Djokovic carrega as baterias
Por José Nilton Dalcim
17 de agosto de 2020 às 18:52

É fácil perceber que Novak Djokovic e Stefanos Tsitsipas estão levando a sério a dupla oportunidade em Flushing Meadows e foram os primeiros grandes nomes a desembarcar em Nova York e ir rapidamente para as quadras.

O líder do ranking chegou no sábado e no dia seguinte foi experimentar a Arthur Ashe, onde provavelmente irá fazer quase todos seus jogos do US Open. Diante do absoluto silêncio das arquibancadas, deve ter aproveitado também para se adaptar à sensação de competir no maior estádio de tênis do planeta tendo apenas Goran Ivanisevic de torcedor.

Numa atitude que mostra sua disposição, Nole entrou na chave de duplas de Cincinnati, num claro recado que está atrás do ritmo perfeito de competição para o US Open. Seu parceiro será o compatriota Filip Krajinovic, justamente com quem bateu bola no domingo. Filip aliás o venceu na exibição do Adria Tour de Belgrado. Jogador de bons recursos, Krajinovic merece atenção, ainda mais que está garantido como cabeça de chave nos dois eventos.

Há muita expectativa sobre o desempenho de Tsitisipas, que conseguiu manter bom nível de competição nos jogos de Nice. O grego será o cabeça 4 tanto no Masters como no Slam, torneios em que Djoko e Dominic Thiem irão para as extremidades da chave. Ele e Daniil Medvedev terão portanto de torcer para o lado que preferem cair, e certamente o do austríaco parece muito melhor. Os outros quatro cabeças de peso serão Sascha Zverev, Matteo Berrettini, David Goffin e Roberto Bautista.

Tsitsipas também quer jogar duplas no Masters, mas por enquanto ele, Thiem e Alexander Zverev, com seus respectivos parceiros, dependem de convite ou desistências para entrar. Ou seja, todo mundo tentando recuperar o tempo perdido.

Por outro lado, Kei Nishikori engrossou a lista dos ausentes. Sem jogar desde o US Open do ano passado, o japonês está mesmo sem sorte e informou ter contraído Covid-19 na Flórida. Há no entanto esperança que ele se recupere para o US Open, onde entraria como cabeça. já que se manteve no 31º lugar do ranking.

Feminino ainda mais desfalcado
Já para o tênis feminino as notícias continuam a piorar. A vice-líder Simona Halep, a atual campeã Bianca Andreescu e a suíça Belinda Bencic anunciaram desistência de ir a Nova York e assim serão apenas quatro top 10 na chave: Karolina Pliskova, seguida de Sofia Kenin, Serena Williams e Naomi Osaka.

Halep jogou bem e ganhou Praga no domingo, e aí tomou a atitude esperada, afirmando não estar confortável para encarar a viagem e os riscos. Já Andreescu admitiu não se sentir suficientemente preparada para jogar. Ela contundiu o joelho em outubro e voltou a treinar durante a pandemia.

Também não foi animadora a participação de Serena em Lexington, ainda que não tenha mostrado falta de preparo físico ou excesso de gordurinhas. Perdeu para Shelby Rogers e viu o título terminar nas mãos de Jennifer Brady, que não é uma novata com seus 25 anos mas já tinha mostrado progresso neste começo de temporada.

Até o momento, Aryna Sabalenka, Petra Kvitova, Madison Keys e Petra Martic subiram para o grupo das oito primeiras cabeças dos eventos em Nova York e Sloane Stephens está com grande chance de entrar no grupo das 32 pré-classificadas. De qualquer forma, será um Slam definitivamente estranho.

Os sorteios para o Masters e Premier de Cincinnati estão marcados para quinta-feira.

O Brasil começa bem
Potência inegável nas duplas, o tênis brasileiro começou muito bem a fase pós-pandemia, com o segundo título de primeira linha de Luísa Stefani, desta vez em Lexington e novamente ao lado de Hayley Carter. Como destaque na campanha, a vitória em cima de Stephens/Mattek-Sands.

A paulistana de 23 anos, que se exercitou em jogos de simples e ganhou 16 de 28 exibições durante a paralisação do circuito, entrou para o top 40 como a 39ª do ranking.

É a melhor posição já ocupada por uma duplista brasileira na história (apenas outros dez homens chegaram nesse estágio) e apenas a terceira tenista nacional no top 40 juntando as simples (Maria Esther foi 29 e Niege Dias, 31).

E se a chave ajudar, podemos esperar mais nos torneios de Nova York.


Comentários
  1. João ando

    Final do torneio da tennis route lindel x Pedro 6/1 6/4 nas quadras da winner que eu achei que tinha fechado. Semana que vem tem mais torneio da tênis route.simple e duplas

    Responder
  2. Luiz Fernando

    Alguns tópicos simples: 1) depois dessa chave do Djoko em Cincy/NYC quero ver falarem q o Nadal é q dá sorte nos sorteios; 2) Rodrigo Cruz, respeito sua decisão, seja ela qual for, mas não esquenta com isso, se as pessoas agissem dessa forma q vc agiu, e pelas razões expostas, metade dos participantes não estaria mais aqui. Bola pra frente, esqueça esses caras q vc diz serem fakes e foca no q vc julga pertinente, vc como retruca muito atrai as respostas, é sua natureza, continue aqui. Além disso, quem já não teve comentários bloqueados ou editados pelo Dalcim?

    Responder
  3. Oswaldo E. Aranha

    Rodrigo S. Cruz, também já tive uma vez comentário que o Dalcim não julgou pertinente, mas tive de aceitar. Não concordo com quase tudo que colocas em tuas mensagens, entretanto respeito tuas opiniões, que tens todo o direito de as expor. Não desista, tenta se entender com o Dalcim, o que fará bem a todos.

    Responder
  4. periferia

    Olá
    Goat?

    Djokovic : Basta jogar a bola no centro da quadra.. nada de bola para esquerda nem para direita….sempre no meio …..com essa tática o sérvio vira um jogador comum….estaria empatado com o Kukushien no ranking ….e pior …teria que trabalhar voluntariamente no combate do covid no Brasil…detalhe… com o Pazzuelo de patrão(Quero ver o sangue frio do sérvio nesse match point)

    Nadal : Um baloeiro…..bola na direita dele….alta..com muito giro…..como ele faz com o Federer…..com essa tática o espanhol vai ter dificuldades…vai bater sempre dando pulinhos…os joelhos não vão aguentar……isso na quadra dura.
    No saibro….uma ave-maria e dez pai-nossos deve ajudar a enfretar o jogo do espanhol .

    Federer : O rei da madeirada (eu sei….o material da raquete mudou…mas ” madeirada ” é algo cult)
    alguém precisa explicar para o suíço ( e não vale a Mirka) que a bolinha tem que pegar nas cordas da raquete…aquela empáfia dele tambem não ajuda ….e desconfio que o braço esquerdo do suíço é uma prótese (carece de mais informações do prontuário médica ).

    O grande jogador do mundo é o pouco valorizado Dustin Brown …esse sim sabe jogar tênis ….se tivesse metade da mídia do Big 3….teria uma estátua em cada capital do mundo .
    Joga solto…sempre para frente ….buscando o voleio …sempre olha de perto seus oponentes (esta sempre na rede)…um craque do esporte.
    Mas enfim……gosto é gosto …….mas que o Dustin Brown é GOAT isso não se discute….entenderam????

    Abs

    Responder
  5. periferia

    Olá

    Faz escuro mas eu canto,
    porque a manhã vai chegar.
    Vem ver comigo, companheiro,
    a cor do mundo mudar.
    Vale a pena não dormir para esperar
    a cor do mundo mudar.
    Já é madrugada,
    vem o sol, quero alegria,
    que é para esquecer o que eu sofria.
    Quem sofre fica acordado
    defendendo o coração.
    Vamos juntos, multidão,
    trabalhar pela alegria,
    amanhã é um novo dia.

    Thiago de Mello

    Uma poesia para melhorar os dias….e acalmar os ânimos.

    Responder
  6. Rodrigo S. Cruz

    Dalcim,

    Estou saindo do teu blog a partir de hoje.

    Portanto, não precisa filtrar essa minha fala, porque este texto aqui é o meu último.

    Pra mim não dá mais.

    Esse espaço foi tomado por pessoas com “agendas” muito bem definidas.

    Um deles que usa o nick “joão”, nunca fez nada diferente de me atacar. Nada!

    Uma covardia sem paralelo, de um perfil notadamente fake que desfere ataques, e depois se protege no anonimato.

    Você já deve ter percebido vários desses ataques coordenados contra mim.

    E no entanto, você libera TODOS os comentários desse nick contra mim. E todas as críticas.

    O que considero algo muito injusto.

    Também já desisti de me perguntar que razões você teria para proceder assim.

    Porque, sinceramente, já quebrei a cabeça aqui e não consigo entender.

    90% das vezes em que sou criticado por esse ” joão”, você libera o conteúdo dele.

    E eu já nem tento responder a esse cara mais, porque é líquido e certo que serei bloqueado por você.

    Mesmo quando a minha resposta não contém ofensa.

    Cansei. Estou fora…

    Boa sorte aí.

    PS> deixo um caloroso abraço para as boas figuras com quem interagi aqui: Miguel, Victor Hugo, Rafael, Sérgio, etc… (desculpe por não poder citar todos)

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O bloqueio (ou a edição com cortes) acontece sempre que se usa uma palavra ofensiva contra outro participante do Blog, e isso vale para todos, sem exceção. Tento também restringir ao máximo as brigas paralelas que fujam da discussão técnica-tática e partam apenas para disputas pessoais. Claro que lamento sua saída. Abraço e boa sorte.

      Responder
      1. R.P.

        Faço o mesmo, e digo mais:

        Faz parte da “brincadeira” apelidar jogadores. Ultimamente, Djoko foi até associado à figura do Bolsonaro e nada.. Ahhhh, mas aí de quem coloca apelido no “reizinho”: post editado ou não publicado no ato. Mas até aí, beleza, blog é teu e tu o manipulas como bem entende; a gota d’água foi meus comentários SOBRE TÊNIS serem sumariamente banidos da plataforma Tênis Brasil via Facebook por “irem contra as regras”… Que coisa mais ridícula em tempos de “democracia”.

        Responder
          1. R.P.

            Na plataforma do Facebook até minha família ofenderam. A troco de quê ainda estou sem entender, mas quem o fez ainda posta (com perfil fake) diariamente.

            Quanto aos “palavrões indecentes”, quero saber o que tem de diferente entre um jogador ser comparado com um bagre ou q fulano tem a “boca murcha”. Um tem “decência” e outro não? Até “genocida” para adjetivar tu sabes qual jogador e isto passou ileso pela moderação.

            Enfim, este pode até ser um espaço de “decência” (seletiva); porém, de coerência não.

        1. Bruno Gama

          Se as ofensas foram no Facebook, você pode denunciar na própria plataforma, dependendo do tipo de ofensa eles até suspendem a conta de quem ofendeu.

          Responder
    2. Miguel BsB

      Meu caro Rodrigo, não faça isso, reveja sua decisão…vc é um dos mais antigos do blog, sempre participou, é fanático por tênis…você já era participante antigo desde que eu entrei no blog. rs
      Deixe essas provocações e disputas de lado um pouco. Tenho certeza que o Dalcim é um cara justo e equilibrado, e tenta ao máximo dirimir e atenuar essas disputas.
      Veja o exemplo do Vitor Hugo. Tá bem mais tranquilo e deixou essa guerra de torcidas de lado…

      Responder
    3. Vitor Hugo

      Prezado Rodrigo,

      Todos nós vez ou outra ficamos irritados ou revoltados com algumas baboseiras e infantilidades que um ou outro escreve aqui..
      Quer uma ajuda? Ignore. Se assim fizer, uma hora ou outra os caras vão esquecer vc. São pessoas carentes precisando de atenção ou frustrados procurando alguém pra descarregar.
      Provavelmente é um fake de alguém que comenta aqui regularmente e que não gosta de vc.
      Eu tenho passado reto(não leio mais) os comentários de um ou outro que comenta no blog e não agrega nada e só quer provocar. Faça o mesmo.
      Vc contribui muito para o conteúdo dos comentários.

      Abraço!

      Responder
    4. Sérgio Ribeiro

      João quem , Rodrigo ? Largar na hora que íamos nos divertir com a Next Gen , num SLAM ” parrudinho ” , azucrinando o N 1 , e este arrumando um monte de desculpas , você cai fora ??? E logo a seguir vendo o Touro mostrar quem manda no Saibro , acabando de vez com o namoro da Kombi , resolves se mandar ???? Na boa , reveja o quanto antes e venha se divertir que a festa vai começar rsrsrs ABS!!!

      Responder
    5. Thiago Silva

      Acho que você precisa amadurecer um pouco, parece uma criança reclamando pro professor que o coleguinha tá te chamando de feio. Se espelhe no Vitor Hugo que parou de encrencar por qualquer besteira e agora parece um adulto comentando.

      Responder
    6. Gildokson

      Pow Rodrigo, não deixa de acompanhar o blog não cara, você faz parte da elite federista do blog, não se deixe vencer por essa bobagens. Eu acho que você e muitos outros aqui do blog tem que levar a coisa mais pro lado da brincadeira as vezes, eu sei que tem umas falas que tiram do sério, mas no geral o blog é de muita diversão, conhecimento e entretenimento agradável.
      Ahhh e você saindo vai perder a chance de comemorar conosco o último título de Grand Slam de despedida do gênio em 2021!!!

      Responder
    7. DANILO AFONSO

      Nobre Rodrigo, você não pode sair do blog por causa dessas deliberações acaloradas. Calma aí !!!

      Basta você ajustar a intensidade e frequência que adentra nos vários temas ventilados no blog. Da mesma forma que existe a denominação ” arroz de festa”, você estava tipo “arroz de tretas” ao querer bater de frente sobre inúmeros assuntos contra vários torcedores do Djokovic, alongando demasiadamente o debate com réplicas, tréplicas e burlando às vezes a regra do blog ao responder fora do espaço mesmo quando ainda estava disponível responder no campo apropriado. Ademais, soubemos que algumas de suas falas foram editadas ou foram excluídas ao não passar pelo crivo da moderação. Isso é muito sério !!

      Eu acompanho o blog há anos, e lembro que você se manifestava de outra forma. Claro que tu não chegava a ser um “gentleman” igual o Barroco e Marcão, mas não era tão holtil como nos últimos tempos.

      Não saia em definitivo do blog, no máximo tire alguns dias de “férias” e volte quando começar, por exemplo, o US OPEN, mas, por favor, não fique implicando com o “cotonete” e dizendo que ele seria um tenista comum se não tivesse o físico privilegiado…kkkkkk

      Abraço !!!

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Foi o que sugeri depois daquela treta mais pesada com o Jonas: sumir por um tempo.

        Não gosto do sujeito, mas não tenho nada pra comemorar não. Se fosse uma celebridade (como o Federer perdendo um título, por exemplo), aí até poderia pensar em soltar uns rojões. Não é o caso.

        Responder
    8. Marcílio Aguiar

      Rodrigo, eu não sou adepto dessas provocações intermináveis sobre o mesmo tema que alguns aqui praticam. Por todos esses anos que acompanho o Blog sei que você, Paulo Almeida e Luiz Fernando, que são os mais acalorados e frequentes nessas ‘tretas”, tem muito conteúdo a oferecer ao Blog sem necessidade de se utilizar desses debates inócuos. Faça como o Vitor Hugo que, sem abdicar da defesa de seus pontos de vista, adotou um postura madura e menos belicosa. Ademais, sua ausência vai deixar uma cadeira vazia no camarote da torcida do Suíço, da qual você é um dos mais fiéis representantes. Esfrie a cabeça e depois volte, mais tranquilo. Saudações.

      Responder
      1. Barocos

        Marcílio,

        Com a devida licença, faço minhas as suas palavras.

        O clima no país está lastimável, está num nível que eu não via há muitos anos. Se em política e economia as argumentações sempre foram acaloradas, em rodas de conhecidos, pelo menos, reinava uma certa civilidade, bem, pelo menos nos círculos que eu costumava frequentar. Atualmente, muitas argumentações rapidamente deterioram para troca de acusações, com cada lado tachando o outro de extremista, simplório, algo pior ou ainda muito pior, sem nem ao menos se fixar nos pontos debatidos para poder replicar apropriadamente. Para mim, pouca coisa é mais irritante do que ouvir como resposta algo do gênero “você não entende” ou, desgraçadamente, teorias conspiratórias muito mal-ajambradas. E estes idiotas que se encastelaram no poder, não só no Brasil, em vários lugares do mundo, tem feito farto uso deste tipo de comunicação imbecilizante. Quando confrontados e são expostas lacunas nas suas ponderações e/ou conhecimento, é deprimente assisti-los encenar saber algo que os outros ignoram, frequentemente acompanhados de expressões depreciativas, sem, no entanto, explicitar de maneira clara e coerente o que quer que tal coisa seja. É frustrante, para dizer o mínimo.

        Por favor, desculpe a minha digressão.

        Voltando ao tema, bem, tenho para mim que algumas brincadeiras e provocações são práticas perfeitamente aceitáveis contanto que alguns limites e regras não sejam transpostos, o que o Dalcim tem se esforçado para manter, e convido os participantes do blog a refletir sobre os seguintes pontos:
        – respeito é algo que devemos guardar para indivíduos, argumentos são sempre objetos de debate. Sobre os mesmos, recaem toda a faixa que vai de “concordo integralmente” à “discordo totalmente”. Não tenho que respeitar a opinião de ninguém, mas as regras de civilidade devem se aplicar a tudo e a todos. Tanto quem submete argumentos quanto aqueles que os examinam devem estar cientes de tal fato;
        – Críticas às opiniões não devem ser confundidas com ataques pessoais (vide o item acima);
        – É crucial que se tente manter o foco nos argumentos e não em impressões sobre o interlocutor (diga não ao ad hominem);
        – Humildade não faz mal à ninguém, pois que não estar sempre correto sobre os fatos é inerente à condição humana (vale também a máxima: fatos deveriam mudar opiniões, opiniões não modificam os fatos);
        – A calma ajuda na reflexão e na construção de bons argumentos;
        – Mais importante do que prevalecer em uma discussão, é aprender algo com ela;
        – Um pouco de bom humor e transigência não faz mal à ninguém.

        Por último, e ainda que eu não tenha acesso a todos os textos bloqueados/editados, devo dizer que não me lembro, em todos os anos que frequento o Blog, de ter presenciado uma única vez uma atitude indigna, ou mesmo injusta, por parte do Dalcim, nem em episódios onde ele era o alvo das reclamações. Mesmo que tenha errado em algum momento, afinal, somos apenas humanos, a integridade demonstrada por ele na maioria absoluta dos eventos até aqui, tornariam tais situações escusáveis e não subtrairiam em nada a minha admiração pelo caráter que ele tem manifestado até o tempo presente. Acho que este é um ponto pacífico para a imensa maioria de nós.

        Um grande abraço para todos, dias melhores virão.

        Responder
    9. João ando

      Rodrigo .já tivemos várias discussões aqui …isso faz parte do blog cada um tem sua opinião …tivemos discussões fortes onde as vezes a moderação tirava meus pontos de vista e não tirava o seu …nem por isso parei de comentar no blog …sumi 4 meses devido a pandemia e não ter torneios de tênis …estou voltando a comentar …teve uma moça que foi bem indelicada comigo e eu deixei para lá…volte quando começar o usopen

      Responder
  7. Juninho Fonseca

    Dalcim….vc não acredita que daria p Federer voltar esse ano caso ele estivesse com sangue nos olhos ainda??pq artroscopia não eh uma cirurgia tão invasiva assim,e mesmo ele tendo feito 2….já faz algum tp isso……parece q ele ia voltar a treinar no começo de agosto…..pelo menos os torneios depois de Roland garros daria p ele jogar tranquilamente….oq acha?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que até seria possível, mas talvez ele prefira reservar o fôlego para o início de 2021, ainda mais que o calendário pós-saibro está bem curto.

      Responder
  8. Vitor Hugo

    Já disse aqui quando o Dalcim fez a lista dos melhores piso por piso, que considero Federer o number one de todos os tempos nas hards. Apesar de ter o mesmo número de slam de Novak na superfície, Federer tem um finals a mais e mais títulos de simples no piso, além de ter vencido slam antes e depois da padronização. Roger também venceu por 5 anos seguidos o major americano, o que EU considero muito relevante.
    Pois bem, se o sérvio vencer o u.s open e o finals, PODE ser que eu mude MINHA maneira de pensar.
    PORÉM, mesmo que Novak não seja o vencedor do u.s open, tenho quase certeza que ele ainda vencerá pelo menos mais um slam no piso e alguns masters, então provavelmente será o number one no piso no MEU conceito.

    Bom deixar claro que não estou querendo entrar em discussão com fanatiquetes e haters, tanto é que deixei claro que é a MINHA maneira de pensar.
    Não sou dono da verdade.

    Responder
  9. Sandra

    Dalcim, quem você acha que está mais pressionado para ganhar o US Open ? E Cincinatti ? Thiem e a garotada ou Djokovic ? E na minha opinião vc acha que quer que seja o ganhador vai ter menos valor devido a debandada, particularmente acho que no masculino não , mas no feminino sim , qual a sua opinião ?

    Responder
  10. Luiz Fernando

    Outra coisa q poderia parar por aqui é o tal “GS parrudo”, ganhar um GS é algo único, se Rafa participasse desse próximo USO igualaria Federer com ou sem ou apesar da pandemia, seria um feito incrível, no futuro ninguém vai nem lembrar se esse torneio foi realizado nesta atual conjuntura. Educadamente gostaria de sugerir isso ao Paulo. Já tivemos vários GS sem algum participante do Big3, este USO não terá 2 dos 3 mas Rafa não irá apenas por pensar de uma forma pessoal q não deve ir, pois está em condições de jogar. Já houve GS mais difíceis de serem conquistados q outros? Claro, mas valem um da mesma forma. Ou não valem? Me lembro bem q alguns dos q hoje também criticam esse termo denegriram a conquista de Nadal no USO 2017 alegando q não encarou os mais bem ranqueados, que culpa ele tem se foram eliminados antes? Será q é preciso lembrar quem Delpo eliminou nas quartas daquele torneio antes de encarar Rafa na semi? E o mesmo aconteceu com outros GS vencidos p Federer ou Djoko com o mesmo enredo. Respeito o pensamento do Paulo Almeida, aqui cada um posta de acordo com o pensa, mas esse é um assunto q poderia não ser mais citado…

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Luiz, acho que GS parrudo não é das piores provocações que rolam por aqui. A maioria dá risada ou pelo menos leva na esportiva. Lembrando que eu estava quieto e fui provocado algumas pastas atrás sobre o assunto.

      De qualquer maneira, você pode ficar tranquilo, já que o Nadal tem um montão deles, rs. O USO 2017 foi uma oportunidade para a torcida do Federer se vingar, assim como estão fazendo agora.

      Responder
      1. Luiz Fernando

        Vc está enganado meu caro, eu, outros blogueiros e o Pete Sampras (já ouviu falar?) sempre citamos que em um determinado momento da carreira “Federer não teve adversários a altura” nas palavras do Sampras ou se beneficiou da chamada “entressafra”, termo usado nas provocações aqui do blog. Isso eu penso e sempre vou pensar, e creio q no texto acima não há nada q contradiga isso. O que está exposto é q um GS sempre será um GS, com ou entressafra, com ou sem chaves mais fáceis do q o esperado, com ou sem pandemia, e que no frigir dos ovos sempre contará como “1”. Apenas isso. Ou será q alguém aqui já postou q os GS vencidos em cima do Baghdatis, Gonzales e cia limitada valiam meio? O detalhe é q vc e outros só criticam e tentam desmerecer as postagens de quem interessa a vcs, a chamada “indignação seletiva”…

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Sampras sempre citou o que L . F . ? Em 2017 quando bateu Nadal e depois venceu WImbledon , Pete afirmou no Site Oficial “ Roger e ‘ tipo do jogador que nasce a cada 50 anos “ . Foi infeliz nesta última declaração a que você se agarra . Ficou um ano e meio sem vencer um único Torneio perdendo pra quem ? Para Safin , Hewitt , Roddick e CIA . E sua enorme invencibilidade em Wimbledon, perdeu para Federer aos 19 ainda em 2001 . Se mandou cedo aos 31 , e quem encarou seus maiores oponentes de então foi o Suíço , e Rafa Nadal a partir de 2004. Você se segurou na turma da Kombi até cansar, tentando desconstruir a história do Esporte. Inspirado em conhecidos recalcados . Parece que cansou mas tem ainda algumas recaídas kkkkkkkkkkkk Abs!

          Responder
          1. Sérgio Ribeiro

            Ps. E’ óbvio que os SLAM não valiam meio SLAM . Apesar da conhecida imaturidade de Novak e Andy , o então N 2 do Mundo , Rafa Nadal , caiu cedo na maioria dos SLAM citados. Veja nos 14 SLAM de Pete Sampras , o grande número em que Agassi caiu cedo rsrsrs Abs!

        2. Gildokson

          Não só dizem que valia “meio” como nem contam em alguns debates. O Paulo Almeida que é o fundador dessa história de Slam “parrudo” é um que sempre disse isso. E você e outros muitas vezes atestam com um tom desmerecedor.
          Ahh mas o Us Open inteiro em cima de top 20 pode… ninguém pode criticar….
          Ah e ja ouvi falar de Pete Sampras sim, e torcia pra ele. E recomendo você e ele a dar uma olhada em alguns adversários que ele venceu em finais de Slam.

          Responder
          1. Miguel BsB

            Pois é, se isso valer, Sampras tb pegou épocas que não tinha adversários à altura, muito por méritos da genialidade dele quanto tb é mérito da genialidade do suíço quando tratorava todo mundo. Dps surgiram 2 outros gênios que tb já tiveram épocas que não tiveram “adversários à altura”.
            Isso pode ser dito de qualquer tenista que por algum tempo dominou o circuito em sua época…

  11. Carlos Augusto

    Djokovic continua a ser o mega favorito pra qualquer coisa até o final da temporada, exceto Roland Garros. Entretanto, acho que a ausência de público é um fator que beneficiará os mais inexperientes. Isso não os torna favoritos, mas é uma pressão a menos a lidar num jogo contra uma mega estrela. Já é difícil conseguir ritmo e se impor contra um grande campeão, mas mais difícil ainda é conseguir administrar uma eventual vantagem adquirida ou fazer o ponto decisivo numa situação de equilíbrio. E neste aspecto o fator casa cheia e torcida barulhenta pesam muito mais nos ombros dos menos experientes.
    O que acha, Dalcim? O fator ausência de torcida pode mudar a característica do jogo? Isso favoreceria alguém ou só mudaria mesmo o aspecto espetáculo?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sinceramente, não vejo a torcida como um fator tão importante na motivação para um tenista, embora é claro que os maiores nomes estão tão acostumados a estádio lotados que sentirão um clima estranho. Porém, não vejo isso como uma condição mais relevante do que o aspecto físico e técnico de tantos meses sem competição.

      Responder
  12. Oswaldo E. Aranha

    Vendo a sistemática obsessão de alguns participantes do blog em tentar diminuir a importância do Djokovic, cheguei `conclusão que é problema de amor frustrado, por se sentires traídos pelo fato de ele ter tirado as conquistas de seu tenista preferido, como quando um casal se separa e os cônjuges não pedem oportunidade de criticar o outro.

    Responder
  13. Heitor

    Sem federetes histéricas e chatérrimas em quadra para tirar a concentração de Djokovic o torneio não terá a menor graça. Vai ser uma chacina. Sete jogos, sete 3 x 0. Aliás, se você é anti-Djokovic, torça desesperadamente para a volta do público no tênis, pois do contrário Djokovic vai doutrinar, sem dó, um por um, campeonato após campeonato.

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Cara, a torcida nova-iorquina é disparada a mais nojenta e hostil com o sérvio no mundo e, mesmo que normalmente ele tire isso de letra, também vejo como uma certa vantagem na edição atual.

      Discordo do restante do seu comentário: pra mim vai ser um torneio duro, como disse mais abaixo e em outras publicações.

      Responder
    2. Jonas

      Será? Gostaria de ser otimista assim.

      Muito tempo sem jogar…o ritmo pesa e estamos vivendo uma pandemia. No início do ano Djokovic não atropelou. Estava em ótima forma e jogando seu torneio preferido. Foi vencer no 5° set, passando um sufoco danado contra o excelente Thiem, que aliás vai jogar o US Open.

      O histórico do Djokovic no US Open também não é lá essas coisas, convenhamos. Espero que vença.

      Responder
      1. Paulo Almeida

        O histórico dele é muito bom sim, cara.

        São três títulos, oito finais e onze semifinais (10 seguidas de 2007 a 2016).

        É porque nós estamos mal-acostumados.

        Responder
        1. Jonas

          Ele é tricampeão, Paulo. Talvez eu tenha exagerado, pois deu a entender que ele tem um retrospecto pífio, o que não é verdade.

          Quando citei o histórico do Djoko, quis dizer que ele deu alguns “vacilos”. Perdeu aquele final pro Murray em 2012 (jogo horroroso), deixou escapar contra o Nadal em 2013 (algo que fez a diferença no ranking no final do ano) e ainda perdeu pro Nishikori em 2014.

          Então eu discordo do Heitor, pra mim o sérvio é favorito e espero muito que vença, mas não a ponto de atropelar todo mundo, longe disso. Pelo que tenho lido, os fãs do Djoko estão bem cautelosos com esse torneio. A maioria não crava o Djoko como campeão, longe disso.

          Responder
    3. Paulo F.

      Eu prefiro o Djoko com torcida contra. Fica muito pistola e aí usa muito bem sentimentos negativos a seu favor.
      Em 2015 tinha toda a Philippe Chatrier a favor e o resultado foi a derrota.
      De modo algum quero fazer alguma desconsideração à atuação brilhante que Stan the Man teve naquela final.

      Responder
  14. Heron Fontana

    Dalcim, parabéns pelo blog, fonte muito rica em informações sobre o tênis.
    Gostaria de sugerir um post sobre a evolução do tênis atrelada ao estilo de empunhadura, tecnologia da raquete e biomecânica do movimento (principalmente o forehand). Esses assisti um jogo do Jim Courier e me parece que ele foi um dos pioneiros em adotar uma empunhadura mais agressiva (western) tirando proveito das raquetes mais modernas. Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado, Heron. Sua sugestão é bem mais voltada à área técnica e vou encaminhar para um dos nossos consultores e sugerir que façam essa análise. Abs!

      Responder
  15. Mário Cesar Rodrigues

    Sinceramente vcs realmente acreditam que este GS na América vai acontecer….,até Roma RG estão correndo sério perigo na América por mais que estão se cuidando para evitar catástrofes se pi Ventura tiver o tornei o na segunda rodada vai na minha visão ser suspenso o torneio não há cabimento uma irresponsabilidade tamanha

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Não, não tem. Longe disso. Becker está ficando mais despeitado em relação ao Djokovic do que alguns membros daqui e por isso nada do que disse nos últimos tempos pode ser levado a sério.

      Isso só tem uma explicação: dor de cotovelo por ter sido chutado da equipe em 2017 e jamais reintegrado.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Essa é uma demonstração que o Piloto entende muuuuito do Esporte… “ Novak sempre quis fazer demais com esse golpe . E eu lhe dizia que o importante era vencer o Ponto “ . Daí que ele continua se enrolando todo. Tem que ser incrivelmente fanático pra apelar pra despeito neste caso. Dito isto , procure saber quem lançou a Obra – Prima Sgt. Pepper’s em 1967 … Com certeza essa é mais a sua Praia rsrsrs Abs!

        Responder
        1. Paulo Almeida

          Foi despeito e carência. É óbvio que o smash do sérvio não é nem de longe o pior do top 100.

          The Piper At The Gates of Dawn >>>> Sgt. Pepper’s. Sem choro!

          Responder
      2. Miguel BsB

        Nao sou de maneira nenhuma anti Djokovic, tento analisar mais “imparcialmente” o jogo. Nessa aí, o Becker tem razão…se existe um golpe bem abaixo pros padrões elevadíssimos do sérvio é o Overhead…como ele disse, ele tem uma espécie de bloqueio com esse golpe. Não há outra explicação, pois, no nível tão alto em que eles jogam, so consigo enxergar como sendo esse o motivo, até pq no geral, não é um golpe tão complicado de se executar, normalmente pra definir o ponto.

        Responder
        1. Paulo Almeida

          Você tem noção de como é ridículo dizer que o smash do sérvio é o pior do top 100, ainda mais atualmente? Por acaso não se lembra daquele MONSTRUOSO contra o Thiem na final do Aussie do fundo da quadra?

          Pra ficar só jogadores top de linha, ele já smasha melhor do que Medvedev e Zverev.

          Becker é só um amargurado querendo atenção.

          Responder
          1. Luiz Fabriciano

            É fácil entender Paulo.
            O saque tem um movimento todo construído por ele. A bola que vem para o smash tem uma trajetória própria, totalmente imprevisível.
            E quantos saques ficam na rede? A vantagem do smash é poder colocar em qualquer lugar da quadra.
            Abraço.

          2. Jonas

            Verdade, Luiz. São movimentos diferentes.

            Paulo, o Djokovic hoje tem um serviço muito bom, inclusive esteve no top 5 do Dalcim na lista de segundo serviço, algo que me surpreendeu bastante…

            Eu vejo vídeos do Djokovic de 2007, 2009…é incrível o quanto ele evoluiu no saque e em outros fundamentos também.

            O smash dele é ruim sim, embora não seja tão usado. Só acho que melhorou bastante, porque era sofrível…Quem não lembra da semi de RG 2013? Fosse um outro jogador ali, o próprio Nadal, que tem o melhor smash do circuito, dificilmente erraria aquela bola.

    2. Enoque

      Nunca entendi porque ele tenta pegar de primeira, quando fica bem mais fácil deixar quicar e pegar, mais ou menos, como se fosse sacar.
      Deixar quicar Djoko.

      Responder
  16. Rubens Leme

    The Boys Are Back in Town e ao circuito, Dalcim!

    Então, nada melhor do que ouvir a versão ao vivo desse clássico no live duplo Live and Dangerous, do Thin Lizzy, um dos melhores e mais famosos discos ao vivo dos anos 70.

    O disco marca a saída do guitarrista Brian Robertson após brigas incessantes com o baixista, vocalista e líder Phil Lynott. Brian – que futuramente teria breve passagem pelo Motorhead, no excelente Another Perfect Day – tinha um entrosamento perfeito com o outro guitarrista Scott Gorham. Sua saída seria aplacada com o retorno de Gary Moore, que já tinha passado pelo grupo anteriormente.

    Live and Dangerous conseguiu captar toda a energia e vitalidade em 17 faixas clássicas com a banda no auge da fama.

    Bons sons.

    https://www.youtube.com/watch?v=tL4woc2u_jA&list=PLglUu7rOaMDsleUArFkygtoVpp2hH-lIc

    Responder
  17. Evaldo Medeiros

    Bom dia Dalcim e a todos. Dalcim, Nole inscrito em Roma. E se ele chegar nas finais de Cincinnati e do Us Open ?? Será que ainda vai sobrar gás para ele em Roma e Roland Garros? Essa sequência em Nova York não pode prejudicá-lo nos dois torneios do saibro?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Pode, mas raramente o sérvio teve um desgaste tão grande que o impedisse de jogar. Além disso, ele pode saltar Roma e descansar duas semanas para Paris.

      Responder
    2. Enoque

      A final do USO deve acontecer no domingo dia 13 de setembro e o Master de Roma começa na segunda dia 14, com os principais cabeças começando na terça ou quarta. Se o Djoko chegar a final no USO, é lógico que ele vai informar sua desistência de Roma, onde ele já tem garantido 600 pontos pela participação da final em 2019. Essa inscrição é para o caso de sair cedo no USO e aí sim ter tempo para fazer uma adaptação ao saibro para RG. Resumindo o Djoko está pouco se lixando para o torneio de Roma em si.

      Responder
      1. Enoque

        A disputa do big 3 pelo maior número de Slams é significativa, mas, também é a briga pela liderança do ranking, tanto em números de semanas como terminar o ano.
        Então, agora vai ser jogo de xadrez na escolha da melhor opção para pontuar e não se desgastar. O Djoko vai fazer de tudo para permanecer na liderança, e o número de Slams virá, na medida do possível, nos próximos anos. O cara tem que correr atrás de uma lebre de cada vez, se não, acaba sem pegar nenhuma.
        Se o Djoko bater o recorde de semanas na liderança, que pode durar dezenas de anos, e também de liderança ao final do ano, já estará na história como um dos maiores.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Não sei porque todos esquecem da mudança do Calendário, Enoque. Hamburgo agora e’ depois de Roma. Foi longe no USOPEN, pula Roma . Caiu cedo ? Pode até jogar Roma e Hamburgo. Acredito que Nadal se vencer Roma , joga também o segundo antes de RG . Abs!

          Responder
  18. Paulo F.

    Rodrigo S. Cruz:
    Em duas balanças, em qual delas o fiel ficaria mais desequilibrado?
    – 29 laranjas num prato e 26 laranjas no outro ou 24 laranjas num prato e 16 laranjas no outro?
    Se não entender posso reformular a pergunta com maçãs.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Rodrigo S. Cruz
      17 de agosto de 2020 às 01:59

      “Beleza!
      Repare então que você mesmo admite que o retrospecto total é o que importa.
      Portanto, tudo que o suíço tem a fazer é EMPATAR com o Nadal no retrospecto geral.
      Levando em conta que há 6 anos o Nadal não ganha dele (nem exibição), fora do saibro, quero ver o que você vai dizer CASO O SUÍÇO O ALCANCE…”

      Tenha fé, Flipper.

      Vai lendo aí que uma hora você acaba entendendo o texto.

      Não desanime não…

      Responder
      1. Paulo F.

        Federistas fanáticos, vide tu e o arrogante, são os que possuem problemas com interpretações de textos.
        P.S.: Dalcim, qual o privilégio que o Rodrigo S. Cruz tem para responder fora do lugar adequado que os outros não possuem?
        No tópico anterior, ainda havia lugar para me responder e ainda assim, ele criou uma nova postagem com os seus já famosos colchetes.

        Responder
          1. José Nilton Dalcim

            É essencial que sua resposta siga dentro do comentário respectivo, sem abrir um outro. Por favor, siga isso.

        1. Sérgio Ribeiro

          Esse teu papinho de “ interpretação de texto “ já deu , informadissimo P. F. Não entendes mesmo que não existe equilíbrio no Saibro entre Nadal e seus dois fregueses . E fora do barro , não vence ambos ha’ muito. Mas é pedir demais ao nobre baba ovo do Almeida rsrsrs Abs!

          Responder
          1. Paulo F.

            Só que destes dois fregueses, um deles foi bem mais difícil do que o outro para o Nadal no saibro.
            Vamos aos fatos (e comparações):
            – Um deles tem os títulos importantes do saibro. O outro não.
            – Um deles venceu em Monte Carlo e em Roma. O outro não.
            – Um deles derrotou Nadal em Roland Garros. O outro não.
            – Um deles fez o Nadal de vice em todos o M1000 do saibro. O outro não.
            – Em Roma, Nadal foi vice duas para um deles. Para o outro não.
            Como Sérgio Ribeiro possui notória dificuldade na interpretação de textos, vou deixar claro: Novak Djokovic impôs mais, MAS MUITO MAIS dificuldade no saibro para Rafael Nadal do que o incensado, incriticável e “melhor de todos os tempos” Roger Federer.

          2. Sérgio Ribeiro

            7 x 17 é o retrospecto , caríssimo P . F. Isso é freguesia total , mane’. Nada a ver com interpretações de Texto. E no maior palco , RG , 1 x 6 para o Espanhol. Federer já venceu MASTERS 1000 no Saibro pra cima do Touro, com direito a pneu . E 4 x 4 com o Sérvio nesta superfície. Não adianta enrolar e vir com a babaquice de arrogância . Já deu rs Abs!

          3. Sérgio Ribeiro

            A freguesia no Saibro compartilhada com o Sérvio , não apaga a superioridade do Suíço nas demais superfícies. E o baba ovo mor do Almeida , ainda não entendeu que jogaram apenas 4 na Grama com 3 Vitórias de Federer . Já no Saibro foram 16 , enroladissimo comentarista . Se o mane’ quer colocar o Barro como preponderante , problema de quem não conhece o Esporte. Abs!

          4. Paulo F.

            Se é assim, Sérgio Ribeiro, na GRAMA Djokovic possui um cartel de 3 x 1 contra Federer, manezão!
            Suíço FREGUESAÇO de carteirinha na GRAMA pro sérvio !!! 75% contra 25% !!!!
            FREGUESAÇO NA GRAMA !!!!
            rsrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs
            Abs! Abs! Abs! Abs!

        2. Rodrigo S. Cruz

          Você tinha escrito que não acha que o FEDAL seja equilibrado.

          Eu concordei, mas pontuei que fora do saibro o Federer vem mostrando domínio, e que por este motivo esse h2h pode um dia ser revertido…

          Pronto, só isso.

          Aí você não entendeu nada, e me ironizou de forma apelativa.

          Eu simplesmente reproduzi o meu texto de novo, para você entender, e rebati a tua ironia.

          Precisava mesmo chamar a mim e ao Sérgio de “fanático”, e ainda jogar a moderação contra mim?

          Responder
          1. Paulo F.

            Não se vitimize, Rodrigo.
            Você vive fazendo novas postagens fora dos locais de tréplica.
            Mesmo quando ainda há espaço para as tréplicas;

          2. Paulo F.

            Não é que o Fedal não seja equilibrado, ele não é.
            Tanto que me recuso veementemente de chamar um confronto tão desparelho, tão DESEQUILIBRADO de “rivalidade”.
            O adjetivo adequado para Fedal é “freguesia”.

          3. joao

            pior que nao enxergar que posta em lugar errado, é achar que o erro ta no Paulo F. de indicar isso… (fica brabo com o mensageeiro em vez de fazer o que todo mundo aqui tenta fazer. So vc nao precisa…)

  19. Marcelo

    Dalcin, até o momento, já apostaria em alguém como surpresa para este USOpen ? Uma geração no topo, mas já beirando os 34/35 pelo menos (apenas o Djoko). Uma segunda consolidada (lideradas por Thiem, Sasha, Tsitsipas e Mdvedev). Mas e as novas (18/19 anos), alguém te chama a atenção e poderia surpreender e beliscar uma semi ou quartas em tua opinião? Sentindo falta de caras novas nos torneios.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não vejo um nome com essa capacidade em condições normais, talvez o Aliassime ou o Rublev, mas como estamos no momento num terreno de muitas incógnitas, principalmente físicas, acho que tudo pode acontecer.

      Responder
  20. Paulo Almeida

    Estava ouvindo o Genesis Live agora há pouco e afirmo sem pestanejar: esse álbum continua um verdadeiro petardo na orelha, mesmo quase 50 anos depois. Que performance estupenda de Gabriel, Hackett, Banks e Collins!

    Destaco as faixas The Return Of The Giant Hogweed, The Musical Box e The Knife, que poderiam tranquilamente ser classificadas como metal progressivo. Fala-se por aí que o Rush foi a primeira banda a compor um prog mais pesado, mas para mim foi o quinteto britânico.

    Responder
  21. Sérgio Ribeiro

    Esse “ esvaziado” USOPEN vai conseguir reunir um número considerável de TOPs , o que garante ao vencedor , todos os louros . Por acaso alguém lembra ao grande Rod Laver que os seus SLAM da Era Amadora são contados no geral , incluindo os AOPEN na época que não ia ninguém, e assim como Court , os venceu pra cima de compatriotas ?… Como o Sérvio sabe disso , foi um dos primeiros a chegar . E ao seu lado a Next Gen com Zverev e tudo que jurou não ir. Algo me diz que um deles vai comer o fígado do N 1 rsrsrs Abs!

    Responder
  22. Paulo Almeida

    O maior e melhor da história Djokovic terá muito trabalho para vencer Cincy e US Open. Quem dera ele tivesse a moleza de pegar a bagralhada liderada por Roddick que o GUAT teve lá na patética entressafra 2003-2007.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Na boa , pula pra música que este teu papinho já deu , caríssimo Piloto. E capricha porque esse teu último também me parece totalmente equivocado rsrsrs Abs!

      Responder
      1. André Barbosa

        Relaxa, caríssimo Sérgio. Assim como tantos outros o cara acorda, abre o site, aperta o “shuffle” e fala uma groselha aleatória na tentativa de provocar alguém. É só ignorar, os comentários bons felizmente superam os ruins.

        Abs

        Responder
    2. Marcelo

      Acho muito interessante como esta nova safra de torcedores que está apenas saindo das fraldas enxerga o tênis de 12/15 anos atrás. Nasceram anteontem, mas acreditam piamente que nasceram a 10 mil anos atrás… Quanto ao tênis, podemos discutir, mas trata-se sem dúvida nenhuma da pior entre safra de torcedores de todos os tempos!!!

      Responder
  23. Luiz Fernando

    Putz Gabi esse Celtics faz a gente sofrer, depois de entregar no final do terceiro quarto jogou um quarto período excepcional. Tatum e Brown jogando demais…

    Responder
    1. Gabi

      Sim, sim, Jay-Jay jogando muito!!

      O impacto que um jovem de 22 anos tem em um time.
      Jayson Tatum fora, viraram.

      O moleque não é o futuro. É realidade. Presente. Já.

      P.s.: será que o Hayword se recupera? Enquanto escrevo não saiu resultado da ressonância

      Responder
  24. RicardoCWB

    Dalcim, numa possível final Djoko x Thiem, as condições (piso/clima) de NY são boas ou ruins para o austríaco?

    Elas seriam melhores que em Melbourne, por exemplo?

    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que na quadra dura, as condições sempre serão mais favoráveis a Djokovic. Thiem talvez até prefira as coisas um pouco mais lentas para usar o máximo de seu backhand.

      Responder
  25. Evaldo Moreira

    Boa noite,
    Vai ser um slam estranho com certeza mestre Dalcim, os mais preparados que estou vendo até agora são: Thiem, Stefanos T, Dimitrov fez bons jogos, mas ai, a famosa consistencia não ajuda, Nole também fez bons jogos, não acho ele superfavorito, poderemos ter surpresa, ou não, mas se o sérvio vier com fome e sede de títulos, não tenho dúvida do seu favoritismo, mas superfavorito não, vamos ver.

    Dalcim, sobre os brasileiros, a depender das chaves, qual deles voce acha que podem ir longe?
    Nas duplas, acha que pode ir longe também?
    No feminino, nas duplas, vou com a paulistana lá, a Luísa Stefani, essa bem adaptada ao sintético hein Dalcim?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Melo será provavelmente cabeça 2, então acredito que ele tenha as maiores chances. Bruno sempre jogou bem em Nova York. Stefani me parece depender de uma boa chave.

      Responder
  26. Rafael

    Mestre, se o Djoko vencer Cincy e Us Open, além de encostar mais ainda na corrida pelo numero de Slams, o número 1 deve permanecer com ele por muito tempo. Não? E quem você acha que pode fazer frente a ele nesses torneiro?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, ele ampliaria a vantagem e tiraria chances preciosas de o Thiem chegar mais perto, já que o austríaco foi mal nesses dois torneios. E acho que é exatamente o Thiem que pode ser seu principal adversário, porque é o mais experiente entre os outros tops de momento.

      Responder
  27. Andre Gomes

    Dalcim, será que o Wild consegue entrar no quali de Cincinnati? Ainda faltam algumas desistências…você sabe de mais alguém que vai ficar pela Europa e ainda está inscrito?

    Responder
  28. Luiz Fernando

    Djoko me parece ainda o maior favorito p o USO, mas menos do seria de esperar se nao tivesse tido Covid. Claro q teve um forma amena da doença, mas num período tao curto de recuperação ninguém sabe exatamente o impacto q esse problema terá em um atleta de alto rendimento como ele. O mesmo vale p Rafa em RG, claro q o cara até o momento nao teve doença alguma, mas nao podemos nos esquecer q ele sempre chegou em Paris com uma serie de torneios prévios disputados sobre a superfície, muitos dos quais vencidos, catapultando sua confiança para as alturas, e com grande ritmo de jogo, algo completamente distinto do q ocorrerá desta vez…

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      E para uns, o silêncio é uma variável muito importante.
      De um trecho do belíssimo filme A Vida é Bela: quando estou presente, não notam minha presença, mas quando notam, já não estou mais. Quem sou?

      Responder
      1. Gabi

        Muito bem colocado.
        E faço um gancho da tua ideia com o isolamento, que acaba potencializando o silêncio e o barulho que ele faz.
        Agora, presos em casa, sem as urgências da rotina e sem a rua para nos salvar, o confronto com o que muitos evitam ao longo dos anos de vida é inevitável: quem nos tornamos e as escolhas que fizemos até aqui.

        Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O sorteio da chave me parece muito importante, mas elas estão bem confiantes e muito bem adaptadas à quadra sintética, Wagner.

      Responder
  29. Daniel

    Bem previsível essa empolgação toda do DjoCovid19…será um dos GS mais esvaziados de todos os tempos. Uma grande oportunidade de encostar no recorde do Federer com pouco esforço…rs

    E mais uma vez vamos ver se a nova geração vai decepcionar ou não…

    Responder
  30. Maurício Luís *

    U.S.. Open 2020:::::::: os últimos que saírem, favor fecharem a porta e apagarem a luz. Thank you!
    Mas por mais desfalcado que fique, seja lá quem for campeão ou campeã, não lhe tira o mérito. Eles não tem culpa da pandemia. Assim como a Margareth Court não tem culpa de que a Austrália é longe de tudo e faturou 11 títulos lá.
    Ótima oportunidade pra Serena, mas olha… tá difícil, viu? Ela já não parece se mais a mesma. Tanto pra ela quanto pro Federer, o tempo corre contra.
    Acharam que eu não ia falar do Nadal? Lá vai ele pra mais um caneco de Roland Garros. Puxa, desse jeito vai ter que guardar troféu na casa da sogra, por absoluta falta de espaço. Pra que tanto troféu? Todo mundo já sabe que ele é o melhor do saibro de todos os tempos. Até os selenitas que vivem do outro lado da Lua sabem disso. Sossega aí, baloeiro!

    Responder
    1. Marcelo

      Olha Mauricio, esses caras não largam o osso. O NAdal, por exemplo: não sei se terá folêgo para ganhar, mas a fome deve ser tanta, que imagino que sua casa além das prateleiras já preparadas para receber os troféus vindouros de RG, já tenha até as plaquetas de identificação para os troféus de RG até 2025, pelo menos.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *