Quem segura o Big 3?
Por José Nilton Dalcim
22 de agosto de 2019 às 19:35

Numa disputa todo pessoal pelo recorde de troféus de Grand Slam, Novak Djokovic, Rafael Nadal e Roger Federer conheceram nesta quinta-feira a chave do US Open e não podem reclamar muito. Principalmente o espanhol. Ele viu Federer ficar no mesmo lado de Nole, o que era certamente a maior interrogação do sorteio desta quinta-feira.

Não se pode dizer que a trajetória de Djokovic seja das mais simples, com possível duelo contra Sam Querrey na segunda rodada, Kevin Anderson ou Stan Wawrinka nas oitavas e reencontro com Daniil Medvedev nas quartas. Mas isso está longe de tirar dele o favoritismo ao título. Ao contrário, jogos progressivamente exigentes são um caminho ideal para quem quer entrar fisicamente em alta e muito focado na reta final de um Grand Slam.

Medvedev seria talvez sua maior barreira, já que Anderson não fez qualquer preparativo devido a contusões e Wawrinka não tem se mostrado competitivo. São os dois nomes mais experientes do quadrante, um com título, outro com final no torneio. Vindo de campanha excepcional, o russo precisa tomar cuidado com Taylor Fritz na terceira fase. Fabio Fognini e Nikoloz Basilashvili são candidatos a enfrentá-lo em eventuais oitavas, ainda que o italiano veja estreia muito perigosa diante do gigante Reilly Opelka.

A menos que esteja novamente mal treinado, Federer vislumbra uma chave excepcionalmente boa para confirmar sua vaga na semi, onde Lucas Pouille surge como possível oponente de terceira rodada; David Goffin, de oitavas; e Kei Nishikori, de quartas. O japonês anda com cotovelo comprometido e também deu sorte, já que Cristian Garin, Borna Coric e Milos Raonic não assustam.

A escalada de Nadal promete ser curiosa, com adversários muito distintos entre si. John Millman, aquele que tirou Federer em 2018 fica no fundo; Thanasi Kokkinakis é grande sacador, o canhoto Fernando Verdasco adora um quinto set. Daí podem vir John Isner ou Marin Cilic, que não estão em bom momento. Karen Khachanov se candidata a adversário de quartas e aí sim me parece um homem capaz de dar problemas ao espanhol. No ano passado, foram quatro duríssimos sets.

O único quadrante sem Big 3 também se tornou o mais atraente de todos, até porque não dá para cravar Stefanos Tsitsipas, Dominic Thiem, Roberto Bautista ou Nick Kyrgios como favoritos. O grego aliás pegou uma sequência daquelas: estreia contra Andrey Rublev, pode ter Gilles Simon, depois Kyrgios para então cruzar com Bautista. Mas o espanhol também tem primeiro jogo chato diante de MIkhail Kukushkin. De qualquer forma, me parece que o sobrevivente deste grupo todo estará nas quartas, já que Thiem, Gael Monfils e Felix Aliassime estão num nível inferior no momento.

Equilíbrio no feminino
Na tentativa de defender seu título e o número 1, Naomi Osaka até que não se saiu mal no sorteio: Carla Suárez, Belinda Bencic, Kiki Bertens são as cabeças mais lógicas na sua trajetória. Quem pegou uma chave complexa foi Simona Halep, que provavelmente tenha de passar por Barbora Strycova, Bianca Andreescu, Sloane Stephens ou Petra Kvitova rumo à semi.

Embaixo, há também boa expectativa de equilíbrio. Ash Barty ficou no quadrante de Angelique Kerber e Serena Williams, enquanto Karolina Pliskova foi colocada no setor de Madison Keys e Elina Svitolina, que podem duelar entre si nas oitavas. Mas também está por ali Venus Williams, jamais descartável.

Serena x Sharapova
O destino brincou na chave feminina, ao colocar o duelo de campeãs entre Serena Williams e Maria Sharapova logo de cara. Será o 22º confronto entre elas, com placar de 19-2 para Serena, que não perde desde 2004. Jamais haviam se cruzado em Flushing Meadows.

Grandes jogos
A primeira rodada masculina tem alguns jogos que poderiam ser finais de ATP 250, como Tsitsipas-Rublev, Aliassime-Shapovalov, Berrettini-Gasquet, Kyrgios-Johnson, Struff-Ruud, Klizan-Cilic, Fognini-Opelka, Fucsovics-Basilashvili, Fritz-López, Kohlschreiber-Pouille, Pella-Carreño ou Jarry-Raonic. Estou prevendo muito quinto set.

No feminino, me parecem especialmente interessantes Azarenka-Sabalenka, Potapova-Gauff, Riske-Muguruza, Konta-Kasatkina e Kerber-Mladenovic.

Monteiro e Menezes: esperança
Embora o piso sintético não seja seu habitat natural, o canhoto cearense Thiago Monteiro escapou dos cabeças na primeira rodada e tem chance real diante do atleta da casa Bradley Klahn, de 28 anos e atual 108 do mundo, a quem o brasileiro venceu no ano passado. Se avançar, Monteiro deve reencontrar Nishikori, para quem caiu em Wimbledon.

A excelente notícia foram as duas vitórias de virada de João Menezes em seu primeiro quali de Grand Slam, o que prova mesmo seu momento de ascensão técnica e emocional. A vaga será decidida contra o indiano Sumit Nagal, de 22 anos e 190º do mundo, a quem mineiro já derrotou duas vezes em três sets, mas no saibro. O campeão pan-americano já embolsou US$ 32 mil e somou 16 pontos (serão US$ 58 mil e 35 pontos se entrar na chave). Ele só tem 8 pontos a repetir até o fim do ano.


Comentários
  1. PIETER

    Caro Dalcim, a pergunta que teima em não calar: quem você acha que vai igualar primeiro o recorde de 20 Slams conquistados do Federer, Nadal ou o Djokovic? Porque penso que são favas contadas isso acontecer…

    Responder
      1. PIETER

        Sim, concordo com você. Até porque para o espanhol só faltam 2 títulos. E ele sempre será o maior favorito, disparado, em RG enquanto estiver jogando saudável.

        Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, eu já tinha visto pequenos trechos dele, mas sem dúvida é um fenômeno. Pode ser uma tendência do tênis, assim como um tenista ter backhand tanto de uma como de duas mãos. Vamos ver o quatro ele progredirá. Obrigado, Marcelo!

      Responder
      1. Alessandro Siqueira

        Já que ele só tem forhand, não duvido que comece a sacar com qualquer uma das mãos. Geraria uma grande confusão para quem recebe o saque, não?!

        Responder
          1. Marcelo

            Verdade! Reparei isso dos saques alternados também! Agora, a dúvida que fica é: será que ele já era ambidestro desde pequeno, ou será que desenvolveu essa habilidade quando começou a jogar tênis? De qualquer forma, é incrível isso que ele faz. Espero que ele evolua e apareça entre os melhores, pois só por esse fato, ele já é um fenômeno!
            Muito obrigado pela atenção, Dalcim!
            Abração!

  2. Mauro

    Na verdade, os números das placas indicam a quantidade de neurônios dos torcedores que as levaram, que é até mais que a quantidade de um ou outro torcedor do servio que comenta aqui.

    Responder
  3. Evaldo Moreira

    Aiiiaiiiiii
    Lá vem o russo dizendo merdas, mas já!?.
    Nem curtiu ganhar o master 1000 direito, e vem dizendo que pode ganhar de qualquer um!?. Já vi esse tipo de comentário por aí é sei bem no que deu.
    Menos né Deniil Russo kkkkkkk, cada uma viu.

    Responder
  4. Maria izabel

    Dalcin,o que você entende por uma pessoa mal caráter?Li vários comentários dizendo ser Rafael Nadal mal caráter. Para mim,essa palavra descreve uma pessoa que é desonesto,rouba,está sempre querendo puxar o tapete do outro,não respeita a família etc.
    Pelo que sei,Nadal é excelente filho,namora e vai se casar com a mesma garota desde os quinze anos,paga impostos,não rouba,é sensato em suas opiniões, faz suas doações em off etc.
    Como pode ,pessoas que não o conhecem (também não o conheço, mas nunca li nada sobre escândalos sobre ele),ter a capacidade de dizer isso dele,ou de qualquer pessoa que não se tenha certeza?
    Tenho minha preferência pelo Federer, mas jamais vou desqualificar,Djocovick e Nadal.
    Gostar ou não do tipo de jogo ,não leva pessoas a denominarem os outros de mal caráter (aliás, isso também não é ser nobre de caráter).
    Enfim,que venha US OPEN e apresente jogos incríveis.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Exatamente. É preciso intimidade ou um enorme conhecimento de pessoas muito próximos ao indivíduo para uma definição tão pesada como essa. Mais um dos absurdos da geração internet, Maria Izabel.

      Responder
    2. O LÓGICO

      Eu já defendi e defendo que o robozinho satânico tem um profundo mal caratismo esportivo. Fora do esporte, deixo a vida dele à espreita do L Falling in Love kkkkkkk e do M C apaixonado kkkkkkkk. Ser mal caráter, nesse sentido, não significa ter que participar de corrupção no esporte ou pegar a carteira do Roger Angel, por exemplo kkkkkk. Significa, entre outras coisas, um cinismo sistemático em descumprir regras básicas do esporte, e, sem dúvida alguma, o que é mais sério, aproveitando-se do poder que tem pelo nome que tem. Pegue, como exemplo, toda a celeuma que foi criada em respeito às atitudes da Serena na final do USO 2018. Há um documentário passando na ESPN sobre a questão que é bastante interessante e suscita muitas questões a serem analisadas e debatidas. A questão central apresentada passa pelo fato de a Serena ter recebido instrução de seu técnico em momento crucial da partida, onde a regra do COACHING lhe foi aplicada. A questão de fundo, e onde chego no mal caratismo do robozinho, é que toda a discussão orbitou em torno de ser o descumprimento dessa regra uma atitude mal caráter, de má-fé, dito pelos próprios tenistas. Agora, pergunto: é ou não verdade que o robozinho recebe instrução, na cara dura, do seu staff? E o Tio Tonnie Brasco kkkkkk, assumiu que passava instrução para o sobrinho na cara dura. Se quiserdes mais exemplos de mal caratismo do Robozinho, pedes me kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Lógico,

        Nesse caso se usa “mau” com “u”.

        Pois é o contrário de “bom”.

        (bom caráter)

        Mal com “L” é usado quando significar o contrário de “bem”.

        Responder
  5. Luiz Fernando

    Estou de pleno acordo c Willander de q Aliassime e o grego são dois futuros campeões, mas daí a vaticinar que ambos vencerão 15 ou mais GS tem uma grande diferença. Basta lembrarmos q com mais de 15 GS temos apenas 3 jogadores, p se ver como atingir essa meta é complicado; o sueco deve ter visto o passarinho verde…

    Responder
  6. Oswaldo E. Aranha

    Dalcim, o que será que está acontecendo com o Shapovalov, que surgiu como um futuro tenista líder e agora tem feito erros incríveis e não demonstra persuasão em seus jogos?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que ele não dosa adequadamente seu jogo, Oswaldo, e precisa de uma orientação melhor. Ele contratou Mikhail Youhzny para ajudá-lo nesta série de torneios nos EUA.

      Responder
    2. Evaldo A Moreira

      Boa noite, tudo bom Oswaldo e Dalcim
      Vi esse jogo ontem, me impressiona como o Shapivalov nao evoluiu em nada o seu jogo, me desculpe, minha opinião e vendo esse jogo, endossa aquilo que venho faalndo , o garoto não tem variacao , nao usa nem os slice direito, tudo na força e exagera, espero que o russo possa ajudá lo, do contrário, ficará estagnado.

      Responder
  7. Paulo Almeida

    Aqueles torcedores do GOAT que levaram as plaquinhas 40-15 2011/2019 em Cincinnati têm que aparecer no US Open. Esse tipo de zoação é completamente válido.

    Responder
    1. Ronildo

      Não acredito que teve gente com a visão tão baixa sobre a vida que levou placas como estas! Estou estarrecido.

      Sempre torci por uma aproximação e amizade entre os dois! Para o bem de ambos e do circuito.

      Porém, estas atitudes, mais algumas de membros da família de Djokovic mostram que é impossível um dia haver amizade entre Federer e Djokovic. Triste.

      É meu modo de ver as coisas.

      Responder
      1. Jonas

        Eu acho que é muito claro que Djoko e Federer não se gostam nenhum pouco.

        Já o Nadal parece ser mais na dele. Parece que a maioria gosta do espanhol, tirando o doente do Kyrgios.

        Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Concordo.

      Porque serve para lembrar que o bode sérvio tem nada menos do que 2 Grand Slams vencidos na mais pura cagada!

      Ou seja, na prática o GOAT tem 22 slams e o falsário tem 14.

      Abs.

      Responder
    3. Paulo Almeida

      Curioso é que alguns caras que aplaudem as palhaçadas do Kyrgios ficam com raiva de uma coisa bem mais leve só porque é contra o Federer. Hipocrisia é foda.

      Responder
    4. Márcio

      As placas foram de torcedores do Djokovic,alusivas a vitória dele sobre o Federer, por que em outra ocasião o suíço teve o match point e também não conseguiu vencer,da mesma forma que aconteceu em Wimbledon esse ano. Por isso as placas,no jogo do Djokovic, mas tirando um sarro com o Federer.

      Responder
  8. Luiz Fernando

    Alem da nextgen de tenistas, parece q temos uma nextgen de blogueiros bobos ou de fakes, caras q vem aqui falar de esquemas de favorecimento e outras babaquices do gênero. Se formos olhar com isenção a formação das chaves, quem tem o caminho teoricamente mais tranquilo ate as semis? Federer claro, cujo principal adversário seria o genial moto-vivo japa; quem tem a pior chave? Djoko, sem duvida. Rafa teria uma chave intermediaria em dificuldade. Agora basta lembrarmos de W2013, quando o Dalcim publicou um post intitulado “Grupo da morte”, referindo-se ao sorteio q punha Rafa e Federer no mesmo lado e com adversários duros no caminho. E o q aconteceu? Nadal saiu na estreia e Federer no R2, perderam para caras inexpressivos, ou seja, qualquer tipo de facilidade ou dificuldade deve ser ratificada na quadra, esquemas que ditem resultados existem apenas nas cabecinhas ocas e doentias de alguns…

    Responder
    1. Marcílio aguiar

      Luiz fernando, nessa questão eu penso parecido e concordo com sua explanação. Eu vivi o suficiente para saber que em toda atividade humana sempre tem alguns que buscam favorecimentos ilícitos e obviamente no esporte não é diferente, mas vai uma grande distância em procurar desonestidade em tudo ou criar teorias conspiratórias a todo instante. O Big 3 tem mais de 12 anos disputado palmo a palmo todos os slams. Sera que o curriculum de cada um não é suficiente para provar que não precisam de algo excuso para vencer? Torço pelo Federer mas acho que o Nadal vem muito forte. Saiu do Canadá muito bem, aparente inteiro e descansou/treinou duas semanas.

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Os dois pegaram chave “baba”, tanto o Federer como o Nadal.

      Diferente de Wimbledon, em que só o Nadal que se ferrou.

      Portanto, inexiste favorecimento.

      Acontece que os cabeças 1 e 2, frequentemente, pegam chaves mais fáceis que o cabeça 3.

      Mas também não é sempre.

      Tanto que agora justamente o Djokovic que é o cabeça 1 foi quem pegou a chave dura.

      Responder
    3. Márcio

      Ah babaquice é dizer que odeia o Federer porque ele ganhou o australian open 2017, logo vc vir com esse tipo de cobrança com as torcidas, isso não cola. Galera fazendo análises das chaves com relação ao seus jogadores prediletos, não chega perto de ficar anos escrevendo que o suíço é cansadao, aposentado dentre outras agressões ridículas e inoportunas. E isso durante anos!
      Já dei a dica,aproveita que existe a mala do kigriios e extravasa essa sua raiva ali,no australiano fanfarrão.
      Quê isso também não se repita, espero.

      Responder
      1. Luiz Fernando

        Talvez pra vc o q cole sejam os comentários meigos do Lógico, a comemoração singela do Marquinhos pela cirurgia de apendicite do Nadal ou os também comentários singelos do falecido Renato acerca dos adversários kkk. Detalhe: não me lembro de ver vc criticar o teor destes posts ou chama-los de babacas, pq será?

        Responder
      1. PIETER

        Ele, Federer, declarou em entrevista ao site da ATP que sente-se mais bem preparado, este ano, para o US Open e que ter perdido precocemente em Cincinnati pode tê-lo ajudado a treinar mais e entrar mais atento no US. Ressaltou as dificuldades com o clima de lá mas colocou-se entre os candidatos ao título.
        A despeito do seu natural e óbvio otimismo, comungo da opinião do Dalcim de que a crescente lentidão das quadras, mais o calor e a brutal umidade de NYC podem sabotá-lo, principalmente aos 38 anos de idade.

        Responder
  9. Bartolomeu

    A incrível consistência do Big 3 é o que aniquila os demais jogadores em slams.

    A não ser que aconteça uma extraordinária zebra, para alguém de fora do Big 3 ganhar um slam (vamos pegar a atual chave do US Open) por exemplo ele vai precisar vencer, no mínimo, dois integrantes do Big 3.

    Se alguém derrotar o Nadal, por exemplo, e chegar à final, provavelmente vai encontrar Federer ou Djoko na final.

    E, no outro lado da chave, fica ainda mais difícil. Em tese o azarão precisaria derrotar Federer ou Djoko até as quartas, encontrar o outro na semi, e topar com Nadal na final.

    E aí que pega, essa é a última fronteira, a fronteira final, derrotar os Big 3 na sequência num grand slam, o desafio que ninguém consegue superar, e vão se sucedendo gerações.

    Responder
    1. Rafael Azevedo

      Exatamente. Esse é o problema da atual geração do tênis. Você entra em um torneio onde 3 dos 5 melhores tenistas da história estarão jogando (e em alto nível). Mesmo que 2 deles falhem ou tenham dias ruins contra adversários especificos (o que já é uma combinação improvável), ainda tem o terceiro…é osso, viu. Por isso a maioria se contenta com quartas de finais.

      Responder
      1. Rafael Azevedo

        Apesar de que não necessariamente um vencedor fora do big 3 tenham que derrotar no mínimo 2 deles. Na verdade, ele pode ser campeão até mesmo sem enfrentar nenhum deles. Basta que percam antes, pra outro adversário. Mas, aí é que está a improbabilidade: para alguém fora do big 3 ser campeão, pelo menos 2 integrantes do big 3 tem que ser derrotado por alguém que não seja um próprio rival do big 3.

        Responder
        1. Bartolomeu

          Seria o torneio dos sonhos ser campeão de slam sem cruzar com pelo menos um representante do Big 3.

          O único que teve tal facilidade, vamos definir assim, foi o Murray em Wimbledon 2016, que foi campeão na final contra o Raonic e viu Federer, Nadal e Djokovic serem eliminados por outros tenistas.

          Por outro lado, nunca um tenista foi campeão de Slam derrotando todos os membros do Big 3.

          Wawrinka na Austrália em 2014 venceu Djokovic e Nadal e na França em 2015 derrotou Federer e Djokovic. E o Del Potro em 2009 em NY foi campeão vencendo Nadal e Federer.

          Palmas para eles

          Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      O Kyrgios é uma pedra bruta que talvez conseguisse, caso estivesse 100% disposto a pagar o preço.

      Mas teria de evoluir até ser lapidado…

      Responder
      1. Sandra

        Ele não vai conseguir chegar muito longe , vai começar com as encrencas muito antes de nós imaginamos e a atp vai continuar a passar a mao na cabeça dele

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Pois é, sandra.

          Uma pena que ele aja sempre assim.

          Se ele quisesse poderia ir longe na carreira.

          Se o Dimitrov conseguiu um ATP Finals, imagine o Kyrgios que é ainda mais jogador…

          Responder
          1. João ando

            Uma pedra bruta e um bronco que vai ser lapidado a o que um cascalho…John macenroe era assim e chegou a vários títulos pois amadureceu coisa que o jogador de basquete nao vai …

      2. Alessandro Siqueira

        O australiano, para conseguir isso, precisaria cuidar, antes de tudo, da postura, e aqui falo da coluna. “Morgado” como é, dificilmente consegue jogar duas semanas, em melhor de 05 sets, sem o corpo pifar. Ninguém que olhe para ele diz que ali há um atleta.

        Responder
  10. Marcilio Aguiar

    Não vejo a hora de começar o USOPEN e as partidas se decidirem na quadra. Já está enfadonha essa lenga-lenga de favorecimento em sorteio para tenista A, B, ou C a cada novo torneio. Afinal vai vencer quem estiver mais preparado. Torço pelo Federer, mas acho que o Nadal vai chegar babando e em forma. Fora do Big 3, acho que o Medved, pelo histórico recente, pode dar trabalho, mas não passa das quartas contra o Djoko e Thiem pode chegar até a semi. No feminino torço por Madson Keys e Petra Kvitova, mas acho difícil uma delas vencer.

    Responder
  11. Maria izabel

    Saíram as chaves do US OPEN!Como não sou muito de querer cruzar confrontos ,para tentar adivinhar quem vence,além de não ser boa em adivinhação;vou esperar para assistir e espero me deliciar com bons jogos.O Big Three sempre entram como os possíveis campeões. Eu penso que tem que ser jogo a jogo.Wimbledon para mim, foi uma aula de o último ponto é determinante e foi muito frustrante.Quero ver ótimos jogos.É esperar as primeiras rodadas para se ter alguma noção. Sei bem ,que no tênis nada é impossivel.

    Responder
  12. Pedro

    Dalcim,

    Estava revendo a partida do US Open 2015 (dica aqui do site sobre as finais do US Open), e o suiço mudou bastante a estratégia de jogar após a chegada do último técnico (naquela época era o Edberg). Na partida de 2015 era perceptível como o Federer estava mais agressivo e tentando matar as bolas na rede Acredito que o último técnico balanceou mais o jogo do suiço. Principalmente este ano, vemos o suiço mais tranquilo nas trocas de bola e esperando melhor a hora de atacar.

    Responder
  13. Antonio Gabriel

    Certamente que o Big 3 é muito favorito para mais este GS, só perdem se acontecer alguma somatória de fatores digamos extraordinário (um dia ruim, adversário expirado e calor..). Por falar em calor, Dalcim qual a previsão de temperaturas para este US Open ? O calor ajudou a derrubar RF ano passado e quase tirou Djoko, será que esse ano ele vai fazer a diferença também?

    Responder
  14. Jonatas Bruno

    Eis a questão,nobre Dalcim! Me parece que aquele que detém vitória frente a um dos Big 3 em Slam, seja a aposta mais realista. Embora, apenas Thiem,Tsitsipas,Cilic e Wawrinka seguem deixando algum tipo de expectativa. Particularmente só vejo possibilidades á partir das oitavas, caso o croata e o suíço avancem e joguem com o Nadal e Djokovic respectivamente..

    Alguma dúvida que a chave do Thiem seja o mapa da mina? Considerando que o austríaco só tem semi em Roland Garros, daí se abrem possibilidades á mais, inclusive do Bautista Agut de repetir o resultado de Wimbledon. Até mesmo dois da Next Gen podem perfeitamente herdar a vaga, cujos confrontos diretos já fazem o Us Open estrear com o pé direito!

    Todos (força de expressão) os que pude saber, entusiasmados com o reencontro entre a Sharapova e a Serena. E acrescento que este é o bom momento para a Maria curar a ressaca. Expectativa zero = faturamento bruto.

    Que venham bons jogos, uma boa cobertura e o desafio para curar a minha e demais ressacas rs

    Responder
  15. Sônia

    Minha única preocupação é o Poullie, esse lindão com confiança é um perigo. Depois de WB, acredito sim em mais um GS para ELE. Aproveito para lhe pedir Dalcim… posso trocar aquela “aposta” por serviços comunitários? Rsrsrs. Saindo para curtir minhas merecidas férias, beijos mil e um excelente USOpen.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      O Poiulle é outro daqueles tenistas que não me inspira confiança.

      O cara nunca chega lá…

      Tem tudo para ser um novo Dimitrov.

      Se estiver no caminho do Federer, será facilmente varrido.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Novo Dimitrov ? Ué isso significa chegar a TOP 3 , vencer MASTER 1000 e FINALS . Isso me parece muito para o Francês . Nem Tsonga conseguiu tanto rsrsrs Abs!

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Sim.

          É preciso reconhecer isso, Sérgio…

          Porém hoje, ele é apenas o número 78 do mundo, com 12 vitórias e 15 derrotas na temporada…

          Apesar de sabermos que essa colocação esteja longe de espelhar a sua capacidade.

          Responder
  16. JAN DIAS

    Penso igual ao MCENROE: o nível do Big 3 é tão estratosfericamente alto e superior ao dos outros que estes desanimam… não deve ser fácil pros “mortais” elevarem seu nível e consistência pra enfrentar esses 3…

    Responder
  17. Adriano Souza

    Sera coincidencia o sérvio pegar uma chave teoricamente mais dificil, e o cueca encravada a mais facil? Pra mim não é nenhuma coincidencia.

    Responder
  18. Lomeu Lima

    Pitonisas, Estevie Wonders, Oráculos, como aparecem no pós sorteios de GS para destilar suas profecias Baalins. A grande verdade é que o sorteio foi bom para Nadal, ótimo para Federer e regular para DJOKO. Os fanáticos /idólatras sempre visualizando favorecimento para o tenista A ou B. Sorteio foi satisfatório para todos do BIG 3. Quem garante que os favoritos vão vencer como sempre? Alguns ficarão pelo caminho, a chave se abrirá e novas possibilidades surgirão. Em todo GS ocorre isso.

    Responder
  19. Filho

    Melhor de cinco sets, número um do mundo, a dois Slams de igualar Nadal, pai de Federer nos últimos anos, descansado, quadra dura, massacrou Nadal no AO 2019. Nouvack Djokovic mais do que favorito, venha quem vier.

    Responder
  20. Sandra

    Dalcim não sei porque vc achou a chave do Nadal mais facil ? Ele pegou todos que estão em ascensão ! A garotada toda querendo Mostar serviços e I Kyrgios capaz de perder antes , ele não quer pegar os adversário pequenos ele quer ir direto para o Nadal para mostrar o caráter dele , e pode esperar ele vai aprontar outra antes de nos esperarmos e vai ficar o dito pelo não dito

    Responder
      1. Sandra

        Eu entendi menos difícil, e a do Djoko espero que Stan e o Kevin não resolvam se animar , aí sim vai ficar difícil a do Federer e a menos complicada

        Responder
  21. Mauro

    Acho uma grande bobagem esse negócio de armação pra favorecer jogador a ou b. Nadal pegou uma chave dificílima em Wimbledon com Kyrgios e o melhor tenista da história sobre a grama, Roger Federer.
    A única chave fácil que ele enfrentou foi em RG. Na Austrália, cruzaria com Roger, mas o suíço perdeu antes.
    Considero que seria muito mais tranquilo se fosse Nadal ao invés de Novak se o suíço chegar entre os quatro.
    Concordo com o Rodrigo e vejo poucas chances de Nadal contra seus dois maiores rivais em uma hard.

    Não citei ninguém nominalmente no post anterior, mas se o cara quis vestir a carapuça…..

    Responder
  22. Rafael

    Mestre, você acha mesmo que alguém pode parar Djoko e Nadal? O Federer somente se estiver 100% e ainda assim é muito difícil. Na verdade, se tudo correr dentro dos padrões o Nole aumentará sua coleção de GSs!,!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, são os favoritos, mas tênis se resolve lá na quadra, Rafael. Um dia ruim pode complicar a vida até mesmo do Big 3.

      Responder
  23. V Maurício

    Vejo a chave de Nadal e Djokovic equilibradas entre elas quanto à dificuldade. Não consigo entender o pessoal que a chave de Nadal está fácil. O cara tem pela frente Cilic, Zverev, Kachanov, Thiem… Djokovic também deu azar. Já Federer pegou chave mamão com açúcar, pra variar, assim como em Wimbledon e em Roland Garros. Vamos ver o que acontece. Mesmo assim, Djokovic ainda é favorito, como sempre.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Muito simples:

      O Cilic atravessa uma péssima fase;

      O Zverev é um cara que não inspira a MENOR confiança, muito menos em Grand Slams;

      E o Thiem nunca teve um grande resultado em Majors, com exceção de Roland Garros.

      Ou seja, desses quatro oponentes, o único que constitui alguma ameaça ao Nadal é o Caixa 9.

      Chave ridícula, portanto.

      Isso foi pra compensar a pedreira que ele pegou meses atrás em Wimbledon…

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Olha a falta de memória, Rodrigo. Chamaram a chave de Nadal de baba ano passado , e o jogo mais Espetacular das Quartas foi exatamente contra Thiem. Começou com um Pneu do Austríaco no primeiro Set e prosseguiu com 6 x 4 , 7 x 5 , 6 x 7 e 7 x 6 ( 5 ) , com o Espanhol escapando na bacia das almas. Mesmo perdendo , Dominic considera sua melhor atuação fora de RG. Acho que não dá pra descartar os tais inconstantes. Mas a nível de Título , concordo que parece que não levam ainda este ano. Abs!

        Responder
      2. Hendrix

        Rodrigo, dá uma olhada no YouTube e vê como foi o duelo do Nadal nas quartas ano passado. Ah, e mais uma dica, vê como foi Indian Wells ano ano. Abraço

        Responder
  24. Luis

    Dalcim o que poderia ser feito pra quadra do US Open fosse mais rápida como foi feito na Austrália troca de bolas? Tomara que Federer vá longe no US Open que não vence a muito tempors

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A velocidade da quadra depende da última camada de resina que se coloca, mais ou menos abrasiva. A bola claro ajudaria, mas a Wilson US Open não é uma bola lenta e acho que casa bem com o torneio.

      Responder
  25. Miguel Ângelo P. Delfes

    Federer ainda abalado por ter perdido o GS mais ganho e importante nesta sua fase ( quase 38anos ) da carreira..embora seja seu fã..não creio q chegue á semifinal..
    Djoko está em decadência..merecido por sinal p parar de fingir lesões ou wc qd vai mal n jogo..
    Nadal..fala sério..nasceu c o..virado p Lua..sempre..sempre as chaves o favorecem..principalmente em GS.. impressionante..se morasse n Brasil teria ganho algumas Mega-Senas..mas..em decadência tb..
    Enfim..
    Resumindo..
    Chega de Big 3..
    Tá n hora de renovar isso..pois..o q joga mais bonito está c 38 anos..passou da hora da nova geração começar a faturar os GS..
    Federer no coração..
    Medvedev ou Tsitsipas na razão..

    Responder
  26. JAN DIAS

    É, nada de suspensão pro KYRGIOS…não tem jeito, o que importa no mundo é o DINHEIRO, o LUCRO…pra americano então tudo é SHOWBIZ!
    Dane-se o mau exemplo, o que vale é o merchandising..

    Responder
  27. Rodrigo S. Cruz

    [Luiz Fernando]
    22 de agosto de 2019 às 23:13

    “Em Cincy nem o Djoko era desafio, lembra kkkk?”

    Realmente, Luiz.

    Claro que não estou dizendo que o Nadal não tenha chances, nessa superfície.

    Longe disso.

    Apenas quis frisar que as chances dele são menores, se os dois arquirrivais estiverem em plena forma.

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Concordo, mas vc também deve concordar que os dois principais rivais, de acordo com o ocorrido há uma semana, não estão em momento ideal…

      Responder
  28. Miguel BsB

    Sinceramente, não tem chave fácil em Grand Slam…nunca teve…
    São jogos de 5 sets, podemos conjecturar, mas não existe isso de facilidade.
    Vejam a chave de Thiem, Tsisipas, agut, etc…Quem pode afirmar alguma coisa ?

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Exato , Miguel . Até Thiem aplicou um Pneu , e levou Nadal ao Tie-Break do Quinto Set , ano passado no USOPEN. Daí que o Big 3 pode levar uns sufocos inesperados. Já Fognini e Kyrgios , podem decepcionar ( o primeiro é quase certo ) . Esta seria uma chance de ouro dos Norte-americanos botarem o piso mais rápido , pensando nos Tenistas da Casa. Isner e Querrey já estão ficando velhinhos e nada rsrsrs Abs!

      Responder
  29. Rafael Azevedo

    Eu não descartaria o Monfils na quarta vaga. Lembrando que ele foi semifinalista em Montreal, superando o Bautista. Acredito que a derrota na primeira fase de Cinci foi, ainda, consequência do seu desgaste no Canadá.

    Responder
  30. Tiago

    Como sempre chave favorecendo Nadal…se para alguns críticos do tênis os títulos do Federer em GS são duvidosos devido a não ter grandes rivais a altura. Boa parte dos títulos de Nadal se discute com um chaveamento muito favorecido. Ou o cara tem muita sorte ou sei lá o que…pelo amor viu…O cara no mínimo já tá na semifinais sem esforço algum. Até agora o único GS que ele suou para ganhar foi aquele AO de 2009, o resto foi tudo babada, pegando o fregues e amigo Federer rs e jogadores destruídos na final. Fica a expectativa para ver quem será seu rival na final, pois o outro lado da chave está super indefinido.

    Responder
  31. Marco

    Impressionante como, em geral, o Djokovic dá mais azar do que os outros dois nas formações das chaves em GS.
    As chances do sérvio diminuíram bastante, ele basicamente enfrenta o pior adversário possível em cada fase.
    Por outro lado, Nadal, salvo zebra, já está com um pé e meio na final.
    Federer, sejamos sincero, está na semis e sequer vai perder set.

    Creio que tudo aponta para um FeDal.

    Responder
  32. Bruno Louzada

    Dalcim. Eu não gosto de teorias da conspiração, sou ate avesso a isso. Mas acho que essas chaves mais faceis do Nadal ja passaram de algo que é so ”coincidencia ”. Isso tem que ser visto de alguma forma.

    Alguem vai falar ” Mas o Djokovic pegou chave muito fácil em Wimbledon ”. Sim realmente, mas isso é algo que ta dentro da normalidade, vai acontecer uma hora ou outra. com o Nadal isso acontece sistematicamente a uns 15 anos.

    Na boa, isso é coincidencia demais. Não é possivel que alguem ache isso algo normal.

    Responder
    1. Bruno Louzada

      Por anos e anos eu neguei esse argumento de favorecimento ao Nadal em sorteios. Sempre disse que era apenas coincidencia. Mas até pra coincidencias Há limites.

      Responder
    2. Marco

      Em Wimbledon a chave não era fácil não, era bem complicada, é que os caras foram sendo eliminados nas primeiras rodadas e a chave abriu.
      A questão é que dificilmente isso ocorrerá no USO, uma vez que é menos provável tantas zebras como é possível na grama.

      Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Olha, não leve a mal.

      Mas o sérvio já faturou 2 Grand Slams, só esse ano.

      Vocês não enjoam nunca desse cara ganhando tudo?

      Estou farto de ouvir essa droga de “comedor de fígado”. Argh…

      Foda-se ele.

      Merecemos um novo campeão, nem precisa ser o Federer…

      Responder
      1. lEvI sIlvA

        Rodrigo, meu caro, essa é questão pra se resolver dentro da quadra. Quem tiver maior competência, leva. Simples assim! E duvido muito de algum novo nome pra levar mais esse.

        Responder
  33. Eduardinho

    Dalcim, não acha que o joao Menezes virará no máximo um Rogerinho ou Monteiro? Aquele que belisca um top 100 as vezes e nunca briga por títulos atp. Não que isso seja pouca coisa, mas Digo isso pela semelhança do jogo deles. Pouca variação, poucas subidas a rede, saque duvidoso. Enfim, jogadores de fundo de quadra. Pra querer ser um top 50 nao precisa de muito mais que isso? Thomaz na sua fase de ouro tinha um forehand espetacular, bom saque e voleio decente.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Concordo que o repertório dele ainda não é espetacular, mas ele tem muito a desenvolver e isso é animador. Sem falar que gosto muito da postura mental dele, o que por vezes vale mais do que um grande golpe. Realisticamente, acredito que o potencial dele no momento é de top 100.

      Responder
      1. PIETER

        Lembrei-me do francês Gilles Simon: não tem nenhum grande golpe, não é um grande sacador, joga no contra-ataque e não tem um físico excepcional, parece mais um jogador mediano como milhares de outros existentes. Entretanto chegou a top 6 do mundo, faturou 14 títulos na elite do tênis e embolsou, só em prize money, quase 15 milhões de dólares. Excepcional carreira para um mortal comum. Se o nosso João Menezes conseguir a metade disso, já será um sonho e tanto!

        Responder
  34. Luiz Fernando

    CX9 sempre joga bem contra Rafa, jogos entre eles sempre são complicados, vejo o russo como o principal obstáculo do cara rumo a semi.

    Responder
  35. JAN DIAS

    Respondendo à pergunta do texto, acho difícil alguém bater o Big3. Os que parecem ter mais chance, a meu ver, são o MEDVEDEV, TSISIPAS ou KHACHANOV (porque é quadra dura).
    Gostaria de ver o STAN aprontando , mas ele tá sem ritmo e sem físico ainda… mas se ele melhorar vai ser show..

    Responder
  36. Tom

    Prezado Dalcim, boa noite!

    Vi que o nome do Kyrgios está mencionado em seu post. A dona ATP não vai tomar nenhuma posição depois dos últimos acontecimentos? Você tem alguma informação?

    Responder
    1. Carlos Reis

      kkkk Querem o quê!? Fuzilamento em praça pública!? Parem de encher o saco, aposto que vocês não são tão certinhos assim, apontar o dedo para o outro é fácil…

      Responder
      1. Tom

        Não, não quero fuzilamento em praça pública, Carlos. Um gancho bem dado, como por exemplo voltar a jogar só em 2020 já estaria de bom tamanho. Só isso.

        Responder
  37. Paulo Almeida

    O 19º Slam está nas mãos do sortudo Siri Careca: chave pífia e ainda pegará um jogador destruído na decisão.

    A sorte é que vai se casar em outubro e só voltará no Finals, ou seja, não tirará o número 1 do GOAT até lá.

    Responder
      1. Paulo Almeida

        Na verdade o lobo comedor de fígados já chegará morto se passar de Wawrinka e Medvedev em 5 sets contra cada um. Será um chance de ouro pro Jagua da Montanha tentar vencer o sérvio em Slam depois de mais de 7 anos. E quem passar desse jogo entrará morto contra o Nadal descansado e rindo à toa.

        Responder
        1. Marcio

          Comedor de fígados… kkkkkkkkkkk quem inventou essa bobeira… que coisa de criança!! O negócio é jogar… e parar de chorar… Avante Nadal!!

          Responder
          1. Paulo Almeida

            Foi o Dácio Campos e não é coisa de criança. Inclusive ele comeu o fígado do Capivara no Australian Open.

    1. Rodrigo S. Cruz

      Totalmente equivocado!

      (rs)

      O Nadal é e sempre será o integrante BIG 3 com menor probabilidade de vencer Major em quadra dura.

      Pode escrever aí :

      Quem passar de Djokovic ou Federer, VAI PASSEAR contra o Nadal na decisão.

      Isso, se o Nadal não cair antes, mesmo tendo pegado chave fácil…

      Lembrando que o caminho do Federer é bem mais fácil que a do Djokovic.

      Ou seja, o único desafio real do Federer mesmo vai ser o sérvio…

      Responder
  38. João Borin

    Dalcim,você não acha que a derrota do Federer pro Djokovic foi a mais dolorosa pro Federer? E que talvez ele não tenha uma chance igual a essa nos grand slams?

    Acredito que isso deve pesae na cabeça dele até hoje.

    Grande abraço

    Responder
  39. Mauro

    Chave boa para o suíço. Se passar da primeira semana tem ótimas chances de título. Ainda preocupa a falta de preparo adequado. Se avançar, tenho certeza que estará pronto para as partidas importantes.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      O problema (como sempre) será ele passar pelo Djokovic.

      Além da dificuldade natural de vencer o sérvio, ainda tem a final de Wimbledon para assombrar o suíço…

      Ou seja, será um desafio hercúleo para ele.

      Responder
  40. Jonas

    Leu aí Sérgio Ribeiro?

    “A menos que esteja novamente mal treinado, Federer vislumbra uma chave excepcionalmente boa para confirmar sua vaga na semi”

    Acho que isso mostra o quanto Federer estava se importando com esse torneio de Cincinnati. Se importou tanto que esqueceu de treinar, kkkk.

    Pra esses caras o MAIS importante é Grand Slam. Mas continue achando q os tops com 38, 32, 33 anos dão a vida nesses torneios.

    Também não espero muito de quem acha Halle um torneio importantíssimo.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Insistes nas bobagens , né mane’ ? O único que não pensa mais em N 1 é o Suíço. Já conseguiu de tudo. Menos as 6 vezes CONSECUTIVAS de Pete Sampras. Mas o mais Velho N 1 da história, duvido que tirem dele. A derrota em Wimbledon 2019 mexeu tanto quanto a de Wimbledon 2008, segundo entrevista ao Bola Amarela. Prolongou as férias desta vez sem Mirka precisar pedir. Quanto mais velho , mais treinos são necessários , já dizia Pete Sampras. Graças aos 3 MASTERS 1000 conquistados ( ao contrário de Novak que somente venceu UM ) , é que o N 2 ainda pode brigar com o N 1 até depois do FINALS. O Craque chegou cedo a Nova York porque sabe que precisa muito . Cada derrota do tal Goat em MASTERS é justificado com um papo furado de somente pensar em SLAM , pelo fanático. Federer em 2012 recuperou o N 1 pra cima de Novak , graças a 3 MASTERS 1000 e Wimbledon vencidos em 6 meses. E é óbvio que Halle é importante pra todos que apreciam um Tênis extremamente agressivo numa quadra rapidíssima. Não é o forte do tal Goat. Jamais venceu e foi PentaVice na rápida de Cincy rsrsrs Abs!

      Responder
      1. Marcio

        Perfeito.. Djokovice é chorão e gosta de aparecer!! Infelizmente é a realidade… joga muito, (apesar de ser um jogo burocrático), mas sempre tem uma desculpa esfarrapada!! enfim vida que segue…

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Sempre se fazendo de bobo , né Jonas. Como o Tênis só começou em 2008 , Novak Djokovic perdeu a Final de Halle 2009 para o da Entressafra Tommy Haas , e na sequência caiu para o mesmo oponente nas Quartas de Wimbledon 2009. Resolveu pular para Queen’s a partir daí , e foi derrotado por Nadal e Cilic em Finais. Desistiu de preparatórios. Está cansado de saber… rsrsrs Abs!

          Responder
          1. Jonas

            Rapaz 2009 faz um tempinho hein, “só” 10 anos rs.

            Mas enfim, pra alguém que quase não joga esse torneio, até que ser finalista não é um mau resultado.

            De qualquer forma, não é novidade que q ele não dá a mínima pra Halle, porém liga muito pra Wimbledon acredite, abs.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *