A era das incertezas
Por José Nilton Dalcim
18 de setembro de 2019 às 12:49

É claro que muito boato de bastidores tende a ganhar ares de notícia, assim como especulações totalmente subjetivas costumam virar fatos. Mas ainda assim valem algumas observações sobre os últimos dias de farta movimentação do tênis. Fora das quadras.

A contusão de Djokovic
Se existe um tema controverso hoje no circuito, ele certamente é a gravidade da contusão de Novak Djokovic. Há pouca informação e muita elucubração. Surgiram declarações do sérvio de que a lesão era mais grave do que se esperava, mas na verdade eram frases lá do seu abandono do US Open, ou seja, referindo-se àqueles dias e não ao pós-torneio.

A única certeza é que ele realmente optou por uma clínica na Suíça para o tratamento intensivo. E que ninguém ainda explicou claramente qual é o problema com o ombro esquerdo, a ponto de ele próprio pedir desculpas nas mídias sociais pela ‘obscuridade’ do momento. Enquanto fala-se em cirurgia e abandono da temporada, Nole declara que espera voltar em uma ou duas semanas e competir assim em Tóquio, como estava originalmente previsto.

Minha impressão é que Djoko batalha arduamente para se recuperar, e sabe que o número 1 está em jogo. Então é mais lógico que planeje mesmo ir a Tóquio, com eventual adiamento da volta para Xangai ou, num caso mais extremo, para os ATP 500 antes de Paris. Pode vir aí uma série de abandonos de último hora.

O calendário de Federer
A divulgação de um calendário apenas parcial para 2020, que se interrompe justamente em Wimbledon, foi o bastante para que muitos considerem o sinal claro de que Roger Federer prepara o anúncio da aposentadoria para seu Grand Slam predileto. A isso se somam sua dúvida em competir nas Olimpíadas de Tóquio – em que pese seu contrato com a japonesa Uniqlo – e a longa excursão pela América Latina em novembro, em clima de despedida.

Aliás, a viagem para Chile, Argentina, Colômbia e México irá prejudicar seu tradicional descanso de final de ano e preparação para 2021. Ele no entanto afirma que discutiu o assunto com o preparador Pierre Paganini e, ao invés de iniciar a pré-temporada no dia 4 de dezembro, irá fazê-lo no dia 11, o que não afetaria quase nada. Ele garante que a ATP Cup será muito importante para entrar em ritmo ideal para o Australian Open.

As prioridades de Nadal
Apenas 12 dias depois da exigente final do US Open, Rafael Nadal estará de volta à quadra para a disputa da Laver Cup, neste final de semana. A validade desse esforço é questionável, já que todo mundo sabe o desgaste que a quadra dura gera ao canhoto espanhol. Não terá sido apenas uma gentileza ao amigo Federer, que foi ao lançamento de sua academia?

Rafa no entanto preparou um calendário bem enxuto para esta reta final da temporada. Só deve retornar ao circuito oficial em Xangai, a partir do dia 6 de outubro, onde espera-se a luta direta pelo número 1 contra Djokovic. Também reagendou o casamento em Pollensa para o dia 19, portanto no sábado posterior a Xangai, o que lhe dá então alguns dias para a lua de mel antes de tentar os sonhados títulos em Paris, no dia 28, e principalmente no Finals de Londres, a partir de 12 de novembro.

O futuro da Davis
O anúncio de que todos os grandes nomes do tênis masculino se comprometeram a disputar a ATP Cup de janeiro, incluindo o Big 4, complicou ainda mais a situação da Copa Davis. A reformulada competição por equipes da Federação Internacional terá um teste de fogo. Sua fase final, agora disputada em local único numa semana, tenta de tudo e oferece premiação milionária, uma  para as equipes e outra separada só para os jogadores.

Até aqui apenas Djokovic se comprometeu a ir a Madri logo após Londres, talvez motivado muito mais a fazer parte do adeus ao amigo Janko Tipsarevic. Porém, com as dúvidas sobre seu estado físico, a presença de Nole é totalmente incerta. Há esperança que Nadal integre o time espanhol em casa, ainda que jogue pouco, e que Andy Murray se anime a competir. A salvação podem ser o forte time russo, os jovens grupos canadense e italiano e quem sabe a controvertida Austrália.

A ATP Cup, que valerá pontos para o ranking, pode ser a pá de cal em cima da Davis.

O retorno de Clijsters
Aos 36 anos, a belga Kim Clijsters anunciou uma segunda tentativa de retornar ao circuito profissional, ainda mais ousada do que a primeira. Kim se aposentou em 2007, então com um troféu e duas finais de Slam no currículo, para ser mãe. Retornou dois anos depois, com um sucesso inesperado, que incluiu o título do US Open, que venceria novamente em 2010. Somou mais um Slam em Melbourne da temporada seguinte e recuperou a liderança do ranking 10 meses depois, pouco antes do novo adeus, desta vez motivado também por problemas físicos.

A tentativa de 2020 é portanto quase uma loucura, já que está sem competir há oito temporadas. Ninguém ficou tanto tempo sem jogar e retornou com sucesso no alto nível, ainda mais depois dos 35. O caso mais notório foi o de Martina Navratilova, que voltou após seis anos parada, porém para competir em duplas. Além disso, o que não faltam no momento são jovens com muito físico, tênis versátil e competitivo para todos os pisos, como vimos com as conquistas de Naomi Osaka, Ash Barty e Bianca Andreescu nos Slam recentes.


Comentários
  1. O LÓGICO

    O Coma se abateu em mim logo ao término da final do USO 2019. Ele me deixou hoje à tarde, mas vendo toda a festança do robozinho satânico e das nadalzetes da gaiola das loucas aqui no blog, tenho dúvidas se ele não volta. Fico imaginando o que teria que ler se o Almeidão fosse nadalzete. Não duvido que ele também venha a ser abduzido, seguindo o caminho do Lord Brack e do Carlos Reis, dois vira-casacas. Traidores do “SLANismo” Fedex. Vão queimar no fogo do inferno kkkkkkkkkkk

    Estava assistindo ao jogo tomando colonial pura e apelando para os orixás. Tive que sair do convencional e fiz contrato com o Zé Pelintra e a Pomba Gira; garantindo a eles minha fidelidade, de um ano, caso o robozinho perdesse. Vinha sentindo fortes dores no peito durante toda a partida, que pareciam mísseis tomahawk atingindo meu corpo toda vez que o filho do Satanás fazia um ponto. Pensei que fosse resultado apenas de minhas aulas de musculação; não uso botox, mas nesse item estético concordo com o antiplatônico indisfarçado Padre Fábio de Melo.

    Não lembro de nada no plano da realidade, pois fui levado ao hospital desacordado por uma ninfeta que me fazia companhia durante a partida – não dá pra assistir às cenas do holocausto, produzidas pelo fétido tênis do UNIDIMENSIONAL, sem fazer uso de ópios naturais. A canábis também fez parte do escudo anti-tênis-de-latrina. Mas lembro de como me salvei – algo surreal e digno de fazer o Pastor Leandro Karnal voltar a acreditar em Deus. Sabem aquele fenômeno já relatado por muitos que experimentaram a passagem e retornam? Eu vivi esse fenômeno, com direito a famosa luzinha no fim do túnel. A que eu vi era muito similar aquelas luzes do Casarão da rua Augusta. Mas o que jamais poderia presumir, aconteceu: Roger Angel me carregando nos braços e trazendo-me de volta à vida. Fui às lágrimas quando acordei. Estou renovado e fortalecido Nele, o Deus do tênis. Amém, amém e amém. EU acredito no 21 kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
    1. Maurício Luís *

      Puxa, ainda bem que você sobreviveu. Ia fazer falta aqui… Não vale a pena ficar assim por causa daquilo que ele acha que é tênis, mas que é um arremedo de filme de terror trash.

      Responder
  2. Babidi

    A Laver Cup foi um sucesso mais uma vez para a tristeza dos danoninhos desse blog, como é o caso do Paulo Almeida (hater maior do idealizador desse evento). Mais uma vez o “GOAT fake” se mostrou visionário e presenteou o público com um grande espetáculo de tênis com uma disputa competitiva do início ao fim. Não adianta, o tal do “Fregueser” é mesmo diferenciado, hahaha..

    Responder
  3. Denis

    Dalcim, tem ideia do cachê que os jogadores receberam para jogar a Laver Cup? Imagino que não deve ser pouca coisa, considerando a época ruim no calendário para essa disputa (logo após a longa temporada de quadra dura)

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que segue o padrão do que eles cobram em exibições, Denis. Na faixa dos US$ 100 a 300 mil para os tenistas top 20 e acredito que na faixa de US$ 1 milhão para o Nadal.

      Responder
          1. Helena

            Nada mal. Mais dinheir que os vencedores de São Petersburgo e Metz.

            Se eles têm tudo isso para distribuir, imagina o quanto não arrecadam… hehehehe

  4. Rubens Leme

    Dalcim, estava revendo hoje Pacto Sinistro e, para mim, é o melhor filme em que se usa o tênis como pano de fundo, até porque Alfred Hitchcock é um dos meus diretores favoritos.

    E, para você, qual o melhor filme em que se usa o tênis?

    Responder
      1. Rubens Leme

        Olha só, outro fã de Woody. Ele é meu cineasta favorito, tenho tudo dele em DVD como tinha tudo em VHS, mas o filme, em termos de tênis, é fraco, tirando a Scarlet né? A história em si ele já tinha contado em Crimes e Pecados, que tinha uma parte filosófica ausente em Match Point. O diálogo final entre Woody e Martin Landau no casamento é a peça central, embora a cena em que ele revê seus familiare em um almoço de domingo, também é fundamental, onde se discute Deus, moral e culpa. Como é influenciado em Crime e Castigo do Dostoiévski, se torna um clássico.

        Falando nisso, semana passada fiz a semana Woody em casa e revi vários filmes. Meus favoritos são Broadway Danny Rose, Crimes e Pecados, A Era do Rádio, TIros na Broadway, Hannah E Suas Irmãs, A Rosa Púrpura do Cairo, Descontruindo Harry, Poderosa Afrodite, Sonhos de um Sedutor e O Dorminhoco.

        Responder
      2. Rubens Leme

        Eu conheci a fundo a obra de Woody já velho, com 27, 28 anos e me lembro que importei os VHS de Manhattan e Annie Hall via Amazon, porque não os achava no Brasil. Eles chegaram em um sábado e o porteiro me entregou de madrugada, porque havia ficado fora o dia todo. Para minha decepção não havia legendas em inglês (em português não teria mesmo, porque era americano) e sofri para entender.

        Por causa disso, importei um livro chamado Four Films of Woody Allen (https://books.google.com.br/books/about/Four_Films_of_Woody_Allen.html?id=4pKtQgAACAAJ&source=kp_cover&redir_esc=y) com o roteiro completo dos dois filmes, além de outros dois. Assim, assistia o filme e lia o roteiro.

        Demorei anos para entender o humor ácido e político dele, mas hoje é meu favorito. Também, na época, comprei os 3 livros de contos que existia no Brasil (Que Loucura!, Cuca Fundida e Sem Plumas) e Woody se tornou um amigo invisível que me ajudou demais em anos difíceis.

        Sabia que O Dorminhoco foi o primeiro filme a falar de clonagem humana e que o roteiro foi enviado para Isaac Asimov, para saber se era coerente? Asimov deu o sinal positivo. Aliás, curiosamente a escola onde estudou, Public School 99, foi rebatizada Isaac Asimov School for Science and Literature.

        Poderia fazer um tratado sobre Woody, mas paro por aqui.

        Responder
          1. Rubens Leme

            Fora suas tiradas históricas: “Hipócrita é aquele que escreve um livro sobre ateísmo e reza para que venda”.

  5. Sérgio Ribeiro

    O Campeonato pra enganar trouxas ( talvez porque more no “ resto do mundo “ rs ) e sem Sal , pros que não sabem apreciar a disputa Coletiva , mostrou porque se transformou em sucesso absoluto. Duvido que Medvedev e Tsonga não largariam os ATP 250;que venceram esta semana , pra participar de um evento magnetizante que enlouquece a galera. A ATP tinha mesmo que oficializar no Calendário. Além da alta premiação ( até Fognini e Kyrgios riam a vontade ) , a interação entres os Tops e’ simplesmente SENSACIONAL. Um regulamento excepcional em que TODOS fazem ao menos um jogo , sem poder passar de dois . E os pontos com peso maior nos últimos dias , coloca a disputa acirrada até o fim . Queiram ou não, juntar gerações de Laver , passando por Borg e chegando em Fritz e Zverev , fazem do Craque Suíço o eterno Embaixador do Esporte. ABS !

    Responder
  6. José eduardo

    Prezado Dalcim,
    acompanhei a final do torneio de glasgow e vi uma grande promessa: o finlandês ruusuvuori… anote este nome.

    saque excelente, direita fulminante, golpes pesados e uma facilidade impressionante em distribuir e alternar as jogadas, fazendo o adversário correr muito, de lado a lado.

    Responder
  7. Rodrigo S. Cruz

    O Nadal é um dos FUJÕES mais caras-de-pau do circuito!

    Em um dia disputa dois jogos contra adversários fracos.

    No outro, com a chance de jogar contra um tenista de verdade, ele inventa uma desculpa furada e foge!

    Lógico, né.

    O Nick numa quadra como essa é osso duro.

    E apesar dessa Laver Cup não valer nada, o Nadal sabe que é um risco dar mais confiança para o Kyrgios…

    Responder
  8. Bruno Marcedo

    Será que o russo Daniil Medvedev é o homem esperado por tantos anos? Será ele o representante da renovação do tênis? Hoje o cara chegou e venceu mais uma final! Nunca senti tanta firmeza em alguém da nova geração. Acho q finalmente foi a achado o cara que tem a combinação JOGO, CABEÇA E CONSISTÊNCIA. E eu ainda aposto no carisma do cara, ele é espontâneo e comunicativo (para o bem e para o mal).

    Responder
  9. Maurício Luís *

    “Inflamação na mão tira Nadal de jogo do domingo”
    Sr. SPOK, como Oficial de Ciências da nave estelar Enterprise… qual a sua abalizada opinião sobre o pessoal que vai dizer que o espanhol deu desculpa pra fugir de enfrentar o Kyrgios na Laver Cup?
    ” – São todos ILÓGICOS. O pouca telha está é tentando se poupar para a Lua-de-Mel… se é que não vai adiar o casório “de novo, novamente, + 1 vez”.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      E o Ze’ Verev fez Björn Borg dar uma dancinha engraçada, pela terceira vez escalado na hora do vamos ver. Mesmo sem saber Volear , como o Expert aos domingos, bateu em 2017 o Saque-Voleio de Sam Querrey , fez o ponto decisivo em 2018 contra Kevin Anderson e agora contra Milos Raonic . Já pode convidar Sasha pro seu Clubinho, especialista L F kkkkkkkk Abs!

      Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          O mané de cima só fala m**da e volta com papo de hetero kkkkkk E o grande baba ovo esquece dos 3 MASTERS 1000 e um ATP FINALS conquistado pelo Danoninho. Quem fora do TOP 3 conseguiu entre os TOP 20 do momento ??? Abs!

          Responder
          1. Paullo

            Se vc ler melhor vc vai entender que eu disse se enrola, não que perde ou que nunca ganha. Claro que ele já ganhou torneios importantes. Mas que se enrolar, se enrola: as recentes partidas dele foram ao último set.

  10. André

    Dalcim, me veio um questionamento agora. Como os jogadores profissionais conseguem dosar a força a ponto de quase todas bolas curtas conseguirem um winner ou alguma bola matadora? Quando eu jogo é cada isolada Kkkkk. Muito treino ou eles desenvolvem uma técnica própria?

    Responder
  11. Angela B.

    Laver Cup é um “campeonato” ridículo…… e só serve pra enganar os trouxas.
    Na boa…..tenho mais o que fazer!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    POUPEM-ME!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Responder
  12. Luiz Fernando

    Gostaria q o Mário César me desculpasse pelo erro da minha avaliação, como pude pensar em “milonga” por parte do Rafa, ele não só jogou e venceu uma partida de simples como vai emendar um jg de duplas na sequência. Sabe Mário, eu é q estou duvidando q vc torça pelo Nadal, seu perfil de cegueira da realidade é mais próximo de um outro segmento…

    Responder
  13. Angela B.

    PQP!!! Não aguento mais esse povo falando da tal “entressafra”….seja de qualquer time: federetes, nadaletes ou djokovetes.
    Que gente cansativa…OMG!!! Parece risco discado.. For God Sake….Give us a break!!

    Responder
  14. Miguel BsB

    Não houve entressafra nenhuma no auge do Lendl…Mcenroe estava nos cascos até 86, quando tirou o seu período “sabático” inclusive, 84 foi provavelmente a maior temporada de um tenista na história, rivalizando com outras do Federer e Djokovic.
    Wilander já ganhava Slams desde 82 e assim permaneceu até 89, sendo 88 sua temporada fantástica…
    Becker já ganhava Slams desde 85…
    Edberg desde 85.
    Onde se encaixa nesse período aí um Lendl sem grandes rivais campeões? Não existiu porcaria de entressafra nenhuma no auge do tcheco…

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Ao contrário do que afirmou o sábio “ parrudinho “ , o Theco fez DEZENOVE FINAIS de SLAM entre 81 e 91 . Enfrentou Connors , McEnroe, Wilander , Edberg e Becker ( inclusive em FINAL de FINALS ). Esses contemporâneos arrumaram nada mais , nada menos , que 34 SLAM até passarem o bastão para Sampras e Agassi. Chamar isso de entressafra somente na cabeça do conhecido fanfarrão rsrsrs Abs!

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Nós também já conhecemos as tuas “macaquices” de cor e salteado

        E nem teria como não conhecer, né?

        Você parece um papagaio…

        (rs)

        Responder
    1. Angela B.

      Querida Gabi, acredito que vc confundiu o comentário do João Ando c/ outro ..E acho que isso aconteceu porque algumas pessoas vem (recorrentemente) re-postando mensagens de terceiros por aqui e consequentemente, causando confusão.
      Anyway, o que posso te afirmar, é que o João Ando é o cara (entre poucos) que mais se mostrou CONTRA a homofobia nesse espaço….Por isso, ao invés de crítica, ele merece respeito.
      E na boa: God bless him!!! Porque homens como ele.. que respeitam as diferenças, que são seguros qto a sua propria individualidade e maculinidade , são extremamente RAROS hoje em dia,não é verdade?? 🙂
      – Abs, minha amiga!!

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        (rs)

        Deus do Céu!

        Essa daí erra tudo!

        Mas que coisa impressionante uma pessoa não conseguir dar umazinha dentro:

        [João ando]
        20 de setembro de 2019 às 23:12

        “Paulo. Acho que uma boa surra da um jeito pois os trejeitos começam com 13^14 anos e só os pais verem e aceitarem que a criança esta agindo de modo estranho …e lógico que os politicamente corretos nao vão concordar”.

        Responder
        1. Angela B.

          shhhhhhhhhhhh, Rodrigo……..shhhhhhhhhhhhhhhh…..
          Gosto muito da Gabi e ela sabe disso. Portanto….silêncio!!!!! A conversa não chegou no galinheiro que te pertence.
          Portanto, se toca….vc não é bem vindo, bolsominion. Não nessa thread……..
          Got it? 😉

          Responder
    2. João ando

      Gabi …não falei em cura gay apesar de ser médico oftalmo essa é sua terapia casa um sabe onde o calo aperta tenho uma filha e ela com certeza apesar dos 14 anos nao e homossexual. ….cada um cuida do seu filho como quiser e acha que da a educação certa
      …..capicce

      Responder
      1. Gabi

        No, non ho capito…

        Óbvio que cada pai cuida de seus filhos como acha melhor, mas, putz, Dr. Oftalmologista, acreditar que com uma surra os pais atentos vão curar os trejeitos ou a homossexualidade ou o jeito estranho (?) dos filhos, olha…

        Ah, se quiser mesmo falar italiano, é assim ó: capisci?

        Responder
        1. João ando

          Dra Gabi. Estou para falar de ténis e e óbvio que há homossexualismo no tenis no futebol …agora quem falou em cura gay foi vc que deve ser uma especialista no assunto entao não temos o que conversar entendeu…

          Responder
      2. Eu

        Mas foi o que vc disse. O Paullo perguntou o que o Carlos faria se o filho fosse gay. Vc respondeu: uma boa surra, porque os trejeitos começam com 13-14.

        Responder
        1. João ando

          Caro eu que não sei bem o seu nome …bom…como disse para mim homem nasce homem mulher nasce mulher mas cada um faz com o seu corpo o que bem entender e cada um que cuide dos seus do modo que acha melrhor…acho o homossexualismo uma aberração …mas nunca destratei ninguém por ser gay negro amarelo branco ou azul ou ser católico evangélico umbandista etc ..já que não sou intolerante …como alguns aqui parecem ser e querem arrumar pelo em ovo

          Responder
  15. Sandra

    Dalcim, vendo a judoca Rafaela ter sido pega no dopping, vc não acha estranho que esporte de alto rendimento, como tênis , osgrandes tenistas nunca terem sido pegos ? Tipo Nadal , Federer , Djokovic, inclusive o Agassi, será que tiveram sorte de não terem sido pegos ou a ATP fechou os olhos como ela sempre faz.?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que todos são extremamente cuidadosos, porque o tênis é um esporte severamente testado, principalmente fora de competição. Acho que ninguém arriscaria a carreira e o prestígio.

      Responder
      1. Jose Yoh

        Dalcim, sei que você tem muito mais contato com o esporte e conhece melhor os detalhes, mas eu, pensando de forma lógica, preciso discordar.
        Para mim é bastante evidente que todos tomam substâncias ou usam de artifícios (legais ou ilegais) para melhoria principalmente da recuperação do corpo.
        Basta ver o caso do Meldonium. Alguns tomavam e a substância era legal. Quando foi proibido, vários atletas caíram de rendimento repentinamente por lesões.
        Considero também o fato desta ser a geração com mais grana e recursos tecnológicos – que inclui a medicina.
        Coisa que a geração anterior não teve pois um atleta de ponta dificilmente rendia bem após os 30 anos. Esta para mim é a prova de que os atuais tem algo de diferente.
        Sei que profissionalmente você não pode responder sem provas então não espero uma resposta real sua, mas é o que eu penso.

        Responder
    2. Gabi

      E vc viu o que ela alegou? Que oferecia seu nariz para uma criança de 6 meses chupar e que esta lhe contaminou com o remédio que tomava.
      É pra matar!!

      Responder
  16. Luiz Fernando

    Zverev, que ontem teve uma disputa acirrada com Shapo p ver quem errava mais nas duplas, levou 10 a 1 no tiebreak decisivo, por pouco não leva um pneu humilhante, será q faltou danoninho no café da manha?????

    Responder
  17. Sandra

    Dalcim, leio aqui tantas histórias , joga bonito ,joga feio , bonito mesmo joga Fognini , vi uma jogada dele ,não me lembro quando , que nunca vi nem no Federer!,

    Responder
  18. Rubens Leme

    Dalcim, não dá para entender ter essa Laver Cup ocorrer em um mês que nós tivemos um US Open logo após um final de semana da Davis e um pouco antes do giro asiático, sem falar que boa parte dos jogadores do circuito chega a esse período lesionado, como é o caso do próprio Federer.

    Para quem sempre pegou um calendário mais enxuto e com semanas extras de descanso (como é o caso do suíço), é um contra-senso.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Pois é, agora sem os fins de semana da Davis, talvez se consiga uma data melhor… mas veja que não é fácil, porque março é apertado, depois vem a longa série de saibro e grama… Não há muitas aberturas.

      Responder
    2. Marcílio Aguiar

      Tens razão sobre as questões de bom senso sobre a realização da Laver cup no final da temporada, mas por outro lado, não tem preço ver reunida boa parte da história do tênis na era aberta em três dias. As lendas Laver, que é homenageado, Borg e Mcenroe no banco e na quadra mais duas lendas Federer e Nadal. Para mim ver Federer e Borg comemorando um ponto é algo extraordinário.

      Responder
  19. Maurício Luís *

    Ainda sobre a matéria “Federer revela choro após final de Wimbledon”…

    Olha só, Federer. Se lhe serve de consolo, minha sogra avisou que vem visitar e vai ficar DEZ dias pra “ajudar”. Isso sim é motivo pra chorar.
    Vou pedir pra ela vir de VASSOURA, que assim evita congestionamento.

    Responder
  20. Maurício Luís *

    “Federer revela choro após final de Wimbledon”
    Chora não, Federer. Quando você sentir vontade de chorar, lembre-se de MIM. Não tenho nenhum SLAM, não tenho $$$$$$$$$$$$$$$$$$, não tenho tenho fãs (mas tenho críticos aqui no blog). Acho que também não tenho noção…
    Aaaahh, e o pior de tudo: acabou o cafezinho aqui em casa!

    Responder
    1. Ronildo

      Você não acha que Federer faz um bom esforço para ajudar pessoas desfavorecidas? Se você morasse na África e seu filho fosse beneficiado pela Fundação Roger Federer tenho certeza que você não depreciaria os sentimentos dele.
      Mas eu concordo que a maioria da pessoas na humanidade tem mais motivos para chorarem do que ele, afinal ele tem uma extraordinária vocação e se profissionalizou justamente nela. Já pensou se ele nunca tivesse contato com o tênis!
      Mas cada um na sua grandeza conseguida ou herdada, né? Não adianta tentarmos viver a vida dos outros ou termos inveja do que não temos, isso só nos prejudicará.

      Responder
      1. Maurício Luís *

        Então, Ronildo, não onde você viu que eu quis depreciar os sentimentos dele. Dentro das circunstâncias, por todo esforço que ele faz para se manter em alto nível, é de se compreender o choro. Tem umas coisas que eu escrevo só de palhaçada mesmo.

        Responder
        1. Ronildo

          Então me desculpe Maurício Luís. Entendi errado mesmo

          É coragem o Federer falar na boa que chorou depois da partida. Talvez ele não se dê conta de como em alguns lugares do mundo existe preconceito quanto ao choro do masculino.

          Se todos os homens chorassem de vez em quando tenho certeza que o mundo seria um lugar bem melhor!!!

          Responder
          1. Jose Yoh

            Caro Ronildo, acho que hoje em dia todos os homens choram de vez em quando, justamente porque o mundo está muito pior…

  21. Douglas Yoshida

    Dalcim, fugindo um pouco do tema, como você imaginaria um Federer jogando no circuito com 1.73m (altura de Rod Laver)? Não seria um mínimo de parâmetro pra saber como o australiano se sairia hoje em dia? Schwartzman é um TOP 15/20 consistente e possui 1.70m. Abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que não é questão de altura, mas de forma de jogar. Claro que aquele Laver dos anos 1960 não teria qualquer chance no tênis de hoje, seria algo mais para Hicham Arazi do que para Schwartzman. Mas é claro que imagino que um tenista com sua capacidade técnica acharia recursos no tênis tão diferente que se joga hoje, Douglas. Federer com 1,73m não poderia contar tanto com o saque, então teria de desenvolver velocidade, defesa e físico. Mas não consigo imaginar Federer assim… rsrs…

      Responder
  22. Marcilio Aguiar

    Dessas incertezas todas, infelizmente, a única que parece consolidada é a retirada do craque Suiço em 2020. Aproveitemos, porque talvez passem algumas gerações para vermos outro igual.

    Responder
  23. Luiz Fernando

    Sempre defendi Nadal nesse espaço mas não suporto incoerências e teatrinhos.Em entrevista no meio da partida de duplas, Rafa expôs q está uma dúvida no punho esquerdo, que não sabia se poderia jogar e ao sair a escala de jogos ele figura contra Raonic. Ridículo!!! Pra q esta enrolação? Creio q se não fosse tenista teria uma boa chance no teatro…

    Responder
    1. Miguel BsB

      Luiz Fernando, isso aí é característico do Rafa, não há como negar…
      Ele é “milongueiro” pra caramba, ainda mais nesse quesito físicos/lesões…
      Aprendeu com o tio, que se referiu a ele como uma pessoa lesionada que pratica tenis.
      Aí é demais! Rs Mas não acho que isso desmereça o espanhol, cada jogador tem suas características. Ele gosta de milongar o estado físico dele com frequência, mas na hora do vms ver, joga final de Slam em 5 sets e leva o caneco…

      Responder
  24. Rodrigo S. Cruz

    Essa Laver Cup é um torneio muito sem sal.

    Óbvio que o time “Mundo” não consegue fazer nem cócegas no time “Europa”.

    Totalmente desigual o confronto.

    O único tenista que pode mostrar alguma força no time “Mundo” é o Kyrgios.

    O Shapovalov também é bom, porém inconsistente.

    Responder
  25. Rodrigo S. Cruz

    Com o devido respeito a ambos,

    mas eu discordo tanto do Ronildo quanto do Fabriciano sobre essa questão do mental do Federer.

    Primeiro acho que bem “non-sense” afirmar que alguém pode ter mental inferior só porque tem mais torcida.

    Ou seja, essa teoria do Ronildo é forçada e acaba soando mais como a boa e velha desculpa…

    E quanto ao que falou o Fabriciano:

    existe também algum MITO acerca dessa suposta superioridade mental do Djoko e do Nadal.

    O que acho é que o “Rogério” é muito teimoso em algumas posturas táticas que ele adota.

    Penso também que o Federer tem tantos recursos que ele joga de manira mais intuitiva.

    Enquanto Nadal e Djokovic jogam de maneira mais mecânica.

    Por isso que fica essa impressão de que eles dois jogam melhor os pontos importantes…

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Rodrigo, eu continuo acreditando que no aspecto mental, o Federer é um degrau abaixo dos outros dois. O que seriam então as várias derrotas, especialmente para o sérvio, quando você mesmo diz que Federer perdeu para ele mesmo, para ficar apenas em um exemplo. Mentalidade ou superioridade do adversário?
      Grande abraço.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        É que no exemplo que você deu, ocorreu um pouco de cada coisa:

        1°) O Federer fez duas escolhas fracas no 40/15.

        2º) O Djoko teve méritos porque soube fazer muito bem sua parte, ao perceber as más escolhas do rival e neutralizá-las.

        3º) E por fim, o Federer realmente falhou feio no lado mental jogando dois pontos PAVOROSOS a partir do 40/40.

        Em resumo:

        Depois do Djoko salvar 2 matchpoints, o suíço entregou o resto do game de mão beijada para ele!

        Responder
    2. Ronildo

      “Primeiro acho que bem “non-sense” afirmar que alguém pode ter mental inferior só porque tem mais torcida.”

      Putz Rodrigo, é dose escrever tanta coisa e depois ler isto!

      Você simplesmente não está levando em consideração as variedades de personalidades que as pessoas têm. Tem tenista que na maior pode simular masturbação usando uma garrafinha de água diante das câmeras e do público. Outro simplesmente é rude com boleiros. Jogador de futebol que passou quase todas as noites em festanças durante a Copa do Mundo. A interação com o público e a influência que este tem no desempenho dos atletas é diferente de atleta para atleta. Mas no geral, se o atleta acreditar que está representando os interesses ou suprindo as necessidades de um grande público, ele estará jogando responsabilidade sobre seus ombros, o que acarretará numa enorme pressão psicológica sobre si e seu desempenho será afetado de maneira negativa. Quem acompanha F1 deve se lembrar da fala do Galvão Bueno meses depois da morte de Ayrton Senna para que Barrichello não se sentisse na obrigação de substituir Senna no coração do povo, para que isto não o afetasse negativamente. Isto aconteceu meses depois da morte de Sena durante um acidente que Barrichello se envolveu. Tem o caso de Messi que jamais conseguiu repetir pela seleção da Argentina as magistrais atuações que estava habituado a desempenhar no Barcelona.

      Então não é o caso de dizer que alguém que tenha mais torcida automaticamente terá um mental inferior. Em alguns casos ter mais torcida servirá de motivação e aumentará o poder mental; em outros será indiferente-neutro e em outros, dependendo de diversos fatores, criará mais pressão para cima do atleta e afetará negativamente seu desempenho, principalmente nos momentos mais importantes. Porque muitas vezes os craques do time de futebol erram os pênaltis nas decisões por pênalti como o famoso caso de Roberto Baggio? Simples, nestas horas muitos craques sentem mais pressão, afinal, durante a carreira toda foram responsáveis por gols salvadores! Enquanto isso os pernas-de-pau miram no meio do gol e saem pra galera kkkk! (Sem pressão nenhuma, tipo Djokovic salvando um match-point num jogo praticamente perdido para Federer)
      Enfim, a carreira toda de Roger Federer mostra que ele acredita representar os anseios de um grande público. Suas declarações sempre demonstraram isso. Daí, na hora da onça beber água, … ele estará sozinho querendo corresponder todos os anseios da multidão que o segue… blá, blá, blá,blá. (Tem muita coisa kkkk)

      Mas enfim, este aspecto de Federer ser teimoso e confiar demasiadamente na intuição também tem contado para inúmeras derrotas dele.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Desculpe, cara. Mas é como penso.

        Cabe ao Federer superar essa “carga” descrita pro você, e manter a frieza.

        O Senna que você mesmo cita se notabilizou por isso.

        Quando pressionado, ele rendia mais e fazia coisas de deixar os outros de queixo caído.

        Como daquela vez em que o Prost provocou a colisão na “chicane” e arrancou o bico do carro dele.

        Qualquer outro teria abandonado.

        Mas ele sinalizou desesperado para que o empurrassem, recolocou o bico, e começou a andar num ritmo “kamikase” até alcançar Alessandro Nanine.

        E o alcançou na penúltima volta.

        O Federer também tem recursos mais do que suficientes para arrancar vitórias improváveis.

        Quanto mais para não deixar escapar alguma que tinha tudo para ser dele…

        Responder
        1. Ronildo

          Tranquilo Rodrigo, meus comentários são simplesmente para frear ações de pessoas necessitadas em achar alguém para descarregar banalidades preconceituosas contra uma pessoa cujas ações são importantes socialmente. Uma pessoa digna de respeitabilidade. Uma coisa é uma sátira sadia e passageira. Outra coisa completamente diferente é uma constante afirmação de conceitos equivocados e super-dimencionados. E você, felizmente, não é um alvo de meus comentários.
          Porém, como eu disse anteriormente, depende da personalidade de cada um o modo como será influenciado se houver uma enorme pressão de um grande (enorme) público. Senna não revelou-se ser alguém que sequer se importasse com as aparências em certas ocasiões. Como no caso em que jogou o carro para cima de Alan Prost para o tirar da corrida e ser campeão em retribuição ao que Prost fez no ano anterior. Isto contrasta fortemente com o fato de Federer ter passado uns dez anos escolhendo sacar quando vencia o sorteio ou evitando dar deixadinhas por talvez achar ser isto um meio pouco honrado de ganhar o ponto (somente à medida que a idade foi chegando ele foi usando as deixadinhas, certamente por acreditar que era uma maneira de contrabalancear sua velhice atlética com a jovialidade dos rivais). Então, acredito que Aírton Senna tinha mesmo uma personalidade diferente da de Federer. (Me desculpe quando repito algumas coisas que você já sabe, é por causa de outros e de novos leitores)

          Responder
  26. Rodrigo S. Cruz

    Affff !!!

    Que cara ASQUEROSO esse apresentador de TV romeno.

    Veio chamar a Serena de ” macaco de zoológico”.

    Infelizmente o racismo ainda é um mal presente no mundo mesmo.

    Pior é que ficou só numa multinha ridícula…

    Esse cara tinha que ser demitido ou coisa pior.

    Responder
    1. Miguel BsB

      Coisa escrota! Não vi isso, mas seria caso de prisão, não de demissão e muito menos de multa…
      Os romenos tem se revelado, pelo menos no tenis, racistas e misóginos. Vide a confusão do Nastase com o time feminino britanico na Fed Cup…

      Responder
  27. Rubens Leme

    Dalcim, imagino que também tenha isso entre os seus favoritos, mas é muito divertido rever essa final de Wimbledon, de meio século atrás, entre Rod Laver (que fecharia naquele ano seu segundo ano vencendo todos os Grand Slam) contra o compatriota John Newcombe.

    O ponto final em um smash e a comemoração discreta e elegante de Laver mostram o quanto o tênis era diferente em muitas coisas do atual, começando por dois sacadores e voleadores, dando shows na rede a cada ponto.

    Para mim, não adianta: por mais que o esporte (e não só o tênis) evolua em termos técnicos, táticos, físicos, midiáticos (o aspecto mais aborrecido) e de equipamentos, sempre irei preferir os atletas do passado: mais simples, muito menos milionários e que falavam no singular ao invés do plural de hoje (“meu estafe”, “meu time”, “minha equipe”). Por isso mesmo sempre foi fácil e gostoso falar e entrevistar esse “pessoal das antigas”, enquanto os atuais (e nem falo tanto dos gênios, me refiro mesmo aos terrenos) é preciso passar por um mar de assessores e gente despreparada.

    https://www.youtube.com/watch?v=J9T21xYZXOM

    Responder
  28. Babidi

    Dalcim, acho que a ATP tem medo do Kyrgios parar de fazer essas palhaçadas. Penso que todo mundo que vai ver os jogos quer ver ele aprontando alguma coisa, kkkk.. ele é criticado, criticado, criticado, mas dá audiência. Essa é a grande verdade! Infelizmente

    Responder
  29. Ronildo

    Vou perguntar novamente à pessoa que usa o codinome Eu: “Você viu alguma afirmação pessoal de Federer dizendo que ia fazet esforços pra aproximar Kirgios e Nadal?”

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Ronildo,

      Sei que você não dirigiu essa pergunta a mim.

      Mas eu lembro que essa notícia saiu mesmo…

      Agora, se o Federer falou exatamente com essas palavras, aí eu já não sei.

      Mas acho que não.

      Responder
      1. Ronildo

        Exatamente Rodrigo. Eu li e reli a matéria. Inclusive a pessoa colocou a matéria inteira nos comentários. Porém em nenhum momento tem alguma afirmação de Roger Federer neste sentido. Apenas suposições de quem escreveu. Mas não estou criticando a matéria em si, porque as suposições são pertinentes; embora eu tenha achado que o título da matéria passou um pouquinho do ponto. Porém o ou a Eu simplesmente usou tal matéria para questionar aqueles que gostam do Federer e não gostam do Kirgios. Ressaltando: não há nenhuma afirmação do próprio Federer neste sentido. É apenas uma matéria jornalística pertinente analisando um provável cenário, mas que pode não condizer com a realidade. Aqui mesmo no Brasil há um ditado: “Negócios são negócios, amizades à parte”.

        Responder
  30. Ronildo

    Luiz Fabriciano, você escreveu num comentário que eu fiz sobre o mental e as derrotas do Federer o seguinte:

    “Seria apenas de bom tom que você relaxasse um pouco mais. E você disse novamente que o mental dele é mais fraco.
    Pronto, esse é o ponto. Não discutiremos mais.”

    Te respondo: NÃO, absolutamente não!!!

    Sabe porque?

    Porque se deve pensar antes nos princípios e nos valores do que meramente e de forma egoísta ou insensível, nas consequências. Você sabe o que isso significa?

    Que antes de comemorar o fato de uma pessoa ser rica, deve-se antes de tudo saber que tal riqueza não foi adquirida por meios injustos como existem muitos casos atualmente.
    Da mesma maneira o mental de Roger Federer tem se mostrado mais fraco do que o de Nadal e Djokovic por causa da intensa simbiose que houve e continua havendo entre Roger Federer e o público, gerando nele um comprometimento e um senso de responsabilidade em fazer jus às expectativas num grau que Nadal e Djokovic jamais experimentarão.

    Em outras palavras, os motivos que levaram Roger Federer a ter um mental inferior comparando com Nadal e Djokovic são belos, virtuosos. São resultados de sua sensibilidade para com o mundo e as pessoas.

    Vou explicar de outro modo: se Roger Federer habitualmente se zangasse e fosse ríspido com boleiros durante suas duras partidas, tenho certeza absoluta que ele jamais perderia aquele 40-15! Mataria na primeira oportunidade!

    Não posso relaxar diante do grotesco que neste caso seria aceitar passivamente que se deprecie o belo!

    Você quer continuar?

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Não sei se devo…

      Quando sugeri o relaxamento foi para sua tentativa implícita de ofender quem te contrapõe. No mais, concordamos em 50%.
      Saudações.

      Responder
    2. Viana

      Que conversa fiada de fã apaixonado!
      Nadal e Djoko experimentam a mesma pressão e pelos mesmos motivos q Federer…
      Pare de tentar “florear” as derrotas.
      Todos eles perdem, Nadal, Djoko e Federer.
      Todos eles são boas pessoas e grandes representantes do tênis, mas são humanos.
      Pare de fazê-lo ser um Deus ou algo parecido, pq essa tese sua aí deixa clara sua obssessão.

      Responder
      1. Ronildo

        É simples Viana, eu até estava sem comentar por muito tempo no blog, e este fato contradiz totalmente suas palavras acusatórias de que sou obcecado. Porém, depois que Federer, beirando os 38 anos, fazendo mais pontos, indo para o ataque, com volume de jogo que chegou a construir 2 match-points no 5 set, e mesmo assim perdeu a partida; pelo simples fato de uma partida de tênis não ser por pontos corridos, por exemplo; me deu a certeza absoluta que várias pessoas estavam salivando para virem falar várias asneiras aqui. Então resolvi jogar um balde de água fria nestes intentos rançosos e que usam algumentos altamente superficiais, típicas de pessoas vazias, que pensam apenas o óbvio. Mas não se irrite meu caro, se Djokovic ou Nadal um dia baterem os recordes de Federer certamente haverão motivos robustos para estes se deliciarem e entrarem em em grande gozo. Ok?

        Responder
  31. Miguel BsB

    Vou resumir o pensamento de um participante bastante polêmico, para ser educado, do blog:

    1850 (+- início do tênis moderno) até 2011 – Entressafra

    2011 até a aposentadoria do Djokovic – Tênis Parrudo

    Aposentadoria do Djokovic em diante – Nova entressafra

    Tá resumido teu pensamento, não precisamos mais das suas considerações kkkkkkkkkkkkkk

    Vai ser fanático por uma pessoa assim lá em Belgrado, arvemaria!

    Responder
    1. Jean

      O cara é o clássico trol da internet. Surgiu pra rivalizar com o fake master do lado federista que sabemos bem quem é. Do jeito que a internet é, nem me surpreenderia se fosse mesma pessoa. (Não estou afirmando que é, só disse que não me surpreenderia se fosse).

      Por gostar muito do blog, ao invés de parar de ler os comentários por causa disso, vejo o nome da pessoa, se sei que geralmente só comenta besteiras, pulo pro próximo comentário, não perco meu tempo com isso. O problema é que sempre tem gente dando audiência, e é isso mesmo que ele quer. Você pode argumentar da maneira mais sensata e conclusiva possível o que ele escreve, mas sempre ele vai responder alguma coisa absurda a mais pra provocar. O negócio é deixar falando sozinho, que um dia ele pára, igual criança fazendo manha.

      Responder
      1. Jose Yoh

        Precisou passar uns 100 posts do Dalcim para alguém lúcido perceber e escrever sobre nosso amigo Troll.
        Inclusive eu também tinha uma teoria de que os antagonistas eram a mesma pessoa.
        O Dalcim sabe se é… e se diverte.

        Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      E o mais incrível , Miguel. É que tem seguidores já grandinhos rsrsrs . Tão ou mais fanáticos. Andam meio sumidos pois contavam como certo o Sérvio levar os 4 SLAM. Principalmente por estarmos num grande ” entressafra ” kkkkkkkkkk Abs!

      Responder
    3. André Barbosa

      Caro Miguel, as pessoas escrevem essas abobrinhas porque gostam de atenção (e na maioria da vezes conseguem); outros escrevem bíblias ao invés de comentários.

      É simples, basta ver o nome do figura e passar reto pelo comentário, felizmente ainda temos ótimos participantes.

      Responder
  32. carlo

    Oi Dalcim, minha impressão é que o Federer só para em duas condições. Ou com um horizonte de queda de rendimento do Nadal e do Djokovic, ou se ele realmente sentir que não consegue mais ganhar Slams. Enquanto os dois estiverem na cola do seu principal recorde e ele tiver oportunidade de ampliar o número de conquistas em Grand Slam para tentar impedir que o recorde seja quebrado, acho que ele não para.
    Abs.

    Responder
  33. Maurício Luís *

    Dalcim, achei importante você pontuar sobre essa boataria a respeito de preferências sexuais. Citarei um exemplo que ilustra como agem esses espalhadores de boatos.
    Lembro de ter visto, anos atrás, num site em inglês (não me lembro qual) um internauta afirmando categoricamente que Venus e Serena Williams eram HOMENS. Disse isto como se fosse o dono da verdade. Que HOMEM é esse a Serena, se até filha ela teve?
    Hoje, aqui no blog, vejo pessoas com a mesmíssima atitude, lamentavelmente.

    Responder
  34. João ando

    Sergio ribeiro .que eu achava que fosse filho do grande tenista Ivo ribeiro…. o bachand de uma mão não vai acabar…. o que vai acontecer no futuro e ter tenista batendo com dois forehands e alguns com as duas mãos dos dois lados e tenistas sacando tanto com a mão direita assim como com a mao esquerda

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Eu não falei em acabar. Mas esta longevidade do Suíço em altíssimo nível , jamais aconteceu. Acredito que a tendência é a garotada optar em seguir Novak e Rafa com a aposentadoria do Craque . Não vejo outro N 1 com back simples. Mas quem sabe Tisitsipas e Shapovalov não me desmintam , caro ando. Abs!

      Responder
  35. William

    Vou falar pra você, que responde, Dalcim. Fazem duas semanas ou mais, que o tênis Brasil não dá informações sobre o caso da Bia Haddad. Para pessoas como eu, que só lêem este site, estamos ferrados. Pode nos contar ou até citar em seus comentários, quais as perspectivas? Por exemplo tempo de suspensão…o que ela está fazendo neste período, etc. Abraço…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não há novas informações, William, daí a ausência de notícias. Ela continua aguardando julgamento final da ITF. Se for confirmado o doping e a suspensão, restará recorrer ao CAS (Conselho de Arbitragem do Esporte). A demora pode ser encarada como boa notícia, a meu ver, porque a Bia fez alegações que podem estar sob investigação, como já contamos no TenisBrasil. Enquanto aguarda, obviamente ela mantém seu treinamento diário em Florianópolis e São Paulo. Tentamos contato, mas ela está orientada a não dar entrevistas durante o processo, o que é totalmente compreensível. Abs!

      Responder
  36. Rodrigo S. Cruz

    [Angela B.]
    18 de setembro de 2019 às 23:16

    “1o – não há nenhuma vergonha ou “mancha” na reputação de uma pessoa por ela ter um relacionamento homoafetivo. Especialmente qdo ela NÃO esconde a sua preferência. Got it..ou vou ter que desenhar??
    2o – mau caráter é aquele que tem PRECONCEITO e por falta de hombridade, usa de subterfúgios pueris p/ mascará-lo.
    3o – darling…tenta esquecer que eu existo. A raiva faz mal pra saúde. 😉”

    1) Conversa fiada. Claro que há. Deixe uma vez na vida de ser hipócrita… Veja: se sou hétero jamais vou aceitar que digam que sou o oposto. Por exemplo: eu te achar uma mau-caráter (e acho), não me dá o direito de sair por aí dizendo que você furta. Simples ou quer que eu desenhe?

    2) Mau-caratismo é usar uma desculpa tão ridícula de “preconceito”, para desviar a atenção da boataria que você começou, sem uma “franja” sequer de prova… Pffff pra cima de mim? Deixa de cinismo que ninguém aqui é tonto, não.

    3) Mas “Darling”, eu já tinha feito isso há meses. Quem recomeçou agora foi você. Se faz mal pra saúde, não me atiça…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Rodrigo, você precisa responder o internauta dentro do espaço correspondente… Esse sistema de copiar o que se escreve e responder acaba cortando o bom andamento da discussão. Grato!

      Responder
      1. Paullo

        Mas ele não é o único que faz isso. Talvez tenha sido o primeiro, mas têm outros que repetem e de fato compromete mesmo o bom andamento da discussão.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Isso daí mesmo, Paulo.

          O ” pioneiro” fui eu, e outros imitaram.

          Mas uma das coisas mais comuns em fóruns é a ferramenta de “quote” das postagens.

          Eu só improvisei…

          Nem entendo para quê tanto barulho por isso.

          Abs.

          Responder
          1. Jose Yoh

            Dalcim, fica como sugestão uma forma de responder comentários em posts passados no post corrente.
            É bem frustrante perceber que sua resposta não foi lida por ninguém.
            Fica claro que o blog é seu e você faz o que desejar… Só gostaria de melhorar o que já é ótimo.
            Abs.

  37. Hendrix

    Dalcin,
    Uma curiosidade sobre essa reta final de temporada. Nadal atualmente está cerca de 2 mil pontos acima de Djokovic no ranking da temporada, já tendo acabado todos os GS. Pergunta é: alguma vez na história um tenista com tamanha vantagem após o US Open não terminou a temporada como número 1? Se sim, qual?
    Outra coisa, você não considera excessiva a quantidade de pontos em jogo pós GS? Em tese, os torneios mais importantes da temporada deveriam encerra-la ou estar próximos de sua conclusão, como ocorre em todos os esportes. O resultado que temos visto ao longo dos anos é o esvaziamento dos últimos 2 masters e até do ATP finals, torneio marcado por diversas desistências. Gostaria de saber sua opinião sobre esse tema.
    Abraços

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não tenho essa contabilidade, Hendrix, mas Murray estava cerca de 2 mil pontos atrás do Djokovic ao final do US Open de 2016 no ranking da temporada e mais de 4 mil no ranking de 52 semanas, então a chance do Djoko reagir existe. Como você mostrou, existem muitos pontos em disputa ainda, pelo menos 3.500 nos Masters e Finals, outros 1.000 nos ATP 500. Não acho isso errado. A temporada não poderia acabar no US Open, a menos que mudassem radicalmente o calendário, o que certamente não vai acontecer num futuro a médio prazo.

      Responder
  38. Mário Cesar Rodrigues

    Quanto a Kyrgios ele será afastado por 6 meses.Nole só irá voltar a jogar no AO é Federer já desenhou muito claramente que vai parar.e não vai jogar WB se jogar vai ser por convite e agradecer a torcida.Rafa vai jogar com calendário curto até 2021 saibro alguns 500 Master e os GS e tá bom demais.

    Responder
    1. lEvI sIlvA

      Taí, Dalcim! Já sabemos tudo que nos reserva o tênis nos próximos anos. Grato, MC, por partilhar suas espetaculares previsões! Grande abraço!

      Responder
  39. Angela B.

    Nunca entendi essa obsessão dos tenistas em permanecer como número 1 em detrimento da própria saúde física, Dalcim. Isso é vaidade por busca de recordes, questão financeira…ou os dois? Afinal, Federer, Nole e Nadal chegaram num patamar onde não precisam provar nada pra ninguém….e muito menos “necessitam” de dinheiro.
    Esse calendário do Federer é outra coisa que me incomoda. Pra que ir pra América latina e se desgastar? Se é pela questão financeira…isso tb não faz sentido. Ele poderia muito bem fazê-lo após sua aposentadoria, já que não faltariam propostas milionárias e público p/ assisti-lo.
    Sobre a volta da Clijsters – só o fato da belga estar confiante no seu jogo e potencial, já é motivo p/ estarmos otimistas com esse retorno…E na minha opinião, ela ainda vai surpreender muita gente.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que um tenista tão vencedor como qualquer dos Big 3 precisa de um desafio, sejam recordes ou a liderança do ranking. Então acho sim isso algo motivador acima da parte financeira, ainda que ser número 1 ao final da temporada valha a bagatela de 1 milhão de euros de bônus dos patrocinadores principais.

      Responder
      1. Maurício Luís *

        Puxa, não sabia desse 1 milhão de euros. Dalcim, quando o Guga terminou o ano como primeiro do ranking, naquela época também já havia esse prêmio?

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Isso tem de estar no contrato firmado entre o tenista e as marcas e, acredite, quando Guga venceu ele não tinha isso no contrato (dei essa notícia à época aqui no TenisBrasil).

          Responder
          1. lEvI sIlvA

            José Nilton Dalcim
            19 de setembro de 2019 às 10:33
            Isso tem de estar no contrato firmado entre o tenista e as marcas e, acredite, quando Guga venceu ele não tinha isso no contrato (dei essa notícia à época aqui no TenisBrasil).

            Dalcim, creio que, no caso do Guga havia muitos fatores que não o permitiram negociar um bônus desse tipo por encerrar a temporada qual Nº 1. Entre outras, havia muito mais candidatos a encerrar a temporada com o posto. Um especialista no saibro (como era o caso do Guga) na época teria, com certeza, maior dificuldade em ganhar a Masters Cup. Dos 8 tenistas que foram em 2000, se permite dizer, imagino que Gustavo Kuerten era o menos cotado a levar. E o detalhe, bastava a Marat Safin não ser derrotado nas SF e Guga não conseguiria o feito. E é bem provável que o manezinho e até o Larri, não penssassem em título. (Não foi ainda no 1º jogo contra Agassi, na fase de grupos, que Guga sentiu a lesão que o levou a mesa de cirurgia por conta do quadril?)

          2. José Nilton Dalcim

            Acho que eu não expliquei direito, Levi. O Guga não tinha essa cláusula no contrato em 1997, no seu primeiro Slam.

    2. Rafael Azevedo

      São objetivos. A maioria dos seres humanos gosta de se sentir o melhor em algo. Como os títulos e a liderança de ranking são os principais critérios que o povo utiliza para classificar os melhores, eles buscam por isso. É um pouco de vaidade, sim, mas é normal. Faz parte da satisfação pessoal. E o dinheiro está aí no meio, sim. Não tenho dúvidas. É o terceiro critério, rs.

      Responder
  40. Maurício Luís *

    De todas as incertezas listadas, a maior é o tal casamento do Nadal. 14 anos enrolando a noiva, e agora reagendou… Enquanto ele não entrar pro Guiness Book como o procrastinador-mor matrimonial, não sossega.

    Responder
      1. Maurício Luís *

        Reginaldo, eu não tô tão preocupado assim quanto possa parecer. É só zoação… E mesmo que eu quisesse casar com ele – o que não é o caso – ele não iria querer nada comigo, um pobretão de país de terceiro mundo.

        Responder
  41. Paulo Almeida

    “Sérgio Ribeiro
    18 de setembro de 2019 às 09:54

    Completamente equivocado como sempre. Essa ridícula teoria de entressafra e dizer que Rafa Nadal não jogava nada fora do Saibro até 2008 , é totalmente do passador de recibos mor do blog e seus Blue Caps. Quantas vezes já postamos que o N 2 de 2005 , Rafa Nadal venceu até 2008 , Um SLAM ( Grama ) , 4 MASTERS 1000 e Ouro Olímpico nas Duras . Isso acaba com qualquer teoria de lunaticos lideradas por Léo Gavião e Almeidas da vida. Abs!”

    Completamente correto como sempre, freguesão eterno 40-15. Nadal só precisava ganhar tudo no saibro e fazer campanhas medianas fora dele para se manter na segunda posição no período da entressafra, já que os adversários do Jagua na grama e nas duras eram pífios. Quem falou de 2008 foi seu companheiro de torcida Fernando Brack e não eu. Leia os posts anteriores com mais atenção antes de postar besteiras. Nadal só ganhou 3 Masters na dura fora do saibro até 2008 e nem semi de GS tinha, o que comprova sua inconsistência. Em 2006, por exemplo, passou batido em quase tudo, exceto no 500tinho de Dubai.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Na boa, mané . Vá pesquisar direito pra não pagar mico. DOIS MASTER 1000 do Canadá + MADRI + Indian Wells , dão 4 . Mais que GUGA em toda a carreira. E três FINAIS na Grama Sagrada vencendo o Rei da mesma numa delas. Não venceu mais porque caiu antes. Tinha Oponentes a altura. Sabe nada. Continue no grupinho comandado pelo Léo Gavião kkkkkkkk Abs!

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        kkkk

        incrível.

        O cara não sabe NADA, Sérgio!

        É impressionante o volume de recibos que passa. Santo Deus…

        Será que o Almeida já pelo menos segurou uma raquete na vida?

        Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Engraçado é você dar TAAAAAAAANTO destaque aos supostos adversários fracos do suíço.

      Mas ignorar que o próprio Djokovic quase sempre pega chaves babas em Grand Salm.

      Aliás, isso é até normal.

      Se você é cabeça 1 do torneio, vai ter vida fácil na maioria dos sorteios, pelo menos até as semis…

      O Nadal, por exemplo, não enfrentou ninguém nesse Us Open.

      O russo foi o ” melhorzinho” e olhe lá…

      Mas claro, né.

      Pra diminuir o suíço e elevar o sérvio diretamente ou por tabela vale tudo.

      Até atribuir dificuldades que o Nadal claramente nem teve.

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Senhor Manja-Nada, o GOAT Djokovic derrotou pelo menos um membro do Big Four ou o Wawrinka em 15 dos seus Slams e por isso mesmo são ultrapesados. A única exceção foi o US 2018. Já o Fregueser teve 100% de adversários risíveis em 13 dos seus Majors.

        Percebeu a diferença?

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Almeidão,

          I don’t want to rain on your parade.

          Mas…

          Modéstia a parte, eu já li de muita gente boa no blog que eu manjo um bocadinho sim.

          Agora, o que tem de gente que diz que você não manja nada…

          (rs)

          E querer desqualificar 13 Slams?

          Não me faça rir, né.

          Responder
          1. Paulo Almeida

            Pois pra mim você manja bem pouco e a opinião de torcedores recalcados do suíço não me afeta.

            Você diz que parrudo é um termo brega, mas não vejo nada mais brega do que soltar frases em inglês no meio de comentários em português.

          2. Rodrigo S. Cruz

            Lógico. Porque o parrudão do pedaço é você, certo?

            (palavra brega mesmo, PQP… kkk)

            E você já afirmou que o Sérgio, o Pessanha, o Chileno e outros não entendem nada.

            Pois durma feliz sabendo que estamos todos invejando a tua “expertise”.

    3. Fernando Brack

      Ué, Almeida, agora é vc falando bobagem (além, é claro, da costumeira sobre a tal entressafra).
      Nadal tinha 2 finais de WB antes de 2008.

      Responder
  42. Sérgio Ribeiro

    No caso de Novak , visivelmente ele somente vai se pronunciar na boa. A meu ver , pula todos os ATP 500 e depois se desculpa. Com esse patrocínio milionário o Suíço está se antecipando , e se exibindo em lugares que não jogaria mais mesmo. Já havia abandonado a Copa Davis assim como seus novos companheiros de Conselho. Devem ter acordado priorizar a ATP . Quanto às Olimpíadas de Tóquio, pra mim é pule de dez a presença de todo o Big Four + Wawrinka. Murray vai até de muletas rsrsrs . Mesmo sem o 21 , completa a Temporada de 2020 . Clijsters deve está achando o Circuito muito inconstante, pra não dizer baba. Deve achar que vai se movimentar melhor que Serena rs A conferir!

    Responder
  43. Paulo Almeida

    “Gildokson
    16 de setembro de 2019 às 22:09

    Semanas consecutivas tornou-se terciário na tua opinião só pq vc sabe que isso o Djoko nunca vai conseguir kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk”

    Djoko e Nadal não vão conseguir ultrapassar nem Connors e Lendl, jogadores muitas vezes inferiores aos dois, o que torna esse ranking ainda mais risível e sem credibilidade. Semanas consecutivas nada mais são do que um reflexo de uma entressafra. Connors ficou muito tempo sem rival decente até o aparecimento do Borg, Lendl até o Wilander e Federer até o Nadal deixar de ser um mero jogador de saibro.

    Responder
    1. Miguel BsB

      Lendl ficou sem rival até Wilander? Putz…
      O cara simplesmente encarou por anos o auge de Mcenroe, um Connors ainda fortíssimo e um Becker começando arrebatador e o derrotando em uma final de Wimbledon…

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Lendl rivalizou com o McEnroe até o declínio do americano. Depois disso, ficou 3 anos só “na maciota”, conseguindo as 157 semanas. Ficou claro agora?

        Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Eu não acredito que li este comentário rsrsrs . Não é somente má informação , é ignorância mesmo. Connors não tinha Oponentes a altura antes de Borg ? Na boa , como um cara já velho pode ser tão criança ? Não acerta nada. Incrível . Tudo prá você é Entressafra. Quem mandou trocar Federer por Novak em 2011 ? Acho que surtou rsrsrs Abs!

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Não, não tinha. Qualquer coisa é só pesquisar no Google.

        Eu jamais torci para o Fregueser. Antes de 2011 eu simpatizava com o Djoko, mas não me considerava torcedor.

        Responder
    3. Rodrigo S. Cruz

      Claro que não.

      Mas e se fosse, o Federer tem alguma culpa disso?

      kkkkk

      É tosco demais esse desespero teu!

      Querer estabelecer pro Federer padrões ultra-elevados que você mesmo não estabelece pro Djoko…

      E no processo ignorar:

      idade, temporadas no circuito, enfim tudo…

      O Federer pegou a era Guga, onde o tênis era outro e se adaptou com perfeição.

      Depois pegou a era Nadal/Djoko, se adaptou de novo.

      Que mais você queria dele?

      Que tivesse sido um perdedor na era anterior, porém mais vitorioso que o Djoko na atualidade?

      O Djoko tem 6 anos a menos! Óbvio que levaria vantagem.

      O auge do Djoko é agora, o do suíço já passou…

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Claro que é, freguês. Aceite que eu expus a verdade sobre mais um recorde superestimado do Jagua da Montanha. Só ficou tanto tempo sem perder o número 1 por causa da entressafra.

        Responder
    4. Hendrix

      Paulo Almeida,
      Você é um fã real de tênis ou apenas alguém carente querendo arumar intrigas o tempo todo? Sugiro que vá buscar grupos de programas de auditório tipo Ratinho ou Datena, onde você terá farta oferta de oportunidades para suas intrigas.
      Sobre o Nadal, dizer que ele nao tinha semi de Slamas até 2008 é atestado de que nem sequer pesquisar no Google você tem capacidade. Quantos tenistas na história ganharam o que o Nadal ganhou fora do saibro ate 2008 em todana carreira? Wimbledon, ouro olimpico, 3 finais de GS, 4 semis?

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Hendrix,

        Na época do Guga a gente cansava de ver grandes promessas que lutavam, lutavam, e não ganhavam um Grand Slam sequer.

        Tem o caso do Marcelo Rios, por exemplo.

        Tenista de talento incontestável que foi número 1, chegou a uma final de Slam, mas perdeu do Petr Korda.

        Ou seja, esses caras que ficam menosprezando os títulos de quem quer seja, não sabem NADA de tênis…

        Responder
      2. Paulo Almeida

        Mais um que pega o bonde andando e quer sentar na janelinha.

        Depois que você ler toda a discussão, aí quem sabe eu gaste meu tempo te respondendo.

        Haja paciência com analfabetismo funcional…

        Responder
    5. Rafael Azevedo

      Não acompanhei os outros citados, mas sobre o número de semanas seguidas na liderança, acho realmente impossível que o Nadal e o Djoko obtenham essa marca, pelo simples fato de que toda a carreira de ambos ser na mesma era, e na mesma era do Federer. Os 3 ficam se alternando na liderança. Em alguns momentos, um prevalece (principalmente, o Djokovic), mas eles sempre se alternam. Se o índice é relevante ou não, não sei, mas que de fato esses 2 tem uma dificuldade extra pra conseguir, isso também é verdade.

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Único comentário aproveitável de todos. É óbvio que na era mais difícil do tênis é impossível se manter tanto tempo no topo, com os outros babando no seu pescoço o tempo inteiro.

        Repito: semanas consecutivas é reflexo de entressafras.

        Responder
  44. Bruno

    Acho precipitado demais cogitar aposentadoria do Federer com base em um calendário “parcial”. O suíço trata seu calendário em pedaços há vários anos, inclusive com atenção redobrada depois da cirurgia no joelho. Quem o acompanha sabe que o seu ápice na temporada é a ‘grass season’, que culmina em Wimbledon. Próximo ao meado do ano ele começa a traçar o calendário da segunda metade, que poderá inclusive ser passível de desistências, a depender do desempenho no Grand Slam londrino (vide Montreal 2019).

    Responder
  45. Sandra

    Dalcim , essa história do Kyrgios não está mal contada ? Até o jogador que não vou conseguir escrever direito, australiano , também está achando esquisito a atp não ter dado uma suspensão no Kyrgios

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu acho o seguinte, Sandra: ou suspende na hora do fato, ou não suspende mais. A ATP tem de tomar atitude na hora, não deixar esfriar a coisa.

      Responder
      1. Sandra

        Ela deixou congelar isso sim, tenho minhas dúvidas se Kyrgios não vai aprontar novamente e para variar vai ficar o dito pelo não dito! Você não acha que a ATP está se desmoralizando ?

        Responder
  46. Evaldo Moreira

    Boa noite,
    Passei agora no outro post, para ver mais mensagens, e vi uma, chamou de alguns, como aqui é um espaço democrático e as vezes não é, rsrsrs, mas de novo a questão sexual de Á e B!?. Perceberam que não cite os nomes???. Então caros colegas, seria bom que evitasse de mencionar o nome de alguém e ainda mais, sendo famoso.
    Desculpa, mas é o meu ponto de vista e opinião, nem vou atrever de perguntar ao Mestre, pois acho que sei a resposta dele, rsrsrsrs.
    Então vamos focar em outros kkkkk, zoação que é mais divertido, né não senhor Almeida, almeidaoooo e companhia.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Vale ressaltar que gays são um grande tabu no tênis masculino, há raríssimos casos notórios, ao contrário do feminino que sempre foi menos puritano. O circuito de tênis é extremamente machista e acho difícil alguém se assumir espontaneamente. Imagino então alguém que tenha um pai russo do tipo dominador. Já houve dezenas de boatos sobre os mais variados tenistas. Até lembro de ter contado aqui que havia uma página num badalado Fórum norte-americano só para abordar isso. Federer, Nadal e principalmente Wawrinka, num suposto romance com Paire, apareciam citados lá. Era bem divertido.

      Responder
      1. Eu

        Não sei, mas é muito raro mesmo um tenista se declarar gay. Mesmo que seja, parece imprudente sair do armário diante do nível de intolerância que podemos observar. O tênis tem mais de mil jogadores profissionais. Alguém acredita que nesse universo não haja homossexuais?

        Imagine, então, entre os milhões de torcedores, principalmente entre esses que acham que “bicha” é xingamento, que tenis (e futebol) é coisa de “homem”, expulsam e ameaçam membros da torcida descobertos em relações gays, explodem bombas e fazem piadinhas imbecis na internet. Segundo a maioria dos estudos: tudo gay enrustido.

        Responder
        1. Gabi

          Pois é, o armário esportivo está cheio de pessoas fingindo ser o que não são porque têm receio de perder popularidade e, principalmente, patrocinadores.

          Responder
  47. Maria izabel

    Tomara que essa contusão do Djockovic, seja totalmente recuperável ,e ele não faça a besteira de participar para defender o número 1.
    Já Federer,é uma incógnita, pois quando quer ele é sofismático ao falar.Penso que essas exibições, vão sobrecarregá-lo;embora ache que infelizmente ,como você citou,ele deixará o tenis em Wimbledon.
    Nadal enxugou seu calendário e tem lá suas prioridades.Só desejo e espero ,que esse Big Three estejam inteiros e com saúde.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Gostaria muito, mas acho bem difícil, Leme. Além da parada muito longa, a idade dela agora me parece um empecilho, além do que ela já tinha certas limitações táticas, como o jogo de rede.

      Responder
      1. Rubens Leme

        Eu já escrevi no outro post que ele pode dar vexame como o Schumacher, quando voltou depois de 4 anos para a F-1 e não ganhou corrida, piorou suas médias e foi muito criticado.

        Vale pelo carisma, mas seis anos longe das quadras sem sequer tocar numa raquete seriamente, só se for para jogos de exibição ou duplas. Em simples, é surra atrás de surra.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Claro que antes de tudo precisamos ver com que qualidade física será sua volta. Eu particularmente torço para que seja espetacular, mas acho difícil o mesmo sucesso do primeiro retorno.

          Responder
  48. Luis

    Dalcim torcemos pra que Federer continue no tênis mas parece que começa pensar em parar no tênis,houve boatos acho foi Brack disse a conquista na Australia voltando ganhar Slam deu um animo pro suíço e veio o 20

    Responder
  49. sander

    Dalcim, vc acredita que o nº 01 valha tanto para o nole que se arriscaria a disputar alguns atp 500 para não correr o risco de perder a ponta para Nadal? Pergunto isso levando em conta que o ombro esteja bom. Se não estiver, sem chance…

    abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acredito sim, Sander, porque ele tem muito ponto a defender nesta reta final de temporada e talvez disputar um 500 ajude. Se for a Tóquio e vencer, por exemplo, ele só vai precisar ir às oitavas de Xangai para evitar que Nadal o supere.

      Responder
  50. Luiz Fernando

    Preconceito, em graus variáveis, sempre fez e sempre fará parte do cotidiano das pessoas; alguns são mais condescendentes com algumas situações outros c outras. Mas uma certeza existe: comentários desse teor nada acrescentam a um blog de discussões de tênis. Vamos parar de comentar fofocas a respeito disso ou daquilo, não vejo razão p isso…

    Responder
    1. Maurício Luís *

      Pois é. O que me irrita é ver colega internauta afirmando coisas da vida privada das quais não tem certeza, em tom de “autoridade” no assunto. Mas a mim não convence.

      Responder
      1. Angela B.

        Ohhhh my……..depois dizem que são as mulheres que gostam de ficar amassando a caipirinha.
        Meninos, na boa…tá na hora de mudar o disco. Chega de desse tricot do chá das cinco. Tentem focar nos assuntos do post e deixem pra trás aquilo que tanto os incomoda. Isso pode causar úlceras.
        Abs

        Responder
  51. rafael

    Muito estranho mesmo essa boataria, mas o caso do Nole realmente é o mais nebuloso. Ele deve estar fazendo tratamento 24h por dia para defender a pontuação do ano. Contudo, para quem já teve a experiência no passado com o cotovelo, acho que ele terá mais prudência ainda. Que ele volte com tudo!!

    Responder
  52. Rodrigo S. Cruz

    Já estão aposentando o Federer há anos.

    Mas acho que ele não só compete nas olimpíadas como também finaliza o segundo semestre de 2020.

    Responder
  53. Rodrigo S. Cruz

    [João ando]

    18 de setembro de 2019 às 10:41

    “ÂngelA b. Os boatos são fortes pois o pai de um tenista que joga duplas no profissional ,as vezes em um condomínio na barra no grupo que eu jogo diz que há fortes indicios…. assim como tinha um piloto de formula um que morreu em 1994 que nunca foi visto com uma mulher em monte Carlo …o Nelson Piquet falava isso como um mantra”.

    Pois é.

    Qualquer mau-caráter pode propalar boatos caluniosos como “mantra”, e manchar a reputação alheia.

    É a coisa mais simples que há.

    Difícil é o boato ter algum fundamento…

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      O que Xuxa e Galisteu fizeram em Monte Carlo ??? rsrsrs. E Piquet era o Rei de tentar desestabilizar seus oponentes os chamando de narigudos , gays , mulher feia ( caso de Mansell) e por aí a fora . Seus “ mantras “ eram pra lá de conhecidos… Com Prost e Senna nada colou . Confesso que na época eu até me divertia rsrsrs Abs!

      Responder
      1. Miguel BsB

        Antes de virar moda ofender e chamar de feia mulheres alheias, e, pior, esposas de chefes de estado estrangeiros, por parte de presidentes desqualificados e ministros da economia idem (aliás, esses 2 senhores não tem espelho em casa nao?) , Piquet já gostava de fazer isso publicamente ne? Não por acaso sempre estará abaixo de Senna no panteão da fórmula 1. Não se compara o caráter, e a falta de, do Senna o do Piquet…

        Responder
    2. Angela B.

      Rodrigo, sei que vc tem raivinha de mim e até hoje se morde todo por eu menosprezá-lo e considerar suas várias tentativas de chamar a atenção tão desesperadas qto risíveis. Anyway…mas já que vc insiste em falar besteiras e mais uma vez usando o meu nome, sinto-me obrigada a responder seu comentário:
      1o – não há nenhuma vergonha ou “mancha” na reputação de uma pessoa por ela ter um relacionamento homoafetivo. Especialmente qdo ela NÃO esconde a sua preferência. Got it..ou vou ter que desenhar??
      2o – mau caráter é aquele que tem PRECONCEITO e por falta de hombridade, usa de subterfúgios pueris p/ mascará-lo.
      3o – darling…tenta esquecer que eu existo. A raiva faz mal pra saúde. 😉
      Abs.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        O desprezo é mútuo..

        E a tua conclusão precipitada.

        A minha resposta foi para o João Ando, e não para você.

        Claro que em outro ambiente eu te xingaria por esses insultos.

        Pena que aqui o meu post não seria liberado.

        Mas vamos combinar assim:

        No dia que o Dalcim liberar qualquer grosseria contra você, eu prometo te citar nominalmente.

        Chatice do cacete, hein…

        Teve um dia que você me acusou de te chamar de ” urubu”. (acho que foi isso)

        Coisa que eu não fiz.

        NÃO FIZ e ponto final.

        Quando escrevi, não era com você nem direta nem indiretamente.

        Você tem uma mania de perseguição doentia.

        Não sou psicólogo, mas:

        que mentalidade tacanha, insegura essa de supor sempre o pior do teu próximo e imediatamente ofendê-lo de maneira preventiva…

        Isso daí não é inteligência, é escrotice.

        E para alguém que se considera tão madura, você até que é bem infantil.

        Já fez isso comigo , e já te vi fazendo com outros participantes.

        E não que seja da tua conta, mas o João fez uma referencia infeliz sobre o meu maior ídolo que é o Senna.

        sobre aquela insinuação baixa do Piquet, chamando o cara de gay.

        O Ayrton mais do que ninguém achou que foi baixa.

        E exatamente por isso o processou.

        Hipocrisia pura isso de:

        ” oh, mas não deveria processar, isso é visão troglodita, abra sua mente, gay também é gente (do Mamonas) blá, blá, blá..”

        Eu penso exatamente o seguinte :

        Ninguém que seja hétero aceita de bom grado ser chamado de homossexual.

        E com certeza não deveria mesmo.

        Por ser mentira, e por ser desonroso.

        Eu acho desonroso e pronto. Foda-se se alguém não gosta que eu pense isso.

        Mentir é que não vou.

        Responder
        1. João ando

          Rodrigo . Eu não fiz menção em vc mas já que citou meu nome …se o Senna e o seu maior ídolo fodasse…com todas as letras …temos muitas coisas em comum como gostamos do Roger como tenista e torcemos pelo mesmo time que eu sabia o Botafogo …mas cara vê se me esquece…espero dalcim que vc publique.

          Responder
        2. Carlos Reis

          Penso de maneira parecida, tanto que adolescência quando queríamos xingar alguém hétero, chamávamos de V….!
          Nunca xinguei um gay de V…., mesmo porque não existiam tantos quanto hoje, essa palavra deveria ser ofensiva apenas para héteros. Meu maior medo atual é o meu filho de 6 anos ser um espécime desse tipo no futuro, desculpa aí pessoal da lacração, mas essa é a verdade, se doer, dane-se!

          Responder
        3. Angela B.

          Well, Rodrigo….comecei a ler seu comentário…
          … e qdo percebi que era muito longo..desisti no meio do caminho. Desculpe!
          Cara, na boa…vc é muito cansativo…e ando muito busy ultimamente.
          Mas por favor…não fique chateado (mais uma vez) pela minha falta de interesse no que vc pensa.
          Essas coisas acontecem….do you know what I mean??
          De qualquer forma, aprecio seu esforço de tentar se fazer compreender.
          Tenho cetreza que outros leitores terão a paciência (que eu nao tive) de lê-lo até o final.
          All the best. Abs.

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Hahahaha

            Lá vem a tática manjada da sonsice. Ô menina sonsa… (rs)

            Leste TUDINHO sim que eu sei. (word by word)

            Bye, bye.

          2. João ando

            Paulo. Acho que uma boa surra da um jeito pois os trejeitos começam com 13^14 anos e só os pais verem e aceitarem que a criança esta agindo de modo estranho …e lógico que os politicamente corretos nao vão concordar. ….

  54. Luiz Fernando

    Nadal jogou uma partida no M1000 de Paris 2017 claramente sem condições para garantir o número 1e isso lhe custou caro no início de 2018. Djoko deveria ter isso em mente e não apressar seu retorno às quadras…

    Responder
    1. Luis

      Concordo, ombro é um negocio super complicado para recuperar.

      No US Open perguntaram para o Nadal se o objetivo dele agora era ser o numero 1 do mundo e ele disse que na vida a gente tem que fazer escolhas. Disse que se ele escolhesse ir atras do #1 ele iria encurtar a sua vida de atleta e isso não seria uma boa ideia. Ele falou preferia tentar jogar em alto nível pelo maior tempo possível e isso poderia ou não fazer ele chegar ao numero 1, mas que isso não poderia mais ser seu objetivo.

      Achei a resposta dele muito consciente, especialmente para quem passou a vida se lesionando pelo excesso de partidas.
      Espero que o Nole pense da mesma maneira, já que ao contrário do espanhol, ele sempre soube fazer um calendário enxuto para se poupar.

      Quanto ao Federer, esse calendário esta com cara de que o gato subiu no telhado..

      Responder
  55. Fernando Godinho

    Eu já tinha achado essa Laver Cup na Suíça com cara de despedida pro Federer. Agora essas exibições de final de ano e esse calendário parcial. Acho que em Wimbledon do ano que vem ele aposenta mesmo.

    Responder
  56. Luiz Fernando

    Kyrgios deve se considerar um incompreendido, uma vítima dos costumes conservadores e de pessoas q são contrárias, pex, em se cuspir em direção ao próximo…

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *