Roland Garros usa sensatez e antecipa mudança
Por José Nilton Dalcim
17 de março de 2020 às 21:28

Numa surpresa estonteante, a Federação Francesa não quis esperar as variantes incontroláveis da crise provocada pelo coronavírus e anunciou nesta terça-feira que Roland Garros mudará de data em 2020 e acontecerá na terceira semana de setembro, ou seja, apenas seis dias depois da final do US Open, o que implicará também na sempre delicada mudança de superfícies.

Parece maluquice, mas vamos lembrar que não faz muito tempo – na verdade, até 2014 – que Roland Garros e Wimbledon estavam separados por apenas duas semanas e nunca foi fácil também a troca do saibro para a grama, ainda mais nos tempos em que o piso natural do tênis era definitivamente rápido.

Claro que já houve reações duras de alguns tenistas, que com certa razão afirmam não ter sido consultados previamente sobre a intenção da Federação Francesa.

No entanto, me parece um tanto prematuro concluir que os organizadores franceses tomaram essa iniciativa sem consultar seus pares, no caso os detentores dos outros Slam e principalmente a Federação Internacional, ainda que os Slam tenham regimentalmente o direito a decidir seu destino sem autorizações prévias.

Se pensarmos apenas do lado dos franceses, foi uma atitude sensata. Ao pressentir que a temporada de saibro estará seriamente prejudicada – o circuito fala em voltar para Madri e Roma com otimismo duvidoso -, Roland Garros acaba com a especulação, diminui a ansiedade de jogadores e patrocinadores e dá tempo para os espectadores se reorganizarem. De quebra, não precisa pelo menos tão urgentemente tratar de devoluções de ingressos e quebras de contratos. Ganha fôlego e esperança, palavras chaves neste momento.

Inegavelmente, no entanto, joga uma tremenda bomba no colo da ATP e WTA, que teriam de recalcular o calendário. No período que Roland Garros se propõe a acontecer, estão previstos cinco ATPs 250 e sete WTAs na Europa e Ásia, além da Laver Cup nos EUA e de eliminatórias da Copa Davis em vários lugares. Na semana seguinte a Paris, ainda aconteceria os 500 de Pequim e Tóquio, que antecedem o Masters de Xangai. Confusão das grandes.

Em última análise, existe um tenista seriamente prejudicado caso a vontade de Roland Garros seja mantida: Rafael Nadal é o atual campeão dos dois Slam. O espanhol tinha real expectativa de faturar o 13º troféu no saibro francês e igualar os 20 Slam de Federer agora em junho. A alteração tão drástica do calendário seria um transtorno amargo e mais um desafio para o canhoto espanhol, que poderia até mesmo se ver obrigado a abrir mão de Nova York em prol da soberania em Paris.

No final da tarde, a USTA fez pequeno pronunciamento e afirma que espera realizar normalmente o US Open, mas que a data dependerá de conversações. Ou seja, abriu a porta para antecipação, o que daria margem maior para a disputa atrasada de Roland Garros, ou até mesmo.atender a uma mudança ainda mais radical de calendário. Tradicionalmente o Slam norte-americano começa na última semana de agosto.

Wimbledon se recusou a fazer comentários sobre a posição francesa. Na véspera, o All England Club havia dito que é impensável um torneio sem público. Segundo o Daily Mail, os organizadores não têm intenção de fazer qualquer anúncio nos próximos 30 dias. Irão esperar o desenvolvimento da crise. O mais tradicional torneio do tênis está marcado para 29 de junho.


Comentários
  1. Rubens Leme

    Dalcim, não é o local para isso, eu sei, mas em dias de corona, deixo um disco diferente para você, o álbum de estreia da banda inglesa Patto, editado em 1970. Preste atenção no falecido guitarrista Ollie Halsall. É prog, é hard, é jazz, é o que você quiser. A banda terminou em 1973, deixou três discos e caiu no esquecimento.

    Espero que curta.

    https://www.youtube.com/watch?v=UFVbWy_WkgQ&t=1s

    Responder
      1. Filipe Fernandes

        Caros Leme e Dalcim, boa noite!

        Leio os seus comentários e sempre fico admirado com a troca de figurinhas entre vocês dois a respeito de música e filmes, e desta vez não resisti a dar um humilde pitaco musical e sugerir que escutem (os dois e, claro, o pessoal do Blog) um cantor inglês (magnífico, na minha opinião) chamado Nick Drake, que, também esquecido por um longo tempo após falecer precocemente, fez uma pequena, mas brilhante, obra e emergiu alguns anos após a sua partida como um dos grandes músicos da década de 70 e final da de 60, até mesmo inspirando bandas como o The Cure. Acredito que vocês já o conheçam, mas evoco o nome dele aqui apenas como força de exercício. Canções como “Northerm Sky”, “Cello Song”, “Which Will” e “Fly”, entre muitas outras, merecem sempre visitar e conhecer novos ouvidos e corações, seja na época que for.

        Grande abraço, pessoal, e que vocês estejam (em fiquem) bem.

        Responder
          1. José Nilton Dalcim

            Gostei do Patto, mas não “compraria um disco”… rsrs… Você, que é das antigas, vai me entender: é minha forma de tentar explicar minhas preferências.

          2. Rubens Leme

            Então você não”compraria o disco para tocar no seu gramofone”? Rs. Normal, o bom do youtube é isso, alguém recomenda, você vai lá, ouve e vê se gosta. Melhor do que aquela coisa de ficar passando as faixas do LP na frente do vendedor, que te fazia cara de nojo.

            Veja se este te atrai mais, o segundo e último disco do power trio Dust, primeira banda do baterista Marky Ramone, quando ainda era Marc Bell.

            https://www.youtube.com/playlist?list=PLA9f-7qHo_y5JIPOJxa-gItYcqI6Q3Z9L

          3. José Nilton Dalcim

            Vamos lá. Gostei mais do Sir Lord Baltimore. Eu sou meio apegado ás baterias, ao baixo, ao ritmo. Como Jimmy Page diria, é a alma do rock.

  2. EDVAL CARDOSO

    Dalcin, nesses tempos difíceis sem muito assunto sobre tênis,jogos quero dizer,pois extra tênis tem um monte,mas queria exercitar a hipoteticaçao,se é que existe essa palavra,mas, hipoteticamente,se o Nadal fosse destro,vc acha que seria melhor pra seus adversários enfrentra-lo com mais chances de vitória, principalmente no saibro,ou de uma maneira geral seria a mesma coisa.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ah, não tenho dúvida de que uma parte dos segredos do Nadal é jogar como canhoto, Edval. Ninguém gosta de jogar contra canhotos – nem eles próprios – e ainda por cima Rafa criou um estilo único de jogar tênis, o que traz dificuldades a qualquer adversário e em qualquer piso.

      Responder
  3. Gabi

    Para os que gostam de séries e de futebol, tô no penúltimo de seis episódios de “The English game”, na Netflix!!
    Muito interessante, sobre o início da profissionalização do futebol, lá na Inglaterra. Junto, tb acompanhamos a luta de classes, a rixa com os escoceses, relação empregador-empregado, romances e histórias pessoais dos protagonistas.

    Responder
  4. Rodrigo S. Cruz

    Deu a lógica…

    A ATP decidiu (de maneira acertada ao meu ver) não alterar a situação do ranking.

    Dessa maneira, o Djokovic ficará com sua soma “congelada” nas 282 semanas como número 1.

    E separado apenas 4 semanas de Pete Sampras.

    Responder
  5. Luiz Fernando

    Achei corretíssima a atuação da ATP, se não há desconto de pontos dos torneios não realizados automaticamente não pode haver acréscimo na contagem das semanas nessa ou naquela posição. Esses servem p q todos valorizemos as pequenas coisas do cotidiano, que julgamos tão comuns e rotineiras, agora q estamos privados delas.

    Responder
  6. Luis

    Fala mestre!! Tempos difíceis!!! Mas o que deu na cabeça do Feijão pra fazer esse gesto ridículo????. Realmente a decepção com esse rapaz só aumenta!!. Falta caráter, falta sensibilidade, falta respeito… é uma pena!!! Gesto indefensável

    Responder
    1. Alessandro Siqueira

      Não nos esqueçamos dos discursos dele nas eleições passadas. Aliás, nada mais sintomático que a autodeclaração de “cidadão de bem”. Até hoje, todos os que vi se intitulando assim acabaram revelando uma face oculta nada nobre, o que é natural. Uma expressão extraída do jornal da Ku Klux Klan não poderia desaguar em coisa boa.

      Responder
  7. Sandra

    Dalcim, vou fazer uma pergunta sobre tênis, pois o ambiente com essa história de corovirus está muito carregado, vc acha que quando voltarmos aos torneios os jogadores mais jovens como os russos , o grego e o próprio alemão Zverev , que sempre parecem que o físico não é igual ao big 3 , eles não estarão mais descansados

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não vejo problema físico para Djokiovic, Nadal ou Thiem, Sandra. Na verdade, sofrerá menos aqueles que mais rapidamente se readaptarem ao ritmo de competição. Nesse sentido, acho que Djokovic tem as melhores chances entre os tenistas tops, mas o talento natural de Federer e Tsitsipas também pode ajudá-los.

      Responder
    1. Gabi

      Pois é…
      O negócio é jogar baralho hihihi
      E olhe lá ainda porque as cartas passam de mão em mão…

      Sobre as Olimpíadas, o COI soltou uma nota que não ajudou em absolutamente ninguém neste domingo. Ou melhor, a si próprio, ganhando quatro semanas para anunciar a transferência de data até lá. Neste período, a comunidade vai continuar sofrendo, sem condições de treinamento e nesta tensão de incertezas.

      Responder
  8. Luiz Fernando

    A que ponto chega a arrogância de algumas pessoas: os caras querem decidir qual o gosto dos outros acerca disso ou daquilo. Já dizia o ditado chulo e popular, gosto cada um tem um, ufa consegui me dominar pra não postar o q não devia. Parece algo obvio, exceto talvez para uma minoria, que prima por se considerar superior aos demais, e teima em ditar regras de comportamento gosto pessoal em nome dos demais, algo simplesmente lamentável. Não fosse triste, mas muito triste mesmo, poderia perfeitamente postar que aqui é diversão garantida sem pesar (e aqui o pesar não tem nada a ver com o peso disso ou daquilo, sempre é bom prevenir comentários anedóticos kkk)…

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Pra variar o “ diversão garantida “ vem com esse papinho requentado da “ arrogância “ . O que você achou de um mane’ pedindo “moderação “ para os comentários do Lógico ? A resposta do Blogueiro mostrou quem diverte os outros por aqui rsrsrs Abs!

      Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Não dá pra esperar nada diferente de um chorão inveterado. Esse teu papinho ridículo de arrogância vem de muito, mane ‘ . E o pior que acha que cola caríssimo “ diversão garantida “ . Debater Tênis que é o que importa nunca foi o teu forte . O comentário era sobre a Laver Cup . Sua opinião? O gato comeu rsrsrs. Abs!

          Responder
    1. Barocos

      Pensei que Deus fosse amor, bondade e misericórdia, ou será que tem religiosos enganando a gente? Me diga, com sua infinita sapiência, onde está o amor na morte de filhos, pais, avós e bisavós por este vírus?

      Responder
      1. O LÓGICO

        O “filósofo” Agostinho tentou resolver o problema do mal no mundo, e, obviamente, eximindo Deus de suas responsabilidades morais, dizendo que, na verdade, o mal não existe kkkkkk, sendo apenas a ausência da prática do bem kkkkkkk. Mais ou menos assim. E jogando a culpa do mal nos ombros do homem, como sendo ele, o mal, uma expressão do livre-arbítrio humano. Bom, podemos inverter a sua retórica, e dizer: na verdade, só existe o mal, e o bem é, na verdade, a ausência da prática constante do mal kkkkkk. Essa segunda proposição pelo menos tem mais assentimento empírico, porque a história da humanidade é uma história de maldades. Mas o coronavírus, assim como tsunamis, terremotos, maremotos, pestes, doenças, etc., não podem ser depositadas na conta dos homens, que são, em grande medida, reféns desses fenômenos. Então, só sobra a conta do Senhor Supremo, não? Obviamente que o mal se manifesta de várias formas. Por exemplo, o robozinho satânico é o mal personificado no mundo do tênis, e poucos vão me retorquir kkkkkkkkkkkkk.

        Morrei acreditando em Deus, mas um Deus que não pode ser definido por qualquer religião ou filosofia, justamente porque ele é Deus. É o que é, e sua natureza não pode ser definida por esse ser desprezível chamado homem, onde me incluo kkkkkkkkkkkkkkkkkk.

        Responder
        1. Barocos

          Algum humor e filosofia nestes tempos difíceis são bem vindos.

          Não vou morrer, entretanto, acreditando em Deus, sou agnóstico, ainda que tenha crescido no ceio de uma família extremamente religiosa. Tendo estudado física, matemática e engenharia, e sendo um admirador de sistemas complexos, não vejo como poderia o homem compreender os desígnios de um ser tão fenomenalmente inteligente que possa, por seu único e exclusivo desejo, criar algo tão maravilhosamente complicado quanto o nosso universo, sobre o qual as mentes humanas mais brilhantes se debruçaram por milênios e, ainda assim, pouco mais fizeram que arranhar a superfície do conhecimento.

          Deixando de lado as questões “existenciais”, continue postando suas diatribes, me divirto bastante com elas, além de ter sido um fã do Spock na minha adolescência.

          Responder
  9. Rodrigo S. Cruz

    “Quanto a chatíssima Laver Cup , é óbvio que a maioria não concorda , Rodrigo. Você é da turminha que competição por equipes é um saco. Coisa de … deixa pra lá rs”

    Eu não sou de turminha nenhuma, Sérgio.

    Não rotule os outros segundo teus próprios critérios, só por divergirem do teu gosto…

    Tem gente que curte até comer quiabo, mas eu por exemplo não…

    Portanto tenho TODO DIREITO de gostar do que eu bem quiser.

    E acho a Laver Cup um torneio sem-graça, ué.

    Qual o problema nisso?

    Responder
    1. Willian Rodrigues

      Faço minhas as suas palavras. Pessoal não utiliza os filtros necessários para avaliar as coisas. Se fosse qualquer outro tenista ou empresário que tivesse projetado e realizado essa competição ela simplesmente não teria quorum, não haveria tanto público. Em outras palavras, o torneio não é , por si próprio, atraente. Público que frequenta e acompanha é, basicamente, aquele fiel ao suíço.

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Cara , o blogueiro já pediu várias vezes pra você responder embaixo dos comentários. Da maneira que você faz , você pinça parte do mesmo ou apenas o que lhe convém. Estou pouco me lixando pro seu gosto pessoal. A Laver Cup é um sucesso apoiado pelas Federações Norte -Americana , Australiana e pela ATP. A federação Francesa optou em atropela- lá assim como a outros eventos . O Suíço somente vai a RG se não tiver outro jeito. Ao menos , a meu ver. Abs!

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Ps . Os organizadores da edição 2020 já se pronunciaram de que vão peitar a Federação Francesa. Lembrando que a edição de 2019 teve todos os seus ingressos vendidos em 2 horas. Abs!

        Responder
      2. Rodrigo S. Cruz

        Você está pouco se lixando mesmo?

        Então não se mostre incomodado quando o meu gosto ou ideias não convergirem com as tuas…

        Simples.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Incomodado de que ? Está parecendo o mane’ “ diversão garantida “ rs . Debatemos sobre a Laver Cup e argumentei sobre a força do evento . Daí a você achar chato pacas é irrelevante. Este ano levou o público ao delírio. Abs!

          Responder
    1. Heitor

      Tenista Feijão (banido do tênis por manipulação de resultado) posta vídeo de sua irmã insinuando ter espalhado o Coronavírus por Mogi.
      Lembrando que o COVID19 já matou mais de 15 pessoas em SP e mais de 4 mil mortes na Itália.

      Responder
    2. Willian Rodrigues

      Realmente uma brincadeira de muito mau gosto! Embora pudéssemos partir da premissa de que “em toda maldade há um fundo de ingenuidade” (de fato, é um sujeito sem tanta instrução) e, com isso, pesar menos a mão ao julgar os dois irmãos, TEM-SE que haver alguma medida punitiva! Pra servir de exemplo e para que outros “ingênuos” não desrespeitem as famílias e amigos daqueles que estão sofrendo mais diretamente com a doença. Já houve inúmeras mortes no Brasil em função do COVID19. PQP!!

      Responder
  10. Luiz Fernando

    Dalcim vc vê alguma possibilidade da realização de Olimpíadas neste ano? Pela conjuntura mundial da pandemia do coronavírus, imaginemos o caos q se instalaria no Japão com pessoas de todos os locais indo p um só país no meio do ano, quando muitos países ainda estarão convivendo com muitos casos da doença. Me parece chance zero…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho completamente descabido, Luiz. Primeiro, porque a pandemia não dá menor sinal de que vai ser contida. Depois, porque esportivamente vai afetar demais os atletas, que estão treinando em condições longe das ideais, sem provas preparatórias, sem muitos qualificatórios… O bom senso manda adiar. Acredito que o COI vai entender isso.

      Responder
  11. Gabi

    É muito inacreditável…
    Li agora no Twitter do Sérgio Xavier Filho, repórter do Sportv, que, pasmem, se orgulhou de ir hj correr na rua:

    “Cedo hoje, fui correr nas ruas vazias de SP. E já existe mesmo um código tácito entre os poucos corredores que cruzei. Cada um vai para um extremo da calçada, o mais longe possível. E um sorriso que parece significar “perdão pelo gesto, a distância é apenas física, nada mais””.

    Muita gente curtiu, falou que tb foi correr etc e tal!!
    É pra matar!!

    Mas, tb tiveram os que criticaram, como este que transcrevo e endosso: “então quer dizer que todo mundo tem que ficar em casa, mas corredores podem sair, pois precisam fazer algo imprescindível?!“.

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Aos poucos as pessoas vão se conscientizando, o ser humano sempre acha q as coisas vão acontecer com o vizinho, não com elas. Vou te dar um exemplo: eu e mais 7 ou 8 amigos amigos iriamos jogar amanha, meu filho me telefonou 2x agora cedo me pedindo p nao ir, postei no nosso grupo de wapp que nao iria mais, metade me acompanhou mas outra metade confirmou que irá p a quadra, leva tempo pra coisas entrarem nos eixos…

      Responder
      1. Gabi

        Pois é…
        Muito obrigada por compartilhar essa história pessoal.
        Mas fico muito p., porque óbvio que nós tb gostaríamos de sair de casa, jogar tênis, etc e tal. Mas a gente não vai. E o vizinho vai e acha que tudo bem…

        Responder
    2. Barocos

      Gabi,

      Não sei o quanto você sabe sobre este vírus, escrevi bastante em artigos anteriores alertando para a gravidade da coisa toda. Um dos maiores problemas é o quanto a gente, ou melhor, os especialistas ainda desconhecem. A letalidade desta epidemia tem se mostrada especialmente aguda na Europa. Foram vários os problemas e ocorreram em sequência: medidas restritivas demoraram a ser tomadas; quando enfim postas em prática, não foram tão severas quanto deveriam; faltaram, e ainda faltam, equipamentos de proteção e de suporte à ventilação forçada para os casos mais graves. Existem ainda duas possibilidades não muito comentadas que tem a ver com a notável mutabilidade de vírus em geral, em especial os baseados em RNA: é possível que variedades bem menos virulentas já circulassem entre os chineses há muito tempo, o que poderia explicar, em parte, uma menor taxa de mortalidade entre eles por pré-exposição a estas variedades; ainda, é igualmente possível que a Itália e a Espanha estejam enfrentando uma variedade ainda mais virulenta. Como sempre, espero estar completamente errado. Muito provavelmente, só daqui a 1 ano teremos dados estatísticos significativos para entender a gravidade desta pandemia de uma forma conclusiva.

      Alguns alertas e sugestões aos que tiverem que sair:
      – as menores gotículas emitidas em espirros e tosses, carregando muitos vírus, podem permanecer no ar por até 4 horas em ambientes fechados;
      – máscaras ajudam, mesmo quando não são marcadas com tendo filtragem de agentes nocivos em grau máximo. Muitos países estão acelerando a produção das mesmas, inclusive para a distribuição pública para os indivíduos que necessitem circular;
      – exercícios físicos moderados são recomendados para aumentar a resistência a patógenos, os extenuantes devem ser evitados, haja vista que tendem a deprimir o sistema imunológico;
      – como já havíamos conversado, lavar bem as mãos com sabão é muito eficiente para evitar a infecção, mas esta não parece ser a principal forma de contaminação, que parece ser mesmo a aérea;
      – estes organismos ínfimos podem permancecer ativos por até 9 dias fora do corpo humano, ou seja, todo cuidado é pouco;
      – muitas pessoas são assintomáticas ou desenvolvem infecções extremamente brandas quando expostas ao vírus. Tudo parece indicar, no entanto, que ainda assim podem ser disseminadores desta pandemia;
      – algumas pessoas, mesmo jovens e saudáveis, desenvolvem uma super-reação à infecção e, com isto, podem vir a enfrentar complicações muito severas (supõe-se que foi esta resposta agressiva ao invasor que acabou gerando um número extremamente elevado de óbitos quando da epidemia da gripe espanhola, vide cytokine storms).

      Felizmente, a medicina e a genética são bem mais desenvolvidas neste século, se esta pandemia tivesse ocorrido nas décadas de oitenta ou noventa o resultado, provavelmente, seria ainda mais devastador. Ainda que a dificuldade seja grande, acredito que antivirais e medicamentos eficientes serão desenvolvidos para dar cabo desta praga ou, pelo menos, para a minimizar os estragos. Vacinas são elementos de prevenção e, infelizmente, mesmo que estejam prontas em alguns meses, só serão efetivas em epidemias futuras ou em pessoas ainda não expostas.

      Aos foristas, amigos, familiares e mesmo aos desafetos, os meus sinceros e esperançosos votos de percalços mínimos, já que todos sofreremos em maior ou menor grau.

      Responder
      1. Gabi

        Muito obrigada pelos esclarecimentos.
        Sobre ir correr na rua, sou muito contra porque, apesar de a chance de transmissão ser baixa ao ar livre, o problema é que se um pode sair para correr ou caminhar, todos podem. Então as chances de transmissão aumentam muito. É uma questão de enxergar além das necessidades pessoais.

        Responder
  12. Evaldo Medeiros

    Bom dia, Dalcim. Gostaria de fugir um pouco do tênis e saber sua opinião pessoal de toda essa situação inusitada e caótica que estamos vivenciando no mundo inteiro. Aqui na minha cidade parece clima de apocalipse… Todos orientados a permanecer em casa, evitando contato com as pessoas… Governador decretou proibição ao comércio de abrir as portas. Está quase tudo fechado, exceto farmácias, padarias, hospitais, mercantis e mercados. Além do clima de incerteza de quando tudo isso vai acabar. É quase um estado de sítio ou um toque de recolher. E você?? Como está vendo e vivenciando tudo isso??

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Moro em São Paulo, Evaldo, e a situação é idêntica. Acho que temos de nos submeter a esse isolamento social imediatamente. Acabo de ver os novos números na Itália: 793 mortos e mais de 6 mil novos casos em um dia. E, conforme bem diz um importante médico, o sistema de saúde pública da Itália é bem superior ao nosso. Então a melhor alternativa para sofrermos um abalo menos desastroso é termos a consciência de que cada um de nós pode influenciar na propagação do vírus. Fiquemos em casa, cuidemos da nossa família. Claro que haverá um desastre financeiro – e o TenisBrasil não vai escapar disso -, mas vamos pensar na saúde antes de tudo. Abração e se cuidem todos vocês!

      Responder
      1. Rubens Leme

        E o ministro sa saude falou que ainda vem o pior daqui duas semanas e que vai até setembro. Será que teremos país ainda depois disto? Bom, onde moro só tem 1 caso cofirmado, mas assim mesmo, me tranquei em casa (o que não e difícil, pois sou que nem o Sheldon Cooper, um adepto do mundo indoor).

        Estou me divertindo estudando, ouvindo música (hoje é o dia do Hendrix, ontem foi dos Pogues) e vendo filmes e lendo.

        Vai ser uma catarse global e para muitos o começo do Apocalipse Zumbi ou um mundo comandado pela Skynet (exceto pros seguidores do Trans-mito que consideram uma epidemia inventada pelos chineses com apoio do PT, da Globo e de Cuba).

        Divirtam-se em casa e protejam os cérebros!!

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Felizmente, temos um ministro da Saúde sensato, Leme. É um alívio. Puxa, eu acabei de ouvir o Band of Gypsis, que obra prima!

          Responder
          1. Rubens Leme

            Maravilha, então. Uma pena que tenha morrido apenas com 27 anos e muitas das composições póstumas estavam incompletas. Ainda assim, discos como Cry for Love ou First Rays of the New Rising Sun são fantásticos. Pena que não pôde fazer a sonhada parceria com Miles Davis, tão aguardada pelos dois.

            Eu gosto muito desta fase pós-Band, quando deixou os solos um pouco de lados e se concentrou mais nas composições e misturou mais funk e soul ao seu caldeirão. Era o “soul hendrix”.

            Ah, falei que era canhoto? Só podia ser.

          2. José Nilton Dalcim

            Já que você está ativo no Spotify, conhece o Captain Beyond? Vale dar uma olhada. É uma das minhas baterias prediletas.

          3. Rubens Leme

            Sim, tenho Captain Beyond em casa. Na verdade, não uso e nem sei usar spotfy. Só ouço música da maneira jurássica, com discman (comprei dois aparelhos usados mês passado) e cds. Ao menos, tenho uma tomada para eles, assim economizo pilhas.

            Peguei o disco por lá, porque no youtube as músicas do Hendrix são soltas, não deixam colocar discos inteiros.

  13. DANILO AFONSO

    Vejamos algumas estatísticas neste hiato esportivo.

    Como sabemos, FEDERER está a poucos jogos e vitórias de superar o americano CONNORS. Porém, quando focamos no número de sets jogados e vencidos, o suíço já é o recordista.

    SETS JOGADOS NA CARREIRA

    1 – FEDERER – 3998
    2 – CONNORS – 3874
    3 – LENDL – 3425
    4 – VILLAS – 3138
    5 – NASTALE – 3121
    6 – NADAL – 3030
    7 – AGASSI – 3011
    8 – DJOKOVIC – 2888

    SETS VENCIDOS NA CARREIRA

    1 – FEDERER – 3037
    2 – CONNORS – 2928
    3 – LENDL – 2575
    4 – NADAL – 2352
    5 – VILLAS – 2218
    6 – DJOKOVIC – 2201
    7 – AGASSI – 2139
    8 – NASTALE – 2104

    Vejamos abaixo o aproveitamento de SETS VENCIDOS POR JOGO:
    NADAL – 77,62%
    DJOKOVIC – 76,21%
    FEDERER – 75,96%
    BORG – 75,62
    CONNORS – 75,58%
    MCENROE – 75,50%
    LENDL – 75,18%
    LAVER – 75,18%
    AGASSI – 71,04%
    SAMPRAS – 70,81%
    MURRAY – 70,79%

    Responder
    1. Alessandro Siqueira

      Danilo, parabéns por mais esse levantamento. Você tem conseguido compilar alguns dados que são absolutamente reveladores da história do tênis. Parabéns mesmo.

      Responder
        1. André Barbosa

          Danilo,

          Esse é o tipo de comentário que agrega qualidade em um espaço às vezes poluído por pessoas que só querem confusão.
          Imagino que dê trabalho, mas traga mais!

          Abs

          Responder
    2. Willian Rodrigues

      Topíssimo Danilo! Parabéns por essa e pelas postagens anteriores com essas estatísticas!! Contribuem muito para as discussões recorrentes aqui no blog.

      Responder
  14. EDVAL CARDOSO

    O tênis de alto rendimento viaja o mundo todo. Ironicamente, parecem não conhecer o mundo real. É impossível fazer qualquer planejamento na atualidade. Não sabemos se a situação piorará dramaticamente ou se, pelo contrário, a cura será encontrada em breve. O único que interessa agora é cuidar dos doentes e impedir o contágio de mais pessoas. O tênis deve parar de olhar o próprio umbigo e abrir-se ao que está acontecendo.
    Obs.Repassando comentário feito por Alexandre no Blog do Chiquinho,achei simplesmente fantástico.

    Responder
  15. lEvI sIlvA

    Dalcim, alguns tenistas estão propondo USO e RG em melhor de três sets. Por outro lado, sabemos, há ainda o risco de não realização dos GS, já que não se sabe até onde vai essa pandemia global. Pessoalmente, o que acha mais estranho, ficarmos sem 3 GS em 2020 ou descaracterizar tirando os 5 sets?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, são duas situações terríveis, Levi. Acho que poderia haver uma redução das chaves para 96 jogadores, o que diminuiria um pouco o impacto das primeiras rodadas, mas eu ainda prefiro esperar o fim da pandemia para ver o que vai restar ao calendário do tênis. Se tivermos condição de operar entre agosto e dezembro, acredito que dá para realizar sim os três Slam e apertar alguns Masters.

      Responder
  16. Gabi

    Até agora, a Simona Halep foi a que mandou melhor no tal do desafio do papel higiênico!!

    Isso porque o Luiz Fernando ainda não fez o dele

    Rsrs

    Responder
  17. Gabi

    To revendo o muito interessante documentário da relação da Chris Evert e a Martina Navratilova.

    Achei engraçado qdo a americana confessou: perdi 14 vezes seguidas para a Martina. Ninguém me vence 14 vezes seguidas.

    Outro ponto engraçado foi qdo a Evert discursou no final de não lembro qual torneio: ainda bem que ambas pintamos o cabelo para uma não ver os fios brancos que a outra era responsável por criar ehehehe

    Ambas envelheceram muito bem e estão fisicamente muito mais bonitas e internamente muito mais maduras e interessantes!! E são amigas, muito incrível!!

    Responder
    1. Gabi

      O bonitão da época (Dino) chegou para a evert e perguntou o que ela achava de ele convidar a Martina par sair.
      A chris confessa: a martina?! Tinha que ser eu Ahahaha.
      A Martina diz: eu não tinha certeza da minha sexualidade naquela época.
      A evert responde: se vc não descobrisse com o Dino, vc nunca mais vai descobrir!! E começam a gargalhar!!

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Não faz assim , Gabi. Chris Evert na época com Jimmy Connors, era a “ Namoradinha da América “ . Gata na acepção da palavra. Martina tinha umas pernas super bem torneadas e para por aí rs . Evert está em qualquer lista de musas do Tênis. Mas concordo que ambas envelheceram legal. Mas uma coisa é uma coisa , outra coisa é outra coisa rsrsrs… Abs! Ps. Eram tão amigas que acho que combinaram parar com 18 SLAM cada. Embora Steffi Graf e Mônica Seles chegaram pra acabar com a festa rs

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Ps. Martina jogava tanto que bateu Steffi em duas FINAIS de SLAM. Mas as Quatro perdidas para a Alemã, é que faz a diferença entre as duas. 22 SLAM a 18 . Abs!

          Responder
  18. Paulo Almeida

    O fato é que o tênis e o esporte em geral ficaram muito pequenos perto da paralisação da economia mundial e da luta pela sobrevivência nesses tempos de guerra contra o inimigo invisível.

    Responder
    1. Filipe Fernandes

      Caro Paulo Almeida, verdade.

      Até então muitos prognósticos em relação a futuras datas para a retomada ou o início dos eventos esportivos (tênis, futebol, basquete, F1, vôlei, Olimpíadas etc.) vêm sendo feitos, bem como sobre o retorno da normalidade da vida cotidiana (trabalho, aulas, comércio, atividades de rotina, o simples ir e vir etc.), até porque, minimizada ou mesmo erradicada a epidemia/pandemia, a nossa vida — ao menos a dos que permanecerem vivos — continuará.

      Mas eu fico pensando numa coisa: a cada dia é pavoroso saber o número crescente de óbitos na Itália (bem como em outras partes do mundo) e ver que as famílias enlutadas, no momento, não podem e nem poderão ter nem ao menos a chance de se despedir de perto de seus parentes mortos, pois funerais e enterros, por razões óbvias, estão cancelados naquele país (especificamente na província de Bergamo). Uma situação muito triste.

      Por isso, acho que um país como a Itália (e bem possível que também a Espanha e outros que forem drasticamente afetados) deverá passar por um processo de enlutamento nacional quando essa epidemia acabar, pois o trauma social, mental, emocional e humano (para além do aspecto econômico) será — e já é — muito grande.

      Então, será que, durante esse possível processo, eventos de grande magnitude no mundo (esportivos ou artísticos) serão realizados com a expectativa ou a normalidade esperada? Enfim, é só uma dúvida da minha parte.

      Abraços.

      Responder
        1. rosa maria bernardi

          Realmente, mesmo passada a pandemia, sobrará o luto por tantas vidas perdidas e o colapso por tantas outras perdas que estão se produzindo e que perpassam a vida social como um todo. Será difícil e lenta a retomada aos entretenimentos. Dar-se-á, acredito, mais como uma necessária terapia para tantas dores.
          Que todos estejam tão bem quanto possível e tomando todos os cuidados recomendados e absolutamente necessários.

          Responder
  19. Helena

    Dalcim,

    E os finals, hein? Não vejo o menor sentido de serem disputados esse ano. Vão ter tenistas que se classificaram pelo que fizeram no ano passado, além da questão de dificuldade de data.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não vejo problema com o Finals, Helena. Entrarão os oito mais bem pontuados na temporada que puder ser realizada. Claro que se espera ao menos mais dois Slam e talvez quatro Masters, o que daria mais peso.

      Responder
      1. Helena

        Entendo, mas dependendo de quantas semanas forem disputadas, não vai perder um pouco do sentido do torneio?
        Sinceramente, me parece difícil acreditar na realização de Wimbledon na data prevista, então se realmente o torneio for adiado, será possível encaixar os 3 Slams, os Masters e o Finals? Ou ter um Finals com poucos torneios disputados? Eu acho um torneio legal, mas me parece que esse ano ele pode perder um pouco do sentido.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Não vejo perda de sentido: são os oito de maior destaque dentro da temporada, sejam 9 ou 6 meses. Ainda há um outro fator a considerar: se apertar mesmo o calendário do segundo semestre, como fica o Australian Open de janeiro?

          Responder
          1. lEvI sIlvA

            Bem por aí, Dalcim! Em verdade, acredito em muitas consequências tardias de tudo que ainda está por vir. Muita gente dentro e fora dos esportes especulam sobre quando e como serão os próximos torneios, em especial Slams e Olimpíadas. Veja que, isso ocorreu com frequência aqui mesmo no blog e agora, passado o tempo, a realidade é outra, ou seja, não é questão de quando voltará o tênis, contagem de semanas qual N° 1, Olimpíadas, nada disso. Agora, a dúvida e grande é quando a vida vai voltar aos eixos…!
            Digamos que isso ocorra daqui a 3 ou 4 meses. A Europa ainda está sob alerta, muita gente pode morrer, inclusive muitos parentes, amigos e até profissionais ligados aos top. Daí, a pergunta que fica é, como realizar torneios de grande porte com um clima tão pesaroso mundialmente falando? Ou até, alguém que participa aqui, vai ficar numa melancolia só. Tênis ou esportes em geral perde toda a graça, acho eu. Enfim, muito triste, tudo isso! Desejo boa saúde e muita paciência a todos..!

          2. Helena

            Bom, acredito que seja um questão de opinião. Eu penso no Finals parecido como o prêmio Zamora, que é concedido ao goleiro menos vazado do campeonato Espanhol. Só que para concorrer ao prêmio, o candidato deve ter participado de, no mínimo, 28 jogos com pelo menos 60 minutos em campo. Pensei parecido, que se tivessem poucas semanas, então não teria sentido de existir, ainda mais com um possível atraso do calendário e a proximidade do Australian Open, como você bem lembrou.

  20. Rodrigo S. Cruz

    O Woodbridge pensa da mesma maneira que eu postei:

    Dificilmente o Federer vai querer jogar Wimbledon e RG tão colados.

    E isso eu entenderia numa boa…

    O que me deixaria realmente puto seria o suíço abrir mão de RG para disputar a chatíssima Laver Cup!

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Quanto a “ chatíssima “ Laver Cup , é óbvio que a maioria não concorda , Rodrigo. Você é da turminha que competição por equipes é um saco. Coisa de … deixa pra lá rs Que tal lembrar que o Suíço e fujão segundo alguns manés , já participou de 17 edições de Rolanga ? Ele botou as Olimpíadas na frente de qualquer coisa em 2020. Mas se precisar de pontos pra ir ao FINALS , não tenha dúvidas que irá mais uma vez a RG . Abs!

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Correção : Federer participou de 18 edições com 5 FINAIS . Ainda é o segundo em número de vitórias em Paris somente atrás do Touro. Abs!

        Responder
    2. Rafael

      A qual, no twitter, o Rod Laver (ou quem quer que escreva por ele) falou que está confirmada para a data original, e aproveitou para dar uma indireta pra RG, dizendo que achou “estranha” a decisão deles.

      Responder
  21. Gabi

    O tsitsipas falou que precisa sair de casa para treinar.
    Muita irresponsabilidade.
    Ninguém deveria estar saindo de casa para treinar; ele que treine em casa!
    Tb por isso é imperativo que a Olimpíada de Tóquio seja adiada!

    Responder
    1. Helena

      Muito irresponsável mesmo, principalmente pela possibilidade de poder contagiar os mais velhos. Aliás outra coisa que me chamou atenção na entrevista foi que ele quando ele falou sobre corona focou… nele mesmo.

      Por outro lado, fica o aspecto positivo de ver que tem gente fazendo o contrário. Mesmo sem sintoma, fazendo a quarentena para evitar qualquer mal maior.

      Responder
      1. Gabi

        Exato!! Muito irresponsabilidade consigo e com os outros!!

        É muito espetacular mesmo os que fazem a quarentena e levam o isolamento a sério!! Eu estou e acho que vc tb está!!

        Ontem às 20h30 muitas pessoas (a gente aqui de casa inclusive) foi à janela bater palmas em agradecimento aos profissionais da saúde, todos os funcionários que fazem os hospitais, clínicas, postos de saúde funcionarem, caixas e funcionários dos supermercados, fornecedores, distribuidores, produtores, frentistas, todos que fazem o sacrifício para manter os serviços essenciais funcionando… 👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻 em pé para todos!!

        Responder
        1. Gabi

          Como disse a Angela Merkel em pronunciamento à nação alemã:

          “Desde a reunificação alemã, não, desde a Segunda Guerra Mundial, não houve um desafio para o nosso país que dependa tanto da nossa solidariedade comum”, disse a chanceler durante um discurso ao país, transmitido pela televisão”.

          Responder
        2. Helena

          Incrível foi a explicação. Ele dizendo que ELE precisava treinar. O pior é que essa atitude nem chega a ser surpreendente. Sei que ele é muito bobinho para a idade, mas é incrível a equipe dele ter permitido.

          Sim, também estou em casa. Gostaria de estar andando no parque junto de casa como fazia todos os dias (de domingo a domingo), mas compreendo que a melhor forma de ajuda é ficando em casa. Por aqui também tiveram os aplausos aos profissionais da área de saúde. Esses sim têm que trabalhar e só nos resta agradecer por tamanha dedicação. Como eles disseram, estão saindo de casa por nós, então devemos ficar em casa por eles.

          Agora vamos esperar e torcer por tempos melhores. Fico feliz de ver vários gestos de solidariedade nesse momento inédito e difícil.

          Responder
  22. Sérgio Ribeiro

    E realmente a “ regra não era tão clara “ coisa alguma . Os caras imaginavam que a ATP iria descontar pontos conquistados dentro de quadra ,sem chance de defesa , um completo absurdo. O CONGELAMENTO previsto até 8 de Junho , é mais do que justo. Alguém viu algum TOP reclamando ? E o N 1 sabia que ia ter que esperar um pouco mais na busca do recorde de Semanas . Cravamos que o Conselho dos jogadores não iria se meter. Afinal realmente eles estão no mesmo barco e não estão nadando contra a maré. Abs!

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Ps. Duas semanas foram atualizadas a mais para o N 1. Esta’ no Site da ATP. Ela diz que foi a ÚLTIMA atualização até junho. Vamos aguardar. Abs!

      Responder
  23. Rodrigo S. Cruz

    A Europa tornou-se o novo epicentro mundial da pandemia.

    O descontrole só na Itália pode ser considerado alarmante:

    Mesmo com uma população 20 vezes menor que a da China, o número de mortos já superou o do país asiático. (3400)

    Na Espanha, a situação também é muito preocupante…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      E a França está em total isolamento caseiro. Ou seja, os três grandes centros do tênis europeu do momento estão em luta severa contra o convid-19. Resta torcermos para que encontrem rapidamente medicamentos eficazes que interrompam tantas mortes e sofrimento.

      Responder
  24. Groff

    Alguns mencionaram as olimpíadas e acho que não ouvi ninguém falar isso, então lá vai: vocês acham (Dalcim incluso, gostaria de ouvir sua opinião) que os japoneses não vão tentar mover a competição para o ano que vem, a exemplo do que fizeram com a Eurocopa?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, e acho que é o mais prudente nesta altura, olhando o que está acontecendo na Europa e, mais ainda, a crise econômica que se seguirá.

      Responder
      1. VINICIUS BENEDITO CUSTODIO

        Dalcim entrando na conversa sobre a olimpíada, o presidente do comitê Olímpico já falou sobre o assunto e ele disse que a competição no máximo pode ser movida até dezembro, em caso de não haver a possibilidade, eles irão pular o ciclo olímpico , não sei o quanto disso tem de verdade mas eles poderiam ponderar,e não fizeram, eu acho que podemos ficar sem olimpíada.

        Responder
  25. Sandra

    Dalcim vi em um site que se congelaria o ranking até 8 de junho , fiquei sem entender, caso fosse assim Djokovic não teria + 8 semanas como número 1?

    Responder
  26. José

    Só acho que os recordes de Federer de semanas como n1 e de Slams estão manchados por causa do coronavírus. Todos sabem que Djokovic e Nadal estão em grande nível e podiam passar Federer neste ano mesmo. E ano que vem o nível deles já pode não ser o mesmo.

    Responder
    1. DANILO AFONSO

      Sou NOLISTA e não entende que os recordes do suíço estão manchados, até porque a culpa não é dele do surgimento do vírus e não temos a garantia que alcançariam os recordes já neste ano. E ano que vem tudo é possível.

      Responder
  27. Enoque

    As decisões tomadas, ainda apresentam muito individualismo por parte dos organizadores. Cada um pensando no seu torneio. Acho que ainda dá pra salvar os 3 Grands Slams e mantenho meu palpite de:
    RG 02/08
    WI 06/09
    US 11/10
    Sobra espaço para encaixar alguns torneios simultâneos no final do ano, como já é praticado pelo futebol Inglês.

    Responder
  28. Evaldo Medeiros

    Dalcim, boa noite. Como vai??? Espero que se cuide em tempos tão difíceis para o planeta…. Mas mudando de assunto, ano passado todo mundo lembra de RG (Esse Guy Forget colocou o Thiem sem condição alguma de jogo para jogar a final contra o Nadal, e o resultado todos já sabem). E a última matéria do Tenisbrasil diz que o mesmo Guy Forget “consulta” em primeiro lugar o Nadal antes de definir data para o próximo Grand Slam francês. Poxa, será exagero dizer que esse cara é torcedor do Nadal??? Que história é essa Dalcim???

    Responder
      1. Groff

        Caro Evaldo, se o camarada que já levantou o troféu 12 vezes (?!?) ali e, além de tudo, ainda se mantém como principal favorito (ele praticamente tem a usucapião da Philippe-Chatrier) não puder ter tratamento especial, ninguém mais na vida poderá ter (e olha que eu sou manifestamente contra favorecimentos).

        Responder
    1. Luiz Fernando

      Putz, esse Nadal, foi ajudado pela organização de RG 12 vezes, um escândalo, deveria ser banido do esporte kkk. Mesmo em tempo de coronavírus, com o humor de todos em baixa pela situação do cotidiano, aqui não faltará diversão kkk…

      Responder
  29. Rodrigo S. Cruz

    Se essa pandemia for controlada a tempo da realização de RG na nova data estipulada, eu acho difícil o Federer jogar…

    Tipo, sair do US Open em que dificilmente perderia antes das quartas-de-final, para só uma semana depois jogar um Grand Slam no saibro?

    Na idade dele e pela forma como seu calendário é seletivo, não sei não.

    Mas o Rafael Nadal foi o que mais tomou prejuízo nessa, pois defende 4000 pontos de 2 majors.

    E portanto não pode nem pensar em desistir do Us Open…

    Responder
    1. Vitor Hugo

      Eu já acho bem provável ele jogar Roland Garros, por um simples motivo: Não vai atrapalhar sua preparação para Wimbledon. Como será o último slam do ano vale um esforço.
      Se ele não for bem em New York então, tenho certeza que vai querer jogar.

      Responder
  30. Fernando Pauli

    Dalcim, uma vez o circuito parado até junho e o ranking congelado, o número de semanas como número um também não se conta, ou é contado normalmente? Abs!

    Responder
  31. João Carlos

    Dalcin.. Boa tarde.. Sobre a nota za atp de congelar os pontos dos torneios da primavera europeia.. Pergunto. Se congelará também a contagem de semanas como.n.1 – ja que não existe competiçao acontecendo ?
    Abraço

    Responder
  32. Marcos Ribeiro

    Os 7 países com o maior número de novos casos de coronavirus hoje, 18/03, até as 17 h :
    Italy +4,207
    Spain +2,920
    Germany +2,789
    USA +1,608
    France +1,404
    Iran +1,192
    UK + 676

    Será coincidência que os 5 países europeus com mais casos são os com maior torcida nos estádios de futebol ? E que a presença dos EUA entre os top 7 tem relação com a NBA? E que a presença do Iran na lista tem relação com as peregrinações à cidade sagrada onde a sua epidemia começou? E que isso também explica o Vaticano estar em 2o. lugar na lista dos países com a maior proporção ‘número de casos / população’, superado apenas por San Marino, que vive principalmente do turismo ?

    Responder
  33. Carlos Reis

    Esse vírus MIDIÁTICO Chinês veio para matar idosos e quebrar a economia mundial, cada dia que passa a NOM é mais real…

    Mas não era “Teoria da Conspiração”!?

    Responder
  34. R.P.

    O óbvio ululante aconteceu: todos os masters do saibro cairam com a prorrogação da suspensão da ATP. Ao menos desta vez tomaram uma decisão sobre a pontuação. E que situação constrangedora para Djokovic, atingir mais de 290 semanas no modo stand by.

    Responder
  35. Anderson Nunes

    Não vejo como Nadal seja tão prejudicado, ele não é tudo isso assim em RG, tendo sido eliminado por Soderling, por exemplo.
    Creio que ainda é prematuro dizer que se machucou, uma vez que o calendário possa alterar muita coisa ainda.

    Responder
    1. Miguel BsB

      Kkkkkkkkkk
      Mais um pouquinho…
      Kkkkkkkkkkk
      O Duodeca campeão “não é tudo isso”em Roland Garros?
      Parabéns! Com certeza tá concorrendo ao troféu asneira do ano…

      Responder
  36. Luiz Fernando

    Conforme o José postou abaixo, se tudo estiver normalizado no segundo semestre, o q é aliás provável, me parece inevitável q haja eventos simultâneos (tipo ATP 500 e M1000), a não ser q os q não se realizarem nas datas marcadas sejam definitivamente cancelados. Como RG já remarcou, pq os outros não poderiam fazer o mesmo???

    Responder
  37. Heitor de Oliveira

    RG é que está certo, se mexeu e tomou decisoes antes dos outros. Com isso, pode “escolher” a nova data e os demais agora é que se ajustem

    Responder
  38. evaldo moreira

    Bom dia, Dalcim e galera do blog
    “A consulta a Nadal aparentemente não se estendeu para a grande maioria do circuito e também não chegou ao presidente da WTA e a membros do conselho diretivo da ITF, que se mostraram igualmente surpresos com o anúncio do Slam francês. Resta agora saber quem mais foi consultado antes de Roland Garros resolver trocar a data da disputa.”

    Então, muito estranho isso, embora o adiamento foi responsável, pela compreensão do texto, na minha opinião, o Nadal foi o primeiro a ser consultado?
    Mas porque a federação francesa não fez a consulta por igual para todos que são cabeças de chaves?.
    Não deveria ter feito por igual, ao invés de redes sociais, não tinha outro meio de falar sobre o assunto?

    Alguns reclamaram, e com certa razão, como o texto do Dalcim, explica bem os motivos.
    Dalcim,
    Tendo esta realização deste evento francês, e antes disso, terá a final do US Open e somente logo a seguir Roland Garros, a minha pergunta é, afeta demais e os tenista podem desistir de um, para ter preferência pelo outro?. Ou é obrigatório participam dos dois eventos que serão consecutivos?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Podem é claro não participar, mas você acredita que alguém fora do top 50 vai deixar de jogar e não tentará uma premiação de 100 mil euros de segunda rodada?

      Responder
  39. Rubens Leme

    Não achei nada sensato. É como colocar um onibus em uma vaga de um fusca, porque bagunça a vida dos tenistas, dos outros torneios e patrocinadores. Quem vai ter perna para joga dois Slams consecutivamente? Fora que vai esvaziar a chave, principalmente quem somou muitos pontos na Ásia e não vai se arriscar a perder estes pontos no saibro no mesmo período.

    Muito mais sensato seria cancelar, afinal, se é um problema que atinge o mundo todo, não seria culpa dos organizadores em anunciar o cancelamento.

    A continuar assim, farão Wimbledon na mesma semana ou depois do Finals.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O objetivo deles me pareceu claro, Leme: jogaram para uma data à frente para não ter de cancelar o torneio. Ganharam tempo, a meu ver. Cancelar um Slam é um tremendo prejuízo, tanto para os organizadores como para os tenistas. E não vamos ficar pensando no top 30, mas nos que estão do 50 para baixo. Esses terão sérios problemas se os torneios que podem jogar não forem realizados.

      Responder
      1. Rubens Leme

        Não estava pensado apenas nos tops, Dalcim, mas entendo sua posição porque uma eliminação na primeira rodada de um Slam paga mais do que dois títulos de challengers. Apenas acho que bagunçar o calendário, que já é esprimido, não ajuda em nada, especialmente quando atrapalha outras competições e outros patrocinadores.

        Acho que os torneios não deveriam ocorrer enquanto a situação estiver assim e congelarem os pontos até 2021 e que cada um cuide de sua vida da melhor maneira que puder.

        Responder
  40. Rodrigo Lightman

    Os principais agentes virológicos que atacam o sistema respiratório são rhinovirus, adenovirus, parainfluenza e coronavirus que acarretam resfriados, e são menos letais que o influenza H1N1, H2N2… etc que é mais letal pois produz gripe. Nas mortes por insuficiência respiratória não estão sendo feitas necropsias, apenas painel viral e quando positivo pra Covid 19 a causa mortis é atestada. Mas para saber a real razão é necessário um exame mais aprofundado do tecido pulmonar pós morte. Fica impossível saber quais dessas mortes foram ocasionadas pelo famigerado corona. Acho descabivel, exagerado e insano o que OMS está propagando, assim como a cobertura da mídia, levando o terror aos lares das pessoas. Mas se você vai contra a corrente, é chamado de irresponsável, despreparado e por aí vai. Assim como aqueles que são contra o aquecimento global. Morrem entre 250.000 e 500.000 pessoas por ano em decorrência de algum desses virus, principalmente por influenza, que foi o agente etiológico da gripe espanhola de 1918.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Segundo os especialistas, Rodrigo, o coronavirus não mata. É algo semelhante ao HIV, que também não mata. O que eles fazem é debilitar o organismo – e se existe uma doença preexistente, tanto pior – e aí permitem que outras infecções se aproveitam e causem a morte. Portanto, tem de ser tratado com seriedade e urgência.

      Responder
  41. Paulo Almeida

    De fato é difícil acreditar que a federação francesa de tênis saiu atropelando todo mundo e enfiando seu torneio na data que quis. Vamos aguardar mais informações…

    Responder
  42. Sérgio Ribeiro

    Ainda tem macaco velho que se confunde . O FINALS reúne os 8 melhores de toda a temporada , ou seja , nas 52 Semanas. Se acontecer um coronavírus inédito da vida , e não tivermos 52 e sim 40 Semanas , os 8 melhores destas irão ao FINALS. Aonde isso está escrito ? Em lugar algum …. rsrsrs Abs!

    Responder
  43. Marcos Ribeiro

    Parece que a direção de Roland Garros está contando com a ajuda do verão na luta contra o vírus. Existe esta possibilidade, mas só o tempo vai esclarecer. O mais garantido é fazer o dever de casa, que demorou bastante para começar, mas começou. Quanto à nova data, parece mais com um pré-agendamento, uma pré-reserva de datas, sujeita a confirmação. Os dados disponíveis (principalmente em relação à competência dos governos) não possibilitam nada além disso. Ainda há esperança de vencer o bichinho, mas só com grandes mudanças de comportamento por uns 2 meses. Tomara que o verão no norte ajude bastante, e que aqui no sul nós também façamos a nossa parte.

    Responder
    1. Gabi

      Aqui no Brasil estamos no “verão” e mesmo assim o contágio está tomando proporções exponenciais…
      Aliás, as pessoas nao estão levando o isolamento à serio!! Continuam levando vida normal, saindo de casa, indo a restaurantes, bancos, academia etc… Muito absurdo!! Muitos estabelecimentos estão fechando as portas, mas ainda têm muitos outros abertos. Claro, o colapso econômico das medidas é igualmente exponencial, mas situações extremas requerem medidas extremas.
      Fiquem em casa, por favor!!
      Quem nao fica coloca em risco a vida de todos!!

      P.s.: achei muito sensacional a net/claro/sky abrir o sinal da maioria dos canais para nos ajudar a ficar em casa!!

      Responder
      1. lEvI sIlvA

        Por mais estranho que pareça, (pura ironia) as autoridades só tomaram medidas severas e realmente sérias pouco após o Carnaval. Inúmeros estrangeiros de todo lugar e sabe Deus por onde andaram, entraram no Brasil e estiveram em meio a toda multidão nos blocos espalhados pelo Brasil, bailes de salão etc. Ora bolas, agora vemos suspensas aulas em todos os níveis, no público e particular e muitas outras medidas drásticas. Desestímulo a andar de transporte público, fim do rodízio na capital e tantas outras medidas. Afinal de contas, o problema SÓ agora é que ficou sério? Enfim, há muita coisa acontecendo nos bastidores, e como sempre, somos os últimos a saber!

        Responder
  44. abel Afonso

    Olá Dalcim.
    Essa mudança de data de RG para mim anota uma coisa: Não haverá torneios na Europa até junho ao menos.
    Escrevi em outro post sobre a possibilidade de sequer haver Wimbledon ou de ser com os portões fechados. Eles mesmo já descartaram tal possibilidade.
    Acho mais provável que apenas a partir das Olímpiadas e giro americano é que a temporada retorne a seu fluxo normal.( se não adiarem Tóquio)
    E nisso, teremos a outra definição importante: O ranking.
    Eu não sei que decisão tomarão, más eu proporia o seguinte:
    congelamento na data de 9 de Março.
    Retorno de pontuação nos torneios apenas após o Finals (23/11)
    Acho que deveria ser assim pois não há certeza alguma no calendário.
    Não pode um tenista manter pontos dos torneios onde os conquistou por mais de 52 semanas.
    Teria desvantagem tremenda qualquer um na temporada completa em 2021 se os pontos forem mantidos e não se considerar que, enquanto a temporada foi para valer, alguns estavam melhor colocados do que outros na atual temporada jogada.
    para esta temporada(2020), consideraria aí sim a pontuação total para efeitos de cabeças de chaves e vagas nas chaves dos torneios.
    Acho que é cada vez mais provável a “zeração” dos pontos conforme as datas expirarem. E não veria como inviável os torneios desta temporada seguirem algo como estou dizendo. RG manteria seus pontos apenas por sete meses entre outubro 20 e maio 21?
    vamos ver, mas com toda a incerteza não vai me surpreender se eles não congelarem os pontos, e sim descartá los mesmo que os torneios tenham andamento.

    Responder
  45. Mário Cesar Rodrigues

    Caro Dalcim,antes de tudo teremos que torcer,rezar,orar pois só Deus sabe o que acontecerá no momento atual é só calendário tênis para mim é segundo plano aí que pode acontecer. Reparei e muito pela saúde nem que não tenha torneio este ano.Mas torcerei que todo o mundo fique bem essa é a prioridade. Bem pelo menos os mim abraços.

    Responder
  46. Gabi

    Quem vai preferir treinar no saibro para se preparar para RG antes do US Open?
    Quem pularia o US Open para focar em RG? Mas isso não é possível porque ambos são obrigatórios…

    Responder
  47. Leonel

    Essa notícia me lembra que não fizeram as olimpíadas do Rio no saibro, alegando calendário… poderiamos ter o centro olimpico sendo usado… Paris 2024 é outro exemplo da besteira que fizeram aqui.

    Responder
  48. Enoque

    Não acho que estas datas desencontradas irão prevalecer, grama depois hard e depois voltar para o saibro, não tem lógica.
    Acho que os organizadores e jogadores vão chegar num consenso razoável que eu já adianto aqui:
    Pensando, principalmente na sequencia dos 3 slam restantes, deverão ser sacrificados os torneios de março e abril/2020 e adiados em 10 semanas os demais torneios, sacrificando a gira asiática no final de ano além das olimpíadas e Canadá. As datas seriam:
    Madri 12/07
    Roma 19/07
    RG 02/08
    WI 06/09
    USO 11/10
    Ainda daria tempo de encaixar Paris e Finals em novembro.
    No final do ano, poderia também, haver torneios simultâneos onde cada um escolherá o preferido.

    Responder
  49. José

    Interessante essa mudança de data de RG. Acho acertado. Acredito que o vírus estará mais fraco pela Europa em setembro e não é possível imaginar o ano sem algum dos torneios de Grand Slam.

    Convém nos atentarmos para dois pontos importantes: o Big3 obviamente por ser “experiente” vai sofrer fisicamente com os torneios US Open e RG tão pouco espaçados, porém, quem melhor que os três para fazer ajustes em seus jogos (levando-se em conta a mudança de pisos) tão rapidamente? Existe algum tenista fora do big3 com tantos recursos e experiência de jogo que eles? Com certeza não. Então a mudança de pisos brusca pode ser que ajude estas lendas do esporte. O que acha Dalcim? Eles podem perder por um lado, porém ganhar pelo outro.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não é improvável, não, Marcel. Não se sabe ainda o tamanho do estrago que o coronavírus irá causar não apenas à saúde das pessoas mas também à saúda das empresas, que afinal são quem bancam o circuito. Mas torço demais para que isso não aconteça.

      Responder
  50. Sérgio Ribeiro

    Guy Forget garante que o primeiro a ser informado foi o Espanhol. E este está mais preocupado com o coronavírus que qualquer outra coisa. Apesar dos 4000 pontos a defender. Algo me diz que TODOS os três SLAM terão suas datas alteradas. Tudo em nome de um “ FINAL “ de temporada eletrizante depois de tanto sofrimento. A conferir ! Abs!

    Responder
  51. Rodrigo S. Cruz

    “Nossa, vi um vídeo do Edir Macedo dizendo que o coronavírus é inofensivo e que a mídia e Satanás promovem medo.
    Quem está com medo é esse canalha de perder o dízimo que seu gado fiel coloca em sua conta todo mês”.

    Edir Macedo é um tremendo IDIOTA.

    Pra mim, ele só envergonha a religião evangélica.

    Triste admitir isso, mas é verdade…

    Responder
    1. lEvI sIlvA

      Mal dos dias atuais, Rodrigo, infelizmente. Há inúmeros líderes em todos os segmentos da sociedade que influenciam as massas, muitos dos quais, tão sem noção quanto ele. O pior absurdo, não é o que dizem, mas ver o povo seguir tanta incoerência. Isso não vai mudar, pois as pessoas parecem gostar de ser enganadas. O marketing está aí pra isso, vender ideias, por mais absurdas e surreais que soem…

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Eu não estou generalizando, Levi.

        Existem líderes evangélicos que eu admiro bastante.

        Mas como em todo segmento se destacam os dignos e os indignos…

        Responder
    2. Bruno Gama

      Se o Brasil fosse um país sério, o Edir Macedo já estaria preso há muito tempo.
      Até Angola, que é um país muito mais pobre, as igrejas dele foram banidas, espero que isso ocorra no Brasil algum dia.

      Responder
    3. Alessandro sartori

      O bispo Macedo e aquele que a cerca de 25 anos atrás foi gravado por um dos sócios mostrando como TOMAR dinheiro das pessoas…o vídeo até hoje se acha fácil no google com cerca 9 minutos…”ou da ou desce”…por que será que o exército das fake News não mostra nada contra eles hein?

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *