O top 10 por piso do tênis feminino
Por José Nilton Dalcim
18 de maio de 2020 às 14:39

Assim como foi feito no masculino, montei um ‘top 10’ do circuito feminino da Era Profissional por piso. Valem muitas das mesmas observações feitas para os homens, ou seja, o fato de que entre 1968 e 1974 os Grand Slam sobre a grama eram três; entre 1975 e 1977, os de saibro foram dois. E em 1978 surgiu o Slam para o piso sintético que, a partir de 1988, passou a ter dois torneios na superfície e a dominar portanto o calendário.

Na ordem de importância do calendário, o Finals feminino promoveu as duas primeiras edições no saibro. Entre 1974 e 2000, aconteceu sobre o carpete (e por isso foi o torneio mais importante disputado sobre o piso), e daí em diante na quadra dura. Dos Jogos Olímpicos desde 1988, um foi no saibro, outro na grama e os demais no sintético. Como sempre, valorizo os grandes feitos de duplas.

SINTÉTICO

1. Serena Williams
Absoluta, com 17 finais de Slam e 12 títulos, mais sete decisões de Finals e cinco troféus. Maior vencedora (47) e mais vitórias (501, com 84 derrotas e percentual de 85,6%)
2. Steffi Graf
Outro furação no piso: oito Slam e quatro vices, com 37 títulos e notáveis 89,6% de vitórias (338-39). Levou tudo em 1988: Austrália, Olimpíadas e EUA.
3. Monica Seles
Apesar da carreira encurtada, aproveitou bem o piso: quatro Austrália e dois EUA, 29 troféus e 83,6% de sucesso (311-60).
4. Kim Clijsters
Seis finais de Slam, com 3 títulos nos EUA e 1 na Austrália, além de 3 Finals. Somou 31 títulos e 325 vitórias (82,7% com 68 derrotas).
5. Martina Hingis
Decidiu 9 Slam e venceu 4 (tri na Austrália), além de 8 troféus de duplas. Ganhou 2 Finals de simples e 3 de duplas. Eficiência de 79,5% (302-78).
6. Martina Navratilova – Quatro Slam e quatro vices, mais 10 duplas. Foram 29 títulos e 87% de vitórias.
7. Justine Henin – Seis finais de Slam, com bi nos EUA. Ganhou dois Finals e teve 82% de sucesso.
8. Chris Evert – Com 478 vitórias, percentual chegou a 91,5% e 35 títulos, mas nos Slam ficou com sete finais e três títulos nos EUA.
9. Venus Williams – Dois US Open e um Masters, com 31 títulos e 479 vitórias.
10. Maria Sharapova – Dois Slam e um Masters, 20 títulos e 78,5% de sucesso.

SAIBRO

1. Chris Evert
Indiscutível: sete Roland Garros, três EUA e dois Masters, com notáveis 94,5% de sucesso em 404 jogos (382 vitórias). Foram 70 títulos e 125 jogos de invencibilidade.
2. Steffi Graf
Fez nove finais em Paris, com seis conquistas. Somou 32 troféus e 88,5% de eficiência (279 vitórias e 36 derrotas). Foi prata nos Jogos de Barcelona.
3. Justine Henin
Quatro títulos em Paris em cinco anos, terminou com 13 títulos no piso e 84,9% de vitórias (163 em 202 jogos realizados).
4. Monica Seles
Três triunfos seguidos em Paris antes da facada e uma final seis anos depois. Ganhou 14 torneios e 142 de 167 jogos (85%)
5. Serena Williams
Fez 4 finais, com 3 troféus em Roland Garros (curiosamente, 11 anos entre o 1º e o 2º). Venceu 13 torneios e tem 83,2% de sucesso.
6. Arantxa Sánchez – Em 10 anos, seis finais e três títulos em Paris. Somou 19 títulos no piso e 342 vitórias.
7. Margaret Court – Viveu a transição para o profissional e ganhou três vezes em Paris e outros 19 torneios.
8. Martina Navratilova – Mesmo fora de sua especialidade, fez seis finais e ganhou duas vezes em Paris, além de mais 14 torneios (208 vitórias)
9. Maria Sharapova – Três finais seguidas e dois títulos em Roland Garros, somou 159 vitórias no piso (82,4%).
10. Evonne Goolagong – Outra da fase de transição, um título e um vice em Paris e total de 20 troféus no saibro

GRAMA

1. Martina Navratilova
Domínio absoluto: 9 conquistas em Wimbledon (seis seguidas) em 12 finais, mais três na Austrália em cinco finais, além de 15 troféus de duplas e 32 títulos totais. Ganhou 307 de 346 jogos (88,7%).
2. Margaret Court
Mesmo na transição, ainda fez 10 finais e ganhou oito Slam (quatro na Austrália, três nos EUA e um em Wimbledon), mais sete duplas. Totalizou 46 títulos e venceu 293 jogos.
3. Serena Williams
De seus 8 títulos na grama, 7 foram em Wimbledon, onde fez mais 4 finais, e outro nas Olimpíadas. Ganhou seis duplas (e 1 olímpica). Tem 88,4% de sucesso (107 em 121).
4. Steffi Graf
Disputou nove finais em Wimbledon em 12 edições. Faturou sete títulos e um de dupla. Ganhou 85 de 100 jogos (85% de eficiência).
5. Billie Jean King
Tal qual Court, também pegou transição. Venceu quatro vezes Wimbledon e três nos EUA, com mais três vices e seis duplas. Totalizou 22 títulos.
6. Evonne Goolagong – Doze finais, sendo sendo 7 na Austrália e cinco em Wimbledon. Ganhou seis (quatro em casa e duas em Wimbledon, com 38 títulos no total.
7. Venus Williams – Nove finais em Wimbledon, com cinco títulos (e mais seis em duplas). Tem 81,6% de eficiência.
8. Chris Evert – Cinco troféus, sendo três em Wimbledon e dois na Austrália. Ganhou 17 torneios e teve 87,3% de vitórias.
9. Virginia Wade – Britânica somou um título em cada um dos três Slam da grama.
10. Jana Novotna – Três finais em Wimbledon e um título, mais quatro troféus de duplas.

CARPETE

1. Martina Navratilova
Outro domínio absoluto: 88 títulos, 512 vitórias e apenas 38 derrotas, ou seja, 93,1% de sucesso. Venceu oito de 11 decisões no Finals, onde levou mais 13 duplas.
2. Steffi Graf
Sempre bem adaptada aos pisos velozes, ganhou cinco Finals e teve um vice. Total de 31 títulos, com 189 vitórias e 20 derrotas (90,4%).
3. Monica Seles
Mesmo sem grande saque, decidiu quatro Finals e ganhou três, totalizando 103 vitórias em 123 possíveis (83,7%).
4. Chris Evert
Foram 35 troféus no carpete, sendo dois de Finals (mais quatro vices). Ganhou 208 e perdeu 27 jogos (88,5%)
5. Evonne Goolagong
Ótima nas quadras velozes, venceu dois Finals e totalizou 15 títulos na carreira profissional.
6. Martina Hingis – Ganhou dois Finals de simples e dois de duplas, com mais dois vices de simples
7. Gabriela Sabatini – Fez quatro finais de Masters, com dois títulos.
8. Lindsay Davenport – Ganhou uma das três decisões de Masters.
9. Tracy Austin – De seus 14 títulos, um foi no Finals.
10. Billie Jean King – Conquistou 36 títulos no piso.


Comentários
  1. Paulo Almeida

    O Kevin Anderson é o melhor dos grandalhões sacadores de fato. Diferentemente de Roddick e Isner, ele se vira muito bem na hora da trocação, apesar de cometer alguns erros bisonhos de vez em quando. Um cara que já varreu o Federer em Wimbledon, o Murray no US Open e que fez o GOAT Djokovic suar sangue na relva em 2015 merece respeito.

    Posso dizer o mesmo do Bautista-Agut, uma evolução do Hewitt, com forehand, backhand e devolução superiores. Já o Ferrer não foi muito melhor do que o australiano na minha visão.

    O Leo Gavio pode me corrigir se eu estiver equivocado.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Será que o nobre comentarista assistiu meia dúzia de partidas de Andy Roddick ? Ou somente as 6 que ele bateu seu amado ? rsrsrs. E ainda pede a colaboração do ” especialista ” e “sábio” Léo Gavião ? kkkkkkkkkkkk A partir do momento que ambos não aprenderam ainda a respeitar nenhum Ex-N1 do Mundo , o que postam soam como asneiras . Ainda mais ridicularizando um Tenista que conseguiu ter retrospecto positivo contra Pete Sampras e Novak Djokovic . Kevin Anderson e Bautista
      jamais quiçá TOP 4. Mesmo com a aposentadoria do Craque Suíço. Abs !

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        PS. Hewitt assumiu o N 1 em 2001 ( mesmo Sampras tendo vencido o USOPEN 2001) e manteve o Posto em 2002. Roddick assumiu o N 1 em 2003 e foi superado por Federer ao Final de 2004 .Não é pouco não . Abs!

        Responder
      2. Paulo Almeida

        Vi muitos jogos do Roddick, caro Ribeiro, e acho que o Anderson tem mais recursos durante os ralis.

        Foram cinco vitórias e nenhuma depois de 2011.

        Responder
  2. Rubens Leme

    Dalcim, não sei se terá US Open este ano, mas apenas sei que brasileiros não poderão viajar pra ver – https://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2020/05/24/estados-unidos-proibem-voos-a-partir-do-brasil.htm

    Junte isso com a ameaça ao STF e de golpe de estado e com a explosão do coronavirus por aqui e temos um dos piores cenários do mundo. Agora vai aparecer um monte de arrependidos de ter votado nele e prometendo mudar voto na próxima eleição. Bom, primeiro torça para termos uma outra eleição para votar.

    E os bolsominions nem se preocupem em responder e me atacar, porque não darei replay, porque não merecem. Tem alguns aqui agora assustados com o “risco de termos um golpe”. Jura?

    Pois se o golpe de estado acontecer, a conta é de vocês e não da oposição. Quem votou nele é que arque com o estrago e aprenda a assumir suas responsabilidades. Estamos no meio de uma pandemia, sem ministro da saúde, sem nenhum planejamento para combatê-la, com o presidente negando a gravidade e obrigando o uso de cloroquina e ainda pressionando para acabar com o isolamento, com os militares atacando o supremo e ameaçando um golpe, com o dólar a 6 reais, a economia quebrada e com ministros trogloditas que querem promover turismo sexual para aumentar as divisas.

    Que pesadelo.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O US Open não acontecerá antes do final de agosto – embora eu duvide dessa data no momento -, então acho que há muito para acontecer ainda, Leme.

      Responder
      1. Rubens Leme

        Sim, até agosto podemos passar os EUA, Dalcim. Já teríamos passado, aliás, não fossem as subnotificações. Me emociona seu otimismo em que as coisas melhorarão por aqui quando estamos tendo vários dias com mais de 1000 mortes e em chegamos ao ápice, como o próprio Mandetta e vários organizações já disseram, que devem acontecer em junho e julho, pelo menos.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Você não me entendeu, Leme. Meu otimismo foi em relação ao US Open. Hoje, aliás, Nova York permitiu a volta dos treinamentos dos atletas profissionais e já autorizou competições sem público.

          Responder
  3. periferia

    Montado em seu cavalo Aquilante….Capitão Bolsoleone segue com seu exército em direção a Brasilcastro.
    No caminho…perto de uma goiabeira… encontram cavaleiros que seguiam para Terra Santa.
    Damares… a ajudante de ordem …não tem dúvidas… abandona o Capitão….. parte para Terra Santa em busca de um mouro muçulmano para chamar de seu.
    Logo após encontram Bizantinos….Bolsoleone chama seu especialista em línguas para traduzir.
    Weintraub, o possesso finge que entende tudo.
    Bolsoleone pergunta o que o bizantino disse :
    -Que o supremo tem um bando de ladrões…..respondeu seu especialista em línguas sem muita convicção.
    Finalmente chegam a Brasilcastro……descobrem que o local está tomado pela peste.
    Muitos mortos…todos desorientados.
    Heleno….comandante da infantaria pergunta:
    O que faremos Capitão ?
    Bolsoleone observa tudo atentamente….analisa com cuidado a situação e dispara:
    -Veja com Pazuello se temos cloroquina suficiente…..
    Pazuello o responsável médico do exército….se ajoelha ….inclina a cabeça e diz:
    -Vamos rezar.

    O Incrível Exército de Bolsoleone

    6389 em uma semana.
    Média: 912 por dia.
    Incrível.

    Responder
  4. Lucas Duarte Parra

    Dalcim,pesquisando nessa quarentena,os Eua juntamente com a Austrália são potências no tênis…Para você,que seria seu top 5(na ordem) de jogadores americanos no masculino?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, pensando rapidamente talvez colocasse Sampras, Agassi, McEnroe, Connors e Courier. Claro que estou considerando Lendl tcheco e não norte-americano, cidadania que ele obteve apenas 1m 1992.

      Responder
  5. Rodrigo S. Cruz

    Dezenas de oficiais da reserva do Exército assinaram hoje uma nota incrivelmente perigosa e ameaçadora ao Brasil.

    Falam até em guerra civil, em caso do STF decidir pela apreensão do celular de Jair Bolsonaro.

    Nunca, em toda minha vida, eu havia visto um ataque e ameaça tão direta e dura de uma instituição de Estado a um Poder constituído.

    Gente, a coisa é muito séria.

    Isso daqui é uma ameaça explícita de golpe militar…

    Acho que quando se chega num ponto como esse, a própria democracia corre risco.

    A pior coisa que aconteceu foi esse Jair Bolsonaro ter sido alçado à presidência da República Federativa do Brasil…

    Responder
    1. Vitor Hugo

      A questão é: Será que o presidente tem apoio incondicional do exército?
      Eu também estou acreditando que o pior possa acontecer.

      Responder
  6. Luiz Fernando

    Rafa está as vésperas de completar 34 anos, Djoko acho q completou 33 ou está para completar. O q isso significa: que contra todas as expectativas, inclusive minhas, ambos caminham p serem bem competitivos ainda com 35-36-37 anos. E creio q com am boas chances de brigar por grandes títulos. Sem qualquer provocação, mas sim com realismo, constata-se q se Nadal ainda é favorito no saibro, o Djoko o é no piso sintético e na grama, negar essas coisas só com muita infantilidade ou fanatismo, claro…

    Responder
    1. Vitor Hugo

      Teoricamente, sim. Mas um ano inativo pra tenistas com 33, 34 anos pode pesar. Cada ano que passa a tendência é Nadal ficar menos favorito em RG, pois é o piso que mais exige do físico.

      Responder
  7. Rafael Azevedo

    Interessante (e divertido) que tem uns colegas que repetem os mesmos argumentos, desde Janeiro de 2018, para afirmar que o seu tenista favorito (leia-se “Federer” ou “Djokovic”) é o Goat (talvez, crendo que as pessoas absorvem por repetiçao), mas, até agora, ninguém mudou de opinião…

    Responder
  8. Rodrigo S. Cruz

    [Luiz Fabriciano]

    “Depende de seus torcedores, porque o discurso de velho começou através deles.
    Federer quarentão bate em meninos como Shapovalov, mas perder do sérvio é idade”.

    Lógico!

    Quando foi que o Shapovalov se aproximou (ainda que minimamente) do nível de tênis que o Djokovic é capaz de produzir?

    Responder
  9. Leo Gavio

    Djokovic está para o Federer na grama e nas hards, assim como Nadal está para Federer no Saibro.

    Isso choca mais do que o Weintraub na reunião do Bolsonaro.

    Dizer que Federer é melhor que Djokovic nas hards e relva é mais obsceno quanto ouvir 5 minutos do Jair se dirigindo ao Sergio numa reunião ministerial.

    Quantas partidas o Fregueser venceu o Djokovic no USOpen de 2010 até 2020?
    Quantas partidas o Fregueser tirou 1 sete sequer do Djokovic no AOpen de 2008 até 2020?
    Quantas partidas o Fregueser venceu o Djokovic na grama sagrada de Wimbledon de 1900 até 2020?

    Pois bem.

    0 vitorias no USO
    0 sets tirados no AOpen
    1 misera vitoria numa semifinal de Wimbledon com teto fechado no PIOR ano do Djokovic pós titulo da Copa Davis, quando o nivel baixou, perdeu até do Murray na final do USopen 2012.

    Não adianta. Djokovic tem 33 anos, a maior parte dessa historia contada ai Federer tinha entre 27 e 35 anos. Quase a idade do Nadal atual, a desculpa CANALLA de idade, de estar velho, isso é indecente, é covarde, é arregar para os fatos.

    Aceitem: Djokovic é o papai do Federer nas hards e na GRAMA SAGRADA. Contar titulo contra “philipousis, roddick e Nadal de fraldas, ou outro pangaré qualquer que ele é o “Rei da grama e q por isso é melhor que Djoko”

    Isso é mais ridiculo do que a preocupação do mito com a hemorroida.

    Responder
    1. Jonas

      É uma coisa ridícula, resumindo:

      Só em 2004-2006 o suíço estava em condições. Bem conveniente…

      Em 2008-2009, por algum motivo arrumam desculpas. Será que aceitam o título sobre Roddick e Soderling?

      Em 2011 também não aceitam. Já achavam ele idoso, com 29 anos.

      A partir de 2012 imagino que NADA vale pra eles. Nem os títulos ganhos, Federer tem uns 16 Slams ainda com H2H lixoso contra o Nadal. Pois é…

      Enquanto isso, Novak e Nadal seguem dominando o circuito há anos sem essas desculpas vergonhosas. O espanhol, que se aposentaria antes dos 30, está prestes a completar 34 anos.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Jonas,

        todos sabemos que você morre para tentar convencer as pessoas que o Djokovic é melhor que o Federer.

        Mas acho que até para quem mostra fanatismo, um pouco de bom senso é fundamental.

        Você realmente acredita que o Djokovic tem o mesmo poder de domínio sobre Federer na grama, que o Nadal tem sobre ele no saibro?

        Na boa, esse Léo Gávio é uma ANEDOTA HUMANA… (rs)

        Responder
        1. Jonas

          Não, não acho. Nadal no saibro é um absurdo. A diferença entre eles é enorme.

          Na grama, é exagero afirmar que Novak é muito superior a Federer.

          Mas eu acho ele melhor sim, embora o suíço tenha mais títulos. São 3 finais disputadas. 100% de aproveitamento para o Djokovic.

          Responder
  10. periferia

    Hoje embarquei no Pequod Brasilis…um grade barco….seguimos para alto mar em busca de uma baleia vermelha.
    A tripulação é miscigenada….temos negros…brancos….indios…caboclos.
    Ahab é o capitão do navio….tem uma grande cicatriz na barriga….culpa a baleia vermelha pelo ferimento.
    Obsessivamente busca vingança… espera que a tripulação o siga cegamente .
    Em alto mar o Capitão encontra a enorme baleia vermelha.
    Durante 3 dias Ahab e a tripulação lutam tentando matar a baleia (vermelha).
    Não conseguem…o Capitão perde quase todos seus homens.
    Em uma última tentativa desesperada Ahab ataca a baleia com seu arpão….acaba preso no corpo da baleia vermelha que submerge levando o Capitão Jair Aheb para as profundezas do oceano.

    Moby Dick……Melville.

    Hoje 23/5….965

    Responder
  11. Gabi

    Tô assistindo Contágio. É sobre um vírus que vem de um morcego, sai de Hong Kong e se espalha pelo mundo depois que as pessoas tocam superfícies contaminadas e colocam a mão no rosto. Só que o filme é de 2011.
    Juro que tô esperando a hora em que apareço fazendo ginástica na sala.

    Responder
      1. Gabi

        Nunca tinha visto, mas já tô prevendo que o Matt Damon vai salvar todo mundo…

        Assustadoramente mesmo… Ou a gente deve estar vivendo no mundo paralelo da Nasa

        Responder
      1. Gabi

        Vc deve ter parado na parte das lives. Qdo chega no Réveizoom é que vira filme B. Eu ainda to no pedaço em que as pessoas seguem falando cuspindo umas nas outras.

        Vc viu que a cena em que o Bolsonaro aparece gritando com o Moro foi deletada? Diz que Celso de Mello ia liberar essa semana. Mas não sei…

        Responder
  12. Rubens Leme

    Meu primeiro LP do homem, uma cópia nacional, usada, surrada, comprada por acaso e mera curiosidade. A abertura com “Jackie Wilson Said”, me roubou, de cara. As músicas depois ficaram longas, lentas, introspectivas, um disco difícil para quem só ouvia new wave. Uma semana depois o papo era outro, até se tornar meu disco favorito do bardo.

    Van the Man. Eis o verdadeiro MITO. Listen to the Lion.

    https://www.youtube.com/watch?v=AZNQM1GUfp0

    Responder
  13. Rodrigo S. Cruz

    [Jonas]
    23 de maio de 2020 às 15:18

    “Os padrões mudaram e você sabe muito bem disso.
    Nadal e Djokovic são a prova viva disso, dois baseliners que seguem dominando o tênis após passarem dos 30.
    Quando Federer não se sentir APTO a vencer um Grand Slam ou masters 1000, atp finals, você pode ter certeza que ele vai parar. É óbvio que ele se conhece muito bem e tem uma equipe competente em torno dele”.

    Os padrões mudaram sim.

    Só que ninguém tinha bola de cristal para saber que mudariam… esse é o ponto.

    O que também não altera em nada esses dois fatos:

    1. o físico do sérvio tem se provado muito mais perto da perfeição que o do suíço.

    2. ignorar que um tenista (mesmo que seja o Federer) tem 38 anos é simplesmente patético…

    Responder
    1. Jonas

      Ter 38 anos faz dele um veterano, como ele mesmo disse e isso é óbvio.

      Ser velho e sem condições de disputar torneios são coisas completamente diferentes. Na final de WB 19 ele esteve em plenas condições.

      Em relação ao Djokovic, não sei de onde você tirou isso. Claro que fisicamente ele vai bem, mas não se esqueça que ele quase parou em 2018, em virtude da lesão no cotovelo.

      O Federer quase não se lesiona, mas nas raras vezes que isso ocorreu, ele retornou em alto nível. Venceu Slams aos 35, 36 anos, um deles sobre o Nadal em 5 sets.

      Nessa ocasião, é bom lembrar que Federer não derrotava Nadal em Slam desde WB 2007.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Misericórdia, Senhor!

        Como é IMPOSSÍVEL desse sujeito entender um pensamento. (rs)

        Ele gosta é de se fazer de tapado mesmo.

        Vai adorar desse Djokovic assim lá no INFERNO! (rs)

        Onde você leu eu afirmando que “Federer não tem condições de disputar torneios pela idade” ?

        Não só ele tem condições, como produz um tênis de alto nível – Wimbledon foi um exemplo.

        O que não dá para eu comprar é esse teu negacionismo.

        A noção (fingida, claro) de que ele não deve nada em rendimento para o “cavalo” sérvio.

        Responder
        1. Jonas

          Eu sei muito bem que ele tem 38 anos.

          Você, assim como boa parte das Federetes, trata o suíço como um coitado, tentando justificar todo tipo de derrota dele, não é de hoje.

          Quando chega no Djokovic, dizem que ele tem um físico praticamente perfeito.

          Se essa sua tese se confirmar, e o Djokovic realmente for esse sujeito com o físico perfeito, ele vai enterrar todos os recordes do suíço, além de jogar até uns 40, já que é perfeito fisicamente. Bom, eu espero que se confirme.

          Até então, nunca justifiquei derrota do Djokovic por ele ter passado dos 30.

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Bom,

            Não tente colocar palavras na minha boca.

            Eu tão somente afirmei que o físico dele é perfeito HOJE.

            Agora, se ele vai se manter perfeito nos dias que virão, não sou louco de cravar.

            Todavia, o próprio Djokovic declarou em entrevista recente que acredita nisso.

            Disse inclusive que tentará jogar ae alto nível até os 40 anos, e que quebrará os recordes todos.

            Tendo em vista o avanço da medicina esportiva nos últimos anos, eu já deixei de duvidar disto.

        2. Heitor

          Eu não torço nem para o RF nem para o ND. Mas pelas discussões de vcs, tendo a ficar mais pro Djoko pq qdo vc é contrariado fica martelando que o outro é tapado, que o outro não sabe interpretar, que o outro não sabe pensar, etc. Refute com argumentos, como os torcedores do Djoko. Qdo vc faz isso é muito interessante tb.
          Os comentários do Jonas, do Paulo Almeida, do Paulo F, do Léo Gavio, do Luís Fabriciano, do próprio Vitor Hugo (que torce para o RF) são muito interessantes. Para mim servem até como aprendizado.
          Claro, todos as vezes provocam é só cutucam, mas, mesmo assim, gosto dos pontos que vcs trazem.

          Responder
          1. Paulo F.

            Um abraço Heitor!
            Minhas provocações se restringem a dois motivos:
            – O negacionismo da patética e ridícula freguesia que Federer tem para Nadal.
            – Contra-ataque a quem diz que Novak Djokovic não é excelente.

  14. Vitor Hugo

    Federer tem 8 x 5 em Wimbledon, 19 x 6 em títulos no piso e só perdeu pra Novak com mais de 31 anos.
    Federer não é apenas melhor, é DISPARADO melhor que Novak no piso sagrado.

    Nas hards, os dois tem mesmo número de slam, mas Roger tem um finals a mais, tem 11 títulos a mais na superfície e ganhou slam antes e depois da padronização. Federer não é melhor que Novak no piso duro, é MUITO melhor que o sérvio!

    Responder
    1. Jonas

      Mais uma falácia do Renato.

      Federer é entubado pelo Djokovic desde o início de 2011. Nem 30 anos ele tinha.

      Mas do Nadal ele ja era freguês há um bom tempo. Vamos lembrar que no famoso 6-1 6-3 6-0 Roger tinha 26 anos.

      Responder
        1. Jonas

          Isso soa como desculpa. Djokovic e Nadal já passaram do auge há anos e seguem vencendo Slams.

          O próprio Federer ganhou WB 12 e 17, depois dos 30.

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Djokovic longe do auge, sério isso?

            kkkkk

            Gente do céu, é um deslumbre delirante mesmo… Sério.

      1. Vitor Hugo

        Contra Nadal é outra conversa. 2008 o suíço teve mononucleose…. Além do mais é o piso mais difícil pra Roger. Tinha a questão do encaixe de jogo que foi corrigida com o atual técnico do suíço, pelo menos nas hards.

        Responder
        1. Jonas

          O Federer deu uma entrevista em março de 2008 admitindo que havia superado a mononucleose. Isso antes de um jogo de exibição com o Sampras.

          Roland Garros termina em junho. Aquela final foi um massacre mesmo. Federer não tinha problema físico algum e era bem jovem.

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Que argumento débil, frágil…

            Exibição essa que inclusive o Federer perdeu em março de 2008! kkkkk

            Não é porque ele se disse recuperado que realmente ele estivesse.

            Já perdi a conta de ver ele cair por problemas físicos, mas dizer antes dos jogos que estava bem.

          2. Jonas

            Nossa, é o fim do mundo o cara perder uma exibição kkkkkkkk.

            Amigo, sem choro, você usou a própria fala do Federer dizendo “ser um veterano” , e ele é mesmo.

            Agora, o próprio admite ter superado a “doença” , mas pra você não vale kkkkk. Eu não esperava menos rsrs.

    2. DANILO AFONSO

      SUPREMO TRIBUNAL TENÍSTICO

      DECLARAÇÃO N. 01/2020

      Declarante: Vitor Hugo

      Assunto: Federer é superior a Djokovic na grama e piso duro

      Membros da Corte: Murray (Relator), Dalcim e Estatística

      I – Decisão

      Voto MURRAY (relator): Ratifico o que afirmei dias atrás em uma live. Entendo que durante a minha carreira, enfrentei os melhores jogadores de todos os tempos em cada superfície: Federer na grama, Nadal no saibro e Djokovic na Hard.
      Assim, voto que a declaração do Sr. Vitor Hugo é PARCIALMENTE PROCEDENTE.
      Recomendo que eventual declaração idêntica a essa, propalada pelo declarante ou outro torcedor, fanático ou não, não seja submetida a esta corte, exceto com o surgimento de fato novo, isto é, título(s) relevante(s) do suíço ou outra estatística que, em tese, seja apta a mudar o entendimento desse e. Tribunal Tenístico.

      Voto DALCIM: Mantendo a coerência do ranking TOP 10 elaborado por mim dias atrás com os melhores tenistas em cada piso, publicado no blog, acompanho o voto do relator na integra.

      Voto ESTATÍSTICA: O declarante apresentou dados robustos e incontestáveis na grama sagrada, não tendo como entender contrário a sua declaração, mesmo com H2H negativo do suíço frente ao sérvio, pois as demais estatísticas relevantes são favoráveis ao suíço. Entretanto, a afirmativa de que o suíço é superior ao sérvio na hard não prospera. O declarante omitiu dados estatísticos essenciais que no geral dão vantagem ao sérvio no conjunto probatório, mesmo que por margem apertado, na qual destaco: quantitativo de Big Títulos, número de finais em Slam, percentual de vitórias, percentual de vitórias Top 10 e H2H do confronto. Não podemos esquecer que o sérvio mesmo com 5 temporadas a menos que o suíço, tem o mesmo número de Slams e mais big títulos. Diante do exposto, também acompanho o voto do eminente relator na integra.

      Decisão: DECLARAÇÃO PARCIALMENTE PROCEDENTE, por unanimidade.

      Responder
      1. Vitor Hugo

        Big titles para mim são finals e slam.
        Sim, é verdade sobre o % de vitórias sobre top dez e o que mais vc citou. Mas o sérvio vai começar a perder muito mais…. o Percentual vai cair… Aguarde!

        Qual Federer Novak venceu em Wimbledon, o de menos de 31 mais próximo do auge ou o com mais de 31 longe dele?

        Responder
        1. DANILO AFONSO

          Nobre Vitor, o percentual realmente pode cair com o passar dos anos, como também permanecer estável ou até subir igualmente o Federer fez ao longo dos últimos 5 anos, quando ele majoro em 1% o seu percentual de vitória, o que é incrível.

          Responder
      2. Vitor Hugo

        E outra, Danilo, vc caiu em contradição. Agora a opinião do Dalcim, que considera Federer o melhor na grama de todos os tempos, serve. Mas vc assina embaixo o post do Léo Fake Gavio quando ele diz que o sérvio é melhor que Roger na grama.
        Minha opinião é minha. Eu não vou concordar com vc e nem vc comigo. Então é assim! Ou quer me obrigar a pensar como vc?

        Responder
        1. DANILO AFONSO

          Nobre Vitor, eu concordo com você. Eu não estou me contradizendo. Leia novamente o “julgamento” que nele os três votos foram no mesmo sentido. Concordaram por unanimidade com a sua declaração que Federer é superior na grama. Porém, discordaram por unanimidade que o sérvio é superior na hard. Por isso a declaração foi Parcialmente Procedente. Se houvesse discordância total com sua declaração, tinha posto Declaração Improcedente.

          Foi só uma descontração pacífica !!

          Responder
    3. Paulo Almeida

      Federer só tem um Wimbledon pesado, o de 2012. Como os outros foram em cima de ninguém ou do Nadal feto, devem ter o valor de meio. Assim, ele fica com 4,5 contra os 5 de Novak, rei da grama.

      Concorda?

      Responder
      1. Lucas

        Por essa “genial” análise , o Wimbledon de 2018 vale 0,05 , já que não foi sobre alguém ” parrudo ” como costuma dizer , além do Anderson ter vindo de um jogo longuíssimo , sem condiçôes nenhuma .Assim dentro da sua “genial” forma de se contar os slams , Federer continua na frente .

        Responder
        1. Paulo Almeida

          Como não? Ele bateu o Nadal na final antecipada em uma das melhores partidas da história. E aquela era uma baita versão do espanhol, não aquele pivete sem saque de 2006/2007.

          DjokoGOAT tem 5 Wimbledons parrudos: 3 em cima do Fregueser e 2 em cima do Nadal. Quero saber quem tem mais…

          Responder
          1. Lucas

            Kkkkk não sabia que Nadal tinha chegado à final em 2018 .Com todo respeito ao gigante espanhol e a seu respeitável currículo no slam inglês , quem acompanha minimamente tenis nos ultimos anos sabe que em Wimbledon Nadal não tem assustado ninguém, Darcis , Brown , Rosol e companhia limitada estão aí pra comprovar .A versão ” feto” “sem saque” fez 5 finais e ganhou 2. Pensando bem Wimbledon 2018 valeu 0,04 .

      2. Lucas

        O Nadal “feto” chegava em finais de Wimbledon , fez cinco e ganhou duas , uma no maior jogo da história , em cima do maior de todos . De 2012 pra cá , o máximo que fez foi chegar a 2 semis , nada mais

        Responder
        1. Paulo Almeida

          Não, o Nadal (feto ou não) nunca ganhou Wimbledon em cima do maior de todos (Djokovic). Ganhou em cima do Entressafrerer e do Berdych.

          Responder
  15. Luiz Fernando

    Lendo alguns comentários abaixo, de fato me parece um equivoco dizer que Djoko supera Federer nos 3 pisos, acho na grama ainda existe algum equilíbrio, mas q está cada vez mais próximo de desaparecer…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Existe algum equilíbrio no confronto atual, você fala, né?

      Porque historicamente o Federer continua superior sim.

      É muito mais relevante você somar 8 títulos em Wimbledon, do que simplesmente obter 3 x 0 lá contra o octacampeão…

      Responder
  16. periferia

    Tem gente que chega em casa, vê o cônjuge pelado, uma peça íntima diferente em cima da cama, dois copos de champanhe no criado mudo, uma pessoa pelada no armário. Mas não vê interferência de terceiros na relação.

    É assim com alguns brasileiros que ainda não perceberam a mancada que deram.
    Enquanto isso na periferia……..

    Sigamos

    Responder
  17. Miguel BsB

    Dalcim, Tsisipas quer contratar o Guga como técnico. Será que o catarina aceita? Vc que conhece mais ele e os bastidores do tenis…
    Ia ser demais! De quebra, o grego ainda poderia aprimorar a esquerda paralela…tal pai tal filho rs Eles se parecem fisicamente e em estilo de jogo.
    Guga ia chegar pra ele e dizer: vem comigo moleque, que eu vou te transformar em campeão de RG!
    Lembro que uns tempos atrás houve uma conversa do Guga treinar o Delpo, mas parece que não foi algo mais a sério…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que o problema do Guga é ter que encarar de novo tantas viagens pelo circuito. Além de muito apegado à família e filhos, ele também tem muitos compromissos empresariais. Então acho que só mesmo um enorme desejo de fazer algo grande como treinador poderia motivá-lo. Eu acharia demais e torço muito, mas acho que a chance é menor do que 20%.

      Responder
      1. Heitor

        É muito curioso isso, Dalcim e colegas… um dos requisitos, acho, para querer se tornar tenista profissional é gostar de viajar. Mas depois de anos no circuito e viajando o tempo todo, o tenista não quer mais viajar tanto, quer é ficar em casa com a família e amigos.

        Responder
      2. Miguel BsB

        Poxa, acho que seria a hora dele pegar um dos next gen mais promissores e transformar em campeão de Slam e número 1…tipo o Lendl com o Murray.
        1 ou 2 anos pra sentir o gostinho do circuito novamente após tantos anos…dps volta pra Floripa, pra família, pros negócios e pro surf…rs

        Responder
  18. Miguel BsB

    Gabi, sobre a série sobre o Tom Brady, é simples! Faz 2 capítulos sobre ele (tá bom demais) e os 7 restantes sobre a Giselle…vai ser muito mais interessante pra mim…kkkkkkk

    Responder
  19. Rodrigo S. Cruz

    Olha,

    Eu já defendi o Nick Kyrgios muitas vezes aqui.

    Até rebati quando alguns o chamaram de mau-caráter e outras coisas.

    Mas essa dele vir dizer que faz sexo virtual com as fãs dele…

    Putz.

    Na boa, que sujeitinho BIZARRO!

    Responder
    1. DANILO AFONSO

      Sério isso Rodrigo ?? O australiano tem seus defeitos, mas o ato que você reprova está longe de ser bizarro.

      O cara é solteiro, saudável e jovem, não vejo problema algum, desde que seja consensual, preserve a intimidade dos envolvidos e que a fã seja maior de idade. Qual o mal nisso nobre ?? Ser fã não é impedimento para ele se relacionar, até porque a mulherada que chega nele é fã ou o conhece . Melhor ele fazer virtual do que se expor presencialmente em plena pandemia.

      As estatísticas em vários lugares no mundo comprovam que o sexting aumentou em vários lugares do mundo por causa da pandemia, inclusive aqui no Brasil, conforme você pode ver nesta estatística:

      https://revistaforum.com.br/blogs/outravibe/coronavirus-31-dos-brasileiros-se-tornaram-adeptos-do-sexo-virtual/

      https://odia.ig.com.br/brasil/2020/05/5913655-sexo-virtual-ganha-novos-adeptos-apos-pandemia-do-coronavirus–conclui-pesquisa.html

      Ademais, vários países estão recomendando a prática “segura” do sexting em plena pandemia, a exemplo da Argentina e Irlanda:

      https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2020/04/argentina-recomenda-sexo-virtual-e-masturbacao-para-solteiros-durante-pandemia.shtml

      https://www.efe.com/efe/brasil/mundo/irlanda-recomenda-sexting-e-masturba-o-para-evitar-contagios/50000243-4211157

      Bem vindo ao século 21 !!!

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Bahh

        Que século XXI o que…

        Tá afim de uma mulher? Saia e conquiste uma.

        E de preferência que fique com você por suas qualidades, e não pela sua fama…

        Responder
          1. Heitor

            Pífia nada.
            Já ouvi colegas que não aplicam $ porque acha “injusto “ receber lucro de algo que não fez

        1. DANILO AFONSO

          Ihhh Rodrigão !! Tu tem que abrir essa mente nobre. Pelo visto você não está preso apenas a padronização do piso que você tanto fala aqui. Está amarrado a padronização de outros comportamentos e costumes…kkk
          Em 97 e 98, já rolava essa presepada, claro que sem vídeo por que a internet não suportava, mas mensagem e foto era comum. A pessoa preparava o terreno no virtual durante a semana e depois no final de semana já chegava com meio caminho andado no presencial…kkkk

          Você falou que o Kyrgios tem sair e conquistar. E quem garante que ele não está fazendo isso também ?? Uma coisa não impede a outra: presencial com umas e virtual com outras que moram em outra cidade ou país. Com essa pandemia o cara tem que se reinventar para passar o tempo livre.

          Responder
      2. Miguel BsB

        Cuidado que a Damares vai falar pra prender todos esses governantes que estão incentivando essa pouca vergonha! ” Os holandeses incentivam bebes a se masturbar” LOUCA JESUS NA GOIABEIRA, Damares.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          A Damares é rasa…

          Uma mulher como essa ser alçada á ministra de Estado é o sinal dos tempos. (rs)

          Mas também, né.

          Se Bolsonaro é o presidente…

          Responder
  20. Rubens Leme

    Ô Damares. Damares. Damares. Deixa cada um. Damares. Damares. O presidente, o presidente fala em liberdade. Deixa cada um se foder do jeito que quiser. Principalmente se o cara é maior, vacinado e bilionário. Deixa o cara se foder, pô!”

    “…É um centro de negócios. É só maior de idade. O cara entra, deixa grana lá que ele ganhou anteontem. Ele deixa aquilo lá, bebe, sai feliz da vida.”

    https://www.metropoles.com/brasil/justica/guedes-pede-a-damares-deixa-cada-um-se-foder-do-jeito-que-quiser

    Dalcim, qual sua opinião sobre um ministro que quer explorar sexualmente as mulheres para incentivar o turismo no Brasil? Não é “maravilhoso” ver como esse governo tem solução para todos os nossos problemas?

    Primeiro, ele avisa que vai deixar os pequenos empresários se lasquarem (e aí inclua-se milhões de eleitores do Bozo). Agora sugerem que as mulheres sejam usados como objetos sexuais! É realmente “comovente” o quanto ele está preocupado com a classe mais pobre!

    “Parabéns” aos 57 milhões que colocaram essa corja de sociopatas no governo.

    Responder
      1. Rubens Leme

        O que mais espanta é que estamos achando isso perfeitamente normal. O brasileiro é tão passivo que se acostuma e ainda há muita gente que acha graça deste tipo de declaração e aplaude. Essa barbárie é que mais me assusta e me tira o sono. Se você ver o vídeo ou ler a transcrição percebe que é uma reunião de sociopatas que estão ali apenas para xingarem e reclamarem e ZERO de pauta sobre os problemas do país.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Pode apostar que há uma parte da população, felizmente não tão numerosa, que acha que foi uma demonstração de força e caráter.

          Responder
          1. Rubens Leme

            Eu não sei se é muito numerosa, mas ainda é muita gente. Eu mesmo tenho familiares e alguns conhecidos que bateram palmas. Felizmente, todos hoje estão fora do meu círculo de amizade. Mas as pessoas confundem gritaria e grotesco com alguém de atitude, “machão”, essas bobagens todas.

            A ideia é uma só: causar um caos, ter mais ou menos 290 votos no congresso – contando as duas casas – para pedir uma votação de estado de sítio e começar uma era muito pior de horrores. Tudo que ele precisa é soltar grana para esses loucos. É disso que tenho medo.

            Não há a menor condição de vivermos desta forma por muito mais tempo. Se as pessoas continuam sonhando que panelaços e notas de repúdio impactam em algo estão enganados. E Maia já disse em alto e bom som: com ele não tem essa de impeachment e no que depender dele, sequer será colocado em votação.

            Como mesmo disse o José Simão: tem tanto militar no Ministério da Saúde que já virou Milistélio e só faltam agora o Recruta Zero (que talvez não seja convocado para não confundir com os filhos) e o Sargento Tainha.

            A cada dia o caldo engrossa mais.

          2. Sérgio Ribeiro

            Exato , Dalcim . Uma parte não tão numerosa , felizmente. Quem está acompanhando ,sabe que sua popularidade caiu a nível do da ” minha querida ” em 2014. E esses sociopatas repetindo o ” nós contra eles ” do governo anterior , dividindo novamente o País ao meio , parecem buscar o mesmo destino. Abs!

  21. Vitor Hugo

    Tomem cuidado! Estamos diante do presidente mais mal educado e abominável da história do Brasil! O que aconteceu hj vai dividir o país e poderá terminar em conflito armado.

    Responder
    1. Miguel BsB

      Cara, um show de horrores, um linguajar abjeto…delirante, só sabe falar de ditadura, de armas, e milhares morrendo de Covid.
      Esse indivíduo não tem condições nem de administrar um boteco de esquina…
      E “não vou esperar fuder minha família, meus amigos”…é óbvio que se referia à PF do Rio. Tanto é que trocou o chefe e o Superintendente de lá.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Pois é.

        O Bolsonaro mente de forma descarada…

        Qualquer pessoa com um par de neurônios sabe que ele tentou interferir sim na PF.

        Mudou a direção da superintendência do RJ, e ainda disse que queria informações para “proteger seus amigos”.

        Ora, quem faz a segurança dele é o GSI, e só pode fazer segurança dele e da família.

        Além disso, ele mesmo não teve qualquer problema em trocar o responsável pela segurança mês passado.

        Responder
  22. Rubens Leme

    “Nós vamos botar dinheiro, e… vai dar certo e nós vamos ganhar dinheiro. Nós vamos ganhar dinheiro usando recursos públicos pra salvar grandes companhias. Agora, nós vamos perder dinheiro salvando empresas pequenininhas”, disse Guedes.

    Aos pequenos empresários que apoiaram (a ainda apoiam) Bozo e Guedes, fica o recado: façam arminha, porque dinheiro que é bom… adeus!

    E que quebrem à vontade estes apoiadores do Bozo. Estou achando pouco e bom! Neo liberal é assm: privatiza o lucro e socializa o prejuízo. Mas só dos ricos, porque pobre tem mais é que explodir. Então tome 1,2 trilhão pros bancos e fica na fila esperando os 600.

    https://paraibamaster.com.br/…/vamos-perder-dinheiro-salva…/.

    Responder
    1. Barocos

      Rubens,

      Pois é, o sujeito sempre foi indisciplinado, mal-educado, grosseiro, inculto, arrogante e barbárico, para dizer o mínimo, ainda assim, milhões se identificaram com este desqualificado. Isto me leva a pensar, talvez, em média, sejamos bem mais incivilizados do que imaginávamos.

      As pessoas mais próximas a mim não podem alegar que não foram avisadas, nenhuma pode. Com todas elas que mostraram intenção de votar no sujeito, travei embates na tentativa de reverter as suas inclinações irracionais e discorri abertamente sobre os muitos sinais de impropriedade do candidato. Devo ser um péssimo debatedor, haja vista que poucas, de fato, retrocederam. Depois de Collor, Fernando Henrique, Lula, Dilma, Bolsonaros, Eduardo Cunha, Sérgio Cabral e tantos outros, só me resta uma certeza: falta aos nossos concidadãos não apenas cultura, falta algo mais básico, falta empatia e compaixão. A julgar pela quantidade enorme de pessoas que insistem em apoiar este elemento, estamos mergulhados num mar de egoístas que demonstram orgulho por sua ignorância ou, ainda pior, por sua estupidez.

      Sobre a balbúrdia ministerial, fosse eu devoto, sentiria-me desolado, não sendo, sinto-me ultrajado. Nunca antes um “diga-me com quem andas, que te direi quem és”, tão enfaticamente refutado por mim, pareceu-me tão apropriado.

      Se alguém dentre nós não se sentiu indignado, por favor, proceda a uma análise profunda sobre as próprias crenças e valores.

      Não voto em ninguém do PT desde o escândalo do mensalão e, de qualquer maneira, nunca levaram a maior fatia dos meus votos. Ainda, resigno-me com a inerente imperfeição da condição humana, leis existem para colocar limites nas nossas atitudes. Arrependo-me de ter anulado o meu voto no segundo turno, ainda que este não viesse a fazer diferença.

      Triste sina a que carregamos, pesadamente, neste canto do mundo que tanto oferece para que assim não fosse. Nosso problema nunca foi o “povinho”, sempre foi a “elitezinha” tacanha que não projeta no futuro as ações presentes, e isto desde o “descobrimento”.

      Responder
      1. periferia

        Olá Barocos.

        Bolsonaro é uma imagem refletida de uma população que não tem muito senso crítico (olho para o espelho também….e vejo uma imagem desagradável).

        Abs

        Responder
      2. Rogerio R Silva

        Barocos,boa tarde.
        Estou cada vez com mais vontade de sair desse país.
        Desesperança amigo.
        Vou viver o que me resta sem discutir o futuro do país.
        Não vejo melhoras.
        Passei por todos esses governos e nada muda.
        Utopia.
        Vou seguir conselhos de pessoas que me amam e chega.
        Desestímulo total,violência idem,sensação de impotência igual.
        Chega

        Responder
      3. Filipe Fernandes

        Caro Barocos,

        Lendo agora há pouco uma “antiga” e esplendorosa entrevista que o professor italiano Nuccio Ordine concedeu à Época em 2017, não pude deixar de me lembrar das suas palavras nesta publicação (bem como de muitas outras que você já havia escrito aqui no Blog).

        Só por este trecho aqui, a entrevista já valeria inestimavelmente: “Todos os anos leio para meus estudantes uma belíssima carta que Albert Camus escreveu a seu professor do ensino médio em Argel. Pouco depois de ganhar o Prêmio Nobel, o grande escritor sentiu necessidade de agradecer a alguém que, quando era um estudante órfão e muito pobre, lhe havia transformado a vida. Cada um de nós, em sua experiência de estudante, encontrou uma professora, um professor na escola que com seus ensinamentos foram capazes de mudar nossa vida ou a vida de alguém que conhecemos”.

        (https://epoca.globo.com/educacao/noticia/2017/09/nuccio-ordine-e-preciso-transformar-educacao-numa-forma-de-resistencia-barbarie-do-lucro.html)

        Um grande abraço e bom domingo a todos.

        Responder
        1. Barocos

          Filipe,

          Da mais que bem-vinda referência que você forneceu, deixei-me navegar a uma outra presente naquele texto, da qual extraio a seguinte passagem: … Vargas Llosa bem definiu o argumento de Camus, em O homem revoltado. Disse que, para ele, “toda tragédia da política começou no dia em que se decidiu que era lícito matar um homem em nome de uma ideia”.

          É bom rever velhos amigos, é ótimo revisitar esquecidas ilhas da memória, é maravilhoso reconectá-las. Me vejo novamente em meio a uma aula de OSPB, lá no iniciozinho dos anos 80, em que o meu simpático mestre, de baixa estatura física, já calvo e usando óculos (ao estilo de Lennon) em seus 40 e poucos anos, nos alertava sobre a necessidade de tentar compreender o próximo e as suas necessidades, sobre como usar argumentos ao invés de autoridade e força bruta era o melhor caminho para a sociedade, e como a generosidade, e não o medo, poderia mudar o mundo e produzir uma realidade que tanto queremos e insistimos em não viabilizar. Ele falava em dignidade, em respeito a priori, e da tragédia de “universos” que surgem e desaparecem sem nos darmos conta, sem que tivessem uma chance de experimentar uma existência menos penosa. Releio Vidas Secas.

          Cá estamos nós, outra vez, sendo arrastados para a era da utilidade banal, para uma época já vivida, uma triste repetição da história. De novo são a estupidez, a covardia e a coerção que compõem o modus operandi, que tentam controlar a narrativa. De novo são o egoísmo, a arrogância e as ambições pessoais o motor das ações. É muito duro constatar que as lições do passado não foram aprendidas, parece que, verdadeiramente, nunca o são.

          Vida, de cada um de nós o bem mais precioso, em todo o universo a composição mais rara, e insistimos em aviltá-la.

          Só podemos esperar que a razão prevaleça e continuar a argumentar. Não quero ser pessimista, de nada me serve sê-lo. Muito ajudaria se um horizonte de possibilidades se erguesse de novo, tal qual o que existia quando eu era jovem.

          Muito obrigado por construir a ponte e, com ela, melhorar o meu domingo.

          Que a sorte não nos falte desta vez.

          Tude de bom para você e para os teus. Merecemos um mundo melhor.

          Responder
          1. Filipe Fernandes

            Caro Barocos, bom dia!

            Muito feliz por saber que você apreciou a entrevista (quando a li, havia notado nela claramente um ethos de pensamento muito similar ao seu), e é gratificante perceber em seu belo relato reminiscente a profunda estima que você mantém viva e destina ao seu notável mestre do tempo de escola, que lhe transmitiu tantas lições valiosas para a vida. Felizmente, também tive a sorte de ter alguns mestres que, tais como o seu, me ajudaram a alargar o olhar, e isso é uma imensa sorte que, quando ocorre e conseguimos perceber, podemos ter em nossa formação.

            Caro, tudo que você pontua em seguida é de uma pertinência rara, de uma verdade fundamental para qualquer época. Compartilho verdadeiramente dos seus anseios. (E, sim, inteiramente precisa a definição de Vargas Llosa sobre esta Obra do grande Camus.)

            Um grande abraço, Barocos, uma boa semana e, igualmente, que você e seus queridos próximos estejam e possam ficar bem.

  23. Nando

    Mestre, poderia me responder essa?
    Como Federer chegou à 17 finais de Slam, contando de 2008 (ano q começou esse esporte, pra alguns q frequentam o blog) até agora? Ele não é o rei da entressafra?

    Responder
    1. R.P.

      Desempenho de RF de 2003 a 2007 (5 temporadas) : 12 títulos em 14 finais = 85,71% de aproveitamento.

      2008 a 2020 (12 temporadas completas e 1 parcial): 8 títulos em 17 finais = 47,05% ( o percentual de vitórias em finais se reduziu em 54,89%.)

      Se houve entressafra, não sei; mas não dá nem para comparar o nível da concorrência.

      Responder
      1. Nando

        R.P , mas nisso aí vc levou em consideração a diminuição da velocidade dos pisos tbm?
        À partir de 2008, a padronização passou a ser mais intensificada…no AO por exemplo, trocaram de piso já na edição de 2008 (trocaram o Rebound Ace pelo Plexicushion).
        Claro q Federer sabia e sabe jogar em quadras mais lentas, porém é nas rápidas q seu jogo é melhor.

        Responder
        1. R.P.

          Concordo, mas vamos lembrar q tanto Nadal quanto Nole se formaram na quadra “rápida”, já tinham resultados expressivos antes da padronização (apesar de não terem atingido o auge técnico) e igualmente tiveram q se adaptar.

          Devido as características de cada um, Federer não deveria ter perdido de jeito nenhum a final de Wimby 2008. Então, se Nadal adapta-se melhor ao jogo rápido q Federer ao piso lento, é mais um ponto em favor da concorrência pós 2007: jamais q Federer perderia em Wimbledon para um baseliner antes disso (eu sei q vencera Nadal nas finais de 2006 e 2007, mas convenhamos, Nadal tinha apenas 20/21 anos e ainda levaria alguns meses até atingir o ápice).

          Responder
          1. Nando

            Esse “apenas 20/21 anos” do nadal é bem relativo hein…ele já era o N2 do ranking com essa idade, ganhador de Slam e de masters (e não só no saibro). Ele já não era mais garoto, devido a precocidade.
            Seria o mesmo q dizer q Becker ganhou seu 1° WB aos 17 anos pq o circuito era fraco…ou q Sampras ganhou seu 1° Slam aos 19 pq o circuito tbm era fraco.

  24. Bruno Costa

    Muito tem se falado em mental neste blog. Considerando isso, pelo que lembro do tênis feminino da década de 90 e início dos anos 2000 ( que viveu grande fase), acho que a Hingis teria ido ainda mais longe caso tivesse uma cabeça melhor( e excesso de confiança, o que atrapalhou ela querer rever aspectos do seu jogo) na época de sua juventude. Acho a suíça extramente talentosa. O que você pensa da questão, Dalcim?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que ela sofreu também com a questão da força, Bruno. A potência não era seu forte, então ela precisou driblar com variações táticas. Sem dúvida, a cabeça pesou muito, ela nunca me pareceu realmente feliz no que fazia, ainda que amasse o tênis.

      Responder
  25. periferia

    Olá

    O Mauro deu uma visão muito boa do momento politico/econômico do país diante da pandemia.
    Complemento o assunto.
    Nas grandes favelas (o nome comunidades é para a elite se sentir menos culpada) estão tendo grandes dificuldades.
    Por meio de financiamento coletivo se pretende arrecadar dinheiro para investimento em projetos na própria favela que possam ajudar a coletividade.
    Nesse momento a maioria das pessoas não coseguiram pegar os 600 reais.
    O vírus se alastra em algumas favelas.
    Não existe um trabalho do estado para o combate da pandemia (Se não existe nem para os ricos…).
    Sem empregos….a maioria é informal….a dificuldade é muito grande.
    Um plano de combate ao vírus está sendo feito pelo G10 (grupo que reúne as maiores favelas do pais).
    Em Paraisópolis por exemplo existe 3 ambulâncias e 27 profissionais de saúde (alguns estão morando no local) pagos pelo G10.
    Nas pequenas favelas estão sendo “eleitos” prefeitos das vielas….para organizar aqueles que ficam doentes.
    O Cufa (Central única das favelas) tem ajudado na distribuição de alimentos em alguns locais .
    Igrejas distribuem cestas básicas.
    O estado não existe nesses locais (nem de direita..nem de esquerda).
    O papel do estado é feito por organizações criadas pela sociedade civil.
    Hoje no país existem 12 milhoes de pessoas que vivem em situação vulnerável.
    Onde está o estado?
    Por que nos comparam com a Suécia?
    O que é cloroquina ?
    Quem é Pazuello? Ele é médico?
    Teremos comida? (Pergunta mais comum)
    “Se o estado não consegue cuidar dos cidadãos…..para que existe estado ? ”

    Sigamos

    Responder
      1. periferia

        Olá Mauro.

        Procuro não colocar um texto longo na sequência de outro (para o blog do Dalcim não ficar parecendo um livro).
        Achei seu texto muito pertinente ….apesar da abordagem diferente .

        Abs

        Responder
        1. Mauro

          Eu sei, mas é ele mesmo quem pede, e eu concordo, para respondermos abaixo do comentário.
          Obrigado novo. Tb leio os teus e gosto muito.

          Responder
  26. Maurício Luís *

    Um diz ” E DAÍ? ” e o outro, pra não ficar atrás, diz ” AINDA BEM! “. E o povo, só se lascando. Quando é que alguém vai dizer ” TRABALHEMOS PRA RESOLVER “?

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Pois é.

      E pode reparar, Mauricio:

      Nessas horas em que o Lula vem e fala essas coisas há um silêncio SEPULCRAL dos seus acólitos…

      Lula e Bolsonaro são rigorosamente iguais no mau-caratismo!

      A diferença é que uma vez bolsonarista, alguns realmente deixam de ser.

      Porém, uma vez lulista, sempre lulista.

      É uma fidelidade de raiz ideológica perene que tolera simplesmente TUDO que ele fala ou faz, originária do marxismo cultural…

      Responder
      1. Miguel BsB

        Pode ser…mas pelo menos o Lula pediu desculpas imediatamente, pois realmente foi uma frase das mais infelizes.
        Vc já viu o “capitão” pedir desculpas por algum dos 5 absurdos que ele fala por dia? Nunca viu e nunca vai ver. Vai ver mais xingamentos, cala a boca e escrotices…
        Vc pode odiar o Lula o quanto quiser, posso entender isso, mas não há comparação na história da República entre o atual presidente e QUALQUER um dos seus antecessores em termos de maldades, absurdos, e falta de preparo para o cargo…Jamais o país foi tão questionado e ridicularizado no exterior…

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Miguel,

          Tenho muita tranquilidade para falar sobre esse assunto por um motivo simples:

          Eu fui eleitor de ambos.

          Meu ódio não é pela pessoa do Lula, propriamente, até porque trata-se de uma figura insignificante…

          Meu ódio é pelo mal que eu vi ele fazer ao meu país.

          (inclusive pavimentar o caminho para o aparecimento desse atual)

          O Bolsonaro é ainda pior do queo Lula?

          Já passei achar que ele é sim!

          De forma surpreendente, ele conseguiu se mostrar ainda mais perverso e perigoso!

          Mas e aí?

          O fato dele ser pior vai transformar o Lula uma opção viável?

          De jeito nenhum…

          Responder
  27. Capilé de São Leopoldo

    Boa noite a todos, vou passar alguns números de h2h e gostaria que me respondessem:

    Agassi 4×4 Hewitt (não incluí o último confronto entre eles, onde Hewitt ganhou por W.O)
    Agassi 3×3 Safin

    Agassi q era fraco? Safin/Hewitt deram sorte nos confrontos contra ele? Ou os 2 tenistas eram sim bons tenistas?

    Sampras 4×5 Hewitt
    Sampras 3×4 Safin
    Sampras 1×2 Roddick

    Sampras era fraco? Os 3 que jogaram contra ele deram sorte? Ou os 3 eram sim bons tenistas?

    Será que Hewitt, Safin e Roddick eram bagres mesmo ou é só opinião de quem passou a assistir tênis à partir de 2011?

    Gostaria que os frequentadores deste blog (não os fanáticos moleques) respondessem essas questões.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Esta é muito fácil , Meu caro Capilé. O amigo citou 3 Ex – N 1 do Mundo . Hewitt o mais jovem de Toda a Era profissional com apenas 19 anos ( mesma idade em que Nadal virou N 2 ) , a terminar a Temporada 2001 . Marat Safin brigou com GUGA até o FINALS 2000 pelo N 1 . Andy Roddick destronou os dois em 2003 . Esses caras aprontaram a dar com o pau pra cima de Sampras e Agassi . Com o surgimento do Craque Suíço e a também precocidade de Rafa Nadal , estes caras não venceram vários SLAM. A partir de 2004, com Nadal já como N 2 em 2005. São bagres para esses “ moleques “ , porque o Sérvio demorou a amadurecer ( assim como Murray ) , e não participou do domínio total do Circuito. Somente em 2007 , assumiu o N 3 . Inventaram os tais Bagres , entressafra , e outras babaquices, para encobrir a não presença de Novak Djokovic na festa , devido a sua imaturidade e Papais pentelhos . Simples assim rs Abs!

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Até que enfim uma cabeça pensante que toca num ponto que eu sempre cantei a bola aqui…

      Pois é meu caro.

      Eis a razão porque me refiro a alguns daqui pelo mesmo adjetivo.

      O Sérgio já prefere falar em KOMBI… kkkkk

      E quando digo isso, não me refiro a se fazer brincadeiras ou ironias.

      Brincadeiras e ironias fazem parte, e são sempre coisas positivas, saudáveis.

      O que estraga são as ladainhas mentirosas e sistematicamente repetitivas.

      Elas é que desservem o espaço e tumultuam as pastas.

      E para piorar, os que se utilizam disso não acompanharam nada do período.

      Mas como você bem destacou – Safin, Hewitt e Roddick foram excelente jogadores.

      E todos atingiram o topo do ranking.

      Deles três, o Safin era o melhor tecnicamente, e era sempre uma diversão em quadra.

      Até na época em que eu torcida contra ele, por ser um grande rival do Guga…

      Jogador de golpes da base potentes, ótimo saque, e se virava bem na rede.

      Hewitt, por outro lado, tinha um espírito aguerrido e parecia um “bot” para trocar bolas.

      Jogava muitas delas com boa margem de segurança, e jamais errava.

      O que acabava minando a paciência dos seus adversários.

      E não existia bola perdida, nem set perdido para ele.

      Uma vez me lembro dele estar perdendo de 5 x 0 no primeiro set, e depois virar para 7/5. (rs)

      Os que falam mal do Hewitt hoje, nem percebem que o Djokovic é uma boa EVOLUÇÃO dele.

      O Roddick era um tenista de personalidade, e tinha um movimento de saque bem heterodoxo.

      Conseguia verdadeiras pedradas com ele – alguns saques passavam dos 230 km horários…

      Responder
    3. Leo Gavio

      Sampras em final de carreira. Com problema grave nas costas, e essas partidas foram todas no hard ou saibro, nenhuma em Wimbledon, que era a especialidade do Pete. Na quadra dura ele perdeu de varios tenistas, não é absurdo que Safin ou Hewitt ganhassem dele nas quadras duras.

      O Fregueser ganhou a maioria dos titulos contra jogadores fracos se comparados a Nadal e DJokovic
      dos 20 slams do suiço, 12 foram contra bagres.

      O Roddick tem um baita saque, mas no fundo de quadra é bem menos forte que um almagro, por exemplo. Como Federer tb sempre teve um puta saque, a diferença é abissal de qualidade.

      Hewitt, esse era bom de fundo de quadra, jogador inteligente e guerreiro como Nadal, mas sacava nivel WTA, e não tinha golpes arrasadores, presa facil pro Federer.

      Safin(arsenal completo), Haas(arsenal completo) e Nalbandian (saque medio): esses sim eram jogadores TOP de linha, com bola pra ser numero 1, tinham pancada, tecnica e saque no nivel tao alto quanto o do Federer, qual é o diferencial aqui? a mente deles era fraca DEMAIS, quando engatava no mental, esses aqui esculachavam o suiço.

      No tenis o mental faz MUITA diferença, se você desse o talento desses caras pro hewitt ou o mental do hewitt pra eles, Federer seria dizimado com frequencia.

      È isso que muitos Fedtards não entendem, o suiço pegou uma entressafra de jogadores incompletos, quando tinha mental, não tinha arsenal de ponta, quando tinha mental de ponta vinha com um pacote mental de bagre.

      Agora, vejam a situação do periodo “Nadal e Djokovic”, foi um periodo muito mais duro, jogadores fortes e com boa mentalidade:
      grupo1: DJoko, Nadal, Federer, Del Potro, Wawrinka, Cilic, Murray, Thiem, Tsonga, Berdych, Soderling, Kirgyos
      grupo 2: Verdasco, Nishikori, Fognini, Zverev, Monfils, Isner, Ferrer

      Coloquei apenas tenistas que, ou derrubaram o big 3 alguma vez em slam, ou tem slam, ou tem potencial pra derrubar.
      Obs: coloquei Tsonga, Berdych e Thiem no primeiro grupo pq ja derrubaram Nadal, Federer ou Djoko em Wimbledon ou RG, que são os mais cobiçados, ou que tem a escalada maior, no caso Nadal em RG.

      No periodo da entressafra do Federer você não tinha ninguem de peso, praticamente:
      Grupo 1: Federer
      Grupo 2: Safin, Roddick, Hewitt, Nalbandian, Blake, Haas

      Obs 0: Safin pra mim é grupo 1, mas se voce observar ele nem aparecia nas finais dos torneios grandes, era raro, e ainda meteu ferro no Federer, e nunca fez final em WB, muito fraco no principal evento.
      Obs 1: Guga, mesmo aleijado como Murray está, jogou so uma partida com Federer, kkkkk e venceu: RG 2004.
      Obs 2: Agassi tava de bengala, saque era fraco, jogo de fundo de quadra era bom, mas precisava de pernas.

      Conlusão: Tudo favorecia o passeio do suiço, gente boa com cabeça ruim, gente ruim com cabeça boa, tenistas com pacote completo, poucos, se aposentando, ou, no caso do Nadal, Djoko e Murray, ainda de fraldas lá em 2007.

      O reinado do Federer simplesmente contou com essa entressefra do periodo 2003 – 2007, até hoje o cara nao conseguiu ganhar do Nadal em RG, e agora virou freguesão do Djoko em Wimbledon.

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Post EXCELENTE do sábio Gavião.

        Sou humilde o suficiente para reconhecer que ele manja mais do período da entressafra do que eu.

        Ele só esqueceu de dizer que o Federer daquela época era um jogador pior do que o da década de 2010, como bem destacou Nalbandian outro dia. A sorte do suíço é que o nível era baixo e ele não precisava de uma esquerda decente, por exemplo. Com isso, papou 12 Grand Slams, 4 Finals e vários Masters 1000 sem muito esforço.

        Responder
          1. Paulo F.

            Guga ainda é um mito, pior é ser filhote do débil Alex Corretja, que transformou a final de RG 2001 em um mero aquecimento pro próprio Guga.

      2. Sérgio Ribeiro

        Resolveu incorporar o ” velho” Léo Gavião da época do P.Cleto. O mais velho N 1 do Mundo antes de Federer , foi exatamente André Agassi. Vencer o AOPEN 2003 e chegar a FINAL do USOPEN 2005 contra o Craque é pra poucos. O ” sábio” segundo o P.Almeida e o baba ovo do Jonaser , não sabe nada rsrsrs Abs!

        Responder
    4. Paulo Almeida

      “Capilé de São Leopoldo”, rsrsrs.

      Ainda bem que não faço parte do grupo de moleques e é permitido que eu poste aqui.

      Primeiro: se você dá tanta importância ao h2h, mesmo com uma quantidade ínfima de confrontos, já tem a obrigação de declarar Djokovic como GOAT, com seus 27×23 no Federer e 29×26 no Nadal.

      Segundo: não dá pra colocar o Safin no mesmo pacote de Roddick e Hewitt, apesar de seu auge ter sido no início dos anos 2000 e ter sido vice do Federer na Austrália na posição 84 do ranking. Apesar de baladeiro, o russo ajudou o período da entressafra a ser menos fraco.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Ah, não?

        Então reveja o critério que ele usou psra definir um moleque:

        “Será que Hewitt, Safin e Roddick eram bagres mesmo ou é só opinião de quem passou a assistir tênis à partir de 2011?”

        Tá aí…

        Preciso dizer quem vive chamando Hewitt e Roddick de bagres?

        Responder
        1. Paulo Almeida

          É sério que quem acabou de fazer uma piada de quinta série ainda quer insistir nesse negócio de molecagem? Rsrsrs.

          Roddick e Hewitt são tão bagres quanto Ferrer, Agut e Busta, que você costuma chamar de operários do tênis. A diferença é que estes últimos tiveram o azar de coexistir com uma geração fortíssima. Aí era bem complicado ser número 1 do mundo mesmo.

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Existe uma falácia lógica que consiste em comparar duas coisas de níveis diferentes como se fossem do mesmo nível.

            É o que você tenta fazer agora…

            Eu inventei uma sátira, e para começar ela é nova.

            Diferente dessa coisa super batida de dizer que tenista x ou y é um bagre, para enaltecer aquele que você ama.

            Além de todo mundo saber que Roddick não é bagre, isso cansa qualquer leitor.

    5. Vitor Hugo

      Hewwit foi um grande tenista. Foi o mais jovem a ser número 1 do mundo. Tecnicamente, não era nada demais. Mas mentalmente e fisicamente era um gigante.
      Novak, por exemplo, lembra muito o australiano na maneira de jogar. Mas o sérvio faz quase tudo um pouco melhor que Hewwit fazia.

      Safin tecnicamente era melhor que Novak é hj. Mas tinha um mental fraco e não era muito comprometido com a carreira. Mas jogava muito!

      Roddick é um dos maiores sacadores de todos os tempos e tinha uma baita direita. Mas era lento e tinha um back fraco. Era pior que os dois citados acima. Mas batia em Novak som dó nem piedade!

      Só usei o sérvio como exemplo porque é o número 1 no momento. Fake, mas é.

      Responder
  28. Leo Gavio

    Eu tava observando uma coisa, Djokovic é melhor que Federer nos 3 pisos.
    Essa talvez seja a unica forma de avaliar quem é o melhor de todos os tempos:

    Federer 20 slams / 20 temporadas = 1,00 slam por temporada de média
    Nadal 19 slams / 17 temporadas = 1,11 de média
    Djokovic 17 slams/ 15 temporadas = 1,13 de média

    No Saibro: Nadal>Djoko>Federer
    No Hard: Djoko>Federer>Nadal
    Na Grama: Djoko>Federer>Nadal

    DJokovic é o melhor na média 1,13 slams por temporada e o melhor no confronto direto entre os tres em 2 superfícies.
    E melhor que o Federer nas 3 e bem melhor que o Nadal em 2, e dá um trabalho desgraçado ao espanhol na superficie que ele comanda.
    Me diz ai, como um cara com esses números, durante o período mais sangrento do tênis, não é o maior e melhor?

    A gente ainda tem de considerar o seguinte, no periodo Federer, 2003 a 2007, amarrava-se cachorro com linguiça.
    Foi a entressafra que criou a fama do Federer, que turbinou a confiança dele pra conseguir ainda mais títulos enquanto Nadal, Djoko e Murray construiam a confiança.

    Me lembro até hoje que desde 2008 a desculpa de que Federer estava tomando couro é pq tava “velho”…kkkkkkk tem 12 anos dessa ladainha, desde o Blog do Paulo Cleto e das comunidades do Orkut (saudades). E nesse periodo Federer tinha 5 anos a menos do que a maquina servia tem hoje, imaginem só.

    Responder
    1. Jonas

      O Sampras resumiu bem essa época de domínio do Federer, sem Nadal e Djokovic maduros o suficiente.

      O Nadal é um tenista precoce, que em 2005 venceu seu primeiro Roland Garros. Nas hards tinha limitações óbvias, seu serviço era muito abaixo. Mas quando jogava contra Federer dava um trabalho do c…pro suíço.

      A gota d’água foi quando o espanhol doutrinou o suíço entre 2008-2009 (RG, WB, AO). A torcida ali entrou em desespero, mas por sorte o Nadal fez uma temporada péssima, a ponto de perder pro SODERLING em Roland Garros. Temporada pra esquecer.

      Em 2010, o Nadal voltou com tudo fazendo aquela temporada magnífica (pra mim auge). Qualquer um pode pesquisar a idade do Federer, ainda era bem jovem.

      Enquanto Nadal era esse monstro, o Djokovic era aquele coadjuvante que não engrenava.

      Mas me lembro que fui assistir à semifinal do Australian Open 2011 e fiquei impressionado com o volume de jogo do sérvio na semi contra Federer. Djoko parecia outro jogador, com 23 anos apenas. Desde então, o Federer (29 anos ainda) venceu alguns Slams e seguiu sendo dominado pelos rivais.

      Nunca foi uma questão de idade. Talvez seja mental, pelo menos foi isso que ocorreu por anos contra o Nadal.

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Cada vez que o parceiro Posta algo , é com uma escrita diferente . Juro que eras melhor na época do Paulo Cleto rs . Federer ficou de 2004 até 2008 ( ano da Mononucleose) no Topo , e foi destronado ao FINAL da temporada pelo então N 2 desde 2005 , Rafa Nadal. Nada a ver com estar velho . Ao FINAL da Temporada 2009 , voltou ao Posto , com Rafa Nadal voltando ao N 2 . O N 3 permaneceu Novak e o N 4 permaneceu Murray. O resto é conversa mole da turma da Kombi . Abs!

      Responder
    3. Rodrigo S. Cruz

      Então aproveitarei para sepultar essa FALÁCIA dos nolistas, de uma vez por todas.

      2008, eu tenho quase certeza que é exagero teu.

      Não acho crível que os federistas em geral usavam essa desculpa desde tal ano.

      Mas fato é que as gerações que antecediam o Federer se aposentavam muito mais cedo!

      Daí, a noção de que isso também aconteceria com ele.

      E como já resta abundantemente provado aqui, vocês não se utilizam desse argumento de maneira legítima.

      Uma vez que o Federer passou pelos 30, 33, 35, e hoje ele tem quase 39.

      E vocês idiotamente continuam afirmando que ele não é velho, e que a idade em NADA influência.

      Fico a me perguntar se quando o suíço atingir a terceira idade, vocês vão adequar esse discurso.

      Por enquanto, ele é ridículo…

      Responder
      1. Jonas

        Isso depende do tenista. O Agassi aos 35, 36 anos já não estava jogando no nível de antes, era visível.

        O Federer tem uma longevidade absurda e já admitiu que não está velho. Ele sabe muito bem que, caso não enfrente o Djokovic, pode vencer outro Slam, como o fez contra o Cilic duas vezes.

        Se compararmos o estilo de jogo do Agassi e do Federer, é evidente que o suíço tem um estilo que desgasta menos. E obviamente o Federer saca MUITO mais, ele não precisa passar horas em quadra, sempre gostou de encurtar os pontos.

        Ainda que Federer estivesse de bengala hoje, isso não muda o fato de que há 9 anos atrás ele já perdia com frequência pro Djokovic. Vai dizer que é injusto um jogador de 29 perder pra um de 24? Não há nada de anormal nisso.

        A meu ver, de lá pra cá o Federer melhorou absurdos. Vocês não vêem isso porque há anos ficam falando que ele está velho.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Velha tática nos nolistas (rs).

          Quando acabam os argumentos, partem para as mentiras:

          “A idade média de aposentadoria no tênis gira em torno dos 32, 33 anos. Atualmente tenho 37 e entendo que muitos me chamem de velho”, apontou: “Na vida cotidiana sou jovem, mas como tenista está claro que estou no grupo dos veteranos. Tenho que me acostumar, mas isso não significa que não desfrute jogando tênis, pelo contrário. Jogar diante dos tenistas mais jovens que eu é uma sensação diferente, mas me motiva seguir melhorando a cada dia”. (ROGER FEDERER)

          Onde você leu que ele nega estar velho para os padrões do tênis?

          E ainda que negasse, amiguinho…

          Se o teu avô negar que seja velho, ele vai deixar de ser, apenas porque negou?

          É cada uma!

          Responder
          1. Jonas

            Os padrões mudaram e você sabe muito bem disso.

            Nadal e Djokovic são a prova viva disso, dois baseliners que seguem dominando o tênis após passarem dos 30.

            Quando Federer não se sentir APTO a vencer um Grand Slam ou masters 1000, atp finals, você pode ter certeza que ele vai parar. É óbvio que ele se conhece muito bem e tem uma equipe competente em torno dele.

            Mas, repito, ainda que ele estivesse capengando (sabemos que não está) , isso não muda o fato de que a freguesia para o Djokovic começou lá atrás, com o suíço voando, nem tinha chegado aos 30.

            Se baseliners mais exigidos fisicamente como Djokovic e Nadal jogam em altíssimo nível há tanto tempo, não me surpreende que Federer fique tanto tempo em alto nível e com poucas lesões, diferente do Nadal.

            Há anos é assim. Uma boa parte dos torcedores do Federer atribuem as derrotas dele à idade desde 2008-2009, quando ele foi entubado por Rafael Nadal em 3 finais de Slam.

        2. Gildokson

          Comentário com uma afirmação num tom prepotente Jonas, insinuando que o Federer só vence outro Slam se não for contra o Djokovic, ignorando o fato dele ter ficado a uma bola de fazer isso meses atrás, ignorando o fato dele ter batido Nadal 2 vezes em Slam nos últimos anos, uma coisa que antigamente a maioria falava aqui que era impossível, igualzinho você fez agora nesse comentário tendencioso.
          Eu ja disse aqui e repito, vocês não podem comparar a posição de Federer no circuito com o Djokovic ou Nadal quando o assunto se refere a idade. Simplesmente pq o sérvio que acabou de completar 33 anos não corre o risco de amanhã ou depois chegar em mais uma final de Slam e encontrar outro gigante do mesmo nível dele, mas com 6 anos a menos e muita perna a mais. Ele não corre esse risco, a final do AO desse ano nos mostrou isso, não à nessa geração alguém do nível desses 3 monstros, e Nadal e Djokovic vão poder ganhar títulos até os 38 quase que tranquilamente.

          Ahhh ja ia quase me esquecendo!
          Pq quando se referem ao título que o Federer ganhou do Agassi dizem que o americano estava de fraldão? Mas bater frequentemente no suíço coroa é diferente?
          Vocês tem que entrar num acordo em relação ao argumento de idade.

          Responder
          1. Jonas

            Eles fizeram algumas finais de Slam. O Djokovic só perdeu uma em 2007.

            No período de baixa do sérvio, entre 2017 e a primeira metade de 2018 o Federer venceu 3 Slams.

            Eu concordo que a final de WB 2019 foi uma das melhores atuações da carreira do suíço. Ele perdeu nos detalhes. Fora isso, é verdade que o Djokovic dominou as finais anteriores.

          2. Jonas

            Quanto a comparação Agassi–Federer, eu diria que a questão de época e estilo de jogo pesa bastante.

            Você pode perceber que poucos imaginavam Rafael Nadal jogando após os 30. Isso tem um motivo, estilo de jogo/lesões. Nadal faz muita força pra jogar.

            Mas aqui estamos e ele é número 2 do mundo, chegando em final de Slam e vencendo Roland Garros ano após ano. Os tempos mudaram e obviamente o big3 é muito diferenciado.

            Sabemos que Federer tem um estilo completamente oposto ao de Nadal. Por isso eu não fico tão surpreso dele estar aí depois de tantos anos, mas por outro lado sei que não é fácil se manter motivado. Acredito que os recordes pesem na decisão.

            Olhando para o que ele entrega hoje em quadra, pra mim continua extremamente competitivo. Repito que ele melhorou em vários aspectos de seu jogo.

      2. Luiz Fabriciano

        Depende de seus torcedores, porque o discurso de velho começou através deles.
        Federer quarentão bate em meninos como Shapovalov, mas perder do sérvio é idade.
        Nem sempre Djokovic foi melhor que Federer, mas há um tempo que é. Essa coisa de G.O.A.T. leva em consideração, como a própria sigla sugere, a história toda, então, esperemos o final dela.

        Responder
        1. Jonas

          Podemos até inverter a situação usando os fatos. Federer foi melhor que Djokovic até pouco antes do sérvio completar 24 anos; depois disso…

          Responder
  29. Luiz Guilherme Stipp Correia

    Dalcim, incrível como o povo aqui no blog consegue comentar de tudo, menos do assunto do post.
    Tenho duas perguntas: qual a melhor tenista da história, em sua opinião?
    A outra: estive vendo os melhores momentos da final de 1989 do Us Open, Navratilova x Graff. Jogo magnífico, muito técnico. O que aconteceu com o tênis feminino, que ao meu ver tem um nível técnico hoje pior que o daquela época (pelo menos desse jogo)?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Essa é uma boa discussão, Luiz Guilherme, e eu ainda acho que temos de pensar no conjunto da obra e assim para mim Navratilova foi a maior. Sempre digo que precisamos não ver apenas números, estilos e eficiência, mas a importância histórica. E Martina teve esse peso enorme, ao ser a primeira a montar uma equipe multidisciplinar, o que hoje é extremamente comum e essencial. Sem falar no seu empenho pelo crescimento do tênis feminino. Seus duelos contra Graf foram excepcionais, porque tinham aqueles elementos essenciais: duelo de gerações, de estilos, de temperamento. Foram um desses momentos que citei outro dia em que o tênis feminino era maior que o masculino. Acho que o tênis feminino evoluiu demais em força e preparo físico, mas ficou preso demais num estilo padrão. Hoje vemos surgir tenistas mais ousadas, com recursos diferentes. Acho um ótimo momento. Abs!

      Responder
      1. Luiz Guilherme Stipp Correia

        É Dalcim, ali naquele jogo de 89 se vê voleio, slice, lob, saque-voleio, passadas, backhand de uma mão. Não temos nada disso no tênis feminino atual, só aquela monótona troca de pancadas do fundo da quadra

        Responder
  30. DANILO AFONSO

    BIG 3 AOS 33 ANOS

    Aproveitando que amanhã o DJOKOVIC completará 33 anos, farei um comparativo atualizado do BIG 3 aos 33 anos, NADAL com essa idade em 03/06/2019 e FEDERER em 08/08/2014.
    Vejamos os números abaixo em todos pisos:

    N. de SLAMs
    Federer – 17
    Nadal – 17
    Djokovic – 17

    FINAIS SLAMs
    Nadal – 26
    Djokovic – 26
    Federer – 25

    Semanas 1º no Ranking
    Federer – 302
    Djokovic – 282
    Nadal – 196

    VITÓRIAS SLAM / JOGOS SLAM
    Djokovic – 287/330
    Nadal – 275/314
    Federer – 274/317

    Outros BIG TÍTULOS (Finals/Master/Ouro Simples)
    Djokovic – 39
    Nadal – 36
    Federer – 27
    TODOS TÍTULOS (Slam até ATP 250)
    Nadal – 82
    Federer – 79
    Djokovic – 79

    % VITÓRIAS
    Nadal – 83,042% (950/1144)
    Djokovic – 83,040% (911/1097)
    Federer – 81,19% (967/1191)

    % Vitória TOP 10
    Djokovic – 68,83% (212/308)
    Nadal – 65,49% (167/255)
    Federer – 64,44% (174/270)

    Responder
    1. Leo Gavio

      Tá claro que Djokovic é o maior e melhor, e que existe uma disputa boa entre os 3, mas Djokovic é o chefão do tenis.

      Antigamente era o federer, depois Nadal e hoje é Djoko no geral, Djoko na hard e na Grama e Nadal no saibro.

      O chefão doa bolinha na parede é o federer. e só.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      kkkk… Ótimo vídeo… O Lendl na verdade fazia balé para melhorar o trabalho de pés e não necessariamente a elasticidade.

      Responder
      1. Rubens Leme

        O cantor Cab Calloway que a nossa geração se lembra cantando o grande hit dele, Minni the Moocher, nos Irmãos Cara de Pau. E a cena da descida da escada só poderia acabar comigo (e imagino contigo) numa mesa de cirurgia com 15 médicos tentando nos consertar ou em um caixão. Aqueles saltos… francamente.

        Responder
  31. periferia

    Andando pelo ABC……Luis Cipher encontra um sindicalista .
    Percebeu um certo desânimo no cidadão….faltava algo.
    – O que posso fazer por vc ….indaga Cipher.
    – Poder companheiro….poder.
    Luís Cipher olhou o homem demoradamente e fez um pacto com ele….daria o poder a ele.
    Em troca …no futuro…Cipher cobraria o preço.
    Anos se passaram….realmente o homem teve todo poder prometido….era chamado de “O cara”.
    Todos o bajulava… queriam seu apoio para tudo.
    Ficou um pouco vaidoso….arrogante.
    Certo dia em seu confortável apartamento …o homem ouve a campainha tocar.
    Sente um cheiro estranho….parecia enxofre ….abre a porta….em um primeiro momento fica paralisado….mas logo se recompõe….compreende a situação.
    Era Luís Cipher….com uma roupa da polícia federal e com uma algema na mão (tinha um japonês com ele).

    Fausto de Goethe…..ou Inácio de Periferia.

    Quantos se foram hoje?

    Responder
    1. periferia

      Foram 1188……recorde…..e o governo mandou o exército fabricar 1.200.000 comprimidos de cloroquina de 150mg (já estão prontos).

      Sigamos

      Responder
  32. Oswaldo E. Aranha

    As feministas juramentadas que me perdoem, mas apreciando os jogos das tenistas, além do desempenho técnico, aprecio também a graça e beleza das moças; assim destaco: Ana Ivanovic, Kerber, Bouchard, Maria Sharapova, Caroline Wosniak e mais umas poucas. Só aceito puxão de orelha da Gabi.

    Responder
  33. Filipe Fernandes

    Caros Dalcim e pessoal do Blog, boa noite!

    Que notícia inspiradora e marcante a publicada hoje no Tenisbrasil sobre a história da ex-tenista Reka Zsilinszka, hoje médica e atuante firme nos casos clínicos de Covid-19. As falas dela na matéria (carreira breve mas de destaque no tênis, formação acadêmica e atuação profissional, o atual acompanhamento dos doentes) são muito relevantes, mostram uma trajetória repleta de acontecimentos únicos (como a decisão de tornar-se médica após passar por algumas consultas, fato que ocorre espontaneamente com muitos de nós, qualquer que seja a profissão desejada).

    Essa matéria me remeteu ao Tostão, ex-jogador de futebol e hoje colunista da Folha de S. Paulo, que aos vinte e seis anos teve que encerrar a carreira nos gramados por um problema de visão ocorrido após sofrer uma bolada no rosto em uma partida. Mas, tal como a moça da matéria, partiu para a medicina, tornou-se médico e professor da área e, anos depois, “regressou” ao futebol — como comentarista e, agora, como colunista. Tostão narra essa sua trajetória de vida no seu magnífico livro “Tempos vividos, sonhados e perdidos” — um prato cheio para os amantes do futebol e da história desse esporte, das Copas do Mundo e de um belo relato pessoal (como é o relato da Reka Zsilinszka), com uma escrita acurada e poética.

    Muito bacana a matéria, mestre Dalcim, uma leitura que vale a pena, nos faz refletir sobre as escolhas e os muitos (possíveis) caminhos abertos na vida. Meus parabéns e um grande abraço.

    Responder
    1. Gabi

      Eu tb li essa matéria e tb achei muito interessante. Inclusive, depois dei um google para saber mais sobre a Reka Zsilinszka…

      Mudando de assunto…Enquanto não sai a série sobre o Larry Bird que vc comentou, ontem li que uma sobre o Tom Brady (“Man in the Arena: Tom Brady”) está programada para 2021. Serão 9 episódios. Li gente perguntando “onde vão tirar nove episódios de conteúdo sobre ele? Será que ele vai falar das m., dos escândalos, vai mandar a real ou só vai ficar falando que foi muito difícil e trabalhoso chegar onde ele está?”. Bom, nao sei se será tão interessante quanto a do Michael Jordan, mas conteúdo acho que não faltará para 9 episódios: 1 para cada superbowl, outro para o deflate gate, outro para o spy gate e o último para a mudança.
      Nem sei se vc gosta de futebol americano e ja saí falando rsrs.

      Responder
      1. Filipe Fernandes

        Gabi, oi, bom dia!

        Confesso que o futebol americano não é um esporte que me entusiasma muito (apesar de, às vezes, nas épocas de SuperBowl acompanhar um pouco). Puxa, tudo bem pelo comentário, rs, ele tem a sua relevância. Saber que uma série voltada para um grande esportista será lançada em breve é muito bom, pois essas produções — em simultâneo — acabam cumprindo um importante papel de despertar uma atenção maior para o esporte.

        Como exemplo, Gabi, recentemente vi um filme muito bom chamado “A Grande Escolha” (2014), com Kevin Costner e Jennifer Garner, que gira em torno do futebol americano partir de uma miríade de acontecimentos e atos decisivos que, ocorrendo no espaço-tempo de um único dia, parecem (subjetivamente falando) corresponder a semanas e meses de uma rotina vivida de forma acelerada, tão abruptas são as constantes mudanças de contexto as quais o personagem principal precisa entender e contornar — profissional e, sobretudo, emocionalmente (tornando-se uma temática muito universal e humana). Vale muito a pena ver.

        Também recentemente, li no ótimo livro “Lições dos Mestres”, do recém-falecido professor francês George Steiner, um pequeno ensaio de duas páginas sobre um pioneiro técnico de futebol americano, o sr. Knute Rockne, que, na primeira metade do séc. XX, revolucionou o esporte por contribuir na formação de muitos técnicos futuros que influenciariam na sua popularização, possibilitando a ele ser o que é hoje. Imagine o Pelé dos técnicos. É assim que o professor apresenta o sr. Rockne em seu texto.

        Nas palavras de Steiner, ele “foi, acima de tudo, um professor de professores”, que “insistia em dizer que seus métodos não tinham segredo algum”. E que um “passatempo de caráter local, quase que desconhecido — o futebol americano não fala a língua mundial do futebol, a de uma Copa do Mundo — tornou-se uma paixão nacional graças, em grande medida, à genialidade de um Mestre”.

        Recomendo filme e livro, muito bons na minha opinião. Um grande abraço, Gabi e pessoal do Blog, e espero que todos estejam com todos os cuidados (assim como seus queridos próximos).

        Responder
        1. periferia

          Olá Filipe.

          O filme a Grande Escolha pega o dia da escolha do draft.
          Um jogo de xadrez ……tudo muito Real (até a franquia é real).
          É algo quase mercadológico……os atletas são claramente mercadorias…..mas o filme….paradoxalmente…. passa uma visão humanista .
          O Costner é o rei dos filmes de esportes….fez vários.

          Abs

          Responder
          1. Filipe Fernandes

            Caro Periferia,

            De fato, a visão humanista neste filme chama, para além do esporte, bastante atenção — é uma obra que nos faz pensar no turbilhão de coisas que rodeiam o ser humano, no tempo, nas responsabilidades, nas decisões tomadas, na cadeia de relacionamentos e situações que surgem e são proporcionados pela vida. Algo com que muitos de nós nos identificamos.

            Caro, eu aprecio muito as atuações do Kevin Costner (especialmente aquela em “Um Mundo Perfeito”), e recentemente ele viveu um outro personagem muito marcante em outro filme também significativo, chamado “Estrelas além do tempo” (2016), que reflete sobre as barreiras e os atrasos do racismo institucionalizado, sobre o valor dos estudos, sobre humilhações cotidianas, a importância da abertura de oportunidades, o desenvolvimento do caráter, a dignidade das mulheres, a história de pessoas reais. Enfim, um grande filme, que também vale a pena ser visto.

            Um grande abraço, Periferia, que você e seus queridos próximos estejam bem.

  34. Vitor Hugo

    Comparo a Câmara hiperbárica aquele antigo maiô tecnológico, que fez com que um nadador alemão insignificante batesse Michael Phelps em um final de campeonato mundial, se não me engano.
    Dá um up em bagres e mais gás ainda para quem já tem um ótimo preparo físico.
    Larga mão de ser preguiçoso e vai dar uma corridinha em Bogotá, La Paz ou até nos Alpes suíços…

    Responder
    1. Gabi

      Não sei se dá para comparar os trajes com a câmara, mas tb pela vantagem indevida é que eles foram abolidos da natação em 2009, após um período onde recordes caíam todos os dias.

      Os trajes tecnológicos trouxeram dois componentes que faziam uma grande diferença nas performances. Uma melhor compressão muscular e uma melhor flutuabilidade dos nadadores. Estas vantagens ficavam mais evidentes nos finais de prova, quando os nadadores perdem sua posição.

      Responder
  35. Vitor Hugo

    Os colegas que “entraram na mente” do Tio Tony poderiam explicar pra nós quais os motivos que fazem Wawrinka, Kyrgios, Thiem, Sinner, Laver, Tsipas, Zverev, Sampras, Becker, Guga, Big Mac e etc considerarem Federer o melhor tenista da história????

    Responder
  36. Vitor Hugo

    Luiz Fabriciano,

    Na final entre Nadal e Stan, AO/14, o suíço dominou Rafa nos dois primeiros sets, com boa folga. O terceiro set caminhava para o mesmo desfecho que os dois primeiros, mas Nadal se machucou e o suíço teve uma queda de concentração devido a lesão do rival.
    O quarto set, apesar de desconcentrado, Stan fez o necessário, ganhou e mal comemorou.
    Mas venceria o jogo independente da lesão ou não do espanhol. Quem assistiu sabe.

    Contra Novak em Roland Garros, atropelou! Agora vc dizer pra nós que naquele dia nem Nadal ganharia do suíço?! Sério isso!? Vc só pode estar brincando! Só se Rafa estivesse no mesmo nível que estava quando perdeu pra Novak em RG. Mas se estivesse naquele nível de jogo, nem chegaria à final!
    Nadal é imbatível em final de Roland Garros se estiver 80%!!!

    Sobre o U.S open, Wawrinka atropelou também! O sérvio não jogou o seu melhor, assim como Federer não jogou seu melhor mas finais em Wimbledon em 2014 e 2015, e u.s open 2015 também. Mas por acaso Stan jogou seu melhor??? E Novak estava descansado pois ganhou jogos por w.o.

    Segundo vc, Novak não estava no seu melhor, mas Roger estava quando perdeu pra Novak em Wimbledon/19, né?
    Muito incoerente.

    Fato é que, Wawrinka dominou todos os seus rivais nos títulos de slam que ganhou.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Novak jogou tudo (e mais um pouco) do que sabia na final de Wimbledon 2019.

      Fato.

      Mas por culpa do oponente foi JANTADO em quase todas as estatísticas do jogo. (rs)

      O resto é conversa…

      Responder
      1. Luiz Fabriciano

        E do que adiantou esse JANTAR todo Rodrigo?
        Guga, ficou um tempão como dono do record de aces em um jogo. 47 no total.
        Foi numa partida pela Davis, realizada em Calgary, no Canadá, contra os donos da casa.
        Mas perdeu o jogo e o Brasil foi desclassificado.

        Responder
    2. Luiz Fabriciano

      Tente mais, ainda falta muito.
      Na final de Wimbledon 2015, o próprio Federer admitiu na entrevista em quadra pós-jogo que perdeu para o cara que jogava melhor há anos.
      Duvide dele também, mas antes reveja a entrevista.

      Responder
  37. Gabi

    Essa semana fui ao nutricionista, que me garantiu que verduras e legumes estão liberados na minha alimentação. Frutas, não.

    Seria simples não fosse o fato de que eu – que passei meus últimos anos estudando a diferença entre dolo eventual e culpa consciente – não conheço a diferença exata entre verduras, legumes e frutas.

    Questionei a ele, então, o que a doutrina – nacional e estrangeira – entende por verduras, legumes e frutas.

    -“A doutrina não é pacífica, Gabi. Para a doutrina majoritária, verdura é folha verde; legume é fruto que não é fruta (envolve um lance de gênero, portanto) e fruta é mais adocicada.”

    Sim… mas e a legislação?

    -“O legislador se omitiu.”

    Isso acontece muito. E a jurisprudência? Lembro que a jurisprudência do STF era no sentido de que tomate era fruta. Sumulou? E o limão, que não tem nada de adocicado? Tem precedentes entendendo como legume? E o maracujá? Lembro que tinha dissídio jurisprudencial sobre o maracujá. E o fruto que se enxerga como fruta? Tem direito de ser considerado fruta sob a minha ótica?

    O nutricionista ficou me encarando. E liberou para comer frutas também…

    Responder
    1. periferia

      Olá Gabi.

      Lembrei algo
      Minha esposa é professora de uma escola pública aqui perto.
      Na escola sempre tem uma fruta para acompanhar a refeição.
      Um dos meninos disse que nunca tinha comido um tomate tão gostoso.
      Era um caqui.
      Confunde mesmo.

      Abs

      Responder
    2. Luiz Fabriciano

      Boa Gabi!
      Tem gente que adora colocar coisas para nos complicar, então, devolva o pepino, sem trocadilhos, à ele, deixando-o ainda mais complicado com sua própria complicação, entendeu? kkkkkkkk

      Responder
  38. DANILO AFONSO

    AGASSI X DJOKOVIC

    A maioria dos especialistas e torcedores citam Agassi e Djokovic como os maiores devolvedores de saque da história, qualidade esta que é um misto, entre outras variáveis, de boa leitura e antecipação do saque, reflexo, precisão e flexibilidade (principalmente o sérvio).
    Com carreiras tão longas, Agassi com 20 anos e Djokovic já com 17 anos, torna-se difícil definir quem tem a melhor devolução apenas reportando –se da memória dos que acompanharam a carreira dos tenistas ou reprisou alguns vídeos pela internet. Diante de tal dificuldade, nos resta recorrer das estatísticas para ratificar ou rechaçar nossa percepção.
    De antemão, informo que não encontrei uma estatística com a quantidade de winners de devolução (1ª devolução após o saque) e nem comparativo de quem teve mais devolução agressiva que proporcionasse entrar e dominar o ponto. Porém, apresentarei outras estatísticas mais abrangentes, que talvez, englobe esses comparativos omissos.

    Vejamos um comparativo dos dois tenistas contra todos tenistas na carreira:

    % DE PONTOS VENCIDOS EM GAME DE DEVOLUÇÃO
    Djokovic – 42,12%
    Agassi – 41,68%

    % PONTOS VENCIDOS NO 1º SERVIÇO DO ADVERSÁRIO
    Djokovic – 33,64%
    Agassi – 31,38%

    % PONTOS VENCIDOS NO 2º SERVIÇO DO ADVERSÁRIO
    Agassi – 55,83%
    Djokovic – 55,12%

    % GAMES VENCIDOS NO SERVIÇO DO ADVERSÁRIO
    Djokovic – 32,06
    Agassi – 31,69

    % BREAK POINTS GANHOS
    Djokovic – 44,47%
    Agassi – 43,44%

    Gostaria de ouvir a opinião dos demais leitores do blog. Caso ache que faltou eu citar outras estatísticas, além daquelas que já mencionei que não encontrei, diga qual é e qual o motivo pelo qual deveria constar.

    Responder
    1. Vitor Hugo

      Antigamente as quadras eram mais rápidas, então bem mais difícil devolver. E tem os equipamentos de hj que favorecem ainda mais as devoluções. Os números são próximos.
      Fico com Agassi com Novak logo atrás.

      Responder
  39. Mauro

    Muita gente tirou sarro da manchete em que o dono do Madero aparece surpreso com o sumiço de clientes depois que, de tanto pressionar, teve o estabelecimento reaberto. Mas a situação é bem didática.

    A culpa da crise econômica não é da quarentena. É do vírus. O setor terciário é parte fundamental da atividade econômica, mas não é capaz de carregá-la nas costas. Posto que a cadeia produtiva mundial está comprometida, é bastante óbvio supor que a reabertura de lojas não vai corresponder à expectativa de que as coisas voltem pra perto da normalidade.

    E é por isso que — parênteses aqui — às vezes o comércio demora a sentir os efeitos de uma grave crise econômica e continua empregando bastante. Isso aconteceu em 2014, inclusive. Dados alarmantes, mas pleno emprego. Pra muita gente parecia que estava tudo bem.

    A indignação dos empresários é fundamentalmente legítima, justa, e isso precisa ficar muito claro. Eu só acho que ela está sendo direcionada pro lugar errado.

    As pessoas precisam ficar em casa. Não tem jeito. Esse é o consenso científico e ele precisa ser respeitado. Então as pessoas não deixam de ir pro comércio porque ele está fechado, mas porque estão com medo de se contaminar e porque estão com a renda fortemente comprometida.

    O presidente Bolsonaro gosta de citar a Suécia como exemplo pra enfrentar a crise. Lá não teve lockdown e as medidas de isolamento foram muito suaves — até escolas foram mantidas abertas.

    Resultado? A Suécia tem hoje (saiu ontem isso) a maior taxa de mortes do mundo pelo vírus: 6,08 pessoas por milhão de habitantes por dia na última semana.

    Se você extrapolar esses números pro Brasil, nós teríamos uma terça-feira por dia. Ou seja, mais de 1.200 mortos a cada 24h e com tendência de crescimento, posto que a tal imunidade de rebanho está muito distante. E olhe que lá o Estado de bem-estar social (incluindo o sistema de saúde, evidentemente) é muito mais avançado que o nosso.

    Mas a economia? Pelo menos os suecos vão se recuperar mais rápido, certo? Errado. A estimativa do Banco Central deles é de retração entre 7 e 10% em 2020. A da União Europeia é de cerca de 7,5%. Ou seja, a Suécia vai quebrar tanto quanto ou até mais que os seus vizinhos, mas tendo muito mais gente pra enterrar — o que indica, inclusive, que deve demorar ainda mais pra se recuperar, já que está perdendo muito da força produtiva no futuro.

    Esses números reforçam o que pra muitos é óbvio desde o princípio: o Estado precisa garantir que as pessoas tenham condições de ficar em casa. É claro que a tarefa não é simples, mas, se o Estado não serve pra isso, eu penso que ele não serve pra mais absolutamente nada.

    E o Brasil tem falhado miseravelmente nessa missão. Dos 53 milhões de cadastros pro auxílio emergencial, só 30 mi foram aprovados. 4 milhões ainda nem resposta tiveram. Tem quem está recebendo a segunda parcela e quem nem a primeira conseguiu receber ainda.

    O BNDES prometeu 53 bilhões pra pequenos e médios negócios e só liberou 6. Aquele programa pra financiar folha de pagamento e evitar o desemprego tem 40 bilhões disponíveis, mas só emprestou efetivamente 1,7. Em SP, 86% dos micro e pequeno empresários que bateram às portas do socorro não conseguiram nenhuma linha de crédito. Diante das negativas, muitos têm sido pressionados a aceitar empréstimos com taxas altíssimas.

    Mais do que isso, no começo da crise o presidente Bolsonaro chegou a dar uma dica pras empresas: demitirem os funcionários e fazerem os estados pagarem a conta. A rede de restaurantes Fogo de Chão fez isso. Mandou embora 439 pessoas.

    O que o governo federal brasileiro está fazendo é deliberadamente jogar as pessoas umas contra as outras; empresas contra funcionários, empresários contra governadores; e, enfim, todos uns contra os outros pra promover o caos. Porque é só graças ao caos que ele emergiu. E só no caos ele continua justificando sua existência.

    Como ouvi de um empresário ontem: foram 15 anos contribuindo com o Estado. Agora o Estado não pode socorrer por 2 ou 3 meses? O Estado te deve esse socorro. E ele tem que dar.

    É muito fácil chamar os governadores de “ditadores” (olha só quem justo agora resolveu achar ruim uma ditadura, né?) enquanto cruza os braços pro circo pegar fogo. Não se deixe enganar por essa fuleiragem picareta.

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Muito boa análise Mauro. E é exatamente isso o que temos como ação no momento: isolamento social. Se espelhar na Suécia e morrermos todos, qual a vantagem?
      E uma observação engraçada, para descontrair um pouco: o termo fuleiragem é a primeira vez que o vejo fora de minha família, rsss.

      Responder
  40. Samuel

    Boa tarde, Dalcim

    A perfeição é inatingível para os humanos. Vamos estabelecer uma escala de zero a cem em que a perfeição no tênis seria 100 e que o nível do tênis atual é 85 e evolui continuamente.
    Que nível nível você avaliaria o tênis em 2005, 1990 e 1975 (diferença de 15 anos entre os períodos). Considere apenas a realidade verificada naqueles cenários.

    Samuel

    Responder
      1. Samuel

        Bom dia, Dalcim

        Perfeição no sentido que sempre podemos evoluir, melhorar.
        Acredito que o tênis tem seu nível evoluindo continuamente desde que foi criado, talvez com exceção nos períodos das guerras mundiais.
        Portanto se o nível está mais forte, gostaria estabelecer o quanto está mais forte.

        Samuel

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Li certa vez de um analista que o melhor tênis sempre será o jogado no momento. E ele diz isso baseado não apenas na evolução técnica natural de cada esporte, mas principalmente com relação à tecnologia. Então acho exatamente isso. O tênis de hoje é o melhor que se pode ter jogado em qualquer época. Na sua escala de perfeição, acho que chegaria facilmente aos 85. Depois dele, acho que vem o tênis dos anos 90, pela variedade incrível de talentos e estilos. Daria 80.

          Responder
  41. Sandra

    Dalcim , como vai de quarentena ? Gostaria da sua opinião , não está parecendo que a Europa e os EUA querem jogo de qualquer maneira ? Eles conseguem lucrar sem público ? E será que realmente na Europa o coronavírus já passou ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Estou bem, e você, Sandra? Anda sumida… rsrs… Sim, acho que as duas federações querem fazer seus Slam de qualquer jeito. É melhor um prejuízo médio do que um prejuízo total. Ou seja, mesmo sem a venda de ingressos ainda vale a pena fazer os eventos pelos direitos de tv, patrocinadores envolvidos.

      Responder
  42. periferia

    Ola Dalcim
    Uma curiosidade….mês passado assisti aquela final do AO de 2012 …..entre Nadal e Djokovic.
    Foi quase 6 horas de jogo….muito disputado.
    Gostaria da opinião do mestre .
    Tecnicamente aquele jogo foi ruim ?

    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, não colocaria entre os grandes. Valeu pela batalha física e mental entre os dois, mas tecnicamente deixou um tanto a desejar, na minha opinião, até porque o desgaste nos últimos dois sets era tão grande que afetou a qualidade.

      Responder
      1. Vitor Hugo

        Prevejo muita choradeira por aqui. Rs. Realmente ficar 6 horas empurrando bolinha pro outro lado não é nada agradável de se assistir. Mas tem gente que gosta…

        Responder
  43. Rubens Leme

    Oi Dalcim, anteontem Fred Perry faria 111 anos, se estivesse vivo e, por coincidência, estava assistindo a versão feita Para Morte Nas Nuvens, da Agatha Christie, onde, no filme, Poirot assiste a final de Roland Garros entre Fred Perry e o alemão Gottfried von Cramm. Infelizmente, não sei quais atores interpretaram os dois tenistas, mas tinha até uns slices legais. rs

    Mas, aí fui buscar mais vídeo do Perry e até do Bill Tilden no youtube. São curtos, coisa de 1 minuto e meio e era curioso vê-los jogar de calças compridas. E já que o tema são as mulheres, fuçando achei esse vídeo – filme mudo, acho, porque não tem som – da Suzanne Lenglen, mostrando toda sua técnica e ensinando como jogar tênis.

    Imagino que deva estar careca de ver, mas é sempre bacana de se assistir, algo feito em 1925. – https://www.youtube.com/watch?v=_90PPjyGBgk

    E concordo com o Marcílio: a Hana Mandlikova merecia uma menção honrosa, pelos seus 4 títulos de simples e 1 de duplas em Slams. Teve o azar de pegar Chris e Martina no auge, mas teve chances ainda de beliscar dois Slams em cima de uma Navratilova veterana. E ainda enfrentou Pam Shriver, Billie Jean King, Tracy Austin, Andrea Jaeger, Sylvia Hanika, Helena Suková e, já veterana, Steffi Graf e Monica Seles.

    Responder
    1. periferia

      Olá Leme

      Esse tenista alemão….Gottfried von Cramm….tem uma história muito interessante…..mas poucos falam dele….foi um ídolo na Alemanha nazista…..mas era algo que o incomodava.

      Abs

      Responder
  44. Jonas

    Porcentagem do Big 3 nos sets decisivos ganhos por superfície na carreira:

    Saibro:
    Nadal: 79%
    Djokovic: 70%
    Federer: 66%

    Grama:
    Djokovic: 71%
    Federer: 67%
    Nadal: 67%

    Hard:
    Djokovic: 76%
    Federer: 66%
    Nadal: 65%

    No geral: Djokovic: 74%
    Nadal: 69%
    Federer: 66%

    Responder
      1. Jonas

        Djokovic joga mais uns 4 ou 5 anos em altíssimo nível, quebra os recordes e se aposenta.

        O Federer pelo estilo de jogo e físico privilegiado ficou até os 38, tentando de alguma forma evitar que seus rivais o superassem.

        Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Depende do que o parceiro chama de Set ” decisivo ‘” . Por essa sua estatística Novak não perderia nunca NOVE FINAIS de SLAM , e teria não 17 e sim , 19 ou 20 ! rs. Abs!

      Responder
          1. Sérgio Ribeiro

            Veja na GRAMA . O Suíço é disparadamente o maior vencedor com 19 Títulos a 6 . E na sua pesquisa tem o MESMO % do Sérvio… Abs!

          2. Jonas

            Tem que desenhar mesmo.

            A estatística não tem a ver com quem venceu mais títulos ou algo assim..leia de novo, grato.

          3. Sérgio Ribeiro

            Somente se vence Títulos a dar com o pau , vencendo os Sets Importantes, enroladíssimo pesquisador rsrsrs Abs!

  45. Rodrigo S. Cruz

    O MINISTÉRIO DA SAÚDE ADVERTE:

    Acaba de ser deflagrada uma nova variação do coronavírus!

    Este em particular não atinge os pulmões, e sim o cérebro provocando alucinações e delírios de grandeza.

    Os portadores do patógeno acreditam até que LEEM mentes!

    E, para os tais, nada vale a palavra de Tony Nadal que acha o Federer superior à divindade deles.

    Afinal, eles podem ler a mente do Tony e saber que ele mentiu…

    A nova doença foi batizada de Djoco- vid 17.

    (em referência ao número de Grand Slams do farsante sérvio)

    INFECTADOS ATÉ AGORA:

    Paulo Almeida, Paulo F. e Luiz Fabriciano.

    Responder
    1. Paulo Almeida

      O molecão aqui te parabeniza pelo comentário super maduro, que somente um sábio que já viveu várias décadas poderia proferir!

      Um dia ainda chego lá…

      Responder
    2. Paulo F.

      Pode me retirar desta tua piada péssima, ainda mais se tratando do pior problema de saúde pública da humanidade em mais de cem anos.
      Eu sou dos que, junto com o próprio Novak Djokovic, também considera Roger Federer o maior jogador de todos os tempos.
      O que faço sistematicamente é criticar com ferocidade sua freguesia ridícula desde quando Rafael Nadal ainda era um adolescente e o suíço já estava em sua plenitude.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Quando o parceiro afirma esta barbaridade , foi porque pesquisou ou por pertencer a turma da Kombi ? rs. Até 2008 quando eles afirmam que foi o início do Tênis e não o AUGE do Craque Suíço tínhamos , Federer 5 x 3 Nadal , somados hard e Grama. E Federer 1 x 9 Nadal no Saibro. Onde está a tal surra dita por Piloto e Copiloto ? Um Sérvio chamado Novak Djokovic perdeu as OITO primeiras e as TRÊS últimas no Saibro kkkkkkkk . E agora em final de carreira , próximo aos 39 , temos Federer 14 x 10 , somados hard e Grama . E Federer 2 x 14 no Saibro. O Sérvio ostenta 7 x 17 . Ou seja , e ‘ ainda também um grande freguês de carteirinha no barro do Espanhol rsrsrs Abs!

        Responder
        1. Paulo F.

          Pelo menos o sérvio SEMPRE demonstrou combatividade contra o Nadal, e em qualquer piso, diferente da passividade do dodô suíço no saibro.

          Responder
        2. Paulo F.

          7×17
          OK
          Só que o Djokovic ganhou TODOS os Masters 1000 do saibro.
          Em todos estes torneios, derrotou Rafael Nadal em pelo menos uma final e em Roma mais de uma vez.
          Também computa vitória contra Nadal em Roland Garros.
          Agora, Sr. Sérgio Ribeiro, poderias me mostrar as conquistas do incriticável Roger Feder em Monte Carlo e em Roma? E me mostrar as vitórias de Roger Federer em Roland Garros contra Rafael Nadal?

          Responder
      2. Rodrigo S. Cruz

        O meu choque com você (e o Almeida) sempre se deu em razão da provocação barata.

        Como vocês dois em toda pasta mirando a torcida do Federer.

        Você pode achar quem você quiser melhor.

        Nunca se tratou disso…

        Responder
    3. Luiz Fabriciano

      Eu até me esforcei para rir Rodrigo, mas não consegui.
      Não li a mente de Toni Nadal, mas se você não prestou a devida atenção no que escrevi ou quer dar um outro significado na minha opinião, não sei, mas vou repetir: Acho simplesmente muito conveniente dizer que jogador A é o melhor, mas eu, como jogador B, sempre bati nele. Do jogador C, que bate em A e B, não falo nada.
      Saudações.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Hum… Pelo jeito o casamento acabou mesmo rsrsrs. A partir de agora a Kombi perdeu a metade dos passageiros rs . Todos sabíamos que seria cada um por si após a aposentadoria do Craque. Mas já dá pra perceber que os elogios pra lá de falsos ao Espanhol , não esperaram , já foram pro Espaço kkkkkkkkkk Abs!

        Responder
      2. Rodrigo S. Cruz

        Luiz,

        tem duas imprecisões tremendas aí na tua fala.

        Primeira – o Nadal não bate mais no Federer em canto nenhum, sendo o saibro a única exceção. Aliás, o Touro tem apanhado sistematicamente…

        Segunda – quase todos aqui concordam que o GOAT não se define pelo h2h.

        Ou você esqueceu disso?

        Abs.

        Responder
        1. Luiz Fabriciano

          Tem não Rodrigo.
          Falo do histórico e de que a dupla de espanhóis ainda afirmam que o suíço é o melhor. Talvez agora eles até sejam honestos nas declarações, pois Federer conseguiu descontar um monte.
          E sobre sua segunda nota, não me referi a h2h.

          Responder
    4. Paulo

      Eu tb tentei rir mas nao consegui.
      Alias, o Sergio Ribeiro so riu porque a “piada” era para os torcedores do Djoko. Se fosse o contrario, garanto que Rodrigo, Vitor e demais torcedores do Federer nao iriam gostar.

      Responder
  46. Vitor Hugo

    O que significa Tony Nadal dizer que Novak foi o adversário mais difícil que Rafa enfrentou? Nada! Assim como Federer poderá dizer que Nadal é o mais difícil que enfrentou. E um dia Novak poderá dizer que Roddick era o mais difícil e a razão pela qual amarelou pra Stan em duas finais de slam, lembrando que os dois tem quase a mesma idade…
    Novak também poderá ter que explicar no futuro a razão do h2h de 10 x 2 de Kyrgios contra ele e porque tanta dificuldade contra o australiano.

    Responder
  47. periferia

    O lógico

    Depois de anos trabalhando no IBGE…. L. Nash nao suportou.
    Devoto dos números e da lógica…o mental não resistiu….o esgotamento aconteceu.
    Passou a ter visões…..conversava com amigos imaginários…..sua relação familiar ficou difícil. Internações….medicamentos…agressividade….choques…muitos choques.
    Ele que sempre acreditou em números, nas equações e lógicas que levam a razão…..percebeu.
    Depois de uma vida inteira buscando a verdade suprema através dos números e da lógica….parou….pensou e perguntou:
    -O que é verdadeiramente lógico? Quem decide o que é racional?
    Não ouve respostas….o silêncio dominou.

    (Enquanto isso Jesse Owens ultrapassa Usain Bolt na fita de chegada….emoção é sempre melhor que lógica )

    Baseado em Uma Mente Brilhante…Sylvia Nasar.

    Responder
  48. Vitor Hugo

    Prezado Danilo Afonso, bom lembrar o Sr que, seu colega de torcida se referiu várias vezes aos torcedores do suíço covardemente como Fetards, ou seja, retardados! Então, por favor, seja no mínimo coerente como vc sempre mostrou aqui ser. Chamar o fake de moleque não é nada comparado a chamar alguém de retardado.
    Eu acredito que o blogueiro, após descobrir a forma disfarçada que o “homenzinho” usava para se referir aos outros de maneira pejorativa, passou a não liberar os comentários do rapaz, que dificilmente pararia de ofender por simples peso na consciência.

    Abs!

    Responder
    1. DANILO AFONSO

      Eu não sabia que a denominação “Fetards” era nesse sentido.

      Mas na boa nobre Vitor, vamos ficar relax.

      Nós representamos uma minoria de pessoas que praticam e/ou assistem esse esporte maravilhoso. Lamentavelmente o tênis figura fora dos 10 esportes mais praticados no país.

      Acredito que a maioria aqui só fala de tênis durante a semana aqui no blog, pois é difícil encontrarmos pessoas que acompanham o circuito, que saibam além do simples nome dos membros do BIG 3.

      Vamos fortalecer nosso nicho, nosso “clã”, manter um espaço atraente, invés de ficarmos hostilizando uns aos outros.

      Vamos defender aqui nosso ponto de vista e ídolo, com descontração, bons argumentos, às vezes cutucando de leve o ídolo do “oponente”, e claro, mantendo a urbanidade, mesmo quando envolva o caloroso tema BIG 3.

      Graças aos membros do BIG 3, o esporte permanece com uma boa visibilidade no mundo, nos permite um espaço satisfatório na grade na TV com a cobertura dos principais torneios, e faz com que este prestigiado blog a cada ano atraia mais leitores.

      TMJ !!

      Responder
    2. Paulo Almeida

      O Leo Gavio acabou de utilizar o termo fedtard, enquanto faz tempo que não o faço. O André Barcellos chorou por conta disso e eu larguei mão, salvo uma ou outra vez.

      Você está errado: nunca significou que alguém era retardado na acepção na palavra e sim completamente cego ou tapado pelo suíço. Aliás, você se referiu dessa forma aos nolistas recentemente, se lembra?

      Segure um pouco a onda, meu caro camaleão. Andas muito exaltado.

      Responder
  49. Gabi

    Assim como o Barocos e o Luiz Fernando, eu tb acabo torcendo para as tenistas bonitas.
    As preferidas do Barocos não são as minha e das, do Luiz Fernando, só uma delas me atrai. Ainda bem, nao vamos brigar, viu? Hihihi.
    Para ficar só em três, escolho a Steffi, a Petkovic e a Barbora Strýcová.

    Responder
    1. Mauro

      Eu só aceito o pedido de desculpa do Looooola referente ao Coronavírus, depois que ele pedir o mesmo pra Galega, por ter transformado seu velório em palanque, em comício, assim como jogar toda sua culpa e erros na falecida. Como tb por Rose Noronha, a amante.

      Depois TB de chamar os nascidos em Pelotas de Vi@d@s.

      Depois de mencionar o órgão genital das mulheres de forma chula e machista.

      Depois que devolver o dinheiro do Mensalão.

      Depois que devolver o dinheiro do Petrolhão.

      Depois que devolver o Sítio de Atibaia, o Triplex, o Instituto Loooola, e os pedalinhos.

      Depois que unir o povo que ele começou a dividir.

      Depois que tirar o Tofolii do STF.

      Depois que se desculpar por criar Dilma.

      Depois que cumprir as penas em regime fechado.

      Etc e tal.

      Aí sim, tá perdoado. Até pago uma cachacinha pro alcoólatra.

      Tem que haver uma sequência, uma ordem necessária nos pedidos, do contrário vira bagunça.

      Responder
      1. Luiz Fernando

        Perfeito, o chefe da quadrilha q foi responsável pelo maior assalto ao erário publico da historia da humanidade é o maior expoente da torcida do coronavirus, um grupo de pessoas q pouco se importa se o pais esta melhor ou pior, preocupa-se apenas com suas ambições politicas e, claro, com mais chances de implementar esquemas de corrupção. O pilantra declarou textualmente que torce pelo vírus…

        Responder
  50. Rafael

    Pena que o blog voltou a ser um antro de discussão sobre quem tem um P maior. De certos imbecis eu espero qualquer coisa, mas fiquei decepcionado em ler gente que eu considero insinuar que o uso da câmara hiperbárica é/ou pode vir a ser considerado ilegal. Djokovic jamais escondeu que fazia uso, sites como o tennis,com e a espn já discorreram com naturalidade sobre o tema, mas não, aqui tem que baixar o nível.

    Vou aproveitar para estudar o novo programa de memória de tradução no qual vou ter de trabalhar, vcs fiquem aí com suas discussões enfadonhas e repetitivas.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Rafael,

      Não precisa sair, não.

      Lamento se isso te pareceu ofensivo.

      E vou ser ainda mais honesto – já escrevi sobre isso antes.

      Mas se eu soubesse que se tratava de tema sensível para você, eu teria abdicado dele.

      Não é um assunto tão recorrente, e também sei pouco sobre ele.

      Mas desde que tomei ciência, não vi com bons olhos essa câmara hiperbárica.

      Não vou chamar de vantagem indevida, até porque o uso é permitido e tal.

      Por isso mesmo dei o exemplo da Maria.

      Porque eu a defendi quando quiseram crucificá-la pelo uso do Meldonium.

      Mas, enfim…

      Não posso mudar o que eu falei, apenas não abordarei mais.

      Responder
    2. Paulo F.

      Realmente tu se decepcionou com criticou a câmara hiperbárica?
      Eu não fiquei nem um pouco surpreso.
      Agora, se o Roger Federer algum dia dizer que já fez uso dela, os mesmos irão chamá-la de maior maravilha da medicina esportiva.

      Responder
  51. Luiz Fernando

    Noah deve ter tomado muitas garrafas de bom vinho frances antes de comentar sobre Kyrgios. Ninguém nunca discutiu suas qualidades ou seu estilo de servir contra jogadores q estão mais atrás p receber, tudo faz parte do jogo. O q se critica são atitudes como não se empenhar nos jogos entregando partidas ou atitudes ordinárias como comentar com Wawrinka sobre um suposto caso da namorada do cara com outro jogador no meio da quadra. Creio que, para a maioria absoluta, idiota ou imbecil é quem não critica tais atitudes de forma veemente…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Apenas corrigindo, porque é algo que sempre me incomoda: Kyrgios não falou da namorada do Stan para desestabilizar o adversário. Ele falou consigo mesmo e foi captado por um microfone próximo. Nem juiz de linha, nem juiz de cadeira e muito menos o Stan, que está 30 metros distante, ouviu nada. Não foi correto, porém é errado dizer que Kyrgios fez isso para provocar o adversário no meio da partida. Stan só foi saber disso no vestiário.

      Responder
      1. Luiz Fernando

        Se eu postei algo equivocado em relação a fatos na quadra tenho q reconhecer o erro, mas o fato dele expor algo completamente indevido como ele fez me parece igualmente baixo, injustificado e não desculpável. Em suma, meu conceito sobre ele não mudou em nada…

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Não estou desculpando o Kyrgios pelo conjunto da obra, apenas neste caso específico existe esse erro evidente de julgamento. Ele não expôs nada publicamente. Ele falou consigo mesmo e o microfone detectou. Se você ouvir a gravação original, verá que foi algo dito a si mesmo, não foi gritado para alguém ouvir.

          Responder
  52. Rafael Azevedo

    Dalcim, peço licença para fazer uma comentário fora do mundo do tênis.

    No seu post anterior, um colega indagou:

    “Mauro
    18 de maio de 2020 às 08:45
    Gostaria de fazer a seguinte indagação aos defensores intransigentes da quarentena, do lockdown, ou mesmo do isolamento social:
    Suponhamos que, assim como ocorre com o câncer, não seja encontrada nenhuma cura ou tratamento definitivo para o covid-19. Suponhamos também que, da mesma forma que acontece com o HIV, não seja descoberta nenhuma vacina para a doença. Neste cenário, como vocês – quarentenistas – planejam (ou ao menos imaginam) que devará ser a vida humana, no Planeta Terra, a partir de então?”

    Acredito que o nosso maior problema, hoje, é a politização de tudo! As discussões sobre saúde pública deveriam ser “saudáveis”, mas por conta da polinização política, se transformou em uma guerra. Pessoas com viés político X discordam SEMPRE de pessoas com viés político Y, em qualquer assunto. Se Lula disser que Neymar é ruim, os bolsonaristas vão dizer que Neymar é o melhor do mundo.

    Acredito que cada estratégia de combate ao COVID-19 possui pontos positivos e negativos. As autoridades estatais deveriam discutir esses pontos e adotar uma estratégia. Simples assim. Mas, o viés político não permite. Simplesmente, é só ataque à opinião contrária (na verdade, o ataque é ao indivíduo).

    A questão do Mauro (acima) é pertinente. Se nunca for encontrada uma “cura”, vamos sair da quarentena, um dia? Se sim (e obviamente que sim), porque tivemos que estar em quarentena nos dias atuais? Mas, dando a minha visão ao caro colega, Mauro, acredito que essa primeira quarentena é útil para evitar uma sobrecarga no sistema de saúde (que não está adiantando muito no Brasil, porque está tudo sobrecarregado, rs) e permitir que os indivíduos que vão pegar a doença tenha um melhor suporte na luta por sobrevivência. Depois que grande parte da população se “contaminar”, ela vai criar uma defesa própria e natural no organismo. Assim, poderemos sair da quarentena! A quarentena é uma questão de minimizar mortes à curto prazo!

    Enfim, acredito que deveríamos ter discussões saudáveis, mas a criação de ídolos não permite. Vemos isso no esporte, também, afinal quais são os principais comentários ofensivos deste blog? Aqueles relacionados à disputa do melhor tenista e do melhor político!

    Perdão pelo texto longo!

    Responder
  53. Rafael Azevedo

    Alguns colegas do blog estão fazendo listas sobre os melhores em cada golpe/técnica do tênis: Forehand, Backhanda, lob, dropp, saque, etc.

    Essas listas são legais para discutir as técnicas de um tenista e o quanto eles são completos (os tenistas que forem citados em muitos desses itens são os mais completos).

    Porém, essas listas não são válidas para definir “o melhor” tenista. Porque o esporte é feito de Técnica e Tática, além do fator físico em jogos longos (e o fator mental em jogos tensos). Se um tenista é fraco no voleio, por exemplo, ele adota a tática de jogar na linha de base. Ou seja, ele supriu a sua deficiência técnica nesse quesito. Outros tenistas exploram as deficiências técnicas do adversário, por exemplo, trazendo-o a rede, se ele for fraco no voleio e no smash. O melhor tenista é aquele que consegue explorar ao máximo as suas técnicas e as deficiências técnicas do adversário. Mas, obviamente que, quanto mais técnicas um atleta domina, mas opções de táticas ele consegue explorar durante o jogo.

    Considero o Big 3 completo em Técnica e Tática (caso contrário seria impossível conquistarem o que conquistaram), mas, se fosse fazer um ranking entre eles, o Federer seria o primeiro na Técnica e o Djoko e o Nadal empatados na Tática (com leve vantagem para o sérvio). No Físico e no Mental o Nadal foi o líder no passado, mas acho que Djokovic o superou (também, porque o Nadal regrediu nesses aspectos).

    Essa é a minha opinião.

    Responder
    1. Rafael Azevedo

      Ah!

      E ninguém precisa ser o Top 1 de nehuma técnica dessa para ser o melhor tenista. Na época que o Murilo foi considerado o melhor jogador de voleio do mundo, dizia-se que ele não era o melhor em nenhum quesito específico (ataque, saque, recepção, defesa), mas que ele era bom em todos, que não tinha deficiência em nenhum desses.

      Responder
      1. Vitor Hugo

        O ponto é esse. Federer é tecnicamente o melhor pois é o que tem a maioria dos golpes próximos a excelência, com exceção do backhand, claro. Mas ele faz melhor quase todos os golpes que Nadal e Novak.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Olha,

          Eu acho que ele tem um backhand magnífico sim.

          Principalmente de uns anos pra cá.

          Nunca mais vi ele perder jogo, apenas por atacarem sua esquerda.

          Além de também conseguir várias bolas vencedoras com o golpe…

          Responder
        2. Rafael Azevedo

          Eu concordo que o Federer é tecnicamente melhor. Mas, isso não significa que o Djokovi é fraco tecnicamente. Temos que aceitar que ele é um baita tenista, também.

          Responder
          1. Paulo F.

            Não tem como afirmar que Djokovic é ruim tecnicamente pelo o que ele apresenta em todo e qualquer piso.

      1. Sérgio Ribeiro

        E quando perdia o Posto como em 2012 , Federer retomava o N 1 do próprio. Em 2018 foi mais legal ,( pois até Murray tomou o Topo do Cara em 2016 ) , acabou se tornando o mais velho N 1 da Era Profissional . No Geral , cada um terminou 5 Temporadas no Topo. Suas ideias para variar não correspondem aos fatos , caríssimo jonaser rsrsrs Abs!

        Responder
    2. DANILO AFONSO

      Rafael, você está no auge dos comentários. Que fase !!

      De fato muitas vezes a tática e leitura de jogo definem o vencedor muito mais que a qualidade técnica que cada um dos tenistas tem em determinados golpes.

      É irrelevante ser um exímio voleador se não sabe o momento exato de subir à rede. Ou então ter um slice perfeito mas executá-lo em momento inoportuno.

      Enfim, saber utilizar com inteligência suas armas, quando e como (com maia ou menos velocidade ou spin) durante o jogo.

      O mesmo vale para outros esportes, a exemplo do futebol, onde torna-se menos relevante ser completo tecnicamente, se o atleta realiza um lançamento longo quando deveria apenas tocar de lado, ou saber dominar uma bola como ninguem, porém a melhor opção era tocar de primeira.

      E é como você falou Rafael, o mental e o físico influenciam mais ou menos confoeme as concondições do jogo e/ou adversário.

      Só uma curiosidade: qual o seu tenista favorito ??

      Responder
      1. Rafael Azevedo

        Comentários são assim mesmo. Às vezes a gente fala coisas legais, às vezes só sai bobagens. Hehe.
        Mas, obrigado, Danilo.
        Olha, ultimamente, eu tenho uma torcida maior para o Nadal. Mas, acho que é mais pelo espírito de luta do que pelo tênis em si.

        Responder
  54. Luiz Fernando

    Essa disputa entre Federer e Djoko acerca do principal adversário do Nadal é facilmente respondida com uma simples pergunta: quem será q o espanhol prefere encarar numa suposta final de RG, o piso no qual é o maior da história? Resposta facílima, basta ver o exposto pelo Tio Toni… O que não tem nada a ver com qual é o maior clássico do tenis, que é óbvio tratar-se de Rafa vs Federer!!!

    Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Mas o Djoko não estava com o cotovelo machucado ? Ou seria MONONUCLEOSE ? No ano seguinte quem venceu foi o Craque Suíço ? Que melhora em rapaz … Kkkkkkkk Abs!

        Responder
        1. Jonas

          Djokovic ainda era jovem Ribeiro, já te coloquei no bolso usando o exemplo do próprio Federer com a mesma idade.

          Nessa final aí o Federer foi doutrinado, humilhado etc.

          Responder
          1. Jonas

            a parte do cotovelo eu não entendi.

            Até pq esse vídeo (postei o link) é a final de RG 2008. O que q o Djokovic tem a ver com isso?

        2. Jonas

          Aos 21 Djokovic era ótimo jogador, acima da média, sem dúvidas.

          Alguém dúvida disso? A realidade é que não chega na unha do jogador que se tornou em 2011, aos 23/24 anos, abs.

          Responder
          1. Sérgio Ribeiro

            Problema dele , mane’ . Rafa Nadal foi N 2 aos 19 e cheio de Títulos e estórias melhores pra contar rsrsrs Abs!

  55. Rodrigo S. Cruz

    “(…) Drops do Brown e até do Kyrgios são melhores. (uau!)
    Slice do Haas melhor. (super uau!)
    Sobra nada mesmo, sem choro (…)”. (lacrou)

    Tá aí, Danilo. (rs)

    Agora, se isso não for molecagem, eu vou chamar do que?

    Posso usar “impubescência”, então?

    Responder
  56. DANILO AFONSO

    TENISTA PERFEITO

    Em 06/02/2019, o DALCIM postou um texto com o seguinte título: “TENISTA PERFEITO”. Na ocasião, o mestre relacionou o melhor tenista em cada golpe.
    Primeiro o Dalcim relacionou a lista pessoal que o FEDERER tinha mencionado em uma reportagem, depois o Dalcim listou duas listas com a sua preferência:
    – os melhores golpes entre os Tenistas da Atualidade (até 2019);
    – e o Tenista Perfeito, desde a Era Profissional (1968), com os melhores golpes.

    Vejamos o TENISTA PERFEITO em cada golpe que o DALCIM definiu na época:

    Melhor primeiro saque: Karlovic
    Melhor segundo saque: Sampras
    Melhor voleio: Becker
    Melhor backhand com slice: Federer
    Melhor backhand de uma mão: Wawrinka
    Melhor backhand de duas mãos: Djokovic
    Melhor forehand: González
    Melhor smash: Sampras
    Melhor devolução: Djokovic
    Melhor jogo de pernas: Nadal
    Melhor contragolpe: Djokovic
    Melhor ‘mão’: Federer

    Eu como NOLISTA, fiquei contente que o DJKOKOVIC foi o tenista mais citado pelo Dalcim. Das várias publicações (textos) do Dalcim desde 2006, esse também faz parte da minha coleção de textos desde o surgimento do blog.
    O texto completa e comentários estão no link abaixo:
    https://tenisbrasil.uol.com.br/blogs/blogdotenis/index.php/2019/02/page/3/ (o segundo texto do link, logo após o excelente texto sobre as 12 raquetes mais famosas)
    No meio dos comentários da época do link acima, o DALCIM acrescentou mais alguns golpes e atributos:
    Lob: Murray
    Drop Shot: Federer
    Mental: Borg
    Físico: Nadal

    DALCIM, aproveitando que o texto atual é sobre tênis feminino, teria como você relacionar A TENISTA PERFEITA em cada golpe ??

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não vou pesquisar muito, então talvez eu cometa alguma injustiça ao fazer apenas de cabeça. Vamos ver:
      Melhor saque: Serena
      Melhor voleio: Navratilova
      Melhor backhand com slice: Graf
      Melhor backhand de uma mão: Henin
      Melhor backhand de duas mãos: Seles
      Melhor forehand: Graf
      Melhor smash: Navratilova
      Melhor devolução: Serena
      Melhor jogo de pernas: Hingis
      Melhor contragolpe: Clijsters
      Melhor ‘mão’: Henin

      Responder
      1. DANILO AFONSO

        Bem dividido a distribuição de golpes. Interessante a Henin aparecendo duas vezes.

        Teria como completar a lista quem se destaca nos golpes e qualidades abaixo ??

        Lob:
        Drop Shot:
        Mental:
        Físico: l

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Lob e drop são infelizmente golpes historicamente muito pouco usados no tênis feminino. Não conseguiria apontar alguém com essa qualidade maior. Mental eu daria para a Chris Evert e/ou para a Graf e no tênis atual destacaria a Osaka. Físico é algo também muito diferente se compararmos as décadas de tênis profissional. Então teríamos que pensar mais no tênis dos últimos 20 anos e aí acho que o voto mais correto seria para a Carol Wozniacki.

          Responder
      2. Rafael Azevedo

        Eu não vi a Graf jogar, então, estou realmente surpreso de saber que existe alguém com o forehand melhor do que o de Serena.

        Responder
          1. Paulo F.

            Steffi Graf, assim como Serena Williams, também era dotada de uma força física descomunal, né Dalcim?

          2. José Nilton Dalcim

            Mais do que força, Steffi usava muito bem a transferência de peso para impor velocidade aos golpes. Tinha notável fluidez das pernas e do tronco.

    2. Rafael Azevedo

      Se não for pedir demais, acho que seria legal um top 5 (ou top 3) para cada golpe desse. Assim, poderíamos comparar melhor o quão completo alguns tenistas são.

      Por exemplo, em um top 5, acredito que o nome de Federer apareceria no item “voleio” e o de Nadal em “contragolpe”. Assim, poderíamos ver os atletas que mais são citados.

      Responder
  57. Leo Gavio

    Melhor tenista da historia chama-se Martina Hings. Sendo sincero e sendo irônico. Ela realmente é a melhor que vi jogar, a mais agradável, também achava impressionante a Kim Clijsters e a chinesa Na Li.

    Todas as outras são tecnicamente fracas e quadradas, sem criatividade, robóticas, Serena é totalmente montada.

    Veja, aqui usei os critérios que os fedtards usam pra dizer que a bailarina lacrimejante é o melhor da historia porque fica batendo bolinha na parede.

    Pra Serena vale ser a melhor da historia sendo “robótica”, pra Djokovic não vale. Não que eu ache Djokovic robótico, mas é o que muitos deles alegam.

    Não adianta, vocês se contradizem a todo tempo. Gosto pessoal não pode se sobrepor aos fatos, aos números, no momento de constatar friamente quem é o GOAT de um determinado esporte.

    Por mais que eu não sinta tanta satisfação com o tênis jogado pela Serena quanto eu sentia assistindo a jogadas inteligentes da Martina, não vou coloca-la como a maior e melhor da historia só porque PESSOALMENTE me agrada mais.

    Não tem problema nenhum você preferir a bailarina chorona, mas desde que você tenha a grandeza de saber reconhecer que outro tenista, PELOS FATOS, PELOS NÚMEROS, é o maior e melhor tenista porque ganha mais jogando 7 temporadas a menos, o que daria ai 28 slams pra pulverizar o pouco que resta.

    PS: verdades que ninguem diz:
    1- Se habilidade é o mais importante, por que Dustin Brown tem uma estante lotada de espaços vazios para troféus de Grand Slam?
    2-Usain Bolt é o maior e melhor runner da historia, mas, segundo a tese ele não é o maior e melhor runner da historia, talvez fosse se, ao invés de largar e cruzar a linha em primeiro, fizesse acrobacias no meio da pista pra entreter os espectadores e ao final do espetáculo circense ajoelhasse no chão e fizesse cara de recém nascido.

    Responder
    1. Jonas

      Djokovic é um monstro sagrado que quebrou a hegemonia Fedal.

      Ele faz o que quer com o Fregueser em final de Slam, não importa o que o suíço trás de novo.

      É claro que a torcida do Federer fica irritada, quem não ficaria?

      Ja não basta ser freguês do “menino” Nadal, ainda por cima surge um jogador ainda mais completo que o espanhol.

      Eu entendo. O Federer faz o que pode, muda o técnico, melhora a esquerda, busca ser ainda mais agressivo mas não rola. O Djokovic vence até quando faz jogos abaixo, como a final de WB 19.

      O Federer conseguiu ser freguês do Novak até em sua “casa”, e é bem possível que seja superado pelo sérvio nos recordes tb, abs.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Exato. Foi assim agora quando lutava pelo N 1 no FINALS 2019 contra o Espanhol. O Sérvio atropelou o Craque Suíço e retomou o N 1 kkkkkkkkkkkk Abs!

        Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que Roland Garros está com mais chance, porque já admite até fazer sem público e vemos um declínio animador da pandemia por lá. Já Nova York ainda enfrenta muitos problemas e eu verei com melhores olhos se eles mudassem o torneio para outubro, quem sabe depois de Roland Garros e não antes.

      Responder
  58. Vitor Hugo

    Segundo o colega de vcs, o vôleio, saque, drop e forehand de Federer e Novak se equivalem!?

    😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂

    Foi a comparação mais esdrúxula e ridícula que eu li aqui até hj!

    Em todos os quesitos citados, Federer é MUITO melhor que Novak! Não tem comparação.

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Não mais esdrúxula do que as centenas de bobagens que você já publicou por aqui.

      Por que não aprende a responder sempre dentro dos comentários ao invés de responder de forma dispersa apenas para sempre aparecer no topo? Isso pra mim tem um nome: carência.

      Responder
  59. Vitor Hugo

    Wawrinka faz winners de qualquer canto da quadra com seu backhand. Novak só faz winners com sua esquerda quando a bola do rival fica mais curta. Ofensivamente é limitado, sim!
    Mas o elemento diz que Novak faz vários winners de esquerda na paralela. Sim, faz alguns. Assim como Gasquet, com seu limitado forehand, também fez vários winners de direita.

    Aliás, sem ver qualquer estatística, tenho quase certeza que Federer tem mais winners com a esquerda, tanto na paralela como cruzada, do que Djokovic, na carreira de ambos.

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Faz só quando a bola vem lenta para ele ter tempo de disparar uma esquerda ofensiva. Djokovic precisa de muito menos tempo pra preparar seu golpe, é muito mais ágil. Tanto que é muito superior em qualquer quadra rápida.

      Quando o Wawrinka ganhar Wimbledon, ou pelo menos chegar a uma final, aí o “elemento” pode tentar colocar a esquerda dele como melhor do que a do sérvio.

      Se você pesquisar, a única coisa que vai encontrar é o winner de esquerda na paralela do GOAT que sacramentou Wimby do ano passado. Depois foi só aquela madeirada bisonha, outro fundamento no qual o Federer é bem superior.

      Responder
  60. periferia

    Olá Dalcim.

    Acompanho alguns jogos do feminino….outro dia vc estava apontando os slices da Graf….naquele tempo o tênis feminino não tinha mais variação?
    Vendo vídeos da Seles …ela batia com as duas mãos dos dois lados….mas com muita variação .
    A Serena/Vênus/ Azarenka/Sharapova tiraram o brilho do tenis feminino?
    (Introduziram a “marretada”….um tenis força ….sem muita atração )
    O masculino pode acontecer algo parecido?
    Vencerá quem cruzar mais bolas ? (Já acontece)

    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Com as diferenças maiores de velocidade de piso e de bolas, o tenista de antes realmente precisa de mais atributos técnicos. Claro que o jogo era mais lento e portanto também havia mais variações táticas nos pisos menos velozes. Então eu acho que sim, o tênis feminino tinha mais recursos no geral. Vimos algumas jogadoras mais completas depois, como Henin e Mauresmo, e acho que hoje estamos novamente vendo isso, com Barty, Andreescu e Halep.

      Responder
  61. MARCÍLIO AGUIAR FILHO

    Desculpa pessoal, vou contrariar minha índole e exercer uma “patrulha ideológica”. Com tanto assunto legal para comentar sobre as tenistas, relembrando grandes jogadoras do passado, e ainda esse papo repetitivo que fulano tem melhor BH, cicrano tem melhor saque, o meu tenista é melhor que o seu, etc. Discussões e debates são a alma do blog, mas alguns ficam cansativos. Vamos curtir um pouco “as meninas” e no próximo voltamos com tudo para os marmanjos. Saudações.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Exato , Marcílio. Mas o amigo não debateu coisa alguma sobre as meninas citadas bem abaixo rs . Digamos que bateu uma preguiça rs Abs!

      Responder
      1. MARCÍLIO AGUIAR FILHO

        Prezado Sergio. Logo no inicio escrevi três comentários sobre o tema e mais alguns adiante (tanto que voce os percebeu), portanto não procede a observação que não debati por preguiça. Eu não costumo e não tenho o direito de pautar o assunto de ninguém, mas só fiz essa observação porque alguns poderiam enriquecer comentando, nem que fosse uma linha, sobre o ranking feminino, mas não, preferem continuar na eterna polemica “do meu é melhor que o seu…”, o que não é o seu caso. Não lhe respondi antes porque não vi nenhum despropósito no que voce disse. Sobre Justine Henin, concordamos em 100% e quanto a Steffi pode não ser uma correspondente perfeita do suiço, devido a alguns aspectos que voce enfocou, mas o que tenho na memória de quando ela jogava (não me preocupei em ver videos recentes) me traz a mesma sensação que tenho nos jogos do Federer, ou seja, técnica e elegância a serviço da eficiência. Quanto a ela ter sofrido derrotas para serena com 17 anos, podemos traçar um paralelo com as derrotas do Federer para o Nadal jovem, afinal Serena e Nadal estão no mesmo patamar. Abs.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Infelizmente o parceiro não entendeu a brincadeira , e muito menos os comparativos. A elegância de Justine , além de seus golpes , me parecem muito mais com os de Federer. E na comparação com Serena , nada a ver a idade das atletas . As devoluções e os serviços da Norte- Americana , eram devastadores , também a meu ver . Alguém com um Serviço mais ou menos , a lá Seles , poucas chances com as irmãs Willians , no Auge de todas . Simples assim . Abs!

          Responder
    2. Miguel BsB

      Então vou entrar num “meio termo”…vou classificar os melhores golpes femininos que eu vi…hehe
      Saque: Serena
      Forehand: Serena – (Graf bem perto)
      Backhand 1 mão: Henin
      Backhand 2 mãos: Serena
      Slice: Graf
      Voleios: Navratilova (não vi muito mas nem precisaria pra colocá-la como melhor voleadora)
      Smash: Vênus (só pra variar a irmã Willians rs)
      Drop: Henin

      Concorda Mestre Dalcim?

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Eu assinaria essa lista , sem pestanejar, Miguel . E olha que pensei que o Dalcim iria mudar o Post , e continuaria a ler somente abobrinhas. Seria uma baita sacanagem com as meninas rsrsrs Abs!

        Responder
  62. Vitor Hugo

    A questão não é quantos pontos Nadal ganhou explorando a esquerda do Wawrinka. Mas sim quantos pontos e jogos o suíço ganhou com seu backhand, pulverizando seus adversários e atropelando rivais em finais de slam, como fez ao humilhar Novak por duas vezes em finais de majors.
    O backhand de Novak é otimo pra passar bolinha pro outro lado e para se defender, mas limitado no ataque. Defensivamente talvez seja o melhor.
    Já a esquerda de Stan é pra matar o ponto, destruir o adversário, fazer a raquete do oponente tremer.
    Entre o melhor back de defesa contra o melhor back de ataque, fico o ofensivo sempre, pois do jogo ofensivo.

    Responder
    1. Vitor Hugo

      Na grama, slice bem feito na esquerda do sérvio mostra que existe um buraco ali sim! O sérvio não consegue atacar de back quando manda slice na sua esquerda.
      Tem limitações. Poucas mas tem.

      Responder
    2. Paulo Almeida

      Limitado no ataque? KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

      Djokovic já fez MILHARES de winners de esquerda, tanto na cruzada quanto na paralela e com muita potência. Ele transforma o forehand cruzado do Nadal, que já fez tanto estrago em todos os destros com back de uma mão, em winner de esquerda na paralela. Wawrinka precisa de muito tempo para conseguir um back potente e por isso só se dá bem em quadras mais lentas. É freguesaço do Djoko com 19×6 no h2h. Ainda assim, é o melhor de uma mão. De duas mãos e no geral fica assim:

      1 – Djokovic
      2 – Murray
      3 – Zverev
      4 – Wawrinka

      O GOAT tem o melhor backhand ofensivo E defensivo e por isso é disparado o melhor da história.

      Não adianta chorar, freguesão 40-15 eterno.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        O Vitor levantou um ponto bem pertinente…

        Também acho o backhand do Novak mais defensivo que ofensivo.

        A questão é que como o físico dele é sobrenatural ele chega equilibrado sempre, e sai muito bem da defesa para o ataque.

        Se algum dia esse físico o trair, e ele não conseguir chegar tão bem, pode sim ter problemas.

        Mesmo tendo um grande backhand…

        Responder
    3. Luiz Fabriciano

      Por conveniência, h2h agora só conta finais? Fique à vontade.
      Porque no geral, contra Wawrinka deve ser uns 50 x 0.
      O backhand do suíço é tão o melhor do mundo que jamais chegou às quartas na grama.

      E sobre o backhand inofensivo do sérvio, reveja a final de Doha, contra Nadal em 2015. O espanhol disse que jamais viu alguém jogar daquele jeito. Vou sugerir o placar: 6×1 6×2.

      Responder
      1. Vitor Hugo

        Não é só porque ele tem o melhor backhand que ele vai conseguir grandes resultados na grama, ser número 1 e etc. Karlovic tem o melhor saque, mas e aí?????
        Stan deixa muito a desejar na devolução, no percentual de 1 serviço, físico, mental… Mesmo assim ganhou três slam, o que o coloca entre os grandes da história.
        Acho que vc deveria ter pensado melhor antes de escrever…..

        Responder
        1. Luiz Fabriciano

          Ademais, pense você também.
          Encheste o Stan de elogios para depois classificar suas limitações, porque não encontrou base para se sustentar.
          Você só fala em finais de Slam colocando panos quentes em todo o histórico.
          Wawrinka venceu três GS.
          O primeiro contra Nadal. Dizem que o espanhol se contundiu no decorrer do jogo. Não sei, não vi.
          O segundo para mim, foi o melhor jogo da vida dele. Ganharia até de Nadal naquele dia.
          E o terceiro, pegou um Djokovic meia boca. Vais negar?
          O sérvio fez o pior US Open da vida, passando duas rodadas sem jogar. Venceu um jogo contra Monfils no estilo mais catimbeiro possível do francês. Vi a hora do presidente da federação francesa entrar em quadra e tira-lo de lá.
          Na final ainda teve problemas físicos, com a TV mostrando seus dedos de um pé sangrando.
          Mas nada disso retira o feito do suíço em ter feito seu trabalho. Pior seria perder para quem está jogando nessas condições.

          Responder
      2. Sérgio Ribeiro

        Que tal rever essa de WIMBLEDON 2019 . Ele teve que se virar bem no backhand pra vencer . Afinal já tinha levado 96 WINNERS , caro Luiz rsrsrs Abs !

        Responder
  63. Vitor Hugo

    Melhores golpe por golpe:

    Forehand: Delpo
    Backhand: Wawrinka
    Vôleio: Federer
    Slice: Federer
    Lob: Murray
    Saque: Karlovic
    Devolução: Agassi
    Smash: Nadal
    Drop: Federer
    Mental: Borg
    Físico: ? A princípio, Novak. Mas é artificial. Tem a Câmara hiperbárica e etc que faz com que ele seja o melhor.

    Enfim, Federer é o melhor na maioria dos golpes. E só perde para Delpo na direita.

    Mais de acordo com a realidade minha opinião.

    Responder
    1. Alessandro Siqueira

      Vitor, sua intenção, provavelmente, não é a de elogiar o sérvio, mas efetivamente é isso que faz. Vive a falar de supostas falhas e deficiências técnicas, mas, a despeito de tudo isso, os números estão aí e gritam. Tanto gritam que o dono do blog colocou Novak como o melhor no piso duro e também em ótima posição na grama e no saibro. Você realmente acredita que alguém limitado chegaria nesse patamar?!

      Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            E quem falou em Baghdatis aqui?

            Já deixei claro que apesar do h2h, o Novak é indiscutivelmente melhor do que o Roddick.

            Tá vendo como vocês são totalmente doentes?

        1. Paulo F.

          Alex Corretja é um gênio, monstro então!
          Tem 3×2 contra Roger Federer!
          Não lembrava que a Espanha tinha tamanha tradição na caprinocultura.

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Se eu sou caprino, você é o que?

            Um ornitorrinco… (rs)

            Primeiro que você tem uma limitação imensa de entender um texto, e principalmente de escrever um.

            Segundo, que não consegue entender uma diferenciação simples que eu fiz entre não ser um gênio (Corretja), e muito menos um bagre (Roddick)

          2. Paulo F.

            Quem não entende de interpretação de textos é o Senhor, Rodrigo Cruz:
            Ao usar o termo “caprinocultura” no contexto anterior, quis me referir à tradição da Espanha e seus habitantes em domar bodes.
            Um abraço.

        1. Vitor Hugo

          Então o a lista do Dalcim é definitiva???? Não podem ter outros especialistas no mundo com listas diferentes?? Com todo o respeito ao Dalcim, que sabe demais sobre o esporte. Mas teu argumento é patético, Luiz!

          Responder
          1. Luiz Fabriciano

            O meu? kkk.
            Você é o único que coloca Roger Federer no topo de qualquer lista.

            Em qualquer lista elaborada por Dalcim, o máximo que faço é buscar todos os detalhes usados por ele como base, para entender seus argumentos e principalmente aprender. Raridade em discordâncias.
            Nas suas, não precisamos buscar nada. O motivo é óbvio.

  64. Rogerio R Silva

    Boa noite Dalcim
    Como acompanho o blog há muito tempo sei que temos aqui alguns amigos mais frequentes e eles estão meio sumidos.
    Você ou algum amigo aqui tem notícias deles?
    Outra curiosidade é a respeito do seu amigo Paulo Cleto.
    Acompanhava o blog dele,até lembro que o Chetnik também,e ele parou meio que de repente.
    Achava bastante enriquecedor o site dele e depois um amigo de jogo aqui me apresentou o seu site.
    Acho que vcs dois são bem parecidos no conhecimento,sendo você muito mais elegante nas palavras,trato pessoal e detalhamento histórico.
    Espero que estejam todos bem e um forte abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Quem seria esses ‘sumidos’, Rogério? O Paulo deixou de escrever com frequência o seu blog lá no outro portal, um pouco saturado do dia a dia. Já o convidei várias vezes para ter um espaço permanente aqui, mas ele ainda resiste à necessidade de frequência… rsrs… Mas continuo a perturbá-lo.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Prometo que vou me comportar se ele vier, meu caro Dalcim. Mas do papo de ” Animal ” e ” Cabelinho blase’ ” , o nosso amigo não escapa ! rs Abs!

        Responder
  65. periferia

    Luís Santiago é um velho….com uma grande barba branca…..um pescador.
    Com seu pequeno barco sai para pescar.
    Sozinho em alto mar …aguarda uma oportunidade para fisgar um peixe.
    Depois de algum tempo aconteceu….Santiago conseguiu capturar um peixe….um grande peixe….um Marlin Brasilis…..um peixe de quase 500 kilos.
    O peixe era quase do tamanho de seu barco.
    Santiago não teve dúvidas…..amarrou o enorme peixe na lateral de seu barco.
    Retornando para o continente ……em meio as águas ……vários tubarões atacaram o peixe conquistado.
    Santiago lutou contra eles durante dias…eram muitos….de todas ideologias marítimas.
    Sozinho….impotente diante de tanto apetite.
    Santiago desanimou.
    Chegando na costa….o modesto barco agravou.. …com um velho cansado e solitário.
    O enorme peixe havia se transformado em uma carcaça.
    E o velho caminhou para descansar em sua cabana.

    Baseado O velho e o mar de Hemingway

    1.179……e como sempre….”cada um deles …. o amor de aguem”

    Sigamos

    Responder
  66. Luis

    Dalcim ainda sobre recordes fugindo do femininors,qual maior sequência de vitorias do Federer em Wimbledon ou no sintético? Djokovic acho foi 2011 parando no suíço em Paris,tava vendo acho foi Final Dubai que Federer foi assombroso de laranja contra Djoko perdidors,Dalcim gosta Flashback Phill Collins,Leonel Richie,Secada,George Michel tenho ouvido na quarentena também gosto do sertanejors,tá sumido Lógico com seus poemas do Nadal Gurukkkkk

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Federer ganhou 40 jogos seguidos no seu pentacampeonato e vice de 2008, Luís, e ficou apenas uma de igualar as 41 de Borg (que também foi penta com final, porém Federer teve uma vitória por w.o. que não é contabilizada).

      Responder
    2. Luiz Fabriciano

      Nessa final de Dubai 2011 com Federer de “amarelo” quem foi campeão? Acho que viste outro jogo.
      Esse foi o ano em que o sérvio só foi perder um jogo bem lá na frente. Aí você acertou quando.

      Responder
  67. Rodrigo S. Cruz

    Posição do BIG 3 para Jonas, Léo Gavião, “et caterva”:

    1. Djoko 2. Nadal 3. Federer

    Posição do BIG 3 para Tony Nadal:

    1. Federer 2. Nadal 3. Djoko

    Adivinhem como quem eu fico?

    kkkkkk

    Responder
    1. Jonas

      Cada um tem sua opinião, eu respeito a de todos.

      Já falamos sobre a diferença entre melhor e maior.

      Toni sempre teve uma dificuldade imensa ao preparar seu sobrinho para jogar contra o Djokovic. Já o Federer sempre foi freguês, então obviamente era mais fácil mesmo se tratando de finais de Slam, como o eterno 61 63 60.

      Deixo com vocês o Toni admitindo isso:

      “Quando jogamos contra Djokovic, muitas vezes não sabíamos exatamente o que tínhamos que fazer e por isso era mais duro do que contra Federer”,

      “Quando jogamos contra Federer tínhamos uma maneira de vencê-lo, era mais claro nas nossas mentes o que precisávamos fazer.”

      Responder
      1. Jonas

        Eu não sei se o fato do Nadal bater tanto no Federer desde 2004 influenciou na opinião dele.

        Mas não é pq o cara é um bom treinador que tudo que ele fala é lindo e perfeito. O Petkovic , por exemplo, ótimo jogador mas só fala m….O Pelé então…

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Petkovic é muito melhor comentarista , que o parceiro, caríssimo Jonas. Seu defeito deve ser ter base no que fala. A babaquice de fregueser repetida à exaustão pelo Piloto e Copiloto da Kombi , não cola . Tio Toni , sabia que seu Sobrinho foi concebido ( é destro , mas joga como canhoto ) , com intuito de desde cedo , azucrinar o Back Simples do Suíço. Deu certo de início em todas as superfícies. As coisas foram mudando , e freguesia apenas no Saibro. Para admiração de Toni , que não contava com tantos Títulos do Craque Suíço após 2005. Nem o papai do outro freguês no Saibro. Daí todo o despeito de Papai Novak rsrsrs Abs!

          Responder
          1. Jonas

            Não foi bem assim caro Sérgio. Claro que no tênis existe o encaixe de jogo e o backhand do suíço era frágil contra o forehand do Nadal.

            Mas ninguém esperava que o suíço ficaria DEZ anos tomando surras e surras do espanhol, incluindo em Slams de forma seguida (RG 08, WB 08 e A0 09 por exemplo).

            Federer tem que agradecer ao Ljubicic. Esse cara fez um milagre na esquerda do suíço, agradeça a ele.

            Esse H2H se tornou menos vergonhoso graças às vitórias recentes do suíço, com 36-38 anos. Por isso eu digo que ele não está velho coisa nenhuma.

          2. Luiz Fabriciano

            Então transformaram um destro em canhoto para azucrinar o suíço????
            Esse Federer é realmente diferenciado.

      2. Paulo Almeida

        Toni sabe que o Djokovic é o melhor jogador que o Nadal já enfrentou e com muita folga.

        Ele quis justamente provocar o sérvio e aparecer na imprensa com mais uma declaração polêmica.

        Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Meu Deus! Esses dois se superam a cada dia.

            Agora eles querem colocar na conta do Tony, até o CONTRÁRIO do que o Tony afirma.

            Caso de psiquiatria!

            kkkk

    2. Luiz Fabriciano

      O que Toni e Rafael Nadal tem mais em comum, além de serem parentes?
      Sempre disseram que Federer é o melhor. Por que?
      Batem no cara desde sempre, então, por tabela, se consideram superiores.
      Por que não dizem o mesmo do sérvio? Porque o dito sérvio bate nos dois.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Meu São Crispim!

        Finalmente o fanatismo nolista ficou endêmico e atingiu um novo estágio.

        Em época de pandemia, isso só pode ser ação do novo Djo-coVID-17.

        Os caras já se autodeclaram até TELEPATAS.

        Ninguém pode mais achar o suíço melhor, somente quem eles disserem…

        (rs)

        Responder
        1. Luiz Fabriciano

          Espero que São Crispim realmente lhe ajude.
          O que há de telepatia nisso? Rafael e Toni sempre disseram que Federer é o melhor entre eles.
          Eu e somente eu, deduzi que é melhor dizer que o melhor é aquele que ganhamos mais do que aquele que perdemos mais.
          Você não é um cara mau não Rodrigo, só precisa entender melhor nossa mensagem, rsss.
          Saudações.

          Responder
    1. MARCÍLIO AGUIAR FILHO

      No meu trio preferido eu incluiria Navratilova, além das citadas. Das que ainda estão em atividade eu torço para Kivtova (talvez não ganhe mais Slam, mas sempre torço por ela).

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Então Miguel , se me permite. Henin e a Australiana , mais completas que a Craque Alemã. Embora não em todos os quesitos. Abs!

      Responder
  68. Vitor Hugo

    Os piores de todos os tempos em cada fundamento:

    Forehand: Guasquet
    Backhand: Karlovic
    Slice: Novak
    Drop: Novak
    Smash: Novak
    Voleio: Isner
    Saque: Oliver Rochus
    Devolução: Karlovic

    Novak é o pior de todos os tempos em três fundamentos!
    Kkkkkkk

    Mas fiquem tranquilos que, Novak, provavelmente, está entre os 10 melhores de todos os tempos.

    Mensalmente tenho certeza que Borg é o melhor da história.
    Alguém que toma água suja pra curar coronavirus, é mentalmente doente! Kkkkk

    Gostaria de acrescentar Fognini e Tsonga como tecnicamente superiores a Novak. Sem dúvidas!
    Aliás deve ter uns 20 tenistas ou mais melhores que Novak.

    Responder
  69. Luiz Fernando

    Evert sempre foi uma jogadora sensacional, seu número de vitórias seguidas no saibro é assombroso e inigualável, mas não custa lembrar q venceu “apenas” 7 RG, Rafa tem chance de vencer o dobro disso, aliás está perto…

    Responder
  70. Alexandre Maciel

    Dalcin, você acha que a Clijsters tem condições de voltar competitiva ao circuito? Espero que sim, gosto muito do jogo dela.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É uma tarefa absurdamente difícil, Alexandre, e acho que foi péssima para ela essa parada abrupta do circuito. De qualquer forma, li declarações de várias tenistas que ficaram assombradas com a qualidade dos treinos e do jogo contra Muguruza. Então acho que sim, ela tem condições para isso.

      Responder
      1. Alexandre Maciel

        Verdade, também fiquei surpreso com o nível que ela apresentou contra a Muguruza. Acho que ela ainda tem um combustível pra queimar e pode fazer uma ou 2 temporadas num bom nível. Na torcida…

        Abraço…

        Responder
  71. Oswaldo E. Aranha

    Segundo os critérios do Dalcim, de minha parte escolheria a Monica Seres como preferida.

    Tenista Hard Saibro Grama Carpete Total
    Martina Navlatinova 5 3 10 10 28
    Steffi Graf 9 7 9 – 25
    Serena Williams 10 6 8 24
    Monica Seles 8 7 – 8 23
    Margaret Court – 4 9 – 13
    Justine Henin 4 8 – – 12
    Evone Goolagong – 1 5 6 12
    Martine Higins 6 – – 5 11
    Kim Cliiters 7 – – – 7
    Billie J. King – – 6 1 7
    Venus Willians 2 – 4 – 6
    Arantxa Sánches 5 – – – 5
    Gabriela Sabatini – – – 4 4
    Maria Sharapova 1 2 – – 3
    Lindsay Davenport – – – 3 3
    Virgina Wade – – 2 – 2
    Tracy Austin – – – 2 2
    Jana Novotna – – 1 – 1

    Responder
    1. Rafael Azevedo

      Essa comparação por pontuação dos rankings é complicada.

      Primeiro, seria ideal acrescentar peso aos pisos. Hoje em dia, por exemplo, a temporada da grama é muuuuuuito curta, então o piso tem menor peso no circuito. Se um tenista A é o melhor na grama e um tenista B é melhor da hard, acredito que o tenista B deve ter uma melhor avaliação geral (considerando apenas esses rankings), pois o circuito é 60% hard e 5% grama.

      Segunda, alguns atletas não tiveram chances de competir no carpete, então, a Serena, por exemplo, fica sem pontuação no piso.

      Responder
  72. Luiz Fernando

    Falando sobre o tópico do post, seguindo a linha externada pelo Barrocos abaixo, nunca tive grandes torcidas por essa ou aquela, mas a grande preferencia claro sempre foi pelas tenistas gatas: Gabi (putz fico com a palpite q a nossa Gabi do blog também é muito gata), Steffi, Dementieva (vi pessoalmente no USO é é simplesmente maravilhosa), Maria, Aninha, Carol, Kerber etc. Também sempre torci contra a arrogância em pessoa, Srta Hingis (para os desavisados não estou falando de nenhum dos participantes do blog, apenas da Martina)…

    Responder
  73. Sérgio Ribeiro

    Bem , Dalcim . O que fazer com uma Tenista com incríveis 1304 Vitórias e apenas 144 derrotas. ? A Ex – Jimmy Connors foi Hexa-Campeã do USOPEN, com 3 FINAIS e 7 Semi – FINAIS . Não atoa que foi a “ Namoradinha da América “ rs . Chris Evert ainda fez FINAL em 88 no AOPEN , na mudança de piso . Não deu pra puxar Federer pra cima rs . Mas e agora com Chirs ?rs Abs!

    Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Desculpe. Mesmo com incríveis 91, 5 % de aproveitamento , a metade do Hexacampeonato no USOPEN , não foi no Sintético. Assim como seus FINALS . Com isso a ” Dama de Gelo ” , foi bastante prejudicada . Jogou mais que várias que estão a sua frente. Paciência . ABS!

        Responder
  74. Marcelo-Jacacity

    Sabatini pela beleza e pela grande jogadora que era, mesmo assim, não estava no nível de Graf e Seles.
    Seles pela jogadora incrível que era. (só não gostava da gritaria). Alguns ainda querem argumentar que ela voltou após o ataque. Por favor, ela mesma disse que não era nem perto da jogadora que tinha sido. Psicologicamente, ficou sem rumo, devastada e com medo. No tênis, se não estiver com o mental em dia, é impossível jogar bem. De forma análoga no masculino teve o exemplo do Coria e o titulo de RG jogado fora e as suas duplas faltas intermináveis que comprovam o quanto o mental é tudo. Triste, o argentino jogava muito.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Pois é , Marcelo. Voltar vencendo SLAM e um total de 21 Torneios vencidos após o atentado , não tem nada a ver com medo. Seu Serviço deixava muito a desejar para principalmente as irmãs Willians . Elas arrasavam nas devoluções de dentro da quadra. Mesmo assim jogou até 2003. Quatro anos a mais que Graffi . Com sérios problemas de Peso, e mais tarde nos pés. Basta ler sua Biografia ou uma olhadinha no YouTube. Abs!

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Ps . Venceu um e perdeu 3 FINAIS de SLAM. Mesmo com tanto medo venceu 5 MASTERS ou Premières até a aposentadoria… Com Vênus 1 x 9 , com Serena 1 x 4 . Abs!

        Responder
        1. Marcelo-Jacacity

          Sérgio,
          O peso adquirido foi devido a toda ansiedade e problemas psicológicos que ela desenvolveu pós-ataque.
          Não compare Seles antes e depois. São duas jogadoras e pessoas completamente diferentes.
          Tenho plena certeza que Seles teria vencido mais uns 10 Majors no mínimo se não tivesse ocorrido a fatalidade.

          Responder
          1. Sérgio Ribeiro

            Somente não eram diferentes o seu fraco Serviço e as devoluções de algumas oponentes. Estas melhoraram demais . Mas mesmo assim , repito , fez TRÊS FINAIS de SLAM e venceu 5 MASTERS, e VINTE e UM WTAs. . Não estava gordinha ainda não… Abs!

  75. Paulo Almeida

    99% dos servebots são brinquedos de DjokoGOAT, melhor devolvedor da história com boa margem. Isner, Anderson, Raonic, Cilic, Querrey, Federer, Zverev, Tsitsipas, Medvedev e vários outros ficam completamente perdidos quando seus saques são facilmente anulados pelo monstro sérvio.

    As poucas exceções (como os bagres Kyrgios, Karlovic e Roddick) vivem fugindo dos confrontos ou então se aposentam para se gabar de um h2h mentiroso. Repito: 15×1 pro Djokovic contra o ícone da entressafra se ele jogasse até hoje.

    Responder
    1. Jonas

      Uma observação que faço é que o Djoko já passou dos trinta há um bom tempo, porém continua doutrinando os mais novos e vencendo Slams. Claro, doutrina os mais velhos também como Roger, mas o suíço é freguês desde os 29.

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Kyrgios não é bagre.

      Roddick não foi bagre…

      Você desrespeita muitos tenistas de reconhecimento inconteste porque provavelmente você é um moleque.

      E todo moleque acha divertido provocar os outros. Period.

      Aliás, eu me pergunto se algum dia você empunhou uma raquete, né.

      E não… O Djokovic, mesmo sendo um tremendo devolvedor, não anula facilmente servebots, meu caro.

      Na verdade, ele tem bastante trabalho quando enfrenta jogadores que sacam bem.

      Coisa que ele mesmo destacou na entrevista em que foi derrotado (pela segunda vez) pelo Kyrgios…

      Além do que, você mesmo viu a trabalheira que foi para ele derrubar o Federer em Wimbledon.

      Já que nesse dia, o suíço estava afiadíssimo no serviço…

      Responder
      1. DANILO AFONSO

        Vacilou Rodrigo !!

        Uma coisa é o Paulo Almeida tirar onda e diminuir um tenista com o adjetivo de “bagre”, outra coisa é você diretamente ser hostil com o Paulo, chamando-o de “moleque”, o que acho demasiadamente ofensivo e desnecessário. Percebeu a diferença ??? Existem outras formas de ser contundente sem transparecer ofensividade.

        Certamente o Dalcim não viu e passou batido.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Me desculpe , Danilo. Desde a época de Garrincha que Mane’ e moleque não teem nada de ofensivo . Ao menos aqui no Rio , trato até meu filho. Agora se preferes , meu Nobre ! rs Abs!

          Responder
          1. DANILO AFONSO

            Não precisa ser nenhum expert para saber interpretar que a mesma palavra “moleque” tem sentido muito diferente conforme o contexto.

            Eu chamar meu filho de moleque, tipo “vem aqui moleque”, é bem diferente de adjetivar um adulto no contexto que o Rodrigo escreveu . E o nobre Rodrigo pela sagacidade que tem demonstrado aqui no blog há anos, sabe muito bem diferenciar isso, nobre Sérgio.

        2. Rodrigo S. Cruz

          Pois sinto muito, Sr. Danilo Afonso!

          Pode passar pano como quiser…

          Criancice do CÃO chamar tenistas como Andy Stephan Roddick de bagre!

          Caramba! O cara foi número 1 em simples, mano…

          Quer chamar alguém de bagre, é o que mais tem por aí.

          O Djokovic é melhor do que Roddick foi, mas o sérvio não precisa desse tipo de defesa…

          Responder
          1. DANILO AFONSO

            Nobre RSC, rechace o argumento adversário por via menos hostil, tipo sacarmos, ironia, estatística como eu faço, ou um textão diplomático certeiro. Fale mal do tenista da preferência do Paulo, como tu já fez outras vezes, e não dirigindo qualquer hostilidade diretamente ao colega. Tem que ser indireta, por reflexo.

            Segue o jogo !!!

        3. Paulo Almeida

          Obrigado pela defesa, Danilo, apesar de eu saber me defender sozinho.

          De qualquer forma, ele partiu para o ad hominem sem necessidade. Se for assim, qualquer um aqui que já tirou sarro de outro tenista é moleque, inclusive ele.

          Besteira levar tão a sério.

          Responder
      2. Paulo Almeida

        Que reconhecimento inconteste?

        Roddick era bagre e foi o pior número 1 da história, segundo ele mesmo. Kyrgios tem movimentação ridícula, além de esquerda e devolução bem fracas. É bom no saque, no drop e em fazer palhaçadas em quadra, isso eu admito.

        Sim, já empunhei uma raquete e você? E mesmo que não tivesse, isso não me impede de criticar quem eu quiser.

        No mais, vá dar lição de moral no camaleão. Eu dispenso…

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Não sei o que eu acho mais besta:

          Os federistas usarem o h2h do Roddick para diminuir o sérvio.

          Ou VOCÊ chamar um ex-número 1 de BAGRE para mascarar o fato… (rs)

          Desse jeito você diminui por tabela o teu ídolo que além de tudo PERDEU do “bagre”, né…

          Responder
  76. Vitor Hugo

    Como eu disse, Roddick, Murray Kyrgios e acrescentaria Thiem, Tsipas, Wawrinka além de obviamente Federer como tecnicamente superiores ao sérvio, sem dúvidas!

    Mas não estou dizendo que o sérvio é medíocre. É limitado, mas um ótimo tenista que ganha muitos jogos no físico turbinado por dopping tecnológico(Câmara hiperbárica).

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Pois é…

      Ainda tem essa questão da câmara hiperbárica também.

      Tanta gente criticou a Maria Sharapova que usava o meldonium.

      Porém, teve um longo período em que essa substância foi permitida.

      Um dia, essa tal câmara hiperbárica será proibida também…

      Responder
    2. Luiz Fabriciano

      Vamos fazer uma continha, usando a matemática do primeiro grau:
      Roddick + Murray* + Kyrgios + Thiem + Tsitisipas + Wawrinka * = 7 GS
      Djokovic = 17 GS

      Federer para você é Deus, então não coloquei na conta, por motivos óbvios.

      Responder
  77. Vitor Hugo

    Federer x Novak

    Slice: Federer
    Vôleio: Federer
    Drop: Federer
    Loby: Federer
    Smash: Federer
    Forehand: Federer
    Saque: Federer
    Backhand: Novak
    Devolução: Novak

    7 x 2. Quase repetiu a goleada da Alemanha na seleção brasileira. Kkkkkkk

    Nas mídias sociais e nos comentários das páginas do tenisbrasil é consenso que Novak só começou a virar porque o suíço estava longe do auge com mais de 31 anos, incluindo alguns torcedores do sérvio que concordam. Diria que 80% concordam. É o fato mais relevante.

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Deve ser a centésima vez que você manda esse post, porém agora acrescentou o lob. Vamos corrigir:

      Novak – melhor em devolução, esquerda e lob
      Federer – melhor em slice e smash
      Empate – saque, forehand, voleio e drop

      3×2 para o sérvio, sem goleada.

      Goleada mesmo é o 16×4 em Grand Slam nos últimos 9 anos ou 37 torneios.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Sim, sim.

        Óbvio que eles Empatam no saque e no voleio.

        O que torna um mero ACIDENTE o fato do Federer terminar com mais aces que ele em todas as partidas.

        Parece aquele o filme do Bruce Wyllis, no qual ele pega o amigo na cama com a mulher, e o amigo diz:

        ” Olha Joe, simplesmente aconteceu…”

        E o Joe responde:

        ” Ah que isso… não foi culpa sua… Você estava andando, TROPEÇOU, e enfiou o pinto na minha mulher…”

        Responder
  78. Paulo F.

    Dalcim, novamente dou meus parabéns para a sua pesquisa e conhecimento adquiridos ao longo de uma vida para mais uma belíssima lista.
    Gostaria apenas de uma breve opinião tua sobre ter faltado Wimbledon à Justine Henin – que foi a tenista que mais gostei de ver jogar até hoje.
    Um abraço e grato pela atenção.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      AH, sem dúvida, Paulo, foi uma pena ela ter deixado escapar a chance de ganhar todos os Slam, ainda mais ela que tinha um jogo perfeito para a grama, com muito toque, slices, voleios, ainda que o saque não fosse tão potente. Lembro bem da final de 2006 contra Mauresmo – ela também fez outra contra Venus -, em que os nervos pesaram no terceiro set, ainda que a francesa tenha jogado muito bem e merecido. Mas eu apostava todas as fichas na belga.

      Responder
  79. Mauricio Setti

    Desculpe me toquei depois nossa estherzinha fez toda a sua carreira na era amadora. Mas se fosse de todos os tempos ela esraria com certeza no top 10 da grama.. rsd. Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Exatamente, Maurício. Infelizmente, Maria Esther jogou bem pouco como profissional – se único título de Slam foi do US Open de 1968 ao lado de Court – e assim ela não pôde entrar nesta lista. Sim, acredito que se somássemos todas as eras seria bem possível ela ficar entre as 10 ou pelo menos as 15, já que todos seus sete Slam de simples foram na grama. Abraço e obrigado pelo elogio!

      Responder
  80. DANILO AFONSO

    Dalcim, aproveitando que estamos falando de tênis feminino, mas fugindo um pouco do tema exposto, gostaria de saber a sua opinião sobre o assunto que vez ou outra é relembrado e gera uma certa polêmica: igualdade de premiação dos homens e mulheres nos Slams.

    Atualmente a premiação é idêntica entre as modalidades masculina e feminina, mesmo esta apresentando menor procura de ingressos, venda de materiais esportivos no complexo e gerem menor audiência.

    Nadal uma vez se manifestou contrário a igualdade de premiação e soltou a seguinte opinião:

    “É uma comparação que nem deveria ser feita. As modelos ganham mais do que seus colegas, mas ninguém diz nada. E por quê? Porque são elas que têm mais seguidores. O mesmo no tênis, ganha mais quem mobiliza mais público”

    É certo que os homens têm um interesse muito maior que as mulheres por esporte, e que aqueles buscam “consumir” preferencialmente a modalidade masculina.

    Aqui no Blog do Tênis também não fugimos desta realidade, temos umas 3 ou 4 mulheres participativas, com destaque para a Sra. Gabi, no universo de 50 a 100 leitores homens que interagem com certa assiduidade e que via de regra comentam temas relacionados ao circuito masculino de tênis. Atento a tal demanda, o site tênis brasil e este blog no geral focam obviamente conteúdo masculino.

    Não sei ao certo como era antigamente, mas acredito que havia uma disparidade menor de interesse do público nos anos 70, 80 e 90. Vendo as listas TOP 10 acima, não é difícil identificar que coabitavam grandes jogadores durante vários anos, havendo grandes rivalidades, resultando consequentemente maior interesse do público e menor diferença de alcance das modalidades. Atualmente o circuito feminino não consegue emplacar tenistas com consistentes, há uma gangorra no ranking e nas vencedoras dos principais títulos, o que entendo que prejudica o enraizamento de torcedores na modalidade.

    Diferentemente dos organizadores, os patrocinadores alheios aos eventos, tem liberdade para recompensar os tenistas conforme o retorno que cada um propicia. O mercado acertadamente precifica o potencial de retorno do investimento que cada atleta pode proporcionar.

    Mudando um pouco de esporte. Ano passado, a maior jogadora de futebol feminino de todos os tempos, a brasileira Marta, mobilizou uma campanha alertando a disparidade dos salários e patrocínios que as modalidades recebiam. Apesar da grandeza da brasileira, não tem como compará-la com o retorno financeiro que um Neymar, CR7 e Messi proporcionam.

    Eu acredito que muitos tenistas são contrários a tal paridade engessada, mas para evitar um discurso não “politicamente correto”, omitem sua opinião divergente.

    Os governos buscam há anos por meio de lei a isonomia salarial. Na admissão no serviço público não há exceções, pois há 100% de igualdade, remanescendo ainda distorção na escolha dos ocupantes de cargos comissionados e funções. Na iniciativa privada a desigualdade já diminuiu muito, mas tem muito por melhorar. No esporte os organizadores gozam de liberdade para definição da premiação.

    No circuito, tanto feminino quanto masculino, Slam ou não, a diferença de premiação da modalidade simples e dupla é muito grande, bem como a visibilidade dos atletas nas principais quadras. Alguém discute a diferença remuneratória ? Sei que aqui não temos o viés de gênero, mas é certo que os organizadores retribuem as modalidades proporcionalmente ao seu valor de mercado.

    Gostaria de saber a sua opinião sobre a paridade das premiações nos Slams entre as modalidades feminina e masculina mesmo havendo atualmente uma distância muito grande de alcance de público e retorno financeiro entre as modalidades.

    Você entende que a premiação do tênis deve ser valorizada proporcionalmente ao potencial de cada modalidade ? Ou você é da opinião que a busca da igualdade de gênero deve sobrepor a realidade esportiva entre as modalidades ??

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Minha resposta é simples, Danilo: ao igualar a premiação, está se retirando dinheiro do masculino? Não. Os Slam têm dinheiro de sobra para pagar muito bem os dois sexos e portanto não vejo motivo real para a discussão de bastidores. Como você salientou, houve vários momentos em que finais e duelos femininos foram muito mais chamativos que o circuito masculino e nem por isso se diminuiu o pagamento dos homens, que àquela época ganhavam 30, 40% mais. Então acho que foi uma conquista das mulheres, sem prejudicar ninguém, e assim deve continuar. Abs!

      Responder
      1. DANILO AFONSO

        Muito obrigado pela resposta !!

        Perdão pelo texto grande e com alguns erros de portugues. Escrevi de dentro do carro e não vi que estava tão grande.

        Abs !!

        Responder
    2. R.P.

      Qualidade técnica do tênis feminino se pode medir pelo placar em finais de slam. Nas últimas sete disputas em Wimbledon, por exemplo, nenhuma chegou ao terceiro set, 2 pneus e outras duas partidas terminaram com apenas 55 minutos.

      Aumentar a premiação do feminino, ótimo; igualar com masculino é fazer malabarismo com as leis do mercado financeiro. O retorno que o tênis masculino traz é 500% maior (sendo modesto).

      Responder
    3. Rafael Azevedo

      A pergunta não foi direcionada à minha pessoa, Danilo, mas vou ter a ousadia de dar a minha opinião.

      Eu entendo a sua questão. O esporte profissional se enquadra na categoria de serviços de entretenimento, como o cinema, por exemplo. Nesse ramo, os “cachês” são sempre proporcionais à audiência. Os atores mais caros de hollywood são aqueles que irão atrair mais espectadores, a TV paga mais por direito de transmissão de jogos de equipes que atraem mais espectadores (geralmente, equipes com alguma estrela no elenco), essa mesma TV cobra mais por propagandas nesses eventos (imagina quanto é para colocar uma propaganda no intervalo do Super Bowl??), etc.
      Enfim, a audiência é que rege tudo isso. Logo, não seria uma questão de desigualdade de gênero cobrar valores diferentes e pagar premiações diferentes para atletas diferentes, do ponto de vista da audiência que atraem.

      Porém, é claro que é praticamente impossível individualizar tanto, assim, os custos e prêmios. Normalmente, se faz uma categorização. Por exemplo, no volêi, há uma divisão de atletas por estrela. Todavia, não é correto fazer essa categorização por gênero. Pode haver uma categorização por meritocracia (níveis de audiência, por exemplo), onde os atletas, independente do gênero, sejam classificados.

      Todavia, novamente, eu acredito que, em se tratando de ações contra áreas de preconceito comum na sociedade (gênero, etnia, classe social), essas ações de promoção de igualdade, ou até mesmo de privilégio, são úteis para combater esse preconceito (ou falta de oportunidade). Por exemplo, muitos podem não achar justo a atuação de cotas por etnia em universidade, pois a falta de oportunidade, nesse caso, é devida à classe social (pobreza) e não à etnia. Porém, é comum vermos na sociedade pessoas “brancas” ocupando os cargos considerados mais relevantes (médico, engenharia, presidência, etc.). Isso acaba contribuindo para a formação do preconceito social dentro das mentes humanas, ainda que de forma sutil. Então, ainda que não seja justo (do ponto de vista do mérito), acho válida toda ação de “privilégio” para determinados grupos sociais, desde que a intenção seja combater o preconceito.

      Logo, como Dalcim falou, ainda que os homens “mereçam” uma premiação maior no tênis, não estão sendo maus com os homens, mas, sim, sendo bons com as mulheres, para tentar promover a igualdade, onde há preconceitos.

      Responder
      1. Willian Rodrigues

        Excelente argumentação!! Concordo plenamente, pois tenho esse mesmo discernimento em relação às cotas nas universidades e no âmbito do esportes.

        Responder
      2. DANILO AFONSO

        Rafael Azevedo é para comentar mesmo. Eu como fiz a pergunta para o Dalcim, sem querer acabei limitando que outros leitores com bons argumentos deliberassem acerca do assunto também. Mas gostaria de ter lido o ponto de vista de outros leitores do blog.

        A sua argumentação foi muito boa nobre Rafael, sucinta e clara. Concordo contigo inclusive na menção de cotas que você cita em um dos parágrafos.

        Se um dia houver alteração de distribuição da premiação, eles poderiam seguir o modelo de distribuição mesclando valores fixos e variáveis, algo tipo 70% da premiação idêntica entre as modalidades e 30% proporcional a audiência ou outro indicador relevante alcançado por cada modalidade no ano anterior do mesmo torneio.

        Abs !!

        Responder
        1. Luiz Fabriciano

          Prezado Danilo, minha opinião no tocante à remuneração no tênis masculino e feminino, em um primeiro olhar, diverge da do Dalcim, mas adentrando, elas se convergem. Explico: Se quem paga, pode pagar, então que se pague, pois seria machismo alegar que mulheres não deviam ganhar a mesma coisa, mesmo que os homens ganhem o que querem, apesar de terem uma audiência maior. Mas digamos que, há um bolo de tamanho determinado, não seria mais justo fatia-lo e distribui-lo de forma proporcional, remunerando mais os que mais bancam os custos?
          Saindo do esporte e entrando um pouco na iniciativa privada, como citaste o exemplo da disparidade entre os sexos nas empresas, acredito que isso tem se atenuado ao longo do tempo à medida que profissionais do sexo feminino se tornaram tão competitivas quanto os homens, e sou inteiramente a favor desse critério, afinal de contas o que se mede em desempenho numa empresa é a produtividade. Um bom exemplo é a USTA ter uma presidenta.
          Grande abraço.

          Responder
  81. Barocos

    Devo confessar que as minhas tenistas favoritas não alcançaram a ponta em nenhuma das categorias, muito provavelmente, devido a um ranço machista que ainda reside em mim: tenho o mau hábito de torcer por aquelas cuja beleza me encanta e que não tenham cometido, que eu saiba, alguma atitude questionável. Não é algo proposital, simplesmente acontece.

    Minhas favoritas são:
    – Gabriela Sabatini;
    – Ana Ivanovic;
    – Elena Dementieva.

    Quando da ascensão meteórica da Monica Selles, torci muito para aquela menina determinada a fazer história e, depois da facada, fiquei um bom tempo sem ver nenhum jogo feminino.

    Responder
  82. Luis

    Dalcim foram 6 titulos seguidos da Navratilova em Wimbledon,Federer conseguiu 5? Esperança de Federer conseguir o 9 em Wimbledon faltou 1 pontokkk,Dalcim Sharapova foi outra que marcou como musa do tênis e infelizmente foi muito ruim pra ela punicao dopping,Sharapova poderia ainda tá disputando os Slams?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, e o hexa escapou por muito pouco em 2008 diante do Nadal. Caso contrário, ele talvez tivesse ganhando 7 seguidos porque foi campeão em 2009 também.

      Responder
      1. Luiz Fabriciano

        Mestre, o xará deu – sei querer – uma dica de matéria interessante: As musas do tênis e seus feitos (ou não) no esporte, tipo Anna Kournikova.

        Responder
      1. Marco

        Sim, as 81 de Nadal impressionam tb. Mas 125 é mais que 50% maior.
        Uma marca dessa sim, pode ser considerada a mais difícil de ser alcançada de todas as tantas que existem.
        Não sei se vc já fez, mas gostaria que vc elegesse as marcas mais “impossíveis” do tênis mundial.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Já fiz sim, Marco, mas pode retomar, claro. Chris conta numa entrevista bem interessante que não leva tão em conta esse recorde, porque na sua época poucas tenistas se dedicavam realmente ao saibro (ainda menos as norte-americanas, australianas e britânicas). Muito humilde a menina.

          Responder
          1. Marco

            Dei mais uma pesquisa sobre essa menina humilde e nesses 125 jogos ela perdeu somente 8 sets. E depois ainda retomou outra sequencia de 64 partidas de invencibilidade no saibro. É muita coisa !!!!!
            Nadal é o rei do saibro, mas indiscutivelmente Evert é RAINHA.
            Agora uma curiosidade: ela foi uma das primeiras a utilizar as 2 mãos no revés…… penso que se isso não foi decisivo pra todo esse domínio, o q acha ?

          2. José Nilton Dalcim

            Acredito que sim, Marco, mas também ajudava muito nos pisos velozes, quando ela bloqueava com firmeza a devolução. Aliás, Chris voleava com duas mãos, meio ao estilo Connors, aliás seu noivo no começo de carreira.

  83. Paulo Almeida

    Engraçado que o Fregueser não é o melhor da história em quase nenhum aspecto. Vejamos:

    Saque – Isner
    Devolução – Djokovic
    Direita – Del Potro
    Esquerda – Djokovic
    Voleio – Mahut
    Slice – aí pode ser
    Drop – Brown
    Smash – Nadal
    Lob – Djokovic
    Jogo de pernas/Movimentação – Djokovic
    Elasticidade – Djokovic
    Mental – Djokovic
    Tática/Estratégia – Djokovic
    Endurance – Djokovic

    Kkkkkkkkk, dá até dó.

    Responder
      1. Paulo Almeida

        Pode ser, mas o britânico tem lobs tão marcantes quanto aqueles dois do Djoko na final do USO 2015? Aquele contra o Londero ano passado também foi sensacional.

        De cabeça agora não lembro.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Sim, mas você não pode julgar um golpe por causa de dois lances numa única partida, a meu ver. O lob de backhand de Murray para mim é o melhor de todos, talvez de toda a Era Pro, e o de Edberg de forehand. Aliás, os de forehand do Nadal também são excelentes.

          Responder
    1. Paulo F.

      Todos sabemos que Djokovic mentalmente é monstruoso, mas não dá para colocá-lo à frente de Nadal, mesmo que seja uma ínfima margem a favor do espanhol.

      Responder
    2. Vitor Hugo

      Melhor devolução da história é do Agassi, melhor back do Wawrinka e lob do Murray. Os outros quesitos não são técnicos, mas totalmente questionáveis, até porque não vamos analisar tática de tenistas de 50 anos atrás.

      Realmente Federer não tem muitos golpes entre os melhores da história. Voleio e slice. Talvez forehand. Mas faz a maioria ESMAGADORA dos quesitos técnicos melhores que Novak.

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Não, voleio é o do Mahut e slice o do Haas, como o Jonas bem lembrou. Forehand é o do Delpo com muita folga.

        Enfim, Federer não é o melhor em nada!

        Wawrinka, kkkkkk. O Nadal faz o que quer com o backhand dele, que também precisa de muito tempo de preparação. Muito inferior ao do sérvio.

        A devolução do Lobo também é disparada a melhor da história. Não há discussão quanto a isso.

        Os outros aspectos citados constroem um verdadeiro campeão e não apenas o que é feito com a raquete. Aliás, sem movimentação e elasticidade, você nem consegue acertar a bolinha direito. Está tudo relacionado.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Como o Jonas , bem lembrou o que, caríssimo Piloto ? Acho que esta Kombi nunca foi a casa de Haas em Hale ? Lá o Suíço cansou de dar Shows com todo tipo de Slice que se conhece. Desde os rasantes defensivos , como os ofensivos até em passadas. Ganhou DEZ vezes na casa do Alemão. GRAMA muito rápida pra aqueles conhecidos Tenistas medianos neste lindo golpe. Abs!

          Responder
          1. Jonas

            Nossa…

            Não, eu não disse que o Haas venceu Federer em Halle ou algo parecido com isso.

            Me referi ao SLICE. Os dois são ótimos, embora eu prefira o do Haas.

          2. Sérgio Ribeiro

            Tá difícil hein , caro Copiloto. Quem está falando de h2h entre Federer e Haas ? Estou passando o que Federer faz com seus Slices muito superiores aos do Alemão, em sua própria casa. Abs!

    3. Rodrigo S. Cruz

      Saque – Isner > Só que o Isner só tem isso. O resto do jogo é uma porcaria. O Federer tem um dos melhores saques da história. Em matéria de colocação e variação é um saque muito melhor do que o do Djokovic, por exemplo…

      Devolução – Djokovic > Ok.

      Direita – Del Potro > Bastante controverso. O Delpo tem mais força, mas não consegue bater de tudo que é ponto da quadra com o Federer faz. Diria que se a do argentino é nota 10, a do Federer é nota 9.

      Esquerda – Djokovic > Sim… Mas o Federer não fica tomando uma porrada de winners de esquerda, como o sérvio toma do suíço. E aí?

      Voleio – Mahut > Como todo respeito ao voleio do mahut, discordo. Sou mais o do suíço…

      Slice – aí pode ser > Pode ser, não. É o melhor slice que eu já vi…

      Drop – Brown > Bastante controverso. Sou mais o do Federer também…

      Smash – Nadal > Concordo. Não tem nem como discutir. Nunca vi ninguém “esmechar” como faz o Nadal.

      Lob – Djokovic > Discordo! Pergunta pro sérvio se ele acha o lob dele melhor que o do Federer. Duvide-o-dó!

      Jogo de pernas/Movimentação – Djokovic > Isso NÃO é golpe!

      Elasticidade – Djokovic > Isso NÃO é golpe!

      Mental – Djokovic > Isso NÃO é golpe!

      Tática/Estratégia – Djokovic > Isso NÃO é golpe!

      Endurance – Djokovic > Isso NÃO é golpe!

      Kkkkkkkkk, dá até dó. > também morremos de dó dessa tua inveja…

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Eu me referi a todos os aspectos e não apenas a golpes com a raquete. Fui bem claro.

        Saque do Isner e forehand do Delpo incontestes.

        Claro que o Djokovic e o Federer concordam que o lob do sérvio é melhor. Pergunte ao suíço se ele ainda tem pesadelos com aqueles dois seguidos do USO 2015.

        Mahut tem muito mais facilidade no voleio, principalmente aquele curto com slice matando a bolinha no quadradinho.

        Drops do Brown e até do Kyrgios são melhores.

        Slice do Haas melhor.

        Sobra nada mesmo, sem choro.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Tá mais pra sonho seu, do que pra pesadelo do suíço…

          (rs)

          Federer não tem pesadelos com lobs que levou do Djoko.

          Até porque ele mesmo já aplicou dos seus (e melhores) no próprio Djoko…

          Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não sei se consigo dar um ponto a mais para alguém. Acho que os dois fizeram um trabalho excepcional, tanto no campo técnico como mental.

      Responder
      1. Anderson Nues

        Como assim??? Não tem nem comparação.
        Nadal entre 2015/2016 não fez se quer uma semi de Slam, já Federer em 2015 só não ganhou Slam pq abusou de amarelar pra Djokovic.
        Moya pegou um Nadal já com uma expectativa de um 2017 fora do top 10, e colocou o cara no n1, e em 2019 tbm.
        Ljubicic de fato fortaleceu Federer mentalmente em 2017, tanto que acho que as duas partidas que ele perdeu tendo match point (algo tradicional pra o suíço) foram mais por falta de vontade de jogar o campeonato do que por amarelar.
        Porém isso durou pouco mais de um ano, depois voltamos a ver Federer amarelando em finais pra Del Potro e com medo de Djokovic, se quer devolvendo segundo saque na final de Cinccinati.
        Inclusive acho Moya o melhor treinador da história, primeiro pelo que fez com Raonic, que claramente não é jogador pra tio 5, se muito top 10, mas o cara conseguiu colocar o cara no fim do ano no top 3, e depois o que fez com um Nadal já sendo saco de pancadas de muitos jogadores se tornar n1 em duas temporadas e ainda mais depois dos 30.
        Beleza que Federer tinha 35 anos quando ganhou o AO, mas ele não tava sendo saco de pancadas de ninguém (ele não é saco de pancadas de Djokovic pq eles jogam ATP 500 um contra o outro tbm, que é onde o suíço ganha do sérvio, se fosse só Grand Slam, em 10 o suíço perderia 10).

        Responder
  84. Sérgio Ribeiro

    Bom , como o POST inclui todos os Pisos , teremos que ir por parte. Corretamente , a nosso ver , TODOS os da Era Profissional , tem outro peso. Não ia ninguém no AOPEN anteriormente. Daí como sabemos , Court encontrou dificuldades bem maiores , apesar de ser uma Tenista espetacular. E também não tem culpa se TRÊS dos 4 SLAM , eram na GRAMA . Mas o que Serena fez no ALL England Club , na Grama Sagrada, com SETE conquistas e mais o Ouro Olímpico , não tem como não acha-la como o segundo nome nesta superfície. Apenas atrás de Martina Navratilova. Abs!

    Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Ps . Essas duas supercampeãs N 1 Belgas do vídeo , assim como as N 1 : Seles ( venceu 21 WTAS após os atentados até 2003 ) , Vênus , Hings , Davenport, Sharapova , Halep e CIA , fizeram parte de grandes oponentes de Serena . Que ao vencer o USOPEN 1999 , teve meses antes a despedida de Steffi. Não sem antes perder para a Norte- Americana rs Abs!

        Responder
  85. Willian Rodrigues

    Afora subjetividades e preferências pessoais, analisando esse post, parece-me que o conjunto da obra de Steffi Graf e Navratilova as colocam num patamar acima daquele de Serena Williams na história do tênis profissional. Graf, pela consistência em todos os pisos e pelo golden slam; Navratilova pelo absurdo número geral de títulos e domínio absoluto na grama, além da versatilidade de ainda se destacar em duplas.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      As Multi -Campeãs Martina , Evert e Steffi , que estiveram lá dentro , já afirmaram que Serena e’ a melhor de Todas. E as duas primeiras , que não topam com Court , torcem muito que a Norte-Americana , Rainha do Tênis e dos Preconceitos a ultrapasse em SLAM . A meu ver , já passou . Todos os seus foram na Era Profissional. E é de longe , junto com Vênus , a maior medalhista Olímpica. Abs!

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Ps. A Craque alemãzinha não aparece na liderança em nenhum dos pisos. E no Carpete , assim como seu contemporâneo Federer , Serena pouco jogou. Jogou duas FINAIS e venceu ambas.

        Responder
        1. Willian Rodrigues

          Sérgio, infelizmente não são incomuns suas tentativas de diminuir meus comentários.
          Sugiro que vc releia o que postei. Mencionei o conjunto-da-obra, o que significa (agora desenhando) analisar-se os resultados de todos os pisos em conjunto!
          E, ainda me parece, que ela foi mesmo superior.
          Quanto às afirmações dessas ex-atletas em relação a Serena, leve em conta que todas são muito polidas e jamais se vangloriariam por seus próprios feitos.

          Responder
          1. Sérgio Ribeiro

            Você só desenha algo lá no outro Site , cheio de fanáticos como o parceiro. Estamos num fórum de debates , se não gosta volte pra lá. Não tentei diminuir seu comentário em nada. Postei o que sei do Circuito Feminino desde aquela época, ou seja , com todas no auge. E não foi por polidez a afirmação das mesmas . Serena em seu auge , tinha um Serviço e devoluções de outro planeta. A Craque Chris Evert , foi a primeira a perceber que não dava contra a compatriota, e largou antes. Quem resolveu continuar no Circuito, viu a Rainha literalmente atropelar a maioria do Circuito. E somente a sua incrível longevidade, confirma meus argumentos. Abs!

  86. Jonas

    Sérgio, não tenho como desenhar pra você.

    Sugiro que verifique a lista do Danilo, em especial na parte do Federer.

    Vou citar alguns nomes aqui: Kafelnikov, Corretja, Rafter, Guga, Bruguera etc, todos com leve vantagem no H2H sobre o suíço.

    Nem o maior hater do Federer é “doido” de colocar os citados como melhor que o suíço. Mas eles tem o H2H positivo, pois a maioria dos confrontos se deu em uma fase de amadurecimento do suíço. Veja que são poucos jogos. É irrelevante.

    Agora, o big 3 se enfrenta há VÁRIOS anos. São CINQUENTA jogos entre Djokovic e Federer, por exemplo. Não tem comparação.

    Responder
    1. DANILO AFONSO

      Verdade nobre Jonas….kkkk
      Se eu fosse eles eu nem tocaria mais no assunto H2H.

      Engraçado que os nobres SÉRGIO RIBEIRO e VITOR HUGO disfarçam uma certa cegueira com os números que apresentei dias atrás com relação ao H2H dos principais tenistas deste esporte. Eles ficam citando alguns nomes de jogadores que tem H2H positivo frente ao sérvio, mas esquecem que o FEDERER tem H2H negativo contra 26 tenistas e tem uma porcentagem inferior de aproveitamento de H2H contra todos tenistas quando comparado com o sérvio e espanhol.

      Eles focaram nos 11 tenistas que superam o sérvio no H2H e ignoraram os 26 tenistas que superam o suíço, alguns tenistas que acredito que eles nem sabiam que tinham números superiores ao suíço. Vai entender… Você já ouviu aquela expressão “dando uma de joão sem braço” ?? kkkk

      Vou relembrá-los resumidamente o que postei dias atrás (15/05/20):

      Tenista – % H2H – Adversários na carreira (com h2h positivo / empate h2h / com h2h negativo )

      FEDERER – 88,40% – 345 (305 / 14 / 26 )

      O suíço ao longo da carreira confrontou 345 tenistas, destes possui H2H positivo contra 305 tenistas, empata com 14, e tem saldo negativo contra 26 tenistas, tendo consequentemente aproveitamento de 88,40%.

      Abaixo o retrospecto dos outros dois membros do Big3:
      DJOKOVIC – 92,03% – 251 ( 231 / 9 /11 )
      NADAL – 94,40% – 286 ( 270 / 7 / 9 )

      A relação completa com o comparativo dos maiores tenistas eu postei no dia 15/05/20, no texto referente a lista dos Top 10 do carpete.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Quanta bobagem ,hein Danilo ? . A frase incompleta foi do Jonas . Nada a ver com suas estatísticas . Então ,por favor , fique fora dessa em vez de se meter num assunto que não lhe pertence . Agradeço. Abs!

        Responder
    2. Paulo F.

      Então, quer dizer que se valermos da lógica de Marquinhos Renato Johnny Vitor Hugo, estamos autorizados a chamar o limitado Alex Corretja de Pai de Roger Federer?
      ha ha ha

      Responder
    3. Sérgio Ribeiro

      Leia com atenção , rapaz. Sua frase é totalmente incompleta. Teria que citar TODOS que ultrapassaram CINCO jogos no h2h e que venceram. E reconhecer que sua ridicula admiração pelas CINCO vitórias de Roddick ( como se fosse o único) , não procede . Esse assunto já deu . Desenhar não é mesmo a sua praia rsrsrs.

      Responder
      1. Jonas

        Eu não admiro Roddick por isso, só acho ele um bom jogador. Tinha um serviço excelente, mas o backhand deixava MUITO a desejar.

        Prefiro jogadores do estilo de Davydenko, Nalbandian…esses últimos, a meu ver, teriam mais chances de incomodar o big3 no auge do que Roddick.

        O americano admitiu, venceu quando dava pra vencer. Outra coisa, ele se aposentou aos 30 anos.

        “Sure. Retire before you have to play him again”

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Está abusando das bobagens , caríssimo Jonas. TODOS os citados por você são contemporâneos de Roddick e Federer . Procure saber os Torneios pra lá de importantes, em que o Norte-americano, bateu Nalbandian e Davydenko. Mais uma vez irá se surpreender. Abs!

          Responder
          1. Jonas

            e daí que bateu? Releia a postagem. Eu disse que prefiro o estilo de jogo deles.

            Ainda assim, sejamos sinceros. Roddick incomodar o big3 no auge? Mas nem em sonhos.

          2. Sérgio Ribeiro

            Prefere o estilo de jogo de Nalbandian ( 38 ) e Davydenko ( 38 ) a Roddick ( 37 ) . Parabéns. Quando o Norte-Americano atingiu o N 1 , Nalbandian terminou como TOP ( 8 ) e Davydenko TOP 44 em 2003 . Quando Federer (38 ) terminou como N 1 em 2004 , Roddick TOP 2 , Nalbandian TOP 9 e Davydenko TOP 22 . Prefere o estilo de ambos e o Slice de Haas ao de Federer . Gosto e’ gosto mas não enrola kkkkkkkkk Abs!

  87. periferia

    Olá Dalcim.

    Na média a Graf está confortável em todos os pisos.

    Vc diria que ela é a tenista mais completa de todos os tempos ?

    Abs

    Responder
      1. Luiz Fabriciano

        E aí está o encaixe de que há no tênis, fundamentos táticos e/ou essenciais.
        Graff não usava top spin com backhand – nem precisava. Alguns podem dizer que se usasse ganharia o dobro. Será?
        Da mesma forma que o slice também se encaixa nesse perfil.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Acho que a adaptação dela aos pisos mais velozes foi ótima justamente por ter um backhand de uma mão, o que dá mais recursos para ‘atrasar’ um golpe. Daí porque geralmente os tenistas de uma mão, mesmo no masculino, se adaptam melhor a quadras mais velozes.

          Responder
  88. MARCÍLIO AGUIAR FILHO

    Sem fazer análises estatísticas mais aprofundadas (deixo para o nosso especialista Danilo), em um panorama geral, Martina, Steffi, Serena, Chris Evert e Selles podem ser consideradas as 5 maiores?

    Responder
  89. Vitor Hugo

    Kyrgios disse que Murray é melhor que Novak. Se levar em conta o conjunto da obra, físico, técnico e mental, o sérvio é melhor. Mas tecnicamente falando, o escocês tem sim mais recursos.

    A vantagem no h2h é muito favorável para Novak e os dois tem a mesma idade. Mas Murray JANTOU Novak duas vezes em finais de slam.

    Responder
    1. Willian Rodrigues

      Isso é um fato. Tecnicamente falando, Murray dispõe de alguns recursos a mais que o Djokovic em certos fundamentos. Porém, não tem a mesma consistência, e nem a mesma inteligência estratégica de jogo. Nem vou mencionar o aspecto mental, em relação ao qual Djokovic é praticamente uma unanimidade. O próprio Roger Federer já mencionou isso em algumas oportunidades. Então, pra resumir, Kyrgios falou mais uma besteira!!! Os números discrepantes, e não falo apenas do H2H, denotam isso: grand slams: 17 x 3; Maters 1000: 28 x 14.

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Na verdade está 34×14 em M1000 e 5×1 em ATP Finals.

        Tecnicamente Djokovic é bem mais completo do que o Murray. Muito mais preciso nos golpes, só perdendo em um ou outro fundamento menos importante.

        Responder
    2. Paulo F.

      Sim, Murray é tecnicamente um pouco melhor do que o Djokovic.
      Tá vendo como não é apenas a técnica que faz um grande campeão?

      Responder
  90. DANILO AFONSO

    Parabéns Dalcim por mais essa brilhante matéria !!

    Impressionante como a alemã Steffi Graf é versátil. Ela figura em 3 pisos na 2ª posição e na 4ª posição na grama.

    Martina Navratilova se destaca na 1ª posição em dois pisos, mas figura nos outros dois pisos “apenas” na 6ª e 8ª posição.

    Por enquanto, entendo que as duas tenistas são as maiores da história.

    Responder
    1. MARCÍLIO AGUIAR FILHO

      Além de tudo Steffi jogava tenis que dava gosto de ver, uma espécie de Federer de saias. Já Matina era excepcional na rede. Para mim são as duas maiores que vi, seguidas de Serena e Evert.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Aí não dá , caro Marcílio. Como diz o Dalcim mais acima, usava APENAS o Slice no Backhand. Jamais a vi dando uma Esquerda na paralela . Ou um batido pegando na subida como Federer. Subidas a rede somente pra cumprimentar. Devido a isso acredito que a Multi-Campeã , teria sério problemas com Serena no auge. Vale dar uma conferida em Serena ( 17 ) x Graffi ( 30 ) na FINAL do Master de Indian Wells 99 , YouTube. Lembrando que a Craque Alemã após esse jogo , venceu RG pra cima de Hings e perdeu a FINAL de Wimbledon 99 para Lindsay Davenport. Se aposentou logo depois. Abs!

        Responder
  91. MARCÍLIO AGUIAR FILHO

    Não caberia uma menção honrosa a Hanna Mandlikova? Ela teve a concorrência de Chris e Martina, o que convenhamos não é pouca coisa.

    Responder
  92. MARCÍLIO AGUIAR FILHO

    Caro Dalcim, muito contente por minhas três tenistas favoritas de todos os tempos estarem bem colocadas. Navratilova e Graf nos 4 e Justine Hennin em 2. Navratilova é das jogadoras que eu me lembro inigualável na rede. Seteffi e Justine jogavam com muita classe, para mim são as equivalentes ao Federer em estilo de jogo. Também gostava muito da Serena no inicio de carreira, mas fui diminuindo a torcida com o tempo.
    Surpresa foi a Tracy Austin. Foi uma das campeãs mais precoces e parece que foi a mais jovem numero um, porém com carreira muito curta.
    Outra que foi muito precoce e poderia ter sido um fenômeno se não tivesse se perdido no meio do caminho é J. Capriatti.
    A Monica Selles também foi muito prejudicada pelo atentado absurdo que sofreu. Saudações.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Agora sim, Caro MARCÍLIO. Justine Henin pode ser colocada como Federer de saias … Completa , com Back Simples com Slice e também batido , um colírio. Subidas a rede pouco comuns na WTA. Pena parar precocemente , mas a tempo de um 6 x 8 com Serena em jogos duríssimos. Uma N 1 na acepção da palavra. Abs!

      Responder
  93. Vitor Hugo

    Dalcim, vc acha que a Seles poderia estar em um patamar próximo a Serena e Navratilova se não fosse a facada? Ela tinha bola para tanto?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ela começou muito cedo e acredito que teria mais uns três anos para colecionar grandes títulos, mas foram justamente os três anos em que ela precisou ficar afastada. Uma pena.

      Responder
  94. Vitor Hugo

    Legal. Muito boa a lista!

    Agora uma lista com homens e mulheres. Top-5:

    Hards: 1- Serena 2- Federer 3- Sampras 4- Graf 5- Djokovic
    Grama: 1- Federer 2- Navratilova 3- Sampras 4- Court 5- Serena
    Saibro: 1- Nadal 2- Borg 3- Evert 4- Graf 5- Lendl

    Critérios: Mais peso para os títulos masculinos e mais valor para os títulos antes da padronização.

    Responder
      1. Luiz Fabriciano

        Só terá uma lista elaborada pelo Vitor Hugo em que Novak estará na ponta:
        – Qual o tenista que mais tento estratégias para evitar seu reconhecimento como o melhor?

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *