Na 4ª chance, Thiem enfim será o favorito
Por José Nilton Dalcim
12 de setembro de 2020 às 00:35

As duas primeiras foram no saibro predileto, mas diante dele estava Rafael Nadal. A outra, inesperada, veio no sintético veloz que nunca foi seu forte, porém o adversário era Novak Djokovic. Neste domingo, após uma campanha de encher os olhos com seu tênis agressivo e incrivelmente intenso, Dominic Thiem enfim entrará para tentar seu primeiro Grand Slam na condição de favorito.

O adversário é um digno representante da nova geração, porém longe de ser inexperiente. Alexander Zverev, que já derrotou todo o Big 3 e tem na galeria de troféus um ATP Finals, subiu mais um degrau nos Slam. Terá no entanto contra si sua instabilidade e um histórico amplamente favorável a Thiem, que leva vantagem de 7 a 2 no geral dos confrontos, sendo os três últimos; 3 a 1 sobre a quadra dura e 3 a 0 nos Slam.

A batalha entre Thiem e Daniil Medvedev não decepcionou, ainda que tenha tido só três sets. Mas basta ver que cada tenista correu mais de 4 quilômetros para se entender o quão foi equilibrada. O russo jogou mal o primeiro set, já que apostou numa conduta um tanto defensiva, mas depois apostou nas paralelas e teve o saque na mão para ganhar as duas série seguintes, a primeira com 5/4 e a outra com 5/3.

O esforço físico e mental de ambos beirou o surreal, com pontos muito longos em todos os games, um à procura de desestabilizar o outro usando as mais variadas armas, com destaque para o slice que Thiem usou sem economias. Que correria. Por vezes, até deixaram a postura recuada da base e tentaram ganhar terreno, já que os buracos eram poucos. Obrigados a forçar, erraram também: 45 do russo e 33 do austríaco.

O primeiro jogo, ao contrário, foi muito estranho, principalmente porque os tenistas falharam demais. Zverev começou extremamente mal, se mexendo pouco, golpes descalibrados e apressados, saque pouco efetivo. Mesmo sem fazer nada de muito especial, o espanhol Pablo Carreño disparou no placar e ganhou os dois sets iniciais.

O alemão então mudou a postura. Passou a forçar mais o forehand, arriscou paralelas e o espanhol foi se encolhendo. O ponto crucial esteve na melhoria do primeiro saque de Zverev, que funcionou à perfeição da metade do quarto set em diante. Carreño lutou porém já não bastava mais esperar os desatinos do oponente. O jogo totalizou 101 erros, quase 35% do total de pontos disputados.

Aos 23 anos, Sascha dá mais um passo nos Grand Slam, os eventos onde carecia de qualidade e consistência. Fez semi da Austrália em janeiro e agora vai tentar o primeiro título, o que são progressos elogiáveis. É muito provável que, se jogar com o nível desta sexta-feira, terá poucas chances diante da solidez de Thiem. Mas talvez, se sentindo ‘zebra’, entre com postura mais condizente com um 7º do mundo.

Osaka e Vika lutam pelo terceiro Slam
Enquanto os homens sentirão o frio na barriga por um troféu inédito, Naomi Osaka e Victoria Azarenka farão às 17 horas deste sábado um duelo de gerações que vale o terceiro troféu de Grand Slam para ambas. Osaka já ganhou o US Open, há dois anos, e faturou logo em seguida o Australian Open, enquanto Vika foi bi em Melbourne há mais de sete anos, mesmas temporadas em que ficou com o vice em Flushing Meadows.

As duas dominaram a quadra dura na retomada do circuito e só não fizeram a final do Premier, duas semanas atrás, porque a japonesa sentiu a coxa esquerda e preferiu se poupar. Na quinta-feira, ganharam semifinais muito exigentes tanto no plano físico como no técnico, com o tradicional vigor para golpear a bola lá de trás. Osaka leva vantagem na força do primeiro saque. Vai ser interessante ver quem arrisca mais na paralela, uma opção que agrada às duas.

Elas já se enfrentaram três vezes. A bielorrussa venceu a primeira no Australian Open de 2016, mas perdeu no saibro de Roma em 2018 e também em Roland Garros no ano passado. A campeã embolsa US$ 3 milhões. Osaka pode recuperar o terceiro lugar do ranking e Azarenka, o 11º.


Comentários
  1. DANILO AFONSO

    Dalcim, tu sabe me informar se Djokovic ou Nadal irão participar do ATP 500 de Hamburgo (anterior a RG) ???

    A participação de Novak, Thiem e Nadal no ATP 500 de Petesburg (posterior a RG) está condicionado se eles irão jogar a reta final do Rolang Garros ou já tem alguma informação de qual deles irá ou não participar ??

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não estão inscritos, mas os organizadores adorariam dar um convite… rsrs… Não acredito que eles joguem na Rússia porque a mudança de piso seria muito drástica. A chance de ir a Hamburgo é se eles perderem na primeira ou na segunda de Roma, principalmente o Nadal.

      Responder
  2. Marcelo

    Em Thiem vs Medvedev, quem levou a pior foi a bola. Como apanhou! Dalcim, vc saberia dizer se esta geraçao vem com alguma preparaçao diferente da anterior que explique essa força toda? Eu entendo que como batem MUITO mais forte, deve haver alguma evoluçao física ou foco em algum trabalho específico que nao se fazia antes e justifique a mudança. Procede? Desde já, parabenizo pela ótima análise e postagem.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ah, o processo de condicionamento físico evoluiu demais, Marcelo. Tanto na resistência, como na força e sobretudo na recuperação para o dia seguinte. Existe muita ciência envolvida.

      Responder
  3. Marcílio Aguiar

    Grande virada da Osaka. A Azarenka começou muito bem, mas no final ganhou que é melhor atualmente. Foi uma bela final hoje.
    Torço para um jogo equilibrado amanhã. Acho que o Thiem vencerá por 3×1, mas espero que sejam sets bem disputados. Nada de pneus ou 6×1.

    Responder
  4. Maurício Luís *

    Parece que não é só aqui no Brasil que tem relaxado em matéria de prevenção. O Thiem com nariz pra fora da máscara em dado momento do atendimento do fisioterapeuta.
    Segue o exemplo dos brasileiros, pelo visto. Aqui tem o MSM – Movimento dos Sem Máscara – , máscara com nariz de fora, máscara no pescoço, máscara pendurada na orelha, taca a mão suja na máscara, põe no bolso, tira do bolso, assoa o nariz na máscara…
    Depois vem dizer que não está adiantando nada. Conheço um que disse que faz 3 meses que não lava a máscara.
    Como diria a Hebe, ” Mas que GRACINHA!”

    Responder
  5. Luiz Fernando

    Vika abriu 20 na set 2 mas demonstrando como este esporte é incrível Osaka foi la, se recuperou e passou a dominar os pontos. Terceiro set aberto, mas o momento é da japa…

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Querida na hora da prova eu vou estar jogando, mas no atual momento da Ferrari creio q a corrida de numero 1000 será uma tristeza p os ferraristas…

      Responder
  6. Gabi

    Dalcim, tudo bem? Muito obrigada pelo blog e bato palmas nas tuas mais variadas respostas. Sempre no timing certo, com muita sabedoria, inteligência, abrangente e profundo ao mesmo tempo. Vc é muito especial mesmo!!
    O sportv vai transmitir Roma?
    E Roland Garros é o bandsport?
    Muito obrigada!!

    Responder
  7. Luiz Fernando

    Azarenka vai contrariando os q esperavam um jg equilibrado e vai atropelando Osaka por 51 no set 1, balançando a adversaria de um lado pro outro e praticamente sem ENF. Nem o serviço da japinha está funcionando…

    Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          O “ diversão garantida “ saberia dizer quem realmente ganhou a partida ? . Posso te afirmar que não foi a escolhida do seu compadre Chatonik. Tu és uma comédia guri kkkkkkkkkkkk . Abs!

          Responder
    1. Flávio

      Luiz Fernando a Azarenka não passa de uma incompetente mesmo,a burrice dela hoje foi demais porque tinha um 2×0 no segundo set baixou a intensidade achando que ja tinha ganho aí perdeu,então baixar e intensidade contra a Naomi é pedi para perder e no terceiro set ela tinha um 40×0, onde a Naomi sacou algumas vezes com o segundo serviço e ela ainda entregou de bandeja para a excelente Naomi e ainda após quebrar o saque da Naomi, na seguida ela entregou o seu game, ou seja com tanta incompetência ou pipocada como alguns dizem ela mereceu perder, e parabéns a Naomi, agora é por isso que Steffi Graf e Serena no auge delas elas são o que são ,ou seja lendas no tênis feminino porque elas não pipocariam que nem a Azarenka fez hoje

      Responder
        1. Flávio

          Vi sim cara , e não tiro os méritos da Naomi mas a Azarenka foi uma incompetente ,ainda mais sendo uma atleta mais experiente que a Naomi e se você reparar ora perceber que a incompetência ou pipocada da Azarenka foi visível, bom se tu discorda eu um direito seu e abraços!

          Responder
  8. Vitor Hugo

    Thiem é o melhor na atualidade pois, na minha opinião, é o que jogou o maior nível de tênis desde que os torneios voltaram. Pode mudar semana que vem ou amanhã, apesar de eu achar que é quase impossível o austríaco perder pra Zverev, que não encantou ou impressionou
    ninguém com o nível apresentado até agora e duvido que ele vai subir tanto assim pra amanhã.

    Responder
    1. Marcelo

      Acredito que o Djoko ainda esteja um degrau acima do Thiem, e que Nadal segue uma incógnita. Vamos ver no saibro da Europa a real condiçao do Thiem. Ele jogou MUITO mas ainda nao me empolgou a ponto de achar que bata Djoko e Nadal.

      Veja que ja considero (achismo apenas) o Federer abaixo do Thiem.

      Vou aguardar!

      Responder
  9. Márcio

    Dalcim , questão do ranking , hipoteticamente se o Nadal não ganhar RG e perder na final , ele continua com os 2 mil pontos de 2019 ou ele fica com os 1200 de 2020 ??

    Responder
  10. JAN DIAS

    OSAKA e VIKA estão de parabéns pelo nível técnico e superação que mostraram, têm tudo pra fazerem uma grande final,,,
    Mesmo que não ganhe, a VIKA pode se considerar vitoriosa pelo incrível retorno que fez…

    Responder
  11. Arthur

    E essa esquerda do Thiem, hein, Dalcim?
    Quanta boçalidade, hehehe…
    O back do austríaco sempre foi muito potente, mas faltava regularidade.
    Nessa semifinal, no entanto, parecia que tava entrando tudo.
    Ainda não chega a ser um Wawrinka, na minha opinião, mas o Thiem tem tudo pra chegar lá.

    Um abraço.

    Responder
    1. Bruno Gama

      Me irrita demais a câmera passar toda hora pra pessoas comendo ou pra coisas aleatórias nas arquibancadas, teve uma que ficou uns 10 segundos focada num tênis, sendo que o Medvedev tava se preparando pra sacar, americano acha que todo mundo liga mais pra bobagens que pro jogo em si.

      Responder
  12. Sandra

    Dalcim , uma dúvida , Djokovic nunca ganhou do Nadal em Roland Garros ? Eu não sei de foi impressão mas Djoko não ganhou dele em uma semi e acabou perdendo na final para o Stan ?

    Responder
  13. Pedro Batista Filho

    Boa tarde, mestre Dalcim! Fazendo suposições, na sua opinião, caso essa semi tivesse sido entre Novak x Medvedev ou Thien, em termos percentuais, qual seria sua opinião para o resultado do embate?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Mas eles não poderiam se cruzar na semi, Pedro, apenas na final. A semi do Djoko seria contra o Zverev, e aí acho que o favoritismo dele seria absoluto. Mas, numa final contra Thiem ou Medvedev, esse favoritismo cairia muito, talvez ali na margem de 60%.

      Responder
      1. Pedro Batista Filho

        Obrigado pela resposta, Mestre Dalcim, mas depois da partida de ontem, ouso dizer, embora reconhecendo meus limitados conhecimentos, q contra o austriaco seria 50/50.

        Responder
      2. Flávio

        Boa Tarde mestre (Dalcin), como a final feminina é hoje, mas eu sempre tive uma dúvida que é qyem foi melhor Steffi Graf oi Serena, na sua opinião quem foi melhor tenista foi Steffi Graf ou Serena ,eu acho que por tudo que fez e se aposentou cedo com 22 slams , então fico com a Steffi óbvio que ela não era do meu tempo mas eu ja ele em taipe e vi que foi uma excepcional
        jogadora é tinha muita técnica (parecendo o maestro Federer)que é raro nas tenistas de hoje, e se houvesse um confronto em pleno auge das duas hoje,então na sua opinião qual das duas venceria mestre?Abraços.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Acho que Serena venceria no auge de ambas, Flávio. Mas obviamente depende do piso escolhido. Os mais lentos favoreceriam muito a Steffi.

          Responder
  14. Emerson

    Dalcim, um raciocinio interessante:
    Se não me engano, o termo Big 4, surgiu antes mesmo do Murray vencer seu primeiro Slam e do Djoko sequer sonhar em aproximar de fedal em numero de majors. Isso pq o termo servia principalmente pra indicar que esses jogador sempre eram os que estavam fazendo semifinais ou finais dos grandes titulos, com eventualmente um ou outro player furando essa bolha.
    Com a operação e afastamento de Murray surgiu o teremo Big Three pq ele nao mais figurou entre os que chegavam as fases finais.
    Voce acha que ano que vem o teermo big Three póde ter o mesmo destino? Nao em sentido historico obviamente, mas seguir o caminho do termo Big Four de virar mais um termo historico do que um que explique a dinâmica atual do tenis. Pq vai ficar cada vez mais dificil que haja uma diferenca clara de desempenho deles em relação aos demais. Veja. Thiem ja é finalista em 3 dos ulitmos 5 Slam. Bem superior ao Federer por exemplo. Nao que os 3 ou mesmo os 4 nao consigam mais disputar os titulos, mas sim que terao ao seu lado nas mesmas condições os demais jogadores, assim acabando com a necessidade de falar deles diferentemente .

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, acho que Big 3 será eternamente referente a esses três, Emerson. Porque eles não apenas dominam o tênis atual, mas praticamente todos os números importantes de todo o tênis, e ainda por cima coexistindo entre eles, algo ainda mais incrível.

      Responder
      1. Rafael Azevedo

        Dalcim, isso que você falou, agora, me fez pensar em uma questão…
        Os números dos 3 são assombrosos! Mas ainda, quando pensamos que esses números não são maiores porque os outros 2 estavam lá para impedir.
        Os Slams que cada um do BIG 3 perdeu foram perdidos, majoritariamente, para algum dos outros 2. Quando um não era o líder do ranking, um dos outros 2 o era…
        Se os 3 não “coexistissem” numa mesma era do tênis, você acha que os números individuais seriam ainda maior, ou eles só chegaram aonde chegaram exatamente porque os outros 2 eram a motivação para as conquistas??

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Sim, acredito que há essa questão da motivação, Rafael. Mas muito provavelmente os números gerais seriam bem mais altos para qualquer um deles.

          Responder
      2. Emerson

        Mas Dalcim. Eu falei que em nivel historico o termo continuará assim como Big Four. Eu falo em nivel de atualidade. Tipo o termo continuar sendo usado pra definir que eles estao em um nivel tecnico e de favoritismo acima dos outros, e portanto estarem em um bloco so deles. Como eu disse, O Thiem já é superior ao Federer em desempenho recente de Slams. Tipo, no US Open de 2021 ou 2022 eu pergunto se você acha que a imprensa ainda vai usar analise do Big Three contra o resto ou colocar uns 6 ou 7 jogsdores mais ou menos na mesma condição independentemente da geração.

        Responder
      3. Fábio Farao

        Com certeza! Acho inclusive uma forcação de barrada danada se falar num eventual BIG 4, sequer colocar o MURRAY no patamar dos outros, mesmo com os troféus que ganhou, é descabido. Se for assim, tem que por o WAWRINKA aí na jogada e ter um BIG 5.

        Responder
        1. lEvI sIlvA

          Wawrinka sequer foi N°1 por uma semana! Não adianta comparar só pela quantidade de Spams, companheiro. Além disso, só no AO o Andy tem vários vices, sem contar os Masters na conta e carreira. Forçar a barra, é insistir em por o suíço junto dos outros 4!

          Responder
    2. Marcelo

      Emerson, enrendi que o Dalcim é fã (também é fã), do “Big 4 and a half” (me corrija se eu estiver errado, Mestre Dalcim), já que ele incluii o Wawrinka.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que ainda não existe outro favorito para Roland Garros do que Nadal, Fábio. Claro que precisamos ver o que Rafa conseguirá mostrar após a longa parada.

      Responder
  15. Emerson

    Dalcim, O Murray so foi ser favorito na sua décima primeira final kkkk, embora a primeira final de AO contra o Djoko talvez naohiuvesse favotito. O Thiem ta tendo sorte pq vai ser dificil pra ele estar em outra final como favorito. Se não gsnhar ess talvez fiwue um fantasma terrível e ele ultrapasse os recordes negativos do Murray e do Lendl

    Responder
  16. Evaldo Moreira

    Bom dia,
    Sensacional o jogo, disputa ponto a ponto, correria, jogas magnificas e o mental lá em cima, Thiem merece e muito esse Grand Slam, mas final é final e ponto.
    Medvedev já é uma realidade no circuito, o russo carne de pescoço esse rsrsrs.
    Dalcim, ja vi solidez no fundo de quadra ,mas esse Medvedev me impressiona, pela agilidade, e como chega nas bolas improváveis, e golpes pesados, além da habitual frieza, esse com certeza ficará entre os top 10 por um bom tempo, o que achas?

    Responder
  17. Daniel

    Agora uma coisa precisa ser dita, que jogo legal tem esse Thiem! Ainda acho que ele fica muito atrás, mas é impressionante a qualidade que ele tem. É aquele tipo de jogo que dá gosto de ver, ao contrário do jogo sonolento de resultado do no1 atual. Esse é mais um motivo para os amantes do tênis bem jogado torcerem para o austríaco virar no1. O tênis estará muito melhor representado com ele na liderança! E além disso, é um motivo para ficar animado para o futuro, vendo que alguns jogadores mais jovens como Thiem e Tsitsipas estão buscando sair da mesmice da escola “Maratenis” e derrotando aqueles que se inspiraram nela (como o Di Menor)

    Responder
    1. Vitor Hugo

      Sem dúvidas! O tênis está muito mal representado com o atual número um do mundo. Uma pelas atitudes ridículas do sérvio dentro e fora de quadra. Outra pelo jogo feio e mecânico que ele apresenta.

      Responder
  18. Cassio

    Pra quem pensa que Djoko e Federer são da mesma geração. Pode começar a dizer tb que Thiem é da mesma geração do Djoko. É a mesma diferença de idade.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Boa , Cássio . Quero ver daqui pra frente a turma da ” Turbinada” aceitar que um cara SEIS anos mais jovem que Novak , seja da sua geração kkkkkkkkkkkkkkk . Abs!

      Responder
  19. Rafael

    Torcerei para o Thiem, pois ele é o melhor tenista hoje (depois do Djoko, claro). Aliás, que pena a desclassificação do servio. Mestre, você acha que algum dos finalistas teria real chance contra o Djoko?

    Responder
  20. Oswaldo E. Aranha

    Como já disse anteriormente, não esperava vitória do Medvedev, depois que ele demonstrou fraqueza e falta de consistência em ter boa vantagem e perder para o Nadal, em um torneio importante, fato que se repetiu com outro tenista.

    Responder
  21. Efraim Oliveira

    Medvedev tá se tornando o amarelão dos jogos grandes.

    Ontem o Medvedev pareceu Nadal, que quando enfrenta Novak deixa as paralelas em casa e fica cruzando bolinhas.

    Responder
  22. Luiz Fernando

    Medvedev me decepcionou um pouco ao servir p o set 2 e deixar escapar, embora naquele game o Thiem tenha jogado muito bem. Acho o austríaco bem mais habilitado a levar a taça domingo, mas depois de ontem não há como descartar Zverev, foi o tipo de partida p elevar o moral e a confiança de quem vence (aliás, ele deveria por um retrato do PBC na parede de casa, em agradecimento). Chutaria 31 p Thiem q é bem mais contundente do q o espanhol, enfim, desta vez acho q não escapa. Hoje a tarde vejo Osaka favorita tipo 60-40 contra Vika, pois saca melhor e me parece ter mais potencia nos golpes, mas a russa é uma guerreira, se movimenta muito bem, não me surpreenderia em nada se vencer.

    Mas claro q o destaque de ontem foi p o nosso Boston Celtics, do craque Jason Tatum e do guerreiro Marcus Smart, que partida espetacular de ambos, o “toco” dado pelo segundo impedindo o empate do Raptors com menos de 60 s p o final foi espetacular. Gordon Hayward voltando, time muito jovem amadurecendo, teremos uns bons anos de grandes resultados pela frente. E aí, Gabi, sofreu muito??????

    Responder
    1. Bruno Gama

      “foi o tipo de partida p elevar o moral e a confiança de quem vence”.
      Ele tava rindo no final do jogo, pensando “não acredito que quase entreguei a partida pra um jogador tão ruim”.
      Isso aí não “eleva” a confiança de ninguém, muito pelo contrário, só evidencia o quanto ele é instável. Elevaria a confiança se ele tivesse vencido em 3 sets.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Discordo , Bruno . Somente 4 Tenistas nos últimos 20 anos saíram de 0 x 2 numa Semi e chegaram a Final de um SLAM. E de todos que chegaram a Semi sem perder Sets como Medvedev , somente Nadal em 2010 levou o Caneco. Abs!

        Responder
        1. Bruno Gama

          Mas nenhum deles jogou 2 primeiros sets tão ruins contra um tenista tecnicamente tão inferior.
          Desses que você citou que saíram de 0-2 e viraram:
          O Arnaud Clement em 2001 chegou na final e levou 3-0 do Agassi, isso já tendo sido campeão de slam.
          O Roddick em 2003 virou pra cima do Nalbandian que era muito melhor que o Busta.
          O Baghdatis em 2006 também virou contra o Nalbandian, que era melhor que ele, inclusive é uma pena que tenha virado esse jogo, ninguém ia contestar um slam do Federer em cima do argentino.
          E o Djokovic em 2011 virou contra o Federer, naquela partida que o Federer teve match point, claro que alguém que ganha um jogo daquele vai com a confiança elevadíssima pra final.
          Mas o caso do Zé é diferente de todos esses, era uma partida em que ele era bem melhor que o outro e quase entregou, acho que ele sai mais com medo de repetir o fiasco dos dois sets do que confiante em derrubar o Thiem que tá jogando melhor que todo mundo e não vai baixar a intensidade como fez o Busta.

          Responder
    2. Gabi

      Muito!!
      Esse toco foi do coração errar a batida!!
      E depois fiquei até às 06 da matina comemorando rsrs. Até parece, terminei o jogo muerta.
      Parece que o time mais ou menos chegou pra fazer AQUELA final inglória hein?
      Jogo a jogo.
      Obrigada, Celtics.

      Responder
    3. José Eduardo Pessanha

      LF, tenho visto pouco NBA, mas você não acha o nível técnico de hoje bem inferior ao dos anos 80 ou 90? Antigamente dificilmente um craque errava bandeja, hoje em dia vejo dezenas de erros desse tipo por jogo. Até a marcação de hoje eu acho menos agressiva. Eu sou extremamente saudosista em esportes, de repente posso estar criticando a NBA atual sem razão. Outro dia vi um comentarista dizendo que Kobe Bryant foi o maior jogador dos Lakers de todos os tempos. Mudei de canal na hora. Magic Johnson jogou muito mais. Fez a maior partida de um jogador na história do basquete em todos os tempos aos 20 anos, no título de 80, no jogo 7 da decisão, quando jogou a maior parte do jogo de pivô, de modo a suprir a ausência de Abdul Jabbar. Muitos analistas consideram essa a maior atuação da história.
      Abs

      Responder
          1. Sérgio Ribeiro

            Desculpe a intromissão , caro Pessanha. O jogo ficou muito mais rápido. Daí a dificuldade de comparações. Kobe e Magic venceram ambos CINCO Títulos. Kobe é o terceiro da história em pontuação a frente de Jordan. E Magic não aparece entre os dez. Daí que a meu ver , basta jogar a camisa pro alto .Quem pegar está de bom tamanho rs . ABS!

          2. Sérgio Ribeiro

            Correção : LeBron passou por Jordan e ele. Caiu pra quarto . Não preciso dizer quem é o primeiro… rs Abs!

      1. Luiz Fernando

        Épocas diferentes, mas me parece q os caras das décadas q vc citou eram mais decisivos, infelizmente o Magic jogava nos Lakers e não no Celtics. Abs.

        Responder
      2. Rafael Azevedo

        Me interrompendo um pouquinho…

        Eu acho que o nível de marcação atual é um pouco mais forte, também, o que justificaria mais erros nas jogadas ofensivas.
        Isso ocorre em todos os esportes. O aumento da força física amplia o poder das defesas.

        Mas, de todo jeito, temos que verificar as porcentagens de acertos. Às vezes, só olhamos os Highlights dos jogos passados. Mas, esses vídeos só mostram as belas jogadas. Eu lembro de um documentário que assisti sobre uma das finais entre Lakers e Celtics, onde Magic Jonhson errou uma cesta fácil no fim de uma das partidas da séria, que acabou com a vitória do Celtics. Todos ficaram atônitos…afinal, era o Magic Jonhson.

        Responder
    1. Rafael Azevedo

      Eu acredito que o único tenista capaz de bater o Thiem, nesse nível que ele está jogando, é o Djokovic.
      Ainda acho o Djokovic o melhor tenista da atualidade, mas creio que o Thiem tem possibilidade de superá-lo. Mas, para isso precisa vencê-lo.
      E vencer o Nadal, mais vezes, também.
      Acho que ele já alcançou o nível técnico e físico necessário para isso, mas precisa demonstrar com vitórias (demonstrar que alcançou o nível mental, também).

      Responder
  23. Dário Souza

    Dalcin,
    Os sites internacionais já reportaram de quanto foi a baixa na audiência da TV do US OPEN esse ano no mundo por conta da falta de FEDERER e NADAL?
    Chuto aí, por baixo, por baixo, uns 15%. E isso porque há a pandemia, mais gente em casa, do contrário, pode botar aí uns 30% fácil.
    Abs,

    Responder
      1. Dário Souza

        Verdade, Dalcim.
        Mas a queda talvez seja ainda maior que isso! Não me surpreende nem um pouco!
        Dá uma olhada no que esse cara do Washington Post aqui fala.
        Aliás, eu concordo com o ponto de vista dele sobre a desqualificação do Djokovic (e olha que nem sou muito fá dele, hein?!).

        “The tennis pundits of ESPN, business partners with the USTA, defended the decision about “rules being rules.” It was a great day for all those tennis “abuse-of-ball’’ sticklers. It was a bad day for tennis amid a struggling tournament devoid of spectators and, according to TV ratings, interest.”

        https://nypost.com/2020/09/06/novak-djokovics-disqualification-is-terrible-for-the-us-open/

        Abs,

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Eu não compactuo com essa linha de raciocínio, Dario, Seria terrível para o tênis se o árbitro geral pensasse na audiência de TV ao invés de cumprir a regra. Djokovic e todos os jogadores estão cansados de saber do risco que é agir dessa forma tempestuosa e é exatamente a isso que a regra se refere. Aliás, ela é bem antiga.

          Responder
          1. Rafael Azevedo

            Concordo, Dalcim.
            Eles também “recuperam” parte do prejuízo financeiro (a perda da audiência) com a multa que aplicaram ao Djokovic.
            Não sei se é o suficiente, mas é o preço a ser pago para não ter perda de credibilidade do torneio, que poderia fazer a audiência cair nos anos futuros, ou perder patrocínios que prezam pela responsabilidade social que seria manchada.

          2. Dário Souza

            Entendo que o articulista no fim das contas mais defende que foram rigorosos demais com o DJOKO no geral, independentemente do eventual reflexo na audiência, mas obviamente que essa situação toda do DJOKO é muito interpretativa.
            Eu, por exemplo, acho que ele foi mais desqualificado pela consequência do que pela causa. O que quero dizer com isso: se é um juiz ou juíza de linha, mais durão ou durona, que não caísse daquela forma como se (e não estou minimizando o dano causo pelo impacto de uma bola batida por um cara desses que com o mínimo esforço a faz chegar a 100km/h) tivesse tomado um tiro de .38, acho que o DJOKO se livraria só com um pedido de desculpas ali na hora, sairia com “slap on the wrist” como os gringos falam.
            Abs,

  24. Tiago

    Sou torcedor do Djokovic e fiquei muito decepcionado pela forma melancólica que ele saiu do torneio. Mas Zverev e Thiem salvaram este torneio sem a presença dos Big 3 nas finais. Zverev que já tem no seu currículo ótimas campanhas e títulos em M1000 e Finals tem a chance de ouro de faturar seu primeiro Slam em sua primeira final. Porém terá um Thiem que até o momento tem se mostrado mais focado, consistente e sólido, fora a sua boa agressividade. Apesar de torcer para Djokovic, que tinha esse campeonato nas suas mãos, creio que o título estará em boas mãos seja para qual lado for. E isso acaba sendo legal, mesmo sem a presença de Nadal e Federer, pode-se dizer também de Djokovic pela sua desclassificação, esse título vai tirar sim um grande peso nas costas dos dois e espero ser um divisor de águas nas suas carreiras, e consequentemente tira um pouco a monotonia dos títulos de Slam. Exemplo, Roland Garros vai começar em breve, mas já sabemos para onde vai o título…é um Slam muito monótono, mal começa e já temos Nadal campeão. Não gosto de dar palpites porque sempre erro rs, mas fica minha torcida mais pelo Thiem que já bateu na trave 3 vezes em finais de Slam e creio que ainda mais pelos jogos que vem fazendo e pelas vitórias mais convincentes no torneio, esteja merecendo mais o título.
    A final feminina também vai ser muito legal, duas jogadoras que me agrada muito…o título estará em boas mãos para ambas, mas pela história e volta por cima, fica minha torcida para Vika rs…embora eu acho que Osaka tem mais jogo.

    Responder
  25. Marcão

    Incrível o que jogou Thiem! A habitual agressividade, com poucos erros. Quando ele não se perde nessa balança, fica difícil para qualquer um. Falta o último degrau, aparentemente mais fácil, mas nunca se sabe. É jogar do mesmo jeito, sem tirar nem por, exceto pelos tênis, que precisa trocar com urgência.

    Vika tem um tremendo desafio pela frente. Contra Serena, mostrou cabeça e coração. Vai precisar disso e mais contra Naomi. Ao contrário do masculino, as meninas só têm deixado as “vintage” olhar o doce, levar nem pensar.

    Responder
  26. Ernesto Nery

    Dalcim, na sua visão como está o nível técnico pós pandemia, nesse PriMeiro slam?
    By the way!
    Eu acho que os jogadores estão adorando não precisar se cumprimentar !!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que tecnicamente o torneio foi muito bom, Ernesto, tanto o masculino como o feminino. E fisicamente estou ainda mais impressionado.

      Responder
  27. Evaldo Medeiros

    Bom dia. Dalcim, na sua opinião, qual a providência que Nole e sua equipe irão tomar depois daquele destempero exagerado que o tiraram do torneio do qual ele era o favorito ??? Creio que só o arrependimento e o pedido de desculpas não será sufiente para não repetir o erro no futuro. Não será o caso de uma terapia com um psicólogo???

    Responder
  28. Daniel

    Eu acho que no domingo a final pro Thiem pode valer por 2 GS. Se ele vencer e tirar o peso da conquista de GS, vira grande candidato a vencer RG tb. Agora se perder, imagino a frustração e o quanto entraria pressionado numa final de RG contra Nadal ou Djokovic.

    Mas as vezes o tênis é cruel e ele pode pegar o Zverev inspirado no domingo, e ele jogar abaixo do que jogou quarta ou hoje. Já seria suficiente para ser derrotado. Acho que ele merece muito mais que o Zverev e seria injusto sair de NY sem o troféu, mas o campeão será decidido na WB quadra.

    De qualquer forma, espero que esse torneio seja um divisor de águas para alguns: Thiem, Zverev, Medvedev, e Tsitsipas (no caso do grego, na questão mental e da influência do pai). Já passou da hora deles oferecerem mais resistência a Nadal e Djokovic, que não deveriam estar nadando de braçadas 2 a 3 anos após “trintarem”. Já o Federer, resta acompanhar os lances mágicos que só ele sabe fazer e o estilo de jogo inigualável, mas venda intensidade com que jogaram Thiem e Medvedev, acho que não vai dar mais pro suíço em GS, tal como Murray. Infelizmente. Mas espero estar errado e nunca duvidarei de Roger Federer rs.

    Responder
    1. Vitor Hugo

      Sei não… Vamos ver se Thiem ganhar amanhã o que vai acontecer no futuro. Pode ser que ele ‘sente’ em cima do titulo do U.S Open e pense: ” Tá bom, consegui o que queria “. E depois não passe da primeira rodada em RG.
      Mas também ele poderá embalar, ganhar RG e se tornar o 1 do mundo. Potencial ele tem.

      Responder
  29. Paulo F.

    Disse anteriormente que Thiem é favorito contra Zverev e não mudo de opinião.
    Mas se pesar o favoritismo nas costas do austríaco, dando o exemplo de Djokovic em RG 2015, isso poderá ajudar bastante com que o russo leve o USO.

    Responder
    1. Bruno Gama

      O “russo” já foi eliminado ontem, o ALEMÃO não é nenhum Wawrinka que jogou demais a final, não fazia 500 duplas faltas e 800 ENF por jogo na semi, já tinha eliminado o Federer nas quartas e já era campeão de slam. Se alguém vai entrar mais nervoso em quadra vai ser o Zé que não fez nenhuma final de slam.

      Responder
  30. Marcos RJ

    Dessa vez fico muito mais ligado na final feminina do que masculina. O contraste entre duas tenistas agressivas, uma já veterana e mãe, fazendo um retorno inesperado a outra ainda jovem porém com bastante experiência, ambas com dois títulos. Carisma e competência de sobra, mas esse tem tudo para ser o jogo do torneio.
    O masculino também é muito interessante pois pode vir a marcar o início de uma nova era após o longo reinado no grupo top 3, ainda que esses ainda tenham bastante lenha para queimar.
    O US Open merece todo o reconhecimento por ter superado o desafio gigantesco de realizar um evento desse porte e complexidade durante a pandemia. Foi uma missão quase impossível que já pode ser considerada um grande sucesso, apesar de tantas ausências de peso.

    Responder
  31. Paulo Almeida

    Que chance que o GOAT Djokovic perdeu (ou foi perdido) de levantar seu 19º título de Grand Slam, já que em 2020 venceu Australian Open e Wimbledon.

    A primeira semifinal foi sofrível e a segunda decepcionante. Esperava bem mais do Medvedev, que além da grossura conhecida, estava fraco mentalmente e jogou dois sets no lixo. Thiem não tinha nada com isso e cadenciou bem o jogo com seus slices nota 8, abaixo dos do sérvio (nota 9 na atualidade). Foi o suficiente para desequilibrar o gigante desengonçado, ainda assim mais jogador do que o tenebroso American Clown. Tênis moderno é isso daí: jogadores inteligentes trabalham os pontos com paciência e os burros querem definir logo na quarta bola.

    Sim, não será um Slam parrudo para o austríaco, porém, como disse há pouco tempo, estará de ótimo tamanho para quem ainda está zerado. Em uma final contra os membros do Big 3 as chances seriam essas: 30-70 contra o rei Novak (poucas), 50-50 contra Nadal e 80-20 contra seu brinquedo Fregueser. É, a última opção é de longe a mais factível para nosso querido orelhinha.

    Responder
    1. Gildokson

      Ta atordoado ainda Paulo kkkkkkkkk
      Essa conversa de contar com torneio que nem aconteceu é coisa de louco kkkkkkkkkk
      Ta pensando que ganhar VINTE Grand Slans é simples? Exige técnica, força, trabalho e muita disciplina. Em todos os momentos, eu disse todos!!! kkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ainda estaria 1.735 atrás do Djokovic, Márcio, uma distância bem considerável para o calendário reduzido. Não acredito que ele já a Roma. P.S.: acabou de sair: ele, Zverev e Medvedev fora de Roma.

      Responder
  32. EDVAL CARDOSO

    Primeira semi pareceu nível Challenger comparada com a segunda. Espero que o Zverev suba muito,mas muito mesmo,pra termos uma final com algum equilíbrio.
    Mas como se costuma dizer,”jogo e jogado,e lambari é pescado”, sabemos que o alemão pode jogar muito acima do que jogou hj, como aconteceu na final do Finaus contra o Djokovic.

    Responder
  33. Sérgio Ribeiro

    Pois é, Dominic Thiem já está mais que maduro na turma . Lembrando que STANIMAL foi perto dos 29. Nicolas Massu ( único a vencer Ouro Olímpico em Simples e Duplas numa mesma edição) , caiu como uma luva pro Austríaco. Diminuiu uma barbaridade os ENFS , com a introdução dos Slices na hora certa. E’ hoje oponente de respeito pra qualquer um , em qualquer piso. Um arsenal mais que pesado , que até Medvedev se assustou . Olha que o Russo já encarou na boa Novak e Nadal a nível de volume de jogo. E’ franco favorito contra Sasha neste momento. O Alemão apenas fez a campanha que seria feita sem a menor dificuldade por Novak Djokovic. Esse deve estar se mordendo com o cartão vermelho. Enquanto isso Rafa Nadal alugou um de Back Simples pra treinar já pensando em Dominic . Ele mesmo . O traíra baby Federer está direto de sparring do Espanhol em sua Academia. Deixou o couro comer nas duras e vai com tudo no Saibro. A conferir. Abs!

    Responder
  34. Marcelo-Jacacity

    Thiem merece demais e o mais justo seria ele ser campeão, afinal chega a finalíssima pela quarta vez. Porém, Zverev jogará bem solto, e não tenho dúvida alguma que ele vai crescer e jogar bem na decisão.
    O alemão sem pressão é perigosíssimo.
    Como não existe justiça no esporte: Zverev campeão!

    Responder
  35. periferia

    Olá Dalcim

    Lembrei do podcast com o Paulo Cleto.
    Ele disse que o Thiem precisava jogar….os golpes dele melhoraravam com a sequência dos jogos…principalmente a esquerda….dito e feito.

    Não entendi a postura do russo…ele lê tão bem o jogo…..o Thiem foi lá na praça para responder o saque ….por que o russo não usou a bola curta ou mesmo o saque voleio (constante)?
    Ele tem esses golpes?

    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele fez um saque=voleio, se não me falha a memória, José Cláudio, o que realmente foi pouco. E deveria mesmo ter tentando o saque mais angulado, que é o indicado nessas circunstâncias.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *