No tranco
Por José Nilton Dalcim
27 de agosto de 2019 às 01:27

Se alguém ainda tinha dúvidas do quanto pesou para Roger Federer a derrota em Wimbledon, a estreia no US Open respondeu tudo. Assim como aconteceu em Cincinnati, há duas semanas, o suíço se mostrou pouco à vontade, apressado e impaciente. O desastre de 2018, quando caiu numa noite de calor infernal para John Millman, não se repetiu porque o indiano Sumit Nagal não tem experiência nem consistência, e permitiu que pouco a pouco o número 3 do ranking pegasse no tranco.

Os números do primeiro set foram tenebrosos: 19 erros em 10 games, apenas 10 winners com 48% de primeiro saque. Demorou 1 hora para Federer enfim jogar num nível decente para o tamanho de seu jogo, mas ainda assim saiu de quadra com sete duplas faltas e apenas 66% de sucesso nas 50 tentativas junto à rede. Totalizou 61 winners e 57 erros, e isso diante do 190º do mundo que dias antes quase se despediu no quali diante de João Menezes.

Tomara que tenha sido o tal resfriado que se comentou nas mídias sociais – nenhum jornalista em Nova York confirmou até agora, 1h20 da manhã – e que Federer consiga se soltar diante do bem mais rodado Damir Dzumhur.

Novak Djokovic também não fez uma apresentação brilhante. Na verdade, me pareceu que o sérvio claramente jogou com o freio de mão puxado diante de Roberto Carballes, procurando fazer o suficiente para uma vitória sem sustos. E conseguiu. Forçou estritamente quando era necessário, não permitiu um único break-point e ainda aproveitou os bons golpes de base do adversário para buscar ritmo. Aliás, o atual campeão garantiu com todas as letras: não viu quadra mais rápida, nem bola mais leve. Tudo absolutamente igual a 2018, exceto claro (e felizmente) o clima bem mais ameno.

A outra expectativa do dia era o reencontro entre Serena Williams e Maria Sharapova, que já foram símbolo máximo do tênis-força feminino. Porém outra vez a russa se mostrou bem pouco competitiva. Teve lá suas chances de apertar, mas não aproveitou os cinco break-points construídos. O placar de duplo 6/1 talvez tenha sido até cruel demais, porém ratificou que o poder de fogo de Serena continua muito superior. Se servir de consolo, Sharapova cometeu apenas três duplas faltas. Riccardo Piatti vai ter muito trabalho para recolocá-la nos trilhos.

Resumo do dia 1
– Três cabeças deram adeus no masculino: Fognini, Pella e Fritz. O italiano se mostrou desanimado diante do sacador Opelka.
– Boas atuações da nova geração. Vitórias de Medvedev, Coric, Garin, De Minar e Kecmanovic, atuações acima da média de Jannik Sinner (tirou um set de Wawrinka) e Zachary Svajda (16 anos, levando Lorenzi ao 5º set).
– Quatro qualis e dois lucky-losers avançaram, entre eles o polonês Kamil Majchrzak, 23 anos, que tirou Jarry no quinto set.
– Thiago Monteiro fez seis games muito animadores, mas aí teve serviço quebrado e perdeu totalmente o rumo, dominado pelo também canhoto Bradley Klahn.
– Kerber e Garcia foram as primeiras cabeças a se despedir. Pliskova passou apertado em dois tiebreaks contra a quali Martincova e Barty levou 1/6 antes de dominar Diyas.
– Sem muita força no masculino, as norte-americanas se saíram bem. Além de Serena, avançaram Keys, Kenin, Venus, Davis e McNally.
– O resultado mais contundente foi o 6/1 e 6/0 que Sakkari deu em cima de Giorgi, vice no Bronx no sábado.

Destaques
– A postura ofensiva de Madison Keys chama a atenção desde Cincinnati. Na estreia do US Open, totalizou 27 winners, sacou acima dos 190 km com média de 170, ganhou 9 de 12 subidas à rede. Promissor.
– Aos 17 anos, Jannik Sinner é mais uma preciosidade do renovadíssimo tênis italiano. Encarou Wawrinka com personalidade, ganhou apenas 12 pontos a menos na partida e foi mais vezes à rede. Precisa trabalhar um pouco mais o forehand para diminuir os erros não forçados e aumentar a potência do saque, já que mede 1,88m.

Para a história
Ao contrário dos outros Slam, o US Open jamais viu um campeão na Era Profissional que tenha vencido todos os sets disputados. O último a conseguir o feito foi o australiano Neale Frase, em 1960.


Comentários
  1. Luiz Fernando

    Rafa fez um jg bem burocrático, diria ate monótono em alguns momentos (calma Mario, não se exalte), mas sob controle do começo ao fim. Errou mais do q eu esperava, mas bem longe do recorde de ontem a noite na mesma quadra, que por sinal hj estava mais cheia q na segunda feira. De muito positivo achei o serviço e o BH, com clara evolução do FH no decorrer do jg. Vendo a partida fica difícil acreditar q o australiano venceu o Federer ano passado, pois é um jogador bem mediano, sem golpes contundentes…

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Agora que o comentarista foi descobrir que o Cara e’ mediano , caríssimo L F ? Você acompanha qual Circuito ? rs Somente um motivo pra citar Federer . Até na quadra mais cheia kkkkkkk Na boa. Não vejo nenhuma diferença em relação aos seus amigos da Kombi . O Suíço e’ quase que uma obsessão rsrsrs Abs!

      Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Até tu , Rodrigo rs Shapovalov ( TOP 33 ) devolveu ao seu compatriota ( TOP 19 ) , a derrota em Sets diretos do MASTERS 1000 de Madri 2019. O fraquinho está num Ranking melhor que Roger e Novak na mesma idade . E pode anotar. Backhand de uma mão, tanto no Masculino quanto no Feminino, não veremos mais no Top 3 , nem com a aposentadoria de todo o Big 3 . A conferir! Abs !

      Responder
  2. Paulo Almeida

    Decidi mandar três Slams peso pena de cada vez para não poluir muito. Vamos lá:

    Wimbledon 2003

    R1: Lee???
    R2: Koubek???
    R3: Fish kkkkkk
    R4: López kkkkkk
    QF: Schalken???
    SF: Roddick kkkkkk
    F: Philippoussis kkkkkkk

    Australian Open 2004

    R1: Bogomolov Jr.???
    R2: Morrison???
    R3: Reid???
    R4: Hewitt kkkkkk
    QF: Nalbandian kkkkkk
    SF: Ferrero kkkkkk
    F: Safin baladeiro 84º do mundo kkkkkkk

    Wimbledon 2004

    R1: Bognadovic???
    R2: Falla???
    R3: Johansson???
    R4: Karlovic kkkkkk
    QF: Hewitt kkkkkk
    SF: Grosjean kkkkkk
    F: Roddick kkkkkkk

    Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        E o “ magistral “ Comentarista sabe quantos Ex – N 1 do Mundo foram eliminados antes da Final ? Não sabe , né mane’ . Agassi , Ferrero , GUGA , Kafelnikov , Hewitt , Safin . Num total de SETE. Não contando o debutante Rafa Nadal ( caiu na terceira rodada ). Esse comentário atesta a sua intimidade com essas figuras fanáticas. Você também virou parrudinho ? Kkkkkkk Abs!

        Responder
          1. Sérgio Ribeiro

            Sei ,… E é também uma criancinha mimada. O comentário foi sobre Tênis , mané. Nada a ver com hetero e outras babaquices ao seu estilo. Como não tem coragem de voltar ao Aposentado , Cansadao , de 2013 , resolve se unir aos ” parrudos ” kkkkkkk Abs!

      1. Paulo Almeida

        Na verdade seu amigo Cruz que é obcecado com o Rolanga do Djoko. Só resolvi pagar na mesma moeda mostrando os Majors risíveis do Fregueser.

        Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      (rs)

      Mas que TIRO NO PÉ!

      Vários dos citados comporiam um TOP 10 mais forte do que o atual.

      E eu achando que ele viria com alguma provocação boa.

      Que dó…

      Responder
  3. Sandra

    Dalcim, porque o juiz não pode abrir a boca, e os jogadores podem criticar os juízes a vontade? E outra coisa , vi alguns tenistas como Verdasco e outros passarem por cima dos adversários enquanto isso Djokovic, Zverev , Federer , que pegaram uma primeira rodada fáceis , foi uma dificuldade

    Responder
  4. Paulo Almeida

    Thiem, Tsitsipas, Bautista e Khachanov caíram na primeira rodada e Zverev não rodou por pouco.

    Se a chave pro Nadal já era a mais teta de todas, agora virou nível challenger. Revoltante!

    Responder
  5. Fedex

    Dalcim, Federer jogou muito mal no 1° set, mas não foi tão mal nos outros 3, mas quando podia fechar o jogo teve problemas mentais novamente, Wimbledon tem pesado…
    Vc não acha que o indiano jiu muito bem, principalmente na parte defensiva?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Com certeza, o indiano jogou com muita vontade, como não poderia deixar de ser. O forte dele é a parte defensiva, mas também conseguiu umas belas paralelas.

      Responder
  6. Davi F. Poiani

    Muito interessante o comentário da Serena Williams que eu li agora em uma matéria do TenisBrasil: “Não sei como, mas sua bola cai exatamente na minha zona de golpe. É uma coisa que não dá para explicar e acaba sendo uma situação perfeita para mim”.

    Isto pode oferecer aos admiradores do tênis uma dimensão ampliada a respeito de questões bem sutis do jogo. Dos leves ajustes que um tenista de alto calibre tem de fazer para enfrentar determinado oponente. O porquê do jogo de um tenista se encaixar melhor com outro. Claro que há outros fatores como a velocidade da quadra, mas isto também explica por exemplo alguns tenistas darem mais trabalho para o Djokovic e não tanto para o Nadal, ou vice e versa.

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Exato.
      Nós que somos boleiros de finais de semana, sabemos exatamente qual o adversário ideal para o jogo. E também temos aquele que, por mais limitado que pareça ser, vai nos vencer.

      Responder
  7. Sônia

    Seres criticando Sharapova (nem gosto dela) sobre o atropelamento, sobre a ausência do tal meldonium, mas esquecem da escapadinha da bolotona para o tal “quarto do pânico”, esquecem da listinha “divulgada” pelos russinhos onde o instituto responsável concede para alguns privilegiados “tratamento diferenciado”. Seres criticando a má fase DELE (não precisa provar nada pra ninguém), a ausência de fãs DELE aqui nesse blog, mas esquecem que ELE é o cara, sem ELE, nada mais tem graça, sem ELE os outros são os outros e só, sem ELE… JS, NS. Esses seres já detonaram trocentos blogs legais, na torcida aqui Dalcim que não consigam acabar com o seu blog também. Beijos.

    Responder
  8. Luiz Fernando

    Thiem com uma profusão de erros, inclusive na nova cor do cabelo, que ficou bem feio kkk, perdeu merecidamente. Zé Verev ja voltou ao seu velho habito, de se desgastar de forma absurda nos primeiros jogos dos GS, até os comentaristas brincam com isso…

    Responder
  9. Pedro

    Dalcim,

    Eu ia escrever um assunto parecido, logo no meio da partida do suiço, porém você escreveu o artigo e antecipou. Há alguns artigos atrás você havia comentado sobre a confiança do suiço, depois de Wimbledon. Até agora está difícil de aceitar aquela derrota para ele mesmo em Wimbledon, porque ele entregou o jogo. Agora, se você pensar que ele poderia ter ganho o maior campeonato do tênis, em cima do número um do mundo, que está jogando em grande fase, seria um feito notável, algo realmente grandioso. Não é ganhar Austrália em cima de um top 5, é Wimbledon em cima do Nole. Uma oportunidade única, que o faria maior do que ele já é. E saber que ele entregou o jogo porque não teve mental para fechar, é algo muito complicado. Como ele já tinha feito isso antes, em outros torneios, pensei que ele fosse se recuperar, mas parece que este título de Wimbledon era algo muito especial para o suiço. Está completamente fora de jogo. Talvez seja a hora dele realmente se aposentar. Até porque a sua torcida não quer ver mais um papelão como o que ele fez em Wimbledon, tendo 40×15 e 4 saques para fechar o campeonato. Nem o Nadal e nem o Nole perderiam uma dessas. Já está na hora. Terá o lugar na história, não precisa mais provar nada. Ele já deu a entender que nem vai para as olimpíadas. E neste ano, o que sobra? US Open? Muito difícil. Finals em Londres? Não é Wimbledon. Está na hora da aposentadoria, ainda este ano.

    Responder
    1. Jose Yoh

      Perdão, discordo. Chegar tão perto aos 38 anos contra um adversário muito mais novo em plena forma e em 5 sets já mostra o que ele é capaz de fazer, e foi muito além do que qualquer um poderia apostar em WB.

      Responder
  10. Rodrigo S. Cruz

    [Jonas]
    27 de agosto de 2019 às 09:32

    “Fui claro. Murray é um tenista que dá trabalho pro Djoko em Roland Garros, isso é fato, não importa o retrospecto geral entre eles”.

    É.

    Nós vimos que ele dá um trabalho HERCÚLEO pro Djokovic mesmo…

    Tanto que das 6 partidas no saibro, o Djoko só perdeu uma.

    kkkkkk

    Responder
        1. Chetnik

          Relaxa, pelo tanto de discussão que você se mete aqui e pelo tanto de ar que você pega, tua vida não parece ser das mais agradáveis e divertidas. Não tenho nenhum interesse em cuidar dela.

          Responder
  11. JAN DIAS

    FEDERER claramente ainda abatido, desconcentrado e descalibrado, mas conseguiu vencer. Fisicamente me parece também ainda estar se recuperando de W19…

    Responder
  12. Miguel BsB

    Eu torço para estar errado, e, como disse anteriormente, espero que o Federer consiga dar a volta por cima e esqueça o quanto antes (de preferência já nesse USOPEN) àquela derrota na final de Wimbledon.
    Mas, dessa vez, infelizmente, acho que o colega Chetnik tem razão quando disse que, depois daquela vitória, o Djokovic não só roubou o troféu, como tb a alma do Suíço…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Miguel,

      O Chetnik é um cara inteligente.

      Mas quando o assunto é “FEDERER”…

      Putz!

      Você já pode direto pegar o documento e arquivar na letra ” B “…

      De ” bullshit”.

      Responder
  13. Luiz Fernando

    Essa atp é uma verdadeira piada, aliás de péssimo gosto, demite um árbitro conceituado e respeitado por uma entrevista e não suspende um cafajeste e mau-caráter que cospe em direção a outro.

    Responder
  14. Paulo Almeida

    Alguns torcedores do Fregueser sumiram porque o momento do suíço é ruim e não por causa dos torcedores do Djokovic. Os modas são assim mesmo: na boa aparecem e na ruim somem. Simples assim.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Pfff.

      Você só não sumiu ainda porque o momento do “Chochovic” é excelente.

      O tênis dele pode ser chocho e sem graça, mas é ganhador.

      No dia que deixar de ser, você nunca mais volta aqui.

      Oremos…

      Responder
      1. Paulo Almeida

        O tênis dele é maravilhoso e não aquela coisa tenebrosa que o JaGUAT da Montanha mostrou ontem e contra o Rublev.

        Não sumirei nunca, afinal torço para o GOAT e sempre terei os melhores argumentos para defendê-lo e educar federetes sem noção.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          E de onde você tirou que precisa ser um BIG 4, para ser um “alguém” no tênis?

          Ô mentalidade escrota, viu…

          Eu me pergunto o quanto de sucesso você atingiu na tua profissão, para chamar finalistas de Grand Slam de “ninguém”.

          Pff…

          Responder
  15. JAN DIAS

    Meldonium mandou lembranças! Vergonhosa a partida da Sharapova… eu sei que seu tênis sempre foi limitado à pancadaria, mas ela sequer conseguiu incomodar a Serena. Só bolas fracas no meio da quadra, nenhuma mobilidade lateral, nenhuma reação emocional…acho que pra ela já deu…

    Responder
  16. Jonas

    Federer mostrando o quanto o mental pesa no jogo de tênis. Há alguns aqui que negam isso. Essa derrota vai doer por muito tempo.

    E pra quem acha que ele perdeu pra si mesmo na final de Wimbledon, como se fosse fácil fechar um jogo, leiam as declarações do próprio Federer.

    Federer diz que a devolução de saque se tornou primordial no tênis moderno. “Sem isso, não há vitórias, simples assim. Claro que não é tão importante quanto o saque, mas é surpreendente como as devoluções evoluíram nos últimos 20 anos. Não existe mais uma forma segura de sacar e dominar o ponto”.

    Deve ser “fácil” fechar uma final de Wimbledon contra um tal de Djokovic do outro lado, simplesmente o melhor devolvedor da história.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Ainda bem que desta vez você disse : ” nos últimos 20 anos ” . Os grandes Sacadores sofreram muito com André Agassi. O Sérvio já pegou a ridícula padronização. Embora tenha realmente a melhor devolução de todas. Quanto a sentir derrota , já tem experiência suficiente pra passar por cima. A de 2008 em Wimbledon, ele pois no mesmo patamar ( quebraria todos os recordes anteriores ). Como jogou muito mal pós férias , soltou o braço ontem. Um caminhão de Winners e de ENFS. E precisou sair de um 0 x 40 na hora de fechar. A sorte ajuda a quem trabalha. Abs!

      Responder
      1. Jonas

        Claro que ele é experiente. Mas negar que isso abalou ele…tá de brincadeira né.

        Essa deve ter sido a pior derrota da carreira. Acho até pior que a do Australian Open 2009.

        Responder
      2. Jonas

        Na verdade foi o Federer que disse Sérgio.

        Admitindo o quanto a devolução evoluiu. Eu imagino o quanto é difícil sacar pro jogo contra um Agassi, Djokovic ou Nadal do outro lado. E olha que na derrota em Wimbledon ele não cometeu dupla falta…foi total mérito do Djoko que ainda deu uma passada linda.

        Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Foi esquisito e improvável…

      O Federer jogou muito mal, principalmente no 40 iguais e no break-point.

      Entregou o game numa bandeja de PRATA.

      A verdade é essa.

      Responder
      1. Jonas

        Não é lá muito improvável perder o saque jogando contra o Djokovic. E nesse jogo o sérvio deu várias entregadas. Como no 4-2 no quinto set.

        Responder
    3. Mauro

      Dizer que Federer perdeu pra ele mesmo é um exagero, mas é óbvio que o suíço foi melhor que o servio a maior parte do jogo, os números dizem.

      Responder
    4. Jose Yoh

      Também acho o sérvio o melhor devolvedor da história, mas ele deve muito à tecnologia das raquetes/cordas e à velocidade das quadras, penso eu.

      Responder
      1. Luiz Fabriciano

        Mas José, todas as qualidades tecnológicas citadas por você, estão disponíveis à todos os tenistas, ou não?
        Por acaso a Wilson não ficou anos trabalhando em uma raquete exclusiva ao genial Federer?

        Responder
        1. Jose Yoh

          Quis dizer da história.
          Agassi por exemplo não usufruiu a tecnologia de hoje, então devolvia com um pouco menos de qualidade.
          Acho que não há dúvida que hoje em dia é mais fácil devolver uma bola do que na época do Borg, mesmo o saque ficando mais rápido.

          Responder
  17. Everton Weslley

    Dalcim, fazendo uma comparação entre os Majors…

    Dos 4, o US Open é o que necessita mais do físico por se tratar de final de temporada?

    Ou se equilibra com o Aussie pela questão do clima e por ser inicio da temporada?

    Perdão pela pergunta amadora. Abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, o US Open é bem exigente na parte física. Além do desgaste da temporada, acontece no verão norte-americano, que por vezes é muito desgastante. Nova York também é bem úmida. Então sim, acredito que seja um dos Slam mais desafiadores, Everton.

      Responder
  18. Isac Martins

    Dalcim,

    Pensando num possível confronto a frente na competição, pode-se dizer que Djokovic começou melhor do que o Federer no US Open. Será que Djokovic deixou de ser plenamente intenso devido as bolhas nos pés?

    Outra pergunta: Li agora que a ATP demitiu o árbitro Steiner por ter concedido entrevistas sobre o privilégio de ter sido o árbitro da final de Wimbledom. Enquanto isso, Nick Kyrgios sofreu apenas as multas referente seu comportamento em Cincinnati. Desconheço as regras para os árbitros, mas não parece que a ATP pegou pesado em um caso e aliviou bastante no outro?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      São casos distintos e não sabemos o histórico por trás do problema com o Steiner, mas certamente me surpreendeu. Quanto ao Djokovic, sim, ele pode ter jogado com menor intensidade por conta das bolhas, embora garanta que não haja problemas.

      Responder
  19. Mauro

    Jonas, não levo conta apenas h2h, finais e etc, pois senão poderia argumentar que Stan, Kyrgios, Roddick são melhores que Novak, mas não são.
    Na minha opinião tanto Federer quanto Nadal são melhores que Novak, pois tem melhores golpes e etc.

    Responder
  20. rafael

    Mestre, perfeito os comentários. O Nole claramente estava buscando ritmo e sequer sofreu brake points, o que ratifica que seu saque evoluiu bastante bem como os voleios. Além disso, está bem rápido de pernas. Já o Federer demorou para engrenar e a sorte é que seu próximo adversário não deve lhe causar maiores trabalhos.

    Responder
  21. Edi

    Quanto ao jogo dos suíços,se fossem invertidos os adversários, não sei se com aquela falta de vontade do Federer,ele conseguiria passar pelo jovem italiano.

    Responder
  22. Miguel BsB

    Parece que sem o Meldonium, a Sharapova perdeu a força…foi amassada e jogada de um lado pro outro sem dó por uma Serena bem acima do peso.
    Acho que ela não volta mais nem perto do que já foi…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Mas mesmo na melhor época da carreira da Sharapova, ela nunca conseguiu nem “arranhar” a Serena.

      É como se o tênis da russa tivesse sido feito SOB MEDIDA para agradar a americana.

      Como apanha…

      Responder
  23. Edi

    Bom dia Dalcin,
    Li agora a pouco sobre a demissão do árbitro argentino de cadeira da final de wibledon 2019, supostamente por ter dado entrevistas demais após a final.
    Sabes se foi isso mesmo o motivo?existe alguma regra pra os juízes não darem entrevista? Ou tem algo por trás dos panos,pois pelo que.me consta, trata-se de um árbitro gabaritado e com muito conceito entre os jogadores.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, os árbitros só podem dar entrevistas quando autorizados, isso está nas normas. Ainda assim achei estranho, talvez haja algum caso de reiscindência.

      Responder
  24. Mauro

    Federer também jogou muito mal as duas primeiras rodadas em Wimbledon. Vamos aguardar os jogos grandes, que vão dar uma ideia melhor da real motivação do suíço.

    Responder
  25. Sandra

    Dalcim , a Serena está gorda ou são músculos? Ela poderia dar um pouco para Sharapova !! E normal estar tão magra quanto a Sharapova?parece mais magra que o normal

    Responder
  26. Eduardo

    Olá, Dalcim. Você ainda vê a Sharapova como alguém que pode ser competitiva no circuito? Acho que ela hoje mais vive de fama e de atividades fora das quadras do que jogando tênis, somando pontos nos torneios e buscando retornar à elite. Comparando ela com outras mais veteranas que tentam voltar aos melhores momentos, vejo muito mais foco de Azarenka, Kuznetsova, Venus, etc.
    Abs
    Eduardo

    Responder
  27. Miguel BsB

    Sugiro que, dadas as correções gramaticais que estamos presenciando no blog, elejamos o grande Nadalista Mário Cézar o editor de texto oficial dos comentários…contamos contigo Marião! Rs
    Brincadeira amigo, não me leve a mal (mal com L e sem crase, pela inexistência de artigo definido feminino)

    Responder
  28. André Barcellos

    Obviamente Federer não jogou bem. Mas tem a questão de adaptação, que hoje em dia é muito mais severa pra ele do que já foi.
    Claramente estava tentando calibrar, mas o indiano já vinha com ritmo.
    Apesar disso, Foi atropelo no segundo e terceiro sets.
    Em Wimbledon ele começou perdendo set .
    Na Austrália ele começou jogando mal nas duas últimas vezes que jogou por lá.
    Ontem me pareceu querendo encurtar os pontos a qualquer custo, e como não estava dando certo, ficou um pouco frustrado e contrariado.
    Além de cortar os ENF dos dois lados, ainda pode sacar muito melhor..
    Sua dificuldade de se locomover lateralmente (para a direita, principalmente) vai se acentuando a cada ano.
    Vejo isso há uns dez anos, com alguns períodos de ligeira melhora.
    Vejamos…

    Responder
  29. Renan Vincius

    Federer tem que se lascar mesmo! Não acredito até agora que ele conseguiu a proeza de perder 2 MP na final de WB, seu piso preferido, e olha que torci por ele na final, mas jamais um cara do nível dele poderia tremer daquele jeito.
    Vamos ver agora se ele tem “sangue no zóio” pra sair desse buraco emocional.

    Responder
  30. Léo Flávio

    Dalcim, foi uma pena o brasileiro Menezes ter desperdiçado a chance de um confronto contra o maior de todos.. tinha o jogo dominado contra o Nagal e entregou a rapadura!! parabéns pela síntese da 1º rodada

    Responder
  31. Mário Fagundes

    Não acredito que a derrota na final de Wimbledon tenha sido o fator preponderante no errático jogo de Federer na estréia do USO. Para mim, apenas trata-se de falta de ritmo, o que ele vai adquirir ao longo do torneio, sem dúvida.

    Responder
  32. Ramon mota

    Que partida tenebrosa do Federer, mas acredito que ao longo da semana seu jogo melhora. Até a 4R seu jogo ja ta calibrado, sorte que a chave até lá não é perigosa.

    Responder
  33. Rodrigo S. Cruz

    [Paulo F.]
    26 de agosto de 2019 às 21:04

    “Murray treme pro Djokovic sim, tanto que foi em cima dele que ele ganhou 2 de seus 3 Slams.
    Outra b… de falácia fedtard.”

    Tá.

    Se eu sou Fedtard, você é o que ?

    FEDAL com 16 x 24 você chama de:

    “vergonha”, ” paternidade” e outras depreciações.

    Mesmo o Federer tendo vencido 6 dos últimos 7 encontros.

    Agora, o Murray perde 25 num total de 36.

    Sendo que 14 das últimas 17 vezes, e não treme?

    Tá bom.

    Eu parei com você…

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Apelidar o Nadal de “robô” não coloca em cheque o fato dele ser um GRANDE jogador.

        Não apreciar o estilo, não significa duvidar de sua capacidade.

        Ele é um dos gigantes.

        Tanto que tem 18 Grand Slams…

        Responder
    1. Paulo Almeida

      Falar que o Murray treme pro Djokovic é o mesmo que falar que o Federer treme pro Nadal. Vamos anular os Slams que o espanhol venceu despachando o suíço, afinal era um freguês que já entrava derrotado em todos os jogos.

      Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Apenas pela burrice do suíço de enfrentar o Nadal milhões de vezes no SAIBRO.

          Única razão.

          Além disso, fica pra você o lembrete:

          Se vale fornecer dados desatualizados, cite o do “Chochovic”que chegou a amargar 13 x 6 pro Federer…

          kkkk

          Responder
  34. DANILO AFONSO

    Faltam 45 semanas para NOVAK torna-se recordista de semanas na liderança do ranking e uma semana para superar a marca de 266 semanas de Jimmy Connors.

    Responder
  35. Rodrigo S. Cruz

    [Paulo Almeida]
    27 de agosto de 2019 às 01:27

    “Beleza.
    Depois (se eu tiver saco) posto os adversários que o Federer pegou em seus 13 Majors peso pena. Vai ser muita risada garantida pros membros do blog”.

    Heein ??

    Você junto com a “horda” rindo das próprias palhaçadas?

    Até na BÍBLIA tem previsão:

    ” Pois qual o crepitar dos espinhos debaixo da panela, tal é o riso do tolo”. (Eclesiastes 7: 6)

    Quero ver você postar essas m***** e arrancar risos é de quem entenda de tênis!

    Aí sim.

    Poderia ser do Djokovic em pessoa.

    Diferente de você, ele sabe dar a honra devida às realizações alheias…

    Responder
      1. Fabiano

        Mas como fala merda esse tal “Paulo Almerda”.
        Bem, o nome já diz tudo.
        Te conforma cara, Federer sempre foi e sempre será o mestre absoluto do tênis. Não é um jaguara como tu que vai fazer que o patovice penta-vice sejá amado.

        Responder
        1. Paulo Almeida

          Coitado desse carinha aí. Não recebeu educação em casa e mal deve ter completado o ensino médio.

          De qualquer forma, Frauderer sempre será o rei da entressafra. Aceite que dói menos, TRIVICE de Wimbledon.

          Responder
  36. Rodrigo S. Cruz

    Uau!

    O Federer esteve irreconhecível hoje. Quantos erros!

    Só controlou bem o jogo porque o tal do Nagal ainda está engatinhando no circuito.

    Precisa melhorar o quanto antes, se quiser ter a menor esperança de título.

    Ou melhora, ou volta para casa mais cedo do que se pensa…

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *