Histórico ‘Fedal’ africano mantém tênis em alta
Por José Nilton Dalcim
5 de fevereiro de 2020 às 09:18

A temporada mal teve 30 dias de bola rolando e o tênis já vai para seu terceiro grande evento. Depois do sucesso retumbante da ATP Cup e de um Australian Open repleto de emoções, será a vez de um ‘Fedal’ em plena África que muito provavelmente baterá o recorde de público com a boa causa de arrecadar fundos para ajudar crianças carentes.

Roger Federer sempre teve forte ligação com a África do Sul, já que sua mãe nasceu lá e onde adquiriu cidadania. Ele já fez ações pelo continente em prol de sua Fundação, mas jamais jogou tênis, o que também é inédito para Rafael Nadal. A contusão sofrida na perna em Melbourne colocou dúvida sobre a realização do evento, mas Federer desembarcou terça-feira e garantiu estar em condições.

O ‘Match for Africa’ foi criado pelo suíço em 2010. Naquele ano, o ‘Fedal’ teve duas edições, uma na Suíça e outra na Espanha no dia seguinte. Quatro anos depois, Roger se exibiu contra Stan Wawrinka e em 2017 enfrentou Andy Murray e meses depois John Isner. Em 2018, convidou Jack Sock.

Nestes dois últimos eventos, Bill Gates se integrou à ação e jogou duplas com Federer, o que se repetirá em Johanesburgo nesta sexta-feira. A ESPN mostra a dupla e a simples a partir das 14h30 de Brasília.

Federer se exibiu com Alexander Zverev numa arena de touros no final de novembro, na Cidade do México, com 42.217 pessoas na plateia. O recorde deverá ser quebrado agora na Cidade do Cabo, já que todos os ingressos foram vendidos em minutos no ano passado e a capacidade do estádio é de 50 mil pessoas. Um lote de 10 mil entradas custou apenas R$ 45.

A Fundação do suíço já arrecadou US$ 52 milhões ao longo de sua existência e beneficiou 1,5 milhão de crianças em seis países africanos, com ações sempre voltadas à educação e saúde. Estima-se que este novo ‘Match for Africa’ já tenha levantado US$ 1 milhão.

Maior clássico do tênis atual, Federer e Nadal já fizeram decisões inesquecíveis e também protagonizaram em 2007 um espetacular evento que tinha metade da quadra de saibro e a outra metade de grama. Vale recordar no vídeo abaixo. O evento aconteceu em Mallorca.

Semanas quentes
Novak Djokovic e Federer prometem jogar Dubai antes de Indian Wells, enquanto Nadal irá se preparar outra vez em Acapulco. Dominic Thiem resolveu descansar e se limitará ao Rio. Vamos dar uma olhada na composição dos torneios das próximas três semanas:

Buenos Aires –  Berrettini, Schwartzman, Lajovic, Pella e Coric
Roterdã – Medvedev, Tsitsipas, Monfils, Goffin,  Fognini, Bautista, Rublev e Shapovalov
Nova York – Isner, Kyrgios, Raonic e Querrey

Rio – Thiem, Berrettini, Schwartzman, Lajovic, Pella e Coric
Marselha – Medvedev, Tsitsipas, Goffin,  Fognini e Shapovalov
Delray Beach – Nishikori, Kyrgios, Fritz e Raonic

Dubai – Djokovic, Federer, Tsitsipas, Monfils, Fognini e Bautista
Acapulco – Nadal, Zverev, Berrettini, Wawrinka, Isner e Kyrgios
Santiago – Schwartzman, Pella, Coric e Garin

Doação de livros
O Instituto Próxima Geração está montando uma biblioteca com livros sobre tênis para ser usada por suas crianças (o projeto atende mais de 100 estudantes em São Paulo), mas também estará aberta ao público. Quem quiser e puder fazer doações de livros – valem também temas voltados à parte de preparação física -, contatar Douglas Santana pelo email tenissantana@hotmail.com.

A ciência do tênis
Franco Morais teve uma iniciativa que vale a pena conferir: um blog que procura abordar o tênis de forma científica, mas com linguagem acessível. Os artigos estão sempre bem embasados. Acessem:  tenniscience.com.br


Comentários
  1. Maurício Luís *

    Segundo o dicionário Aurélio, “idiota” = pouco inteligente, estúpido, ignorante, imbecil, tolo…
    Quando A discorda de B, parece que tá virando ‘moda’ aqui chamar de idiota. Muito triste isso, ainda mais que a grande maioria aqui nunca se encontrou pessoalmente, só se conhece por nome ou apelido.
    Não sou advogado de ninguém, mas vamos moderar na linguagem. Educação cabe em qualquer lugar.

    Responder
  2. Vitor Hugo

    Eu posso ver mesmo como Novak colocou o esporte em outro patamar, tanto é quem em vários jogos dele o estádio está vazio, ou a torcida torcendo para o rival, ou o sérvio sendo vaiado.
    Já o goat suíço, quadras sempre cheias, e quando é eliminado precocemente de qualquer torneio, o preço dos ingressos despenca, o público não vai e a audiência cai.
    Na boa, Natan, acha mesmo que uma simples dieta sem glúten revolucionou o esporte?.. Menos, muito menos.
    Roger fez muito, mas muito mais pelo esporte que o sérvio. Aceite e deixe de fanatismo.
    Abs

    Responder
  3. Luis

    Dalcim ainda acha Federer X Nadal maior clássico tênis? O melhor é tenso jogo tem sido Federer X Djokovic,houve também grandes jogos Nadal X Djokovic como de Wimbledon

    Responder
  4. Rodrigo S. Cruz

    Ufffffa!

    Graças ao bom Jesus Cristo!

    Já pensou se eu não releio o meu próprio post antes de enviar? kkkk

    Parece que eu já estava prevendo que o primogênito de Lúcifer iria vir falar merda…

    Qualquer pessoa com 1% de rede neural sabe diferenciar um erro de Português, de um erro de digitação.

    Mas é incrível…

    Mesmo lendo centenas de textos meus, o tal de Paulo Almeida não !

    É só conferir o horário das postagens, “gênio”.

    Quando eu digitei esse tal de ” poco” , a postagem foi às 16:40.

    Foi quando eu reli, e CORRIGI imediatamente, 1 minuto depois!

    Rodrigo S. Cruz
    8 de fevereiro de 2020 às 16:41

    *pouco

    Responder
  5. Rodrigo S. Cruz

    “Kkkkkkkkkkkkkkkkk, só dando muitas risadas mesmo.

    O mais engraçado é ver um cidadão que escreve “poco acima” “.

    Meu Deus do Céu!

    é INACREDITÁVEL que exista um sujeito tão boçal desse tanto!

    Foi erro de digitação, ô Bozo!

    Volte lá e veja que eu editei e corrigi na mesma hora.

    Mas nem precisava, pois qualquer imbecil perceberia que é impossível alguém como eu escrever “poco”.

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Claro que é possível alguém como você escrever “poco”. Tanto que nem me surpreendi.

      Já que não vai voltar à escola mesmo, pelo menos assista a vídeos gratuitos no YouTube para dar uma melhorada na “sofrência” que é a sua escrita, rs.

      Responder
  6. Paulo F.

    Sérgio Ribeiro:
    Não sejas dissimulado, tu não és arrogante por ter aceitado uma aposta e sim por diminuir os comentários de qualquer um que não bajula Roger Federer.
    Como aparentas ter déficit coginitivo, vou reforçar os termos da aposta:
    – R$ 200 como Djokovic e Thiem ficarão juntos num lado da chave e Nadal na chave oposta em Roland Garros.
    Apenas isso.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Dissimulado ? Tu não mereces nem resposta , mane’ . A aposta está feita e espero que não corras. Quanto a somente interagir com quem puxa saco de Federer , fica por conta da sua imaturidade. Não atoa mereces o posto de passador MOR de recibos. Na boa , passe a responder como o Blogueiro pede . Abaixo do comentário . Não tente aparecer as custas dos outros . Abs!

      Responder
  7. Fernando Peixoto

    Sem qualquer sombra de dúvida, Nadal é o melhor jogador da história no saibro. Nas quadras duras e de grama, Federer e Djokovic se equivalem. Isso não quer dizer que Nadal não seja muito bom também nesses dois pisos. São quatro títulos de US Open, dois de Wimbledon e 1 do AO. Djoko e Federer têm 1 título de RG. Ou seja, considerando os grand slams e o recorde de masters 1000, parece justo apontar Rafa Nadal como o melhor de todos os tempos.

    Responder
    1. Paulo F.

      Eu considero Djokovic um estupendo saibrista também.
      01 RG e TODOS os M1000 do saibro (09 no total) sendo contemporâneo do Nadal é um feito e tanto.

      Responder
    2. Vitor Hugo

      Federer e Djoko se equivalem na grama? Para, cara! Compare quantos títulos tem um e outro no piso. Roger é o maior e melhor da história no piso verde!

      Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Fernando , meu caro . Procure se informar melhor. O Suíço possui 18 Títulos contra 6 de Novak na relva. Este largou os preparatórios há anos , devido ao fato de nunca ter se dado bem em Halle e Queen’s . Opta em se preparar em Grama menos rápida , como a padronizada de WIMBLEDON . BORG jamais foi considerado o Rei da GRAMA com 5 Títulos . Laver ,Sampras e Federer nunca deixaram de jogar na superfície fora do All England Club. Abs!

          Responder
    3. Paulo Almeida

      Seria verdade se o saibro fosse o piso mais importante do circuito, mas é o hard de longe. E neste o Djokovic é o melhor da história com folgas.

      O sérvio também é o melhor da grama, já que é o único com 5 Slams pesados por lá (todos em cima dos arquirrivais). Frauderer só tem três, considerando aqueles em cima do menino Nadal sem saque de 2006 e 2007 e o de 2012.

      Enfim, Nadal é o rei do saibro e Djokovic o rei do hard, da grama e do tênis em geral.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Como que um cara da sua idade, ( que não é pouca ) , não se cansa de repetir as mesmas asneiras diariamente , caríssimo P . Almeida ? Até alguns seguidores teus já deram um refresco rsrsrs Abs!

        Responder
  8. Sérgio Ribeiro

    Quase 100 mil pessoas em duas exibições ( 42000 com Zverev no México) em FINAL de carreira ? Será que emociona o Velhinho? Não tenho dúvidas. Ainda mais que o Recorde foi na África em caráter beneficente , e com o Espanhol com sorriso aberto. Fez uma média com o Touro com a tonalidade do Piso , e de quebra uma energia altamente positiva na exibição. Jogadas com a marca registrada do Craque. Os sem noção querendo mais “ competitividade” … . Isto está guardado para os possíveis encontros nesta mais que competitiva temporada. O couro vai comer nas Olimpíadas e SLAM. Quem conhece Roger Federer a gratidão com Rafa Nadal será eterna. Somente o futuro dirá se solidificou uma amizade. Mas depois de assistirmos o Big Mac tentando convencer Borg a voltar e a não vender seus troféus , tudo e’ possível. Já Sampras e Agassi jamais se bicaram . Até em exibições se desentendiam . Nem no USA cravariam uma marca como essa. Vida que segue . Não foi atoa que Federer mandou Papai Novak há tempos se calar com o jogo comendo solto. Que figura … Abs!

    Responder
  9. DANILO AFONSO

    DALCIM, há um bom tempo leio os seus textos antigos (entre 2006 a 2012) que estavam disponíveis no link “+antigos” do site. Ha dois dias ao tentar acessar o link citado acima, aparece a informação que a página está indisponível.
    Abaixo o link:
    http://e.busca.uol.com.br/404.html?q=tenisjn.zip.net

    O problema é temporário ou foi retirado definitivamente do blog??

    Os seus textos antigos tem que voltar, pois por meio deles era possível entender como era o circuito naquele período, as curiosidades, projeções, excelentes textos após os grandes eventos, e claro, os comentários dos leitores a cada texto publicado.

    Não nos deixe sem parte da “coleção” do blog.

    Responder
    1. Maurício Luís *

      Sugiro dar também uma olhada no que diziam os palpiteiros internautas na época. Não sei se dá vontade de rir ou de chorar. E continuam teimando em dar uma de cartomante.
      Até jornalistas especializados erram… Essa ‘tchurma’ quer ser + real do que o Rei.

      Responder
  10. Naira

    Dalcim, bom dia. Hoje no site Bola Amarela, foi publicada uma reportagem onde Federer afirma: «Só quero mais um título em Wimbledon, não me importo se o Rafa me passar…», ( https://bolamarela.com.br/federer-so-quero-mais-um-titulo-em-wimbledon-nao-me-importo-se-o-rafa-me-passar/ ), e continua: “Estou consciente de que é muito provável que ambos me passem, mas acho que qualquer um de nós os três tem de estar muito contente com as carreiras que conseguimos fazer. Foram incríveis independente de tudo. Nesta altura, só quero ganhar Wimbledon mais uma vez, chegar aos 21! Mesmo que depois o Rafa me ultrapasse, não me importo” . Como interpretar essas declarações?
    1- Talvez que aos 38 anos ele se conforma em estar entre os tops mas não no topo, ou seja, já não deseja mais ser número 1? (Só um parêntesis, qual foi o numero 1 mais velho, qual a idade e quando?)
    2- Na declaração, Federer começa mencionando os 2 “concorrentes” mas depois ele termina mencionando somente Nadal, significa dizer que se for o Djokovic a superá-lo ele ficará incomodado?
    3- Essa declaração já é um prenuncio ou soa como uma despedida/aposentadoria próxima? Da minha parte, torço para que Federer continue por mais 10 anos, mas nós sabemos ser impossível. Na sua visão, com todo seu conhecimento, quantos anos mais voce acha que Federer pode jogar em alto nível? Na minha opinião, se depender desta nextgen, mais uns 3, no máximo 5.
    4- Voce acredita que Federer vai continuar a jogar enquanto conseguir se manter no top 5 ou top 10, mas se começar a cair no ranking ele se aposenta; ou voce acredita que, independentemente, de ranking, ele já definiu uma data de aposentadoria? Sei que é pura especulação mas qual o seu sentimento?
    5- O Federer vem fazendo declarações muito elogiosas ao Nadal, dando a impressão de que está passando o bastão ou a coroa do “rei” para o “príncipe”. Chamou o Nadal de amigo, agora diz não se importar em ser ultrapassado por ele. Será jogada de marketing?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Como já disse algumas vezes, acredito que nenhum deles irá prosseguir na carreira se não se sentir competitivo para ganhar os grandes torneios. Não irão jogar para ser top 20.

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Resumindo se me permite , cara Naira. Ele falou nos DOIS o ultrapassando. E isto é o mais provável que aconteça. E deixou bem CLARO agora na África , que se sente ainda muito bem pra pensar em aposentadoria. Abs!

      Responder
    3. Carlo

      Oi naira, acho que o Federer está enfrentando os fatos. É cada vez mais provável que seus recordes sejam superados. Ao fazer essa declaração ele está usando isso para tirar a pressão. Ele sempre foi muito focado nesse negócio de GOAT, e agora está querendo jogar mais leve. Enquanto ele conseguir jogar em alto nível acho que não para. E é bom ver ele com confiança de que ainda pode mais. Abs

      Responder
  11. Arthur

    Pai do Djokovic, aparentemente em mais um surto à la Bolsonaro, fala m… em cima de m…
    E aí depois não entendem por que a torcida idolatra o Federer e o Nadal, mas não dá muita bola pro sérvio, em que pese o sucesso dele nas quadras.

    Responder
  12. Rafael Azevedo

    Meu Deus do céu! Qualquer movimento no mundo do tênis (jogo amistoso, declaração de fulano etc.) ou qualquer post do Dalcim e vêm os mesmos caras falar as mesmas coisas de sempre, repetidas vezes.
    Sempre para enaltecer seu ídolo é desprezar os “outros 2”.
    Não importa o que seja. Se falou uma coisa legal, “é falsidade”. Se falou besteira, “pelo menos é sicero”. Se perdeu jogo amistoso, “é freguês”. Se não deu tudo de si no jogo amistoso, “é um fanfarrão que não respeita o público”. Se venceu o jogo amistoso, “é o GOAT”…
    Sempre encontrando argumentos absurdos para exaltar o seu ídolo é desprezar os ídolos dos outros…
    Tá cansativo, isso!

    Responder
  13. Rubens Leme

    Dalcim, legal e surpreendente esse momento do Gael Monfils, quando, aposto, nem ele esperava mais ser top 10 já veterano.

    Sei que é quase impossível, mas taí um nome legal pra zebrar em Roland Garros e quebrar a escrita dos tempos de Yannick Noah (que já disse torcer para que
    nenhum francês mais vença lá), já que do Tsonga não dá para esperar mais nada.

    Responder
  14. DANILO AFONSO

    Apesar de ser NOLISTA, achei ridículo as declarações do pai do NOVAK. Se ganhando ele pecou pelo exagero na fala, imagina se o filho tivesse perdido.

    Eu nem quero o sérvio com torcida majoritária nos eventos principais. pois o ambiente “hostil” talvez seja o combustível e estímulo que o faz superar a adversidade e dominar o circuito a tantos anos.
    Em time que está ganhando não se mexe.

    Responder
  15. Maurício Luís *

    O Match for Africa uniu o útil ao agradável. Parabéns ao Fedal: além de ajudar uma causa nobre, ainda acrescentaram + um recorde às suas vitoriosas carreiras: recorde de público. É por aí mesmo. Precisam aproveitar a fama enquanto estão no topo… e aproveitaram não em causa própria, mas pra ajudar aos menos favorecidos. Fico feliz em saber que o bem venceu.
    Mudando de pato pra ganso, se eu fosse o Thiem, não daria a mínima pras declarações de um PAI QUALQUER, que quer aparecer + do que o filho. Quer ser + real do que o rei. Devia pendurar uma melancia no pescoço, um chapéu de jacaré verde limão, um tênis rosa-choque piscando um monte de LED e sair na Beija-Flor de destaque no carro Abre-Alas.

    Responder
  16. Nattan Labatto

    “Ele é uma pessoa ótima, com grandes valores e uma família maravilhosa. Nossas famílias se respeitam muito, ele me disse hoje que se emocionou quando ganhei Roland Garros em 2009, o que me deixou muito feliz” (FEDERER, Roger).

    O Federer é muito ingênuo ou é um grande forçador de amizade rsrsrs… Prefiro acreditar que ele tenha um grande coração. Nadal esses dias declarou em tom de “brincadeira” que estava torcendo para Thiem impedir mais um Slam do Djoko, o cara é competidor nato… Emocionado…Sei….

    Responder
  17. Miguel BsB

    Federer chorou na final do ausopen 2009 e tem gente falando que foi fake? Na boa, vao pra …!!!!
    Só ele sabe a pressão que ele vivia no momento, diversas finais perdidas pro seu arquirrival, uma puta pressão!
    O cara não aguentou segurar a emoção, tenho ctz que, se pudesse, ele não tinha desmoronado daquele jeito. Não tenho dúvidas que foi espontâneo…
    Sofasista barrigudo querendo desmerecer um cara desses que perde finais de slam seguidas (ninguem aqui sabe o nem de perto a pressao de se disputar uma final de Slam)e sua hegemonia para o arquirrival e não segura o choro…maldita briga de torcidas sem noção aqui do blog. Nenhum fanático desses aprecia o esporte, somente seu ídolo e olhe lá. De resto, só falam m….

    Responder
      1. Rafael Azevedo

        Compartilho da sua revolta!
        Estou lendo o início dos posts. Se o cara vem com a mesma ladainha de exaltar o seu ídolo é desprezar o outro, eu já pulo para ler o próximo. Tem que “catar” comentários bons.

        Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Parabéns, Paulo F.

      Eu sabia que cedo ou tarde você ia atingiria até uma pessoa neutra, com essas criancices,

      E olha que o Miguel é um dos participantes mais serenos e sensatos do blog…

      No mais, continue aprimorando o teu anti-federismo.

      Tenho a maior FÉ em você!

      (rs)

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Sem contar as INÚMERAS vezes nas VITÓRIAS. Aos 19 , ao bater Pistol Pete Sampras nas Oitavas na Grama Sagrada do longíquo WIMBLEDON 2001 , deitou no gramado e chorou copiosamente. Jamais escondeu suas emoções pois ama o que faz. Esses caras são uns babacas recalcados. A começar pelo Patético Mor , Paulo F. Abs!

      Responder
  18. Paulo Almeida

    O pai do GOAT disse um grande fato: seu filho é o melhor de todos os tempos. Essa realidade incomoda demais os tards, que vão à quadra só para vaiá-lo.

    Não vejo a hora de ele corroborar as declarações do Sampras e falar que o Fregueser se criou em cima do Roddick e de outros bagres e só por isso tem tantos Slams.

    Responder
  19. Miguel BsB

    Na boa rapaziada, vcs entendem o conceito de “partida beneficente”, “amistoso”?
    Parece que alguns aqui não…
    Foi exatamente isso essa Match for Africa…não valia nada e os dois se divertiram e divertiram o público, só isso.
    Por uma grande causa.

    Responder
  20. Rodrigo S. Cruz

    LEIA O ENUNCIADO E DEPOIS ASSINALE A RESPOSTA CORRETA:

    ” Qual desculpa Paulo F. dará para explicar a sétima surra do Federer sobre o Nadal, em quadras duras:

    A) Era amistoso com resultado combinado

    B) Não tinha juiz de linha e o Nadal é muito metódico

    C) Psicologia reversa. Afinal, a quadra tinha cor de saibro e isso no lugar de assustar o suíço, acabou inspirando

    D) O Nadal não puxou muitas vezes a cueca dele até ao rego

    Responder
    1. Paulo F.

      E) Para quem tem a alcunha de “GOAT” possui um retrospecto inferior a quase uma dezena nos confrontos diretos contra o seu carrasco. E, sentimos muitos, são contabilizados no somatório TODOS os pisos.

      Responder
  21. Rodrigo S. Cruz

    Bom,

    Após a oitava vitória seguida (fora do saibro) sobre seu suposto “carrasco” Nadal.

    Peço licença para parafrasear o Luiz Fernando:

    ” vamos aguardar agora pelas opiniões ABALIZADAS dos bobos de sempre”.

    quá, quá, quá, quá!

    Responder
  22. Rodrigo S. Cruz

    O Novak ” Insossovic” tem um jogo tão pouco atrativo que até o paizão dele vem chorar pitangas da torcida!

    kkkkk

    Como é que pode isso?

    O cara é OCTA-CAMPEÃO do torneio, e nem assim consegue ter apoio expressivo?

    Responder
  23. R.P.

    “Ele me disse que se emocionou quando ganhei RG”…

    Prefiro as declarações infelizes, porém sinceras, do pai do Djoko do que esse nível de demência.

    Responder
  24. Carlos Reis

    O pai do “VICE de Roma” choramingando e falando besteira, viram mais esse mimimi patético!? Milionário chorão ninguém merece… ô mundinho mais escroto esse atual…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Nessa horas é que gente vê realmente o MUNDO de diferença entre a popularidade dos três membros do BIG 3.

      Um simples “Fedal” fake consegue ter mais “hype” do que vencer o mesmo Grand Slam pela oitava vez.

      E ainda tem cabeça-dura que se ilude ao dizer que o Fedal não é o principal clássico!

      kkkkk

      Responder
      1. PIETER

        Penso que ele quer os seus 15 minutos de fama, a que não fez jus, pegando carona na notoriedade -essa , sim, merecida – do filho genial.
        Dalcim, off-tópic: você sabe como está o calendário de futures deste ano para o Brasil? Ainda aquela escassez miserável do ano passado ou alguma perspectiva de melhoria?

        Responder
      2. Sandra

        Concordo com você Dalcim , mas se fosse seu filho ou filho de qualquer um daqui faria a mesma coisa, até porque querem queimar o Djoko de qualquer maneira , e cada vez que fazem isso ele desanda a ganhar !! Você tem filhos Dalcim ?

        Responder
      3. evaldo moreira

        É mestre, o cara se especializou em falar bobagens, só em olhar para o sujeito, percebe-se a arrogância do cara, o cara tem que entender que antes de o filho se destacar nas quadras, Federer e Nadal já estavam há tempos á frente, fato.
        Agora, ninguém é obrigado a ser igual aos outros, mas ser educado e tratar bem o boleiros, isso a torcida agradece, não de hoje que Novak destratar as crianças por isso.

        Responder
  25. Evaldo A Moreira

    Ótimo evento , achei meio devagar , no que tange ao jogo em si, mas importante em termos de iniciativa em pró das crianças.
    Dalcim,
    E Del Potro será que volta!?
    Acompanho ele nas redes sociais e vi seus videos mostrado a recuperação, haja motivação mestre.

    Responder
  26. Nattan Labatto

    Bom dia, srs!

    Enfim Nadal sendo coerente e sensato em suas declarações: https://tenisbrasil.uol.com.br/noticias/74916/Nadal-diz-ser-apaixonante-atual-momento-do-tenis/ …. É a primeira vez que deixa claro a briga e corrida para saber quem do big3 vai terminar com o recorde de Slam.

    Deixou escapar algo que todos já sabem, o q tá nítido e cristalino até para os olhos como o mais alto grau de miopia: o Topo do Olimpo (Slam e semanas como number one). Djokovic, sincero e autêntico nato nunca escondeu de ninguém suas intenções e fez e faz por onde. Se Nadal e Federer elevaram o esporte pra outro patamar, Nole subiu com ele mais dois degraus.

    Desejo de coração que essas 3 lendas estejam bem fisicamente para que essa briga seja mais acirrada, que tenhamos “sangue” em quadra, entrega, empenho máximo e, por fim, o fígado ainda fresco entre os dentes do Lobo oriundo dos Bálcãs…

    No mais, vida longa aos três!

    Abs

    Responder
    1. Vitor Hugo

      Novak não teve, não tem e nunca terá a importância que os dois outros tem para o esporte.
      Novak não contribuiu em nada para o patamar do esporte dar um up, os outros dois, sim.

      Responder
      1. Nattan Labatto

        Entendo seu ponto de vista, Hugo. Mas ñ concordo…

        Djoko foi um dos primeiros a alinhar esporte e ciência, dieta e a ter um staff completo (até guru tinha, infelizmente rs). O resultado da soma desses fatores vou o de uma década dominada por ele. Melhorou pontos em seu jogo que muitos duvidavam e é nítido que hj tem um jogo mais completo q Nadal, por exemplo.

        Diversos jogadores estão e/ou seguiram a cartilha do sérvio: http://www.espn.com.br/blogs/bibibolson/733189_gluten-free-a-dieta-magica-de-djokovic-venus-williams-e-cristiano-ronaldo.

        Queira aceitar ou não, Vitor. Novak Djokovic fez e faz história e colocou sim o esporte em um degrau acima de seus brilhantes rivais. Abs

        Responder
  27. FERNANDO/MG

    Prezado mestre, li a entrevista do pai do Djokovic no site “bola amarela”, fiquei perplexo com a falta de educação e até mesmo de caráter do homem. Primeiro chamou o Thiem de um “austríaco qualquer”, depois falou mal de todas as torcidas e de todos os lugares por não torcerem para o seu pupilo, e mais um monte de bobagens, realmente, tal pai, tão filho. O Djokovic nunca vai superar o fato de não ter idolatria, o cara é simplesmente fissurado no Federer e no Nadal, assim como o pai dele tbem deve ser. Parece um karma Freudiano, e pra piorar os torcedores dele vão na mesma direção, raramente falam dos feitos do seu tenista, mas sim destilam ódio contra o suíço e o espanhol.
    Mestre, vc se recorda de outro tenista de vulto, que tenha sido número 1, não ser tão idolatrado nas quadras chegando até a ser antipatizado? Mcenroe?

    Responder
    1. JAN DIAS

      Quando o DJOKOVIC brincava e fazia imitações, todo mundo gostava dele.. Ele animava as partidas, entrevistas e bastidores do esporte.. 🤪
      Porém quando o pai dele enfiou na cabeça dele que ele tinha que ser igual ao FEDERER e bater o recorde de SLAMs, ele dispirocou, contratou guru e mudou de personalidade..
      Ele passou a expressar em quadra a AGRESSIVIDADE e CARA FEIA DO PAI DELE 😡, mostrando às vezes IMPACIÊNCIA e GROSSERIA, comportamentos que a torcida do tênis considera repulsivos e inaceitáveis nesse esporte… 🎾
      Assim, essa demonstração RAIVOSA de querer bater o recorde dos SLAMs só angaria mais antipatia pro DJOKOVIC, que parece ñ perceber isso. E graças ao pai dele, essa antipatia só tende a piorar…

      Responder
    1. Maurício Luís *

      Acredito que a comemoração dele foi mais devido ao valor arrecadado em causa beneficente. Todo mundo sabe que amistoso é amistoso, não é como vencer num torneio de Slam.

      Responder
  28. Rodrigo S. Cruz

    Bom,

    Chegamos ao final da partidinha FAKE entre os dois gigantes do Tênis, mas com vitória do suíço.

    Destaco aqui alguns pontos bem bacanas por parte do Federer, como a bola de matchpoint, por exemplo:

    voleio de bate-pronto no pé, que o GOAT com extrema habilidade transformou em “drop-shot” curto com efeito “back-spin”…

    De resto, um placar 90% fabricado.

    Até o set vencido pelo Rafa, deu para ver que só ficou com ele porque o suíço quis alongar mais a exibição…

    Tivesse também o Nadal sido o vencedor, isso não teria significado NADA, portanto.

    Só não custa lembrar que se o Nadal vencesse, o “café-com-leite” (Paulo F.) viria despejar todo seu ranço.

    Dizendo que o Federer é o “filho, freguês, patão”, e que o Nadal é o : ” papai, carrasco, etc”.

    Enfim, as criancices costumeiras que toleramos dia sim, dia também.

    Não dá para esperar qualquer honestidade intelectual desses caras…

    Responder
      1. Paulo Almeida

        Isso não vale nada, fake camaleão. Quando estava valendo, DjokoGOAT meteu logo um drop com slice pra abrir 6-1 no tiebreak contra o freguês.

        Responder
  29. Vitor Hugo

    Eu estava enganado, Roger quer sangue! Não perdoa mais o baloeiro em hards ou grama, amistoso ou não. E que jogada sensacional e humilhante pra fechar o jogo!!! Kkkkkkkkk

    Responder
    1. Thiago Silva

      É por causa de comentários idiotas como esse que o Federer tem tanto hater aqui no blog. Se o Federer soubesse o nível de alguns fãs dele aqui se sentiria envergonhado e recomendaria que mudassem a torcida pra outro tenista.

      Responder
  30. Rodrigo S. Cruz

    Mesmo se tratando de uma exibição, esse é o Fedal mais FAKE que eu já vi.

    Claramente, nenhum deles estão levando o jogo à sério.

    É só brincadeiras e fanfarronices de ambos…

    Sei lá.

    Podiam maneirar mais nas brincadeiras, e tentarem competir de verdade.

    Afinal, esse deve ser o espírito de qualquer FEDAL, a rivalidade…

    Responder
    1. Maurício Luís *

      Mas exibição não muda nada no histórico da rivalidade deles. Deixa eles brincarem um pouco, Rodrigo. Já não chegam as carrancas que o Nadal faz quando joga pra valer… Aquilo lá, se olhar prum espelho, quebra.

      Responder
    2. Matheus Lago

      Não é meu modo de exibição favorito, prefiro a antiga IPTL ou a Laver Cup em termos de nível de Tênis embora o “HIT FOR HAITI” também esteja em nível parecido com o “Match for Africa”, mas o intuito não é competir no mais alto nível para se desgastar em um jogo de exibição e que portanto não vale pontos para o ranking mundial.

      Responder
    3. Barocos

      Calma lá com o fanatismo, só vi a festa hoje e foi muito legal, exatamente o que se espera de um evento deste porte. Não sei quantos “seniors match” você já viu, mas é este clima de diversão que se espera neste tipo de encontro.

      Claro, a presença de 2 do Big3 ainda em atividade eleva a grandeza do espetáculo a níveis estratosféricos, ainda mais que são, de longe, os tenistas mais amados no circuito (não sei quanto a nível histórico, tanto Borg quanto Pete Pistols eram muito queridos também, o Dalcim, com certeza, pode fornecer uma opinião balizada sobre isto).

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Fanatismo por que?

        Só por achar que o duelo poderia ser mais sério entre dois grandes tenistas?

        Não falei mal ou diminuí nenhum deles dois.

        Onde está o fanatismo?

        Responder
  31. Vitor Hugo

    Como eu imaginava, Roger venceu um set, Rafa empatou e agora acredito que Federer vai entregar o terceiro pra ficar tudo em paz, e o espanhol finalmente sentir o gostinho do que é vencer Roger em uma quadra dura novamente.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Não deu nem pra comemorar a vitória do Federer.

      Partidinha tão legítima quanto nota de 3 reais!

      kkkk

      Mas foi bom o suíço ter vencido.

      Do contrário teríamos de tolerar os mesmos comentários retardados de sempre…

      Responder
  32. Julio Sc

    Preocupa a queda de rendimento do Bruno Soares? Foram eliminados no AUS Open pela dupla falta que Bruno cometeu, e essa semana o Pavic pega um parceiro que nunca jogou junto e já está na final.

    Sabe até quando que o Bruno e o Pavic vão jogar juntos?

    Responder
  33. Carlos Bicalho

    Dalcim,
    Em uma carreira sem lesões, quantos slams Juan Martin Del Potro teria vencido?

    Del Potro “inteiro” é superior a essa nova geração de Tsitsipas, Medvedev, Zverev, Kyrgios e Thiem?

    Pessoalmente, por Del Potro ter ganho um slam aos 21 anos penso que isso é um diferencial em relação aos atuais jogadores acima citados, sendo certo que é característica comum dos grandes tenistas ganharem torneios de grand slam cedo – até os 21 anos.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É difícil dizer, Carlos, porque Delpo nunca cuidou realmente muito bem do seu físico, nunca foi um superfã de treinamentos. Mas por seu talento, provavelmente teria ganhado mais 3 ou 4.

      Responder
  34. Rodrigo S. Cruz

    [Adriano Souza]
    6 de fevereiro de 2020 às 17:31

    “Vendo o jogo do Belucci?
    Tem coisa melhor pra fazer não? Kkkk”

    Se eu não perco nem os jogo do Djokovic, com aquele tênis feiozinho dele…

    Por que eu deixaria de assistir ao Bellucci?

    (rs)

    Responder
  35. Rodrigo S. Cruz

    [Marcão]
    7 de fevereiro de 2020 às 09:59

    “Boa Rodrigo, fui resgatar a jogada no youtube. Simplesmente incrível!!! Será que Moutet estará no Rio Open?”

    Não sei, cara.

    Mas seria um bom acréscimo sem dúvida…

    Responder
  36. Vitor Hugo

    Só acrescentando a informação do colega Rodrigo, Federer venceu as 5 últimas contra Nadal nas hards, sendo que as últimas três, Roger sequer perdeu sets, incluindo um fácil 6/2 e 6/3 em Indian Wells. E só não rolou a sexta seguida porque Nadal deu w.o, também em IW no ano passado.
    Provavelmente Roger vai deixar Nadal ganhar o amistoso, assim como Novak permitiu que Nadal ganhasse o amostoso entre eles no fim do ano passado. Só pra Rafa não perder todas nas hards, né?

    Responder
      1. Paulo F.

        Hahahahahahahahaha!
        Aquele choro do AO 2009 foi uma das cenas mais patéticas da história do tênis. Federer foi tão deselegante, que o coitado do Nadal nem pôde comemorar o seu único feito na Austrália.
        Djokovic chorou em RG em 2015? Sim. Mas o Stan ainda pôde comemorar tranquilamente a sua conquista, não precisou ter que deixar o ombro pro sérvio ficar chorando igual a um bebê como o Nadal teve que fazer com o Federer.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Mais um comentário Patético que já merece o Topo de passador de recibos mor do Blog . Desde quando aceitar a sua aposta e’ ser arrogante mane’ ? Repito , cresça e apareça. Se for fugir avise no próprio blog . Abs!

          Responder
  37. Luiz Fernando

    O Pessanha continua acertando todos os palpites kkk, todos nos aprendemos a admirar o Aliassime em razão dos comentários dele, mas o cara agora só perde, Pessanha fala que ele é fraco kkk…

    Responder
  38. Rodrigo S. Cruz

    [Luiz Fabriciano]
    6 de fevereiro de 2020 às 11:55

    “Aliás, ao abrir o Youtube hoje, tinha lá um vídeo, de mais de 10 min mostrando os destemperos de alguns, no tocante aos pegadores de bolas e fiquei pasmo ao não ver Novak Djokovic nele”.

    Pois é, Luiz.

    E PASME.

    Pois esse vídeo não muda os fatos em nada!

    Porque o tenista mais rude e mal-educado com os pegadores de bola é o Djokovic, definitivamente!

    Inclusive nessa final contra o Thiem de novo, e eu esqueci de comentar isso:

    EU VI ele fazendo a babaquice, com caras e bocas e dando PITO nos boleiros. Uma vergonha!

    Que falta de respeito dele pelo trabalho digno dos meninos…

    Será que o sérvio se esquece que vem de origem humilde, e já trabalhou de boleiro um dia ?

    Responder
    1. Bruno Gama

      O cidadão quando é mau caráter, não importa se é de origem humilde ou abastada, vai ser mau caráter em qualquer situação.
      Aquilo ali só nascendo de novo pra mudar. E a patota que rodeia ele tem o mesmo tipo de comportamento.

      Responder
    2. Ronildo

      https://saqueevoleio.blogosfera.uol.com.br/2015/07/07/wimbledon-dia-8-serena-djokovic-gritos-palavroes/

      Pesquisando na referência que a matéria dá nota-se que a boleira ficou perturbada com as ações de Djokovic.

      Em 2013 num jogo com Murray em Miami, Djokovic embaraçou um boleiro gritando em sua direção e depois da partida pediu desculpas. Mas acho que o pedido de desculpas foi depois que ele ficou sabendo das reações negativas que o fato gerou.

      Responder
      1. Luiz Fabriciano

        Esse link fala de um jogo em Wimblendon, contra Kevin Anderson, não em Miami.
        Mais uma vez, o vídeo não comprova nada e lendo os comentários acerca do mesmo, mantenho minha opinião.

        Responder
        1. Ronildo

          Sim, o link é do jogo de 2015 Djokovic em Wimbledom. Depois falei do ocorrido em Miami em 2013. Pensei que o espaço entre as linhas faria os leitores perceberem que se trata de duas ocasiões diferentes.

          Responder
    3. Luiz Fabriciano

      Continuo não vendo nada que comprove isso. Fala-se que ele grita ou gritou em direção à alguém, mas também já foi dito que do ângulo em que vemos na TV, não comprova que “gritou com” alguém. E nem precisamos discutir que ele grita bastante, isso é fato. A questão é suposições sobre. Pedir pressa, nada de anormal nisso. Sua resposta mesmo não indica o que pedi ao outro colega. Como você viu ele fazer caras e bocas para alguém? Você afirmar que ele é o mais rude, demonstra apenas sua opinião e eu, respeitosamente, discordo dela.
      Como disse antes também, já vi vários vídeos dele interagindo com as crianças e reafirmo que, nenhuma criança ficaria confortável ao lado de quem é rude com ela.
      Grande abraço.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Luiz,

        Eu sei que é um tanto difícil enxergar defeitos em alguém que a gente gosta.

        E não tenho intenção de te convencer de nada…

        Mas pra mim ficou nítido.

        O Djokovic foi um tanto ríspido em alguns momentos com o boleiro.

        E isso tem sido habitual na carreira dele.

        Abs.

        Responder
  39. Vitor Hugo

    Novak pouco enfrentou Roger entre 2003 até 2008, período em que o suíço estava no auge físico e em grande momento técnico. Claro, o sérvio não enfrentou o suíço ou porque não estava no circuito ou porque estava começando ainda. Teve o jogo no Au/08, mas não dá pra levar em conta pois Roger teve a mononucleose logo no começo do ano que atrapalhou pré temporada.
    Além do mais, Djokovic não enfrentou Federer em 2017, período que o sérvio dificilmente faria frente ao suíço. Somado tudo o que eu escrevi ao fato do suíço ter estendido a carreira muito mais do que a média dos tenistas, chega-se a conclusão de que se os dois tivessem a mesma idade, Roger teria sim algumas vitórias a mais que Novak no h2h. Eu diria que Roger teria pelo menos 60% das vitórias nos confrontos.
    Mas alguém pode questionar: Mas Roger não estava velho em 2017???. Sim, estava. Mas foi um ano completamente fora da curva. Diria que foi “o último canto do cisne”.

    Responder
    1. Jonas

      Velho tá o Agassi, Sampras.

      O Federer tá aí correndo 5h igual um garoto em final de Slam.

      Em 2017 ele estava voando. Diria que tecnicamente foi o melhor Federer. O Ljubicic consertou aquela aberração que era a esquerda do suíço.

      Responder
      1. Jonas

        Em relação ao Djoko, é evidente que continua jogando muito, número 1 com folga atualmente.

        Mas não chega perto do Djoko de 2015. Ali era o auge técnico e físico do sérvio. O que enaltece ainda mais aquela vitoria monstruosa do Wawrinka em Roland Garros.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Sei…

          A “velhice” só vale se for pro sérvio, né?

          O Djokovic sobra fisicamente hoje, tanto quanto sobrava em 2015.

          É nítido isso… Não diminuiu um milímetro sequer!

          Engraçado é que quanto mais idoso o Federer, menos a idade dele é aceita como desculpa…

          Responder
      2. Sérgio Ribeiro

        Sabe nada , caro Jonas. Aberração que já tinha levado 18 SLAM ? Isto é uma afronta a inteligência de qualquer um. A maneira que vocês comentam o Esporte é vergonhosa. Se houve uma melhora no Back mais batido ( muito utilizado contra o Espanhol ) , em contrapartida diminuíram os na paralela, pelo fato de chegar atrasado nesta altura do campeonato. Os Slices continuam primorosos e venenosos como SEMPRE o foram. Se ainda tivesse o mesmo jogo de pernas , não perderia na Grama pra ninguém. A meu ver. Veja contra Sampras no YouTube . Abs!

        Responder
    2. Enoque

      Coloco aqui um outro ponto de vista na relação entre o Big 3.
      Não entendo porque o Federer se diz tão amigo do Nadal, sendo que o cara foi seu maior carrasco da carreira. O melhor período do Federer foi entre 2003 e 2010, onde reunia condições de vencer todo os 4 Slams por ano. Neste período foi vice em Slam 8 vezes, sendo 7 contra Nadal e 1 contra Del Potro. Era tecnicamente muito superior a Nadal, só perdendo devido à gana, garra, teimosia e mental do oponente. Em 2008 perdeu pro Djoko no AUO, mas não foi na final, só começou a ser vice do Djoko à partir de 2014. Sendo assim, quem impediu o título de 10 a 12 Slams seguidos foi o Nadal, justamente no melhor período de sua carreira. Teria atingido números imbatíveis (uns 23 Slams) já no final de 2010. É como se o Cristiano Ronaldo escolhesse o Neymar ou Mbappé, como seu principal adversário e declarasse amizade com o Messi.

      Responder
      1. Jonas

        Concordo. O Nadal bateu muito no Federer entre 2004 e 2014. Uma década sendo pisado pelo maior rival.

        Chegou ao ponto do Nadal vencer o Federer em finais de Slam seguidas…como ocorreu em WB 2008 e AO 2009.

        Derrotas humilhantes, como o marcante 6-1 6-3 6-0 em uma FINAL.

        Só que o Federer amenizou isso de 2017 pra cá. Ele melhorou muito em vários aspectos, como o mental ao sair de 1-3 no 5° set da final do Australian Open. Imagina se ele perde aquele jogo?

        Depois disso ele venceu o Nadal em IW, Miami e Shaghai. Sempre com autoridade.

        Um ponto interessante é que o suíço estava em excelente forma, aos 36 anos, alguém nega isso?

        É claro que nessas horas não aparece nenhum Federista chamando o suíço de velho. Este argumento só vale mesmo quando ele perde nas finais de WB 14, 15 e USO 15, ou em qualquer jogo que seja contra o Djokovic.

        Responder
      2. Miguel BsB

        Senhores, como assim?
        Nada impede que grandes rivais no esporte sejam amigos fora dos quadras, estádios, ringues…
        Há vários exemplos. No tênis, por exemplo, tivemos Borg e Mac.
        Eles são competidores profissionais. Nadal não pisou em ninguém… fez o que ele tem que fazer numa quadra diante do rival. Qualquer rival! Vencer da melhor maneira possível. Jamais desrespeitou Federer ou outro tenista, esnobou ou desmereceu após uma vitória.
        Percebe-se que vocês gostam mesmo é de comentar esportes no conforto do sofá, jamais participaram de competições pra entender o espírito da coisa…O que acontece em quadra fica em quadra. Se você tá enfrentando seu irmão, se tiver a oportunidade, vai meter triplo 6×0 e vai continuar sendo seu irmão. É assim que funciona.

        Responder
      3. Matheus Lago

        Acredito que amizade não tem a ver com carreira, Federer deve considerar Nadal como alguém que o frustrou muito em termos de conquistas e de oportunidades perdidas de títulos de Slams e Masters 1000, mas por outro lado foi um dos tenistas que mais fez o helvético precisar melhorar, mudar sua tática e nível de jogo. Creio que seja por isso a “gratidão” do Federer ao tratá-lo como amigo, mas é claro que inicialmente são apenas adversários/rivais.

        Responder
      1. Helena

        E quem você acha que levanta um caneco primeiro? O Thiem parece quase lá, mas sei não se o russo não fura essa fila.
        Uma questão interessante é que todos eles têm um desempenho pobre/aquém do esperado especialmente em Wimbledon (algum motivo especial para isso?). Se o Kyrgios botar a cabeça no lugar, então pode aproveitar essa brecha no futuro.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Eu apostaria no Thiem, e quem sabe já neste Roland Garros. O Medvedev certamente concorre no US Open. Wimbledon é muito diferente de tudo, em que pese toda a lentidão da grama atual. Mas acho que Tsitsipas tem o jogo perfeito para brilhar ali, talvez mais 2 ou 3 anos.

          Responder
    1. Paulo F.

      Mandaram mal os sul-africanos na cor da quadra.
      Federer não vai nem jogar direito o amistoso com quadra cor de saibro então, ainda mais contra o carrasco!
      kkkkkkkkk

      Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Você não cansa de passar VERGONHA, né?

            A cor da quadra não ia influenciar? Então por que o Federer venceu de novo?

            Quebraste a cara, bocudo… (rs)

    2. Matheus Lago

      Enquanto o Tênis não deixar de ser praticado, qualquer suposição de quem é “GOAT” demonstra ser infrutífera e inútil.
      O termo “GOAT” se refere ao melhor de todos os tempos, e só de considerar Laver, depois Borg, depois Sampras e depois Federer já mostra a incoerência de interpretação da expressão.
      Chamar qualquer um de “GOAT” hoje é perda de tempo.

      Responder
  40. Julio Sc

    Cidade do Cabo é uma cidade linda. Muito bacana esse match for Africa hoje acontecer lá.

    Sobre os depoimentos de Djoko ganhar RG e etc. Para mim, a única chance de Djoko ganhar o título é o Thiem cair no lado do nadal da chave.

    Djoko está para RG, assim como Thiem foi nesse Aus Open. Tem jogo para ser campeão, mas não consegue eliminar 2 monstros na mesma edição.

    Responder
    1. Paulo F.

      Eu sou meio paranoide com esses “sorteios” também.
      Apostaria R$ 200 como NOVAMENTE Thiem e Nole ficam no mesmo lado da chave e Nadal no outro.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Eu topo a aposta , Paulo F . Como tenho 50% de chances , e gostaria de ver novamente Federer x Novak em Rolanga , nada como pegar um pato. Topas ? rs Abs!

        Responder
        1. Paulo F.

          Topo.
          Mas cuidado na tua fé inabalável em Roger Federer, arrogante-mor.
          Não se esqueça que o incriticável tomou 3×0 do sérvio nas mesmas semifinais de RG um ano depois em 2012…

          Responder
  41. Leo Gavio

    Sobre a questão do maior clássico, é muito engraçado analisar que não existe nada definido. Mas hoje ninguém duvida que o maior clássico é Djokovic vs Federer

    Nadal vs Federer foi o maior clássico. Hoje em dia Nadal é bem patinho pro Federer. Acho que Nadal não segura Djokovic nem Federer, se estes estiverem fisicamente e tecnicamente bem. É um fato.

    Djoko e Federer é pau a pau, o Federer não consegue dominar com a direita, no fundo, e o DJoko sofre contra os voleios e os toques, é um jogo imprevisivel. Nadal vs Federer é nitido como Federer tem mais bola que Nadal, a entregação do Federer é que faz um falso classico virar um grande classico. Aquele AOpen 2009 foi o maior exemplo de entregada mental. Tirando o saibro de RG, Federer tem muito mais bola que Nadal.

    Essa a grande verdade, a moleza diante do Nadal (naqueles períodos) é que alimentaram um falso clássico. Se o Federer jogasse o que sabe com constância, seria sempre aquilo que Djoko fez na final do AOpen 2019

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      (rs)

      Essa daí é ideal para esfregar na cara do chatão de galocha Paulo F :

      ” Hoje em dia é nítido que o Nadal virou um patinho do suíço”.

      kkkkkk

      Responder
    2. Vinicius Chaves

      Acho que nunca li tanta coisa tosca na minha vida. Falso clássico. 2008 o Nadal encarou o Federer de igual pra igual em Wimbledon, que o Federer tem mais bola que ele ninguém precisa nem decifrar isso. E engraçado é que não é clássico só porque quando o Nadal ganha é no mental, então não vale. Nem ligo, tem 19 GS, realmente ele não aguenta nem Federer nem Djokovic. Aliás gosto muito quando falam de RG, porque sempre encheram a boca pra falar que o Djokovic é excelente em todos os pisos, só tem que combinar com o Nadal em RG. “O Nadal só tem 1 título no AO, é o famoso rei do saibro “, ok, parabéns ao Djokovic que tem 1 mísero título em RG.

      Quanto realmente ao clássico, que pra mim pouco importa quem é melhor tecnicamente, pra sua tristeza não tenho nenhuma dúvida que Federer vs Nadal é o maior.

      Responder
      1. Luiz Fabriciano

        Só existem dois homens na história do tênis a terem batido Rafael Nadal em RG. Um está aposentado há muito tempo e o outro é #1 do mundo.
        Ele e Federer tem um título cada lá, mas o suíço contou com o agora aposentado para livra-lo do caminho do seu maior carrasco no torneio parisiense.
        O #1 do mundo, no ano que eliminou o “dono” do torneio teve o azar de pegar outro suíço, “encapetado” na final, levando uma virada, senão já seriam dois canecos. E antes de falarem que Nadal estava meia boca em 2015, venceu todos os jogos anteriores com facilidade, mas a meia boca veio estourar nas quartas de final.

        Responder
    3. Paulo Almeida

      Vou discordar veementemente do Gavião dessa vez.

      Como assim um cara que chegou a tomar 23×10 no h2h e 9×2 em GS tem mais bola do que o outro??

      Nadal dominou o Fregueser durante muito tempo porque era MELHOR do que ele, simples. O ano de 2017 foi a exceção e não a regra, graças ao fato do backhand pavoroso do suíço ter sido melhorado pelo Ljubicic. Mesmo assim, a final do AO 2017 foi perdida nos detalhes. Já os outros confrontos em Indian Wells, Miami e Shanghai foram mais fáceis mesmo.

      Responder
      1. Miguel BsB

        Simples. Porque H2H, quantidade de títulos e eventualmente título de GOAT, só podem ser utilizados e averiguados DEPOIS do fim da carreira de qualquer esportista.
        Por isso, eu acho inócuas e estéreis essas discussões de vocês…

        Responder
        1. Matheus Lago

          Concordo com quase tudo, H2H não vale nada em nenhuma análise cujo tema seja tão complexo quanto este.
          “GOAT” só saberemos quem é quando o Tênis deixar de ser praticado, porque nada impede de no futuro vier alguém e superar Federer nos Slams, Nadal nos Masters 1000 e diversos outros recordes do Big 3.

          Responder
        2. Jonas

          Miguel, nesse caso eu acho que influencia sim.

          Estamos falando de Federer x Nadal. Cara que fizeram finais gigantes em Wimbledon, Roland Garros e até Australian Open.

          Nesses torneios, o Nadal levava muita vantagem sobre o Federer. 23 x 10 (geral) é uma distância enorme pra tenistas desse calibre.

          Pra felicidade dos torcedores do Federer, o suíço seguiu jogando. Ele só conseguiu reduzir essa “vergonha” aos 35-36 anos, quando enfim decidiu mudar a forma de jogar. Até por isso passou por cima do Nadal nos torneios mais recentes (exceção feita a Roland Garros).

          Eu sempre achei que o Federer tinha mais bola que o Nadal. Chegava a ser meio absurdo ele perder tanto assim pro espanhol . Acredito que havia um problema tático e mental ali, que veio a se resolver em 2017, aparentemente.

          Responder
          1. Miguel BsB

            Mas é o que eu disse. Em um momento o h2h entre eles era extremamente favorável ao Nadal. Mas ambos continuaram jogando, e Federer começou a mudar essa balança. Tem ganhado bem mais do Nadal nos últimos anos do que o contrário. E é provável que, no fim de ambas carreiras, não seja tão desigual como chegou a ser em determinado momento.
            Nadal sempre foi o nêmesis do federer na década passada, seu estilo de jogo incomoda demais o suíço…e temos que lembrar que grande parte desses embates se deram no saibro, habitat em que o espanhol é soberaníssimo.

  42. Oswaldo E. Aranha

    Fico pensando sobre o nível de relação entre as enchentes em Minas, Espírito Santo e Estado do Rio com o resultado do Australian Open e muito preocupado se o futuro resultado de Wimbledon não causará um dilúvio.

    Responder
  43. Rubens Leme

    Dalcim, sei que não existe essa estatística, mas Bellucci entraria fácil num top 10 de tenistas que mais perderam partidas na mão, seja contra “pangarés” ou jogadores fortes. Duas finais, pelo menos, foram assim, o do ATP 500 de Moscou, contra o Andreas Seppi (a seria a primeira dele num 500 e numa quadra dura) e aquela de Houston, contra o Steve Johnson, quando perdeu o bi, com o americano jogando lesionado os últimos games.

    Também poderia lembrar a derrota dele pro Fognini no Rio ATP. Já as iguais de ontem, contra tenistas inexpressivos, perdi a conta. Nem vejo mais o Bellucci, porque as derrotas são arrancadas sem anestesia e, as derrotas, faz querer jogar o notebook no chão e estou sem grana para comprar outro agora.

    Responder
  44. Miguel BsB

    Dalcim, li os artigos do blog que vc recomendou…É bem interessante, principalmente pra quem joga, e quer entender como funciona a física do tênis.
    Mas é beem técnico, e eu, que nunca fui bom em física, tive alguma dificuldade em entender certas questões. Mas é interessante conhecer cientificamente como funcionam os spins, força empregada nos golpes, etc.

    Responder
  45. Maurício Luís *

    Gostei muito do Podcast com o Paulo Cleto. Ele tem um jeito descontraído que é ótimo.
    MARGARETH COURT — Achei que a australiana defendeu relativamente bem o seu ponto-de-vista sobre manter a quadra com o nome dela. Isso do Mckenroe e Martina estenderem uma faixa pedindo pra mudar o nome do estádio pra Evonne Goolagong, não que esteja errado, mas ficou estranho por 2 motivos:
    1) fazendo uma comparação, seria o mesmo que o Messi e o Cristiano Ronaldo virem aqui no Brasil estenderem uma faixa no meio do estádio Rei Pelé pedindo pra mudar o nome pra Zico;
    2) pela falta de pronunciamento da Evonne Goolagong, parece que a dupla John/Martina não a consultou antes… o que torna a coisa + esquisita ainda…

    ******** Ainda não, Xisca!********
    A Xisca Perelló procurou o renomado médico Dr. Rogério Novaqui Jogovique Federel reclamando que anda sentindo enjoo:
    – Você se esqueceu da pílula? Comeu algo diferente?
    – Não, doutor. Sou disciplinada. Até nos estádios, vendo os jogos do meu baloei… digo, do meu marido, só como coisas naturais.
    – Hum… jogos do seu marido… Tá explicado. Você NÃO está gestante.

    Responder
    1. Matheus Lago

      Considero totalmente errada e hipócrita a ação do McEnroe e da Navratilova:a homenagem feita para a Margaret Court é uma decorrência pura e simples de seus feitos como Lenda australiana, em especial seus 64 Grand Slams nas diferentes categorias. Portanto não tem nada a ver com ser boa ou má pessoa ou explicitar ou não pontos de vista pertencentes ao mainstream politicamente correto.
      A Goolagong não é mais vencedora que a Court, portanto sugerir o nome dela para renomear a quadra não faz sentido.
      Seguindo a lógica de McEnroe, Navratilova e Stosur o estadunidense nem poderia comentar para a televisão devido aos absurdos que já falou e voltou atrás.
      Duvido que se a Court não fosse uma pastora evangélica e dissesse que concorda com tudo aquilo que aos olhos bíblicos é inaceitável teria essa retaliação imoral que vem sofrendo a ponto de ser chamada de “homofóbica”(sendo que até ofereceu ajuda aos homossexuais que sofrem, uma pessoa homofóbica ofereceria ajuda?).

      Responder
  46. Vitor Hugo

    Se fazer qualquer votação em em qualquer lugar do mundo(menos servia e espanha) sobre qual é o maior clássico do tênis vai dar Federer x Nadal com no mínimo 80% dos votos. Assim como qualquer votação sobre qual é o GOAT vai dar Federer com 70% ou mais dos votos, e não vai mudar mesmo com os principais recordes do suíço quebrados. Fato!

    Responder
    1. Rafael Azevedo

      Eu concordo, com exceção da última frase. É possível mudar, sim. Se você comparar com akguns anos atrás, por exemplo, A porcentagem do Federer está reduzindo e as do Nadal e, principalmente, do Djoko estão aumentando…Veremos ao fim de suas carreiras.

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Bom,

      Para começar entra um fator principiológico aí:

      Quem prefere o jogo do Federer nunca vai pender pro Djokovic, e vice-versa.

      Daí eu concordar que a discussão deve se estender até depois da quebra dos recordes…

      Aliás, eu penso que o confronto direto entre eles levando em conta o AUGE de cada um, pesa mais do que os recordes em si.

      O sérvio vive um momento muito mais próximo do auge, e por isso sempre leva a melhor nos Grand Slams. Isso é um fato. Incontestável…

      Por outro lado, quem levava a melhor antes era o suíço quando este vivia o seu auge, ou seja, o seu melhor momento.

      Eu particularmente sempre ficarei com o Federer, pelo CONJUNTO DA OBRA:

      carreira super vitoriosa+ beleza do tênis.

      Todavia admito que se o Djokovic quebrar os recordes principais, poderá tomar para si a DIANTEIRA dessa discussão que sempre pertenceu ao suíço!

      Aliás, no campo psicológico, esse é o motivo dos nolistas do mau segmento diminuírem tanto o suíço.

      No fundo, no fundo, toda essa detração não passa de um ranço, uma inconformidade.

      É também por isso que sempre flertam com a torcida do Nadal.

      E mentem afirmando que acham o Nadal superior ao suíço.

      Tudo conversa fiada!

      Pois eles sabem que o Nadal não será problema pro Djokovic nessa discussão do GOAT. Simples assim… (rs)

      Sabem que o único rival à altura nessa briga atende pelo nome de Roger Federer.

      Responder
      1. Gildokson

        Que nada Rodrigo, essa conversa de Nadal é superior ao Federer os torcedores do Djoko ja abandonaram faz tempo.
        Isso rolava muito até aquele ano mágico de 2015 do sérvio, eu lembro q vira mexe eles se uniam aqui aos nadalistas pra dizer q sem sombra de dúvidas o Goat era Nadal e q o mesmo ia destruir os recordes de Federer. Ai quando viram que o sérvio mesmo tinha essa oportunidade a conversa mudou, agora eles simplesmente ignoram a existência do espanhol, mirando só em Federer sendo que nem o espanhol eles passaram ainda kkkkkkkk

        Responder
    3. José

      Assim como se você fizer enquete de quais os maiores times do Brasil, sempre vai dar Flamengo e Corinthians, independentemente deles caírem pra série b ou ficar 50 anos sem títulos.
      Esse VIctor Hugo já tá preoarando argumentos para se o DJokovic e o Nadal passarem o suíço. Hahahaha tá tremendo de medo.

      Responder
  47. Rodrigo S. Cruz

    [Paulo F.]
    5 de fevereiro de 2020 às 23:10

    “Pelo menos o Natal engrossa pro Federer, em qualquer piso e desde sempre, como visto até mesmo em Wimbledon ano passado.
    E não propicia a tragédia que Federer propicia como a atuação digna de compaixão e pena, como a partida ridícula que o incensado maior de todos os tempos mostrou em Roland Garros ano passado também”.

    Uai sô… E daí?

    Engrossar e perder apenas corrobora que o melhor no piso é aquele que venceu mais vezes no piso, oras.

    Portanto, se o Federer ficar a umas três ou quatro vitórias de empatar com o Nadal, está ótimo!

    E se der tempo de mais uns 5 duelos antes do suíço sair de cena, ele consegue…

    Responder
  48. Rodrigo S. Cruz

    E a MALDIÇÃO de Thomaz Bellucci escreve mais um capítulo!

    “Freddy Kruegger” assombrará as noites do paulista daqui para frente (rs)

    6 MATCHPOINTS salvos pelo americano que elimina o brasileiro por 11/9 no tie-break.

    É inacreditável…

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Concordo PLENAMENTE, Dalcim!

        Principalmente aquele Lob defensivo do Krueger que foi parar na “cagada” lá no fundão da quadra e fez o Bellucci errar…

        Parece “zica” mesmo.

        Já vi que não se trata apenas de mental fraco, há muito tempo que o Bello sofre com a falta de sorte também…

        Responder
    1. Marcão

      Que pena. Do pouco que vi dessa partida, Bello vinha jogando bem. Pelo jeito, destrambelhou-se na reta final.

      Vi, quase na íntegra, Moutet x Pella. Aliás, convém prestar atenção nesse francês. Tem talento de sobra. E só 20 anos.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Marcão,

        Ele tem talento mesmo.

        Aliás, poucos lembram mas foi esse mesmo Moutet quem aplicou um “tweener” em forma de lob ofensivo HUMILHANTE no Djokovic, ano passado…

        Responder
    1. Matheus Lago

      Se até o Federer saca para o set tendo 5 a 3 contra o Djokovic nesse Australian Open, toma a virada no set e no jogo não é novidade nenhuma isso ocorrer com o Bellucci ou com qualquer outro de nível próximo ao dele.

      Responder
  49. Rafael Azevedo

    Todos têm opiniões distintas. Para os fãs do Cristiano Ronaldo, o Messi não é o melhor do mundo. Parece que os fãs do Djoko não aceitam que o FEDAL é o maior clássico. Tudo bem! Todos têm opiniões distintas.
    Porém, nesses casos, a única forma de criar um estigma desse é conhecendo a opinião de uma maioria. É assim na escolha de um presidente, de um GOAT e, também do maior clássico da história do tênis.
    Então, SIM, o FEDAL é o maior clássico do tênis mundial.

    P.s.: estou ganhando 2% de cada jogador, para dizer isto.

    Responder
  50. Paulo Almeida

    “Groff
    5 de fevereiro de 2020 às 11:39

    Meu caro, você se afunda cada vez mais na sua raiva cega. Olha a sua frase: “Até parece que existiam mais do que 8 jogadores fortes no circuito.”

    Você sinceramente consegue dizer isso olhando o Top 10 de 1995 (vide abaixo). De verdade?

    https://www.atptour.com/en/rankings/singles?rankDate=1995-09-25&rankRange=0-100

    E, pior, consegue comparar com o ano que eu mencionei (2016), excluindo o top 5, como foi minha observação original:

    https://www.atptour.com/en/rankings/singles?rankDate=2016-05-02&rankRange=0-100

    Desculpe-me, mas você não pode estar falando sério.”

    Bom, eu nunca discuti com um samprista fanático antes e confesso não estar tão afiado como para discutir com torcedores dos verdadeiros rivais do Djokovic. Porém, é só uma questão de tempo e estudo para isso.

    Claro que consigo. Vi jogadores já em fim de carreira, outros sem nenhum ou com apenas 1 Grand Slam, jogadores de piso único etc. Isso até o décimo colocado. Enfim, a questão de 32 ou 16 seeds pouco importava, já que a dificuldade mesmo começava nas quartas de final.

    Não, eu não comparei com 2016, outra coisa da sua cabeça. O que eu posso fazer e FAREI é destrinchar todos os 14 Slams do Sampras, coisa que já foi feita por outros no passado e comprovar que ele ganhou seus Slams peso pluma também. Fique no aguardo, ok?

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Você insiste nesse papo furado que não cola mesmo , caríssimo P . Almeida . Você e seu grupinho resolveram que existe SLAM parrudo, peso pluma ou o diabo a quatro. Pegue as FINAIS de BJÖRN BORG em RG e WIMBLEDON, e veja que no Saibro, Connors e o Big Mac não apareciam . E em WIMBLEDON apareceram em TRÊS. Ou seja , dos ONZE SLAM do Pop Star , apenas TRÊS foram contra seus principais rivais . Nos QUATORZE SLAM de Pistol Pete , apenas QUATRO foram encima de seu maior rival . Sabe porque ? , assim como no caso do ICEBORG , seus rivais caíram antes . As vezes muito antes. Você acha que fora você e seus seguidores , existe algum mane’ no Planeta que vai diminuir o tamanho de quaisquer conquistas ? Abs!

      Responder
  51. Rodrigo S. Cruz

    [Leo Gavio]
    5 de fevereiro de 2020 às 19:43

    “Toda vez que Djokovic ganha os Federistas fazem um escândalo neste blog, o post anterior teve 480 mensagens, tudo impulsionado por Federistas que no exterior são chamados de “Fedtards”.”

    Tião Gavião,

    Por outro lado veja bem:

    Você deveria era agradecer aos federistas pela pasta do sérvio xoxo ter rendido quase 500 respostas.

    Sim, como você disse foi graças a torcida do suíço que o assunto rendeu tanto.

    Porque da última vez que o Federer ganhou um Grand Slam foram 1000 ou mais postagens…

    Abs.

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Blá, blá…

        A mesma cantilena tola e repetitiva de sempre. (rs)

        ” Se homem sábio discute com o tolo, quer este se encolerize, quer se ria, não haverá fim”. (Provérbios 29:9)

        Responder
  52. Maurício Luís *

    Meu penúltimo comentário no post “Djoko ensaia seu maior ano” não saiu. Não sei se porque pensei ter mandado e não mandei, ou porque não passou pela moderação. Mas acho que não ofendi ninguém… sei lá.
    O Schartzman, pra quem eu também torço, passou a ser o principal favorito do Rio Open, depois da desistência do Berretini. Se ele conseguir ganhar, acho que entra pro Top 10, o que seria uma proeza, com essa altura dele.

    Responder
      1. Maurício Luís *

        Grato, Dalcim. Atencioso como sempre. Oportunamente tentarei refazê-lo… se me lembrar. Não tenho memória. Tenho vaga lembrança…kkkk

        Responder
  53. Rodrigo S. Cruz

    Tô vendo agora o jogo do Bellucci e ele acaba de fechar o primeiro set no tie-break.

    Foi uma parcial muito parelha, na qual o Thomaz conseguiu com rara competência salvar 4 SETS POINTS!

    Esse é o segundo jogo dele no chalenger de Dallas.

    Agora é torcer para ele não perder o foco como já fez em tantas derrotas, e não deixar o adversário crescer.

    Acredita, Thomaz!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bellucci teve 4/1 e saque e quase se enrolou. Sacou para o set e não fechou. Ainda está faltando muita confiança. Mas ao menos reagiu no tiebreak.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Grato pela informação, Dalcim.

        Eu não sabia.

        Pois quando eu cheguei em casa e liguei o computador, o jogo estava empatado em 5/5.

        De qualquer forma é positivo ver que ele não perdeu a cabeça quando o Krueger chegou nos set-points…

        Responder
  54. Marcelo-Jacacity

    Ver Nadal, Federer e Djokovic jogando é emocionante? É. Mas nada se compara a emoção de assistir a um jogo do Bellucci, que 1º set que ele venceu há pouco. Tá louco!

    Responder
  55. Jonas Normando

    Dalcim, duas perguntas:

    1-) por qual razão considera Fedal o maior clássico do tênis?
    2-) o Fedal na África vai ter transmissão na TV brasileira?

    Obrigado!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Porque envolve dois estilos bem antagônicos, o que exige muito poder de adaptação dos dois jogadores. Mas principalmente porque o Fedal levou o tênis a outro patamar de popularidade há 15 anos, algo jamais visto no nosso esporte. Sim, conforme está no texto, a ESPN. Abs!

      Responder
  56. Miguel BsB

    Não sei se a maior rivalidade do tenis é Fedal, Djodal ou Fedjoko 😬 rs…
    Mas tenho certeza que a maior rivalidade do blog é Rodrigo Cruz x Paulo Almeida!
    Seria um Romeida ou um Pacruz? Hehe

    Responder
  57. Nattan Labatto

    Boa noite, srs!

    Excelente post, Dalcim 👏. Apesar de achar a rivalidade entre Federer e Nadal a terceira maior (atrás em número e em qualidade da de Nole x Nadal > Nole x Federer), é inegável que essas lendas colocaram esse esporte em outro patamar e o embate entre eles têm grande apelo publicitário $.

    Legal saber que a fundação do suíço levou educação, estrutura e mais oportunidades para crianças tão carentes. Um ídolo dentro e fora das quadras.

    Abs

    Obs.: O Lobo nunca esteve tão perto (entendedores). 💪😉

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Nadal x Djoko com mais qualidade, Nathan?

      Pelo amor de Deus, né.

      Um dos confrontos mais aborrecidos do tênis.

      Só perde pra Djoko x Murray…

      Responder
      1. Nattan Labatto

        Inverti a ordem, Rodrigo.

        Nole x Federer > Nole x Nadal >>>>>>>>>>> Nadal x Federer.

        Agora pelo apelo da mídia, publicidade e fãs envolvidos:

        Federer x Nadal > Nole x Federer >>>>>>>>>>>>>> Nole x Nadal.

        Responder
  58. Leão da Montanha

    Hahahaha … Isso aê Dalcim, Federer e Nadal fizeram e fazem o maior clássico de todos os tenpos. Pode ranger os dentes, Paulo Almeida mas a torcida mais sensata e entemdedora de tênis sempre ganha o aval do mestre Dalcim. Rendam-se seus antis

    Responder
  59. Leo Gavio

    Toda vez que Djokovic ganha os Federistas fazem um escândalo neste blog, o post anterior teve 480 mensagens, tudo impulsionado por Federistas que no exterior são chamados de “Fedtards”.

    DJokovic tá jogando mais bonito do que nunca, indo bastante à rede, o revés continua mágico.

    Ivanisevic disse que o objetivo é alcançar os 20 ainda este ano. Qual o problema em dizer isso? Quantos slams sobram no ano? são 3, simplesmente Djokovic já ganhou os 3, fez semi ano passado e perdeu pra Thiem muito por conta da ventania absurda, foi uma partida de 5 setes, os fortes ventos beneficiaria ainda mais Nadal e Thiem, que utilizam bastante spim, pegam a bola na descida e etc etc.

    Neste ano existem dois componentes que podem ajudar muito o Djoko que é o teto retratil, RG dificilmente vai deixar a quadra aberta naquelas condiçoes, não vai ter adiamento e o Thiem pode cair na chave do Nadal. Estatisticamente existe uma maior probabilidade de os outros dois favoritos se cruzarem e se desgastarem do outro lado da chave.

    Resumindo, DJoko reina em Wimbledon com muita facilidade, USOpen é um ambiente onde o Djoko domina se estiver fisicamente inteiro e só restaria mesmo RG como maior obstaculo, porque Thiem e Nadal são grandes candidatos ao titulo, porem DJoko tem responsabilidade zero em Paris, Nadal e Thiem defendem muitos pontos e se não ganharem lá, vai ganhar onde?

    Sim, Djokovic tem GRANDES chances de fechar o ano como GOAT ABSOLUTO. Tudo vai depender do fisico dele, todas as quadras agora tem teto retratil, o desgaste é zero, a ventania menor, tem tudo pra concretizar.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Finalmente um Post conciente. Exceto o papo furado da ventania que sempre atrapalha os dois. Até os que se utilizam de mais Spin. Mas dá pra notar que o Nick foi emprestado,,, Ou não caríssimo Léo Gavião ? rs Abs!

      Responder
    2. Arthur

      “…reina em WImbledon com muita facilidade”. #SERTO
      Eu estou louco ou a última final contra o Federer não foi decidida no TIE BREAK do QUINTO SET, depois de o suíço ter DOIS MATCH POINTS no SAQUE dele?
      É cada uma que me aparece por aqui, Dalcim…

      Responder
  60. Edi

    Gente, não adianta aqui ficar discutindo sobre qual maior rivalidade,cada um tem sua opinião,e nenhuma é a verdade absoluta,se for baseado pelo jeito que cada um joga,o Fedal é disparado o maior,mas não de julga um clássico só por isso,envolve muitas coisas mais,quantidade de vezes que se econtraram, quantidades de decisões de títulos importantes, diferença no embate, pra mim, Djokovic x Nadal, Djokovic x Federer estariam em primeiro e eu não saberia dizer qual maior,depois sim viria o Fedal,mas não discuto se alguém achar diferente disso,como falei, cada um têm sua opinião.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Esse é o papinho furado do grupinho do caríssimo, P. Almeida. O número de jogos de Björn Borg contra Connors e Vilas , foi muito superior aos apenas 14 ( 7 x 7 ) , isso mesmo , entre o Pop Star e Big Mac . Não precisa dizer que esta bateu até Sampras x Agassi . E aí cara-pálida ? Abs!

      Responder
  61. Marcão

    Nossa, Denis Shapovalov acaba de levar uma tunda do seu compatriota com nome de pílulas para dormir. A fisionomia de Youzhny durante o jogo não era nada boa. DR à vista na parceria?

    Responder
  62. Efraim Oliveira

    O clássico Fedal arrebatou os corações torcedores primeiros, isso pesou muito pra rivalidade entre Novak e Nadal, que em números é maior que o Fedal. Mesmo essa dupla tendo vencido a maioria dos slams última década, não foi o suficiente pra ultrapassar a paixão pelo clássico consolidado na década anterior. A maioria ainda prefere ver o Fedal… coisas do coração.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Na verdade, de todos os tenistas prevê. O padrão é bônus por ranking alcançado (top 100, top 50, top 10) e por final e título alcançado (conforme a categoria).

      Responder
      1. lEvI sIlvA

        Dalcim, de quanto estima, seja a bonificação por um Grand Slam? E outra coisa, por ser bem menos provável, acha que os patrocinadores pagam um bônus maior a alguém fora do Top 10?

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Acredito que não. O bônus de praxe para um título de Slam e para finalizar como número 1 é de US$ 1 milhão. E geralmente é feito pela marca de raquete, pela de roupa e por algum outro patrocinador de maior peso (especialmente que apareça na roupa). Os patrocínios de imagem podem ou não incluir bônus.

          Responder
  63. Antônio Luiz Júnior

    Dalcim, é impressionante, não sei como você, como moderador, ainda permite esse tipo de comentário depreciativo no seu blog. Os caras querem questionar o valor de um FEDAL até em jogo beneficente entre dois dos maiores tenistas de todos os tempos. Aí vem um tal de Rubão perguntar quanto você leva por cada comentário elogioso ao clássico FEDAL. Tenha santa paciência. Quero reiterar que sua credibilidade está acima de qualquer suspeita. Quem quiser ler apenas o que lhe convêm que vá procurar outro blog para ler, se é que existe. Você continua prestando um grande serviço a todos aqueles que apreciam o tênis. Parabéns mais uma vez pelo texto,como sempre, bastante informativo e esclarecedor.

    Responder
  64. Luis

    Dalcim legal foto do Federer com uma criança da África, pra alguns pode parecer um marketing mas melhor acreditar e o suíço e’ muito atencioso e tem simplicidade dos grandes esportistas,uma boa causa faz só aumenta admiração pelo suíço,o que acha?

    Responder
      1. Sandra

        Quando não concordo com você fico quieta, mas realmente dessa vez acho que tem razão, até o Kyrgios faz caridade !,,só espero que ele não caia nunca na chave do Djoko !,, rssss

        Responder
          1. Sandra

            Ainda bem, e que seja mais para o final !!! Mas está parecendo que ele está mais calmo, e olha que é difícil acha -ló mais calmo ! Se realmente ele ficar mais calmo vai fazer um estrago com todos jogadores , todos !,,,

  65. mauricio

    Dalcim, gostaria de pedir a sua opnião sobre essa minha “teoria”, que provavelmente já existe.
    Quanto tempo você acha que dura a renovação das gerações no tênis?
    Eu penso que no tênis o ciclo deveria em teoria se renovar a cada 6 a 8 anos. Explicando melhor, penso eu que o espaço de tempo para surgir uma nova geração de tenistas estaria entre 6 a 8 anos. Logicamente isso não é uma regra, mas se a gente seguisse essa lógica, a geração que suscederia a geração do Federer, que já tem 39 anos, seria a geração de tenistas com idade entre 31 e 33 anos, ou seja, a “geração” do Nadal do Djokovic, Murray, Nishikori, Delpo, Fognini, Monfils, Cilic, Gasquet, etc. Assim, a “geração posterior à do Nadal e Djocko seria composta por tenistas com idade entre 24 a 27 anos mais ou menos, e a atual “next gen” estaria com idade até uns 23 anos.
    E se a gente pensar dessa forma, então não é a geração do Federer que era fraca, até porque tinha vários tenistas que brigavam pelo número 1 e ganhavam grand slans, como Hewit, Safin, Ferrero, Roddick, e muitos outros habilidosíssimos como Nalbandian,Ljubicic, Massu, Davidenko, etc.
    A geração que realmente foi mais fraca foi a que deveria susceder a geração do Nadal e Djoko, que quase não possui tenistas que despontaram, sendo o Thiem o que mais chegou(a) perto. Já a next gen sim. É só ver o tanto de tenistas, hoje, no top 50 com idade entre 18 e 23 anos que a gente nota que está havendo uma renovação, com alguns tenistas com capacidade de brigar pelos grandes títulos e pelo número 1.
    Não nego que torço pelo Federer quando ele joga contra Nadal e Djocko, mas tirando isso, se a gente seguir essa lógica, não é nenhum absurdo eles terem um histórico mais favorável no H2H e possivelmente terminarem suas carreiras com mais títulos do que o Federer, já que eles sim teriam se beneficiado mais de uma “geração” posterior à deles sem tenistas com força para brigar com eles.
    O que você acha Dalcim?
    Sempre leio seus posts e gosto muito do seu trabalho. Parabéns, abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que seu raciocínio é bem lógico, Maurício. O que talvez tenha mudado esse panorama é que as novas tecnologias esticaram muito além do normal as carreiras que antes terminavam aos 32, 33 anos. Hoje há muitos tenistas com grande capacidade atlética e técnica com 35, 36 anos. E outros que permanecem competitivos perto dos 40. Então provavelmente essa relação irá mudar e as gerações novas terão de ‘amadurecer’ alguns anos depois, ali na casa dos 24.

      Responder
    2. Enoque

      Historicamente, no período de 1974 até 2003, ou seja 30 anos, a renovação das gerações acontecia a cada 3 anos aproximadamente em média. Para comprovar, eu listo os 10 jogadores que dominaram, neste período, por ordem cronológica. Connors, Borg, Mc Enroe, Lendl, Wilander, Edberg, Becker, Sampras, Agassi, Hewit.
      Nem citei Nastase, Vilas, Courrier, Kuerten, Roddick e outros mais. Neste período sempre apareceu um jogador com 20 a 22 anos rivalizando com o líder do ranking e rapidamente assumindo a liderança.
      Depois da aparição de Federer e posteriormente Nadal e Djoko, o cenário mudou completamente, onde não vemos a aparição de um nome realmente de peso, comparado com a lista acima, desde 2006. Isto explica porque o Big 3, continua retornando, sistematicamente, ao circuíto mesmo depois de passar por problemas físicos e verificando que ainda reúnem condições de dominar os grandes torneios.

      Responder
      1. Luiz Fabriciano

        Bingo!
        O grande responsável pela mudança nesse processo de gerações chama-se “Big3(4)”.
        Depois deles, voltarão ao normal as referidas mudanças. Não sei se acontecerá outro fenômeno como esse novamente, pelo menos, para nossa geração de admiradores ver.

        Responder
  66. Luiz Fernando

    Parece q não é só aqui q é diversão garantida, na alta cúpula do tênis também. O Tio Toni, cara q eu respeito muito, criticou a estratégia do Thiem na final de domingo, se ele sabe como vencer Djoko pq não orientou Rafa nos confrontos prévios?????

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      É porque no conforto do ar condicionado e sofá da sala é muito mais fácil analisar e sugerir que no calor do jogo.
      Grande abraço xará.

      Responder
  67. Carlos Reis

    Eu não pago R$ 1 para ver essa pelada. O que valia pra valer era o AO, e vocês jogaram MAL, perderam mais um título importante para o mala mor do tênis mundial. Pior foi o boi manso do Thiem entregar a rapadura para o ídolo da torcida mais chata e arrogante desse planeta.

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Que coerência a tua, não?

        Desenterra um troço de ANOS ATRÁS, mas não critica o que escrevem do Federer hoje mesmo?

        kkkk

        Por isso que eu disse e repito: o cinismo de vocês é sem igual…

        Responder
      1. Jonas

        Cara, você é antigo no Blog. Então deve se lembrar de 2017, quando os Federistas apareciam em maior número, mesmo com o Djoko lesionado.

        É questão de momento. Se o Federer ganhasse o Australian Open este ano, certamente iriam aparecer uns 700 comentários no último post, e vários depreciando o Djokovic também. Marquinhos é um que faz isso há MUITO tempo, mas você também não fala nada e quer cobrar dos outros.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Para com esse papo de Novak e Murray lesionados em 2017. Ambos foram eliminados em 5 Sets em Wimbledon em partidas duríssimas . Que o diga Istomin . Já sei , como caíram cedo , estavam “ lesionados “ e o SLAM não foi parrudo rsrsrs Abs!

          Responder
  68. LION

    O FEDALismo é talvez uma dos fenômenos modernos mais ridículos e constrangedores da história dos aparelhos midiáticos. E a cada vitória de Djokovic essa face patética fica mais e mais evidente e, claro, decadente. Na verdade,ele diz muito sobre o que efetivamente se tornou os indivíduos desta geração fracassada e histérica. Mas felizmente o destino nos mandou um “Karma Encarnado”, que atende pelo nome de Novak Djokovic. Este moço é a punição a todo o esnobismo fanático e monolítico do Fedalismo, este fenômeno típico do histerismo kitch desta era. Ele vai desbancar os números dos dois. E o mundo do tênis(torcedores e muitos jornalistas), com toda a sua patifaria que por vezes se aproxima de um “assassinato de reputação”(do Djoko), terá de se contentar em ranger dentes e verter lágrimas. Djokovic, como se fosse um Thanos, é INEVITÁVEL.

    Responder
    1. Ronildo

      Os torcedores e jornalistas são patifes ou acusados de patifaria por causa de suas preferências por Federer e Nadal!!!

      De onde saiu este Lion?

      Seria um avatar do Lion-O, dos Thundercats? Pode ser, visto que Lion-O envelheceu no corpo mas não na mente durante a viagem intergalática de Thundera até o Terceiro Mundo. De qualquer maneira, LION, no presente, receberá grande dose de sabedoria que suplantará todas as necessidades para o pleno desenvolvimento de sua mente se continuar lendo e os comentários do Blog; desde que não se torne discípulo do Paulo Almeida, claro.

      Quanto ao Djokovic e sua epopéia thanística (Destruidor de Mundos), suponho que quando ele atingir este Apogeu que seus fãs esperam, a saber: conseguir quebrar os recordes de Federer; então atingirá o NIRVANATHANOS.
      Bom, se a partir daí, do momento em que ele entrar neste PROFUNDO GÔZO junto com todo o seu pequenino reino, isto significar que não mais fará uma criança chorar num estádio de tênis, todos ficaremos contentes.

      Mas ainda assim eu sugiro outros métodos para aqueles que desejam a glória.

      Responder
      1. Luiz Fabriciano

        Prezado Ronildo, sem entrar na questão complexa do post do colega Lion, me mostre uma matéria, foto ou vídeo de uma criança, de apenas uma que seja, chorando por causa de um ato do sérvio contra ela, por favor.
        Sorrindo, não precisa, porque já vi muitas e sempre digo que, se uma criança sorri, podes confiar que é um sorriso honesto.

        Responder
        1. Luiz Fabriciano

          Aliás, ao abrir o Youtube hoje, tinha lá um vídeo, de mais de 10 min mostrando os destemperos de alguns, no tocante aos pegadores de bolas e fiquei pasmo ao não ver Novak Djokovic nele. Tem Kyrgios e Tsitisipas mais de uma vez, Verdasco, Serena etc, mas o sérvio não.
          Ps: se no episódio entre o tenista grego e seu pai, fosse eu e o meu, eu teria saído da quadra, arrastado pela orelha. (Não tinha visto ainda).

          Responder
        2. Ronildo

          Luiz Fabriciano, você simplesmente não acompanhou o raciocínio. Releia parte do último parágrafo escrito pelo LION:

          E o mundo do tênis(torcedores e muitos jornalistas), … terá de se contentar em ranger dentes e verter lágrimas. Djokovic, como se fosse um Thanos, é INEVITÁVEL.

          Eu te asseguro: os adultos podem até ficar resignados, porém muitas crianças entregam-se ao choro quando vêem Djokovic derrotar Federer! Quantas e quantas crianças já choraram pelos estádios mundo afora ao verem Federer ser derrotado. Ele é o herói delas!

          Responder
          1. Luiz Fabriciano

            Me desculpe, entendi errado. Achei que estive falando que o sérvio causaria choros por agressão às crianças, mesmo que de forma verbal.

  69. evaldo moreira

    (Paulo Almeida)
    5 de fevereiro de 2020 às 10:04
    O cara fala em fingimento do Djokovic e quer chamar alguém de ignorante, kkkkkkkk.

    Fora esse português tenebroso que consegue ser pior do que o do Sérgio Ribeiro, hahahahaha.

    HAHAHAHAHAHAHA, digo eu caro ignorante, fato.
    Segundo, escrevo do jeito que eu quiser, olha que dou uma palhinha, para não fugir da regra, rsrsrs, e outra, você não é o meu professor, fato.
    Estou pouco me lixando, sobre as asneiras que você fala, ta certo seu Alpeida, opsssssss, seu Almeida.

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Você não escreve do jeito que você quer e sim do que consegue. Não vou te xingar, nem vale a pena.

      No mais, curta mais um título do GOAT Djokovic passando pelo sparring pela quarta vez na semifinal.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Se você leu o Post anterior, lá consta o meu aceite do Português péssimo. E os elogios ao seu maravilhoso, pra não dizer perfeito. Mas não postas nada que preste rsrsrs Abs!

        Responder
          1. Paulo Almeida

            Senti uma pitada de inveja.

            Se meu português estivesse dentro da normalidade (será que você sabe o que é uma distribuição normal?), provavelmente o Brasil estaria com o IDH nas alturas. Infelizmente, estamos bem longe disso.

          2. Rodrigo S. Cruz

            Almeida,

            Teus critérios é que precisam de revisão. E se eu fosse te pagar como você paga os outros…

            Mas sou honesto intelectualmente.

            Você não tem expertise na Língua, mas até um poco acima do aceitável você está.

            Portanto, longe de um Português sofrível…

            E aí vai um pequeno conselho que pode até fazer subir o conceito de outros sobre você:

            Primeira coisa: pare com essa mania de se auto-promover a cada post.

            Além de ser o primeiro recurso de quem perdeu a razão, é de uma CAFONICE sem igual…

          3. Paulo Almeida

            Kkkkkkkkkkkkkkkkk, só dando muitas risadas mesmo.

            O mais engraçado é ver um cidadão que escreve “poco acima” e que tem sérias dificuldades com o uso da vírgula julgando minha forma de escrever. Esse blog é bom demais, hehehehehe.

            Claro que não sou nenhum Pasquale, afinal essa nem é minha área de atuação, porém aproveitei bem minha educação formal para não passar vergonha depois de adulto.

            Não houve nenhuma auto-promoção. Eu apenas recebi um elogio do Sérgio Ribeiro e você, por recalque ou inveja, se intrometeu sem ser chamado. Aí tive que me manifestar.

          4. Paulo Almeida

            Hum, você corrigiu o “poco”, mas o resto continua verdade. Também usa letra maiúscula quando não deve, configurando um português bem próximo do sofrível…

            Viu que eu lhe dei uma aulinha grátis de inglês, né?

            O correto é “hard feelings” e não “heart feelings”.

            Disponha.

          5. Rodrigo S. Cruz

            Escrevo certas palavras em maiúsculo (em ocasiões muito específicas) e por mera por opção, para dar destaque na palavra que eu quero.

            Só um tolo á quinta potência suporia que alguém não sabe quando se usa palavras em maiúsculo ou não…

            O mesmo tolo que também supõe que eu escreveria “poco” por erro, né…

            E olha, você já me encheu.

            Vá caçar serviço, seu desocupado de merda…

          6. Rodrigo S. Cruz

            Pronto!

            Agora ele vai reclamar da preposição “a” que por erro de digitação não foi craseado.

            Querem ver? (rs)

  70. Miguel BsB

    Dalcim, eu sei que ele não está bem ranqueado e no seu melhor momento, mas eu colocaria como atração do Rio Open o Verdasco tb.
    Estou com ingressos comprados pra quinta feira dia 20, e um dos jogadores que gostaria de assistir é o espanhol…

    Aliás, estará por lá nesse dia mestre? Seria legal tentarmos fazer um encontro do pessoal participante do blog , para nos conhecermos pessoalmente, quem sabe…sem brigas e discussões, de preferência rsrs
    Cadê os cariocas fãs de tênis Sérgio Ribeiro, Pessanha e João Ando? Irão ao evento? Será que é possível sair esse encontro?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Muito provavelmente eu não irei, Miguel. Uma pena, mas preciso aproveitar a semana do Carnaval para acertar coisas pessoais. E você tem razão, eu gosto muito de ver o Verdasco atuar.

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Essa data é que me mata , Miguel. A Região dos Lagos , no meu caso Cabo Frio , recebe quase um milhão de Turistas que emendam até sábado 25. Daí que somente fui a uma edição até hoje . Abs!

      Responder
  71. Sérgio Ribeiro

    Quem assiste o Vídeo entende um pouco o porque da preferência da maioria por ambos os Tenistas. Esse Roger Federer é o de sempre , sem subterfúgios e admirado por todos no Circuito ( ganhou N vezes o prêmio Stefan Edberg com a votação dos próprios Tenistas ) . Nada mais justo que ao FINAL de sua extraordinária carreira, quebrasse o Recorde de Público ao lado daquele que foi um dos responsáveis pela sua incrível longevidade. Esse trabalho de Roger na África e’ reconhecido mundialmente. Vida longa ao Craque Suíço !!! Abs!

    Responder
  72. Weslei

    No fim de suas incríveis carreiras o BIG3 olhará para trás e com toda certeza se orgulhara muito das conquistas que tiveram, mas vão olhar também para aqueles títulos que não conseguiram conquistar, e perguntar, – como é que eu não consegui ganhar pelo menos 1 vez este ou aquele torneio, sendo assim seguem alguns títulos que faltam para o BIG3 ganhar:

    Djokovic – Ouro nas olimpíadas (foram 3 participações, tendo o melhor resultado com o bronze em 2008, maior carrasco é Del Poltro perdendo 2 vezes), caso queira vencer este titulo devera torcer para o Del Poltro não se recuperar até lá.

    Federer – Master 1000 Roma (17 participações, 4 vices)
    Master 1000 Monte Carlo (13 participações, 4 vices)
    ATP CUP (0 participações, 0 vice)

    Nadal – Master 1000 Miami (13 participações, 5 vices)
    Master 1000 Shanghai (8 participações, 2 vices)
    Master 1000 Paris (7 participações, 1 vice)
    ATP Finals (9 participações, 2 vices)
    ATP CUP (1 participações, 1 vice)

    Olhando para estes números acho que o Nadal tem a tarefa mais difícil de conquistar.

    Responder
    1. Miguel BsB

      Desses ai, acho que o finals do Nadal é o mais incrível, mas tem explicação, como outros…O fato dele chegar lá normalmente quebrado e manco de uma perna rs
      Federer não conquistar Monte carlo e Roma resumo com uma palavra: Nadal…Sim, eu Sri, ele perdeu uma final de MC para o Wawrinka, mas seu conterrâneo estava voando naquele ano…
      Djokovic ainda tem uma chance do ouro olímpico

      Responder
  73. Willian Rodrigues

    OK. Devemos considerar que, devido às maiores torcidas e pelo que representou para a história do esporte, FEDAL ainda é mesmo o maior clássico do tênis. Se bem que, a partir de 2011, houve maior frequência de jogos emocionantes envolvendo Djokovic contra qualquer um dos dois. Rrrrsss…
    Brincadeiras à parte, somente um energúmeno mesmo para acusá-lo de parcialidade viu Dalcim!! Vide o tal “Rubao” aí.
    Parabéns pelo seu excelente trabalho e obrigado por nos propiciar esse espaço para discussão, aprendixado e diversão!
    Muito legal essa apresentação em Mallorca com a quadra dividida em dois tipos de pisos…
    Fico imaginando que, para Djokovic, maior all-court da história do tênis, não faria a menor diferença, uma vez que o monstro barbariza em todos os tipos de pisos!! KKKKKKK
    Chega o Natal, mas não chega Rolland Garros! Esse ano promete muitas emoções.
    Abraços a todos do blog

    Responder
  74. Rodrigo S. Cruz

    [Paulo Almeida]
    5 de fevereiro de 2020 às 06:46

    “De novo, você não entendeu nada do que eu disse (ou não quis), ignorou o post absurdo do tal de Groff e foi tomar as dores dele só porque era contra mim.

    Analfabetismo funcional pesado ou a costumeira hipocrisia, já que vive dando risadas dos posts do Vitor Hugo. Você escolhe”.

    Tá joia então, Paulo!

    Faça-se de “troncho” o resto da vida.

    Porque você entendeu muito bem.

    Vou fazer a única coisa inteligente que eu devia ter feito meses atrás:

    Não te responder.

    Esse fanatismo é “monstro”, cara. Sem paralelo.

    A verdadeira devoção a um outro ser humano… faria inveja à irmã Dulce!

    É afrontoso para você a simples noção de que exista alguém melhor do que o teu númen, em qualquer área.

    Seja em talento, rivais, espetáculo, recordes, inteligência, enfim… não importa o atributo.

    Quem sabe ele não coloque uma peruca e seja aceito num concurso de miss.

    As postulantes para você seriam tão somente “bonitinhas” de uma entressafra.

    E o Djoko seria o B.O.A.T (beautiful of all times)

    kkk

    Impossível debater com quem tenha caído num estado assim.

    Bati muita palma para doido dançar, e até me queimei no blog por causa disso.

    Mas olha, cansei.

    Tenha uma ótima vida aqui (ou qualquer outro lugar).

    Porque da minha parte chegou o FIM DA LINHA para você…

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Espero que sim, mas a realidade é que vai tentar me retrucar novamente em pouquíssimo tempo.

      Você gosta, é da sua natureza (e da minha) discutir aqui no blog.

      Responder
  75. Vitor Hugo

    Que placar estranho em Montplelier. Mannarino venceu o australiano Popyrin por 6/0, 6/7 e 6/0….. Meteu um pneu no primeiro set, perdeu o segundo no tie break e depois meteu outro pneu… Parece placar combinado…..

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      O Mundo concorda plenamente com o expert , P. Almeida , Robson , Chatonik, Jonaser, Valmir, Léo Gavião e o motorista da Kombi. Acredito que o Blogueiro vai precisar rever seu conceitos rsrsrs Abs!

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Exato Jonaser. O Espanhol somente não entende como tem retrospecto negativo em TODAS as superfícies , contra seus dois fregueses no Saibro. Ou você acha que 7 x 17 que o Sérvio possui com o Rei do Saibro , não é uma ridícula freguesia ? kkkkkkkkkkkk Ps. Já reparou que você repete as mesmas babaquices do P. Almeida ? rsrsrs

        Responder
        1. Jonas

          No saibro, obviamente o Djoko é freguês do Nadal.

          No geral, e em Grand Slams, há um domínio claro por parte do sérvio.

          Mas…qual o H2H em Grand Slam entre Federer e Nadal Sérgio? No Australian Open tá quanto?

          Responder
          1. Sérgio Ribeiro

            E você acha mesmo que eu analiso todo o conjunto da Obra pelo h2h . Esse papo é do Clube da Esquina. Porque que o Mundo do Tênis se preocupa mais com os feitos do Suíço ? Quando forem quebrados , assistiremos possivelmente uma passagem de bastão. Abs!

      2. Rodrigo S. Cruz

        Engraçado é que o suposto “pai” não consegue ganhar umazinha em quadra de cimento.

        E provavelmente vai perder de novo e você vai seguir falando a mesma menttira…

        Impressionante!

        Responder
        1. Paulo F.

          Pelo menos o Natal engrossa pro Federer, em qualquer piso e desde sempre, como visto até mesmo em Wimbledon ano passado.
          E não propicia a tragédia que Federer propicia como a atuação digna de compaixão e pena, como a partida ridícula que o incensado maior de todos os tempos mostrou em Roland Garros ano passado também.

          Responder
  76. Rodrigo S. Cruz

    [Naira]
    5 de fevereiro de 2020 às 05:08

    “Rodrigo, bom dia. Penso que o Dalcim não precisa que alguém o defenda, porém este blog é o melhor blog de tenis na minha opinião. Este blog foi dedicado, basicamente ao Djokovic porque ele acabou de ganhar um GS. O Dalcim faz o mesmo quando é o Nadal e/ou o Federer a ganharem. O momento presente é do Djokovic, simples assim.”

    Naira,

    Nem acredito que estou tendo de te explicar isso:

    O meu post ali não teve NADA A VER com qualquer crítica ao Dalcim!

    Absolutamente nada!

    Eu me referia ao fato do blog ser povoado por muito mais nolistas .

    Por isso ironizei:

    ” o site podia mudar de nome, e se chamar ” djokobrasil”.

    Responder
      1. José Nilton Dalcim

        De onde você tirou essa informação, Joathan? Está bem longe de ser fato. Na verdade, o Brasil tem um dos maiores percentuais de fãs de Djokovic se comparado a outros países, mas isso não significa que ele supere Federer ou Nadal ainda.

        Responder
  77. rubao

    MAIOR CLÁSSICO BLABLABLA….vc tem alguma participação financeira nesses 2 tenistas? porque não é possível uma pessoa empurrar goela abaixo de pessoas que raciocinam um absurdo desses, todos sabem que o maior clássico é rafael nadar x djokovic com 56 partidas disputadas e muito mais finais de slam do que a que vc falou, depois viria federer x djocovik com 50 partidas e só após vem essa que tu adora ai.
    as vezes eu fico pensando o que leva uma pessoa a agir assim.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu levo 10% do faturamento do jogo, Roberto Bardo. Estou bem feliz assim. E por isso, porque sou um vendido, vou continuar escrevendo que esse é o maior clássico do tênis moderno. Essa resposta contenta seu ego?

      Responder
      1. PIETER

        Hahahaha.
        Tem cada boçal na internet!
        É o paraíso dos imbecis (que seguem se reproduzindo geometricamente – é só ver as escolhas eleitorais brasileiras recentes…)
        Muito boa, Dalcim! 👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻

        Responder
      2. FERNANDO/MG

        Prezado mestre Dalcim… vc escalpelou o tal do Bardo (Rafael Nadar…) triplo 6-0…Mais uma vez parabéns. Mestre, desses 10%, não poderia dividir com seus admiradores???

        Responder
      3. Gildokson

        Parabéns Dalcim!!!!! kkkkk Poxa vida, chego a ter inveja de você. Queria eu ter 10% do clássico que envolve os maiores vencedores de Slam, os 2 tenistas mais populares da história, os responsáveis pelo aumento de visibilidade do tênis nas últimas décadas, os caras com estilos mais distintos a duelarem pelo domínio do esporte, dois dos homens que mais faturaram com esportes nas últimas décadas!!!
        Dalcim você é mesmo um privilegiado kkkkkkkķ

        Responder
      4. Antonio Carlos

        Olá Dalcim

        Após quase 10 anos desde o meu último comentário aqui no seu blog (o que também não quer dizer nada), venho aproveitar a sua resposta e dizer que a muito tempo os comentários em seu blog têm se tornado bastante ruins. Se me permite, assim como propôs em um comentário anterior acredito que a regulação do conteúdo cairia bem. Muitos de nós não está preparado para expor opiniões.

        Parabéns como sempre, seu blog é excelente.

        Responder
    2. Luiz Fernando

      Cara vc fez um dos comentários mais estapafúrdios da história do blog. Como vc nunca posta nada, é óbvio q se trata de mais um fake “corajoso” kkk. Sou um admirador do Djoko e embora já tenha secado o cara várias vezes sempre posto q ele será o GOAT em futuro próximo, mas negar q o Fedal é o maior clássico do tênis é como negar a existência do sol e da lua…

      Responder
      1. Helena

        Pois é, se cada pessoa que disser que o Fedal é o maior claássico do tênis só fixer isso porque está ganhando uma graninha, então não vai sobrar remuneração nenhuma para o Federer, Nadal e nem para as crianças 😂😂

        Eu digo isso sendo uma das maiores fãs do Nole. Por mim ele poderia ganhar todos os torneios até o final do ano. Mas, como dizia o filósofo : “Uma coisa é uma coisa, e outra coisa é outra coisa”.

        Responder
    3. Vitor Hugo

      Todo mundo quem, cara pálida? Tenho certeza que 90% dos que admiram e acompanham o esporte consideram Rafa x Roger o maior clássico do esporte.

      Responder
  78. Paulo Almeida

    Top 5 melhores jogos do Australian Open 2020:

    1 – Nadal X Thiem
    2 – Djokovic X Thiem
    3 – Medvedev X Wawrinka
    4 – Thiem X Zverev
    5 – Djokovic X Federer (apesar de baleado, o freguês deu um calor no GOAT)

    Responder
  79. Vitor Hugo

    Mais um jogo entre os dois maiores/melhores tenistas de todos os tempos para celebrar a MAIOR RIVALIDADE DA HISTÓRIA e o MAIOR CLÁSSICO que o esporte já viu!
    É preciso valorizar um simples amistoso entre eles, pois é possível que eles nao se enfrentem mais pelo circuito profissional…..

    Responder
      1. Gildokson

        Paulo, quando eu tinha 18 anos anos tava conversando com meu avô sobre as conquistas amorosas da juventude e coisa e tal… rsrs
        Ai no meio da conversa ele me diz “Filho, preste bem atenção no que vou te falar. Quantidade nem sempre é sinônimo de qualidade” kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
        U got it?!! kkkķkkkkkk

        Responder
      2. Paulo Almeida

        Carlos e Gildokson, NaDjo e FeDjo possuem mais qualidade do que FeDal na maioria das vezes.

        E se qualidade é tão importante, que tal falarem dos Slams pesados e peso pluma?

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *