Wild só merece aplausos
Por José Nilton Dalcim
21 de fevereiro de 2020 às 00:54

A expectativa positiva que cerca Thiago Wild só se fez aumentar durante sua passagem pelo saibro lento do Rio Open. Colocado diante de diferentes desafios, o paranaense de 19 anos se saiu muito bem nas duas partidas que fez, deu um pequeno mas animador salto no ranking e reforçou qualidades.

O jogo de estreia contra o espanhol Alejandro Fokina forçou Wild a segurar a cabeça e sustentar um esforço físico tremendo, que tem sido uma de suas dificuldades no circuito. São dois tenistas jovens e impetuosos, que tiveram altos e baixos contínuos no duelo de quase 4 horas, mesclando lances espetaculares com golpes extremamente descalibrados e apressados.

O brasileiro ganhou os primeiros elogios ao ganhar o tiebreak catimbado e empurrar a decisão ao terceiro set, logo depois de salvar três match-points. Naquele momento, parecia entregue, quase desinteressado, e um lance de sorte mudou tudo. O notável no entanto é que jamais deixou de tomar a iniciativa, exibindo o forehand potente que chama a atenção de qualquer um. No longo e disputado terceiro set, jogou com empenho máximo e total controle emocional.

A derrota desta quinta-feira para Borna Coric foi um pecado e o próprio croata admitiu que Wild se mostrou o melhor tenista em quadra. Depois de um primeiro set um tanto passivo, ele mudou tudo, e isso é para quem possui recursos técnicos. Passou a cruzar com firmeza as devoluções e a explorar o saque pelo centro. Ditava os pontos diante do 32º do mundo e teve as maiores oportunidades, incluindo aquele doloroso 0-40 no 11º game, em que os méritos foram do adversário. A se lamentar apenas o começo ruim do tiebreak, que deu 4-0 a Coric. Com coragem, reagiu e empatou, mas a experiência do croata decidiu.

Wild chegou ao Rio sem vitórias na temporada. Sai como o 179º do ranking, o que no mínimo o garante no quali de Roland Garros, já que ele só tem 20 pontos a defender até sair a lista de inscritos do Slam francês. Espera-se que ele receba um convite para Santiago, na próxima semana, e aí seguirá para a missão quase impossível diante da Austrália na Copa Davis. A meu ver, deveria ser escalado como titular de simples ao lado de Thiago Monteiro. Para termos alguma chance na quadra dura de Adelaide, será preciso arriscar. E isso ele sabe fazer muito bem.

O saibro carioca, aliás, também foi importante para outros três garotos: Felipe Meligeni Alves teve a incrível oportunidade de enfrentar Dominic Thiem e não decepcionou, arrancando pontos incríveis e até um impensável set. É bem verdade que Thiem pareceu preocupado com dor repentina no joelho, mas o sobrinho de Fernando Meligeni suportou muito bem o peso das bolas do número 4 do mundo, o que não é pouca coisa para quem ainda está em nível future e challenger.

Orlandinho Luz e Rafael Matos conseguiram também seu lugar ao sol, ao derrubar nada menos que a dupla número 1 do mundo. Ainda que estivesse clara a falta de ritmo de Robert Farah, que voltava da suspensão preventiva, os brasileiros fizeram coisas incríveis em quadra. Note-se que essa parceria já ganhou dois challengers, um deles no mês passado. Perderam nas quartas para Meligeni e Monteiro.

Por falar em Monteiro, ele deixou escapar outra oportunidade de ouro para fazer uma grande semana em nível ATP, como aconteceu em Buenos Aires. A estreia contra Guido Pella no Rio realçou a evidente evolução do canhoto cearense, que de certa forma acabou penalizado por ter de voltar menos de 20 horas depois à quadra e à umidade sufocante, perdendo totalmente a intensidade no terceiro set diante de Atilla Balazs. Na condição de 86º do ranking, segue agora para o ATP de Santiago com uma pequena chance de ser cabeça de chave.


Comentários
  1. Nattan Labatto

    Aposentadoria: um dia você chega lá. Ou por bem ou por mal. A russa, musa e tenista Maria Sharapova merecia uma aposentadoria mais glamorosa. Uma lenda que venceu Wimbledon aos 17 anos ganhando na final de nada mais e nada menos que Serena Willians, sua eterna rival… Maria elevou o tênis feminino a um patamar de visibilidade jamais visto, nem mesmo os 24 Slam de Court, os 23 de Serena e/ou os 22 de Graf conseguiram esse feito. Fará muita falta a WTA… vá e tenha certeza q o legado foi deixado.

    No mais, parabéns Dalcim! Não é todo dia q completamos 24 anos…

    Abs!

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Desculpe , caro Nattan. Ela pode ter sido a que mais faturou em contratos publicitários fora das quadras. Mas o boon causado por Evert x Martina Navratilova, e principalmente com o surgimento das irmãs Willians para a WTA , foi infinitamente superior ao da linda Russa. Quem colocou a WTA neste patamar foram as citadas. Court nunca impactou como Bille Jean King , precursora da WTA. Abs!

      Responder
  2. Luiz Fernando

    Se Kyrgios não tinha condição de jogo pq entrou em quadra? O q é indesculpável é fazer criticas entupidas ao Mexico, verídicas ou não, por causa de vaias da torcida, situação q ele ja deveria estar acostumado, pois é comum. Pq será q é comum? Talvez pelo seu comportamento exemplar nos torneios…

    Responder
  3. evaldo moreira

    Dalcim,
    Sharapova se aposentando por problemas de lesões em seu ombro, além claro, de outras que ela teve, uma bela tenista que surgiu a época e prometia muito, mas Serena que o diga, enfim boa sorte pra ela em sua nova jornada. Além da russa que mencionei á pouco, não era pra falar dela, sobre uma pergunta, e sim sobre A.Murray, vi o Tenisbrasil sobre as declarações e colocações desse novo problema físico, que é no osso pélvico, lesão fruto da reconstrução do quadril que ele fez, e a minha pergunta é, mesmo sabendo que você não domina esse tema da cirurgia do quadril, mas claro com conhecimento de causa sobre alguns tenista que sofreram com isso, que o diga o nosso Guga, então te pergunto: Está certo a continuidade do britânico no circuito, com essa cirurgia que !?.
    Não achas estranho e para mim mais ainda, as declarações dele meio que confusas em alguns pontos, no que tange as dores?. Se o objetivo da cirurgia foi para eliminar as dores que sentia, pois nem os cadarços do tenis ele conseguia amarrar, e agora ele consegue e mais ainda dormir melhor, não seria melhor ele parar, uma vez que apareceu essa lesão, proveniente do quadril novo?. E ele está ciente dos prós e contras desta cirurgia?.

    Sei que algumas dúvidas foram respondidas por ti, mas gostaria de uma análise sua Dalcim á respeito disso.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É muito difícil dar uma opinião sobre algo tão pessoal, Evaldo, já que não temos a exata dimensão do que está acontecendo. Só ele próprio. Mas o que eu pude entender é que ele ainda vai tentar jogar do jeito que está. Se não ficar satisfeito, fará a terceira cirurgia. E sinceramente, acredito que isso colocará fim de vez a sua carreira.

      Responder
  4. Rodrigo S. Cruz

    Uma pena a Sharapova não ter conseguido se recuperar.

    Acho que ela foi tentando adiar o fim ao máximo.

    Mas as péssimas campanhas nos últimos majors sem dúvida pesaram.

    Uma campeã como ela ficar só tomando PAU em primeira rodada, não tinha sentido mesmo.

    A beleza física e o espírito aguerrido de Maria deixarão uma lacuna no circuito…

    Responder
    1. Nattan Labatto

      Com certeza, Rodrigo. A russa merecia uma retirada mais honrosa, mas o esporte tem dessas… Ainda tem o caso do doping q trouxe um atraso/mancha descomunal para a sua glamorosa carreira.

      Responder
  5. Luiz Fernando

    Maria sempre foi uma atração a parte nas quadras, não apenas pelo tenis mas pela beleza inconteste; parece q a exemplo de outras, ganhava muito mais com propaganda do que como tenista, o q é uma regra, mas no caso da russa era algo absurdo. Se fosse mais dedicada ao esporte, fazendo correções necessárias no seu jogo, teria vencido mas. Infelizmente em algum momento perdeu o foco, o q talvez tenha redundado no caso de doping. Creio q deixará saudades p muitos…

    Responder
  6. Luiz Fernando

    O entusiasmo contido com a perspectiva de Wild mostra como o tênis brasileiro estava órfão. Mas não se pode negar q Monteiro vive um bom momento, vencendo tenistas melhores do q ele como Coric e Mayer. O brazuca é um batalhador, um cara q deve ter passado por muitas dificuldades, so nos resta louvar seu esforço, mesmo sabendo de suas grandes limitações…

    Responder
  7. Oswaldo E. Aranha

    Como mero apreciador gostaria de ver a opinião do Dalcim e de colegas do blog que são tenistas sobre o seguinte: fico com a impressão de que quando um tenistas consegue vantagem e depois a perde, sua confiança vai ladeira abaixo, com algumas exceções, e perde o jogo. Aguardo.

    Responder
    1. DANILO AFONSO

      Eu que sou apenas um mero domingueiro, fico remoendo por muito tempo durante o jogo quando perco a vantagem. Já foi pior, mas ainda não consigo apagar rápido. E isso atrapalha demais no decorrer do jogo. E esse detalhe faz diferença entre os profissionais. Os campeões ganham muitos jogos assim. Jogam ponto a ponto. Nadal e Djokovic talvez sejam os que apagam mais rápido quando perdem a dianteira do jogo. Aranha, vou ver se acho essa estatística. Aranha.

      Responder
  8. Luiz Fernando

    Rafa claramente sentindo a falta de ritmo, assisti o primeiro set e ele jogou pro gasto, ja q esses espanhóis em geral amarelam contra ele. Pra variar seus dois calcanhares de Aquiles estiveram a mostra: a devolução de serviço curta e o serviço mediano…

    Responder
  9. Oswaldo E. Aranha

    Não entendo a preocupação de alguns em querer mudar o piso do Rio Open, afinal o saibro é um dos pisos mais tradicionais e deve ser mantido. Quanto à escolha do Rio devemos nos lembrar que é a cidade maravilhosa que a todos encanta.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Na boa , Aranha . A gira de Saibro Sul-Americana não atrai mais os TOPs. ATP 500 sem eles não existe. O Dalcim já cansou de Postar que a pressão que os mantinha em alta, era principalmente dos Espanhóis comandados por Nadal. Onde estão eles agora ? Na também maravilhosa Acapulco e Dubai, se preparando para os MASTERS Norte-Americanos. Inclusive o responsável por 99 % dos seus comentários : Novak Djokovic que nem quando era moleque dava as caras nesta Gira. Abs!

      Responder
    2. Evaldo Aparecido Moreira

      Prezado Oswaldo,
      Não vi o restante dos comentários a cerca do assunto, o que mencionei abaixo, e acho que com a Gabi, e o próprio Dalcim falou que isso é algo antigo.
      Ou seja, a organização do Rio Open pede essa mudança a tempos e a ATP simplesmente ignora, fato. Não tenho nada contra o saibro, acho ótimo de se ver, e embora nunca tenha jogado neste piso, mas pretendo. E os motivos dessas mudanças se não me engano fora muito bem explicada pelo Dalcim, aliás mestre, feliz aniversário , com paz, alegria e saúde, e também muita paciência, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
  10. Euro Oscar Nogueira

    Olá, Dalcim, tudo bem?
    Admirável o jogo de Wild contra o Borna Coric. No tie-break do 3º set realmente, após tomar 0 a 4, reagiu e empatou, foi emocionante, porém no fim deu 7 a 5 para o croata. A chave foi aquela bola no contrapé do Wild. Se ele fosse mais rápido, poderia, talvez, ter rebatido melhor a jogada. É mais ou menos o que você escreveu, mas assisti ao jogo e torci bastante. Tinha um sujeito que sempre gritava “Vai Thiago! ou “Thiago!” segundos antes de ele sacar e acho possível que isso mais tenha incomodado ao Thiago do que ajudado a ele, pois parecia um grito de xingamento, tamanha a agressividade e antipatia. E sempre iguais os gritos, no mesmo diapasão. Por coincidência o Wild perdeu pontos de saque após esses gritos inoportunos, em momentos de concentração do tenista.
    E ontem o Wild já venceu a 1ª em Santiago, contra o argentino Facundo Bagnis. Agora vai enfrentar mais um argentino, o vencedor de Federico Coria vs Juan Ignacio Londero. O Thiago Monteiro também ganhou, de virada, do veterano argentino Leonardo Mayer, que já não está no pique de antes.

    Responder
        1. José Nilton Dalcim

          A ATP autorizou, claro. Eles argumentaram que estavam mais para preparativo de Indian Wells do que encerramento do saibro, onde na verdade eram o quinto torneio.

          Responder
    1. Gabi

      Concordo!!
      Aliás, Maurício Luís, vc que conhece a sogra do Nadal poderia pedir para ela dar uns toques ao genro, hein?! Rsrs. O hábito ou toc de ajeitar a parte da frente da cueca o tempo todo é muito nojento!!

      To sabendo que às vezes os pelos coçam e tal, mas, pô… Se o próprio Nadal ou a sua esposa ou o seu pai não se incomodam e não tomam providências, tenho certeza que a sogra sim!! Hihihi.

      Responder
  11. Heitor

    Quem e como são definidos os horários de início das partidas em cada torneio? O diretor do torneio, a rede de tv que transmite? Por exemplo, no rio começou às 16h, em Acapulco às 18h (hora local), em Dubai às 13h (hora local)

    Responder
  12. Luiz Fernando

    Incrível. Alem dos caprichos do esporte também observamos ao vivo e a cores os caprichos do italiano, que tinha a partida sob controle, 31 no set2 e a partir dai começou a errar bola atras de bola ate perder o set. Demonstração clara do citado antes, esse rapaz é de uma instabilidade impar…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Essa falta de foco é lamentável sim.

      Já que o talento não se discute…

      Diferente de “operários” como Pangaré-agut ou Carreno Busta.

      Pois esses tais vão DESPENCAR (ao ponto de desaparecer) no dia que a parte física estiver em baixa.

      Mas é raro encontrar alguém que compare esses caras com o Fabio Fognini.

      Seria assinar um atestado indelével de burrice…

      E o ranking pouco importa na comparação.

      O Fognini além da facilidade de gerar força de qualquer ponto da quadra, ainda conta com a variação e o toque.

      Não é um trabalhador do tênis como o Davi Ferrer, por exemplo.

      As coisas para o italiano fluem muito naturalmente.

      Talvez até por isso ele caia no erro de pensar que possa reverter qualquer situação no jogo…

      Responder
      1. Adriano Souza

        Ou seja, o Fognini xavecou a mina, deixou ela toda animada, mas quando chegou na hora H, ele brochou 😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂😂

        Responder
  13. Luiz Fernando

    Fognini vai dando um show de habilidade contra Evans, salvo alguma maluquice vencerá em 2 sets. Isso apenas demonstra como a falta de seriedade em vários momentos da carreira fez com q o cara tivesse resultados bem aquém do seu potencial.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, o De Minaur perdeu agora há pouco em Acapulco na sua volta. Mas o reserva é o Millman… rsrs… Realmente, teremos de jogar um nível acima para ter chance.

      Responder
  14. Heitor

    Li uma reportagem sobre a seleção americana feminina de futebol em que a técnica monta os treinos das jogadoras com base nos seus ciclos menstruais. No tênis tb é feito assim?

    Responder
  15. Heitor

    Bem se vê que os torcedores do federar são torcedores dele e não do tênis. Bastou RF dizer que só volta em Wimbledon para o número de comentaristas federistas diminuir aqui…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Virou regra!

      Todo comentário provocativo sempre parte primeiro de alguma paquita djokovete…

      Que eu saiba a pasta não foi aberta para falar do suíço, e sim da atuação do Wild.

      Responder
    2. Nando

      Heitor, não sei se vc reparou, mas o q tem de comentários porcarias aqui nos últimos tempos (principalmente dos fakes)…é isso q tem feito algumas pessoas diminuírem a presença neste espaço. O tênis é maior q qlqr jogador.

      Responder
    1. Ronildo

      Isso é uma boa notícia Luís. Sempre desejei uma aproximação, pelo menos na comunicação, entre estes caras. Com certeza isso é bom para o circuito, desde que não usem suas influências apenas para seus próprios interesses.

      Responder
  16. Ricardo - DF

    Dalcim, tem algum problema com o sistema de medição de velocidade dos saques no Rio Open ? É normal o Tiago sacar a mais de 220 km/h ?!?

    Parece que o sistema tem algum bug, pois não lembro de ter visto o Tiago sacar tão rápido assim.

    O mesmo aconteceu com o Bruno Soares, outro ano, lá no Rio Open. O cara saca a 170, 180 e, de depende, sai uns 220. Estranho.

    Responder
  17. Paulo Almeida

    Bom treino do GOAT, que agora terá a chance da revanche contra o Kohlschreiber no hard. O sérvio venceu as últimas três partidas, mas foram duas no saibro e uma na grama.

    Só agora me dei conta de que no último ano e meio comemorei o mesmo número de Grand Slams do que as federetes nos últimos 10 anos. E tem uma molecada aqui no blog que só viu os títulos de 17 e 18, kkkkkkk. Que dureza!

    Responder
          1. Paulo Almeida

            Fiquei só em números do confronto GOAT x GUAT.

            O Hewitt tomou uma bicicleta no USO 2004, mas pelo menos perdeu o outro set no tiebreak. Míseros quatro games numa final deve ter sido o maior vexame mesmo.

  18. Sandra

    Dalcim , o que esses jogadores como Thiem , Boric e alguns tops vem fazer no Rio ? Só pela grana ? Será que estão morrendo de fome ? Era para eles terem levado o título sem dificuldades !!?

    Responder
      1. Sandra

        O que quis dizer que era uma chave fraca en se tratando de Thiem e Boric , eles poderiam ter vencido sem muitas dificuldades e o mesmo vale para as duplas !! Outra observação , será que os jogadores brasileiros estão realmente preocupados com dopping? Achei todos inchadinhos , até os estrangeiros !!! Será que na televisão parecem mais fortinhos ?? rssss
        Pp

        Responder
  19. Paulo Almeida

    O Thiem fez uma péssima escolha e deve estar arrependido. Hoje é um jogador de outro patamar e acho que ano que vem vai disputar Acapulco, onde já foi campeão inclusive.

    O único consolo é que o número 3 vai cair no colo semana que vem.

    Hoje ouvi Jesus Saves do Slayer e meu vizinho evanja adorou, hehe.

    Responder
    1. Ronildo

      Tem várias na fila Rodrigo: Djokovic não bater o recorde de semana de Federer, Djokovic nem Nadal bater o recorde de slans de Federer, Thiem ser número 1 depois de RG, Djokovic vencer novamente Medvedev nos torneios normais do circuito, que não seja Copa do Mundo, Davis, Olimpíadas. Todas estão de pé e à espera da consecução. Dependendo do andamento da coisa, pode até surgir mais uma previsão: Tsitsipas disputar o n°1 no master mil de Paris.

      Responder
        1. Ronildo

          Na verdade minhas previsões não são à prova de contusões. Por exemplo, se Thiem se confundir não poderá assumir a ponta depois de RG. Falhei feio no caso de Federer sobre ele ficar à frente de Djokovic e Nadal em dezembro justamente por causa da cirurgia.

          Responder
  20. Gabi

    Dalcim, não tinha a opção de responder teu comentário então abri um novo tópico para te agradecer por repetir um assunto antigo.

    O curioso é que os grandões que defendem a manutenção do saibro não vêm mais para cá (ok, sei que já vieram). Então trocar de piso seria uma opção a mais para outros grandões virem inclusive “fugindo” de chaves pesadas como o torneio de Roterdã, por exemplo.

    E, de quebra, ainda emendariam a viagem para um alalaô brasileiro rsrs.

    Responder
    1. Evaldo A Moreira

      Oi Gabi,
      Pois é, seguindo o seu raciocínio, embora o Dalcim tenha falado sobre o assunto, mas gostaria muito de saber o porquê dessa frescura da ATP em não trocar de piso, fato.

      Se é antigo o pedido do pessoal do Rio Open , o que falta mesmo de fato para mudar!?. Porque o Nadal e sul-americanos tenham tanto influencia assim, chegando ao de interferir negativamente sobre isso, e olha que Nadal não vem por ja algum tempo , então ao ver , acho descabido essa interferência dele e dos mais.

      Acho que se tivéssemos o piso duro por aqui , não tenho dúvidas que a direção do Rio Open teria que ter um marketing agressivo , patrocinadores mais fortes ainda , pois tem bons patrocinadores e tem a questao do deslocamento dos tenista, digo em questão de viagens de um lugar ao outro .

      Responder
  21. Ronildo

    Impressionante como o Cristian Garin é um jogador técnico. Fico pensando o quanto foi positivo e negativo ele ter treinado tanto tempo com o Nadal. Quando partiu para o profissionalismo ficou totalmente perdido. É que o estilo físico, força, raça e berros do Nadal é completamente diferente do estilo que Garin está demonstrando e que está levando ele ao topo no circuito.

    Onde Garin estaria se ao invés da proximidade com Nadal tivesse tido a sorte de ter uma proximidade com um tenista tipo Federer, Murray ou Thiem?

    Responder
  22. Rodrigo S. Cruz

    Pessanha,

    Mais uma vez o Tsitsipas provou estar à frente do teu sobrestimado Aliassime.

    kkkk

    Aliás, que arremedo de promessa…

    Em todas as finais de ATP que disputou esse canadense não obteve um set sequer.

    Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Exato , Maurício. Muitos não assistem jogo algum , e daí não conseguem ver a evolução de Tenista que não aprecia. Ele é TOP 18 aos 19 anos . É um ponto fora da curva. Mas pra quem olha somente resultados , já pode cravar que não vai vencer nada. Joga muito mais que Bellucci , jogador vencedor de 5 ATPs . Imagina esse galera assistir Ivan Lendl perder as 4 primeiras FINAIS de SLAM , e depois conseguir empatar com Connors e acima do Big Mac . Este terminou com a metade de SLAM de Sampras , e e’ considerado por alguns superior a Pete rsrsrs Abs!

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Correção : Imagina essa galera assistindo …. Também Sampras terminar 6 anos consecutivos como N 1 do Mundo , e ser eleito Goat , à frente de Laver e Borg . Abs!

          Responder
  23. Maurício Luís *

    SERENA – A julgar pelos resultados recentes da chinesa Qiang Wang, a Serena não perdeu aquele jogo do Australian Open pra nenhuma “sumidade”. Ou ela estava num dia ruim, ou, o que eu acho mais provável, a idade está pesando. A forma física dela também não é nenhuma oitava maravilha do mundo. Mesmo assim, a vontade de vencer e a autoconfiança continuam em alta. Gostaria que ela ganhasse mais um Slam. Mas se não acontecer, ele já é a maior vencedora da era aberta, ainda mais considerando que boa parte dos seus títulos vieram depois dos 30/35 anos.
    DUPLAS – Olhando o ranking das duplas, tem uns nomes aí que são completamente desconhecidos. A diferença de hoje pra décadas passadas é que cada vez mais temos especialistas só em duplas. Os Bryan que o digam. Duvido muito que apareça outro John Mckenroe, que foi número 1 em simples e em duplas.
    ——————————————————————————————————————————————————————————————————————————
    Considerando a total falta de estrutura e de apoio que o tênis e outros esportes enfrentam no Brasil, não podemos reclamar de falta de talentos. O Thiago Monteiro, por ex, considero-o um ponto fora da curva. O tênis não é um esporte popular no Brasil, muito menos no Ceará.

    Responder
    1. Maurício Luís *

      Ah, notícia auspiciosa para alegria dos meus ‘haters’: não falarei da querida sogríssima do Nadal. Tô sem ânimo pra responder às alfinetadas. Mas ela lhes manda lembranças.

      Responder
  24. João ando

    Dalcim. Vi um programa da bandsports que a sharapova assume seus erro e diz que tomou uma substância proibida e assim foi punida com 15 meses dr suspensão. …afinal a Boa foi onocentada ?e sevfpi por que tomou 10 meses de suspensão …..

    Responder
  25. Bruno Macedo

    Dalcim, pq vc acha q o Rio Open é tão “desprezado” pelos jogadores tops? Seria por causa da grana da premiação, pou causa do saibro? O torneio de Acapulco é cheio do jogadores tops e tb é um 500. Pq aqui no Rio é tão fraco?

    Responder
      1. Bruno Macedo

        Então a organização precisar tentar mudar o piso ou a data do torneio. Trocar o piso sem trocar a data faria sentido pq todos os torneios dessa época do ano são no piso duro, então alguns jogares aceitariam enfretar o calor e a distância. Trocar a data para a temporada de saibro seria bom pq teríamos temperaturas mais amenas e estaríamos junto com o resto do mundo em questão de piso.
        Acho q tem q ajeitar isso aí. Do jeito q tá, nao tá bom não.

        Responder
          1. José Nilton Dalcim

            Esse assunto é antigo, Gabi. A turma espanhola e argentina, então liderada por Nadal, bate o pé e afirma que o saibro não pode ter seu calendário reduzido. Já se falou numa troca desse circuito sul-americano para o final da temporada, junto com a fase europeia de quadras cobertas, mas convenhamos que isso não entusiasmaria nenhum dos tops a vir do mesmo jeito.

      2. PIETER

        Considero as condições climáticas do Rio de Janeiro, à essa época do ano, francamente desfavoráveis, ao bom desempenho dos jogadores. Eu, que sou brasileiro, nascido e criado no calor, não suporto o verão carioca, imagine -se os jogadores…

        Responder
    1. Paulo F.

      Na minha humilde opinião, é de uma tosquice tremenda enfiar um torneio de saibro entre o Aberto da Austrália e os 02 Masters 1000 americanos, que são dois dos mais importantes e valorizados, e que também são de piso duro.

      Responder
  26. Ronildo

    Realmente Wild mereceu tidos os aplausos. Mas para falar a verdade, dos brasileiros, eu fiquei mais impressionado com o Megligeni. Inclusive Megligeni entrou no torneio porque venceu Wild em outro torneio cujo campeão entraria na chave principal do Rio Open. Se Megligeni continuar com esta evolução e raça, tem tudo para fazer uma carreira muito promissora no tênis.

    O Wild tem tudo para ser o “Federer” brasileiro e o Megligeni o “Nadal”. Ou seja, podem estabelecer uma rivalidade baseada em habilidade e técnica e força mental versus condicionamento físico, raça, superação e também força mental.

    Mas não estou dizendo que acredito que eles vão superar os recordes do Guga! Eles têm perspectiva de superar alguns do Bellucci e estabelecer outros

    Responder
  27. Paulo Almeida

    Chave boa para o maior e melhor de todos os tempos DjokoGOAT em Dubai. A maior pedreira Agut da massa ficou do outro lado da chave e vai se matar contra o Tripas.

    Responder
  28. Ronildo

    Fiquei realmente preocupado com a presença do Thiem no Rio Open. Achei que foi uma péssima escolha para quem está chegando nas semis e finais dos principais torneios do mundo e que tem uma boa perspectiva de se tornar número 1 da ATP em 30 semanas. Talvez o Massú tenha odiado esta escolha dele e Thiem tenha prometido que era mais turismo do que empenho em tênis! Enfim, mas confesso que não notei Nícolas Massú no Brasil. Mas eu vi apenas uma boa parte do primeiro jogo do Thiem contra o Megligeni.

    Responder
  29. Gabi

    O wawrinka perguntou hj nas redes sociais: vc tem de decidir entre tacos ou treinar…o que vc escolheria? 🤔🎾🏋🏻‍♂️🌮🥃🤷🏻‍♂️

    Tacos, claro!! Com cerveja!!

    Responder
  30. Paulo F.

    E ousam presumir que Thiem é um saibrista melhor do que Djokovic…
    Conversamos quando o austríaco tiver TODOS os 03 M1000 de saibro e, pelo menos, DOIS deles.
    Sem contar a conquista de RG.

    Responder
  31. DANILO AFONSO

    DJOKOVIC jogará dupla com o croata MARIN CILIC no ATP de Dubai.

    Na estreia (oitavas de final ) jogaram contra a dupla Rajeev Ram (americano) e Salisbury (inglês).

    Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Também vou torcer pro jovem Canadense, mas “ freguesia “ com apenas 3 jogos ? rs E na última que venceu foi o Grego no MASTER 1000 de Xangai de 2019 rs . Seria o segundo também um Superestimado ? rs Abs!

        Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Você gosta né, caro Pessanha ? rs . Me apresente um Superestimado N 3 do Mundo. Não deu nenhuma desculpa , jogou mal e mesmo assim assume o Posto na próxima semana ( pós Dubai ) . Não sei porque o parceiro insiste se o garoto já fez TRÊS FINAIS de SLAM e possui 16 ATPs ou seja, empatado com STANIMAL. Este só venceu seu primeiro SLAM beirando os 29 aninhos rs Abs!

      Responder
  32. Gabi

    Marcílio Aguiar Filho,

    só agora vi a tua msg no post anterior!!
    Baita lista a tua e o acréscimo da Martina foi fundamental!! Até li a biografia dela. Em um dado momento, ela conta que devia ter uns 10-12 anos qdo estava com a sua raquete esperando o trem numa plataforma na gélida Tchecoslovaquia quando viu algumas senhoras olhando feio para ela e se perguntando: “quem é essa?”. E a Navratilova diz: um dia não só vcs, o mundo saberá quem eu sou!!
    Dito e feito!!

    Responder
  33. GUILHERME MARTINS DE SOUZA

    Dalcim, o que vc está achando do torneio?
    Fui há 2 anos e voltando agora, estou achando que melhorou mto esse ano. Principalmente a qde de público.
    Estava nesse jogo do Wild com o Coric e a atmosfera em favor do brasileiro estava fantástica.
    Será que o fato do Brasil Open ter acabado deu um gás no Aberto do Rio?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não estive no Rio, mas me parece muito mais bem organizado. E também achei que aumentou a presença do público desde o primeiro dia. Acredito que o torneio enfim se tornou mais atrativo e você tem razão, a saída do Brasil Open pode ter ajudado. O fato de estar na semana do Carnaval talvez tenha ajudado também.

      Responder
  34. DANILO AFONSO

    Dalcim, peço licença para apresentar uma estatística que pesquisei dias atrás. Farei texto comentando os números que levantei.

    Como sabemos, há anos o circuito profissional é realizado predominantemente na superfície dura (hard). Na temporada passada, o piso duro atingiu sua maior participação na história do circuito, 58,7% dos 67 torneios disputados. Tal representativa recorde leva em consideração os principais torneios do tênis, isto é, ATP 250 e 500, Master, Finals e os SLAMs.
    Vejamos abaixo a representativa das três superfícies na temporada 2019:
    Duro – 58,7%
    Saibro – 29,6%
    Grama – 11,7%

    O piso duro alcançou quase o dobro da participação do saibro no circuito.
    Se voltarmos no tempo, na primeira temporada da Era Aberta (1968), a realidade era completamente diferente. O saibro e a grama eram as superfícies predominantes, nesta ordem, e o piso duro tinha participação insignificante, menor até que o piso carpet.
    Vale ressaltar, que a temporada 1968 registrou a maior representatividade da grama no circuito na Era Aberta, ficando atrás apenas do piso saibro. Na época, três dos quatro Slams eram disputados na grama. Segue abaixo a distribuição dos pisos em 1968:

    Saibro – 50% (11 torneios)
    Grama – 36,36% (8 torneios)
    Carpet – 9,1 (2 torneios)
    Hard – 4,54% 1 (torneio)

    Já no ano seguinte, o piso duro aumentou sua representatividade, saltando de apenas 1 torneio para 9 das 39 competições realizadas na temporada 1969, inclusive com 3 torneios indoor.
    Ao longo da década de 70, as superfícies dura e carpet foram aumentando a sua participação no circuito, e aos poucos o saibro foi diminuindo sua representatividade. Porém, foi a grama que drasticamente “perdeu terreno”.
    Para melhor ilustrar a tendência do circuito naquela década, vejamos a distribuição dos pisos na temporada 1975:

    Saibro – 38,14%
    Carpet – 29,9%
    Duro – 26,8%
    Grama – 5,15%

    Tais números da temporada 1975 corresponderam a maior participação na história do piso carpet e a menor da grama (5 dos 97 torneios).

    Somente quase duas décadas depois do início da era aberta, em 1987, que o piso saibro deixou de ser a superfície dominante no circuito, perdendo espaço para o piso duro, conforme podemos ver na distribuição dos 76 torneios daquela temporada:
    Duro – 38,5%
    Saibro – 36,1%
    Carpet – 12,9%
    Grama – 12,5%

    Dalcim, a ATP interfere no tipo de piso que cada torneio irá utilizar?
    Há algum planejamento e controle da entidade para aumentar ou diminuir representatividade deste ou aquele piso ?
    Até que ponto os organizadores do ATP Rio Open tem liberdade para mudar o tipo de piso ?
    Por último, não existe nenhum movimento entre os jogadores ou organizadores, ou até mesmo da ATP para distribuir igualitariamente as superfícies ??

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A ATP comanda tudo. Ela que determina o calendário, autoriza ou não a troca de superfícies. Só não pode mexer nos Slams, como foi o caso da mudança da Austrália de grama para sintético. Devido à dificuldade de manutenção, a grama naturalmente caiu, o saibro ficou em segundo plano e o sintético dominou o circuito. A ATP no entanto não interfere na velocidade dos pisos ou das bolas, deixando isso para cada organizador.

      Responder
    2. Jose Yoh

      Parabéns Danilo, excelente!

      Mesmo com predomínio das hards hoje, temos uma diferença grande de velocidade entre as hards também.

      Isso mostra como é difícil comparar épocas diferentes. Isso sem falar nas bolas, raquetes, etc.

      Por vezes olhamos vídeos antigos e achamos que eles jogavam como amadores, mas na verdade era o que era possível fazer na época com o equipamento.

      Abraços e obrigado!

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Perfeito , caro José Yoh . Impressionante os caras darem uma olhada no YOUTUBE, e cismarem que com raquete de madeira a lá Björn Borg , o jogo era muito lento rsrsrs Com esse equipamento atual até jogadores medianos disparam Winners a 180 km/h rsrsrs Abs!

        Responder
          1. Sérgio Ribeiro

            Serviam a que velocidade ? Borg parou no tempo. Mas Connors , McEnroe e Lendl trocaram de equipamento. Enfrentaram de igual todos os Tenistas de ponta até o surgimento dos muito mais novos , Sampras e Agassi. E o equipamento, devido a tecnologia, só fez melhorar . Federer , Rafa e Novak souberam tirar o máximo proveito. Com direito a troca de raquetes no meio do caminho. Abs!

  35. Paulo Almeida

    E o Medvedev acaba de ser eliminado pelo Simon com direito a PNEU! Não era ele que segundo o Ronildo jamais perderia pro GOAT Djokovic de novo? Kkkkkkkkkkkkkk

    Wild parece ter mais futuro do que Monteiro e Bello, mas convenhamos que esse Coric atual não é nem sombra daquele que foi vice em Xangai em 2018.

    Thiem está jogando muito mal. Deve estar sofrendo com o calor e a umidade do Rio. Nadal já se queixou disso e nunca mais voltou.

    Responder
    1. Jose Yoh

      A ATP parece ter prazer em botar os jogadores para fritar no calor tropical.

      Por que será que não fazem os torneios em épocas mais amenas? Será que o calendário é tão inflexível assim?

      Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Será que todos os N 1 da época eram bebados ou o parceiro é que sempre toma umas e outras rsrsrs Quando parece que vai engrenar volta as mesmas ridículas ladainhas que não colam mesmo , caríssimo P . Almeida . Teu prazo de validade de enganação acho que se esgotou. Até fakes seguidores desapareceram rsrsrs Abs!

          Responder
          1. Paulo Almeida

            Só havia um número 1, que se manteve nessa posição só “na maciota”. Era tão fácil que o número 2 só precisava ganhar no saibro.

            Eu estou na sexta marcha sempre, enquanto você não sai do ponto morto. Quando vai parar de sangrar nos meus ótimos comentários? Abs!

    2. Ronildo

      Mas não foi Djokovic que venceu ele nesta partida Paulo, foi o Simon. Desde que minhas previsões foram anunciadas dias após Medvedev fazer o mental do Djokovic entrar em colapso em Cincinnati 2019, eles se enfrentaram apenas no torneio fantasia chamado Copa do Mundo de Tênis. Ou estou enganado?

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Sim, você está enganado. A ATP Cup é um Big Title e a edição de 2020 foi mais pesada do que 99% dos títulos do Fregueser na entressafra 2003-2007.

        Responder
  36. Nattan Lobatto

    Wild caiu de pé… Que essa semana e, principalmente os jogos duros que realizou, façam a diferença em seu amadurecimento e mentalidade.

    Tem futuro.

    Responder
  37. Feelog

    Dalcim, vc comentou “pelo saibro lento do Rio Open”, estes dias eu estive pensando, pq a ATP não criou algum método de calcular a velocidade da quadra? ex: 100 o mais rápido e 1 o mais lento.

    EX 2:
    Rio de Janeiro – Saibro – 48
    Delray Beach – Dura – 79
    Marseille – Dura – 83

    Responder
  38. Julio Sc

    A fagulha no tênis brasileiro acendeu essa semana, Dalcim!

    Que a fagulha se concretize durante a temporada.

    Tem notícia dos próximos torneios do Monteiro e Wild?

    Parabéns, mais uma vez, por seu site/blog ser nossa leitura obrigatória diária.

    Responder
  39. Horácio Alvarez Rojo

    Concordo com os aplausos para Thiago Wild e também com o maltrato a Monteiro por parte da organização. Não acho que era necessariamente uma opção entre Wild e Monteiro. Poderiam ter jogado os dois com um dia de descanso. Desde fora, sem conhecer bastidores, estou achando pelo menos certa indiferença com Monteiro, incluindo o tratamento da prensa especializada. Neste mesmo blog Monteiro não teve nenhum post, e ele sim que ganhou de Coric e também de Pella. Sera porque ele treina fora do Brasil?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É um pouco mais complexo, Horacio. Existe problema de ‘casar’ jogos da rodada seguinte e não deixar um dia sem um grande nome na rodada noturna.

      Responder
  40. Gabi

    Rodrigo,
    muito obrigada!!
    Vcs tb fizeram muita falta, acredite!!
    ____________________________

    Rodrigo Lightman, bela lista!!
    _______________

    Rafael,
    muito obrigada!!
    Os teus comentários tb fazem muita falta!!
    ____________________

    Oswaldo E. Aranha, muito obrigada pela gentileza!!
    __________________

    Evaldo Moreira, muito obrigada!! Verdade, a Sophia Henin jogava muito!! Muito obrigada pelo complemento!!
    ______________________

    Jose Yoh,
    muito obrigada!!
    Pois é, mas no mundo em que estamos vivendo, às vezes precisamos dizer o óbvio… heheheh!!

    Responder
      1. Gabi

        A americana Sofia Kenin (escrevi errado na msg anterior) tem 21 anos e derrotou a mais experiente Garbiñe Muguruza de virada no AO deste ano com uma atuação inteligente, eficiente e corajosa (por exemplo, mudou a tática de jogo e disparou cinco winners seguidos e saiu de um delicado 0/40 no set decisivo).

        Ela tb derrubou a Serena Williams em Roland Garros no ano passado. Na última temporada, também acumulou triunfos sobre Naomi Osaka, Ashleigh Barty e Elina Svitolina.

        Responder
      2. lEvI sIlvA

        Justine Henin-Ardene é belga, Luiz. Assim como a Kim Clijsters. Ela era pequena em estatura (1,68mt) mas tinha enorme habilidade e os mais variados recursos. Sete GS em simples e dois WTA Championships (equivalente ao Finals masculino.)

        Responder
        1. Gabi

          E não é que temos a Justine Henin e a Sofia Kenin? Acho que o Evaldo se referiu à primeira colocando o sobrenome da segunda rs. A menos que elas sejam casadas e a americana tenha adotado o sobrenome da outra rsrs, ele estava falando da belga mesmo. De fato jogava muito e poderia ser colocada na lista em vez da Kim. Mas ainda fico com essa.

          Responder
          1. Luiz Fabriciano

            Eu também achei que ele falava da belga Justine, mas não quis ser presunçoso, porque vi em outro post o nome SOPHIA HENIN se repetir, por isso, perguntei a vocês.
            Então foi isso mesmo, nome de uma com sobrenome de outra, rsss.
            E ao Levi, tambem sou fã da talentosíssima Justine Henin. Acompanhei sua carreira.
            Abraço a todos.

  41. Joaquim Saraiva

    Quem conhece de perto o Thiago Wild, sabe que o garoto ostenta uma autoconfiança invejável. Diferentemente de seus contemporâneos brasileiros, o paranaense, por mais improvável que pareça a tarefa, sempre acredita que pode vencer. Se bem trabalhada, essa qualidade pode se transformar em uma enorme aliada. Quanto ao outro Thiago, o Monteiro, sua evolução física e técnica salta aos olhos, mas a capacidade de administrar o favoritismo é ainda um problema. Não raro, o fortalezense tira um “cachorrão” e, no dia seguinte, ao enfrentar um adversário em tese menos gabaritado, entrega a rapadura. De todo modo, confesso que fiquei esperançoso depois de ver em ação os meninos dessas terras tropicais.

    Responder
  42. Márcio Souza

    Salve, salve galera!!!

    Passando aqui depois de um tempo para deixar registrado que gostei muito do Thiago Wild nesse Rio Open e esse menino tem tudo pra evoluir ainda mais como atleta e ser um bom nome pro futuro ser o nosso principal tenista em simples e ir longe no ranking, sucesso pro moleque que já demonstrou que veio pra ficar e ter o seu nome na galeria de ídolos desse esporte que amamos, porém vamos ter paciência com ele porque naturalmente ele vai chegar lá.

    Quanto ao Fedex, que notícia triste ao saber que foi necessário ele fazer mais uma intervenção cirúrgica e que isso pese em mais 4 meses longe das quadras, tomara que ele retorne bem e possa jogar em alto nível nesse seus derradeiros anos no circuito, acredito que ele ainda tem lenha pra queimar, porém mais um título de GS depois dessa nova cirurgia agora no outro joelho, ficou bem mais difícil devido ele retornar a poucas semanas do seu principal GS.

    Ter feito essa nova cirurgia demonstra que ele quer de fato continuar jogando enquanto achar que tem condições de brigar ali dentro e isso com certeza pra quem acompanha o tênis não deixa de ser um privilégio, força pra ele e que ele retorne em condições de jogar bem os principais torneios e ainda buscar os dois principais recordes do Connors que não estão tão distantes assim não, porém com essa nova cirurgia e nova parada, tenha ficado aí algumas interrogaçõe.

    Saúdo os companheiros aqui do Blog e mando um abraço a todos até mesmo aos urubrus e aves de rapina de plantão que pelo visto continuam falando sandices pelos cotovelos, pelo que vejo lendo alguns comentários toscos.
    Não tenho entrado muito por aqui por questão de tempo, porém como muitos aqui sabem e inclusive o mestre Dalcim, estou diariamente lá no grupo do ZAP, comentando e debatendo sobre diversos assuntos, mas nunca deixando de prestigiar os posts do mestre quando publicados aqui nesse espaço.

    Um abraço a todos e força Fedex nessa sua recuperação!

    Responder
  43. Antônio Luiz Júnior

    Dalcim, parabéns pelo texto, irretocável, como sempre. Sou seu fã declarado e acompanho e procuro interagir no seu blog sempre. Como o próprio Thiago Wild afirmou em sua entrevista após o jogo, acho que o mais importante no momento não é focar no ranking, isso vem naturalmente, com a evolução, técnica, física e mental, que são aquisições muito mais importantes. O que me deixa mais esperançoso é que ele tem muito potencial para evoluir, esse é o ponto fundamental, pois já está jogando muito bem. Precisa melhorar muito o saque, principalmente no segundo serviço, fraquíssimo, a devolução irregular de backhand, e melhorar as subidas na rede. Nos pontos decisivos, fez muitas escolhas erradas, talvez por isso tenha perdido o jogo. Mas, se mantiver foco, com determinação e trabalho, e investir na sua equipe técnica, tem tudo para ser o melhor tenista do Brasil, muito em breve…

    Gostaria de aproveitar a oportunidade para fazer menção e elogiar o garoto espanhol, Carlos Alcaraz, de apenas 16 anos. Este moleque me impressionou muito. Um tênis muito agressivo, e uma tranquilidade que espanta pela pouca idade. Na minha opinião, foi a maior revelação do RIO OPEN 2020, não sei se você concorda. Treinado por nada mais, nada menos, do que o grande e competente Juan Carlos Ferrero, tem tudo para muito em breve ser uma das maiores revelações do tênis mundial.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, Antônio, o Alcaraz impressionou. Ao menos para esse tipo de piso, o saibro mais lento, se mostrou muito competitivo. Claro que precisa ganhar massa muscular e isso virá em pouco tempo. Acho que finalmente o tênis espanhol achou um nome capaz de garantir um bom futuro a eles.

      Responder
  44. neuton

    Concordo plenamente que Wild merece aplauso. Jogou muito. Parece ter conseguido “amansar” seus demônios. Presenciei muitos dos seus “chiliques”, mas nesse torneio ele mostrou maturidade. Parabéns ao Wild, torço para que continue sempre evoluindo.

    Responder
  45. Jhalin Habey

    O eterno problema dos tenistas brasileiros pós Guga: jogam como nunca e perdem como sempre! Pelo visto, Thomaz Bellucci fez escola por aqui. Uma pena!

    Responder
  46. Luiz Fernando

    Ilustríssimo Sérgio Ribeiro: “Finalmente assino embaixo. Deu gosto de ver o garoto. Uma direita de deixar muito marmanjo de queixo caído. Um Serviço também de prima. Vejo o garoto com potencial de passar as conquistas de Bellucci. Posso me equivocar , mas inclusive em relação ao mental. Abs!”

    Estou envaidecido, creio q atingi meu auge como comentarista ao receber um elogio seu kkk.

    Terminado o momento de bom humor, vamos ao q eu realmente penso: 1) finalmente um comentário seu sem erros crassos de português; 2) quando se recebe um elogio de um cara arrogante, presunçoso e sem noção como vc o significado só pode ser um: postei algo equivocado. Abs e bom carnaval…

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Sem problemas. Embora já tenha postado que o parceiro é um caso perdido, pode ser que com a volta da Gabi , o moleque pare com essa babaquice de arrogância e erros de Português. Que é ruim mesmo. Gosta de se fazer de vítima , pois não possui nenhum argumento . Em homenagem ao Dalcim , se esforce um pouquinho e se dirija a mim somente sobre o assunto Tênis. Abs!

      Responder
    2. DANILO AFONSO

      Caramba Luiz !! Faz isso não cara !!

      Você estava indo tão bem até escrever o último parágrafo. Fiquei com vergonha alheia. Tá doido !!
      Aceite o elogio alheio, mesmo sabendo que antes levou várias cacetadas e certamente vocês irão se estranhar outras vezes.
      Cada capítulo tem sua história, e o último era para ser de PAZ.

      Responder
  47. Miguel BsB

    Bom, estive nesta rodada de quartas no Jockey Club…
    Sobre o Wild, é o seguinte: pra mim a principal deficiência técnica dele é o 2 serviço. O Coric simplesmente jantou ele nas devoluções de 2 saque, vários Winners e devoluções pressionando…aliás, o croata devolve saque muito bem.
    O Wild tem uma belíssima e potente direita…quando ele consegue jogar com o 1 saque, domina o ponto praticamente com seu Forehand, direita pra mim de top 20, sem duvida. Agora, seu segundo serviço é “facil” de ser atacado, alguns chegaram a 90 km, lentos pra qualquer top 100. Ele precisa trabalhar esse fundamento.
    Foi um jogaço! Gana ele parece ter e tá mais maduro. O Coric escapou do 0/40 nos 5/5 do 3 set, abriu 4×0 no tie break e o Thiago empatou…Foi por pouco!
    Acho que esse garoto vinga, entra no top 50 sim. A direita dele me impressionou muito.

    Responder
  48. Miguel BsB

    Boa noite pessoal!
    Primeiramente, quero tb mandar um bjo pra ela e dizer que fico muito feliz com o retorno da Gabi ao blog!
    Seja bem vinda de volta querida!

    Responder
  49. Jony Marcio

    Já comentei no blog há aproximadamente 01 ano que eu via potencial no Wild para atingir o Top 20. Agora essa campanha no Rio Open apenas reforça aquela minha impressão inicial. Se seguir evoluindo e conseguir um avanço na parte psicológica, provavelmente no futuro vc fará matérias aqui no blog elogiando o desempenho dele em Masters 1000, Grand Slam, derrotando Top 10 e por aí vai. Sigo confiante, Dalcim. Agora gostaria que vc comentasse um pouco mais sobre qual critério a organização do torneio adotou pra ter colocado o Monteiro pra jogar simples menos de 18 horas do final daquela batalha contra o Pella. Confesso que fiquei sem entender até agora.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Munha impressão é que tiveram de escolher entre Wild, Thiem e Minteiro e, como os outros dois tiveram ptoblemas maiores, sacrificaram o Monteiro.

      Responder
      1. Jony Marcio

        Talvez tenha sido isso mesmo. Mas continuo discordando da decisão tomada. Hoje o Thiago poderia estar lutando por vaga na semi e ingresso no Top 65. Vida que segue.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Eu também não concordei com a organização, Jony. Como o Monteiro tinha as melhores chances de ir adiante, deveriam ter cuidado melhor dele.

          Responder
          1. evaldo moreira

            Mas Dalcim,
            Não seria o caso do próprio Thiago Monteiro reclamar e/ou o staff dele?.
            Se tivesse possibilidade muito provavelmente ele jogaria na rodada noturna, e com certeza ele teria condições de jogo e beliscando uma vaga para as finais, mas você mencionou que os jogos do Thiem e Wild tiveram problemas?. Quais fora Dalcim?. Jogos longos e desgastante por exemplo, sei que o Wild teve problemas no jogo contra o Fokina, se for, justo a preservação, e se não, lamentável mesmo mestre!!!

          2. PIETER

            Monteiro é cearense, o Wild treina e joga no Rio, penso que isso explica tudo.
            Porém se o Monteiro fosse paulista ou do Sul, a estória seria outra…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *