Nadal frustra e preocupa
Por José Nilton Dalcim
2 de novembro de 2019 às 18:15

Nada pode ser mais anticlímax do que um abandono. E sem sequer entrar em quadra. Rafael Nadal sentiu uma fisgada na região abdominal nos últmos saques de aquecimento que fazia antes de enfrentar Denis Shapovalov, consultou o médico que diagnosticou pequena ruptura e diz ainda ter voltado à quadra para testar novos serviços, mas a dor persistiu.

Sabiamente, desistiu de disputar a semi de Paris. Segundo contou, aconteceu algo semelhante antes da semi do US Open de 2009, quando surgiu uma ruptura de 6 milímetros. Insistiu, perdeu feio para Juan Martin del Potro e a lesão aumentou quase 5 vezes, complicando seus meses seguintes.

“Espero que consiga me recuperar para o Finals, que é o objetivo maior”. Todos aguardamos isso. Havia grande chance de uma batalha épica neste domingo na decisão de Paris contra Novak Djokovic. Agora, o sérvio ganhou a chance de diminuir drasticamente a distância no ranking e assim brigar diretamente com Rafa pelo número 1 na arena O2. Tomara que haja disputa e emoção dentro de quadra.

No momento, Djoko está 1.040 pontos atrás, uma distância difícil de tirar em Londres caso Nadal esteja em forma. Mas se confirmar o favoritismo e chegar ao penta em Paris, reduzirá a distância para 640 e aí obrigará Nadal a ser finalista invicto. Se o espanhol não jogar, bastará a Djoko ser vice até com uma derrota na fase classificatória.

A julgar pela atuação deste sábado contra Grigor Dimitrov, será bem difícil Shapovalov evitar o 34º Masters de Djokovic. O sérvio até cometeu mais erros não forçados do que o usual na segunda metade do primeiro set, mas sempre achou um jeito de evitar break-points, ora com saque forçado, ora com bolas profundas. Teve é verdade alguma sorte no tiebreak. Presenteou o búlgaro com uma dupla falta, o que levou Dimi a sacar com 5-4 e ter um swing-volley muito fácil para atingir os set-points. Falhou feio, e contra esses Big 3 não se desperdiçam oportunidades de ouro.

Djoko jogou num nível incrivelmente alto e preciso os pontos seguintes, levou o tiebreak e chegou à primeira e única quebra da partida já no terceiro game. Deu as cartas sem oferecer qualquer chance de reação, mas é preciso destacar a boa atuação de Dimitrov. Vejam só: ele ganhou mais pontos curtos (33 a 31) e empatou nos mais longos (10 a 10), perdendo por pouca margem nos entre cinco e nove rebatidas (26 a 18). E, com exceção ao lance tão amargo do tiebreak, mostrou cabeça fria e determinação tática. Quiçá continue assim em 2020.

Habilidade e fortuna em Shenzhen
Duas das mais talentosas jogadoras do circuito irão decidir o Finals de Shenzhen, o que promete grande qualidade para o último jogo feminino da temporada regular. Ashleigh Barty e Elina Svitolina são acima de tudo grandes estrategistas, com capacidade de utilizar diferentes recursos e alternar táticas conforme as necessidades.

Para dar ainda mais sabor, a ucraniana venceu todos os cinco duelos, incluindo um neste ano, em Indian Wells, que aliás foi um jogaço, decidido em três longos sets. Mas vale lembrar que a australiana estava em outro estágio nos confrontos anteriores.

Como ainda não perdeu partidas na semana, Svitolina pode ser campeã invicta e aí embolsar o incrível prêmio de US$ 4,72 mi, o maior da história do tênis. Como perdeu um jogo na fase de grupos, Barty irá faturar ‘só’ US$ 4,42 se for campeã, que também seria recorde.

E mais
– Shapovalov já venceu Djoko neste ano, mas na exibição de Boodles, que antecede Wimbledon. Oficialmente, perdeu os três duelos, todos em 2019, dois deles com placar elástico (Roma e Xangai). Ganhou um set em Melbourne, mas levou ‘pneu’ no quarto set.
– Djoko joga a 50ª final de Masters da carreira e a 111ª no geral, em busca do 77º título. Neste ano, venceu AusOpen, Wimbledon, Madri e Tóquio. Portanto três pisos distintos e pode acrescentar o duro coberto.
– O canadense já garantiu o 15º lugar do ranking final da temporada, seu recorde pessoal, e o eventual título o levará ao 11º, apenas 80 pontos atrás de Gael Monfils.
– Classificados para o Finals devido ao título de Roland Garros, Nicolas Mahut e Pierre Herbert retomaram a parceria nas últimas semanas e estão pertinho do título de Paris. Enfrentam Karen Khachanov e Andrey Rublev.


Comentários
  1. Luis

    Oi Dalcim, você saberia dizer quantos GS e masters1000 mais ou menos o Nadal deixou de participar ou desistiu durante o torneio na carreira? Deve ser bem frustrante se machucar praticamente todos os anos. Eu estou com uma lesão que vai e volta e não consigo jogar tenis direito e acho que isso é muito chato. ..

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A partir de 2004, Nadal deixou de disputar oito Grand Slam (três Wimbledon, dois US Open e AusOpen e um Roland Garros). Em Masters, foram 29, com maior número em Paris (nove).

      Responder
  2. Oswaldo E. Aranha

    Alexandre Sartori, pelo que escreveste deduzi que és flamenguista, mas quero te dizer que o Vasco é muito grande e não pode ser avaliado por algum dirigente que possa ser mal interpretado; afinal muitos dirigentes de vários clubes também não deram bom exemplo. seja mais comedido em tuas mensagens.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Curiosamente o nome Djokovic é o o que MENOS importa para esses caras.

      Eles só se preocupam com o Federer… (rs)

      E foda-se se o Djoko acaba de conquistar mais um Master 1000.

      Já vestem o capuz da Klu-klux-klan e viva o ÓDIO!

      Responder
  3. Paulo Almeida

    O maior e melhor de todos os tempos DjokoGOAT é PENTA de Paris sem perder um set sequer e agora é o maior vencedor dos torneios que interessam, com 55 canecos.

    Vida longa ao rei NOVAKING!!!!!

    Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Ele já viu o Sérvio chorar tantas vezes por não levar o Ouro Olímpico que ele pula essa conquista. Esse cara é realmente hilário rsrsrs Abs!

        Responder
      2. Paulo Almeida

        Não, pois a ATP não contabiliza o ouro olímpico como Big Title, mas eu particularmente considero como tal. Resta a ela fazer como a FIFA, que reconheceu todos os Mundiais de Clubes.

        Por enquanto Djoko está isolado oficialmente com 55.

        Responder
      1. José Nilton Dalcim

        Se pensarmos em termos numéricos, o Rafter ficou apenas uma semana lá. Acho que o melhor que nunca foi (e injustamente)… o Guillermo Vilas.

        Responder
          1. José Nilton Dalcim

            Não gosto muito desse tipo de classificação. Acho que chegar ao número 1 é um feito espetacular. Rafter ficou apenas uma semana, mas podemos dizer que ele era um jogador limitado com seu tênis tão clássico? Marcelo Riós deve reinado curtíssimo, não venceu Slam, porém houve poucos tenistas tão habilidosos quanto ele no circuito. E Juan Carlos Ferrero lutou muito na carreira para não ficar limitado ao saibro.

  4. Michael

    Não fosse a teimosia do Novak em operar o cotovelo já em 2017, a discussão sobre o GOAT já estaria encerrada.
    Ele já teria passado dos 20 slams, o Federer teria no máximo uns 18 e o Nadal uns 16.
    As semanas como número 1 já teriam passado de 350 e os títulos de Masters 1000 estariam, chutando por baixo, em 40.
    Por fim, já estaria empatado com o Federer em títulos do Finals e esse ano passaria.

    Responder
  5. Roberto Garcia

    A caravana passa e os cães ladram… Enquanto isso, a história está sendo escrita… Ninguém ia superar os recordes de schumi? Hamilton está perto. De forma análoga, Djoko, pela idade e títulos atuais, quebrará TODOS os recordes de Frauderer. Anotem… a next gen até atrapalha, mas não é o determinante… Aos que são contra, parem e comecem a apreciar e reconhecer que temos sim, o jogador, indubitavelmente, mais completo de todos os tempos

    Responder
    1. Jose Yoh

      Roberto Garcia? Nunca vi por aqui, mas seja bem-vindo!
      Claro, os recordes existem para serem quebrados. E a cada geração que passa, mais recursos a próxima tem para quebrá-los.
      Nole por exemplo teve uma medicina muito melhor para operar e se recuperar mais rápido de suas lesões.
      E tudo indica que pelos números talvez chegue a ser realmente o maior de todos os tempos até agora.
      Mas o mais completo, isso acho difícil. Mesmo porque os tempos não exigem que ele seja completo em todos os fundamentos.

      Responder
      1. Roberto Garcia

        Muito obrigado José!

        Não sou um discípulo do Paulo Almeida rsrs… Mas acredito que ele posta muita coisa do que entende. É porque, de fato, estamos diante de um tenista que veio pra quebrar todas as barreiras, ainda que nao seja o mais “técnico” da história. Quando falo o termo “frauderer”, claro, é para apimentar esta discussão, sendo óbvio que o infame apelido, não correspode a esta lenda do tênis, segundo melhor da história…

        Responder
    2. Gildokson

      A coisa mais ridícula que acontece nesse blog é quando alguém chama um gênio com Roger Federer de “Frauderer”
      Vocês podem não achar Federer o melhor, mas dizer q ele é uma fraude demonstra praticamente um distúrbio mental da parte de vcs.

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Gildoksão, a “fraude” seria justamente em ser o GOAT, mas ninguém da nossa torcida fala que ele é bagre, fraco etc. Já na de vocês é incontável o número de pessoas que depreciam tanto o Nole quanto o Nadal. É apenas um payback.

        Responder
  6. João ando

    Não saio do blog pois gosto muito do seu blog …Ele disse que ia sair e não ficou nem dois dias fora ….acho o contraditorio importante mas o cara e um chato de galocha..

    Responder
  7. João ando

    Dalcim . O cara me pediu para esquecer ele e eu já fiz e ele fica me cutucando ….Não li o que ele escreveu e nem me interessa acho que todas essas discussões devem ser bloqueadas por vc que e da moderação…..grato João ando

    Responder
  8. Rodrigo S. Cruz

    [João ando]
    2 de novembro de 2019 às 21:28

    “Eu nao sei que vc não usa fakes e esquecido ja está ha muito tempo pois como disse so converso de tênis com quem acompanha tênis e não um novato”.

    Não sei se eu entendi muito bem, cara.

    Você escreve mal demais…

    Mas do pouco que eu acho que entendi, eu tenho que te perguntar algo simples:

    Que suposto conhecimento seria esse teu, já que nunca desenvolveu na vida um único texto?

    Responder
  9. Lascou

    “Tidos aguardamos isso”, vírgula!! Fale por você! Qualquer torneio sem esse cara o ar fica mais leve, menos maliciosi.
    Tida hora vem com esse negócio do abdomen… e já apriveita com isso para desmerecer a surra que tomou do Del Potro no longínquo 2009…

    Tudo sempre visando disseminar o mito de que “Nadal em firma não perde pra ninguém”.

    O cara é doido (rico), tem fobia patológica de ser derrotado.

    Responder
  10. Paulo Almeida

    Domingos Venâncio usou as seguintes palavras na transmissão de ontem: “possivelmente o jogador mais completo da atualidade”. Foi na hora do sorteio, todo mundo ouviu e não foi a primeira vez. Portanto, o freguesaço 40-15 Sérgio Ribeiro não precisa mais chorar.

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Fregueser, o terceiro melhor de sua época, já está aposentado? Não, logo faz parte da atualidade.

      O menino Renato/Vitor Hugo só deve ter visto os últimos 3 Slams do Jagua e todas as surras que levou do seu pai, avô e carrasco Djokovic de 2015 pra cá. Daí tanto ódio pelo maior e melhor de todos os tempos e menos pelo Nadal.

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      “ Possivelmente o melhor jogador da atualidade “ . Que que isso tem haver com “ melhor de todos os tempos “ . Cara você é ridículo rsrsrs Abs!

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Um cara chamar de “ surra “ essa Final épica de Wimbledon 2019 demonstra que é um analfabeto a nível deste Esporte Maravilhoso. Abs!

        Responder
      2. Paulo Almeida

        Freguês 40-15, e do que estávamos falando o tempo inteiro? Às vezes eu acho que você nem lê os posts, pois não é possível tanto analfabetismo funcional.

        De qualquer forma, mais completo e melhor da história não significam a mesma coisa, mas uma coisa praticamente implica a outra.

        Responder
    3. Sérgio Ribeiro

      “ Possivelmente o jogador mais completo da atualidade “ . O que isso tem a ver com “ melhor Tenista de Todos os Tempos “ ? . Cara você é ridículo rsrsrs E não é que arregou de perguntar ao Domingos no ar kkkkkkkk Abs!

      Responder
  11. Alessandro sartori

    Bem que o Federer ao se aposentar pudesse vir a morar e ser presidente do Brasil, melhor ainda se Djoko ou Nadal viessem a ser vice…o modo de pensar e agir desses caras deveria servir de exemplo…num país que sai de uma corrupcao pra colocar no poder uma especie de eurico miranda do futuro, a chance desse país virar um Vasco futuramente é grande, infelizmente…

    Responder
  12. Julio Cesar

    Dalcim, esse tipo de ruptura muscular abdominal se recupera normalmente em quanto tempo? Sei que você não é médico, mas já viu muitas dessas, por isso a pergunta.

    Responder
  13. Rafael Azevedo

    É…foi triste. Que banho de água fria! Seria uma final fantástica.
    Ah. E que belo jogo entre o Djoko e o Dimitrov. Alto nível de tênis.

    Responder
  14. Willian Rodrigues

    #naosomosfanaticos. Particularmente, eu adoraria ter assistido ao maior-clássico-da-história-do-tênis na final desse torneio em Bercy!!! Uma pena Nadal ter se contundido. Seria um dos maiores jogos da história dos masters 1000 porque ambos estavam em plena forma e jogando em alto nível!
    Apenas quem é realmente apaixonado por esse esporte entende o que estou dizendo. Aguardemos e torçamos para que Nadal chegue inteiro ao ATP Finals e tenhamos grandes jogos pra encerrar a temporada com chave-de-ouro.
    Abraços a todos!

    Responder
    1. Paulo F.

      Nadal x Djokovic é o maior confronto da história do tênis, sem dúvida alguma.
      H2H parelho, quantidade enorme de confrontos, jogos (na maior parte deles) verdadeiras batalhas e em altíssimo nível, maior parte dos jogos foram finais e semifinais de M1000 e GS…

      Responder
  15. Luiz Evandro

    Dalcim,
    É o que você sempre falou, Nadal nunca soube escolher calendário. O que ele vai fazer na Davis?? E principalmente, o que foi fazer na Laver Cup?? Com seu histórico, idade e jeito de jogar, precisa de mais descanso.

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Que raciocínio lindo!

        Não é vassalo o bastante de ceder convite para casamento, mas é vassalo o bastante para disputar a Laver Cup “a mando” dele.

        E essa da Mirka, então…

        Patético!

        Só faltou dizer que o Sérgio Moro é agente infiltrado da CIA para roubarem o pré-sal…

        kkkkk

        Responder
  16. Vitor Hugo

    Rafa sempre fez turismo em Londres, então ele poderia ir machucado ou não.

    Estou torcendo pra Roger cair no mesmo grupo do baloeiro, pra ganhar a quinta partida diante do espanhol no finals e quem sabe repetir o humilhante 6/0 e 6/3 de anos atrás, em menos de uma hora e jogo mais rápido e fácil já disputado entre os dois.

    Responder
    1. Lascou

      Sum. Com raríssimas exceções, ele planeja a temporada para terminar no US Open. O resto ele vai enrolando, aproveitando-se da credulidade da mídia e dos puxa-sacos.

      Responder
  17. Nattan Lobatto

    Boa noite, srs!

    Torcendo muito para que o sérvio ganhe amanhã e, assim, coloque mais fogo no ATP Finall…
    Tirando a partida um tanto quanto irregular na estreia, Novak foi irreprochável nas oitavas e quartas e hj foi contundente diante do talentoso búlgaro.

    Que venha o 77º título!

    idemo!

    Responder
  18. PIETER

    Brilhante atuação do talentoso Thiago Wild lá em Guayaquil, derrotando o encardido e perigoso Varillas.
    Dalcim, você viu o jogo? Se sim, o que achou do desempenho do brasileiro?
    Eu arrisco dizer que, se ele seguir evoluindo e melhorar a concentração e o equilíbrio emocional durante os jogos, já ano que vem tem jogo para, pelo menos, top 150. Seria esperar demais?

    Responder
    1. Lascou

      Esse negôcio de “se melhor a concentraçào e equilíbtio emocional, vai longe”, já foi dito sobre dezenas de yenistas mais talentosis que o Wild, e pasmem: ele nào melhoraram.

      Responder
    1. Chetnik

      Tô pensando em alguém com um “português” tão ruim quanto o seu no blog, mas não consegui achar um. Acho que você não tem fake no blog, kkkk.

      Responder
  19. Maurício Luís *

    Versão extra-oficial nos dá conta do real motivo do abandono do Nadal.
    A patroa Xisca ligou no celular dele antes da partida:
    “- Você levantou, não fez a cama, deixou meia e cueca esparramada pelo quarto, não tampou a pasta de dente… Fora que tem louça pra lavar, roupa pra por no varal e é dia de por o LIXO pra fora! VOLTE JÁ AQUI, seu baloeiro!”
    “- Mas benzinho… eu tô na semi…”
    ” – A semi o escambau. Enrolou-me por 14 anos com esses seus torneios. Não quero saber! Já tô com o rolo de macarrão na mão!”
    Pra não parecer que ela manda nele (mas manda sim), então ele inventou essa FAKE contusão.
    ” É verdade esse bilhete.”

    Responder
    1. Barocos

      Pois é, é incrível que alguns se deixem levar pelo fanatismo. Acho muito difícil que surja outro jogador tão espetacularmente precoce como o Nadal, e falo isso apesar de minha preferência pelo sérvio e admiração pelo suiço.

      Para aqueles que gostam de tênis, ao invés de erguerem templos de adoração cega:
      https://www.youtube.com/watch?v=vTYPBRFkH0Q

      Responder
      1. João ando

        Barrocos. Aaron krikestein e Jimmy árias surgiram com 15/16 anos asssim como gasguet so que não ganharam tanto como Nadal ganhou …acho que Nadal apareceu com 17 anos

        Responder
    2. Paulo Almeida

      O nível dos caras que postam com o Facebook sempre foi muito baixo e incrivelmente o Renato/Vitor Hugo vira fichinha perto deles.

      Não ouse me comparar a essas criaturas.

      No mais, lamentável é escrever “impreguinaram”.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *