Nadal lidera segunda-feira mágica no AO
Por José Nilton Dalcim
25 de janeiro de 2020 às 12:40

O primeiro Grand Slam do ano ainda está em sua quarta rodada, mas promete uma segunda-feira de exuberante qualidade na chave masculina. Para começo de conversa, confirma-se o choque direto entre Rafael Nadal e Nick Kyrgios e só isso já valeria qualquer ingresso.

O espanhol fez sua melhor partida da semana e talvez de todo o começo de temporada. Como conhece de cor  e salteado o jogo de Pablo Carreño, parceiro de Copa Davis e ATP Cup, impôs seus golpes desde o começo, sem aquela incômoda passividade dos jogos anteriores. Destaque para a força e a precisão de suas paralelas de forehand e excepcional deslocamento para contragolpes, o que deixa claro que ele avançou na confiança e não tem qualquer problema físico. Uma vitória categórica na segunda-feira valerá ouro.

O reecontro com Kyrgios atende à expectativa de todos. Haverá pressão dos dois lados. Rafa terá torcida menor, encara um atacante por excelência e um desafeto costumeiro. Kyrgios carrega o sonho australiano, mudará enfim para a Rod Laver onde evita jogar, tem um tremendo desgaste para se recuperar em 48 horas e encontrará um adversário que o venceu em 4 de 7 duelos.

Nick fez uma batalha física e mental espetacular diante do russo Karen Khachanov, que surpreendeu pela resistência nesses dois aspectos vindo de dois jogos duríssimos. O australiano assombrou por segurar tão bem a cabeça diante de sucessivas frustrações: teve 4/2 no terceiro set para uma vitória fácil, depois match-points nos dois tiebreaks seguintes e abriu 3-0 no supertiebreak. O tempo todo Khachanov foi um gigante.

Os dois dividiram jogadas notáveis e empenho absoluto ao longo da série decisiva sem qualquer break-point até que o russo conseguiu a quebra e teve dois serviços com 8-7, repetindo a história de Federer-Millman da noite anterior. Sempre imprevisível e extremamente habilidoso, o australiano arrancou duas paralelas de backhand de cair o queixo e finalizou o jogo mais longo de sua carreira: 4h26, quase 400 pontos e em que marcou 97 winners!

A segunda-feira no entanto terá muito mais: Daniill Medvedev e Stan Wawrinka prometem um jogo de força bruta, seja no saque ou nas trocas de fundo. O russo tem pequena vantagem no histórico – ganhou os dois confrontos, ambos em Slam e em quatro sets – e vive um momento melhor. Ambos tiveram pouco trabalho neste sábado, já que o australiano Alex Popyrin se arrastou em quadra e John Isner abandonou ainda no segundo set com problema no pé esquerdo. É um jogo em que pode acontecer qualquer coisa.

Dá para esperar lances lindos e malabarismos no reencontro entre Dominic Thiem e Gael Monfils, um duelo de histórico curioso: o austríaco tem 5 a 0 nos jogos efetivamente feitos, sendo dois no piso duro, mas houve três w.o. e em apenas um o francês levou a melhor. Considero Thiem muito favorito. Enfim jogou um tênis de primeira grandeza em Melbourne diante do garoto Taylor Fritz, ainda que tenha perdido um tiebreak, enquanto Monfils passou por Ernests Gulbis num monótono duelo de fundo de quadra e mínimas variações.

E a rodada ainda terá a NextGen com Alexander Zverev e Andrey Rublev. O alemão , acreditem, ainda não perdeu set no torneio e está invicto diante do russo, com três vitórias de 2 a 0. Rublev no entanto está a mil: não perde há 15 partidas – sendo 11 na temporada, com dois títulos. Mostrou muita frieza para virar o jogo contra David Goffin, vencendo os dois tiebreaks. Tanto Sascha como Rublev já fizeram quartas de Slam, mas é a primeira vez que vão à quarta rodada no Australian Open. Se eu tivesse de apostar, iria de Rublev mas seria muito bom um resultado de peso para reanimar Zverev.

Cabeças continuam a cair no feminino
E o torneio feminino desandou de vez. E isso não é má notícia. O complemento da terceira rodada viu mais três cabeças importantes se despedirem cedo: Karolina Pliskova, Elina Svitolina e Belinda Bencic, mas nem por isso perdeu qualidade, já que Simona Halep, Garbine Muguruza e Kiki Bertens mostraram um tênis muito competitivo. E ainda há outra garota nas oitavas, a polonesa Iga Swiatek.

Halep teve pequenos altos e baixos no segundo set, mas gostei de sua maior variação de bolas. Encara Elise Mertens, contra quem tem 2-1 nos duelos, e pegaria então Swiatek ou Anett Kontaveit nas quartas. A estoniana atropelou Bencic em 49 minutos com o dobro de pontos e só um game perdido.

Anastasia Pavlyuchenkova fez um jogo feio contra Pliskova e espera-se duelo de fundo contra Angelique Kerber, que viveu dia irregular. Bem mais promissor é Bertens e Muguruza, duas tenistas que gostam de bater na bola. A espanhola chegou a Melbourne cheia de dúvidas e pode voltar às quartas do AO depois de três anos. Apesar da ascensão em 2019, Bertens não passou da 3ª rodada nos cinco últimos Slam.

Stefani mira o top 50
Destaque também para a segunda vitória de Luisa Stefani na chave de duplas, ao lado da norte-americana, o que coloca a paulista de 22 anos muito perto do top 50 da especialidade.

A última vez que uma brasileira chegou nas quartas de um Slam em duplas foi com o dueto Patrícia Medrado-Cláudia Monteiro, em Wimbledon de 1982. A mesma Monteiro foi vice de mistas em Roland Garros desse mesmo ano, ao lado de Cássio Motta.

Mas não vai ser fácil, já que as adversárias de Stefani deste domingo serão Gabriela Dabrowski e Jelena Ostepenko, cabeças 6.

Tristeza inexplicável
A nota lamentável do sábado veio com a divulgação pela Federação Internacional do banimento definitivo de João ‘Feijão’ Souza do tênis profissional, considerado culpado de diversas infrações no arranjo de jogos tanto em nível challenger como future. Para agravar a situação, a ITF teria detectado nas suas investigações, que vêm desde abril do ano passado, que Feijão destruiu provas – não teria entregue o celular para averiguação – e incitou outros tenistas a fraudar placares, resultando também em pesada multa de US$ 200 mil.

Acompanhei toda a carreira de Feijão, desde juvenil, e ele se destacou pelo espírito de luta, jogos longos e muita entrega. Marcou o recorde de um jogo de Davis e por isso fica ainda mais maluco entender como alguém que se mata 7 horas para tentar vencer uma partida que não vale um centavo possa ter depois se envolvido com a máfia das apostas.

Vale lembrar que há poucos meses Gabriel Mattos também foi banido do esporte por motivos semelhantes. E, dizem por aí, há mais 10 brasileiros sendo investigados pela ITF.


Comentários
  1. André Barcellos

    Como fã do suíço admito: a idade chegou de vez.
    Ganhou enrolando o Fucsovics, que se perdeu no jogo.
    Mas Federer está muito lento. Simplesmente não consegue retomar a velocidade. Todo mundo já entendeu que tem que abriram direita dele, porque ele está chegando muito mal ali.
    Nos primeiros jogos não deu pra perceber porque ele estava mais descansado e jogou pouco.
    Mas depois da maratona não creio que ele terá pernas pra mais jogos duros.
    Na aos 38 e meio

    Responder
  2. Angela B.

    Oi dalcim, ía esperar seu próximo post p/ falar dos jogos…mas como estou morrendo de sono, vou fazer isso amanhã.——
    Só vou deixar por aqui uma informação/correção sobre o artigo da vitória da tenista Tunisiana Ons Jabeur:
    A Tunísia não é um país árabe, mas africano/norte-africano. Todos os países localizados na África, exceto o Egito, não são árabes. Pode-se se dizer que a Tunísia é ligeiramente ‘arabizada’ porque foi colonizada no século 8 por árabes, mas ao longo dos anos, houve a chegada de outras culturas e etnias por lá – tal qual no Brasil. Os tunisianos falam as linguas árabe, francês e uma outra 3a de seus antepassados. E apesar da maioria deles serem muçulmanos, tb há muitos judeus e ateus por lá, com uma minoria de cristãos. Abs e até amanhã. :))

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Pode até ser tudo isso, Ângela, mas Jabeur ganhou prêmio de ‘Mulher Árabe do Ano’ e é assim que ela se considera, assim como a WTA.

      Responder
      1. Angela B.

        Tive a imprenssão de ter lido a primeira tenista de um “país árabe”, Dalcim…e não a “primeira mulher árabe”…
        De qualquer forma, adorei vê-la jogando..além de ser super simpática. Bom, até daqui a pouco…:))

        Responder
  3. Efraim Oliveira

    Comecei assistir o jogo jogo Roger vs ‘Foucault’ no segundo set… tô aqui me perguntado como que ele conseguiu ganhar um set de Roger?

    Responder
  4. Gildokson

    Uma das coisas que me faz idolatrar Roger Federer é a postura. Sei que é bonzinho demais as vezes, sei que não é nenhum santo também, ja que não existem santos no circuito.
    Agora fazer esse monte de “palhaçada” e ficar parando um jogo toda hora pra ver se desestabiliza o oponente que nem esse Fognini ta fazendo… isso Federer nunca vai fazer. Esses artifícios são o anti-tênis, é ridículo a bagunça que esse cara faz no jogo. Tem talento mas não tem respeito pelo adversário.

    Responder
  5. Paulo Almeida

    Ótimo jogo de DjokoGOAT: agressivo, dominando os pontos e distribuindo vários winners de esquerda e direita com sua precisão habitual. Vacilou e foi quebrado no segundo set, mas ficou pouco tempo em quadra. Esperava um jogo mais longo e desgastante contra o guerreiro Dieguito, que deu dois lobs excelentes e uma deixada que mereceu até cumprimento do sérvio. Ele também fez várias defesas impossíveis, incluindo ótimos smashes do mais completo.

    Outro jogo pesado de base contra o grande Bautista não vai acontecer, mas sim um jogo de saque e devolução basicamente. Acho que o Milão vai cobrar a dívida assim:

    – Ano passado eu limpei a chave pra você e agora também tirei o grego. E aí?

    Responder
  6. Luis

    Dalcim e’ um desafio pro Federer pegar ritmo com jogos do aberto Austrália? O big 3 são fora de série costumam pegar ritmo rápido,Kochereiber disse Federer consegue jogar grande tênis jogando menos que muitos outros tenistas como próprio alemao

    Responder
  7. Rodrigo S. Cruz

    Nada a ver o juízo dev valor que o Pessanha escreveu a pouco…

    O Wawrinka não sente inveja nenhuma do Federer.

    O que acontece é a conjunção de dois fatores:

    1. O jogo do Federer é feito sob medida para atrapalhar o dele. A variação e as mudanças da velocidade de bola do Federer ” travam” o Stan que perde a confiança acumulando erros e dificulta sua soltura nos jogos . Ele mesmo já declarou isso:

    “O Federer tem o dom de me fazes jogar pior”. (rs)

    2. As seguidas derrotas para o Federer comprometeram o mental do Stan. Á exemplo do que ocorreu com o próprio Federer quando perdeu várias no saibro pro Nadal. Ou seja, perdia no saibro e acabava perdendo várias nas duras também… Felizmente, o Federer conseguiu superar esse bloqueio e desde então tem ganhado todas do espanhol, pois é sabido que ele é muito mais jogador do que o Nadal ali… Já o Wawrinka continua tremendo diante do compatriota.

    Responder
  8. maior geração da historia tenis chegando

    acredito que kyrgios vence o robo nadal.. thiem vai vencer e é favorito hj junto com o robo djokovic medvmedv e federer…… mais nao me surprendo com kyrgios ganhando seu primeiro grand slam

    Responder
  9. Hendrix

    Dos 3 jogos “pra valer” que vi Dalcin, o que teria pra comentar é:
    2) MonfilsxGulbis (Melbourne Arena)
    Não gostei tanto do jogo em termos de competição, mas fiquei particularmente instigado com o jogo do letão. Golpes sólidos, técnica apurada, mas se dispersa muito fácil do jogo. Já Monfils me decepcionou um pouco pela passividade, ganhando o jogo muito mais nos erros do oponente que na imposição de seu jogo. E o pior: não vi nada dos malabarismos comentados por você, ele se tornou um jogador mais “comum”.
    3) Muguruza x Svitolina (Rod Laver)
    Um show! Muguruza foi de encher os olhos, agressiva o tempo todo, levantando a torcida com suas jogadas de efeito e fazendo a número 5 do mundo parecer uma jogadora comum. Melhor jogo do dia!
    4) MedvedevxPopyrin (Rod Laver)
    Ontem entendi porque o russo é o cara. Muito seguro, pancadaria o tempo todo e poucos erros bobos. Não se intimidou com a torcida barulhenta pelo garoto e ficou fiel ao seu plano de jogo. Grandíssimo jogador!
    Se me permite mestre, vou fazer algumas perguntas:
    – Você acha que o Gulbis teve potencial pra ser Top5 em algum momento de sua carreira? Baita jogador.
    – Essa versão “careta” do Monfils pode trazer resultados mais incisivos, ou acha que seu tempo já passou?
    – O que você acha que falta a uma espetacular tenista como Muguruza brigar no Top3?
    – Medvedev parece muito confiante e sereno. Você acha que ele deve ser o líder da passagem de bastão?

    Abraços Dalcin! Hoje tem Djoko.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Gulbis já foi top 10 e Muguruza já foi número 1, Hendrix. Mas o letão perdeu o rumo e acho difícil reagir. A espanhola tem muito jogo, basta recuperar a confiança. Monfils precisa da festa para jogar um belo tênis, não acredito num Monfils pragmático. Sim, acredito que o Medvedev seja o primeiro da lista.

      Responder
  10. João ando

    O feijão ja não ganha dinhiero com o tênis ha muito trmpo …está entre os 450 do mundo. ….para se ganhar dinhiero tem que ser tiop80 …para ficar rico ficar entre os 100do mundo por muito trmpo …o prize Money dele que pouco tempo atrás foi de um milhão de dólares em 12/13 anos de carreira …não acredito na inocência dele

    Responder
  11. José Eduardo Pessanha

    Fala, rapaziada. Depois de hoje, espero que nunca mais o LF fale da vassalagem (que, de fato, existe) entre Wawrinka e Federer. A vassalagem de ontem entre Carreño Busta e Nadal talvez tenha sido a mais constrangedora de todos os tempos. Era pra reter toda a premiação do Busta ganha no torneio.
    Há vassalagem dos conterrâneos para cada um dos integrantes do Big 3:
    A de Wawrinka e de Federer é movida pela falta de reconhecimento e/ou inveja que o Ursinho sente do Rogério;
    A de Nadal é múltipla, dada a farta safra de jogadores espanhóis no circuito. Ela é movida pelo medo que a Armada Espanhola sente do Poderoso Chefão Maiorquino. Dessa forma, Busta, Verdasco, Almagro, dentre outros, sentem pavor ao ver Nadal do outro lado da quadra;
    A vassalagem sérvia tem outra característica. O nacionalismo sérvio é muito grande e um elemento de união entre os tenistas, que se dão muito bem. Dessa forma, o sérvio que enfrenta o Cotonete se sente impelido, por amor à pátria, a entregar, de forma inconsciente, a partida para o sérvio.

    Uma pena o lance do Feijão.
    Dalcim, uma pergunta:
    Você, com sua conhecida paciência, o que sentiu ao ver o segundo game do jogo da Pliskova? Eu senti um desespero. Foi um circo de horrores.
    Abs

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Meu caro vc é um dos torcedores do Federer q eu mais respeito, essas vassalagens q vc comentou são inegáveis, agora vc é muito cruel c o Wawrinka, nem superior no BH vc acha q ele é, embora talvez vc tenha se referido quanto a superioridade do BH do Federer no número de … madeiradas…

      Responder
  12. Pedro

    Dalcim,

    Será que dois dias são suficientes para o australiano se recuperar para enfrentar o espanhol? Gostaria que o Kyrgios ganhasse, assim como no México, mas, diante do seu passado de não ter tanto preparo físico, acho difícil.

    Responder
  13. Maurício Luís *

    Quando pensávamos que o tênis brasileiro estava no fundo do poço – Bia Maia suspensa, Bellucci caiu de produção… eis que vem + essa bomba do Feijão. Ao menos ele alega inocência, mas tá difícil.
    Que fim de festa! Só sobrou resto de salgadinho espalhado pelo chão, garrafa de cerveja quebrada, um vira-latas lambendo as sobras, o cunhado bêbado roncando no sofá… Uma tristeza.
    NADAL x KYRGIOS — Até as pedras sabem que sou um ‘secador’ do Nadal – acho que só perco pro Lógico – mas não sou cego. Nadal, em condições normais, é favorito. Melhor ranqueado, melhor preparo físico, mais consistente. Só que tem uns fatores que podem favorecer o australiano: torcida empurrando, talento de sobra, é atrevido e corajoso. Não é a primeira nem a segunda vez que ele salva match-point de forma desconcertante. E isto mexe com a cabeça do espanhol.
    Na verdade, eu torço é pro Murray. Mas como ele tá contundido, entre Federer, Nadal e Djoko, prefiro que o Djoko leve a taça. 20 Slams, acho que já é + que suficiente. Federer não tem que provar + nada, a meu ver.
    ***** Salão de… beleza?*****
    Então a Xisca resolveu mandar uma foto da mãe dela pro queridão:
    – Mamãe chegou do salão de beleza e pediu pra lhe mandar essa foto dela!
    O baloeiro digita:
    – E tava fechado?

    Responder
  14. Hendrix

    Olá Dalcin,
    O sábado ontem foi muito bacana em Melbourne Park, é sempre uma atmosfera muito bacana transitar pelas quadras e toda a estrutura fantástica do evento. Hoje tem mais! Assisti ontem 4 ótimas partidas (1 delas comemorativa). O único problema é que assisti o jogo do Nadal pelo telão, já que não consegui trocar a sessão da noite pela do dia, como tinha feito em 2018, para vê-lo jogar. Das partidas que vi em quadra, se não se importa gostaria de fazer algumas perguntas e colocações. Seria interessante saber tua opinião:
    1) Assisti na Melbourne (antiga Hisense) Arena um jogo de duplas de lendas do tênis muito divertido. Foi interessante ver caras sisudos como Goran, Wayne Ferreira e Santoro fazendo palhaçadas. Mas o que me chamou a atenção foi o 4 elemento. Um senhor de 63 anos engraçadíssimo, mas de técnica apurada chamado Mansour Bahrami. Pesquisando depois descobri que ele já foi finalista de duplas em RG em 1989. Você consegue esse jogador? Se sim, qual sua opinião dele?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bahrami é um ícone do tênis, Hendrix. Não foi um tenista espetacular, mas se especializou em exibições graças a sua destreza ímpar. Há centenas de vídeos dele no Youtube com jogadas incríveis. Quando puder, dê uma olhada. E bom divertimento!

      Responder
  15. Marcelo Calmon

    Que coisa chata ver a Pliskova jogando. Que desânimo ! Parece que ela é obrigada a jogar.
    Parceira perfeita pra jogar duplas mistas com o Bellucci.

    Responder
  16. Luiz Fabriciano

    Mestre, quanto ao seu não entendimento na atitude do Feijão, tomando como exemplo o jogo da Davis e depois essa trama toda, acredito que a sua índole não foi alterada por agora, mas sim já havia uma pré disposição para essas “facilidades” . Sei que o conhecia desde novo e eu não, mas o fato dele prejudicar investigações e incentivar outros a fazerem a mesma coisa, para mim, demonstra um sentimento latente de aproveitar uma oportunidade de ganho, mesmo que de forma ilícita, especialmente vendo como insignificante, em números, era sua carreira profissional.
    Grande abraço.

    Responder
  17. Ricardo - DF

    Não imaginava um jogaço desses do Khachanov. Pensei que o Kyrgios ganharia com mais facilidade. Mas o russo jogou demais mesmo.

    Dalcim, considerando que Federer, Murray, Del Potro, Wawrinka, estão praticamente fora de combate, me parece impossível o recorde de 20 slams do Federer não ser quebrado, tanto por Nadal quanto por Djokovic, não ?

    Se Djoko mantiver o nível até uns 34, 35 anos, o que me parece perfeitamente natural, será certamente o maior vencedor de Slams. No mano a mano, só no saibro o espanhol tem chances.

    Para Nadal, mesmo com mais Slams vai ficar faltando Finals, o que o Djoko já ganhou várias vezes.

    Assim, a menos que algum nextGen realmente exploda ainda este ano, Djoko deverá ser o grande vencedor de torneios, incluindo Slams e Finals.

    Responder
  18. Rodrigo S. Cruz

    Esse está sendo um dos melhores Australian Open de todos os tempos…

    Só jogaço daqui pra frente.

    E para alegria de muitos, foram ficando pelo caminho alguns tenistas “INASSISTÍVEIS” como:

    Peladista-Agut , Carreno-Bosta, John Isner, etc…

    Responder
  19. Marcelo-Jacacity

    Dalcim,
    Que tristeza hein Feijão! Lamentável! A Unidade de integridade do Tênis deveria publicizar quais foram os jogos em que foram cometidos os crimes.
    Pergunto: o brasileiro e outros que agem dessa forma não poderiam ser responsabilizados criminalmente? Muita gente enganada: patrocinadores, tenistas, público, o esporte.
    Dalcim, houve alguma nota oficial do brasileiro?

    Responder
          1. Rubens Leme

            Entendi isso, Dalcim, mas para que se pronunciar, se existe advogado né? Ele tá sendo xingado sem parar no instagram dele. E as desculpas do advogado sçao constrangedoras, especialmente explicando porque se dedicou pouco em alguns jogos. Se iria entrar sem vontade que tomasse WO, seria mais digno.

            Enfim, cada um com seus problemas. Ganhei vários neste sábado.

      1. Juninho Fonseca

        O cidadão com tudo acontecendo na vida do cara… suspensão pelo resto da vida da sua profissão….. vergonha nacional…uma multa pesada p pagar….tem a coragem de no mesmo dia que saí a sentença dele…ir p uma festa e ainda por cima colocar nas redes sociais!!!..um cara desse só pode ser um lunático mesmo!!…. difícil acreditar na inocência dele…..se fosse comigo…..eu sendo acusado injustamente (oq ele alega pelo menos) e tomo uma sentença dessa…não saiu nem de casa e fico numa bad tremenda!!!… agora parece q p feijão besta tudo numa boa….
        Eu hein??

        Responder
  20. Marcelo-Jacacity

    Essa rodada de hoje não consegui acompanhar muito devido a vários compromissos. De qualquer forma, a partir de agora só jogaço!
    E concordo com o Paulo Almeida: Djokovic jogar de dia contra o Dieguito é preferível, condição mais veloz da quadra é melhor o sérvio.

    Responder
  21. Sérgio Ribeiro

    Bastou o Craque cobrir Rublev de elogios ( “ está em todos os lugares da quadra” ) , que o Russo levou a sério e desandou a jogar muito. Impressionante a consistência contra Goffin. E olha que o Belga estava inteiro. Acho que me precipitei em descartar a Next Gen neste imprevisível SLAM. Cilic estava mortinho e jogou uma barbaridade contra Agut . Ele afirmou que foi uma de suas melhores atuações. Quem imaginaria Zverev sem perder Sets e não tomando conhecimento de Verdasco que adora o AOPEN ?. Dito isto , que me perdoem as “ periguetis” rs , mas essa madrugada de Sábado vai ser com muito mate leão e pipoca. E incrívelmente aposto em Fábio Fognini indo as Quartas !!! Abs!

    Responder
  22. Antônio Luiz Júnior

    Dalcim, quis o destino este jogo épico, que todos aguardavam, irá acontecer de fato. Nadal vai enfrentar Nick Kyrgios, em grande fase, pelas oitavas de final do AO, em uma quadra rápida, diante de toda a torcida australiana. Você com toda a sua experiência arriscaria algum palpite para este jogo?

    Responder
  23. PIETER

    Se já foi chocante saber do banimento e da multa milionária aplicada ao Feijão, pior poderá ser vir a saber que mais brasileiros podem estar envolvidos em falcatruas de apostas, haja vista a suspeita de mais dez tenistas investigados pela ITF. E não ponho a mão no fogo por ninguém…

    Responder
  24. Lupe

    Fala Dalcim,

    Caramba, inacreditável isso do Feijão. E pensar que eu fui lá no Ibirapuera no Brasil Open de 2015, naquela semifinal que ele perdeu pro Luca Vani (Até te vi la na arquibanca). O estádio lotado e todo mundo torcendo por ele. Naquele dia o Feijão lutou como nunca, deu gosto de ver.
    É triste ver uma notícia dessas.

    Abraço mestre.

    Responder
  25. Kauê Guedes

    Olá, Dalcim! Se me permite, gostaria de perguntar se você conhece a razão pela qual os narradores e comentaristas de TV brasileiros teimam em falar os nomes dos tenistas da forma errada. Hoje de manhãzinha foi horrível ouvir “kirJios” (ou “quirjios”) e “cachanove” o tempo todo! Fora bizarrices costumeiras como “kraGinoviti” (o “j” de “Krajinovic”, assim como em “Lajovic”, tem som de “i”, não de um “j” em português) e “Lucá” (primeiro nome do Pouille, que na verdade é pronunciado como nosso “Lucas”, mesmo)…

    O curioso é que o site da ATP disponibiliza, em cada perfil, um áudio do próprio tenista pronunciando o nome. Se não tiver por lá, uma breve pesquisa na Wikipedia revela a pronúncia correta do nome do atleta. Kyrgios, por exemplo, é “kirr-ee-os” e Khachanov, quase “rha-tchã-nov”. Aliás, os nomes russos não têm a “tônica” nos “ov” e “ova”, mas falarmos “Sharapôva” é compreensível porque soa mais natural para nós. Ao meu ver, isso não devia acontecer com o “Kh” de Khachanov porque qualquer filme ou série com personagens russos mostra que um “Mikhail” NÃO é chamado de “Micaíl”. É, portanto, até compreensível que os comunicadores chamem o ótimo tenista russo de “Rhatchanóv”, mas ignorar o “h” e chamar de Caixa Nove é ridículo para um profissional da comunicação com toda a tecnologia e a informação a seu dispor.

    O que mais me deixa frustrado é ouvir caras como Jim Courier ou John McEnroe falarem certinho durante as entrevistas e segundos depois ouvir os brasileiros comunicando com preguiça. Você sabe por que os profissionais brasileiros não pesquisam antes das transmissões e por que sempre pronunciam tudo errado?

    Responder
        1. José Nilton Dalcim

          A torcida na verdade fica mais distante, e Kyrgios gosta dos estádios pequenos por isso. Mas o fator essencial não é esse, mas que num estádio grande muda a perspectiva e geralmente ajuda mais os que jogam na defensiva.

          Responder
  26. Helena

    Dalcim,
    Agora que o AO já está nas oitavas com os principais jogadores classificados, já podemos dizer que a ATP Cup não atrapalhou o desempenho deles ou é muito cedo?

    Responder
  27. Vitor Hugo

    Convenhamos, Busta é um tenista muito, mas muito fraco. Não tem recursos técnicos destacados. Corre e passa bolinha pro outro lado. Fica pior ainda por que treme diante de Rafa.

    Sobre o jogo com Kyrgios, acho que Nadal leva por 3 x 1, incluindo dois tie breaks. Mas acho que Nadal não vai aguentar Nick, Thiem e Medvedev na sequência. Ñ vai ser finalista.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Sem falar que o jogo do Carreno é um dos mais monótonos do circuito.

      Nada pessoal contra ele, que consegue bons resultados e é um “operário” do tênis.

      E sim contra o seu intragável jogo…

      Responder
  28. Leonardo Faria

    Apesar da torcida para um bom jogo, e colocando minha torcida para o Nadal de lado, não creio que o Kyrgios vá ser uma ameaça. Assisti ao jogo dele contra o russo e ele terminou exausto, se alongando e com cara de dores no joelho. Além disso ele não é conhecido por ter um excelente físico, por isso creio que não estará com 100% de condições para enfrentar o Nadal. E enfrentar o espanhol em GS, além de qualquer coisa, também é uma batalha física. A única forma que vejo o aussie ganhando seria numa estratégia kamikaze a lá Karlovic: mantém seu serviço a todo custo e ganhe em tiebreaks.

    Responder
  29. Paulo F.

    Agora, em se tratando de Kyrgios, que é doidão:
    – Será que ele não podia chutar as garrafas do Nadal numa das passagens entre o games?
    Aposto que abalaria o espanhol portador da Síndrome de Tourette.

    Responder
  30. Paulo F.

    Quando o Kachanov ganhou o Masters 1000 de Paris em cima de Djokovic, a horda helvética em peso debochou.
    Aiiii uiiiii Bagre, Cotonete, perdeu para um cara chamado Caix9! hihihihi hahahaha hhihihihi
    Sendo que o russo é bom jogador sim, muito bom até.
    Aí hoje ele fez um jogaço contra o outro amadinho dos caprinocultores: o mal-educado e mal-caráter Kyrgios.
    Aposto que ainda ousarão dizer que Kachanov é ruim e etc.
    Em tempo: melhor jogo do AO até aqui. Parabéns,Kyrgios e Kachanov!

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      E qual horda você integra, então?

      Pera aí, já sei!

      A horda do CINISMO, sem dúvida…

      Qual a torcida que mais faz provocações aqui? Não é JUSTAMENTE a do Djoko?

      Todo santo dia lemos coisas como: Fraude, Bode, Guat, freguês, farsa, etc, etc.

      Inclusive você mesmo já cansou de usar apelidos como: ” filho do Nadal, freguezaço, etc”.

      E quanto ao Kyrgios: acho que todo mundo tem o direito de admirar o jogador que quiser.

      Admiro e sempre vou torcer pelo Kyrgios sim, pelo seu imenso talento e capacidade de cativar o público…

      Responder
  31. Marcos

    Doping, manipulacao de resultados… Coisa feia pro tenis brasileiro…
    Um país q teve Estherzinha e Guga, e tem Soares e Melo nao merece isso. Q sejam punidos.

    Responder
  32. V Mauricio

    Dalcim, tenho uma curiosidade sobre sua opinião acerca de uma coisa: você não acharia uma boa ideia os sets que são definidos no tie-break terminar em 6/5? Assim, se o set ficasse 5/5 já teríamos um tie-break ao invés de ter que jogar mais 2 games e chegar ao 6/6. Me parece interessante.

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Parece que ele se expressou de forma meio confusa kkkk

        Mas acho que ele quis dizer o seguinte:

        Em vez de o tie-break ser em 6/6, seria em 5/5.

        Portanto, o vencedor do tie-break fecharia o SET em 6/5…

        Responder
      2. V Mauricio

        É porque eu nunca entendi porque um set precisa chegar no decimo-terceiro game se teoricamente deveria terminar quando um jogador vencer 6 games. Mas era só uma curiosidade mesmo.

        Responder
        1. Marcos Ribeiro

          A resposta é simples: Daria uma enorme vantagem a quem saca 1o. no jogo. O tênis dá vantagem a quem saca, para equilibrar os jogos, diminuindo a vantagem do melhor jogador. Mas tem de haver um mínimo de justiça: todos têm de desfrutar da vantagem de sacar em igual número. Terminando em 6 a 5, quem começou sacando saca 6 vezes e o outro saca só 5 vezes.

          Responder
  33. Rafael Azevedo

    Kyrgios mais uma vez foi advertido por demora no saque…kkkk. Ele deve ter ficado uma Arara!
    Eu sei que a regra é 25 e isso é o que vale. O Nadal pode demorar 24,8 segundos em todos os saques e o Nick pode demorar 9 segundos na maioria deles, se o Kyrgios ultrapassar os 25 em um único saque, ele será advertido.
    Mas, eu entendo sua reclamação constante, citando o Nadal. De fato, parece que os árbitros demoram um pouco mais para soltar o relógio para o Nadal, a fim de evitar desgastes com ele.

    Responder
    1. Willian Rodrigues

      O que é extremamente errado!! Assim como foi um absurdo a ATP “solicitar” ao Carlos Bernardes, árbitro muito competente, que não trabalhasse nas partidas do Nadal. Triste é que isso durou o quanto o espanhol quis. Gostaria de sua opinião a respeito Dalcim. Pra mim, esse tipo de atitude denota falta de caráter.

      Responder
  34. Miguel BsB

    Que rodada é essa? Só jogo bom! Dalcim, me passa seu macete aí pra virar a madrugada e assistir tudo isso…rs vou tentar mesmo ficar acordado pra assistir.
    Meus palpites:
    Medvedev elimina Stan (infelizmente), mas jamais duvide do suíço.
    Thiem elimina Monfils
    Nadal elimina Kirgios (Acho que esse jg contra o Caixa9 esgotou o australiano)
    Zverev elimina Rublev (Vou dar uma chance pro Zé, apesar que o russo raiz tá jogando demais nesse começo de temporada)

    Responder
  35. Rafael Azevedo

    Muita gente falando que o Nadal não aguentaria uma sequência com Kyrgios, Thiem e Medvedev…
    Galera! Estamos falando do Nadal! Claro que ele aguenta. Ele é o favorito para ser o finalista, sim!
    Podem falar que o kyrgios não aguenta uma sequênia com Nadal, Thiem e Medvedev. Ou que thiem não é capaz de derrotar o Monfils, Nadal e o Medvedev, em sequência. Ou ainda que o Medvedev não vence Wawrinka, Zverev/Rublev, Nadal, seguidamente…
    Dentre todas essas sequências, a do Nadal é obviamente a mais provável. Ele é o número 1, que já fez 5 finais no AO.

    Responder
  36. Rafael Azevedo

    O número de ENF do Federer, na última partida, me lembrou de uma questão/pensamento que tenho sobre isso…

    Algumas pessoas definem o ENF como um erro de um atleta sem ser forçado pelo adversário. Ou seja, o adversário, simplesmente passou a bola para o outro lado. Uma bola “fácil”, onde o atleta chega nela com facilidade, tem tempo de preparar o golpe e…erra!

    Outros, consideram que o ENF é um erra onde o próprio atleta executa um golpe sem querer forçar o jogo. Nesse caso, o atleta (e não o seu adversário) tem a intenção de apenas passar a bola para o outro lado, trocar bolas. Ele não quer “forçar” o erro do adversário, mas ele próprio erra o golpe.

    A minha primeira questão é: Qual é a definição certa do ENF?
    Eu acredito ser a primeira das que eu citei acima (ou seria uma terceira?)

    Dito isso, eu penso que nem sempre o número de ENF mostra que um atleta jogou mal. Acredito que apenas revela estratégia adotada no jogo, que pode ser bo aou não. No caso do Federer, por exemplo, nos jogos em que ele cometeu muitos ENF, ele também cometeu muitos Winners. Ou seja, ele adotou uma estratégia ofensiva. De atacar o máximo possível o seu adversário. Ele está buscando as bolas vencedoras. Natural que acabe errando. Estou querendo dizer que, ainda que a bola estaja lenta, curta e a uma altura legal, se o atleta resolve tentar um “winner”, ele vai tentar bater forte, reto, perto das linhas…Logo, há uma maior chance de erro.

    Vi uma entrevista do Nadal em que ele responde um jornalista que questiona o fato de o seu jogo não ser agressivo…Ele diz que é, sim, agressivo. Mas, que ao contrário do Federer, ele não tem um saque tão bom que o permita tentar o winner logo na segunda bola. Ele disse precisa, antes, tenta forçar o adversário a devolver uma bola mais fácil para que, assim, ele possa buscar a bola vencedora.

    Em resumo, ENF não significaria que um atleta jogou muito mal, mas, sim, que ele buscou uma estratégia de ofensividade durante toda a partida. Se, nesse caso, ele conseguir mais winners do que ENF, então ele tem uma partida perfeita. Dificilmente seria derrotado.

    Responder
  37. Rafael

    Dalcim, que coisa essa historia do Feijão. Acho problemático isso, mas soa curioso ver um fraudador de resultados que recentemente falou em.entrevista que não aguentava corrupção

    Responder
    1. Alessandro Siqueira

      Rafael, recordo-me com clareza das falas dele, mas não chega a ser surpresa. Gente que se intitula “cidadão de bem” merece cautela. Não é possível nem lógico que uma expressão como essa, retirada do jornal que era uma espécie de relações públicas da KKK, possa refundar em coisa boa. O tal cidadão de bem costuma ser um FDP potencial. Tudo questão de conveniência e oportunidade.

      Responder
  38. Barocos

    A chave do Nadal está pedreira agora, Kyrgios, Thiem, Zverev, Medvedev e Rublev. Parece que toda a tal nextgen caiu na chave dele (bem o Thiem não é tão novo assim, mas é um jogador perigoso).

    De qualquer maneira, vou torcer mesmo é para o Wawrinka neste lado do chaveamento, ainda que ache bem difícil que Stan The Man chegue lá. Minha segunda escolha é o Nadal, que eu acredito que seja o representante na final deste lado.

    Do outro lado, na torcida pelo Djoko, com segunda opção pelo espetacular Federer (que não tem jogado tão bem assim até agora, mas o RF é o RF, a “baliarina” do tênis no bom sentido).

    Novak vs Stan The Man é a final que eu gostaria de ver.

    No mais, “Ajde, Djokovic!”

    Responder
    1. Miguel BsB

      Tamo junto Barocos! Vou torcer tb pro Stan, apesar de achar duríssimo o jg contra o Medvedev.
      Só discordo quanto a final. Quero ver o Fedal decidir o recorde de Slams…

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Impressionante.

        Esse “gajo” enfiou na cabeça que só esse Djoko pode atropelar todo mundo.

        kkkk

        Atropela Federer, atropela Medvedev…

        Sendo que ele sabe muito bem que quando enfrentou esses dois, NUNCA teve moleza!

        Responder
        1. Jonas

          No Australian Open 2016, o sérvio passou o carro no Federer. Ainda se deu ao luxo de baixar a intensidade no terceiro set. Vitória fácil.

          Eu não disse que ele vai atropelar o Russo. Apenas torço para que se essa for a final, o Djoko atropele.

          Responder
  39. Jhonny

    É o ano do tênis brasileiro ja começa mal em 95% do noticiário, Belluci nao consegue emplacar sequer nos challengers, Beatriz Maia afastada por doping (ja saiu a punição?), Joao Menezes pós Pan Americano não emplacou, as únicas boas noticias sao a Luiza que parece esta se firmando no top 100. O Thiago Monteiro que tem feito campanhas dignas de seu ranking e as duplas masculinas.

    Responder
      1. Rafael Azevedo

        Li em algum lugar que o natural é que ele jogasse na sessão diurna, pois há um rodízio. Mas, como ele havia se desgastado muito, a organização poderia trocar. Logo, a ssessão noturna seria um benefício para ele. Mas, é claro que temos que esperar para ver…

        Responder
  40. Sandra

    Dalcim, e uma pena que eu acho praticamente impossivel , mas você já imaginou uma final entre Djokovic e Kyrgios e o O Kyrgios perdendo ? Teria que chamar a tropa de choque !!! Eu acho quase que impossível alguém ganhar do Kyrgios seja Nadal ou Djoko ou o próprio Federer ! E você não está achando esses russos sem medo de cara feia?

    Responder
  41. Matheus Lago

    Ótima vitória do Kyrgios para cima do Khachanov, poderia ter sido fácil mas o importante é o resultado, agora vai ter um dia para se recuperar e se tudo der certo, elimina o Nadal na segunda feira.
    Wawrinka e Medvedev é promessa de jogo bom e acho que o russo leva a melhor, mas a torcida é para o suíço.
    Thiem deve vencer o Monfils por ter mais armas e ser mais jovem, aguardemos.
    Quanto ao João Souza, uma vergonha ao Tênis brasileiro. Hipocrisia sem fim: para alguém que já chegou a expor o que acontecia de errado no mundo do Tênis fazer isso é para lamentar e muito. Mereceu ser banido.

    Responder
  42. Victor Martins

    Oi Dalcim, voltando ao que você disse sobre o Feijão, dizendo que “não entende como uma pessoa que se mata por 7 horas em um jogo da Davis pra não ganhar nenhum centavo, pode fazer uma coisa dessas.”
    Esse é o ponto. Na minha opinião, ele viu que não tinha futuro tentar ganhar dinheiro jogando, e jogando, e ganhando pouco dinheiro com Future e às vezes Challengers, que preferiu ganhar do jeito mais fácil.
    Entendam, é só a opinião sobre o fato. É óbvio que isso não justifica o que ele fez. Até porque agora ele tá é no prejuízo, tendo que pagar multa pesada. Não adiantou nada ser “mala”.
    É realmente lamentável. Ainda mais por ser brasileiro.

    Responder
  43. Ricardo Valadares

    E o Feijão, hein! Se o tal do Paulo Almeida fosse torcedor do Nadal ou do Federer, essa hora ele já teria tirado um Slam de Djokovic, já que o sérvio só teria ganho o US Open 2015 porque Feijão teria entregado o jogo na primeira rodada! Kkkkkk

    Responder
  44. Rafael Azevedo

    Essa chave tá boa por demais, sô. Uma das melhores combinações de oitavas de finais em uma chave, dos últimos anos. Só jogaço! Quem chegar à final, desse lado da chave, vai estar com uma moral lá em cima.

    Uma manhã de sábado inteira com a ESPN passando um jogaço de tênis (Kyrgios x Kachanove), no horário em que geralmente é dominado pela Premier League, não tem preço.

    Grande espetáculo está sendo este torneio.

    Ainda bem que Federer não caiu fora. Equilibrou a outra chave!

    Responder
  45. Luiz Fernando

    Dalcim li num dos blogs de torcedores do Rafa uma teoria que me pareceu absurda, pois nunca o vi agir assim: que ele teria poupado fisico nas duas primeiras rodadas, dai a eventual apatia e a falta de empenho de ir em todas as bolas, vc julga isso possível? Eu sinceramente não acho…

    Responder
  46. Rodrigo S. Cruz

    Foda!

    Muito triste essa notícia sobre o banimento do Feijão…

    Um verdadeiro choque mesmo.

    Nunca fui fã dele, mas era um nome muito conhecido do tênis nacional.

    Não vou julgar o cara, mas aparentemente as evidências são sólidas…

    Responder
      1. Marcos Ribeiro

        Esta regra dificultadora das investigações é mais uma para beneficiar os corruptos, que fazem as nossas leis.

        O correto seriam regras que favorecem a apuração dos fatos, o que também favorece a justiça, que é o objetivo. Simples assim.

        Esta regra do tênis profissional se enquadra neste critério e está correta.

        Responder
    1. Nattan Labatto

      Compartilho da sua tristeza, Rodrigo.

      Mancha o tênis nacional e fica mais preocupante saber que tem mais de 10 jogadores brasileiros sendo investigados por tal prática.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Pois é, Nattan.

        Só espero que pelo menos a Bia Haddad escape de qualquer punição dura.

        É a melhor jogadora que já tivemos em muitos e muitos anos…

        Responder
  47. Marcos Marinho

    Dalcim, o esporte brasileiro está na lama. Rafaela Santos, Beatriz Haddad, Thomaz Bellucci, Feijão, César Cielo, Giba, dentre muitos outros nomes de destaque pegos ou em doping ou em manipulação de resultados. São muitas modalidades, não é coincidência. Muito preocupante e obviamente triste.

    Agora a coisa boa, este Australian Open está sendo um dos melhores Slam dos últimos tempos. Ao menos na chave masculina. Dois jogaços em dias consecutivos. E a expectativa é para mais duelos duros e pegados.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *