Coração e pernas
Por José Nilton Dalcim
2 de setembro de 2020 às 01:02

Muitos acham uma autêntica crueldade submeter os tenistas de hoje a melhor de cinco sets, ainda mais no clima de Nova York, mas todos sabemos que isso leva o tênis masculino a um outro universo. O que aconteceu nestes dois dias de primeira rodada, no entanto, está para lá de peculiar.

Já foram sete viradas de dois sets atrás, quatro delas nesta terça-feira, com protagonistas do nível de Andy Murray, Marin Cilic e Karen Khachanov. Gigantesco esforço tão cedo num Slam geralmente é sinal de vida curta. Estes no entanto são tempos estranhos.

Por tudo que o envolve nesta nova tentativa de retorno, a luta do escocês foi um pouco mais especial, sem falar que ele ainda estava uma quebra atrás no começo do terceiro set diante do canhoto Yoshihito Nishioka, cheio de más intenções. Ele teve até um match-point, evitado com toda a coragem pelo ex-número 1, ainda no quarto set.

Vamos a um resumo de acordo com a chave:

Thiem não empolga – Principal nome na parte inferior da chave, o austríaco jogou um primeiro set em que forçou tudo, subiu muito à rede mas teve também vários erros não forçados. Ao menos, foram apenas dois sets até Jaume Munar desistir. Pega o indiano Sumit Nagal e pode cruzar Marin Cilic, um dos que virou de 0-2 hoje. Isso pode recuperar sua confiança

No quadrante superior, estão três nomes de peso: Felix Aliassime, que tem favoritismo contra o cansaço de Murray, e o habilidoso Daniel Evans. Nada me surpreenderia, ainda que coloque Evans como maior candidato.

Monteiro e Wild – Apesar da derrota, os brasileiros chamaram a atenção. Monteiro fez um jogo extremamente equilibrado contra Aliassime – cada um marcou exatos 147 pontos – e poderia ter vencido tanto o terceiro como o quarto sets ou até mesmo o jogo. Elogiáveis sua consistência num piso tão veloz, a postura agressiva e a garra, como já havia mostrado na Austrália.

Wild por sua vez demorou demais para se soltar e o estilo tão variado e pouco previsível de Evans não ajuda nada. Mas o paranaense, estreante em Slam, se soltou no terceiro set e fez grandes lances. Destaque para a velocidade das pernas e a clara evolução do jogo de rede.

Bautista x Raonic – Dois grandes destaques do Masters da semana passada, os dois tendem a se cruzar já na terceira rodada e isso pode valer um lugar nas quartas de final mais adiante. Os adversários mais perigosos são Karen Khachanov e Alex de Minaur, além de Richard Gasquet. Porém não me parece que algum deles tenha condições de barrar no momento Raonic ou Bautista em condições normais.

Medvedev inspirado – De volta ao palco em que brilhou tanto em 2019, o russo tem um caminho privilegiado se mantiver o nível desta estreia contra Federico Delbonis. É bem verdade que Grigor Dimitrov deu um belo espetáculo contra Tommy Paul, porém é difícil confiar na sua estabilidade emocional. Seria no entanto um belo nome para desafiar o poder defensivo de Daniil.

Nova geração – Praticamente só há jovens, alguns bem promissores, neste setor da chave. A começar por Andrey Rublev, que vai encarar Gregoire Berrere. Já Casper Ruud protagonizou grande virada e faz interessante duelo nórdico com Emil Ruusuvuori. Quem passar, terá Matteo Berrettini ou Ugo Umbert. E o melhor de tudo: difícil fazer prognósticos, ainda que o italiano tenha a valiosa experiência de uma semi no torneio em 2019.

Velhas heroínas
A rodada feminina viu pouco trabalho para as principais favoritas, com atenção natural sobre Serena Williams, que fez um primeiro set pouco convincente mas não precisou alongar demais sua partida. Embora esteja um tanto distante daquele domínio costumeiro, é de se esperar que ela avance sem sustos até reencontrar Maria Sakkari ou a adolescente Amanda Anisimova.

Tricampeã do torneio e tentando outro retorno ao circuito, Kim Clijsters esteve perto de tirar a cabeça 21 Ekaterina Alexandrova, mas vacilou e depois não suportou o ritmo. Ainda tem jogo, mas faltam pernas. Outra vencedora, Venus Williams fez uma despedida sem brilho, ainda que Karolina Muchova tenha qualidades.

Duas vezes finalista, Victoria Azarenka vem do título no sábado e é a mais embalada das velhas heroínas. Economizou energia para encarar Aryna Sabalenka, o que pode ser o melhor jogo de quinta-feira. Mas vale ficar de olho no promissor encontro das jovens Sofia Kenin e Leylah Fernandez.


Comentários
    1. Luiz Fernando

      De fato, nós e a galera do Djoko devemos muitas conquistas e vitórias a ele, como esquece-lo kkkkkkkk????

  1. Wagner

    Boa noite Dalcim
    Você acha que Stefani pode chegar numa semi final? Vi a entrevista do técnico que colocar ela ano que vem no top 10 você acha possível?

    1. José Nilton Dalcim

      Acho possível, sim. Ela está jogando bem, confiante. Seu jogo de rede sempre foi bom e funciona muito na dupla. Talvez possa ainda devolver um pouco melhor, algo que treinos ajudarão muito.

      1. PIETER

        Eu ficaria muito surpreso se, um dia, a Stefani não vier a ganhar um Slam. Talvez não ainda neste ano mas ela é uma séria candidata a esse feito, sem dúvida. E, como bem falou o Dalcim, ainda pode evoluir em seu jogo. Há de nos dar muitas alegrias…

  2. Miguel BsB

    Sérgio, já que você fez a aposta da música, vou escolher uma dos Beatles que você tanto gosta…
    Em homenagem ao Wild, Don’t Let Me Down…

    1. Sérgio Ribeiro

      Valeu , Miguel . Até porque essa está na lista das melhores do genial John Lennon . E afinal nosso brazuca perdeu para um encardido britânico rs . De qualquer maneira tô pronto pra outra . ABS

  3. Bruno Marcedo

    Eu só tenho uma torcida: Murray campeão do USOpen 2020! Seria esplêndido!
    Um sonho, mas sonhar não custa nada!

  4. Vitor Hugo

    Camila Giorgi. Uma graça! Quem estiver interessado em admirar outros atributos além do jogo dela em si… Vale a pena!

  5. Paulo Almeida

    Bom teste para o Djoko.

    Edmund jogou tudo o que podia no primeiro set, com um belo forehand, mas faltou estâmina depois. Parece que o rei do tênis no auge dos seus 33 anos continua com uma condição física invejável, aniquilando pela enésima vez a teoria tenebrosa de que tenista depois dos 30 vira um coitado nas mãos dos rivais.

    1. Sérgio Ribeiro

      Outra bobagem. Você sabia que André Agassi era o mais velho N 1 aos 33 . E alguém veio lhe tirar o recorde aos 36. .. kkkkkkkkkkkkkkkk Abs!

  6. DANILO AFONSO

    É impressionate a quantidade de Winners de Devolução do DJOKOVIC nestes últimos 10 dias.

    É muito reflexo para quem já tem seus 33 anos.

  7. Lucas Duarte Parra

    Dalcim,vendo alguns jogos,principalmente do Tsitsipas,Medvedev e Djokovic,podemos falar que estao bem proximos ao tenis pre-pandemia?Ja se pode afirmar que o nivel do tenis em geral ja esta quase na sua normalidade?

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que tecnicamente todos voltaram rapidamente a seu melhor, Lucas. A dúvida é quanto ao físico e ao ritmo de jogo. E nesse aspecto Djokovic me parece à frente de todo mundo.

  8. Marcelo Calmon

    Realmente uma pena aquele smash desperdiçado pelo Monteiro no SP do 4º set. Escolheu mal, a quadra tava toda aberta pra direita dele. Acho que foi o melhor jogo que vi do Monteiro, apesar que os 2 variaram muito pouco e ficaram na pancadaria quase o tempo todo.
    Falta melhorar o jogo de rede.
    Soares e Stefani salvaram os brasileiros. Falta o Demoliner estrear,
    Péssima atuação do Melo, chegou a fazer 4 DP no mesmo game !!!
    Garin quase vira de novo, saiu de 0 x 2 fez 2 x 2, mas acabou perdendo o 5º set.

    Não consegui achar o resultado do jogo da Bia na 2ª rodada de Portugal, aliás nem da G.Cé. Você sabe como elas fora ?

    abs

  9. Fabio Hegg

    Dalcim, embora eu achasse que o Wild pudesse ter feito mais, acho que o que mais falta pra ele neste momento é volume de jogo em nível ATP e GS, não acha?

    Acho que ao longo que ele for fazendo mais jogos deste nível, ele vai passar a se sentir mais a vontade neste tipo de jogo?

    Abraços,

    1. José Nilton Dalcim

      Concordo com você, Fábio. Jogar nesse nível tão alto é bem diferente e exige adaptações de todos os tipos. Foi também o primeiro jogo dele em melhor de cinco sets, tudo ainda é aprendizado.

  10. Gabi

    Hj à noite teremos Chris Paul x James Harden valendo a vida na NBA!! E mais, quem vencer pega Lebron James e Anthony Davis na semifinal…

  11. Heitor

    Mladenovic falando que quer a liberdade de volta. Que se sente como uma prisioneira.

    Essa daí não cansa de ser ridícula mesmo

  12. Luiz Fernando

    Edmund após surpreender no set1 está jogando como uma estatua no set2, movimentando-se mal. Ou ja viu a vaca no brejo neste set (perde de 52) e está se poupando para o próximo ou seu fisico caiu. Fico mais com a segunda hipótese…

  13. joao

    têm uns que dizem que o nadal se dopa porque sua muito
    vao falar o mesmo do kyle edmund, que, alem de trocar os tenis ensopados, chega a perder peso durante as partidas?

  14. Daniel

    Fico feliz que o jogo de hoje a noite será do Tsitsipas e não do Djokovic. Muito mais interessante ver o grego jogar, é um repertório de golpes muito maior do que o jogo unidimensional (porém eficiente) do sérvio. Falando nele, vai pegar mais um tenista das gerações mais novas que não vingaram (eee vida fácil!), mas não custa nada sonhar que o tal de Edmund entre em quadra endiabrado e mande o DjoCovid19 de volta para Sérvia rs. Vale a torcida…se até gente como Istomin e Chung conseguiram…rsrs

    1. Paulo Almeida

      É, sua secada não surtiu nenhum efeito. Tente na próxima.

      Repertório do Tsitsipas é saque, forehand, voleio e só. Tomou uma aula do sérvio em Paris e em Dubai.

  15. Pieter

    Assisti há pouco ao set final da vitória da Kerber sobre uma compatriota e lembrei-me que ela já foi número um do mundo, além de ter vencido 3 GS diferentes, e com autoridade!
    Dalcim, achas que ela, aos 32 anos, ainda pode vencer mais um? Gosto de vê-la jogar: sabe defender-se muito bem, é inteligente na tática e como corre, desloca-se muito nem na quadra. O que lhe falta em potência, sobra em estratégia…

    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Pieter, não apostaria meus parcos dólares nela, mas no circuito feminino tudo é possível. Uma primeira grande semana, ganha confiança, algumas favoritas caem… e lá estaria ela numa rodada decisiva.

  16. Paulo Almeida

    Esse Slam está com um nível altíssimo, muito superior àquela época horrorosa de meados dos anos 2000 recheada de bagres bisonhos. Será um título peso pesado para o vencedor, que espero que seja DjokoGOAT, rei de Melbourne, Londres (Wimbledon e Finals), Miami, Indian Wells, Shanghai, Paris-Bercy e tantos outros lugares.

    E também está provado que Frauderer não faz nenhuma falta no torneio, que aliás só ganhou em cima de Hewitt bicicleta, Agassi de fraldão, American Clown, Djokovic feto e Murray feto. Desempenho pavoroso, só título risível!

    1. Gildokson

      Esse comentário só passou por causa da política justa e democrática do Dalcim, pq vamo combinar… esse foi dos teus piores kkkkkkkkk
      É pra se arrepender de saber ler kkkkkkkkkk

      1. Paulo Almeida

        Você está enganado. Foi um excelente comentário.

        Duro mesmo é ter que ler que o GUAT é rei de Melbourne, sendo que toma 4×0 em semifinais do rei absolutíssimo da Austrália. Aliás, curiosamente só conseguiu fazer seu mísero game de honra dos 12×1 justamente na maior surra que levou por lá, ocorrida em 2016 com aquele 6-1 e 6-2 nos dois primeiros sets.

        Abraços.

    2. DANILO AFONSO

      Eita o grupo voltou ao normal…kkkk

      PAULO ALMEIDA e VITOR HUGO voltaram com tudo nos posicionamento extremistas enaltecendo seus ídolos e refutando os feitos dos “ídolos adversários”…kkkk

      Os dois estavam batendo um bolão dias atrás com discursos mais racionais e moderados.

      Vamos mandar os dois novamente para o consultou do nobre RAFAEL.

      SAUDAÇÕES TENÍSTICAS !!

      1. Sérgio Ribeiro

        Pera aí , Bruno . O Piloto somente ligou o turbo máximo novamente depois da saída do Rodrigo rs . O trio parada dura que parece combinar o que posta pela Whats , ainda teve o reforço do Chatonik . Aí até excelentes membros da Kombi se desesperam kkkkkkkkkk Abs!

  17. Heitor

    Dalcim, qual 5º set você acha mais justo?

    AO – tiebreak com melhor de 10.
    WB – set longo até 12/12 e depois tiebreak
    RG – set longo
    US Open – tiebreak normal

  18. Vitor Hugo

    Dalcim, não sei se vc concorda, mas Evans parece ter um dos melhores slices do circuito, próximo ou igual ao nível do Federer.
    Aliás quais são os melhores slices do circuito na sua opinião.

    1. José Nilton Dalcim

      É bem natural que tenistas com backhand de uma mão e que optem por jogar mais na rede tenham um slice efetivo, Vítor. Seria estranho se não fosse assim. Porque o ideal é você deixar a bola bem baixa quando se aproxima da rede, obrigando o adversário a erguer a tentativa de passada. Sem dúvida, o slice do Evans é muito bom, assim como o de Dimitrov. Mas eu sempre gosto de lembrar dois jogadores de backhand de duas mãos que fazem uma ótima variação para o slice: Nadal e Murray.

  19. Joaquim Saraiva

    Pelo que percebi, ao Wild faltou ritmo de jogo e, principalmente, “cancha”. Mas que fique a lição para os próximos torneios: se quiser ter chance nesse nível, é preciso segurar os nervos desde o início.

  20. Paulo F.

    Melbourne reino do Federer?
    Onde deu ao Nadal o seu ÚNICO Australian Open?
    Não fosse o seu Pato Suíço e Nadal talvez não teria todos os GS!

  21. Jonas

    O Thiem deve estar com algum problema mais sério. Ele não costuma jogar dessa forma e é bom lembrar que perdeu de forma bizonha para o Krajinovic. Já o Medvedev atropelou, foi um jogo treino.

    1. Miguel BsB

      Pois é…não falaram nada de problema físico e covid não pode ser, já que estão na bolha, ou semi bolha, sendo testados direto…
      Será que essa quadra rápida tá dificultando tanto pra ele?

      1. Sérgio Ribeiro

        Acho que sim , Miguel . Até porque está indo a rede de maneira Kamikaze . No fundo acredito que está é louco pra ir defender a FiNAL de RG . E se cair cedo ainda pode jogar em Casa que começa na segunda como preparatório. Que eu me lembre a ATP permitiu que quem caísse precoce poderia participar… A conferir Abs!

  22. Marcelo

    Acho ótimo ver alguns torneios de 5 sets no calendário, porque no meu entendimento, ele separa os homens dos meninos e reduz muito o fator “sorte” na decisão de uma partida. E que bom poder assistir ao tênis novamente, mesmo que eu tenha que aturar a nova geração de fãs do sérvio, que parecem aleluias
    batendo cabeça nas lâmpadas.

    : – D

  23. Vitor Hugo

    Luis Fabriciano,

    Quando eu disse que Melbourne é um dos reinos do suíço, analiso o contexto todo. Federer é o segundo maior vencedor do slam, é o que mais disputou finais, venceu tanto antes quanto depois da padronização no slam australiano e, por último, é o tenista mais querido entre os australianos, tipo 80%. Falo isso por experiência própria, pois morei 1 ano em Melbourne(cidade fria do c… ) e um ano em Sydney(que saudades….) tbm!
    Quem gosta de tênis na Austrália ama o suíço! E os australianos amam o esporte. Nunca vi tantas quadras de tênis por mt quadrado como no país oceânico.

    1. Pieter

      Que sorte a sua, ter tido a oportunidade de morar 2 anos naquele paraíso que é a Austrália. E, como mero turista, também achei Sydney mais interessante que Melbourne.
      E deu para perceber como os australianos apreciam esportes e vida ao ar livre. Altíssimo nível de vida eles têm lá.

      1. Vitor Hugo

        Sem dúvidas foi uma experiência maravilhosa. Pra quem curte praia, esportes e mulheres bonitas … Lá é o lugar!

    2. Luiz Fabriciano

      Beleza Vitor.
      Me causaria alegria poder ao menos passear pela Austrália, fico feliz com sua realização.
      Mas pelos seus critérios, Djokovic pode considerar seu reinado estendido à Londres e à Nova York também.

      1. Vitor Hugo

        Não. Uma porque Novak não é o maior vencedor tanto em Londres quanto New York. Duas porque ele perder de lavada tanto para Federer quanto pra Nadal nas duas cidades.

    3. Paulo Almeida

      Parabéns por finalmente revelar quem você é, Luis Henrique!

      Não precisa mais ficar mudando de nick toda hora.

      Abraços.

        1. Paulo Almeida

          Não precisa me ameaçar, pois não fiz o mesmo. E muito menos te hackeei: você que deu um mole danado e apenas somei dois e dois.

          Na verdade isso não muda muita coisa. Só acho curioso você postar com seu perfil original do Facebook nas notícias e ter ficado anos e anos com o personagem de múltiplos nicks por aqui.

    4. Sérgio Ribeiro

      Como é que ele pode ser o mais querido na Austrália ( pensam que só Rod Laver gosta dele ) , se o parceiro a que você se refere diz que o Suíço é o Rei da Empáfia . Pode isso Vitor ? kkkkkkkkkkk Abs!

  24. Rafael Azevedo

    Eu imaginava que o Monteiro teria mais chances do que o Wild (comentei isso quando saiu a chave do USOpen). O Evans está em um momento melhor do que o Aliassime.

    Sobre o Murray, o que dizer? O cara é um exemplo!

  25. Rafael Azevedo

    O jogo de Monteiro pareceu um repeteco do AOpen. Jogou de igual para igual com um cabeça-de-chave, disputou 3 tie-breaks, venceu 1 set e teve set points em outros 2. Apesar de ser um feito notável, acho que isso revela um problema: a cabeça.
    Parece que, no fim, vem aquele pensamento à mente: “Já fiz muito. Mesmo se eu perder, vão me elogiar…”. Então, nesse momento, se aceita a derrota. É difícil combater os pensamentos, mas se Monteiro quiser ser um cabeça de chave de um GS um dia, ele não pode titubiar nos pontos decisivos. Tem que pensar que a obrigação é vencer! Não importa o ranking e o prestígio do outro atleta.

    De toda forma, meus parabéns ao brasileiro. Torci muito, carregando a minha filhinha de 26 dias no braço, como havia a muito tempo não fazia, no tênis.
    Que falta faz um brasileiro disputando partidas emocionantes, nos principais torneios de tênis.

  26. Vitor Hugo

    Sem dúvidas Medvedev é o tenista que melhor troca a bola de direção, se defende bem, mas pela altura que tem acho um pouco lento, o que prejudica um pouco. Falta um pouco mais de variação no seu jg tbm.
    Se chegar a final do torneio, tem ótimas chances de levar o caneco, pois, provavelmente, ou vai enfrentar um oponente debutando em final de slam, ou um looser no u.s open que poderá ser tetraderrotado no palco principal do slam americano.

  27. Marcílio Aguiar

    Ontem consegui ver os ultimo sets do Monteiro e do Wild. Foi uma pena o Monteiro errar o smash que lhe daria a vitoria no quanto set. Fizeram um bom papel. Á noite consegui ver os passeios de Dimitrov e Medvedev. Torço para que o búlgaro avance às rodadas finais. Seu tênis é de encher os olhos, pena que não tenha a confiabilidade de um fora-de-série. Seria muito bom assistir um Dimitrov x Medevedv nas oitavas.

  28. Lucas Leite

    Dalcim, nessa primeira rodada vimos vitórias de várias jogadoras experientes e que inclusive já são mães, além das protagonistas Serena e Azarenka, temos a volta às vitórias de jogadoras como Bondarenko, Pironkova, Govortsova e Tig. Será que as “mamães veteranas” vão surpreender?

    1. José Nilton Dalcim

      Bem observado, Lucas. Para ser sincero, acho que Vika é quem está em melhor momento, mas é muito bom ver a retomada das carreiras de todas elas. Pironkova sempre jogou muito bem em pisos mais velozes.

  29. Lucas Leite

    Parabéns pelo ótimo texto Dalcim.

    Na estreia nesse US Open, os jogadores que perderam menos games foram Tsitsipas (4), Djokovic (6), Medvedev (7), Raonic (8) e Dimitrov (8). Você acha que está entre esses o campeão?

  30. Emerson

    Dalcim, falar da garra do Murray é chover no molhado. Por isso estou interessado é no porque desse jogo ter sido tão sofrido. Nishioka que jogou muito bem ou o Murray que não conseguiu jogar em alto nivel

    1. José Nilton Dalcim

      Murray começou mal e Nishioka usou uma tática muito inteligente, alternando bolas sem peso com ataques repentinos. Ele é canhoto, você sabe, e isso costuma atrapalhar. Acho que Murray reagiu mais por coração e cabeça do que com jogo, ainda que tenha enfim adotado uma postura mais ofensiva e ido com maior frequência à rede. Ele voleia com muita qualidade e devia explorar sempre isso. Claro que no final o jogo ficou totalmente mental e Nishioka se perdeu um pouco.

        1. José Nilton Dalcim

          Tecnicamente, ele possui um nível tão alto. Mas falta confiança, ritmo e um pouco de pernas ainda.

Comentários fechados.