Medvedev e Keys correm por fora no US Open
Por José Nilton Dalcim
18 de agosto de 2019 às 22:35

Ninguém em são consciência pode achar que Daniil Medvedev teria algum favoritismo caso cruzasse o Big 3 nas quartas de final do US Open, mas a excepcional sequência de vitórias do russo de 23 anos nas últimas semanas, ainda por cima encarando o terrível verão do Hemisfério Norte, o colocam como a melhor alternativa do momento para uma ‘zebra’ em Flushing Meadows.

Medvedev jogou 18 partidas de simples em 20 dias, tendo ganhado 26 dos 30 sets que disputou. E garante que só sentiu um real problema físico nos últimos dois games da final deste domingo contra David Goffin, quando pela primeira vez veio uma cãibra. O russo chegará a Nova York como quem mais venceu não só na temporada (44) como também na quadra dura (31).

Ao entrar no top 5 do ranking nesta segunda-feira, será o cabeça 5 no US Open, o que indica possível duelo contra um adversário entre 9 e 12 do mundo nas oitavas antes de ter a chance de encarar um dos quatro primeiros do ranking nas quartas. É um caminho motivador para um tenista que tem apenas 11 vitórias em 22 jogos de Grand Slam e uma única vez chegou na quarta rodada, no Australian Open de janeiro.

Medvedev perdeu 3 dos 5 jogos contra Novak Djokovic, incluindo justamnte o de quatro sets em Melbourne; acabou de levar uma surra no primeiro duelo contra Rafael Nadal, na decisão de Montréal; e perdeu as três vezes que cruzou com Roger Federer, uma delas em Miami de março. Mas me parece líquido e certo que chegará cheio de si a Flushing Meadows. Se der sorte na formação da chave, melhor ainda.

Na decisão deste domingo em Cincinnati, fez um primeiro set de altos e baixos contra David Goffin, mostrando-se bem menos agressivo do que na véspera contra Djokovic. Obteve uma quebra, permitiu a reação mas foi muito superior no tiebreak. Aí começou o segundo set já com quebra e caminhou firme até ter 5/4 e saque. Os nervos deram 15-40 a Goffin, o russo destruiu a raquete mas então disparou quatro saques incríveis que só comprovam sua autoconfiança: um segundo serviço a quase 200 km/h no primeiro break-point e depois três aces.

Quem também ganhou direito de correr por fora no US Open foi Madison Keys, com a importante diferença de que ela já decidiu o Slam caseiro dois anos atrás, quando perdeu para Sloane Stephens. Com um estilo bem agressivo, que combinou muito bem com o piso veloz de Cincinnati, Keys sempre tomou a iniciatiava e foi assim que tirou do caminho Simona Halep, Garbine Muguruza, Venus Williams e a surpreendente Svetlana Kuznetova. Na final deste domingo, cravou 45 winners (contra 15), sendo 13 aces.

A tática da norte-americana de 24 anos e agora novamente top 10 do ranking foi bem curiosa, segundo ela própria: “Tentei não pensar demais”. Genial. Este foi seu quinto título da carreira e o mais importante.

Como cabeça 10 no US Open, Keys está em situação um tanto semelhante à de Medvedev, mas que me parece mais complicada. Pode jogar as oitavas contra uma adversária entre 5 e 8 do ranking (e ali estão Svitolina, Kvitova, Bertens e Serena) e então quartas diante de uma top 4 (Osaka, Barty, Pliskova ou Halep). É exatamente o mesmo caminho que Stephens terá de percorrer.

E mais
– Medvedev é primeiro russo a aparecer no top 5 desde Nikolay Davydenko, em 2010. No começo do ano, ocupava a 16ª colocação.
– Ele também está no quinto lugar na corrida por vaga no Finals e a chance aumentou muito: soma 3.605 pontos desde janeiro.
– Agora, são cinco russos a ter vencido Masters, série criada em 1990: Marat Safin (ganhou 5), Davydenko (3), Andrei Chesnokov (2) e Karen Khachanov (1) foram os outros.
– Só com o vice em Montréal e o título em Cincy, Medvedev embolsou US$ 1,64 mi, mais do que os US$ 1,63 mi do ano passado inteiro.
– Goffin diz que seu tênis voltou a reaparecer depois que contratou o sueco Thomas Johansson, logo depois de Indian Wells.
– O ranking da temporada feminina tem Barty com 5.236 pontos, mais de 500 à frente de Halep e a quase 700 de Pliskova.
– Apesar da boa campanha em Cincy, Bruno Soares deixará o top 10 nesta segunda-feira e irá para o 14º lugar. Ele e Mate Pavic são apenas 42º na corrida para Londres.
– A chave do US Open será sorteda na quinta-feira. João Menezes e Rogério Silva estreiam no quali na terça e podem se cruzar se chegarem à rodada final.


Comentários
  1. lEvI sIlvA

    Dalcim, seria possível que fosse disponibilizado fazer download dos arquivos de áudio do podcast do TenisBrasil?
    Eu, particularmente, gosto de baixar os arquivos pra poder levar e escutar, quando e onde eu quiser. Se houver essa possibilidade, agradeço, desde já! Abraço!

    ****************
    PS. Como sempre, mais uma excelente e inovadora idéia! Parabéns e muito sucesso!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Levi, tanto o Deezer como o Spotify permitem que você faça o download do áudio. Você precisa instalar um dos aplicativos. E obrigado!

      Responder
  2. Paulo Almeida

    DjokoGOAT deu muito azar no chaveamento e o Nadal deve estar rindo à toa. Só faltou ter pegado o marginal Kyrgios na terceira rodada pra completar o desastre.

    Responder
  3. Lopes

    Número 1 do ranking mundial de tênis, Djokovic usou o Twitter para promover a hashtag #PrayforAmazonas, postou uma foto dos incêndios e afirmou que a situação é desoladora.

    Responder
  4. Gabi

    Li no Blog do Coach que o Tribunal da Corte Suprema do Esporte CAS/TAS anunciou hoje que o julgamento do caso do nadador Sun Yang será aberto ao público. Isso acontecerá apenas pela segunda vez na história do tribunal. Na oportunidade anterior, também foi num caso de nadador, foi com a irlandesa Michelle Smith banida do esporte em 1999.

    Esse julgamento não é por doping.

    Ressalvadas as exceções, todos os julgamentos desportivos, de doping principalmente, deveriam ser públicos…

    Responder
  5. Sérgio Ribeiro

    O passador Mor de recibos com louvor , parece que não sabe ( ou finge ) que Novak Djokovic aos 32 , está no grupo daqueles que podem pular quantos MASTERS 1000 , QUISER . Até agora o Sérvio compareceu apenas a : Indian Wells , Miami , Monte Carlo, Madri , Roma , pulou Montreal e Cincinatti. E somente venceu Madri. Dançou em varios para a Next Gen e tomou Pneu de Nadal na FINAL de Roma. Isso porque pela teoria da turminha da Kombi ( Jonas , Almeida e CIA ) , o coitadinho somente está preocupado com os SLAM. Ou, seja . Somente se ausentou em UM , porque não pensa mais no N 1 rsrsrs Acredito que em todos esses anos no Blog , jamais vi tanta incoerência e fanatismo , como desses Sabichões da Kombi. E ainda vem com papinho que ninguém entende seus “ abalizados” argumentos , e daí a ter que “ desenhar “ . Ainda bem que o tal Goat , também vai ao USOPEN na próxima semana …rsrsrs. Abs!

    Responder
  6. Luiz Fernando

    Rafa mais uma vez não pode reclamar da sua chave, se bem q esse Milman (nem sei se é assim q se escreve Rodrigo) no ano passado eliminou o Federer.

    Responder
  7. Rodrigo S. Cruz

    Esse Matts Wilander fala uma besteira atrás da outra.

    Como assim, só o Nadal pode vencer o Djoko em melhor de 5 sets?

    Só se for em Roland Garros.

    Pois no Australian Open a surra foi tão grande que fiquei até com pena do Nadal.

    Quem mais se aproximou de vencer o Djokovic foi justamente o Federer, que teve 2 matchpoints e saque…

    Responder
  8. Ronildo

    Dalcim e leitores do blog:

    Muito se tem falado da necessidade de massificação do tênis. Diante das manifestações de Noah Rubin, que levanta constantemente a questão da necessidade de mudanças profundas no tênis, principalmente com respeito a haver uma distribuição mais equitativa dos prêmios e uma ajuda a torneios menores, sugiro, (se for algo possível de ser feito), que se faça um abaixo assinado fazendo uma petição para que Noah Rubin seja empossado como presidente da ATP. Acredito que os temas defendidos por Noah Rubin sejam justamente o que milhares de atletas e milhões de fãs ao redor do mundo desejam para o tênis. Assim, estes milhões de fãs poderiam tomar uma iniciativa em prol destas mudanças, que seria justamente este abaixo assinado. As assinaturas poderiam começar pelo blog e depois passar pelas federações e clubes. E incentivar o mesmo movimento em outros países. Claro que teria que ter o apoio de pessoas respeitadas, como Gustavo Kuerten, para fazer a coisa andar. O próprio Dalcim é um âncora do tênis no Brasil.

    Parece um delírio, porém a verdade é que as redes sociais e a facilidade de comunicação dão um tremendo poder ao povo possibilitando uma mudança de rumo dos acontecimentos.

    Responder
    1. Ronildo

      Ou seja, porque deixar um homem só batalhar numa causa tão nobre e que todos nós sabemos que é o melhor para uma grande maioria de inferiorizados? Sem falar no crescimento do esporte que ações assim causariam tanto à nível de atletas como de espectadores.
      Assim Noah Rubin poderia ser o El Cid nesta causa. Ele precisa urgentemente de apoiadores, já que a elite dominante do tênis aparenta não estar disposta a mover uma palha em prol de mudanças. Andy Murray já havia falado disto anos atrás. A petição e abaixo assinado não precisava ser exatamente em prol de que Noah Rubin assumisse a ATP. Poderia ser no sentido de que a ATP e ITF adotasse imediatamente práticas no sentido de melhorar as condições que Noah Rubin tem denunciado.

      Responder
      1. Ronildo

        Tá gente,sei que é um comentário apaixonado.

        Porém, o melhor dos mundos seria uma fusão entre atp, itf e wta para que houvesse apenas uma entidade forte comandando o tênis e desta maneira tal entidade ter a capacidade de colaborar com outra metade nas premiações, dobrando o valor nos torneios menores.

        Responder
  9. Miguel BsB

    Não gosto de entrar nessa ridícula guerra de torcidas, mas não posso deixar passar batido a afirmação abaixo do idólatra do Djokovic que cada vez mais fica poluindo este blog…
    Ganhadores de Slam com menos de 20 anos vc conta em 3 dedos? Cara, na boa, vc não entende nada de tenis e fica passando ridículo com total desconhecimento do esporte.
    De cabeça e sem pesquisa vou listar vencedores de Slam antes dos 20: Borg, Mcenroe, Becker, Wilander, Edberg, Sampras, Hewitt, Nadal. Com certeza tem mais…
    Coloque na sua cabeça, o tenis NÃO começou em 2008, pare de passar vergonha!

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Miguel,

      Perto desse cara, até o Marquinhos ganha 100 anos de perdão!

      kkkkk

      Ele dirige um caminhão basculante do SLU,e despeja os dejetos aqui no blog…

      And I shit you not.

      Mas na esteira do que você falou, a regra geral costuma ser essa mesmo:

      Quanto maior o fanatismo, menor a expertise…

      Responder
    2. Paulo Almeida

      Você só acertou seis na sua lista, ou seja, seis dedos resolvem. O fato é que é um universo muito pequeno.

      Se eu não entendo de tênis, você também não. Agora não ter as estatísticas decoradas é não manjar. É cada um…

      Responder
  10. Roberto Léo

    Para informação:
    Contagem usando mais que “três dedos” de quem venceu grand slam tão novo (idade em questão era “míseros 20 anos”):
    Chang, Wilander e Becker (17 anos);
    Borg (18 anos);
    Nadal, Sampras e Edberg (19 anos);
    Hewitt, McEnroe, Safin, Djokovic, Kuerten, Courier e del Potro (20 anos).

    Responder
  11. Josenir

    Olá Dalcin!
    Hoje vi algo muito raro. Replay da final de Cicinnati no Sportv3. Já vi até jogo de campeonato de bairro lá, retransmitindo várias vezes… mas tênis!?
    Alguma coisa mudou…

    Abc

    Responder
      1. Gabi

        Muito obrigada!!
        Qdo fiz a portabilidade do meu chip, alguns contatos foram automaticamente avisados da mudança; outros tive de fazer no manual. Como fiquei na dúvida se o teu grupo tinha sido ou não notificado, solicitei a inserção de novo. Acho que foi por isso que deu duplicidade.

        Ah, ainda não vi as entrevistas do podcast, mas muitos parabéns por mais essa iniciativa e por continuar se reinventando!!

        Responder
  12. Sandra

    Dalcim, ter irmão famoso não ajuda a ter convite para chave principal? Digo isso pois vi o irmão do Zeverev jogando o qualificatório, aliás o Giraldo , não sei se é assim que se escreve, também não merecia um convite?

    Responder
  13. Gabi

    Brasil x Alemanha na fed cup. Jogo no Brasil. Se a Petkovic vier, serei obrigada a ir!! Se a Graf ainda jogasse e viesse, já estaria na fila dos ingressos rs.

    Responder
      1. João ando

        E se a kerber vier e a julia vier tb .eu entro na fila amanha para comprar o ingresso ..agora com bia ou sem bia o Brasil vai tomar uma surra

        Responder
      1. Carlos Reis

        Um nasceu em 81 e outro em 86, é bom de conta o rapaz hein!?

        Vai criticar porque o cara casou cedo!? Nadal não casou, mas está com a mesma mulher há muito tempo, se para você, assim como para muitos, aproveitar a vida é comer ou dar pra todo mundo, vá lá e faça, mas não fique enchendo o saco de quem não tem o mesmo pensamento…

        Responder
  14. Rodrigo S. Cruz

    Coitado do Bellucci.

    Virou um ex-tenista em atividade.

    Quantos erros não-forçados, quanta falta de fé de poder vencer uma partida…

    Responder
  15. felipe

    Mestre,

    Muito interessante a matéria “Rubin fala sobre bastidor nada glamuroso da ATP”

    Essa turma fora do top 100 deve sofrer bastante mesmo…..

    abs

    Responder
  16. Mauro

    Chato e cansativo ler os comentários do cidadão aqui. Todo dia o mesmo papo furado querendo diminuir ou desvalorizar as conquistas de Roger Federer. Ótimos comentaristas deixam de participar por causa de um idiota.
    O cara deveria procurar um blog de palhaços ou afins pra escreve, seria mais interessante, pois tênis mesmo o cara não sabe nada! Um paraquedista com fantasias sobre um jogador. É o que parece.

    Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Você frequenta a quanto tempo , sabichão ? Deveria saber que pra mim , o maravilhoso Esporte está acima de qualquer jogador. Inclusive Roger Federer. Ninguém apoia mais a Next Gen do que eu. Você fica carimbando as asneiras diárias do ” Piloto da Kombi ” ? Então sinto muito. Também não sabes nada pra criticar alguém. Abs!

        Responder
    1. Paulo Almeida

      Pare de sangrar, marmita do GOAT Djokovic. E também pare de me ofender, senão vou te processar, hein? Não gosto de ser chamado de bobo, chato e feio.

      Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
    1. Gabi

      Oi, Ronildo!!
      Tudo bem?
      Diante do que o Rubin falou, o que vc sugere tanto para a questão dos menos rankeados poderem viver do tênis como para tornar a partida mais dinâmica e menos demorada?

      Responder
      1. Ronildo

        Vou responder esta sua pergunta com um novo comentário sobre o assunto Gabi, pois considero o tema o mais importante de todos. Tomara que o Dalcim coloque ele em visualização algumas antes do sorteio.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Palpites furados , Guri ? Leia mais os comentários que verá que Goffin não foi você que acertou .E mesmo que errasse, não postaria o que o Sabichão postou sobre a Next Gen pela milésima vez rsrsrs Pelo menos , com a ajuda da Gabi , acabou sabendo quem é MEDVEDEV rsrsrs Abs!

          Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Na mosca , Gabi rsrsrs . Mas quem sabe você não convence o piloto da BMW a pelo menos irmos assistir as Alemãs na Fed Cup. Juro que pago os ingressos rsrsrs Abs!

        Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Se você se refere a Bellucci x Wild, o jogo foi bem parelho.

      Mas tecnicamente pavoroso! Uma penca de erros não-forçados dos dois lados.

      Um disputando com o outro para ver quem jogava pior…

      E o Bello chegou a liderar o segundo set, por 4/2.

      Mas é aquela velha estória: o mental dele tornou-se um dos piores do circuito, nos últimos anos.

      Não segura a onda, e se abala ao menor sinal de pressão.

      Perdeu de 7/5 e 7/6.

      Responder
  17. Sérgio Ribeiro

    Todos sabem que para ser o N 1 , não dá pra ficar pulando todos os MASTERS 1000, pensando apenas em SLAM. Dito isto, a turma da Kombi devido as frequentes derrotas do Sérvio para a Next Gen , vem com o papo furado que o mais novo do Big 3 , não tá nem aí pra essas derrotas , e nem se empenha tanto. É tão ridículo que perdeu dois anos consecutivos exatamente em SLAM para Thiem. Dizem que se poupa como um certo Senhor de 38 . Sei,… rsrsrs Abs!

    Responder
    1. Jonas

      É porque você distorce tudo que é falado, ou tem má vontade em ler com atenção.

      Masters 1000 é importante sim e esses caras jogam pra ganhar. Só que é MUITO mais importante vencer Grand Slam, óbvio.

      O tenista entra muito mais preparado, não comete alguns erros que podem acontecer em outros torneios, o nível de exigência é maior.

      Esses caras hoje em dia até selecionam os torneios pra não se desgastar, isso vemos acontecer direto.

      Você acha mesmo que o Federer perderia da forma que perdeu pro Rublev, no US Open?

      Acha que a tática kamikaze do Medvedev funcionaria em melhor de 5?

      Pode até acontecer, mas é zebra. Porque Djoko, Nadal e Federer entram muito mais preparados pra jogar Grand Slam.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Não muda não , senhor Jonas. A idade chega pra todos, mas não se importar com MASTER 1000 é piada. Nadal deu tudo nos dois anos Consecutivos no Canada’ , pois queria se manter VIVO na briga pela ponta do Ranking. E não foi a Cincy pra não correr riscos com os joelhos aos 33. E sobre arriscar tudo como MEDVEDEV ? Foi o mesmo que Thiem vem fazendo com sucesso contra o Sérvio em SLAM , assim como Federer em Wimbledon. Não vem com papinho bobo de não entender suas incoerências , principalmente nas derrotas do tal Goat . Abs!

        Responder
      2. Rodrigo S. Cruz

        Não vi qualquer distorção.

        Ele só te respondeu na esteira da tua teimosia.

        O problema é que a Mafalda e você (em menor nível) querem que o Djokovic tenha supremacia em tudo.

        A menor coisa que arranhe a imagem do cara, lá estão vocês para encher o saco.

        Não conseguem aceitar nem que o Djoko pode perder porque o outro jogou melhor.

        Quando perde é porque não jogou bem, ou não se esforçou, ou priorizou o Grand Slam que se avizinha, enfim…

        Responder
        1. Jonas

          “O Djokovic jogou apenas Cincinnati e perdeu porque o Medvedev foi melhor”

          Eu afirmei isso. Ainda falei que derrotas assim vão continuar acontecendo nesses torneios. Se você não leu, paciência.

          Responder
  18. DANILO AFONSO

    Faltam 46 semanas para NOVAK torna-se recordista de semanas na liderança do ranking e 02 semanas para superar as 266 semanas de Jimmy Connors.

    Responder
  19. Paulo Almeida

    Analisando-se as semanas como número 1 na era mais difícil do tênis, ou seja, de 2008 até agora, temos o seguinte:

    Djokovic – 265 semanas e contando;
    Nadal – 196 semanas;
    Federer – 73 + umas 30 que ele conseguiu segurar antes de perder o posto pro espanhol em agosto de 2008. Pouco mais de 100.

    Mais um dado expressivo que define bem a grandeza de cada um dos membros do Big 3.

    Responder
    1. Fabiano

      Era mais difícil só na tua visão. Tênis já existia muito antes de 2008. O número correto é 310 e contando, sendo 237 ININTERRUPTAS. Falô meu brother.kkkk
      Patovic PENTA-VICE DO US OPEN E DE CINCINATY TAMBÉM KKKKKK.

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Nada disso, freguês eterno do GOAT Djokovic. Era de domínio do Fregueser foi entressafra pura, uma era fraquíssima com Roddick, Blake, Hewitt, González, Baghdatis e outras nabas como rivais. Era difícil é a era Big Four.

        Abraço, TREZE VEZES VICE para o sérvio, melhor da história.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Melhor da história precisa ter arsenal completo.

          O Djoko não sabe dar um slice…

          Também precisa ter recorde de Slams + o de semanas na liderança.

          Responder
          1. Paulo Almeida

            Concordo e o Djokovic é o mais completo de todos os tempos, tendo todos os golpes (ótimo slice entre eles). Além disso precisa de mental forte, inteligência tática e dominar seus principais rivais.

            Pro Fregueser falta backhand, mental e inteligência tática.

          2. José Nilton Dalcim

            Um tenista lidera o ranking por 310 semanas, ganha 102 títulos, entre eles 20 Grand Slam, soma mais de 1.220 vitórias sendo 221 sobre adversários top 10. E sem inteligência tática! Então só pode ser o maior gênio de todos os tempos. Cada uma…

    2. Sérgio Ribeiro

      Você considera isso aí dados ” expressivos ” ? Imagina o Blogueiro lendo todo dia esses ” dados ” e pensando , ” como esse moleque pode ser tão fanático ? ” rsrsrs . E o pior é que não posso bloquear rsrsrs Abs!

      Responder
    3. Rodrigo S. Cruz

      Aham…

      Achei expressivo também para definir a grandeza da tua psicose.

      Só fica faltando mesmo a fantasia de Napoleão Bonaparte…

      (rs)

      Responder
  20. Fernando Brack

    Tava torcendo pro Djoko faturar esse Cincy e adicionar mais um grande feito na carreira (ganhar pelo menos 2x cada um dos M1000), mas aí ele sofre um apagão e entrega a rapadura pro russo magrelo. Pô, Djoko! Faz assim não! O ogro nunca perde oportunidades desse quilate.

    Responder
  21. João Brayner

    Dalcim, atualmente, entre Wawrinka ou Federer, qual você acha que teria mais chances de vencer Djokovic em uma final de US Open?
    Levando em consideração, é claro, a postura dos dois diante do sérvio em jogos decisivos.

    Responder
  22. Sandra

    Dalcim, estou chocada com o silêncio da ATP em relação ao Kyrgios, ela que se propaga pelos 4 ventos ser guardiã dos bons costumes e da boa educação !!!!!

    Responder
  23. Gildokson

    Dando uma navega pelo Instagram, que é a rede social da moda no momento, eu reparei que Djokovic segue Nadal e Federer, Nadal também segue os 2, porém Federer mesmo seguindo alguns tenistas não segue Djokovic.
    No mínimo curioso eu achei isso.

    Responder
      1. Gildokson

        Então Dalcim, eu também sei e ja até imaginava que fosse assim, mas tenho como exemplo um caso próximo a mim, meu cunhado que trabalho durante um tempo com o Gabriel (Gabigol) e segundo meu ele algumas das ações feitas nessas redes sociais, (tipo seguir ou deixar de seguir alguém) é tomada por eles próprios. Por isso achei no mínimo curioso o fato do suíço não ter Nole em seu Instagram.

        Responder
      2. eu

        ainda assim, é mesmo curioso o Federer não seguir o Djoko. Porque, pelo que entendi, o Gildokson não estava falando do conteúdo as publicações, e sim de quem segue quem.

        Responder
  24. lEvI sIlvA

    Agora é só ver como se comporta o Medvedev quando as expectativas sobre ele são maiores. Em geral, os tenistas que fazem resultados nesse nível tão cedo passam por um turbilhão, logo após a conquista inesperada. E o Goffin, é claro, subiu alguns degraus em relação ao que vinha apresentando. Deu até trabalho ao russo!

    Responder
  25. Rodrigo S. Cruz

    [Miguel Ângelo P. Delfes]
    19 de agosto de 2019 às 00:07

    “E tem +..o cara q diz q RF foi campeão de entressafra ou é mal intencionado ou é burro mesmo”.

    Exato.

    E aliás, eu fico com a segunda opção.

    (rs)

    Responder
  26. Rodrigo S. Cruz

    [Paulo Almeida]
    19 de agosto de 2019 às 06:51

    “Os quatro primeiros confrontos foram em fases preliminares de torneios em cima de um Djoko moleque de 18/19 anos”.

    Eis aí, a hipocrisia dos nolistas desmascarada!

    (rs)

    Argumento de idade só é desculpa mesmo, se usado a favor do Federer…

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Errado, tanto que considerei o Djoko bem longe do auge desde Toronto 2007 com míseros 20 anos. Só eliminei confrontos inexpressivos quando o GOAT não tinha nem ranking ainda.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Cara de Pau , né Paulo . Míseros 20 anos ? kkkkkkk Qual a idade que Hewitt batia Sampras e Agassi . E Nadal a Federer . Já aos 19 os citados venciam SLAM. Assim como Pistol Pete. Realmente para o Piloto da Kombi e seus ” passageiros ” rs o Tênis é antes e depois de 2008. Ou seja, quando Novak venceu seu primeiro SLAM. O resto é Entressafra kkkkkk Abs!

        Responder
        1. Paulo Almeida

          Sim, míseros 20 anos. E se você não percebeu, começo a contar a surra sobre o Frauderer a partir dali. Nadal é exceção da exceção e o medíocre Hewitt já pegou o início da entressafra. De qualquer forma, você conta em três dedos quem venceu Slam tão novo.

          Sem choro, marmita eterna do GOAT Djokovic.

          Responder
        2. Rodrigo S. Cruz

          Não, e o bicho é cara-de-pau demais. (rs)

          Para livrar a barra da farsa sérvia, tudo é válido. .

          Até mesmo DELETAR vitórias dos rivais dele!

          kkkkk

          Responder
  27. Sandra

    Dalcim , a biografia do Djokovic teve dois grandes incentivadores , Niki Pilic e a sua primeira professora Jelena Gencic , nenhum desses dois entregaram algum dos muitos troféu para ele?

    Responder
  28. Luiz Fernando

    A atp está coalhada de bundoes, só assim pra explicar a covardia em dar uma punição exemplar p o mestre da cafagestice, Nick Kyrgios. Quebrar raquetes, entregar jogos, discutir c expectadores etc etc etc, tudo isso passou, mas dar uma cusparada em direção ao juiz e levar multinhas, inacreditável.

    Responder
    1. O LÓGICO

      L Fingido kkkkk, tudo que o NK faz é muitíssimo inferior às dedadas que o robozinho brega-chique aplica em si mesmo durante toda a partida kkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
        1. Sandra

          Estava lendo agora que um tenista chileno foi suspenso por oito anos por manipulação de resultados, corretíssimo , e o Kyrgios com as devidas proporções mereceria o que ?

          Responder
    2. Márcio

      E com uma mala dessas no circuito tu e outro aqui admitiram odiar o Federer, que não fez mal a ninguém e é um baita de um jogador! Vcs só podem estar de sacanagem! Espero que nunca mais façam isso, direcionem essa raiva a quem merece, tá aí o kigriios para sua reflexão. Quê isso não se repita!😅

      Responder
        1. Márcio

          Uma resposta tão ordinária que tem sentido vindo de alguém que odeia o Federer,se aplica 🤭. ridículo,e o kigriios aí sendo um prato cheio para esse seu ódio.

          Responder
  29. Sérgio Ribeiro

    Torcer o nariz para MEDVEDEV, somente pra os que assistem melhores momentos , e se prendem a brilharecos em algumas jogadas de efeito. O Russo bateu o N 1 em dois MASTERS 1000 consecutivos, utilizando a mesma tática de Dominic Thiem nas últimas quatro ( venceu 3 , Duas consecutivas em RG e uma em MC ) , e a de Federer em Wimbledon, sem perder evidentemente Match Points rs . Sendo agressivo o tempo Todo ( somente foi inferior nas trocas com mais de 9 rebatidas onde o Sérvio é mestre ) . Bem mais Winners e Aces ( inclusive de Segundo Serviço) . Cincy comprova com sua rapidez , como a ATP se equivoca com a ridícula padronização. Abre-se um leque de opções de vencedores. O N 1 amargar um PentaVice em Cincinatti ? Porque não a Grama Sagrada sendo como nasceu ? Por uma camada por baixo ? rs … Até no Feminino o Título ficou com a Tenista que deu um Show de Winners a semana TODA. Nada de maratenis “ épicos “ rsrsrs Abs !

    Responder
  30. Jonatas Bruno

    Francamente não esperava este salto de qualidade do Medvedev, principalmente usando como parâmetro a final de Montreal. Contudo, nada como o número um á frente ao dois para a auto-afirmação, e a final de Cincinnati serviu para carimbar a faixa.
    Ainda assim, sabemos que em se tratando de Slam, muda-se o parâmetro, e temos o Zverev como o principal ponto de referência.
    Seria o Medvedev o fiel da balança no Us Open? Ao menos para superar um dos Big 3, como o Tsitsipas no Australian Open e o Thiem em Roland Garros?
    Particularmente, boto mais fé em quem o obteve, no que na circunstância do momento.
    Existem três colunas a demolir, e pelo menos 6 games á mais para trabalhar as demais questões.
    Ao menos, Us Open, já chega com novas bagagens á caminho, espero que a novidade valha a jornada.
    É esperar para ver.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Desculpe, Sérgio, mas onde eu teria esquecido do Kafelnikov? Se você se refere a títulos de Masters, ele infelizmente não venceu qualquer um. Fez cinco finais e perdeu todas.

      Responder
  31. luiz totti

    Dalcim, bom dia…
    Tenho duas duvidas sobre o qualificatório do US Open que surgiram quando eu estava olhando onde os tenistas brasileiros jogariam essa semana:
    1 – o qualificatório para os Slams não conta pontos para o ranking?
    2 – vi tenistas inscritos no qualificatório com ranking muito abaixo do Bellucci, por exemplo (são pelo menos 14 abaixo dele). Seriam a cota de convites? Quantos convidados entram no qualificatório? O que mais me chamou a atenção foi o chinês Zhang Ze, ali na faixa de 350 e que nunca passou de 114 no ranking,. Qual a explicação?

    Parabéns pelo seu blog.. é aqui que aprendo um pouco sobre um esporte que definitivamente não domino mas gosto muito de assistir.

    Responder
  32. ANTONIO GABRIEL

    A aposta agora é para que o Medvedev não afine no USOpen e que não suma como os outros (Zverev, Tisispas, Kachanov, etc). Agora é esperar e acompanhar, mas continuo achando dificil o USOpen sair da mão do Big 3

    Responder
  33. Jonas

    “Bem, essas derrotas do Big 3 em torneios “normais” sevem só pra zoação mesmo, porque todo mundo (nolistas, federistas e nadalistas) sabe que o que importa agora é Slam e somente Slam. Esta é a mais pura verdade.
    É impressionante como até os M1000 se tornaram apenas mais uns torneios no calendário.
    Sejamos sinceros, o tênis hoje gira em torno de três números – 20 – 18 – 16 – e na torcida para ver qual deles irá aumentar primeiro.”

    Infelizmente você está certo. Há alguns anos era diferente, o trio chegava babando em todos os torneios, o que era ótimo pra quem assiste.

    Mas é compreensível. O Nadal, por exemplo, bichado do jeito que é não tem condições de ser competitivo em tudo. Está mais do que certo em dar valor a torneios maiores.

    Responder
    1. Mauro

      Vc acha que Novak não queria ser o único tenista a vencer dois Masters entre todos possíveis? Seria fantástico! Vai dizer que não estava motivado?

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Que vergonha Jonaser rsrsrs O Touro foi extremamente agressivo no MASTERS 1000 de Montreal. Daí MEDVEDED ter sentido tanto o jogo. Mereceu manter seus recorde como maior vencedor de MASTERS . O resto é papo furado de fanáticos. Federer saiu P..to com sua péssima exibição. Queria muito o Octa na rapidíssima de Cincy. Assim como fez o Enea na também rápida de Halle. Como fugir da alcunha de” Goat Paraguaio “ depois de pular Montreal , jogar a meia boca Cincy ? rsrsrs Abs!

      Responder
      1. Jonas

        Sim o Nadal deu importância e venceu com o pé nas costas. E o que ele fez na semana seguinte? Se poupou porque sabe que vem Grand Slam por aí.

        O Djokovic jogou apenas Cincinnati e perdeu porque o Medvedev foi melhor. Ficou claro que o Russo deu a vida por aquele jogo, assim como o Agut este ano em Doha.

        Eu já me conformei, não espero nenhum dos três 100% focado nem em masters 1000. Se você acha que eles dão tanta importância assim, deve estar um pouco iludido…

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          E o parceiro como sempre um ” alienado “. Reparou que além da turminha da Kombi , os que tem os mesmos argumentos farsantes desapareceram com a derrota ? rsrsrs

          Responder
          1. Jonas

            O que isso tem a ver com o q falei cara? Eu disse após a derrota que não é a primeira vez q Djokovic perde jogos assim. Disse também que o sérvio fez um primeiro set bom e depois caiu de nível, enquanto o outro subiu.

            É óbvio que o Medvedev deu tudo de si neste jogo. Mas pro Djokovic o importante é o US Open.

  34. Chetnik

    Não dá nem para dizer que o Djoko jogou mal. Fez um 1a set muito bom, e vinha bem no 2a. No 0x30 o Medvedev começou a adotar aquela tática maluca de sacar primeiro saque no 2a também rs. Acertou tudo. Difícil imaginar que funcionaria uma 2a vez rs. Mas foi corajoso, jogou muito e mereceu. Ainda bem que ficou com o título.

    Agora aguardemos o USO. Eu iria ver ao vivo, mas tive que cancelar…vou tentar ir ano que vem, se o Djoko ainda estiver por aí rs.

    Responder
  35. Lomeu Lima

    Com FEDERER, NADAL E DJOKO no torneio, chances do russo ser campeão do US OPEN tendem a zero. De forma análoga é como dizer que o AVAI tem chances de ser campeão no Brasileirão 2019. Somente um abandono do BIG 3 abriria reais possibilidades, e isso não deverá acontecer. Colocaria 40% para DJOKO, 30% FEDERER e 30% NADAL.

    Responder
  36. Michael

    Acho graça nas freguesetes querer tirar sarro do Novak, mesmo depois do goat da entressafra ter levado uma surra do medíocre do Rublev.
    Aquilo sim foi amarelada, tanto que o russo magricela levou uma surra do outro russo que deu um calor no Novak.
    Mas isso é bom, vão achando que o Novak vai capenga pro USOpen, ele chega lá e atropela todo mundo de novo.

    Responder
  37. Julio Sc

    Preocupante o público na final, com vários clarões na arquibancada.

    Só mostra como a ATP vai ter que se virar nos próximos anos sem Nadal, Federer e Djoko tão presentes assim nas finais.

    Responder
  38. Mauro

    Nenhum dos três tenistas é freguês da nextgen, mas não existe dúvidas que Novak foi quem mais perdeu pros garotos, principalmente em jogos importantes.
    Dalcim, vc acha que uma semana de descanso é suficiente para a recuperação do russo?
    Não foi Medvedev que ofereceu moedas para uma juíza italiana depois de uma derrota, acusando-a de ter roubado? Se não me engano teve algo assim.

    Responder
  39. Mauro

    Já pensou Federer com 32/33 contra Novak e Nadal com 38? Creio que os dois não venceriam um set sequer do suíço, mas, infelizmente não é assim. Eu queria os três com a mesma idade, mas, não é assim. Tanto o espanhol quanto Novak não estarão jogando com a idade que o suíço está, mas pelo menos mais uns dois anos de competividade os dois vão ter.

    Sobre o Medvedev, título mais que merecido. Foi o que jogou melhor tênis no torneio. Espero que não se dê por satisfeito como aconteceu com vários garotos da nextgen.

    Pode vencer slam? No momento, sem chances! Aposto em mais um título dos três gigantes.

    Responder
    1. Jonas

      Com certeza venceriam. Já vencem o suíço há anos e não é porque Federer tem 38 anos que perde, nada disso. A questão é que o estilo do Federer preserva o físico dele, não é difícil perceber. Quanto tempo em média ele fica em quadra?

      É algo impressionante, admito. Mas se o cara está em altíssimo nível, mérito dele e não tem desculpa, afinal ele conseguiu até melhorar com o passar dos anos. Os fãs do Federer esquecem que ele só tomava pau do Nadal, o que era uma vergonha pra alguém do calibre dele. Em 2017 ele atropelou o espanhol e recentemente venceu com autoridade em melhor de 5.

      Principalmente pelo estilo de jogo, não que acho que Nadal e Novak estarão em altíssimo nível aos 38. O jogo deles exige bem mais do corpo.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Sempre o desespero de tentar usar o Nadal, para elevar o Djoko por tabela.

        Como se isso colasse, né.

        Pena que o espanhol não ganha do suíço, fora do saibro, há anos.

        E acho que não vai ganhar nunca mais…

        Quanto a teoria de que os dois ganhariam de um Federer mais moço que eles, é piada para rir até 2050.

        (rs)

        Responder
        1. Jonas

          É simples. Djokovic começou a ter mais volume de vitórias contra Federer do Australian Open 2011 em diante, o sérvio estava com 23 anos.

          Federer estava com 29 anos, completou 30 em agosto daquele ano. Percebe?

          Vocês falam como se tivesse começado ontem, mas não, já faz um bom tempo que o sérvio é superior.

          Federer com seu físico privilegiado joga em altíssimo nível até hoje aos 38 anos. Imagine aos 29, quando já tinha 16 Grand Slams no currículo.

          O próprio Djoko é “apenas” número 1 do mundo aos 32 anos. Então esse argumento do seu colega não cola.

          E eu tenho que citar o Nadal, porque ele foi mais além. Ganha do suíço perfeito desde 2005 e leva vantagem até no Australian Open por 3 a 1.

          “Ah mas no Australian Open não conta”

          Federer tem 6 títulos ali, os últimos são bem recentes, 2017 (em cima do Nadal) e 2018. É uma quadra ótima pro estilo de jogo dele.

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Cara, você é tão cômico que afirma que o Djoko e Nadal com 38 anos, ganharia do Federer com 29.

            (rs)

            O resto do post é a mesma ladainha que já estamos familiarizados…

            Fato é que o Nadal não chega nem AOS PÉS, nem ao CHULÉ do Federer em quadra dura.

            E alguns tropeços que o suíço teve no Aus Open te dão uma tese inconsistente.

            Nadal só ganha efetivamente do suíço mesmo, no saibro.

            É bem inferior no outros pisos: grama e cimento.

          2. Jonas

            O colega acima disse que eles não ganhariam com a idade que o suíço tem hoje. Isso é uma suposição, depende de como o sérvio estará jogando até lá, ninguém sabe ao certo.

            O que sabemos com precisão é que quando os dois eram jovens Djokovic levou a melhor.

            Federer 29 anos e Novak 23, isso é fato. Mesmo assim gosto de lembrar que quando Federer tinha 32 anos, já era tido como velho por sua torcida, simplesmente porque não dominava mais o circuito como o Djokovic faz hoje, com essa mesma idade.

            Também não é exagero dizer que o suíço melhorou ao longo dos anos com méritos.

          3. Jonas

            É só não perder seu tempo lendo fera.

            Se eu escrevesse aqui q o Federer perdeu porque “amarelou” ou porque não aguenta mais andar de tão velho, tenho certeza de que você ia aplaudir né Federete?

    1. lEvI sIlvA

      Óbvio, e claro que isso aí de “são”, no lugar de “sã”, é coisa de corretor de celular ou algo do tipo. O Dalcim usualmente faz uso de excelente português e, duvido muito que tenha escrito isso de forma proposital. No mais, só tenho elogios pra tudo e como José Nilton Dalcim, tem levado o Blog e o site tão a sério. Dispensando atenção, informações e resposta a todos. (Inclusive a alguns que não merecem!) Grande abraço, Dalcim!

      Responder
  40. Paulo Almeida

    Parabéns pro Medvedev, torci por ele. Tem um jogo sólido e poderia ter feito mais contra o Nadal. Será o adversário mais duro no US para os favoritos.

    Responder
  41. Rodrigo S. Cruz

    [Paullo]
    18 de agosto de 2019 às 23:22

    ” Vc do copiou o trecho que te conveio. (sic)
    (…)blá, blá, blá(…) mesmo porque quem passou vergonha foi o Frauderer perdendo feio do Salsicha. E também continua freguês eterno 20×9 e treze vezes vice. E eu respondi e continuo respondendo: só disse verdades”.

    CONVIM destacar a tua “santa parcialidade”, Robin.

    E avise aí pro Batman que a dupla dinâmica não falou verdades, só falou titicas.

    O Federer perder para o Salsicha que jogou descansado é passar vergonha.

    Mas o Farsovic perder pro Medvedev que jogou esgotado, é “passar” o que, HONRA?

    kkkkk

    No momento em que o sérvio vence 68% dos últimos jogos diante do suíço (20 de 29), a freguesia é eterna.

    Mas quando era o sérvio quem perdia os mesmos 68% para o suíço (13 de 19), tínhamos freguesia EFÊMERA?

    kkkkk

    Vocês são previsíveis e deprimentes…

    Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Quem disse isso ? Se enxerga moleque. Tu além de escrever muito mal , é uma baba ovo da Kombi de deixar meu filho dando gargalhadas kkkkkkkk Abs!

          Responder
  42. Fernando Pauli

    O domínio em GS do BIG4 (2005/2016) e BIG3 (2017/2018) continua avassalador, vejamos:
    Era BIG 4: Dos 48GS, apenas dois não se teve uma final entre eles, AO 2005 (Safin x Hewitt) e US Open 2014 (Cilic x Nishikori) e o aproveitamento foi de 43/48 (89,58%), sendo que o Wawrinka ganhou 3, dois do Djoko e um do Nadal. Desses 43, fizeram 29 finais entre eles (67,44%).
    Era BIG 3: onze GS disputados com 100% de aproveitamento. Fizeram apenas 3 finais entre eles (27,27%).
    Já em relação aos Master 1000 isso muda um pouco:
    Era BIG 4: Dos 108 M 1000, venceram 92 (85,18%), onde apenas nove nenhum deles estavam na final e desse 92, fizeram 44 finais entre eles (47,83%).
    Era BIG 3: Dos 25 M 1000, venceram 14 (56%), onde seis nenhum deles estavam na final e desses 14, fizeram apenas quatro finais entre eles (28,57%).
    E no ATP Finals a diferença é gritante:
    Era BIG 3: dos 12 torneios venceram 10 (83,33%), apenas um não estavam na final e desses 10, fizeram 6 finais entre eles (60%).
    Era BIG 4: Não venceram ainda nenhum.
    Da para notar que em relação aos GS o domínio do BIG 3 em Relação ao BIG 4 aumentou, porém, a porcentagem de encontro entre eles foi de 67% para 27%, isso também aconteceu em relação aos M 1000 de 48% para 28%.
    Em relação aos M 1000 o domínio do BIG 3 diminuiu em relação ao BIG 4. Nesses 3 últimos anos até agora foram 11 torneios que não venceram, e ainda tem mais dois para terminar a temporada. Veja que na era do BIG 4 não venceram em 18 ocasiões em 9 anos, uma média de 2 por ano, e na era do BIG 3 essa média pode chegar a 4 por ano.
    Já no Finals a diferença entre o BIG 3 e o BIG 4 é monstruosa.
    Essa tendência de ganharem menos M 1000 deve aumentar a partir do ano que vem chegando ao equilíbrio, metade para o BIG 3 e metade para a NG. Agora em relação aos GS ainda não vejo uma queda para 2020 (pode ser que um o BIG 3 não vença). Já para 2021 a tendência nos GS é o equilíbrio, dois para a Next Gen e dois para o BIG 3 ou o BIG 2 se Federer aposentar no final de 2020.

    Responder
    1. Carlos Reis

      Depois de perder um título GANHO há poucas semanas, acho bem difícil que o suiço amarelão chegue em outra final importante, a cabeça vai FALHAR novamente, e quem falha tanto assim, NÃO MERECE VENCER! Amarelão!!!

      Tomara que o campeão seja o NADAL!

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Até tu, Carlos ? Amarelão não é Octa na Grama Sagrada. Nem Hexa no AOPEN . Nem Penta no USOPEN. Nem Hexa no FINALS em que Nadal está Zerado rs Andou passeando de Kombi ? rsrsrs Abs!

        Responder
        1. Jonas

          Amarelão é exagero mesmo kkk.

          Mas po, é muito mais ‘tranquilo’ enfrentar Roddick em final de Wimbledon do que Djokovic né meu caro, acho que até você concorda. O buraco é muito mais embaixo, pressão então nem se fala…

          Responder
  43. Adriano Souza

    No SLAM, separem os PTIBULS dos shuauas, que o bicho vai pegar. E se o Djokovic estiver 100% fisicamente e permanecer assim até o final, é mais um SLAM na conta : )

    Responder
  44. O LÓGICO

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
    CORINGA: where is Harvey Dent?
    CAPITÃO NASCIMENTO: Cadê o baiano?
    O LÓGICO: Onde está o Almeidão? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Temos que entender o Almeidão: ele sofre de paixonite aguda pelo Djokão kkkkkk, e o L Fingindo tá flertando com ele porque odeia o Roger Angel kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Isso é verdade e confirmo.

        Sou tua testemunha!

        Você aparece em todas as publicações pós-derrota do Federer.

        Porque o GOAT é ele…

        kkkkk

        Responder
    1. Marcio

      Comedor de fígados ahahahaa… aí vc vê como as pessoas são influenciadas… um narrador fala uma bobeira dessas e a galera repete igual papagaio!!!
      Perdeu num jogo justo. Como qualquer tenista mesmo sendo melhor do mundo, mas não é imbatível!!
      Torcidas a parte esse US Open será bem interessante!! Vários nomes com reais chances de levar.
      Nadal, Thiem, Federer, Medvedev, Djokovic, Kachanov, Bautista Agut… e alguns mais… Wawrinka se voltar a jogar bem…

      Responder
  45. Nando

    Parabéns ao russo, agora top5…pro circuito (e pra ele após 2 vices seguidos) foi excelente essa vitória.
    Dará confiança a ele pra o USO…q descanse bem agora, pois vem de 3 semanas desgastantes.
    Vamos ver o sorteio na quinta…

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *