A hora chegou, Zverev
Por José Nilton Dalcim
9 de setembro de 2020 às 02:07

Pelo segundo Grand Slam consecutivo, Alexander Zverev está entre os quatro melhores. Seria já um tremendo resultado para qualquer jogador de 23 anos, mas sempre se cobrou mais do alemão. Afinal, ele coleciona títulos importantes e vitórias de peso desde 2017. Como esquecer uma campanha vitoriosa em que superou sucessivamente Roger Federer e Novak Djokovic em plena quadra dura?

Sascha sempre foi um tenista de saque poderoso e jogo ofensivo, teve excepcionais treinadores, mas nunca evoluiu como se esperava nos seus principais defeitos: o jogo de rede, a movimentação para a frente, a cabeça instável. Tirou um grande peso das costas ao fazer semi no Australian Open depois de uma campanha medíocre na ATP Cup, mas não pôde embalar pela paralisação da temporada.

O US Open portanto pode ser o marco definitivo. Muito mais do que a parte técnica em si – e ele mostrou mais confiança nos voleios e andou chegando em curtinhas sem esforço -, Zverev parece estar sofrendo menos em quadra. Ainda dá seus showzinhos, chora para a juíza de cadeira, gesticula para seu box em desespero. No entanto é fácil perceber que há maior serenidade nas suas feições. A expressão de desespero quase desapareceu. E isso talvez explique o sucesso.

Quando Borna Coric abriu 6/1 e 4/2, o velho Sascha teria provavelmente se perdido, atormentado pelas memórias ruins de três derrotas para o croata, o mesmo que o venceu numa semi juvenil desse US Open antes de ser campeão e o tirou na segunda rodada de 2017. Mas o Zverev de hoje não se rendeu. Procurou alternativas, foi mais consistentes em dois tiebreaks claramente nervosos e concretizou a virada. Sorriu ao sentar no banco.

Chegou a hora. Terá dois dias para achar o melhor caminho para barrar o jogo sólido de base do espanhol Pablo Carreño, a quem derrotou no único duelo, em Miami-2018. Ao menos, David Ferrer, seu auxiliar técnico de luxo, conhece muito bem o adversário. Ao contrário da maioria de seus compatriotas, Carreño tem historicamente melhor rendimento no sintético do que no saibro e mostrou como pode ser competitivo diante de grandes sacadores na maratona de quatro horas desta noite sobre Denis Shapovalov.

Não foi fácil. O espanhol viu um Shapovalov mais paciente na construção dos pontos e muito feliz nos voleios no set inicial, mas conseguiu equilibrar e ganhou dois tiebreaks onde foi bem superior. Mesmo vindo de jogos muito longos, Denis lutou bravamente, jamais deixou de forçar e levou para o quinto set. A determinação ofensiva foi quase sempre do inquieto canadense, que liderou nos winners (76 a 33) e nos erros (76 a 42). É fundamental observar que Carreño ganhou 10 dos 12 sets contra Shapovalov em quatro jogos na quadra dura, um deles nas oitavas do US Open de 2017, campanha que levaria Pablo à então única semi de Slam e ao top 10.

Osaka brilha, Brady sonha
O aproveitamento de primeiro saque foi o único senão na atuação soberba de Naomi Osaka, que a recoloca na semifinal do US Open. A campeã de 2018 ainda assim fez sete aces e colocou a bola para andar com assustadora precisão. Cometeu apenas oito erros, mesmo abusando da profundidade dos golpes. A adversária Shelby Rogers participou ativamente do divertido jogo, forçou o tempo todo e mostrou grande controle no forehand ofensivo, batido sempre na subida.

Na semi de quinta-feira, Osaka terá pela frente outra norte-americana de ranking mediano, mas Jennifer Brady, atual 41ª, já mostrou qualidades para merecer muitos cuidados. Não perdeu sets, cedeu apenas 24 dos 84 games que disputou. E essa trajetória inclui adversárias de diferentes idades e currículos, como Ceci Bellis, Caroline Garcia, Angelique Kerber e Yulia Putintseva.

É outro jogo com promessa de ser bem agradável, com as duas jogadoras buscando os pontos. Brady força da base e é firme na devolução, mas obviamente pode pesar o fato de disputar sua primeira semi desse quilate e ainda mais contra Osaka.

Soares vai em busca do sexto Slam
A quadra dura e especialmente o US Open combinam mesmo com Bruno Soares, O mineiro de 38 anos atinge sua quinta final em Flushing Meadows e a oitava num Grand Slam depois de outra grande partida ao lado do canhoto croata Mate Pavic.

Novamente, o ponto alto da dupla foram as devoluções, que permitiram duas quebras seguidas na reta final da partida diante dos experientes e super entrosados Julian Roger e Horia Tecau. Campeões também de Xangai no ano passado, eles serão favoritos diante da primeira aventura de sucesso do dueto formado por Nikola Mektic, outro croata, e o holandês Wesley Koolhof, jogo marcado para as 16h de quinta-feira.

Foi no US Open de quatro anos atrás onde Bruno ganhou seu último Slam, então ao lado de Jamie Murray, com quem também havia vencido o Australian Open daquela temporada. Ele ainda tem dois troféus de duplas mistas em Nova York e outro em Melbourne. A outra final em Nova York veio em 2013, ao lado de Alexander Peya. Ele tem ainda um vice de mistas em Wimbledon.

Não menos importante, o eventual título colocará Soares e Pavic como segundos colocados no ranking de parcerias de 2020, que vale vaga no Finals de Londres.

E mais
– Del Potro foi o último tenista com menos de 23 anos a vencer um Slam (tinha 20 no US Open-2009).
– Nenhum ‘trintão’ chegou nas quartas de um Slam pela primeira vez desde o AusOpen de 2015 e desde o US Open de 2010.
– Esta é apenas a segunda vez na Era Aberta em que não há um campeão de Slam nas quartas de um torneio, repetindo Wimbledon-2003.
– O campeão de domingo será o primeiro nascido na década de 1990. Isso depois de 63 troféus seguidos de oriundos da década de 1980.


Comentários
    1. Luiz Fabriciano

      Percebestes a que velocidade a bolinha anda?
      Tem saques, que de cá do sofá, não a vemos.
      Ainda sentes saudades daqueles jogos lentos, apesar de quadras “mais rápidas”?

      Antes que fales de mudança de equipamento etc, essa é a evolução natural em tudo. Não existia raquetes nem cordas como as de hoje porque não existia inteligência para tanto ainda.

      Responder
  1. Luiz Fernando

    Dalcim achei 2 mudanças no jogo do Thiem: mais variação dos golpes utilizando mais slices, os quais inclusive achei q evoluíram em qualidade, e um melhor jogo de rede, com bolas mais contundentes. Será q vi demais???

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele sempre usou bastante slice, Luiz, mas ele escolhe alguns momentos para exagerar e hoje foi o caso. Se você olhar a semi contra Djokovic em Roland Garros do ano passado, vai ver que ele fez exatamente isso. O que para mim mudou para muito melhor foi a transição do slice para o backhand fulminante na paralela. Ou seja, ele cruza longo e aí vai para o lado aberto. É uma combinação difícil e notável.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, estou assustado com a maneira que Thiem jogou as últimas partidas. A potência e precisão de seus golpes estão incríveis. Se jogar assim no saibro, vai ser duro segurar o rapaz.

      Responder
      1. Marcelo

        Eu fico impressionado como esres tenistas por períodos (Thiem, Tsitsipas, Sverev, Dimitrov e tantos outros) elevaram seus níveis e ainsa assim o BIG4 se manteve firme na ponta do ranking e nesse período ninguém conseguiu sequer passar uma semana no TOP2, além de termos pouquíssimos tenistas no TOP3 nos últimos 15 anos.

        Vamos ver quem será o primeiro a “beliscar” um TOP2. Dalcim, vc apostaria em um nome? Pergunto pois mesmo para o Thiem o caminho é longo.

        Responder
  2. Luiz Fernando

    Thiem venceu o set 2 com um grau de dificuldade um pouco maior, mas sem sustos. Se alguém disser q o ADM está jogando mal seria uma grande injustiça, mas o fato é q até o momento ele não mostrou jogo p encarar o austríaco, superior a ele em tudo…

    Responder
  3. Luiz Fernando

    A tarde após o segundo set vencido pelo Medvedev pensei: pintou o campeão. Exatamente o acabo de pensar após o primeiro set vencido pelo Thiem. Ambos jogando muito, embora o austríaco ainda precise vencer mais 2 sets p chegar a semi. Ose de fato pintar a semi q todos esperam, o vencedor será o principal favorito ao título…

    Responder
  4. Barocos

    Vika !!!

    Com todo o respeito que a Serene merece, estou torcendo para a final que não ocorreu em Cincinnati, Vika x Osaka e, claro, estou torcendo para uma grande partida com Victória Fyódorovna Azárenka sagrando-se vitoriosa! (perdoem o emprego do recurso sonoro e o pleonasmo, novamente, não pude resistir)

    Responder
  5. Sérgio Ribeiro

    E a Rainha , dada como mortinha , chegou a outra Semi de SLAM , alguns meses mais velha que o Craque no AOPEN 2020. Agora , pelo que estão jogando as outras Ex – N 1 , Vika e Osaka , somente um milagre pra sair o 24 . E Medved mostrou novamente que não se assusta com pancadaria. Olho ! Abs!

    Responder
  6. Gildokson

    No outro comentário o quão irônico seria se o Carreño fica com o título que “é pra ser” da next gen. E seria no mínimo inusitado também se o primeiro Slam do Thiem vem na quadra rápida do Us Open ao invés do ja tão previsto RG.

    Responder
    1. Sandro

      Na verdade acho que o Pablo Carreño Busta foi o único tenista capaz de tirar o título do US OPEN do Djokovic. O espanhol está jogando uma barbaridade!

      Responder
  7. Alex

    Mestre Dalcim,

    Ainda sobre a bolada. Me lembro de que no M1000 de Cinci alguém acertou um cinegrafista. Deu um bafafá danado, mas como o cara levou na boa, rolou uma advertência e o jogo seguiu. Achei errado. O tenista não deveria ter sido eliminado?
    Gde abraço, e parabéns por mais um post notável.

    Responder
  8. Paulo F.

    Rodrigo S. Cruz:
    ALGUNS torcedores do Djokovic fizeram aquela nojenta ameaça à árbitra americana.
    Assim como UM da da lamentável e torpe torcida federista daqui torceu pela apendicite do Nadal.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Paulo F,

      Vamos falar sério, agora?

      Posso numa boa aguentar toda divergência do mundo com você, por opiniões e por torcida.

      E nem tenho ranço de você.

      Mas se quer continuar fazendo “masturbação mental”, eu sugiro que procure um banheiro.

      Ver um idosa ser ameaçada de morte por um nolista, e botar isso na conta de um federista é coisa de lunático…

      Tenho mais o que fazer, né…

      Responder
  9. Lucas Duarte Parra

    Dalcim,nao sei se concorda…Mas nao lhe parece que Zverev esta jogando um tenis apenas normal para seu nivel?
    Acho que ele mais aproveitou um chava aberta(pode ir para final sem enfrentar um top 25) do que esta jogando um grande tenis…Ele alias perdeu set em 4 dos 5 jogos…Acho sinceramente que nesse nivel fica muito dificil ganhar do Thiem ou Medevedev.O que acha?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que ele conduziu bem seus jogos, Lucas. E mostrou progresso em alguns pontos que me agradaram muito. Com certeza, não será o favorito se for diante de Thiem ou Medvedev.Mas você sabia que o confronto direto do Zverev-Medvedev é de 5 a 1 para o alemão?

      Responder
  10. Lucas Duarte Parra

    Dalcim,pensando mais para frente em Roland Garros,voce acha que pode haver vantagem(ir longe no us open,melhor ritmo,confianca) ou desvantagem(pouco tempo de preparacao no saibro) para o Thiem,Zverev em comparacao com Tsitsipas,Djokovic e Nadal?…
    É uma questao interessante,porque o servio e o grego por exemplo ja devem estar treinando no saibro,e devem jogar roma tb,oq nao deve acontecer com thiem,zverev…

    Responder
  11. Vitor Hugo

    Kkkkkk Rublev ENTREGOU o 1 set e talvez o jogo! Duvido que ele consiga vencer 3 sets!
    E os pitis do cara! Kkkkk Só não são piores que do… deixa pra lá!

    Responder
    1. DANILO AFONSO

      Vitor, não fale mal do tenista que você considera o mais completo da história. Sabemos que no fundo você tem o maior respeito e admiração pelo The best of the best.

      Responder
  12. Renato Toniol

    Dalcim, uma pergunta:
    O Djokovic após a lambança que fez, se estivesse na chave de duplas, também seria eliminado, ou poderia seguir na disputa?

    Responder
  13. Gildokson

    Ja pensaram como seria irônico se logo no primeiro Grand Slam que não conta com os três monstros sagrados na reta final, o título ficasse com Carreño Busta em vez de Thiem, Medevedev, Zverev e Tsitsipas? kkkkkkkkkkk
    Mas acho que dessa vez o título não escapa de um desses que ficaram.

    Responder
    1. Sandro

      Pablo Carreño Busta está jogando um tênis de altíssimo nível, aliás, ele foi o único a fazer frente ao Djokovic nesse US Open. Acho que ele pode sim ser o campeão.

      Responder
  14. Maurício Luís *

    Boa tarde… Dalcim, tenho um questionamento. Já que tantos fãs do Djoko tem criticado a juíza alegando que ela exagerou na reação, e se a bola tivesse acertado o mesmo lugar e ela não tivesse esboçado qualquer reclamação? A punição seria a mesma?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que é uma pequena minoria dos torcedores de Djokovic que ainda não aceitam o óbvio, Maurício. Quanto a sua pergunta, não faria a menor diferença a reação da juíza de linha, nem que fosse somente de susto. A regra não estabelece o tamanho do dano. Não precisa sangrar para ser falta. diríamos no futebol.

      Responder
      1. Rafael Azevedo

        Mas, o árbitro do torneio disse que a eliminação só ocorreu porque a juíza se machucou.
        Ou seja, se tivesse batido no pescoço dela e ela tivesse feito um sinal de “tudo bem”, e continuado de pé, então ele não seria eliminado??

        Responder
          1. José Nilton Dalcim

            A regra não prevê gravidade. Há vários exemplos de lances que não machucaram, como o da Teliana ou do Meligeni, mas eles foram desclassificados.

      2. Maurício Luís *

        Conclusão óbvia: essa minoria de fanáticos que hostilizaram a juíza de linha, dizendo que ela exagerou e até a ameaçando de morte, o fizeram à toa. Djoko estaria eliminado de qualquer jeito.

        Responder
  15. Rafael Azevedo

    Dalcim, soube que, nas duplas, o título só valerá 1.000 pontos, por causa do número reduzido de duplas inscritas.
    É verdade isso?
    Você concorda com isso?
    É um GS ou um M1000???

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Pois é, um tanto estranho, mas foi aceito pelos jogadores. Importante lembrar que essa decisão é da ATP, e não do US Open, e portanto passa obrigatoriamente pelo Conselho dos Jogadores.

      Responder
  16. Pieter

    Dalcim, o que você acha melhor para o tênis, enquanto esporte e bussiness neste atípico US Open ( sem as três grandes estrelas do masculino e desfalcado das duas melhores do ranking feminino) : um jogador já estabelecido ganhar o torneio (tipo o Thiem, Medvedev, Zverev, Serena, Osaka ou Azarenka) ou acontecer uma grande zebra para sacudir as expectativas?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, no feminino acho que Serena seria mais importante, porque seu feito estaria em qualquer noticiário até mesmo não esportivo. No masculino, acho que repercutiria mais a vitória de um novato, mas a rigor nenhum deles é realmente carismático.

      Responder
  17. Nattan Lobatto

    Boa tarde, srs!

    Esse Usopen não cansa de nos surpreender! Só falta o Carreño Busta sagra-se campeão rsrs…

    Que JOGAÇO do Borna Coric (como joga esse garoto), contra o consolidado alemão, fiquei triste pelo resultado, porém, o Sasha tem mais uma oportunidade de quebrar o tabu alemão que já perdura por 24 anos.

    Acredito que o melhor jogo dessa competição seria entre Thiem x Djokovic, como isso não pode mais rolar nessa edição do aberto norte americano, torço para que Daniil Medvedev (The machine) x Thiem (The Shot) seja repleto de lances geniais, ralis e entrega dentro de quadra. A conferir…

    Abs

    Responder
  18. Gume

    Bom dia mestre.
    Todos os finalistas masculinos tem histórico tanto de grandes jogos como de capivaradas. Acho o título totalmente aberto.
    Se for por dinheiro, vou de Medvedev.

    Abraços a todos.

    Responder
  19. Jmsa

    Dalcim,por tudo que eu vi tanto no masculino quanto no feminino,eu apostaria minhas fichas na Osaka e no Medvedev,e você aposta em alguém ou é cedo ?
    O Shapovalov seria equivalente a Madison meus no feminino ?muita potência nos golpes,mas pouca frieza e paciência nos pontos ?
    Excelente texto como sempre

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Concordo plenamente com você, Jorge. São mesmo os mais cotados. Shapovalov até se conteve bem mais ontem, fez excepcionais voleios. Faltou pouco. E não podemos tirar os méritos do Carreño, que mudou a postura no quinto set e ficou mais ofensivo.

      Responder
  20. Mário Cesar Rodrigues

    Pqp dizer que o Canadense perdeu o jogo para si mesmo pqp o Espanhol jogou muito no p set deu uma bobeira e perdeu.Mas o Shapopalov as pessoas precisam enxergar que joga na forca5da bola e arrisca winerr demais pegou o Vista QUE sabe ler muito o saque e um comentarista dizendo que a bola do Espanhol nao machucada o Canadense eta cada passada vai ver Challanger.

    Responder
  21. Paulo Almeida

    Eu não descarto o Zverev campeão do US Open de jeito nenhum. Já tinha feito um jogaço contra o Thiem no Australian Open e tem retrospecto bem favorável contra o Medvedev.

    Shapovalov e Aliassime devem incomodar cada vez mais depois de seus ótimos desempenhos no torneio. Foi uma pena o primeiro não ter avançado, mas parabéns ao Busta pela luta até o fim com muitas dores.

    Responder
  22. Rodrigo S. Cruz

    Não gosto do tênis do Pablo Carreno.

    Mas eu assisti a partida ontem, e uma coisa eu tenho que admitir:

    o cara é um jogador inteligente, que derrotou com méritos um adversário MUITO BURRO.

    A bola do canadense é melhor e ele tem mais recursos.

    Só que quando inventa de tentar apressar o jogo, ele começa a fazer um monte de merda…

    Há também de se louvar alguns belos lances de contra-ataque do Carreno.

    Vitória merecida, mas acho que ele não avança até a final…

    Responder
  23. Marcos

    Se a outra SF for Thiem e Medvedev, não tem como colocar asterisco no campeão. Busta nao era favorito, mas tirou o n. 1.
    Dúvida: Nole pode perder os pontos do USOPEN19 no atual sistema de contagem da Atp? Alguma chance de isso acontecer? Na minha opinião, deveria perder 19 e 20.

    Responder
  24. Leo Gavio

    Eu cantei a pedra, Busta vai ser campeão, os jogadores atuais sofrem com jogadores que poem tudo na quadra.

    Busta, Minaur e Rublev pra mim são os favoritos, muita gente forcando em zverev, Thiem e Medvedev. Desses ultimos 3 só o Medvedev aquenta maratonas.

    Eu ainda acredito que os tidos como azarões são os favoritos. Se coloca a bola na quadra, incomoda demais. Só Djoko e Nadal sabem lidar com jogadores regulares.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Bem meu caríssimo, Léo Gavião. Desta vez emprestou o Nick pra quem ? rs. Busta entregou foi o Quarto Set com direito a Pneu . Sabia que Shapovalov vinha de uma Maratona e ele não tinha jogado nem um Set inteiro contra o Sérvio . Como diz o P. Almeida o amigo é um “ sábio “ kkkkkkkkkk Abs!

      Responder
    2. Marcelo

      Tua opinião é a “tua opinião”. As partidas só serão definidas dentro das quatro linhas (ou fora, se alguém mais acertar o juiz de linha), mas a grande maioria em peso tem uma opinião bem diferente sobre o favoritismo deste torneio.

      Responder
  25. Luiz Fernando

    Minha lista de maiores candidatos ao titulo em ordem decrescente: Thiem, Medvedev, Zverev. Não consigo ver outros levando o caneco, mas neste USO tudo pode acontecer…

    Responder
  26. Juninho Fonseca

    Dalcim…vc concorda que o circuito de duplas da atp eh mal aproveitado??….se os torneios tivessem mais tp de duração….os tops se interrsseiam por jogar as duplas,oq consequentemente aumentaria o interesse por essa modalidade, fazendo girar mais dinheiro para o circuito de duplas, aumentando assim o interesse dos expectadores para ver essa partida…
    Imagina uma final de slam com Federer e Nadal de um lado x Murray e Djocovick do outro!!!..quem não pararia para assistir???

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Há prós e contras, como tudo na vida, Juninho. Em Slam, os grandes não se arriscam ao desgaste da dupla para poupar físico, que pode ser muito necessário nas rodadas decisivas. Nos Masters, eles costumam jogar mais – e até recebem um cachê para isso -, porém ao mesmo tempo tiram espaço dos duplistas de fato, o que gera algumas críticas.

      Responder
  27. Sérgio Ribeiro

    Quem diria que o mesmo Zé Zverev , aquele que assim como GUGA , precisou bater Federer e Novak no mesmo FINALS 2017 ( o Manezinho foi Sampras e Agassi ) , seria o primeiro Semi Finalista do USOPEN 2020 e podendo colocar a Next Gen na FINAL . E seu oponente, ridicularizado pelos sabichões , atinge pela SEGUNDA vez a chance de ser FINALISTA . A primeira em 2017 , tínhamos o Big 3 completo presente. Ou seja , sem choro. E do outro lado ainda temos Di Menor , Rublev, Dominic e Medvedev. Os Trintões ficaram pelo caminho. Já passou da hora de sacanear a nova geração, pois esta irá fazer muito mais que a geração perdida . Aquela que somente apanhou do Big Three rsrsrs Abs!

    Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          E como o Sr. comenta sem assistir , opta em rir feito uma hiena rsrsrs . Ao menos comprovou que estava totalmente equivocado no seu Post sobre o estilo de De Minaur ? “ É outro que bate muito forte na bolinha como Thiem “ . Deve ter ouvido falar na Whats que estava completamente equivocado kkkkkkkkkkkkkkkk Abs!

          Responder
  28. Marcílio Aguiar

    O Medevev e Thiem devem vencer, mas espero que os seus adversários exijam mais deles que os anteriores. O Zverev parece mais solto, entretanto não terá vida fácil com o espanhol, que não é nada espetacular, mas é muito consistente e demonstra tranquilidade em qualquer situação de aperto. A Serena está jogando com o coração e a força de sua história. Não duvido que chegue à final.
    Quanto ás duplas, só assisti a metade do segundo set e nesse período o jogo foi ótimo. Belas devoluções de ambas as duplas e o Pavic extraordinário na rede.

    Responder
  29. Rafael Azevedo

    Muita gente falando que o Shapovalov jogou muito mais do que o Busta.
    Eu até concordo que o Canadense jogou mais tenis, no geral. Variou mais, sacou mais, voleiou mais, foi mais intenso…
    Mas, temos que exaltar as “passadas” do espanhol. Quase que perfeitas! Nesse quesito, o espanhol foi superior ao canadense.

    Responder
  30. Vitor Hugo

    Setenta e seis a tinta e três em winners me lembra aquela final de wb/19, em que um jogador passava a bola pro outro lado e o outro atacava. Assim como ontem o tênis covarde venceu, mas não convenceu. Vitórias assim maculam a história do esporte.

    Eu gosto do estilo de jogo do canadense. Potência nos golpes, plasticidade.
    Pena que o robô passador de bolas venceu.

    Responder
    1. Marcelo

      O mérito destes dois jogadores na minha opinião (Djoko, Medvedev) é não terem praticamente nenhum ponto fraco. Não parecem espetaculares a primeira vista pois não há nenhum golpe se sobressai (daí a expressão “medianos” : – D ), no entanto, são fortalezas e raramente demonstram qualquer fraqueza nem vulnerabilidade no seu jogo : – D

      Responder
  31. Vitor Hugo

    Uma observação: Zverev ganhou as duas finais de masters que jogou contra Djokovic. Uma em Roma e a outra no masters finals. Ou seja, o sérvio é freguês do alemão em jogos importantes e disputas de títulos, o que o torna o brinquedinho favorito da next gen.
    Só para lembrar que Novak tbm foi derrotado por Caixa9 em final no masters de Paris. É o tenista que mais perdeu finais de masters para a next gen.

    Responder
    1. Vitor Hugo

      Federer perdeu duas finais de masters pra next gen, uma para Zverev e outra pra Thiem.
      Mas estava com as costas lesionada quando perdeu pro alemão. Mal conseguia sacar.
      E em ambas as finais o suíço estava com mais de 35 anos.
      Normal ter uma desvantagens no h2h pro Thiem, já que Roger está próximo do final da carreira e o austríaco chegando ao auge.

      Responder
    2. José Nilton Dalcim

      Puxa, Vitor, você poderia esquecer um pouco do Djokovic, não? Há vários outros jogadores em ação que merecem entrar na pauta. Abs!

      Responder
      1. Vitor Hugo

        Na verdade, mestre, o assunto do post é o Zverev, então eu quis lembrar a todos que o alemão não é esse amarelão que alguns costumam dizer, pois venceu duas finais de masters contra Novak e uma contra Federer.
        Mas ok, vou tentar falar de quem permanece no torneio.

        Responder
  32. Rafael Azevedo

    Gabi e Luiz Fernando,
    sei que vocês, como torcedores dos Celtics, odeiam os Lakers e estão torcendo para o Barba nessa semi-final da conferência oeste, mas uma final de NBA entre Celtics e Lakers seria fantástico, não? Reeditando uma das maiores rivalidades da NBA (se não, a maior), e ainda com um nome de peso no confronto (Lebron James).
    Me perdoem, mas estou torcendo muito por isso! Seria épico!

    Responder
  33. Rafael Azevedo

    Esse lado da chave está muito louco.
    A aguardada semi entre Djokovi x Tsitsipas deu lugar a Busta x Zverev (mas, poderia ter sido Busta x Coric ou Shapovalov x Coric)…
    Claro que eu acredito que o Djokovic estaria aí, se não fosse a eliminação, mas todos esses que eu citei acima estão jogando muito bem. Eu gostei muito das partidas de ontem. Um bom nível de tênis. Digno de quartas de final de um Slam.

    Responder
  34. PAULÃO

    Hahaha.
    Gosto do ZVEREV. Mas isso tá muito mais com cara de uma torcida ou desejo de confirmação de análises prévias “furadaças” sobre ele do que uma análise fria. Tudo até aqui aponta que o campeão saia de THIEM x MEDVEDVEV. Marmanjo chamando tenista por apelidinho (“Sascha”, é isso?) também é um pouco constrangedor, não é, não?! 😀

    Responder
      1. Bruno

        Dalcim ,
        Acho que vc deveria revelar esse fake
        Aposto que é um torcedor do milongueiro ainda ressentido com as verdades que vc escreveu aqui.
        Até desconfio de quem seja pelo tipo de escrita ,falando sobre macho.

        Responder
    1. Marcelo Morais

      Paulão…Machão…podia ter dormido sem esta.
      Se você ler o blog diariamente, verá o nível das analises e a imparcialidade do Dalcim.

      Responder
    2. Paulo F.

      Quanta ignorância, Sascha é um diminutivo tão natural para o nome Alexander no IDIOMA RUSSO quanto é Tião para Sebastião no NOSSO idioma.
      Será que soa afetadamente TIÃO para os russos também?
      Pelamordedeus…

      Responder
  35. Rafael Azevedo

    Vamos Brunoooooooooooo!!!!

    Agora, tenho que reconhecer…
    O Bruno tem feito umas jogadas espetaculares, mas o Pavic tá jogando o fino da bola. Consistente e firme do início ao fim dos jogos. Belo duplista, esse croata.

    Responder
  36. Miguel BsB

    Então, temos o Zverev tb como candidato, como não…
    Um cara que já teve Ferrero, Lendl e Becker como treinadores, e conseguiu se desentender com todos.
    Grandíssimo jogadores, ex número 1, que poderiam melhorar e muito aspectos negativos do seu jogo, os quais o Dalcim elencou, e ele não soube tirar proveito.
    Quem melhor pra te ensinar o que é ter força mental ,cabeça fria e auto controle do que Ivan Lendl?
    Quem melhor pra te ensinar subidas e jogo de rede, voleios, do que Boris Becker?
    Quem melhor pra te ensinar o que é nunca entregar o jogo, jamais desistir, do que Juan Carlos Ferrero?
    Veremos se o novo Sasha consegue realmente ser o primeiro “next gen” campeão de Slam, já que ele foi o primeiro deles a despontar de vez vencendo grandes títulos como masters e finals.

    Responder
  37. Flávio

    Excelente análise mestre Calvin, e vamos ter um campeão inédito na chave masculina, cara eu não sei até onde o Busta vai chegar mas ele está lutando como um gladiador na arena e ficarei feliz se ele chegar pelo menos na final, agora o Shapovalov que tem um grande futuro perdeu uma grande oportunidade porque jogou mais que o Busta e deixou escapar à vitoria, por isso ficou irritado,então concorda mestre? Abraços!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Concordo plenamente, Flávio. O espanhol teve muitos problemas físicos nos últimos anos, perdeu vários meses em cada temporada. Mas é guerreiro. Tem feito também uma carreira cada vez melhor nas duplas. O canadense faz coisas espetaculares, é muito gostoso de vê-lo jogar. Agora, precisa parar de gritar tanto (e parece que palavrões em russo… rsrs).

      Responder
      1. Flávio

        É isso aí mestre Dalcim e vamos ter um campeão inédito na chave masculina, e não me leve a mal mas eu acho o tênis feminino muito chato e fraco,e não é por preconceito é porque acho um nível muito cansativo e limitado delas, óbvio que nós não podemos comparar o nível de disputa, mas independente disso o nível do feminino não me agrada tanto é que a Serena sobra em conquistas comparada as suas adversárias bom é apenas a minha opinião, ok mestre Dalsin, e espere que tu não fique bravo comigo.Kkk Bom é isso e espero que Deus te dê muita saúde e força no seu trabalho para podermos acompanhar os seus coerentes e imparciais comentários. Abraço verdadeiro de um mineiro.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Acho que o tênis feminino bem divertido, Flávio. É muito mais próximo do que nós, amadores, jogamos (ou tentamos jogar) do que o masculino.

          Responder
  38. Yan Almeida

    Dalcim, estou errado demais ou vc tbm concorda que Shapovalov perdeu o jogo pra si mesmo? Tive a impressão que a bola do espanhol não machucou o canadense em momento nenhum e que com um pouco mais de paciência nos games de saque o resultado seria uma vitória em sets direto pro nextgen. Não vi variação nenhuma do espanhol durante o jogo para incomodar o canadense. Creio que por conhecer o freguês, ele se limitou à mesma estratégia de sempre e venceu mesmo assim, mas eu fico com a sensação que ele mesmo sabe que no dia que o Denis usar um pouco mais do cérebro, o Pablo não vai ter mais nenhuma vitória no confronto.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, de certa forma concordo com você. O Shapovalov adotou uma postura mais cautelosa nos primeiros sets e investiu no jogo de rede, onde aliás foi brilhante. Mas aos poucos a ansiedade bateu e vieram os erros. Poderia (e deveria) ter vencido por 3 a 0. Carreño teve grandes méritos de aguentar a pancadaria lá de trás e foi muito oportuno quando começou a apostar nas paralelas.

      Responder
      1. Sandro

        Na verdade o Kyrgios é um tremendo de um invejoso!
        O Kyrgios tem extrema inveja do Pablo Carreño Busta, mas acontece que o Busta já chegou a 2 semifinais do US OPEN… E o Kyrgios? Nenhuma! O feto é que o Kyrgios passou bem longe de uma semifinal de US OPEN, isso sim!!!

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *