Thiem rouba a cena
Por José Nilton Dalcim
12 de novembro de 2019 às 22:49

Num grupo tão forte, Dominic Thiem só precisou de duas vitórias para atingir a primeira semi do Finals em sua carreira. Mas foram dois triunfos de gabarito inigualável: depois de dominar Roger Federer em dois sets apertados, ele conseguiu virar em cima de Novak Djokovic num tiebreak decisivo maluco, o que também foi seu primeiro sucesso em quadra dura sobre o sérvio.

Com isso, o austríaco se classifica como líder do grupo e vai assistir ao jogo de morte entre Nole e Federer na quinta-feira, onde quem vencer se classifica. Aos que ainda duvidam das qualidades de Thiem, ele já derrubou o Big 3 por seis vezes nesta temporada.

Jogo magnífico de final incrível
Djokovic e Thiem fizeram um primeiro set de nível notavelmente alto, expondo seu melhor. Mesmo decidido no tiebreak, o sérvio saiu com apenas dois erros não forçados. O austríaco fez pequena mudança, e foi feliz. Usou mais slices para alternar o ritmo das trocas no segundo set e com isso conseguiu comandar mais com o forehand. Confiante, também soltou o backhand na paralela.

Liderou ainda o terceiro set até 3/1, se apressou e viu Djoko reagir. Mas mesmo com o sérvio tendo 4/3 e 5/4, segurou a cabeça e, inesperadamente, quem falhou na parte mental foi o número 2 do ranking. Fez um game horrível e permitiu que Thiem sacasse para o jogo com 6/5. O austríaco no entanto também não mostrou confiança, cedeu o empate e desabou no começo do tiebreak.

Erros incríveis deram 3-0 e dois saques a Djoko e aí então pode ter vindo o ponto crucial para o sérvio, quando errou uma bola boba na rede. Atrás por 1-4, Thiem iniciou uma reação inesperada, mescla de ousadia e de muita sorte, chegou a 6-4 e perdeu match-point. Na hora de empatar, Djoko deixou de ser aquele tenista frio e não sustentou a troca. Na entrevista obrigatória, não escondeu o mau humor.

O histórico – Thiem ganhou de Djokovic pela quarta vez nos últimos cinco jogos, sendo duas em Roland Garros e outra em Monte Carlo. Aliás, a vitória deste ano em Paris teve um final tão dramático como o de hoje. Naquele sábado, Thiem fez 4/1, permitiu reação, mas sacou para o jogo com 5/4. Deixou escapar dois match-points e acabou vencendo no saque do sérvio, que não segurou os nervos.

A estatística – Thiem marcou 50 winners, sendo 32 de forehand, e fez mais do dobro dos erros (44 a 21, sendo 23 de forehand). Não menos curioso é o fato de ganhar de Djokovic com apenas 57% de primeiro saque em quadra. A quantidade de pontos define com precisão o quão apertada foi a partida: Thiem ganhou 110 pontos e Djoko, 108.

O ponto crucial – Acho que faltou um pouco de ofensividade a Djokovic, um tenista que geralmente toma a iniciativa dos pontos. Talvez Nole tenta apostado demais na sua capacidade defensiva, que aliás foi excepcional, principalmente quando reagiu no final do terceiro set. Talvez ali pudesse ter se imposto mais e acuado Thiem. De qualquer forma, foi um duelo decidido em detalhes mínimos.

Federer melhora e respira
A atuação de Roger Federer foi bem melhor do que na estreia, embora o italiano Matteo Berrettini tenha nível distinto de Thiem neste momento. O primeiro set só viu um break-point, que na verdade foi set-point para o suíço. A partir do tiebreak, Federer enfim impôs sua maior categoria, saiu com quebra no segundo set e administrou muito bem até a vitória.

O histórico – Federer ganhou o segundo duelo contra Berrettini sem perder sets, mas foi muito diferente da partida vencida com facilidade em Wimbledon. Até hoje, nenhum italiano somou ao menos uma vitória no Finals, que existe desde 1970 e já viu participações de Adriano Pannatta e Corrado Barazzutti. O tênis italiano portanto está 0-8.

A estatística – Com 67% de primeiro saque em quadra, Federer ganhou 50 de seus 67 pontos de serviço, o que é um percentual bem aceitável num piso que está razoavelmente rápido. Isso também permitiu que ele salvasse os três break-points que cedeu.

O ponto crucial – Com 5/3 no segundo set, Federer jogou seu pior game de serviço, ofereceu 15-40 e depois mais um break-point, em momentos raros em que Berrettini conseguiu devolver com qualidade. O suíço fechou a porta sempre com o saque afiado.

A quarta-feira
Rafael Nadal e Daniil Medvedev perderam na estreia e assim revivem a final do US Open em duelo um tanto dramático, já que uma nova derrota dificultará muito a classificação para a semi. O espanhol seria favorito, mas mostrou muitas fragilidades na segunda-feira, especialmente com a bola curta e o forehand inseguro. É jogo para três sets.

Vencedores de estreia, Stefanos Tsitsipas e Alexander Zverev se sentem à vontade num piso mais veloz. Já fizeram quatro duelos, mas somente o primeiro foi vencido pelo alemão. O grego ganhou neste ano em quadras rápidas, como Madri e Pequim, e possui mais recursos técnicos do que Sascha. O alemão sacou muito contra Nadal e deve apostar outra vez nessa arma.


Comentários
  1. sandra

    Dalcim, gostaria muito que voce desse uma explicação plausível para essas contusões do Nadal, ele não conseguia jogar de repente ressuscita!!!

    Posso não gostar de muitos jogadores, mas nunca vi alguém fazer o que Nadal faz

    Responder
  2. Luiz Fernando

    Assisti o tape do jg do Rafa e gostaria de expor minha visão: 1) pontos positivos: serviço e jg de rede, em especial o primeiro, pois nunca vi Nadal sacar com tais médias, próximas das 120 mph, perdendo em 1 milha para o russo, o q significa q a contusão abdominal deve estar de fato superada. E vejamos que apesar disso ainda falta muito a melhorar, com uma média quase idêntica o Medvedev fez muito mais aces; 2) pontos médios: slice de BH e o próprio BH. Os slices tem sido aprimorados, mas hj estavam altos e sem potencia, a despeito de profundos, por exemplo se der 9.5 para os do Thiem ontem eu daria 7.5 para os do espanhol hj. O BH me pareceu lento e longe do padrão do USO; 3) pontos ruins: sem dúvida o FH, sem potencia e as devoluções de saque, muito curtas em muitos pontos e com pouca agressividade. Creio q também ainda falta muito a evoluir em matéria de movimentação e confiança; esta última deve estar em alta pelo tipo de resultado alcançado hj. Avaliando como um todo daria uma nota 7 pro Rafa hj, o q implica em dizer q a despeito de uma vitória incrível e espetacular pelas circunstâncias, o mesmo não ocorreu no nível de jg apresentado. Mas q evoluiu em relação ao jg anterior isso é inegável, mas ainda me parece pouco p sonhos maiores.

    Responder
  3. Rodrigo S. Cruz

    Quando você decide se entregar apenas as provocações baratas, isso apequena demais o debate…

    Todo mundo sabe que uma das coisas que o Federer mais aprimorou no seu jogo foi o backhand.

    Em 2017 então, ele estava fenomenal, pegando tudo na subida e conseguindo inúmeros winners.

    Mais do que o Djoko consegue em média.

    Até porque é bandeiroso que o estilo de jogo do sérvio não conta com muitas bolas vencedoras…

    Também vimos o backhand do suíço BRILHAR agora em Wimbledon.

    Principalmente na semi contra Nadal, e na final contra o Djokovic.

    Inclusive ganhando VÁRIOS rallies longos do sérvio.

    O que sempre foi tarefa das mais difíceis para Roger.

    Realmente não dá para afirmar que o Federer possua a esquerda simples número 1 do circuto.

    Mas uma esquerda de “quinta categoria” como o Fake escreveu?

    Piada.

    O backhand do Federer sem dúvida é uma arma poderosa.

    E uma das mais lindas esquerdas da atualidade…

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Você se entrega e faz provocações baratas também, ou seja, é farinha do mesmo saco do Renato/Vitor Hugo. Inclusive acabou de chamar o Djoko de pangaré e o comparou a um maratonista. Também já tinha chamado o Berrettini de aberração, ou seja, não pode falar nada de quem chama o Roddick de bagre e o Federer de fraude.

      É claro que esquerda de quinta divisão foi apenas para fazer jus a drops e slices medíocres, ou seja, mesmo nível de sandice. Disso você não fala, pois defende o fake jaguatirete.

      E outra: falou bobagem do jogo do sérvio mais uma vez. Em centenas de jogos ele conseguiu muitos pontos com winners e ERROS FORÇADOS do adversário (deveria ser computado como um quase winner) e não apenas com ENF. Essa é outra falácia que entrou na cabeça dos haters do GOAT: ele só passa bola esperando erro não-forçado do adversário.

      Responder
  4. Fernando Brack

    Caramba! Vamos convir, que palhaço esse Medvedev, hein. Jogou no lixo uma partida que tinha na mão.
    E, quando precisava ganhar para se manter no torneio, parecia no fim torcer contra si mesmo. Idiota!

    Responder
  5. Paulo Almeida

    A esquerda de uma mão do Thiem é a melhor do circuito mesmo, superior à do Wawrinka. Ainda bem que amanhã o GOAT vai enfrentar aquela de quinta divisão do Jagua da Montanha. Nunca será o mais completo sendo tão pífio num dos principais fundamentos.

    Responder
    1. Miguel BsB

      Não é bem assim não Paulo…
      A esquerda topspin do Suíço realmente é abaixo da do Stan e do Thiem, mas o slice, é o melhor do circuito.
      E esse golpe machuca o Sérvio e o jogo do sérvio, como vimos ontem com o Thiem.
      Mas, pra ganhar do Djoko, Federer precisa reencontrar aquela esquerda paralela do AUSopen 2017.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Exato , caro Miguel. Mas este na paralela fundamental está sumido nesta temporada de 2019 rs . Embora alguns poucos apareceram entre os 96 WINNERS da FiNAL de Wimbledon 2019. Daí que o Sérvio leva o favoritismo com justiça. Abs!

        Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Como sempre um comentário desprovido de qualquer seriedade. O Backhand Simples de Thiem está melhor no momento . O tal goat já sentiu o peso do de STANIMAL em FINAIS de SLAM que o sempre oportunista comentarista , resolve esquecer. Nenhum Tenista com um Back simples “ pífio “ venceria 20 SLAM e 103 ATPs. Somente na cabeça de um descompensado. Novak pelo que está jogando no momento leva o favoritismo. Mas não tenho dúvidas que o Suíço vai testar toda a capacidade de defesa do Sérvio até o limite extremo. Acredito que não assistiremos alguém tentando empurrar bolinhas por outro lado. Abs!

      Responder
  6. Luiz Fernando

    I N A C R E D I T A V E L !!!!!!!!!!!!!!!!!! Como diz um cara que entende muito de tenis, nunca duvide de Rafael Nadal, e eu duvidei. Estou trabalhando e quando vi 51 pro russo no set 3 parei de acompanhar, daí um amigo me mandou uma msg dizendo q tinha virado 65 e não acreditei, achei q era provocação ( o cara é torcedor do Federer), vi agora q venceu, continuo sem acreditar. Maluquice completa…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      kkkkk

      Vitória LINDA do Nadal.

      Depois que ele quebrou o russo no 2/5, eu comecei a torcer como louco pelo Touro!

      Seria realmente uma grande pena ver o Nadal sair logo na primeira fase.

      Mas que o russo jogou feito um CHICKEN, não resta dúvida…

      (rs)

      Responder
    2. Carlos Reis

      Eu quero que o Nadal vença o Finals, MAS tá difícil…rsrs

      Mas se o suiço vencer a parede, torço para ele levantar o 7.caneco do 5.GS.

      O Thiem foi o melhor até agora, seguido por Djoko e o grego.

      Responder
  7. sander

    Dalcim, boa tarde. Inegável a grande partida do thiem, mas a postura passiva do Djokovic me incomodou demais! As devoluções foram espetaculares, mas os lances de mais agressividade faltaram (cadê o back na paralela?). Quando ele joga dessa forma (passiva), geralmente perde. O que vc acha que acontece com ele? É uma situação puramente mental mesmo?
    Grande abraço….

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que é uma postura tática pre-determinada, mas realmente não gosto quando ele fica muito à espera do que o adversário vai fazer.

      Responder
  8. Luiz Fernando

    Vi q Rafa perdeu o primeiro set p o russo, infelizmente como eu esperava, sem criar uma única chance de quebra por 3 sets na sequência. Claro q há algo errado, entrar em um torneio desses sem estar em plenas condições tem o seu preço. Grande chance de 2 caras do Big 3 estarem fora das semis de sábado.

    Responder
  9. Vitor Hugo

    Agora o FAKE resolveu plagiar os torcedores do suíço que sempre atribuíram ao suíço p modo GOD MODE de jogar. Cara, na boa, chamar de Deus um passador de bola, com slices, drops e slices medíocres!? Inventa outra que GOD MODE só tem um, o melhor E maior de todos, Roger Federer!

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Fake de múltiplas personalidades Marquinhos/Renato/Johnny/Vitor Hugo, a farsa suíça já sentiu muito na pele o GOD MODE da máquina sérvia. Se não se lembra das várias pauladas, é só conferir no YouTube.

      Lembrando que Frauderer tem esquerda bisonha de quinta divisão, mental de criança, mediano no fundo de quadra, horrível no saibro e ultimamente tem mandado smashes patéticos na rede.

      Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Já tá ficando até feio, cara…

      O Thiem encaixou apenas 57% de primeiro serviço e ganhou 68% desses pontos.

      Já o Encosto encaixou 62% e ganhou 72% quando encaixou… Ou seja, foi melhor com relativa folga no primeiro saque.

      Enquanto que a vantagem de pontos ganhos com o segundo saque do Thiem foi ínfima: 52% contra 49% de Novak.

      Quase um empate.

      Aceite de vez a derrota, e pare de procurar desculpas inúteis.

      Perdeu e pronto.

      Responder
  10. Chetnik

    Rei-Zumbi continua freguês do Thiem, que continua freguês do Djoko. Contra fatos não há argumentos, kkkk.

    E a felicidade dos zumbizinhos vai durar pouquinho. Amanhã vão todos ficar pianinhos e chorosos, como de praxe, kkkk.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Você está certo.

      Não há motivo para alarde.

      O Thiem só causou um tênue arranhão na tua soberba.

      Felicidade MESMO seria se esse Federer meia-boca até aqui, imitasse o austríaco.

      Aí sim.

      Mas acho isso muuuuuuito difícil disso acontecer…

      Responder
  11. Geraldo

    Dalcim, o que mais me impressiona, na verdade, é que o sérvio, novamente, dá razão ao falastrão do Kyrgios. A postura dele em quadra é deselegante com o adversário e com o público. Depois de tantos títulos e recordes, por quê? Deveria ser tratar. Nesse quesito, está a léguas de Federer e Nadal.

    Responder
  12. Rafael Azevedo

    O primeiro e o terceiro ponto do tie-break do 3º set foram insanos…Foi um verdadeiro tiroteio do Thiem para cima do Djoko, mas o sérvio ainda conseguiu vencer os pontos. Impressionante. Na verdade, é impressionante a capacidade de defesa do Djoko como um todo. Como alguém já falou aqui, qualquer outro jogador do circuito teria perdido, ontem, em sets diretos. Mas, o Djoko quase ganhou, por um ou dois pontinhos teria vencido. A defesa e o contrataque do sérvio são surreais.

    Responder
  13. Renan Vinicius

    É notável que as mudanças táticas de Thiem, principalmente na quadra dura, vem incomodando bastante Federer e Djokovic. O austríaco vem utilizando o slice em muitas ocasiões, isso diminui os ENF e incomoda o estilo “máquina” de jogo do Djokovic. Além disso, o rapaz tem pernas e potência de golpes pra encarar de fundo de quadra. Se aprimorar um pouco mais a aproximação na rede, vai continuar aumentando a freguesia pra cima do suiço e do sérvio, sem dúvidas. Já no saibro, o desafio é muito mais complicado, pois o slice não funciona da mesma forma contra o Nadal, mas Thiem….vamos aguardar pra ver….

    Responder
  14. Chileno

    Eu já tinha comentado que o Thiem não deveria ser subestimado, mas não esperava que fosse vencer em sequência o Federer e o Djokovic.

    O austríaco tem um belo jogo. É favorito contra o italiano, e portanto, deve passar em primeiro do grupo.

    Nole e Roger devem duelar pelo segundo lugar, com favoritismo do sérvio.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele já é o primeiro do grupo, porque o primeiro critério de desempate é o confronto direto e portanto ele tem vantagem contra Djoko ou contra Federer.

      Responder
  15. beto

    Procura-se um tenista chamado Djokovic, que ataque mais, que não fique lá no fundo devolvendo bolas até que o adversário erre, que não se contente em ser uma cópia melhorada do Nadal. Foi visto pela última vez em 2111. Recompensa: o tênis agradeceria muito…

    Responder
  16. rafael

    Mestre, que belo jogo hein? Concordo que tenha faltado um pouco de agressividade para o Djoko, mas temos que dar crédito para o Thiem que jogou muito. Ele mesmo falou que talvez tenha sido a melhor partida da vida. Eu ainda acredito que o sérvio será finalista e será campeão. Ele está jogando em alto nível novamente e leva o favoritismo. Quanto ao Nadal eu acho que ele não passa do Medvedev. O que acha mestre?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu acredito num jogo de três sets entre eles, mas a chance do Nadal é se soltar mais. Acho que curtinhas e slices serão uma boa receita contra Medvedev, mas isso dependerá da confiança com que Nadal estiver.

      Responder
  17. Mário Fagundes

    “Aos que ainda duvidam das qualidades de Thiem, ele já derrubou o Big 3 por seis vezes nesta temporada.” Dedico esta afirmativa aos comentaristas sabichões que frequentam o espaço e que enchem o blog, dia após dia, com m*@#&@ de toda natureza.

    Responder
  18. Jonas

    Ah vamos com calma gente…o Thiem é pai do Federer, doutrinou o suíço este ano…5-2 sem mimimi.

    Já com o Novak os jogos são bem equilibrados e eu particularmente não tenho desculpas pra derrotas como a de ontem. Venceu quem foi melhor nos detalhes; o Thiem mereceu vencer porque na hora H teve mais frieza e foi mais agressivo, enquanto o Djoko encolheu o braço visivelmente.

    Podemos comparar com a final de WB, já que ali foi ao contrário…o Djokovic teve mérito na devolução e naquela passada espetacular, o que acabou definindo o vencedor.

    Responder
    1. Carlos Reis

      hahaha passada “espetacular” porque a bola do Federer não foi boa… Thiem merecia ter vencido em 2 sets, quase que a parede ganha mais uma SEM MERECER, como a final de Wimbledon.

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Passada espetacular que poucos conseguiriam. Não tire os méritos do patrão do Fregueser.

        Não, era jogo pra três sets mesmo definido no detalhe. Só o Frauderer que mereceu ser varrido em dois.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Já vi e REVI o lance diversas vezes no youtube!

          E não foi uma passada que chegue a ser espetacular.

          Foi bem dentro do padrão daquelas que o Djoko vive fazendo!

          O Federer é que subiu MUITO MAL…

          Foi uma passa simples, quase idêntica a que o mesmo Federer encaixou no momento de quebrar o Djoko no 7/7 !

          É que você baba tanto ovo pro imã sérvio, que qualquer porcaria que ele faz vira lenda…

          (rs)

          Responder
          1. Paulo Almeida

            Viu e reviu e continua com a viseira de fanático que lhe impossibilita de elogiar qualquer jogada genial do Djokovic, assim como o lob espetacular no USO pra cima do Londero. A passada dele foi muito mais difícil e angulada do que a da quebra no game anterior, sem comparações. Ali o Djoko subiu mal e a bola nem foi tão no canto.

    2. Vitor Hugo

      Thiem venceu Roger em IW e Madri por 2 x 1 na bacia das almas e vc diz que os jogos do austríaco com Novak são mais equilibrados? ! Procure se informar melhor antes de escrever.

      Responder
      1. Jonas

        Sim Renato, sem dúvida alguma os jogos entre Djoko x Thiem são BEM mais equilibrados.

        O Federer faz jogos duros de vez em quando, mas é freguês no geral, de acordo com o SEU critério, bom lembrar.

        Responder
  19. Jonas

    Um dos melhores jogos do ano, sem dúvida. Thiem lembrou o Wawrinka em vários momentos, sendo MUITO agressivo. Saiu de um 0-3 no tie-break do último set com muita frieza, merecido. Ainda temos que ler q a parte mental no tênis não é importante…rs.

    Enfim, Djoko x Federer tem tudo pra ser um ótimo jogo por tudo que envolve.

    Responder
  20. Tiago

    E eu que achava que Federer já estava praticamente fora rsrs…essa derrota do Djokovic não esperava, e agora se complicou de vez!!! O duelo com Federer tem tudo para se levar mais pelo emocional, levando-se em conta o ultimo duelo em Wimbledon. Thiem jogou demais, assim como o Zverev no outro grupo do Finals contra Nadal. Torço para Djokovic, mas vendo pelo lado positivo das coisas, isso é bom para o tênis se renovar um pouco. Os Big 3 estão fazendo hora extra dominando o circuito e está ficando monótono esse domínio.

    Responder
  21. Paulo F.

    Thiem ganhou do Federer e do Djokovic? Beleza, parabéns para ele.
    Mas não duvido que nas semis leve um duplo 6-1 – não importando o adversário.
    É outro que adora um fiasco.

    Responder
  22. Viana

    Há 2 anos atrás eu postei aqui, depois de Roland Garros, que tinha me impressionado positivamente com o Thiem. Disse ainda, que se tinha alguém que poderia encarar Nadal no saibro de RG, seria Thiem.
    Mas eu não imaginava que sua evolução se estenderia à outros pisos.
    O moleque bate muito, e o principal contra o Big 3: ele não tem medo!
    Ele pode até perder errando muito, pois ele sabe que se jogar sem ser agressivo, perde pros 3.
    Mas a chave é saber dosar sua agressividade!
    Torço pra que essa evolução continue!
    Esse moleque ainda vai ganhar um Slam!!

    Responder
  23. Ronildo

    Cada vez mais me convenço que tem uma turma que não entende a realidade à sua volta. No post anterior apareceu um dizendo que eu afirmei que a decisão de Wimbledom 2019 foi para tie-break no 5° set!!!!!
    Não entendem o que lêem, acreditam no Super-Mental como crianças acreditam em Papai Noel e ainda se acham mais espertos. Realmente é um caso agudo crônico que não vejo solução.

    E dar-lhe Djokovic fraquejar mentalmente diante deles sem suas mentes perceberem o que seus olhos vêem!!!!

    Responder
    1. Jonas

      Aí vem um ponto que você não deve ter pensado.

      O tenista do outro lado da quadra (Thiem) também é (foi) muito forte mentalmente. Grandes jogadores, grande jogo decidido nos detalhes, algo que não muda em nada o histórico geral do Djokovic. Até porque ele perdeu o jogo em um tie-break…não fez 40-15 e desabou mentalmente.

      Responder
      1. Ronildo

        Desabar mentalmente é sequer conseguir um match-point e sucumbir quando está sacando para ficar vivo numa partidinha de melhor de 3 sets como fez Djokovic em Cinccinati. Federer pelo menos segurou as pontas por quase 5 horas numa partida de melhor de 5 sets.

        Cara, você vai sempre passar vergonha porque o público aqui sabe a diferença de uma partida melhor de 3 sets com outra decidida no 12° game do 5° set.

        Responder
  24. Isac Martins

    Dalcim, bom dia!

    Acompanhei a partida toda ontem e acompanhei seus comentários online durante a partida. Achei interessante sua colocação após o primeiro set de que a energia dos dois jogadores não era mais a mesma. Eu acho que foi nos detalhes que Djokovic venceu o primeiro set. Se Thiem já estivesse com a variação e a cabeça que demonstrou no restante do jogo nos pontos mais importantes do primeiro set, teria vencido em set diretos.

    Algo que pensei que demoraria um pouco mais pra ver era o Djokovic não conseguir voltar pra partida devido baixa energia. Já acompanhei partidas em que ele dosava sua energia e sempre voltava na partida, mas isto ontem não aconteceu. E no final do jogo, achou que Thiem estava entregue mentalmente e que não precisaria fazer muito – ledo engano. Então, digo que ontem Thiem ganhou devido o seu jogo mas também porque estava com melhor físico.

    Fico pensando que além do aspecto mental, o fator físico também será determinante pra o jogo de Federer vs Djokovic. Será interessante observar se eles adotarão a postura de se entregar no primeiro set ou se vão dosar sua entrega pensando que a partida poderá se estender. Quem fizer isto melhor, acredito que leva. Arrisco dizer que, se for um jogo físico no primeiro set, quem levar o primeiro conseguirá ganhar o jogo em set diretos.

    Uma pergunra, Dalcim. Que ajuste você acha que o Big 3 precisa fazer em seu calendário pra poder continuar competitivo em 2020, ganhando torneios importantes ao mesmo tempo que dosa os limites físicos que estão casa vez maiores?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Isac, acho que Federer e Djokovic já vêm fazendo a coisa certa nos últimos anos, focando os Grand Slam e os Masters 1000, e ainda assim saltando alguns Masters que estão muito próximos, como os do Canadá ou de Monte Carlo. O Nadal já melhorou nesse aspecto, embora eu ainda ache que ele poderia diminuir o calendário exaustivo do saibro. Acredito que nenhum deles pode fazer mais do que 16 ou 17 torneios por temporada. Com as Olimpíadas em 2020, vão precisar dosar ainda mais.

      Responder
  25. Fred José Ferreira Ribeiro

    Vim do futuro e ..:
    Federer 6×4,6×7,7×5
    Berretini 6×3,6×4
    Final é Federer x Thiem com 6×4,5×7,3×6,6×2,7×6

    Depois passo o número da mega de domingo.kkk

    Responder
  26. Fernando Pauli

    Quem diria que num Finals, iriamos ver os dois maiores vencedores da atualidade desse torneio, se digladiando pela segunda vaga? Agora o apelido do Thiem oficialmente passa de Superestimado para Subestimado. Brincadeiras à parte, Thiem mais que mereceu essa vitória e provavelmente terá a chance de mais um encontro na final com Djoko, pois tudo indica que teremos na SF, Thiem vs Nadal e Djoko vs Zverev, a conferir. Torço para o Federer, mas sou realista, a única chance de Federer é sacar como nunca e encurtar os pontos indo para a rede, pois se ficar no fundo de quadra, não terá a mínima chance. E outra, Nadal pode terminar o ano como número um, sem ganhar nenhum jogo nesse Finals, bastando para isso a derrota de Djoko para Federer, improvável, porém não impossível.

    Responder
  27. Kevin

    Acho mais fácil o suiço “entregar” de novo um jogo ganho do que o sérvio ganhar dele, ultimamente tem sido assim e não me surpreenderia se voltasse a acontecer, até pq todo mundo sabe que a parte mental dele é a mais oscilante dentre os 3 e por esse motivo deixa de vencer inúmeros jogos que deveria vencer. Tenho quase certeza que de novo vai ser no detalhe, e ele sempre peca nesses mesmos “detalhes”, vamos aguardar os próximos capítulos

    Responder
  28. Rafael Azevedo

    Jogaço!!! Alto nível de tenis e de emoção. Dois monstros do esporte. O Thiem subiu um patamar na carreira. Acho que o carinha que chamava ele de superestimado, na verdade, subestimava o homi…
    Será que o Federer vai dar o #1 de presente de Natal antecipado para o amigo (quer dizer, colega de profissão) Nadal?

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Procure estudar ao menos um pouquinho para não passar tanta vergonha!

        Se eu não me engano está 6 x 1 pro Nadal contra o Djoko em Roland Garros…

        Freguesia muuuuuuuuito maior que a do Thiem!

        Até aquela solitária vitória “fake” do Djokovic sobre ele, não convence um só ser vivo que entenda de tênis!

        Convence apenas os fanáticos, adoradores do sérvio.

        Porque se deu em 2015, o pior ano da carreira do espanhol.

        Portanto, esse demérito que você tenta impor ao Thiem por ele perder do Touro em RG não tem o menor cabimento…

        Estude mais, você está precisando!

        Responder
  29. Adriano Souza

    O Djokovic disse que faltou ele ser mais agressivo no tie break do terceiro set. E eu concordo. Pra ser sincero, eu gostei só do primeiro set. Agressividade dos 2 lados. Agora vamos esperar pra ver como vai ser o jogo chave do Djokovic, contra o segundo melhor tenista da história.

    Responder
  30. Maurício Luís *

    Colegas internautas que vivem prevendo placares de jogos futuros, como se fossem fatos consumados: seria muito TRABALHO me fornecerem os números da megasena da semana que vem?
    Obrigado desde já.

    Responder
  31. Miguel BsB

    Assisti o Thiem jogar no Rio Open 2016 numa quadrinha lateral, a tarde, calor infernal, num jogo em que venceu o espanhol Pablo Andujar…ele começava a despontar, recém campeão em Buenos Aires, depois de bater Nadal na Semi, Almagro na final. A partir dali, comecei a acompanhá -lo mais de perto e a torcer por ele…jogadores com BH simples costumam ter minha torcida rs
    Hoje, quase 4 anos depois, mostra-se totalmente amadurecido e preparado para conquistar Slams e, quem sabe, ser número 1.
    Sempre defendi que ele deve ter uma carreira muito parecida com seu compatriota Thomaz Muster. Campeão de RG, de vários torneios no saibro, e numero 1, talvez nao por muito tempo. Muster foi por somente 1 semana, se nao me engano…
    A diferença entre eles é que o Thiem joga mais e está cada vez melhor nas quadras duras.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Muito boa observação, Miguel.

      Também acho que o Thiem têm as armas para ter sucesso como teve o Thomas Muster.

      Talvez até mais!

      E olha… que JOGAÇO que o austríaco fez hoje diante do sérvio.

      Mesmo o Djokovic tendo chegado em bolas inacreditáveis, incluindo aquelas esquerdas pesadíssimas do Thiem na paralela!

      Muitos tenistas teriam se frustrado ao ver seus ataques neutralizados com o cara chegando em bolas impossíveis…

      Responder
    2. Luiz Fernando

      Perfeito Miguel, o cara deixou de ser um saibrista para se tornar um adversário duro nas quadras rápidas também, ninguém vence Federer duas vezes nesse piso de graça e o desempenho de ontem diz tudo…

      Responder
  32. Rodrigo S. Cruz

    “Que coisa, hein Nole?
    Logo tu perder para esse que é um dos jogadores com um dos mentais mais fracos?”

    Heeeeeein?

    De onde você tirou isso?

    O Thiem ganhou todas as 3 partida diante do Federer em 2019, e eliminou Djokovic na semi de Roland Garros.

    Sem falar que ninguém nesse PLANETA consegueria com mental fraco bater o suíço e o sérvio no mesmo torneio…

    Responder
  33. André Barcellos

    Thiem tem exatos 6 anos a menos que o sérvio. A mesma diferença de idade entre Federer e Nole.
    O H2H está se equilibrando. E já são 10 partidas, com apenas 2 a mais para o Djoko.
    Se Djokovic permanecer mais 6 anos no circuito quero ver como estará essa contagem….
    Sabendo, claro que Thiem está entrando no seu auge físico e Nole estará saindo em breve.
    E olha que o austríaco não é nenhum fora de série, apenas um ótimo jogador.
    Isso lembra alguma coisa?
    Esperemos….

    Responder
      1. André Barcellos

        Começou a apanhar? Kkkk
        Só foi virará o H2H quando o suíço estava com 35.
        Djoko perdeu do Federer até no sei ano de ouro master prime, em 2015.
        E em seu pega power ano de 2011, versão ofensiva, em RG.
        Tudo isso de um cara 6 anos mais velho, e com o sérvio no auge.

        Responder
        1. Paulo Almeida

          Começar a apanhar é bem diferente de virar, sabia? Já expliquei os motivos abaixo e o Djoko virou o h2h no AO 2016, quando o sparring tinha 34 anos. Procure se informar melhor.

          Mimimi, 6 anos mais velho. Isso não faz a MENOR diferença, ainda mais porque o cara ainda é número 3 do mundo aos 38. O GOAT perde de caras 10/11 anos mais novos e ninguém da nossa torcida dá essa desculpa esfarrapada.

          Responder
      1. Paulo Almeida

        Claro, pois perdeu jogos quando era muito novo ou sofria com a intolerância ao glúten. Depois disso, 20×9 no h2h. Sem choro, freguês eterno 40-15.

        Responder
    1. Jonas

      Além do que o Paulo disse acima (porque de fato o suíço tinha 29 anos) é bom lembrar também que Federer tinha 36 anos em 2017…tecnicamente seu melhor ano, fisicamente voando.

      O mesmo jogador que estava voando este ano também em Wimbledon, quando derrotou Nadal com autoridade nas semis e perdeu nos detalhes a final.

      Torcedores do Federer precisam ficar chorando toda hora com essa besteira de idade, mas o próprio suíço prova o contrário. Eu como fã do Djokovic simplesmente admito que o Thiem foi melhor e pronto. Não tem essa de Djokovic velho ou mal fisicamente (até então).

      Responder
  34. Adriano Souza

    Tem jogo que o Djokovic é mais agressivo, tem jogo que é mais defensivo. Quem viu a final do AOPEN desse ano, viu a aula de agressividade que ele deu no Nadal. Quando acabou o jogo, acho que o Nadal nem sabia onde estava. Foi um atropelo. O Djokovic sabe ser mais ofensivo. A questão é que ele confia demais em sua incrível capacidade de chegar em bolas inchegaveis, e gosta de ficar nas trocas de bolas no fundo de quadra. O como se ele dissesse pro adversário: Pode meter a “porrada’ que eu consigo devolver. Como o Dalcim mesmo disse, hoje faltou um pouco de ofensividade a ele. Contra um jogador agressivo como o Thiem, ele tem que ser agressivo tambem, porque se deixar a vontade em quadra, o cara vai ter muito mais energia pra te ataca-lo. Eu acho o Djokovic um jogador completo, só que as vezes ele é defensivo demais. Eu prefiro aquele Djokovic mais agressivo.

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Sim, o Djoko quando joga ofensivamente no GOD MODE passa por cima de qualquer um, mas hoje esteve longe disso. Ainda assim, perdeu só no detalhe. Qualquer outro teria seria aniquilado rapidamente em dois sets com as pancadas do Thiem.

      Responder
    2. Chileno

      Eu concordo. Por isso eu me aborreço um pouco com a forma que o Djoko vem jogando de uns tempos pra cá. Eu achava muito mais bacana quando ele jogava agressivo regularmente, como em 2011.

      Acho que ele comete o mesmo erro com o Stan. Confia na regularidade, fica lá atrás se esforçando apenas pra por a bola na quadra, mas as patadas do animal fazem estrago.

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Não é verdade. Ele jogou várias dezenas de jogos com agressividade desde seu retorno ao alto nível em 2018. E nem acho que ele falhou tanto assim no tie-break: o Thiem que foi rápido demais pro winner e o surpreendeu.

        Responder
    3. GN

      É difícil ser ofensivo contra jogadores que estão atacando tudo e acertando muito, é compreensível que se procure defender tudo da melhor forma possível e esperar a ztempestade passar. Djokovic também parece ter uma motivação a mais quando joga contra Federer e Nadal, principalmente o Nadal, contra quem o sérvio tem muita confiança e assim se coloca mais ofensivo. Já com outros jogadores ele costuma ser mais passivo às vezes.

      Responder
    4. Renan Vinicius

      Vcs estão de brincadeira mesmo em kkkkkkkkk
      Se o djokovic fosse no jogo franco com o Thiem, a surra seria ainda maior, sendo que o diferencial do sérvio errar p menos possível.

      Responder
  35. Rodrigo S. Cruz

    CHETNIK,

    Nada como ver o Novak com cara de bunda ao final de uma batalha, não?

    É raro.

    Mas ninguém está livre… kkkkk

    Com apenas 57% de encaixe de primeiro serviço, Dominic Thiem despacha o Encosto em grande estilo…

    Um dia FELIZ para o tênis.

    Desta vez (pelo menos desta vez) pudemos assistir a vitória do jogo sobre o anti-jogo!

    O triunfo do vibrante tênis ofensivo sobre o modorrento tênis-físico que consiste mormente em cobrir toda a quadra.

    Eis a paga desse último:

    Com 4/ 2 de vantagem no tie-break final, o ” PAUL TERGAT” do tênis inventa ser conservador e 2 WINNERS nas fuças!

    Bem-feito…

    Vitória também da humildade sobre a arrogância.

    Pelo visto você “provou” que o Thiem é mesmo um fracote, não?

    Vai entender como é que o Federer consegue perder de um fracote assim, né cara?

    Primeiro o Novak sucumbe no detalhe para o “fraco” em Roland Garros, e de novo no detalhe, no ATP Finals.

    Derrotas mais expressivas que as sofridas pelo suíço…

    Parafraseando os provocadores eternos como você:

    “Dominic, o novo PAPAI do Novak”.

    Responder
    1. Carlos Reis

      Quase que o DjokoVICE de Roma ganha mais uma sem merecer, como foi a final de Wimbledon.

      SE o Federer tivesse feito sua parte, o placar de GS estaria 21-19-15, e essas Noletes estariam quietinhas na sua insignificância.

      Responder
  36. Carlos

    Eu não gostei da atuação de Federer hoje. Achei que jogou um pouco melhor contra Thiem. A diferença entre a derrota de Domingo e a vitória de hoje esteve mais atrelada à qualidade dos adversários do que à atuação do Suíço. Apesar de ainda jovem, não consigo imaginar Berrettini participando novamente de um Finals. Tem ótimo saque e uma boa direita, mas é muito limitado em todo resto. Erra demais.
    Quanto a Djoko, pelo desgaste e pela derrota de hoje do jeito que foi, creio que seu favoritismo diante de Federer diminuiu um pouco. Contudo, mesmo que o Sérvio não jogue seu melhor, definitivamente Federer precisa ter uma atuação acima das que teve nas duas primeiras rodadas se quiser passar de fase.

    Responder
  37. Marcilio Aguiar

    Que ótimo. O Thiem mais uma vez vence um BIG 3 no ano. Tem a chance de fazer a tripleta caso encare o Nadal na semi. Vi somente parte do primeiro set e o Austríaco parece que jogou mais perto da linha de base como fez contra o Federer. Ele tem golpes muito potentes e as vezes se desgasta muito jogando lá atrás. Ele acaba errando demais porque bate na bola o tempo todo. Agora parece que está variando mais o jogo. Pena que em jogo de 5 sets parece que ele vai perdendo a intensidade e no final não consegue ganhar. Me lembro do jogo épico do USOPEN 2018 que ele varreu o Nadal no primeiro set com uma intensidade absurda. Depois o jogo se alongou e acabou perdendo no 5º set.

    Responder
  38. Maurício Luís *

    Dalcim, e se acontecesse de um classificado para a semi precisar desistir do torneio? Acredito que o Bautista-Agut não poderia entrar. Mas como ficaria?
    Lendo a matéria que mostra as possibilidades matemáticas do Djoko após essa derrota, fiquei com um certo receito: será que caiu algum ZERO no chão durante os cálculos?..

    Responder
      1. Maurício Luís *

        Muito obrigado. Mas agora falando sério, você deve ter dom pra Exatas ou é formado em estatística. Eu não tenho paciência pra fazer tanta conta.

        Responder
  39. Paulo Almeida

    Vou falar por mim, mas creio que os outros torcedores do Djoko não esculacham o Nadal porque o único torcedor assíduo do espanhol aqui do blog é o LF, que é bem tranquilo. Claro que se houvesse algum do tipo do Vitor Hugo por aqui, é óbvio que ele levaria muito na cabeça.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Hahahahaha

      Podem arquivar isso daí na letra “B”, de BULLSHIT…

      Primeiro que você fala do Victor Hugo como se esquecesse de que você mesmo é uma copia reversa e piorada dele…

      Segundo que a razão de não esculacharem o Nadal é o simples fato de não sentirem a menor inveja dele!

      Enquanto que a inveja MONSTRA do Federer advém dele ser o único com preferência majoritária entre os experts.

      Pela tão bem-sucedida combinação de recordes e o estilo de tênis clássico…

      O resto é conversa pra ruminante dormir!

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Sou uma cópia reversa e piorada apenas na sua insignificante opinião.

        Errado, ninguém tem inveja do rei da entressafra, cujos recordes só foram possibilitados pelos adversários pífios daquele período. A questão são os poucos torcedores do Nadal que postam por aqui.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Porra nenhuma!

          Já ficou ricamente evidenciado que os nolistas tem um número INFINITAMENTE maior de Fakes e uma arrogância incomparável…

          Responder
      1. Paulo Almeida

        Eu disse ASSÍDUO. Você mesmo posta bem raramente por aqui.

        E não, são pelo menos uns dez torcedores diferentes do Djoko que postam com frequência. Não entre nessa besteira de fake dos recalcados.

        Responder
  40. Lincoln

    Mas o Superesthiemado não era apenas jogador de saibro?

    O clayboy papou os dois maiores campeões do Finals na hard indoor?

    Que ousadia!!!

    a turma da igreja universal do reino do big 3 precisa aprender a respeita a rapaziada. Não é porque temos deuses jogando que o resto é só pangaré!

    Houve tenis antes dos deuses, e haverá depois.

    O Tenis vive!

    #chegademesmice

    Responder
  41. Gildokson

    Vamos ver se o gênio dos comentários, aquele tal de Chetnik vai aparecer por aqui hoje falando em freguesia para Thiem e outras besteiras que ele escreve. Ahh não ja sei, vai esperar o resultado de Federer vs Djokovic kkkkkkkkk

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O primeiro é confronto direto (entre dois jogadores, claro). Se houver tríplice empate, então entram o set-average (vencidos divididos por perdidos) e por fim game-average.

      Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Exatamente, porque o máximo que Djoko e Federer podem fazer é se igualar a ele com 2 vitórias e 1 derrota, e aí Thiem leva vantagem do confronto direto.

          Responder
  42. Isaías

    Dalcim acho 2019 pode ter sido o último ano de Thiem na “escola” pra se tornar um grande campeão, ao meu ver ele sai de 2019 maduro, pronto, preparado para grandes conquistas independente do piso, claro que os masters no saibro e Roland Garros são sua praia, mas ele está muito competitivo no sintético esse ano, infelizmente não esteve bem fisicamente nos torneios americanos e teve seus resultados comprometidos. Precoce no talento, porém de evolução emocional e leitura de jogo um pouco demorado Thiem realmente lembra um pouco a trajetória de Murray Dalcim nesse quesito, ele foi conseguindo a cada ano que se passava resultados mais expressivos, títulos mais importantes, porém a cobrança também foi crescendo muito a ponto de muitos acharem que ele era superestimado. Acho que finalmente ele está pronto, seus resultados contra o big3 e seus títulos em Indiam wells e em Viena onde nem jogou tudo o que sabe parece ter enchido sua confiança, pra falar a verdade nunca achei Thiem um tenista tão frágil assim emocionalmente e sim um tenista sem muita visão de jogo, sem um melhor apuro tático, sempre foi afobado porém deu um salto de qualidade nesse quesito e hj raciocina muito melhor, tem uma visão melhor e executa melhor as estratégias, sempre acreditei no potencial dele e pra mim é questão de tempo pra ele ganhar seu primeiro Grand Slam finalmente, um pouco mais velho do que imaginei já que está com 26 anos já, porém Murray é um exemplo vivo de que dá pra ser muito grande mesmo sem ser tão precoce no primeiro titulo de Grand Slam.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Isaias, eu afirmei que me surpreenderia se Thiem não ganhasse Roland Garros um dia, e continuo acreditando nisso. Acho que 2020 pode ser enfim a sua vez.

      Responder
      1. Sandra

        Pensei exatamente nisso , estou começando a achar impossível ele não ganhar RolNd Garros, e já tenho dúvidas se o grego não leva o ATP Finals, essa garotada bate tento tanto na trave que acaba chegando lá , o que você acha?

        Responder
        1. Sandra

          Aliás Dalcim, já que tá difícil para o Djoko vou ver se ao menos o Flamengo se torne campeão, mas tá também difícil secar o Palmeiras!!! rssss

          Responder
          1. José Nilton Dalcim

            Não tem como tirar o Brasileirão do Flamengo, time muito forte e ainda está dando tudo certo. Merecido.

        2. José Nilton Dalcim

          Olha, acho que o Thiem tem mais chance neste Finals, ao menos por enquanto, mas de forma geral acredito que Tsitsipas será um dos grandes em futuro muito próximo.

          Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, voltou ao estágio anterior. Nadal é que depende si. Precisa ir à final, desde que vença os dois jogos do grupo e obviamente a semi.

      Responder
  43. Vitor Hugo

    Já que o jogo era contra Thiem, o SporTV resolveu transmitir o jogo. O lixo x agressividade e talento.

    O mais completo de todos, segundo Dalcim, Chiquinho, Eusébio, Sampras, Laver, Kyrgios, Stan, Tony Nadal, Thiem, Tsipas, Guga e etc, Roger Federer, segue firme rumo ao Octa!

    Responder
  44. Paulo Almeida

    DjokoGOAT oscilou demais: mal no serviço, nas devoluções e nas trocas. Ainda assim, só foi perder no tie-break do terceiro set, enquanto o GUAT foi varrido rapidamente em dois sets. O normal do Thiem é sempre errar muito mesmo, então não foi surpresa ele não ter fechado o jogo mais rápido.

    Agora é esquecer desse jogo para detonar o sparring mais uma vez na quinta.

    Responder
      1. Sandra

        Dalcim, fico arrasada qdo Djokovic perde , ainda mais ele jogando bem , mas aqui se faz aqui se paga, ele amarelou, ficou com inveja do Federer! Rssss

        Responder
  45. Vitor Hugo

    Fraquíssimo o italiano! Só tem saque e forehand, nada mais! Back e devoluções horríveis. Sem chances de ganhar slam. Talvez um Masters.
    Só consegue entrar no jogo se o saque entrar, caso contrário é um tenista comum.

    Responder
  46. Francisco

    Boa noite Dalcim você acha que os big3 do futuro provavelmente vão ser o Thiem, Zverev e Tsitsipas?? e outra você acha que a esquerda de uma mão do thiem hoje é a mais agressiva do circuito ou ainda seria a do Wawrinka? obg

    Responder
  47. Vitor Hugo

    Bagrevice tem 6 x 4 contra Thiem, porém, Dominic venceu quatro das últimas cinco partidas entre eles, ou seja, tá mais feio pro cotonete contra o austríaco do que pra Roger. Detalhe: Em Roland Garros, 2 x 1 pra Thiem contra frangovice.

    Sobre o jogo de hj, o placar não retrata a surra de o austríaco deu no servio, tanto no jogo como nos winners, que foi 50 a 27 pra Dominic, contando os aces que o cotonete fez mais que o rival.

    Thiem tem mais talento, habilidade e técnica que o bagre. Viva o jogo ofensivo!

    Roger vai ajudar o ” irmão” baloeiro e tirar o sérvio -bagre-passador de bolas do torneio.

    Responder
    1. Paulo Almeida

      O saco de pancadas do patrão DjokoGOAT nunca mais vai vencer o Thiem, isso é um fato.

      Já está morrendo de medo do jogo de quinta? Só lembrando: 10×6 em GS, 4×1 em finais de GS, 13×6 em finais, 12×11 em semifinais, 3×0 em finais de Wimbledon, 11×9 em M1000, 3×2 em Finals, 20×9 no h2h de 2011 pra cá, 9×2 em GS de 2010 pra cá.

      Prenda a respiração aí, freguesaço do maior e melhor de todos os tempos!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *