Medvedev, o novo ironman russo
Por José Nilton Dalcim
17 de agosto de 2019 às 00:27

Se competir em alto nível por dois torneios seguidos tem sido difícil no circuito masculino atual, imagine então o que é disputar 14 partidas de simples em três semanas sucessivas, com duas finais e agora uma semi. E olha que o piso duro, como os de Washington, Montréal e Cincinnati, machuca mais o corpo do que qualquer outro.

Daniil Medvedev está surpreso até consigo mesmo pela qualidade e tenacidade de seu tênis, a ponto de sequer ter perdido sets em Cincy até agora. Na verdade, ele ganhou nada menos do que 24 dos 28 sets que disputou nessa trajetória incrível na temporada de verão da quadra sintética.

Esta foi sua 42ª vitória em 58 jogos na temporada, lembrando os ‘ironmen’ russos, como Yevgeny Kafelnikov e Nikolay Davydenko. Contemporâneo de Guga Kuerten, Kafelnikov assombrou mais de 80 partidas feitas por seis temporadas seguidas, chegando a 105 tanto em 1995 como em 1996.

É importante observar ainda o estilo um tanto atípico de Medvedev, com opção por bolas muito retas dos dois lados, saque forçado e movimentação admirável para quem mede 1,98m. Será suficiente para repetir a inesperada vitória sobre Novak Djokovic no lento saibro de Monte Carlo de abril? É uma boa pergunta, e eu diria que sua chance está num alto percentual de primeiro saque e na determinação de arriscar backhand na paralela o mais cedo possível.

Se Medvedev atropelou o amigo Andrey Rublev, que não foi sequer sombra do tenista veloz e determinado que surpreendeu Roger Federer na véspera, Djokovic foi exigido por um primeiro set de grande qualidade de Lucas Pouille, mas deu pequeno susto ao pedir atendimento para o cotovelo direito no finzinho da partida. Felizmente, completou a vitória nos dois games seguintes sem sinal de dor.

Tenista de recursos, Pouille foi totalmente diferente daquele que levou surra em Melbourne. Sacou bem, ousou na rede, usou curtas e forçou paralelas. Falhou na parte mental, o que nem é tão novidade assim, e cometeu uma sucessão absurda de erros no tiebreak, justamente onde o emocional é tão necessário. E força mental sobra para o líder do ranking.

Djokovic vai em busca da 50ª final de Masters da carreira em sua 66ª semi. Se vencer às 19h deste sábado, retoma a liderança do ranking da temporada, com vantagem de 100 pontos sobre Rafael Nadal, que pode subir a 500 se levar o bi em Cincinnati e se tornar o único profissional com ao menos dois troféus em cada Masters. É um final de semana especial.

Semi inesperada
A outra semi é daquelas que dificilmente alguém imaginaria quando a chave foi sorteada, ainda que o setor inferior tenha ficado capenga com a desistência de Rafael Nadal. Claro que envolverá dois ex-top 10 que já estiveram em várias semifinais de nível Masters e isso pode garantir um bom espetáculo.

Richard Gasquet já me chamou a atenção em Montréal, porque parecia menos medroso com o forehand, tendo tirado Paire e Nishikori antes de perder para o mesmo Roberto Bautista que dominou com louvor em Cincinnati. Usou desta vez um recurso interessante, que foi diminuir a potência dos golpes para tirar o contragolpe que o espanhol gosta tanto.

Saibrista que foi aos poucos moldando melhor seu tênis, David Goffin já havia feito grandes campanhas na grama, tanto em Halle como em Wimbledon, mas perdido nas estreias de Washington e Montréal. Nem precisou entrar em quadra, favorecido pelo abandono de Yoshihito Nishioka.

Não há favoritismo no terceiro duelo entre Goffin e Gasquet, empatado por 1 a 1, mas vale lembrar que o belga fez semi em Cincinnati no ano passado. Goffin nunca decidiu um Masters em quatro tentativas e Gasquet chega na sua primeira semi desde 2013, tendo sido finalista de Toronto em 2012, a terceira e mais recente que conseguiu.

Osaka torce duas vezes
Quando parecia estar reencontrando alegria de estar na quadra, justamente às vésperas de defender seu título no US Open, Naomi Osaka teve uma notícia ruim. Contundiu o joelho, abandonou as quartas de Cincinnati, pode perder a liderança do ranking se Ash Barty vencer neste sábado e, mais grave de tudo, agora vê sua presença no quarto Slam da temporada sob risco.

Com a desistência de Osaka, Sofia Kenin marcou sua sétima vitória sobre top 10 e a segunda seguida sobre uma líder do ranking em semanas consecutivas. Enfrenta agora Madison Keys, que tirou Venus Williams com a incrível diferença de 39 a 3 nos winners.

Muito mais magra, Svetlana Kuznetsova tirou a chance de Karolina Pliskova brigar pelo número 1. A experiente russa dona de dois Grand Slam já tirou três das 11 primeiras do ranking nesta semana e agora encara Barty, que marcou grande virada sobre Maria Sakkari.


Comentários
  1. Luiz Fernando

    Sinal dos tempos, ou da aproximação do fim de uma geração inigualável, num mesmo torneio Federer e Djoko perderam p jovens russos…

    Responder
  2. Paulo Almeida

    Deu ruim para o rei do tênis. Parecia ter o jogo dominado, mas abriu uma brecha e o russo cresceu absurdamente, com um saque impecável.

    Bom, não preciso fugir como alguns fizeram após a final de Wimbledon, mesmo porque quem passou vergonha foi o Frauderer perdendo feio do Salsicha. E também continua freguês eterno 20×9 e treze vezes vice.

    Responder
  3. Caio

    Dalcim:
    Num lance no último game do segundo set, o djoko rebateu uma bola no pé do medvedev e o juiz cantou bola fora. O djoko pediu o desafio. E foi dentro!
    A bola foi no pé do Medvedev, entao supõe-se que ele tenha visto que a bola foi dentro!
    Por que não fez FairPlay indicando que a bola foi dentro??
    Ok, dada a importância do ponto, é pedir muita honestidade de um jogador, mas tem isso no tênis?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que nesse lance específico é muito difícil para o tenista ter certeza de que foi dentro ou fora, porque foi em cima dele e muito perto da linha. Não vi falta de fair-play.

      Responder
  4. Renato Toniol

    Só me corrigindo, o forehand do russo até tem boa potência, mas apenas quando ele bate bem equilibrado, caso contrário, as bolas tendem a sobrar para o adversário.

    Responder
  5. Eduardo

    Dalcim, fiquei curioso aqui para saber mais em detalhes como é a preparação física dos jogadores … Eles acabam se preparando mais com os treinos com bola ou possuem uma rotina de exercícios mais aeróbicos ? Se assemelha mais à de um jogador de futebol ? Ou estaria mais para a preparação de um lutador de boxe / MMA ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eles fazem sim um grande preparo atlético, mas não durante os torneios, mas nas paradas que dão. É essencial estar resistente e veloz no circuito de hoje.

      Responder
  6. Laisla

    Nas duplas tb tem o relógio para saque?
    Porque até que os tenistas peguem a toalha, até que decidam qual jogada vão fazer, estoura o relógio.

    Responder
  7. Oswaldo E. Aranha

    “Pimenta nos olhos dos outros é refresco”
    Lembrei-me desta expressão ao lembrar-me da gozação que fizeram quando Djoković perdeu para um russo, Kachanov.

    Responder
  8. Gabi

    Pelo menos neste torneio não temos de ver ad nauseam aquela propaganda horrível do “não seja um suricato, um macaco de Java, uma torta…” do BTG pactual.

    Responder
  9. Rodrigo S. Cruz

    [Paulo Almeida]
    17 de agosto de 2019 às 01:44

    “Ganhou 2 jogos na melhor fase de sua medíocre carreira no início de 2017 contra um Djokovic lesionado e abraçando árvores. Em condições normais é surra do GOAT pra cima do marginal australiano, Papai Papudo”.

    E o Kyrgios vive com o joelho estourado e jogando no sacrifício.

    Tenista nenhum entra em quadra, sem condições físicas. Muito menos o Djokovic.

    Se entrou e perdeu, problema dele. Se abraçava árvores, problema dele…

    Engraçado vocês, né?

    ” Mono-desculpose” é desculpa. Mas lesão e religião do Djokovic é salvo-conduto. kkkk

    2 x 0.

    Chupa essa manga, e tira do fiapo do dente!

    kkkk

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Minha preocupação é zero com essa desvantagem para um cara patético que nem é rival. O que importa é surrar Fregueser e Capivara.

      Chupe as 26 mangas! Kkkkkkkkkkkk

      Responder
  10. Renato Toniol

    Sinceramente, não curto muito o estilo do Medvedev.
    Já falei outra vez aqui do forehand dele, aonde faz um movimento muito amplo, e não tem tanta potência nesse golpe, embora tenha um bom backhand.
    Jogar tênis sem backhand é complicado, agora jogar sem um forehand efetivo, é muito complicado de se obter sucesso. É o que vemos no Gasquet, que é muito mais craque que esse russo, mas por ter um forehand fraco, não teve voos maiores. Foi top 10 na base de seu grande talento mesmo.
    Voltando ao Medvedev, o jogo de rede dele é fraquíssimo, e com a altura e envergadura que ele tem, deveria saber explorar mais esse recurso.

    Responder
  11. Paulo Almeida

    Medvedev é muito encardido: é um Bautista que saca bem. Deu muito trabalho para o GOAT esse ano. Caso ocorra, será um jogo muito exaustivo com longas trocas.

    Responder
  12. Sandra

    Dalcim, você não acha que depois do U S Open , o Nadal com casamento marcado e não sendo muito chegado em quadras duras vai desistir de todo segundo semestre? Até porque ele pelo que vi não defende ponto algum

    Responder
  13. Gustavo M.

    Dalcim,

    Certamente já comentei aqui sobre o Pouille, a quem tanto admiro ver jogar. Sendo assim, pergunto: vc não acha que ele tem os golpes mais plásticos do circuito hoje, somente atrás do Federer? Todos os golpes dele parecem exatamente como prescreve a cartilha, muito mais, por exemplo, que o dimitrov, o qual, a meu ver, exagera na terminação do backhand ou mesmo tem uma laçada um pouco ampla no saque.

    Um abraço!

    Responder
  14. Chetnik

    Djoko tá jogando demais essa semana. Desde o primeiro saque, ao jogo de base incomparável que ele tem, até os toques e jogo de rede. Só o segundo saque está deixando a desejar. Primeiro set de ontem foi um dos melhores do ano.

    Medvedev tem um jogo horrível, pqp. Gasquet é um inútil.

    Responder
  15. Ramon Mota

    O medvedev vem bem mas as casas de apostas parecem ter colocado ele em um patamar diferenciado.

    ODD do jogo pouille x djock –> 13 x 1,06
    ODD do jogo medvedev x djock –> 2,75 x 1,5

    Sei la, eu daria uma odd de pelo menos 6, mas esses caras tem informações diferenciadas e costuma trabalhar friamente as estatísticas. Só para ter dimensão, basta que o medvedev quebre 1 vez o djockovic logo no inicio do primeiro set que essas odd’s se inverteriam. Acho precipitado, mas…. a ver.

    Responder
  16. Chetnik

    Não gosto de comentar fora do assunto do post, mas como é referente ao post passado, e eu esqueci, vou abrir uma exceção, por conta da sua relevância.

    No jogo contra o Rublev, o Mr. PeRFect, Roger, 40-15, Federer, tomou um winner de devolução e desafiou o próprio saque. Realmente, esse cara é “pura classe”, como dizem os seus zumb…ops, torcedores.

    Ah, se são os “maratenistas”…é de máu caráter para baixo.

    Responder
  17. Michael

    Essa lesão do Djoko deve ser macumba espanho-suíça, quando ele vira o dono do circuito novamente acontece uma dessas, capaz até do Federer sair da depressão.

    Responder
  18. Miguel BsB

    Muito bom ver o Gasquet voltando a ganhar jogos. É sempre agradável ver a sua belíssima esquerda em ação…É um jogador habilidoso e de recursos, a despeito da sua direita abaixo da média.
    A “Eu” tá pegando no pé dele por estar com a barba por fazer…deixa ele com sua barba, vc não sabe o quanto é chato fazer a barba todos os dias…rs
    Aliás, sendo tenista um bicho dos mais supersticiosos, ja que ele tá ganhando com essa barba, agora é que ele vai passar longe do Gilette hehe

    Responder
    1. Eu

      Kkkkkkk
      Ah, Miguel, eu adoro homem com barba por fazer, mas a dele é de desleixo, não é aquela aparada, cuidada, tratada… E pô, o cara tá indo trabalhar num master 1000, nem cortar o cabelo ele corta? A parte de trás da nuca parece o tony Ramos kkkkkk.

      Responder
  19. Miguel BsB

    Dalcim, se me permite, ao invés de “ironman” , palavra inglesa, apelide o Medvedev de “Stalin”, homem de aço em russo rs…
    E, antes que venham me apedrejar aqui, não tenho nenhuma simpatia pelo sanguinário ditador russo…rs

    Responder
  20. Miguel BsB

    O pessoal no post anterior criticou o Agassi porque ele falou que tinha “nojo” do Chang por dedicar sua conquista à Deus…Não foi bem isso não e distorceram o que consta em sua biografia…
    Ele falou que ficou com nojo do Chang por não entender porque Deus se meteria numa partida de tenis e tomaria lado de um jogador sobre o outro, o que, para mim, ele tem razão…em nenhum momento ele criticou Deus ou demonstrou ser ateu ou algo assim.
    Tb acho ridículo, acontece muito no futebol, jogador dizer que Deus esteve do nosso lado, por isso ganhamos etc…Deus deve ter coisas mais importantes pra fazer, e pq Ele tomaria lado de um filho seu sobre o outro?

    Responder
      1. Gustavo M.

        Tantas teorias sobre como deus age ou deixa de agir. Não seria mais fácil aceitar logo que ele não existe, sendo uma mera invenção humana? Hehe

        Responder
  21. Rafael

    Como sacou mal? Ele ganhou 89% dos pontos com o 1 serviço. As duplas faltas são normais, pois ele tem forçado bastante!
    Se o cotovelo não atrapalhar (🙏), acho muito difícil ele não ganhar o torneio. Como joga tênis o Sérvio!
    Algum prognóstico para as semis, mestre?

    Responder
    1. Sandra

      Antes que eu seja linchada rssss, a virilha normalmente e o reflexo do quadril , e o quadril e a pior das lesões, o cotovelo opera novamente , estou muito errada Dalcim ! E por tudo que ele já passou , se for algo sério acho que ele encerraria a carreira

      Responder
  22. Leandro

    O servio nunca ganhava Cincinnati,ano passado ganhou e agora já vai ser bi.

    O Nadal nunca defendeu título fora do saibro em toda carreira, agora defendeu o Canadá e sem pingar uma gota de suor.

    Sinais do fim da década das trevas do tênis da entressafra do SporTV três

    Responder
  23. Edi

    Bom dia Dalcin,
    Uma curiosidade, não sei se existem estatísticas pra isso,mas,nos dias atuais existem mais tenistas usando a esquerda com duas mãos ou só com uma?e se ouve alguma mudança com passar dos anos de o domínio de uma técnica ter ultrapassado a outra na era profissional.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, há pelo menos duas décadas o backhand de duas mãos domina o circuito masculino e muito mais ainda o feminino. Depois que acabou a geração dos tenistas adeptos do saque-voleio, que necessariamente tinha de usar o backhand de uma mão, o de duas passou a ser padrão.

      Responder
    1. Paulo Almeida

      O fake é do Renato: GOAT do Paraguai entregou.

      O cara achou que iria voltar causando agora em Cincy, mas o GUAT tomou foi outra surra do Rublev.

      Responder
  24. eu

    Gildokson, não fui alfabetizada, muito triste
    Querido, eu sei a diferença entre tamanho e estatura. Tanto sei que qdo vc escreveu o primeiro, fiz uma brincadeira com o segundo. Para jogar assim com as palavras é necessário conhecer muito mais do que só o significado das palavras. Mas vc, reativo, já veio atacando o lado pessoal! Qdo não se tem argumento a gente sabe o que as pessoas fazem…xingam!!

    Responder
  25. Pedro

    Dalcim,

    A campanha do russo é realmente diferenciada. Precisa de grande físico e mental para tantos jogos seguidos chegando nas últimas rodadas. Vamos ver hoje, embora eu acredite na vitória do Nole. O grego e o austríaco estão bem perto dele (na frente) no ranking corrida. Vamos ver quem chega na frente até o fim do ano. O Zverev que não vem tendo uma boa campanha, e já está difícil achar motivos.

    Responder
  26. Paulo Almeida

    Todos os admiradores do GOAT tremeram quando ele pediu atendimento no antebraço/cotovelo e os haters devem ter amado. Não há de ser nada grave, mas se for o caso de ter que abandonar o torneio e consequentemente a chance de ouro de ganhar o BI GOLDEN MASTERS, paciência. A sua longevidade como atleta deve vir em primeiro lugar.

    Responder
    1. Jose Yoh

      Já está bastante longevo. Mais do que todos os outros grandes que vieram antes, exceto Roger Federer.

      O que atesta que há uma mudança na vida útil dos atletas, muito graças à tecnologia. Por isso também conseguem mais títulos.

      Como sempre foi, na verdade. Por isso é tão complicado comparar épocas diferentes.

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Não e não.

      Mas uma vez, você se engana!

      Ninguém aqui torce pro Djokovic se machucar, não senhor.

      Isso é mentalidade de pessoas pobres de espírito.

      Queremos vê-lo no melhor de sua forma, para aí sim ser doutrinado pelo Federer…

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Você pode falar por você. Cansei de ver torcedor do Federer comemorando lesão do Nadal e rezando para ele se aposentar logo e o mesmo com a lesão do Djoko no cotovelo. Concordo que é pobreza de espírito.

        Legal, só que tá demorando essa tal surra, kkkkkkkkk

        Responder
  27. Sérgio Ribeiro

    Medvedev tratou de mostrar o quão mal jogou o Craque Suíço em sua Praia predileta , sem dar a menor chance para Rublev. Tudo bem que os Russos se conhecem desde garotos, mas nada justifica o Suíço ter errado TODOS os fundamentos chegando atrasado em golpes que executa com Maestria. Mandou tão mal , que fez algo raro em sua carreira. Zero de autógrafo para os fãs mirins na saída de quadra. Ao contrário do que afirmam alguns Experts do Blog , quanto mais idade, mais treinos necessita. Dito isto , considero a derrota de Novak nas Quartas de Monte Carlo para o jovem Russo com direito a 6 x 2 no terceiro Set, como a maior Zebra do ano. O Sérvio é impiedoso com quem joga muito atrás da base nas quadras duras. Nem Nadal consegue mais enrola-lo. Deve vencer sem sustos. E do outro lado por mais que admire o belíssimo Back de uma mão de Gasquet , já passou da hora de Goffin fazer uma Final de MASTERS 1000. Leva a minha torcida. Abs!

    Responder
    1. JAN DIAS

      Também vou torcer pro GOFFIN, embora eu ache difícil o DJOKO não ganhar esse torneio..

      Agora, o MEDVEDEV me surpreendeu, nunca dei nada pelo tênis dele e ele está fazendo uma ótima campanha.muito consistente…

      Responder
  28. Rodrigo S. Cruz

    [O LÓGICO]

    16 de agosto de 2019 às 19:56

    “O Almeidão tá tendo orgasmos múltiplos depois que ele e o Djokão, meu herói kkkkk, escaparam fedendo em Wimbledon. Ele tenta brigar com a Gravidade e empurrar para cima o Djokão, na esperança de que as pessoas do mundo inteiro se convençam de seu desiderato e aquiesçam com sua fantasia sexual infantil de que o sérvio é o GOAT kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Almeidão, o tênis do Roger Angel é único, arquetípico, vencedor e artístico, e isso nunca se viu. Não é só uma questão de vitória, é a sublimidade do tênis que ele pratica que o torna “DIFERENTE” kkkkkkkkkkkkk. Mas entendo que é difícil convencer uma alma tão medieval como a sua”.

    Escaparam fedendo mesmo!

    Certamente os três abaixo, melaram as cuecas:

    Djoko, Almeidão e Chetnik.

    kkkkk

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Não tínhamos do que escapar. A derrota com tudo contra seria absolutamente normal, mas o GOAT venceu tudo e todos.

      Pelo menos o Lógico tem uma qualidade: reconhece o talento do sérvio.

      Responder
  29. Marcelo-Jacacity

    Dalcim,
    O saque do Djoko que estava devastador nas primeiras duas partidas surpreendentemente com vários aces, virou abóbora com inúmeras duplas-faltas hoje.
    O Ivanisevic alterou o movimento do saque do Novak? Isso não teria desencadeado essa dor no cotovelo do sérvio?
    O maior adversário do Djokovic são os lesões. Que não repita 2017.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *