Insaciável Medvedev
Por José Nilton Dalcim
13 de outubro de 2019 às 22:02

Muitos dizem, com certa razão, que seu jogo não é tão vistoso e atraente, mas o fato é que o russo Daniil Medvedev roubou a cena. Achou um padrão e está cada vez mais difícil alguém competir com ele, principalmente nas quadras sintéticas. Ele conquistou neste domingo o segundo troféu consecutivo de Masters, justamente nos dois pisos mais velozes desse nível no circuito..

O russo de 23 anos desfila números impressionantes. Desde o vice no US Open naquela incrível final em que quase virou em cima de Rafa Nadal, venceu todos os 18 sets que disputou. A sequência desde Wimbledon inclui 29 vitórias em 32 possíveis, e não foram quaisquer triunfos: bateu cinco de oito top 10, entre eles outra vez o líder do ranking.

Aliás, penso que a reação que conseguiu na semi de Cincinnati, quando Djoko parecia caminhar para a vitória com facilidade, tem muito a ver com o momento que Medvedev vive. Ele vinha dos vices para Nick Kyrgios e Nadal, mas daí em diante virou um leão. Destruiu David Goffin na final, fez um US Open incrível e nem deu bola para a polêmica com o público.

A fase é tão boa que ele tem superado com folgas seus momentos de provação. Na final de São Petersburgo, tinha histórico de 0-4 contra Borna Coric e o placar foi um massacre de 72 minutos. Na decisão de Xangai, outro 0-4 diante de Alexander Zverev, e um resultado muito parecido, apenas um game e dois minutos a mais para o adversário.

A frase de Zverev diz tudo: “Hoje ele é outro jogador”. Na final deste domingo com teto fechado, Medvedev atacou o forehand do alemão para ir a 3/0, perdeu consistência e cedeu empate, mas aí viu o adversário cometer as tradicionais duplas faltas sob pressão. Enquanto Zverev se apressou no segundo set, o russo disparou winners.

Com 59 vitórias na temporada, sendo 46 na quadra dura e 22 de nível Masters, o russo já supera Roger Federer no ranking da temporada por 185 pontos, o que significa que irá duelar diretamente pelo terceiro posto daqui para a frente.

E não pensem que Medvedev considera um descanso. Ele entrou na chave de Moscou, onde estreará na segunda rodada e tem Karen Khachanov como principal concorrente, e depois emenda o 500 de Viena e o 1000 de Paris antes de enfim uma semana de preparação para debutar no Finals de Londres.

O apetite desse rapaz parece insaciável.

Bruno reage
Sempre admirador dos pisos mais velozes, Bruno Soares conseguiu enfim um grande resultado ao lado do novo parceiro Mate Pavic, depois que foi abandonado no meio do ano pelo escocês Jamie Murray.

A campanha em Xangai foi excepcional: nenhum set perdido, apenas um serviço quebrado. Tiraram os números 1 colombianos e derrotaram o próprio Jamie. A decisão contra os atuais campeões Marcelo Melo e o polonês Lukasz Kubot não teve o equilíbrio esperado.

Soares e Pavic sobem ao 18º lugar no ranking de parcerias, 1.120 pontos atrás da oitava e última vaga para Londres. Difícil, mas eles jogam agora o 250 de Estocolmo e seguem para o 500 de Viena, podendo chegar a Paris com ao menos uma chance matemática de se classificar.

Frases e fatos
– “Todo mundo estava dizendo que precisava de algo novo (no tênis masculino), então dei a eles isso”
– Esta foi a primeira final de Masters 1000 entre dois tenistas com menos de 24 anos desde que Novak Djokovic (22) venceu Gael Monfils (23) em Paris-2009.
– “Sou um tenista melhor do que era no início desta temporada. Tudo melhorou, nunca me senti tão confiante com o saque e me sinto à vontade até nos voleios”.
– Desde o título do russo Nikolay Davydenko na primeira edição de Xangai, em 2009, apenas três jogadores haviam vencido o torneio: Djokovic, Federer e Andy Murray.
– “Se continuar com essa sequência de vitórias, posso pensar no número 1 do ranking em 2020”.
– Bruno tem agora 32 títulos na carreira, sendo 4 de Masters. Melo é recordista em ambos, com 33 troféus e 9 de Masters.


Comentários
  1. AKC

    Quando o Carreno-Busta deu um salto no ranking, virando top 10, eu tinha certeza que ele voltaria uma hora ao seu ranking de origem, pois se beneficiou de buracos em chaves de torneios importantes e, na minha opinião, não tinha jogo para se firmar lá. Já Medvedev, apesar de inúmeros aspectos a serem melhorados e do tênis esteticamente pouco vistoso, possui excelente base e regularidade, e sobretudo firmeza no aspecto mental – o que o diferencia de todos os nextgen. Não sei se ele tem condições de já brigar por um nº1 em 2020, mas com certeza não é fogo de palha.

    Responder
  2. Rodrigo S. Cruz

    Paulo Almeida:

    “Se essa maioria for composta por torcedores recalcados do suíço, fica difícil concordar de fato. Logo, uma opinião irrelevante”.

    Se fosse composta só por recalcados, meu caro. Se fosse…

    Só que não é… (rs)

    Porque até quem NÃO TORCE pelo Federer sabe separar as coisas.

    E sabe reconhecer que o jogo dele está entre os mais bonitos de se assistir.

    Perceba que estou falando de um fato.

    Observável e repetido por várias pessoas até se tornar fato, e não a minha mera opinião.

    O Nadal, o tio Tony, o Djoko, o Sampras, o Big-Mac, o Laver, o Borg, o José Nilton Dalcim, o Meligeni, a dona Xepa, o Louro José, enfim…

    Enfim:

    Basicamente TODO mundo que entende pelo menos um pouco, só um pouquinho de tênis, fala isso.

    Assim como o jogo do Fognini, do Kyrgios, e de outros também são mais plásticos que o do Djoko.

    O que não significa serem melhores tenistas do que o sérvio… Porque não são!

    Os resultados atestam isso. Compreende?

    Mas o teu fanatismo é de uma natureza tão grande que a tua mente registra esse dado como uma espécie de insulto.

    (rs)

    Porque você quer que o Djoko seja melhor e superior em tudo!

    A única coisa que está faltando você brigar é para que o PINTO do Djokovic também seja maior.

    Porque eu nunca vi uma mentalidade tão bizarra como essa tua antes, Paulo…

    Responder
  3. lEvI sIlvA

    Sergio, meu caro, não estou querendo que o Medvedev se dê mal ou as coisas saiam dos eixos pra ele. É tudo uma questão de momento, sabe? Hoje e por enquanto, tudo dá certo e ele ganha jogos e torneios. Amanhã ou depois, tudo muda e os resultados somem, as dúvidas pairam sobre a cabeça. O Tênis é isso aí mesmo, uma verdadeira gangorra , hora lá em cima, hora lá embaixo. Vamos ver com ele lida com o outro lado. Abraço!

    Responder
  4. Ronildo

    Ué, a Gauff não tinha problemas com as normas em jogar determinado número de torneios por causa da idade? Ela vai jogar outro torneio esta semana.

    Responder
  5. Maurício Luís *

    Dalcim, eu o considero nosso professor. Portanto… parabéns pelo seu dia!
    ==========================================================================
    E *** ATENÇÃO*** professores que costumam comprar carros de luxo: em homenagem ao seu dia, o preço da BMW zero km entrou em promoção!

    Responder
      1. Maurício Luís *

        Onde encontra? Se o professor for a uma concessionária, comprando 2 BMWs ele ganha uma quase semijoia pra dar de presente pra sogra dele. Ou então pode escolher pra ela uma passagem turística de ida sem volta pra visitar a Faixa de Gaza pela LAP – Linhas Aéreas Palestinas. Muito bom o avião… todo de peças recicladas, em respeito à Natureza.

        Responder
  6. Fernando Brack

    Que beleza! Até que enfim um Next Gen com real capacidade de incomodar as lendas. Demorou, mas chegou.
    Pena ser um cara pouco carismático, daí eu achar que não terá grande torcida. Além disso, apesar do que mostrou no US Open, ainda me parece um atleta meio frágil. Tenho minhas dúvidas se conseguirá manter esse notável desempenho por muito tempo.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Não entendi , caro Brack. GUGA bateu Sampras e Agassi para vencer o FINALS 2000 em Lisboa. Zverev bateu Federer e Novak para vencer o FINALS 2018 . MEDVEDEV é mais velho que o Alemão e não possui 3 MASTERS 1000 como Sasha , ainda. Portanto é mais um da Next Gen que irá assumir o TOP 3 . A partir daí tudo pode acontecer . Inclusive nada como aconteceu com Dimitrov. Abs!

      Responder
      1. Fernando Brack

        Sérgio, eu tava focando nos últimos anos, mais especificamente na última década. Guga já é um passado remoto.
        Mas vc tem razão. Outros Next Gen, como Zverev e Thiem, já tiveram bons resultados em cima das lendas, apenas não se firmaram. E Medvedev pode muito bem não se firmar também e eu coloquei isso como parte de minhas dúvidas.

        Responder
  7. PIETER

    Dalcim, qual sua opinião a respeito dessa turnê latino americana do Federer? Seria um prenúncio de despedida? E será que não vai lhe custar um preço no início da temporada seguinte? Fiquei impressionado com o levantamento das distâncias que ele irá percorrer no final da temporada. Haja fôlego.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, eu já havia dito aqui que a turnê é um claro tom de despedida para um lado do planeta que ele costuma vir muito pouco. E não tenho dúvida de que isso irá comprometer sua pré temporada, ainda que ele diga que o atraso será de apenas 3 dias.

      Responder
  8. Luiz Fernando

    O Rodrigo Cruz postou q Rafa será uma grande zebra no Finals e eu estou de pleno acordo c ele. Rafa chegará sem ritmo de jogo, algo fundamental p ele, pois ficará mais de 2 meses sem jogar oficialmente quando estrear em Paris, no M1000 q antecede Londres. Além disso, seu passado nesse torneio não é bom, quadras rápidas indoor não são o seu forte, contra fatos não há argumentos. Pode vencer? O Dalcim sempre diz: nunca descarte RN, quem sou eu pra discordar. Mas q não está entre os favoritos, Djoko e o russo, isso não está. mas Federer também não, se o Rodrigo tiver bom senso concordará…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      LF,

      O problema todo começou quando você deu risada da afirmação de que o Federer está entre os favoritos.

      Porque se você pensar com calma, ele está sim.

      Primeiro favorito é o Djoko, segundo é o Medvedev (devido a grande fase) e em terceiro vem o suíço.

      Quanto ao Nadal ter chances, claro que ele tem.

      Assim como tem chances o Zverev, o Tsitsipas ou qualquer outro…

      Chances menores, mas tem…

      Abs.

      Responder
      1. Luiz Fernando

        Me perdoe mas existe o provável e o improvável e vc há de convir que NO PRESENTE MOMENTO Federer não pode ser tido como grande favorito, a risada foi no sentido de numa postagem pra lá de fanática o Ronildo, se não me engano, por Federer como claro favorito, o que NO ATUAL MOMENTO ele não é, mas concordo com sua postagem, seria o terceiro favorito, creio q falamos a mesma coisa de modos diferentes. Abs.

        Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Outra vez existe argumentos . Rafael Nadal já fez duas Finais mesmo chegando no bagaço ( uma perdeu pra Federer, outra pra Novak ) . Se pulam todos os preparatórios na Grama para Wimbledon, agora terá um MASTERS 1000 com quadra semelhante à do FINALS como preparação. E muito mais descansado. Abs!

      Responder
  9. Thomaz Cardoso Leite

    Dalcim,bom dia!
    Estou achando o Federer mais preocupado com exibições e compromissos comerciais do que seu próprio jogo ultimamente.
    Veja essa gira pela América do Sul e Central como uma prova disso.
    Nos MASTERS 1000,vejo ele sem paciência,não dobrando pernas em algumas bolas,não correndo mais etc…
    Vc vê isso como uma sinal de que se trata da temporada final?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Thomaz, ele já garantiu que joga em 2020, então não vejo muita relação com a aposentadoria. Tive a sensação clara que suas costas não estavam boas em Xangai, e isso pode explicar sua falta de paciência. Quanto à turnê, me dá a impressão de ser despedida mesmo. Abs!

      Responder
  10. Luis

    Oi Dalcim, o que você qcha que o Medcedev mudou taticamente que fez ele dar essa arrancada? E oitra pergunta, como você acha que ele consegue se mover tao bem com quase 2m de altura?
    Obrigado

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A base do jogo dele continua sendo os golpes de base, muito consistente dos dois lados. Ele bate bem mais reto na bola, mesmo ficando dois passos atrás da linha, e isso é um diferencial interessante. Acho que o saque dele melhorou muito, principalmente o segundo, e ele aos poucos colocou alguns ingredientes, como deixadinha e voleios, embora ainda precisem de muito trabalho. Mas esses fatores somados lhe deram volume de jogo. Quanto à mobilidade x altura, ajuda o fato de jogar um pouco mais distante da linha e muito agachado. Kevin Anderson e Karen Khachanov são outros altões que se mexem muito bem para sua altura.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        E o aproveitamento de primeiro saque dele é uma dor-de-cabeça pro adversário…

        No jogo contra o Fognini, por exemplo, ele colocou 77% e teve 91% de aproveitamento.

        Responder
  11. neuton

    Dalcim,
    Acho que a maior prova de fogo para o Medvedev será no próximo ano, oportunidade na qual terá um grande número de pontos para defender. Aí que veremos se há consistência realmente.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Com certeza, mas ele pode compensar esse problema com um primeiro semestre mais sólido, principalmente nos três Grand Slam. Isso lhe dará fôlego (e confiança) para a defesa mais adiante.

      Responder
    2. Fernando Brack

      Não há segredo nem milagre. Pra se manter no topo, em qualquer atividade, é preciso ser consistente.
      Em particular neste esporte, tenistas não devem se preocupar em ter que defender pontos conquistados em um ano. O que eles têm que buscar é manter um regime regular de bons resultados. O cara não vai ganhar, ano após ano, os mesmos torneios, exceção feita a Nadal no saibro.

      Responder
  12. Thiago Abbattista

    É caro Dalcim! Bem que me falou do Daniil, o garoto vem forte para Finals, tanto que está até em dúvida de disputar o ATP em sua “casa” (Moscou) para se poupar!
    E o Nadal voltando depois de descansar , Djoko em boa fase e Federer assumindo ir para Tóquio ano que vem, acho que esse Finals vai ser bom ! Minha torcida é por um FEDAL ao vivo e a cores , porém o russo vem forte demais!

    Grande abraço

    Responder
  13. Maior geração do tênis chegando

    Eu escrevo aqui a um ano e meio com esse nome de usuário .. a melhor geração da história está chegando …….. E tá aí acertei Medvedev que não e o melhor da geração está melhor que Djokovic .. e sobre o Djokovic esse no máximo fica com 18 grande slam Nadal no máximo 20 slam então o rei continua Federer recorde de slam 20 e recorde de semanas ……. E sobre a nova geração o melhor e Félix auger o novo Federer depois tsitsipas shapolov de minaur e zverev empatados .. aí sim vem Medvedev que está a frente do craque berretine do Borja coric kachanov rublev esses são nível thiem .. a maior geração chegou são Big 10 todos têm chance de slam e Félix auger pode ser o rei do tênis

    Responder
    1. Miguel BsB

      Primeiramente, vc estudou português na mesma escola de outro colega aqui do blog…rs
      Segundo, não vai existir maior geração do que a do BIG 3…ever again!
      Nenhum desses next gen vai ganhar mais Slams do que o big 3, quando terminarem a carreira.

      Responder
  14. DANILO AFONSO

    Uma estatística que o site da ATP não deu o devido destaque após o título do NADAL no US open:

    BIG TITLES (Slam, M1000 e Finals)

    FEDERER – 54
    NOVAK – 54
    NADAL -54

    Se incluirmos a conquista do ouro olímpico, o que a ATP não computa nesta estatística, NADAL já seria o líder.

    Responder
    1. HILARIO MUYLAERT DA SILVA LIMA

      Esses dados confirmando o empate do Big 3 nos grandes torneios.. 54 para cada um deles…
      Federer, pode-se inferir tem mais da metade do seu cartel de títulos em ATPs 500 e 250…
      Possivelmente, Nadal e Novack terão números superiores aos de Federer.
      Só o tempo dirá…

      Responder
  15. Rodrigo S. Cruz

    E o Bellucci pela “milésima” vez no ano cai na primeira rodada de um Challenger, ao levar uma virada.

    Só que desta vez para um colombiano de 18 anos, e que tinha como melhor resultado da carreira 8 participações em Challenger e SEIS derrotas!

    Que final amargo, meu Deus do céu…

    Me faz lembrar aquela cena do filme Rocky 3, quando o Apollo dá uma bronca nele por treinar sem empenho.

    Aí o Rocky diz: ” Amanhã… vamos fazer isso amanhã”.

    E o Apollo responde:

    ” NÃO VAI HAVER AMANHÔ.

    kkkkkk

    Responder
  16. Sander

    Dalcim, boa noite. Se você fosse o técnico do djokovic, vc incentivaria ele a disputar um apt 500 como a basileia ou viena? Ou preferiria se poupar, mesmo sabendo que nadal poderia te passar, pois não defende pontos até o fim de ano?

    Responder
  17. Wagner froes

    Boa noite Dalcim você acha que o Bruno e o Marcelo já podem ser considerados os maiores duplistas da América do Sul passando o andres gomez do equador?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que estão bem perto disso, Wagner. Cada um deles têm feitos importantes (Gomez ganhou 33 títulos, 2 Slam e foi número 1 de duplas), acho difícil cravar entre Melo e Gomez, por exemplo.

      Responder
  18. Maria izabel

    Medevedev vem espantando.Grande,meio desengonçado ,mas com uma consistência e consciência em quadra impressionante.
    Jovem com sangue nos olhos ,e vem chegando para se firmar.Embora goste mais do estilo do Tsitsipas e Aliassime é Medvedev quem anda dando as cartas.Acho ótimo, certeza que o Big Three terá um jovem que quer vencer e luta muito!Zverev ainda falta algumas coisas para se aprimorar.Tem ótimos jovens em ação, mas ter o foco,o incansável treino e vontade do Big Three vai demorar um pouco mais.
    Vamos ver como Medevedev se sai em mais Grand Slans.

    Responder
  19. Thiago Silva

    O Medvedev é tão regular quanto o Cotonete, só que com saque e direita muito mais potentes e quase dez anos a menos, depois da surra no boneco de posto ontem, acho difícil ver o sérvio o vencendo novamente.

    Responder
  20. Bruno Macedo

    Acabou a fase nishikori, golfin, dimitrov, soco, isner e os caras não ganharam quase nada.
    A nova geração certamente não dará espaço para esses caras. Será a nova geração x big3. Quando o big3 parar, o q hj é a nova geração já estará bem estabelecida e os caras citados irão sumir. Talvez tenha sido uma geração perdida mesmo.

    Responder
  21. Paulo Almeida

    Jaguatiretes são muito apegados a essa besteira de semanas como número 1, mas se esquecem de que o Fregueser só conseguiu míseras 25 semanas depois dos 30 anos, enquanto seus rivais obtiveram mais do que o dobro (já computando as 52 do GOAT).

    Responder
  22. Sérgio Ribeiro

    E quanto ao estilo de MEDVEDEV , eficiência pura. Aliado ao fato de se permitir um deslocamento muito acima de que sua altura permitiria. Vamos apenas lembrar que mais jovens que o Russo , Lleyton Hewitt , Andy Roddick e Marat Safin , já possuíam SLAM. Os dois primeiros ainda são os mais jovens ( pela ordem ) ,N 1 da Era Profissional e o terceiro venceu o USOPEN2000 aos 20 , em Sets diretos pra cima de Pete Sampras . Disputou com GUGA o N1 palmo a palmo , até o FINALS 2000 em Lisboa. Como vimos vimos , MEDVEDEV já está maduro na Turma. Abs!

    Responder
  23. Paulo F.

    Medvedev tem as qualidades que tanto odeiam no Nadal e Djokovic: raça, pragmatismo, consistência, regularidade e frieza.
    Um alento, uma ilha, no monte desse bando de moleques chorões e bunda-moles.
    Colhe os frutos de seu trabalho com justiça.

    Responder
    1. André Barcellos

      Acho o bunda-molismo a principal característica dessa geração. e não digo nem nas quadras de tênis, apenas.
      Parece que a inserção no mundo virtual cria uma porção de gente que se esvai com um sopro mais forte.

      Responder
    2. Jose Yoh

      Por que alguém iria odiar raça, pragmatismo, consistência, regularidade e frieza?
      O que eu não gosto e acho que alguns aqui também são jogos longos e monótonos, pouca variação e comportamentos pouco éticos na quadra.
      Bem diferente de odiar. Isso é coisa de quem torce mais contra um jogador específico do que a favor do outro.

      Responder
  24. Antônio

    Vou contra a corrente. Acho que o Medvedev vem se revelando o tenista mais talentoso e competitivo dentre todos os da NextGen. Tem sido letal em todos os fundamentos, inclusive no saque poderosíssimo, fora uma frieza e coragem espantosas nos momentos mais complicados. Para não falar de um surpreendente preparo físico frente à maratona que se impôs dos EUA em diante.
    Ao ganhar o quarto set da final do US Open, cheguei a acreditar na virada em cima do Nadal, que foi levado ao limite.
    Acho que estamos assistindo ao surgimento do novo número 1 do ranking, em breve. Aposto que ele ganhará seu primeiro Slam ainda em 2020. Veremos…
    E mais: se o Kyrgios conseguir colocar a cabeça no lugar, teremos a garantia de jogos memoráveis entre os dois nos próximos anos.

    Responder
    1. Everton

      Esqueça qualquer regularidade no Kyrgios para disputar muitos títulos contra quem quer que for. Vai ser um tenista super talentoso e, por isso, muito perigoso capaz de fazer campanhas incríveis como em Acapulco e Washington (mesmo com sérias complicações físicas, venceu o Medvedev) e depois simplesmente sumir nos demais torneios. Não investe na carreira e seu jogo depende muito de boa condição física. Mas um jogador que não prioriza a carreira dificilmente terá um físico bom para disputar grandes jogos por muito tempo. Já está acostumado a ficar grande parte da temporada fora dos torneios.

      Responder
  25. Nando

    Grande 2° semestre do Medvedev hein…6 finais seguidas e 3 títulos. É o cara do momento, e dependendo do q ele ainda fizer nesses últimos torneios do ano, pode brigar pelo N1 no início de 2020.
    Engraçado como são as coisas, pois no início de 2019 mta gente (com razão) apostava em Kachanov, depois do AO mudou pra Tsitsipas…mas é Medvedev q elevou e vem mantendo um alto nível.

    Responder
  26. Renato Toniol

    Confesso que estou surpreso com a fase do Medvedev.
    Nunca fui fã do estilo de jogo dele, por ter um movimento muito amplo em seu forehand, mas tenho que admitir que o rapaz se vira muito bem. É uma verdadeira parede, bate sempre muito plano na bola, o que acaba cortando o tempo de reação do oponente, como bem destacou o Zverev após a final.
    Acredito sim que ele possa brigar por slam, e até número 1 do mundo no futuro, mas caso não acrescente variações em seu jogo, não creio que será o melhor da próxima geração.
    Na minha opinião, Tsitsipas e Aliassime são os mais talentosos, com Shapovalov brigando junto. O que me agrada no jogo do grego é a sua variação de jogo, e a coragem de “colocar a cara na rede”, saindo da mesmice.

    Responder
  27. Alexandre Soares

    Vou arriscar uma previsão: Por motivos contratuais com o patrocinador japonês, Federer aguenta a temporada de 2020, o motor está falhando faz tempo e o risco de contusões aumenta e ele tem muito medo disso. Nadal após casamento vai sentir o peso de uma família, até então ele desconhecia isso. Nole já está administrando o número um, basta ver como ele andou se poupando nos últimos torneios. Medvedev é franco atirador e muito consistente. Jovem, não faz esforço a ponto de contundir-se e mesmo assim está muito regular, o que é primordial no tênis. O russo logo, logo, será número um…o que vc acha Dalcim?

    Responder
  28. GN

    Li que o Daniil Medvedev está há pouco mais de um ano trabalhando com uma psicóloga. Isso demonstra maturidade e que não é orgulhoso demais pra buscar ajuda. Ele que protagonizou cenas de desrespeito e destempero nas quadras está aprendendo a controlar melhor suas emoções e a focar no realmente precisa pra ser melhor no que faz. Acredito que ele veio pra ficar. Tomara que continue crescendo, se tornando uma pessoa e um tenista melhor.

    Responder
  29. Maurício Luís *

    A Coco Gauff é obviamente uma menina-prodígio, das maiores que já vi. Só espero que saiba administrar o sucesso: ela e a família. Vendo as imagens dos pais dela, parecem-me muito “deslumbrados”.
    Oxalá tomem os devidos cuidados, e deixem a menina ser o que é: uma adolescente.

    Responder
  30. Fabio Riella Fernandes

    Oi Dalcim. Minha pergunta não tem muito a ver com o sucesso de Medvedev. Mas gostaria de saber porque não existe no calendário de torneios master mil algum realizado na grama? Afinal são 9 durante o ano.

    Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Esse L F é somente besteirol puro , caro Rodrigo. O Craque tem seis FINALS , Novak 5 e Nadal Zero. Mesmo em boa fase , o Espanhol jamais arrumou nada. Portanto , Federer ser UM dos favoritos , seria a coisa mais natural do mundo. Com Novak , MEDVEDEV mais à frente . Mas quando se é recalcado de carteirinha, tudo fica mais complicado rsrsrs Abs!

          Responder
          1. Luiz Fernando

            Sou muito grato a Federer, proporcionou muitas conquistas a Rafa e muita diversão pra mim aqui no blog kkk. Abraços…

      1. Jose Yoh

        16 participações, 6 vitórias, 10 finais e 5 semis. Caiu na fase de grupos somente uma vez, em 2008 (!).
        Com um pouco de seriedade, impossível não considerá-lo um dos favoritos. Tenho certeza que o próprio Nadal pensa isso.

        Responder
  31. Vitor Hugo

    Dalcim, na sua opinião, quem é tecnicamente melhor, Tsipas, Zverev ou Medvedev? Creio que o grego tem mais recursos, depois o alemão, mas o russo tem mais regularidade, um ótimo saque e equilíbrio entre o forehand e backhand, mental mais forte e mais fisico. É mais ou menos a comparação entre Roger, Rafa e Nole, onde todos sabem que o suíço é o mais técnico e com mais recursos, mas não o melhor taticamente e fisicamente.
    Medvedev é uma mistura de Djokovic com Cilic. Ótimo saque, bom forehand e forehand, ótima devolução e jogo horroroso de assistir, somado a falta de carisma e não terá muitos admiradores, assim como o servio chorão.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que se pensarmos apenas em variação de golpes, Tsitsipas tem certamente mais recursos. Mas a questão é consistência, e aí Medvedev está um passo à frente dele e a muitos do Zverev, que ainda tem falhas técnicas (segundo saque, voleio, chegada nas curtas) a corrigir a curto prazo.

      Responder
      1. Rafael Azevedo

        Pois é. Como podem dizer que um cara que erra, o tempo inteiro, voleio, segundo saque e defesas de bolas curtas, é mais técnico que o Medvedev. Onde está a técnica?
        Tentar golpes diferentes é uma coisa. Não significa que o cara tem mais técnicas. Isso pode ser até burrice ou desespero. Agora, se o cara tenta vários golpes diferentes, arrisca, e acerta (e faz isso constantemente), aí sim podemos considerar que é técnica. Por isso, a consistência tem muito mais relaçao com a técnica do que as variações, porque o cara sabe o que tá fazendo. A menos, claro, que as variações tenham sempre sucesso, nessa caso o tenista está mostrando que sabe o que está fazendo, e que sabe muita coisa do jogo.
        Tentar é uma coisa, ser técnico é outra.

        Responder
        1. Rafael Azevedo

          Por isso, concordo quando dizem que o Federer é o jogador mais técnico do circuito. Ele, sim, varia o jogo e acerta (às vezes dá umas madeiradas, mas é normal para o nível de risco que ele assume). O Nadal e o Djoko variam menos, mas, quando variam, também têm sucesso. Esses são os verdadeiros jogadores cheios de técnica.

          Responder
    2. Paulo Almeida

      Renato, o jogo do DjokoGOAT é sem dúvidas o mais bonito de se assistir, afinal bate lindamente na bolinha e joga o adversário de um lado para o outro do jeito que quer. Dificilmente ele dá aquelas madeiradas bisonhas do Frauderer, o freguês eterno TRIVICE de Wimbledon.

      Medvedev bate feio na bolinha, mas compensa com outros atributos.

      Responder
  32. André Barcellos

    Medvedev pode ser bom do jeito que for, mas tem um tênis que não enche os olhos. Prefiro ver o Tsitsipas, Aliassime, e outros nomes da nova geração jogando.
    É mais ou menos o que o tênis de Djokovic tem sido depois 2015. Vencedor, mas longe de ser interessante ou encantador.

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Aliassime? Outro que tem forehand horroroso.

      Jogo do Djokovic é encantador e magnífico para qualquer um que não é anti do sérvio, seu caso.

      Responder
      1. André Barcellos

        O jogo do Federer é o mais interessante é encantador para quem não é anti dele, como vc.
        Em tempo, não sou só eu que penso assim.

        Responder
      2. Rodrigo S. Cruz

        Ledo engano.

        Ninguém precisa ser “anti-nada” para avaliar que o Djokovic apesar de ser sim um tremendo jogador e grande campeão. (não uma farsa, como você diz do Federer) está longe de ter um jogo que chame atenção pela estética ou plasticidade.

        E pode apostar que qualquer pessoa normal e “bípede” enxerga isso, menos os que veneram o cara feito zumbis…

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Reparou que os companheiros do Almeidao da Kombi , zarparam ? Somente esta figura continua pagando mico todo dia . Os mentores Léo Gavião, Robson 2011, Jonas, Valmir, Paullo , e o Rei Chatonik, estão quietinhos de férias no Sítio kkkkkkkkkk Abs!

          Responder
        2. Paulo Almeida

          Estética é uma coisa relativa. Os golpes de bailarina do Jagua não são a única forma bonita de se jogar.

          Qualquer bípede sabe reconhecer as jogadas magníficas que o Djokovic faz e só na última semana eu destaco a esquerda cruzada e angulada e a direita na paralela contra o Shapo. O sérvio joga bonito SIM.

          Responder
  33. Alex

    Dalcim, sabe se existe um ranking com a ordem dos tenistas com maior quantidade de finais seguidas? Seguramente, Medvedev (que tem incrível semelhança com o Salsicha do Scooby-doo rsrs) estaria nessa lista.

    Responder
  34. rafael

    Mestre, certamente o russo nunca jogou tão bem na vida. O nível de confiança está altíssimo! Contudo, creio que somente ano que vem teremos a certeza de que ele poderá manter esse desempenho. Ele terá, muitos pontos a defender, principalmente no 2º semestre. Eu ainda acredito que o big 3 continuará reinando nos GS! Abraço

    Responder
    1. WELINGTON SANTOS

      Com a máxima vênia, permita-me discordar de você, nobre colega. Alguns fatos importantes: é notório que Federer e Djokovic, cada vez mais, sucumbem aos nexgen (viraram brinquedo para eles). Isso se acentuará no curto prazo. Na minha modesta opinião, já no ano que vem Federer sairá do big3 definitivamente. Quanto a Djokovic, entrará numa descendente, pois os novatos “aprenderam” a jogar contra ele, e o fato da idade pesa muito contra o sérvio. Quanto a Nadal, os “meninos” ainda levarão mais algum tempo (acho que uns 03 anos) para desenvolverem habilidades contra o seu jogo (golpes com muito topspin no fundo de quadra, os famosos “balões” para alguns, e reinado absoluto no saibro). É por isso que afirmo: o espanhol nadará de braçada no circuito por mais uns três anos, vai vencer uns 04 slams, uns 08 masters 1000, mais umas 50 semanas como número 1 e torço pra que vença ao menos um Finals (pelo conjunto da obra, ele merece). Queiram ou não, Nadal se tornará o maior de todos os tempos.

      Responder
  35. Alexandre Maciel

    Incrível a fase do russo. Espero que sirva de combustível para fomentar a ascensão de outros jovens. Esse M1000 já foi bem interessante. Quem sabe em 2020 a “passagem de bastão” não começa a se desenhar mais efetivamente.

    Boa semana a todos…

    Responder
  36. Valdir

    Sequencia impressionante do Medvedev, porém, apenas 1 vitória sobre big3. Em 3 jogos, perdeu 2 e ganhou 1.
    Não é culpa dele que Federer e Djokovic perderam seguidamente antes de enfrentar ele, obviamente, e também é verdade que ele venceu todos os que venceram os big3 nesses torneios, como Wawrinka, Dimi, Zverev e Sipas.

    Mas ainda espero ver ele fazer frente ao big3 seguidamente pra confiar que vai brigar pelos títulos de slam, ao menos em HC.
    Vamos ver como ele se sai no FINALS.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele ganhou duas vezes do número 1 do mundo, no saibro lentíssimo de Monte Carlo e no sintético muito veloz de Cincinnati, Valdir.

      Responder
  37. Marcos Marinho

    Supondo que o Medvedev vença Paris e o Finals, derrotando Big 3 em ambas as finais (não necessariamente Novak), você o colocaria como favorito na Austrália, Dalcim? Por quê?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, ainda não o colocaria, porque um Slam é completamente diferente do circuito tradicional. Mas sem dúvida ele estaria entre os candidatos ao título.

      Responder
  38. Ronildo

    Se fosse um romance monárquico poderíamos vizualizar alguns personagens em torno da Coroa:

    Tem um rei figurante(Djokovic) que está usando a coroa apenas até o legítimo monarca(Nadal) chegar; um nobre de sangue real preferido pelo povo(Federer), mas com poucas chances reais de chegar ao trono; um Cavaleiro das Trevas(Medvedev) se aproximando para apossar-se do reino, cheio de armas, cujos poderes tem deixado todos atônitos; um príncipe(Tsitsipas), cuja coragem e determinação tornou-o a principal esperança de ser o herói do povo que impedirá a marcha triunfante do Cavaleiro das Trevas, ou que o destronará futuramente. Além de vários outros príncipes valentes como Zverev, Thiem, Shapovalov, Aliassime, entre outros. E por último, o bobo da corte, que não agrada a muitos por causa de sua vulgaridade: Kirgios.

    Responder
  39. Fernando Augusto

    Dalcim, quem você acha que será o novo numero 1 da ATP nos próximos anos? Não consigo enxergar ainda em nenhum desses novos jogadores os requisitos necessários para se alcançar a ponta do ranking…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Minha aposta até agora é o Tsitsipas, mas a arrancada do Medvedev colocou o russo como maior candidato entre os mais jovens, Fernando.

      Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Zé Verev estava apenas jogando mais uma FINAL de MASTERS 1000. Já possui TRÊS e UM FINALS que um certo Espanhol ainda não tem . Ele conseguiu impedir um PNEU diferente de Nadal que já tomou varios , mane’ kkkkkkkkkkkkk Abs!

      Responder
  40. Bruno Costa

    Putz, Dalcim.. nenhuma palavra sobre Coco Gauff! Acho que a entrada no top 100 da garota prodígio valia ao menos umas duas linhas de espaço no blog; No mais, o blog continua ótimo sempre!

    Responder
  41. Rodrigo S. Cruz

    Não gosto muito do jogo dele, mas essa fase do Medvedev é assombrosa.

    Em todos os seus jogos ele mantém um aproveitamento percentual ALTÍSSIMO de primeiros serviços.

    Ou seja, quando a coisa aperta e ele diz ” preciso do ace”, ele simplesmente vai lá e encaixa.

    Impressionante.

    Nunca mais eu havia visto nada parecido com isso, desde Pete Sampras!

    Em Shangai, talvez tenha sido o Fognini quem tenha mostrado mais perigo, mas não soube aproveitar as chances.

    E quando se enfrenta tenistas assim que vem nessa super-sequência, desperdiçar qualquer coisa é vela preta…

    Pena o Medvedev ter escolhido PIPOCAR justamente naquela final do Us Open, né?

    E olha que o Nadal nem é lá essa “Brastemp” toda em quadras de cimento…

    Responder
    1. Rafael Azevedo

      É foi uma pena! Mas, antes dele pipocar, quem pipocou foi o Nadal. Além de estar nervosíssimo, errando forehands bobos (acho que ele estava sentindo a pressão de chegar perto do Federer), ele teve a chance de meter um 3×0 fácil e pipocou. Então, na verdade, acho que o Russo ainda saiu no lucro. Mas, de fato, o Medvedev pipocou no último set, quando de fato ele teve a chance. Mas, a chance dele foi resultado de uma pipocada do Nadal. Foi pipoca atrás de pipoca!

      Responder
  42. Antonio Gabriel

    A grande questap em relação ao Medvedev é ate obde vai a sua consistência, esse é o ponto principal, mas essa sanha de querer jogar tudo quanto é torneio jaja vai cobrar o devido preço.

    Responder
  43. Efraim Oliveira

    Medvedev faz o que nenhum grandalhão faz, que é a consistência na troca de bolas. A maioria deles mandam a bola na rede já no terceiro ou quarto golpe.

    Responder
  44. Fernando Peixoto

    Está voando baixo, mas não penso que seja o melhor jogador da atualidade, como alguns dizem. Os melhores são Rafa Nadal e Novak Djokovic. O primeiro venceu Roland Garros e US Open, além de aplicar um pneu no próprio Medvedev na final de Montreal; o segundo venceu o Aberto da Austrália e Wimbledon. Quando Medvedev vencer um slam, talvez se possa falar dele como um dos melhores do mundo.

    Responder
    1. Ronildo

      Mas o pessoal está falando que ele é o melhor jogador do momento, não da atualidade.

      O melhor jogador da atualidade é Roger Federer que é recordista em semanas como número 1, recordista em slans, tem mais de 100 títulos, o jogador com o maior nível tenístico depois da idade atlética ideal etc, etc, etc.

      Responder
  45. Lucas Leite

    Dalcim, ao que você credita todo esse sucesso do russo? Quando eu o asssito, acho seu movimentos estranhos, muitas vezes um tanto desequilibrados no momento do contato da raquete com a bola. Além de que é muito alto e não parece ter uma mobilidade muito boa. Mas de qualquer forma, ele está a ganhar e parece imparavel. Na minha opinião, o que está o sustentando, no momento, é sua frieza (que ajuda nos momentos importantes, mas é justamente o que faz com que não tenha tantos fãs por aí), além do gigantesco nível de confiança. Não creio que defenderá nem metade desses pontos no ano que vem. Para mim, ele voltará “ao normal” alguma hora. O que acha?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É difícil fazer previsões nesse alto nível, Lucas, porque nesse patamar já não é apenas uma questão de golpes – qualquer top 10 tem, de um jeito ou de outro – mas essencialmente de confiança e postura tática. Medvedev no momento parece acreditar que não vai perder, e isso é algo essencial. Acredito que ele possa ir muito longe, talvez mesmo brigar pelo Australian Open e pelo número 1 a curto prazo. Para ficar mais perigoso ainda, ainda importantes detalhes a acrescentar, como o jogo de rede. É jovem, mas ao mesmo tempo já casou, o que ele diz ter sido essencial para sua arrancada, e parece estar levando a carreira a sério.

      Responder
      1. Jose Eduardo

        Dalcim,

        aproveito sua intervenção para comentar sobre o ‘antigo’ medvedev..
        com 19 anos, já era seis do mundo..mas depois de 1994, nunca mais foi o mesmo.

        talvez seu jogo não tenha evoluido, é uma hipótese..mas era muito mais jogador que bruguera, por exemplo..grande saque, ótima direita..quando começava a bater forte do fundo, era um adversário terrível.

        assim como o kafelnikov(que tinha um talento absurdo), acho que não venceram muito mais por causa da cabeça.. emocionalmente tensos demais

        o que acha?

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Era um belíssimo jogador de saibro, José Eduardo, e talvez seu problema tenha sido esse: ficou limitado demais na terra, com poucos grandes resultados fora dela. E aí pegou um período de grandes saibristas, entre eles o próprio Guga, o Bruguera, o Kafelnikov. Acho que poderia sim ter feito mais e até hoje ele não deve ter entendido – nem eu – como perdeu o título de Roland Garros para o Agassi.

          Responder
      2. lEvI sIlvA

        Dalcim, por favor, deixa perguntar algo. Veja só, a questão da confiança é mesmo crucial. Mas a gente fica se perguntando como ele vai reagir quando as coisas não andarem tão bem pra Medvedev em quadra. Não é que esteja “secando” o russo, ou mesmo desejando que ele falhe. Federer, nadal e Djokovic já amargaram longos períodos de resultados pífios e, não sem motivo, cogitaram encerrar a carreira. Aliás, Zverev foi outro que vinha numa fase medíocre a pouquíssimo tempo.

        Responder
          1. Sérgio Ribeiro

            Que coisa hein, caro Levi. Os três citados passaram por fases difíceis depois de vencerem muita coisa. Você já está projetando a ma’ fase do mais que jovem MEDVEDEV ?… rs Abs!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *