Russo de aço é última barreira para Nadal
Por José Nilton Dalcim
7 de setembro de 2019 às 01:16

Parecia impossível que Daniil Medvedev conseguisse sobreviver à dureza do US Open vindo de uma série preparatória tão longa na quadra sintética do verão norte-americano, ainda mais ele que jamais havia ido longe nos Grand Slam justamente por sentir dificuldade em ser sólido por tantos sets e dias consecutivos.

Mas ele conseguiu. E com folga. O emergente tenista de 23 anos, que também superou vaias da torcida e cãibras no meio da trajetória, demoliu pouco a pouco a impetuosidade de Grigor Dimitrov, a quem sobra talento mas falta consistência no plano tático. Medvedev atinge assim todas as finais que disputou nas últimas semanas, sendo vice em Washington e Montréal e campeão no Masters de Cincinnati. Acumulou 3.100 pontos até agora e, com justiça, será o quarto do ranking com vaga assegurada no Finals de Londres.

Os dois dias de descanso após a vitória sobre Stan Wawrinka, em que se sentiu frágil no primeiro set, funcionaram. Medvedev parecia totalmente fresco para o duelo de fundo de quadra contra Dimitrov. Mexeu-se muito bem até mesmo contra as bolas baixas de slice sempre chatas para quem mede 1,98m. Jamais se apavorou, mesmo tendo um set-point contra antes do tiebreak ou quando permitiu a reação de Dimitrov na metade do segundo set. Sangue frio foi justamente o que deixou o búlgaro na mão sempre na hora da pressão dos sets iniciais.

Quatro semanas atrás, na decisão de Montréal, Medvedev foi amplamente dominado por Rafael Nadal, um jogo em que o russo só conseguiu fazer mais aces do que o espanhol. Nas trocas mais longas de bola, ficou devendo. Na ocasião, reclamava já do desgaste de duas semanas seguidas de atividade, mas em seguida foi a Cincinnati e levou o título.

A única situação que pode atrapalhar o tetra e o 19º Grand Slam de Rafa pode ser a ansiedade da conquista. Golpe a golpe, ele tem tudo a mais que Medvedev. O russo pode apostar num primeiro saque muito forçado, mas seu jogo de rede é básico e não há muitas variações lá de trás.

Nadal levou um susto nesta sexta-feira e viu Matteo Berrettini lhe presentear com o tiebreak do primeiro set. O italiano, que entrou com uma proposta curiosa de esconder deixadinhas, se segurou até o tiebreak e aí fez 4-0. Perdeu um ponto bobo, deu azar num lob, mas ainda assim chegou a 5-4 com o saque e depois a dois set-points, quando então lhe escapou a coragem de antes e também uma escolha mais adequada de golpes.

Não acredito que Nadal teria corrido risco de derrota mesmo se o italiano tivesse feito sua obrigação de ganhar o primeiro set. Muito aplicado taticamente, Rafa explorou à exaustão o backhand instável de Berrettini, onde ganhou muito pontos sem esforço, e sacou muito bem, a ponto de perder apenas dois lances com o primeiro serviço em cada um dos dois primeiros sets e nenhum no último. No volume, sua vitória era uma barbada.

Para a história
– Medvedev é o terceiro profissional a fazer quatro finais no verão americano, repetindo Ivan Lendl (1982) e Andre Agassi (1995).
– Há 14 anos um russo não chegava a uma final de Slam, quando Marat Safin conquistou o AusOpen de 2005. O mesmo Safin foi o único russo campeão do US Open, em 2000, em cima de Pete Sampras. No feminino, Maria Sharapova (2006) e Svetlana Kuznetsova (2004) venceram.


Comentários
  1. Gildokson

    A Serena tem que dar um pulo aqui no blog pra igualar esse recorde de Slans. Aqui é facinho quebrar… que dirá igualar, igualar é moleza, Lola, Paulo Almeida e cia dão o caminho. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  2. Paulo Almeida

    Acho que uma coisa não ficou muito clara, então vou explicar melhor.

    Há os Slams fajutos por causa de lesões e amareladas e aqueles da entressafra. Naquela época não fazia diferença se fulano estava machucado ou se amarelou, já que o máximo de dificuldade oferecida era enfrentar o Andy Roddick.

    Portanto, não confundam alhos com bugalhos caso o Nadal vença de forma protocolar. Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa.

    Responder
  3. Rodrigo S. Cruz

    Olha,

    espero que o Medvedev consiga pelo menos equilibrar a balança que pende toda para o Nadal:

    retrospecto, status físico e experiência.

    Para ser sincero eu nem entendo como esse russo não sucumbiu antes.

    Não seria exagero dizer que ele arrancou algumas vitórias quase heroicas, nesse Grand Slam.

    Infelizmente para ele, justamente essa última partida tem todos os contornos de ser a mais exigente.

    O Nadal esbanja energia, tendo pegado a chave dos sonhos.

    Enquanto que pro russo já acende aquela luz amarela indicadora de gasolina na reserva.

    Agora é orar para que não ocorra pane seca…

    (rs)

    O russo até agora foi uma fortaleza mental. Isso é indiscutível.

    Só acho isso pouco para superar um Rafael Nadal, em uma final de Grand Slam.

    Mas como no esporte nada é impossível…

    Responder
  4. Diego Rodrigues Silva

    Acredito que seja difícil o Nadal perder o seu jogo, nos momentos mais deliciados ele soube jogar, o volume de jogo dele é impressionante e trocar bola da base com ele é suicídio, se quiser ter algum sucesso além de sacar muito e arriscar o russo terá que devolver muito bem e variar o máximo possível, resta saber se Medvedev está no seu limite, o teste pra ele é muito grande.
    Pra mim tanto Nadal quanto Djokovic vão passar Federer, agora começa a pesar os vices que Federer teve em slans anteriores.

    Responder
  5. Ronildo

    Não admiro o tênis de Medvedev. No masculino gosto dos estilos de Federer, Wravrinka, Tsitisipas, Dimitrov e Casquet. Mas sei que Medvedev tem um tênis eficiente.
    Acho que Medvedev tem chances contra Nadal, afinal Nadal não é mais um garoto. Uma coisa que gostei muito no Medvedev foi seu mental. Em Cincinnati trucidou Djokovic mentalmente. Tanto é que Djokovic entregou a partida quando estava sacando.
    Medvedev mostrou muita inteligência nestes últimos torneios. Se estiver bem fisicamente vai ser uma batalha.

    Responder
  6. Gustavo

    Mestre, boa tarde!

    Obrigado pela resposta anterior! Gostaria de fazer mais duas perguntas: 1) Quem você acredita que efetivamente ganhará o jogo amanhã? 2) E qual o aspecto mais importante para determinar as chances de cada um? Usando como exemplo, relembro que na SF do AUSOPEN 2014, todos comentavam que as chances do Federer dependiam de ganhar o primeiro set do Nadal. Impressões dessa natureza. Você também acredita que a única chance do russo é se vencer o primeiro set?

    Obrigado, abraços!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O favoritismo de Nadal é bem grande, porque basicamente são dois tenistas que tentam se manter consistentes da base até achar um buraco para o ataque. E isso Nadal faz melhor do que o russo. O elemento experiência também pesa muito em favor do espanhol e talvez a aposta de Medvedev seja na natural ansiedade do adversário. Pode adotar uma postura do ‘nada a perder’, mas ainda assim acho que ele depende de uma irregularidade que Rafa ainda não mostrou neste US Open.

      Responder
  7. Chetnik

    Vou ser sincero rs. Vou torcer pelo Russo. Mas se o Touro ganhar, o bom é que o recorde do Frauderer vai estar praticamente batido. Que delícia.

    Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Cada analista vai usar argumentos diferentes, e me parece todos válidos, como estilo de jogo, importância para o esporte, duelos diretos, longevidade, adaptação a diferentes pisos.

          Responder
          1. José Eduardo

            Excelente explicação, Dalcim. A análise sobre os melhores depende do critério adotado por cada um.. a esses quesitos que você mencionou, adiciono a imensidão da melhoria do material (raquetes e cordas) , a extinção dos pisos super rápidos e a versatilidade quanto ao arsenal de golpes. É justamente por esses fatores e alguns dos quais mencionastes, que coloco Lendl, Connors, Mcenroe, rosewall, nastase, newcombe, becker, edberg, acima de djokovic, agassi e nadal, por exemplo. Lendl foi um pioneiro quanto à importância do preparo físico e Connors , o pioneiro em atacar do fundo de quadra, partindo para a rede.. Connors, em 1996, há mais de quatro sem jogar profissionalmente, quase venceu o 26 do mundo na época, ao entrar num torneio do atp tour por convite. Aos 44 anos!
            Portanto, há indícios bem mais relevantes, na história do esporte, que tão somente o números de títulos.
            Connors, por exemplo, enfrentou de igual para igual a Laver, newcombe, rosewall, ashe, vilas, edberg, becker, agassi, lendl, mcenroe, stich, chang…são quatro gerações!
            abs.

          2. José Nilton Dalcim

            Concordamos, José Eduardo. A avaliação não pode ser meramente numérica. Se fosse, aliás, nem haveria discussões.

  8. Fernando Brack

    É realmente impressionante o que Medvedev vem jogando neste verão norte-americano. Fez um jogo bem sólido e foi muito frio contra o Dimitrov, quando eu imaginava que ele sucumbiria ao esforço das últimas semanas. Espero uma grande final, mas acho que ontem foi o fim da linha pra ele. Nadal tá muito bem e vai usar toda a sua experiência em decisões de majors.

    Responder
  9. Leonardo

    Dalcim, tenho achado o Nadal mais magro nesse torneio. Há um tempo atrás, o Cristiano Ronaldo fez um estudo e concluiu que precisaria perder 1kg/ano para se manter tão ágil e veloz quanto quando era mais novo. vocês acha que o Nadal pode ter feito algo semelhante? Ou talb=vez para sobrecarregar menos os joelhos nas quadras duras.
    Obrigado e parabéns pelo excelente conteúdo do site

    Responder
  10. Sandra

    Dalcim, vc não acha que o Nadal além de empatar ou passar Federer nos slam ele também não bateria o recorde de semanas se ele não ficasse tanto tempo contundido , se começar a fazer as contas Nadal joga 5 meses por ano , e estou boba como ele está jogando no segundo semestre sem contusoes

    Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Calendário, principalmente, Philip. Mas poderia ter feito adaptações táticas e trabalhar firme no peso para tentar diminuir o impacto sobre o joelho.

          Responder
    1. Jose Yoh

      Alguma coisa acontece há algum tempo, Sandra.
      A geração anterior não chegava nos 30 em condições de disputar final de nada. E olhe que durante muito tempo era só saque e voleio.
      Acho que da grana que eles ganham, boa parte vai para a recuperação do corpo. E não digo que seja dopping (pelo menos ilegal).
      Isso também poderia explicar o porquê da next generation se lesionar tanto. Não tem dinheiro.
      Veja o caso do Meldonium por exemplo. Foi banido mas era utilizado por vários atletas.
      Coincidência ou não vários se lesionaram depois disso.
      Fora câmaras hiperbáricas e outras invenções recentes que nem sabemos.
      Uma vez em SP eu vi o Tommy Haas sair correndo do jogo assim que terminou e foi fazer ergométrica durante um bom tempo. Alguém sabe o porquê disso?
      Só tô levantando a bola, não tenho provas nem conhecimento para afirmar nada. Mas que é estranho é.

      Responder
  11. Hugo Leonardo

    Olá Dalcim,
    Parabéns pelo Blog, comentários adequados. Mas vou discordar da onda Nadal 19 Spam. Pra mim dia 08/09/19 será marcado pela Ascenção de uma nova estrela: Daniil Medvedev.
    O cara até aqui aguentou longas trocas de bolas com Djokovic, Warinka, Dimitrov. Tem um saque muito mais efetivo. E outra, tem cabeça de campeão! não treme na hora da decisão.
    Assim, teremos um grande jogo! Será bom p/ o esporte a ascensão de novos jogadores.

    Responder
  12. Luis

    Dalcim deve rir com Lógico Gurukkk,acho que foi Medvedev que disse que Federer e’ um artista e Djokovic e’ uma máquina,Nadal também seria uma máquina rs ,tomara que russo vá bem e tenha uma chance de vencer

    Responder
  13. Rodrigo S. Cruz

    Será que foi só eu que achei esse Berretini uma ” aberração” ?

    Que TSUNAMI ou MAREMOTO teria feito um tenista tão ridículo atingir uma semifinal de Grand Slam?

    (rs)

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Não, infelizmente tenho que concordar com você.

      Esse tal de Berrettini é pesadão, lento e grosso ao extremo. Um Kyrgios piorado. Essa aberração ocorreu graças ao sorteio.

      Responder
  14. Rodrigo S. Cruz

    [Paulo Almeida]
    7 de setembro de 2019 às 00:10

    “Você “se esqueceu” do Andy Murray, como sempre. E de fato não existe cretinice maior do que diminuir um Slam vencido em cima do excepcional britânico no seu melhor ano”.

    Se a extensão das minhas cretinices pudessem ser “medidas” em quilômetros, as tuas seriam em PARSECS…

    kkkk

    O que eu postei nem é lá tão ilógico:

    Murray é freguezaço do Djoko e nunca foi um tenista de expressão no saibro.

    Bem diferente de querer excluir um CAMINHÃO de Grand Slams do arquirrival do teu ídolo, no patético exercício de provar que 16 > 20.

    Responder
    1. Alessandro Siqueira

      Ninguém tem a pretensão de provar que 16 > 20. Isso seria risível. Não se pode perder de vista, contudo, que esses 16 foram ganhos com Federer e Nadal sedimentados no circuito. Logo, se os 16 se deram na presença dos dois maiores, não soa estranho se questionar os maiorais.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Ok, beleza.

        É defensável a afirmação de que ganhar enfrentando o BIG 3 tenha um sabor mais especial.

        Porém, vamos guardar o mínimo de bom senso, né?

        Grand Slam é Grand Slam.

        E todos eles são muito difíceis de ganhar, para qualquer tenista que exista.

        A menos que o cara chegue a final por W. O em seis das setes fases…

        Eu sempre uso RG 2016 para esgrimir as provocações infantis.

        Mas porra, vamos combinar:

        O Djokovic foi o campeão e está acabado!

        Ninguém tira isso dele.

        O título sempre será contado com o mesmo peso de todos que ele ganhou ou venha ganhar…

        Responder
      2. Rafael Azevedo

        Isso é verdade. Mas, não deveria ser utilizado para diminuir os feitos do Federer. Disso que você falou, é insanidade concluir que 15>7. Os números são: 20, 18 (talvez 19) e 16. Sendo que o Djoko tem a brilhante expressividade de conquistar os seus GS vencendo os outros 2 membros do Big 3. Ponto final.
        Eu só fico pensando: quantos GS cada um teria se fossem de gerações diferentes? São os três maiores vencedores da história e só não vencem mais porque perdem entre si. Por isso, são os 3 maiores.

        Responder
    2. Paulo Almeida

      Naquele ano ele teve bastante expressão, assim como em 2015.

      Eu não excluí os Slams do Jagua, apenas dei o devido valor de cada um deles. E chegamos à conclusão óbvia de que 15 > 7.

      Responder
  15. Rodrigo Azevedo

    Fiquei sabendo que o Nadal desistiu da final de domingo, deu uma entrevista falando que esse Slam não tinha peso, por isso iria desistir…SQN KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    Na verdade não vê a hora de papar mais esse Slam…

    Responder
  16. Gustavo

    Bom dia, mestre!

    O quanto o jogo de Montreal há 1 mês pode pesar no emocional do russo antes de começar o jogo? Este jogo será revisto pelo técnico do Medvedev e quais as principais mudanças táticas que você vislumbra que o russo poderá trazer para surpreender o Nadal?

    Obrigado,

    Abraços!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que servirá mais de incentivo do que peso. Afinal, é difícil jogar pior do que ele fez em Montréal, levando meros três games e com um segundo set muito fraco. Acho que ele pode tentar surpreender com algumas curtas e talvez jogar um pouco mais perto da linha para proteger o backhand, mas não acho que fará nada muito drástico pelo menos dois dois primeiros sets. Abs!

      Responder
      1. Gabriel

        Já perdeu pra Wawrinka também na Final do Australian Open. Penso que o primeiro set é essencial amanhã. Se o espanhol ganhar, fica com muita confiança e a experiência pesará ainda mais. Tem palpite em sets para amanhã, Dalcim?

        Responder
  17. Arthur

    Como já tinha dito antes, parabéns antecipados aos torcedores di Nadal. Com esse 19º no USO, acho improvável que ele pelo menos não empate com o Federer, já que o título do próximo RG já está com ele antecipadamente também.
    Pelo menos veremos uma final mais digna com o Medvedev do outro lado da rede, e não essa coisa patética do Dimitrov. Se fosse o Robinho do tênis, seria um treino de 6×1, 6×0, 6×2. Com o russo, pelo menos há o risco de o Nadal perder um set.

    Um abraço.

    Responder
  18. Rafael Prado

    Bom lembrar que quem deu os primeiros presentes no tie-break foi o espanhol, uma dupla falta, e uma madeirada de esquerda na torcida. Só pra constar. De resto Nadal sempre esteve superior da partida, justo resultado!! Joga muito bem esse italiano, veremos ele mais vezes no circuito.

    Responder
  19. Jonas

    Essa final não deve ser lá muito empolgante.

    Nadal deve vencer sem muitos sustos. Não vai ser aquele atropelo de semanas atrás, mas o Nadal deve ter o controle do jogo.

    O Russo é ótimo jogador. Mas deu um pouco de sorte de chegar a final…já que Novak e Federer jogaram claramente lesionados. O próprio Medveved não vai estar 100% nessa final.

    Responder
  20. V Maurício

    Apesar de Nadal ser favorito, creio que Medvedev leva esse título. Vejo ainda um Nadal muito errático e mais tenso e nervoso do que eu imaginava. Tenho notado também o espanhol cometendo um número alto de duplas faltas. Será que há uma explicação razoável pra isso? Mas se Nadal levar, acho que ele passa Federer em Slams. Se não ganhar amanhã, acho que empata, no máximo.

    Responder
  21. Valestra

    Acho que vai ser uma boa final, disputada, mas deve dar ROCKY, ops, Nadal, mas o DRAGO, ops, Medvedev, pelo menos tem no que se agarrar, como algumas pequenas vaciladas do Nadal nos jogos contra o PEQUE e o BERRETTINI. Ele parece ter uma auto-confiança (que beira a prepotência), que talvez o faça ter calma para não perder as chances que tiver de fechar um set.

    Responder
  22. Leonardo Faria

    Bom dia Dalcim

    Estou aqui em NY e acompanhei in loco as duas semifinais.
    No jogo Dimitrov x Medvedev, o que eu destaco foi a consistência do russo, tanto de direita quanto de esquerda e, além disso, a bola dele estava bem funda. Dimitrov tem todo o arsenal de golpes mas lhe falta tanto consistência tática quanto mental. Na hora do aperto ele entrega.
    Já no Nadal x Berretini, creio que por ser o primeiro jogo entre eles, Nadal não conseguia ler o saque do italiano no primeiro set, tanto que ele ganhou 86% de pontos com ele, ajudando-o a sair de momentos de pressão várias vezes. Ele tem uma direita muito boa, mas a esquerda é fraca (para enfrentar Nadal). O tiebreak foi tenso e, por melhor que seja o Nadal, ele teve muita sorte em não perde-lo. Berretini havia acertado todos os drops até então e foi errar um justamente no set point. A perda do primeiro set desanimou muito o italiano e, depois da quebra de saque, pareceu favas contadas a vitória, tanto que fui embora após a vitória do segundo set.
    Domingo estarei na final e depois escreverei minhas impressões.

    Um abraço

    Responder
  23. Mario Fagundes

    Não vejo Nadal tão absoluto contea Medvedev na final de domingo. Apesar da dúvida quanto ao físico, percebo que o russo está muito mais confiante do que em Montreal, quando acusou problemas físicos. O quesito mental será findamental para que ele consiga a façanha de vencer 3 sets de Nadal, que demonstrou instabilidade em seu jogo contra o nanico argentino e também frente à Berretini no primeiro set da semi. Tenho dúvidas se Medvedev perderia as chances que esses dois tiveram contra o espanhol. Prevejo uma partida decidida nos detalhes.

    Responder
  24. Wilson Roxha

    Dalcim, que nível chegou o tênis, um jogador com um golpe tão pífio quanto o backhand desse italiano, conseguir atingir semi final de slam.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Pois é, mas ele tem outros recursos para compensar, Wilson. Não fica muito longe do Tsonga, por exemplo, que joga num estilo bem parecido.

      Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Sim, mas lembre-se lá no começo da carreira dele que o backhand o deixava muito mais na mão quando pegava alguém que o atacasse muito ali. E infelizmente ele tem voleado cada vez menos… rsrs…

          Responder
  25. Edi

    Já li aqui a cada rodada de us open que o Russo tá desgastado,que não vai aguentar ,mas ele vai se superando,na minha opinião,se o físico aguentar,e eu acho que aguenta,ele ganha esse slan,pra mim tá jogando bem melhor que o Nadal,que quando se vê acuado se manda pro fundo da quadra só se revendendo com seus balões carregados de spins.
    Ontem,discordo do Dalcin,se o italiano tivesse ganho o primeiro set,que deixou escapar por erros dele e não pelo Nadal ter feito algo,o jogo seria outro,acho que o italiano levaria.

    Responder
  26. Nelson Maciel Filho

    Medeved e Nadal foram os mais consistentes e melhores tenistas do Us open. Mereceram com folga chegar a final. Creio que o jogo vai ser muito parelho. Todavia, creio na vitória do Nadal.

    Responder
  27. Eric

    Berrettini teve a chance de levar um set, mas não deu.
    Depois faltou a consistência que nadal tem de sobra.

    Mestre Dalcim, achei curioso um desafio do Nadal no primeiro set que foi cantada fora. O hawk eye mostrou que havia sido MUITO dentro (o que causou indignação de Berrettini, que indicou a outra marca). Me estranhou porque o juiz de linha teria errado por muito.
    Seria possível a tecnologia errar a análise da marca da bola referente àquela situação?

    Obrigado.

    Responder
      1. André

        Na ESPN, qdo mostraram o replay, fiquei com a impressão que aquela era a marca da bola logo após a devolução e não do saque… achei estranho esse desafio mesmo!!

        Responder
  28. Artur Santos

    Grande Nadal…superou um primeiro set difícil em que o oponente mostrava muita confiança! Acredito no título e uma aproximação perigosa do recorde de Federer.
    Esses três são demais, uma pena ver as pessoas criticando a desistência do Djoko e principalmente as vaias da torcida naquele momento tão complicado para ele, o sérvio merece muito mais do que as pessoas que assistem tênis lhe entregam. Eu acho o Djoko um cara fantástico por lidar tão bem com o fanatismo que todos têm pelo Nadal e Federer, acho muito injusto, mas não julgo….afinal as pessoas fazem suas próprias escolhas e temos que respeitar.
    Pode ser que no final dessa época de ouro alguém fale que o Federer foi o maior, outros digam que foi o Nadal ou o Djoko, mas a verdade é que os três são esplêndidos, muito acima dos jogadores que existiram no passado.
    Sou Djoko, mas vou torcer para o Nadal, porque decidi apoiar o melhor, eu sei que será legal ver o Russo ganhar, mas quero ver a luta pela maior coroa do tênis (os Slam’s) ficar mais acirrada o que aumentaria ainda mais a vontade desses três caras de superar uma ao outro.
    Se vocês pararem para pensar, estamos vivendo a época de ouro do tênis, com três caras jogando em altíssimo nível e uma mulher (Serena) do outro lado também fantástica.
    Go Nadal, Go Djoko e Go Federer, vocês são exemplos de pessoas e esportistas da era atual.
    Ver o exemplo que o Federer deu ao mundo ao perder a final de Wimbledon e o Djoko ao ganhar aquela final e se comportarem tão educadamente é de se espantar….as pessoas não notam isso, esses exemplos, mas vale sempre lembrar como é importante ser educado, resiliente, vencedor e perdedor dignamente e os dois em Wimbledon mostraram isso naquela batalha excepcional.
    Bom, espero que o Djoko melhore e que o Nadal chegue bem no final da temporada, pq aí teremos o maior ATP Finals da década.

    Mestre Dalcim o calor talvez prejudicaria Nadal?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não acredito, Artur, porque afinal o Medvedev supostamente está bem mais desgastado e seria até mais difícil para ele se as condições de umidade estiverem muito altas.

      Responder
    1. Marcelo-Jacacity

      E com isso a liderança do ranking do Djokovic vai para o espaço em breve. Nadal fatalmente terminará a temporada na liderança do ranking, nada mais justo, foi o mais regular.
      Infelizmente, essa lesão do sérvio atrapalhou muito, sem contar que não foi bem em boa parte da temporada.
      Apesar de tudo isso, os torcedores do Djoko não tem do que reclamar. Dois títulos de Slam, ótimo, principalmente por ter derrotado seus principais rivais históricos nas finais: o espanhol, tendo sido massacrado na Austrália e o suíço com mais um 40/15 inesquecível e desmoralizante.
      Agora é aguardar Novak, quando e se voltará ao circuito cem por cento saudável para o último sprint da temporada.

      Responder
  29. Marcelo-Jacacity

    SeBORRRAtini, que entregada no primeiro set, hein! Contra o Monfils, foi a mesma coisa…Acho que o italiano não iria vencer o jogo se tivesse ganhado a parcial inicial mas quem sabe como seria o desenrolar da partida.

    Responder
  30. Luiz Fernando

    Depois do Charles Kings assinar a ficha de filiação na torcida nadalista e do Brack estar discutindo os termos de sua rendição, falta agora o momento supremo… a virada de casaca do Lógico. E como ele mesmo disse, não está aguentado a pressão, ontem ele já ensaiou um pedido de filiação, disse q apelou para Deus e o Diabo sem sucesso, pensou em suicídio, enfim torna-se claro q vive um momento de depressão, angustias e incertezas, precisa de um título de GS pra “chamar de seu” e readquirir o prazer pelo esporte. Ele vem se comportando melhor, pois trocou Star Trek por Star Wars, quem sabe o Obi Wan não o converta, embora eu tenha certeza q ele seria um aprendiz bem mais rebelde que o Anakin Skywalker; talvez uma atuação conjunta com o gigante Mestre Yoda tivesse mais chance ser bem sucedida kkkkkkkkkkkk. Lógico, estamos esperando vc de braços abertos kkkkkkkkkkkkkkkk!!!!!!!!!

    Responder
    1. Efraim Oliveira

      Os maiores feitos do ano até o momento: Nadal defendeu um título fora do saibro, e Carlos Reis + O Lógico virando a casaca. Falta a Sônia, dos mais ferrenhos.

      A virada do Brack não é de agora, desde a disputa da décima conquista Nadal por Roland Garros que ele declarou torcida ao espanhol, ele disse que estava torcendo pra ver alguém conquistar ‘lá décima’.

      Responder
  31. Luiz Fernando

    Grande partida do Rafa ontem, cheguei de viagem no final do primeiro set e passado o início adverso do tiebreak ele dominou as ações. Dois detalhes positivos: não teve caimbras e os ENF reduziram-se drasticamente em comparação com a partida contra o Dieguito. O terceiro, e a meu ver principal no q tange a domingo: Rafa aparenta estar inteiro fisicamente, jogou 5 ao invés de 6 partidas até o momento, nenhuma com duração longa, ou seja, está em plena condição de fazer seu estilo, sua tática de jg amanhã, quando, a meu ver, jogará balançando o russo para os lados da quadra, essencialmente como fez com Anderson em 2017. O russo chega a sua terceira final seguida de um grande torneio com amplos méritos, mas é um jogador de fundo de quadra, e o único cara q pode encarar Rafa jogando desta forma é o Djoko; serve muito bem, mas sinceramente acho bem improvavel aquela tatica suicida de sacar o primeiro e o segundo a 125 mph dar certo de novo. Para piorar, não está inteiro fisicamente. Em resumo: Nadal franco favorito, mas meu pai dizia sempre: o jogo é jogado e o lambari pescado. Falta pescar o último peixe…

    Responder
  32. Mário Cesar Rodrigues

    Bom dia Dalcim e a todos. O bachand do Berretine fraco ele é um ótimo jogador. O que eu acho que devamos entender é a maneira como jogam contra caras como Rafa para se ter chances com Rafa tem que acertar linha defender como louco e sacar e nem resp
    Irsr pq se abrir uma breca tchau não consegue.o Russo joga do jeito que Rafa gosta troca de bolas aí um abraço. Saudações. Bom dia a todos

    Responder
  33. Eduardo Silva de Oliveira

    Olá Dalcim,

    Rafa tem desempenho impressionante no tênis. Em todos os Slams indo sempre longe, além é claro, da conquista de RG que já é de praxe. Tudo isso é fruto do seu trabalho sério e respeito pelo esporte. Ele é um grande exemplo a ser seguido pelos jovens que hoje sonham com títulos.

    Rafa está muito descansado e é favorito absoluto ao título amanhã contra o Medvedev mas, vamos assistir ao combate e esperar que seja uma grande partida.

    abraços!

    Responder
  34. Allan Fonseca

    Bom dia, Dalcim.

    Aproveitando que a final é contra um russo, gostaria de fazer uma pergunta técnica: o que tinha Davydenko, para conseguir uma superioridade tão grande contra Nadal em quadras duras? Se não me engano, o confronto entre ambos, considerando apenas tal superfície, é de 6×1 para o campeão do Finals 2009 (contando os jogos no saibro, o H2H é 6×5). Trata-se de um número assombroso!

    Quanto ao jogo de domingo, não vejo por onde Medvedev possa incomodar o espanhol. Cravaria 3×0 para Nadal, sem maiores surpresas, embora torça por um jogo mais disputado. Em todo caso, em 2014 também achava que Wawrinka não teria chances, na Austrália, e o suíço queimou a minha língua. Vai que o russo vem com um plano tático ousado e dá um pouco de sorte. Nunca se sabe!

    Obrigado pela atenção!

    Um abraço,

    Allan

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O placar nas duras ficou em 5 a 1, Allan. Acredito que era a soma de dois fatores: Davydenko jogava muito perto da linha de base – e veja que é assim que o Djokovic também joga – e tinha uma notável capacidade de mudança de direção pegando bolas na subida, aliás um dos tenistas que melhor fizeram isso dentro todos que vi no circuito. Abs!

      Responder
  35. Efraim Oliveira

    Que mental fraco do italiano, ele já havia feito a mesma coisa contra o Monfils, e quase pôs tudo a perder; foi repetir a dose contra Nadal, foi atropelado.

    Impressionante a fortaleza mental que é o Nadal, ele dificilmente perde o foco do jogo e nos momentos decisivos não costuma falhar.

    Quanto Medvedev acho que o jogo dele é exatamente aquilo que Nadal ama fazer, que é longas trocas. Vejo Nadal bastante favorito… agora é aguardar o desfecho.

    Responder
    1. Jose Yoh

      Sem dúvida é a diferença dele para os outros. O mental do Nadal faz qualquer um parecer fraco.
      Até com Federer foi assim durante muito tempo.
      Hoje, creio eu, superou a barreira mental.

      Responder
  36. Sérgio Ribeiro

    Tática perfeita , uma pequena dose de sorte no tie-break , e um abraço como previmos. E o homem de aço, cai amanhã. Medvedev enrolou Dimi legal , com poucos Winners e uma escolha de golpes superior ao instável Búlgaro . O suficiente para por a Next Gen numa FINAL de USOPEN depois de tanto tempo. Mas a meu ver , chegou no limite . Basta o Espanhol vencer o primeiro Set que o jovem Russo desaba. Rafa Nadal deve atingir o décimo nono SLAM com todos os méritos, e contra o Cara que venceu CINQUENTA partidas até agora na Temporada. Um grande exemplo pra aqueles fakes que infestaram o Blog com suas asneiras diárias. Muitos cabeças caíram , e isso em nada desmerece a Conquista. O mesmo vale para Serena amanhã. Pelo menos , essa é a minha opinião. Abs!

    Responder
  37. Paulo Almeida

    É triste ver bagres como Dimitrov e Berrettini em semifinal de Slam, mas o tal do sorteio possibilita coisas desse tipo, além de lesões e pipocadas, claro.

    Responder
        1. Paulo Almeida

          Que lesão? Até perder o quarto set, o Jagua não tinha nada. Ainda foi tratar da tal lesão com o jogo empatado. Foi mais um vexame, assim como vários outros.

          Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      O Almeida não está de todo errado.

      Eu discordo que o Dimitrov seja bagre.

      Mas invariavelmente se porta como um…

      Joga bonito, tem um belo arsenal, mas também tem cérebro de GELEIA.

      O Federer precisou se esforçar como nunca antes, para conseguir perder desse sujeito.

      Agora, esse tal de Berretini, pelo amor de Deus.

      O que que um PANGARÉ desses faz numa semi de Grand Slam?

      Ficou o jogo todo empurrando bolinha pro outro lado, sem nem tentar atacar o Nadal.

      É óbvio que seria engolido!

      Responder
  38. Maria izabel

    Medevedv jogou muito contra Dimitrov,mas parece que ele evita subir muito para poupar suas dores.
    Dimitrov, errou muito o que facilitou ainda mais para o russo.
    Espero grande jogo no domingo.Penso que Nadal não é de cometer tantos erros e como esse cara sabe sair de 15/40 e virar.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Não sei a sua idade , Cara Isabel. Mas o Suíço fez isso ao longo de sua brilhante carreira Quinhentas vezes. Vir agora questionar sua capacidade em sua provável penúltima temporada , depois de duas décadas brilhantes, é um pouquinho demais. Federer venceu as últimas SEIS partidas contra Nadal fora do Barro. Com direito a virada em 5 Sets no AOPEN 2017. Onde a comentarista estava ? Ps. Esse comentário é relativo às suas observações no Post anterior . Abs!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *