Bruno dá volta por cima, Osaka e Vika decidem
Por José Nilton Dalcim
11 de setembro de 2020 às 09:53

Três anos depois, o tênis profissional brasileiro voltou a erguer um troféu de Grand Slam. Em sua quinta final no US Open, Bruno Soares ganhou pela segunda vez a dupla masculina e agora é dono de seis triunfos desse quilate, que se juntam a duas mistas em Flushing Meadows e ao grande feito do Australian Open, em que venceu duplas e mistas na mesma edição.

É uma volta por cima, e das grandes, e das merecidas. Bruno foi abandonado pelo parceiro Jamie Murray na metade do calendário de 2019 e achou outro canhoto para tentar recompor um dueto de qualidade. Ao contrário do que havia acontecido com Murray, a simbiose foi muito mais lenta. Houve resultados bem negativos, como a segunda rodada de Wimbledon e do US Open. Por fim veio o título salvador de Xangai, depois o vice em Estocolmo, mas ainda assim não passaram das oitavas no Australian Open de janeiro.

Por essas ironias do destino, Bruno revelou ter contraído o coronavírus pouco antes de embarcar para os torneios combinados de Flushing Meadows. Jogou Cincinnati sem treinar e um tanto enfraquecido. Não conseguiram entrar de cabeça de chave no US Open, estiveram um set e uma quebra atrás na estreia, viram os adversários sacar para o jogo na rodada seguinte. Viradas que geraram confiança. Não perderam mais sets, mesmo diante de adversários bem estabelecidos, um deles o próprio Murray. Sabor de vingança?

Depois de cinco temporada seguidas ganhando títulos de Grand Slam em variadas categorias, o tênis brasileiro viveu um curto jejum em 2019. Nesse período, os duplistas mineiros tiveram papel fundamental. Bruno ganhou mistas no US Open de 2014, Marcelo Melo faturou Roland Garros em 2015, Soares foi campeão da Austrália e do US Open em 2016, Melo fez campanha histórica em Wimbledon de 2017. Houve sucesso também da garotada em 2014 (Luz/Zormann em Wimbledon), 2016 (Meligeni nos EUA) e 2018 (Wild no US Open).

Apesar de tanto sucesso, ainda não se dá tanto valor às duplas por aqui. Provavelmente o motivo é não termos uma parceria efetivamente nacional e assim estamos sempre dividindo conquistas com os estrangeiros. O que obviamente não diminui o mérito. Vale lembrar que Melo foi número 1 do mundo e Soares chegou ao 2 numa modalidade extremamente competitiva.

Vika faz virada espetacular, Osaka confirma
Enfim, Victoria Azarenka conseguiu ganhar de Serena Williams num Grand Slam. Dominada amplamente no primeiro set, Victoria Azarenka dava a impressão que perderia pela 11ª vez de uma agressiva Serena Williams, mas a bielorrussa mudou a postura já na abertura do segundo set, arriscou a devolução, entrou mais em quadra e derrubou pouco a pouco a confiança da hexacampeã.

Mesmo com tamanha agressividade, desferindo incríveis paralelas que deixaram várias vezes Serena plantada, cometeu apenas um erro ao longo de um acirrado segundo set e seis no decisivo, quando obteve uma quebra precoce e sustentou a vantagem com garra e cabeça fria. Uma reação de gala.

Isso coloca Vika em sua primeira final de Slam desde o vice do US Open de 2013. Foi aliás em janeiro desse mesmo ano em que conquistou o bi no Australian Open, seus únicos troféus desse quilate. Uma retomada notável para quem ganhou apenas três jogos de Slam em 2019. Às 17 horas de sábado, tentará se tornar a quarta mãe a vencer um Slam na Era Profissional.

Sua adversária é tão ou mais perigosa do que Serena, já que Naomi Osaka concorre ao segundo troféu em Nova York em três temporadas e igualmente ao terceiro de Slam. Tem a vantagem óbvia de ser nove anos mais jovem e tal qual Azarenka é uma jogadora que ataca o tempo inteiro e com margem mínima de erros.

O duelo desta noite contra Jennifer Brady foi intenso. A norte-americana só se rendeu no tiebreak do primeiro set, obteve uma quebra para esticar a decisão ao terceiro e obrigou Osaka a jogar um tênis de primeiríssima qualidade para enfim dominar as ações de um duelo rico em saques forçados, winners e correria.

Azarenka e Osaka farão a final que não aconteceu em Cincinnati duas semanas atrás, porque a japonesa se contundiu e nem entrou em quadra. Nos jogos válidos, Osaka ganhou duas no saibro (Roma-18 e Roland Garros-19) e perdeu uma no sintético (Austrália-16), mas isso bem antes de dar o grande salto na carreira.


Comentários
  1. Maurício Luís *

    O Dominic Thiem deve mais é agarrar com unhas e dentes esta chance de conquistar seu Slam, por 2 motivos:
    1) O cabeça de cotonete… digo… cabeça de chave número 1 se auto eliminou;
    2) Roland Garros tornou-se uma propriedade particular do Sr.Rafael Nadal.
    Aliás, podiam já dar o troféu pra ele – em forma de balão – e deixar os outros disputarem pra ver quem fica de vice. Perdeu a graça.
    E voltando ao Djoko, corre o risco de ficar em terceiro plano no saibro. Isto se não acertar a goela de algum juiz antes.
    Vou torcer pro Thiem, rapaz muito esforçado, já que a Serena disse adeus a mais um título. Tanto ela quanto o Federer, a situação é bem parecida. O tempo corre contra. Mas ela eu acho que tem um pouco mais de chance, porque pelo menos não teve que passar por cirurgia recente.

    Responder
    1. Maurício Luís *

      Ah, quando falo no Nadal, lembro do Lógico. Tá sumido… Espero que não tenha pegado um corona da vida. Ou então, como ele disse ano passado quando o baloeiro levantou a taça, virou “U S Oco”.

      Responder
  2. Gabi

    Thiem usando a máscara com o nariz para fora antes para ser atendido pelo médico/fisioterapeuta.
    Não adianta nada usar a máscara assim!!
    Não. Adianta!!

    Responder
  3. Gabi

    Marcelo,

    desculpe a demora para responder.
    Muito obrigada pela resposta muito completa!!
    Gostei, sempre às voltas com o esporte.
    Sobre o esporte no futuro, melhor bocha do que canastra rsrs…

    Responder
  4. Sérgio Ribeiro

    E não é que a Next Gen resolveu mesmo aparecer numa FINAL de SLAM ? Mas logo com o Zé ? Esse cara não é tão sacaneado pelos “ entendidos “ como o o tal SuperesTHIEMado ? Não vai tomar uma surra de qualquer um que vença a outra Semi ? Tá bom . Posso explicar mane’ rs. ? Eu dei 55 % de favoritismo para Sasha Zverev mas foi somente contra Careno Busta . Os outros dois sao mais vencedores e mais experientes . O Zé Verev somente deu sorte ao chegar a N 3 primeiro já em 2017 . Vencer o FINALS do mesmo ano batendo Novak e Federer em sequência ( Torneio que o Touro ainda não possui ) , vencer TRÊS MASTERS 1000 incluindo um no Saibro , e possuir 5 x 1 nos confrontos contra Medvedev. Mas fazer o que ? Se os “ entendidos “ dizem , devem ter razão rs. Abs!

    Responder
  5. José Eduardo Pessanha

    Pra não dizerem que eu pego no pé do Thiem, com essa movimentação dele de hoje, vai atropelar Nadal e Djokovic em Roland Garros.
    Abs

    Responder
  6. Marcílio Aguiar

    Dalcim, a tradição brasileira em duplas é de longa data. Lembro que nos anos 70 Koch e Mandarino eram fortes na Dais. Depois Cássio Mota e Luis Mattar também formaram uma otima dupla, se não me engano. Parabéns ao Bruno e seu parceiro Pavic. Ganharam com muitos méritos. Que continuem assim.
    Fiquem impressionado com Azarenka. É de tirar o chapéu para sua reação depois do desastre do primeiro set e do retrospecto amplamente favorável a Serena.

    Responder
  7. Luiz Fernando

    Thiem e Medvedev vinham fazendo uma excelente partida, talvez com alguma vantagem do austríaco, mas depois de um momento de alguma confusão o russo se perdeu em uma discussão inútil e levou 62. Thiem com seu BH incrível e boas subidas a rede dominou a segunda metade da parcial. Vamos pro segundo set…

    Responder
  8. Barocos

    Em que pese todo o nervosismo e desgaste dos jogos anteriores, acho que esta foi uma das piores semi-finais de Slam que eu já vi, Zverev estava irreconhecível e o espanhol deixou muito a desejar também.

    Bem, o confronto entre Thiem vs Medvedev não há de ser tão ruim.

    Desconfio que este é um torneio que os americanos vão fazer questão de esquecer, só um cidadão americano chegou à final, nas duplas femininas, e perdeu. No restante, sem final para eles.

    Responder
  9. Jonas

    Que jogo feio. Mas é melhor ver um jogador como o Zverev em uma final do que o Carreno.

    O alemão ainda precisa trabalhar a parte mental, mas tem um grande potencial.

    Responder
  10. Paulo F.

    Zverev impediu outra aberração à la Thomas Johansson, Gaston Gaudio.
    Mas pelo que deu para perceber, teve novamente aquela vontade incontrolável de fracassar em GS.
    Thiem x Medvedev é uma final antecipada.
    Duvido que Sascha ganhe de qualquer um dos outros dois.

    Responder
  11. Rodrigo S. Cruz

    Kkkkk

    O que foi que eu vaticinei mesmo, senhores e senhores?

    Que o Carreno não ganharia do Zverev, nem com o alemão dando suas viajadas de sempre!

    Responder
  12. Luiz Fernando

    Como o esporte é imprevisível e mutável. Zverev estava arrasado, técnica e moralmente, prestes a levar um 60 no set 2, nesta parcial o numero de ENF esteve em um momento 18×1 pro alemão. Ai o espanhol fraquejou, deixou escapar o pneu e reviveu o alemão, que todos comentaram antes da partida ter mais recursos q o PBC. Como num passe de magica Zverev passou a dominar os pontos, e fechou a partida em 32. E a bem da verdade, no ultimo set vi o espanhol mais inferiorizado técnica do q fisicamente, pois Zverev serve muito melhor, tem mais potencia e mais habilidade. Depois de hoje, não da pra descartar o cara domingo, embora eu o veja inferior aos outros jogadores q farão a segunda semi…

    Responder
    1. Bruno Gama

      Depois de hoje é que dá pra descartar de vez o alemão, entregou de bandeja dois sets pro péssimo Busta que só teve o trabalho de passar bolas e esperar o outro errar. Não vai ter a menor chance na final.

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      É aquilo que havia predito, Luiz.

      O Zverev só perderia para si mesmo.

      Ele tem mais bola e mais recursos do que o “esforçado” Pablo Carreno…

      Ou seja, o alemão teria margem para sair de um eventual buraco, se fosse necessário.

      E acabou sendo…

      Responder
  13. Bruno Gama

    Que tristeza essa primeira semifinal, passou o menos pior pra ser vice.
    O Thiem que faça o favor de vencer hoje, senão a final vai ser chatíssima.

    Responder
  14. Vitor Hugo

    Pelo nível de jogo apresentado, Zéverev vai ser atropelado na final do torneio, seja qual for o rival. A não ser que suba muito o nível ou Thiem e Medvedev estejam bem abaixo.

    Responder
  15. MArcelo

    Zverev 3×1 no quinto set. Retomou a rédea da partida e faz valer sua condição de cabeça 7. Mas o Carreño Busta parece com problemas de movimentação. Contusão?

    Responder
  16. MArcelo

    Será que podemos chamar o Carreno Busta de zebra? Qual a melhor definição para ele (que chega numa semi de USOpen talvez pelo azar de uns) e abre uma vantagem destas sobre o cabeça 7 na semi?

    Claro que o jogo ainda está correndo e pode virar a qualquer momento.

    Clarro que “se” ele vencer, não é favorito contra nenhum dos outros dois semifinalistas, mas sabe-se lá por quanto Medvedev e Thiem ficarão se degladiando na outra sem, além do óbvio risco de qualquer coisa dar errado (e.g.: uma contusão) e eventualmente termos… Carrenõ Busta campeão do USOpen

    Responder
  17. Luiz Fernando

    Está aí, PBC poderia ter arrasado Zverev moralmente com um 60 emblemático, fraquejou, perdeu o set 3 e esta sacando em 12 com 0-30. O alemão tem mais bola q ele, ambos jogando em um dia normal leva vantagem…

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Arrasado moralmente porque ? Carreño tomou um Pneu no Quarto contra Shapovalov e levou no Quinto no jogo anterior . Muitos utilizam o 0 x 6 pra se fingir de morto como estratégia desde que o Tênis é Tênis. No caso de Busta até atendimento o sacana pediu rsrsrs Abs!

      Responder
  18. Luiz Fernando

    Zverev escapou de pneu no set 2 não por seus méritos, mas pelo medo do PBC de arriscar um pouco mais. Um Nadal, um Djoko ou um Federer dificilmente perderiam uma oportunidade de afundar o adversário servindo com 50, algo que é sempre traumático para quem perde nesta condição. Mas com 20 e o alemão jogando sem confiança e com uma profusão de erros bisonhos, como citado pelo Dalcim nos comentários ao vivo no site, ele está com a faca e o queijo na mão. No entanto, não devemos esquecer q a falta de um pouco mais de empenho do espanhol para fazer 60 demonstrou q ele, ao menos no meu entendimento, fraquejou e ainda resta vencer mais um set, tenis é um esporte cruel…

    Responder
  19. Jonas

    Olha o mental desse Zverev, é muito irregular esse cara. Vai sendo surrado pelo espanhol.

    Vamos ver oq o Kyrgios vai falar se o Carreno for pra final, rs.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Pois é, caro Jonas. Quem não está acostumado a assistir posta esse tipo de coisa rs . Mas se Carreño vence , Kyrgios iria arrumar uma desculpa pra seu amigo Sasha . Tipo : “ Só perdeu porque ele estava morrendo de saudades do Marcelo “ rs. Abs!

      Responder
  20. Luiz Fernando

    Bem q o PBC tentou se complicar após sacar com 51, mas Zverev se encarregou de ajuda-lo a vencer. Como o Narck expos, o alemão parece apático, alheio a possibilidade impar de chegar a uma final de GS, parte estar naquela fase da suposta briga c a namorada. Vamos p o segundo set, me pareceu claro q Zverev tem bola para vencer… ou para entregar…

    Responder
  21. Gildokson

    Seria legal se a Serena ganha mais um Slam, mas pelo que parece não vai rolar, ontem ela tentou usar a boa e velha catimba dando aquele migué do tornozelo, mas a Vika é carne de pescoço. Torço para que ela fique com esse título depois desses anos conturbados em sua vida.

    Responder
  22. Luiz Fernando

    Não bastassem as evidências de corrupção desenfreada e convivência com o crime organizado, o Rio deve dinheiro até pro Djoko, impressionante…

    Responder
  23. Rafael

    Dalcim,

    Sei que o assunto do Djokovic já passou, mas uma notícia de ontem me chamou a atenção. Stepanek falou da tristeza do Djokovic com a eliminação diante da perda da chance de conquista do 18º Slam. Não sei se é impressão minha, mas o argumento utilizado na partida por Djokovic (de que a juíza nem precisaria ir para o hospital e que não podiam estragar a carreira e os Slams dele), bem como as demais entrevistas parecem demonstrar que o sérvio está mais preocupado com o número de títulos do que com a sua atitude em si. Se não fosse eliminado não estaria nem aí pra nada. Acha que estou exagerando, mestre?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Está, Rafael… rsrs… Djoko soltou comunicado assumindo o erro e lamentando o ocorrido. Quanto a estar triste, acredito que seja bem verdade. Sair de um Grand Slam assim não é nada fácil.

      Responder
    2. Sandro

      Djokovic pediu desculpas e admitiu que foi imprudente, mas isso pra ele já é passado e, jogando o tênis incrível que está jogando, logo logo vem o próximo título de Grand Slam para o Djokovic…

      Responder
  24. Joaquim Saraiva

    Ontem, em um dado momento do jogo disputado entre Azarenka e Serena, algumas pessoas conseguiram enxergar um movimento capaz de causar leve entorse no tornozelo da norte-americana, o que me causou espanto, pois só consegui ver uma vã tentativa de esfriar o jogo e quebrar o ritmo da bielorrussa. De qualquer maneira, conforme havia prognosticado dias antes, a mamãe Williams sucumbiu ao primeiro embate mais exigente. Não que eu estivesse torcendo contra a michiguense, mas era (como é) evidente o seu despreparo físico. Culpa da maternidade? Talvez, mas se a atual número 9 quiser mesmo beliscar mais um troféu de Grand Slam, precisará emagrecer urgentemente, pois se os seus quase 39 (trinta e nove) anos cobram um preço, o excesso de peso, ainda que mínimo, finaliza com uma pá de cal. E antes que algum apressadinho me tache de “gordofóbico”, quero alertar que estamos tratando de esporte de alto rendimento, sendo a boa condição atlética fator crucial na busca do sucesso.

    Responder
    1. Pieter

      Concordo! Está se falando de atletas em um dos esportes mais exigentes, fisicamente.
      Se ela quiser voltar a vencer um GS, terá de perder muitos quilos para jogar mais e gritar menos.

      Responder
      1. Paulo

        Vc fala do peso da serena há anos. E a criticou muitas vezes por isso.
        Qdo ela ficou sem jogar, vc veio aqui dizer que ela faz falta.
        Ainda bem que mesmo pesada ganhou muito slams. Para vc parar de falar do peso dela.

        Responder
        1. Joaquim Saraiva

          Caro colega, não tenho lembrança de me reportar seguidas vezes ao peso da Serena Williams, mas, de qualquer forma, permita-me respondê-lo. Em primeiro, não há nada de paradoxal entre os comentários dirigidos à condição física de um atleta e a minha simpatia por ele. Logo, conquanto goste do tênis desempenhado pela norte-americana, não tapo os olhos para o que é evidente, no caso os seus quilos a mais. Saiba que não costumo fazer ilações sobre o peso de pessoas ordinárias (não tenho essa autoridade), mas a ex-numero 1 do mundo, ao que sei, não é comum, e sim uma tenista profissional multicampeã sujeita à críticas da opinião pública. Ademais, ao tempo em que ressalto meu respeito por seu ponto de vista, mantenho incólume o meu: esportistas de alto rendimento, sobretudo em esportes individuais, se querem ter sucesso, precisam estar em dias com a sua parte física. Por fim, quanto ao “parar de falar sobre isso ou sobre aquilo”, dada a impertinência da ponderação, posso apenas sugerir que sejais um pouco mais democrático, é dizer, concorde ou não com minhas palavras, mas jamais ouse tentar tolher-me do direito de expressá-las. Abraço.

          Responder
  25. Leo Gavio

    Como não gostar e não torcer pela Azarenka?

    Que tenista lutadora do carillo!!!

    Eu gostava muito da kim clijsters, da Na Li e da genial Martina Hings, mas é indiscutivel que a mais entusiasmante de se torcer é a Azarenka. E ela joga bonito demais, porque ela vai para as bolas decisivas de forma bem limpa, a Serenão não aguentou o tranco, a Victoria Azarenka (que tem esse nome peculiar, quase um oxímoro) me lembra muito o Novak com os ataques imparáveis nas paralelas.

    È favoritíssima pra final, conta com toda a minha torcida. Osaka é a tenista oxigênio: inodora, incolor, insípida, não consigo apreciar, e a coisa ficou ainda pior quando ela se revelou uma ativista desconectada da realidade, conectada apenas com narrativas.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Caríssimo Chatonik , digo Leo, realmente não entendes absolutamente nada de Tênis . A maneira de atacar de Vika em nada se assemelha a de Novak. Principalmente quando a bielorrussa busca as paralelas. Ao menos assista a Final . Sério não custa. Vai ver que esse teu favoritismo absoluto de Vika não existe . Jogo parelho pois Osaka está no mesmo nível. E esse teu preconceito antigo de “ Serenão “ , beira ao ridículo. Abs!

      Responder
  26. Sérgio Ribeiro

    E nada mais justo que a vitória da mamãe mais jovem. Ambas se conhecem muito , e apesar do retrospecto altamente negativo contra si , ela me sai de 1 x 6 , pra dominar as ações graças a um amplo repertório. E durante o atendimento de Serena, permaneceu com os olhos fechados concentrada o tempo todo. Fez por merecer. Mas a meu ver , Osaka leva um ligeiro favoritismo. Está jogando muito , e já parece uma veterana. Medvedev se queixou de desconforto no terceiro Set contra Rublev. A pre-temporada de Thiem foi bem melhor. Olho ! Abs!

    Responder
  27. Efraim Oliveira

    Dadas as condições de mobilidade da Serena atualmente, ao meu ver ela deveria poupar energia no primeiro set, pois acabou lutando por pontos não importantes e isso ajudou a cansá-la mais rápido e assim afetando sua capacidade de resposta. Já no quarto game eu tava pensando nisso.

    Você acha que ela errou na estratégia?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não achei a Serena tão cansada. Estava se mexendo bem até no terceiro set. A meu ver, ela passou a errar demais as devoluções na rede. Quando as coisas não saem bem, você precisa improvisar. Dar um passo para trás e ganhar tempo, colocar mais spin, diminuir a tentativa de definição do pontos etc. e tal. Então sim, acho que ela falhou na estratégia a partir da reação da Vika.

      Responder
    2. Sandro

      Eu acho que a Azarenka passou o trator por cima da Serena, e a Serena arranjou um kaô de contusão fake porque não tinha mais fôlego pra segurar o ritmo frenético da Azarenka…

      Responder
  28. Ciro Botelho dos Santos

    Dalcin, o que você pensa sobre os cartazes do BLM exibidos nas quadras? A ATP não estaria sendo imprudente ao permitir que a política se aproprie do espaço do esporte?

    Responder
  29. Thiago Silva

    Tava torcendo pra Serena porque é mais legal ver recordes sendo quebrados, mas já não acredito mais que ela vá conseguir quebrar esse recorde de slams, a não ser que ela perca muito peso no final desse ano e volte mais em forma na Austrália.
    Na final vou torcer pra Vika, gosto das duas, mas pelo que a bielorrussa sofreu nesses últimos anos pra conseguir jogar vai ser mais emocionante ela levantando o troféu.

    Responder
  30. Henrique Kira

    Dalcim, não sabia dessa situação do “abandono” de Murray na parceria. Foi algo unilateral? Não chegou a sair na mídia, mas se você tem alguma informação a mais, gostaria de saber. Forte abraço!

    Responder
  31. Barocos

    Grande jogo entre a Vika e a Serena. Confesso que fiquei muito preocupado no 1º set, a bielorrussa começou muito mal, mas já no final do set se apresentava um pouco melhor. O segundo foi ótimo, claro, para a Vika.

    Serena é uma excepcional jogadora, o forehand dela é devastador, mas sua mobilidade está muito prejudicada. Sinceramente, se ela quiser vencer um slam de novo, acredito que vai ter que se apresentar em melhor forma, acho mesmo notável que ela consiga chegar em algumas bolas no seu estado atual, isto só demonstra o quão privilegiada ela é fisicamente, e isto aos 38 anos, realmente, ela é incrível.

    No mais, muito felliz com a Vika, fisicamente ela está em ótima forma, melhor até do que em muitas outras fases de sua carreira brilhante, mas com a Osaka a batalha vai ser muito dura, diria até que a Osaka tem uma maior chance de vencer.

    Bem, vou continuar torcendo muito pela loirinha.

    Vika, Vika, grande Vika,
    Você já se chama Victória,
    E isto já é uma rima, então encontre solução,
    Vika, Vika, grande Vika,
    Te agradeço pela grande emoção.

    (OK, antes que comentem, admito que ficou muito infame esta adaptação de um trecho do “Poema de Sete Faces”)

    Vai Vika !! Vai Victória Fyódorovna Azárenka !!

    Responder
  32. Carlos Augusto

    Foi um jogo espetacular. Serena arrasou no primeiro set, e nem dá pra dizer que foi Vika que jogou mal. Parecia que a coisa caminhava para um duplo 6-1.

    Mas foi impressionante a garra e determinação de Azarenka para virar a partida. Passou dois sets inteiros com sangue nos olhos e se motivando o tempo todo. Em nenhum momento, perdendo ou ganhando, teve qualquer destempero! Isso sim que é atitude positiva para tentar ganhar um jogo que parecia não só perdido, mas que caminhava para uma derrota acachapante .

    Vajda deveria mostrar essa partida para Djokovic aprender o que é ter garra em quadra e entender que vontade de ganhar não se pode misturar com frustração e piti. Se bem que ele já viu inúmeras partidas de Nadal, e ainda não aprendeu…

    Responder
  33. Gume

    Bom dia mestre.
    A ATP tem um torneio “Finals” para a next gen. Para jogá-lo o tenista precisa ter, no máximo, 21 anos.
    Neste caso, considerando que o mais novo semifinalista tem 23,5 anos (Sverev), você acha que podemos creditar o título do usopen2020 à next gen?
    Abraços.

    Responder
  34. Filipe Fernandes

    Caros Dalcim e pessoal, bom dia!

    Mestre, grande conquista do Bruno Soares e seu parceiro, todo o contexto atribulado que ele precisou superar fora e dentro das quadras torna-a ainda mais gloriosa. Sobre a parca valorização dada às duplas no país, será que a parceria dele com o Melo nas Olimpíadas de Tóquio poderia mudar um pouco esse panorama?

    Penso que os dois, pelos resultados fantásticos alcançados nos últimos anos, pelo entrosamento esportivo e pela afinidade pessoal, terão uma chance única e enorme de trazer a medalha de ouro e, mesmo que ela não venha, atrair a atenção e, principalmente, o respeito do público nacional pela modalidade em duplas.

    ***

    Um pequeno comentário sobre o Belluci: tanto quanto possível, até quando ele acreditar ser viável (sobretudo emocionalmente, pelo seu brio), que ele possa ter perseverança para continuar a carreira.

    Um grande abraço, Dalcim, e parabéns pelos textos diários. Que todos possam estar bem.

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Caro Filipe, acho improvável a medalha de ouro através da dupla mineira de brasileiros.
      Sob o meu ponto de vista, a afinidade e a química de jogo entre eles, é o que realmente mais os atrapalham.
      Os dois apenas somaram grandes títulos jogando separados.

      Responder
      1. Filipe Fernandes

        Caro Luiz Fabriciano, oi.

        Sim, de fato (depois que publiquei este comentário, até li a resposta que o Dalcim havia deixado para o Rafael Azevedo evidenciando exatamente essa falta de química que você destaca). Caro, como eu soube que eles farão dupla nas Olimpíadas, imaginei que até lá poderiam afinar o entrosamento em quadra (até por morarem na mesma cidade e se conhecerem bem). Enfim, tomara que tenham êxito nesse aspecto.

        Pelo menos em um ponto são afinadíssimos: ambos são cruzeirenses, rs.

        Um grande abraço, caro Fabriciano.

        Responder
  35. Oswaldo E. Aranha

    Homenagem aos nossos tenistas mineiros.
    Qual é a origem da expressão UAI, que os mineiros tanto usam?
    UAI era a senha para os inconfidentes poderem entrar nos porões onde se realizavam as reuniões. E UAI significava: união – amizade – independência.

    Responder
  36. Vitor Hugo

    Dalcim, dá pra afirmar que Bruno Soares voleia melhor que Wawrinka, Thiem e Djokovic, que são voleadores medianos? Aliás o mineiro voleia melhor que Federer?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A maciça maioria dos duplistas têm de volear bem, alguns são excepcionais, como Leander Paes. Mas não dá para comparar um voleio parado junto à rede a um feito em transição.

      Responder
  37. Eduardo

    Tirando a gritaria em altos decibéis das duas jogadores, foi um jogaço. Aza mereceu. Muito agressiva, determinada e cabeça fria nos momentos crucias.

    Com relação ao Bruno, excelente notícia. O cara é fera mesmo, inconstestável.

    Dalcin, porque o Brasil revela tantos duplistas bastante competitivos e até números 1 do mundo (Marcelo e Bruno) mas é tão difícil de aparecer um jogador de simples que ao menos consiga se fixar próximo ao top 20/30?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bellucci ficou lá por vários anos, Eduardo. O circuito de simples é mais difícil. E existe a teoria que a dupla, como divide responsabilidades, é mais fácil de administrar na parte mental.

      Responder
  38. Rafael Azevedo

    Murray abandonou Bruno em 2019, mas os únicos títulos de Slam, em duplas masculinas, que ele consegui foram com o mineiro ao lado. Agora, ele viu Bruno vencer ao lado de outro parceiro…hehe.
    Dalcim, você citou que uma das razões para os nossos duplistas não serem valorizados aqui é o fato de não termos uma dupla estritamente nacional. Bruno e Melo já formaram uma dupla no circuito da ATP? Se não, porque você acha que eles nunca tentaram?
    Outra questão, em um ranking histórico, Bruno ou Melo estaria no seu top 10 de duplistas (contando só com duplistas exclusivos)?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eles tentaram sim, Rafael, mas não deu liga. Melo jogou um bom tempo com o André Sá também. Precisaria pensar com calma, mas acho que ainda não estariam no top 10.

      Responder
      1. Pieter

        Após o título do Bruno Soares; em relação ao ex-parceiro dele, o Murray, ocorreu-me o seguinte pensamento: “Quem ri por último, ri melhor. Always, baby!”
        Sorry, Jamie. Você que lute agora, quem manda…rs

        Responder
      2. Rafael Azevedo

        Não entendo porque não “dá liga”, se eles jogam tão bem nas Davis…
        Eu também acho que se fosse uma dupla exclusiva de brasileiros, teríamos um pouco mais de exposição/valorização na mídia.
        Mas, de todo jeito, eu considero como uma conquista do Brasil, e fiquei muito feliz, ontem.

        Responder
  39. Isac Ribeiro Martins

    Ao fim do primeiro set, já começava a imaginar que polêmicas poderiam surgir numa final entre Serena e Osaka, como foi em 2018.

    “Eu sou mãe e também defendo os negros e…”

    O que achei mais legal na Azarenka foi que manteve a concentração após a pausa para atendimento médico de Serena. Ela fez o que todo tenista precisa fazer numa situação dessas, ainda bem que conseguiu.

    Muito se desvaloriza o tênis feminino, mas no final, ingredientes que esperávamos ver no masculino aconteceram aos montes no feminino: Jogadoras que perderam mas jogando muito como o Brady ontem, a Iga Swiatek, comebacks de Azarenka e Pironkova, jogos de alto nível e de superação como este da Azarenka e uma final com confronto de duas gerações, entre a Azarenka e a Osaka.

    O masculino teve bons jogos, mas não com todos estes elementos que agigantam o tênis, concorda Dalcim?

    Responder
  40. periferia

    Dois Generais

    Na época do império romano…depois de vencer batalhas….o general que comandava as tropas era homenageado pelo povo romano.
    O general entrava sozinho na cidade em uma biga (as tropas romanas eram proibidas de entrar na cidade…apenas o comandante tinha o privilégio ).
    Percorria um longo caminha até o senado onde recebia uma bandeja prateada.
    Era aclamado pela população durante o percurso.
    Com o general na biga iam dois servos .
    O primeiro conduzia a biga.
    O segundo ficava agachado ao lado do general….tinha uma função interessante.

    O general voltando vitorioso de várias batalhas….aclamado pelo povo….sentindo-se invencível …poderia acreditar que não era necessário respeitar ninguém….ele seria o dono do mundo…quase um deus.
    O servo agachado…. a cada 50 metros repetia para o general:
    “Lembra-te que és mortal…vc não pode tudo”.

    Um general não ouviu o servo (até ele sabe que precisa ouvir)

    Outro general sempre ouviu o servo (ele é brasileiro … fez 44 anos ontem).

    Em um dia especial….um título especial…no torneio onde Maria Esther fez história.

    parabéns ao “menino” Bruno Soares e seu parceiro.

    Responder
    1. Barocos

      Bem-vindo de volta Periferia!

      Espero que a pescaria tenha sido bastante proveitosa e que as dicas de cinema continuem a ser publicadas.

      Saúde e paz.

      Responder
      1. periferia

        Olá Barocos.

        No começo sonhei com um salmão…..os dias foram passando….uma tilapia seria aceita…..mas no final a sardinha era meu destino (com limão e é um chopp não foi tão ruim).

        Grato….fique bem.

        Responder
    2. Filipe Fernandes

      Caro Periferia!

      Entro no Blog para ler o último texto do mestre, publico um comentário e, em seguida, me deparo com um seu: que alegria! Meu caro, é bom demais ver a sua volta, sua presença neste espaço. Que tudo possa estar bem aí com você e seus queridos, entre bons filmes e livros.

      Obs. não menos importante: caro Leme, se estiver lendo esse comentário, espero que esteja tudo bem com você e as pessoas queridas em seu entorno. Eu aprecio muito seus comentários também.

      Um grande abraço a vocês.

      Responder
    3. lEvI sIlvA

      Caríssimo, “peri”, (posso chamá -lo assim?!?) seja bem vindo!
      Senti falta de suas indagações constantes. Perguntar ou questionar, com educação claro, não ofende.
      Espero que tudo esteja bem por aí…
      Grande abraço!

      Responder
  41. Clever Eduardo Silva

    Seja qual for a vencedora, são duas narrativas muito bonitas, mas meu coração está com Naomi. Parabéns ao nosso Bruno, bravo guerreiro.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *