e a tcheca joga contra Elise Mertens, uma jogadora completa e que vem de 15 vitórias nos quatro últimos torneios.

E de sobra, fiquemos na torcida por Luísa Stefani, que está na semi de duplas ao lado da parceria Hayley Carter. Não vai ser fácil, já que encaram as duas líderes do ranking e atuais campeãs de Wimbledon, a taiwanesa Su-Wei Hsieh e a tcheca Barbora Strycova.

E mais
– Caso Djokovic mantenha o amplo favoritismo deste sábado, ele atingirá um feito curioso: irá superar Guillermo Vilas no percentual de vitórias sobre o saibro. Neste momento, o sérvio é o quinto colocado, com 79,7%, e o canhoto argentino está a sua frente, com 79,74%.
– Em número absolutos, Vilas é o tenista que mais ganhou no piso na Era Aberta, com 681 vitórias, acima de Manuel Orantes (555) e de Nadal (438).


Comentários
  1. Marcelo

    Que bela vitória de El Peque. WOW!!!! Provando que não há verdade absoluta nem favoritismo que não possa ser derrotado… Lembro dele ter derrotado Zverev no USOpen, K. Anderson em RG, mas creio essa seja a maior vitória da carreira dele. Estou tentanto puxar pela memória o último jogador que além de vencer, ainda deixou o Nadal falando sozinho e sem respostas em quadra (exceto Federer e Djokovic).

    Que disciplina tática do Argentino!!

    Dalcim, quem é o técnico atual do argentino? E se consegue achar outra explicação para um Nadal apático além do jogo do adversário, que sufocou ele em quadra durante os dois sets?

    Não poderia deixar passar, mas excelente matéria. Todos os peixes da lagoa morderam a isca (e olha que só tinha grama na isca, mais nada).

    :- D

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O técnico dela é o Juan Ignacio Chela, Marcelo, que foi um bom tenista argentino. Quanto à possível apatia, só o Nadal poderá explicar, Marcelo.

      Responder
  2. Willian Rodrigues

    E alguns ultraespecialistas aqui do blog dando como favas contadas o título de Roma para Nadal…
    “Nadal só perde para ele mesmo nesse torneio”… KKKKK
    Que ninguém venha tirar o mérito do El Peque, porque o argentino esteve muito consistente e obrigou Nadal a sempre jogar uma bola a mais.
    Sob pressão, é óbvio que os erros não forçados se intensificam… Nadal não perdeu para o argentino, foi esse último que teve uma brilhante vitória.
    Parabéns aos argentinos!
    Aguardando agora os “entendidos” virem aqui afirmar que Nadal não terá chances em RG contra Dominic Thiem. Outro torneio, outra história…
    Para alguns, Nadal estava tão em forma, que tiveram a audácia de sugerir uso de anabolizantes ou similares. Agora, esses mesmos figuras já estão dizendo que ele está acima do peso! KKKKK

    Responder
  3. Rodrigo S. Cruz

    Não tem o que dizer.

    Talvez tenha sido uma das melhores atuações do Diego Schartzman, no saibro.

    Taticamente, ele esteve perfeito.

    Fisicamente “inteiraço”, chegando em todas,e ao memso tempo sendo bem agressivo…

    Investiu muito na bola cruzada, esperando sempre o tempo certo de atacar na paralela.

    Deixou o Nadal frustrado com tamanha solidez de fundo, além de também encaixar ótimas bolas vencedoras.

    Está aí um nome que o espanhol deveria respeitar, caso cruze com ele em Roland Garros.

    Vitória maiúscula de Diego…

    Responder
  4. Enoque

    Até que enfim o Nadal achou um adversário à altura no saibro. Mas, acho que foi até bom pra ele, já que não acrescentaria pontuação no ranking. Agora ele vai ter mais tempo de repouso e preparação para RG. Imagina fazer uma final dura na segunda e ainda perder, seria o pior dos mundos pra ele.

    Responder
  5. Luiz Fernando

    Rafa fez uma opção de não ir ao USO q devemos respeitar mas está pagando o preço de 7 meses sem jogar. O pigmeu venceu pq errou menos e de forma merecida. O serviço de Nadal foi simplesmente pavoroso, e chances ele claramente teve de voltar na partida. Vamos pra RG, mas ciente de q este ano não há como apontar Nadal como favorito…

    Responder
  6. Paulo Almeida

    Eita, eu não queria tirar sarro do nobre colega Luiz Fernando, mas o Nadal perder em sets diretos pro Dieguito em uma de suas casas é osso, hein?

    Não teremos mais um capítulo da maior rivalidade do tênis na segunda. Uma pena!

    Responder
  7. Bruno

    Narck Rodrigues não se controla na torcida por Nadal.
    Diguito fazendo jogadas brilhantes ele comedido.
    Nadal fez um belo voleio e ele quase teve um treco.
    Ridículo.

    Responder
  8. José Eduardo Pessanha

    Que coisa horrível esse Baloon’s Festival do Nadal. Lembrei do nada saudoso estilo de jogo de Arantxa Sánchez e de Conchita Martínez.
    Abs

    Responder
  9. José Eduardo Pessanha

    Minha teoria vai se confirmar. Esse Roland Garros será o fim do Maratênis. Talvez nenhum maratenista chegue na final. O tênis voltará a ser tênis. Que coisa maravilhosa.
    Abs

    Responder
  10. Rodrigo S. Cruz

    Simplesmente IMPECÁVEL esse primeiro set jogado pelo Diego Swartzman diante do Rafael Nadal.

    Errou bem menos, fez mais winners ( 13 a 11) e ainda obteve ampla vantagem nos rallies longos.

    Tem muito jogo ainda, mas se continuar nesse ritmo vai ser difícil parar o argentino…

    Até aqui, uma excelente partida de tênis.

    Vamos ver quem leva…

    Responder
  11. Luiz Fernando

    Como eu postei ontem, Rafa não jogou nada nesse primeiro set. Serviço medíocre, o achei meio parado, enfim uma atuação de quem está a 7 meses sem jogar e pega um jogador q sempre lhe dá trabalho. Vamos p o segundo set…

    Responder
  12. Vitor Hugo

    Federer é o maior na grama, maior nas hards e está entre os dez no saibro.

    Novak é o terceiro nas hards, oitavo na grama e está entre os dez primeiros no saibro.

    Responder
  13. Vitor Hugo

    Cúmulo do fanatismo: Segundo algumas fanatiquetes, Federer não estava machucado no AO 😂😂😂😂😂

    Bom, hj o drop do sérvio estava descente, mas o resto,uma bos… no mesmo nível que as curtas de Novak costumam ser 🤣🤣🤣🤣🤣🤣

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Realmente, Vitor.

      O Federer claramente se arrastou em quadra nos dois últimos jogos antes de pegar o Novak.

      Mas, enfim…

      Deixe eles eles pensando o que quiserem (rs)

      Responder
  14. Gildokson

    É Dalcim, pelo jeito o juiz do jogo do Djokovic comprou a idéia do Paulo Almeida de que o sérvio é o GOAT KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
    Ja ta até chamando ele pelo nome kkkkkkkk Muito bem!!!

    Responder
  15. Manuela

    O árbitro, os juízes de linha e muitos dos que estão na arquibancada no foro itálico estão sem máscara ou com o nariz para fora. Como disse a Gabi, não adianta nada!!

    Responder
  16. João ando

    Nadal ganha roma. No torneio feminino achava que ia dar serena ou Naomi ou azarenka. ….mas dessas so a Victoria estava…já caiu. ..Não estou acompanhando tênis devido a morte da minha mãe …então vou torcer para Karolina …já que elina já caiu

    Responder
  17. Heitor

    E o Emerson Fitipaldi que vem ocultando patrimônio e diz viver em uma situação financeira deplorável para não pagar suas dívidas com bancos, credores e funcionários?

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Difícil haver a liberação, mas concordas que há muito mais riscos andando num trem lotado em Rio ou São Paulo do que em um lugar aberto?
      Abs

      Responder
  18. joao

    Toda vez que tem uma pausa na transmissão do tênis no sportv eles colocam o especial do guga. É muito interessante, mas já passou 1000 de vezes. Kkkkk

    Responder
  19. Rodrigo S. Cruz

    Dalcim,

    embora seja elogiável o retorno vitorioso da Beatriz Haddad, esses torneios são nada para ela, né?

    A superioridade técnica da paulista é gritante.

    Já são 13 triunfos em 14 jogos, e hoje ela superou facilmente uma rodada dupla.

    Pena ela ter sido afastada e caído tanto no ranking, concorda?

    Responder
          1. periferia

            Poxa…..2250,00.
            A vida do pessoal de ranking baixo é difícil.
            Ainda bem que a Bia tem potencial para subir.

            Grato

  20. Paulo Almeida

    É, o GOAT escapou de uma boa zoeira dos antis hoje, mas continua vivo no torneio. Cada jogo é um jogo e vamos ver amanhã contra o Ruud, que surpreendeu o Berrettini.

    Responder
  21. Sérgio Ribeiro

    Não foi desta vez ( esperam há 42 anos desde Pannata x BORG ) , que a jovem “ armada “ Italiana atinge uma FINAL em Roma . Mas caíram pra outro Next Gen , Casper Hudd lutou muito e mereceu vencer Berrettini. E se assistiu outro Next Gen Alemão contra o N 1 , vai ter que lutar muito mais . O que dizer das desculpas de Novak antes do Torneio ? Gritou com o juiz de linha e quebrou o equipamento… O garoto alemão copiou o mestre e jogou a bolinha com violência pra fora do estádio . Será que o Sérvio acha mesmo que vai comandar uma associação paralela com o “ glorioso “ Propisil ? Não acredito que terá muito apoio . A conferir. Abs!

    Responder
  22. Willian Rodrigues

    Considero essa discussão acerca dos pisos utilizados nos torneios mais importantes extremamente interessantes! Por isso, faço aqui algumas perguntas dirigidas inicialmente ao mestre Dalcim. Depois, seria bacana se os colegas aqui do blog se manifestassem SOB A LUZ DA RAZÃO, sem paixões, por favor.

    1. Se temos 9 torneios Masters 1000 no decorrer de um ano, não seria justo que houvesse uma melhor distribuição? Por exemplo, 2 em hards outdoor, 2 em hards indoor, 2 na grama e os 3 já tradicionais no saibro?
    – Dessa forma, nenhum tenista de ponta que se adaptasse melhor a determinado tipo de piso ou condições (indoor x outdoor), sentir-se-ia prejudicado. Federer, de fato, poderia ter maior nº de Masters 1000. Porém há outros que se adaptam bem à relva e não dá pra cravar que o suíço teria 30 masters nessas circunstâncias…

    2. Não seria mais justo que os torneios nominados “ATP Finals” ocorressem alternadamente em pisos diferentes? Puxa vida, se temos Masters, 500 e 250 em diferentes pisos e condições, nada mais justo!!
    – Nesse caso, com certeza, o grandiosíssimo Rafa Nadal já teria ao alguns títulos desse porte quando caso eventualmente ocorresse na terra batida. Aco uma injustiça um atleta como ele não possuir um Finals. O próprio Federer, esperto que é, como se adapta muito bem ao indoor, já fez algumas declarações alegando que é necessário que haja ao menos um grande torneio nessas condições (não disponho de saco pra recuperar essas entrevistas). Já termos Masters 1000 em Shangai que é assim, não?

    Responder
  23. Vitor Hugo

    Kkkkkk O sérvio se complicando contra um tenista nível challenger. Aliás o jogo está com nível técnico muito baixo.

    A impressão que dá, é que Novak não tem mais paciência pra jogar contra tenistas medíocres. Ele deve pensar que os caras tem que se entregar, não resistir e deixar o sérvio ganhar,como se fosse errado lutar pela vitoria.
    Aí que mora o perigo…

    Vejo o sérvio ladeira abaixo com boas chances de não ganhar mais nenhum slam, e vou torcer por isso.

    Responder
  24. Luiz Fernando

    Djoko errando muito, inclusive sua bola preferida, o FH inside-out na cruzada, entregou o set pro alemão. E umas duas vezes ameaçou jogar a raquete no chão novamente, denotando grande irritação. E contrariando os bobos passadores de recibo de sempre, vence quase todas as bolas nas deixadinhas, que em sua grande maioria são muito bem feitas. Me pergunto como esse “jogador medíocre”, pelos comentários isentos de alguns pseudoentendidos, pode ter vantagem sobre seus dois maiores rivais nos confrontos… Aqui não é diversão garantida???????

    Responder
  25. Luiz Fernando

    Incrível como Djoko anda destemperado e tenso, a cena dele quebrando a raquete após perder um ponto foi simplesmente ridícula, um grande campeão como ele não precisa, e não deve, agir desta forma, que inclusive vai na contramão do q ele anda dizendo q vai procurar atuar de forma mais tranquila. Muito estranho…

    Responder
  26. Vitor Hugo

    Wimbledon é o coliseu do tênis, o templo do esporte, e a grama é o piso mais antigo, mais tradicional e o mais desejado.
    A temporada no piso verde é curta, poucos torneios, mas é nos pequenos frascos que estão as melhores fragrâncias, os melhores perfumes.

    Como bem disse o colega Ribeiro, Lendl já declarou que trocaria seus títulos de Roland Garros por um em Wimbledon.
    O sonho da maioria esmagadora dos tenistas é vencer na grama sagrada. Nunca ouvi um tenista dizer que sonhar vencer o Austrália Open.

    Responder
  27. Gildokson

    Não existir master na grama é uma injustiça sem tamanho, mas Paulo Almeida e cia nunca vão concordar com isso kkkkkkkkk
    Da até pra dizer que é um dos motivos para o maior ganhador de Grand Slans, maior ganhador de Filnals, não ser também o maior de masters.
    Obs: Escrevi e saí correndo kkkkkmk

    Responder
    1. Daniel

      Pois é caro Gildokson, o Federer começou a dominar a grama em 2003 e estava na final de WB 2019 (mas deu de bandeija pro Djokovic – até hoje eu tenho raiva dele por isso, era só chamar o sérvio pra fazer uns voleios na rede kkkk). São 16 anos. Já pensou se a grana tivesse dois M1000? Daria pra colocar pelo menos uns 20 a mais na conta do suíço (sendo bonzinho e considerando uns 60% de aproveitamento sobre os 32 disputados)

      Abs!

      Responder
    2. Luiz Fabriciano

      Também acho uma pena não ter nenhum M1000 na grama.
      Estamos perdendo uma grande oportunidade de desmistificar de uma vez por todas essa coisa de que se tivesse, um seria o maior vencedor que o outro.
      Se fizermos projeções a partir de número reais, como por exemplo, Djokovic supera Federer em 3 x 1 na grama – três finais contra uma semi-final, podemos afirmar (já que não há como acontecer M1000 na grama, ao menos enquanto os três ainda estivem na ativa) que o resultado seria uma ampliação dos feitos para o tenista da sérvia.
      Saudações.

      Responder
      1. Vitor Hugo

        Só começou a vencer Federer na grama com o suíço com 32 anos ou mais. Aliás são 20 títulos do suíço no piso verde contra apenas 6 de Novak. Um abismo.

        Responder
      2. Gildokson

        Luiz, devemos levar em consideração que o Federer teria disputado muitos antes do Djokovic ascender, o que fatalmente ja elevaria os número do suíço nesses hipotéticos masters 1000 da grama.
        Eu até concordo com parte do que você disse, mas é muito importante enfatizar que esse 3×1 Djokovic na grama ficou por uma bola de ser 2×2 e isso com o GÊNIO sendo um coroa calvo hein kkkkkk
        Abs!

        Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Humm, sei não…

        Acho que o Federer levaria vantagem um pequena nesse confronto com o Djokovic, hein.

        Primeiro pelo fato da disputa ser em melhor de 3 sets.

        Mas principalmente se a grama desse suposto Master fosse um pouquinho mais rápida que a de Wimbledon…

        Responder
    3. Willian Rodrigues

      Interessante sua afirmação de que Federer teria, COM CERTEZA, o recorde de Masters 1000. Ele não perdeu 3 finais de Wimbledon para um tal Djokovic?
      Se brincar, o recorde do sérvio seria ainda mais expressivo! Rrsrs…

      Responder
  28. Marcelo

    No momento temos mais torcedores do Djokovic falando de seu ídolo do que aleluias rondando as lâmpadas no início da Primavera. E viva a estaçao das fanaquetes!

    Ainda falando em fanáticos, esperando aqui os torcedores do Federer usarem tua explicaçao sobre o detalhe da ausência de masters na grama para justificar porque o Federer tem menos masters que os outros dois. Afinal, isso explicaria tudo! Dica: Bastaria fazer uma conta simples dividindo os masters por 3, considera que ele ganharia mais de 80% deles, e ele teria “pelo menos” uns 50 masters no currículo. Simples assim.

    “Quando a educação não è libertadora, o sonho do oprimido é ser o opressor”

    Responder
  29. Roberto

    Aaooo Dacilm, o tênis votou…. hahaha e o luxa vai ganhar tudo! Mr. Dalcim, não ficaste em cima do muro para pegar uma…. NolexNadal; NadalxNole; Nole campeão! E o bicho vai pegar em…? Abs
    Saudações alviverdes!

    Responder
  30. EDVAL CARDOSO

    Aos palpiteiros de Platão, melhor esperar pela final,pra não passar vergonha,penso que no momento não dá pra se aventurar a apontar um favorito na final se Nole e Nadal forem os finalistas.
    Mesmo Nadal sendo rei do saibro, Djokovic tem armas pra enfrenta-lo de igual pra igual.

    Responder
    1. Willian Rodrigues

      Tanto tens razão que Djokovic já o derrotou em finais nos três Masters 1000 do saibro: Monte Carlo, Madri e Roma. Mais uma vitória em Rolland Garros que o GOAT (sim Federer ainda o é), NUNCA terá! HaHaHaHaHa… Nem mesmo se Nadal estivesse cambaleante ele conseguiria.

      Responder
  31. O LÓGICO

    Tenho profunda admiração pela exuberante técnica apresentada pelo Robozinho satânico. Ela é inteligente, moderna e mescla várias artimanhas criativas que, se fossem comparadas às obras da arquitetura renascentista, deixariam Rafael Sanzio envergonhado. Explico-a. Primeiramente, ele pinta o cabelo na mesma coloração do couro cabeludo, para que em dias de sol, ou mesmo sob iluminação artificial, a calvície não seja percebida; a não ser que o Mister M o entregue. Depois, alisa o cabelo com a Chapinha Prancha 230 C Profissional Titanium, à venda no site das Americanas e encontrada no mercado livre por 25 reais. E, por fim, distribui o parco cabelo, desgastado pelo consumo excessivo de açaí espanhol, após elaborar computacionalmente a cartografia do seu crânio segundo a perspectiva da geometria não-euclidiana de Lobachevsky. Sem dúvida, uma técnica GENIAL.

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      kkkkkkkkkkkkkk

      GENIAL, Lógico!

      Engraçado que ia até comentar isso hoje, mas não deu tempo:

      Que coisa HORRIPILANTE ficou esse cabelo do Nadal, viu.

      Se eu fosse ele, eu rapava logo o resto e ficava igual ao Kojak de uma vez (rs)

      Responder
  32. Lucas Duarte Parra

    Dalcim,estou gostando muito do jogo do shapovalov…agressivo como sempre,mas está mais consistente,devolvendo melhor e voltando muito bem…se não me engano entra no top 10 se ganhar as quartas…quais suas impressões do jogo do canadense?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Para ser top 10, tem de ir à final, Lucas. Olha, gosto do jogo dele, mas não o tenho visto tão consistente assim. Faz lances incríveis, mas também erra muito, se precipita. E anda gritando demais, precisava ficar mais centrado.

      Responder
  33. Nattan Labatto

    É um pecado não ter um M1000 na grama. Tem muito torneio disputado nesse piso que em termos de organização superam alguns M1000.

    Agora que jogador completo, dominante, feroz, regular, talentoso, carismático, guerreiro, versátil, resiliente, aplicado.. etc.. etc… é esse sérvio de alcunha, Novak Djokovic… O cara simplesmente pode passar o segundo maior expoente desse piso, Guilermo Villas. Cê tá louco!? Tá pra nascer um jogador com esses adjetivos e singularidades.

    É bom demais torcer pro Nole e fazer parte da nação nolista.

    Abs

    Responder
    1. Vitor Hugo

      Villas segundo maior expoente com apenas um título em RG!? Acho que vc deveria pesquisar um pouco mais.
      Borg tem seis. Guga e Willander tem três cada.
      O currículo do argentino na terra batida não significa nada se comparado aos citados por fim, muito menos de Novak, que é um pigmeu se comparado aos maiores do saibro.

      Responder
      1. Nattan Labatto

        Perdão, Vitor. O coloquei nessa posição no sentido de dizer que é o mais vitorioso nesse piso, só que perde para o Nadal em eficiência. Interessante e curioso é que em se tratando de Grand Slam, foi justamente na grama que ele obteve mais sucesso. Certamente, os citados por vc são maiores que o argentino.

        E outra, é uma heresia (lembrando o nobre Marcílio) afirmar que o Djokiller é um pigmeu, pois, se fôssemos levar em consideração as vitórias e títulos nesse piso, a Lenda Roger Federer seria o quê!? Um átomo? Rsrs

        Abs, Hugo.

        Responder
        1. Marcílio Aguiar

          Prezado Nattan, a “heresia” ficou marcada rsrsrs. Entre todas, as maiores são tentar depreciar Federer, Nadal ou Djoko, negando-lhes as qualidades ou menosprezando as conquistas, apenas porque não são seus torcedores ou não gostam do seu estilo de jogo. Eu cometo as minhas “heresias” na vida, mas essas jamais!

          Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Nattan,

      diferente do loser, fakemaster do blog, eu vou pedir licença para te copiar agora, blz ?

      É porque quero reproduzir exatamente o que você disse de mim no tópico anterior:

      Você também é um participante 99% !

      Porque aquele 1% teu que é “vagabundo” (como diz o Wesley Safadão) consiste em afirmar que o Djokovic é muito talentoso!

      HAhahaha

      Falando sério – você é um dos caras mais legais que acho do blog, sem sombra de dúvida.

      Abração!

      Responder
      1. Nattan Labatto

        A recíproca é verdadeira, caro Rodrigo.

        O que estraga é esses 1% 😂🤣

        Brincadeira a parte, é sempre salutar a provocações sadias e os debates de ideias com pitadas de humor.

        Abs

        Responder
        1. Marcelo

          Como diria Alcione:
          “Se não è amor
          Porque vocé me olha assim desse jeito
          E faz essa bagunça no meu peito
          Em cada vez que a gente chega perto”

          Responder
      2. Paulo Almeida

        Dalcim, penso que fui bem ofendido no comentário que você permitiu passar, logo solicito um pequeno direito de resposta, mas não descerei ao mesmo nível. Pode ficar tranquilo.

        Você que é o loser ou “vagabundo”, cara. Mais uma vez utilizando a projeção de Freud…

        Tem sorte de eu não poder te esculachar do jeito que eu gostaria (sem precisar xingar, claro, só dando tapa com luva de pelica), pois nunca passaria pelo crivo da moderação. Então acabo ficando parcialmente satisfeito com os esculachos que outros membros já lhe impuseram.

        Wesley Safadão, rsrsrs.

        É, ficou demonstrada mais uma vez a diferença intelectual abissal que existe entre nós.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Olha,

          primeiro que sequer te chamei de vagabundo, embora até ache que você seja.

          Eu disse brincando com o Nathan que o 1% vagabundo DELE o faz gostar do Djoko.

          Nem toquei no nome Almerda.

          Aí você pegou, distorceu minha fala e me xingou todo.

          É impressionante como o teu nível é baixo para querer vir falar de “luva de pelica”.

          Piada, né?

          Quanto à grande diferença intelectual, aí nós concordamos.

          Pois qualquer um, ainda que com quociente de inteligência deficitário entenderia facilmente a referência que eu fiz…

          Sendo que você não conseguiu, né? (rs)

          Já veio inferir que eu curta porcarias como Wesley Safadão ou outros lixos do gênero…

          De toda forma, parabéns por tua “grande” inteligência em ofender as pessoas.

          Nisso eu reconheço sim que você é insuperável.

          Abs.

          Responder
    3. Paulo Almeida

      A grama é o piso menos importante do circuito, nobre Nattan, e por isso mesmo a única coisa que vale por lá é Wimbledon. Ainda bem que o GOAT Djokovic é o rei da hard court (piso mais relevante) com sobras.

      “jogador completo, dominante, feroz, regular, talentoso, carismático, guerreiro, versátil, resiliente, aplicado”

      Agora sim: definiu bem o maior e melhor de todos os tempos, que venceu a batalha de hoje contra o excepcional Krajinovic, que tinha varrido sem dó o campeão do USO no Masters de Cincinnati.

      Responder
      1. Nattan Labatto

        Esse Usopen tava no papo.! Escapou pelos dedos… infelizmente!

        Faltam adjetivos para mensurar o Djokovic… Só quero/torço que ele ganhe mais dois Wimbledom, ou 3, se não for pedir muito kkkk

        Abs

        Responder
      2. Sérgio Ribeiro

        Esse papo teu de a Grama Sagrada ser o piso menos importante do Circuito não deveria passar na moderação , desinformado Piloto kkkkkkkkkk Estás cansado de saber que até o grande Ivan Lendl já afirmou , pra desespero dos Franceses , que trocaria os seus TRÊS Rolangas por UM em WIMBLEDON. O Post também deixa bem claro suas afirmações contraditórias sobre a hegemonia nos MASTERS . Quanto a do caro Nattan do Craque ser um ” átomo” no Saibro rs , acho que SEIS MASTERS 1000 e CINCO FINAIS em RG ( segundo maior vencedor em número de partidas ) , demonstra que acreditar nas suas fanfarronices não é a boa kkkkkkkkkk Abs!

        Responder
        1. Willian Rodrigues

          Inegável que a grama seja o piso mais tradicional, uma vez que até mesmo Australian Open e US Open já foram disputados nesse piso. Wimbledon é o torneio mais antigo e também o título mais almejado. De longe, é também a superfície mais exigente, tanto do ponto de vista físico, quanto da técnica mais apurada.
          Difícil discordar que seria justa a existência de ao menos um Masters 1000 disputado na grama…

          Responder
        2. Paulo Almeida

          Ribeiro, o calendário do tênis discorda de você. São cinco semanas de grama, nove de saibro (fora a gira sul-americana) e o resto de hard.

          Eu não disse que Wimbledon vale menos. Todos os Majors valem exatamente a mesma coisa.

          Ora, se o Djokovic é uma pulga no saibro com 1 RG, 9 Masters e 7 vitórias sobre o Nadal, o Federer é um átomo mesmo. Nattan está coberto de razão.

          Abs!

          Responder
          1. Sérgio Ribeiro

            Outra bobagem . A temporada curta de Grama e’ devido ao clima . Além de um grave erro da ATP de não transformar o tradicionalíssimo Queen’s em MASTERS 1000. Quanto ao Saibro, Novak venceu 14 ATPs e Federer 11 ATPs . E 4 x 4 no h2h . No palco maior que é ROLAND GARROS 5 x 4 em FINAIS para o Craque . E’ ainda o segundo maior em número de Vitórias superando Vilas , Borg , Lendl , Novak e CIA . Tudo seu é exagerado e deturpado caríssimo Piloto rsrsrs Abs !

  34. Gabi

    Luiz, vc viu que tem gente falando de Kyrie?

    Mas putaquepariu hein. Se não enxergam o abismo que separa aquele time desse, eu desisto. E olha que gosto muito do Kyrie.

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Oi querida, o KI quase destruiu o Celtics com seu ego estratosférico e não fez falta nenhuma, ao contrário, o Kemba agregou muito mais. Q nosso ex-jogador permaneça longe…

      Responder
      1. Gabi

        Concordo!!
        Kemba é capaz de incentivar, de dar confiança, de mover o time. Tudo isso enquanto joga muito!!
        Essa é uma das diferenças de um líder numa equipe..

        É isso que faz um time não desistir mesmo depois dos baques. É esse espírito. O celta.

        Responder
    1. Vitor Hugo

      Ele tem que começar a parar de dar piti, xingar boleiros e machucar as pessoas pra começar a ter privilégios. Melhor ele ficar quietinho e obedecer a programação. Tá sem moral alguma!

      Responder
    2. Enoque

      Dáqui para frente, o Djoko vai ter que lidar com as adversidades com muita calma e não perder o foco com a perseguição. De novo foi escalado pra jogar (amanhã), no pior horário do dia, no inicio da tarde em Roma. Já Nadal vai jogar, de novo, no horário nobre, às 8:30 da noite.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Você queria que os Italianos fizessem o que com o Octacampeão de Roma caro Enoque ? Mesmo assim logo acima finalmente o Piloto reconheceu algo verdadeiro rsrsrs Abs!

        Responder
  35. Marcos Henrique

    Olá, Dalcim. Só um comentário sobre a chave masculina do torneio. Na verdade, o Shapovalov enfrenta o Dimitrov, e o Berretitni encara o Ruud!

    Responder
  36. Miguel BsB

    Levi Silva, respondendo ao seu comentário do post anterior, não sou eu o maior fã da Azarenka aqui no blog não…rs
    Mas, ultimamente, tenho torcido por ela, pelas dificuldades que passou como a guarda do filho e tb pela nobre atitude de hoje que vc mencionou…
    Acho seu jogo legal, agressivo, o único problema são os gritos em excesso…rs

    Responder
    1. Nattan Labatto

      Idem, Miguel.

      Ela ganhou minha simpatia e admiração, após a batalha judicial pela guarda do filho. Coisa que a fez repensar em desistir do esporte.

      Responder
  37. Eduardo JR

    Fala mestre, tudo tranquilo? Percebi Djoko mais calmo nesses dois primeiros jogos após a desclassificação. Será que ele consegue segurar as emoções por muito tempo? Como fã do sérvio, espero que ele tenha aprendido a lição em New York.

    Responder
    1. Willian Rodrigues

      “Calmo” é um termo muito forte em se tratando do Djokovic, quando em quadra…
      O sérvio já destruiu uma raquete na partida contra o alemão! KKKKKKK
      É um grande atleta, com um espírito de competitividade elevado demais! Por isso, sempre o comparo ao Michael Jordan. Pode parecer um “xarope” mas, na verdade, trata-se de uma personalidade forjada na guerra, e não há Pepe Imaz que consiga conter esses ímpetos.
      Torcendo para que ele despeje essa “fúria contida” após a eliminação no US Open contra o Nadal na finalísssima!!! Aguardemos…

      Responder
  38. Wilson Roxha

    Dalcim,
    São seis masters na quadra dura e três no saibro. Djokovic tem títulos em todos. Tem 26 distribuídos em seis toneios enquanto Nadal tem 25 em três.
    Shapovalov enfrentará Dimitrov e, Berrettini enfrentará Casper Ruud.

    Responder
  39. Vitor Hugo

    Convenhamos, Krajinovic é um tenista limitadissimo! Caiu rapidinho tanto no masters de New York quando no u.s open.
    Mas mesmo assim, foi um professor de deixadinhas para Novak, que é medíocre no fundamento. A bola sempre passa muito acima da rede e com pouco efeito. Funciona muito bem no saibro ou contra tenistas lentos como Raonic ou Struff, mas contra tenistas mais rápidos… Uma piada!
    Quantos top- 10 o sérvio enfrentou desde que o tênis voltou? Me digam, por favor! Kkkkkkkk
    Mas o jogo pareceu ser equilibrado. Kraji poderia ter vencido tranquilamente o primeiro set, mas pecou nos momentos decisivos e desabou mentalmente no segundo.

    Já o espanhol, parece que vai muito bem! Só perde Roma para ele mesmo!
    O cara é uma figura! Dedinho no traseiro, perninhas levantadas, caretas, tocs e etc… É uma figura folclórica!

    Responder
    1. WALDIR DOS SANTOS

      como eu já falei e o dalcim não responde nada contra o nadal, ele não pode ter voltado assim como esta, vindo de parado, sou medico, só turbinado….quem faz os exames ou vai ficar como antes com a magistrada francesa, pois ninguem tem peito de ser contra o nadal…..tem que fazer exames de 48 em 48 hs, pois então seremos sempre enganados.

      Responder
      1. José Nilton Dalcim

        Um jornalista com o mínimo de decência só pode fazer uma acusação dessa se tivesse prova incontestável. Você tem alguma? Por favor me envie os documentos. Abs!

        Responder
        1. WALDIR DOS SANTOS

          todo o mundo sabe….o saibro é para gado….hoje num jogo teve que se parado no meio do segundo set para molhar a quadra, varios jogadores reclamaram do desvio da bola porque o saibro te murundum, a bola desvia, solta poeira, tem que da porrada no tenis, tem parte mais alta e do lado é mais baixa, é granulado, etc….estou mentindo

          Responder
          1. Miguel BsB

            Tá mentindo e falando muita m….! Não entende bulhufas de tênis e só quer poluir o ambiente.
            Se você é médico com esse português de semi alfabetizado, eu sou neurocirurgião do Sírio Libanês…

    2. Paulo Almeida

      Quais foram os grandes jogos do nosso brinquedo suíço em 2020?

      Aposto que foram as “batalhas épicas” contra os “poderosíssimos” Millman e Sandgren ou então o primeiro set contra o GOAT na Austrália, em que chegou a ter 4-1 e 0-40 e depois 5-3 e perdeu o saque de zero. Nem vou falar do 7-1 no tie-break porque a hora da decisão são favas contadas para o rei.

      Acertei?

      Responder
      1. Gildokson

        Não seja injusto e sanguinário… o Federer tava machucado. Por mim ele nem jogava a semifinal contra o Djoko. Só serviu pra fazer número favorável ao sérvio e alimentar as piadas de torcedores. Certo é o Djokovic que na época do guru ja parava logo no Istomin ou num chinês qualquer pra não tomar coro dos rivais.

        Responder
        1. Luiz Fabriciano

          Boa resposta.
          Se ele estava machucado (acho que não), deveria ter ido se cuidar mesmo.
          No final das contas serviu apenas para endossar o domínio do sérvio sobre ele.

          Responder
        2. Paulo Almeida

          Sem choro, Gildokson.

          Entrou em quadra porque achou que poderia vencer e perdeu o primeiro set devido exclusivamente ao bloqueio mental que tem contra o sérvio. E continuou sendo competitivo nos outros dois sets.

          A vitória é válida e o 11×6 em Slam inquestionável.

          Abs!

          Responder
    3. Luiz Fabriciano

      As estatísticas dizem que Djokovic teve o dobro de pontos vencidos com drop-shots, mas para o nobre dramaturgo francês, o Masters de Nova York, foi realizado nas Antilhas.

      Responder
      1. Thiago Silva

        Pois é justamente o balão que faz ele ter tanta vantagem sobre os adversários. Você critica o balão porque o Federer não consegue fazer igual e nem rebater os do Nadal com aquela esquerda “atrofiada” dele.

        Responder
        1. Willian Rodrigues

          Concordo plenamente Thiago Silva!
          Garanto que a maioria dos profissionais adoraria ter habilidade e força suficientes para realizar esses chamados “balões”.
          PASMÉM!!!! De acordo com alguns ultraespecialistas torcedores do Federer aqui no blog, esse golpe não Forehand intimidador, com 3.423.765 RPM, não exige técnica alguma!! LOL…

          Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *