Livre do fardo, Thiem pode fazer ainda mais
Por José Nilton Dalcim
13 de setembro de 2020 às 23:25

Numa das finais de Grand Slam mais malucas e imprevisíveis dos últimos tempos, Dominic Thiem conseguiu sobreviver a seus erros, ao jogo ousado do adversário, aos nervos aflorados e por fim às dores musculares para enfim conquistar o tão aguardado título de Grand Slam, que havia lhe escapado por três outras vezes.

O esforço de quatro horas o levou à história: primeiro campeão da Era Profissional a virar de dois sets e a vencer um tiebreak de quinto set numa final em Nova York, 150º diferente vencedor de Slam de todos os tempos, primeiro homem nascido na década de 1990 a ganhar um troféu desse quilate após sequência de 63 dos oriundos de 1980.

Mas como foi difícil. Descalibrado, levou uma surra por quase dois sets diante de um Alexander Zverev que entrou em quadra com proposta ofensiva. Atacou segundo serviço, bateu firme na paralela e principalmente foi muito à rede. De repente, ganhava com toda justiça por 6/2 e 5/1, três set-points, adversário aturdido nas cordas. Aí talvez tenha surgido o primeiro deslize do alemão: deixou Thiem ganhar três games seguidos e a reencontrar algo do velho ritmo.

Sascha ainda abriu o terceiro set com quebra no terceiro game e parecia caminhar para uma vitória inesperadamente fácil. De novo, falhou ao deixar o austríaco tirar seu saque e daí em diante o jogo ficou diferente. Ainda que não fosse o rolo compressor das quartas ou da semi, o renascido Thiem já tinha pernas para fugir e atacar mais de forehand, parou de dar tanto ponto bobo e pouco a pouco as devoluções incomodaram o adversário. Quando está confiante, faz mais também com o backhand e assim seu quarto set beirou o impecável, com apenas dois erros não forçados. Enfim, parecia uma digna final de Slam.

Era para se imaginar um Zverev de cabeça baixa no quinto set. Logo de cara, perdeu o serviço, sinal dos velhos tempos. Novo engano nessa final tão cheia de surpresas. O alemão reagiu imediatamente, ficou consistente da base, defendeu-se bem e chegou ao momento máximo: 5/3 e saque para o título. Deve ter pensado demais e ficou covarde. Thiem virou para 6/5 e aí também sacou para a vitória. Mas passou a ter muitas dores na coxa esquerda, se arrastava em quadra e permitiu que a definição fosse ao tiebreak. Roteiro de dramalhão mexicano.

Zverev fez 2-0 antes do fantasma das duplas faltas o atormentar (foram 15, mesmo número de aces). Já não conseguia mais fazer o primeiro serviço voar, tentou voleio e deu 6-4 ao adversário, que por sua vez empurrava slices de backhand. No segundo match-point para Thiem, forehand fácil na paralela… e rede! Tudo igual. Por fim, uma passada paciente em três tentativas deu a terceira chance ao austríaco, que viu a bola de Zverev escapar na lateral e se jogou ao chão para comemorar. Dez dias depois de completar 27 anos, enfim entrou para a lista dos gigantes.

O primeiro Slam da pós-pandemia não foi um festival de abandonos, como se previa. Ao contrário, mostrou o notável poder físico do tenista moderno e brindou o espectador da TV ou do streaming com alguns duelos memoráveis, tanto na qualidade dos golpes como no espírito de luta. Também terminou com finalistas imprevistos, uma renovação forçada pela ausência do Big 3, e apesar de não ter sido espetacular a decisão trouxe emoção, entrega no limite e disputa respeitosa.

Eu apostaria que ainda virão mais Slam para Thiem, e ele deve chegar forte em Roland Garros. E Zverev terá novas oportunidades se mantiver esse ritmo, serenidade e motivação.

E mais
– Thiem repete Thomas Muster, campeão de Roland Garros em 1995, como únicos austríacos a ganhar um Slam de simples.
– Ele também igualou Goran Ivanisevic e Andre Agassi, que também perderam três finais antes de ganhar seu primeiro Slam. Andy Murray e Ivan Lendl precisaram de cinco tentativas.
– Aos 23 anos, Zverev foi o mais jovem finalista de Slam desde Novak Djokovic, no US Open de 2010. O último alemão a ganhar um troféu desse quilate foi Boris Becker, no AusOpen de 1996.
– Esta foi a final mais jovem de Slam desde Djokovic-Nadal do AusOpen-2012.
– O troféu masculino fica com um europeu pelo 42º Slam consecutivo, ou seja, desde janeiro de 2010.
– Esta foi a terceira virada de 0-2 na carreira de Thiem, todas em Slam. Zverev, ao contrário, nunca havia perdido um jogo após ganhar os 2 primeiros em 27 anteriores.
– O US Open viu a quarta final consecutiva de Slam que foi ao quinto set.


Comentários
  1. Rafael

    Li muito aqui a respeito da final do US Open sobre os nervos dos jogadores, Thiem principalmente, as justificativas, críticas, etc e pensei em algo:

    Em 2019 o tenista mais consagrado de todos os tempos disputou uma final de Slam contra outro, também muito consagrado. Os 2 haviam se enfrentado umas 50 vezes na carreira, ambos conheciam muito bem o jogo um do outro, o piso era o preferido do mais consagrado, ele fez um jogo espetacular na parte técnica e física (jogo esse que é considerado por Stefan Edberg o melhor jogo de tênis que já assistiu), teve um caminhão de winners de diferença e, pra encurtar a história, estava com 40×15 pra decidir o jogo, ou seja, bastava 1 ponto em 2 chances – SACANDO – para obter seu 21o. slam.

    Não conseguiu e perdeu o jogo.

    Gente, o tênis pode ser tudo que vcs falam, mas a mente é uma coisa muito poderosa. Para o bem ou para o mal.

    O menos consagrado desses 2 aí de cima acabou de jogar fora a chance de ganhar um Slam (teria sido seu 18o.) sem dois dos três melhores jogadores da história – o terceiro é ELE MESMO – o que por si só, respeitando os que disputaram o torneio, já tornaria a tarefa menos difícil – e, num ato de destempero mental, desrespeitou uma regra que – justa ou injusta – aplicada a todos ou não – ele SABIA que existia e que PODERIA causar o que efetivamente causou – sua desclassificação do torneio. No desespero com o tamanho da m* em que viu q tinha se metido ainda tentou dar uma carteirada: “Mas vcs vão desclassificar o No. 1 do mundo em plena blablabla?

    Tanto para um como para outro, as oportunidades perdidas não voltam mais. E pq não conseguiram? Por causa do mental.

    Minha opinião, embora o nível mental deles seja altíssimo, sobre humano. Mas a mente lhes deixou na mão, cada qual em uma situação diferente – na hora em que mais precisavam ter cabeça fria.

    Tanto quanto os Federistas lembram do que aconteceu em Wimbledon até hoje, os Nolistas vão lembrar desse US Open por muito tempo.

    I know I will.

    Responder
    1. Marcelo

      O problema, meu caro, é que para nós, os fanáticos, sempre haverá uma razão (e muito óbvia), para justificar tal ato. Por exemplo:
      – Ele nao quis fazer aquilo
      – A juíza simulou a queda
      – A juíza se posicionou equivocadamente naquele local para tomar a bolada e desclassificar ele propositadamente
      – Foi uma vingança da atp
      – as imagens foram forjadas
      – Foi um ato de humildade ele ter acertado a juíza, mas ele ediu desculpas para os fãs via twitter

      E a mais óbvia: o regulamento está ultrapassado e JÁ deveria ter sido alterado (se possível, duranre o andamento do torneio e mais especificamente, no momento da balada).

      Mas nao foi. A puniçao foi aplicada, quer alguns queiram ou nao. E o recorde fica mais longe.

      No frigir dos ovos, caso isso implique em ele nao bater o recorde até se aposentar, ele provavelmentw vai ter qur carregar esse fardo com ele (e se…). Caso ele bata o recorde de grand slams, vai ser apenas historia.

      Em último caso

      Responder
  2. Rafael Azevedo

    É, caro Sérgio Ribeiro, você acertou sobre o Sinner.
    O jovem italiano papou o Tsitsipad.
    E só não foi mais humilhante, porque o grego arranjou uma recuperação no segundo set.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      É mais esse desde o ano passado já vem sendo muito comentado , caro Rafael . Não foi grande vantagem. Mas gostei dele não se importar com a cara feia de Paire nem de Tisitisipas rs Abs!

      Responder
  3. Luiz Fernando

    Legal ver o cara de volta as quadras, quase 7 meses após vencer Acapulco. Consegui assistir o segundo set do jg do Rafa e me surpreendi com a facilidade q venceu. Incrível como estes tenistas espanhóis abaixam a cabeça quando enfrentam o cara, o q já valia para o Ferrer, muitos degraus acima do PCB como jogador. Nesse momento o q mais vale p Nadal é jogar, é readquirir ritmo de jogo, e para isso a partida valeu, embora não tenha passado de um treino de luxo. Único aspecto ruim foi o baixo percentual de primeiro serviço, mas como servir nunca foi a especialidade da casa creio q isso tende a subir com o passar dos jogos. Não vejo nem Raonic nem o Lajovic com jogo p encarar Rafa nesse tipo de piso na sexta, mas precaução e agua benta nunca fazem mal…

    Responder
  4. Luiz Fernando

    O grego, Aliassime, Coric, Di Menor todos já deram adeus ao torneio. Essa nextgen, e aí estou falando do promissor italiano que venceu o Wawrinka ontem, usando o termo exposto pelo Dalcim, leva jeito…

    Responder
  5. DANILO AFONSO

    Dalcim, tu acha que as quadras de Roland Garros estarão mais lentas pelo fato do torneio deste ano não ser disputado no verão, e sim no outono quando as temperaturas são mais amenas e geralmente a umidade é maior ?? Se sim, você acha que para o NADAL é mais interessante a quadra mais lenta do que já era ??

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É bem provável Danilo, mas a central fechada pode cortar o vento e ficar um pouco mais veloz. Nadal sempre declarou que gosta de um saibro um pouco mais veloz, porém não vejo qualquer impeditivo se ele estiver em forma.

      Responder
  6. DANILO AFONSO

    Nobre RODRIGO, eu acredito que a promiscuidade e luxúria (lascívia) de um atleta jovem pode sim prejudicar a sua carreira para alcançar ou se manter entre os melhores.

    Sem querer parecer puritano (longe disso) e generalista, eu entendo que dificilmente um atleta conseguirá se manter focado por muito tempo quando ele é promíscuo, isso porque muitas vezes tal comportamentos desencadeia também noites mal dormidas, bebidas, má alimentação, treinamentos menos intensos e exposição negativa na mídia etc. E se o atleta for casado, tal prática pode resultar conflitos pessoais que o desestabilizará para se manter focado. Quem não lembra da suposta infidelidade do Djokovic em 2017 com indiana Deepika Padukone, que dizem que gerou a contratação do guru espanhol “paz e amor” para salvar seu casamento ??

    Acho que o Ronaldinho Gaúcho (ainda no Barcelona) e Tiger Woods são talvez os melhores exemplos do que eu estou falando. O rendimento de ambos caiu drasticamente após atingirem o auge de suas carreiras.

    É óbvio que possivelmente teremos exceções, atletas que sabem conciliar tal comportamento com a vida de atleta.

    DALCIM, só estou me manifestação aqui porque não estava mais disponível a opção “responder”.

    Saudações Nolistas !!

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      E tome de falar bobagem , não é mesmo Paulo F. Desde quando você frequenta o Blog ? Além de não assistir aos jogos não lê os comentários com atenção. Ou melhor , lê sempre as asneiras do Piloto da Kombi . E concorda com tudo. Toda a vez que o Craque estava mal e precisava até trocar o Treinador , comentamos sem problemas. E é óbvio que o mane’ não estava por aqui . Ou estava ? kkkkkkkkk Abs!

      Responder
  7. Oswaldo E. Aranha

    Dalcim, quando um tenista é eliminado em um torneio, como o caso do Djokovic, ganha os pontos nas vitórias nos jogos anteriores ou não?

    Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Perdeu os pontos e a premiação, mas os resultados permanecem. Dá uma conferida no site da ATP e você vê isso claramente: 26-1 é seu saldo da temporada 2020.

          Responder
          1. Luiz Fabriciano

            Sim, isso eu sei.
            Mas a pergunta do Aranha é sobre pontos das vitórias dos jogos anteriores. Entendi que se tratava do US Open, então ele perde mesmo.
            Ou entendi tudo errado?

          2. José Nilton Dalcim

            Sobre os pontos, isso já estava bem claro, Luiz. Ele perdeu os pontos e a premiação totais. Foi amplamente noticiado. Mas em termos de estatística, as vitórias e a derrota valem.

  8. Vitor Hugo

    Dalcim, vou fazer apenas uma colocação aqui e espero que vc libere o comentário, pois vou falar apenas uma vez sobre o assunto.

    Gostaria que o mentiroso/idiota que fica postando que eu comemorei apendicite do Nadal copie e cole aqui o comentário.

    Fato é que o hominho(no diminutivo pois é um ser minúsculo) se referiu a Federer como aposentado, cansadao, fujao e etc) o pior de tudo, é que um elemento que usa um fake aqui, tão idiot e menti quanto o outro, não deve ter se dado ao trabalho de averiguar se é verdade ou não e acabou comprando a mentira do outro.

    Tempos estranhos. Humanidade pequena. Acéfala.

    The end!

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Primeiro mentiroso é vc. Segundo não foi vc q fez isso, foi o Renato ou o Marquinhos. Por último, problema de cérebro vc não ter, afinal no mínimo são 4 q representam sua nobre pessoa…

      Responder
  9. José Felipe Pereira da Silva

    Dalcim parabéns mais uma vez pelo seu trabalho sei que o assunto do blog é a grande conquista do Thiem.
    Mais queria saber sua opinião a respeito do Kyrgios
    Ele sempre fala mal de outros tenistas( na minha opinião as vezes desrespeitoso)
    Djokovic , Nadal, Zverev,Carreno Busta,Thiem, Coric
    Alguns responderam ele e falaram algo.
    Mais o Djokovic e o Nadal simplesmente não falam nada
    Qual sua opiniao sobre a postura desses 2 em particular?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que eles estão corretos em não se manifestar. Isso apenas daria mais oportunidade para o Kyrgios retrucar. Não gosto desse uso das mídias sociais que ele faz para atacar colegas de profissão. Se for uma entrevista, que ele tenha sido perguntado, aí cabe alguma crítica. Mas dessa forma gratuita, o melhor mesmo é deixá-lo falando sozinho.

      Responder
  10. VINICIUS BENEDITO CUSTODIO

    Dalcim, você sabe me dizer, se com o novo “complexo” de RG, vai ter luzes artificiais?e se sim vai alterar no horário dos jogos? Pergunto pois as rodadas começam mais cedo para tentar terminar no mesmo dia sem luzes artificias. Talvez agora com novo complexo, tenha luzes artificias e o Slam não sofra com essa questão de luz natural e a rodada possa começar mais tarde, ou pelo menos não tenha tenista prejudicado por isso.

    Responder
  11. Gabi

    Tá, os comentaristas de tênis do sportv são terríveis (engrosso a lista dos que os criticaram – mas acho adoro a voz do Narck rsrs), mas vcs já ouviram os narradores da nba?! Pqp, não dá!! Acham que estão narrando futebol…

    Responder
    1. Lola

      Gabi,
      Os comentaristas da ESPN são muito chatos também, eu assisto quando o Nardini tá narrando pq ele tá sempre atento a tudo q tá acontecendo, nas quadras adjacentes,
      no Twitter, instagram… o cara sabe tudo sabe se passa.🙃👀

      Responder
  12. Gabi

    Essa série vai me matar. Dois times sensacionais, coletivos e muito inteligentes. Baita vitória do Heat com o Adebayo mostrando que é maior do que o valor que deram a ele.

    Jayson Tatum é um espetáculo mas com 22s de posse de bola precisando de uma cesta simples, vai chutar de 3 pra quê? Stevens precisa ajustar o time, Kemba PRECISA acordar e seguimos.

    Responder
    1. periferia

      Olá Gabi.

      Os times são muito parecidos…a série vai longe.

      O outro lado deu zebra….o Nuggets eliminou o Clippers.
      Outro dia alguém lembrou do Magic Johnson ( armador que jogava de pivô)…..agora temos um pivô que joga de armador (Jokic)….basquete mudou.

      Abs

      Responder
      1. Gabi

        É bonita a história do Nuggets chegando à final depois de ser completamente desacreditado, de forçar jogos 7, de ser resiliente dentro de jogos importantes e saber construir suas vitórias.

        Mas e como fica minha ânsia em ver Kawhi na final fazendo a Batalha de LA?

        Triste.

        Responder
    2. Miguel BsB

      Lets go Heat! Tô com minha camisa 3 do Wade aqui…rs
      Gabi, vai ser difícil o Celtics levarem essa série de um Miami muito mais descansado e que sai na frente depois de um OT…
      Agora, mais um papelão do Clippers.

      Responder
      1. Gabi

        Verdade!! Acho que vcs levam mesmo.
        Estou respirando por aparelhos. Os aparelhos: Jayson Tatum e Jaylen Brown. Enquanto isso o Kemba tá tentando tirar os aparelhos da tomada…rsrs

        Responder
  13. Paulo Almeida

    A chave do Masters de Roma ficou um pouco mais interessante para o rei do tênis com as quedas de Aliassime, Edmund e Wawrinka, mas o bom Krajinovic não pode ser subestimado. De qualquer forma, penso que seu maior inimigo agora será um possível trauma pela eliminação no US Open.

    Como a transição do M1000 de Cincinnati para o US Open foi incrivelmente rápida, acabei me esquecendo de dizer que a conquista do DUPLO GOLDEN MASTERS em cima do Raonic deve ter sido a única na qual o Djokovic não teve tempo adequado de recuperação. Os Masters de Roma 2016, Paris 2018 e Roma 2019 foram exemplos claros de que era muito improvável que levasse o troféu. Tudo bem que contra o Nadal é muito difícil mesmo em condições perfeitas de jogo, mas só deixou escapar as taças para Murray e Khachanov porque estava destruído e ainda por cima muito gripado contra o russo. A essa altura seriam pelo menos 60 Big Titles!

    Responder
    1. Maurício Luís *

      ” Vivem da desgraça alheia desde 2008 e por isso mesmo Federer é o terceiro do Big Three.”
      Olha, Paulo, com todo o respeito que tenho por sua pessoa, mas matemática não muda. 20 é + do que 19, que é + do que 17, 16, etc. Que culpa tem o jogador se o seu maior adversário não teve competência sequer de chegar à final pra enfrentá-lo?
      É uma ginástica mental inconsistente. Não é o poste que faz xixi no cachorro, é o cachorro quem faz xixi no poste. Isto não muda. É só olhar os comentários e avaliar quantos concordam com essa sua argumentação.

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Maurício, você me interpelou no comentário errado, mas realmente a matemática não muda: Djoko 58 Big Titles, Nadal 55 e Federer 54; Djoko 29×26 contra um e 27×23 contra outro no h2h. Poderia detalhar mais, mas estou com preguiça.

        Quanto à questão da culpa, realmente o suíço não teve nenhuma de ter como maior adversário no fraco período 2003-2007 o bagre Roddick. Foi lá e papou seus títulos antes da coisa ficar feia a partir de 2008.

        Abs.

        Responder
        1. Rafael

          Desculpem, mas ri sozinho agora lendo essa resposta do Paulo kkkkk. Já falei aqui da facilidade dele em argumentar, quando dada a oportunidade faz o que quer com as palavras, kkkkk. Como criticar?

          Mesmo que eu às vzs não concorde com tudo não adianta, ás vezes acho um barato mesmo.

          Responder
          1. Paulo Almeida

            Rafael, acredito que, se eu fosse federete, os mesmos caras que me atiram pedras me jogariam flores, kkkkkkkkkk.

            Fico agradecido novamente por gostar do pequeno entretenimento que proporciono aos membros do Blog.

            Abs!

          2. Sérgio Ribeiro

            Não acredito , Rafael . Jogar bem com as palavras é até legal , mas inverdades perde a graça. Ele não respeita a história do Esporte e chama de Bagres vários Ex-N 1 do Mundo que bateram Sampras , Agassi e GUGA . E pra não me alongar muito , Roddick não era o melhor deles. E terminou com 5 x 4 sobre Novak. Hewitt que a figuraça nem cita , destronou GUGA em 2001 e manteve o Posto também em 2002 , tendo Agassi assumido em 2003 e Roddick ao final desta temporada . Em 2007 , Rafa Nadal já tinha TRÊS SLAM e o cara mascara que o Espanhol já era N 2 desde 2005. Ou seja , um desavisado que leia suas graças, e vire um membro da Kombi , é sua intenção. Seria divertido se não apelasse tanto denegrindo vários Campeões e a própria História deste maravilhoso Esporte. Abs!

        2. Sérgio Ribeiro

          Uma coisa é certa caro Almeida . Fake o parceiro não é. Jamais vi alguém postar repetidamente , a exaustão mesmo , tanta asneira. E ser chamado atenção até mesmo pelo mais que paciente blogueiro pelo insano fanatismo. Mas como está pra lá de exagerado , cuidado que pode perder o emprego na Kombi. Tem muitos que também já estão de saco cheio kkkkkkkkkkk Abs!

          Responder
      2. Rodrigo S. Cruz

        Maurício,

        e olha que isso é pouco perto da afirmação dele de que o Djokovic é “campeão moral” de Wimbledon 2020, torneio que sequer existiu!

        kkkkk

        Responder
        1. Paulo Almeida

          Prefiro campeão moral de um torneio que não existiu devido à pandemia do que campeão moral de um que existiu e em que foi derrotado em três sets. Já sei, prefere comemorar mais winners do que sets, kkkkkkkkk.

          Diversão garantida!

          P.S.: DjokoGOAT também é campeão moral de Indian Wells, Miami, Olimpíadas, Xangai e talvez Madrid.

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Você “Jula”, bebê?

            Então não precisaria haver disputa de torneio algum, concorda?

            Bastaria entregar a taça ao número 1 do momento (no caso a farsa sérvia) e pronto.

            Mas claro que até o maior dos cretinos sabe disso.

            No entanto posta essas coisas com o intuito claro de encher o saco…

          2. Paulo Almeida

            Encher o saco?

            Ué, mas não disse que eu não te irritava mais? Pelo visto isso era tão verdadeiro quanto o personagem bonzinho do Vitor Hugo, rs.

            Continue tentando, GOAT dos pitis!

    2. Rafael Azevedo

      Concordo que o Krajinovic é perigoso. E venceu Djokovic no Adria Tour. Tudo bem que esse torneio não é parâmetro para nada, mas revela, pelo menos, que o sérvio não treme diante do Nole…

      Responder
  14. Emerson

    Dalcim. Vendo pela milésima vez as discussões chatas entre torcedorea por aqui, é de se reparar o tanto que o Nadal é deixado de lado na debate sobre quem sera o GOAT. Geralmente focam só no Federer ou Djokovic. Sendo que o Nadal tem uma carreira mais vitoriosa que a do Djoko e próxima a do Federer. Parece que ele é o n2 de todos kkkkk. Se Voce tivesse que chutsr acredita que dos três ele termina com mais GS? E pq acha que ele é tão deixado de lado na discussão do GOAT?

    Responder
    1. Paulo Almeida

      A rivalidade Djokovic X Federer é a maior do Blog, mas as outras duas são encontradas em outros ambientes.

      Sim, o Nadal tem mais Grand Slams do que o Djoko, mas tem menos semanas como número 1, menos ATP Finals e atualmente a vantagem é do sérvio em títulos de Masters 1000, mesmo porque venceu todos pelo menos duas vezes. Logo, não é simples falar quem tem a carreira mais vitoriosa.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Errado como sempre . Ambos com 35 . Não minta que pega mal. Outra , ganhar 8 em mais de um MASTER é mais difícil que 2 em outros . Ou não caríssimo comédia ?kkkkkAbs !

        Responder
  15. Sandra

    Dalcim, não te assusta a rapidez da Osaka , tão nova e já ter 3 grand slams? Antes desse sucesso todo você já havia escutado alguma coisa sobre ela ? Nós so ouvimos o masculino falar das promessas , mas ninguém fala do feminino, e as promessas do masculino não foram tão rápidas quanto a Osaka

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, Sandra, em 2016, com 18 anos, ela ganhou seu primeiro WTA, chegou na terceira rodada de três Grand Slam e foi eleita a Revelação do ano. Portanto, não surgiu do ano. No ano seguinte, ganhou de duas top 10. Monica Seles também ganhou suas três primeiras finais de Slam, e começou com 16 anos!

      Responder
  16. Luiz Fernando

    E o genial Wawrinka, q alguns pseudo-entendidos aqui ousaram dizer q deveria substituir Rafa em 2015 como componente do Big4, levou pneu do não menos genial italiano q nem me lembro o nome. Que piada…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Dessa vez eu temos que admitir.

      (rs)

      O Stan deu vexame.

      Só que pesa em favor do suíço o fato do garoto ter sido campeão juvenil de um Grand Slam, e de ter passado pelo quali…

      Ou seja, enquanto o italiano entrou embalado, o Wawrinka estava sem ritmo.

      De qualquer maneira, hoje ele foi “MAGISTRAL” mesmo!

      kkkkkkkkk

      Responder
      1. Luiz Fernando

        Acho q o melhor ritmo sem duvida ajudou o italiano, mas convenhamos q Wawrinka desde q voltou desta ultima contusão nunca mais foi nem sombra do jogador q foi no passado…

        Responder
    2. Miguel BsB

      Cara, Wawrinka é um cracaço, gostem disso ou não .Mas, a essa altura, já não é mais o mesmo.
      Agora, se alguém disse que ele deveria entrar no lugar do Nadal como membro do Big 3, essa pessoa estava bêbada ou delirando…

      Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      O mesmo garoto que foi N 1 do Mundo juvenil. Mas já perdeu para Wilde . O outro garoto Italiano bateu Paire por 6 x 2 , 6 x 1 . Os Italianos acreditam que ambos vão mais longe que Fognini. Daí todo o entusiasmo para realizar o MASTERS 1000 de Roma. Abs!

      Responder
  17. Rogério R Silva

    Boa tarde Dalcim.
    Há pouco tempo tivemos uma final em Wimbledon que um jogador não conseguiu controlar os nervos e facilitou muito para o Federer.
    Acho que foi pior.
    O austríaco conseguiu se superar mas o Cilic nem um pouco.
    Forte abraço.

    Responder
  18. Davi Poiani

    Dalcim, com St. Petersburgo subindo para ATP 500, serão 14 torneios deste porte em 2021 ou algum outro será rebaixado para ATP 250 a fim de equilibrar e manter os 13 atuais?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ainda não sabemos qual será a atitude da ATP, Davi. Pode ter sido uma subida momentânea de categoria, em função do cancelamento de Pequim, Tóquio e Basileia.

      Responder
  19. João

    Dalcim o que achou da decisão do Thiem de pular os preparatórios para RG?
    Para um jogador que parece precisar de pegar ritmo para jogar no seu melhor não acha uma decisão um tanto quanto arriscada?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que ele se adaptará muito facilmente ao saibro, que é seu piso predileto, e correrá apenas algum risco nas duas primeiras rodadas de Roland Garros. Se a chave for boa, tudo resolvido. Acho que ele precisa muito mais de descanso físico e mental do que ritmo de jogo no momento, João.

      Responder
  20. Luiz Fernando

    Determinado segmento q hj combate Djoko a ferro e fogo antes combatia Nadal da mesma forma, com aquelas acusações ridículas de doping, além das alcunhas de baloeiro, robô, maratenista e outras idiotices similares. Curioso é q se apegaram a Djoko em 2011-2014 como um náufrago se liga a um salva-vidas, justamente para evitar q Rafa vencesse uma série de GS e ultrapassasse Federer, o q fatalmente ocorreria sem o sérvio. Agora a vítima é o Djoko, pelas mesmas razões kkkk. Depois os fanáticos são os torcedores do sérvio. Basta observar isto, q é escancarado, para entender pq não há antagonismo exagerado entre as torcidas do Nadal e do Djoko. Eu não digo q aqui é diversão garantida kkkk…

    Responder
          1. Paulo Almeida

            Frauderão saco de pancadas 11×6 em Slam para um e 10×4 para outro. É o coadjuvante de luxo dos dois melhores, Rodrigo Marcelo Bruno Cruz.

            Esses dois são seus fakes e ponto final, pois eu decidi assim!

    1. Sérgio Ribeiro

      Não há antagonismo porque a Turma do Touro se conformou que depois de tantas surras fora do Saibro desde 2013 , o tal goat provavelmente não será o Espanhol. Daí que pro ” diversão garantida ” ficou fácil se aliar a turma do tudo menos Roger Federer. Exceto o nosso amigo MC . Este não está nem aí pro Sérvio . Simples assim kkkkkkkkkkk Abs!

      Responder
      1. Jonas

        Caro Ribeiro, sempre temos que desenhar pra você. Mas vou ser rápido: entre 2008-2014 Nadal era odiado pois surrava o Federer em quase TODOS os grandes eventos.

        Djokovic era elogiado até 2014 como o Danilo citou, porém vem sofrendo hate desde que se tornou um sério candidato a bater alguns recordes. Isso ocorre após o sérvio voltar ganhando quase tudo após aquele período sombrio de abraçar árvores. Você nega isso? Talvez o Danilo tenha a paciência de levantar essas postagens antigas.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Na boa , Jonas. Quem é você pra ter que desenhar algo aqui neste Fórum . Onde você estava na época do protagonismo da dupla Fedal ? Vou te dar uma dica , o dono do Blog estava por aqui. E já disse várias vezes que Federer é o maior jogador que viu jogar. Você e sua turminha só pagam mico todo dia chamando a exaustão alguém de Goat , sem ele ainda possuir os recordes. Como desportistas são um Zero a esquerda. Cresça e apareça mane’ rsrsrs Abs!

          Responder
          1. Jonas

            Onde eu estava quando Nadal dominou Federer em Roland Garros 2008, Wimbledon 2008, Australian Open 2009, 12 e 14?

            Cara…não sei onde eu estava.

      2. Paulo Almeida

        Desde 2013? Mas em 2013 o espanhol ganhou todos os jogos do freguês de todos e em 2014 complementou varrendo em sets diretos e fáceis no AO, abrindo 23×10 no h2h.

        Só em 2017 que de fato reduziu um pouco o retrospecto vexatório, mas continua inferior nas hards ao Nadal, com 1×3 em Slams.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          És tão fanatico que não consegues ler . Quem bateu em Nadal fora do Saibro desde 2013 foi o Sérvio. Federer foi mais a frente. O L F desistiu de Goat paraguaio com a combinação dos fatos. E o Piloto se aproveita da fraqueza do rapaz diariamente. Simples assim rs Abs!

          Responder
          1. Barocos

            Jonas,

            Eu lembro disto, mas não era o Sérgio que fazia este pedido ridículo, eram outros torcedores do Federer. Ainda bem que o suíço não deu bola para os fanáticos e continuou no circuito.

            Sinceramente, gostaria de ver embates entre Djokovic, Nadal e Federer por mais alguns anos, os membros da nextgen estão progredindo, mas ainda não estão no mesmo nível dos três.

            Como já repeti várias vezes, mais do que os Slams, gostaria de ver o Djokovic conquistar o ouro olímpico.

            Saúde e paz.

      3. Luiz Fernando

        Serginho, finalmente um texto q deu pra entender, parabéns, quem sabe vc agora não passa a escrever textos mais curtos, aqueles longos são de doer kkk. Rafa hj não pode c Djoko mesmo na quadra dura, tenho q admitir, mas não é por isso q vou dizer q o sérvio se dopa ou comemorar se ele adoecer. Isso eu deixo p seus amiguinhos de torcida, pq a bem da verdade vc nunca apelou p esse tipo de baixaria. Ah, além disso, só de ver o desespero q alguns blogueiros estão tendo com a perspectiva do Djoko e do Nadal quebrarem os recordes do Federer já me dá muito, mas muito prazer mesmo. Lembra q há uns 4 dias dias Thiem se tornou o melhor jogador da atualidade? Estarei aqui p me divertir quando ocorrer kkk. Grande e fraternal abraço.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Você não entende o que Posto mas responde tudo rsrsrs És um eterno pagador de recibos e agora de micos. Apoiar uma galera fanática que chama de Goat um cara que ainda está atrás , é desespero infanto-, juvenil L F kkkkkkkkkk Abs!

          Responder
      1. Luiz Fernando

        Se eu irritei vcs então o objetivo da postagem foi atingido, simples assim. Eu não sou imparcial e nunca me rotulei assim, sou Nadal sempre e também sempre q puder vou incomodar vcs. Agora talvez com o passar do tempo eu possa adquirir um pouco da sua imparcialidade infinita…

        Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Não ria de ironias sem tanta graça, Paulinho.

            Você vai acabar causando uma “indignação coletiva”…

            (rs)

      1. Luiz Fernando

        Aquele rapaz dos múltiplos nicks comemorou a cirurgia de apendicite do cara, isso esses incoerentes nunca comentam, passa convenientemente em branco. Da mesma forma os argumentos nojentos de doping e esquemas de bastidores p explicar vitórias dos adversários do Federer. Depois eles não sabem pq tem essa fama péssima…

        Responder
          1. João

            Correção: E qdo vc denuncia essas incoerências deles eles vêm e dizem: vire o disco, pare de viver do passado etc etc etc.

    2. Gildokson

      Que disco arranhado meu Deus do céu! Que obsessão…
      Quando vocês vão admitir que existem torcedores iguais de todos os lados? As 3 torcidas tem os bonzinhos bem humorados que fazem piadas e tiradas legais, as 3 torcidas tem torcedores conscientes que admiram o trio de gênios e fazem comentários só exaltando as qualidades deles, e as 3 torcidas tem caras sem noção que postam besteiras negrindo o trio. Para com esse discurso chato e arranhado de “o segmento” sei la oq, querendo se unir aos torcedores do Djokovic tentando se vitimar como se torcedores do Federer fossem monstros.
      Oh nossa!! Os torcedores do Federer torceram para o Djokovic proteger o recorde de Slans contra o Nadal. Ohh! os torcedores do Federer torcem e secam o Djokovic para ele também não quebrar os recordes… Nossa que absurdo!!kkkkkkk
      Tem a ala djokovista que vive diminuindo as conquistas do Federer usando argumentos medonhos (assim como era o lance de acusar Nadal de doping) e você vive concordando. Qual o problema disso? Nenhum. Sabe pq? Pq aqui quase todo mundo é igual. Entendeu?

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        E olha que tem uns 5 ANOS que nem um federista acusa o Nadal de doping por aqui.

        Todavia, nós já vimos alguns fakes djokovistas nesse ínterim acusando o espanhol disto.

        Vai entender, né…

        Responder
      2. Rafael Azevedo

        Tirou onda, Gildokson. Perfeito.
        E ainda tem torcedor que é um pouquinho de cada em dias diferentes.
        Mas, quer saber? Por mim, podem continuar assim. É divertido. Eu vibro quando alguém solta uma provocação aqui (desde que sem ofensas, claro).

        Responder
    3. Bruno

      E tem os que chamam o Federer de aposentado,cansadao ,fujão e muitas outras babaquices tb e aí o amigo se cala ,não é mesmo?
      Falta de coerência e hipocrisia e parcialidade.
      Uma coisa ,vc tem razão aqui é mesmo diversão garantida .

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Esse citado , caro Bruno , usou essas babaquices anos a fio até chegar ao tal ” odeio Federer ” em 2017. Viu que muitos debandaram , e passou a dar de bom moço e baba Ovo de uma turminha pra lá de fanática. E se acha em condições de cobrar alguma coisa de alguém rsrsrs . Abs!

        Responder
      2. Luiz Fernando

        Que gracinha, com a palavra o cara q critica as postagens dos demais dizendo serem sem conteúdo. Meu caro, sua opinião e nada significam o mesmo p mim, fiz e faria tudo de novo de acordo com as circunstancias. E se não gosta do q eu posto, não leia kkk…

        Responder
    4. DANILO AFONSO

      Lembro desta época. A felicidade dos torcedores do FEDERER era imensa quando DJOKOVIC emendou 7 vitórias seguidas sobre o NADAL nas finais entre 2011 e 2012.

      Eu acredito que se o FEDERER tivesse se aposentado antes de Wimbledon 2014 ou até antes de 2015, a grande maioria dos torcedores do FEDERER teriam migrado sua torcida para o DJOKOVIC, apesar do estilo bem diferente de jogar, pois o sérvio tinha demonstrado nos últimos anos ser o único capaz de impedir que o algoz espanhol superasse os recordes do suíço. Era uma transferência provável de torcida.

      Mas aí vieram os anos seguintes onde o sérvio levou vantagem contra o suíço nos principais palcos, o que gerou uma hostilidade mútua entre os torcedores mais fanáticos.

      Posso estar enganado, mas a impressão que tenho acessando a internet, que tanto no Brasil quanto no exterior, a rivalidade FEDERER x DJOKOVIC superou o clássico FEDAL, não em termos de mídia e popularidade, mas sim no sentimento mais pesado e desprezível que uma rivalidade esportiva gera. E tal mudança ocorreu por dois motivos:

      – diferentemente do espanhol, Djokovic ousou vencer o suíço com REGULARIDADE onde este reinava (grama e hard), mais precisamente em Wimbledon (2014, 2015 e 2019), AO (2008, 2011, 2016 e 2020), US OPEN (2010, 2011 e 2015) e ATP FINALS (2012, 2013, 2014 e 2015);

      – enquanto nos últimos 5 anos Federer venceu 7 dos últimos 8 confrontos contra o Nadal, o sérvio venceu no mesmo período 10 dos últimos 14 jogos. Além do mais, há 8 anos o suíço não vence uma partida de Slam contra o sérvio;

      Porém, penso que quando o BIG 3 estiver aposentado, o fanatismo será amenizado ao ponto de nos permitir relembrar com descontração aqui no blog ou em outra plataforma, os nossos debates calorosos e divertidos de anos e anos.

      SAUDAÇÕES TENÍSTICAS !!!

      Responder
      1. DANILO AFONSO

        Onde eu escrevi “a grande maioria dos torcedores do FEDERER teriam migrado sua torcida para o DJOKOVIC, leia-se ” uma parte dos torcedores do FEDERER…”.

        Responder
        1. Gildokson

          Grande Danilo! Um dos melhores torcedores do sérvio, junto com o Jonas, você pode até ter uma certa razão sobre esse lance de debandar para a torcida do sérvio, realmente alguns torcedores do suíço poderiam ter feito isso. Inclusive isso está acontecendo aqui no blog, a diferença é que não são os torcedores do Federer que debandaram pro lado do Djoko não kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
          Quase não se fala mais de Rafael Nadal aqui no blog, pelo menos não por seus “torcedores” kkkkkkkkkkkkk Nem parece que o cara está à 1 Slam de igualar o recorde do GÊNIO.
          O papo é só Federer pra lá, Djokovic vai ser o GOAT pra cá , o “segmento” falou isso em 1994 pra lá, Federer não tem 20 GRAND SLANS cá… kkkkkkkkkkkkkkk

          Responder
      2. Paulo Almeida

        Eu também lembro, Danilo.

        Federetes eram nolistas de carteirinha, mas não sabiam o tamanho do monstro que estava sendo criado.

        Ótimo comentário, somente com os fatos mais verídicos possíveis.

        Responder
        1. DANILO AFONSO

          Convenhamos PAULO ALMEIDA, outros torcedores, inclusive Nolistas, também não imaginavam que o sérvio chegaria tão longe coabitando com outros dois monstros. Era visível que DJOKOVIC teria uma carreira de destaque quando ele despontou em 2007, pois ainda era muito jovem e tinha muito por evoluir, mas eu nunca imaginei que após atingir o padrão de excelência, manteria por uma década o alto nível com poucas oscilações.

          Se não bastasse o desafio imenso no campo esportivo, NOVAK e qualquer outro esportista jovem de destaque tem que enfrentar diariamente outros “adversários” tão ou mais desafiadores que derrubam muitos pelo caminho: luxúria, fama, sexo, comodismo, depressão, relacionamentos tóxicos, drogas, e outros vícios) .

          Não é fácil se manter focado por tanto tempo ao atingir o topo.

          Responder
          1. Paulo Almeida

            Ah, vou discordar!

            Depois do que ele fez ganhando 7 finais seguidas do Nadal, coisa que o Federer jamais sonhou ou sonhará em fazer, eu já achava que ele poderia ir muito longe na carreira. Antes disso não: supunha-se que seria eterno coadjuvante dos outros dois.

          2. Rodrigo S. Cruz

            kkkkk

            “Luxúria” foi exagero hein Danilão…

            Tenistas que não se desenvolvem por serem promíscuos?

            kkkkkkk

            Pegou pesado!

          3. Jonas

            Até 2010 também não esperava muito dele. Mas o nível que ele apresentou no ano seguinte foi assustador.

            Talvez vc se lembre Danilo, mas em 2011 havia uma discussão até recorrente: quem ganharia, o Nadal de 2010 ou o Djoko de 2011?

            Depois de muitos anos, temos que ler q o Djoko não evoluiu nada, rs. Uma das melhores exibições do Djokovic em 2011 foi contra o Federer na SF do Australian Open.

      3. Sérgio Ribeiro

        Então Danilo , como estatistico o amigo me surpreende com o mais que repetitivo assunto do h2h entre o Craque e seus oponentes 5 , 6 anos mais jovens. Isso aconteceu sempre na história . Lendl e Big Mac pra cima de Connors é um dos exemplos. É óbvio que com esses oponentes do mais alto nível , não venceria tudo. Mas venceu muito. O suficiente para ainda ser considerado o melhor. Se Novak ou Nadal o ultrapassarem muita coisa vai mudar ? Ao final da sua contagem regressiva saberemos … Abs!

        Responder
    5. Bruno Gama

      Sem o Djokovic o Nadal poderia ter mais uns 6 slams, mas o Federer poderia ter mais uns 10, então esse “fatalmente ocorreria” não faz muito sentido.

      Responder
    6. Marcelo

      Mas relaxe, pois é um antagonismo sem inveja. Gostamos do Nadal e do Djoko também e torcemos para ambos baterem os recordes.

      A admiraçao pelo Federer nao se dá pelos recordes ou títulos, mas sim pelo tênis que ele jogou (e ainda apresenta muitas vezes).

      Aliás, acredito que o Djokovic (e o Nadal) possam e devam bater os dois principais recordes do suisso. Sao excelentes tenistas (dois GOATs), num período onde podemos até ter três GOATs, que eataria bem distribuído.

      No entanto, e vale ressaltar, que as atitudes dele nao condizem com a posiçao que voces almejam pra ele. Ao se aposentar, vai ser lembrado nao apenas pelos recordes, mas também pelas seguintes perguntas ou comentários:
      – Imita alguém “pra gente” ver? Pode ser a Sharapova…
      – Nao foi esse tenista que acertou aquela bolada na juíza de linha?
      – Lembro de vc daquela passada de GranWilly do USOPEN.

      Seria uma espécie de Serginho Mallandro do tênis, que estará sempre ligado ao personagem que ele twntou criar.

      Nós (torcedores do Federer), também lamentamos muito a situação do ídolo de voces, porque no frigir dos ovos, tênis ele tem para ser o GOAT sem precisar de ajuda, mas as atitudes dele nao vao deixar..

      Responder
    7. Aurélio Passos

      Acusar qualquer um de qualquer coisa é feio.
      Já negar que doping x atletas de ponta é uma relação que transita por todas as modalidades, de maneira muitas vezes invisível, é outra coisa.
      Doping e apostas são pragas eternas no esporte de alto rendimento.

      Responder
  21. Nattan Lobatto

    “Na minha opinião, Djokovic teve azar. Fiquei muito triste por ter perdido uma grande oportunidade naquele Grand Slam. Ele não deveria ter feito aquilo, mas são coisas que acontecem. Foi uma circunstância um tanto infeliz, mas na quadra é importante manter o controle para evitar situações desse tipo”. (NADAL, Rafael).

    Não é a toa que o espanhol é uma lenda, um ícone e baita gentleman. Ao contrário de alguns nobres colegas que comemoraram a desclassificação do Nole como título de copa do mundo e o acusaram de ter atirado intencionalmente uma bola a 300 km/h, o espanhol reconhece que foi um ato de infelicidade e azar. E um jogo terminar dessa maneira, é triste demais! Esperando a outra besta enjaulada se manifestar a respeito (Roger Federer)… Bola pra frente!!!

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Esse assunto já deu o que tinha que dar, né?

      Ele não acertou a juíza com raiva, mas poderia ter acertado.

      E nesse caso, amigo, a coisa teria tomado uma proporção muito maior.

      O Djokoivc mereceu ter dado esse azar, para ver se para de ficar dando chiliques sem motivo…

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Ele é bobo caro Nattan ? Eles devem se enfrentar em Roma e em RG . Ele disse o óbvio , ” deu azar mas devemos evitar alguns atos que possam causar … ” .Sem essa de gentleman . O baba ovismo rs de vocês não tem limites. E Federer não tem porque se meter nesta estória. O Espanhol somente se pronunciou devido a imprensa local ficar pentelhando rs Abs!

      Responder
      1. Nattan Lobatto

        O Roger vai se manisfestar, Sérgio. Assim que a besta enjaulada voltar a competir, a imprensa vai bater nessa tecla. Creio que ela vá na mesma linha de raciocínio do Nadal.

        Responder
  22. Sandra

    Dalcim , quantos Medevedev existem no mundo do tênis ? Estava vendo algo a respeito do Us open , de quantas viradas havia acontecido e apareceu um Medevedev ? Sai parentes ? De muito tempo atras

    Responder
  23. Sandra

    Dalcim fiz uma pergunta acima e agradeço a resposta , era a respeito dos Masters que o Sport tv não vai mais transmitir , mas os grand slams também não vão ser mais transmitidos ? Ou qualquer jogo de tenis ??ela desistiu ou não pagou o que eles queriam ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Há diferentes contratos, Sandra. Os 1000, 500 e 250 são da ATP e portanto é um contrato. Pode-se comprar só os 1000, só os 500 ou tudo. Aparentemente, a Disney comprou tudo e vai repassar alguns para a Band. Já os Grand Slam são independentes, cada um necessita de um contrato. No momento, Sportv tem Wimnbledon e US Open, ESPN tem Australian Open e US Open, Band negocia para manter Roland Garros a partir de 2021. Já o circuito feminino é outro contrato e nenhuma TV comprou para 2020.

      Responder
      1. Miguel BsB

        A Disney está comprando tudo e formando um verdadeiro monopólio…preocupante. Tanto nos esportes como na indústria cinematográfica.
        Mickey Mouse tá dominando o mundo.

        Responder
        1. DANILO AFONSO

          Verdade Miguel !! A empresa está cada vez mais abocanhado o mercado e dificultando a concorrência. Mas eu como acionista da Disney há anos não tenho do que reclamar…kkkk

          Responder
  24. Helena

    Sobre o jogo de ontem, assim como para muitos companheiros do blog, para mim também foi uma das piores finais que assisti. Dito isto, achei que os jogadores tiveram coragem sim, apesar de ambos claramente terem entrado muito nervosos. Do lado de Thiem, fiquei muito surpresa com o quanto ele chegou nervoso para a partida. Provavelmente foi a diferença entre jogar como azarão e jogar como favorito, onde o peso é muito maior. Do lado do Zverev, fiquei feliz com o que vi. Perdeu, mas poderia muito bem ter ganhado. De qualquer forma, ficou claro o quanto ele evoluiu. O Sascha de algum tempo atrás jamais teria reagido após a quebra sofrida no início do quinto set.
    Sobre a atitude dos jogadores, gostaria de traçar um paralelo com o jogo CoricxTsitsipas para fazer uma defesa dos dois. É óbvio que ambos estavam nervosos no momento: primeira final de Slam para um, primeira final como favorito para outro. Torneio sem o Big 3 e uma oportunidade de ouro de levar o primeiro título de um dos maiores torneios para casa. No entanto, acredito que o fator maior foi muito mais nervosismo do que medo ou de se entregar mentalmente. No primeiro jogo, o Grego claramente derreteu no lado mental e ficou apavorado com a forma na qual o jogo se desenrolou. Foi algo realmente preocupante e que precisa ser trabalhado urgentemente. Neste jogo, não me lembro de nenhum lance importante com longas trocas de bola, pelo contrário, era o tempo todo o rapaz tentando acabar logo o ponto e se livrar do peso de sofrer uma virada histórica. Daí foram chuvas dos mais variados erros: smash na mão do oponente, voleios errados, forehand e backhand saindo por muito, slice desnecessário, além de pelo menos duas madeiradas. Erros técnicos que não são condizentes com o nível do jogador, o que mostra que o problema foi claramente mental.
    Já no caso da final de ontem, apesar do nervosismo dos finalistas, não vimos este tipo de atitude. Tivemos o Thiem escapando da quebra com bolas nas linhas, e o Zverev buscando voleios difíceis e forçando o saque até o momento final do jogo. Ainda por cima, não faltaram longas trocas de bola. Nada de passar a bola para o lado e torcer pelo erro do adversário, ou erros de quem foi consumido pelo medo. Teve nervosismo sim, mas também vimos longas trocas de bola e jogadas de alto nível técnico. Não foi a final dos sonhos, mas depois do visto a tendência é de que ambos joguem com mais serenidade na próxima vez. Ainda deixo um parabéns ao Thiem por ter confessado que o mau desempenho inicial foi fruto de nervosismos, sem tentar criar uma desculpa esfarrapada ou culpar terceiros. Ótima forma de lidar com o acontecido.
    De resto, saí com a impressão de que todos ainda estão consideravelmente abaixo do Big Three, que Thiem é o melhor jogador abaixo dos monstros, que Sascha evoluiu demais, mas que Medvedev parece ser o mais forte mentalmente entre os jovens.

    Responder
  25. EDVAL CARDOSO

    Nossa, olhando vários comentários aqui,que se fulano estivesse ganharia fácil, que beltrano varreria qualquer um dos que estavam na final,que ciclano ganharia com pé nas costas,que a final foi de nível muito abaixo do que seria com os big three,o gente ranzinza.
    Meus amigos, vão se acostumando,daqui uns dois no máximo três anos, vão ser esses caras que vão estar disputando os postos mais altos do ranking,e as finais dos torneios mais importantes, não vamos ficar a mercê de Federer, Nadal ou Djokovic,como se o tênis fosse acabar quando eles pararem.
    Melhor já ir escolhendo um desses da nova geração pra começar a torcer ,ou então vai ficar sendo uma viúva inconsolável dos três sem apreciar realmente o quão divertida é uma partida de tênis.

    Responder
  26. Marcílio Aguiar

    Um certo nervosismo no inicio seria até natural, mas não esperava que o Thiem demorasse dois sets e meio para se equilibrar. Se fosse contra um tenista mais constante a derrota teria sido irreversível. Afinal ele mereceu por tudo que jogou no torneio. Por sua vez, o Zverev fez até mais do que eu esperava. Isso pode ser um estímulo para ele ir melhor em outras oportunidade que tiver. Acho que o Ferrer pode ser-lhe muito útil.

    De qualquer forma eu vejo como positivo ter dois tenistas diferentes em uma final desse porte, a despeito da ausência dos 3 maiores vencedores. Estou otimista com o futuro. No início sentiremos muito a ausência do Big 3, mas acho que tenistas como Thiem, Tsitsipas, Zverev, Medvedev, Rublev, Felix, Shapovolov e outros que vão surgindo como Sinner (e quem sabe até o nosso Tiago Wild) receberão o bastão e o conduzirão com dignidade.

    Responder
    1. Emerson

      Mano o odio aqui e independente de torcida. Meu Deus a briga dos torcedores de federer e djoko e muito chata! Eu entrei nesse blog pq sou novo no tenis e busco opinioes e analises interessantes. Mas 50 por cento dos comentarios aqui sao diacucoes chatas de torcedores de Federer e Djoko. Poxa tem um maluco que todo semana posta uma contagem regressiva pra recorde. Tem que ser muito xarope

      Responder
    2. Nattan Lobatto

      Infelizmente, Oswaldo!

      Que todo esse ódio se transforme em títulos e recordes.

      Obs.: Ódio alimentado e fomentado por todas as torcidas. Rafa e Roger tb são atingidos por ele (ódio)… O sérvio só levou o azar de chegar depois, ter uma das torcidas que mais cresce, porém, nitidamente menor (por enquanto).

      Responder
    3. Marcelo

      Meu Caro,

      Desculpe, mas nós não temos ódio nenhum. Aliás, o Djokovic é um tenista que chegou para quebrar paradigmas. Até o momento, sempre entendemos que o tenista a liderer o ranking por mais rempo (mais semanas) seria sempre o melhor de todos os tempos. Mas o Djokovic chegou para mudar este conceito: Ele será o primeiro detentor do recorde da quantidade de semanas na liderança, a não ser considerado o primeiro ou segundo (talvez nem o terceiro) melhor tenista de todos os tempos. Será apenas o “detentor daquele recorde”. Portanto, o considero um tenisra revolucionário, alguém que nos provou que não há verdade absoluta neste mundo… kkkk

      Responder
  27. Maurício Luís *

    Pessoal criticando direto e reto o baixo nível técnico da final. O que esperavam, sendo esse o primeiro Slam da pandemia e com a maioria dos jogadores fora de ritmo? Como costuma dizer o Paulo Cleto, “sofazistas”. Fácil criticar sentado num PUF almofadado e digitando um celular de última geração. Ir lá correr atrás da bolinha que nem bandido corre da polícia, às vezes sob sol forte, ninguém quer, né?
    Olha, deem graças a Deus de ninguém ter testado positivo e abortado nenhuma das partidas.
    E como dizia aquele personagem do Jô Soares, “… E aproveita que eu tô calmo.”

    Responder
  28. antonio gabriel

    Parabéns Dalcim pelo ótimo post, com os comentários precisos de sempre. Vamos lá, ontem vendo o jogo, deu pra perceber a instabilidade emocional do Thiem que já havia disputado 3 finais de Slam e do Zverev que já havia vencido um finals, esta instabilidade dos dois, talvez sirva para explicar o grande abismo que existe entre todos eles e o BIG 3 ? Grande abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Curiosamente, o Thiem jogou muito melhor as semis e finais de Slam contra o Big 3 do que esta agora, talvez justamente porque a cobrança era muito maior. Mas sim, a parte emocional distancia claramente os três dos que tentam se aproximar, Antonio.

      Responder
    1. Marcelo

      “Haja” mesmo!!! Mas é por isso que participamos dos comentários, para falar do BiG 3 (ou do BIG 4). Note que a parte “tenística” já é muito bem comentada pelo Dalcim e deixa pouca (ou nenhuma) margem a questionamentos! No maaaaáximo pedimos confirmação de alguma opinião que temos.

      Responder
      1. Barocos

        Paulo,

        Porque se ele ficar parado não consegue pegar a sacola, ou existe algum outro motivo para o esforço? 😉

        (OK, nesta me superei no grau de infâmia, acho bom ficar um tempo sem aparecer por aqui, como tantos outros já fizeram 😀 )

        Responder
  29. Rafael Azevedo

    Dalcim, no retorno da pandemia, temos Cincinnati, US Open, Roma e RG. Destes 4, Nadal só poderia somar pontos em Cincinnati e o US Open é um GS (um torneio importante para Nadal, que está buscando o recorde de slams).
    Ainda, o Djoko vai jogar os 4 torneio, e como o Nadal é apenas 1 ano (um pouco menos, acho) mais velho que o Djoko, então acredito que ele também aguentaria essa maratona, em alto nível, fisicamente falando.

    Dito isto, eu pergunto, você acha que a desistência do Nadal nesses 2 torneios se deve por:
    (i) questões físicas, mesmo (ele acredita que perderia o desempenho físico no saibro europeu e teve que escolher entre a américa e a europa);
    (ii) Pandemia (ele realmente ficou receioso da possibilidade de pegar o vírus);
    (iii) Estratégia para alcançar o 20° slam (apesar de que ele poderia ter conseguido no US Open, ele entendeu que teria mais chances se focasse totalmente em RG, do que se dividisse o foco entre os 2 slams seguidos)
    (iv) outra razão (ou um misto das 3 anteriories).

    Responder
  30. periferia

    Olá..

    Gostei do jogo…..achei que o Zverev fez o que o Medvedev não fez ….sacou aberto….fez voleios….algumas deixadinhas (a quadra ficou riscada).
    Quando Zverev percebeu que podia ganhar…..bambiou.
    O Thiem fez uma tática arriscada…ficou muito no fundo (o torneio inteiro)…corria de um lado para outro para cobrir a quadra (não sei como nao infartou).

    O sarrafo do tênis atualmente é muito alto…..os admiradores terão que aceitar um sarrafo mais baixo.
    Ou corremos o risco de virar “saudosistas”.
    E como dizia o Belchior …”o novo sempre vem”

    O filme está acabando.

    Responder
  31. Carlos André

    Não faltou coragem ao Zverev. Teve a inconstância de sempre. Pelo contrário até o final, buscou a rede, buscou voleios super difíceis, ás vezes ficando vendido na rede, mas fiel ao plano de jogo.

    Responder
  32. Carlos André

    Acho que dá para ser “gigante” sem vencer Grand Slam. Não me baseio por isso. O cara pode ter coração, ser exemplo, ser raçudo, ter técnica e tal, ter muitos resultados muito bons,mas não ter o slam. Só isso.

    Responder
  33. Nattan Lobatto

    Peguei essa postagem interessante em umas das matérias do TB:

    “Partindo da premissa de Thiem, Nole e Rafa só irão disputar mais 4 torneios. Roma ( Thiem está fora ), Roland Garros, Paris e Finals, o cenário até o fim de 2020 é o seguinte:
    Thiem pode somar 2.410 pontos.
    Nole pode somar 2.980 pontos.
    Rafa pode somar 1.740 pontos.
    Discriminando pela sequência temporal dos 4 torneios o potencial de somar pontos:
    Thiem: 0 em Roma, 800 em Roland Garros, 910 em Paris, e 700 no Finals = 2.410 pontos potenciais.
    Nole: 400 em Roma, 1.280 em Roland Garros, 0 em Paris, e 1.300 no Finals= 2.980 pontos potenciais.
    Rafa: 0 em Roma, 0 em Roland Garros, 640 em Paris, e 1.100 no Finals = 1.740 pontos potenciais.
    Donde se conclui que, certamente, até a disputa do Finals, Nole permanecerá como número 1 do mundo.
    E, que , muito provavelmente, o ATP Finals definirá quem será o número 1 de 2020.
    Pontuação atual: Nole com 10.860; Rafa com 9.850, e Thiem com 9.125.”

    Em resumo, se o sérvio ganhar Roland Garros, ele terminará como o número 1 (igualando-se nesse quesito ao GOAT estadunidense, Sampras), pois a diferença para Thiem irá para 3.000 pontos e para Nadal irá para 2.300.

    A conferir…

    Responder
  34. DANILO AFONSO

    DALCIM, tu saberia me explicar por que o US OPEN manteve os juízes de linha invés da tecnologia adotada em Cincinnati que é eficiente e rápida ??

    Seria em razão do custo elevado da contratação da tecnologia em várias quadras ??? Ou uma louvável política de geração de empregos (inclusive muitos idosos) ??

    Caso já tenha respondido isso aqui, passou batido por mim.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, desde o começo A USTA avisou que só usaria juízes nos dois estádios principais, acredito eu como forma de preservar os empregos, o que a meu ver o fez acertadamente.

      Responder
  35. Nattan Lobatto

    Bom dia, srs!!!

    Novak igualou a quantidade de semanas como número um com a do rei da relva, Peter Sampras. Esse sérvio é um regicida nato
    !!!

    Quanto a final masculina do Usopen/2020, qualquer um que perdesse não poderia reclamar pelo tanto que chance que os 2 tiveram.
    No mais, os 2 mereciam perder. (ROUSSEFF, Dilma).

    Abs.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      De novo o tal Peter é o Rei da Relva , caro Nattan ? Já sei . Foi ele quem quebrou uma longa invencibilidade de Federer em Wimbledon ? Possui mais Títulos que o Suíço em Londres e nos outros palcos ? Você não pode estar falando sério rs Abs?

      Responder
      1. Marcílio Aguiar

        Prezado Sérgio. Admiro a sua paciência e persistência em contrapor a certas heresias que alguns insistem em cometer Ad infinitum. Saudações.

        Responder
        1. Nattan Lobatto

          Poxa, Marcílio. Não acho heresia colocar Federer e Sampras no mesmo patamar. Os dois, no meu ponto de vista, são os reis desse piso!

          Djoko entra nesse seleto grupo se levar mais dois W… (Meu ponto de vista)

          Ad sumus

          Responder
          1. Marcílio Aguiar

            Prezado Nattan, reconheço que heresia foi um termo um pouco forte, mas se aplica a outros conceitos que vejo por aqui. De fato o Sampas é gigante na grama, assim como o Borg. O Djokovic está construindo uma história, mas o Federer ainda é o maior na relva. Saudações.

    2. Paulo Almeida

      DjokoGOAT superou o ex-rei da relva Sampras ano passado mesmo com seus 5 Slams parrudos, nobre Nattan, Nem vou contar o hexa de 2020 em cima do Nadal.

      Você está coberto de razão!

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Um Rei da Relva que tem muito menos títulos que o verdadeiro . E um goat que ainda está atrás nos Recordes mais importantes. Resta ao parceiro viver mesmo de parrudos e parrudinhos kkkkkkkk. Abs!

        Responder
        1. Paulo Almeida

          Os recordes mais importantes são número de títulos e semanas como número 1 na melhor década da história do tênis (a de 2010) e domínio sobre os arquirrivais. Djokovic tem todos eles.

          Abraços!

          Responder
      2. Nattan Lobatto

        De fato, Paulo. A parrudez dos títulos do Novak em Wimbledom é algo inegável! Ganhar Federer e Nadal em sequência é algo extraordinário, mesmo não sendo o piso predileto do espanhol. Só faltou ter um caneco pra cima do Sampras.

        Djoko dominou e continua dominando na era mais acirrada desta modalidade.

        Responder
        1. Paulo Almeida

          Em 2011 Djoko tirou o número 1 do espanhol com a conquista na grama sagrada e em 2018 protagonizaram uma das partidas mais espetaculares da história!

          Dois títulos parrudaços!!!

          Responder
  36. Fernando Brack

    Essa final valeu pela tensão, nervosismo e pela emoção. Tecnicamente, teve poucos momentos de brilho. Pra mim, não resta a menor dúvida de que Djoko teria levantado a taça se tivesse permanecido no torneio. Os próximos Slams ainda devem ser divididos entre Djoko e Nadal.

    Responder
  37. Thiago Silva

    Dá vontade de empurrar o Thiem pra frente na hora que ele tá recebendo segundo saque com a bunda grudada no relógio. Nem o Rafa fica tão atrás recebendo segundo saque, o Busta recebia quase na linha, por isso botou tanta pressão no saque do Zverev.
    Minha torcida ficou dividida, entre os dois eu prefiro o Thiem, mas como torcedor do Nadal eu não ia me importar se o Zverev ganhasse, o Thiem agora chega muito mais perigoso pra RG.

    Responder
  38. André Barbosa

    Pontos que gostaria de compartilhar:

    1. O nivel técnico da final foi ruim devido ao nervosismo de ambos;
    2. Esperava que o Thiem fosse sentir menos a pressão. Jogou de forma covarde e foi extremamente passivo nos dois primeiros sets, ao contrário do Zverev que fez o dever de casa e atacou sempre que pôde.
    3. O final do jogo foi emocionante, mas pelos motivos ERRADOS porque parecia que ninguém queria ganhar;
    4. O resultado, no fim das contas, foi justo; hoje o Thiem é mais jogador do que o Zverev e vive um melhor momento. Assim que deixou de ser passivo, mostrou superioridade.

    Aos que dizem que o tênis vai acabar após a aposentadoria do BIG 3 (spoiler): NÃO VAI. É óbvio que farão falta, mas acompanho o esporte antes deles surgirem e não deixarei de acompanhar o depois. Pode demorar um tempo, mas outros nomes surgirão.

    Responder
  39. Vitor Hugo

    Gozado algumas djokovetes criticando a atuação do Thiem ontem, como se Novak tivesse jogado alguma coisa desde que os torneios voltaram.
    Qual foi o grande jogo que o sérvio fez em New York?
    Contra Bautista Agut? O espanhol teve 5/4 no terceiro set e saque pra fechar o jogo. Será que Bautista não estava com vontade de ganhar, assim como Dominic e Sasha?
    Contra Raonic?! O canadense, devolvedor medíocre, atropelou o sérvio no primeiro set com duas quebras de saque. Depois baixou a guarda e perdeu.
    Contra Edmund? O britânico é medíocre, e mesmo assim venceu o 1 set.
    Contra Busta!? Só para lembrar que, o espanhol equilibrava o jogo e sacava pra vencer o primeiro set.
    Djokovic só enfrentou adversários fracos até agora.

    Na minha opinião, Novak não fez NENHUMA partida melhor do que Thiem fez contra Medvedev e De Minaur, ou fez? Será que o sérvio conseguiria vencer o russo por 3 x 0, sendo que andou perdendo partidas pro Medvedev mesmo com Daniil não estando jogando no mesmo nível que está agora?
    Menos, muito menos!

    Notório que o austríaco estava nervoso com a possibilidade de vencer seu primeiro major contra um rival VENCIVEL.

    Creio que Thiem vai começar a jogar à partir de hj com bem menos peso nas costas. Mas não duvido que ele relaxe um pouco e faça um RG medíocre.
    Aguardemos.

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Claro que você está errado, caro Vitor “camaleão” Hugo. DjokoGOAT jogou o fino contra o Sandgren e nos dois confrontos contra o Struff. Exibições de gala do rei do tênis com sua técnica exuberante.

      Medvedev foi medíocre contra o Thiem, jogando bem menos do que contra o sérvio no Australian Open 2019, Cincy 2019 ou ATP Cup 2020.

      Thiem está longe de ser o melhor tenista da atualidade, para o desespero das federetes freguesas. Ganhou o título ontem por causa da ruindade maior do adversário e porque o GOAT foi expulso do torneio. Simples!

      Responder
      1. Vitor Hugo

        Eu também confio no Dalcim, principalmente quando ele diz que Federer é o melhor que pisou em uma quadra de tênis.
        Porém, nesse caso e com os argumentos que apresentei acima, discordo do blogueiro.

        Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Assistiu o jogo Todo , caríssimo Paulo F. Jura ? Não foi isso que aconteceu no terceiro e quarto Set . Tivemos vários Winners de Backhand na paralela . No quinto sem pernas como ele mesmo confessou , somente Slice que exige menos esforço para um Back Simples. Abs!

      Responder
  40. Miguel BsB

    Os grandes campeões não se fazem quando estão jogando os seus 100%, voando em quadra…
    Eles se fazem quando estão jogando mal, e, mesmo assim, dão um jeito de vencer…
    Foi o que o Thiem fez ontem. No 3 set muita gente já estava só esperando ele entregar e dizer que realmente não era seu dia. Mas ele resolveu continuar, batalhar e tentar superar seu incrível nervosismo. Deu certo! É óbvio que o tenis dele é muito, mas muito melhor do que apresentou ontem, mas no fim, ficou em jogo e quebrou essa barreira. Acho que nos próximos ele joga mais leve e vai render mais em jogos tão importantes.
    Pode-se dizer que, mesmo com a tensão saindo pelos poros, ele conseguiu se manter aos trancos e barrancos no jogo e sair campeão! Isso tb é demonstrar força mental.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Exato , caro Miguel. Acho incrível como se comenta apenas o que aconteceu ontem. Isso vários que nem assistiram o jogo todo . Alguns confessam que estavam assando carne rs . A atuação no SLAM anterior contra Novak em Melbourne já foi esquecida . Garanto que o Sérvio não esqueceu. Veremos em Roland Garros . Abs!

      Responder
    2. Bruno Gama

      Aquilo ali foi mais uma entregada do Zé do que “força mental” do Thiem, ele só precisou passar a bola pro outro lado e esperar o alemão se afobar.

      Responder
  41. Sérgio Ribeiro

    E venceu o melhor jogador do Torneio. E que fez questão de não esconder os fatos : “ De nada valeram as experiências das outras Finais . Entrei muito nervoso , senti pressão pelo favoritismo , e as câimbras no final da partida foram muito mais pelo mental “ . Já vimos algumas FINAIS de membros do Big três com N atendimentos, mas sem se pronunciarem . E levou o cara que participou das 2 FINAIS das únicas edições de 2020. Dito isto , se lembrarmos de Murray e principalmente de Wawrinka, o Austríaco fatalmente terá muitas mais pra contar . Já Sasha , pra quem assistiu todo o jogo , teve momentos de Tênis de altíssimo nível. Ao Sacar em 5 x 3 pra fechar o jogo , e botar tudo a perder com suas duplas-faltas , sabe que ainda não era sua hora. O Alemão mal começou o trabalho com Ferrer. Fizeram história no USOPEN, e daqui pra frente farão muito mais . Cabe ao N 1 se livrar dos chiliques , se não corre o risco de ter que assistir a FINAL de RG pela TV outra vez rsrsrs Abs!

    Responder
  42. Luiz Fernando

    Dalcim, sem duvida o mental atrapalhou Thiem na final de ontem, em especial nos dois primeiros sets, nos quais jogou d forma medíocre, e no quinto, no qual ambos fraquejaram. Sem dúvida no caso do Thiem os “fantasmas” das derrotas anteriores e da perspectiva de entrar como favorito atrapalharam o cara a desenvolver seu melhor tenis, mas ele já não é nenhum jovem inexperiente, tem 27 anos, será q não sentiu além do esperado? Eu penso q sim, fiquei decepcionado com o q vi, nem o BH mortal esteve bem. Vc achou a tensão dele a esperada p as circunstancias?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É difícil avaliarmos a reação das pessoas, Luiz, em qualquer circunstância. Não sabemos se ele dormiu mal, por exemplo, o que já é fruto de ansiedade. Acho que o fato de jogar como favorito pesou – e isso também é normal -, somado à amizade que ambos têm. Então é possível dar algum desconto, mas de qualquer forma achei sim um tanto exagerado. O começo do jogo dele foi muito ruim, como foi o da Vika diante da Serena ou da Osaka na final de sábado. E são jogadoras com experiências muito maiores que a do próprio Thiem nestas situações.

      Responder
  43. Carlos Bicalho

    Apesar de tecnicamente não serem maus tenistas, vejo Thiem e Zverev como ainda a segunda divisão do tênis, abaixo do chamado BIG 3.
    Acho que jogadores como Djokovic e Nadal jogam finais em seus limites, por isso há tanta emoção nos jogos quando pelo menos um deles está em quadra (lembrei aqui de uma vitória do Nadal numa semifinal de AUSOPEN contra o Dimitrov, que foi uma entrega total, com muita raça). O mesmo não acontece com o Zverev e o Thiem. O Zverev, aliás, foi dar um grito de “come on” só no quinto set, quando deveria ter entrado com sangue nos olhos no terceiro para liquidar o Thiem. O Thiem, com aquele joguinho de ontem, sucumbiria ao Djokovic, com certeza. Zverev tem a mesma cara quando ganha ou quando perde. Jogador tem que se indignar (mas, evidentemente, não pode se exceder e quebrar raquetes, jogar bolinhas na torcida ou juízes, etc).
    Concordando com o Dácio Campos, acho que os dois ainda estão muito longe do Djokovic e do Nadal principalmente; E, na minha opinião, quando da aposentadoria dos BIG 3 existirá sim uma lacuna no tênis, o que poderá ocasionar perda de expectadores.

    Responder
    1. Marcelo

      Também achamos, mas isso “se” o Thiem nao vencer RG e Roma…. Eu lembro de meus colegas torcedores do Federer afirmarem lá em 2008 que o Federer teria no mínimo 30 GS e 400 semanas no ranking. La se vao 12 anos e nada disso aconteceu.
      Nem os “400 GS”, nem as “30 semanas”….

      Nada é certo…

      Responder
  44. Bruno Macedo

    Tenho para mim que para ser um grande campeão de tênis o cara precisa de vigor físico, técnica e mental forte. Se pude escolher ter um pouco mais de qlq uma dessas três características, deve escolher ter um pouco mais de força mental.
    Acho que a grande diferença do BIG 3 para os outros jogadores é a força da mente e nao o vigor física ou técnica.
    Djokovic e Nadal teriam, muito provavelmente, devorado o Thiem ou Zverev dessa final. Eles nao perdoariam tantas falhas.
    Vendo esses jogadores, com exceção do Kyrgios, fico pensando em quantas saudades sentirei do Federer e de sua capacidade de fazer o impensável ou impossível. Os caras sao muito previsíveis e monotonos.
    A vantagem de viver os tempos atuais é sermos contemporâneos do BIG 3, a desvantagem é que quando eles pararem, não conseguiremos aceitar os reles mortais q virão após eles.

    Responder
    1. Chetnik

      É verdade, o Federer é o único que consegue perder 3 jogos de GS para o mesmo adversário – porque não dá para chamar de “rival kkkkk – tendo 40-15 ou 15-40 para fechar o jogo, kkkk. O cara faz o impossível e o impensável mesmo kkkk.

      Responder
    2. DANILO AFONSO

      Federer também teria ganho dos dois. Com aquele posicionamento do THIEM recebendo o saque lá atrás, inclusive no 2º serviço, seria um festival de deixadinhas e saque voleio do suíço.

      Responder
      1. Renato schachter

        Estranho, vc acha mesmo ??? Thiem ganhou ano passado do federer uma final em indian wells e no atp finals e também do djoko no atp finals !!!

        Responder
    3. Carlos André

      “Djokovic e Nadal teriam, muito provavelmente, devorado o Thiem ou Zverev dessa final. ”
      Exato, concordo integralmente. Seria um massacre (e o Federer também, caso chegasse a final do US OPen, que faz tempo que ele não chega).
      De cara, no mínimo eles jantariam aqueles slices de backhand do Thiem no quinto set.

      Responder
  45. Luiz Fabriciano

    “Aos 23 anos, Zverev foi o mais jovem finalista de Slam desde Novak Djokovic, no US Open de 2010. O último alemão a ganhar um troféu desse quilate foi Boris Becker, no AusOpen de 1996.”

    Mestre Dalcim. acho que tem um erro na afirmativa acima.
    Novak Djokovic foi finalista antes, em 2007 aos 20 anos.

    Sobre o jogo, comecei a ver a partir 5 x 3 do quinto set. E como o medo de errar provoca erros!
    Grande abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, e no US Open de 2010 ele tinha 23 anos e poucos meses a menos que Zverev, portanto a informação está matematicamente correta, Luiz.

      Responder
        1. Emerson

          Filhao. A coisa é judtamente essa. O djoko de 2010 ganha do Zverev de 2020. Esse é o ponto da afirmação. Nao existe nenhum erro de lógica nisso. Então o Zverev de 2020 é o mais novo até o Djoko de 2010 que por sua vez perde pro Djoko de 2008, Murray de 2008 e Djoko dw 2007 que perde pro Nadal de 2005.. enfim. Não se esta falado do mais novo de todos mas sim do mais novo imediatamente antes de Zverev que foi o Djoko de 2010. Os outros mais novos ainda nem precisam entrar na conversa

          Responder
        2. Bruno Gama

          Não tem nem erro de lógica nem de matemática, tá bem claro que a informação é sobre a idade do Zverev comparada a do último que chegou com idade menor que a dele numa final de slam, que no caso é o Djokovic em 2010.
          Se o Aliassime chegar à final de RG vão dizer que ele é o mais jovem a chegar numa final de slam desde o Nadal em Wimbledon 2006.

          Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Nessa temos que dar um desconto: saibro não é a praia dele. Ainda deu azar de enfrentar logo o Krajinovic, veterano acostumado a jogar no saibro .
      Abs

      Responder
  46. Miguel BsB

    Tecnicamente, foi uma final fraca. Os 2 estavam muito nervosos, principalmente o Thiem nos primeiros sets, não jogou nada. Mas percebia-se que era o nervosismo…agora acho que ele deslancha de vez.
    Gosto muito mais do estilo de jogo do austríaco, e ele já estava merecendo. Tenho certeza que no mínimo mais um RG ele vai faturar…a questão é, será antes ou depois do Nadal se aposentar?

    Responder
  47. Paulo F.

    Tenho que concordar e muito com que eu li em outro post:
    – Se Roger Federer tivesse feito a final de ontem contra um dos dois, teria surrado sem dó e nem piedade qualquer um dos dois molóides.
    E isso que ele teria enfrentado “o melhor tenista da atualidade” kkkkkkkkk!
    Aqui realmente é diversão garantida.

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Theim tem uns 3 anos a mais do que o jogador mais velho da Next Gen (Medvedev). E olha que já é meio forçado colocar Medvedev ou Zverev como Next Gen.
      Abs

      Responder
  48. Chileno

    Essa foi uma das piores finais que eu já assisti. Aliás… foi um dos piores jogos de tênis profissional que eu já assisti. Essa final foi a prova total e absoluta do quanto o mental impacta no desempenho dos jogadores. Os dois são grandes jogadores, com grandes qualidades. Mas é impressionante o quanto ambos sentiram a tensão.

    Acho que o Thiem se sentiu extremamente pressionado a vencer. Ele tem 27 anos. Já perdeu 3 finais, e dessa vez não era contra um alien. Era o Zverev do outro lado. Tenho certeza que sentiu obrigação extrema de vencer. Fato é: ele só entrou em quadra na metade do terceiro set. E ele nem jogou grande coisa nesse terceiro set. Ele jogou “ok”, e como o Zverev despencou de rendimento, o austríaco acabou levando o set.

    O Zverev por outro lado, começou muito bem. Parece que admitiu pra si mesmo que o favoritismo era do oponente, e jogou super solto e ousado por dois sets. Aí veio o terceiro set, e o rendimento dele despencou. O saque foi pro vinagre, as devoluções sumiram e um Thiem medíocre acabou levando o set.

    O quarto set foi o único set bem jogado. Longe de ter sido espetacular. Mas pelo menos os dois já lembravam os grandes jogadores que eles são.

    O quinto set foi um festival de erros, com os dois jogadores esfacelando em quadra. Ambos perdendo saque em momentos chave. O Thiem sem backhand, o Zverev sem saque… vários pontos do tiebreak com cara de treino de jogadores amadores aprendendo os princípios do esporte.

    Enfim… torci pelo Thiem. Gostei do resultado. Honestamente também não teria ficado desapontado com uma vitória do alemão que também é um grande jogador. Mas… que final bisonha… não faz juz de forma nenhuma à qualidade dos dois jogadores e ao nível de um Grand Slam. Uma pena ter sido assim. Mas… título merecido para o Thiem.

    Responder
      1. Paulo Almeida

        Ficou feliz com o reforço, né? Realmente você, Daniel, Vitor Hugo, Bruno e Gildokson estavam defasados em relação a mim, Jonas, Paulo F., Chetnik, Heitor e João. Vamos ver agora.

        Ah, eu vi que nem com a explicação claríssima do Dalcim e com aquele infeliz bozonoide que será processado porque teve seu IP registrado você saiu da estaca zero. É, eu desisto. Só me resta dar risada toda vez que disser que o João ou qualquer outro são meus fakes, kkkkkk.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          O Dalcim deixou bem claro duas coisas na fala dele:

          1. Ele não se importa tanto com quem cria fakes.

          2. Ele NUNCA revela quem os cria.

          Portanto, e baseado em outros indicativos, continuo achando sim que é um fake teu.

          Responder
          1. Paulo Almeida

            Ficou claro pra qualquer bom entendedor. Mais do que isso seria você receber de mão beijada o IP de cada um. Aí não dá, passa de todos os limites.

            Tenha uma atitude nobre, assuma o erro e peça desculpas pelo menos ao João, já que para mim seria um esforço extra-hercúleo e eu te pouparei dessa com bom minha boa alma.

          2. joão

            Paulo Almeida, valeu, mas do Rodrigo nao espero esse tipo de reconhecimento, e honestidade moral; como diz o Paulo F., é indignação coletiva.
            E repito: nao sou fake do Paulo Almeida.

    1. Barocos

      Chileno,

      Ainda que concorde com a maioria de seus argumentos, uma coisa nós não podemos negar: foi muito emocionante, no bom e no mau sentido, assistir a este jogo. 🙂

      Saúde e paz.

      Responder
  49. Leo Gavio

    Djokovic tá muito na frente do Thiem, a derrota em RG, ano passado, foi nitidamente reflexo da ventania, não tem como perder pra um jogador que se recusa a ganhar.

    Já o Zverev é a piada do circuito. Sempre disse que era um amarelão, mas nessa final completamente ganha (no terceiro e quinto sets) ele conseguiu se superar.

    O cara vive do saque, é mais um galalau marreteiro que sobrevive do saque. Pra não dizerem que eu sou exagerado, ele tem é bom nos voleios, mas uma lama na linha de base.

    Busta perdeu a chance de ser campeão, Medvedev jogou a taça lixo, depois do terceiro set nenhum dos dois merecia o titulo. Eu teria dado o trofeu para a juiza atriz que gemeu tanto que obrigou a expulsão do estouradinho GOAT.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Na final do Australian Open deste ano, sem vento e num piso veloz muito mais para o Djoko, não foi nada fácil, não? Thiem chegou a liderar por 2 sets a 1 e o quinto set foi apertado…

      Responder
    2. José Eduardo Pessanha

      Thiem meteu até pneu no Djokovic em Roland Garros, caro Observador. Venceu tanto em 2018 quanto em 2019. E vencerá em 2020, caso se cruzem por lá.
      Abs

      Responder
  50. Daniel

    Que drama!!! Claramente os dois estavam muito nervosos, deve ser traumático viver na mesma era do Big3 e ver os caras ganhando todos os torneios. Aí quando eles não estão, fica esse nervosismo de aproveitar a oportunidade… Por conta do resultado, o Thiem deve ficar ainda mais perigoso numa próxima final de Slam, e o Zverev irá sentir o nervosismo de novo. O próprio Federer já revelou que estava muito nervoso na primeira final de GS e torceu pro Philipoussis errar no MP.

    Sobre o Thiem, me decepcionou um pouco sentir tanto o nervosismo e não perceber que devolver la atrás e passar a bola estava enterrando ele. Deu muita sorte de ficar com o título, pois o alemão sacou para o jogo. E ele saberia jogar mais pra frente, fez lindos bate prontos na campanha.

    Bem, que agora seja uma tendência vermos novas caras ganhando GS e M1000. Nadal e Djokovic estão com vida muito fácil desde que trintaram. Vamos ver se conseguem incomodar nos próximos confrontos, mas julgando pelas escolhas e nervosismo de ontem, fiquei mais pessimista. Uma coisa eu acho curioso: reclamarem da qualidade técnica. Ora, foi no mesmo nível técnico das partidas Nadal/Djokovic, em que vc praticamente só vê troca de bolas e a variação é um slide defensivo ou uma curtinha rs.

    Responder
  51. Babidi

    Dalcim, concordo com você quando escreveu que o Zverev deixou o Thiem reencontrar o velho ritmo no final do segundo set. Certamente, se o Zverev tivesse acertado aquele voleio fácil no 40-30 do 5/1, o jogo se desenharia de outra forma. Ao meu ver, o alemão estava fazendo um jogo brilhante até ali, com um nível muito acima do que vinha apresentando no torneio. São esses detalhes que às vezes fazem toda a diferença em uma partida de tênis.

    Responder
  52. Luiz Fernando

    Zverev contou bons pontos comigo ontem, não apenas por sua performance em quadra mas também pela humildade demonstrada na entrevista durante a premiação. Desfez a imagem ruim q acumulou por erros seguidos durante a carreira. Além disso, é um cara q também se vira bem no saibro, vide a duríssima final de Roma 2018 contra Rafa, ou seja, tende a dar muito trabalho em RG. Thiem subiu mais um degrau rumo ao topo, é um jogador de muitos predicados, mas achei q subiria alguns degraus, o q, na minha visão, não ocorreu.

    Responder
  53. PIETER

    Em que pese a final masculina ter deixado a desejar tecnicamente, na minha opinião, embora não tenha faltado emoção no jogo, não podemos jamais deixar de elogiar a USTA por ter brilhantemente conseguido realizar o US Open em tempos tão sombrios e desfavoráveis, e sem maiores incidentes de saúde entre os jogadores e equipe.
    No final, penso que os melhores jogadores sagraram-se campeões e os títulos principais ficaram em boas mãos.
    Claro está que, no masculino, era um título certo para o DjoCovid caso este não tivesse feito o papelão ridículo a que se prestou.

    Responder
    1. Lola

      A bola acertou a juíza como poderia não ter acertado, papelão seria se ele tivesse acertado propositalmente, o q não foi o caso.
      Quanto ódio do Djokovic tem essa gente.

      Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Discordo. Pra começar, ele estava perdendo pro Busta. Se vencesse, teria que passar pelo Shapovalov e pelo próprio Zverev. Por fim, enfrentaria um Thiem com menos obrigação de vencer….é, prezado Paulo F., a idade chegou. Nenhum maratenista voltará a ser campeão de Slam. A derrota de Nadal em RG 2020 será a pá de cal no estilo brucutu.
      Abs

      Responder
  54. Isac Ribeiro Martins

    Muitos estão falando sobre pior final que já viram, jogo de clube e outras características pra comparar esta “next gen” com o Big 3.

    Eu não torcia por nenhum dos dois ontem, mas confesso que, pelo que apresentou nos dois primeiros sets, agindo fora do seu padrão pra causar surpresa, quis que o Zverev vencesse a partida ontem. No final do 5o set, eu dei graças a deus que no usopen uma partida termina no tiebtrak. O show de horrores acabaria logo.

    Quando Federer surgiu, o encanto pela plástica dos seus movimentos e golpes arrebatou milhares de fãs. Depois, Nadal e Djokovic, embora muitos aqui no blog critiquem o chamado maratenis, sempre se entregaram numa partida e indiscutivelmente já tiveram partidas de um esforço mental sobre humano.

    O comentarista da SporTV ontem, ao final do jogo disse: Pode ter sido um jogo com altos e baixos, onde faltou momentos de técnica, mas sobrou em emoção. Mas o que me preocupa na next gen e, espero que eles amadureçam nisso, é a falta do mental A falta de coragem nos momentos importantes, de frieza. Chegou a me dar raiva em alguns instantes, a oscilação do mental deles, como alguns chegaram a dizer… Ganha você, eu não quero ganhar. E outro, ganha você, pois eu quero perder.

    Técnica eles têm, físico também. Mas espero que desenvolvam o mental. Senão, logo, ao invés de falarmos, olha, Federer era o Magico, Nadal era o Robô, Djoko o comedor de fígados e ficarmos discutindo quem era o melhor, estaremos todos unidos saudosos do tempo que o mental era um componente importante para nos fazer torcer por um jogador masculino de tênis.

    Responder
    1. Jonas

      Concordo plenamente, Isac.

      Já vi muitos neste blog tratando o “mental” como se não fosse relevante. O Djokovic mostra que é. Claro, o sérvio se estressa, joga raquete no chão, faz merda sim mas seu histórico nos big points mostra que é um monstro. Para mim, só fica atrás do Nadal neste quesito.

      O Zverev também mostra que mental é importantíssimo, quando comete aquela sequência de duplas-faltas contra um jogador manco.

      Acho que ele vai melhorar nisso, tem 23 anos ainda. Djokovic foi desenvolver seu melhor tênis a partir dos 23 anos. Quem sabe o alemão não nos surpreende?

      Responder
  55. Ciro Botelho dos Santos

    Como foi bom assistir a uma partida entre jogadores “normais” e devemos nos acostumar a isso pois os 3 de outro planeta irão parar eventualmente. Ao contrário de muitos achei o jogo sensacional, com técnica, garra, emoção e tensão no limite alternando-se em quadra. Uma gangorra louca. Em um momento do jogo o Zverev sacou um segundo como um principiante de clube, tamanho o medo de cometer outra dupla falta e por outro lado o Thien mais tenso ainda não aproveitou a oportunidade. Enfim, o longo domínio dos 3 gênios, especialmente quando jogam entre si mostram muito de frieza e controle mas a final de ontem nos levou a emoções esquecidas e que certamente nos fez lembrar que o vigor deste esporte é imenso e apresenta inúmeras facetas.

    Responder
    1. Marcelo

      Concordo que volyamos finalmente a ter apenas jogadores normais no circuito. Excelente definiçao.

      Aliás, estávamos é mal acostumados a ver apenas super homens ganhando GSs

      Responder
  56. AKC

    Foi uma final emocionante, torci pelo Thiem porque já havia perdido 3 outras finais, mas ficou evidente que se ambos tivessem jogado com qualquer um do Big 3, teriam sido derrotados. Muitas oscilações emocionais e táticas equivocadas. Apesar de emocionante, os games finais do 5 set foram um pouco constrangedores, com ambos, em alguns pontos, só empurrando a bola com medo de errar. Mas espero que este título comece a abrir as portas para outros da nova geração.

    Responder
  57. Felipe

    Mestre,

    Se eles sentiram a parte mental tanto assim, imagine com o estádio lotado!!!
    Aí Zverev iria ter de sacar por baixo!!!! Rsrsrs
    Ps: vai demorar pro alemão se recuperar dessa derrota!
    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Felipe, acho que Zverev vai tirar mais coisas positivas da campanha do que negativas. Ele ficou tenso, mas não deu show. Ficou nas partidas duras o tempo todo, isso é uma evolução importante. E com o Ferrer agora, acredito que ele continuará a ascensão.

      Responder
  58. Ramon Assis

    Uma curiosidade: tanto Zrevev quanto Vika perderam a final com o mesmo roteiro em que venceram a semi. Zrevev jamais havia virado 2×0… E Vika conseguiu virar uma surra inicial que levava da Serena…

    É muito compreensível que os nervos tenham sido o protagonista desta final.
    Nenhum dos big 3 sabe como é ganhar um slam em uma era que isto parece ser impossível para todos os tenistas. Como mostram as estatísticas, é um feito quase impossível. O próprio Murray teve que perder quatro finais e inúmeras outras batalhas até enfim conseguir.

    De repente você coloca os jogadores em um torneio sem nenhum big 3.
    Você coloca o Zrevev que de todos os jovens foi o mais pressionado a obter resultados e ser o novo número 1.
    Você coloca o Thiem que já perdeu 3 finais, e que estava dois sets abaixo…

    É pressão demais.
    Tanto Zrevev quanto Thiem já provaram que jogam bem mais que isso.
    É muito fácil “ah, o big 3 fará falta”.
    Mas talvez quando o Big 3 se aposentar, e os jogadores enfim se libertarem da sombra deles, as próximas finais poderão ser mais brilhantes.

    Responder
  59. Marcos RJ

    Depois de tanta amarelada ao longo de toda a partida, estava na cara que nenhum dos dois teria cabeça para fechar o jogo com convicção.
    Essa final só poderia terminar mesmo com um erro não forçado bisonho depois de uma bola passada sem peso no match-point. Se fosse depender de uma bola vencedora estariam jogando até agora.

    Responder
  60. Jmsa

    Dalcim,lembro uma vez que vc falou que seria uma surpresa se o thiem não ganhasse um grande slam na carreira,você realmente entende das coisas .
    Agora falando do que eu vi desta final,foi horrível tecnicamente ,e as chances que ambos perderam de fechar raramente o big 3 deixa escapar,por isso acho sinceramente que eles ainda vão demorar pra dominar o circuito .

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A final foi muito tensa mesmo, Jorge. Acho que até normal para dois jogadores que ainda têm dificuldade em dominar os nervos e ainda por cima são amigos.

      Responder
  61. Marcos RJ

    Dalcim, essa final do USOPEN2020 me fez lembrar de um post antológico seu, sobre a final “Lado B” do AO-2011 entre Djokovic e Murray. O Djokovic da época tinha somente 1 grand slam, era sparring de luxo de Federer e Nadal e o BIG 4 nem existia ainda.
    O jogo de hoje aconteceu numa circunstância totalmente diferente, e a nova geração parece que ainda tem muito que evoluir. Apesar dessa final bizarra, o tempo não para, e devemos ter cada vez mais finais alternativas como essa. Da para acreditar numa troca de guarda até o final de 2021?

    Responder
      1. Rodolfo Costa Sousa

        Dalcim eu faço uma avaliação diferente hoje em dia .
        Principalmente como médico ortopedista
        E especialista em cirurgia de joelho
        Antigamente quando Nadal era puro físico e todos
        Falavam que ele terminaria a carreira ao 25 anos eu também achava .
        Hoje após esses anos todos , outro ponto de vista tem que ser aventado .
        É fato que sua condição física e bastante privilegiada
        Seja simplesmente por genética ou por treinamento , portanto “pode “ ser que no final das
        Contas ele consiga ir ate os 40 anos.
        Hoje faço o pensamento reverso

        Responder
  62. mauricio

    Dalcim, você poderia me explicar, por gentileza, essa sistemática do ranking por causa do coronavírus?
    O Thiem ira somar 2mil pontos normalmente, enquanto um jogador igual o djokovick não irá perder nada?
    E Dalcim, mesmo considerando essa situação, existe chance matematica do Thiem terminar o ano como n1?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É simples, Maurício. O tenista terá o melhor resultado desde março de 2019 até dezembro de 2020. Então o Thiem soma pontos, porque perdeu na estreia do US Open de 2019, e o Medvedev não perde pontos (foi semi agora e finalista em 2019, prevalecendo 2019). O Djoko perdeu todos os pontos de 2020, mas fica com as oitavas de 2019. Apenas em 2021, caso tenhamos um calendário normal, começa a defesa real de pontos. Quanto ao Thiem, sim, existe. Ele pode ultrapassar Nadal se ganhar Roland Garros e ficaria 1.415 atrás de Djoko, supondo que o sérvio seja o vice. Nadal não perde nada, porque manterá os 2.000 de 2019. Como teremos pelo menos um Masters 1000 (Paris) e o Finals, com 2.500 pontos em jogo, a chance existe.

      Responder
  63. Paulo Almeida

    Foi o famoso “deixa que eu deixo”. Thiem foi o menos horroroso em quadra e acabou levando, mas ambos mereciam perder.

    O fato é que o Djokovic teria varrido os dois na sequência sem maiores sustos, a não ser que estivesse com intolerância forte ao glúten no dia.

    Responder
  64. Rubem Corveto

    Dalcim, você já notou que o US Open é o Único Slam que tem vencedores fora dos tradicionais, diferentes do Big3 +2 (Stan e Murray ). Todos os demais permanecem na tradição.
    Hoje foi uma grande final, com jogo nervoso, pela situação.
    Minha opinião é que a porta foi aberta e que teremos novos finalistas nos próximos Slam.
    Hoje Zverev correspondeu às expectativas.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bem observado, Rubem. O saibro e a grama, por saírem do padrão, privilegiam mesmo os mais experientes. Sem falar que o US Open tem um desgaste físico maior por já estar na reta final da temporada.

      Responder
  65. Vitor Hugo

    É preciso levar em conta que os dois estavam muito nervosos, pois era a possibilidade mais fácil de vencer um slam, e não poderiam perder.
    Thiem deveria estar pensando: “Porr, é o Zverev, não o Federer, Nadal ou Djokovic. Tenho que vencer!
    Creio que Sasha estava pensando da mesma forma, então bateu a ansiedade, nervosismo e o pensamento de que não poderiam perder. Resultado: Jogo de altos e baixos, os dois não jogaram o melhor, jogo em boa parte do tempo ruim.

    Bom, Thiem venceu com méritos pelo que fez o torneio todo. Foi indiscutivelmente o tenista que jogou em mais alto nível. É o tenista do momento!
    Se vencer Roland Garros, será em breve o número 1 com toda justiça.
    Acho que o austríaco tem potencial pra uns 6 ou 7 títulos de major.

    Sobre Sasha, já venceu masters, finals e fez a primeira final de slam. Está de parabéns! Parece ser um cara humilde, boa gente.
    Precisa melhorar em alguns aspectos, principalmente vôleios, slices e mental. Não pode cometer tantas duplas-faltas. Tem acontecido sempre. Mas acredito que também vai ganhar slam, logo logo.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Então, Vitor.

      Baseando-me no que eu vi hoje eu acho que qualquer um dos BIG 3 teria vencido esta final de hoje…

      Graças a Deus que o “Covidão” gosta de dar bolada nos outros .

      Ele jogou o seu Slam de número 18 na lata do lixo!

      kkkkkk

      Responder
      1. Vitor Hugo

        Acho que cada jogo é um jogo e cada adversário um adversário. Talvez se a final fosse contra Novak, austríaco estrasse com uma mentalidade diferentes.
        Thiem tem ampla vantagem contra Zverev no h2h e é muito mais jogador, então talvez Dominic tenha entrado com certa soberba.
        Abs

        Responder
      2. Sérgio Ribeiro

        A FINAL do AOPEN 2020 , contrária essa tese , Rodrigo . O Austríaco encarou o Sérvio de igual. Em Melbourne a responsabilidade estava toda pra cima de Novak. Já veremos em RG num possível encontro contra Novak ou Rafa , um Thiem solto sem ter medo ser feliz . O próprio afirmou que sentiu bastante a pressão nesta primeira como favorito. Abs!

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Pode ser, Sérgio.

          Só acho que ontem o nível do Thiem foi muito abaixo do que ele é capaz de produzir.

          E os nervos e a ansiedade de ganhar o primeiro Slam foram os motivos.

          Se ele tivesse ficado nervoso dessa maneira contra o Djokovic, acho que teria sido um massacre…

          Responder
      1. Vitor Hugo

        A mesma resposta que dei pro Rodrigo serve pra vc.
        E pelo menos para mim, um cara que faz duas finais seguidas de slam e vence um, pode sim ser chamado de tenista do momento.

        Responder
    2. Flávio

      Mestre Dalcin que final,hein! Então os dois jogaram muito é a batalha foi decidida nos detalhes com cenas de drama,tensão,técnica e sorte que quis o destino escolheu o Thiem como vencedor Prata mim foi o melhor jogo até aqui do ano concorda mestre? Agora alguns dizem que o Zverev seu uma fraquejada eu não acho isso porque o Thiem reagiu a batalha digna de uma final de slam, diferente da incompetente Azarenka que deu uma pipocada clara para a excelente Naomi que mereceu vencer.

      Responder
      1. José Nilton Dalcim

        Não, não foi um jogo tãoooo bom assim. Muitos altos e baixos. Melhorou a partir do final do terceiro set, quando Thiem finalmente entrou em jogo.

        Responder
        1. Flávio

          É verdade mestre foi um jogo de altos e baixos e pela luta de ambos em dar tudo para vencer acabou a meu ponto de ver um bom jogo, e foi uma final de 5 SETS e decidido no tiebreack, ou seja não faltou drama e emoção e por tudo isso achei que a final ficou de bom tamanho. ABRAÇOS.

          Responder
  66. Francisco

    Agora é inegável como o thiem que era tido como um jogador só de saibro melhorou muito nos outros pisos ,campeão em indian Wells ano passado, vice no Austrálian open e agora campeão do us open, Dalcim você acha que esse desempenho em outros pisos melhorou desde que o thiem mudou de treinador ?

    Responder
  67. Chetnik

    Peguei o jogo já andando, mas que coisa pavorosa. Uma PELADA. Uma das piores finais que já vi.

    O Thiem não batia uma esquerda com topspin no 5a set e o Zverev não conseguiu fazer nada a respeito. Ainda sacou para fechar! E duas duplas faltas no tiebreak kkkk. Mais Danoninho do que nunca. Aliás, o que que os caras estão fazendo comentando no Sportv se não conseguem perceber que o Thiem abandonou o topspin no 5a set? Lamentável. Enfim, provavelmente o problema físico tava impedindo que ele apoiasse bem a perna.

    Agora vem o saibro e o muito provável 20 para o Touro, para desespero da Nação Zumbi.

    PS: Já falo há anos. Tênis vai morrer quando o big3 sair de cena. Tênis feminino já respira por aparelhos.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      É Chetnik…

      Dessa vez eu vou concordar com quase tudo. (rs)

      Não vai ser nada fácil se acostumar com o tênis sem o BIG 3.

      E realmente: que final fraquinha!

      O Thiem começou nervoso demais, e taticamente muito mal com aquela coisa de ficar plantado a uns 1000 passos da linha de base!

      Odeio ter que admitir.

      Mas acho que o Djokovic teria JANTADO qualquer um desses dois hoje…

      (rs)

      Responder
    2. Chileno

      Também achei horríveis os comentários na Sportv.

      Ficaram babando ovo do Zverev o jogo todo, mesmo depois que o rendimento dele despencou. Nos primeiros dois sets, fazia sentido. Ele estava jogando muito bem. Mas especialmente no terceiro set, ele jogou extremamente mal e eles continuavam falando bem dele e mal do Thiem.

      Cismaram que a culpa do mal desempenho do Thiem era por causa dele devolver bem recuado, sendo que ele sempre jogou assim e sempre deu certo, inclusive enfrentando o Big 3. O saque dele estava horroroso (quase nenhum primeiro saque entrava), o backhand patético, as devoluções curtas, mas o problema era ele receber o saque recuado.

      No quinto set, nem comentaram o desaparecimento do backhand do Thiem.

      Responder
    3. Flávio

      Chetnik menos cara porque o Thiem não conseguiu os seus objetivos nos primeiros sets devido ao bom jogo de começo do Zverev, portanto dê méritos ao Zverev também porque ele estava neutralizando o Thiem, portanto não seja injusto e é normal que numa final tensa como essa onde ambos ainda procuravam o prmero slam na carreira aconteçam erros em excesso, como o exagero de duplas faltas do Zverev, portanto menos cara e valorize a luta dos dois, tudo bem que não pode ter sido a final dos sonhos mas foi um jogo brigado e disputado e isso tem que ser valorizado, diferente da final feminina onde a Azarenka pipocou e pelas suas respostas é uma tenista acomodada, e nunca vai passar de ser apenas uma boa jogadora.

      Responder
  68. HeitorD

    Sejamos sérios. Thiem não é NextGen. Ele tem 27 anos. É uma geração intermediária basicamente. Mas com a evolução fantástica das coisas ainda pode ser visto como um atleta jovem e tem tudo pra ganhar bem mais mesmo. Bote mais 6 anos e ele terá 33, que é a idade de Djoko hoje e um ano a menos que a do Nadal. Ou seja, ele tem mais 6 temporadas em alto nível. Se focar(e não machucar gravemente) , dá pra fisgar uns 10 Slams e se tornar um nome realmente importante na história, ficando bem acima de Murray e de muita gente boa. Quanto a NextGen, essa ainda precisará levantar seu primeiro troféu de GS. E não será mais este ano.

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      10 Slams com essa bolinha aí? Lembremos que o torneio foi esvaziado. Se a entourage completa estivesse aí, ele não teria chances de ser campeão.
      Abs

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Onde o amigo estava no AOPEN 2020 , meu caro conterrâneo. O SLAM estava esvaziado ? Dominic foi presa fácil para o Campeão ? Na boa , o amigo pega mesmo no pé do jovem Austríaco rsrsrs Abs!

        Responder
    2. Cassio

      O Thiem está para Djoko assim como Djoko para Roger. A mesma diferença de idade. E ai, fica facil de ver tb que Federer e Novak não da mesma geração.

      Responder
  69. Gildokson

    Sinceramente eu to até um pouco decepcionado, com o Thiem principalmente pelo que mostrou, achei que ele ia lidar bem melhor com a tensão por ja ter disputado finais de Slam. O cara moh teimoso recebendo segundo saque do “rei” da dupla falta la na arquibancada?! Ta d brincadeira?!
    E o Zverev?! Filho o cara ta mancando no tiebreak do 5° set e você não põe o saque em quadra?!
    Por essas e outras agora eu vou acreditar que até o Federer pode ganhar Grand Slam ainda em 2021, imagina o nervosismo desses caras se tem um big 3 do outro lado da rede. Depois de hoje eu até torço, mas não aposto a favor do Thiem nem que a final de RG seja contra o Paire.

    Responder
  70. Paulo Pauli

    Boa noite
    Nas minhas anotações este Slam foi o de n° 499 e o Thien foi o tenista diferente de n° 161 a ganhar.
    Por favor confira se estou certo ou não

    Responder
  71. Alexandre G.

    Dalcim, como você avalia o “modus operandi” do Thiem ao ficar muito atrás da linha de base durante os dois primeiros sets e mesmo não dando bons resultados, mantendo-o? Você acha que seria um “plano B” (para esse jogo) ele se aproximar mais da linha de base, diferentemente dos jogos anteriores em que isso funcionou?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele jogou desse modo o tempo todo, Alexandre, até mesmo contra tenistas que não sacam tanto, como o De Minaur. A questão dele é entrar nos pontos, já que seu golpes exigem maior amplitude de movimento.

      Responder
  72. Rafael

    Mestre,

    Como o Big 3 vai fazer falta. Em determinado momento eu achei que estivesse vendo a final de um torneio de clube. Segundo serviço do Zverev é deprimente. Infelizmente esse jogo só mostra que a troca de bastão para a Next Gen ainda vai demorar. O que acha?

    Responder
  73. Rodrigo S. Cruz

    Tecnicamente falando foi uma final fraca.

    Mas valeu a pena ter assistido até o fim e ter sido decidida só no tie-break do quinto…

    O Zverev me surpreendeu positivamente – foi agressivo no começo do jogo, e o austríaco parecia perdidão.

    E que agonia ficar vendo ele se posicionar na arquibancada, para receber o saque.

    Sorte que deu tempo de ele fazer uns ajustes e voltar para o jogo…

    Enfim…

    Achei que o jogo seria mais fácil para o Dominic Thiem, mas gostei que ele tenha vencido.

    Responder
  74. Francisco

    Incrível como o zverev conseguiu perder esse último tiebreak, o thiem tava parecendo o saci com uma perna só , mas que bom que o título ficou com o austríaco gosto do estilo de jogo dele, e mesmo estando contra as cordas várias vezes hoje foi valente e mereceu o tão aguardado slam

    Responder
  75. Marcelo-Jacacity

    Não lembro de ter visto uma final de Slam com dois jogadores com tanto medo de perder como hoje.
    Thiem merecia um título de Slam após três vices. Mas hoje nem o austríaco e tampouco o Zverev parecia que queriam vencer o jogo. Se tivesse o tie-break longo a partida quebraria o recorde de Isner x Mahut.
    Jogo muito ruim.

    Responder
  76. Arthur

    Rapaz, que drama, Dalcim! KKK
    Parabéns pro Thiem, que merecia faz tempo um Slam.
    Eu confesso, no entanto, que estou um tanto cético quanto ao fato de esse US Open ser um turning point nesse marasmo existencial que vigora no circuito há quase duas décadas.
    Se – e ressalto aqui o “se” – Thiem e Zverev mantiverem o pique em RG, destronando Nadal no seu quintal, aí sim acreditarei que a mudança veio pra valer.
    Agora, se vier mais um título do Nadal, acho que ainda vamos ver o Big 3 dando as cartas nos Slams pelo menos até 2022.

    Um abraço.

    Responder
  77. rafael

    Final dramática, mas não foi das melhores tecnicamente. O Novo campeão o se deu mais por ausência de Nadal e Federer e pela desclassificação do Djoko. Eu ainda aposto em Nadal e Djoko para RG.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que não colocaria, até porque Thiem vai chegar desgastado e tendo de fazer adaptação. Claro que se Djoko for mal em Roma, aí a coisa embola.

      Responder
  78. Lucas BS

    Boa noite Mestre, parabéns pelo texto, brilhante como sempre.

    E aí, como voce avalia as chances do Thiem já em RG? pensa que ele se recuperará fisicamente e terá chances com período tão curto de adaptação ao saibro? solto e confiante ele certamente estará!

    Abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Saibro é o habitar natural dele, mas será importante ele se recuperar fisicamente e ter um bom sorteio. Acredito que se ele não for tão exigido na primeira semana, ficará bem perigoso.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *