Gigante Nadal gruda no recorde e no 1
Por José Nilton Dalcim
9 de setembro de 2019 às 00:30

Esporte feito de elementos tão diversos, um jogo de  tênis nem sempre precisa apenas de altíssimo nível técnico para ser marcante ou histórico. A entrega absoluta é um ingrediente imprescindível. E não se resume ao esforço físico. Exige também exímio controle emocional para administrar o erro indesejado, direcionar a bola precisa na hora mais apertada, surpreender o adversário, buscar energia onde for possível.

O duelo entre Rafael Nadal e Daniil Medvedev foi de uma dramaticidade cativante, de se colar na cadeira e perder a respiração. Talvez não tenham feito o seu melhor no quesito técnico, mas a incessante busca por alternativas táticas, algumas inusitadas, e a dedicação ferranha de correr atrás das bolas mais improváveis fizeram desta final do US Open um épico.

Rafa teve tudo para erguer o troféu lá no terceiro set. Começou um tanto lento, foi ganhando confiança pouco a pouco e já tinha o domínio do adversário, mais solto com o forehand e muito esperto junto à rede, quando dois lances infelizes e afoitos permitiram a Medvedev recuperar a quebra. Do 3/3 em diante o jogo mudou completamente. O russo passou a fazer seu feijão-com-arroz, espancando a bola, e conseguiu o que parecia impossível: esticar a decisão ao quinto set.

Diante de 23 mil pessoas alucinadas, nessa altura já totalmente determinadas a empurrar Nadal, os dois entraram na quarta hora da intensa batalha ainda mostrando um vigor físico invejável e usando todos os recursos. Rafa incomodava com slices e fazia defesas estonteantes, Medvedev deixava todos perplexos com o improviso junto à rede.

Sempre mais sólido, o espanhol outra vez construiu a vantagem. Teria mais. Não conseguiu fechar no 5/2, viu Medvedev fazer mágica para evitar dois match-points no game seguinte e ficou atrás o tempo todo no serviço derradeiro, evitando o break-point da igualdade. Por fim, confirmou o favoritismo, desabou em quadra e o Arthur Ashe veio abaixo.

Mais uma reviravolta incrível na carreira desse fenômeno espanhol, que fecha a temporada dos Slam com dois títulos, um vice e uma semi. Ninguém se esqueça de que, lá no começo da fase do saibro europeu, ele sofria derrotas inesperadas e apresentava um tênis pouco competitivo. E repetia incansavelmente que ainda iria achar seu melhor ritmo. Desde a semi de Madri, ganhou quatro dos cinco torneios que disputou. E quando muitos duvidavam de que teria sucesso na quadra dura, ganhou Montréal e Nova York sobrando no físico.

Aos 33 anos, Nadal chega ao 19º troféu de Grand Slam, seu sétimo fora do saibro, o quinto no temido piso sintético e o quarto em Nova York. Nunca esteve tão perto do recordista Roger Federer e sua motivação estará certamente dobrada para igualar e ultrapassar o amigo em 2020. E não é só. Entra de vez na briga para retomar a liderança do ranking, o que pode acontecer em Xangai, ou seja, bem antes do que se imaginava.

Medvedev também merece adjetivos maiúsculos pela forma com que encarou tudo o que envolvia esta sua primeira final de Slam. O homem que já venceu Djoko duas vezes nos últimos meses maravilhou pela resistência física e mental um tanto sobre-humanas e, ao lidar tão bem com as pressões deste US Open, firma-se como o nome mais forte da nova geração. O Big 3 precisa ficar de olho nele.


Comentários
  1. Jonatas Bruno

    Kim Clijsters pretende voltar ano que vem! 2020 já prometendo ser histórico – Última temporada de uma lenda (espero que não) e o retomo de outra (nem tanto). Ao menos uma das mais carismáticas e talentosas tenistas que vi jogar. A mamãe belga sempre me transpareceu focada e visionária e deve ter discernido que há vez para ela no circuito balanceado de hoje. Em que pese a idade e o longo hiato, vale se testar. Quem sabe dependendo de seu rendimento não inspire a Justine Henin. Á aguardar!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, essa realmente foi inesperada, principalmente pelo longo tempo de afastamento e por sua idade, agora 36 anos. Com tantas meninas jogando bem, será interessante verificar o que Kim trará de novo neste segundo retorno. Mas é uma ótima notícia.

      Responder
  2. Sérgio Ribeiro

    Sem querer desmerecer a WTA , mas Serena ainda chegando a 4 FINAIS de SLAM depois dos 37 e já aos 38 , deu margem a mamãe Campeã de SLAM , a grande Kim Clijsters , anunciar sua volta ao Circuito depois de 6 anos e já aos 36. O que comprova que temos muito mais recursos na recuperação de um atleta . Isto posto, Rafa e Novak devem atingir no mínimo os 36 em atividade. No mesmo altíssimo nível veremos com o tempo. O falastrão Wilander que não anda feliz nas previsões ( parece a turma do tal Goat ) , disse domingo depois de Nadal atingir os 19 , a seguinte pérola

    “ agora que o Suíço não para antes dos 41” . A conferir rsrsrs Abs!

    Responder
    1. JAN DIAS

      O WILANDER tem uma inveja do FEDERER que dói, ele não consegue nem disfarçar…

      Agora, nosso craque suíço jogou fora o W19 que estava nas mãos, vai fazer falta…

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Pois é , caro Jan. Mats Wilander é o oposto de Borg. Este foi um dos primeiros a dizer que Nadal é o maior Saibrista que já existiu. Federer afirma que a FINAL de 2008 doeu tanto ou mais. Ele sabia que era a chance real de bater o recorde de 5 consecutivas de Borg em Wimbledon. Nem Sampras conseguiu. Vence dois tie-breaks consecutivos e perde por 9 x 7 no Quinto. Afirmou que o nervosismo tomou conta. Vida que segue rs Abs!

        Responder
  3. Rodrigo S. Cruz

    A Kim Clijsters anunciou o retorno as quadras em 2020.

    Tomara que ela volte em simples mesmo, e não em duplas que não tem graça nenhuma.

    Foi uma tremenda campeã, e acho que fará um bom papel…

    Responder
  4. Luiz Fernando

    Grande Andre Agassi, outro fenômeno do tênis, que teria mais conquistas não fosse a depressão causada pelo divórcio. Assisti a partida citada no site, mas o grande jogo dele foi a semi do AO2000 contra Sampras, vencida no quinto set, o tiebreak do quarto foi daqueles de infartar qualquer um. Pra vermos como o Big 3 é longevo, Sampras, salvo engano, parou aos 33 mas já estava longe de seu melhor momento, enquanto Agassi foi mais longe, mas ao encerrar a carreira aos 36 estava se arrastando na quadra na partida contra o Benjamin Becker no Arthur Ashe. Pra se ter uma noção da diferença, hj Federer aos 38 corre na quadra como se tivesse 25…

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Há um equívoco aí , caro Luiz. Pistol Pete Sampras parou aos 31. Seu último jogo foi contra Agassi no USOPEN 2002 em que se sagrou Pentacampeão. André Agassi ( ambos têm a mesma idade ) , viu a brecha e sem Pete venceu mais um AOPEN , e se tornou o mais velho N 1 do Mundo aos 33 . Aos 35 ainda fez mais uma FINAL de USOPEN, sendo batido por Federer. A aposentadoria veio então aos 36 , no USOPEN 2006 , aí sim em completa final de carreira. Abs! Ps. Nas Quartas do USOPEN 2001 contra Pete, foi derrotado em QUATRO eletrizantes Tie-breaks . Não houve quebras de serviços em Toda a partida. Abs!

      Responder
  5. R.P.

    Rodrigo S. Cruz
    11 de setembro de 2019 às 23:25

    “A tua costumeira ansiedade em diminuir o Federer atrapalhou a conta…

    Foram 5 mesmo:

    Australian open: 2010, 2017 e 2018.

    Wimbledon: 2012 e 2017.”

    Prezado Rodrigo,
    Minha costumeira ansiedade não me atrapalhou na correta interpretação de tão poucas linhas; já a tua te faz esquecer uma trivialidade primária: 2010 não faz parte desta década. (Se precisar, releia o post do Paulo Almeida e veja que ele escreveu “na década”, que não é sinônimo de “nos últimos 10 anos”).
    Fazendo justiça, ele também se equivoca com o número de majors do Nadal, pois são 10 na década.

    Responder
    1. Paulo Almeida

      R.P., você está errado, meu caro.

      Até entendo que você ache mais lógico as décadas acompanharem os séculos, mas, POR CONVENÇÃO, elas não acompanham. A década de 2010 acaba no dia 31 de dezembro.

      Responder
  6. Luis

    Dalcim legal o que disse Lendel e comprova que não só Federer sentiu pós Wimbledon como Djokovic,o que achou? Nadal conseguiu vencer US Open e vai ser número 1 da 25 março gurukkkkk

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que Lendl está cheio de razão, Luís. E não dá para duvidar do que disse, pois esteve lá muito tempo e treinou grandes nomes da safra atual.

      Responder
  7. Rodrigo S. Cruz

    [Miguel BsB]
    11 de setembro de 2019 às 11:43

    “Roger Federer não inventou SABR nenhum…
    Essa jogada existe desde os primórdios do tênis e chama-se Chip and Charge”.

    Miguel,

    Acho que dá pra dizer que o Edberg e ele inventaram essa jogada sim.

    Por isso ficou chamado de: “Sneaky attack by Roger”.

    Essa variação é um pouquinho diferente do chip and charge.

    Pois pode se usar ou não o “slice”, e o Federer avança e bloqueia o segundo saque muitas vezes de bate-pronto.

    Sem falar que esse avanço é bem mais contundente do que o vetusto chip and charge.

    PS> Aliás, eu não sei porque o Federer nunca mais usou essa variação. Além de ser super-legal era bem surpreendente….

    Responder
  8. Rodrigo S. Cruz

    [Paulo Almeida]
    10 de setembro de 2019 às 22:28

    “Sua opinião não é nem um pouco suspeita, né? Rs.

    O número de dissidentes dessa tal “maioria” é cada vez maior, pois está muito difícil defender o cara que tem 10 vitórias e 20 derrotas para os maiores rivais em Grand Slam e que ganhou “apenas” 5 Slams na década, enquanto seus rivais venceram 28 (Djoko 15 e Nadal 13)”.

    Então deixa eu esclarecer uma coisa que você parece não ter entendido:

    A minha torcida pelo Federer não é incondicional.

    Tem uns 4 ou 5 tenistas para quem eu torço com a mesma intensidade.

    E se houvesse uma final de Grand Slam entre Federer x Wawrinka, eu torceria pelo segundo.

    Motivo: o Stan é freguezaço do compatriota, e o Federer já possui 20 Slams, contra apenas 3 do amigo.

    Se houvesse uma final de Slam entre Federer x Kyrgios, eu torceria pelo Kyrgios pelo mesmo motivo. Um tem 20, o outro tem zero.

    Agora, entre o Federer e qualquer outro representante do BIG 4 , eu torço por ele que é o único não-adepto do maratênis.

    Portanto existe sim uma CONSIDERÁVEL diferença entre a minha dita suspeição e a tua.

    E não apenas porque pra você só exista o Djokovic e mais nada.

    Mas, PRINCIPALMENTE, por esse teu mau comportamento de procurar diminuir o Federer em “onze” de cada dez posts que você escreve.

    Abs.

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Isso é o que você diz, mas na hora H não tenho dúvidas de que torceria para o Fregueser.

      De qualquer forma, o post estava indo bem até o “maratênis” e que pra mim só existe o Djokovic. Lembrando que sem o “maratênis” ou jogo de fundo (melhor dizendo), o terceiro melhor da história teria menos vitórias ainda sobre seus carrascos. Já pensou no Jagua subindo toda hora à rede e tomando infinitos lobs e passadas? Rsrsrsrs.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Cara, eu não sei se eu choro ou se rio com tamanha ignorância.

        Quem te disse que a expressão “maratênis” se refere grosseiramente ao jogo de fundo, Zé? Pffff.

        Claro que o jogo de fundo é massa!

        O tênis nao seria tênis sem ele. E muito menos eu vou querer o Federer só deva sacar e subir.

        Maratênis é aquela troca incessante, interminável de bolas daqueles tenistas que se defendem muito mais do que atacam.

        E que só conseguem isso por terem um físico quase de um cavalo!

        E até dispensam a variação.

        O que apesar de ser um atributo eficiente, ENFEIA o tênis.

        Sabe nada…

        Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      E que tal essa do Bad Boy ao B . Amarela , Rodrigo: “ É óbvio que Federer e ‘ o melhor de todos . Existem 9 Torneios onde Djokovic é superior , 4 onde Nadal e’ melhor. E apenas um Torneio na Grama importante ( Wimbledon) onde todos sabemos quem reina. Logo, Roger com 20 SLAM está muito à frente dos demais “ . Esse é Nick Kyrgios rsrsrs Abs!

      Responder
  9. Paulo Henrique

    Dalcim, é notório que a devolução de Nadal melhorou significativamente nestes dois últimos anos em comparação ao seu início de carreira ou até mesmo antes dos seus 30 anos. Porém na minha opinião é a parte mais vulnerável de seu jogo, a maioria das devoluções são curtas, no T ou próximo desta faixa da quadra; chega a ser irritante quando ele devolve saque a 4 ou 5 metros da linha de base, um jogador do nível dele tem de ter uma devolução mais agressiva próxima a linha de base, entrando na quadra. Eu acho que a devolução tão longe é desgastante para seu estilo de jogo e sua idade. Dalcim, por que o espanhol devolve tão longe, é por ocasionar muitas madeiradas e pegar mal na bola devolvendo próximo da linha de base ou entrando na quadra? Você acha que esse posicionamento dele de devolução geralmente(quase sempre, muito atrás) não poderá ser mais agressivo ou dentro da quadra?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Uma resposta complexa, Paulo. Em primeiro vem a questão técnica-tática: Nadal se sente mais à vontade tendo maior tempo para tentar uma devolução mais profunda, e por isso opta por ficar lá atrás. Raramente sua postura tática é matar o ponto, mas sim entrar no ponto. Com uma devolução profunda, mesmo que bem alta, ele consegue isso. Aí entra o aspecto físico: ele tem força o bastante para bater a bola com o spin necessário para tornar a devolução o mais longa possível, algo que certamente é muito difícil para a maciça maioria dos jogadores. Isto posto, ele fica sempre mais à vontade de jogar dessa forma, ainda que abra algumas alternativas para os adversários, como sacar com ângulo ou subir à rede. Nadal já tentou devolver bem perto da linha e até se saiu bem, mas para isso precisa estar com a confiança muito alta.

      Responder
  10. Maurício Luís *

    Num primeiro instante, ao saber que a lesão do Djoko pode ser mais séria do que se pensa, pensei comigo: “Puxa… coitado!”. Mas pensando bem, ao lembrar dos milhões de dólares acumulados na vitoriosa carreira dele, coitado de MIM, isso sim. O que ele ganha em 1 único torneio eu não ganhei minha vida inteira. Mas é merecido… o que não me impede de invejá-lo.
    Concordo com o Lendl sobre o esgotamento que a final de Wimbledon causou ao Federer e ao sérvio. Aquilo foi uma coisa pra lá de Bagdá, tanto no aspecto físico quanto no mental.
    Agora, o espanhol de cabelos revoltados (estão se revoltando e indo embora) vai deitar e rolar na gira asiática. Tem nada não… Ninguém é imbatível, e uma hora ele se estrumbica.
    Quem sabe a Xisca Perelló não dá uma ‘canseira’ nele na Lua-de-Mel.

    Responder
    1. Mário Fagundes

      Maurício, também concordo com a opinião de Lendl. Aliás, quem sou eu pra duvidar do que diz um grande campeão como ele? Porém, você não considera que a final do US Open foi muito desgastante físico e mental para Rafael Nadal? Aliás, não lembro de ter visto o “touro” acusar cansaço durante uma partida de 5 sets como naquele domingo. Li noutra matéria que, após o jogo, ele mal conseguia ficar de pé. Se o ônus da final de Wimbledon coube a Federer e Djokovic, então o mesmo também caberá à Nadal, que já tem mais de 33 anos. Vamos aguardar os acontecimentos.

      Responder
  11. Alexandre Maciel

    Dalcim, ponho-me na pele dos integrantes da NextGen e chego a sentir pena dos meninos. Quando dois dos maiores especialistas das quadras rápidas na atualidade (Djoko e Federer) não chegam nas fases mais agudas de um Slam (Semi ou final), vem um tal de Nadal e belisca mais um título. Ainda por cima ganha de um jovem cheio de vigor físico e que vinha fazendo uma das melhores campanhas no verão norte-americano. Complicado… rsrs

    Responder
  12. Rubens Leme

    Dalcim, não sei o quanto vê filmes e se já viu esse relacionado ao tênis, mas existe uma película muito interessante sobre Sherlock Holmes, chamado Visões de Sherlock Holmes (no original, The Seven-Per-Cent Solution, de 1976), em que o Doutor Watson bola uma estratégia junto com Mycroft Holmes, para levar Sherlock até Viena, a fim de se curar de seu vício de cocaína com um médico ainda não muto respeitado, mas já famoso por suas teorias: Sigmund Freud.

    Holmes passa momentos terríveis de abstinência e, em um dos intervalos, Watson acompanha Freud até um ginásio, onde o médico é desafiado e humilhado por ser judeu e concorda em duelar com tal sujeito em uma partida de tênis. Freud começa apanhando até descobrir que o ponto fraco do rival é seu backhand e vence a partida. Uma cena muito interessante, pois a bola “faz tabela” nas paredes e as raquetes possuem cabeças pequenas.

    O filme é um achado para quem gosta de Sherlock Holmes por inventar uma história totalmente fora dos padrões e relaciona o vício de cocaína a uma experiência que teve ainda criança em que o culpado era o temido Professor Moriarty.

    Eis a cena.

    https://vimeo.com/59610847

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não connhecia, Leme. Obrigado por compartilhar! By thw way, eles tão jogando tênis real, o precursor do tênis. Observe também que o saque é dado para as paredes laterais.

      Responder
      1. Rubens Leme

        O curioso é que a contagem era mesma, mas o set era de cinco games e se você desse um ‘winner” e acertasse a parede de madeira atrás dos jogadores era ponto. Não havia risca no fundo.

        Agora ver Freud jogar tênis num filme sobre Sherlock Holmes é uma viagem, por si só.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Exatamente. As regras do tênis real são um pouco diferentes – o esporte ainda é praticado – principalmente com o uso das paredes, como no paddle. Seria que Freud sofria com ansiedade jogando tênis? rsrs

          Responder
          1. Rubens Leme

            Realmente é um tanto claustrofóbico, me lembra um pouco o squash, essa coisa de ficar encaixotado. Bem, Freud era ansioso sim, entre outras coisas (o homem era um de A a Z em fobias), perto dele o Woody Allen seria um zen budista… rs

            O tênis sempre teve uma ligação social muito forte, especialmente na elite. Me apaixonei pelo esporte vendo o Borg jogar, mas também porque meu tio, que era advogado, disse que teve que aprender por razões profissionais, já que muitos clientes gostavam de fazer negócio em clubes após uma partida. Assim, minha tia e uma prima minha – que era com quem eu jogava – aprenderam também,

            O próprio Woody Allen introduzir Diane Keaton em “Annie Hall”, em uma partida de duplas. E um filme muito interessante sobre Freud – eu tenho uma edição dupla, onde um dos DVDs são psiquiatras analisando a obra é Freud, Além da Alma, do John Huston – https://www.imdb.com/title/tt0055998/?ref_=nm_flmg_act_45 – com Montgomery Clift no papel do psiquiatra.

            E, de nada Ligia. É que prefiro falar de outras coisas que não seja essa ladainha quem é o GOAT etc e tal, até porque o melhor de todos sempre foi e sempre será Bjorn Borg, O resto é variação sobre o mesmo tema.

    2. LígiaB

      Que indicação interessante, Rubens! Obrigada por compartilhar!
      Mérito seu também, Dalcim, por nos oferecer este excelente espaço de conversa e ótimas informações e análises. Seu blog é demais!

      Responder
  13. Luis

    Dalcim completando e o que Rodrigo comentou do recorde Slam seria um jeito de dizer quem e’ maior como você diz o conjunto da obra e’ o mais justo e Federer dificilmente deixará de ser importância pro tênis,jogo bonito,carisma e os títulos, ainda e’ também recordista de títulos com mais de 100 tentando chegar no Connors Gurukk

    Responder
  14. Luis

    Dalcim acha que Federer ache importante o recorde de Slam ou nao? Suíço e Nadal disseram não se importar muito com recordes,tomara que suíço ganhe pelo menos mais 1 Slam que ficou muito perto em WimbleDon gurukkk

    Responder
  15. Paulo Almeida

    “Rodrigo S. Cruz
    10 de setembro de 2019 às 15:56

    Na tua opinião.

    (que aliás é bem duvidosa, dado o seu repúdio ao suíço).

    Mas na opinião da maioria, o melhor de todos é o Federer, seguido do Nadal e do Djoko.”

    Sua opinião não é nem um pouco suspeita, né? Rs.

    O número de dissidentes dessa tal “maioria” é cada vez maior, pois está muito difícil defender o cara que tem 10 vitórias e 20 derrotas para os maiores rivais em Grand Slam e que ganhou “apenas” 5 Slams na década, enquanto seus rivais venceram 28 (Djoko 15 e Nadal 13).

    Responder
      1. Paulo Almeida

        Prezada Lígia,

        Mats Wilander, Andre Agassi, Pete Sampras, Dácio Campos, Fernando Nardini e toda a bancada da ESPN, Narck Rodrigues e até mesmo os ilustríssimos membros do blog Carlos Reis, O Lógico e Fernando Prack. A casa do suíço desmorona um pouco a cada dia.

        Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Eu sei caríssimo, “ Almeida “ , que o Sr tem uma certa dificuldade em entender comentários. Mesmo assim ( pela última vez ) , vou tentar ajudá-lo. Tem um jogador que se profissionalizou em 1998 , e venceu seu primeiro SLAM em 2003. E um outro que se profissionalizou em 2003 , e venceu seu primeiro SLAM em 2008. Este segundo ( deu pra entender ? ) , ficou TRÊS anos sem vencer mais NENHUM. Saberia dizer quem é esse último “ parrudinho “ ? Dissidente é o mane’ que diz que torce pelo Goat ( este possui 16 SLAM ) , desde 2011 ( o pangaré é muito novinho, tadinho rs ) , e não conhece o outro que possui 20 SLAM. Um e’ SEIS anos mais velho. Saberia dizer o nome dos dois Tenistas ? Ou está difícil entender o português ? rsrsrs Abs!

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        A tua costumeira ansiedade em diminuir o Federer atrapalhou a conta…

        Foram 5 mesmo:

        Australian open: 2010, 2017 e 2018.

        Wimbledon: 2012 e 2017.

        Responder
      2. Paulo Almeida

        R.P., a contagem de décadas é diferente da contagem de séculos. A década de 2010 vai de 1 de janeiro de 2010 a 31 de dezembro de 2019.

        Portanto, o GOAT Djokovic já é o campeão da mesma com alguma folga, levando-se em conta todos os Big Titles.

        Responder
  16. RicardoCWB

    Excelente entrevista com Lendl. Ajuda um pouco a entender o que pode ter acontecido com Nole e Federer na gira norte-americana:

    “I believe that mentally and physically Novak and Roger paid here for the Wimbledon finals.
    The Wimbledon final was an amazing match in terms of historical significance.
    Roger goes to 21, Novak stays at 15, six is a much bigger number than four.
    Physically it was a long match and both players had some injuries over here whether it was later or maybe not fully recovered.
    I crossed it 100 times in my coaching career when Andy Murray played Stan Wawrinka in 2017 French Open semis and both players flared up afterward. That’s when Andy’s hip flared up and he hasn’t really been the same since and now with the surgery he is starting to play.
    And Stan was out for almost a year with a knee [injury] and that happened in that match.
    So what happens in those matches is that players push so hard physically and mentally they have nothing left and they are a little more vulnerable to injuries.”

    Quanto à lesão do Djoko (que tem toda cara de ser séria), espero, sinceramente, que ele saiba dar um passo atrás e deixe um pouco de lado essa ânsia em bater todos os recordes. Se for necessário perder o número 1 do ranking agora, que seja. Tem a próxima temporada toda para recupera-lo.
    O remédio vai ser amargo? Sim, mas que ele tome logo tudo de uma vez ao invés de ficar adiando o inadiável.
    Torço para que não repita o erro que cometeu em 2016.
    abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Vi sim, mas essa nota é muito especulativa e fala de ombro direito (???). Na verdade, a especulação original é do New York Times, mas não há nada também muito concreto.

      Responder
  17. Gildokson

    Se o Djoko tiver que operar e descansar mesmo só vai ter uma coisa de bom nisso. Vamos nos ver livres durante um bom tempo daquela contagem chata que alguém faz aqui.
    Faltam não sei quantas semanas para fulano se tornar o recordista de semanas no topo do ranking…

    Responder
  18. Nando

    Parabéns (atrasado) aos nadalistas do blog pelo título de domingo…achei q o espanhol fosse entregar a paçoca hein, Medvedev mostrou q deve ser (achômetro) o 1° nextgen a faturar Slam num futuro próximo. Fazer 4 finais seguidas (Washington, Montreal, Cincinnati e USO) são pra poucos…
    O siri calvo tem td pra terminar o ano como N1, acho q só uma catástrofe beeeeem improvável poderia impedir isso.
    E fico por AKI, pois o blog (comentários) está dominado pelos fakes imbecis (tds sabem quem são “eles” e “ela”) e seus “ricos comentários q agregam mto a este espaço”.

    Responder
  19. Luiz Fernando

    Nadal e Kyrgios não se topam, onde está o inconveniente do Tio Toni dizer q não convidaria o australiano p ir a academia do sobrinho? Nada mais natural, quem convidaria alguém q não topa p visitar sua casa? Pelas mesmas razões, Kyrgios também não convidaria Rafa p ir jantar na casa dele, tudo dentro da normalidade…

    Responder
  20. Paulo Almeida

    Parece que a lesão do GOAT é séria mesmo e talvez seja até melhor encerrar a temporada. A única coisa boa é que será um cala boca naqueles que acharam que foi simulação pra não perder de 3×0 pro Wawrinka.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Eu sou livre pra postar o que , mané ? Quem é você ? Quando postei que o BIG MAC não estava brincando , já tem uma Semana. Infelizmente ! Abs!

      Responder
  21. Luis

    Acho que o próximo ano vai ser difícil para o Djoko já que agora ele tem 4 jogadores que podem ganhar dele, coisa que não lembro de ter acontecido, pois tanto o Federer quanto o Nadal ganhavam relativamente pouco dele, se me lembro bem tiveram anos que o espanhol ganhava uma a cada quatro vezes que jogavam.
    Minha impressão é que quem dava mais trabalho pra ele era o wawrinka quase sempre que chegava longe nos campeonatos, o Nadal no saibro e o Murray quando chegou no auge.
    Pois bem, esse ano tivemos o medvedev ganhando 2x doservio, o Nadal jogando em cima da linha contra ele(mas ainda com um certo bug de confiança tipico de quando se enfrentam) o wawrinka voltando a jogar muito e o Federer que perdeu somente no tie break de wimbledom, ou seja, com mais volume de jogo.

    Responder
    1. Hendrix

      Luis, não sei se você de fato acompanha tenis, mas apenas dois dados importantes:
      1) Últimos 5 jogos – 3×2 Nadal
      2) Overall H2H – Nadal 26×28 Djokovic
      Espero ter ajudado!
      Abraços

      Responder
      1. Carlos Reis

        Empate técnico no H2H, até ontem o DjokoVICE de Roma estava atrás. Com o amarelão é a mesma coisa, perdia o h2h até ontem…

        Nadal tem 1 ano a mais de idade e 3 GS a mais na prateleira, ou seja, se em 2020 o DjokoVICE de Roma não vencer 3 dos 4 ele tem desempenho inferior ao Nadal até os 33 anos…

        NADAL GOAT!

        DjokoVICE de Roma = GOTI da 25 de março

        NUNCA SERÁ!!!

        Responder
  22. Paulo Almeida

    “Sérgio Ribeiro
    10 de setembro de 2019 às 01:33
    Quando apela por Português ( e’ muito ruim mesmo rs ) e’ sinal que a coisa tá feia , caro Robson , digo Paulo ( ou Valmir ) . Vamos combinar , como é um blog de Tênis , faça você um Cursinho grátis lendo os Posts do Dalcim. Dificilmente encontrará babaquices como : Frauderer , fregueser , Goat Paraguaio, etc … Entendeu ou quer que desenhe rsrsrs Abs!”

    Não é só o português; a capacidade argumentativa também é horrível. No entanto, é um espaço democrático (como o Gildokson já disse) e você é livre para continuar postando.

    Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        E’ caríssimo Paulo F. Você é muito humilde babando o ovo desta figura. E’ por isso que TODOS sem exceção, admiram seus abalizados comentários. E é lógico , com ou sem Danoninhos rsrsrs Abs!

        Responder
  23. Brayner

    Dalcim, você acha um equivoco se garantir um GS pra um jogador que terá 34 anos??
    Acho que Nadal possa ter mais alguns anos no top, porém garantir GS parece algo um pouco equivocado, uma vez que eu até acho que esse ano Thiem teria ganho dele se tivesse descansado.
    Medvedev parece ter cravado seu nome como possível ganhador de GS, e acho que Federer perde cada vez mais esse posto, logo, com um cara 10 anos mais novo fica difícil se garantir um GS.

    Responder
  24. Arthur

    Dalcim,

    Tô fazendo um levantamento e depois posto aqui, sobre os vencedores de Slams de 1970 até os anos 2000, antes da chegada do Big3.
    Eu tenho pra mim que a rotatividade de títulos era bem maior no passado, o que pode levar a uma distorção quanto ao verdadeiro “peso” do Big3 na história.
    É apenas uma hipótese que estou levantando, mas acho que valerá uma boa discussão aqui no Blog.

    Um abraço.

    Responder
  25. Ronildo

    Repetindo: quero ver alguém quebrar o recorde de Federer em números de semanas ou de slans!!!

    O problema físico de Djokovic não ensina nada a ninguém?

    Tênis é um esporte que chega a ser excruciante!

    Não tem como um jogador se poupar para vencer um torneio!

    Futebol, ao contrário, só para comparar, dá pra ficar na moita em algumas partidas. Dá até para pedir para não ser escalado.

    Roger Federer perdeu inúmeras partidas na carreira porquê nunca quis “se matar” em quadra. Alguém já viu ele se jogar em algum lance?
    Em 2020 considero Roger Federer mais favorito em Wimbledom do que Rafael Nadal em RG.

    Responder
    1. Ronildo

      Em 2020 Thiem vai se concentrar mais ainda no que é melhor. À partir de agora Tsitsipas vai estar mordido com o sucesso de Medvedev. Shapovalov está calibrando seus recursos. Aliassime vai estar mais seguro. Zverev já mostrou sua capacidade. Vai chegar a hora em que Kirgios vai superar a adolescência, pode ser em 2020 também.

      Quando Djokovic voltar já estará com 33, acredito. Nadal fará 34 em 2020. E Federer ainda tem “gás” economizado para queimar.

      Responder
      1. Ronildo

        Sim, é só esperar pra ver. Falei isso levando em consideração as últimas notícias sobre Djokovic. Você acredita que Djokovic vai voltar de lesão dominando tudo com a idade que tem e com a correria necessária para dominar uma partida como é sua característica? Por outro lado, se Nadal chegar na final em RG contra Thiem, desta vez perde. Só que antes da final haverá outros bons tenistas mais jovens para confrontar o jogador de 34 anos e que também sempre foi dependente de uma bela correria para se impor.

        Responder
      2. Ronildo

        O final da carreira de Nadal, Djokovic e Federer sepultará para sempre a discussão sobre o Maior de Todos os Tempos envolvendo os três.

        Dica 1: porque será que que Berdych não consegue voltar à antiga forma tenística?

        Dica 2: como pode Federer ter voltado tão bem ao saibro depois de 2 anos sem jogar estes torneios embora tivesse 37 anos?

        Responder
  26. Luis

    Dalcim 3 Questions guru kkk,tem blog nessa parada no tênis, a Andreescu e’ mais nova campea de slam? (Incluindo homens) Oi que acha do Berretini ?acho e’ positivo,bom golpe pra quadra duraquem sabe tenha chance no Finals,e se voce tem Dalcim link do post sobre big3? (Tem foto do Federer,Nadal e Djokovic juntos)

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, nem de longe. Hingis e Seles venceram com 16. Berrettini precisa trabalhar o backhand, mas tem grande potencial. A outra pergunta entendi. Abs

      Responder
  27. Rodrigo S. Cruz

    [Gildokson]
    9 de setembro de 2019 às 22:44

    “Tu vive atirando no próprio pé. Se fosse seguir os critérios idiotas que vc usou em outros posts esse Slam é igual a qlq um q Federer ganhou na tal era q vc tanto crítica”.

    É que esse cara acha que só tem trouxa aqui no blog…

    Qualquer Grand Slam para ele será sempre medalha de ouro para o dueto Nadal/ Djoko.

    E medalha de LATÃO para Roger Federer!

    (rs)

    O Nadal pegou foi uma das chaves mais simples do ano. Fato.

    Duvido que se o Federer tivesse vencido essa bagaça, com esse russo “VIRGEM” na final, esse cara não ia entrar aqui diminuindo o feito.

    ” Virgem”, vindo de uma maratona interminável, e ainda enfrentando o Nadal descansado.

    Por favor, né?

    Mas, nada de novo.

    Apenas ele sendo ele.

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Tanto não diminuiria como citei Slams parecidos do suíço (os quais considero parrudos), ganhando dos “virgens” até aquele momento Djokovic e Murray.

      Vocês só entendem o que querem ou são analfabetos funcionais mesmo. Das duas uma.

      Responder
      1. Gildokson

        Paulo eu entendi oq você disse, talvez eu que não tenha me expressado direito. O que eu quis dizer é que eu não vejo diferença nenhuma entre ganhar um Grand Slam em cima de “virgens” futuros campeões (coisa que nem sabemos ainda se o russo vai ser) de que ganhar em cima de caras que ja venceram Majors como Hewitt, Roddick, Agassi e cia.

        Responder
  28. Sérgio Ribeiro

    Essa FINAL do USOPEN 2019 , comprovou que jogadores em formação, nem de longe podem ser achincalhados com aqueles papos ridículos de Danoninhos e outras babaquices, a ponto de MEDVEDEV com uma grande campanha na gira das duras norte-americanas ,ser um mero desconhecido para a grande maioria. O Big Four + Wawrinka demorou a ser formado, devido ao tempo excessivo que Andy e Stan demoraram a amadurecer. O Suíço apenas perto dos 28. Dito isso, outros que estão em ma’ fase, mas com Vitórias sobre o Big 3 + Stan , merecem um crédito de confiança. Bater 2 para chegar ao Título ( caso de Federer em Wimbledon) , é ainda uma tarefa hercúlea que a geração perdida não conseguiu. Mas sinceramente acredito que em 2020 poderemos ter ao menos um SLAM , já na mão de um deles. O poderoso Touro afirmou que estava com os nervos à flor da pele. E foi só elogios ao seu oponente. Abs!

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Ps E Novak está numa Clínica na … Suíça. E o Big Mac não estava jogando conversa fora. Existe a possibilidade de uma pequena cirurgia. Fonte : Bola Amarela Abs!

      Responder
  29. Luiz Fernando

    Dalcim duas histórias q se verídicas vão gerar repercussões bem relevantes: 1) como o Sérgio Ribeiro disse abaixo, nesse site especula-se q de fato a lesão do Djoko pode ser mais grave do q se pensa e ele inclusive pode não jogar mais esse ano: https://bolamarela.com.br/lesao-de-novak-djokovic-pode-ser-mais-grave-do-que-se-pensava/; 2) num dos sites de torcedores do Nadal, li q ele já estava em Mallorca, o q depois de fato se confirmou, e teria dito a uma jornal local q não iria para a Ásia, algo q faz até algum sentido, já q o torneio de Shanghai termina no dia 13 de Outubro e cara casa poucos dias depois. A conferir…

    Responder
      1. Maria izabel

        Infelizmente Dalcin,é a notícia que está no Marca .com de hoje.Diz ser o mesmo tratamento a que se submeteu em outra ocasião com êxito. Se não der certo,terá que fazer cirurgia e terá seu ano já comprometido sem jogar.Uma lástima, tomara dê tudo certo novamente.

        Responder
  30. Luiz Fernando

    A vida é feita de coincidências, vejam esta: dois blogueiros novatos, o Mauro e o Johny (se escrevi errado bem feito, não merece q se escreva certo kkk) estão ausentes com a vitoria do Rafa, exatamente como outros dois mais conhecidos faziam, o Marquinhos e o Renato kkkkkkkkkkkkk. Como eu sempre digo, aqui é diversão garantida kkkkkkkkkkkkkk…

    Outra ausencia notável: Lógico, continuamos te esperando de braços abertos kkkkkkkkkkkkkkkk…

    Responder
  31. Rodrigo S. Cruz

    [R.P.]
    9 de setembro de 2019 às 12:52

    “Essa atitude do Nadal só não é mais vergonhosa do que a vista grossa que a ATP faz quando o assunto é Nadal e antidoping”.

    Beleza, então explica uma coisa aqui pra gente.

    O Djokovic tem um físico igual ou até melhor que o do Nadal.

    Chega em bolas impossíveis, e cobre a quadra como ninguém.

    Parece um paredão humano que sempre faz a bola voltar.

    Então, eu te pergunto:

    O Djokovic se dopa também?

    Sim, pois se vale desconfiar do Nadal baseado em achismo, por que não desconfiar do sérvio?

    Responder
      1. R.P.

        Lembrando, os exames feitos com análise de urina são os menos eficazes e os mais baratos, por isso não adianta nada fazê-lo em véspera de grandes torneios.

        WADA said that results like these suggest that many tens of thousands of athletes may be getting away with behavior that, for better or worse, is considered cheating. But why is it so easy to cheat this system?

        “The big problem of testing is the timing,” Hildebrandt said. “You have to time the test correctly to detect the substance.”

        Olympic athletes can be tested at any time — potentially even years in advance of the next competition, Hildebrandt said. But because drug tests are so expensive to conduct, most of these evaluations are administered much closer to when the actual competitions occur, he said.

        Athletes and coaches are aware of this, “and a lot of athletes get done with their doping before they’re at high risk for testing,” Hildebrandt said. Drugs taken in small doses during the off-season can be almost impossible to detect in urine samples a year or more later, but the performance-enhancing effects remain, he said.

        “You can build muscle and keep it,” Hildebrandt said. “Athletes can make physical gains in times when they’re not under much suspicion or would be unlikely to be tested at high frequency. So, they can walk into the games and honestly think, ‘I’m clean,’ have no drugs actually in their system, but have gotten to the place where they’re at physically with other help along the way.”

        Mesmo com essa moleza, não é de hoje que o Tio Nadal é contra fazer exames surpresa: https://www.terra.com.br/esportes/tenis/jogadores/nadal-reclama-das-regras-para-exames-antidoping,98084d974d0ca310VgnCLD200000bbcceb0aRCRD.html

        Responder
    1. Jose Yoh

      Sinceramente, acho que todos no mínimo usam substâncias para recuperar as lesões. Sejam autorizadas ou não.
      Lembre-se que o Meldonium era utilizado por diversos atletas e era autorizado. Depois que foi banido, muitos caíram de rendimento.
      Tenho a minha teoria da conspiração de que a grana do big 3 permite que eles tenham acesso a medicamentos e tratamentos que sequer conhecemos.
      E também acho que a ATP faz vista grossa.
      Veja bem, tudo isso não tira o mérito deles serem incríveis na quadra, com jogadas geniais. Substância alguma faria isso.

      Sei que soa bem conspiratório mesmo, mas como explicar que a geração anterior não ganhava mais nada após os 30 e a atual vai até os 38 (!!!) ganhando tudo? Correndo e batendo na bola feito monstros.
      Isso sem considerar que o estilo saque e voleio era bem menos prejudicial ao corpo.
      Falo tudo isso sendo grande admirador dos três. Mas a lógica é bem clara para mim.

      Responder
  32. Miguel BsB

    Na minha opinião, Medvedev tem um dos jogos mais maçantes dessa next gen, comparando com Tsisipas,Shapovalov,Aliassime etc…
    Mas parece ser o mais forte mentalmente deles, e, provavelmente, será o primeiro a ser campeão de Slam.

    Responder
  33. Paullo

    As respostas que o Sérgio Ribeiro dá para mim e para outros colegas do blog me fazem concluir que ele é o único do blog que assiste os jogos na íntegra, o único inteligente e o único que nao fala asneira.

    Já que ele não vai entender, mastigo: To sendo irônico.

    Que cara agressivo e prepotente

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      É que vocês amam provocar, e não querem ser provocados…

      Chamam o Federer de “freguês” , ” Fraude”, “Bode” e um monte de outros impropérios.

      Queriam que o Sérgio dissesse o que, que vocês são ótimos comentaristas?

      (rs)

      Responder
      1. Paullo

        Eu nao uso esses apelidos.
        OK, provoco, cutuco, mas nao digo que o que ele escreve é burrice, que não dá para aproveitar nada do que disse, que sao asneiras, que deveria fazer outra coisa da vida, ja que em opinar é pessimo, etc e tal.
        Nao, nao precisa elogiar, mas ser arrogante e prepotente tb nao.
        Vc, por ex, qdo fala de tenis, como tem feito nos ultimos post, dá um show! Agora qdo desqualifica o interlocutor, todo o argumento racional que usa vai por agua abaixo.

        Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Enquanto você está sendo irônico está ótimo. Brabo é ficar avalizando comentários de terceiros. Felizmente parou de usar o fake ridículo e está ao menos mostrando a cara. Já é um começo. Abs!

      Responder
      1. Paullo

        Opa, muito legal a tua atitude e teu comentário agora faz com que possamos conversar direito.
        Qdo avalizo o que o Paulo Almeida escreve é porque concordo com ele.
        Isso nao me faz maria vai com as outras e tampouco alguem que só fala asneiras, que nao dá para aproveitar nada do que eu digo etc e tal.
        Vc tem muito conhecimento de tenis e isso é notável.
        Qdo vc desmerece o que escrevo aqui, tudo o que postou de interessante vai por agua abaixo.
        Provocar, cutucar faz parte e eu tb faço isso direto (e talvez eu mesmo deva rever isso). O que não é legal é desqualificar e dizer que o que escrevemos não é inteligente, que não sao aproveitáveis, que sao asneiras e que deveriamos fazer outra coisa da vida, ja que em opinar somos pessimos.
        Abraço.

        Responder
    3. Jose Yoh

      Paullo, alguns torcedores aqui inundam o blog com teorias sem sentido e insistem em querer provar o que dificilmente será aceito pela maioria.
      TODO santo dia.
      E ainda por cima, comentam com o único prazer de denegrir o talvez maior jogador de tênis que pisou no planeta.
      Faz com que tenhamos de ler centenas de comentários sem noção para achar um que vale a pena ler.
      Haja paciência, né? Abs

      Responder
      1. Rafael Azevedo

        O nome disso é “Fanatismo”. O fanatismo tira o nosso senso de razão, caráter, cordialidade etc. O que importa é enaltecer aquilo pelo qual somos fanáticos, a todo custo, nem que pra isso eu tenha que denegrir qualquer coisa ou pessoa que possa ameaçar essa exaltação.

        Responder
        1. Eu

          Isso mesmo!!
          Para alguns aqui uma opinião contrária não é apenas uma forma alternativa de ver o mundo. É um insulto pessoal que deve ser respondido na mesma moeda.
          E a origem disso tudo é que Quando nos amamos demasiado não suportamos a evidência de que os outros não nos amam da mesma forma e pensam diferente de nós.

          Responder
  34. Lucas Duarte Parra

    Dalcim…Zverev ja ganhou masters encima de federer e djoko,mas nao vinga nos slams,tsitsipas começou o ano com semi e depois nada,khachanov tb decepciona e é assim com pitros jovens…medvedev te parece um cara mais “confiavel” para os outros slams?ou cai naquela tremenda imprevisibilidade da next gen?

    Responder
  35. Angela B.

    Apesar de ser Federista, Nadal e Djoko vão superar o suiço em número de slams e ponto final. Os caras estão muito perto de chegar lá e não vão perder as oportunidades que aparecerem. Ao contrário de Federer…que raramente aproveita as chances que tem – provavelmente devido a um bloqueio psicologico bisonho que talvez nem ele consiga entender. Afinal, quem aqui explica as chances desperdiçadas na final de Wimbledon e aquela partida esdruxula contra o Dimitrov nesse USOpen??? Quem?? ————E digo mais: apesar do Federer ser um jogador espetacular… é ele e somente ELE, o principal responsável por essa situação, especialmente qdo ficou entre 2012 e 2017 (5 anos!!!!) caçando borboletas e assistindo passivamente Nadal e Nole dominarem o circuito e vencendo seus respectivos slams. Pois verdade seja dita: ele não se esforçou (durante todos esses anos) a se reinventar ou evoluir alguns aspectos do seu jogo p/ enfrentar seus dois maiores adversários..e nessa sua “zona de conforto”, esperando pela sorte… ainda virou freguês dos dois e só em 2017 foi correr atrás do prejuízo. — Foda, hein??
    E considerando suas recentes chances jogadas ao vento e seus 38 anos: amigos…nem com reza brava o cara vai conseguir deter Nole e Nadal quebrarem o seu principal record. Portanto….tarde demais. Finito. C´est fini….E o que nos resta a fazer, é continuar apreciando seu belissimo tenis (sem qualquer expectativa!!) até a sua aponsentadoria. Abs.

    Responder
    1. Gildokson

      Nossa!! Djokovic e Nadal vão passar o recorde de Federer e ponto final?? Como assim ponto final?
      Será que vocês não entendem que não é assim que as coisas acontecem no esporte tênis? O Nadal teve dificuldades pra ganhar essa final que a maioria apontava como 3×0 ou 3×1, como gostam de prever o futuro e afirmar que vai ser isso e pronto. Pode ser, tem tudo para ser… mas nunca se sabe.
      E outra, como assim Federer não aproveita as chances? De 31 chances ele aproveitou 20.

      Responder
    2. Jose Yoh

      Angela, uma das coisas que mais admiro no suíço é sua capacidade de se reinventar. Mudou de raquete, mudou o backhand, inventou jogadas como o SABR. Até o Djoko copiou sua forma de atuar os torneios economizando nos masters e focando nos slams.
      Ele superou até o trauma que ele tinha com o espanhol!
      Vamos dar uma chance ao velhinho, afinal 38 anos e bater de frente contra esses caras não é para qualquer um.

      Responder
        1. Jose Yoh

          Acho que o que ele faz é um pouco diferente, não bate de slice e devolve quase na linha do saque, de bate-pronto.
          Mas é uma variação sem dúvida.
          De qualquer forma, você não acha que ele se reinventou em vários pontos? Do contrário não teria ganho mais alguns slams tão velho.

          Responder
          1. Miguel BsB

            Sim, acho! Tanto ele quanto os dois outros monstros, Nadal e Djoko…mas, na minha opiniao, dos 3 o que mais evoluiu e agregou ao seu jogo foi o espanhol…

  36. Leonardo Santa Inês

    Dalcim, acha que Nadal pode estar com alguma contusão? No quinto set, ele mal conseguia colocar o 1o saque em quadra. Sacou muito mal. Em alguns momentos parecia querer encurtar os pontos. Senti que havia algo além do cansaço natural da partida longa e do nervosismo.

    Responder
  37. RicardoCWB

    Dalcim, sem querer tirar os méritos do russo, mas por vezes, quando encurralado, dava para perceber que ele ligava o modo kamikaze e, claro, com a confiança nas alturas, acabava dando certo.
    Minha dúvida é: o que ele irá fazer quando voltar ao “normal”?
    Você acha que ele consegue manter esse nível na próxima temporada?
    abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que temos de ver pelo outro lado, Ricardo: ele voleia mal e se mexe mal na rede, não tem slice, o jogo é um tanto ‘quadrado’. Então ele pode progredir muito e ficar um tenista bem mais completo. Se fosse ele, seria o caminho a seguir. Abs!

      Responder
      1. Barocos

        Concordo totalmente contigo Dalcim.

        Eu não torço contra nenhum dos Big 3, como também não torcia contra o Murray (adoraria vê-lo recuperado e dando trabalho de novo), mas confesso que torci para o russo ontem, muito em função do comportamento deselegante da torcida presente.

        Em que pese toda a tensão do jogo, dos mais tensos que eu já vi (como também foram os confrontos em finais de Slam entre Djokovic, Nadal e Federer), acho que faltou um pouco de discernimento ao Medvedev para notar que as “deixadinhas” (drop-shot) não estavam dando certo, ainda que seja louvável a coragem demonstrada por ele em muitos momentos do jogo. Um analista do SportTV 3 comentou que o russo abusou do golpe muito provavelmente em função do cansaço.

        No mais, e como de hábito, parabéns pelas análises e comentários de altíssimo nível.

        Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que essencialmente o Medvedev jogou de forma errada os dois primeiros sets, tentando encarar Nadal nas trocas mais longas, bolas até sem peso. Quando ele ficou em perigo, finalmente começou a ir para o risco, que é o seu jogo principal, e então a bola entrou e a confiança sobe.

      Responder
      1. Pedro

        Mas o comportamento do russo em uma final de GS foi muito bom, não deixando pesar o evento. Você acha possível ele ganhar do Nadal em um futuro próximo?

        Responder
    1. Miguel BsB

      Só pra se ter uma ideia, 7 títulos de Grand Slam é o Total de Slams de Mcenroe, 1 a menos que o Total de Lendl, mais do que venceram Edberg e Becker…

      Responder
    2. Jose Yoh

      Posso estar errado e sei que é uma piada, mas acho que o Lógico se refere ao fato do jogo do espanhol ser quase que exclusivamente no fundo. Por dimensões eu entendo ser Lado x Altura x Profundidade. Se eu estiver errado alguém (ou o próprio Lógico) me corrija.

      Responder
  38. Jonatas Bruno

    Enquanto na arena houver o touro, haverá o golpe de minerva! Ao menos o coadjuvante não fez figuração e valorizou até o fim da jornada!
    Em termos comparativos, o Medvedev já fez mais do que demais finalistas “one hit wonder”:Berdych, Nishikori e Raonic.
    O que mais considerei de positivo no russo é a determinação de se manter no ponto e no jogo, mesmo tendo que lidar com um imponente obstáculo! O Nadal será sempre parâmetro em termos de testar o limite físico e emocional. E o vice-campeão soube muito bem dar conta do recado! Deixou tendências…

    E o Del Potro, e Murray fazem falta, que o físico + motivação os facultem para o retorno aos grandes palcos.
    Australian Open pode ser histórico, pode ser o último do “Cara”, e a disputa do confronto direto ou indireto da principal marca. Á aguardar….

    Responder
  39. Oswaldo E. Aranha

    Lógico, estive irmanado contigo na torcida pelo Medvedev, inclusive lembrando palavras em russo como pazalsta (faz favor) e spasibo (obrigado) quase deu mas…

    Responder
  40. Jose Luis

    Querido Dalcim, leio sempre seu Blog e aprecio muito suas opnioes e coomentarios.

    Mas uma coisa me intriga, porque sempre para falar dos maiores de todos os tempos , só se leva em conta os numero de GS ??

    Se formos ver a trajetoria completa dos tenistas , principalmente os Big 3 , o Nadal sai em disparada, pois sao:

    19 GS
    2 Medalhas de Ouro Olimpica ( 1 em Singles )
    4 Copas Davis ( Se nao me Engano )

    Ele ganhou 17 RG , onde todos os tenistas dizem que é o Mais Dificil , veja Peter Sampras que nunca ganhou nenhum.

    Por tudo isso acho Nadal o Melhor da Historia.

    Responder
    1. Marcelo Baiano

      Puxa, José Luis, você considerar Taça Davis que é um torneio entre países é brincadeira! A Espanha tem muito mais tradição que a Suíça e que a Sérvia! Além disso, você falar de medalhas de ouro olímpicas (de simples, Nadal só ganhou uma) e não falar do Finals que é um torneio bem mais difícil é brincadeira também! Quanto aos torneios de RG, eles não são os Slams mais difíceis (Guga ganhou 3 RG’s e não ganhou nenhum dos outros três, por exemplo). Sinceramente, o melhor de todos os tempos, vai continuar a ser o Federer, independentemente do número de Slams, pela qualidade e beleza do jogo dele.

      Responder
      1. Luiz Fabriciano

        Nesse caso, como se explica Sampras der ganhado 14 Slams e nenhum RG? E Guga ter ganhando do mesmo sempre no campeonato mais importante de sua carreira?

        Responder
  41. André

    a Serena aparentemente está sentindo a pressão para chegar nos 24… vamos ver se o Nadal também sofrerá com isso agora que só falta um… eu sinceramente torço pra terminarem empatados!! assim rende mais conversas de bar…

    Responder
  42. Ricardo Campinas

    Nadal é maior que Federer ??
    Não

    Quando Nadal tiver 21 Grand Slams, e Federer 20 ele será maior que Federer ??
    Sim

    Qual é a dificuldade de entender isso ??

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Se acontecer de Rafa ultrapassar Federer em número de GS vencidos, pode acreditar q alguém virá aqui p expor q o q conta é o número de semanas na liderança, veja se alguém valoriza coisas semelhantes em qualquer outro esporte? Alguém cita quem liderou mais voltas na F1? Alguém cita quem liderou campeonatos de futebol por mais semanas ou meses? São estatísticas, curiosidades, nada mais. No esporte o q conta, ao menos para 99% das pessoas, são títulos conquistados, os títulos mais importantes, e é exatamente por isso q no momento Federer é o maior jogador da história ou GOAT, se A ou B ultrapassa-lo automaticamente toma o lugar DE MAIOR, o que nada tem a ver com ser o MELHOR TECNICAMENTE falando.

      Responder
      1. Chileno

        Na minha opinião não é tão simples LF. Ao contrário de outras modalidades, o tênis tem o ranking, tem Olimpíada, tem o Finals, tem diferentes pisos… acho que é um esporte que tem muitas nuances diferentes, e por isso mesmo, não acho que é tão simples assim quanto outros esportes: mais títulos = maior.

        HOJE, acho impraticável dizer que o Federer não é o maior, porque ele tem praticamente todos os recordes mais relevantes do esporte. Ele (ainda) é o recordista de títulos do GS, ele (ainda) é o recordista de semanas na liderança do ranking. Ele é o recordista de semanas consecutivas na liderança do ranking (esse recorde dificilmente cairá). Ainda é o recordista de títulos do Finals. Ainda é o maior vencedor de WB. Ainda é o único a ter pentacampeonato em 3 dos 4 Grand Slams. E por aí vai…

        Acho que enquanto o mesmo jogador detém tudo isso, fica bem objetiva a análise. Se alguém igualar ou até mesmo passar um desses recordes, na minha opinião, provavelmente entraremos no campo subjetivo da coisa. Na minha opinião, de todos esses, os dois maiores são justamente os títulos de GS e semanas totais na liderança do ranking. Se um mesmo jogador detiver os dois, acho muito difícil não considerá-lo o maior. Se um jogador detiver um e outro jogador detiver outro, a menos que a diferença seja grande, haverá uma certa subjetividade.

        Responder
        1. Luiz Fernando

          Estou de acordo c vc, e ambos fazemos coro com o exposto outras vezes pelo Dalcim, no futuro algumas comparações poderão ser totalmente subjetivas, mas creio ser inquestionável q um GS vale mais do q 10-20 semanas de liderança de ranking.

          Responder
      2. Luiz Fabriciano

        Xará, tire a F1 da comparação, pois, no início de todo campeonato, todos os pilotos entram com contagem zerada de pontos e alguém pode liderar por 90% da temporada e perder o título na reta final, mas no tênis, a temporada se encerra e a contagem de pontos continua na seguinte, por isso, a contagem de semanas na liderança, tem um peso considerável.

        Responder
  43. Tiago Castro

    Incrível a vitória de Nadal. Jogo estranho.mas muito vibrante e intenso. Digno dos grande amigos épicos.
    Torci contra Nadal, para ele não se aproximar de RF em GS, porém tenho que reconhecer q Nadal é um monstro digno de ser GOAT.
    Receio q essa partida possa ter causado grande estrago no joelho do espanhol.
    TB receio q o maratênis tenha criado seu pupilo, já que Medvedev parece que veio para ficar e disputar com. O big3: ele tem raça, bom jogo de base, devolve tudo, grande foco mental e bom preparo físico!!
    Grande cobertura e grandes textos Dalcim. Parabéns

    Responder
    1. Joaquim Saraiva

      Não, ele não disse isso. Nadal falou que adoraria ser o jogador com maior número de majors, apesar de o recorde não ser uma obsessão. Também argumentou que, embora o número 1 não seja um objetivo, ficaria feliz se terminasse a temporada nessa condição. De qualquer forma, acredito que com essas declarações, além de desejar transparecer humildade, como lhe é de costume, o espanhol pretende tirar de seus ombros um pouco da pressão que virá naturalmente. Rafa também é habilidoso com as palavras. Rsrsrs… Correto, Dalcim? Abraço, Sandra.

      Responder
  44. FERNANDO/MG

    Prezado Dalcim,
    Como sempre faço ao final dos grandes torneios, não posso deixar de parabenizar você e toda a sua equipe pela excelente cobertura do US OPEN/2019, trabalho fantástico. Mestre, impossível não se divertir com os comentários de alguns leitores do Blog, tá sobrando assunto até para o casamento no Nadal, rsrsrsrs, coitada da Xisca Perelló, para alguns está sendo enrolada a 14 anos, para outros, a Lua de Mel deles deverá ser alongada para o Nadal não terminar o ano como número 01, realmente é hilária e divertida a criatividade de alguns, muito embora outros não consigam enxergar nenhuma virtude a não ser em seu tenista preferido, triste, mas enfim…
    Dalcim, duas perguntas, Já que o assunto casamento do Nadal, veio a tona nos comentários, parece que as bodas serão em outubro, vc não acha que ele possa desistir de disputar Paris, devido aos festejos?? Outra pergunta, Dalcim, o fantástico complexo de Flushing Meadows é utilizado no decorrer de todo o ano (exceção ao inverno)?? Quais eventos ocorrem por exemplo no Estádio (sim Estádio) Arthur Ashe?? Somente Tênis, ou ocorrem outros eventos esportivos?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É possível, sim, mas vamos combinar que Lua de Mel num relacionamento de 14 anos é um tanto, digamos, desnecessário… rsrs… Mas acredito que Rafa irá tirar sim uma semana para viajar e curtir seu momento, tendo tempo para se preparar para Paris e Londres. O complexo é aberto o ano todo e qualquer um pode alugar as quadras. O estádio principal é grande demais e não é muito utilizado para outros eventos, mas recentemente tivemos uma campeonato de jogos eletrônicos lá, e estava lotado!

      Responder
  45. Maior geração do tênis chegando

    Dalcim ano que vem o Medvedev faz 24 anos lembrando que que Djokovic chegou ao topo somente com essa idade .. então vc acha que Medvedev em 2020 pode ganhar Roland Garros de Nadal ?? Pra mim sim pq a final em Barcelona este ano Medvedev estava ganhando do thiem e ganhando muito bem até sentir a pressão pela inexperiencia…….mas agora Medvedev cresceu mudou de patamar não senti mas pressão ..imagina esse ano o patamar que ele vai chegar no saibro .. e Nadal esse ano em roland garros pegou thiem super cansado né

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, ele não é um jogador de saibro, e ele próprio diz isso. Foi uma campanha muito surpreendente este ano, então sinceramente não o vejo entre os grandes favoritos, a menos que algo mude até lá.

      Responder
  46. Dimas S. Schünemann

    Dalcim, um jogo fantástico. Foi impressionante o que o Russo jogou apesar de ter perdido. Encarou de frente o qualificado No 2 até o final. Só achei que jogou muito fora da quadra ( recuado ), permitindo que seus golpes mesmo que potentes dessem tempo ao espanhol para devolver. O Djokovic leva vantagem sobre o Nadal em quadra rápida pois joga mais dentro da quadra e encurta o tempo de resposta do Nadal. Se o Medvedev tivesse adiantado 2 ou 3 passos a frente, poderia ter mais sucesso. Agora, impressionante a forma fisica do Nadal. Exuberante em todos os sentidos ( Muscular e Pulmonar) . Com certeza é o jogador mais forte de todos os tempos no tenis. Um extra terrestre . ” Incansável” com 33 anos , devolvendo tudo com força depois de 4 horas de jogo com um cara de 23 anos que batia forte na bola. Terminou o jogo, e acho que se precisasse, jogava outro. A ciência tem que estudar este fenômeno chamado Rafael Nadal. Simplesmente , inacreditável a vitalidade do espanhol. Nunca vi nada igual no esporte, principalmente para um jogador veterano.

    Responder
  47. Eu

    A maioria dos nomes que consta no ranking do desafio do tenis é de pessoas que nao comentam aqui.
    Que pena, ja que entendem tanto de tenis, deveriam vir aqui tb.
    Ou, elas vêm mas com outros nomes…

    Responder
  48. Carlos

    Nadal vai passar, e muito, o Federer. Ganha pelo menos mais 3RG e ainda pega mais 1 slam de cada um dos restantes: AO, W e USOpen.
    Ou seja, 25 títulos.
    Djoko, por sua vez, ganhará pelo menos mais 2Wimbledon, 3 AO e 2 USOpen.
    Ou seja, 23 títulos.
    Federer, por sua vez, termina com 20 ou 21, pode beliscar mais 1W.
    Ou seja, 20/21 títulos.
    Federer não será mais GOAT.

    Responder
    1. Maior geração do tênis chegando

      Djokovic só chegou ao topo aos 24 anos ou seja Medvedev ano que vem chega ao topo aí ele é forte no saibro então nem isso Rafael Nadal vai ganhar mas ..em outros pisos Nadal só ganha se Djokovic e Federer estiverem contundidos ou seja no máximo Nadal empata com Federer pq é favorito somente nesse Roland Garros de 2020 apartir de 2021 thiem vai ganhar fácil do vinho que depende do físico fora Medvedev que esse ano na final em Barcelona contra thiem jogou no mesmo nível .. e Djokovic é freguês do Medvedev imagina agora que o Rússu pegou confiança está em outro patamar vai ganhar fácil do Djokovic pela idade .. ou seja Federer 20 slam Nadal 20 slam Djokovic 18 slam será assim anota aí kkkkkkkkkk.. e Federer ou Djokovic com ranking de semanas no topo .. Nadal já passou de 100 semanas no topo ? Kkkkkkkkkkkkkkkkk saibrista mesmo

      Responder
  49. Maurício Luís *

    Torci pra Serena ganhar… perdeu. Torci pro Nadal cara de berimbau perder… ganhou. Torci pro Nole defender o título… contundiu-se.
    Tô me sentindo o Mick Jagger.
    *** I D E I A !!! *** Vou “torcer” pro espanhol embromador de noiva até o fim do ano. Não vai ganhar mais nem ATP 250.

    Responder
    1. Eu

      Ontem vc falou que quem nao preenche os requisitos que vc elencou num post anterior, nao pode vir aqui criticar os jogos dos tenistas.
      Bem, agora vc falou da cara de berimbau do Nadal.
      Entao a tua cara não deve ser de berimbau.

      Responder
      1. Maurício Luís *

        O jogo do Nadal é comprovadamente eficiente, mas também é feio de doer. Isto eu critico sim. Minha cara pouco importa, não sou famoso como ele.

        Responder
  50. André Barcellos

    Slam altamente “não parrudo” pro Nadal.
    Sobre a final de ontem, ganhou quem jogou menos mal.
    Jogo difícil de ver, tecnicamente estranhíssimo

    Responder
    1. Marcilio Aguiar

      André, pois eu acho parrudissimo, se estabelecermos critérios subjetivos de confrontos indiretos, na linha do “Qadrilha” de Drumond de Andrade ou “Flor da idade de Chico Buarque”, vejamos: Nadal venceu Medvedev, que venceu Dimitrov e Wawrinka, que venceram Federer e Djoko, logo Nadal venceu Federer e Djoko. Desculpa a brincadeira, mas é para descontrair.

      Responder
    2. Paulo Almeida

      Foi parrudo sim. Guardadas as devidas proporções, lembra os US 2007 e 2008 do Jagua da Montanha. Djokovic e Murray vinham de título de M1000 (em cima dele inclusive) e foram finalistas. Resta saber se o Medvedev se tornará um monstro como os dois.

      Responder
    3. André Barcellos

      A quem acreditou no meu post, foi só uma brincadeira.
      Não existe Slam não parrudo.
      A chave do Nadal foi mais fácil que o normal, mas isso não tira nenhum mérito dele.
      Eu não acredito nessa bobagem que se defende aqui de vez em quando (slam parrudo ou não).
      Federer e Djoko estavam na chave e não conseguiram ganhar. Ponto final

      Responder
  51. Maior geração do tênis chegando

    Bom meu Nick a quase dois anos Aki no site usando .. a maior geração de todos os tempos está chegando …….. Realmente acertei o russo Medvedev é um novo Murray ..mas zverev tsitsipas sempre foram bem melhor que ele ..fora Félix auger então muito melhor esse é o novo Federer .. além de de minaur e shapolov que jogam mas que o craque Medvedev…….. Realmente acertei a melhor geração está chegando ..chorem viúvas do big 3 o tênis sobrevive .. ontem Medvedev mereceu ganhar duas viradas incríveis .. o tênis nunca morre eu sou da epoka do sampraas que se não aposenta cedo tinha 20 slams .. então não chorem viúvas do big 3 .. o tênis sempre sobrevive .. sobre os recordes acho que Nadal empata com o rei Federer nos 20 slam só vejo ele ganhando Roland Garros em 2020 depois nunca mas .. o thiem e o Medvedev vão ganhar fácil dele em 2021 .. além da quadra dura Medvedev vem forte agora e Djokovic tbm .. então minha aposta fica com da carreira Federer 20 slam Nadal 20 slam mas claro pode passar , Djokovic 18 slam choram djokovizetes vcs acham que título vale mas que tudu , estavam cobrando vitória cedo que Djokovic tinha 32 anos então ia superar Federer agora nem no Nadal Djokovic chega aí quero ver vcs falar que nem tudu é título kkkkkkkjj .. com a ascensão de Medvedev Jajá outra promessa pega confiança se inspirando no Rússu aí fica difícil pro djokovic ganham slam com 34 35 anos ..pq Djokovic e Nadal dependem do físico ..

    Responder
  52. Renan Vinicius

    E o “saibrista” Rafael Nadal agora tbm tem mais títulos no US Open do que Djokovice, 4 a 3. Para alguns fanáticos, isso é absurdo, mas o espanhol já bateu o sérvio 2 vezes lá, sendo apenas 1 revés. Então estes números ja provam quem é melhor em NY.
    Ao analisar a carreira extraterrestre de Nadal em RG, muitos ainda insistem em menosprezar seus feitos nas quadras duras, sendo que o mesmo tem 7 Slams fora do saibro, igual número de Sampras fora da Grama.
    Aos haters e invejosos, um grande abraço! Sem vcs essa vitória não seria tão saborosa!
    Ahhh…..ano que vem o recorde de Slams de Federer será quebrado com maestria pelo espanhol, Maior tenista que o mundo já viu, para desespero de muitos
    Obs: Se fosse Federer ou Djoko contra Medvedev, com certeza ambos levariam uma surra histórica.

    Grande abraço!!!

    Responder
    1. Marcelo Baiano

      Maior tenista apenas no saibro… Mas, com certeza, o mais ambicioso, o mais vaidoso, o mais egocentrico, pelo menos, entre os top, ele é.

      Responder
  53. Arthur

    Como já tinha antecipado, Dalcim, parabéns à torcida do Nadal.
    É impossível não reconhecer os méritos do espanhol, ainda mais nessa altura da vida, quando, pelo tipo de jogo que tem, o mais provável é que já estivesse aposentado.
    De todo modo, a lamentar mais um ano que se encerra sem que ninguém mais novo tenha conseguido furar a barreira do Big 3 nos majors. A bem da verdade, os únicos que conseguiram realmente ameaçá-los de vez em quando foram Murray e Wawrinka, ambos com 3 Slams.
    E antes que alguém venha reclamar com algo do tipo “ah, se fosse o Federer você não estaria falando isso”, eu já respondo que estou CAGANDO UM BLOCO DE MÁRMORE pra essa história de recorde de Slams.
    Pra mim, isso aí já abandonou o campo da esportividade para virar boçalidade. Ou alguém aí acha que 2 ou 3 majors a mais ou a menos vão mudar o status que qualquer um desses três – Federer, Nadal e Djoko – terá no panteão da história?

    Um abraço.

    Responder
  54. Sandra

    Dalcim, não sei como é feito a contagem do tempo para sacar, e bem sei que Djoko e Nadal demoram mais , mas será que não seria para terem mais tempo para se concentrar? E outra coisa uma vez estava vendo não sei quem era sacar, aquele relógio não está indo rápido demais?

    Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Quando acaba o ponto, uai. Às vezes ele leva alguns segundos para esperar aplausos do público ou eventual pedido de desafio do tenista.

          Responder
          1. José Nilton Dalcim

            Não, os jogadores estão avisados da regra. E existe um cronômetro bem visível nos dois lados da quadra.

  55. Luciane

    E pensar que há pouco tempo o tio de Nadal e antigo técnico,Toni Nadal,falou que o sobrinho não era um tenista! Apenas um homem lesionado que jogava tênis! Orraaaaaaa….imagine se fosse um tenista,hein?! Não é só um tenista,como é um dos melhores de todos os tempos!!

    Responder
  56. Edu

    E assim veio o 4º US Open para o Nadal. Mestre, dado o fato das condições de jogo no Australian Open serem mais lentas do que as do US Open na grande maioria dos anos, como seria explicado o maior sucesso de Rafa em NY, com 4 conquistas, contra apenas 1 em Melbourne? É muito curioso o fato do Nadal ter conquistado mais US Open do que o Djokovic.

    Grande Abs.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que o US Open é mais lento que Melbourne, Edu, principalmente nesses dias de extrema umidade. O jogo ontem estava bem lento, dezenas de trocas de bola o tempo inteiro.

      Responder
  57. Gabriel

    Dalcim, você acha realmente que Nadal tem chances de ainda acabar o ano como n. 1? Pois é muito raro vê-lo fisicamente bem nesses últimos campeonatos do ano. Ele já indicou se vai competir em algum além dos Masters 1000 e Finals? Outra dúvida, o sérvio ainda defende quantos pontos nessa temporada?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Nadal só precisa jogar os Masters para tentar superar Djokovic. Aliás, já pode acontecer em Xangai, onde o sérvio defende os 1.000 pontos e Nadal nem participou. Ainda não sabemos se Djoko vai mesmo a Tóquio ou se Nadal irá jogar (como sempre) Pequim, mas algo que me diz que não irão se arriscar antes de um Masters dessa relevância. De qualquer forma, Rafa só tem a somar até o fim do ano, Djoko defende também os vices de Paris e do Finals. Abs!

      Responder
      1. Diego

        Vale destacar que caso Djokovic abandone o restante da temporada para tratar da lesão, como já foi cogitado, Nadal nem precisará jogar para ser o número 1.

        Responder
  58. Paullo

    No futebol, qdo o nosso time ganha do arquirrival, a vitória é muito mais saborosa ainda.
    Nos outros esportes, tb.
    Então, muito delícia vir aqui no blog e ver os federistas quietinhos e alguns corajosos vindo enaltecer o monstro que é o Nadal.
    Se o Medvedev tivesse ganho, o blog estaria infestado de federistas tirando sarro e tb enchendo o saco.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      O Maria vai com as outras , é um dos que mais enche o saco sempre repetindo as mesmas sandices sobre torcedores de outro Tenista. A disputa foi entre MEDVEDEV e Rafa Nadal . Se liga ! Abs!

      Responder
    2. LígiaB

      Você afinal torce para quem? O seu time ganhou do arquirrival ou você está pegando carona na vitória do Nadal para expressar seu ressentimento?

      Responder
      1. Paullo

        No quê saber para quem torço interfere no comentário de que algumas vitórias são mais saborosas que outras, um clichê que todo mundo sabe e sente?

        Responder
    3. Jose Yoh

      Caro Paullo, o que eu vejo é o blog infestado de federistas parabenizando Nadal e seus torcedores. Mesmo porque ele teve todos os méritos.
      Não distorça as coisas.
      Quando Federer perde, aí sim é uma cusparada de comentários dignos da boca do Nick Kirgios.
      Das duas alas contra.

      Responder
      1. Paullo

        Não to distorcendo nada!
        Só afirmei que qdo, por ex no futebol, o nosso time ganha e o time arquirrival vai para a zona de rebaixamento, a vitória é ainda mais saborosa e completa.
        No tênis, a vitória de domingo aproximou Nadal do recorde do Federer. Então a vitória é sim mais saborosa.
        E isso independe de eu torcer para a, B ou c.

        Responder
        1. Jose Yoh

          Você disse:
          “Então, muito delícia vir aqui no blog e ver os federistas quietinhos e alguns corajosos vindo enaltecer o monstro que é o Nadal.
          Se o Medvedev tivesse ganho, o blog estaria infestado de federistas tirando sarro e tb enchendo o saco.”

          Quase todos os federistas de carteirinha do blog parabenizaram e elogiaram o espanhol, ao contrário do que você pensa.
          E apesar do Nole sequer ter jogado e perdido até antes do Federer, os nolistas diariamente vem aqui “tirando sarro e enchendo o saco” como vc falou. Algo que sutilmente você mesmo fez neste comentário acima.

          Responder
  59. Fernando Brack

    Medvedev me surpreendeu totalmente com sua resistência nessa final. Depois da quebra no 2º set, achei que ele seria tratorado. Excelente mental do russo ao enfrentar o cara de mental mais forte da história do tênis. Acho que tem mais futuro que Thiems, Zverevs, Tsitsipas, Shapos, Aliassimes e assemelhados.

    Quanto a Nadal, fez seu feijão com arroz, correndo feito um louco e colocando na quadra bolas impossíveis. Algumas delas têm a ajuda da mão do diabo, só pode. E uma balãozeira impressionante. Nada de novo pra ele.

    No geral, um jogo bem fraquinho, mas valeu pelo suspense. Parabéns ao ogro e a seus torcedores.

    Responder
  60. Paulo

    Sou torcedor do Djokovic. Comparação com o Nadal:
    – FH: Nadal
    – BH: Djokovic
    – Saque: empate
    – Devolução: Djokovic
    – Smash: Nadal
    – Slice: Nadal
    – Drop shot: Nadal
    – Preparo físico: Nadal
    – Força mental: Nadal
    – Postura Profissional: Nadal
    – Carisma: Nadal
    – Raça / dedicação: Nadal
    Resumo: Nadal 9 X 2 Djokovic
    Nós, torcedores do sérvio, queremos compará-lo ao Federer. Na minha opinião, ele precisa superar o Nadal antes de pensar em Federer!
    É possível superar o Nadal, mas não será fácil…
    O Djokovic precisará retomar o mesmo padrão de 2015. O problema é que ele vive apanhando de tenistas novos.
    Cresce muito contra Federer e Nadal, porém apanha dos mais novos…

    A hierarquia continua:
    1 – Federer
    2 – Nadal
    3 – Djokovic

    Aguardarei a chuva de críticas, hehehe

    Responder
    1. Chileno

      Acho o saque do Djokovic consideravelmente melhor que o do Nadal. No preparo físico eu daria empate, acho. Os dois são absurdamente fortes fisicamente. Mentalmente, acho os dois fortíssimos também. Provavelmente empate. Os critérios subjetivos não vou comentar.

      Responder
    2. Jonas

      Marquinhos, todo mundo sabe que o Nadal é parelho com o Novak.

      O sérvio tem um backhand muito superior e o serviço do Djoko eu acho melhor, tanto o primeiro quanto o segundo.

      Em quadra o sérvio tem se mostrado muito superior. Recentemente varreu o espanhol em uma final de Grand Slam.

      Eu respeito muito o espanhol, que ainda é MAIOR que o Djokovic na história. Mas em quadra não é bem o que temos visto. O Nadal não tem feito cócegas no Djokovic nas hards. Talvez ele precise ajustar alguma coisa, ser mais agressivo…o normal é o Djokovic fazer ele correr igual um maluco. Vamos aguardar o próximo encontro.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Tênis é momento, caríssimo Jonaser. Rafa Nadal serviu muito melhor que Novak , neste USOPEN . Melhorou muito em relação ao AOPEN. Outro jogador depois da Gira de Saibro e de Montreal. Em contrapartida aconteceu o oposto com o Suíço e o Goat Paraguaio. Podemos ter mais surpresas ainda na Gira Asiática. Deixemos o fanatismo de lado. Vocês somente pagaram mico pós Wimbledon. Rafa Nadal abriu em SLAM e ainda de toma – lo o N 1. Lembra do faltam 6 ,5, 4 , Bhum !!!! rsrsrs . Abs!

        Responder
        1. Jonas

          Pagamos mico em que cara?

          Vou refrescar tua memória. Djokovic este ano venceu 2 Grand Slams, um deles sobre o teu amado Federer, TRIVICE para o sérvio em Wimbledon. Não há do que reclamar.

          E comparar o Nadal sacando neste US Open com o Djokovic é uma piada. O sérvio está lesionado (todo mundo sabe disso). Se bem que vindo de você…é normal ler algo assim por aqui.

          Responder
  61. Marcílio Aguiar

    Não assisti ao jogo. Estava viajando e já cheguei em casa no final do último set. A vitória do Nadal já era esperada, mas pelos relatos do Dalcim, a forma foi inusitada em finais contra jogadores estreantes nesse evento. Não sou admirador do estilo do espanhol mas reconheço como o esportista de maior fibra que tenho notícias, por isso o parabenizo. Por sua vez espero que o russo so venha a crescer e seja um dos líderes no futuro próximo. Mostrou que fibra não lhe falta. Sou torcedor do Federer,admirador do seu jogo e vou continuar sendo independentemente de vir a ser superado em conquistas. Só lamento algumas finais que deixou de ganhar por alguns detalhes inexplicáveis para um tenista da sua qualidade.

    Responder
  62. Paulo Almeida

    Medvedev é monstro mentalmente e fisicamente, além da movimentação excepcional. Aliás, esta é o quinto fundamento do tênis, só perdendo para saque, devolução, direita e esquerda. Tecnicamente bate feio na bola e comete erros grotescos às vezes, mas é eficiente. Cedo pra dizer, mas talvez seja o futuro do tênis.

    DjokoGOAT igualou as semanas do Connors (grande coisa). Acho que torcedores do Fregueser nem terão muita força para comemorar a manutenção desse recorde superestimado com a pancada de ontem.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Para variar nada que se aproveite. Releia o seu bizarro comentário sobre MEDVEDEV no Post anterior. Sabe nada mesmo , Sr Paulo . Se e’ que este é mesmo o seu nome. Torcedor do tal Goat somente a partir de 2011 rsrsrs Sei , … Abs!

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Claro que o Medvedev não é uma aberração como o Berrettini, mas é grosso tecnicamente sim. Continuo com a mesma posição. A questão é que ele pode ser um grande campeão mesmo com suas limitações, já que possui os atributos que mencionei acima.

        Difícil mesmo é conseguir ler qualquer post seu com esse português pavoroso. Bora fazer um curso aí, amigo. Na moral mesmo.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Quando apela por Português ( e’ muito ruim mesmo rs ) e’ sinal que a coisa tá feia , caro Robson , digo Paulo ( ou Valmir ) . Vamos combinar , como é um blog de Tênis , faça você um Cursinho grátis lendo os Posts do Dalcim. Dificilmente encontrará babaquices como : Frauderer , fregueser , Goat Paraguaio, etc … Entendeu ou quer que desenhe rsrsrs Abs!

          Responder
          1. Jonas

            Uai, você chamou o Djoko de “GOAT paraguaio” em um dos comentários acima. Incoerente como sempre, nada de novo vindo de Federetes fanáticas.

    2. Marcelo Baiano

      Fregueser é tão ridículo quanto Djokovice ou baloeiro ou unidimensional. Só demonstra o quão fanáticos ou sem noção são os difamadores destes monstros sagrados do esporte! Lamento por você que se refira ao melhor jogador de tênis da história dessa forma…

      Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Na tua opinião.

          (que aliás é bem duvidosa, dado o seu repúdio ao suíço).

          Mas na opinião da maioria, o melhor de todos é o Federer, seguido do Nadal e do Djoko.

          Responder
  63. Ronildo

    Parabéns ao Nadal por ter mostrado ao mundo o quão difícil é ganhar um Slam. Tanto é que Dei Potro só tem 1.

    É o seguinte gente: Roger Federer tem os maiores recordes ainda e aos 37 quase ganhou Wimbledom. Porém, se vai ser difícil para Federer ganhar outro Slam, o mesmo vale para Nadal e Djokovic. Afinal Medvedev era o menos cotado e mostrou para os outros o caminho das pedras. Nesta hora estão todos treinando com o único objetivo de serem o próximo Medvedev e até melhor em nível. Vamos ver como Djokovic vai voltar depois que acabar o tratamento com tarja preta a que se submeteu depois de ter seu mental destruído por Medvedev. Vamos ver também como aquele que disse que trocaria todos seus slans por um joelho bom voltará depois da conquista de ontem. Ele já está com o joelho bom e não precisou trocar por seus slans, será que vai colocar tudo em risco atrás de um recorde para seu ego?

    Por falar em recorde, cadê aquele ímpeto em contar as semanas para Djokovic superar Federer no topo do ranking?

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Único maior recorde que ele ainda tem é o de GS, mas a maioria é peso pena. Eu não troco o Nole Slam e o Golden Masters pelo número de semanas. Ter mais Masters 1000 e 12 do mesmo Slam também é mais relevante.

      Responder
  64. Luiz Fernando

    Dalcim não sei se vc teve a mesma impressão, mas não me recordo de um Nadal tão tenso e carrancudo no início de uma partida quanto ontem. Acho q essa história de q ele não liga pra se tornar o jogador c mais GS, história q ele mesmo cita sempre, é pura dissimulação, me parece claro q esse é o objetivo dele a como isso agora está muito próximo foi algo q mexeu c ele, concorda?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Me pareceu muito tenso, aliás contra o Berrettini também. Ontem, na primeira quebra que sofreu no jogo, bateu um forehand que não chegou na rede. Nunca tinha visto isso.

      Responder
      1. Luis

        Oi Dalcim, tive a mesma impressão que vocês dois, achei que ele estava estranho. O que você acha que pode estar acontecendo?
        Pensei que poderia ser a pressão de ter que ganhar um us open com uma chave muito mais fácil do que o normal, mas não pareceu que era isso pelas entrevistas que ele deu para a imprensa.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Só posso fazer conjecturas. A chave favorável, e até as derrotas de Djoko e Federer, acabaram jogando um favoritismo enorme no seu colo e talvez isso tenha pesado.

          Responder
  65. Chileno

    Difícil encontrar adjetivos para o espanhol. É um monstro sagrado, sem dúvidas. Não admitir isso é pura e simples dor de cotovelo. Encostou definitivamente no recorde do maestro, e tem grandes chances de alcancá-lo e até ultrapassá-lo no ano que vem, especialmente considerando a altíssima probabilidade de ele novamente morder a taça de RG, como vem fazendo regularmente há mais de uma década. É impressionante a eficiência e combatividade do touro. Merece a glória e os louros!

    O russo jogou muito também. Acho importante frisar isso. Ao contrário do que eu esperava, ele realmente pressionou Nadal, e teve inclusive suas chances de virar a partida, tendo algumas chances de quebra no início do quinto set. Em que pese sua não tão grande habilidade na rede, ele conseguiu alguns lances muito bons por lá, e as paralelas de backhand estavam invejáveis até o fatídico game da primeira quebra do espanhol no quinto set.

    Foi uma grande final de Slam. Uma das melhores recentes. Muita luta, muita entrega, alguns lances brilhantes e muita tensão. Parabéns ao Nadal!

    Responder
    1. Gabi

      Falou tudo!!
      Os dois jogaram uma barbaridade e a final foi muito sensacional!!
      Li agora no tenisbrasil que o russo declarou que Nadal tinha resposta para tudo…

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Se lembrarmos que STANIMAL somente venceu seu primeiro SLAM aos 29, a Next Gen está muito bem representada pôr MEDVEDEV, caro Chileno . E Rafa Nadal provou que não existe Goat Paraguaio rs Provavelmente ele e Novak quebrarão o Recorde de SLAM do Craque Suíço. E este assim como Pistol Pete Sampras , em nada vai se envergonhar. O nível de jogo apresentado por ambos , após os 30 , fala por si só. E o Espanhol também deve retornar ao N 1 . Ps O BIG MAC afirmou ao Bola Amarela que Novak não retorna mais esse ano. A conferir. Abs!

      Responder
  66. Miguel BsB

    Nadal é um monstro! Um fenômeno realmente! Evoluiu demais ao longo dos anos, usa o balão msm quando necessário, expediente de saibrista rs, mas é uma de suas variações, pois joga com seu Forehand pesadíssimo de toda quadra, e nitidamente evoluiu muito nos últimos anos o BH, mais agressivo, o slice, o saque, e, principalmente, o jogo de rede…raramente erra um voleio, faz o simples, vai na boa,ou curtinho ou na quadra aberta e é muito efetivo. ( não a toa Roger comentou outro dia que pra ele, Rafa tem o melhor voleio do circuito).
    Outra, sabe escolher a jogada certa. O último ponto do primeiro set, poderia tentar uma passada mais arriscada ou um lobo cruzado na quadra aberta no FH do russo mas não, seguiu o livro, lob na esquerda do russo, ponto.
    Fez saque e voleio diversas vezes em pontos importantes, sem inventar. Saque aberto de canhoto na vantagem, voleio cruzado na quadra aberta…
    Grande final! E segurem o touro, espero que ele se recupere bem, pois gostaria de vê lo ganhando o finals pelo menos uma vez na carreira…

    Responder
  67. Fernando Lima

    Olá Dalcim,

    Parabéns pelo blog.

    Li que o Nadal teve 207 jogos melhor de 5 sets na carreira saindo com 2×0 na frente. E desses só perdeu 1 (se não me engano pro Fognini num UO).

    Você sabe como são essas mesmas estatísticas para Federer e Djoko?

    Obrigado

    Responder
      1. Rubens Leme

        Grande Ken Follet. O buraco da agulha e A Chave de Rebeca sao clássicos da espionagem, mas ainda prefiro o Frederick Forsyth de O Dossiê Odessa, Câes de Guerra, O Quarto Protocolo, A Alternativa do DIabo e o maior clássico de todos, O Dia do Chacal.

        Responder
        1. Rubens Leme

          O mais divertido é que muitos autores realmente trabalharam para a inteligência inglesa. John Le Carré, que foi tanto do MI5 como do MI6 (https://www.jornalopcao.com.br/colunas-e-blogs/imprensa/memorias-de-john-le-carre-revelam-vida-de-espiao-metodo-literario-e-relacao-com-o-cinema-120384/), conta que quando escreveu o Espião que Saiu do Frio mostrou aos seus chefes – era uma espécie de obrigação – e todos eles riram quando o livro virou um best-seller, filme e jornais falavam que o autor havia contado com detalhes o dia-a-dia porque aobra nada tinha de real.

          Mais recentemente, Forsyth revelou que também foi espião do MI6 (https://www.theguardian.com/books/2015/sep/01/frederick-forsyth-i-was-an-mi6-agent). Suas obras são sempre lembradas pelos detalhes extremos e cuidado com que descreve cada personagem e trama e, por isso, vários viraram filmes, sendo o mais célebre O Dia do Chacal (que teve um remake pavoroso nos anos 90, com Bruce Willys e Richard Gere, chamado de O Chacal), além de ótimas adaptações para O Quarto Protocolo (com Michael Caine e Pierce Brosnam) e O Dossiê Odessa (com Jon Voight). Ambos os filmes são fáceis de achar no Mercado Livre).

          Ah, Le Carré e o outro notável escritor, Graham Greene, (e também empregado do MI6) eram íntimos do mais famoso espião duplo da história, Kim Philby, que mudu de lado e foi morar na União Soviética. Greene, aliás, chegou a escrever o prefácio da biografia de Philby, “My Silent War”. Forsyth viria a matar Philby no romance O Quarto Protocolo.

          A história de Philby é fascinante e virou até uma música de Rory Gallagher – “Kim Philby”, do disco Top Priority.

          Desculpe tanto bla bla bla e outra história paralela, Dalcim, mas este tema é fascinante para mim. Cobre livros, filmes e discos, meus passatempos favoritos (depois te encher aqui, claro).

          Responder
  68. Victor França

    Que final espetacular. Gigantes os dois tenistas.

    Dalcim, Medvedev desde cedo mostrou todo esse talento e essa força mental? Mantendo a cabeça no lugar, ele tem tudo para disputar GS constantemente.

    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, até o ano passado ele era um tenista bem inconstante, embora sempre progredindo. Diz ele que o casamento o fez levar o tênis mais a sério.

      Responder
      1. Barocos

        Pô, mas com a idade dele, 23 anos, não é muito cedo ainda para escolher um motivo, treinamento, para passar mais tempo longe da mulher? KKKKKKKKKKK

        Responder
  69. gustavo

    Desculpem, mas acho que eu vi outro jogo. Tênis deveria ser um esporte de cavalheiros, o que eu vi foi um Nadal fazendo um jogo extremamente feio, cheio de balões e slices sem vergonha, um verdadeiro passador de bolas, até ai tranquilo, está dento do jogo e tática, embora fique extremamente chato de assistir. Mas quando viu que ia perder partiu para artemanhas e falcatruas, dignas de um Dick Vigarista, atrapalhando o saque do adversário deliberadamente até conseguir a quebra. Com certeza os que apoiam essas atitudes são os jogadores de clube meia boca que arrumam confusão durante o jogo para desconcentrar o adversário, roubam nas chamada de bola. Para vocês que acham que os fins justificam os meios um recado: O tênis não é para vocês.

    Responder
    1. Gê César

      Ah, não tenha dúvida que você viu outro jogo. Aliás não foi você quem viu. Foi o seu fanatismo. Acontece, Os fanáticos sempre enxergam de maneira diferente. Só um fanático pode associar um sujeito como o Nadal – exemplo de ética – de vigarista.

      Responder
      1. Marcelo Baiano

        Vigarista realmente é muito exagerado mas exemplo de ética também não. O que ele fez com o Carlos Bernardes não foi nada ético, tentando pressionar a ATP a excluir o juiz de cadeira brasileiro dos jogos dele porque ele não fazia vistas grossas às infrações de Nadal durante os jogos. E ele continua com a mesma atitude: outro dia pressionou uma juíza de cadeira a demorar a dar partida no relógio para que ele tivesse mais tempo do que as regras permitem. À ética passou longe dele nessas situações!

        Responder
      1. Alexandre

        Uéo russo joga 4 finais consecutivas. tinga muito mais tempo em quadra. Corre igual a um louco.. Eo Nadal é sempre o dopado, aonde leva o fanatismo!

        Responder
    2. Renan Vinicius

      Muito obrigado Gustavo! É pra chorões e mau perdedores como vcs que entro nesse blog e me divirto sempre. Muito obrigado pela audiência, pois sem vcs secando o Nadal durante as 5 horas de jogo, a nossa vitória não seria tão especial. Espero que tenha engolido a sua frustração e tenha conseguido dormir kkkkkk. Grande abraço!

      Responder
  70. Evaldo Medeiros

    Bom dia Dalcim. Sou Federer e nem precisa dizer que fiquei decepcionado com a derrota do Medvedev. O russo se agigantou a partir do 3o. Set e vi nele uma grande semelhança com Nole a partir de então. Concorda?? Outra coisa…. Sem querer tirar o mérito do Nadal, que venceu ontem com méritos, vc não achou bem fraco o nível desse Us Open?? A bem da verdade a única partida digna de um slam e do quilate do próprio Nadal foi justamente a final. O espanhol não teve adversários à altura até a final. Concorda também???

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Tecnicamente, a final foi muito estranha, com erros bizarros para tenistas desse porte. Forehand que não chegou na rede, deixadinhas amadoras, voleios e smashes incrivelmente desperdiçados. Mas tem de se colocar a tensão e o cansaço na balança, e acho que o espírito de luta dos dois se sobrepôs ao quesito técnico e acabou sendo um grande espetáculo. Na somatória, realmente o US Open não empolgou. Teve alguns jogos muito bons, alguns tenistas em momentos inspirados, mas não foi um grande campeonato.

      Responder
      1. Wilson Rocha

        Dalcim,
        em muitos momentos percebi o Nadal ofegante depois de alguns pontos longos, apesar do ótimo preparo físico e também está totalmente descansado (1 jogo por w.o e adversários que não exigiram muito até a final), a idade realmente cobra sua conta. Por outro lado, apesar da maratona de jogos, mesmo cometendo erros bisonhos, Medvedev teve muitas chances quando começou a jogar de forma agressiva. Se continuar focado e acrescentar mais alguns elementos no seu jogo (subidas e voleios, por exemplo), é um nome bastante forte para a próxima temporada.

        Responder
  71. Rafael Prado

    Ainda acho que o jogo era pra ter sido 3×0 se Nadal não tivesse tentado claramente poupar físico no 3º set. Ele parecia certo da vitória sem precisar sufocar o russo. Bom, esse é o preço que se paga por jogar de forma tão conservadora, até mesmo tight uma final de Slam. O cara cresceu e por pouco não venceu. Acho que Nadal estava morto de cansado ao final do 10° game no 5º set. se o russo empatasse em 5×5 o 5º acho que o espanhol não tinha mais físico pra jogar. Mas como “se” não joga Parabéns ao espanhol, que teve de jogar de maneira hercúlea pra vencer seu 19º Slam. 👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼

    Responder
  72. Denny Pereira da Silva

    Dalcim, sua análise foi perfeita. Muitos torcem contra o Nadal, mas temos que reconhecer que ele é um fenômeno. Joga bem em todos os pisos. Se não tivesse ficado tanto tempo afastado do circuito devido a inúmeras lesões teria no mínimo ms8s dois slam, no mínimo. Muitos falavam que ele não chegaria aos 25 anos jogando. Estaria acabado. Está aí jogando em altíssimo nível. Sou fã do big 3. Parabéns pelo blog.

    Responder
    1. Edu

      Fora que ali em 2016 (nao tenho certeza) teve a garra e a humildade de voltar a jogar torneios menores (inclusive vindo aqui para o brasil) para readquirir confiança e ritmo de jogo e titulos.

      Responder
  73. Marcelo-Jacacity

    Não sei o que é pior ou inusitado: Nadal ter mais títulos do USOpen que o Djokovic ou o espanhol estar a um troféu de igualar Connors, Sampras e Federer em Nova York…
    Quem mandou o Sr. Djokovic perder seis finais em Flushing Meadows!!!
    Agora aguenta.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que depende de inúmeras circunstâncias, Vinicius. São três jogadores espetaculares e, se estiverem jogando perto de 90%, são praticamente imbatíveis para os mortais.

      Responder
  74. André

    Que jogaço! Dois grandes jogadores lutando muito até o último ponto! Só podemos agradecer por ter tido duas finais de slam sensacionais esse ano. Viva nadal! Viva o Big3! Viva jogadores com a personalidade genial do medvedev!

    Responder
  75. Paulo F.

    Federer…
    Federer…
    O Rafa vai te pegar…
    O Rafa vai te pegar…
    O Rafa vai te pegar…
    Vai pagar caro o preço de nunca ter tirado uns 02 RG quando já estavas no auge e o espanhol era pouco mais do que um adolescente.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Se supera nas asneiras. Rafa Nadal já em 2005, não tomava conhecimento de qualquer oponente nesta superfície . Simplesmente por ser o maior Saibrista da história. Tão precoce quanto Hewitt. Mas você e sua turminha só passam recibos. Ou será que não eras nascido ? Kkkkkkk Abs!

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Todo mundo celebrando o jogaço de ontem, e somente esse monossílabo preocupado com:

      “Rafa vai ter pegar”.

      Afff.

      Tem gente que nunca evolui mesmo…

      Responder
  76. José Alves

    Foi a final de Us open mais emocionante que Nadal enfrentou. Perfeita variação tática nós duros momentos e que mental exuberante naquele 15/40 de abertura no quinto set ,em que salvou os breaks e abriu 5/2 na sequência

    Responder
  77. Fernando Soares

    Resumo destes 3 últimos anos, 2017, 2018, 2019, (até agora):
    .Nadal, 5 Grand Slams, 7 Masters 1000, 15 títulos, (contando atps menores também).
    .Djokovic, 4 Grand Slams, 3 Masters 1000, 9 títulos.
    .Federer, 3 Grand Slams, 4 Masters 1000, 14 títulos .

    Por enquanto… sem mais!

    Responder
    1. José Alves

      Nesses últimos 3 anos Nadal tem caminhado pra ser o melhor tenista da história mesmo! Impressionante trajetória do Big 3,o quanto eles evoluem é sensacional

      Responder
  78. Danilo BR

    Todos terão que engolir esse espanhol marrento e tinhoso muito em breve como o maior campeão de Grand Slams do tênis mundial… Além de ganhar Roland Garros todos os anos de forma garantida até a aposentadoria, de vez em quando ele morde um US Open… monstro incontestável! E não perde pra ninguém da Next Gen! Vergonha pra Djokovic ter agora menos US Open do que Nadal na quadra dura… Federer já era, e a estratégia de Djokovic querendo priorizar apenas os Slams não tá dando certo. Ninguém tem tanta vontade de ganhar como esse Nadal.
    Dalcim, algum outro “saibrista” da história do tênis tem 04 US Open??? Absurdo chamar esse cara antipático de saibrista… ele é muito mais do que isso! Será o grande campeão da história, na minha opinião!

    Responder
  79. Leandro

    O grande e velho jogador Nadal confirmou.
    O maior russo de todos os tempos da última semana também.
    O nishikori e o batista ainda no top dez.
    No top 20 o monfils e o Schwartzmann e o isner.
    Na década das trevas do tênis,td qse sempre no SporTV três.

    Responder
  80. Gildokson

    Parabéns aos fãs de Rafael Nadal, o cara é um monstro, incrível como se defende mas quando ataca sabe fazer de tudo.
    Agora sobre o jogo eu quero ressaltar uma coisa, como aconteceu com Federer em WB, Nadal também deixou passar na hora de fechar e quase perde uma vantagem do tamanho do mundo, mas como era grande assim ele conseguiu sacramentar depois. Méritos totais do russo que também foi monstro demais, que cabeça desse moleque e como ele foi bem na cerimônia hein Dalcim?! Pra mim única falha dele foi não ter parado numa bola possivelmente fora no breakpoint do segundo game do 5° set, aquela bola era importante demais.

    Como o tênis é maravilhoso!!!!

    Responder
  81. neuton

    Que Nadal, Djokovic e Federer são fenômenos do tênis não há discussão, até parecem sobre humanos. Contudo, Federer e Nadal deram um ar de humanidade nas finais de Slans: Federer em Wimbledon e Nadal no USopen. Ambos deixaram suas emoções aparecerem. Não que isso tire a magnitude do que são no tênis, mas serve de incentivo para os demais competidores.
    Quem está acompanhando o tênis na última década (pelo menos) está presenciando feitos históricos por esses 3 tenistas fantásticos. Quando eles pararem deve demorar para aparecer alguém para igualar seus feitos.
    OBS: muito estranho haver torcidas organizadas de um ou de outro tenistas, mais estranhos é haver ofensas a esses superatletas para tentar fazer alguma apologia ao seu preferido. Juro não não consigo entender isso. Ser humano é um bicho muito estranho mesmo!

    Responder
  82. Tiago

    Nadal além de ser um monstro, um extra-terrestre, mostrou ser um ser humano nesta final…podia ter liquidado fácil em 3×0, mas talvez sua ansiedade o atrapalhou. Por outro lado Medvedev fez o que podia, uma pena que estava aos cacos no quinto set e sofreu a pressão de ganhar um Grand Slam. Méritos para o melhor de todos os tempos.

    Responder
    1. Marcelo Baiano

      Méritos para o melhor de todos os tempos em um jogo sem o Federer e sem o Djokovic?? Você só pode estar se referindo ao melhor de todos os tempos… no saibro, só lá…

      Responder
  83. José

    Se melhorar o jogo de rede e as variações, esse russo vai dar trabalho. O estranho é ele insistir nas curtas e depois não saber o que fazer com o Nadal na rede. Precisa rever esse jogo muitas vezes, ali tem muito o que ser trabalhado

    Responder
  84. Roberto Léo

    Como o esporte é cruel! Sair de um jogo perdido e dominado, para uma longa disputa com vencedor em aberto, e no final de toda luta perder. Como, apesar disso, Medvedev manteve a cabeça? Quem poderia imaginar que o tenista que se envolveu em polêmicas com a torcida neste mesmo torneio seria tão emocionalmente controlado na final? E o discurso após, fantástico.
    Kipling para ele: “Se és capaz de arriscar numa única parada / Tudo quanto ganhaste em toda a tua vida, / E perder e, ao perder, sem nunca dizer nada, / Resignado, tornar ao ponto de partida;”

    Como o esporte é genial! Estar com a mão na taça, ver esta ser afastada e se manter firme, consistente, e buscar seus sonhos. Como não se emocionar também com a reação de Nadal a ver o filme de seus títulos? Nunca esteve tão perto de ao menos empatar os CS com Federer e colocar mais pimenta na discussão do GOAT.
    Kipling para ele: “De forçar coração, nervos, músculos, tudo / A dar seja o que for que neles ainda existe, / E a persistir assim quando, exaustos, contudo / Resta a vontade em ti que ainda ordena: “Persiste!”

    Responder
  85. Ese

    Com Nadal terminando o ano como nr 1, alem dele, federer e Djokovic tb terao terminado 5 temporadas como nr 1. Seria muito massa se os 3 encerrassem suas carreiras com a mesma quantidade de Slans… Não é impossível!

    São os tres maiores tenistas da História, e ja começa a dar certa melancolia ao imaginar o tênis depois deles. E falta tao pouco pra isso! De qualquer forma, foi sensacional acompanhar por mais de uma década a jornada desses 3, homens tão distintos entre si, e atletas tao formidáveis.

    Responder
    1. WELINGTON

      Impossível teminarem com a mesma quantidade de GS. Federer já era. Nunca mais vencerá um slam. Djokovic vai entrar na descendente. A cada período fantástico (2011, 2015), ele fica uns 03 anos jogando de forma sofrível. Quando passar a entressafra pós 2018/2019, terá 36 anos. E detalhe: a exemplo de Federer, virou brinquedo da Nextel. Nadal é muito mais regular que eles, tem RG para si (vai vencer mais uns 03 pelo menos), é espanca todos os nexgen. Então, pra azar das federetes e djokovetes, o espanhol vai superar os dois em quantidade de slams e mas terá 1000.

      Responder
      1. Rafael Azevedo

        Pronto! Agora, o Djoko é um brinquedo da Nextel?? O cara acabou de vencer WB de forma brilhante. Saiu do USOpen lesionado. Calma, rapaz. Ele ainda está no páreo. Os 3 ainda são os favoritos para os próximos slams. Inclusive o Federer. Nada mudou

        Responder
        1. Luiz Fabriciano

          O que mais curto nessas previsões é que sempre que alguém ganha algo, já o promovem a ganhar mais tudo (SQN) e sempre que alguém deixa de ganhar algo que julgavam que ganharia, dizem que está acabado (SQN) da mesma forma.

          Responder
  86. Luiz Fernando

    Medvedev também precisa ser enaltecido, não apenas pelo jogo em si, mas pelo comportamento, sem choramingas c isso ou aquilo e por se retratar das besteiras q fez na entrevista pós jogo; se antes tinha agido como moleque, desde ontem recuperou todo o respeito. O cara fez simplesmente as 4 principais finais da gira americana, tem um BH que não se intimidou c o FH do Rafa (creio q na atualidade só o Djoko poderia fazer o mesmo) e tem um preparo excepcional, pois vinha meio baleado e ainda aguentou 5 hs de partida. Quando Rafa fechou um longo primeiro set pensei: acabou, agora ele desaba. Errei feio, esse russo vai longe, tem técnica e preparo físico, se não se perder como ocorreu com outras promessas q todos nós avalizamos nos dois últimos anos vai incomodar muito a partir de agora.

    Responder
    1. Barocos

      Fiquei impressionado com a concentração dele, a torcida fazendo um barulho ensurdecedor e o russo foi para o saque sem nem titubear, e isto se repetiu várias vezes no jogo. Estabelecer este tipo de bloqueio a tamanho estímulo externo em um jogo para lá de tenso não é para qualquer um. Se fosse o Djoko, teria parado, feito caras, bocas e reclamado com o árbitro.

      Responder
  87. Luiz Fernando

    Se a conquista do USO de 2013 foi marcada pelo FH e pelo preparo físico essa o foi pelo serviço, pelo slice e pelo jogo de rede, o q demonstra a clara evolução dessa lenda viva chamada Rafael Nadal. E olha q ele ainda está muito bem fisicamente, pois fechou o jg sacando a 200 km/h com 5 horas de jogo, um competidor inigualável, que raça, que coração. E o público novaiorquino aprecia caras como ele, pois no quinto set jogou junto com Rafa o tempo todo. Tomara q agora a cabecinha dura funcione e ele não vá a esse torneio caça níqueis, ou melhor, caça milhões de dólares que é essa Laver Cup. Como eu sempre duvidei do bom senso dele, creio q irá e isso poderá prejudica-lo na gira asiática, que termina dia 10. Vai casar 16 e depois fecha no Finals. A partida de ontem, em matéria de técnica deixou a desejar, não há como questionar isso, mas em matéria de emoção foi das incríveis e espetaculares dos últimos tempos, gigante Rafael Nadal, ruma ao recorde de GS, vamosssssssssssssssssssss!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Responder
    1. Rafael Azevedo

      Falou tudo! O FH do Nadal não estava bom nesse torneio, mas ele compensou nesses outros fundamentos que você citou.
      Fora isso, achei ele muito nervoso. Como falaram acima, acho que a ideia de ultrapassar Federer em GS, e, talvez, provar que não é só um jogador de saibro, está afetando seu nível ansiedade, mesmo que ele não queira. Normal! Ele é humano!

      Responder
  88. Alexandre

    Dalcim, você não acha que faltou bom senso ao juiz dar warming naquela hora? Ou como no futebol o juiz não vai dar um amarelo no primeiro minuto, mas pelo bom senso,.Regra é regra mas bom senso tem que entrar no jogo também.. Que você acha?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho sim. Entendo que a regra tem de ser seguida se houver uma situação claramente irregular, mas o público fazia barulho demais, estava difícil sacar com aquela balbúrdia e então vejo como natural em alguns momentos o tenista demorar um pouco mais. O primeiro warning definitivamente foi um exagero, logo no game inicial.

      Responder
      1. Rodolfo Costa Sousa

        Olá Dalcim
        Acho q Nadal está sentindo a pressão para passar
        Federer nos Slam
        Mas pra todos nós vermos q ganhar um já é difícil
        Agora tipo o dojko faltam 5 pra passar
        Eu sei q ele tem mais tempo e talvez até jogue sem os outros 2
        Porém nada impede o surgimento de novos jogadores q possam analisar-lo e ficarem especialistas em vencê-lo
        É muito coisa pq se ele tiver outra lesão nunca da para prever
        Outra pergunta Dalcim
        Eu achei q no primeiro game foi mais pra mostrar autoridade
        Mas akele marcação que fez no quinto set após uma jogada longa foi muito mais sacanagem dando a quebra de volta para o russo fora o psicológico
        Ali pra mim quase o juiz decidiu o Grand slam

        Responder
      2. Luiz Fabriciano

        Eu discordo.
        Acho que a regra deve ser aplicada independente do momento do jogo. Quem faz o momento é o jogador e não o juiz. É como bola 99% fora, é 100% dentro.

        Responder
    2. Jose Yoh

      Para mim, depois daquele episódio do Bernardes, Nadal ficou marcado com os juízes. Lembro que logo após ele recebeu várias advertências de diversos juízes.

      Responder
  89. Alexandre

    Grande texto como sempre Dalcim. Dois lances me chamaram a atenção pela total concentração dos dois. O warning que Rafa tomou e fez Df e nem olhou ou discutiu com o juiz e o Ace que o russo fez e voltou pq Rafa não estava preparado e fez de novo.. se fossem outros iriam reclamar dos lances e perder a concentração, mas foi uma das maiores Batalhas mentais Ja vistas o que engrandeceu demais o 19 slam do Rafa

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Muito bem observado, Alexandre. Fiquei surpreso com a calma do russo, que jamais reclamou de nada, simplesmente ia para o próximo ponto e jogava.

      Responder
  90. Luis

    Dalcim muito bom Medvedev vendeu caro a final do US Open não vi jogo acompanhei com comentários do Dalcim até escrevi podia tá sentindo 1 Slam mas parece ser soltou e aí foi russo que e’ maior surpresa dos jovens mas tem 3 sobrenatUrais big 3 rs,legal choro do Nadal como foi do Federer no 20 esses caras amam o tênis exemplo,uma pessoa blog perguntou se o Djokovic era a maior ameaça pra alcança o Suíço nos Slam voce disse ainda o Nadal e vai se confirmando,ainda que prefira Roger Angel gurukkk

    Responder
  91. Rubens Leme

    Dalcim, ao invés de 3×3 no terceiro set não seria a partir do 5×5?

    Dalcim, quando Nadal errou aquele smash incrível no 4×4 do terceiro set que quebraria o serviço do russo e o deixaria sacando para o título em 5×4 você escreveu “Nadal perdeu a chance de simplificar o jogo, mas não há motivo para desespero. Ele pode continuar administrando o jogo e deixar a tarefa do risco para o russo: 5/5.”, mas eu não achei que seria tão simples, porque o russo estava resistindo firme.

    Dito e feito: com uma frieza de fazer inveja a Karpov e Kasparov e apoiado em seu poderoso serviço, consistente e fundo backhand e um devastador forehand (será o mais forte do circuito?), mostrou uma qualidade admirável para alguém com quase 2 metros de altura: incrível agilidade e mobilidade. Delpo e Isner devem estar morrendo de inveja. E que espirito de luta!

    No ano passado quando todos apostavam em Tsitsipas, Zverev e Kachanov como os mais talentosos da nextgen eu já apostava nele. Ele tem tudo para ser número 1 a médio prazo, um jogadoraço!

    PS: nunca viu Nadal tão tenso em uma final de Slam. O medo de tomar a virada após abrir 2×0 foi constante após o terceiro set.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Que eu me lembre, Rubens, o Nadal tinha 3/2 e saque nesse terceiro set e foi quebrado no sexto game, com um erro de voleio incrível no segundo ‘iguais’. Então acho que foi 3/3 mesmo.

      Responder
      1. Rubens Leme

        Não, o russo sacava em 4×4, estava 30×40 quando começaram trocar pancadas e ele errou um smash do lado direito. Tem como desculpa que ele estava sem muito ângulo e não fez o movimento todo. Naquele momento, ele teria feito 5/4 e sacado para fechar o terceiro set em 6×4, e consequentemente, a partida.

        Responder
          1. Rubens Leme

            Bom, ok, porque para mim este foi o momento em que o Nadal poderia ter sentido, já que venceria por 3×0. Me lembrou aquela final Fedal em RG, de 2011, quando Federer vencia i primeiro set por 5/2 e Nadal secava pressionado em 30/40 e Federer perdeu um voleio facílimo na rede se desconcentrou e Nadal virou para 7/5. Até hj acho que se vencesse aquele primeiro set teria levado o título.

  92. pedro

    Jogo foi top mestre, grande tênis, no final, quem joga sabe, o braço não vai mais, o cansaço deixa o jogo mais feio, mas o Russo tirou uns voleios impossíveis, pena que cansou antes.

    Responder
  93. periferia

    Certamente teremos Rafael Nadal como o jogador com mais slam do tênis.
    Vejo preconceito contra ele…..o jogo do Federer é de um príncipe…..Nadal é visto como um ogro….balões e correria.
    Lembro sempre de uma frase do Nixon…se comparando ao Kennedy …..transformando-a.
    “Federer é o que todos gostariam de ser….Nadal é o que realmente somos “

    Responder
    1. Rafael Azevedo

      Perdão, mas não gostei da frase, rsrs (ou não entendi muito bem).
      Primeiro, porque aparenta dizer que o estilo do Nadal é negativo, é ruim, é feio. Eu discordo completamente. Acho que isso foi um estigma criado pelos fãs do Federer ao verem o seu ídolo, finalmente, ser batido.
      Há muitas belezas no jogo do Nadal.
      Se você for olhar só os movimentos do tenista, claro que o jogo do Federer é mais belo. Mas, se você enxergar toda a quadra e os caminhos percorridos pela bola até a conclusão do ponto, os jogos do Nadal são uma obra de arte. A construção e a conclusão das jogadas.
      Sem falar que a beleza é um conceito subjetivo…

      Segundo…estamos muito longe de ser o Nadal. Estamos mais para um Meligeni. kkk

      Responder
  94. V Maurício

    Bom dia meu nobre Dalcin!
    Que jogo hein! Depois do que vi me arrisco a afirmar que Nadal não ganha mais nenhum Slam fora do saibro. E me arrisco também a dizer que ele ganha no máximo mais 1 Roland Garros. Vejo o Nadal sentindo o peso da idade e cada vez menos capaz de aguentar essas maratonas. Fosse o Nadal de poucos anos atrás, ele não permitiria que esse jogo fosse ao quinto set, principalmente depois de estar quebra a frente no terceiro. Me parece inviável ele ter força para ganhar mais um Slam na quadra dura ou na grama. Acho que no final, Federer e Nadal terminarão empatados com 20 Slams, o que seria fantástico e, até certo ponto, justo.
    Dalcin, uma curiosidade: até 2010, Nadal conquistou seu Career Slam e de lá pra cá venceu apenas Roland Garros e USO, sendo seu último Wimbledon em 2010 e seu último Australian Open em 2009; com Federer é exatamente o contrário: conseguiu seu Career Slam até 2009 e de lá pra cá venceu apenas Wimbledon e Australian Open, tendo vencido seu último Roland Garros em 2009 e seu último USO no longínquo 2008. Curioso não?

    Responder
    1. Roberto Rocha

      “Nadal não ganha mais nenhum Spam em quadra dura, É somente mais 1 Roland Garros”
      Já ouvimos isso um monte de vezes…e o cara continua vencendo.
      E se está sem condições de lutar após quase 5 horas de jogo, imagine se
      estivesse em seu auge…

      Responder
  95. Rodrigo S. Cruz

    Embora longe de ter sido um jogo tecnicamente espetacular, o componente emocional fez dele um grande jogo…

    Primeiro é preciso destacar que o jogo só ficou em aberto por causa de um grande vacilo do Nadal.

    A partida estava toda sob controle até aquele 3/2 e saque, no terceiro set.

    Segundo que paradoxalmente o Medvedev poderia ter sido o campeão, se não tivesse levado tanto tempo para ser agressivo.

    Acabou demorando demais para fazer isso, e mesmo assim foi um perigo.

    A regra número 1 para qualquer tenista que se aventura contra o Federer, Nadal e Djokovic é essa __ você nunca vai ganhar deles, só pondo bolinha e esperando eles errarem. NUNCA!

    Você tem de ir para bola, ou então cedo ou tarde será engolido…

    De qualquer forma o russo foi elogiável, pois veio de uma super-maratona de jogos e foi a primeira vez que encarou o Nadal em 5 sets.

    Superar um extraterreno como esse, em decisão de melhor de cinco é quase impensável sem rodagem…

    Não preciso citar todos os momentos-chave da partida, porque o Dalcim já fez isso no belo texto acima.

    Mas se o Medvedev tivesse sustentado aquela quebra do primeiro set, teria colocado uma pressão muito grande no Nadal.

    O espanhol se mostrou claramente nervoso, em alguns momentos, pois esse jogo valia MUITO…

    Várias são as dificuldades para superar os extraterrenos do BIG 3, e das mais irritantes é essa:

    obter a quebra não é coisa d’outro mundo, mas eles sempre vão dar o jeito de arrancar o “doce” da tua boca, no game seguinte.

    No caso do Nadal, ele usou daquele expediente pouco apreciável:

    o infame ” balão” na esquerda do adversário. (rs)

    Mas enfim…

    O cara é foda mesmo, e ele não acumula 19 títulos de Grand Slam, por mera obra do acaso.

    Jamais apreciarei o jogo dele.

    Mas esse dom que ele tem de buscar as soluções; e essa entrega do primeiro ao último ponto são simplesmente notáveis.

    Responder
    1. Jose Yoh

      Concordo com tudo, só penso diferente no ‘jamais irei apreciar o jogo dele’. Não aprecio a catimba e urros do ‘ogro’ (como alguns o chamam aqui).
      Mas alguns contra-ataques e defesas são espetaculares. E o spin acho o melhor de todos os tempos.

      Responder
  96. Fernando Pauli

    Terminado essa década de 10 (2010 – 2019) em relação aos GS, nunca uma década no tênis foi tão dominada por apenas dois tenistas na história do Tênis. Djoko (15) e Nadal (13), ganharam simplesmente 70% de todos os GS disputados, um assombro. Apenas se pensarmos em um intervalo de tempo de 10 anos, isso se repetiu, de 2003 à 2012 Federer (17) e Nadal (11), também 28/40. Djoko se igualou ao Federer em títulos de GS em uma década. Na primeira década do século (2000 – 2009) Federer obteve 15 GS, o mesmo que Djoko agora. Com certeza, na nova década que começará no ano que vem, a rivalidade entre Nadal e Djoko irá aumentar, já que eles tem mais chances de ganharem GS nos próximos 4 anos. Nadal começará a corrida com um saldo de 3 GS a mais que Djoko, porém com um ano a mais na idade. Espero que Federer possa ganhar pelo menos mais um ou dois GS se jogar até 2021.

    Responder
    1. Emílio

      Boa compilação.
      Mas, tecnicamente, décadas começam em 1 e vão até 0.
      Como os séculos e milênios. Lembram do réveillon de 2000?
      Foi marcante pelo símbolsmo do número, mas na época foi muito comentado que o outro século e milênio só começaria em 2001.
      Então, temos 2020 todo ainda para saber quem será o grande tenista da década.

      Responder
  97. Paulo

    O que sempre mais impressionou no Nadal desde que surgiu foi sua força mental.
    Primeiro ao demonstrar maturidade emocional de veterano aos 18 anos.
    Esta maturidade precoce fez com que conseguisse resultados extremamente expressivos com menos idade que Federer e Djokovic.
    Hoje, já veterano, deu mais uma vez mostras explícitas de sua força mental ao jogar com autoridade o quinto set após ter perdido os dois anteriores.
    Lembremos que a obrigação de ganhar era dele.
    Depois a forma como seguiu focado no décimo game após não fechar o jogo no 5a2 e 5a3.
    Por fim, a forma como lidou com os warnings, (justos diga-se), sem sequer reclamar.
    É o maior lutador e melhor mental do esporte que já acompanhei em 45 anos de vida.
    Parabéns super campeão!!!!

    Responder
  98. Ramon

    Como diria um certo narrador/comentarista chato pra dedeu É TETRA !!!!! Fazia tempo que eu não sofria tanto com um jogo do Nadal tá louco…Esse cara precisa ser estudado, que coração gigante e espírito de luta têm. Acredito que mais títulos desse porte virão, nada mau pra quem (segundo entendedores) já estava desenganado lá em 2014 hehehe

    Sobre o Medvedev, acho que foi a primeira vez que um next.gen encarou um big 3 dessa maneira em fase avançada de slam…O cara tem tudo pra ser um dos TOPs pelos próximos anos, tomara que firme.

    Enfim, mais um jogo histórico.

    * 19 e contando…

    Responder
  99. Rafael Azevedo

    Tbem achei o jogo com baixo nível técnico. Na verdade, acho que o correto é dizer que houveram muitos erros, muitas madeiradas, a bola parecia estar pesando 5 kg. Deve ter sido por causa da tensão.
    O Rafa não jogou muito bem esse torneio. Em 2013 e em 2017 ele venceria de 3×0 para a sua versão de 2019. Mas, ele está em um nível tão elevado que se dá ao luxo de vencer um Slam jogando “mal”.
    Parabéns! Um fenômeno do tênis e do esporte como um todo.

    Responder
  100. Chetnik

    O Medvedev foi para o jogo com a tática “genial” de devolver o saque da Sibéria e ficar passando bolinha para o outro lado…óbvio que não deu certo. Mas a partir do 3a o cara foi para o tudo ou nada, assim como contra o Djoko em Cincinnati, e quase realizou uma das vitórias mais épicas do tênis. Faltou aproveitar algumas oportunidades perdidas de forma besta no 5a set, quando o jogo tava a seu favor.

    Mas não dá para chamar o cara de amarelão nem nada do tipo. Muito pelo contrário. Foi muito guerreiro e nos proporcionou um jogaço. Fiquei triste pelo seu esforço e luta não terem sido recompensandos, mas não dá para dizer que o Nadal não mereceu.

    Foi a melhor final de USO em muitos anos…agora aguentem o Touro. Vai acabar com uns 25 GS…

    PS: Nadal baloeiro – apesar que deu uns balões hoje mesmo kkkk -, jogador unidimensional que só sabe ganhar no saibro, kkkk. É, vai ter gente se matando quando o bode ficar para trás, kkkkk.

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Assisti o jogo a partir do quinto set. Estava fora e dava certo como liquidado e para minha surpresa ao ligar a TV, iniciando o set final.
      Pois bem, fiquei impressionado com dois deslizes do russo: primeiro, não conseguiu capitalizar três breaks no segundo game, e pior, depois de abrir 40×0 no terceiro game, foi quebrado. E a quantidade notável de subidas à rede de ambos. Acho que nunca vi isso, exceto nos saques/voleios por natureza. Outra coisa interessante foi ver Nadal ser quebrado com uma dupla falta, sendo uma falta por violação de tempo e outra por saque fora – e sem reclamar. O juizão jogou duro ontem.

      Responder
  101. Maria izabel

    Um jogo de tirar o fôlego, essa final do US OPEN, dois grandes em quadra,Medvedv um jogador que não mexe um músculo do rosto,um tremendo poker face,determinado,com golpes variáveis e preparo físico invejável de ambos.
    Imagino esse Medvedv ganhando vários Slans. Esse da Next Gean,vai realmente ser um grande tenista.Nadal poderia ter fechado em 3 x 0,mas,do outro lado tinha Medevedv faminto.
    Também penso que esse é o tênis que virá a partir de agora.Gostemos ou não ,do maestro,quando pendurar as raquetes não veremos mais sua exuberante técnica, ficará nos nossos corações as lindas jogadas.
    Será um tênis de físico, mental,também de grandes jogadas ,mas,muito mais competitivo. Jogadores muito mais bem preparados,como Medevedev,Rublev terão mais chances.Se isso é bom?Claro que não!Principalmente para quem aprecia o refinado Federer. Mas ver Thien, Zverev,Tsitsipas, Shapo ainda não dá para mensurar pelo que fazem como Medvedv.Kyrgios seria o que traria a técnica, mas não me parece estar disposto.
    Enfim,parabéns a Rafael Nadal. Um guerreiro,um grandíssimo campeão!!

    Responder
  102. Maurício Luís *

    Seguinte: o espanhol pouca telha pode ganhar quantos Slams quiser. Nem que ele tiver 30 Slams no currículo, isto não muda o fato de que o jogo dele é tão “bonito” quanto um carro capotado e pegando fogo. Por isso mesmo não tenho o desprazer de assisti-lo.
    Mas reconheço que é o maior lutador de todos, e por isso dou os parabéns aos torcedores.
    Agora vê se casa, que a coitada da noiva não tá a fim de entrar pro Guiness Book como a mais enrolada de todas.

    Responder
    1. Thiago Fabrício Rodrigues

      Papo de quem morre de medo de ter o único argumento que se apoia para definir GOAT , caindo por terra.
      Os dois serão os melhores da história, apenas aprecie.

      Responder
    2. neuton

      Tem certeza que é de tenis que você está falando?
      Pelo comentário, você deve ser admirador do Kyrgios, que joga qualquer coisa, menos tenis.

      Responder
    3. Marcelo Baiano

      Acho difícil ele casar, Maurício, ele é muito ambicioso, vai continuar fazendo um esforço sobre-humano para bater os recordes de Federer. Ontem ganhou no físico, se beneficiando do seu físico avantajado para triunfar no quinto set. infelizmente, a força parece que vai triunfar sobre a técnica, um tenista que não seria nem top 5 de todos os tempos tecnicamente, tende a ser o maior vencedor de Grand Slams de todos os tempos, graças a seus já 12 GS’s no saibro e à sua ambição e vaidade ímpares (ainda não casou e nem teve filhos, o que é uma atitude egoista, não pensando na noiva, para se dedicar integralmente à sua carreira e à sua obsessão de ser o maior de todos os tempos). Para tentar ser o maior, porque o melhor ele nunca vai ser!

      Responder
        1. Marcelo Baiano

          Ele já marcou o casamento e desmarcou uma vez, pode fazer de novo. Mas espero que não, a noiva dele apóia ele a tanto tempo que merece não ser mais enrolada. De qualquer forma, acho que filhos ele não deve ter tão cedo porque ele não quer desviar a atenção da obsessão dele que é ganhar o maior número de Grand Slams possível!

          Responder
    4. Eu

      Ontem vc falou que nao preenche os tais requisitos que exige de nós quando escrevemos aqui.
      Hj vc vem falar da falta de bleza do jogo do nada.
      Fiquei confusa… entao o teu jogo deve ser muito mais bonito, né

      Responder
    5. Rafael Azevedo

      O problema é que a turma confunde técnica com velocidade e beleza nos movimentos. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.
      Jogar com velocidade é um tipo de técnica (o Federer é o melhor nisso, com certeza). Mas, existem diversas outras técnicas.
      O Nadal, por exemplo, é brilhante no FH, smash, voleio, drop shot, passadas com o adversário na rede, balões no fundo de quadra (rsrs), lobs, bate pronto, paralelas por fora da quadra, colocar bolas no pé do adversário quando este sobe à rede, etc (sem falar que o saque e o BH estão cada vez melhor)…Como pode-se dizer que este cara não tem técnica?? Só porque os movimentos dele não são tão suaves como o do Federer, ou porque o seu jogo não é tão veloz??
      Jogo feio?? Em todos os vídeos dos pontos mais espetaculares da história do tênis, sempre o jogador que mais aparece é ele.
      Precisamos reconhecer que cada um do Big 3 é absurdamente técnico, físico e mental. Ou não venceriam como vencem. É impossível!
      Enfim…esse papo eu nem dou mais importância. Só queria expor minha visão.

      Responder
  103. Artur Modolo

    Concordo com o Dalcim.

    O Medvedev é incrivelmente forte mentalmente, além de se movimentar de forma espetacular e ser capaz de manter um ritmo e até melhorá-lo durante o curso do confronto. Durante uma partida tão turbulenta emocionalmente, longa e exaustiva fisicamente, ele poucas vezes acusou o golpe. Quase sem fazer caras e bocas para as cãmeras.

    E pensar que na mesma semana teve todo o rolo com a torcida.

    Do que acompanhei até agora, ninguém da geração mais nova é tão estável em atitude (em quadra) e jogo quanto ele.

    (…)

    Nadal é uma lenda. Vai precisar de bastante descanso, uma partida como essa cobra os seus preços especialmente na idade em que ele está. No momento atual, o record de GS está totalmente em aberto.

    Nadal pode ganhar mais alguns ou nenhum, não ficaria surpreso em nenhuma das circunstâncias.

    Responder
  104. Marcelo-Jacacity

    E o n. 1 do Djoko foi para o espaço, já era.
    A única chance viável do Djokovic é a Francisca prender o Nadal na lua de mel até o fim do ano.

    Responder
  105. Marcelo-Jacacity

    Agora que o Nadal catimbou na devolução não foi brincadeira.
    Mas faz parte do jogo. O Medvedev queria sacar rápido e o Nadalito não deixava🤣

    Seguraaaa, agora encostou no Rogério🇨🇭
    Nadal já está no retrovisor, dando farol alto!

    Responder
  106. Marcelo-Jacacity

    Dalcim, parabéns pela cobertura ao longo de tantos anos, pelo post e pelo último parágrafo, preciso, acerca do Medvedev.
    👏🏻🎾

    Responder
  107. Marcelo-Jacacity

    Grand Slam do Big-3 por idade:
    Age 19:
    Rafa 1
    Fed 0
    Djoker 0

    Age 20:
    Rafa 2
    Fed 0
    Djoker 0

    Age 21:
    Rafa 3
    Djoker 1
    Fed 0

    Age 22:
    Rafa 5
    Djoker 1
    Fed 1

    Age 23:
    Rafa 6
    Fed 4
    Djoker 1

    Age 24:
    Rafa 9
    Fed 6
    Djoker 4

    Age 25:
    Rafa 10
    Fed 9
    Djoker 5

    Age 26:
    Fed 12
    Rafa 11
    Djoker 6

    Age 27:
    Fed 13
    Rafa 13
    Djoker 7

    Age 28:
    Fed 15
    Rafa 14
    Djoker 10

    Age 29:
    Fed 16
    Rafa 14
    Djoker 12

    Age 30:
    Fed 16
    Rafa 14
    Djoker 12

    Age 31:
    Fed 17
    Rafa 16
    Djoker 14

    Age 32:
    Fed 17 (2013)
    Rafa 17 (2018)
    Djoker 16 (2019)

    Age 33:
    Rafa 19 (2019)
    Fed 17 (2014)
    Djoker ?? (2020)

    Age 34:
    Fed 17 (2015)
    Rafa ?? (2020)
    Djoker ?? (2021)

    Age 35:
    Fed 17 (2016)
    Rafa ?? (2021)
    Djoker ?? (2022)

    Age 36:
    Fed 19 (2017)
    Rafa ?? (2022)
    Djoker ?? (2023)

    Age 37:
    Fed 20 (2018)
    Rafa ?? (2023)
    Djoker ?? (2024)

    Responder
  108. Paulo Almeida

    Droga, mordi a língua legal.

    Embora o Nadal tenha feito muita força pra perder, o russo teve seus méritos de aguentar até onde deu. Esse Slam acabou ficando pesado, embora o Medvedev ainda não tenha GS.

    Responder
  109. Nelson Maciel Filho

    Eu nunca torci tanto para o Nadal como hoje. O primeiro set foi difícil e vencido nos detalhes; o segundo set foi um passeio do espanhol. No terceiro set fui passear com o meu cachorro sabendo que o jogo estava decidido. Quando cheguei Nadal podia ter vencido, mas errou uma bola fácil e o Medvedev venceu o set, ganhou o quarto. No quinto achava que o russo venceria o seu primeiro Gran slan. Todavia, Nadal elevou o nível e venceu merecidamente. Foi uma das vitórias mais difíceis do tenista espanhol. Pra quem vaticinava que a sua carreira era curta, vemos ainda o Nadal muito focado e com as chances de ser o recordista de grand slan. Parabéns ao Medvedev pelo grande tênis apresentado. Parabéns ao Nadal pelo título e o conjunto de sua carreira formidável.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *