Renovado, Brasil cai mas empolga na Davis
Por José Nilton Dalcim
7 de março de 2020 às 11:06

Derrotas nunca são bom resultado, porém o time brasileiro que se aventurou a cruzar o Pacífico pela segunda vez em 60 dias cumpriu seu dever com louvor e, de forma um tanto inesperada, chegou a ter real chance de derrotar o time B da Austrália.

Antes que alguém relativize isso, frise-se que esse grupo ‘reserva’ ainda tinha seus dois jogadores de simples com ranking bem mais alto que os de Thiago Monteiro e Thiago Wild, sem falar na óbvia adaptação muito superior ao piso sintético coberto escolhido e à torcida a seu lado.

Caso WIld tivesse surpreendido o 43º do mundo na sexta-feira – e ficou bem perto disso, numa atuação espetacular, quando chegou a sacar para a vitória no segundo set -, e o resultado poderia ter sido totalmente diferente. É louvável tanto a disposição física como a postura tática de Wild.

Vindo do saibro de Santiago, onde fora campeão no domingo, ele teve apenas três dias para se adaptar ao penoso fuso horário e à superfície e bolas distintas. Certamente, ele e o capitão Jaime Oncins planejaram um jogo de risco diante de Millman, um adversário de enorme experiência no circuito mas pouco rodado na Davis, e o paranaense cumpriu à risca, jogando dentro da quadra o tempo todo. Comandou os pontos, fez devoluções incríveis, encurralou o australiano com o forehand tão afiado e só falhou mesmo na hora de fechar a partida. Depois obviamente as pernas e a cabeça cansaram e Millman, que é um paredão, se safou.

Monteiro fez um jogo de altos e baixos na sexta-feira, chegou a reagir bem no segundo set mas parou em Jordan Thompson, 63º do mundo e portanto 19 postos à frente do cearense. No sábado, Monteiro também encarou de frente Millman e caiu em três tiebreaks, num jogo disputadíssimo de 3h08, em que se mostrou novamente bem mais à vontade na quadra sintética, como fizera em Auckland e no Australian Open.

Faltou talvez um pouquinho mais de agressividade no segundo set e ainda mais no tiebreak, onde poderia jogar com a grande pressão que estava em cima de Millman. Não vamos esquecer que, em Melbourne, o australiano levou Roger Federer ao quinto set, o mesmo suíço a quem derrotou no US Open de 2018. Ou seja, está longe de ser um adversário qualquer no piso duro.

Por fim, magnífica atuação da dupla feita entre o experiente Marcelo Demoliner e o estreante Felipe Meligeni, que nos deu o único ponto em Adelaide. Quase três horas de intensas emoções e um tênis muito versátil das duas parcerias, que se revezaram nas chances. Vale ressaltar os 17 breaks-points que os brasileiros construíram na partida – não existe na Davis o ‘ponto decisivo’ -, dos quais aproveitaram quatro.

Enquanto Demo foi magnífico no trabalho de rede, com movimentação que várias vezes surpreendeu os australianos, Felipe mostrou personalidade com ótimos golpes da base, lobs inteligentes e frieza na hora de sacar para fechar o jogo. As últimas semanas foram de experiências gigantes e positivas para o sobrinho de Fernando Meligeni, que não duvido amadureceu muito nesse curtíssimo espaço de tempo e pode usar isso agora quando voltará aos challengers.

E como fica o Brasil agora na Davis? Teremos de esperar o sorteio da semana que vem para saber quem enfrentaremos em setembro, entre os 12 países que estão disputando o Zonal 1, tais como Ucrânia, Suíça, África do Sul, Noruega, Portugal e Romênia. O sistema é o mesmo deste fim de semana, ou seja, alternância de sedes e cinco jogos em melhor de três sets e apenas dois dias. Se a sorte ajudar, a vitória recolocará o time de Oncins – renovado e mais experiente – no quali mundial de fevereiro de 2021.


Comentários
  1. Barocos

    Se as pessoas tivessem bom senso e tomassem as devidas precauções, como não expor ao contágio outros quando doentes, estas medidas, talvez, não fossem necessárias, mas, como evidente pelos comentários de alguns aqui do blog, isto não é algo com o quê as autoridades de saúde possam contar. Infelizmente, esta decisão extrema parece-me bem razoável.

    Pelo que li, este vírus tem uma letalidade, estimada, alta, até 10 vezes superior à atribuída à influenza e doenças similares, que matam cerca de 46.000 americanos todo ano, além de hospitalizar 12 vezes esta quantidade. Multiplique os últimos dados por 10 e fica fácil de entender o porquê da agitação das agências de saúde pelo mundo, poucos lugares estão preparados para lidar com as consequências que uma pandemia desta monta pode exercer sobre os sistemas de medicina. Como já repetido inúmeras vezes pelos meios de comunicação, embora de forma pouco profissional algumas vezes, não é uma questão de se esta doença atingirá comunidades próximas a nós, mas quando.

    Vou lembrar aqui um comentário feito há muito tempo atrás por um médico e farmacologista amigo meu, Miguel Lemos, sobre um outro vírus que causou enormes problemas para as sociedades, o HIV: “.. vírus são organismos que sofrem muitas mutações, inclusive enquanto estes se disseminam, e é muito provável que as cepas subsequentes sejam menos virulentas (agressivas), claro, o contrário pode acontecer, mas a probabilidade é menor “. Que as palavras dele se mostrem proféticas.

    Os mais vulneráveis, com sempre, são os mais idosos e aqueles que apresentam condições pré-existentes de baixa imunidade e/ou outros problemas de saúde.

    Quem quiser se informar de um sítio sério pode ler mais no seguinte endereço:
    https://arstechnica.com/science/2020/03/dont-panic-the-comprehensive-ars-technica-guide-to-the-coronavirus

    Um abraço fraterno e votos de um percurso suave para todos nós, familiares, amigos e o mesmo para os desafetos.

    Responder
  2. Sandra

    Dalcim, você não acha que se cancelaram o Indian Wells , não foi por causa de apenas uma pessoa infectada pelo coronovirus ,mas sim por muitos mais pessoas, americano não perde dinheiro assim tão fácil !!!!

    Responder
  3. Rafael

    Muito desagradável o cancelamento de Indian Wells. Imagine o Thiem perdendo 1000 pts porque não terá chance de defender seu título. E o 3o. lugar no ranking, que ele alcançou com muito suor?

    Por outro lado, também seria injusto manter as pontuações que os jogadores tiveram no ano anterior sem jogar e ver o que aconteceria. Talvez a menos pior das alternativas fosse fazer o torneio com portões fechados.

    No link abaixo, alguns dos top jogadores discutem o cancelamento do torneio devido ao coronavirus:

    https://www.google.com/url?sa=i&url=https%3A%2F%2Fwww.reuters.com%2Farticle%2Fus-china-health-deaths%2Fdata-suggests-virus-infections-under-reported-exaggerating-fatality-rate-idUSKBN1ZZ1AH&psig=AOvVaw2pr27z5nyNAC2XHCiPRh15&ust=1583836094776000&source=images&cd=vfe&ved=0CAIQjRxqFwoTCJDI2-qXjegCFQAAAAAdAAAAABAD

    Responder
  4. Paulo Almeida

    Becker tem dor de cotovelo por ter sido chutado da equipe do GOAT Djokovic, mas obviamente ele sabe que o melhor da história é o sérvio, assim como Agassi e Sampras. O Big Three dos anos 90 é team Magic Nole.

    Responder
  5. Gabi

    Ben Rothenberg perguntou: entao… o que vcs vão fazer com o tempo livre agora que Indian Wells foi cancelado?

    Trabalhar.

    Mas o Sergio Ribeiro:

    1. Trabalhar
    2. Ligar para o hotel e cancelar a reserva
    3. para cancelar voo
    4. Cancelar aluguel do carro
    5. Cancelar o embarque do pet
    6. Cancelar uber para o aeroporto
    7. Fazer novos planos para o final de semana
    8. Aguardar muito ansiosamente IW 2021

    Responder
  6. VINICIUS BENEDITO CUSTODIO

    Dalcim com cancelamento de IW, os pontos vão ser descontados normalmente como se o torneio tivesse sido realizado, vc não acha isso injusto?um torneio talvez não seja grande coisa, mas a perspectiva não é boa, Miami está em eminência de cancelamento também acredito, tem eventos na cidade já sendo cancelados, depois vem Monte Carlo, Roma que são torneios em países em o corona está muito presente, eu sei que pergunta é baseada em vários “se” mas acho injusto os pontos caírem, imagine se cancelam pelo menos esses 4 eventos, ainda tem RG que pode entrar nesse bloco, eu acho que a ATP/WTA deveria congelar esses pontos até realização do torneio ano que vem, qual sua opinião?e vc acha que pode acontecer de ela congelar?

    Responder
  7. Vitor Hugo

    A organização de Indian Wells fez o certo em cancelar o torneio, já que Roger não vai jogar. Seria um desastre de público. Kkkkk

    Responder
    1. DANILO AFONSO

      Que comentário desnecessário!!! Lamentável !!

      Já imaginou os vários fãs que compraram passagem, hospedagem e ingresso para o evento??? Que frustação !! Certeza que alguns torcedores brazucas rodaram nessa.

      Não precisa ser nenhum expert para imaginar que se dependesse de você, o caos prologaria até antes da temporada de grama, quando então o suíço estará de volta.

      Sou fanático também, mas nem perto de torcer ou tirar onda com algo desta magnitude, nem mesmo lesão de adversário do meu ídolo.

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Acho que foi a salvação da lavoura, viu…

      Pois contar com o Djokovic e seu joguinho feio como atração principal é foda.

      É a mesma coisa de usar um ESPANTALHO para atrair aves num milharal…

      (rs)

      Responder
    3. evaldo moreira

      Bom dia,
      “A organização de Indian Wells fez o certo em cancelar o torneio, já que Roger não vai jogar. Seria um desastre de público. Kkkkk”

      Vitor Hugo, como bom federista que você é , e eu me incluo nessa, Roger faz falta sim, ainda mais em torneios importantes.
      Mas esse seu comentário, não se foi uma brincadeira, ou para distrair, não sei, mas o certo é que que ao cancelarem esse torneio, que é importante, foi no intuito da saúde, e em se tratando de saúde pública, os americanos não brincam serviço, fato.

      O coronavírus já chegou em grande parte no mundo e é preocupante, nada mais justo cancelarem esse evento , ainda de porte grande que atrai um público notável, justo cancelarem sim, já imaginou algum tenista pegar essa doenca?. E se for tenista top!?. Porque pessoas comuns, temos vários no mundo com esse vírus, então nada mais justo cancelarem o torneio.

      Dalcim, o que você achou do cancelamento de Indian Wells?

      Responder
    4. Paulo F.

      O torneio é suspenso decorrente de uma epidemia mundial, mas o “abençoado” que só enxerga Federer, Federer, Federer, Federer, Federer, Federer, Federer, Federer na vida, acha que o torneio foi cancelado pela ausência do suíco.

      Responder
  8. DANILO AFONSO

    LUIZ FERNANDO é sem dúvida o torcedor do NADAL mais NOLISTA desse blog.

    Vem logo fazer parte da torcida que mais cresce no circuito há vários anos. Já são milhões de Kombis espalhadadas pelo mundo…kkk

    Zoando nobre !! Tirando os extremistas, quem torce para Nadal ou Novak, tem grande simpatia pelo outro.

    Responder
    1. Vitor Hugo

      Está crescendo mesmo, só aqui no blog. Não vi tanta torcida assim na semi-final contra Monfis em Dubai ou na final do Austrália Open.

      Responder
    2. Luiz Fernando

      Não sou e nunca serei nolista, sou Rafa, mas reconheço as imensas e indiscutíveis qualidades do cara. Entre ele e Federer, sempre torcerei pelo Djoko, a não ser q Rafa seja favorecido em caso de vitória do suíço…

      Responder
  9. Gabi

    Luiz Fernando, não sei se vc ainda tá acompanhando a NBA e o nosso Boston…
    Se sim, deve estar tão p.qto eu com a derrota para o OKC hj… ainda mais como foi.
    A roubada de bola do Schröeder para cima do kemba walker a 8s do fim foi (ok, muito sensacional) mas tb lamentável… pq virou o jogo e garantiu a vitória! Qual o problema dos Celtics segurar uma bola pra ganhar o jogo nos segundos finais? Estava 104 a 103 para a gente aos 13s…

    Se não, bom, tá poupando tuas coronárias rsrs!!

    P.s.: mais cedo, Lebron foi muito decisivo para cima dos Clippers!! Muito jogaço!! Viva a temporada regular da nba com jogos todos os dias e com os atletas dando a vida em quadra!!

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Torcer pro Celtics é parecido com torcer pro Sampa, é certeza de passar raiva e ficar p da vida como vc postou; o lance final em que o Kemba perdeu a bola foi de irritar até um monge recluso ha um milênio. Torcer pra Ferrari e pro Real está chegando perto, ou seja, neste ano as coisas não estão boas pra mim kkk…

      Responder
      1. Gabi

        Pense que poderia ser pior e vc ainda torcer para o meu Coxa… hihihi (perdeu para o magistral manaus na primeira fase da copa do Brasil, acredita?).

        Se bem que o teu São Paulo tb é motivo de muita angústia…

        Responder
  10. DANILO AFONSO

    Dalcim, hoje após treinar 60 minutos no paredão, acessei o YouTube procurando alguns vídeos com dicas de treino, oportunidade que ache de cara um vídeo seu de 2014 abordando sobre o assunto.

    https://youtu.be/yCqdQAz3L4A

    O vídeo é sensacional !! Tirando o smash de esquerda e os slices de forehand que exigem muita técnica e treino, os outros golpes passei menos vergonha…kkk

    Você as vezes treina no paredão?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Esse vídeo foi realmente sensacional. Olha, eu tento, mas infelizmente são poucos os lugares que ainda mantêm paredão hoje em dia.

      Responder
  11. Gabi

    Estou lendo a muito sensacional autobiografia do criador da Nike, “A Marca da vitória”.

    Muito recomendo.

    Lá pelas tantas o Phil Knight conta que lá em 1972 já sabia que o endosso de um atleta conhecido era muito importante para divulgar a sua marca. Se quisessem competir com a Adidas, Puma – aliás, têm um livro e uma série muito bons sobre a briga dos irmãos e donos dessas duas empresas-, Gola, Diadora, Wilson, Spalding etc, precisaria de grandes atletas usando e aprovando a sua marca.

    Foi então que, em 1972, logo após o muito terrível atentado nos Jogos Olímpicos – onde 11 atletas israelenses foram sequestrados e assasinados – a sua empresa, então Blue Ribbon e em crise com a sua então fornecedora e falcatrua Onitsuka, foi atrás adivinhe de quem para oferecer um acordo de 5 mil dólares?!

    O romeno Ilie Nastase!!

    Nasty estava destruindo todos os adversários no seu caminho usando um par novinho em folha do Nike Match Point. Toda vez que ele dava um smach, toda vez que se erguia na ponta dos pés e lançava mais um saque, o mundo via o swoosh da logo da Nike.

    Na conversa com o Nasty, Phil ofereceu 5 mil dólares. O agente do romeno pediu 15 para usar o material da Nike. No finam fecharam em 10 mil. Na época era um dinheiro que a empresa não tinha… mas tinha uma celebridade do mundo do esporte como garoto-propaganda.

    Responder
  12. Vitor Hugo

    Prezados, melhores da história piso por piso:

    Grama: 1- Federer 2- Sampras 3- Laver 4- Borg 5- Roy Emerson
    Saibro: 1- Nadal 2- Borg 3- Lendl 4- Wilander 5- Guga
    Hards: 1- Federer 2- Sampras 3- Djokovic 4- Connors 5- Agassi

    Pode ser que eu tenha sido injusto com alguém das antigas, mas creio que está tudo bem lógico.
    Coloquei Sampras como segundo nas hards porque o estaduniense jogou na época em que os pisos não eram padronizados, época mais difícil. Federer também jogou um pouco na época de não padronização.

    Roger é o melhor em dois dos três pisos disputados. Nadal é o melhor absoluto no saibro. Borg e Sampras estão entre os melhores em dois pisos.

    Sendo assim, melhores da história:

    1- Federer
    2- Borg
    3- Sampras
    4- Nadal
    5- Laver

    Responder
    1. João ando

      Vitor Hugo …Esse teu ranking cai por terra a partir do momento que na época do rod laver a maioria dos pisos era de grama. …ranking sem noção …me desculpa Roger o priemiro e laver o segudno depoiscada um escolhe o seu …

      Responder
  13. Vitor Hugo

    Cilic, Sandgren, Wilander consideram Novak o melhor da história. Agassi considera Nadal. Thiem, Tsipas, Laver, Guga, Stan, Sampras, Tony Nadal, Boris Backer, Big Mac, Kyrgios, Paes, alguns deles com currículo bem maior que Cilic consideram Federer o melhor da história.

    Detalhe: Boris Backer treinou Novak e era o técnico do sérvio quando Djokovic derrotou ‘o velho Federer’ em três finais de slam. Treinou Novak, viu de perto, e sabe como o suíço é muito superior. Não à toa a declaração do alemão foi depois de treinar o sérvio, mesmo após as vitórias.

    Responder
  14. VINICIUS BENEDITO CUSTODIO

    Dalcim desculpe fugir do assunto, mas as vezes fico pensando na possibilidade do Federer jogar duplas a longo prazo, ele ainda tem lenha para queimar nas simples mas eu sinto que ele poderia depois de sentir que nas simples não iria conseguir mais por causa da questão física, jogar duplas e ele poderia se dar bem lá obviamente e ainda dar uma popularidade para a categoria e ainda jogar até uns 43-44. Eu acho difícil ele topar mas eu acho que seria demais isso…o que você acha?acha que seria legal e vc acha que existe a possibilidade de ele talvez pensar nisso?

    Responder
  15. Evaldo A Moreira

    Bom dia,
    Concordo com alguns florista , sobre os jogos do Monteiro, se Menezes ou Wild deveriam enfrentar Thompson, acredito que sim.

    Vi o jogo , esse australiano é meia boca, por mais que Monteiro esteja bem no piso, como recentemente , o que mais me irritou na partida , foi a mudança na trajetória, em vez de aprofundar mais, ou seja, encurralando o cara la trás, o que ele fez, mudou abruptamente para o outro lado , com a bola parando na rede.

    Perdeu, perdeu , oscilou demais, sim demais, mas está numa crescente Boa, só precisa prestar mais atenção no jogo, em especial nos pontos cruciais.

    Wild muito bem numa crescente Boa, as duplas idem, sim , temos esperanças e esse 2020 promete pra eles, a ço ferir….
    * O post sobre o Brasil, e o povo com outros assuntos de sempre, vamos diversificar galera…..

    Responder
    1. Evaldo A Moreira

      Corrigindo ,
      Primeiro parágrafo: floristas…., é florista rsrsrs….
      No último parágrafo: cocefir com ç, tá errado, é conferir.

      Parabéns para as mulheres do mundo inteiro, em especial , parar mulheres que participam aqui no blog, e claro, se permite Dalcim, para minha esposa, obrigado.

      Responder
  16. Antônio Luiz Júnior

    Acho que a maior lição que a esquipe brasileira trás da Austrália é de tem tênis para disputar a fase final da Davis em 2021. Perdemos os dois jogos contra o Millman porque nos momentos decisivos nossos dois tenistas Wild e Monteiro falharam. Esta é a chave para vencer jogos grandes. É o momento do game ou do set que não pode haver oscilações. Vejo Wild cada dia mais preparado para brilhar, que direita espetacular ele tem. Felipe Meligeni também é uma grata surpresa, tem a raça do tio, mas muito mais condição técnica. Acho que com Jaime Oncins no comando estamos no caminho certo. É esperar para ver.

    Responder
  17. DANILO AFONSO

    VOCÊ SABIA ???

    Há quase 10 anos, NADAL e DJOKOVIC formavam dupla no Master 1000 de Toronto.
    A parceria foi histórica, pois era apenas a segunda vez na era aberta que o 1º e 2º do ranking de simples formavam dupla. Até então, a primeira e única vez tinha ocorrido há 34 anos, em 1976, quando o então número 1 do mundo, Jimmy Connors, se juntou ao compatriota Arthur Ashe.

    A ideia da parceria partiu de DJOKOVIC durante o torneio de Wimbledon daquele ano, poucas semanas depois do FEDERER ter recusado o convite do espanhol para fazer parceria em outro torneio.

    Naquela temporada 2010, tanto NADAL (24 anos) quanto DJOKOVIC (23 anos) vinham de títulos jogando duplas, o espanhol conquistara o Master 1000 de Indian Wells com o compatriota Marc Lopez e o sérvio o ATP 500 na grama de Queen ao lado do israelense Jonathan Erlich.

    Infelizmente a parceria durou apenas um jogo, a dupla perdeu nas estreia para os canadenses MILOS RAONIC e VASEK POSPISIL, ambos na época com apenas 19 anos.

    Placar 5-7/6-3/8-10

    Algo me diz que ainda teremos a honra de ver NADAL e DJOKOVIC jogando dupla, talvez perto do final de carreira, entre 2024 e 2026, quando ambos já não estarão ligando para o ranking.

    O resumo do jogo você pode ver no link abaixo:

    https://www.youtube.com/watch?v=xVr7lIXHSkk

    Responder
      1. DANILO AFONSO

        Verdade nobre !!

        A fonte que colhi a informação não citava “500”, eu que distraído pelo atual calendário me enrolei…kkk

        Mas você tem que concordar que do texto acima, a citação de Queen era a menos relevante no contexto do fato histórico.

        Responder
  18. Enoque

    Estou postando de novo, porque deu trabalho fazer este levantamento. Antes da era big 3, a idade do auge dos grandes tenistas do passado era em média 23 anos. Considerando que um domínio é inquestionável quando se mantem por 1 ano ou mais de maneira consecutiva. Assim, listo a sequência histórica:
    Tenista semanas de/até idade
    Connors 160 jun/74 – ago/77 21/24
    Borg 67 mar/80 – jul/81 23/24
    Mc Enroe 58 ago/81 – set/82 22/23
    Lendl 157 set/85 – set/88 25/28
    Sampras 82 set/93 – abr/95 22/23
    Sampras 102 abr/96 – mar/99 24/27
    Hewitt 75 nov/01 – abr/03 20/22
    Federer 237 fev/04 – ago/08 22/27
    Nadal 46 ago/08 – jun/09 22/23
    Nadal 56 jun/10 – jul/11 24/25
    Djoko 53 jul/11 – jul/12 24/25
    Djoko 122 jul/14 – nov/16 27/29
    Djoko 52 nov/18 – nov/19 31/32
    Djoko ? fev/20 – ? 32/

    Responder
  19. Rubens Leme

    Dalcim, na corrida para Milão deste ano temos três entre os 50 primeiros. O Wild, que é o segundo (e 34 na corrida para Londres), o João Lucas, 42 e o Mateus de Carvalho, 48. E a lista até 100 é acrescida com o Gilberto Klier, 98.

    Tomara que essa meninada amadureça bem e dê frutos no futuro. Estamos precisando.

    Responder
  20. Rubens Leme

    A melhor coisa do Wild é que agora a gente pode desencanar de ficar acompanhando e se contorcendo e sofrendo com o Bellucci e sua via crucis em chalengers. Vamos torcer para que ele, Monteiro e a nova geração comecem a colocar o Brasil novamente em torneios grandes.

    Responder
  21. Paulo Almeida

    Wilander, Agassi, Sampras, Ivanisevic, Nadal, Cilic, Tyson Otto, Dácio Campos, Narck Rodrigues, Domingos Venâncio, Flávio Saretta, Fernando Nardini e mais uma infinidade de nomes importantes…

    Todos sabem que Djokovic é o maior, melhor, mais completo e mais talentoso de todos os tempos. Fato dos fatos!

    Responder
    1. Maurício Luís *

      Acredito que escrever diversas vezes que Djoko é o maior não vai fazer nenhum fã do Federer mudar de lado. Mas, se isso o faz se sentir bem, divirta-se.

      Responder
    2. Flavio

      Deixa de ser besta Paulo Almeida, pois ´ninguém é mais talentoso que o Federer,tanto é que ele é chamado de maestro por causa da sua alta qualidade técnica, porque devolve com apenas uma das mãos, o Djokovic pe um grande jogador mas não tem a genialidade do Federer,então entenda isso seu cérebro de minhoca fanzoca do Djokovic, seja pelo menos coerente.

      Responder
  22. DANILO AFONSO

    Dalcim, peço licença para republicar uma estatística que me tomou muito tempo e que possivelmente não foi vista pelo solicitante MARCELO MORAIS, pois a estatística foi liberada no outro texto no mesmo momento que o Blog criou o atual título.

    “Nobres, levantei alguns dados estatísticos do BIG 3, na qual comparo o aproveitamento do trio isoladamente durante toda carreira contra todos adversários e também comparo os mesmos dados estatísticos quando os membros do BIG 3 duelam entre si.

    Estatística do BIG 3 na carreira (contra todos tenistas):

    FEDERER / NADAL / DJOKOVIC
    % Aces – 10,07% /4,23% / 7,05%
    % Dupla Falta – 2,43% /2,20% / 2,95%
    % 1º Serviço – 62,10% / 68,34% /64,95%
    % Pts. Venc. 1º Serv. – 77,44% / 68,34% / 64,95%
    % Pts. Venc. 2º Serv. – 57,04% /57,44% /55,52%
    % Break Points Venc. – 41,17% /44,87% /44,47%
    % Break Points Salvos – 67,27% /66,36% /65,41%

    Vejamos abaixo quais são os números apurados quando os membros do BIG 3 duelam entre si:

    FEDERER x NADAL
    % Aces – 8,6% / 2,5%
    % Dupla Falta – 1,7% /1,7%
    % 1º Serviço – 62,9% /73%
    % Pts. Venc. 1º Serv. – 70,2% /66,9%
    % Pts. Venc. 2º Serv. – 49,7%/54,9%
    % Break Points Venc. – 36,8% / 41,1%
    % Break Points Salvos – 58,9% /63,2%

    FEDERER x DJOKOVIC
    % Aces – 9,8% /5,6%
    % Dupla Falta – 2,3% /3,2%
    % 1º Serviço – 61,7% /64,4%
    % Pts. Venc. 1º Serv. – 73,1% /68,8%
    % Pts. Venc. 2º Serv. – 50,9% /54,6%
    % Break Points Venc. – 36,3% /39%
    % Break Points Salvos – 61% /63,7

    NADAL x DJOKOVIC
    % Aces – 3,6% /6,4%
    % Dupla Falta – 2% / 2%
    % 1º Serviço – 68,2% / 65,7%
    % Pts. Venc. 1º Serv. – 65,2% /68,1%
    % Pts. Venc. 2º Serv. – 51,5% /52,5%
    % Break Points Venc. – 43,5% /41,3%
    % Break Points Salvos – 58,7% /56,5%

    Analisando algumas estatísticas levantadas:
    – % Aces – Quando o Big 3 se enfrenta, o porcentual de aces é bem menor quando comparamos com o aproveitamento geral contra todos adversários;
    – % Dupla Falta – O BIG 3 comete menos duplas faltas quando se enfrentam, a única exceção é Djokovic quando joga contra o Federer;
    – NADAL é o que mais joga com o 1º serviço mesmo quando enfrenta Federer e Djokovic, atingindo 73% quando joga contra o suíço, superando a marca de 68,34% que possui na abordagem contra todos tenistas;
    – NADAL piora muito o seu percentual de aces quando enfrenta o Federer, pois o aproveitamento do espanhol reduz de 4,23% (contra todos adversários) para 2,50% quando duela contra o suíço, o que equivale a redução de 59,10%;
    – FEDERER leva vantagem no aproveitamento de pontos vencidos com 1º serviço contra Nadal e Djokovic, mas tem números inferiores no aproveitamento de 2º serviço contra a dupla;
    – DJOKOVIC possuí melhor percentual de pontos vencidos com 2º serviço contra a dupla;
    – DJOKOVIC melhora o seu aproveitamento de pontos vencidos com o 1º serviço quando enfrenta FEDERER e NADAL, saltando de 64,95% contra todos adversários para 68,8% e 68,1% contra a dupla, respectivamente;
    – FEDERER que salva mais breaks points quando levamos em consideração todos jogadores que já enfrentou na carreira, perde nesta mesma estatística quando enfrenta Djokovic e Nadal ;
    – NADAL é superior a Djokovic e Federer no percentual de breaks points vencidos e salvos.”

    Responder
    1. Jonas

      “FEDERER que salva mais breaks points quando levamos em consideração todos jogadores que já enfrentou na carreira, perde nesta mesma estatística quando enfrenta Djokovic e Nadal”

      Perfeito kkkkkkk, é nítido que a pressão contra esses caras é MUITO maior.

      Responder
  23. Maurício Luís *

    Vou tentar resumir o seu conceituado post: perdemos os jogos, mas ao menos desta vez ganhamos esperança.
    A esperança, em qualquer situação, é a motivação pra se seguir em frente.

    Responder
  24. VITOR FERREIRA BOICO

    Dalcim, boa tarde!
    Quem escolhe o número 1 ou 2 do time é o capitão? ou é por ranking?
    Pois pensando aqui imagino que seria mais interessante deixar o Wild como primeiro, garantindo 2 confrontos para o mesmo, pois venhamos e convenhamos apesar da boa partida do Monteiro, o mesmo é no máximo um bom coadjuvante para o Time.
    Att

    Responder
  25. Ronildo

    Verdade, o Megligeni está jogando muito. Tem uma perspectiva boa de ganhar alguns challengers e depois entrar na chave de RG através do qualificatório. Então RG pode ter 3 brasileiros: Monteiro, Wild e Megligeni.

    Responder
  26. VINICIUS BENEDITO CUSTODIO

    Mesmo com a derrota estou animado com essa seleção dalcim. wild,Menezes, Meligeni, orlando, matos da nova geração, monteiro e demoliner se consolidando, melo e Bruno nem precisa dizer, eu consigo ver essa equipe jogando o grupo mundial no ano que vem se as evoluções do Menezes e principalmente do wild continuarem, coisa que eu não sentia mesmo na época em que o belucci estava entre os tops, eu sinto que o Menezes pode ser um ótimo segundo jogador, tenho mais fé nele do que no Monteiro. E wild ser o cara. O que vc acredita dalcim, estou me iludindo ou vc também vê essa equipe com um potencial enorme em 2021-22?

    Responder
  27. Jonas

    “Não há dúvida de que Novak Djokovic é o favorito para vencer o Indian Wells. Até agora ele não perdeu nenhum jogo nesta temporada e parece que sua sequência vai durar algumas semanas mais. ‘Nole’ é o melhor jogador de todos os tempos em seu auge, ele tem um tênis incrível e poucas falhas”, afirmou o croata Marin Cilic.

    Mais um que enxergou o óbvio, croata ainda.

    É um domínio absurdo, o sérvio é muito acima do resto.

    Responder
  28. Alexandre de Magalhães

    Olá José Nilton. Logo de duas madrugadas de tênis, penso que há esperança para o Brasil na Copa Davis. É chato perder, mas a atitude e o jogo foram muito bons. Ninguém esperava que tudo fosse definido nos detalhes. Se tão só um dos jogos contra o Millman tivesse ficado conosco, ganhávamos. O Wild tem muita qualidade e um teto alto. Monteiro é um jogador consolidado no seu nível e tem margem para avançar. O Menezes é também um grande jogador e mostrou no Pan que honra a camisa verde-amarela. Bruno, Marcelo e Demo são duplistas de excelente nível. O Jaime Oncins parece ser um técnico bem centrado e que ajuda o time a manter a cabeça no lugar. Tomara que as coisas sigam por esse caminho.

    Responder
  29. Walter

    Dalcim, vc não acha que o João Menezes joga melhor que o Monteiro no piso rápido? O João tem mais variações e na minha opinião teria mais chances, principalmente no primeiro jogo contra o Thompson, concorda?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, estamos falando num tênis nível top 50 e Monteiro está bem mais perto disso do que o Menezes. Além disso, Monteiro jogou muito bem no piso sintético em dois torneios na Austrália.

      Responder
  30. Nattan Labatto

    Poxa, uma pena mesmo, Dalcim. O Brasil esteve bem perto e flertou com a vitória… Enfim, fica a derrota mas tb O aprendizado e amadurecimento para uma equipe q convenhamos, ñ tem todo o apoio e incentivo $ que tem o time da Austrália. Parabéns p os brazucas, merecem o troféu de ter jogado de igual para igual.

    Mudando um pouco o foco, fiquei contente em ler essa declaração do Marin Cilic: “Não há dúvida de que Novak Djokovic é o favorito para vencer o Indian Wells. Até agora ele não perdeu nenhum jogo nesta temporada e parece que sua sequência vai durar algumas semanas mais. ‘Nole’ é o melhor jogador de todos os tempos em seu auge, ele tem um tênis incrível e poucas falhas”.

    Nada mal, parece que a torcida da combi tá crescendo 😎 … Daqui a pouco ñ cabe em um Cruzeiro rsrsrsrs… Pertinente a colocação de um cara que já foi number 4 do Ranking e tem um Usopen na bagagem. Sem mencionar que ele já enfrentou todos os integrantes do extinto big 4 e conhece como poucos o circuito da ATP.

    Uma caminhada de mil passos começa com o primeiro. Idemooo, Nole! Vc já deu 999 passos rumo ao topo deste maravilhoso esporte.

    Responder
      1. Nattan Labatto

        Creio que mesmo ele sendo Croata (Todos sabemos o histórico de guerras entre Sérvia x Croácia), a declaração do Cilic dar a entender a isso, fazendo, inclusive, dupla com Nole em Dubai. É bem verdade que coloquei o termo torcida, porém, posso resumir em amizade e respeito. Abs, Ronildo.

        Responder
  31. Leo Gavio

    (Thiago Wild foi pra Australia desnecessariamente, Davis é torneio inutil, o garoto talvez tenha um dos melhores forehands da historia, deveria ficar nas americas e disputar torneios por aqui)

    Mas a noticia que realmente importa é: Marin Cilic, talentoso tenista campeão do USOpen e vice campeão do AOpen e Wimbledon, diz:

    “Novak Djokovic é o melhor tenista de todos os tempos!”

    O Rei da entressafra é o maior campeão de entressafras:
    – 2003 a 2007 (Nadal e Djoko ou não jogavam ou eram teens imaturos, é um fato)
    – 2017: Djoko lesionado

    2008 09 10 11 12 13 14 15 16 18 19 Federer foi espancado, surrado, amassado, torturado, virou um brinquedinho daqueles de pet shop.

    Fedtards vão resmungar: “ainnnn, mas em 2009 ele ganhou RG e WB.”

    Sim, contra quem? contra a entressafra de 2003 a 2007: Soderling (que nunca tinha ido a uma final de Slam) e Roddick lixão

    Não estou dizendo que Federer seja ruim, é isso que os fedtards não entendem, o que eu sempre digo, é que, Federer é um bicão com muito talento, muita habilidade, é inegavel, mas VENCEDOR mesmo são Nadal e Djokovic, este o Verdadeiro GOAT.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Pois é , caríssimo Léo Gavião. O parceiro está reconhecendo a quem emprestou o Nick desta vez ? Ou até você está na dúvida ? kkkkkkkkkkkk Abs!

      Responder
    2. Paulo Almeida

      Sábio Gavião, em 2009 o Nadal se machucou em Roland Garros e só por isso perdeu para o bagre Soderling e nem foi defender o título de Wimbledon. Aí a hiena oportunista foi lá e abocanhou dois Slams fáceis. O mesmo aconteceu em 2017 e 2018 com a lesão de DjokoGOAT.

      Responder
    3. Flavio

      Leo Gavio sabe nada em cara, desdenhar o amestro Federer tem que ser um ignorante mesmo, o Federer esta velho cara e mesmo assim tenta jogar em alto nível, se ele estivesse no auge da carreira depois que o Luthi passou a treiná-lo,eu duvido que o bom Djokovic conseguiria derrubar o maestro,então cara ele pode esta velho mas ele será lembrado como o maior gênio do tenista masculino na era moderna

      Responder
        1. Vitor Hugo

          O auge do suíço foi entre 2003 e 2009. Quantos jogos entre Federer x Novak no período? Tirando o do Austrália Open, 2008, que Roger teve a mononucleose.
          Seu próprio colega de torcida colocou os dados abaixo que o auge de um tenista começa, em média, aos 23 anos. Se vc diz que o auge de Roger foi dos 26 aos 30, está descartando a melhor temporada de todos os tempos de um tenista, em 2006, quando Roger tinha 23 pra 24 anos.

          Responder
          1. Jonas

            2009? Se você mesmo diz…posso até tentar concordar.

            Perdeu pro Nadal em RG 08 (massacre, surra, vergonha), WB 08 e AO 2009. Ele no auge não é melhor nem que o Nadal.

            Novak em 2009 estava com 22 anos. É lógico que até aquele ponto ele era menos tenista que Federer.

            Essa chave vira em 2011, com o suíço ainda em alto nível, 29-30 anos. Se pra você nada vale a partir dali, desconsidere WB 2012, AO 17, 18 e WB 17.

            A bizarrice de idade geralmente vem quando o suíço perde para um dos rivais. Sempre gosto de lembrar q o atual n1 tem 32-33 anos.

          2. Jonas

            “Quantos jogos entre Federer x Novak no período?”

            Se não me engano ficou 13 x 6 Federer neste período, 19 jogos. Acho justo.

  32. Maroc Topin

    Oi Jose, acho que a Australia foi suja (desonesta) no jogo do Thiago. O menino estava com um momentum espetacular e poderia ter acabado com o jogo no 2o. set mas ai veio a parada quando um torcedor “sentiu” mal e a partida foi suspendida. O Milman também usou de artificio ilegal no jogo contra o Federer quando a cada serviço seu ele passava a bola na camisa que estava molhada (suor) para faze-la mais difícil de retornar.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Isso aconteceu ao final do primeiro set e não do segundo. E isso não atrapalhou o Wild ganhar esse set. Não acredito que tenha sido fingimento de alguém na arquibancada.

      Responder
      1. Jony Marcio

        Dalcim, vc acha que o Wild deveria retornar pra jogar esse torneio em Olimpia ou ele já deveria focar nos torneios maiores? Qual a sua opinião nesse momento da carreira dele?

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *