Diferentes 3 a 0
Por José Nilton Dalcim
22 de janeiro de 2020 às 14:35

Maiores candidatos à vaga na final na parte inferior da chave do Australian Open, Novak Djokovic e Roger Federer não perderam sets na segunda rodada mas, apesar de o sérvio ter teoricamente o adversário de gabarito inferior, obteve um 3 a 0 mais trabalhoso e menos brilhante do que o do suíço.

Djokovic encarou as bolas retas de Tatsuma Ito, mas não escondeu sua frustração com a ventania, que o deixou irritado ao longo do segundo set. Como ele bem destacou depois, encontrou um caminho com subidas mais frequentes à rede. Foi novamente bem no saque, com 16 aces e nenhum break-point.

Enfrenta outro japonês na sequência, o canhoto e chato Yoshihito Nishioka, que não tem muita força mas mescla bem os golpes e adora um super-spin. Deixou Nadal maluco na ATP Cup, mas foi engolido por Nole na Copa Davis do ano passado. Será mais um teste físico e de paciência para o heptacampeão.

O adversário de Federer tinha mais currículo, mas era previsível que sentisse o grande esforço dos cinco sets da véspera. E o suíço, muito esperto, fez o grandão correr o tempo todo, pegou tudo na subida e só deu pequeno vacilo com a perda de um serviço, que não atrapalhou nada. Curioso notar que Roger quebrou o adversário logo no começo de todos os seis sets que jogou até aqui no torneio.

Com direito a lances de qualidade e elasticidade, Federer não escondeu sua satisfação ao dar entrevista a John McEnroe. E sabe que terá de entrar atento contra John Millman, que sempre lhe dá trabalho com seus ótimos contragolpes. Foi assim que surpreendeu o suíço no US Open de 2018 e o levou a um tiebreak até mesmo na veloz grama de Halle no ano passado.

Chave vai abrindo
O grande jogo do dia certamente foi a vitória de cinco sets e três tiebreaks do garoto Tommy Paul em cima do cabeça 18 Grigor Dimitrov. Campeão juvenil de Roland Garros, o norte-americano agora de 22 anos tem potencial mas conviveu com lesões nesta curta carreira, com paradas de 5 meses em 2018 (cotovelo) e de 3 em 2019 (joelho), e assim passou a maior parte do tempo nos challengers.

Consistente, é também cheio de habilidades e mostrou isso diante do também versátil Dimitrov, num jogo de lances bem divertidos. Paul fará duelo de não cabeças contra Marton Fucsovics e quem vencer pode cruzar com Federer nas oitavas.

O fato é que a caminhada do suíço rumo à semifinal se abre cada vez mais. Não dá para dizer que foi uma surpresa a queda de Matteo Berrettini diante do jogo sólido de Tennys Sandgren – que há dois anos chegou nas quartas ao tirar Wawrinka e Thiem -, um candidato real a repetir o feito. Encara agora Sam Querrey e depois terá Guido Pella ou o esgotado Fabio Fognini.

Show de Wozniacki
Numa rodada de vitórias fáceis de Ashleigh Barty, Naomi Osaka e Serena Williams, o briho ficou para Caroline Wozniacki. Dominada pelos nervos e a força de Dayana Yasmtremska, ganhou seis games seguidos para virar 1/5 no primeiro set e reagiu também no 1/3 da série seguinte. Espírito de luta e visão tática sempre foram suas marcas registradas, que certamente vai deixar saudade quando a dinamarquesa se retirar após este Australian Open.

Osaka vai encarar a juventude de Coco Gauff pelo segundo Slam seguido, relembrando aquela emocionante cena do US Open, em que a norte-americana não jogou nada e foi consolada em quadra. Talvez ainda não esteja novamente pronta para barrar a atual campeã de Melbourne, mas Gauff pode explorar as instabilidades que Osaka mostrou nas duas primeiras rodadas.

Serena quase se complicou sozinha com erros sucessivos no segundo set e curiosamente pode cruzar com a amissíssima Carol na rodada seguinte. Barty também ainda não se soltou e encara uma animada Elena Rybakina agora.

Destaques do dia 3
– Tsitsipas nem precisou entrar em quadra, já que Kohlschreiber sentiu lesão muscular e abandonou. Não sei se é tão bom assim ficar uma rodada sem jogar logo no começo do torneio. Pior: pega o corta-físico Raonic agora.
– Os novatos Sinner e Davidovich não ganharam set na segunda rodada, o que era esperado. O italiano parou em Fucsovics e o espanhol, em Schwartzman.
– Embalado pela ATP Cup e sem alarde, Lajovic ainda não perdeu set em Melbourne. Reecontra El Peque, para quem perdeu no AusOpen de dois anos atrás num apertadíssimo quinto set.
– Dois velhos finalistas de Slam avançaram: Raonic esmagou Garin e Cilic passou por Paire no supertiebreak. Podem se cruzar, mas canadense terá de vencer Tsitsipas e o croata passar por Bautista.
– Fognini acumula 10 sets e dois supertiebreaks logo de cara. E o esforço desta quarta-feira poderia ser evitado, já que abriu 2 a 0 sobre Thompson e poderia ter simplificado. Perdeu 2 dos 3 duelos já feitos contra Pella.
– Halep confessou que o punho direito está doendo, mas que isso não deve atrapalhar contra Dart na rodada desta quinta-feira.

Façanhas e recordes
Sem jamais ter perdido em Melbourne antes da terceira rodada em 21 participações, Federer atingiu a 99ª vitória. Pode assim se tornar o único homem da história com uma centena de triunfos em dois Slam diferentes (tem 101 em Wimbledon).


Comentários
  1. Angela B.

    Dalcim, o Wawrinka jogou muito mais sólido hoje do que na terça feira…mostrando uma evolução bem considerável no seu jogo. Será que o Stanimal está de volta? 😉

    Responder
      1. Angela B.

        Rsrs. Talvez seja meu lado torcedor, Dalcim ..pq adoro o Wawrinka e torço por ele. –Mas mesmo assim, não o descartaria como um grande oponente aos favoritos nessa chave. abs

        Responder
  2. Angela B.

    Kyrgios, como sempre, me dando ataque cardíaco com seus pitis repentinos ..mas pelo menos ganhou mais uma. 😮 Anyway..step by step kkk
    Muito bom esse jogo do Wawrinka e Seppi…….

    Responder
  3. Sandra

    Dalcim, porque o Nadal não esgorrega no cimento como o Djokovic ? Afinal ele escorrega no saibro muito bem ! Perguntei isso porque o vi tentar chega na bola no jogo contra o argentino na corrida e não escorregando ? E o pode qualquer tipo de tênis ?
    uma observação, não me lembro quem, mas no feminino também já vi as meninas chegando escorregando

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Robson , sumido caro Nattan ? Estás de brincadeira kkkkk Ainda bem que você abriu contagem . Agora tenho certeza que a turminha da Kombi vai chorar mais cedo que o previsto. Depois todos para o Sítio… rsrsrs Abs!

      Responder
  4. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    Tenho prestado muita atenção nos jogos do Nadal, Djoko e Federer quanto ao backhand. Quanto aos três o Nadal e disparado o que mais foge para bater de direita. Em muitas vezes consegue fugir e bater bem, em algumas poucas vezes foge mas a bola vem em cima e acaba batendo desequilibrado.
    Em tese o backhand dele e superior ao do Federer, então quem deveria fazer muito isso não seria o suíço? Mas não o faz. O Djoko, por exemplo, não faz questão nenhuma de fugir, fica parado e bate mesmo de esquerda, só se tiver muito tempo com uma bola bem lenta para fugir e bater de direita, do contrário não faz nem questão.
    Mas porque o Nadal faz isso constantemente? Não tem confiança na sua esquerda? Ao meu ver o backhand com spin e muito bom. Isso (fugir da esquerda) eu acho que somente desgasta muito mais, principalmente se for um jogo longo. O que pensa mestre sobre o assunto?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Nadal sempre jogou assim, porque tem um jogo de pernas para lá de excepcional e protegia muito seu backhand com isso. Hoje em dia, o golpe evoluiu muito mas ele ainda prefere buscar definições com o forehand, o que é a coisa mais natural do mundo. Federer foge bastante sim, mas obviamente não tem mais as pernas de antes e ainda há o agravante de jogar muito perto da linha, o que diminui ainda mais o tempo necessário para o ajuste.

      Responder
      1. Jônatas

        E o Federer bate com menos spin o que significa que a bola vai mais rápida e volta mais rápida tendo menos tempo ainda.

        Um passinho para trás ajudaria MAS ele poderia ficar mais fragilizado se não desse tempo de fugir, tendo que bater a bola de BH numa posição mais desconfortável. Aumentando o erro.

        Responder
    2. Paulo Almeida

      E por que o GOAT Djokovic fugiria se ele tem o melhor backhand da história, nota 10/10?

      Só tem quem backhand de tênis feminino 5/10 precisa fugir.

      Responder
          1. José Nilton Dalcim

            Não, caro amigo. Todos, incluindo Djokovic, fogem do backhand quando podem para tentar um winner de forehand, até porque isso lhes dá opção da paralela ou do inside-out. Exceto claro Benoit Paire.

      1. Jônatas

        É relação de conforto na hora de bater e não apenas de eficiência. é mais fácil mudar a direção de uma bola com o FH que com o BH. É mais fácil dar spin na bola com o FH do que com o BH. Aí o jogador vai avaliar na hora o que é o melhor a se fazer.

        Responder
  5. JOSE ALBERTO BAPTISTA SANTOS JUNIOR

    Dalcim, você já considerou entrar na onda dos podcasts?
    Poderia trazer informações, comentários, responder aos leitores, convidados.
    Eu certamente acessaria com prazer
    Abs

    Responder
  6. Paulo Almeida

    O fake camaleão tenta desmerecer o Australian Open só porque o GOAT Djokovic é o dono do Slam, tendo sete conquistas de gente grande.

    Acontece que assim ele dá um tiro no próprio pé, já que o GUAT ganhou seis vezes por lá, embora só dois sejam parrudos. Isso porque contei o AO 2010 contra um Murray mediano. O resto é pífio, principalmente os títulos contra Baghdatis, González e Cilic.

    AO é disparado o Slam mais moderno e depois vêm empatados US Open e Wimbledon. Roland Garros é o mais obsoleto.

    Responder
    1. Angela B.

      Paulo, eu só conheço Wimbledon e o Aussie Open. Mas meu cunhado, um russo fanático por tenis, e que conhece todos esses torneios (entre outros) já falou várias vezes que a estrutura do complexo de Melbourne é (de longe) a mais moderna dos slams; e isso acontece há mais de 20 anos….mesmo qdo tinha apenas uma quadra coberta. Tem elevadores p/ deficientes físicos, as filas são rápidas e bem organizadas p/ comprar comida ou bebida e até se locomover de uma quadra p/ outra (num complexo tão grande e c/ tantas pessoas) é bem fácil. O problema mesmo, são as altas temperaturas (em Janeiro e Fevereiro) e a falta de escrúpulos dos organizadores (como acontece nos outros slams) de respeitar os tenistas e obrigá-los a jogar em situações extremas ou de risco.
      Outro ponto negativo é tentar comprar ingressos pelo site – impossivel encontrar, hoje em dia, bons lugares (c/ bom ângulo e na sombra) nas quadras principais. Temos que ir pessoalmente na bilheteria e aí sim, alguns desses lugares estão disponíveis – porém nem todos…porque grande parte está reservada aos patrocinadores ou p/ pessoas vips – e isso é uma sacanagem não só com os turistas que vem de fora, mas c/ o público em geral. De qualquer forma.. corrupção, malandragem e favorecimentos, acontecem em todos os slams e maioria dos torneios…né? E nesse ponto, nós, pobres mortais, temos pouco a fazer.. a não ser denunciar a sujeira nos bastidores desses grandes eventos. ———-
      Mas p/ completar o meu comentário (acima) sobre o problema da alta temperatura em Melbourne (que se agravou na última década) ..eu e muita gente que mora por essas bandas, acreditamos que é um absurdo (por ser desumano com os tenistas) o AusOpen continuar sendo disputado no mês mais quente do ano. Os melhores meses p/ disputá-lo, com temperaturas entre 20 e 25 graus, seriam Março, Abril, Outubro ou Novembro. Mas não acredito, infelizmente, que a ATP e WTA estariam dispostos a rever ou readaptar o calendário…afinal, é o dinheiro e não a saúde dos tenistas, a prioridade deles. Abs.

      Responder
      1. Rafael Azevedo

        Acontece em todos os slams, em todos os torneios, em todos os shows e em todas as competições de qualquer esporte no mundo…
        E o pior, grande parte desses “privilegiados” não são amantes do tênis. Estão alí só para fazer a média (o marketing).
        Mas, é isso que paga esses grandes eventos do esporte mundial…Fazer o que?

        Responder
    2. Jônatas

      Ganhar GS agora tem que ter “peso”.

      Ganhou em cima de fulano peso 1.
      Ganhou em cima de ciclano peso 2.
      Ganhou em cima de beltrano peso 3.

      Os fanáticos estão cada dias mais doidos hahahaha.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Pois é, e a turminha do “ grupinho “ esquece que na maioria das vezes Todos os Tops estavam presentes e caíram cedo. Até quando Murray caiu nas Quartas em suados 5 Sets , e Novak na segunda também em suados 5 Sets para Istomin no AOPEN 2017 , dizem que o SLAM vencido pelo Craque não foi “ parrudo “ , pois ambos estavam lesionados. E o pior é que acham que esta tremenda babaquice repetida à exaustão, por uma meia dúzia , COLA caro Jonatas rsrsrs Abs!

        Responder
  7. Ronildo

    Tem um pessoal disfarçado que nem respirar tão conseguindo direito. A situação está igual o match-point do Federer em Wimbledon onde nego quase chamou paramédicos em casa! Tudo porque se aproxima o duelo Tsitsipas x Djokovic! Esse sorteio deu xeque-mate! Vão ter que ter muita soooorte novamente para fugir dessa!

    Eu realmente fiquei com pena, pois Djokovic tá parecendo condenado no corredor da morte à espera do encontro com o carrasco!

    Responder
  8. Vitor Hugo

    Sabe uma coisa que é curiosa, se Bagrevice é o segundo maior devolvedor da história e o melhor na atualidade, por que o sérvio é freguês de Karlovic, Kyrgios e Roddick???? Pra se pensar.

    Como comparação, os três citados por mim acima são freguezaços de Roger Federer, incluindo o papai de Novak, Roddick que nunca fez cócegas no suíço.

    Responder
  9. GUSTAVO DE ALMEIDA

    DALCIM, achei q este jogo foi o melhor em anos do Federer em relação ao saque.
    Chamou sua atenção?
    O saque do lado da vantagem estava impressionantemente firme, regular e caindo antes do “t”..!!! Há anos não via assim.

    Responder
      1. Luiz Fernando

        Claro q não reclamo, mas não fico chorando quando acontece com os adversários, o que SEMPRE acontece com alguns (não com vc q é consciente e sabe q pode acontecer com qualquer um) torcedores do Federer. Abs.

        Responder
  10. DANILO AFONSO

    Vejamos algumas ESTATÍSTICAS deste esporte maravilho:

    ACES Aplicados na carreira

    POSIÇÃO – JOGADOR – QUANTIDADE – MÉDIA (Aces/Jogos)
    01 – KARLOVIC – 13586 (19,27 Aces por jogo)
    02 – ISNER – 12275 (17,86 Aces por jogo)
    03 – FEDERER – 11278 (7,51 Aces por jogo)
    04 – IVANISEVIC – 10131 (10,87 Aces por jogo)
    05 – FELICIANO LOPEZ – 9622 (10,32 Aces por jogo)
    06 – RODDICK – 9067 (11,03 Aces por jogo)
    07 – SAMPRAS – 8689 (8,83 Aces por jogo)
    21 – MURRAY – 5787 (6,65 Aces por jogo)
    23 – DJOKOVIC – 5666 (5,22 Aces por jogo)
    65 – NADAL – 3517 (2,98 Aces por jogo)

    ACES Contra (Sofrido) na carreira

    POSIÇÃO – JOGADOR – QUANTIDADE – MÉDIA
    01 – FELICIANO LOPEZ – 7125 (4,74 Aces por jogo)
    02 – FEDERER – 6978 (4,64 Aces por jogo)
    03 – AGASSI – 6802 (5,94 Aces por jogo)
    04 – KAFELNIKOV – 6758 (7,40 Aces por jogo)
    05 – NADAL – 6517 (5,53 Aces por jogo)
    06 – RODDICK – 6299 (7,66 Aces por jogo)
    09 – SAMPRAS – 5858 (5,95 Aces por jogo)
    13 – DJOKOVIC – 5330 (4,91 Aces por jogo)

    Quando possível vou postando outras estatísticas.

    Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Não entendi , L . Fabriciano . Com um número de partidas jogadas muito superior, a média de Aces sofridos pelo Suíço e’ surpreendentemente inferior ao do Sérvio. Por essa poucos esperavam . Abs!

        Responder
        1. Luiz Fabriciano

          Simples. Que uma melhor devolução sofre menos aces você contesta? Acho que não.
          Mas a primeira estatística mostra os melhores sacadores. A segunda mostra os que mais tomaram aces, mas não mostra de quem (talvez não seja possível isso), então há de se relativizar se fulano toma mais aces de quem saca melhor ou de qualquer sacador mediano.

          Responder
    1. André Barcellos

      Estatística interessante em relação a aces sofridos. No caso, óbvio que quanto mais longeva a carreira o total será maior, mas…
      a média do Federer é a menor, mesmo a devolução não sendo seu forte,
      Indica uma coisa que já observo há anos: Seu reflexo (ou antecipação de saque) é o melhor.
      Aliás, o Isner já comentou a respeito.
      Vide os voleios que faz também.

      Responder
  11. Helena

    Dalcim,

    Você conseguiu ver alguma coisa do Raonic neste torneio? Fiquei preocupada sobre o estado físico dele após a derrota no Qatar Open, mas ele parece ter conseguido boas vitórias e o Garín é um adversário de respeito.

    Responder
  12. Antônio Luiz Júnior

    Parabéns mais uma vez Dalcim, pelo excelente texto da sua coluna, irretocável. O grande beneficiado até o momento pela sorte, sem dúvida alguma, é o suíço Roger Federer (que diga-se de passagem, não tem absolutamente nada a ver com isso e segue fazendo o seu trabalho de forma muito competente). Mas, a queda precoce de Denis Shapovalov, Grigor Dimitrov, Hubert Hurkacz, Matteo Berrettini e Borna Coric facilita muito as coisas para o suíço chegar as semi-finais com absoluta tranquilidade. (MILLMAN, FUCSOVICS, FOGNINI (exausto) e/ou GUIDO PELLA, qualquer que seja o adversário, na minha opinião não representam grande perigo para o melhor de todos os tempos. Djokovic teve um jogo bastante tranquilo, mas, o japinha ITO deu muito trabalho no segundo set e irritou bastante o Sérvio (como sempre). Quem corre absolutamente por fora,como uma chave muito tranquila e como grandes chances de chegar a semi-final é MEDVEDEV. O russo foi o grande beneficiado pelo sorteio das chaves. (MARTINES, MUNAR, ISNER ou WAWRINKA) não têm a mínima chance contra o jogo sólido do russo. Quem viver,verá…

    Responder
  13. Jose Eduardo

    prezado Dalcim,

    que jogaço espetacular entre o dimitrov e o paul.. dois grandes talentos…drop-shots, pancadas de ambos os lados, slices, voleios, ataque e contra-ataque, exigência física ao extremo..
    o estilo de jogo do norte-americano me lembra demais o agassi.. muito talentoso!

    Já passou muito da hora dos EUA terem um novo grande jogador

    Responder
  14. GUSTAVO DE ALMEIDA

    Próximo jogo do Federer não será fácil com o Australiano. Não seria também com o Polonês, mas seria mais fácil pelo cansaço esperado deste. Ademais, Milman fez aquele jogo se sua vida contra o Rei; contudo, não é esperado o raio cair duas vezes mesmo.jogando em casa. RF parece descansado e focado. Federer pode perder um set, mas vai ganhar.

    Como Mestre DALCIM falou, o próximo japonês vai exigir paciência do Djoko. Obviamente, o sérvio deve ganhar em será diretos, vai ter q trocar muita bola.
    Nadal ainda vai ter um jogo fácil.
    Tsitsipas parece concentrado e vai vencer Raonic, mesmo q perca um set no tie-break.
    Ao meu ver, Medvedev vai calibrando e chegará a semifinal sem sustos, para então encarar Nadal ou Thiem. Aí, sim, o bicho pegando geral.
    Enfim, torcendo pro Rei, mas vejo q, quem chegar na final, perde pro Medvedev por cansaço.

    Responder
      1. GUSTAVO DE ALMEIDA

        Kkk
        Acredito no Medvedev campeão: vence Thiem ou Nadal na semi (estes guerrearao por mais de 3 horas).

        Depois, Medvedev ganha de quem sobrar da
        outra semifinala disputadíssima (Djoko/Tsitsipas versus Fed).

        De todo modo, espero estar errado, e Federer vencer a semi contra quem passar da batalha entre o Sérvio e o Grego.

        Responder
  15. Bartolomeu

    Essas vitórias fáceis – e até mesmo um eventual tropeço – do Big3 em começo de G.S não costumam dizer muita coisa, de tão rotineiras que se tornaram.

    A minha torcida é para que os mais gabaritados representantes da next gen avancem ao máximo em seus quadrantes.

    Gostaria muito de ver quartas de slam com Federer, Djoko, Nadal, Thiem, Medvedev, Tsitipas e Zverev – todos eles, configuração que nunca ocorreu e que ainda é possível nesse torneio, já que todos estão vivos.

    Seria algo muito interesse de se ver.

    Responder
  16. Matheus Lago

    Ansioso pelo confronto entre Naomi Osaka e Coco Gauff, a japonesa não está em seu melhor nível, mas ainda não consigo ver a americana com um Tênis suficiente para vencer a Osaka.
    Federer fez um ótimo jogo contra o Krajinovic e agora enfrenta um adversário perigosíssimo, Millman conhece bem o clima da Austrália e é um paredão, prevejo uma vitória em 3 sets a 1 para o suíço e assim, a conquista dos três dígitos no Australian Open.

    Responder
  17. Rafael Azevedo

    Djokovic queria que a organização do evento falasse com Deus para que ele cessasse a ventania. Como os organizadores não conseguiram, ele ficou irritado e ameaçou não voltar mais para o torneio.

    Responder
  18. Nando

    A chave do Federer agora (até as quartas) tá parecendo a chave do nadal naquele USO2017 hein…
    Mas o velho não tem nada a ver com isso e vai tentando fazer o seu trabalho cada vez melhor, jogo a jogo.

    Responder
  19. WALDIR DOS SANTOS

    por que o elogio é sempre para o federer……O FEDERER E O NADAL NÃO GANHAM DO DJOKO A MAIS DE 5 ANOS….EU FALEI 5 ….5…..5 ANOS

    Responder
      1. Jônatas

        OPA!

        E podemos falar do Nadal na Itália em 2019?

        Afinal, ele não disse em qual superfície…

        Não custa nada entrar no site da atp e fazer uma pesquisa. Ajuda muito.

        Responder
  20. Paulo Almeida

    E a reza brava deu certo: Dimitrov eliminado. Porém, o outro carrasco Millman segue vivo.

    Aberrattini nem conta, pois nem é jogador pra estar no top 10. Esse lado da chave, que já era fácil, agora está pior do que challenger.

    Já Tripas e Agut caminham para fazer o duelo mais interessante das oitavas.

    Responder
    1. Carlos Reis

      kkkkkk Dá nada Almeidão…

      Para o GOTI da 25 de março qq jogo é moleza… Só ele é ótimo jogador, o resto é tudo pangaré da 2a classe.

      Responder
  21. Vitor Hugo

    Sem dúvidas Roger é o que jogou o melhor tênis até agora e é o favorito para conquistar mais um titulo na Austrália, desde que não se complique nos próximos jogos antes da semi-final, onde provavelmente enfrentará Tsipas e talvez o Bagre sérvio.

    Se vencer o título, Roger se consolidara como o maior do Austrália Open, apesar de ser o slam menos importante de todos.
    Roger já é o maior disparado em Wimbledon, que é o slam mais importante assim como é o maior no US open, que é o segundo maior.

    Responder
  22. Rodrigo S. Cruz

    Esse Dimitrov nunca engrena mesmo.

    Que cabeça de pastel de vento! Impressionante…

    Vai ver o PIJAMA de bolinhas que o Tommy Paul vestia em quadra o tenha atrapalhado.

    kkkkk

    Aliás, ambos usaram roupas horrorosas!

    A camisa do Dimitrov parecia uma colcha de RETALHOS!

    O fato é que sem ele e Berretini tudo ficou ainda melhor pro Federer.

    Só uma catástrofe impediria que o suíço alcance a semifinal…

    Responder
  23. Jônatas

    Bem, eu vi um resumo do jogo do Federer, e sobrou demais. Tá louco. Bola curta, reta, spin, angulada, defesa sólida, etc, etc, etc.
    Aplausos. Vamos ver se continua assim.

    Destaque também para alguns lances geniais do Djoko mas no fim do 2º set ele demonstrou um alívio ao quebrar o japonês, passou um “sufoquinho” digamos. No 3º passeou.

    Eu acho uma SF entre os dois inevitável se continuar neste ritmo.

    Responder
  24. João

    Dalcim, boa tarde.

    No último texto você classificou esse sérvio que jogou com o Federer como “bom sacador” e no texto de hoje como “grandão”. Vi que ele tem 1,85m, e como sacador achei bem atrás do próprio suíço. Será que não confundiu com algum outro jogador rsrs?

    Falando em saque, o site do AO crava que o Thiago Monteiro teve o saque mais veloz até aqui, 232 km/h…achei estranho também, nenhum dos grandes ter atingido valor maior, como Isner, Opelka, Zverev, Kyrgios…

    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Com certeza, no tênis de hoje 1,85m é coisa normal, João. Mas sem dúvida o Krajinovic é um bom sacador. A base de seu jogo agressivo depende muito disso.

      Responder
  25. Rodrigo S. Cruz

    Não entendo porque a Wozniack resolveu se aposentar.

    Ainda é bastante competitiva, e uma das tenistas mais inteligentes em quadra.

    A diferença de potência entre os golpes de base dela e da jovem Yastremska era clara!

    Só que a Wozniack sabe como neutralizar essas tenistas.

    Também achei que essa ucraniana tem futuro. Tenista talentosa e que adora ir pro winner.

    Mas precisa aprender a dosar mais as coisas, esperar o momento certo.

    Perdeu essa partida porque quis sair batendo todas as bolas.

    Cansei de ver ela errar por bater sem estar bem posicionada, e aí jogava tudo pra fora…

    Responder
    1. Miguel BsB

      A Wosniack está com uma artrose degenerativa, acho que ficou difícil pra ela continuar no circuito…além disso está casada, pode ser que queira parar com tudo e engravidar.
      Essa ucraniana adversária dela me lembrou muito a Ostapenko…senta bordoada sem dó de todos os lados, mas aí vira aquele jogo 8 ou 80…ou atropela a adversária com diversos winners, ou entrega o jogo com diversos erros não forçados…não tem meio termo.
      Aliás, por onde anda a Letã?

      Responder
    2. Jônatas

      Ela casou e quer curtir a família e provavelmente ter filhos.

      A Li Na foi a mesma coisa. Só a Sereneide que tem essa sede mas não sei por quanto tempo.

      Ela “atrasou” essa parte pessoal o máximo que pôde na minha opinião.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *