Federer escapa do dia das bruxas
Por José Nilton Dalcim
24 de janeiro de 2020 às 14:13

Que sexta-feira em Melbourne. Caiu a detentora do título, perdeu a megacampeã, despediu-se a vencedora de 2018, dois top 10 eliminados e por muito pouco Roger Federer não se incluiu no dia das bruxas que assolou o Australian Open. Viu o incansável John Millman com dois saques para liquidar o jogo e conseguiu ganhar seis pontos consecutivos no supertiebreak que agora define os quintos sets do torneio. Quanta emoção em 13 horas de tênis.

Federer começou mexendo mal as pernas, reagiu tarde e ainda falhou com o saque. Diminuiu a pressa em ir à rede – sabia que era bom negócio ficar atrás trocando bolas contra o paredão adversário – e, apesar de uma média perigosa de erros não forçados, chegou a fazer 2 sets a 1. Como já havia provado dois anos atrás no US Open, Millman é um tremendo competidor. Jamais se desesperou, manteve-se fidelíssimo à tática das trocas de bola sem riscos maiores na mudança  de direção, deixando a missão de atacar para o suíço.

Controlando a duras penas a contabilidade – terminou com 62 winners mas 82 erros -, o hexacampeão se viu contra a parede ao longo de todo o quinto set. Perdeu o saque no terceiro game, reagiu com ótimas devoluções e se safou de 15-40 no 3/3. Só então virou a situação e passou a pressionar novamente o australiano, que mostrou cabeça fria e confiança notáveis, mesmo quando viu Federer a dois pontos da vitória antes do supertiebreak.

Aí veio um capítulo especial nessa batalha de 4h03. Millman foi impecável até chegar a 8-4, achando as passadas corretas nas tentativas um tanto afoitas de o suíço chegar à rede. Com o saque para repetir a surpresa de Flushing Meadows, veio então a falha quase impensável: esqueceu do plano A e tentou seguidamente trocar o forehand para a paralela. Errou por centímetros e permitiu que Federer atingisse sua 100ª vitória no Australian Open e a 18ª presença nas oitavas.

Coisas essenciais a se refletir: as condições lentas são um martírio quando Federer encara tenistas de grande capacidade defensiva, e Millman fez uma belíssima exibição no geral. E é preciso dar nota 10 ao empenho desse garoto de 38 anos e meio. Que ao final das contas não precisa provar mais nada a ninguém. Seu adversário de domingo é também muito perigoso, porque Marton Fucsovics tem mostrado uma admirável capacidade de acertar a linha com golpes poderosos.

Djokovic fulminante, Stef fora
Sem perder um único ponto com o primeiro serviço nos dois primeiros sets – melhor ainda, só cedeu um também com o segundo saque -, o atual campeão Novak Djokovic não quis saber de desgaste desnecessário e atropelou outra vez o canhoto Yoshihito Nishioka. Uma atuação exuberante.

Encara agora outro jogador de base, Diego Schwartzman, mas que costumeiramente lhe dá trabalho. Apesar de ter vencido todos os três duelos, os dois feitos sobre o saibro viram o baixinho argentino arrancar sets e suor. El Peque fez uma exibição muito firme diante de Dusan Lajovic.

Se mantiver o favoritismo, Nole terá um adversário um tanto inesperado nas quartas: Milos Raonic ou Marin Cilic, que causaram surpresa. O canadense andava mal das pernas (e das costas) e de repente dominou Stefanos Tsitsipas até mesmo em trocas da base. Incrível. Já o croata tirou Roberto Bautista em cinco sets, num jogo em que voltou a sacar muito bem – 77% de pontos com o primeiro serviço, 24 aces e 8 de 10 breaks evitados.

Possíveis adversários de Federer nas quartas, Fabio Fognini e Tennys Sandgren passaram em sets diretos por Guido Pella e Sam Querrey. O italiano se recuperou fisicamente muito bem do esforço das duas primeiras rodadas e Sandgren salvou um festival de break-points num segundo set que acabou sendo crucial. Esperava mais do Querrey.

Caem três campeãs
A tenacidade de Qiang Wang, a volta por cima de Coco Gauff e o adeus de Caroline Wozniacki causaram alvoroço na rodada feminina. A chinesa teve muito de Millman na vitória sobre Serena Williams, e poderia ter liquidado o jogo ainda em dois sets tal sua superioridade no controle da bola diante da pressa e certo desespero de Serena, o que não é nada incomum quando ela encara grandes batalhadoras do fundo.

A juvenil Gauff fez um primeiro set notável em cima de Naomi Osaka, deixando para trás a trágica atuação do recente US Open. Além de golpes, sobra personalidade a Cori, que desta vez soube ser agressiva numa medida mais controlada.

Entre tantas emoções da sexta-feira, a despedida de Wozniacki deve ter deixado muita gente com nó na garganta. Ainda que não tinha sido uma tenista de excepcionais recursos técnicos ou de um tênis extremamente vistoso, Carol sempre foi uma das mais queridas do circuito e cansou de demonstrar excepcional qualidade competitiva e visão tática de encher os olhos.

Faltou pouco para esticar mais uma rodada, porém é preciso elogiar a atuação da tunisiana Ons Jabeur, uma das raras mulheres do circuito que exploram os ângulos mais abertos da quadra. Emocionada, Wozniacki foi erguida pelo pai, recebeu o carinho do marido e prometeu não se afastar das quadras. Ótimo, porque ela tem muito a ensinar.

Com as quedas de Serena e Osaka, teremos certamente uma semifinalista inédita nesse lado superior da chave. A de maior currículo é Wang, quartas do recente US Open. Depois vem Gauff, oitavas de Wimbledon.

Por fim, depois da estreia vacilante, Ashleigh Barty está se soltando e fez uma exibição bem melhor nesta terceira rodada, embora ainda possa brilhar mais. Alison Riske merece atenção na quadra dura, porém parece inevitável o reencontro de Barty com Petra Kvitova, que está jogando muito bem e é favorita contra Maria Sakkari. No ano passado, Barty ganhou 3 dos 5 duelos diante de Kvitova, todos no sintético e um nas quartas da Austrália.

Façanhas e recordes
Djokovic é o segundo homem na história a somar 50 presenças nas oitavas de um Slam, número ainda mais impressionante quando se vê que este é seu 60º torneio. Na Austrália, são 14, marca que Nadal pode repetir neste sábado. Federer lidera agora com 18.


Comentários
  1. Gustavo

    Bom dia, mestre!
    Oitavas, 16 nomes vivos…
    Chave do Nadal muito mais difícil do que as do Djokovic ou do Federer…
    Quero ver, NOVAMENTE, pela ENÉSIMA vez, os profetas do apocalipse dizendo que houve favorecimento…
    Piada…

    Responder
    1. Sandra

      Normalmente acho mamão com açúcar as chaves do Nadal, mas essa está demasiadamente forte! Não sei para que ser número um ; sempre e. Pior chave

      Responder
  2. Marcílio Aguiar

    Caro Dalcim, mudando um pouco de assunto do AO mas ainda dentro do tênis, já havia me esquecido do Feijão e agora recebi a notícia abaixo. Mais um momento triste para o tênis brasileiro já tão por baixo nos últimos anos. Muito obrigado pelo blog com as excelentes análises sobre os jogos e torneios. Abç

    https://www.uol.com.br/esporte/colunas/saque-e-voleio/2020/01/25/feijao-e-banido-do-tenis-pelo-resto-da-vida-e-multado-em-us-200-mil.htm

    Responder
  3. Edi

    Dalcin,estava lendo blog do Cossenza,falando do banimento definitivo do tenista João Souza,o nosso Feijão,devido envolvimento em manipulação de resultados em Challengers e futures,tais por dentro disso,foi pra tudo isso mesmo o que alegam que ele fez,e tem muitas apostas grandes nesses torneios que justifiquem um tenista profissional se envolver?

    Responder
  4. Luiz Fernando

    Incrível como a ATP e os árbitros são passivos com as atitudes de Kyrgios, o bundao fica gritando “fuck” na quadra e nem advertido é…

    Responder
  5. Luiz Fernando

    Finalmente uma atuação convincente do Nadal, q atropelou seu freguês. Desta vez me pareceu bem solto, c energia de sobra, explorando as paralelas com vários winners e com excelente primeiro serviço. Jogou como imaginei q jogaria as duas partidas anteriores. Vamos pra segunda semana. Mudando de assunto, não imaginei q num torneio como esse se pudesse jogar de pijama, e o Cx9 e o Popyrin estão vestidos assim kkk…

    Responder
  6. Angela B.

    Dalcim, hoje foi a 1a vez que consegui ver a Muguruza jogar…e achei ela bem mais sólida e confiante do que no ano passado. Vc acha que ela conseguiu recuperar o seu tenis depois de tanto struggle c/ suas lesões, ou vc acha que ela ainda pode melhorar? abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não vi a Muguruza ontem, mas acho que ela ainda precisa de uma sequência maior para recuperar de vez a confiança. Tênis ela tem de sobra. Em qualquer piso.

      Responder
  7. Paulo Almeida

    Que bom que o jogo do Djoko vai ser de dia, com condições mais rápidas. Contra o Dieguito carne de pescoço um jogo mais lento não seria bom negócio, vide a dura semifinal de Roma 2019. Ao contrário de muitos, eu vou jogo a jogo: o sérvio ainda está beeem longe da semifinal.

    No duelo de servebots prevejo vitória do Raonic.

    Thiem e Nadal caminham a passos largos para um grande confronto nas quartas, a não ser que Prick Kyrgios cometa o crime. O Gulbis não aguentou e foi varrido rapidamente pelo Monfa, que deve ser presa fácil para o austríaco.

    Responder
  8. Enoque

    Um dos fatores que ajudaram a carreira do Nadal é a facilidade que ele encontra contra os jogadores da Espanha. Desde o início da carreira, ele se tornou o queridinho protegido do país. Seus adversários, Espanhois, preferem perder com tapinha nas costas por não complicar a briga do ídolo nacional pela liderança do ranking. Afinal o cara tem uma briga muito maior que ficar em 7 ou 8 do ranking. Se um destes jogadores, medianos, da armada espanhola, eliminar o Nadal num grande torneio, será considerado perssona non grata no seu país. E olha que a Espanha sempre teve maioria entre os 100 jogadores do ranking.
    Vc pode até dizer o mesmo do Federer, só que a armada dele era de um soldado só, Wawrinka.

    Responder
  9. Rafael Azevedo

    Sexta feira maluca.
    Quase que a chave do Djoko fica totalmente mamão com açucar. Mas, acredito que o jogo contra o Argentino será interessante. Ele está muito bem nesse AO.
    Como Dalcim falou, o NextGen com maior possibilidades em Slam é o Medvedev. Tsitsipas está ainda muito longe.
    Zverev está quietinho, comendo pelas beiradas…
    Saque do Djokovic está absurdamente bom.
    Federer está no páreo.
    Como previsto, este AO está bom demais.

    Responder
  10. Angela B.

    Parece que o dia das bruxas continua..Pliskova perdeu e agora, a Bencic tá levando um baile da Kontaveit…
    Olha..espero que pelos menos a Svitolina e Halep vençam seus respectivos jogos, porque tá dificil de engolir tanta zebra

    Responder
  11. Marcel Azevedo

    Meu amigo Dalcim, boa noite afinal foi Federer que jogou mto mal ou o Australiano que jogou mto bem? A dificuldade do Federer hj em dia é a bola lenta msm igual vc disse?! Me passa a impressão que além disso o lado mental do Federer esta maia vulnerável. Forte abc

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Federer decidiu forçar mais o jogo por causa das condições mais lentas e do ótimo jogo de base do Millman, então acumulou muitos erros não forçados. No tênis, nunca existe uma causa única, mas a combinação de fatores, ainda mais num jogo que vai tão longe. Acho que Federer mostrou que o lado mental está bem, porque nunca desistiu mesmo com placar complicado no quinto set e no supertiebreak.

      Responder
  12. Rodrigo Bravin

    Acho que estão exagerando aqui no blog. O Federer foi claro ao dizer que não se sentiu bem em momento algum e também deu créditos ao australiano. Comparativamente nenhum dos outros dois Big 3 enfrentaram adversários fortes também. O que não pode é repetir essa atuação contra o Fuscovics, que inclusive, já estão elegendo aqui como ganhador do confronto contra o suíço. Menos, por favor! Alguns aqui parecem aqueles comentadores de resultado de futebol. Já estão falando até em atropelamento se encontrar o sérvio, mas esquecem que quase sempre os jogos entre os dois são decididos em detalhes.

    Responder
  13. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    Pelo que estão jogando que e a maior ameaça ao Nadal não repetir a final do ano passado? Thiem ou Mededev?
    Do outro lado se de Federer e Nole, algo me diz que vai dar suíço. O que acha mestre?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, não vi nada de muito especial nem no Medvedev, nem no Thiem até aqui. O que quer dizer que Nadal continua como favorito para ir à final nesse lado da chave. Pelo que fizeram até aqui, Djokovic jogou melhor.

      Responder
  14. Jonas

    Federer escapou por pouco hoje (era pra ter perdido fosse um tiebreak normal).

    O suíço deve pegar o Djoko nas semis e tomar um pau novamente, sem surpresas.

    Responder
    1. Ronildo

      O último ponto do jogo não teve nada de sorte. Federer defendeu pra caramba e depois contra-atacou. Mas a partida teve vários lances de sorte para os dois lados.

      Responder
  15. Felipe Silva

    Bom dia, Dalcim.
    Esperando aqui que o Millman seja o Benneteau de 2012 para o Federer.
    Não vi o começo mas onde vi achei ele bem fisicamente. Geralmente em derrotas precoces como a que escapou, a gente percebe uma movimentação ruim e principalmente um semblante negativo.
    Hoje, porém, pareceu tecnicamente mal e incomodado com a bola funda do adversário, aí acabou tentando desesperadamente cortar o tempo e buscar as linhas e, embora muitas vezes bem posicionado, errou demais.
    Outra coisa que queria comentar, eu tento mas difícil admirar o Tsitsipas fora da quadra, viu?
    Vi a transcrição dele chorando a derrota para adversário de um golpe só, mas o jogo teve só um tiebreak. O saque do Raonic, pelo visto, foi bem eficiente nos games de devolução.

    Responder
  16. Paulo Almeida

    O GOAT Djokovic é o mais completo de todos os tempos, está com um saque 10/10 e a jaguatirica da montanha no máximo 8/10 atualmente. O único diferencial do sparring são resquícios do pavoroso jogo de saque-voleio morto e enterrado. Ainda assim o sérvio fica bem próximo nos voleios.

    Responder
    1. JONATAS LEITE DE PAIVA

      Se for levar em conta o tênis que se joga hoje, pode ser que seja o mais “completo” onde todos jogam de fundo e esporadicamente vão para à rede matar o ponto ou fazer algo mais incisivo e diferente.

      Agora se for comparar todas as técnicas não. O sérvio é o melhor jogador de fundo de todos os tempos mas quanto mais perto da rede menos tênis ele tem se comparado a Nadal e Federer por exemplo (nem vou falar de jogadores de saque-e-voleio). Sim, o espanhol tem muito mais “mão” que o Djokovic. Se vira muito melhor em voleios, deixadas e smashes que o sérvio. Nem vou comparar com o Federer pois voleia melhor, tem muito mais sensibilidade perto da rede, smash e saque (e eu sou mais o FH do Federer e do Nadal que do Djokovic). Portanto o Djokovic está meio distante de ser tão completo como pensa.

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Pra início de conversa, para ser o mais completo não se avaliam apenas os aspectos técnicos, mas também movimentação, elasticidade/defesas impossíveis, resistência física, inteligência tática, força mental e versatilidade para jogar em qualquer piso. Já cansei de postar isso aqui. Djokovic dá uma surra no Fregueser em todos esses aspectos e ganha do Nadal em boa parte deles.

        Você aparentemente torce para o espanhol e eu vou discordar de você. Os principais fundamentos são saque, devolução, esquerda e direita e o sérvio dá uma surra nele nos três primeiros. Não dá nem pro começo.
        Já nos fundamentos eventuais, óbvio que o Nadal smasha bem melhor, mas em voleios e slice dá empate (nenhum dos dois é especialista) e sou mais o lob e o drop do Djoko. Na ATP Cup não faltaram drops magníficos do sérvio, inclusive contra seu maior rival na final. Se você não viu, eu recomendo.

        Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Tá explicado então, uai…

      WIMBLEDON:::: Federer 25 aces/ Boneco de Posto 10

      ATP FINALS:::: Federer 12 aces/ Boneco de Posto 2

      (Conclusão: Saque do Djoko melhor)

      Valeu aí por nos informar tão bem!

      Responder
    3. francisco

      odeio esse blog por causa desse paulo almeisa. parei muito tempo de acompanhar. voltei. e vc dalcim continua deixando esse mandar no seu blog. fui de vez. gostava. mas vc é dominado por ele.

      Responder
      1. José Nilton Dalcim

        A democracia exige conviver com os que pensam diferente ou gostem de coisas que não gostamos. Dizer que o Blog é dominado por este ou aquele é um absurdo. Aqui todos têm espaço desde que discutam tênis e tenham educação.

        Responder
  17. jhonny

    O australiano encurtou o braço após o 8 x 4 ou foi o Federer que elevou o nível não deixando margem para o mesmo fazer os dois pontos? porque as duas coisas são completamente distintas.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não acho que ‘encurtou’, mas ele saiu do padrão que adotou no jogo todo e arriscou. Depois que se salvou nesses dois pontos, Federer jogou bem.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Isso se faz para compactar os pelos da bola, quando o feltro fica ‘puxado’ demais. Muita gente faz. Não há nada na regra que proíba.

      Responder
  18. Helena

    Após esse jogo do Federer não consigo parar de lembrar do que ele falou no ATP Finals. Ele disse que todo ano as pessoas falavam sobre os novos jogadores que estavam chegando, mas que mais uma vez eram eles (big three) que terminavam o ano na ponta. Ao ver um jogo desses é fácil entender a razão. É um ode ao esporte ver um cara de 38 anos e que não tem que prmovar mais nada a ninguém, lutar e não desistir nunca. É como dizem, tem a diferença entre querer e QUERER.

    E eii, Dalcim. Nós tínhamos lembrado do Raonic, hein? Pena que não apostei dinheiro nele… hehehe
    Sinceramente, achei a vitória dele bem menos surpreendente do que suas boas condições físicas. Eu achava essa vitória bem possível, mas esperava uma resistência maior do grego. O canadense não sofreu um mísero break point e no melhor set do adversário ele atropelou no tie break. Espero que se mantenha saudável ao longo do ano.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Quando saca bem, Raonic fica um jogador muito difícil de encarar. E acho que devoluções ainda são um ponto que o Tsitsipas precisará evoluir, o que é bem normal.

      Responder
  19. Rubens Leme

    Toda a vez que vejo alguém da nextgen em Slams, acho que só vencerão algo mesmo quando os 3 se aposentarem, Dalcim. Mais do que falta de mental ou de físico, o que me incomoda é a displicência. Quando o Tsitsipas perdeu o primeiro set e perdia por 5/4 o segundo, eu já considerava o Raonic na outra fase. A falta de vontade, de alternativas táticas, de se empolgar com aquela loucura que os gregos faziam na arquibancada, me irritava. Nada o contagiava. Os dois canandenses também, mas erram pela questão de compostura. Sem falar no Zverev.

    Por outro lado, curti ver Cilic e o boneco de Olinda do Raonic jogarem bem. Agora teremos dois marretadores espancando a bola em um jogo de cinco sets.

    A molecada pode ter muito talento, mas falta muito em termos de compromisso. Às vezes acho que até a “lost generation” (Raonic, Goffin, Dimitrov) tem mais chances de vencer um Slam. Ao menos, estes caras lutam. Pode faltar tênis, mas se esforçam.

    Responder
    1. JAN DIAS

      Concordo com você Rubens, a NEXT GEN não tem ainda a tenacidade mental, a confiança e o sangue nos olhos que o BIG 3 tem.

      A verdade também é que o BIG 3 estabeleceu um nível muito alto de desempenho e qualidade, surreal até, o que nos fazem ser exigentes demais com os tenistas “normais”..

      Responder
    2. Daniel

      Rubens, um amigo meu sempre diz que nos últimos anos o esporte passou a pagar muito essa molecada. É uma vida de muitas viagens, dinheiro, festas e mulheres para jovens. E ao contrário dos esportes coletivos, não devem nada para ninguém a não ser para eles próprios. Ai quando algum mais talentoso descobre que consegue se manter no top 10 ou 20 de boa, fazendo várias oitavas e quartas (e alguns títulos de vez em quando), existe boa chance de se acomodar. Acho que faz sentido esse raciocínio. Federer, Nadal, Djokovic e Murray cresceram numa época diferente, acho.

      Responder
    3. Helena

      Acredito que seja pelo fato dessa geração ser mais infantil/imatura que a anterior.
      Da forma como eu vejo, é como se eles dissessem que querem alguma coisa (vencer um Slam/ser o número 1/ganhar do big three) e, por terem dito/desajarem isso, imediatamente acreditam que a merecem, então se frustram quando não acontece como eles esperavam. Sei lá, me dá a impressão de que quando o adversário não joga como eles gostariam, então eles se desconectam do jogo e já vão formulando o que dizer na entrevista pós jogo (em quem/no que jogar a culpa… hehehehe).
      Aliás, a última entrevista do grego ilustra bem isso. No lugar de fazer uma autocrítica, ele diz que o tênis é esquisito porque o outro jogador só tem um golpe (na visão dele), o jogo do outro é entediante ou não é possível jogar quando o outro saca de tal forma. Toda vez que leio essas coisas, penso em quantos jogos o Big Three deu um jeito de ganhar mesmo longe do seu melhor dia. Um tal “velhinho” fez isso nessa mesma rodada : )

      Responder
  20. PIETER

    Caro Dalcim, você acredita que essa maravilhosa, porém extenuante, partida do Federer com o Millman vai inapelavelmente cobrar um alto preço do suíço e impedi-lo de seguir mais longe neste AusOpen?
    Ao fim do jogo, na entrevista ainda em quadra, vi um esgotado Federer apresentar dificuldades até para expressar-se, algo inédito, principalmente para ele que é sempre muito falante e inteligente em suas declarações. O esforço mental, certamente foi brutal, especialmente para um veterano como ele…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, eu acho é que ele estava com a adrenalina ainda tão alta que não conseguia explicar muita coisa da partida, algo que acontece com alguma frequência. Mas sim, o risco de desgaste grande existe e teremos de esperar para ver. Federer costuma surpreender.

      Responder
      1. Rubens Leme

        Aquele segundo semestre de 2017, quando Dimitrov venceu o Goffin no Finals e chegou a 3 do mundo parecia ser o momento da virada daquela geração. Acho que eles tiveram o azar de pegar os Big4 no auge das forças e aí era impossível mesmo, mas eles tiveram esse brilho e alguns outros eventuais.

        Outro problema dos meninos de hoje é o excesso de dinheiro e ostentação. Kyrgios e Tomic, por exemplo, adoram esfregar que já são várias vezes milionários e podem fazer e viver como quiserem. Você imagina alguém desta geração brigando por marcas após os 30 anos como os atuais? Nem a pau, Juvenal.

        Kyrgios parece aquele jogador talentoso, mas que prefere ser boleiro e rodar 30 times na carreira e não ser ídolo em nenhum, um Diego Souza, digamos. Talentoso, faz gols, mas é temperamental, vive fora de forma e adora polemizar.

        Por isso, se tiver que aparecer um campeao fora dos 3, que seja esse pessoal que ficou anos na berlinda. Esses moleques não merecem tal honra ainda.

        Responder
  21. Ronildo

    Já estou começando a acreditar que quando o Big 3 se aposentar o número 1 do mundo será Raonic! KKKKKKKK

    Praticamente ninguém fora do Big 3 é páreo para ele por causa do saque. Teve um ano que o Kirgios tava detonando em Wimbledom. Foi só cruzar com Raonic que acabou pra ele.

    Responder
    1. Carcaça Velha

      O grande problema do bonecão são as lesões. Toda vez que parecia que ia engrenar uma boa sequencia, sofria lesão, foi assim em 2014 e 2016. Em um universo sem o big 4, ele com condições fisicas, seria o favorito em wb na minha modesta opinião.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Jogador tipicamente moderno, saca bem e bate muito forte dos dois lados. Gosta de tomar a iniciativa do ponto e sempre me pareceu ter uma boa cabeça, é brigador. Mas se mexe menos do que o Millman e as bolas baixas do Federer podem tirar esse jogo de ataque do húngaro.

      Responder
  22. Túlio Oliveira

    Foi maravilhoso ver a Serena Williams perder esse jogo. Postura extremamente arrogante e desrespeitosa para com a adversária. Quando ela viu que a Wang tava endurecendo o jogo no final do primeiro set, e muitas outras vezes durante a partida, soltava gritos super descontrolados e claramente para tentar intimidar a adversária.
    Djokovic foi impecável, uma rocha no serviço. Seus adversários que se cuidem!
    Millman deu uma entregada daquelas. Contra esses gênios do tênis não adianta ser frio durante quase toda a partida e na hora de fechar encolher o braço.

    Responder
  23. Miguel BsB

    Dalcim,
    Tirando o Kyrgios, obviamente, até pelo biotipo, tenho reparado que essa geração australiana joga muito ao estilo Hewitt…esse Millman e, principalmente, o DiMenor. Achas tb que ele tem/teve muita influência na formação dessa geração australiana?
    PS: Por meu gosto pessoal, preferiria que eles emulassem mais o estilo de outro campeão mais recente da Austrália, o Rafter rs. Mas, como sabemos, acabou-se o saque e voleio…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que depende muito do biotipo. O De Minaur claramente vai no estilo do Hewitt (até a estatura é semelhante). O Millman não é tão mais novo (oito anos) que o Hewitt, mas talvez haja sim uma influência. Já Kyrgios e Tomic jogam diferentes, porque são altos. De qualquer forma, Hewitt foi um campeão e um número 1, então natural que se siga seus bons exemplos.
      .

      Responder
  24. Rodrigo S. Cruz

    Em alguns momentos eu reparei que o Hewitt meio que passava instruções pro Milman.

    Tipo:

    Se ele perdia algum rally pro Federer, o Milman imediatamente olhava na direção dele e perguntava alguma coisa.

    E ele assentia com a cabeça, e em alguns momentos até dava nítida impressão de que respondia algo.

    Achei aquilo uma sacanagem com o Federer. Principalmente no quinto set.

    Alguém mais achou isso?

    Responder
    1. Evaldo A Moreira

      Eu achei Rodrigo , muito cinismo e cara de pau deles , o cara , o tempo todo dando aquelas risadinhas e olha que viu e observou em algum momento , mas esqueceram de avisar o Millman, quem é Roger Federer de fato rsrsrs, é que o pó to termina na última bola.

      Responder
    2. José Carlos

      pode até ser, mas acho que ele se dirigia sempre ao box para manter a energia alta. Não acredito que saíam instruções do box. É muito fácil os juízes todos perceberem.

      Responder
  25. JAN DIAS

    FEDERER venceu uma GUERRA! 🔥 e

    DJOKO jogou contra o VENTO! 🌬

    Se o suíço vai aguentar o tranco físico eu não sei (vai ter 2 dias de folga) só sei que ele lutou como um leão e merece todos os parabéns!
    VIDA LONGA AO REI!! 👑

    Responder
  26. Maurício Luís *

    Já vi uma porção de meninas consideradas prodígio: Chris Evert (semi do US Open aos 16), Andrea Jaegger, Tracy Austin… Mas a Cori Gauff me parece a mais surpreendente de todas. Espero que se mantenha livre de contusões, e aí com certeza deve permanecer no topo por muito tempo.

    Responder
      1. Maurício Luís *

        Ah, bem lembrado! Mas acho que a Gauff me surpreendeu até mais. Principalmente quando saiu de lucky-looser e levantou a taça no fim do ano passado…

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          A Hingis ganhou seu primeiro Slam de simples aos 16 anos e 3 meses e foi número 1 do mundo dois meses depois (já tinha ganhado duplas em Wimbledon aos 15 anos). Claro que Gauff pode quebrar essa marca se ganhar agora em Melbourne, porque fará 16 em março. Seles tinha 15 anos e meio quando fez semi em Roland Garros, que venceria 12 meses depois. Portanto, são dois fenômenos em termos de idade-conquistas que Gauff pode sem dúvida alcançar.

          Responder
  27. Vitor Hugo

    Novak é um bagre e está longe ser ser completo. Nunca fez um chip and charge, raramente faz saque-voleio, nunca devolve de maneira tática usando o slice, o que é até compreensível, pois seu slice é um dos piores do circuito além de ser horroroso esteticamente falando.
    Também não está sequer entre os 20 jogadores com melhor jogo de rede do circuito.
    O que faz ele ser um campeão é o fato de ter um físico privilegiado e o melhor do circuito, turbinado por “dopping tecnológico. E como tem um grande fosico, tem um mental forte também, pois sabe que jamais seu corpo o deixará na mão também.
    Claro melhorou muito o saque e tem a segunda melhor devolução da história, mas longe, muito longe de ser completo. Pois se tem um grande backhand, bom forehand, ótima devolução e bom saque, tem péssimo slice, smash e drop além de mediano no vôleio. Desequilibrado.
    Seu jogo feio e com alguns golpes toscos o caracterizam como um BAGRE ou AMEBA. Vcs escolhem.

    Responder
    1. Alessandro Siqueira

      Segue dizendo isso, Vitor Hugo. Tenho certeza de que, em algum momento, irá acabar se convencendo disso, a despeito dos números do sérvio. Faz mesmo muito sentido um bagre ter h2h positivo em relação a TODOS os jogadores com os quais jogou 10 ou mais vezes. Faz mesmo muito sentido um cara sofrível ter amealhado os 4 slams em sequência. É totalmente crível que um cara mediano tenha TODOS os Masters 1000, né?! Na boa, por que não um antipsicótico?! Até para paranoia há de ter limite.

      Responder
    2. Naira

      Vitor, boa noite. Gostaria que voce explicasse o que é “dopping tecnologico” no Tennis?
      Fiz uma rápida pesquisa e constatei duas situações no esporte. Uma no atletismo com uso do tenis da Nike VaporFly que confere vantagem para os competidores pois contém uma placa de fibra de carbono no comprimento de entressola de espuma, o que torna o tênis mais responsivo e com maior propulsão; e outra na natação com uso dos supermaios que era produzido com material que auxiliava a flutuação do nadador, tornando o deslocamento na água mais fácil e veloz. Após muita polêmica, a Federação Internacional de Natação (Fina) resolveu proibir o traje. (ver materia “Doping tecnológico?” https://jc.ne10.uol.com.br/blogs/vidafit/2019/11/10/doping-tecnologico-iaaf-investiga-tenis-produzido-para-longas-distancias/ ).
      Voce esta dizendo que o Djokovic esta usado uma super roupa especial que torna seu deslocamento mais rápido, ou um super tenis que o faz escorregar mais, ou uma super raquete que impulsiona mais a bolinha ou coloca mais spin, ou uma super lente de contato que facilita ele enxergar as linhas e os ângulos mais nitidamente? Por favor me explique o que é “dopping tecnologico” no Tennis?

      Responder
        1. Naira

          Roberto, boa noite. Se for este o caso, então seria um caso de dopping normal e não de “dopping tecnologico”, porém não é uma coisa nem outra, pois o uso de câmara hiperbárica, também chamada de oxigenoterapia consiste na aplicação de oxigênio puro, em ambiente controlado, que aumenta em até cinco vezes a circulação sanguínea. A aposta na oxigenoterapia como método adjuvante para prevenir as lesões, potencializar a recuperação e permitir o retorno mais rápido do atleta às atividades de rotina,tem ainda outro benefício: é uma conduta que não viola nenhuma regra do esporte. “Ela não é considerada doping”defende Dr. Adriano (ver matéria https://tribunademinas.com.br/especiais/publieditoria/10-06-2018/oxigenoterapia-com-mais-folego-para-vencer.html ).
          Entendo que a oxigenoterapia não é considerado dopping pois não há produção nem aumento de qualquer tipo de hormônio. Seria o mesmo que proibir atletas que treinam altas altitudes de praticarem esporte somente porque o nível de oxigênio no sangue deles é maior e portanto tem mais fôlego, tem mais resistência. No passado recente, muitas atletas mulheres ficavam grávidas antes da Olimpíada, porque havia um aumento natural de hormônios e depois dos jogos abortavam, neste caso foi considerado dopping. Mas no caso da oxigenoterapia não há hormônios envolvidos, portanto não é dopping. Eu ainda gostaria de saber o que o Vitor entende por “dopping tecnologico” no Tennis, porque dopping é um caso MUITO sério. Voce não pode acusar um atleta de dopping por pura leviandade. E se existe a prática de qualquer tipo de dopping o atleta tem que ser desmascarado e punido, vide os casos de atletas russos.
          Então, novamente, por favor, Vitor, me explique o que é “dopping tecnologico” no Tennis?

          Responder
      1. Luiz Fabriciano

        Ele fala da câmara hiperbárica, que de dopping não tem nada. Mas esse comentário dele e muitos outros, não merecem tempo de pesquisa nem resposta.

        Responder
    3. Naira

      Vitor, boa noite. O jogo de tenis sofreu uma mudança muito grande em relação aos dos anos 80 e 90. Pelos seus comentários imagino que voce seja um saudosista e entenda que essas mudanças não sejam uma evolução do esporte, mas fato é que aquele tenis do sec XX não volta mais por um único motivo, não existem mais quadras rápidas como as que existiam, e sinto muito lhe informar, a tendência é que o jogo fique cada vez mais lento, isto porque a TV vende espetáculo, o público quer comprar emoção. No tenis o emoção esta no rally, nas trocas de bola. Não existe emoção em aces. Lembro quando criança de assistir a jogos do Sampras onde cada saque era um ace, o mesmo do seu adversário. O jogo era um “porre” de se assistir. Hoje as quadras são emborrachadas, Até as quadras de grama são mais lentas, a grama é cortada um pouco mais alta. As bolas são mais pesadas para dificultar os aces e consequentemente facilitar o return. Consequentemente, esse jogo de chip and charge e saque-voleio deixou de ser uma estratégia de jogo em si e passou a ser uma estratégia de jogo pouco usual, somente usada quando se faz necessário para uma mudança de jogo, que hoje é predominantemente de fundo de quadra. Saque-voleio é usado quando se quer quebrar o ritmo de jogo do adversário. Com certeza o Djokovic não tem o melhor jogo de rede do circuito porém ele melhorou bastante, mas será que ele precisa ter o melhor jogo de rede do circuito uma vez que ele compensa com o seu jogo de fundo de quadra? Entendo que a melhor estratégia de jogo é a que permite ao jogador ser vencedor.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Compreendo seus argumentos em relação ao Doping , cara Naira . Mas realmente você era muito criança no auge de Pistol Pete Sampras e CIA . Dizer que era um porre Voleios e bate-prontos geniais junto à rede , com uma direita na corrida considerada talvez a melhor da história , diminuindo para Aces e mais Aces ? Tivemos duelos de tirar o fôlego na Grama Sagrada com muito toque e criatividade desde o fundo de quadra. Tanto agradava o público que o FINALS era disputado em pleno Madison Square Garden , na época de Borg , Connors , McEnroe e CIA . E’ um grande equívoco achar que essas trocas exageradas e’ o que mais agrada o público. A padronização trouxe verdadeiras passadoras de bolinhas pra WTA . Um duelo Martina ( Saque – Voleio ) x. Chris Evert ( Back de duas mãos de fundo ) , passava em TV aberta. E olha que não tínhamos DJs e dancinhas no telão. Na boa , tem jogos atualmente praticamente inassistiveis. Se você consegue , congratulações. ABS ! Ps. O AOPEN está sempre tentando deixar o piso mais rápido. Varios MASTERS 1000 , Idem . Abs!

        Responder
          1. Sérgio Ribeiro

            Grato, Dalcim. Esqueci do principal. E BORG botava a cara na rede quando precisava pra encarar o excepcional Saque – Voleio do BIG MAC. Estilos opostos em quadras rápidas, permitindo botar pra fora toda a capacidade de improvisação das grandes feras. ABS !

      2. Paulo Almeida

        Naira matou a pau no comentário, mas o fake não é saudosista e sim um novato no tênis, que viu seu ídolo apanhar muito do GOAT Djokovic. Daí tanta raiva.

        Responder
    4. Jean

      Clap Clap Clap Clap

      Pronto, dei minha contribuição nas palmas pro fake dançar.
      Marquinhos, ou Renato ou Johnny ou Vitor Hugo ou sei lá o quê, você usa algum algoritimo pra decidir com qual fake postar ou escolhe dependendo do humor mesmo?

      Desculpa Dalcim, sei que é dificil gerenciar um blog desse tamanho, mas esses caras estão cada dia mais chatos. O bom é que ainda têm pessoas que comentam decentemente e contribuem para o bem do blog. Já esses outros aí…

      Responder
  28. DANILO AFONSO

    Nobres, segue abaixo mais algumas estatísticas:

    NÚMERO DE DUPLAS-FALTAS NA CARREIRA

    POSIÇÃO -JOGADOR – QUANTITATIVO
    01 – VERDASCO – 3759
    02- IVANISEVIC – 3546
    03- ROSSET – 3422
    04- KAFEINIKOV – 3413
    05 – TOMMY HASS – 3300
    06 – ENQVIST – 3261
    08 – FELICIANO LOPEZ – 3113
    12 – FEDERER – 2730
    22 – NOVAK – 2386
    37 – MURRAY – 2131
    57 – NADAL – 1839
    132 – G. KUERTEN – 1255

    Verdasco é o recordista absoluta de duplas-faltas, mas é apenas o 110º quando focamos no percentual. FEDERER que está na 12º posição em número absolutos, figura na 525º posição na estatística voltada ao percentual de duplas-faltas, menos da metade do espanhol Verdasco.

    PERCENTUAL DE DUPLAS-FALTAS NA CARREIRA

    POSIÇÃO -JOGADOR – PERCENTUAL
    01 – HENRIK HOLM – 8,42%
    20 – JAIME ONCINS – 6,23%
    29 – SHAPOVALOV – 6,08%
    48 – FELIX ALIASSIME – 5,70%
    76 – ALEXANDER ZVEREV – 5,27%
    110 – VERDASCO – 4,95%
    148 – MEDVEDEV – 4,58%
    203 – NICK KYRGIOS – 4,27
    238 – FELICIANO LOPEZ – 4,10%
    426 – MURRAY – 3,20%
    449 – G. KUERTEN – 3,05%
    464 – DJOKOVIC – 2,95%
    525 – FEDERER – 2,44%
    539 – NADAL – 2,19%

    Eu não imaginava que o Shapovalov tinha um percentual pior ao seu compatriota FELIX ALIASSIME que por várias vezes lemos o Dalcim citar a sua irregularidade neste fundamento.

    Não inclui na última relação jogadores entre a 2º e 19º posição porque eram jogadores desconhecidos que não estão na ativa.

    Responder
  29. Antônio Luiz Júnior

    Dalcim, uma pergunta que não quer calar, você acha que o fato do Tsitisipas ter vencido o seu jogo contra o tenista alemão Kohlschreiber na segunda rodada por WO, prejudicou o seu desempenho contra o excelente sacador canadense Milos Raionic ou não teve maior influenciano resultado? Ele em certos momentos ele me pareceu muito sem ritmo de jogo.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu escrevi nesse dia que não achava que um w.o. tão no início do torneio fosse algo bom. Mas é impossível afirmar que tenha relação direta com a derrota.

      Responder
  30. Marco Cordon

    Serena é grande campeã, isso é indiscutível. No entanto ela não me desce. Só sabe marretar a bola tanto no saque, quanto no forhand e backhand. Sua força é incomparável no circuito feminino e só por isso ganhou tanto. É um desastre taticamente, em variação de jogo e golpes, não tem vários fundamentos como slice, voleio, smatch e jogo de rede. Péssima movimentação. Ainda por cima fica fazendo cara de caganeira quando esta perdendo. Parece que a cada bola para fora, ela tem que ajoelhar e lamentar como se tivesse perdido o jogo. Joga para a galera! Em fim..ela não me desce.

    Responder
    1. Willian Rodrigues

      Penso da mesma forma! Acho Serena um tanto quanto soberba…
      De fato, ela teve que suportar inúmeras manifestações de racismo no início da carreira, mas isso não pode justificar tanta marra.

      Responder
  31. Daniel

    Essa rodada quase foi tenebrosa pra qualidade tenística do torneio. Se o Federer fosse eliminado junto com o Tsitsipas, só sobraria o Fognini como tenista talentoso ou com estilo mais interessante na chave. Mas fiquei pessimista: acho que o Federer vai sentir o desgaste e pode ser eliminado pelo ótimo Fucsovics. Pelo menos teremos no mínimo mais uma rodada com tênis bem jogado.

    Do outro lado da chave, acho que o bom tênis fica por conta do Thiem. Gosto do Medvedev e torceria pra ele ficar com o título se não for o austríaco, mas ele tem um jogo feio de doer. Mas é engraçado ver o russo deixando o Djokovic ofegante jogando no estilo paredão do maratenista sérvio kkkk. Pode ser que a experiência ainda ajude o Djokovic, mas muito em breve ele não vai aguentar a intensidade física dos mais jovens. Acho que esse ano é o último de mamata kkkkk

    Responder
  32. JOSE ALBERTO BAPTISTA SANTOS JUNIOR

    Fundamental dar todos os méritos à Millman pela consistência em devolver sempre contra atacando quando possível era. Sacou bem, errou muito pouco. Federer jogou demais, pois enfrentou um adversário jogando a 100% de seu jogo, e arranjou um jeito de sair com a vitória. Grande jogo. Parabéns ao Millman, parabéns ao Federer.

    Responder
    1. Willian Rodrigues

      “Federer jogou demais!” Concordo com seu argumento, se estiver analisando suas possibilidades aos 38 anos de idade… Realmente tiro-meu-chapéu para esse craque, embora eu torça sempre contra o mesmo, em quaisquer circunstâncias.
      O número de ENF foi excessivo para os padrões do suíço!
      MILLMAN perdeu essa partida, isso sim!! Uma verdadeira entregada! Como alguém pode mudar uma estratégia de jogo que o conduziu a um quinto set com break acima daquela maneira??!! Permitiu 6 pontos consecutivos do suíço, justo na Hora H. PQP!! Vai ter sorte assim lá na Oceania!

      Responder
  33. Sérgio Ribeiro

    Já tínhamos a expectativa do “ dia das bruxas “ no comentário do dia 23 as 18 horas e 38 min. E não deu outra . Inclusive as dificuldades de Federer contra um Millman sem nada a perder . O Suíço sabendo das condições mais lentas noturnas , abusou de ir mal na tática. Caiu como um Next Gen no jogo do Australiano. Uma interminável troca de bolas , sem um motivo plausível. Nas poucas vezes que agrediu mais e improvisou , levou vantagem. Raonic batendo Tsitsipas em Sets diretos ? Serena e Osaka caindo pra oponentes que não tiraram mais de três Games no USOPEN ? Acho que ainda vem mais por aí. Outro fracasso da Next Gen parece iminente . Hexa Campeão do AOPEN com 100 Vitórias e Octa em WIMBLEDON com 101 , com tudo isso , acho que Roger Federer fez bem em vir até os 38 na ativa. O Tênis agradece . Abs!

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Ps. Serena sempre encontrou grandes batalhadores de fundo e mesmo assim atropelava. Seu atual péssimo jogo de pernas ( chega sempre muito atrasada ) , a faz ficar totalmente dependente do primeiro Serviço. Aos 38 , o tão sonhado último SLAM parece muito improvável. Abs!

      Responder
      1. Willian Rodrigues

        Corpo feminino sofre inúmeras transformações devido à gestação.
        Para alguns biotipos, o retorno a uma condição semelhante à anterior é mais fácil.
        Serena Williams dificilmente voltará àquela movimentação que já teve há alguns anos.
        “Busanfa” tá ainda maior, ossos do quadril sofrem mudanças de inclinação para acomodar o concepto e isso também traz reflexos para a coluna. As balanças e o equilíbrio se alteram um pouco. Sei não viu, mas também acho que será difícil ganhar outro slam.

        Responder
  34. Evaldo Medeiros

    Dalcim, desculpe a ignorância e se estou desatualizado, mas eu vi a partida inteira o Millman dialogando com o Roddick. Aquilo é permitido?? Não é violação da proibição do “coaching”?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Você diz o Hewitt. Não é qualquer problema, ele pode falar à vontade desde que o Hewitt não responda absolutamente nada para ele.

      Responder
  35. jorge nicolas andraos junior

    Grande Dalcim, é exatamente essa a diferença entre os genios dos normais, que amarelada do millman, 8×4, 2 saques e foi tudo embora.
    Ja estou aguardando as semis, prometem muito.
    Abração aqui do povo do MT, estamos sempre ligados aqui no seu blog e nas partidas comentadas.

    Responder
    1. Felipe

      Kkkkk
      O zion jogou muito na quarta-feira contra o spurs.
      O pelicans merecia ter ganho a partida. Pena que o zion foi para o banco a 5 minutos do fim (recomendação médica).

      Responder
  36. Miguel BsB

    Realmente a zebra passeou nessa rodada…Só consegui ver um pedaço do jogo da Serena.
    Como é difícil acompanhar ao vivo o AUSopen! rsrs
    Vou falar um pouquinho do feminino, que também acho abaixo dos jogos masculinos (sorry ladies). Nem tanto pela diferença física ou quantidade de sets, mas sim porque tenho achado o circuito feminino cada vez mais parecido, com jogadoras com jogos muito parecidos, com pouca variação, e com raríssimas jogadas de qualidade junto è rede (muito raro mesmo alguma jogadora que goste de ir à rede e voleie bem…) A última que me enchia os olhos era a pequena notável Henin…
    Somente uma jogadora da atualidade é capaz, por seu tênis rs, de me fazer deixar um jogo masculino e assistir a um feminino. E é justamente a nº 1 Ash Barty! Tem um jogo que se destaca das outras…tem variação, muita técnica, trabalha muito bem com os slices e gosta de botar a cara na rede. Aliás, outra que não tem grande estatura e nem muita força física, como a pequena Justine…
    Hoje, torço por ela no feminino!

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Onde assino , Miguel. A N 1 tem todos os golpes e variações. Um Serviço mais contundente a faria não largar mais o Topo. Sobre o papo do N 1 com Back de uma mão, assino também que as melhores chances são do Grego. Não vejo uma possibilidade de precocidade a lá Nadal . Mas aos 23 , mesma idade do Craque , acho que pode estar brigando firme pela ponta. Ainda vai oscilar muito até lá. Mas como Dominic Thiem faz muita força para jogar , somente Shapovalov lá pra frente pode vir a atrapalhar a nossa profecia rsrsrs Abs!

      Responder
  37. Luiz Fabriciano

    Sobre o jogo do Djokovic hoje e seu post, estou achando ele bastante eficiente em seu serviço. Já que os tenistas têm 25 segundos para sacar, nada mau quando se fecha um game em apenas 45″, certo?

    Responder
  38. Rafael

    Que sexta feira!
    Mestre, será que esse esforço todo do Federer não pesará na próxima rodada? Além disso, parece-me que o Djoko está focadíssimo e com o saque muito apurado!
    Mestre, o que esperar das próximas rodadas do Big 3?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Espero dificuldades, mas não derrotas. Para Federer, fica a questão da recuperação física, mas ele se cuida muito bem e tem uma arma importante a usar contra o Fucsovics, que é o slice.

      Responder
  39. Luiz Fabriciano

    Dalcim, obrigado pela resposta sobre o nome da Na Li no post passado. Era assim mesmo que eu achava que era, mas alguns veículos invertem a posição.
    Outra questão: A ESPN não tem mais narradores brasileiros? Estou assistindo os jogos em dois canais da emissora e todos os narradores e comentaristas são americanos, coisa que até o ano passado não via.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Na cultura chinesa, o sobrenome é usado antes do nome, por isso que lá se grafa ao contrário, ou seja, ela é da família Li e se chama Na. Essa não entendi. Será que seu botão de áudio não está invertido? A transmissão só está em inglês nos jogos mostrados na Internet.

      Responder
    1. mauricio

      o cara tem 38 anos, é 3º do mundo, ganha 4, 5 torneios de alto nível por ano, sempre chega nas rodadas finais de GS com chances de ganhar…
      sem dúvida deveria se aposentar..

      Responder
  40. Antonio Gabriel

    Da pra dizer sem medo que esse dia foi LOKO no AO, em quase terminou insano com a quase derrota do Mestre dos magos do tênis, mas no final podemos dizer que o Millman não conseguiu fechar o jogo, mas gracas tambem a tenacidade de RF. Resultados loucos que monstram o quanto tênis é fantástico e depos de hoje já nem coloco Djokovic tão favorito asssim, apesar dele estar voando até agora, terá que ter muita paciência no próximo jogo e o FedEx tem que pôr as barbas de molho heim, mas depois de hj acho que ele está vacinado. Kkk Vamos vê se a rodada de hj vai ser digamos normal e poderemos ter o jogo do campeonato (Kyrgios x Nadal na Australia). É esse “juvenil” de 15 anos heim, é muito cedo pra falar ou fazer previsões, mas Dalcim, pela evolução da Gauff até onde acredita que ela pode chegar no circuito, se não se perder no Glamour das vitórias?

    Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Pois é, Dalcim . Serena foi enfática ao afirmar que seu nível aos 15 , é muito melhor que o dela na mesma idade. Acho que realmente estamos vendo o surgimento na WTA de uma nova futura N 1 do Mundo. Lembrando que a atual é uma jogadora de altíssimo nível. Abs!

        Responder
  41. Antônio Luiz Júnior

    Dalcim, seu blog está cada dia melhor, meus parabéns mais uma vez, muita informação, análises muito criteriosas, comentários muito pertinentes. Djokovic foi sem dúvida o grande vencedor da rodada. Bautista Agut e Tsitisipas surpreendentemente eliminados e quase Federer foi junto. Vale lembrar, que o desgaste físico e mental do suíço foi enorme e pode pesar significativamente nos momentos decisivos.
    O sérvio simplesmente varreu o sempre esforçado canhoto japonês Nishioka, que não viu a cor da bolinha durante todo o jogo. Atuação maiúscula, impecável e acima de tudo determinante. Estabeleceu para todos os concorrentes em que patamar se encontra o sarrafo para destroná-lo. Por tudo o que já vimos até o momento, é difícil eleger alguém que possa fazê-lo, apesar de toda a imponderabilidade de um jogo de tênis.
    Com relação a vitória de Federer, e sem desmerecer o suíço, sempre um gigante, principalmente nos momentos decisivos, acho que Millman colaborou muito para a vitória dele. Com 8 x 4 no placar, num tie break de 10 pontos, é impensável perder 06 pontos consecutivos, e entregar de mão beijada uma vitória pelo qual lutou muito dentro de quadra, com um plano de jogo muito bem definido e que inexplicavelmente tentou mudar, não sabemos porque, faltando apenas dois pontos para o triunfar sobre o suíço.
    O complemento da terceira rodada (na parte de cima da tabela) vai nos apontar se ainda teremos outras surpresas. Nadal e Medvedev precisam melhorar consideravelmente, para ao menos sonharem em derrubar o sérvio numa final, neste momento, diria que Djokovic se encontra numa posição privilegiada, numa condição física e técnica que o tornam quase imbatível na Austrália este ano.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Millman entregou menos que o Craque para Novak em Wimbledon, caro Antônio. Ele não teve dois Match Point. Novak mantém o favoritismo com justiça mas sem esse papinho de sarrafo. O jogo apresentado pelo Japa foi lamentável. . Dieguito vai fazer o Sérvio suar bastante e exigi-lo bem mais a fundo. Digamos que o baixinho possa dar uma de Millman com milonga rsrsrs Abs!

      Responder
  42. Hendrix

    Olá Dalcin. Acordei hj com a ótima notícia da vitória do Federer, já que estou a caminho de Melbourne para mais um fim de semana feliz de tênis pelo terceiro ano seguido. O problema é que para amanhã tenho sessão diurna na RLA, então a pergunta pra ti é: quem você acha que colocam nela, o Djoko que vem sobrando, ou o Federer que vem de uma maratona? Se for a primeira opção vou tentar trocar para a noturna…ver o suíço é bem mais legal.

    Responder
  43. Matheus Lago

    Mais um recorde para o Federer, os três dígitos no Australian Open não poderiam ser mais especiais do que uma boa dose de superação, a Guerra que foi esse confronto com o John Millman quase foi o ponto final do helvético nessa edição do Australian Open, pensei que seria. Federer passou por adversidades, mas soube se manter calmo para tomar as decisões que, embora falassem muitas vezes, foram importantes para sua Vitória hoje: a variação com slice no backhand, subidas à rede e rebatidas com diferentes profundidades fez bem ao suíço, sem desconsiderar que o Millman vacilou no supertiebreak no 5° set também quando tinha 8 a 4.
    Agora é se recuperar para enfrentar Marton Fucsovics, a boa notícia é que em termos de ranking ele já defendeu todos os pontos do último Australian Open e depende de si para não ser ultrapassado pelo Medvdedev.

    Responder
  44. Rodrigo S. Cruz

    O Federer precisa aproveitar muito essa DÁDIVA que recebeu hoje.

    Pra mim, não foi ele quem venceu e sim o Milman quem perdeu.

    Quando vi o suíço tomar o segundo mini-break do chatissimo Milman, praticamente tentando se livrar do ponto eu disse:

    “JÁ ERA!”

    Mas aí foi o Milman que sentiu medo de ganhar e levou uma virada impensável.

    Agora acredito que o Federer entrará muito mais focado diante do Fucsovics, e de novo tem tudo pra encarar o Djokovic na semi.

    Mas vai ter de elevar o nível como fez em Wimbledon para não ser tratorado pelo sérvio.

    Milman é o Djokovic piorado. Na semi, o Federer vai encarar o verdadeiro.

    Responder
  45. André Barcellos

    Federer tava preso o jogo todo. E meio parado das pernas mesmo.
    Milmann, no entanto, não teve nada com isso e jogou magistralmente. Muito rápido e inteligente.
    Nitidamente hoje foi um jogo muito físico pra alguém de 38.
    Fed Escapou por milagre.
    Se não se recuperar fisicamente (e tecnicamente, depois de jogar tanto sob pressão) acho que não passa do Fucsovics.

    Responder
  46. Nattan Lobatto

    É, srs… O velinho teve que suar e contar com a amarelada do jogador australiano. Creio que sai mais forte dessa partida, apesar do desgaste físico, a conferir…

    O devorador de mundos, comedor de fígados, domador de touros e regicida, NOVAKING, passou com facilidades e terá pela frente o encardido jogador hermano… Tomara que atropele, tô ansioso por essa semi diante do suíço.. Será um jogão…

    Federer, pare de nos assustar, queremos vc na semi.. Assistir de camarote a 2ª maior rivalidade da história do tênis ñ tem preço… A 1ª perdeu a graça, é Djoko surrando o Touro…

    abs

    Responder
      1. Nattan Labatto

        Rsrsrs

        Relaxa, Vitor… A hora da onça beber água se aproxima, faltam apenas dois jogos! Se ND e RF confirmarem, prepare a pipoca que teremos um espectáculo na central… 😎

        Estarei, como sempre, torcendo para que o sérvio saia com o fígado do Leão entre os dentes…

        Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Pois é, Nattan.

      E devo confessar que prefiro mil vezes ver o Federer chegar numa semifinal de Major e perder pro Djokovic, do que cair fora logo na terceira rodada e para um tenista muito menos qualificado do que ele…

      Ganhei o dia!

      (rs)

      Responder
      1. Nattan Labatto

        Com certeza, Rodrigo!

        Hj o Federer teve dificuldade em encontrar a tática e ritmo certo (a). Méritos do Millman que ñ baixou o nível, tirando, é claro, a amarelada no tiebreak decisivo…

        Gosto dos grandes jogos, tem uma atmosfera diferente, e se for para perder, que seja para jogadores do gabarito da lenda RF…

        Bora q só faltam 2 jogos para o tão aguardado embate… 💪

        Responder
  47. Silvio

    Dalcim, se é que é possível. Em termos percentuais, esse sufoco do Federer se deve quanto ao desempenho do próprio Federer e quanto ao desempenho do Milman?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, é bem difícil equalizar isso, Sílvio, porque o tênis é como uma gangorra, em que um acaba influenciando diretamente o outro. Mas eu daria 60% ao excesso de erros do Federer e 40% ao tênis muito bem jogado do Millman.

      Responder
  48. Paulo Almeida

    Murray venceu 11 partidas muito importantes contra o Djokovic e vendeu muito caro várias derrotas, como aquela do Aussie 2012. Além disso, tem um currículo invejável conquistado na era mais difícil do tênis, com 3 GS, 2 ouros, 14 M1000, 1 Finals e 1 ano fechando como número 1.

    Se para o adorador de bagres isso é pouco, então o pobre Fregueser não tem NENHUM Slam pesado! Quer saber? Aquele Djoko de Wimbledon 2012 já não era tão bom quanto o de 2011 e o Nadal do AO era meia-bomba voltando de lesão.

    Zero Slam parrudo!

    Responder
      1. Paulo Almeida

        Bom, aí ele teria que fazer o mesmo com o Vitor Hugo, Rodrigo Cruz, Daniel, Pessanha e vários outros membros fanáticos e/ou sem noção aqui do blog. Para esses você simplesmente faz vista grossa.

        Well, it’s not gonna happen anyways.

        Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Mas puxa vida, hein!

      Estamos todos aflitíssimos, arrancando até os cabelos da cabeça com a tua definição sobre ” Slam parrudos”.

      (rs)

      E claro, sem deixar de pontuar que:

      isso vem do homem mais “parrudamente” confiável, isento, conhecedor de tênis, e IMPARCIAL do planeta.

      Sobretudo quando avalia o Federer!

      kkkkkkkkk

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Até meu filho de 27 , passou a dar risadas com as suas incoerências . Partidas “ épicas “ em 2012 , e perdendo o N 1 tomando Pneu de Federer em Cincy 2012 . Na boa , da’ um tempo cara. Abs!

      Responder
      1. Paulo Almeida

        A final do AO 2012 foi a melhor partida de todos os tempos, seguida pela final de Wimbledon 2019 (essa mais por ter sido um jogo extremamente tenso). Aquela final de WB 2008 foi bem ruim: basicamente Nadal mandando balão no backhand 5/10 do Frauderer.

        Responder
    3. Evaldo A Moreira

      O post todo do Federer , claro com menção de outros tenistas citados pelo Dalcim, aí vem tu falar de Murray e as parrudagens!? Kkkkkkkkkkkk
      É amor demais….kkkkkkkkkkkkk, é Mestre é dose pra Leão aturar um disco arranhado rsrsrsrs

      Responder
  49. Marcelo-Jacacity

    Apesar de ter jogado um desnecessário terceiro set, Wang está de parabéns. Conseguiu esquecer as chances perdidas e despachou a Williams que estranhamente quando está perdendo aparenta que está quase chorando com caras e boca a la novela mexicana.
    Fico triste pela Wozniacki, mas tenho certeza que o David Lee a convencerá a retornar ao tênis, talvez não tão em breve. Afinal, ela possui apenas 29 anos. Só precisa arejar a cabeça e depois voltar só para curtir.
    A dinamarquesa não tinha um estilo muito vistoso, mas era inteligentíssima em quadra. N.1 com Slam.

    Responder
  50. Miguel BsB

    Estou lendo alguns comentários do post anterior direcionados a mim e estou respondendo-os aqui…

    Pessanha, sobre a comparação do BH do Federer e Wawrinka, penso assim:

    O Backhand é dividido em 2 golpes, o Batido/Topspin e o Slice…o BH topspin do Stan pra mim é o melhor que já vi de uma mão. Melhor até que o do Guga, que pra mim é o segundo da História. O do Federer deve ser top 05. Atacam mais o BH do Federer pq é ali seu ponto “menos forte”, com certeza…atacar o back do Wawrinka indiscriminadamente é suicídio…
    Inclusive, se Federer tivesse o Backhand do Stan acho que talvez tivesse ainda mais títulos de Grand Slam e talvez mais um Roland Garros, inclusive.
    Como disse o Sérgio Ribeiro, a devolução de BH do Federer é melhor, pq ele consegue devolver bem com Slice, o Stan não, bloqueia, o que eu acho um ponto fraco no seu jogo…
    Já o slice de BH, o do Federer é muito melhor do que o Stan, com certeza o melhor que eu já vi…
    Mas, no fim das contas, ainda acho o Back do Stan melhor.

    Responder
    1. Barocos

      Aquela final de Roland Garros contra o Djokovic que o diga! Eu ficava gritando para o Djokovic: “Pára de mandar a bola no backhand do Wawrinka, pô !”, mas o sérvio não me ouvia.

      Acho que talvez seja porquê eu estava assistindo o jogo aqui no Brasil, pela TV. 🙂

      Responder
  51. ANTONIO JOSE SANTOS DA SILVA

    Prezado,

    Se eu tivesse a oportunidade de fazer apenas uma pergunta ao Suiço, perguntaria:

    Porque você nunca saca no corpo do adversário? É um saque tão eficiente e você não usa nem como variação… Ou saca aberto ou fechado 99,99% das vezes…

    Já percebeu isso amigo Dalcim? Chega a ser irritante…

    Abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, já foi objeto de discussão e eu concordo com você. O saque sobre o corpo, principalmente contra o backhand de duas mãos, é muito importante.

      Responder
    2. Paulo F.

      Que é um saque exímio do Djokovic, principalmente no segundo serviço.
      E ainda dizem que é um bagre…
      Mas questão técnica, ainda mais se tratando de Federer, com certeza não é.
      Com certeza deve ser culpa de sua já conhecida e tradicional teimosia…

      Responder
    3. André Barcellos

      A única explicação plausível é: ele não sabe.
      Rsrs
      Falando sério, ele sabe tudo de saque. Realmente não entendo.
      Pode ser que saque de vez em quando e a gente não perceba porque o devolvedor não se incomode tanto a ponto de a gente notar.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Ele somente perde pra Karlovic e Isner em número de Aces na era Profissional. Deixou Goran Ivasinevic e Pistol Pete Sampras pra trás . Deve saber o que está fazendo embora todos em idade avançada, tem sérios problemas nas Costas. Eu também acho que se pouparia sacando no corpo. Abs!

        Responder
  52. Chetnik

    Dia excelente. Djoko voando, Balaozniacki fora e aposentada – sua falta não será sentida -, mamute eliminada e o bode passando vergonha com o Millman novamente, kkkk.

    Sem contar o Tsitsipas, que “certamente” eliminaria o Djoko, tomando uma surra do Raonic, kkkk. O poeta do fórum sempre se superando, kkkkk.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Mas os federistas ganharam o dia.

      Meu grito de comemoração aqui quando vi o Federer vencer em 10 a 8 foi efusivo!

      Minha mãe ficou até assustada. (rs)

      E acho que dos males o menor:

      Se o Federer tiver que perder que seja pro Djokovic e não pro Milman.

      Responder
      1. Barocos

        Rodrigo,

        Você é o primeiro Federista que ouço dizer isso, a maior parte prefere ver o Federer sair antes do torneio a perder para o Djokovic.

        Torço pelo ND mas, antes de tudo, torço para que o resultado premie o atleta que mais mereceu. Na maior parte dos embates entre o Djokovic e o Federer, para falar a verdade, qualquer dos resultados seria justo. Nestes casos, claro, fico feliz quando o Djoko ganha.

        Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Passando vergonha , caríssimo P . Almeida digo Chatonik ? O Suíço não era o cara que teve a mente destruída pelo Sérvio no 40 x 15 . Não foi o que vimos no FINALS contra o mesmo destruidor e ontem quando perdia a chance das CEM no AOPEN 2020 rsrsrs Abs!

      Responder
  53. bruno

    concordo plenamente,Federer oscilou muito na partida,mas o que eu gostei foi a atitude,nao desistiu,como ja aconteceu outras vezes, e tambem nao acho que essas 4 horas irao influenciar no restante do torneio,o que acha Dalcim?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Nunca sabemos exatamente como está o físico do tenista, Bruno. Muito menos um que caminha para os 39 anos. Mas tomara que ele se recupere.

      Responder
  54. Rafael Prado

    Seria uma pena o Federer sair na terceira rodada, mas a verdade é que ele deveria ter perdido esse jogo. Virar um tie-break onde estava perdendo de oito a quatro e ganhar por 10 a oito é mérito exclusivo do adversário. Vamos ver como ele vai reagir para próxima partida, torço para que dê a volta por cima e vai até final!

    Responder
  55. Marcelo-Jacacity

    Importante salientar: Djokovic jogou demais! Foi praticamente perfeito, sacando muito! Mas na próxima rodada tem Dieguito que é muito perigoso e não tomou conhecimento do Lajovic.

    Responder
  56. Marcelo-Jacacity

    Que dia! Estava torcendo para que os jogos femininos fossem rápidos. E não é que a Wang se enrola e não fecha o jogo no 2º set contra a Williams. Uma hora perdida e fez com que o jogo do Djokovic com o Nishioka, começasse tarde, aí o meu sono foi pro espaço e assisti a grande vitória do Raonic fazendo o Tsitsipas ficar desconfortável o jogo inteiro. Antes o jogaço do Agut com Cilic e na hora do vamos ver no 5º set a Espn muda para o joguinho entre Osaka x Gauff. Ninguém merece. Aí assisti até a metade do terceiro set do clássico entre o poderoso Milmann x Federer, aí finalmente fui dormir com a certeza que o suíço deslancharia após vencer segundo set e venceria em 4 sets. E não é que para a minha surpresa o menino Roger, o incansável, saúde e físico privilegiados, finalizou a partida após 4 horas de jogo em um super-tie.
    Rodada incrível!

    Responder
  57. Luis

    Dalcin boa tarde mestre!. Apesar de teoricamente ter sido beneficiado pela chave, com Federer não da pra projetar mais nada! É jogo a jogo! Nós, torcedores do Federer agora estamos com receio do Fucsovics! Quem diria! Pergunta pra vc mestre: qual o seu palpite, Federer vai ganhar moral ou esse jogo minou fisicamente?. O que vc acha mais provável? Abraço

    Responder
  58. Paulo Almeida

    DjokoGOAT foi arrasador contra o Nishioka, São Raonic limpou a chave mais uma vez para o rei do tênis, Cilic também ajudou e Frauderer ganhou na cagada do super carrasco Millman. Segundo as jaguatiretes sem noção, ganharia o torneio sem perder sets, kkkk. Nunca aprendem!

    E o Ronildo mais uma vez errando nas suas previsões fatidicas! Tripas precisa comer muito arroz com feijão pra vencer um Slam ainda.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Na tua visão é assim.

      Na minha, o Milman foi um pouco superior e perdeu porque vacilou.

      Além disso, um cara que diz que o sempre aguardado Fedal não é rivalidade, não merece lá muito crédito…

      Responder
  59. Nando

    Péssimo jogo do Federer. Mto errático.
    Com ctz respeito a esse Millman, mas ele e só mais um maratenista, passador de bolinha.
    82 enf do Federer…82!
    Ao menos na teoria “serviu pra treinar o mental e como se manter no jogo em situações mto adversas”. Foi o dia de zebras mesmo…e a zebra suíça passou.
    100v no AO…único homem a ter 100v no mesmo Slam, agora ele tem 100v em 2 Slams. O siri pode chegar a 100 em RG se for campeão ganhar tds os 7 jogos.
    Agora o q Federer precisa é descansar e rever o tape desse jogo.

    Responder
  60. GUSTAVO DE ALMEIDA

    Ufa ! Rodada maluca.
    Que susto, Federer!
    Próximo jogo também é pedreira e 4h causam desgaste indubitável.
    O Húngaro joga um bolão já há uns dois anos e dá trabalho pra todo mundo. RF precisa ganhar o primeiro set.
    Q decepção com o Grego…bem q vc avisou acerca de ser bom ou não um WO nas rodadas iniciais,hein, Mestre Dalcim?
    Chave agora ficou bem aberta pro Djokovic.

    Responder
  61. Ricardo - DF

    Millman é certamente um bom jogador, mas não deveria incomodar dessa forma o Federer se este jogasse 70 a 80% do que sabe. O que se vê é uma pane mental geral, que baixa com mais intensidade no suíço em alguns momentos, como no décimo game do primeiro set onde, depois de quebrar o aussie, entregou o game e o set com quatro erros não forçados.

    Por algum motivo o suíço amarela diante do Millman. Ele mesmo reconheceu para o Courrier que em nenhum momento se sentiu confortável. Certamente o estilo de jogo atrapalha, mas existe também uma imensa falta de confiança que provoca um enorme número de ENF. Não se vê as bolas nas linhas, que o suíço distribui à rodo contra o Nadal, por exemplo.

    Millman vem de várias derrotas, contra Berankis, Pospisil, Rublev (uma surra). Quem viu Agut x Cilic poderia apostar numa vitória tranquila de qualquer um destes sobre Millman. E Federer joga muito melhor contra eles. Vai entender…

    Responder
  62. André

    Incrível como alguns tenistas não tão bem rankeados acabam dando trabalho para os BIG3… o Milman é pedra no sapato do Federer, o Augut do Djoko e o Fognini do Nadal, para citar apenas alguns exemplos… Agora, vejo Djoko com caminho fácil, pois sempre dominou facilmente os saques do Raonic e também nunca teve problemas com o Cilic. O Argentino deve dar mais trabalho, mas não deve ganhar. Para o Federer, também vejo que o pior passou, pois os 3 que restaram nunca ganharam dele e o Fognini não tem um jogo que o incomode. Em 2017 ele foi aos trancos e barrancos, com 3 jogos até o 5 SET… a final de WB deve se repetir mesmo!! O outro lado parece mais imprevisível… tem gente que já conseguiu derrotar e incomodar o Nadal. Se o Stan controlar a cabeça e ganhar do Isner (o suiço me parece que tem freguesia contra o americano), o considero com mais bagagem e experiência para estar nas Semis ali e tirar o russo.

    Responder
  63. Miguel BsB

    Rodrigo, acho a Letícia Sobral a melhor comentarista desses novos, mas o sotaque carioca puxadíssimo dela é de laixxxcar rs…Acaba muitas vezes tirando a atenção do comentário em si e eu me perco nessa chiação toda…Nada contra os colegas cariocas, adoro o Rio e minha mulher é de lá, mas ela não fala esse carioqueixxx puxado da Letícia não…
    Também acho o Guem um bom comentarista.

    Responder
      1. Miguel BsB

        Não é bairrismo não, caro Pessanha…é porque realmente acho o sotaque dela muito carregado.
        E não é nada somente com os cariocas…eu não gosto de nenhum sotaque muito carregado em transmissões de TV, ainda mais nacionais. Não suporto o Neto, ex Corinthians, além de tudo, porrrr aquele sotaque carregado do interiorrrr paulista dele rs

        Responder
  64. João ando

    Dalcim .acho que ja fiz essa pergunta…… qual a razão da Caroline wosznaick parar …não é a artrite reumatoide …tem apenas 29 anos de idade …obrigado

    Responder
  65. Evaldo Fontes

    Que jogo!! Federer mostra mais uma vez que idade é apenas um detalhe. Lutou por 4 horas e em nenhum momento demonstrou cansaço; pelo contrario, no supertiebreake jogou os ultimos pontos como se a partida estivesse ainda no primeiro set. Com esse super preparo fisico, o gênio Federer tem tudo para chegar na semi e lutar de igual para igual com Nole. Acredito até que, depois deste jogo , o GENIO ganhe confiança e afine seus golpes, sendo favorito diante do servio.

    Força Roger!!! RUMO AOS 21

    Responder
  66. Gildokson

    Eu sei que é começo de carreira, mas quevergonha esse grego viu!!!
    Será que esses mlks só vão fazer alguma coisa em Slam quandoDjokovic e Nadal estiverem de muletas?
    E pior que não ta chegando nem neles. O cara perde pra um jogador debilitado fisicamente nos últimos anos, e num momento onde todo mundo botava moh fé nele chegar ao menos as quartas.

    Responder
  67. Daniel

    O Federer é o cara!
    Que simplicidade na entrevista em quadra, após o jogo.
    O grande campeão é aquele que ganha também jogando mal e hoje nada deu certo pra ele.
    Parado de pernas, talvez tenha tentado jogar no ritmo Federer no início do 2nd set e viu que ñ ia aguentar.
    Optou por se poupar para 4 horas de jogo, provavelmente uma decisão acertada.
    Vamos ver como vai se recuperar para o próximo duelo.

    Responder
  68. Vitor Hugo

    Nenhuma final de slam entre Novak e Murray será lembrada como épica. Serão lembradas sim como um dos piores e mais sonolentos jogos da história do esporte, devido ao estilo de jogo sonolento e sem variação dos dois, além da falta de popularidade e carisma dos tenistas em questão.
    Com certeza foram as finais com piores números de audiência dos últimos anos.

    Responder
  69. Vitor Hugo

    Assim como em 2017, que Roger venceu dois jogos por 3 x 2 antes de ir para a final, Federer vai avançar e sagrar-se campeão do Austrália Open!

    Alguns podem dizer que o resultado de hj foi injusto, assim como foi a final de Wimbledon no ano passado. Porém, apesar da difícil vitoria de hj, Roger fez 3 pontos a mais que o adversário. Contra o bagre sérvio, além do atropelo em número de winners com relação ao adversário, Federer fez 13 pontos a mais do que AMEBAVICE, então, outra história…

    Agora, cá pra nós, 80 e poucos erros ñ forçados é muita coisa, né?

    Responder
    1. Geailton

      O freguês ( e seus torcedores) sempre tem razão, apesar das asneiras nos comentários. Uma foi justa e outra injusta por causa de três pontos? Sabe de nada inocente

      Responder
  70. Luiz Fernando

    O Rodrigo Cruz, se leu os comentários do item anterior, poderia comentar a afirmação do Pessanha de q o BH do Federer é melhor do q o do Wawrinka. Quer um exemplo maior de afirmação estapafúrdia motivada p fanatismo?

    Responder
  71. Bruno Costa

    Dalcim, é apenas uma observação que eu sei que você vai levar na boa e esclarecer. Tem me causado certa estranheza você se referir a Coco Gauff em seus textos como juvenil. Quando você usa o termo está relacionado a juventude da garota ou a categoria ( juvenil) dela no tênis? SE for a segunda opção, eu tenho estranhado pq Gauff já não joga o circuito juvenil há algum tempo e já declarou que não tem mais a intenção de fazê lo, fixando sua carreira de vez no profissional.

    Responder

Deixe uma resposta para Túlio Oliveira Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *