Maria tem merecido lugar na história
Por José Nilton Dalcim
26 de fevereiro de 2020 às 21:03

A beleza estonteante, o saque devastador, os golpes agressivos quase sem efeito, acompanhados por um grunhido de 100 decibéis e um ritual todo próprio de concentração após cada ponto. Ainda que tenha sido uma figura por vezes polêmica, Maria Sharapova pendura a raquete sem jogo de despedida nem o glamour tão própria de si, mas com inegável lugar no livro de história.

Ainda que o anúncio da aposentadoria tenha sido inesperado, o fato é que seu último momento de lucidez estava já distante, no Australian Open do ano passado, quando caiu nas oitavas e teve até chance de ganhar de Ashleigh Barty.  Daí em diante ganhou apenas três jogos, com eliminação precoce em Wimbledon e no US Open. Deixou o top 30 em maio, a faixa das 50 em junho e não aparecia sequer entre as 100 em setembro.

Alento derradeiro, ganhou lugar em Brisbane e Melbourne no mês passado, sem sucesso. Apenas 373ª do ranking, nenhum progresso técnico evidente e confiança no fundo do poço, seria um tanto humilhante ter outra vez de tocar a carreira na base dos convites, como aconteceu na tumultuada volta após o caso de doping.

No entanto não se deve diminuir a importância de Maria na história do tênis profissional, e aí é preciso reforçar que a russa fez muito pelo esporte dentro e fora das quadras. Na verdade, o papel de musa nunca deixou que seu empenho esportivo diminuísse, transformando Sharapova num raríssimo caso em que a beleza se misturou ao sucesso, daí o peso de ouro que alcançou na balança dos negócios.

Todo mundo sabe que o atleta de gabarito ganha muito mais dinheiro com publicidade, mas Sharapova elevou isso à décima potência. Sex-simbol, abraçou também a carreira de empresária e se deu muito bem em tudo. A respeitada Forbes destaca em artigo de hoje que Maria figurou como atleta feminina mais bem paga do mundo por 11 anos seguidos, o que lhe rendeu a fortuna atual estimada em US$ 325 milhões. Ela só perde para Serena Williams (US$ 350 milhões) e, convenhamos, não dá para comparar os feitos no tênis de uma e de outra.

A trajetória de vida também deixa lições. A arriscada viagem da Rússia para tentar um lugar na Nick Bollettieri, com apenas um punhado de dólares no bolso do exigente e corajoso pai, depois que Martina Navratilova a viu numa clínica e garantiu que teria futuro no circuito. Valeu a pena. Aos 14 anos, já estreava no calendário profissional e, aos 17, desbancou Serena para conquistar Wimbledon. Tinha então apenas patrocínio de roupa e raquete. Um segundo depois, capitaneada pela IMG, assinava cinco grandes contratos, que lhe renderiam ao final daquela temporada insana seus primeiros US$ 18 milhões.

Sucesso de público e de mídia, chegava a cobrar US$ 500 mil por uma única partida de exibição. Antes da suspensão por uso de meldonium, embolsava US$ 30 mi por ano. Sharapova nunca aceitou a punição e recomendo um documentário na Netflix sobre sua versão dos fatos. Como não era medicamento proibido, ela teria consumido a droga desde 2001 devido a histórico de diabetes na família. Há pros e contras. O meldonium foi reconhecido pelas autoridades como um poderoso instrumento de fortalecimento físico, daí sua proibição. Tardia, é verdade. A ciência está eternamente correndo atrás do doping, e esse parece mais um caso, principalmente depois do escândalo do esporte russo.

O fato é que Sharapova nunca mais foi a mesma depois da volta, ainda que tenha recuperado todo seu poder de marketing. Tecnicamente, não foi mais a mesma, tendo conquistado apenas mais um título, o 36º da carreira, no pequeno Tianjin. Com exceções de uma presença em quartas de Roland Garros, ficou em segundo plano em todos os Grand Slam. Também é preciso lembrar de seus vários problemas físicos, especialmente com o ombro direito, que a levou à cirurgia e incontáveis duplas faltas.

Multicampeã, talvez Sharapova tenha cometido uma façanha maior do que o título tão precoce de Wimbledon ao conquistar duas vezes o saibro de Paris com seu tênis ousado de bolas retas. Isso a tornou também uma das 10 mulheres a ter vencido todos os Slam ao longo da carreira. Liderou o ranking por cinco vezes distintas, ainda que o total tenha sido de apenas 21 semanas.

Aos 32 anos – diz adeus antes de Serena, que caminha para os 39 -, os próximos episódios de Sharapova podem ser a cidadania norte-americana, que jamais pediu por respeito à família, e enfim ter filhos, um sonho revelado várias vezes. Seu namorado atual é o empresário britânico Alexander Gilkes, que sucede o cantor Adam Levine, o jogador de basquete Sasha Vujacic e o tenista Grigor Dimitrov.


Comentários
  1. Maurício Luís *

    Dalcim, será que com esse título do Wild ele não tem chance de receber convite pra Roland Garros? Se bem que até lá talvez ele já tenha conseguido entrar pro top 100 por si mesmo…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Muito difícil o Slam francês dar um convite para não franceses, Maurício. Acho que a chance teria se fosse um caso extremo, como o Wild ficar fora da lista mas chegar às vésperas do torneio no top 50, por exemplo.

      Responder
  2. Rafael

    Wild CAMPEÃO de SanTHIAGO!

    Fora o descuido de quase acertar a bola na cara do boleirinho no meio da rede, perdoo toda a marrentice. Precisa melhorar em tudo, mas está de parabens! Espero que siga evoluindo, de preferência fora do Brasil.

    Responder
  3. Luiz Fernando

    Incrível e pq não dizer quase inacreditável ver um brasileiro jovem e promissor vencer um torneio superando nomes mais conhecidos como Garin e Ruud. Que seja a primeira de muitas conquistas…

    Responder
  4. Rodrigo S. Cruz

    No Brasil ficou recorrente o uso do termo EXTREMA DIREITA, para definir pessoas que não toleram críticas ao governo atual.

    Ainda que as críticas sejam justas.

    Nesse blog há também os nolistas moderados e os extremos.

    Esse Paulo F. que retorna das férias curtas no sítio do Robson está louco para tirar o tempo perdido…

    Pois os últimos 6 comentários do cara foram só provocações de conteúdo cheios de ódio.

    Em suma, abandonou o 1% de bom senso que lhe restava e resolveu soltar a FRANGA de vez!

    kkkkk

    E contra fatos não há argumentos.

    Responder
  5. Maurício Luís *

    Um comentário de leigo: vi alguns jogos da Bia Maia e me parece que o saque dela é fraco. Mas ela tem 1,84m… bem + alta que a Serena. Acredito que este seria um ponto onde ela poderia melhorar. Poderia aproveitar este tempo de suspensão pra treinar este golpe.

    ***** Hoje não tem sogra. Mas tem Túnel do Tempo*****
    Nadalzinho, 8 aninhos. Mamãe Nadal vai buscá-lo na aula de tênis.
    – Professor, meu filho joga bem, tem talento, tem futuro?
    – Ah, sim, senhora! Ele vai ser um grande campeão!
    – … E… o jogo dele é BONITO?
    – … Er…. bem… posso garantir que nunca vi NADA IGUAL na minha vida!

    Responder
  6. Denis

    Dalcim
    Os organizadores do antigo Brasil open e agora do torneio de Santiago não poderiam pleitear uma mudança de calendário para a semana após Miami? Assim o torneio concorreria com outros de menor porte e que também são disputados no saibro (Houston e Marrakesh) ao invés de disputar com os milionários Dubai e Acapulco.

    Abs

    Responder
  7. Enoque

    Nas minhas contas a disputa pela liderança difere um pouco, salvo engano:
    A diferença atual é de 370 para o Djoko. Nadal defende 360 e Djoko 45 em Welss, então Djoko inicia o torneio com 685 pontos a frente (já descontando os pontos do ano passado. Então em caso de vitória do Nadal (1000 pontos) o Djoko precisaria de 315 para igualar. Fazendo 360 na semi Djoko ficaria 45 pontos à FRENTE. Fazendo 180 nas quartas Djoko ficaria 135 pontos ATRÁS. Esta possibilidade de meros 10 pontos eu não encontrei.

    Responder
  8. Roberto Garcia

    Pessoal, bom dia!

    Analisando de forma lógica…

    Djoko, ano passado, não foi muito bem neste semestre que está na metade… não tem muita coisa pra defender por agora… Desta forma, muito dificilmente, nao manterá o número 1 até depois de rolanga… Considero, então, a questão do número de semanas como numero 1 já resolvida a favor do sérvio

    Grand Slams… Acredito que djoko joga em alto nivel até os 35 anos. Entao, chegar a 21, nao acredito que seja um bicho de sete cabeças….. A next gen, que seria sua maior ameaça, nao está vingando… a verdade, é que seu único adversário à altura, é nadal, no saibro… Para mim, a quebra desse recorde de GS ocorre no US Open do ano que vem, ou, no AS Open 2022

    Número de títulos… Faltam 24 ainda pra superar Federer… Mas o diferencial está na quantidade de ATPs 250 e 500 que Federer tem… Se Djoko quiser, vence quatro destes torneios por ano, principalmente o 250… Entao, em mais trê anos, pra mim, passa o Federer… Chegar no Connors é outra história

    Finalmente, o único recorde inquebrável é o número de semanas consecutivas… Impossível…

    Concluindo… Na minha humilde opiniao, Djoko terá os recordes de vitórias no H2H, será segundo em número de titulos, maior em GS, em Big Titles, Semanas como número 1 e premiaçao da carreira…… Quem irá questioná-lo como maior de todos os tempos??

    Alguem acha isso que eu cogitei muito difícil de ocorrer?? Parece ser a lógica, caso Djoko nao se machuque. Mestre dalcim, acha um bom e factível prognóstico??

    Responder
  9. Paulo F.

    Tinha 02 bandeirões do Brasil na torcida pelo Djokovic ontem em Dubai.
    Não cabemos mais em uma kombi e nem mais em uma van, já podemos fretar um busão!

    Responder
  10. Paulo F.

    Outra coisa:
    – Uma famosa sumidade federista magoada daqui cravou que a carreira do Djokovic iria acabar com a proibição do Meldonium.
    Quatro anos depois…cri..cri…cri…cri…

    Responder
  11. Luiz Fernando

    Partida tranquila para Rafa q mesmo jogando 60% do q pode venceu esse torneio sem grande dificuldade. Novamente com bolas curtas, mas desta vez o serviço foi mais eficiente, mas diga-se a verdade, em parte pela fragilidade do adversário. Esse Fritz tem jogo de fundo medíocre, serviço igualmente mediano (a velocidade dos segundos serviços era de 110-125 km/h, uma piada) e acima de tudo parecia meio q hipnotizado pela presença de uma lenda viva do esporte mundial do outro lado da quadra. Estivesse o espanhol num bom momento e o placar seria tipo 60 61. Vamos p IW, no momento vejo Rafa bem baixo de Djoko pelo demonstrado nesta semana.

    Responder
    1. Jonas

      Difícil dizer. Mas unidimensional é muita sacanagem.

      Nadal venceu Wimbledon 08 e AO 09 de forma impressionante e sobre o dito “GOAT” , na época. Calou a boca de muita gente com esses títulos.

      Mas não parou por aí, fez um 2010 absurdo…o que ele jogou naquele US Open foi brincadeira.

      Alguns dizem que ele baixou o nível na grama sagrada recentemente mas discordo. Parou em Novak 18 e Federer 19, dois caras que mandam no piso.

      “Djokovic sem técnica” é uma tentativa de argumento, já que tá difícil.

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Um troço de 4 anos atrás, Paulinho?

      Só que a tua turminha coleciona umas “tenuemente” piores e bem atuais:

      ” Federer é defenestrado, estripado por Nadal”. kkkkkk (Para abrir o mês de março!)

      ” Defesas impossíveis não precisam de físico”. kkkkk (Pior de fevereiro)

      ” Força mental e defesa são sinônimos de talento”. (Menção honrosa de fevereiro)

      E olha que nem vou citar outros lixos de 2019, do mesmo nível.

      Responder
  12. Rodrigo S. Cruz

    Fiz um comentário longo que não foi publicado.

    Pelo visto, só os meus comentários é que são considerados “tóxicos” por aqui.

    Impressionante…

    Responder
  13. Rafael

    Wild está conseguindo algumas vitórias interessantes, ainda bem jovem. Será?

    Menção honrosa ao título de Marcelo Melo e Kubot sobre os líderes do ranking.

    Responder
  14. Rafael

    Ridícula a performance de Taylor Fritz contra Rafael Nadal. Simplesmente não ameaçou o saque do espanhol em nenhum momento e, defendendo o saque, foi sofrível. O jogo só demorou uma hora e quinze pq ele acertou alguns aces pra adiar o inevitável.

    Isso que, na minha opinião, Nadal jogou só para o gasto. Vitória e título tranquilos para o espanhol.

    Responder
  15. Gabi

    Um problema no estádio atrasou o começo do jogo do Nadal x Fritz.
    Torcedores do espanhol, podem voltar a dormir…
    Os federistas ja estão dormindo e os nolistas nem vão, comemorando noite adentro!! Hihihi

    Responder
  16. Helena

    Dalcim, boa noite

    Você saberia me dizer como os jogadores de simples se unem para formar as duplas nos masters americanos? Alguns me parecem pela amizade e outros pelas olimpíadas, mas vi uns nomes de jogadores que acho que nunca trocaram nem um bom dia…. kkkkkkk. É tudo pra ganhar ritmo e um dindin mesmo?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não saíram ainda as duplas dos Masters, mas geralmente é uma mistura disso tudo: estilo, ranking (isso é fundamental) e afinidades, Helena.

      Responder
  17. Rafael Azevedo

    Eu ainda estou esperando esse jogador super técnico e habilidoso que falam do Tsitsipas. Todo jogo que assisto dele é só primeiro saque e pancadaria de fundo de quadra. Tem belos golpes de fundo, mas faz cadê o superhabilidoso de técnica apurada?
    Sinceramente, as partidas do Nadal e do Djokovic (considerados por muitos como jogadores “sem técnica”) são muito mais interessantes, do ponto de vista técnico.

    Responder
    1. Miguel BsB

      Rapaz, o grego voleia muito, joga muito bem na rede…sabe sacar e volear. Eliminou Federer no Ausopen assim.
      Acho só que ele deveria usar um pouco mais os slices de esquerda…

      Responder
  18. Ronildo

    Seria fantástico se o Wild fosse campeão amanhã. O problema é que o norueguês tem muita categoria e físico, sendo o favorito natural. A chance do Wild é justamente usar este fator para entrar em quadra sem cobrança. Se o Wild entrar com a mentalidade correta, tem boas chances de levar o título.

    Responder
  19. Paulo F.

    Logo mais, mais um troféu para o museu de Maiorca para o outro grande Rei da Consistência.
    Pelo que Nadal vem demonstrando e pelo o que vi de Fritz ontem, o americano pode sair feliz de quadra se não sair dela de bicicleta…

    Responder
  20. Rafael

    Ashleigh Barty, No. 1 do mundo, sobre Novak Djokovic:

    “Novak é incrível (…) “Sei que ele é um atleta incrível, e ele também é um incrível embaixador do nosso esporte. Ele é uma grade pessoa para popularizar nosso esporte.”
    ___________________________________________________________________________________________________________________

    Andy Roddick, ex No.1 do mundo, ao ser perguntado sobre o segredo de ter um head to head positivo (5×4) contra Novak Djokovic:

    “É fácil. Basta você se aposentar para não ter de jogar com ele de novo.”

    Responder
    1. Jose Yoh

      É Rafael, Roddick realmente saiu por cima antes que a coisa ficasse inversa.

      Mas o H2H prova que ele não era tão bagre assim. Djokovic, de 22 anos, já era número 3 do mundo 4 anos seguidos quando o placar estava em 5 a 2.

      Sei que para aqueles que realmente interessam essa mensagem não vai mudar nada, mas que ao menos sirva para os mais novos e lúcidos no blog não caírem nesse conto.

      Responder
  21. Santos

    Sobre o retorno da Maria, não acredito que tenha sido ruim pela falta da substância. Até a Serena não ganha mais títulos, depois da gravidez. O que vejo, em minha opinião é que o circuito mudou, Serena e Sharapova batem forte, mas sempre foram lentas, como a Kivitova também o é, hoje você tem jogadores que batem forte, muito rápidas. Um exemplo foi o atropelamento da Halep pra cima da Serena em Wimbledon ou daquela canadense no US Open. O circuito mudou e nem Serena, Nem Sharapova e nem Kivitova…se adaptaram. Acho milagre a Serena ganhar outro slam. E quanto ao Meldonium, enquanto não era proibido não era dopping, não dá pra jogar a carreira toda da Maria fora.

    Responder
  22. Gabi

    Já que uma parte do post fala sobre suspensão por doping, ontem saiu a decisão da Wada sobre o caso do Sun Yang, maior ídolo da natação chinesa: suspensão de 8 anos.

    Terminou o caso e a carreira dele.

    Para quem não acompanhou, aqui vai um resumo:

    Um grupo de fiscais anti-doping da agência independente sueca ISTI esteve em sua residência na noite de 14 de setembro de 2018. Sun Yang fez a coleta de sangue e junto com seus familiares e assessores começou a reclamar de uma atitude suspeita de um dos integrantes da equipe de coleta. Este fazia vídeos e tirava fotos sem autorização. O mesmo revelou que não era fiscal credenciado e que ali estava acompanhando uma amiga.
    O processo todo demorou horas e tornou-se bem acirrado. Numa discussão intensa, Sun Yang primeiro se negou a fornecer o exame de urina, e depois, junto com um segurança decidiram destruir as amostras de sangue coletada. Mesmo advertidos pela oficial do grupo de doping que tal destruição poderia lhe causar sérios problemas, Sun Yang destruiu as mesmas com anuência do médico da Seleção Chinesa Bah Zen.

    A punição de oito anos foi por conta do nadador chinês não ser mais réu primário, já que em junho de 2014 já havia sido suspenso em infração anti-doping.

    Responder
  23. Vitor Hugo

    Dalcim, tu viu quem está “vivo” no circuito? Janowicz!
    Acabou de bater o tcheco Vesely(bom tenista e que conquistou um atp-250 recentemente) em um challenger francês e vai fazer a final contra Ernest Gulbis. Que belo jogo, hein?
    Detalhe: O polonês é atualmente o n 1029 do ranking da atp.
    Espero que consiga voltar a jogar o melhor tênis. O cara já foi finalista de masters 1000 e semifinalista de wimbledon. Merece respeito.

    Responder
  24. Barocos

    Ronildo, Vitor Hugo e Bruno Gama, vocês não acham estranho que um “passador de bolas” beirando os 33 anos esteja vencendo jogadores até 10 anos mais novos, sendo que muitos destes já deixaram para trás a tão comentada idade de amadurecimento de atletas de ponta, que gira em torno dos 22/23 anos e que, nas palavras de vocês, possuem mais recursos técnicos que o Djokovic? Acho que talvez tenhamos que esperar que os “garotos” atinjam o ápice físico, lá pelos 27 para, enfim, passarem a dominar o circuito então. :p

    Novak em 2011 e 2015 engrenou o modo “matador”, se este ano ele fizer o mesmo, e mostrar o seu lado “assassino”, corre o risco de assistirmos a uma onda de suicídios em massa de torcedores fanáticos dos outros ícones do esporte, ou melhor, fanáticos apenas. 🙂

    De verdade, as conquistas do Djokovic, ou do Nadal, ou do Federer, não diminuem em nada as vitórias e recordes de nenhum dos outros destes três tenistas excepcionais, apenas corroboram uma coisa para lá de comentada aqui no blog, que estes três dominaram amplamente esta fase de ouro (ainda o fazem) e, permitam-me incluir o Murray neste grupo também, construíram a fase mais competitiva do tênis profissional na era aberta.

    Para finalizar, tenho um pedido especial a fazer ao Ronildo e ao Vitor Hugo, continuem com suas previsões !! KKKKKKKKKK

    Responder
    1. Ronildo

      Eu apresentei minha “versão verdadeira” sobre estes fatos ao Luiz Fernando abaixo Barocos.
      Infelizmente meus comentários estão contaminados com meu “desejo ardente” de atazanar o Paulo Almeida, o Paulo F, Valmir, Jonas e Chetnik, confesso; aos quais entendo que comentam com depreciação a figura de Federer. Porém considero você, o Rafael, o Luiz Fabriciano e o Danilo Afonso pessoas moderadas. Assim quando posto algo que ofende vossas intelectualidades me vejo obrigado a me retratar.

      Responder
    2. Bruno Gama

      Eu não acho que o Djokovic tenha menos recursos técnicos que a nextgen, muito pelo contrário, os nextgen são ainda mais limitados que ele, só sabem sacar e espancar a bola, quando precisam de uma variação eles se desesperam porque não sabem o que fazer. Ele é um passador de bolas eficiente e com um ótimo físico, só acho que ele não iria se criar nas épocas em que as quadras eram muito mais rápidas e os tenistas além de um bom jogo de base precisavam também de um excelente jogo de rede. Digamos que ele tivesse a mesma idade do Agassi ou do Sampras e tivesse que enfrentar os dois a carreira toda, eu posso apostar que ele teria menos slam que o Agassi.
      O Federer enfrentou uma entressafra? Disso não há dúvidas, tá lá a final com o Baghdatis pra confirmar isso, mas o Djokovic também enfrentou uma entressafra, os maiores adversários dele foram um Federer já passado dos 30 e um Nadal que não é nem de longe um dos melhores jogadores de quadras rápidas, o Nadal é outro que foi bastante beneficiado pela padronização dos pisos, nos anos 90 eu também duvido que teria vencido um slam fora de RG.

      Responder
      1. Jonas

        Djokovic tem 32, é número 1 do mundo…está invicto e sobrando.

        Federer aos 25 já era entubado por Rafael Nadal. Aos 29 começou a ser dominado por Djokovic e não parou mais…

        Responder
    3. Paulo Almeida

      Não alimente os trolls, Barocos.

      A desculpinha esfarrapada de idade já caiu por terra faz tempo.

      DjokoGOAT maduro bateria seu sparring Federer em qualquer época.

      Responder
  25. Paulo F.

    A consistência de Djokovic é algo tão monstruoso que faz um tenista extremamente habilidoso e técnico como o Tsitsipas parecer um bagre – expressão essa de um caprinocultor que é muito magoado.
    Assim, mais um troféu nos restaurantes de Belgrado e Novi Sad.
    Ajde Nole!

    Responder
  26. Luiz Fernando

    E o tenista sem talento venceu mais um torneio. Incrível como o fanatismo cega algumas pessoas, q vem aqui postar absurdos de jogadores que não seu preferido; pior, alguns mais extremados devem pensar isso mesmo. O sérvio aparenta estar num momento ímpar, o desenrolar da partida de ontem já demonstrava q se não perdeu ontem isso não aconteceria hj. Exceto no início, quando o grego ameaçou sair com break na frente, Djoko foi o dono das ações, mostrando uma forma simplesmente exuberante. É o natural e grande favorito nas quadras duras americanas e neste nível pode inclusive superar Rafa no saibro. Mas uma coisa de cada vez…

    Responder
  27. Paulo Almeida

    Pena que é só um ATP 500, mas foi um título bem foda para Magic Nole. Agora ele tem 80 títulos (57 Big Titles) e segue invicto há 21 jogos, além de ser o papai da NextGen. São todos fregueses!

    Vai bater o recorde de semanas, a não ser que se machuque.

    Vida longa ao GOAT!

    Responder
  28. Rafael

    Outra vez, Djokovic atropela o adversário, eclipsando seu talento e fazendo com que pareça um juvenil impotente.

    1 – Mental estraçalhou Tsitsipas;
    2 – Plano de jogo/tática perfeita E bem executada;
    3 – Golpes profundos e potentes impediram que Tsitsipas entrasse na quadra e fosse agressivo;
    4 – Tsitsipas, jogando com seu 2o. saque pífio, não tem qualidade e/ou versatilidade para enfrentar a consistência e variação de jogo de Djoko;
    5 – Sérvio jogando frio, preciso, um cirurgião.

    Conclusão: Mais um título pra conta. É um nível de jogo superior, muito superior, tanto físico como mental. Chega a ficar desigual a partida.

    Responder
    1. Rafael

      Obs:

      6 – Backhand errático, muito errático de Tsistsipas, talvez pela falta de tempo de preparação, devido aos golpes rápidos e profundos de Djoko.

      Responder
    2. Carlos Reis

      Monfils moeu ele na semi, só Deus sabe como esse cara escapou de mais uma derrota, assim como nas finais de W/19 e AO/20. Se tivesse perdido as três partidas citadas não precisaríamos ficar aturando isso.

      Responder
  29. Paulo F.

    Djokovic x Tsitsipas…
    Hoje tá bem difícil escolher uma torcida plenamente.
    O tenista que eu mais admiro e o seu provável sucessor na minha torcida, alguém que mescla a técnica exuberante do Federer com o visual e o jeitão do saudoso e amado Guga – uma combinação irresistível para um brasileiro.

    Responder
  30. Luiz Fernando

    Bem antes de falar do Rafa, não há como não comemorar a grande vitória do Wild, em cima de um jogador q vinha jogando bem e estava em casa, com o apoio do público, algo q sempre conta, em qualquer esporte. Tomara q seja campeão, e depois de ontem essa é uma possibilidade cristalina.

    Bem, quanto a Rafa, não apenas ontem, mas essa semana serve p confirmar a máxima do esporte: grandes campeões vencem mesmo jogando mal. Nadal me pareceu lento, sem boa movimentação e errando muito a partida inteira contra o búlgaro. O serviço foi uma lástima, poucos aces, duplas faltas em momentos importantes, poucos pontos vencidos “de graça”, baixa velocidade (nenhum serviço a mais de 195 km/h, prestei atenção em todos) e péssimo aproveitamento de pontos no segundo serviço (venceu 38%, percentual de perdedor de partidas). Some-se a isso o problema das bolas curtas, em especial na devolução, problemas crônicos, que explicam com facilidade as agruras recentes ao enfrentar Djoko e Federer. Mas com esta mediocridade toda venceu; a comemoração intensa após a vitória torna claro q ele está ciente destes problemas, destas limitações. A maior prova disso é q está inscrito também nas duplas em IW; estar ciente de limitações e procurar saídas p contorna-las é sempre bom.
    É franco favorito na final? Sem dúvida, em especial contra esse rapaz q até hj nada fez que chamasse atenção, mas esse americano é um grande sacador e como as devoluções tem sido o grande calcanhar de Aquiles de Rafa, uma partida complicada não seria uma surpresa…

    Responder
  31. Paulo Almeida

    O jogo de hoje deve ser totalmente diferente do de ontem, com trocas mais rápidas. Djoko deve estar mais desgastado, mas vamos ver o que acontece.

    Responder
    1. Roberto Garcia

      Foi bem diferente Paulo kkkk… queria saber onde estao os profetas que falaram que o Nextgen vinha pra dominar o circuito… Esqueceram o Sérvio, que não é deste planeta… As federetes enlouquecem, mas, pelo volume diminuto de seus comentários, parecem que começam a aceitar a realocaçao de seu mestre ao terceiro posto de melhor da história, atrás do espanhol maratonista e do mais completo de todos, o tanque sérvio, que tem muita lenha e nextgen pra detonar ainda…

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Foi melhor do que o previsto, Roberto!

        Monfils de ontem, Medvedev e Agut são adversários muito mais chatos nos ralis.

        NextGen é tudo freguês, kkkkkkkkkkk.

        Responder
  32. Ronildo

    Incrível como o Djokovic ainda está na ponta do ranking quando existem vários jogadores com mais recursos técnicos do que ele.
    O tênis chegou em um incrível ápice físico do qual Djokovic é o principal expoente. Enquanto Monfins teve físico comandou o jogo. Depois, na falta de gás, entregou a rapadura kkk.
    Muitos falam de uma suposta super força mental de Djokovic. Confesso que não vejo isso. Se Djokovic tivesse essa força mental propalada por seus fâns, não daria estas fraquejadas oferecendo match-points aos oponentes como foi contra o Monfins.

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Prezado Ronildo, quando vc posta estas brincadeiras de ranking todos levam numa boa, pegam no seu pé, acho isso até saudável, mas afirmar que um cara do nível do Djoko é carente tecnicamente só serve pra desmerecer e desqualificar quem posta isso. Não fosse até engraçado, pois equivaleria a alguém postar q Maradona ou Messi não sabem jogar futebol, se vc começar a repetir isso vai se tornar triste e suas postagens serão marcadas pelo descrédito. Não entre na onda de outros caras q só sabem olhar p um só jogador, como se não houvesse amanhã (adoro 007) sem seu ídolo…

      Responder
      1. Ronildo

        Kkkk, é só pegação de pé Luiz Fernando.

        Na verdade estes caras já estão no mesmo patamar em nível de carreiras. Nadal sofreu com contusões durante sua carreira. Federer jogou a maior parte da carreira durante o ápice técnico de Nadal e Djokovic, o que pesou muito contra ele.

        Enfim, estes caras conseguiram formar A TRINDADE do tênis.

        A vantagem de Federer sobre os demais é sua incrível popularidade fora das quadras. Mas dentro das quadras não há uma superioridade marcante de nenhum dos 3. Cada um leva vantagens em períodos diferentes e em determinados nichos.

        Responder
        1. Jonas

          “Mas dentro das quadras não há uma superioridade marcante de nenhum dos 3”

          Tá falando sério?

          Ele é freguês do Nadal de longa data. Nos Grand Slams tb não faz cócegas.

          Os números contra o Djoko são pífios também. Um massacre em Grand Slams, finais e semis…tiebreaks…rs.

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Agora até mentir virou praxe, né?

            Não faz cócegas?

            O Nadal foi inexoravelmente vencido pelo suíço em Wimbledon… Que loucura!

          2. Jonas

            Sim, no geral ele é freguês em Grand Slams.

            Mas de fato ele derrotou Nadal com autoridade no Australian Open 2017 e em Wimbledon recentemente..aliás grande atuação neste último encontro.

    2. Jonas

      Falou muita m* como sempre.

      Mas focando na principal. Mais uma vez o sérvio mostra muita força mental. Eu falei q o Monfils iria fraquejar mentalmente no 3° set, dito e feito.

      Djokovic é muito forte de cabeça. Isso em 3 sets de vez em quando faz diferença. Imagine em 5 sets, só pensar um pouco.

      Quanto a recurso técnico…cara, Djokovic foi número 1 do mundo pela primeira vez há uns 9 anos atrás, e seguiu dominando de forma q nunca vi alguém fazer.

      Questão técnica nem deveria estar em discussão. É um haterismo da sua parte repetir essas besteiras, só.

      Responder
    3. Paulo Almeida

      Realidade: nunca existiu um jogador com mais recursos técnicos do que Djokovic.

      Você vai ter que engolir pelo menos uns 20 drop shots fabulosos do mais completo de todos os tempos.

      Responder
  33. Rubens Leme

    Dalcim, o Wild se parece muito com o Del Potro (ao menos, de perfil), pelo uque vi na foto da matéria na vitoria sobre o Garin. Quem sabe, a inspiração se estende um pouco a mais, não?

    Responder
  34. Roberto Rocha

    O esporte está cheio de atletas que, depois de punidos por uso de doping nunca mais são os mesmos. No caso da Sharapova, isso foi gritante.
    Farsa. Fraude. Embuste.

    Responder
    1. lEvI sIlvA

      Roberto, no caso específico da Sharapova, deixo de ser “gritante”, felizmente! Particularmente, nunca me vi atraído a seu jogo, gritaria e também não me deixei levar por sua beleza.

      Responder
      1. Jose Yoh

        Exato. Ela pecou por ter continuado a ingerir mesmo depois de proibida.

        Era um dopping dentro das regras.

        Hoje deve existir algo novo que ainda não é proibido, como era o Meldonium, mas nem todos sabem.

        Não acredito que o ser humano evoluiu geneticamente em 10 anos a ponto de conseguir ser atleta de ponta após os 30 anos de idade e com uma exigência física muito maior. Historicamente a idade sempre foi um limite.

        Vocês me perdoem pela teoria da conspiração mas essa é minha lógica. E também não acho isso certo ou errado, apenas acho que deveríamos discutir mais o assunto, porque dopping (dentro das regras ou não) sempre existiu e sempre existirá.

        Responder
  35. Rodrigo S. Cruz

    Putz…

    Essa vassalagem do Monfils chega a ser MEDONHA mesmo.

    É ainda mais expressiva do que aquela que costumamos ver entre Wawrinka e Federer. (rs)

    Só porque não fechou o jogo no segundo set, o francês baixou totalmente a cabeça.

    Tomou um “pneu moral” no terceiro!

    Responder
  36. Wagner froes

    Boa noite Dalcim se o Wild conquistar o título ele seria o brasileiro mais jovem a ganhar um torneio da atp ? Qual seria a chance dele pegar um top 100 até julho?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, seria o mais jovem. Acho que a chance é grande, porque ele tem poucos pontos a defender e pode se arriscar mais nos ATPs se ficar tão perto do top 130 (o que estará garantido se for ao menos à final de Santiago).

      Responder
    1. Nattan Labatto

      Coloco o Ivanisevic com uma ligeira vantagem sobre esses q vc citou, Vitor. Agora, dessa lista aí, Isner é sem sombras de dúvidas o maior e melhor.

      Responder
      1. Vitor Hugo

        Raonic fez final de slam e Mark P fez final de slam além de ter sido número 3 do mundo. Claro, Anderson tem duas finais de slam em dois pisos diferentes, então acho que é o melhor e maior dos três.

        Responder
    2. Luiz Fernando

      Acho q vc queria q o Dalcim dissesse que o Phillipoussis era o melhor kkk, mas não adianta, ele é o mais fraco desse grupo em matéria de serviço e é uma amostra gritante daquilo q muitos aqui e o Sampras chamam de “entressafra”…

      Responder
  37. Luis

    Dalcim pena Sharapova conseguiu dar interesse no tênis feminino pela beleza e seu tênis,o doping acabou sendo muito ruim não sei se foi exagerado punição como disse no texto,como Federer no masculino principalmente e Nadal e Djokovic,um comentário no jogo de Dubai perguntaram se o tênis Tava preparado pra estar sem Federer resposta foi nao

    Responder
  38. Paulo Almeida

    Mais um teste pra cardíaco esse jogo de hoje, pqp!

    Monfils provavelmente fez o melhor jogo da sua vida, mas não conseguiu dar a última marretada na cabeça do GOAT. Este, por sua vez, não teve o mesmo brilho dos outros dias e ainda assim venceu, pois é o rei do tênis.

    Jaguatirada freguesa com certeza teve um déjà vu com tantos match points perdidos, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!

    Responder
  39. Gustavo

    Ola Dalcim!! Primeiramente parabens pelo blog, que pra mim eh o melhor blog de tenis do brasil e leitura obrigatoria quase q diaria. Admiro sua escrita e conhecimento sobre o tenis, esporte q pratico e do qual sou fa ha 15 anos!
    Estou indo pro Miami open este ano e queria te pedir umas dicas: pra assistir jogos do masculino e preferencialmente dos tops, eu devo priorizar ingressos nas rodadas noturnas? Alguma outra dica? Forte abraco e obg

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Para ter certeza que você verá os tops, sim, terá de optar pelas rodadas noturnas. Como Federer não irá, é certo que Djokovic e Nadal estarão em lados opostos e portanto jogarão em dias alternados e quase sempre jogarão na rodada noturna, acredito. Obrigado e bom proveito!

      Responder
  40. Rafael Azevedo

    Eu confesso que fiquei muito frustrado com o caso de doping da Sharapova.
    Jamais a condenarei como pessoa. Ele não é um mal caráter por conta disso e continua com todas as suas virtudes de pé. Ela confessou, ela é humana. Porém, os feitos tenísticos, para mim, foram desqualificados. Não posso considerá-la uma grande tenista, pois não sei qual seria o seu desempenho sem a substância.
    Hoje, li uma outra reportagem sobre dopping na natação…estou muito aflito com o esporte mundial. Não sei mais em quem confiar. Todos esses atletas são muito parecidos em termos físicos. Então, me pergunto: “se Fulano utilizou substâncias, será que Beltrano também usa?”.
    Por enquanto, ainda prefiro acreditar no ser humano. Mas, está na hora de uma operação global para erradicar o dopping, em todos os esportes.

    Responder
    1. Jose Yoh

      Não acho que seja possível erradicar o dopping Rafael, porque atualmente medicina e tecnologia são quase a base de qualquer esporte atual. Veja os casos dos tênis da Nike no atletismo e roupas de natação da Speedo. Ou mesmo as raquetes de tênis atuais.

      Ninguém chama de dopping, mas na realidade é um recurso que a tecnologia fornece para a evolução do esporte. Com a medicina não é diferente: como saberemos o limite do que um remédio ou alimento (mesmo natural) pode melhorar o desempenho ou a recuperação física do atleta? E as câmaras hiperbáricas do Djoko (e hoje de vários outros) ou aqueles sugadores na pele do Phelps? Não melhoram a recuperação deles após as provas tão desgastantes?

      Fica a mensagem para refletirmos. Abs.

      Responder
  41. Gabi

    “Monfils foi o melhor jogador para um jogo de 2 sete, mas achei um jeito para ganhar. E estou muito feliz com isso”, disse Djokovic.

    Essa derrota vai doer muito para o Monfils. No auge da sua forma, finalmente teve a chance de bater o Djoko. Mas, não conseguiu…

    Quero ver como o editor das imagens da partida fará para mostrar os highlights… ehehrhe

    Djokovic-Tsitsipas tem tudo para ser uma final muito boa!!

    Responder
  42. Paulo F.

    Pelo visto, Monfils teve a sua chance de ter sua primeira vitória contra o sérvio e não aproveitou.
    Mas como bem sabe Roger Federer, se desperdiçar a chance de matar Nadal ou Djokovic numa partida, já era.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Contra o Nadal eu diria que nem tanto.

      Teve até aquele quinto set na Austrália que o suíço saiu perdendo por 3/0 e depois virou para 6/3.

      Porém, qualquer tenista do planeta que perde chances contra o Djokovic acaba derrotado.

      Não há exceção.

      Esse sérvio deve ter pacto com o satanás…

      (rs)

      Responder
  43. PIETER

    Dalcim, quando a Bia retornar ao circuito ela estará quase sem pontuação? Deverá, assim, voltar aos futures ou depender de convites para disputar torneios maiores?
    Qual a sua expectativa quanto à volta dela?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, terá apenas 20 pontos e um torneio disputado, portanto estará com ranking muito baixo. Acredito que vai tentar convite para alguns torneios maiores, mas caso contrário terá mesmo de recomeçar pelos pequenos.

      Responder
  44. Helena

    Dalcim,

    Fui mais uma das que descobriu o seu aniversário por meio dos comentários, então aproveito pra deixar os parabéns um pouco atrasados!! Espero que tenha tido um grande dia, de preferência bem acompanhado das pessoas amadas!

    Responder
  45. Marcos

    Ok, tirando as irmãs Williams, mas tem mais história e popularidade de qualquer outra do circuito atual.
    Uma grande tenista. Tive a grata oportunidade de vê-la jogando uma semi de Miami em 2012.
    Uma pena, mas compreensível. (O que não é compreensível é uma tenista do quilate dela, ter um staff que vacile com doping, que atualiza sempre… ai ai)
    Quem sabe ela nao imite a Clijsters daqui uns 5 anos. hehe

    Responder
  46. Leandro

    Estamos no ano de 2020…..

    E Batista, Fonini e Goffin disputam uma vaga no top dez….

    No final da pior década da entressafra do tênis….

    Torcer pelo Schwartzmann no top quinze..

    E pro wawrinka quebrar a hegemonia nos slam….

    Responder
  47. Bruno Gama

    O fato é que nas duas últimas décadas, com a padronização dos pisos, o tênis se tornou mais físico e menos técnico.
    Um tenista como o Djokovic nos anos 90 teria sucesso no saibro, mas nas quadras duras ia passar vergonha. Aquele tempo a mais que ele tem pra chegar em todas as bolas não ia existir, já que as quadras eram muito mais rápidas e o tenista tinha muito menos tempo pra alcançar a bola.
    Numa quadra rápida de verdade o tenista precisa ter muito mais recursos, saber jogar na rede, ter um saque veloz, dar curtinhas, usar o slice, coisa que o sérvio sabe fazer pouco, até tem um saque razoável, mas nada comparado a um Sampras ou Agassi, que além do saque tinham muito mais recursos técnicos que o sérvio.

    Responder
    1. José

      Depois da semana que Djokovic vem tendo (principalmente depois desse jogo de hoje contra o khachanov), falar que ele não tem técnica, ou é não saber nada de tênis ou ter muita inveja do cara mesmo.

      Responder
    2. Adriano Souza

      O Djokovic tá dando Show de drops , e vc vem dizer que ele sabe fazer pouco ? Kkk Se vc dissesse isso a uns 5 anos atrás, eu até concordaria, mas agora não

      Responder
    3. Rodrigo S. Cruz

      Eis o que eu acho, Bruno:

      todas as eras tiveram demandas e dificuldades próprias.

      E todos os atletas que escreveram o seu nome na história são dignos de honra e respeito.

      E não de chacota ou de piada.

      Beira ao completo mau-caratismo diminuir eras inteiras, apenas porque o TEU tenista favorito se destaca na era atual.

      Ainda mais com o intuito claro de diminuir um arquirrival dele.

      Nunca vi federista nenhum aqui dizendo que o Borg era um farsante que só ganhou majors porque enfrentou bagres…

      Responder
    4. DANILO AFONSO

      Não Bruno Gama !! Djokovic passar vergonha ???

      DJOKOVIC é muito mais que um excelente preparo físico.

      Além do mental assustador, a sua inteligência durante os jogos é absurda. Ele tem uma leitura de jogo como poucos. Chegar sobrando na bola muitos conseguem, porém tomar as melhores decisões a cada jogada são poucos que fazem com alta porcentagem de acerto. Temos inúmeros jogadores “maratenistas” que chegam sobrando na bola, mas que passam a bola de qualquer jeito.

      DJOKOVIC além de chegar sobrando em bolas complicadas, executa com precisão algo que talvez ninguém faça com tanta regularidade: ele mescla mudança constante de direção da bola (cruzada/paralela) com profundidade, tanto de backhand quanto forehand.

      Em um circuito mais veloz como antigamente, Djokovic teria mais dificuldade para executar o que disse acima, porém continuaria sendo o seu diferencial frente aos demais. Não podemos esquecer das devoluções do DJOKOVIC que fariam o mesmo estrago que o AGASSI fazia.

      Diferentemente do que você pensa, AGASSI não saca melhor que o DJOKOVIC. Vejamos um comparativo dos dois:

      % Aces:
      Djokovic: 7,05%
      Agassi: 6,17%

      % 1º Serviço:
      Djokovic – 64,95%
      Agassi – 62,63%

      % Pontos Vencidos com 1º Saque:
      Djokovic – 73,62%
      Agassi – 72,93

      % Pontos vencidos com 2º Saque:
      Djokovic – 55,52%
      Agassi – 53,98%

      Outro detalhe Bruno Gama, a porcentagem de Aces nos anos 90 é menor do que temos nos últimos anos apesar das quadras mais velozes, conforme você pode ver na evolução abaixo:

      1991 – 5,0%
      1995 – 6,5%
      1999 – 6,8%
      2004 – 7,4%
      2008 – 7,6%
      2012 – 7,4%
      2016 – 7,8%
      2020 – 8,4%

      Por último, não podemos esquecer que quando DJOKOVIC começou a se destacar, o jogo de fundo de quadra já era predominante no circuito. Logo é normal que jogadores como o sérvio não priorizassem alguns fundamentos que jogadores dos anos 90 davam mais enfase.
      Se Djokovic jogasse nos anos 90, certamente iria dar mais atenção a outros fundamentos (saque, voleio, drop-shot e smash).

      Caso você esteja acompanhando o DJOKOVIC nesta temporada, já deve ter percebido que ele está sacando melhor, está tendo ótimo aproveitamento na rede e está executando drop-shots (deixadinhas) excelentes. Certamente tem dedo do técnico Goran Ivanisevic, algo semelhante ao que ocorreu em 2015 com Boris Becker.

      Enfim, DJOKOVIC nos anos 90 iria se destacar da mesma forma nobre Bruno Gama, pois além do seu biotipo, inteligência e mental diferenciados, possivelmente seria melhor que hoje em alguns fundamentos mais exigidos na época, mesmo que isso lhe custasse menor consistência no jogo de fundo de quadra.
      Ele dançaria conforme a música.

      Responder
      1. Luiz Fabriciano

        Putz Danilo, assim você derrete o miolo de alguns. O GOAT das estatísticas, rsss.
        Essa sobre o saque é determinante para entendermos o quanto se saca mais rápido atualmente (considerando sempre todos os fatores evolutivos – claro), portanto, uma coisa está compensando outra, com sobras.

        Responder
      2. Jose Yoh

        Excelente Danilo, mais uma vez!

        Seria como dizer que Pelé hoje em dia não jogaria nada por causa dos zagueiros. Ele também dançaria conforme a música.

        Como todos sabem, não sou torcedor do sérvio mas o homem com certeza é o mais adaptado ao jogo atual. E jogaria bem em qualquer época.

        Responder
      3. Maurício Luís *

        Nossa, você deve ser estatístico. Parabéns… fiquei até meio tonto com tanto número. Será que não caiu nenhum ZERO no chão?… kkk

        Responder
    5. R.P.

      Quer dizer q numa quadra onde o tempo para se chegar na bola é menor, o preparo físico se torna menos importante? KKKKKKKKKKKKK

      Coitado do Djoko! Passa tanta vergonha em quadra rápida. Wimbledon q o diga! Nisso q dá ser só um passador de bola de pouca técnica. KKKKKKKKKK

      Responder
    6. Ricardo

      Comentário ridículo de um hater.
      Deve ser duro vê-lo vencer sempre os seus ídolos.
      Djoko caminha para ser o maior da história, doa a quem doer.
      Esse ano será difícil para você.

      Responder
  48. Luiz Fernando

    Rafa não vem jogando, vem treinando, em razão do baixo nível dos seus adversários. Salvo uma zebra descomunal, deverá ocorrer o mesmo frente a esse coreano hoje. Se vencer, a semi realmente será seu primeiro teste…

    Responder
  49. Paulo Almeida

    Quem chama Agut, Busta, Ferrer, Berrettini e outros de bagres não tem moral para falar de quem diz o mesmo de Roddick, Hewitt, Blake e outros. Está rebaixando jogadores do mesmo jeito e ainda quer pagar de bom samaritano.

    O fato é que são todos jogadores de patamar mais baixo e o Federer se aproveitou de uma era fraca para se empanturrar de títulos. Sorte dele, fazer o quê?

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Cara da’ um tempo, vai. Os citados da tal “ entressafra “ babaca citada por você, já foram elogiados até pelo blogueiro . Se manca , você já era nascido quando Roddick era N 1 do mundo com Vitórias expressivas sobre todo o TOP 10 de então. Aprenda admirar algo que seja fora do tempo do Sérvio. Você está se transformando num grande responsável pela fuga de vários aqui do Fórum de debates. Na verdade já ultrapassou todos os limites. O Post é sobre Maria Sharapova , mane’ . Abs!

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Não estou bancando o samaritano, cara.

      Estou apelando para o bom senso e lucidez que ainda ESTÁ EM TEMPO de você demonstrar!

      Para o bem deste espaço que compartilhamos…

      Para colocar um termo, um fim a essa baixaria cíclica que o Dalcim já deve estar de saco cheio!

      Nenhum dos citados por você ostentam títulos importantes.

      Muito menos de Grand Slam…

      Além de terem um jogo esteticamente horrendo. (a minha crítica a eles é essa)

      Não tem nada a ver com o teu ídolo.

      Mais do que injusto é INSANO compará-los com Roddick ou Hewitt.

      E o tênis jogado por esses dois era diferente.

      Você não acompanhou aquela época, mas a adaptação era MUITO MAIS difícil.

      Até o peso da bolinha era outro…

      Responder
    3. Ronildo

      Eu já li este comentário umas 200 vezes no Blog do Dalcim. Será que o Paulo Almeida é uma URA que adquiriu inteligência própria e que não consegue se livrar de repetições?

      □ não sou robô

      Responder
    4. Paulo Almeida

      Nenhum de vocês dois é flor que se cheire e são famosos por arrumarem treta com vários membros. Portanto, no dia em que tiverem condições de dar lição de moral em alguém, eu vazo do blog pra sempre.

      Por enquanto, vão ter que lidar com os bagres da entressafra.

      Responder
  50. Paulo Almeida

    Jonas e demais nolistas: algum de vocês nega que o Djokovic está entre os maiores talentos da história, se não for o maior?

    Lembrando que talento não é só fazer jogadas de efeito, que por sinal o sérvio faz muito bem (hoje foi chamado de Dropovic). Quem já começa pressionando o adversário na devolução, afunda as bolas e acha os ângulos mais difíceis como ele? Quem tem a maior força mental para sair de situações adversas? Quem realiza a maior quantidade de defesas impossíveis?

    Ainda tenho que ler “grau de talento”, kkkkkkkkkkkk.

    Diversão garantida!

    Responder
      1. Jose Yoh

        No nível deles, talento conta muito pouco, pode estar certo que tanto ele como Federer ou Nadal treinam muito, mas muito mesmo para conseguir fazer o que fazem. Na verdade acho injusto quando falam que Federer é talento nato. Não ganhou nada até os 22 anos, então como era nato?

        Jogadores talentosos tem de monte. Aqueles que aguentam as pressões do circuito, a rotina de treinamento, as lesões e a distância de família e amigos, estes são bem poucos. Acho que aí sim reside o verdadeiro talento.

        Responder
    1. Jonas

      Alguns já o consideram como o maior tenista da história, então sem sombra de dúvidas ele é um dos MAIORES talentos de todos os tempos.

      Quando assistimos a um jogo do Djokovic estamos presenciando uma aula de tênis. Movimentação, backhand e mudança de direção são os itens que mais chamam a atenção. Precisa ser um absurdo tecnicamente para mudar a direção da peluda assim, coisa de gênio. Esqueci da devolução rs…monstruosa.

      Acho que o Federer é mais habilidoso que o Djoko e na rede o suíço se vira melhor também. Acredito que pouca gente discute isso.

      Os dois tem qualidades indiscutíveis e pontos negativos. No entanto, o Djokovic melhorou horrores as suas deficiências, enquanto o Federer demorou um pouco pra acordar…um exemplo disso é aprender a jogar contra o Nadal depois de uma década sendo SURRADO.

      Enfim, quem aprecia o esporte precisa reconhecer que o Djokovic é um talento enorme. Eu acho o Federer abaixo dos rivais, mas reconheço que o cara tem um talento imenso assim como o Novak, cada um na sua característica.

      Responder
    2. Nattan Labatto

      O MAIOR, com certeza!

      Djokovic é um predador nato, sufoca lentamente as suas presas. Morde a jugular e só solta quando quando a vítima estar sem ar. Chega a ser utópico as defesas, os ângulos, as mudanças de direção, as devoluções, a mentalidade, a movimentação, o back, a recuperação, a facilidade de adaptação (aprimorou descomunalmente os drops, voleios e saque), joga fácil em qualquer piso, a constância e a regularidade, a sobremacia sobre seus principais rivais e etc… Parar por aqui rsrsrsrs

      Deixo-vos com uma frase dita por um contemporâneo que certamente conhece o circuito mais q qualquer um desse blog: “Tentamos fazer um winner, enquanto que ele coloca a bola em zonas difíceis e irritantes, nas quais é impossível surpreendê-lo. Ele sufoca-te lentamente. O que ele faz é incrível”.

      Abs

      Responder
    3. Rodrigo S. Cruz

      Uns têm mais talento do que outros, não?

      E a forma com que me expresso ( grau, nível) é uma escolha exclusivamente minha.

      Dane-se.

      Já disse que ” ad hominem” não cola comigo.

      Estou esperando é pelos teus argumentos.

      Pelo jeito vou ter de esperar sentado…

      Responder
    4. Rodrigo S. Cruz

      E outra coisa…

      Não dá para você jogar tudo no mesmo bolo.

      ” defesas impossíveis” dependem muito mais do físico do que da habilidade do sérvio.

      (e físico exuberante também tem prazo de validade)

      O “mental forte” (putz) eu nem preciso comentar.

      NADA A VER o cu com as calças…

      Responder
    5. Paulo Almeida

      Excelentes comentários, complementando o meu e deixando claro que Djokovic é um gênio que joga um tênis magnífico.

      Grato!

      Ah, e claro que defesas impossíveis e força mental fazem parte de dom, de talento, de genialidade. O cara nasce com isso, não é coisa adquirida em treinamento dependente só do preparo físico.

      Responder
  51. Joaquim Saraiva

    Direita abusada tem o brasileiro Thiago Wild, hein, Dalcim? O menino foi bem novamente hoje, não? Contra o embalado Garin, caso o chileno vença sua partida de logo mais, o paranaense tem que assumir o papel de franco-atirador e aproveitar o momento, pois, estando o favoritismo e a pressão estarão do lado de Christian, o que vier será lucro.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, ele está jogando um tênis de nível muito bom, Saraiva. Está dando gosto de ver. Claro que comete erros e muitas vezes se mostra apressado, mas o arrojo tem compensado e ele está segurando bem a cabeça.

      Responder
      1. evaldo moreira

        Dalcim,
        Vi na do Rio Open alguns pontos jogados pelo Garin, e não essa coisa toda não, se Wild jogar solto e sem se preocupar com o outro lado, garanto que leva, e vi o chileno meio esquentadinhos em certos momentos, mas lógio que tem alguns pontos bons a serem observados, como disse não o jogo todo, qual a porcentagem de vitórias que você daria para o Wild, Dalcim?. Alguma chance?

        Responder
  52. Robson Couto

    Prezado Dalcim,
    Sempre gostei muito de tênis, mas você me fez amar esse esporte com textos que nos brindam com fatos históricos, curiosidades, estatísticas e uma análise sempre lúcida e rica. Te desejar um feliz aniversário seria pouco por tudo que você representa para o tênis no Brasil. Que Deus te abençoe e lhe conceda muita saúde. Um forte abraço!!!!

    Responder
  53. Rogerio R Silva

    Boa tarde Dalcim.
    Acompanho o site e sua coluna diariamente.
    Pouco postei pois vejo alguns fanáticos e não gosto disso.
    Marcando presença está vez somente para te parabenizar.
    Muita paz e saúde para vc continuar nos brindando com os maravilhosos textos que vc é capaz.
    Forte abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado, Rogério! Volte mais vezes. Acho que só diminuiremos esse fanatismo um tanto exagerado quando vierem mais posts sensatos e serenos. Abs!

      Responder
  54. Paulo Almeida

    Mais uma partida exuberante, esplêndida e magnífica do GOAT Djokovic contra o Caixa. Atualmente seu drop é o melhor do circuito, nota 10/10.

    Alguém já viu o mais completo da história dar uma madeirada? Deve acontecer de 10 em 10 anos e olhe lá!

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Não é possível que ainda exista gente falando que o Djokovic joga feio e de forma robótica depois de mais um espetáculo.

      Vou repetir para que consiga compreender: Djokovic joga de forma belíssima, exuberante, magnífica, estupenda, tem todos os golpes e é o melhor tenista da história.

      Acho que não posso ser mais claro do que isso.

      Vídeo para dúvidas: https://www.youtube.com/watch?v=14ndkF0zkK0

      Responder
  55. Luiz Fernando

    Djoko não está vencendo, está atropelando os adversários. O jg contra Monfils, q vem jogando bem e tem ótima potencia nos golpes, poderá nos confirmar isso…

    Responder
  56. Rodrigo S. Cruz

    Burrice crônica é soltar no ar (feito peido fedido) assertivas como:

    ” O Roddick era fraco, o Hewitt era bagre, TODA ERA em que eles jogaram foi de bagres, o Federer só merece 7 Slams, etc”.

    E depois se encher feito um “peru” imaginando que disse coisa inteligente.

    O que por tabela equivale a dizer que o Guga foi bagre também. (rs)

    Deprimente…

    Por isso é que você não regula, cara. Você não sabe respeitar ninguém!

    É lógico que o Djokovic é um tremendo tenista, um dos melhores que já existiram.

    Na opinião de alguns, o melhor até. Você acha isso pouco?

    E lógico que ele tem um grau de talento também. Ninguém chega tão longe sem talento algum.

    Mas daí a dizer que ele joga fácil por ter muito talento é simplesmente incorreto e pronto.

    Irei até o fim rebater uma ideia mentirosa como essa.

    Até que alguém com argumentos melhores que os meus me convençam do contrário.

    E estou respaldado por muita gente boa ao fazê-lo.

    Quem é que (além dos fakes) corrobora essas tuas idiotices?

    Aposto que nomes desconhecidos aparecerão para contrariar este meu post.

    Pensa que eu sou trouxa para não prever isso?

    Hahahaha. E saberei que tem o dedo teu!

    Quer me convencer de que estou errado? Ótimo.

    Apresente argumentos! Todo o restante será inútil…

    Acho que nem o Jonas (outro nolista chato pacas) defende que o Djoko esteja entre os tenistas mais hábeis do circuito.

    Ou seja, dá pra ver que é um quesito que realmente te isola… kkkk

    Não tem como a pessoa que a gente mais admira reunir todos os atributos desejados.

    Simples assim.

    Desculpe te informar que o Djoko também não reúne. Nem ele, nem o Federer, nem ninguém…

    Seria a MESMA coisa do federista médio teimar que o suíço tenha mais físico do que o Djoko, por exemplo.

    Isso sim seria nos teus próprios dizeres: ” burrice crônica”.

    E para concluir:

    burrice é essa falta de preocupação em como se comportar neste espaço.

    Pois este blog é muito bom para se falar de tênis em geral.

    Desrespeitar os participantes daqui, abusar do “ad hominem”, diminuir tenistas e eras, isso não te levará a lugar algum.

    Aliás, você não enxerga o quanto apenas REBAIXA a si mesmo com isso.

    Responder
    1. DANILO AFONSO

      Nobre Rodrigo, deixa de onda…

      Vamos deixar a zoação fruir normalmente. O sucesso do blog não é apenas pelo ótimo conteúdo e variedade do mestre Dalcim, mas também pela resenha dos leitores, principalmente após os grandes embates dos BIG 3 e vexames de um deles. Se os membros do blog fossem tão serenos, talvez o blog teria metade do acesso diário. Cada um aqui lê aqui o que interessa. Não gostou pula. Simples !!

      Apenas pecamos pelo excesso de fanatismo, uns mais que outros. O que não pode ocorrer é a hostilidade além do tolerável e postagens com conteúdo repetitivo em pequenos intervalos.

      Não tenho ideia com que frequencia o Dalcim veta postagens inapropriadas. Mas quando comparo com as mensagens sobre tênis em outras páginas no Brasil e mundo, vejo que aqui é mais light o debate. Já li várias vezes no youtube e inclusive algumas vezes na página da ATP, torcedores se xingando.

      Logo é perfeitamente tolerável ler meses atrás você injustamente denominando o espetacular e brilhante tenista DJOKOVIC como mero ROBÔ. Ou então ignorando ou diminuindo o feito do sérvio em Wimbledon 2019 ao fantasiar a figura do suíço “vencedor moral”.

      Só temos que rezar para os membros mais extremistas do blog seguirem o conselho do Felipe Melo do Palmeiras: “Vamos bater com responsabilidade”.

      Zoação com urbanidade está de boa.

      Segue o jogo nobre

      Responder
      1. Jose Yoh

        Danilo, o problema é que já está bem difícil filtrar os comentários ruins. São muitos!

        E a falta de argumentos é de doer.

        Então peço educadamente que se quiserem zoar, pode, mas com criatividade e sem repetir a mesma ladainha 10 vezes em todo post, sem nenhum argumento. Qual é a graça disso???

        Pelo que eu costumava ver aqui, todo mundo é inteligente para entender em poucas palavras o que queremos dizer.

        Responder
      2. Rodrigo S. Cruz

        Sinceramente, Danilo?

        Não dá!

        Impossível para mim simplesmente pular o post e fingir que não vi!

        Assim como para algumas pessoas aqui também é muito difícil.

        Cedo ou tarde dá merda…

        A hostilidade será infinita enquanto se estimular/defender comportamentos desse tipo.

        O cara começa diminuindo os tenistas, aí vem um e responde com babaquices ao tenista dele.

        Depois de um certo tempo a coisa evolui para rixas pessoais…

        O participante é que passa a ser diminuído.

        Se ele for alguém com tendências narcisistas como esse Paulo Almerda, a coisa fica muito pior.

        O “ad hominen” se torna habitual. Pois o ego ferido do cara gera a necessidade do revide.

        Se você se sente bem com essa baixaria, eu não me sinto.

        Portanto, te convido a uma reflexão.

        Responder
      3. evaldo moreira

        Danilo Afonso, tudo bem!!!
        “Se os membros do blog fossem tão serenos, talvez o blog teria metade do acesso diário. Cada um aqui lê aqui o que interessa. Não gostou pula. Simples !!”
        Ai faço isso ai que você mencionou, fato, e também não tiro a razão do Rodrigo, mas o bom aqui é que a pessoas sensatas em possamos debater algo saudável de vez em quando, lógico que tod post que Dalcim faz, alguém fala sempre as mesmas coisas e nós, federistas como eu, Nolista e Nadalista sempre vamos falar algo, e um ou outro vai tirar onda, se extremar até onde não der mais.

        Como disse o Dalcim, para um forista acima, que ele só lê e aprecia os textos do mestre, que isso vai diminiur quando tiver textos mais serenos ainda, e que propicie um debate mais saudável, imagino no whatsapp como deve ser o bate boca ali, kkkkkkkkkkkkkk, pelo que falam chega a ser hilário as vezes, e mudando um pouco o assunto, os ATPs 500 esquentando, e vamos ver neste fim de semana bons jogos com certeza, e na semana passada se não me engano vi o jogo do Opelka x Raonic, pelo amor de Deus, que jogo medonho, escroto, e na final a mesma coisa, o Opelka x aquele japão lá que imita o Nadal, esqueci o nome dele, rapaz, deve doer aquele punho dele, socorro , valei-me, que isso.

        Responder
    2. Nattan Labatto

      Comentei na postagem do Paulo sem lê a sua, Rodrigo . Rsrs
      Pode até não haver um consenso majoritário sobre a maior rivalidade do tênis, mas aqui no blog é Rodrigo x Paulo. Rsrs

      Abs, nobre amigo.

      Responder
  57. Miguel BsB

    Não sou fã da Sharapova como tenista. Seu jogo nunca me agradou, pancadaria sem qualquer variação, e seus gritos chegavam a ser insuportáveis…
    Agora, que a beleza dela é deslumbrante, é inegável…mulherão da p….! hahaha
    Sem dúvidas uma das mulheres mais bonitas do mundo.
    Não se acomodou só com a beleza, ao contrário da sua conterrânea Kournikova, e foi sim uma grande campeã e uma competidora tenaz.
    Avaliando sua carreira, na minha opinião não está nem entre as 20 maiores de todos os tempos. Tá lá pra 3 página da história.
    Em termos de jogo, das suas contemporâneas, fico com a “menos bela” mas de jogo lindíssimo Justine Henin…exatamente seu oposto em quase todos os quesitos.

    Dalcim, aproveito para lhe dar os parabéns! Muita saúde, muitas felicidades pra você! Obrigado por nos proporcionar esse espaço há tantos anos, sempre com grandes textos e informações sobre o esporte, interagindo conosco sempre com humildade e ponderação!
    Abraço

    Responder
  58. Roberto Garcia

    Como os jogos do ATP 500 nao estao sendo comentados ainda… Peço permissao para fazer uma observação… Que jogo foi esse do Djoko contra o Kachanov?? Honestamente, Nole pode até perder uma eventual partida… Mas esse nível de tênis é surreal… Dropshots absurdos, winners na linha, a uma velocidade altíssima… Para mim, Djoko está no seu melhor nível agora… E detalhe… Não está ganhando de um zé qualquer… Não concordar com isso, é ignorar uma supremacia absoluta atual no tênis… Quanto tempo vai durar… É uma incógnita… 310 semanas estão logo ali

    Responder
  59. Rafael

    Djokovic amassou Khachanov de tal forma hoje que fez o russo parecer menos bom do que ele realmente é. Incrível, mostrou todo o repertório. Que jogador completo. Que fase nós vivemos, vendo os 3 melhores da história em ação ao mesmo tempo.
    ______________________________________________________________________________________________________________

    A transmissão da Bandsports me agrada bastante, nas que eu vi.
    _______________________________________________________________________________________________________________

    Dalcim, fiquei sabendo de seu aniversário através dos comentários dos colegas. Meu desejo é que você tenha saúde para cobrir mais 40 Australian Open, no mínimo!

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Sim, Rafael, mas na visão de fedtards pesados, ele tem jogo feio e robótico. Só o Fregueser pode jogar bonito e mais ninguém.

      Os caras tentam negar o óbvio a todo custo, mas é impossível.

      Responder
  60. Sandra

    Dalcim pela luta da Sharapova , vai ser um descanso e tanto , você não achou que o Djokovic ia se aposentar logo ? Eu achei!, tão jovens e passado por tantas coisas !,, outra pergunta , nas olimpíadas do Rio vários jogadores alegaram não vir por causa da zica, inclusive a Halep,E Raonic , será que eles vão a Tóquio com o coronavírus? Parece ser bem pior que a zica !,,

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, nunca pensei isso do Djokovic. Acredito que tudo estará bem resolvido até os Jogos começaram e o vírus não irá ameaçar os atletas.

      Responder
  61. Antônio Luiz Júnior

    Maria Sharapova sempre foi uma tenista controversa. Muitas tenistas já manifestaram publicamente que não simpatizam com ela. Muitos torcedores lhe amam e outros lhe odeiam. Seu grito em quadra é inconfundível e ficará para sempre marcado na história do tênis feminino. Sua beleza estonteante, e o que conseguiu conquistar através da publicidade, incomodam muitas pessoas. Não há como negar o seu talento (venceu 05 Grand Slams e em todos os pisos) e se podemos lhe definir em uma palavra: DIVA… vai deixar saudades…

    Responder
  62. Túlio Oliveira

    Sharapova foi a grande responsável por hoje eu gostar tanto desse esporte. Seu jogo agressivo, sua garra, sua beleza e seu foco me fizeram admirá-la e mergulhar nesse universo do tênis. Me tornei um grande torcedor e praticamente não perdia uma partida dela. Com suas raras aparições no circuito nos últimos anos meu interesse pelo circuito feminino diminuiu bastante e sua aposentadoria pode atenuar isso ainda mais. Enfim, Maria foi uma grande tenista e seu lugar na história desse esporte é inquestionável. Que ela seja feliz nessa nova etapa de sua vida!

    Responder
  63. Valter Mucillo

    Sem dúvida uma grande campeã, fez grandes jogos contra a Serena, carregou grandes públicos. Fica a dúvida quanto ao doping, talvez faltou a habilidade da equipe em não ficar alerta que o medicamento a partir de tal momento faria parte dos anabolizantes. Agora uma grande pessoa e empresaria, que ela curta bem esses trocados que foram ganhos com muito suor.

    Responder
  64. Luiz Fernando

    Dalcim, Rafa está em quase todas as partidas tomando a dianteira mas não sustenta; ontem parece ter sido quebrado 2 vezes ao sacar p fechar sets. Será q um cara com a experiencia dele pode estar ansioso em razão da disputa do número 1 do ranking? Ou seria apenas uma má fase do serviço, talvez um pouco prolongada, basta lembrar da final do USO 2019, servir nunca foi o forte dele…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Rafa nunca joga super bem em Acapulco. Por algum motivo, ele tem intensos altos e baixos por lá. Mas acho que é apenas ferrugem. O objetivo dele certamente é Indian Wells e depois Miami.

      Responder
  65. Wilson Lima

    Estive presente em praticamente todas edições do Rio Open, com excessão 2018. Uma pena, não contar com os grandes nomes do tênis ultimamente. O que me incomoda, é que, fora a quadra principal e quadra 01, as demais, não tem nível de torneio ATP. Poderiam até continuar no saibro, mas mudando para o Parque Olimpico, utilizando aquele complexo, que está abandonado.

    Responder
  66. EDVAL CARDOSO

    Dalcin,bom dia e feliz aniversário,
    Uma pergunta,
    Vc acha que o uso da substância que levou a Maria a ser punida por uso de doping realmente influenciou nos resultados dela como alguns aqui do blog estão acreditando?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, é opinião minha, mas acho que sim. Pelo que li sobre os problemas do doping na Rússia, havia sim o conhecimento deles que o meldonium ajudava na performance e era utilizado.

      Responder
  67. neuton

    Sharapova fez bem em parar. Ficou muito claro que sem o “melzinho” dela não conseguia jogar em alto nível. Ela é uma linda mulher e agora pode continuar a ganhar milhões de dólares explorando sua beleza. Pena que entrou para a história como uma atleta que teve grandes resultados usando dopping, coisa que não conseguiu repetir sem seu “melzinho”.

    Responder
  68. evaldo moreira

    Bom dia,
    Mestre feliz aniversário mais uma vez, e que continue nos bridando com esses textos primorosos e pela condução do blog.
    Uma pena a Maria se aposentar, o muié linda de morrer, que sorriso, que olhos, a sua beleza e o tenis sempre andaram juntas, elevou a popularidade do tenis feminino jamais vistos, se não á melhor, está com certeza na galeria das grandes tenistas de todos os tempos, que curte este momento pós aposentadoria e seja feliz nos projetos futuros, se a Ana Ivanovic fez falta, imaginem agora com a Maria Sharapova.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Permita-me , discordar Evaldo. De jeito algum foi Maria que elevou a popularidade do Tênis feminino a níveis jamais vistos. O Post deixa bem claro que foi a mais bem sucedida como empresária e contratos extra-quadra. Dentro da mesma perdeu fácil pra varias Tenistas a começar por Evert , Martina , as irmãs Willians e CIA . Aliás somente agora Federer foi bater o recorde de Público da história do Tênis , que pertencia a uma exibição em Bruxelas entre Serena e Kim Klijsters com 32 mil expectadores. Uma coisa é uma coisa , outra coisa é outra coisa rsrsrs. Abs!

      Responder
      1. evaldo moreira

        Vixe,
        Ok, verdade, correto a sua colocação, a beleza da Maria me cega as vezes, rsrsrsrs, seria um desrespeito de minha com a geração anterior a russa, onde tivemos grandes jogadoras de talento enorme, e de público notável.

        Obrigado parceiro Sergio Ribeiro

        Responder
  69. Daniel

    Dalcim monstro!!! Que matéria, cara!!
    Maria merecia essa menção. Obrigado por dedicar um post só para ela. Mano do Céu, dá até uma saudade da Maria hehehe

    Responder
  70. Carlos

    Sem dúvida nenhuma, desde que ganhou Wimbledon até ser suspensa por doping, Sharapova foi a maior estrela do tênis feminino, ainda que nem de longe tenha sido a melhor jogadora desse período, embora tenha obtido expressivos resultados.
    Sua garra, determinação e competência foram notáveis dentro e fora das quadras. E interessante o fato de que o sucesso fora das quadras não só não a atrapalhou dentro das quadras como até a ajudou, uma vez que para muitas jogadoras foi difícil estar numa quadra cheia jogando contra uma estrela determinada.
    Mas agora cabe uma importantíssima consideração. Será que Maria teria tido essa garra toda durante tantos jogos difíceis se não fizesse uso de uma substância que a colocava em vantagem em relação a outras competidoras? Se Maria não tivesse a ajuda desse “plus”, será que teria tido uma carreira tão vitoriosa?
    Bem, parece que os fatos após seu retorno da suspensão respondem a essas perguntas. Com certeza seus resultados seriam muito inferiores se não fizesse uso de uma substância que conferia poderoso fortalecimento físico. Não nos esqueçamos de que quando esteve parada, Sharapova não estava contundida. Muito pelo contrário, teve tempo para treinar e até para se acostumar a jogar sem o uso da substância. Se fosse grande mesmo, passadas as primeiras semanas, teria ganho ritmo e voltado a jogar em alto nível, ainda que não viesse a repetir os seus grandes feitos. Não foi o que aconteceu, mesmo desconsiderando o tempo em se contundiu.
    Eu era seu fã até ficar sabendo que ela fazia uso de uma substância que lhe dava vantagem em relação a outras competidoras, ainda que não fosse proibida. Nem tudo que é legal é moral. Sharapova conhecia e usava um aditivo que lhe dava vantagem não justa. Isso é imoral.
    É uma pena que, na prática, uma bonita história do tênis, representada por sua grande carreira, foi na verdade uma farsa proporcionada por um aditivo. E quando olhamos pra trás, revendo essa história, vemos que na verdade Maria não fez bem para o tênis, só o manchou. Pena.

    Responder
    1. Jose Yoh

      Veja bem Carlos, longe de querer defendê-la, mas ela estava dentro das regras quando ganhou seus slams. A substância não era proibida.

      E pode ser também que tenha ganho sem utilizar a substância – seu primeiro slam foi no longínquo 2004 (nem sei se existia).

      Também acho que independente do Meldonium ela não ganharia mais hoje porque seu auge já passou faz tempo, vieram as lesões e surgiram outros nomes de peso.

      Abs.

      Responder
  71. Sérgio Ribeiro

    E graças a N lesões, devido ao seu próprio estilo de jogo, lá se foi Maria aos 32 , idade que se aposentavam as grandes Campeãs do passado ( Stef foi aos 30 também pelo mesmo motivo) .Entre suas grandes conquistas, os inesquecíveis SLAM pra cima de Serena Willians , Justine Henin, Simona Halep , este incrivelmente em RG . E perdeu o Ouro Olímpico 2012 , por ironia pra quem se tornou sua grande algoz , a própria Serena. E tudo isso acompanhada por uma beleza Ímpar. Vai deixar saudades. Mas ao contrário do que postam os que não acompanham a WTA do momento, beleza não falta. E nada de somente pancadaria . A N 1 atual tem todos os golpes que faltaram a Sharapova. Vale conferir. Abs!

    Responder
  72. Efraim Oliveira

    Torcia pra Sharapova e pra Serena ao mesmo tempo, apesar de ambas serem adversárias e ter um histórico meio tenso. Pensei que a Sharapova ainda conquistaria mais uns dois slams após o seu retorno, mas vimos no que deu, um fracasso. Infelizmente.

    Responder
    1. Deiner Cesar Pádua Toledo

      20 x 2 pra serena em jogos jogados. Maria ganhou o segundo e terceiro jogos em 2004. Daí pra cá nunca mais. Em RG 2018 houve o w.o da serena. 20 a 3. Como são adversárias? Federer ficou quase dez anos pra ganhar do Nadal em Grand slams (Wimbledon 2007 a Austrália open de 2017), mas ganhou. Agora esta há quase oito anos sem ganhar do djoko (Wimbledon 2012). Nadal, em slams, ganhou os últimos em usopen 2013 e RG 2014 do mesmo sérvio. Diferença entre rivais no masculino. Pra mim, Sharapova jamais foi rival da serena. Tanto que só ganhou os outros 4 slams quanto a americana estava machucada.

      Responder
  73. Maurício Luís *

    Parabéns e feliz niver, Dalcim. Espero que continue sempre assim, atencioso e dinâmico.
    A Maria Sharapova, achei que ela iria continuar tentando mais um tempo, já que hoje em dia 32 não é muito. Mas assim, de repente, puxa, que pena. Ela aliou beleza com esportividade e competência. A popularidade do tênis feminino deve muito a ela.

    Responder
  74. Gabi

    Sérgio Ribeiro, Evaldo Moreira e Osvaldo E. Aranha,

    sobre a mudança de piso do Rio Open penso como o Sérgio postou e o Evaldo endossou!! O ponto não é ser o saibro tradicional ou não e/ou sobre o Rio ser maravilhoso ou não. O ponto é que o Rio open na data que é ta totalmente na contramão do circuito e dos interesses dos jogadores qdo insiste no saibro. Atp 500 sem tops não dá…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Mas quando a IMG mandou o torneio para cá, ela sabia muito bem disso, Gabi. O piso teria que ser saibro. Não dá para reclamar das regras do jogo.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Pois é, caro Dalcim. Mas o tempo passa pra todos . Até pra você. Parabéns pelos 19 aninhos rs. Mas a Gira Sul -Americana precisa ser revista , acho que não existe dúvidas quanto a isso. Assistindo agora o ATP 500 de Acapulco, e o público presente , da’ pra entender porque Nadal aderiu totalmente ao Torneio , após o Saibro sair de cena. Ou seja, largou seu próprio habitat. Abs!

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Nadal tem mais um grande motivo para jogar Acapulco, Sérgio: um de seus melhores negócios está no México, ali pertinho, seu centro de treinamento das Américas…

          Responder
          1. Helena

            Achei o quadro de Acapulco mais interessante que o de Dubai também. Como é a velocidade dos pisos em relação aos masters americanos? Porque pela localização, o torneio mexicano parece uma preparação melhor para esses dois grandes eventos, mas Dubai tem premiação maior, se não estou enganada.

      2. evaldo moreira

        Dalcim,
        Ok, que sabiam que seriam o saibro, mas depois um certo tempo, e cabível pedir a mudança de piso?.
        Se sim, qual a justifica maior que os organizadores do Rio Open deram para a ATP, para a mudança de piso?.

        Desculpe a insistência mas, vendo os principais ATP 500 no piso duro, e com tantos tenista top jogando ali, o que é um prato cheio para o público.
        Então o Rio Open é o único de torneio de saibro no meios de tantos, no caso, no piso duro, neste inicio de temporada?

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          No momento ele está incluído na temporada sul-americana de saibro, fica bem no meio dela. A troca teria de ser de todos os ATPs, não só do Rio.

          Responder
  75. PIETER

    Sem dúvida a mais linda de todas!
    Mas não fazia o menor sentido ela disputar futures e torneios menores mundo afora.
    Com 325 milhões de dólares na conta, não lhe faltarão opções na vida. Merecidamente.

    Responder
      1. Willian Rodrigues

        Parabéns pelo aniversário Dalcim! Saúde e paz é o que eu desejo. Que haja ainda muitos anos bem vividos e com muito tênis!
        Com relação à aposentadoria da Sharapova, lamento muito, porque já nos proporcionou inúmeros jogos muito interessantes com outras atletas top. Há quem julgue seu jogo monótono, sem variações. Mas, a garra compensava algumas deficiências.
        Achei belíssima a apresentação com algumas imagens mostrando seu desenvolvimento da infância à adultícia. Muito legal!
        Saudações a todos do blog, e ótima semana pós-carnaval!

        Responder
  76. Oswaldo E. Aranha

    Como vários companheiros do blog também estou lamentando a aposentadoria da Sharapova; sem ela, sem a dinamarquesa e sem a tenista da Sérvia o tênis continua com o vigor masculino mas sem a presença da beleza das ausentes.
    Não tendo sabido antes agora envio um abraço pelo aniversário do Dalcim e enfatizo o desejo de que ele continue a nos brindar com sua competência e imparcialidade na condução do blog.

    Responder
  77. Luiz Fabriciano

    É meu caro Dalcim, sempre fui admirador da Maria, mas lendo seu texto, acho que fiquei um pouco mais.
    Quanto à sua beleza, para mim sempre foi a #1, com a Ivanovic em segundo. Sharapova é, segundo um jornalista que não me lembro agora, a única tenista que mesmo quando faz careta, ainda continua linda.
    Concordo com ele.

    Responder
  78. Vitor Hugo

    Parabéns pela grande carreira! Não está entre as melhores da história, mas está sim entre as grandes, devido ao grande números de fãs, capacidade de atrair público aos estádios e também pelos títulos de slam, apesar de não estar entre as maiores vencedoras.
    Muitos desejariam e desejam tem uma carreira como a dela. Muitos!!!

    Responder
  79. João Alexandre

    Te respeito Dalcim, e fui fã da Sharapova…
    Mas restou provado que sem o Doping ela ñ ganhou nada…
    E todas as atletas que perderam jogos importantes e disputados pra uma jogadora dopada…
    Achei essa análise infeliz…

    Responder
  80. André Barcellos

    Nunca gostei da Sharapova. Nem do tênis dela, tampouco da cara emburrada, embora em algumas entrevistas tenha sido simpática.
    Mas ninguém pode negar que a russa foi uma campeã, com enorme espírito de luta e tenacidade!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *