Finais de opostos em Xangai
Por José Nilton Dalcim
12 de outubro de 2019 às 18:07

A lógica prevaleceu e a final do Masters 1000 de Xangai será disputada por dois jogadores da nova geração que vivem momentos muito opostos. Enquanto o russo Daniil Medvedev segue na sua fase incrivelmente positiva e faz sua sexta final consecutiva, o alemão Alexander Zverev tem a primeira chance de marcar um grande resultado num 2019 cheio de conflitos. A decisão acontece na madrugada deste domingo, às 5h30, e tem o favoritismo de Medvedev, ainda que tenha perdido todos os quatro duelos diante de Sascha, todos sobre a quadra dura mas nenhum ainda em 2019.

Mais uma vez, Medvedev não foi brilhante, porém muito eficiente e oportuno na vitória sobre o grego Stefanos Tsitsipas, contra quem tinha 4 a 0 nos duelos diretos. O momento crucial, e que pode ter definido o jogo, veio no 4-4 ainda do primeiro set, quando o russo encaixou cinco grandes saques seguidos para escapar do 0-40. A decisão ainda foi a um equilibrado tiebreak e, no 5-5, o russo se deu melhor. Medvedev teve outro momento de baixa quando sacou para fechar o jogo com 5/4, que Tsitsipas não soube aproveitar e entregou outra vez o serviço.

O saque voltou a ser a grande arma de Zverev, como havia acontecido na véspera diante de Roger Federer. Totalizou 11 aces, só perdeu dois pontos com o primeiro serviço no set inicial e não permitiu breaks, aproveitando uma quebra em cada set para superar um Matteo Berrettini meio perdido na parte tática. O italiano usou bem as deixadas, uma opção sempre valiosa contra Zverev, mas executou mal o golpe justamente quando era mais importante. Foi um duelo de pontos quase sempre muito rápidos.

Enquanto Medvedev não para de subir – das seis finais seguidas que fez, três foram de Masters e uma de Slam -, Zverev não havia passado de quartas em qualquer outro Masters da temporada. O russo já tem nove finais em 2019, quase o dobro dos concorrentes, lista que inclui todo o Big 3, e poderá erguer o quatro troféu do ano e o sétimo da carreira. O currículo do alemão é mais pomposo: de seus 11 troféus, três foram de Masters (Roma, Canadá e Madri) e outro veio no Finals de Londres.

Se vencer, Medvedev ultrapassará Federer no ranking da temporada e se candidatará para o terceiro posto. Zverev já subiu para o sétimo na corrida para chegar a Londres e a eventual conquista fará com que folgue 710 pontos sobre o próprio Berrettini. E assim, salvar de vez uma temporada tão delicada.

Números e fatos
– Medvedev é apenas o sétimo tenista desde 2000 a atingir pelo menos nove finais de simples numa mesma temporada. Em sua companhia, estão o Big 4, David Ferrer e Marat Safin.
– Outro grande feito para o russo é a chance de ser apenas o segundo tenista que não o Big 4 a ganhar mais do que um Masters numa só temporada desde David Nalbandian em 2007, ao vencer Madri e Paris. Curiosamente, seu adversário em Xangai foi o outro: em 2017, Zverev ganhou Roma e Canadá.
– Os mineiros lutam entre si pelo título de Xangai, às 2h30 de domingo. Marcelo Melo e Lukasz Kubot buscam o bi consecutivo, enquanto Bruno Soares faz melhor campanha da temporada e a primeira de real sucesso ao lado de Mate Pavic.
– O título vale muito para Soares e Pavic, que podem saltar para o 18º lugar na corrida para Londres. A distância para o oitavo colocado ainda será de 1.120 pontos, mas ao menos passa a ser factível.


Comentários
  1. Angela B.

    Deu tilt no Zverev nessa final..hein, Dalcim? Uma pena, porque esperava (pelo menos) uma partida mais disputada. E acho que aquelas 2 duplas faltas bisonhas no final do 1o set, acabaram sendo o divisor de águas p/ o Zverev perder de vez a confiança no 2o. De qualquer forma, pela consistência e eficiência, o Medvedev merece todos os créditos pela vitória. Ps – Que venha agora o finals.

    Responder
  2. Sérgio Ribeiro

    E MEDVEDEV mostrou mais uma vez pro que serve o famigerado h2h. Com uma tranquilidade de um veterano , mostrou a Sasha que o seu momento é melhor. E pelo que já tinha feito no USOPEN, comprova que aqueles papos de “ farsa “ e não tem “ colhoes” da Next Gen , somente pra lunaticos e fanáticos. O Russo está pronto pra tomar o N 3 do Craque Suíço e brigar pelo N 1 em 2020. Já este demonstra com sua irritação, que 2020 deve ser seu último ano e provavelmente alcançando um recorde que Laver , Borg , Sampras , e CIA não conseguiram . Sair do Circuito como TOP 10 , aos 39 anos. Rafa Nadal em entrevista ao Bola Amarela afirmou que sua despedida está próxima ( está de saco cheio das lesões) . O fardo de aguentar os moleques pentelhando sem parar está parecendo que vai sobrar pra Novak Djokovic rs Abs !

    Responder
  3. Maurício Luís *

    Espero que a família da Cori Gauff tenha o mínimo de bom senso de deixá-la ser adolescente. E não deixar que a fama e a cobrança que vem junto a façam sucumbir tão rápido quanto subiu. Impressionante a precocidade da menina. Tem cara de bebê ainda…
    Nesta reta final de temporada, o Medvedev de repente passou a ser “o homem a ser batido”. Já é forte candidato ao título do Finals. Na minha opinião, favorito.
    Djoko, Nadal, Federer… já começam a ficar com ar de mofo.

    Responder
  4. Ronildo

    Incrível, se O GRANDE ESCUDEIRO dos recordes do Federer tivesse descansado em Washington, certamente teria realizado sua missão com pleno sucesso e de quebra faturado o primeiro slam. Por causa deste erro estratégico Nadal ficou com 19 e com todo gás para RG 2019. Djokovic deve estar atônito com tudo isso, assim como sua pequena, barulhenta e sonhadora torcida.

    Brincadeiras à parte, deve ter muita gente chateada com esta ascensão de Medvedev pois ATP caminha para ter um número 1 com baixos índices de carisma. Péssimo para os negócios, tanto da ATP como dos torneios.

    Responder
    1. Ronildo

      Se bem que ainda acredito que Tsitsipas vai fazer de tudo para igualar este confronto. O jogo entre eles foi para dois tiebreak. Ele é 3 anos mais novo.

      Responder
  5. Rodrigo S. Cruz

    Dalcim,

    Uma pergunta:

    Esse pessoal que ainda está na briga pela última vaga de Londres:

    (Berretini, Bautista-agut, Monfils, Fognini e Goffin) ainda tem como todos eles somarem pontos nos ATP’s 500 e 250 e 1000 de Paris, ou essa lista será definida antes?

    Responder
  6. Maria izabel

    Assisti o jogo e fico perplexa como Medevedev,estando vencendo por 3 /0 Zverev empata,mas está Medevedev com o mesmo semblante.O primeiro Set ,ainda deu para acreditar no Zverev.Já no segundo set foi um massacre.Incrível como esse Medevedev é frio em quadra.Sem duvida,está imbatível e será muito complicado para o Big Three, aliás ,ele já estará no Big Three.
    O jogo dele é muito cirúrgico, saque,devolução e sobe bem a rede.Merece ser o terceiro.Já Zverev fez alguma evolução em quadra,está mais calmo,sacando bem,mas cometendo muitos erros bizonhos. Os proximos Slans prometem.Mas já temos um Next Gean, que está no Top Three.

    Responder
  7. Paulo Sérgio

    Vejo muita empolgação com Tsitsipas e Medvedev igual já vi com Zverev. Pedindo perdão pela franqueza, ainda não vejo em nenhum deles o mental necessário para superar o Big3 em GS, torneios nos quais é preciso manter o alto nível por muito tempo. Para comprovar essa falta de mental, relembrem, p. ex., a implicância do russo com a torcida americana no US Open. Precisava mostrar o dedo e fazer discursos implicantes? Alguém equilibrado teria uma ou outra desavença e seguiria em frente. Ele só foi pedir desculpas no fim do campeonato, mais buscando ter alguma torcida em jogos importantes do que propriamente mostrando um arrependimento sincero. E isso faz dois meses, não foi um incidente de começo de carreira.

    Medvedev tem 27/30 vitórias nos últimos jogos mas é preciso lembrar que das três derrotas que sofreu, duas foram justamente para um dos integrantes do Big3 (Nadal), as duas em quadra dura e uma delas inclusive com direito a pneu. Sinceramente, não acho que o fato de num mesmo campeonato dois Big3 terem perdido para tenistas jovens signifique que o Big3 acabou. Federer está aí com 38 e ainda joga muito, tanto que já em 2019 ganhou Master 1000 e quase leva Wimbledon. Se Nadal e Djokovic estenderem suas carreiras como o suíço, ainda faltam 5 anos para o espanhol e 6 para o sérvio. Tenhamos calma.

    Concordo com quem diz que Federer está com o mental abalado. Acho que ele precisaria fazer como Nadal. Dar uma aliviada no calendário, voltar para as bases (é impressionante como o espanhol retorna outra pessoa depois que passa alguns dias treinando em sua academia), relaxar um pouco. Mas Federer está fazendo justamente o contrário: voltou para o saibro, se encheu de jogos de exibição nas férias…

    Outra coisa: quanto mais vejo jogos de campeonatos mais constato que a Lavers Cup é um torneio fake, fabricado. Aquela leveza, sorrisos e brincadeiras entre os jogadores é bastante artificial. Tanto que quinze dias depois já estão aí estressados, discutindo com árbitros e reclamando dos adversários.

    Acredito que em Paris teremos Big3 com força total. Nadal já postou no Instagram dele foto treinando em quadra fechada.

    Na minha visão, o Australian Open 2020 promete. Djokovic querendo ganhar o GS em que é mais vitorioso e manter os pontos da vitória de 2019, Nadal querendo o 20º GS para depois tentar ser o maior campeão de GS justamente em Roland Garros, além de ser o primeiro a ganhar duas vezes todos os GS e também tentar acabar com a história de que só é jogador de saibro e Federer querendo mostrar que ainda não é passado. Tudo isso com os jovens tentando mostrar que agora é a vez deles.

    Dalcim, uma pergunta: considerando que o Finals acaba 17 de novembro e o AO começa 20 de janeiro e supondo que todos eles tenham alguma vida social nas festas de fim de ano, quando os jogadores começam a treinar? Pergunto porque antes do AO não há ATPs 500 nem 1000, ou seja, na prática o ano já começa direto num campeonato importantíssimo. Como e quando costuma ser a preparação?

    Responder
  8. Maior geração do tênis chegando

    Será engraçado os fãs do Djokovic as djokvizetes kkkkkkkkkk.. Djokovic será freguês do Medvedev sendo que está com 32 anos e será freguês de um jogador que vai ganhar uns 6 grande slam ..até 35 anos Djokovic vai perde muito pó russo ..aí quero ver o que os fã do Djokovic vão dizer kkkkkkkk eles falam que Federer e freguês do Djokovic a resposta tá aí a idade ..por isso Djokovic será freguês do apenas craque Medvedev longe de ser gênio ..já Federer com 38 anos e impossível ganhar jogos de Medvedev vai ganhar as vezes mas com 38 e impossível vc ser competitivo contra os

    Responder
  9. Luiz Fernando

    O titulo do post disse tudo: final de opostos. De um lado um cara q no momento não é inferior a nenhum outro tenista, no outro Zé Verev. O segundo set demonstrou todo o abismo q separa estes dois jogadores, um fadado ao sucesso o outro marcado pela inconsistência. Sinceramente não achei q o alemão tenha jogado mal o segundo set, mas a superioridade do russo foi tamanha que parecia um jogo profissional vs amador. Hoje o russo parece ter jogo e cabeça para encarar mesmo os caras do Big3 de igual p igual, como bem demonstrou a final do USO, vencida p Rafa nos detalhes. Não achei exagerada a frase do Narck a respeito disso. E pra terminar, apenas pra se ter uma pequena ideia do q muitos, incluindo o insuspeito Pete Sampras, chamam de entressafra, q favoreceu alguns dos recordes de Federer, em 2 meses Medvedev já venceu mais torneios relevantes (M1000 e GS) do q todas as carreiras juntas dos ícones da entressafra: Baghdatis, Phillipoussis e Gonzales. Precisa dizer mais????????? Contra fatos não existem argumentos…

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Contra fatos forjados existem varios argumentos . Pete Sampras não falou nada de entressafra. O Guri é que está repetindo essa asneira sem parar. Pete foi derrotado no Quintal de sua casa por um moleque de 19 anos chamado Roger Federer . Em 2002 resolve dar uma de Borg e se mandar precocemente. Chegou a ficar ano e meio sem vencer um ATP. Parou fora do TOP 10. Antes dizia que McEnroe e Lendl jogavam somente entre si . Esqueceu de Edberg, Becker , Wilander e CIA. Terminou com 0 x 1 com Fernando “ Mano de Piedra” Gonzales e 7 x 3 com Marck “ SCUD “ Philippoussis. Este o eliminou em Sets diretos no AOPEN e em 5 Sets em RG. Longe de ser um mane’ como o Guri. E Medvedev venceu sua primeira sobre Sasha. O rapaz do Live Score só sabe repetir o que os amiguinhos Fakes postam em todos os Posts. Degrenir Roger Federer é a única coisa que te dá prazer neste esporte rsrsrs Abs!

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Ps. Pesquise como Sampras se aposentou em confrontos diretos contra Hewitt, Safin e Roddick. Três integrantes desta tua “ entressafra “ . Irá se surpreender, caro Mane’ rsrsrs Abs!

        Responder
  10. Luiz Fernando

    Medvedev venceu o primeiro set. No inicio parecia q ia atropelar, abrindo 30, mas depois ele se perdeu e permitiu o empate. Ate o alemão sacar em 45 houve um certo equilíbrio mas ai o Zverev voltou a ser Zé Verev quando entregou o set com 2 duplas faltas, a segunda uma das mais bisonhas q já vi. Vamos pro segundo set.

    Responder
  11. CAIO CESAR

    Boa noite, Dalcim.
    Será que ano que vem teremos um vencedor de Slam da nova geração? No começo do ano, falei que acreditava em um eventual título apenas no US Open e vc, mais otimista, comentou que poderia ser até antes. Contudo, chegamos ao final de mais uma temporada com os grandes títulos restritos ao Big3.
    Não duvido que ano que vem aconteça a mesma coisa.
    E já escolhi o jogador para o qual vou torcer após a aposentadoria do Federer: Tsitsipas!
    Acredito que, como acontece com o Federer, irei sofrer com algumas duras derrotas por ser um jogador mais emocional que outros da nova geração kkkkkk
    Abraço!

    Responder
  12. Antonio Gabriel

    O big 3 ganhou e ganha tanto que é esquisito estar aqui lendo uma rezenha de uma final de M1000 sem 1 dos três. Enfim, a tendencia é que ja em 2020 isso aconteça muito mais, alias é bem possivel que ja em 2020 algum GS sai da mao de um dos 3 genios do tenis.

    Responder
  13. João ando

    Dois argentinos em uma final do itf do rio de janeiro …acho que o baez leva essa…e a coco gauff na final entrando como perdedora sortuda na chave principal…joga contra ostapenko…vamos ouvir falar muito da gauff provavelmente a nova serena

    Responder
  14. Vitor Hugo

    Food truck tá na moda. Agora, um certo tenista resolveu inovar com dopping truck, estacionando o “trem da alegria” no u.s open. A que ponto chegamos.kkkkkkkkk

    Responder
    1. João ando

      E o incrivel dessa história toda e que parece que o Bruno e miito cuca fresca …não guarde mágoa nem raiva …diferente dos seus antigos parceiros. ..que provavelmente jogam a culpa por não ganhar determinado torneio no bruno ….e o que parece …o que acha dalcim?

      Responder
  15. Cássio

    Dalcim, duas dúvidas básicas minhas sobre o tenis/regras. Agradeço a paciencia.
    1) O que define (tecnicamente) un winner nas estatisitcas? Uma bola que o adversario não tocou com a raquete (Como no ace)? Ou precisa ter algum outro fator de dificuldade no tiro envolvido.
    2) Sobre a invasão do espaço da quadra do adversario. Vi um lance antigo do Benoit Paire onde ele “invadiu” para matar o ponto e o juiz não aceitou. E hoje, o TenisBrasil divulgou uma jogada onde a “invasão” se dá la lateral da rede e o ponto valeu. O que diz a regra “Arnaldo”? hahaha

    Maravilhoso este espaço para o Tenis. Onde todos os fans vem escrevem e xingam como se fosse o Boteco pra torcer pro time e toda aquela gozação e tal. É divertido no final das contas, mesmo com os exageros da galera. Acho que faz parte mesmo. Abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Há alguma controvérsia. O winner é basicamente um lance em que o tenista jogou uma bola indefensável, e não teria a obrigação de o adversário tocar ou não na bola, mas o conceito básico tem sido esse. Quanto à invasão, o X da regra é o ponto de contato com a bola, ou seja, um tenista não pode golpear a bola antes que ela esteja totalmente do seu lado da quadra. A regra também permite que, ao executar o golpe, a terminação da raquete ou até mesmo uma parte de seu corpo ‘invada’ o outro lado desde que nada toque na rede (roupa, raquete, calçado, nada). Por isso, é permitido a um tenista que leve o ‘zig’ (ou mexicana) que ele invada o outro lado, porque nesse caso a bola já quicou do seu lado. Abs!

      Responder
  16. Fernando Augusto

    Essa final coloca frente a frente os dois possíveis líderes do ranking em um futuro muito próximo, colocaria também em um provável big 4, tsitsipas e thiem…

    Responder
  17. Yan Almeida

    Dalcim, duas correções se fazem necessárias: É Zverev quem lidera o confronto por 4-0 vs Medvedev e o próprio Zverev já venceu mais de um masters na mesma temporada (2017).

    Responder
  18. Daniel de Melo Silva

    Dalcim, pq nos jogos de simples da ATP eles deixam a rede longa, como se fosse uma partida de duplas??? Desse modo é praticamente impossível aquele lance genial em que a bola passa por fora da rede.

    abraços

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Porque a mesma quadra está sendo usado para simples e duplas e assim se segue o padrão mais tradicional de se manter o poste de duplas com o pau de simples que delimita os jogos individuais.

      Responder
  19. Alexandre

    Acredito que Medvedev está iniciando uma nova história no tênis e vai conseguir muitos títulos em cima do Big 3.
    Dalcim, na sua postagem vc disse que Medvedev ganhou os quatro duelos com o Zverev e em outra matéria li que o Zverev é quem ganhou.

    Responder
  20. GN

    “A decisão acontece na madrugada deste domingo, às 5h30, e tem o favoritismo obrigatório de Medvedev, que venceu todos os quatro duelos diante de Sascha” É o contrário, caro Dalcim, o Sascha foi quem venceu os quatro duelos frente o Medvedev. Isso deixa a final ainda mais interessante, pois se russo tem o favoritismo por estar numa fase muito positiva ele tem o desafio de venver pela primeira vez o alemão. Abraços!

    Responder
  21. Julio Marinho

    Fale, Dalcim! Grande final, mas creio que seja o contrário. Zverev tem 4 a zero e não o contrário! Mesmo assim, acho Medevedev favorito, simplesmente porque ele decidiu não mais perder esse ano.
    Abraço

    Responder
  22. Eduardo Moura Lima

    Dalcim,

    Não seria ao contrário ?
    Zverev foi quem ganhou os 4 duelos anteriores contra o Medvedev. E só perdeu um set nesses quatro jogos!

    Abraço

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *