Aquecimento
Por José Nilton Dalcim
9 de outubro de 2019 às 18:46

Novak Djokovic e Roger Federer deram o primeiro passo para o reencontro. Embora a trajetória do sérvio seja teoricamente mais difícil, os dois mostraram apetite, ótima forma física e um tênis muito adaptado ao piso veloz – e ainda coberto – do belíssimo estádio de Xangai.

Nole fez uma exibição magnífica diante do canhoto Denis Shapovalov. Cedeu um único ponto de serviço em todo o primeiro set, em que mesclou agressividade e contraataque na medida perfeita. Está com tempo de bola preciso, o que o deixa leve e solto. Enfrentará nesta madrugada o velho conhecido John Isner e mais do que nunca vai precisar de sua afiadíssima devolução. Vale lembrar que nos últimos quatro duelos contra o gigantão, Djoko não perdeu set e ganhou os dois tiebreaks.

Diante do também canhoto Albert Ramos, Federer ficou um pouco mais preso no fundo de quadra do que certamente desejaria. Fez um primeiro set muito firme, mas depois o espanhol trabalhou melhor os pontos, variou muito bem o saque e levou ao tiebreak. Chegou a estar na frente até que o suíço reagiu em grande estilo. Destaque para o backhand bem calibrado. Reencontrará na quinta cedo David Goffin, contra quem tem 9 a 1. O primeiro saque é elemento essencial e as subidas à rede terão de ser bem calculadas.

Daniil Medvedev e Dominic Thiem são as barreiras naturais para os dois. O russo no entanto pode se atrapalhar contra Fabio Fognini ou Karen Khachanov nas quartas e o austríaco tem contra si o desgaste de Pequim, uma estreia trabalhosa contra Pablo Carreño e jogos perigosos diante de Nikoloz Basilashvili e, se passar, Roberto Bautista ou Matteo Berretini.

Correndo por fora, Stefanos Tsitsipas e Alexander Zverev precisaram de dois tiebreaks na estreia, mas para o grego foi uma vitória especial: enfim, derrotou Felix Aliassime. Encara agora o perigoso Hubert Hurkacz, de olho em Djokovic. O alemão disparou 23 aces e salvou set-points contra Jeremy Chardy. Até o acho favorito diante de Andrey Rublev nessa quadra mais veloz, mas o garoto russo vem de vitórias sobre Borna Coric e John Millman. Quem vencer, pode reencontrar Federer.

Xangai também já teve seu grande jogo: Fognini contra Andy Murray. Três horas de um excelente tênis, em que as trocas de bola pesadas tiveram sempre objetivo ofensivo. O escocês deveria ter vencido, já que sacou duas vezes para a vitória no terceiro set, mas o italiano veio com seu melhor nos momentos de pressão e fez devoluções milimétricas. Houve também o bate boca, ou seja, um jogo com todos os ingredientes. Murray outra vez não conseguiu embalar, mas o empenho físico e a qualidade técnica evoluem a cada semana.

Números e fatos
– Em cinco duelos contra Aliassime, dois deles em 2019 como profissionais, Tsitsipas só havia vencido um set, isso lá no primeiro confronto, em 2015.
– Djokovic completa 22 sets vencidos seguidamente na Ásia: 10 em Xangai-2018, 10 em Tóquio semana passada e agora mais 2.
– Thiem e Carreño duelaram em Slam, no Finals, em ATP 500 e 250, em challenger e até em future. Faltava mesmo só um Masters 1000. O placar agora é de 7 a 1 para o austríaco.
– Aliassime se classificou para o NextGen Finals de Milão e se juntou a Tsitsipas. Estão perto da vaga De Minaur e Shapovalov.
– Os colombianos Juan Sebastian Cabal e Robert Farah garantiram o número 1 do ranking de parcerias até o final da temporada, repetindo façanhas do dueto Hans Gildemeister/Andrés Gomez e dos mineiros Marcelo Melo (2017) e Bruno Soares (2016) entre os sul-americanos.
– Faltam apenas dois aces para Isner atingir a casa dos 1.000 nesta temporada.
– Marin Cilic anunciou nas redes sociais que será pai em 2020.


Comentários
  1. Chileno

    Federer aparentemente está jogando bem. Nada espetacular, porém, nada mal. Ainda longe de parecer estar bem o bastante para fazer frente ao Djokovic num eventual confronto, ao passo que o sérvio vem nadando de braçada.

    Eu não tenho nada contra sacadores. Até “gosto” de alguns. Mas cruz credo… ODEIO assistir jogos do Isner. O cara simplesmente SÓ tem saque. Ok! É um senhor saque. Mas o cara parece simplesmente incapaz de trocar 2 ou 3 bolas decentemente.

    O Raonic, por exemplo, eu já respeito. Tudo bem que ele também tem dificuldades de movimentação e tal, mas ele ao menos não é SÓ saque. Vez ou outra consegue vencer um rally, o backhand não é um primor, mas é decente e o voleio dele ficou bom de 2016 em diante. O Isner, parece simplesmente incapaz de vencer pontos em que ele tenha que dar mais que 2 golpes.

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Servebots são isso aí mesmo, sendo Isner o Roddick da década de 2010. Ter um cara desses como principal rival na grama e no hard era mamão com açúcar.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        O que representaram pra você os seguintes jogadores ? McEnroe , Becker , Cash , Edberg, Stich, krajicek , IVASINEVIC , Sampras ? Sabe não ? Depois de Björn Borg e sua sequência de 5 Títulos consecutivos, DEZENOVE ficaram na mão destes “ Servebots” na Grama Sagrada . Apenas um com Connors ( 82 ) e um com Agassi ( 92 ) . Até Hewitt em 2002 acabar com a sequência devido à ridícula padronização dos Pisos. Onde estão Ivan “ o Terrível “ Lendl , Mats Wilander, Jim Courrier e CiA ? Já sei , você não era nascido kkkkkkkk Abs!

        Responder
  2. Thiago Abbattista

    Dalcin

    Comprei, ATP FINALS, 02 dias (sessão diurna e noturno) da fase de Grupo (13/11 e 14/11) e a Final (17/11), espero ver os Big 3 em ação e quem sabe com Federer ou Nadal na Final, qual seu palpite??

    Grande abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, até torço para o Nadal enfim ganhar o Finals mas vejo Djoko numa forma exuberante. Federer nunca pode ser descartado. Vai ser um grande torneio e cuidado com Medvedev. Divirta-se muito! Abração

      Responder
  3. Ronildo

    Qual o problema em aceitar que Albert Ramos Vinollas foi superior ao Federer no jogo e inclusive mentalmente quando o venceu em 2015? Não é óbvio isto?

    Tão vendo como essa coisa de tachar que alguém é superior mentalmente ao outro é uma maneira superficial e equivocada de analisar um jogador? Foi só dizer que Medvedev foi superior em recursos e também mentalmente ao Djokovic em Cincinnati que a casa caiu e tiveram que negar a obviedade fo placar! kkkkkkkk

    E porque isso?

    Porque tacharam que Djokovic é o REI DO MENTAL e para estes ninguém nunca será superior a ele neste quesito, mesmo que o tenista vença Djokovic por quebrar o saque dele fazendo-o sucumbir na partida!

    Assistam novamente a partida se precisarem para tentar entender como e porquê Medvedev foi superior mentalmente ao Djokovic quando o venceu este ano em Cincinnati, apesar de estar mais cansado.

    É só um conselho.

    Responder
  4. Sandra

    Dalcim , vc chegou a saber que Fognini cuspiu na árbitra em Xangai ? Será que a doença pega ? Rsss, mas ainda continuo achando Kyrgios pior rsss

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      No único vídeo disponível, ele parece cuspir no chão, não dá para ter certeza de que tenha sido em direção à juíza de linha. Ainda assim, levou advertência.

      Responder
  5. Sérgio Ribeiro

    Goffin somente não levou ( perdeu 5 Sets Points ) , devido a grande diferença entre os Serviços. E o desgaste de ter emendado dois Torneios consecutivos. O Craque Suíço parece ter atingido o seu limite na Temporada. Tudo o que vier é lucro. inclusive cair pra Zé Verev ou Thiem ( Berretini ) , não será surpresa alguma. Enquanto isso Novak parece que está flutuando em quadra. Devolvendo e se deslocando num nível absurdo. Tsitsipas que também emendou com o Japão deve perder em Sets diretos. E MEDVEDEV está se achando . Se não botar a cabeça no lugar ( ridícula a maneira que quebrou o equipamento) , apanha feio também . Acho que chegou finalmente a hora que o Italiano vai me calar para alegria geral rsrsrs De qualquer modo , 4 Danoninhos ( Sasha, Tsitsipas, Medvedev, Berretini) + SuperEstimado , nas Quartas do forte Masters 1000 Chinês rsrsrs Abs!

    Responder
  6. Ronildo

    Tomara que o Fognini, vulgo Folguine não tire o Medvedev para depois entregar a partida de bandeja para o Djokovic (se Djokovic passar por Tsitsipas). Ele é o Nishikore são craques em fazer isso. Sempre conseguem tirar um rival mais difícil para Djokovic ou Nadal e depois desistem da rodada, sentem contusão, se entregam e aceitam a derrota depois de perder o primeiro set, etc.

    Responder
  7. DANILO AFONSO

    Dalcim, hoje estava complicado visualizar a bola no jogo do Medvedev x Pospisil por causa da luminosidade forte (sol) na quadra.

    Você sabe me dizer se alguma vez a ATP quebrou a tradição e utilizou bolas de outras cores ?? E em jogo exibição já teve ?

    Ontem creio que uma bola alaranjada seria ideal ontem até a chegada da sobra.

    Responder
  8. André Barcellos

    Caracas, a quadra está rápida demais! Só hoje tive a oportunidade de ver um jogo e tanto Federer quanto Goffin pegaram na bola cedo, na suboda.
    Não dava tempo de respirar.
    Na certa Goffin fez essa opção tática para não dar muito tempo e pegar Federer desequilibrado, aproveitando-se da retomada e velocidade visivelmente menos do suíço.
    E Federer pegou cedo porque é assim mesmo que joga.
    O jogo, no court view estava frenético.
    Apesar do bom saque, acredito que Zverev leva desvantagem nessa quadra rapidíssima.

    Responder
  9. Paulo Almeida

    Dois ótimos jogos do GOAT, inclusive empatando em aces com o Isner, haha. Só que agora é que o bicho começa a pegar, apesar do Tsitsipas ter suado sangue pra ganhar do bom Hurkacz.

    Medvedev também penou pra ganhar do medíocre Pospisil, hein? Outro jogador um pouco melhor teria despachado o russo. Na parte de baixo da chave deu a lógica, exceto pelo grande Bautista não ter passado pelo italiano bisonho.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Pelo menos o Federer pegou esses caras aí na final.

      Muito mais valioso do que os pangarés que o Nadal atropela antes de chegar ás finais de Roland Garros.

      Pode notar que o espanhol só ganha alguma coisa que presta quando a chave é ridícula.

      Vide Us Open 2019….

      Responder
  10. Rodrigo S. Cruz

    E eu achando que Pospisil vs Medvedv seria um jogo chato.

    Muito pelo contrário!

    Como joga bem e joga bonito esse Vasek Pospisil.

    Um voleador e tanto, dono de um ótimo forehand (cravou 19 winners só com ele) e sensibilidade nos drop-shots.

    Nos seus melhores momentos o jovem canadense deu um show…

    Pena que perdeu chances inacreditáveis no primeiro set.

    E logo depois adoeceu e começou a se arrastar em quadra.

    Mas sai deixando uma ótima impressão…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, é um palpite difícil porque Fognini tem dias imprevisíveis. Mas acho que o russo está muito consistente e confiante. Fognini precisará aproveitar a velocidade do piso e atacar um pouco mais, principalmente devoluções na paralela.

      Responder
  11. Sérgio Ribeiro

    Respeito a sua opinião . Mas Jimbo jogou até os 42 e possui 109 Títulos da ATP no bolso. Roger Federer pula Torneios ( até mesmo MASTERS 1000 ) desde os 32. Seus méritos em jogar aos 38 , em altíssimo nível , estão acima da tecnologia. Ao menos , a meu ver , caro Willian . Abs!

    Responder
  12. Angela. B

    Dalcim, vc tá vendo o jogo do Clezar c/ o Maya agora? Me chamou a atenção que é um piso de saibro…mas da cor cinza. Nunca tinha visto saibro desssa cor (só o azul anos atrás em Madri) e achei bem fácil de ver a bolinha do que no saibro de cor laranja-terra. Anyway, vc sabe se esse saibro cinza tem diferença de textura em relação ao saibro laranja? Porque se não tiver, acho que poderiam adotá-lo nos torneios pra facilitar a visualização da bola…pelo menos p/ nós espectadores.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Esse é o har-tru, um piso que ao invés de pó de tijolo utiliza o pó de cimento na cobertura, o que dá essa coloração cinza. Além disso, deixa a quadra um pouco mais veloz do que o saibro vermelho.

      Responder
      1. Angela. B

        Obrigada pela info, Dalcim. Não conhecia esse piso.
        E o fato de ser um pouco mais rápido, é outro motivo p/ mais torneios de saibro começarem a adotá-lo, especialmente Roland Garros…que perdeu a graça por sua falta de competitividade..justamente por ser tão lento, favorecendo demais o jogo do Nadal. — Afinal, um Grand Slam como RG, merece voltar a ser mais competitivo e emocionante..e não essa coisa enfadonha e previsivel de ter um único campeão sempre. It’s too boring.. Abs

        Responder
  13. Rodrigo S. Cruz

    Sérgio,

    Dizer que o Kyrgios e Fognini fazem mal para o tênis é quase uma heresia…

    Isso não passa de uma noção implicante tua.

    Assim como o Chetnik implica com o Federer, sem qualquer razão justificável.

    Isso acaba fechando os olhos de vocês para técnica deles.

    E focando apenas em personalidades que vocês não apreciam…

    Coisa que eu fortemente rechaço, e acredito que o Dalcim também.

    Abs.

    Responder
    1. Chetnik

      Fognini é um maluco beleza. O Kyrgios é um marginal. Os dois não cabem na mesma frase, até porque o italiano, ao contrário do australiano, realmente tem talento.

      Responder
  14. Rodrigo S. Cruz

    Estou orando para que a Sportv tenha mais bom gosto do que os organizadores do torneio.

    Já que cometeram o SACRILÉGIO de colocar Medvedev x Pospisil na quadra central, e Fognini x Khachanov na quadra 3.

    Porém temo que as minhas preces dificilmente serão ouvidas…

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      ” Sacrilégio ” , Rodrigo ? Você quer que tire o TOP 4 ( um dos poucos candidatos ao título ) , pra por o TOP 12 ( gordinho e bichado rs ) , na Central ? Acho que chegou a hora do parceiro também comprar uma Kombi rsrsrs ABS

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Bom,

        Se eu for comprar uma Kombi, você com certeza será o motorista.

        Pois só falou merda agora…

        Jura que você prefere o joguinho sem sal e entendiante do Medvedev ao jogo exuberante do Fabio Fognini, só porque um Top 5 e outro top 12?

        E ainda vem com essa idiotice de ” gordinho bichado”.

        Puta que pariu hein, Sérgio.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Pra começar já assisti mais jogos do Italiano que você. E posso garantir que reconheço o seu talento sempre. Daí a nunca vê -lo no FINALS , nem em FINAIS de SLAM , e nem TOP 10 , por ser um péssimo atleta , é outra história. O que já entregou literalmente de jogos não está no Gibi. Acredito que ele e você é que cansaram de falar merda , até ele virar freguês da Next Gen . Agora ele está calado. E você tentando empurra- lo para a quadra Central. Vimos na Laver Cup quem pagou mais mico. Abs!

          Responder
  15. Marcel Azevedo

    Boa noite Dalcim, oq você achou da confirmação de que Roger Federer assinou contrato com um torneio exibição ate 2023?? Ele vai prplongar a carreira?! Tomara!! Forte abc

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bom, como são exibições, não haveria necessidade de ele estar na ativa no circuito, mas apenas estar bem cuidado na parte física e técnica, como Sampras fez por vários anos após se aposentar.

      Responder
  16. Evaldo Medeiros

    Dalcum, boa noite. Percebe-se que Xangai está bem mais forte que o Us Open deste ano. Aliás o Grand americano tem estado em um nível abaixo do esperado para um torneio do seu porte. É só lembrar as versões 2017 e 2019. Isso tem alguma explicação lógica ou é mero acaso??

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A lógica é que os Slam podem ter jogos bem menos atraentes nas primeiras rodadas e, se der azar de nomes importantes caírem de forma precoce, como foi o caso, acabam perdendo a força.

      Responder
    2. Luiz Fernando

      E a explicação pra mediocridade de adversários em finais de GS tipo Gonzales, Baghdatis, Phillipouissis e cia limitada? É só perguntar ao Sampras kkk…

      Responder
      1. João ando

        Com todo o respeito vc deve ter dosputado vários slans e nos não sabemos …pois dos que vc falou …só tem tenistas de primeira linha….

        Responder
  17. Alison Cordeiro

    Djoko leve e solto, aparentemente livre das dores no ombro e focado em manter o número 1. Federer fez um primeiro set tranquilo, mas no segundo faltou paciência em diversos momentos e isso que preocupa. Quer resolver rápido o jogo, o que contra Djoko não funciona. O caminho de ambos é longo ainda, mas estou na torcida por esse reencontro mais uma vez.

    Responder
  18. Sérgio Ribeiro

    A pergunta que não quer calar . Porque o Piso mais rápido de Shangai não pode ser adotado no FINALS ? Jogos incrivelmente mais interessantes ( a lá Fognini x Murray ) e como disse o Suíço, podem mudar a qualquer vacilo. O N 1 e presidente do Conselho deveria ser o primeiro a propor. Está jogando um Tênis primoroso nesta superfície. Favorito absoluto até mesmo contra a Next Gen . Fui dar uma checada na última participação de Jimmy Connors , aos 36 anos , no FINALS em pleno Madson Square Garden . Jimbo não viu a cor da bolinha. Perdeu todas . Enquanto isso Roger Federer , aos 38 , vai arrumando novos contratos de exibição por mais 5 anos.( agora com os Chineses ) . Até seu Pai está pedindo pra que continue … Abs!

    Responder
    1. Willian Rodrigues

      Prezado, como todo respeito eu Julgo um pouco impertinente essa comparação. O nível de profissionalismo que o tênis atingiu nas gerações que sucederam Connors é um absurdo. Nunca saberemos até onde o americano teria chegado caso tivesse recebido todo o tipo de cuidado e envolvido tantas tecnologias com as quais Federer já pôde contar…

      Responder
      1. Jose Yoh

        Cara, repito há anos isso aqui, mas acho que a maioria também desconfia mas não diz, e tem medo de saber até onde vão as tecnologias que o Big 3 tem. E não falo em dopping mas em recursos que os outros não tem nem nunca tiveram. Afinal é muita grana.

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *