Duro de matar
Por José Nilton Dalcim
29 de agosto de 2020 às 20:10

Ele não dormiu bem à noite, fez um primeiro set travadíssimo em que levou sonoros 1/6, mas o número 1 do mundo se chama Novak Djokovic e é preciso mais, muito mais para derrotá-lo. Invicto a 23 jogos na temporada, arrancou a segunda virada seguida, outra vez saindo atrás no terceiro set, e fez história. Como é duro matar esse gigante.

Milos Raonic teve sua chance de enfim acabar com o incômodo tabu, já que somava 10 derrotas ao entrar em quadra. Aproveitou-se do saque instável do sérvio, estava feliz nas bolas ofensivas e deu a impressão de que havia chegado seu dia quando tirou o segundo set do sérvio no longo histórico de confrontos.

Pouco a pouco, Djokovic achou o ritmo. Começou a sacar melhor, simplificando pontos, e isso mexe positivamente com a confiança de qualquer um. No seu caso, as devoluções passaram a infernizar o adversário, a consistência da base aumentou. Raonic perdeu ao mesmo tempo a precisão do forehand, reflexo da pressão.

Um vacilo importante de Nole deu então a grande oportunidade. Raonic quebrou e sacou para 3/0 no terceiro set. Não venceu um único ponto com o poderoso saque. Ficou perdido. Passou a fazer escolhas ruins e Djokovic voltou a quebrar, vibrando a cada grande jogada. Mesmo avariado no físico – no game final, não colocou primeiro saque na quadra e precisou salvar break-point -, a força mental fez toda a diferença.

Único tenista a ganhar cada Masters ao menos duas vezes, ele agora é dono de 80 títulos e 35 Masters. Reforça ainda mais seu favoritismo para o US Open, na busca pelo 18º Slam, e mais do que nunca o maior adversário parece ser seu próprio corpo.

Título sem jogo
Outra vez Naomi Osaka foi manchete, novamente por não entrar em quadra. Porém, o motivo para desistir da final do Premier de Cincinnati foi uma contusão na coxa, que apareceu no final do jogo de sexta-feira.

Uma pena. De qualquer forma, Victoria Azarenka pôde comemorar seu primeiro título em quatro anos e o 21º da carreira depois de uma semana de atuações convincentes.

Aos 31 anos, voltará ao top 30 nesta segunda-feira e entrará solta na chave do US Open, podendo fazer estragos. Deve encarar Aryna Sabalenka na segunda rodada e está no setor de Johanna Konta, a quem acabou de superar.

Bastidores quentes
Bem mais incompreensível foi colocar Djoko para estrear no US Open logo na segunda-feira, ainda que na rodada noturna. Seria mais compreensível se houvesse público e interesse na venda de ingressos, mas não é o caso. Teria sido uma pequena retaliação pela anunciada nossa associação dos tenistas que ele comanda?

O sábado não trouxe grandes detalhes sobre os ideais dessa nova entidade, batizada de Professional Tennis Players Associaton (PTPA), mas Djokovic apressou-se a dizer que não se trata de uma associação paralela, sem intenção de criar um calendário diferente ou idealizar boicotes a torneios. Estaria mais para um novo Conselho de Jogadores com maior independência para lutar por suas reivindicações. O grupo, tem John Isner e recebeu apoio de Milos Raonic, bate de frente com o atual presidente Andrea Gaudenzi.

Mas logo de cara a iniciativa de Djoko não teve adesão de três nomes fundamentais: Rafael Nadal opinou que não é hora de divisões em sua conta no Twitter e tal postura foi corroborada por Roger Federer. Já Andy Murray afirmou que vai avaliar a ideia, mas que o novo sindicato teria de ter também as mulheres para ganhar real força.


Comentários
  1. Aurélio Passos

    Acho que deverias evitar expressões negativas tipo ” como é duro MATAR esse gigante, mesmo seno claramente metafórico… enfim, só uma opinião.

  2. Geraldo Junior

    Muito se fala sobre a índole do Novak. De que ele seria mau caráter. Mas antes de falarmos dele, falemos de Guga. Acho que tanto brasileiros como estrangeiros são unânimes em afirmar que Guga eh um exemplo de honestidade, de boa pessoa, de uma pessoa virtuosa. Pois bem, dito isso, dos três do Big 3, com quem Guga melhor se da? De quem ele realmente eh amigo? Do Nadal, do Federer? Não! Ele eh amigo de Nole. Aliás, diria que Nole tem muito mais amigos no circuito (masculino e feminino) do Nadal e Federer juntos. Por isso, custo a acreditar que essa pessoa q eh bem quista pelo Guga e por diversos jogadores seja realmente uma pessoa ruim. Me desculpem, mas a realidade mostra exatamente o contrário.

  3. MARCELO NEVES MURER

    Djokovic o maior

    Federer o melhor

    Nadal o segundo maior e segundo melhor rsrs

    Maior = Feitos

    Melhor = Mais legal de ver jogar

  4. Rafael

    Na esteira dos fatos que sucederam o Adria Tour, houve a última tentativa em pressionar para que Djokovic abandonasse o posto de Presidente do Conselho de Jogadores.

    Todas as tentativas falharam, e cada derrota foi mais constrangedora do que a anterior. Tudo começou em 2016…

    Um novo Conselho de Jogadores acabava de ser eleito; os dois irmãos Murray e Djokovic estavam entre os novos membros. Simon Briggs (jornalista que odeia Djokovic) e seus pares fizeram forte campanha para que Andy Murray fosse eleito Presidente. Houve várias matérias sobre as qualidades de estadista de Murray, seu apego à ética e seriedade, suas maneiras de embaixador…

    Sem resultado. Djokovic foi eleito Presidente do Conselho. Essa foi a primeira derrota deles. Tão certos estavam que venceriam, Ben “Rotten” berg (outro jornalista que não vai com Djokovic) já tinha uma matéria “pronta” com Murray, a qual acabou soltando de qualquer forma. Após isso, houve uma matéria furiosa, chamando os jogadores de estúpidos e em desespero porque jornalistas não podiam votar (!). Mas foi isso. Depois do chilique, o silêncio. Nem mesmo a página oficial da ATP fez menção ao novo Presidente.

    Foi estranho. O “establishment” do tênis comportava-se como se o Novak Slam não tivesse acontecido e como se o Conselho não tivesse um Presidente. E continuou assim até Janeiro de 2018.

    Foi aí que Novak apareceu na Reunião dos Jogadores na Austrália com advogado. Novak queria formar um Sindicato de Jogadores, para proteger os direitos dos mesmos e melhorar suas condições de trabalho. Aí caiu a casa. Briggs e seus colegas fizeram com que Jonathan Liew escrevesse uma matéria xenofóbica desmerecendo Novak e chamando-o de “Novembro Vermelho” O establishment juntava suas tropas.

    Mas Novak manteve sua posição.

    Uma nova campanha para acabar com a reputação de Novak se iniciou… mas não conseguiu a adesão de jogadores. Eles estavam unidos com Novak. Outra campanha que foi por água abaixo.

    Mas eles tinham razão para otimismo: Novak estava lesionado. Briggs e seus colegas se ocuparam em reescrever a história. Eles colocaram Novak como uma nota de rodapé na Grande Narrativa do Fedal. Wimbledon 2018 se aproximava, e seria a apoteose.

    E foi. Para Novak e seus torcedores.

    E Novak continuou a trabalhar nos bastidores, não apenas na quadra. Recuperou o No. 1 e começou uma “limpeza” no Conselho de Jogadores. Essencialmente, os jogadores queriam representantes que ficassem ao seu lado, não do lado da administração, em suas negociações com a administração.

    1. Rafael

      Eles se livraram de Rasheed e, depois, de Kermode.

      E foi aí que a m* bateu no ventilador.

      Briggs e seus colegas puseram as mãos na massa. Eles tinham muitas regalias a defender e não iriam desistir assim. Tentaram de tudo, mas falharam. Tentaram usar Gimmelstob contra Novak, “culpado por associação”. Não deu certo.

      Eles tinham um dedo duro no Conselho, que contava a Briggs o que estava sendo discutido para que eles pudessem distorcer.

      Wawrinka permitiu que Briggs e seus camaradas usassem seu nome para escrever uma carta ao The Times, fingindo que era a voz dos jogadores. Nada.

      Novak teve uma discussão com Rothenberg e acabou com ele de tal forma que ele implorou para que Novak deixasse seus colegas fazerem perguntas. Nole disse não.

      Em desespero, eles tentaram um golpe, mas foi uma tentativa frustrada: eles não tinham o número de pessoas necessário. Foi AÍ que eles tiveram o que acharam que era sua grande ideia. Conseguiram convencer Roger e Rafa a juntarem-se ao conselho, em substituição a um par de jogadores que tinha saído. Agora sim eles estavam otimistas.

      A ordem seria restaurada. O conselho iria mudar completamente!

      Isso foi há pouco mais de um ano. O que o Fedal fez? NADA.

      A missão deles era trazer Kermode de volta. Não conseguiram.

      O Fedal teve ZERO efeito no conselho.

      Mas aconteceu o Adria Tour e Briggs e seus colegas não podiam crer em sua sorte. Após meses de matérias positivas na imprensa para Novak, uma vez que ele foi o jogador que mais doou e para mais países durante o auge da pandemia, ele tomou uma decisão muito ruim, em sua avidez por organizar um torneio em sua região.

      Depois de tantas derrotas, os jornalistas contrários a Novak não iriam deixar barato, e desceram a lenha. Seu legado foi destruído, tinham que lhe tirar seus slams, ele era praticamente um assassino …Foi feio. Começamos a ouvir gente dizer que ele tinha que renunciar, ele tinha causado mal ao esporte.

      Alguns jogadores aderiram. Muito poucos. Os de sempre. E aí algo aconteceu.

      Eles queriam destruir a reputação de Novak , mas tudo que conseguiram foi mostrar ao mundo quem eles eram… e muitos não gostaram do que viram.

      Os profissionais começaram a ficar do lado de Novak: Oliver Brown (Telegraph), provavelmente mais relevante que qualquer membro da “família Briggs”, referiu-se a eles como uma “confederação de hipócritas”.

      Steve Flink, Annabel Croft, Matts Wilander, Boris Becker, Ubaldo, Moratoglou e muitos, muitos outros, pediram uma abordagem mais branda.

      E aí vieram os jogadores : Gasquet, Simon, Mahut, Tsonga, Herbert, Guga, Feña González, Schwartzman, Thiem, Zverev, os espanhóis, americanos, italianos, canadenses…

      Tantos jogadores apoiaram Novak pelo que ele fez por eles. Exceto alguns ingleses.

      1. Rafael

        Mas eles não se pronunciaram sobre Atlanta nem criticaram Tiafoe por jogar 2 dias mesmo com sintomas. Esse foi um grande erro. Vocês podem imaginar o escândalo que seria se Novak tivesse jogado 2 dias com sintomas?

        Briggs e seus amigos mostraram sua hipocrisia, seus padrões duplos e sua animosidade contra Novak, mas, mesmo assim, eles não apenas NÃO conseguiram fazer Novak renunciar, como provocaram a maior demonstração de apoio internacional que Novak tinha visto em muito tempo. De profissionais do esporte e colegas.

        Os jogadores estão mostrando que vem e entendem o que acontece na mídia. E que eles não aprovam.

        Fonte: twitter. Daí pra frente, estamos vendo o que está acontecendo.

        1. Luiz Fabriciano

          Prezado Rafael, se tem uma coisa admirável para mim, é a inteligência alheia.
          A minha gira em torno do comum, mas a sua está bem acima.
          Da mesma forma admiro a desse tenista sérvio que a demonstra tanto dentro quanto fora das quadras. Aqui mesmo no blog sugeriram que ele se afastasse do conselho dos jogadores, ou seja, o cara é eleito para representar uma categoria e na primeira crise, deve fugir?
          Torço muito que ele continue a angariar conquistas dentro e fora das quatro linhas.
          Se muitas dizem que Novak não faz nada por ninguém, mas basta que apenas um diga que ele fez algo grandioso, já está valendo.

          1. Gabi

            Concordo, inteligência é uma das características mais admiráveis em uma pessoa!! E como ela a utiliza tb…
            Mas nao seja modesto, vc tb é. E muito!!

            Muitos parabéns pelo teu Djoko!!
            Perfeição: substantivo feminino
            Excelência, algo ou alguém que não erra, sem defeitos.

            Ou podemos substituir pura e simplesmente por: Novak Djokovic.
            rsrs

        2. Barocos

          Rafael,

          Antes de tudo, obrigado pelo levantamento detalhado dos bastidores do tênis, confesso que não tenho lá muita paciência para destrinchar o que ocorre em negociações deste tipo.

          Torço muito pelo Djokovic, de tudo que li sobre ele, com já expressei algumas vezes aqui, fica a impressão de ser um sujeito de bom coração, bem-intencionado e disposto a se sacrificar para que a vida de outras pessoas melhorem. Tem, na minha concepção, lá os seus defeitos, é mais um ser humano meio místico (sou mais um cientificamente orientado), mas qual de nós não os têm?

          Aqui, neste canto da web, que como não podia deixar de ser, é um espelho do que acontece em espaços mais amplos, temos assistido aos mais estapafúrdios embates com argumentos construídos em pouco mais do que opiniões insubstanciais e/ou preconcepções. Sem o menor pudor, alguns partem para o J’accuse, um comportamento considerado aceitável por muitos, mas, infelizmente, esquecem que para exercê-lo é necessário embasamento, sem estes são apenas libelos.

          Seria muito bom para todos que os ânimos fossem apaziguados e a guerra de argumentos radicalizados, minorada.

          Vida longa e próspera. Sei que merece.

          1. Gabi

            Barocos, muito bom mesmo o levantamento que o Rafael fez.
            Nada como algo contextualizado para a gente entender o que é que está acontecendo.
            Muitos parabéns pelo teu Djoko, E por todos os teus comentários!!

        3. Rosa Maria Bernardi

          Prezado Rafael, também faço esse acompanhanento/rastreamento de fatos/notícias sobre Djokovic, mas não cheguei nem perto de seu levantamento e de sua análise consequente e inteligente. Obrigada pela abrangência e qualidade de sua pesquisa.
          Acompanho também as notícias em torno da vida pessoal e familiar de Djokovic e o que se observa é que, difentemente da maioria, ele e sua família tem uma nítida filosofia de vida. O comum é vê-los com os filhos em programas culturais ( visitas a museus, referências a livros, etc, são muitos os exemplos divulgados), programas voltados para a natureza, belos passeios em lugares de beleza ímpar pelo mundo, passeios esses, que sua condição de cidadãos do mundo lhes favorecem e sabem aproveitar (sim, eles abraçam árvores e ensinam os filhos a fazê-lo).
          Sabidamente é um cara religioso no discurso e na prática com várias ações nesse sentido documentadas. Seu ritual de agradecimento após vencer jogos inicia com a raquete erguida ao céu em agradecimento de fé para depois agradecer aos acompanhantes do tênis com corações. Tem definições sobre alimentação, e sobre várias questões polêmicas como vacinas e etc, que rendem críticas infindáveis. Não sou pessoalmente partidária com muitas das suas escolhas de vida, com algumas de suas posições sobre vários temas, como as vacinas, por exemplo. Mas não é preciso partilhar ou concordar. O que há para se admirar é o fato de que Djokovic não é um ser humano superficial, é um homem de escolhas de vida, de convicções que expressa sem temor das críticas e de retaliações. Aí está ele a colocar -se em novo turbilhão defendendo suas convicções nessa tentativa de criar uma Associação que congregue os jogadores do tênis profissional. Desnecessário, não fossem sua integridade pessoal e que certamente seria/é desaconselhado por marketeiros de imagem. Haaa…mas e o Adria Tour? Uma bela intenção, concretizada com o apoio das autoridades e com as normas para funcionamento aceitas. Erros: a confiança (dele e das autoridades responsáveis) no controle local da pandemia, o afrouxamento precoce de normas de proteção, a euforia com o sucesso inicial e as festas que, com razão, foram criticadas. Enfim, penso que no mundo do tênis é raro atletas como Djokovic que se posicionam. O comum, pelo que se observa, são imagens cuidadosamente empresariadas nas quais não se cogita a presença de qualquer assunto controverso que possa trazer o atleta para o centro de qualquer polêmica. Djokvic paga o preço no presente, mas acho que o distanciamento histórico lhe fará justiça.

    2. RUBENS GAVETTI

      obrigado pelo esclarecimento dos fatos.
      essa estória me faz lembrar muito nossos jornalistas aqui do Brasil compostos por globo, veja, folha de sp e uol, kkkk
      o nível de jornalistas esta cada vez pior no mundo inteiro, pessoas íntegras esta cada vez mais raro no mundo infelismente.

  5. DANILO AFONSO

    PERIFERIA, não abandone o blog por causa do seu incidente com um dos leitores aqui do blog. Eu vi a resposta deselegante dele.

    Não podemos perder aqui no blog um participante diferenciado como você.

    Ignore as postagens desse leitor e continue interagindo com quem for do seu agrado. Você abandonando o blog, estará encorajando e dando mais terreno para o “opositor” propagar o discurso que você considera reprovável.

  6. Mário Cesar Rodrigues

    O que acho engraçado é que Agut foi roubado e Raonic pecou em 3 bolas claro não tira o mérito do Djokovic mas essa treta que arrumou logo com Nadal kkkkk Kyrgios já tá chamando o Nole de babaca minha nossa e Rafa aguarda todos em RG.abs

  7. Miguel BsB

    Djoko é um monstro do tênis! A cada semana vai se colocando definitivamente na briga de maior da história.
    Valorizo tb sua corajosa iniciativa de criar uma associação de jogadores paralela à ATP. Ele tá se arriscando a sofrer sanções e retaliações de instituições e torneios muito grandes e poderosos, mas botou a cara a tapa. Poderia ficar só recolhendo seus milhões e suas glórias, mas resolveu fazer algo de concreto pelo esporte e pelos menos privilegiados…
    Nunca vi Nadal e Federer se envolvendo ativamente e peitando os poderosos. Normalmente, ficam em cima do muro e evitam ao máximo meter-se em polêmicas e bolas divididas.

    1. Luiz Fabriciano

      Então…
      sabemos o quanto instituições, associações etc adoram ídolos que colhem títulos, fazem discursos politicamente corretos, riem para tudo e todos e não contestam seus princípios, sejam eles quais forem.
      Imagine a dor de cabeça de dirigentes quando um ícone do esporte, altamente vencedor dentro do jogo, começa a não querer colaborar…

  8. Gabi

    Vamos ser obrigados a criar uma palavra nova para definir Novak Djokovic. As que nós temos não dão mais conta do recado.

    1. Luiz Fernando

      E pra definir o Tatum, esse rapaz é um fenômeno, que escolha precisa do Danny Ainge, Celtics incrivelmente bem no momento. Gabi, por mais incrível q pareça, estamos na parada…

      1. Gabi

        Rsrs Verdade!! Muito fenômeno!!
        Devo admitir que a defesa do Boston tem sido uma grata surpresa e responsável direta por resultados como esse.

        Obrigada por queimar minha língua, Celtics.

  9. Barocos

    Estou muito feliz com o título da Vika, sempre gostei dela como jogadora e depois de todos os problemas extra quadra que ela teve, passei a gostar ainda mais. Poderia ter sido em quadra, não foi, paciência.

  10. Paulo F.

    Repararam que outra tentativa de desqualificação ao tênis do sérvio também ruiu?
    A horda caprina sempre alegou que as conquistas no piso duro do sérvio se davam por conta da atual lentidão dos pisos duros por conta de padronização.
    Como então ele ganhou seu segundo Cincinnati, já que foi noticiado que o piso em NY estava até 30% mais rápido?
    Essas federetes…

  11. Maurício Luís *

    “Paire testa positivo para covid a 1 dia do US Open”
    Sem ter nenhuma bola de cristal, acertei ao prever que haveria anticlímax nesse US Open. E olha que nem começou ainda. E espero que não, mas pode muito bem acontecer de alguém testar positivo pra covid nas semis ou até mesmo na final.
    Mas torço pra que corra tudo bem, porque o esporte afasta os jovens de caminhos sem volta, como as drogas.

  12. JAN DIAS

    Fugindo um pouco do tênis: a NIKE encerrou o contrato com o NEYMAR anteontem… O referido contrato prometia vários bonus 💰 ao “craque” dependendo do(s) títulos e prêmio(s) que ele ganhasse… Demorou muito pra eles perceberem que esse cara é um enganador fake..kk 😅

  13. DANILO AFONSO

    O título de ontem adicionou 640 pontos (já descontado 360) no ranking que serão preciosos e fundamentais na luta do sérvio por outros dois recordes grandiosos:

    – o tão aguardado recorde de Semanas na Liderança do ranking;
    – e igualar a marca do mito Sampras que terminou SEIS temporadas como número 1.

    Caso alcance mais estes dois recordes, acredito que DJOKOVIC atrairá mais e mais especialistas e torcedores favoráveis em considerá-lo o maior tenista da história antes mesmo de aproximar mais ou igualar o recorde de Slam, pois o sérvio construiu suas marcas impressionantes coabitando com outras duas lendas, Federer e Nadal, o primeiro como sabemos especialista na grama e dura e o segundo quase invencível no barro.

    Saudações Nolistas !!!

    1. Barocos

      Grande Danilo !!

      Para mim a procura pelo GOAT já terminou, justamente de uma maneira que muito me agrada, sem que nenhum dos integrantes do Big3 possa assim ser chamado ou, por outra, com cada um deles merecendo o título, bastando para isto escolher os critérios de preferências pessoais.

      Torço muito pelo Djokovic, por vários motivos, e desejo sinceramente que ele conquiste todos os grandes títulos e recordes, principalmente o ouro olímpico, a única e última grande glória que lhe falta.

      Saúde e paz.

      1. Filipe Fernandes

        Caro Barocos,

        Dentre vários aspectos admiráveis que percebo em sua pessoa, um dos que sempre me chama bastante atenção é o seu notório respeito aos outros tenistas que compõem (ou não) o Big 3, sem que, com isso, a sua torcida cativa e afetuosa pelo Djokovic precise necessariamente diminuir. Eu acho isso muito, muito nobre da sua parte. Essa sua característica me faz recordar daquela série de artigos maravilhosos que o sr. Marcos Bulcao teve a gentileza de publicar neste ano no site TênisBrasil, compilando os feitos singulares das trajetórias incríveis dos três gigantes do tênis (e ainda do Sampras e do Borg, se a minha memória estiver certa) e, assim, deixando uma boa centelha para se pensar (por diversos ângulos) neste título de GOAT.

        E me faz lembrar também de um relato muito singelo que o romancista israelense Amós Oz escreveu em um ensaio do seu livro “Como Curar um Fanático: Israel e Palestina: Entre o Certo e o Certo” (2016). Relendo algumas passagens deste livro por esses dias, me deparei novamente com esta aqui, a qual — tal como evidente em suas palavras, Barocos — guarda uma sabedoria que não se restringe a uma realidade (até mesmo para aqueles que, como é o meu caso, não cultivam sentimentos religiosos):

        “Há muitos anos, quando eu ainda era criança, minha sábia avó me explicou em palavras simples a diferença entre um judeu e um cristão — não entre um judeu e um muçulmano, mas entre um judeu e um cristão: ‘Veja só’, ela me disse, ‘os cristãos acreditam que o Messias já esteve uma vez aqui e certamente voltará um dia. Os judeus afirmam que o Messias está ainda por vir. Por causa disso, houve tanta raiva, perseguição, derramamento de sangue, ódio… Por quê?’. Ela disse: ‘Por que cada um não pode simplesmente esperar para ver? Se o Messias chegar dizendo: *Olá, é um prazer revê-los*, os judeus vão ter de admitir e reconhecer o fato. Se, por outro lado, o Messias chegar dizendo: *Como vão, é um prazer conhecê-los*, todo o mundo cristão terá de se desculpar com os judeus. Entre o agora e o então’, disse minha erudita avó, ‘simplesmente viva e deixe viver’. Ela era definitivamente imune ao fanatismo. Sabia o segredo de viver em situações em aberto, com conflitos não resolvidos, com a alteridade de outras pessoas.”

        Um grande abraço, caro Barocos, e que a sua semana venha acompanhada de bons momentos.

  14. Heitor

    É dose aguentar alguns cronistas esportivos jogando a culpa das falhas dos jogadores de futebol no horário da partidas. Qual o problema de jogar às 11h?

  15. periferia

    Olá
    Era 1996…..sempre gostei de acompanhar a Mostra Internacional de Cinema (adoro cinema).
    Naquele tempo não existia uma forma de acompanhar a cinetografia de países distantes.
    Países como o Irã (que tem filmes maravilhosos)…Russia (baseados em grandes autores da literatura)…e outros.
    Sempre levava comigo para assistir os filmes …..fichas….onde anotava particularidades dos filmes.
    Era necessario….uma vez que não teria outra aportunidade de ver novamente determinado filme (Eles não eram lançados no circuito comercial).
    Escolhi um filme sérvio naquele….entre centenas de filmes.
    O filme se chamava Bela Aldeia, Bela Chama (Lepa Sera Lepo Gore) de um cineasta sérvio de nome Srdan Dragojevic….um filme comum.
    Leon Cakoff(organizador da mostra)sempre que possível colol.ava um documentario antes dos filmes que tivesse relação com o país de origem.
    Foi apresentado um documentário baseado no livro de um escritor croata de nome Josip Tomasevich…um documentário com imagens da segunda guerra.
    Apresentava uma aldeia Bósnia…..mostrava corpos de mulheres e crianças mortas … assassinada por uma milícia Sérvia.
    Ainda tenho a ficha de 1996…no Conjunto Nacional na Paulista.
    Agradeço ao Dalcim…aprendi muito aqui no blog com pessoas de muita qualidade.
    Me despeço do blog e dos amigos….o blog está “irrespirável ” ( desculpe pela palavra).
    Preconceito para mim é censura.
    Tenho preconceituoso contra fascistas….tenho preconceito contra genocidas….tenho preconceito contra racistas.
    Para não ser preconceituoso vou “pescar”
    Deixo um poema baseado na “ignorância” (gosto de poesia)

    “A história é uma grande biblioteca….esta ali para satisfazer o desejo próprio.

    Não importa se pulo uma página ou duas do livro…quem vai notar…

    O importante é transformar naquilo que acredito.
    Mesmo se o livro não concordar.”

    Claudio

    1. Barocos

      Periferia,

      Vá mais volte. Tenho uma grande dívida contigo e gosto muito de ler os textos que você escreve então, por favor, não suma definitivamente.

      Um grande abraço virtual e obrigado pelas muitas lições. O melhor de viver é aprender.

      Saúde e paz.

    2. Marcelo

      Veja bem, Meu Querido:

      Ha pessoas que nao tolersm a discriminacao e preconceito. Outros que nao toleram a intolerancia. Me despeço desde segundo grupo que esta de partida.

      Pelo menos que tenha a sapiencia para voltar (volte com outro nick, mas volte).

      “Frase do dia: a intolerancia é tao doentia quanto a discriminacao!”

    3. Miguel BsB

      Periferia, uma pena você deixar de participar…uma das pessoas mais cultas e equilibradas aqui do blog.
      Não temos “preconceito” contra racistas, fascistas e genocidas. Temos é um conceito mesmo, e é dos piores possíveis! Nos últimos anos, esses tipos saíram dos esgotos e perderam a vergonha de se expôr, mas, como dizem, o silêncio dos bons é o que permite o mal prosperar.
      Espeto que reveja sua decisão…

    4. Filipe Fernandes

      Caro Periferia,

      Faço das palavras do grande Barocos as minhas.

      Neste ano de constante reclusão, preocupações, incertezas, perplexidades e angústias sentidas por acontecimentos de ordem pessoal, social e global por estarmos atravessando uma triste pandemia, afirmo que ter conhecido pessoas como você foi imensamente especial para mim, ainda que apenas virtualmente, ainda que apenas por meio de palavras — mas grandes palavras, de inestimável valor — neste pequeno biombo da internet possibilitado pelo brilhante Blog do caro Dalcim. Esteja certo disso.

      Sempre admirei as diversas paixões e interesses (cinema, esportes, literatura, história, política, educação, visão societal, mais e mais) que você revela com orgulho, apreço e entusiasmo, mas principalmente a sua notável integridade, cujo traço de personalidade que mais me impressiona é o de não desconsiderar a humanidade do outro que está do lado inverso da tela, demonstrando uma atenção imensurável no diálogo que muitas vezes no convívio cotidiano, na vida “real” não é simples de encontrar e reconhecer.

      Logo, registro aqui a minha imensa admiração e respeito pela sua pessoa. Eu realmente espero que sr. reconsidere a sua decisão, mas, não sendo o caso, reitero — de verdade — o desejo e a esperança de que você e sua família possam atravessar incólumes este período incerto e caminhar com dignidade.

      Um grande abraço, meu caro Periferia, eu só tenho a agradecer a você pelas palavras, pelos momentos de humor, pelas sempre bem-vindas dicas artísticas, pelas oportunidades de reflexão, de troca de diálogos sobre diversos assuntos e — acima de tudo — pela recíproca consideração.

    5. José Nilton Dalcim

      Puxa, Cláudio, você é um participante de importância no Blog, espero que reveja sua decisão. É de extrema importância que se lute contra arbitrariedades e conceitos equivocados.

  16. José

    Djokovic, em uma tacada só, está com o recorde de M1000, conquistou pela segunda vez o Golden Master, ganhou mais 640 pontos em relação ao ano passado, ganhou o 80º título e garantiu a 289ª semana como N.1. Monstro demais!!

  17. Alison Cordeiro

    Djoko desperta polêmica constantemente, mas ninguém pode acusa-lo de se omitir. Encara a briga, mesmo quando poderia ficar na dele e focar apenas na carreira e na perseguição por recordes. Goste-se dele ou não, mas está brigando pelo que acredita.

    Esportivamente hoje é o melhor em quadra. Sua combinação de predicados o torna temível para qualquer adversário. Nessas condições só vi um espetacular Wawrinka em RG ser capaz de batê-lo. Mas Dalcim já cantou a bola: o físico em NY vai ser o pior inimigo. As condições de lá são letais ao sérvio. Acho o título improvável por esta razão.

    Venceu em Cinci e segue invicto. Ao mesmo para alguém 2020 está sendo memorável.

    No questões combate ao racismo, cada dia que passa mostra como existe um longo caminho ainda para erradicar essa praga da humanidade. Mas vivemos num tempo em que não se encontra mais eco pra essas atitudes racistas, a sociedade se indigna e condena. Osaka está certa em protestar. Hamilton também tem que ser firme. São ícones e tem mídia.

  18. Maurício SP

    Dalcim, houve alguma divulgação sobre o resultado financeiro desse Masters? Conseguiu acabar no azul, mesmo sem público?

  19. Paulo Almeida

    Só eu dos torcedores do GOAT não vejo a estreia na segunda como sabotagem? Pode até ser melhor se ele passar das quartas, com dois dias de descanso para a semifinal.

    Lembrando que os jogos e seus respectivos horários já estavam definidos antes da final do Masters.

    1. Robson

      Normal a estreia do número 1 do mundo amanhã,já que ele é cabeça 1,parte de cima da chave geralmente é no 1° dia de competição mesmo.
      Essa gente cheia de teoria da conspiração é muito chata,a mesma coisa em relação ao problema no pescoço do número 1 do mundo,os antis todos falando em milonga,artemanha,Dik vigarista e um monte de outros adjetivos pra cima do número 1 do mundo, exatamente como foi quando ele começou a sentir agravado aquele problema no cotovelo,quando na oportunidade,abandonou o jogo em que estava perdendo,Wimbledon de 2016 contra o Berdych,foi um tal de: milonga,abandou pq tava perdendo,se tivesse ganhando não abandonava,cara é desonesto,etcc, só foram parar de falar groselha quando Novak anunciou a afastamento do circuito pra se tratar.
      Não se deve levar a sério esse tipo de gente,falam com sentimentos, totalmente longe da razão.

  20. JAN DIAS

    DJOKOVIC conseguiu um grande feito ontem, mas à custa de seu físico gigante e dá incompetência e limitação técnicas do RAONIC…
    Aliás, me surpreende a resistência física do sérvio, após 2 meses de ter tido COVID – 19.

  21. Santos

    O USOpen está punindo ambos, o Djoko pela PTPA e a Naomi por os obrigarem a tomar posição em relação ao racismo, tentaram parecer decentes, também. Pressionados pela WTA, foram criticados pelo adiamento da rodada e não gostaram da Osaka tê-los “prejudicado”. Os jogadores estão certos, os de ranking baixo nesta pandemia passaram apuros, a distribuição de dinheiro é extremamente desigual. Quanto ao racismo, acho que os negros não fazem em forma de protesto nem metade do que sofreram e sofrem.

  22. Marcelo

    Atuação de gala a partir do segundo set. Não tem o belo saque nem o ‘killer forehand’ do Milos, mas um poder de antecipação digno do Guga, pernas para chegar em tudo e que regularidade para devolver quase qualquer coisa do outro lado a qualquer velocidade. Realmente números e conquistas impressionam! Obs: sou torcedor do Federer

      1. Thiago Silva

        O mediano tem tudo aquilo de títulos, imagina se fosse bom.
        Vocês só enxergam as qualidades do Federer, acho que nem devem prestar atenção nos jogos dos outros.

      2. Luiz Fabriciano

        Caro Marcelo, torço muito para que ele deixe de ser o “mediano” classificado por você.
        Como mediano, dá de pau nos outros, acabou de executar o passo à eternidade, como bem observou o Dalcim, imagine subindo o nível?

  23. Carlos

    Esse Djoko MONSTER é demais !

    Como lida bem com uma adversidade !

    Parece q procura dentro e fora das quadras !

    Vamos !

  24. Rubens Leme

    Parabéns ao Djokovic por liderar essa tentativa de acabar com o cartel da ATP dirigido por quatro mãos invisíveis, mas de ferro, há anos (casos de Federer e Nadal).

    Sempre ficou claro que há dois blocos no tênis, entre os três e, se Federer e Nadal dificilmente impedirão que o sérvio tente abocanhar os principais recordes do esporte, farão de tudo para impedir que interfira na política do esporte.

    A ATP nada mais é uma entidade milionária que faz o mesmo de todas: mima os príncipes e esquece a plebe rude.

    Após as críticas no Adria Tour (merecedíssimas, por sinal), Djokovic percebeu que pode e deve se posicionar e, aproveitando a crítica que muitos tenistas fizeram nesta época para Federer e Nadal dizendo que não ajudam tanto assim a categoria, resolveu provocar um pequeno terremoto.

    Imagino que a ideia não sairá do papel, porque os principais torneios ficarão ao lado da ATP e que até possam, discretamente, endurecer para os rebeldes, colocando-os por exemplo para jogar no horário de maior calor, etc.

    Enfim, sempre é bom chacoalhar as estruturas. Não basta vir com aumentos pontuais de premiação nas rodadas iniciais dos Slams – embora uma graninha a mais nunca seja ruim -, mas é preciso aumentar o número de torneios, a premiação em futures e challengers, ajudar os atletas abaixo dos top 100 com diárias e ou deslocamentos, dar mais condições e até a massificar o esporte, porque a ATP parece ter intenção em diminuir o número de ranqueados do que em aumentá-lo.

    É um pingo no oceano, mas é sempre saudável.

  25. Roger Porciúncula

    Dalcin, o Duro de Matar é sobre aquela série de filmes comandada por Bruce Willis? Um abraço. É apenas uma brincadeira. Sou muito fã do sérvio.

  26. Rafael Wüthrich

    Dalcim, li há pouco no twitter do Alexandre Cossenza que Murray acrescentou que o problema não está no prize money dos ATPs, mas basicamente nos Slam – que tem sido abertos a negociações com a ATP nos últimos anos. Ou seja, indiretamente ele está do lado dos promotores e entende que uma negociação pode resolver o problema. De tudo, fica a questão: o que diabos essa associação vai fazer se não é um Sindicato, como Pospisil alegou, não tendo a adesão de todos os jogadores e não tendo um lugar à mesa de negociações sobretudo com os Slam? Prevejo retaliações e até mesmo futuros boicotes.

    1. José Nilton Dalcim

      Mas Rafael os Slam não estão sob o controle da ATP, nunca estiveram. Quem perde na primeira rodada de um Slam, possivelmente alguém perto do 100º lugar, ganha pelo menos US$ 40 mil, o que é como ser finalista de um ATP 250. Quem perde na primeira rodada do quali de um Slam, pode levar US$ 10 mil. algo como ganhar um challenger de US$ 75 mil. Claro que dá para melhorar, mas convenhamos que não é uma disparidade tão absurda. Os tenistas sempre se incomodaram muito com o lucro dos Slam.

      1. Thiago Silva

        Eu não acharia injusto que os slams dessem 25% do lucro líquido como premiação, nem que diminuísse a premiação nos anos em que os slam faturassem menos.

        1. José Nilton Dalcim

          Mas hoje já dá muito mais que isso, Thiago. O lucro estimado de um Slam é entre US$ 40 e 80 milhões… A premiação do US Open, por exemplo, é 70% desse lucro.

          1. Sandra

            O que não consigo entender , e com essa crise da COVID aonde eles conseguem lucrar ? Até banqueiro , acho eu , não está lucrando tanto !!! rssss, não sei se vc acredita eu acreditei , que eles ajudaram bastante na COVID! Quem não ajuda e o povo todo mundo na praia

  27. Chetnik

    Vamos ao que interessa. O Djoko é o GOAT. Esse torneio não muda nada. O que importa é o seu desprendimento altruísta em lutar pelos tenistas menos favorecidos do circuito. Enquanto isso, um certo sicofanta bajulador do status quo hipócrita e pedante nunca fez nada que pudesse ir de encontro aos seus interesses mesquinhos e egomaníacos. Não é à toa que é o queridinho dessa gente sórdida e vazia.

    A diferença tenística é enorme. A diferença humana…não há palavras para descrever.

    A retaliação já começou, mas não importa. Contra tudo e contra todos, no melhor estilo Sérvio.

  28. Chetnik

    Não tem muito o que falar da final. Protocolar. Raonic é ridículo. Não vai ganhar do Djoko nunca. Djokovic é um gladiador. Fico imaginando o “sem bolas” assistindo essas exibições do GOAT, sem condições físicas, mas ganhando na raça e no coração. Deve doer muito essa constatação de que é um macho inferior, do tipo que baixa a cabeça e sai de mansinho com o rabo entre as pernas. Nessas horas deve doer se olhar no espelho.

    É isso. Enquanto uns – um só, na verdade – já venceram duas vezes cada MS do circuito, outros pautam sua carreira com Basel, Halle, etc. É outro patamar.

  29. Renato Toniol

    Achei sacanagem colocar Djokovic para jogar na segunda-feira, porém, Dzumhur não possui nenhuma arma para incomodá-lo. Portanto, a torcida de Nole pode ficar totalmente despreocupada com relação a essa primeira rodada.

  30. rafael

    O Djoko é fera demais! Hoje só o próprio físico para deixa-lo na mão, pois de resto parece muito improvável que alguém o vença no US OPEN.
    Mestre, algum motivo especial em colocar o Djoko para estreiar na segunda ou é perseguição (algo do tipo)? Abraço

  31. Paulo

    Desculpem o meu comentário tardio sobre o assunto, mas vamos lá…
    Acredito que o racismo precisa ser combatido. No entanto, existem diferentes formas de combatê-lo (no âmbito esportivo).
    A Naomi Osaka poderia disputar a semi-final, no dia programado, vencer o jogo e dedicar a vitória às vítimas de racismo. Acho que faltou respeito e profissionalismo com todos os envolvidos no torneio.
    Exemplo: o Lewis Hamilton levantou a bandeira contra o racismo, porém, em nenhum momento, deixou de participar dos treinos e das corridas. Isso chama-se Comprometimento e Profissionalismo!

    1. Cassio

      Poxa, Paulo. Não concordo. E claro que vc prefere que o ANTIRRACISMO seja uma bandeirinha lá no finalzim do jogo e que a luta contra o RACISMO não incomode TAAAANTO o mundo tal como ele é ou um torneio de tenis, profissional etc… Acontece que o racismo INCOMODA (e SISTEMATICAMENTE) em qualquer lugar do mundo, em qq esporte, ainda mais os de elite branca como o Tenis. Então, não, cara! A bandeirinha simpática, não vai fazer você pensar no assunto ou repensá-lo. E olha aí justamente, que legal, a Osaka já conseguiu colocar este tema na pauta do blog de maneira transversal! Fantástico. É o mínimo que se pede nesse mundo desigual. Com a “bandeirinha” no final do jogo isso não aconteceria. Ia ser uma foto a mais e quase sço isso. Bom… acho que o tema é bem mais profundo do que isso que eu escrevi, mas…

  32. RicardoCWB

    Dalcim, é uma pena que toda essa confusão que está acontecendo tire um pouco o valor dessa conquista do Djoko.

    O Duplo Golden Masters vai ser um daqueles feitos quase impossíveis de serem repetidos, é a história sendo escrita.

    Abs

  33. Marcelo-Jacacity

    Realmente, o Djokovic ter que jogar já na segunda-feira soou como uma aparente retaliação das entidades do tênis (ATP e ITF).
    Um aviso pequeno aviso para que o sérvio pare de “revolucionar”.
    Eu sendo do torcedor quero mesmo que Novak foque apenas no jogo dentro de quadra. Mas parece que é uma vontade incontrolável que ele tem.
    Djoker só tem a perder se envolvendo com mais política. Alguns falam que ele está sendo egoísta!? Não tem nexo algum. Se ele ficasse na dele cuidando da carreira e contando os milhões de dólares, sim.
    Nadal e Federer continuam não se expondo e é muito fácil e cômoda essa posição: manutenção do status quo.

  34. Arthur

    Dalcim, você consegue vislumbrar alguma motivação específica pra essa nova associação criada pelo Djokovic?

    Logo de cara, me vêm algumas hipóteses à mente:

    1 – Afastar a pesada influência que Federer e Natal têm na ATP, pra poder negociar o que for do seu interesse sem ter que passar por eles (o que explica o fato de ambos terem feito oposição aberta à nova associação e também o Djoko não ter dado lá muita bola pra isso);
    2 – Ganhar apoio de jogadores de menor expressão com a promessa de melhor distribuição de dinheiro e, com isso, poder dar as cartas mesmo nos Slams, de modo a não acontecer de ele, número 1 do mundo, jogar numa quadra secundária em WB e ter o jogo parado pela chuva, enquanto o Federer jogava na Central coberta, ganhando um dia a mais, como já aconteceu.
    3 – Pensando na aposentadoria, já que poderia ganhar dinheiro como cartola organizando torneios, ainda que tenha declarado inicialmente não ser essa a intenção da associação (o que, aliás, é óbvio, porque dizer de cara que vai querer concorrer com a ATP implicaria uma oposição brutal tanto da associação quanto dos patrocinadores que têm contrato com ela).

    Enfim, o que você acha disso tudo?

    Um abraço.

    1. José Nilton Dalcim

      Ainda não consegui formar juízo para opinar, Arthur. Prefiro primeiro acreditar nas boas intenções do grupo e acho que estão tentando unir os jogadores para fazer reivindicações mais contundentes, e isso significa pressionar promotores, ATP e ITF.

    2. Willian Rodrigues

      Arthur, Dentre todos os comentários estapafúrdios que leio eventualmente aqui no blog, na tentativa de diminuir o sérvio, essa foi o mais TENDENCIOSO de todos!!
      Perdão, mas chega ser ridículo!
      Um cara que já obteve mais de 100 milhões de dólares somente em premiações, precisaria criar uma associação pra se beneficiar financeiramente ??!!
      E outra, angariar apoio jogadores de menor peso no circuito com promessas de maiores quantias ?!! Imagine que leviandade!!!
      Afastar a pesada influência de FEDAL pra beneficiar a si próprio??!! Como??!!! Mais dinheiro?! Ser beneficiado nos sorteios das chaves??! O que vc estaria insinuando amigo??!
      Sinceramente, seu comentário é extremamente ofensivo até mesmo para quem é torcedor do sérvio!!!
      Ao fazer tais insinuações, você pode é estar projetando sua personalidade no cara! Psicologia explica isso …
      Você seia capaz de agir assim, caso tivesse a oportunidade??

    3. Luiz Fabriciano

      O próprio Novak disse que participou e queria contar com o FEDAL, mas com a recusa deles, o sérvio que está acostumado a se manter de acordo com suas próprias convicções, só lamentou e continuará buscando apoio e apoiando os demais.

  35. WALDIR DOS SANTOS

    parece que o federer e o nadal são marido e mulher estão juntos em tudo…. o federer com a aquela cara meiga, ummmm

  36. Geailton

    Se algum bagre duvidava dos favorecimentos nas chaves de Slam para Fedal, agora sem eles, aí está a prova. Por motivos políticos cancelam uma rodada sem consultar os afetados e quando estes reclamam, vem com papinho de união? Ah vão cheirar…
    No mais, parabéns pela análise. Dalcim, pois apesar de saber sua preferência, é um dos raros que comentam com imparcialidade

  37. Miguel BsB

    O pessoal fala das milongas do Djokovic, no que eu até concordo, mas cabe ao adversário ter mais cabeça e concentração e não deixar isso afetá-lo ou tirá-lo do jogo.
    O que o Djokovic faz está dentro das regras…seus adversários tem que saber lidar com isso, e digo mais, dar uma milongada tb quando o sérvio tiver voando na partida, por exemplo.

  38. Luiz Fernando

    Quer os bobos de sempre queiram ou não, Djoko ruma célere para se tornar o GOAT, o cara é incrível mesmo…

    1. Sérgio Ribeiro

      O comentarista repetia o mesmo em relação ao Touro Miura. Foram anos de maneira consecutiva. Chegava a usar termos pejorativos em relação ao melhor de todos . Como apaixonado pelo ESPORTE , és um um eterno aprendiz. Abs!

      1. Luiz Fernando

        Serginho, se algo q aprendi a seu respeito neste período de blog foi q vc é confuso e pouco letrado, a despeito de se considerar erroneamente superior aos demais. Nem vou falar da sua arrogância, pois ai seria algo imensurável. Opinião é algo momentâneo, dinâmico, ou seja, q pode mudar. Sempre achei q Rafa seria o GOAT, e alias ele ainda pode perfeitamente ser, mas raciocinando, algo q pra vc é sempre difícil, tenho q concluir que a perspectiva atual mais provável não é essa. Mas seja Rafa seja Djoko, quando algum deles superar as marcas de Federer, o q deve ocorrer, estarei aqui p me divertir, e muito, com o desespero de caras herméticos como vc, pessoas sem horizonte, adeptos de seita e não desportistas. Abs e ótimo FDS.

    2. Paulo F.

      Ficaremos numa saudável disputa, nobre Luiz Fernando: quem é o GOAT? Nadal ou Djokovic?
      Fraterno abraço e ótima semana!

      1. Luiz Fernando

        E nos divertiremos muito, vc pode imaginar o desespero desses caras com cada conquista de Rafa e Djoko, eu imagino…

        1. Bruno

          Imagino que deva ser igual a sua naquela final do Austrália open de 17.
          E pela soberba do seu comentário,imagino que os seus ,agora 2 ,queridinhos não irão perder nunca.
          Quanto mais alto ,maior o tombo.
          Fica a dica

    1. José Nilton Dalcim

      Acho que é muito difícil comparar algo assim, Joathan. Certamente, está entre os melhores que já vi.

  39. Israel

    Djokovic sempre nos surpreendendo positivamente. Na primeira rodada, vendo todo o seu sofrimento num jogo teoricamente fraco cheguei a torcer pra ele perder e poder se recuperar, mas ele ficou no jogo e venceu. Depois subiu de nível e parecia imbatível até chegar no Agut. Novo sofrimento e novamente a superação. Agora na final, após o 6×1 para o super sacador Raonic, achei que era o fim da sua invencibilidade, mas ele vai lá e dá um jeito de virar o jogo. Simplesmente fantástico!

  40. Enoque

    Acho que o recorde de semanas na liderança um dos mais importante no tênis. Se o Djoko fizer uma programação cirúrgica dos torneios, pensando no custo benefício e menos desgaste, poderá abrir uma boa vantagem no final do ano e tentar levar a liderança bem longe em 2021. Pela sua condição física, no momento, acho que não deve agregar pontos no USO, já que fez a quarta de final o ano passado, então deveria se desculpar e voltar para Europa amanhã mesmo. Descasar uns dias se recuperar do pescoço e estômago e começar uma preparação leve no saibro, abdicando de Roma, onde já tem 600 pontos garantidos e jogar em Kitzburel na Áustria, onde seria bem recebido e faria um torneio de treinamento/exibição com a quase certeza de ganhar ( entraria na segunda rodada, nos horários escolhidos e sem concorrência, já que este torneio está colado com Roma, onde vai ter briga de cachorro grande). Chegaria em RG na ponta dos cascos e descansado, onde aí sim vale o esforço. Abdicaria de Paris, onde já tem 1.000 pontos garantidos e jogaria em Antuérpia, nas condições de favorito disparado. Poderia inclusive jogar, também, em Erste-Viena e depois somente o finals. Não coloquei as datas dos torneios, mas, verifiquei que são totalmente viáveis. Com isto agregaria muitos pontos, participando apenas de 2 torneios de peso (RG e finals). Isto é o que tenho chamado de jogo de xadrez, ou jogar com o regulamento debaixo do braço.

    1. Paulo Almeida

      Caramba, quanta besteira.

      Djoko caiu nas oitavas e não nas quartas e pode somar muitos pontos no US Open. Tem tudo para ir longe no torneio, apesar do incômodo no pescoço. Sua equipe é muito qualificada e vai assisti-lo da melhor maneira possível.

      Na parte do saibro ele deve pular Roma de fato e disputar apenas Roland Garros, torcendo para Nadal e Thiem ficarem do mesmo lado da chave.

      Não, o sérvio deve jogar Paris, pois é mais um Big Title em que é favorito. No Finals a tendência é somar muitos pontos também, uma vez que foi muito mal no ano passado.

      O recorde de semanas como número 1 e só uma questão de tempo.

  41. PIETER

    Penso que não fosse essa maldita pandemia, que tantos infortúnios e sofrimentos nos causou, o Djokovic, este ano, era um sério candidato a fechar o Grand Slam, finalmente, em 2020. Está no auge do seu jogo e talento. E com muita confiança; assim só perde para ele mesmo,

  42. Sandra

    Dalcim , será que Djoko aguenta 5 sets por causa da Covid ? Mas também não sei se os outros jogadores pelo fato de estarem sem jogar por muito tempo aguentem os 5 sets, com Covid ou sem Covid

  43. Bruno Marcedo

    Nunca torci tanto pelo Djokovic, pois o tipo de jogo do Raonic não pode prosperar no tênis. Na minha opinião. um jogo baseado apenas em saque forte não pode vencer nada. Em 90% das vezes q teve mais do q 3 trocas de bola o cara errou.
    Inacreditável que tenha tirado o muray e tsitsipas, zilhões de vezes melhores do q aquele bonecão de posto.
    Fora q o Raonic é apático demais, que cara sem graça!

  44. Rafael Azevedo

    Gigante esse sérvio!
    Ele fez de novo. Parece que faz de propósito, que está brincando com os adversários. Impressionante!

    Tenho a impressão de que não vale a pena quebrar o saque do sérvio, no início dos sets decisivos. Se quebrar, ele aciona o botão, devolve a quebra e ainda ganha mais uns 2 games em seguida, no mínimo. É melhor deixar ele vencer seus games e tentar a quebra no fim. Cê louco.

    1. Luiz Fabriciano

      Tipo um 4 x 5 do set decisivo, não é?
      Aí não teria mais tempo de reação, rssssssssss.

      Seria uma boa estratégia.

  45. HILARIO MUYLAERT DA SILVA LIMA

    Parece claro que os gestores da ATP e do US Open ( USTA….) marcaram o 1º jogo do número 1 do mundo para segunda feira (31.08.2020) em represália à criação de uma espécie de “sindicato dos jogadores de tênis profissional” —- em que Djoko é um dos líderes.
    Nem estou comentando do adiamento extemporâneo das semi finais de Cincinnati.
    O mínimo a fazer seria “compensar” com a estréia de Nole na terça feira —- o que não foi feito.

    1. José

      Não sei não. Porque também colocaram a Osaka na segunda-feira e a princípio não sabiam que ela abandonaria a final.

  46. Leo Gavio

    Djokovic está certissimo: foi a maior palhaçada paralisarem o torneio por causa de atitude politica.

    Se cada demanda politica fizer uma paralisação, simplesmente não vai ter como seguir uma programação PROFISSIONAL dutante o ano todo.

    Se fulano que luta por 15% de aumento salarial sensibilizar um tenista e esse vir a “protestar” se recusando a jogar porque a mãe tambem é afetada por esse “não” aumento salarial, estará estabelecido a barderna.

    Ademais, soube-se que o tal Jacob Blake é um estuprador e antes de ser baleado tinha enfiado a mão na vagina da ex na frente do filho e dito: “tem cheiro de outro homem”, segundo consta inquérito da policia. Alem disso portava faca e ameaçava policiais desobedecendo ordens.

    Naomi Osaka fez aquele papelão politiqueiro em tempos de eleição nos EUA por causa de um estuprador violento que espanca mulheres. BLM é uma brincadeira de mal gosto, um desrespeito contra quem luta legitimamente contra racismo, a guerra politica contaminou a discussão e muita gente embarcou na narrativa do “coitadinho” baleado maldosamente pelas costas.

    1. joao

      Concordo sobre o parágrafo sobre o Blake. O cara é bandido, fez isso que vc escreveu e vira vítima. Tipo a menina de 10 anos estuprada e abusada que virou assassina por abortar.
      É o poste mijando no cachorro.

    2. Gildokson

      Cara você está sendo ou se fazendo de leigo e ignorante se acha mesmo que tudo isso é só por causa de Jacob Blake. Só de 2012 pra cá são diversos casos. Você ja ouviu falar de Breonna Taylor, Sandra Bland, George Floyd, etc etc e etc???

      1. Barocos

        Gildokson,

        O problema do racismo é muito grave e merece todo o destaque que puder existir. Eu fico pasmo ao assistir como muitas pessoas pegam 1 ou 2 casos de maus cidadãos e extrapolam os eventos como se estes fossem a maioria. Não são. Estou cansado de ler sobre ocorrências onde estudantes e professores de boas universidades, advogados, executivos e demais negros da classe média/alta americana são abordados de maneira desrespeitosa, para dizer o mínimo, já que estes casos, em geral, viram notícia e a maioria, com pessoas humildes, não. Eu entendo os riscos e a tensão que a profissão de policial acarreta, mas há de existir respeito na abordagem, quando e se esta for pertinente, seja rico ou seja pobre, seja branco ou seja negro.

        Ainda que eu entenda a urgência da questão, as manifestações por lá não poderiam acontecer em pior hora: no meio de uma pandemia terrível e na véspera de uma importante eleição presidencial. Morrem muito mais pobres, que não têm condições de manter um isolamento social adequado e tem um acesso pior a tratamentos de saúde, e a taxa de pobreza entre os negros americanos é maior que 2 vezes a dos brancos, e as aglomerações, infelizmente, beneficiam estes vírus maldito. Também, no caso das eleições, as manifestações, justas, estão sendo utilizadas pelos republicanos para incutir medo na população branca por lá, ou seja, estão utilizando uma situação horrível como capital político.

        Eu, particularmente, não gosto da utilização da palavra raça para a diferenciação entre grupos humanos, primeiro porque, cientificamente, não faz nenhum sentido, como atesta a genética, segundo porque existe uma carga negativa no seu emprego em muitas ocorrências, cútis, na minha opinião, poderia ser utilizada nos muito poucos casos onde fosse necessária tal diferenciação.

        Saúde e paz.

        1. Gildokson

          Barocos, eu você beira a perfeição nos seus comentários e concordo com você que por la esse é o pior momento para essas manifestações, não só pelo vírus como principalmente pela eleição, tanto é que segundo algumas fontes os jogadores da NBA foram aconselhados pelo próprio Obama a voltarem às atividades, porém eu penso também que não tem como esperar, a hora é agora, pra ontem, o barulho tem que ser feito.
          Mesmo que sirva de munição para os republicanos alimentarem os ouvidos da elite branca, mas também vai incentivar alguns que também tem poder e podem fazer algo para que essas injustiças diminuam.
          Ja aqui no nosso Brasil… a esperança de mudanças está bem mais distantes. Ainda veremos muito ricos nas portas de suas casas em condomínios de luxo gritando e humilhando um policial militar, tirando sarro do salário dele, xingando, e sem ter sequer um dedo encostado no corpo, enquanto na periferia numa abordagem de rotina o negro pobre se fala um pouquinho acima do tom leva um tapa na cara.

          Dalcim, me perdoe por esticar muito esse assunto que nada tem haver com mais um título monstro sérvio milongueiro kkkkkkkkk

    3. Ricardo Lessa Filho

      Mostre-me uma fonte confiavel onde diz que ele é estuprador. Em nenhum lugar que olhei (CNN americana, NYTIMES) diz isso.

      1. Leo Gavio

        Colocar a mão na vagina de uma mulher sem o consentimento dela é estupro.

        Atualize os seus conceitos de estupro porque no mundo do direito, enfiar a mão nas partes de outra pessoa sem consentimento é estupro.

        E mais, o sujeito tinha mandado de prisão por violência domestica.

        Se o sujeito fosse branco duvido que você viesse aqui pra passar pano pra estuprador.

        1. Miguel BsB

          no mundo do Direito, dar 7 tiros nas costas de uma pessoa sem qq ameaça é crime! Ele não possuía faca alguma em mãos, e, msm que tivesse, diversos policiais armados dariam conta do recado.
          Segundo, mesmo que ele fosse estuprador, isso não da o direito de ser assassinado a sangue frio pelo policial …rende, prende, e entrega pra quem tem a competência pra decidir a pena, o poder JUDICIÁRIO.

  47. Thomaz Cardoso Leite

    Mestre Dalcim,como vc enxerga essa nova associação liderada pelo sérvio?!
    Bastidores quente hein,tanto Nadal como Federer opinando mesmo de fora.

    1. José Nilton Dalcim

      Ainda é difícil avaliar, Thomaz, porque faltam informações. Essencial saber exatamente as metas e reivindicações. Acho apenas que é um momento delicado para Djokovic se envolver outra vez em problemas de bastidores. Felizmente, não o afetou agora no Masters e tomara que não deixe sequelas no US Open.

  48. Babidi

    Nick Kyrgios e Stan Wawrinka parecem ser os únicos tenistas com capacidade pra derrotar o Djokovic. Podem não ser os mais talentosos, podem não ser os melhores fisicamente, mas eles NÃO SENTEM MEDO E NEM PIPOCAM pro sérvio nos momentos de decisão

    Kyrgios amassou Djokovic nos dois jogos em que o enfrentou. Wawrinka emplacou importantes vitórias em finais de Slam, e inclusive já um detalhe que merece toda a nossa atenção: saiu atrás do placar em ambas.

    Considerando que tratam-se de jogadores instáveis, dificilmente atrapalharão significativamente a caminhada do sérvio. Queiram ou não, é questão de tempo para Djokovic quebrar os principais recordes do tênis. Vão restar pouquíssimos para outros jogadores

    – ATP Finals ele vai ganhar uns 7
    – Vai passar sobrando dos 20 GS
    – Vai passar sobrando dos 45 Masters 1000
    – Vai ser o recordista em semanas como número 1

    Isso não é ser vidente, é lógica. Só uma hecatombe vai impedir isso

    1. Jonas

      O Kyrgios, evidentemente, é um ótimo jogador. Poderia ser ainda melhor não fosse a falta de foco.

      De fato ele venceu o Djoko em 2017. Mesmo ano que o sérvio perdeu para diversos bagres.

      Gostaria de ver um Kyrgios x Djoko em um Grand Slam, seria interessante, já que o Kyrgios parece realmente odiar o sérvio.

    2. Leo Gavio

      Respeito muito a sua opinião mas o caso do Kyrgios é parecido com o do Roddick.

      Djokovic perdeu algumas partidas pro americano puramente por deficit fisico e tambem por não ser a melhor versao dele. Duvido que o Djokovic pós 2010 tivesse trabalho com o melhor do Roddick, já Kirgyos foram duas partidas em 2017, no pior momento do Djoko, com lesao e ranking baixo. Não conta.

      Sobre Stan Wawrinka, realmente a versão melhorada dele incomoda muito o Djoko fora da grama. Porem, é um fregues do servio: 19 a 6,
      sendo que o Djoko anotou 5 pneus nessas 19 vitorias. Apesar disso, ele realmente brilhou mais que o servio em pelo menos 3 partidas de slam, mas mesmo assim acredito que o Djoko carrega mais pressão que ele, e isso pode interferir a favor do suiço o liberando para jogar como franco atirador.

      1. Luiz Fabriciano

        Roddick abriu frente em relação a Djokovic, mas infelizmente se aposentou antes do sérvio reverter o quadro, uma vez que os últimos encontros foram vitórias do #1.
        O próprio americano deu a receita: se aposente antes e evite novos embates.

    3. Alessandro Siqueira

      Vale lembrar que os jogos contra o australiano se deram em um momento de baixa do sérvio. Tão em baixa, mas tão em baixa, que chegou a perder para o TARO DANIEL. Sendo assim, difícil fazer uma análise séria a partir desse referencial.

    4. Paulo Almeida

      Kyrgios ganhou duas de um Djokovic lesionado/em má fase e ainda assim não foi nenhum amasso. Já o Wawrinka ganhou Roland Garros de um sérvio no auge, mas o USO foi em cima do jogador também mal das pernas, que só avançou à final por conta da chave ridícula e vários abandonos.

      O resto do comentário é pertinente.

    5. Marcelo

      A julgar pela empolgação nos comentários, acho que ele consegue fazer o dobro disso. Seria um GOAT^2 , ou ocuparia o primeiro e segundo lugares consecutivamente na galeria dos melhores?

  49. Paulo Almeida

    DjokoGOAT é BICAMPEÃO do Masters 1000 de Cincinnati e agora tem 58 Big Titles com a ATP Cup. Dúvidas e reclamações em sac@atp.com.

    O sérvio também é disparado o melhor jogador da história na quadra dura, levando-se em conta o número de Grand Slams, Masters 1000, ATP Finals, domínio sobre os arquirrivais e nível dos adversários enfrentados. Federer fica muito, mas muuuito atrás se eliminarmos os títulos em cima dos bagres da entressafra e o fato de levar 3×1 do Nadal em Majors.

    Parabéns de novo para o rei do hard (com sobras), da grama e do tênis em geral!

    1. Lucas

      Parabéns pra vc que acredita no discruso fiado que propôe , deve acreditar em papai noel e coelhinho da páscoa tbm

    2. Paulo Almeida

      *considerarmos o fato de levar 3×1 do Nadal em Majors.

      Fora que não teve a oportunidade de disputar Indian Wells, Miami e Olimpíadas em 2020, onde seria amplo favorito.

        1. Jonas

          Ele pegou o melhor jogador do torneio até então. Não dá pra discutir a qualidade e eficiência do Raonic em quadras rápidas.

          Óbvio que ele é freguês, só que se tratando do Djokovic isso é bem normal.

          O título ficaria ainda mais pesado em cima do Medvedev, mas vamos lembrar q ele perdeu para o encardido Agut, que vinha de 3 vitórias seguidas sobre o Djokovic nas hards.

          É mais um título bem sofrido para o Djoko, assim como foi em Dubai.

          1. Gildokson

            Não da pra discutir a qualidade e eficiência do Raonic em quadras rápidas Jonas?
            Pode até ser que não dê. Mas a qualidade e eficiência de Andy Roddick cansou de ser discutida por aqui.
            Resultado da discussão? Segundo Paulo Almeida e seu eco Roddick era fraquinho, bom mesmo é o Bautista, o Medvedev, até o Raonic agora kkkkkkkkķkk

        2. Luiz Fernando

          Pergunte pro Sampras se em determinado momento Federer tinha adversários parrudos kkkkkkkkk. Acho q ele vai dizer q não kkkkkkkk…

        3. Paulo Almeida

          Gildokson, Roddick era um servebot desengonçado inferior ao Kevin Anderson nos ralis. Foi número 1 por um curto período porque a safra era medonha mesmo.

          Abraços.

          1. Paulo Almeida

            Diversão garantida é enfrentar o Federer em Grand Slam. Pena que não deve acontecer mais e vamos encerrar os trabalhos com apenas 11×6 mesmo.

  50. Cláudio

    O Djoko tem uma reserva de energia que ele usa sempre em momentos assim. Impressionante, parecia mais uma vez batido no 1 x 6 no primeiro set, mais uma virada épica. 35 M 1000 (2 de cada pelo menos). Fazer ele jogar na segunda já é sacanagem, mas ele estará bem. Vida longa ao Big 3.

  51. Marcelo-Jacacity

    Eu acho, ou melhor tenho certeza que o USOpen é o Slam mais complicado (RG a parte, pois já tem dono espanhol) para o Djokovic. Sinceramente, não acredito em favoritismo algum pra ele, ainda mais com tudo que está se passando.

    1. Jonas

      Concordo. São lesões, incômodos…

      Mesmo em 2018, quando venceu o torneio, Djoko sofreu contra o Fucsovics. Ele parece realmente desconfortável.

      Vai ter pouco tempo de descanso também, o que eu acho uma sacanagem.

      1. Jonas

        Não tem a ver com a chave. Aliás, Federista falar em chave é piada. É pra rir durante algumas horas.

        Tem a ver com as condições físicas. Djokovic teve um jogo de 3 horas na sexta e ontem, salvo engano, de 2 horas. Além disso, já vinha mal fisicamente.

        É uma questão de bom senso. Claro que se fosse o Federer “trintão” fariam até abaixo assinado para adiar o jogo.

  52. Samuel

    Boa noite Dalcim,

    Dalcim, este comentário está junto ao seu texto anterior. Permita-me colocá-lo junto ao seu texto atual.

    Parabéns pelo seu belíssimo trabalho, principalmente pela oportunidade oferecida ao Dácio Campos.

    Em sua opinião quem está mais próximo e quem está mais distante de conseguir as respectivas façanhas:

    Federer: primeiro golden masters (falta Monte-Carlo e Roma);

    Nadal: primeiro golden masters´(falta Miami e Paris); e,

    Djokovic: terceiro golden marters (falta Monte-Carlo e Cincinnati).

    Samuel

Comentários fechados.