Fortes, quartas de Montréal dividem veteranos e novatos
Por José Nilton Dalcim
9 de agosto de 2019 às 00:09

Não se pode falar mal do nível técnico das quartas de final do Masters de Montréal: todos os oito sobreviventes são top 20 e cinco deles estão na faixa dos 10 primeiros. O fato interessante é que os ‘trintões’ estão no lado de cima, numa soma de 127 anos, e os novatos ficaram embaixo, com total de 93. Promessa de rodadas decisivas bem interessantes.

Nadal vinha com nota 9 até a metade do segundo set, com direito a uma série de jogadas espetaculares, mas aí me pareceu bater no espanhol uma certa ansiedade de concluir logo a tarefa. Aí ficou instável, perdeu serviço e errou forehands no meio da rede. A distância técnica para Guido Pella no entanto é grande demais. Enfrentará agora Fabio Fognini, que chegou reclamando da perna e falando da necessidade de cirurgia ainda neste ano, porém mostrou um tênis bem competitivo até aqui. Será o 15º duelo entre eles, com 11 a 4 para Rafa. Em abril, no lento saibro de Monte Carlo, Fognini atropelou.

Quem vencer, enfrentará Roberto Bautista e Gael Monfils, e acho que qualquer um deles pode dar muito trabalho. O espanhol, único que não tem 32 anos no lado superior da chave, vem jogando muito tênis, tendo tirado Tomic, Schwartzman e Gasquet com muita agressividade. Monfils também não perdeu sets na semana, porém diante de adversários de menor gabarito. O placar está 3-1 para o francês, porém não se cruzam desde a vitória isolada de Bautista lá mesmo em Montréal, em 2017.

Três ‘Next Gen’ e o ainda jovem Dominic Thiem lutam pela outra vaga na final. E serão dois confrontos de top 10. Thiem, que jamais havia vencido no Canadá, fez ótimas partidas diante de Shapovalov e Cilic e não pareceu incomodado com a mudança do saibro para a dura. Ganhou as duas vezes que cruzou com Daniil Medvedev, o finalista de Washington no domingo. Karen Khachanov foi muito bem diante de Wawrinka e Aliassime, daí me parece favorito diante de Alexander Zverev, que passou apertadíssimo por Basilachvili. O histórico mostra 2-1 para o alemão, com empate em 2018.

Por fim, vale destacar ainda que seis dos oito quadrifinalistas estão no momento entre os 10 mais bem pontuados nesta temporada (e Monfils sobe no momento para 12º). Apreciemos.

O rei dos Masters
Maior colecionador de títulos nos eventos de nível Masters, série criada em 1990, com 34 conquistas, Nadal agora também é o que soma maior número de vitórias: 379, superando Roger Federer.

O reencontro de Osaka e Serena
O grande momento para o tênis nesta sexta-feira, no entanto, é o reencontro entre Naomi Osaka e Serena Willimas nas quartas de Toronto. Em janeiro, na Austrália, Serena chegou a ter quatro match-points contra Karolina Pliskova, mas cedeu a virada e o duelo tão polêmico do US Open não se repetiu. Nos jogos desta quinta-feira, as duas pegaram qualis e se enrolaram. Serena outra vez saiu atrás do placar e sofreu diante de Ekaterina Alexandrova, enquanto Osaka precisou de tiebreak e evitou dois set-points antes de tirar Iga Swiatek. A vencedora deve encarar Simona Halep.

Canadá sobrevive no feminino
Já a chamaram de ‘gordinha’ e acusaram Bianca Andreescu de jogar fora de forma. Ela responde na quadra: 3h28 para vencer a número 5 Kiki Bertens e avançar às quartas de Toronto, onde já tirou Bouchard e Kasatkina. Esperança local depois dos homens terem caído cedo em Montréal, seu desafio agora é Pliskova, postulante ao número 1 do ranking. O outro duelo de quartas tem Elina Svitolina contra Sofia Kenin.

Bob chega a 1.100
Recuperado da cirurgia que colocou prótese metálica no quadril – o que foi seguido por Andy Murray -, Bob Bryan anotou grande feito na carreira ao atingir em Montréal sua 1.100 vitória na carreira. Apenas o irmão Mike o supera, com 41 a mais. O único outro duplista com quatro dígitos na Era Profissional é Daniel Nestor, que chegou a 1.062.

38 lances geniais de Federer


Comentários
  1. Angela B.

    Sem querer entrar na polêmica dos comentários abaixo, até porque o diagnostico ou o tratamento de cancer (seja pela quimio ou outros recursos) é uma situação totalmente diferente da mononucleose; eu só gostaria de esclarecer (abaixo) umas infos pra quem desconhece essa condição e tem curiosidade no assunto:
    A mononucleose é mais comum do que se imagina e às vezes ela é apenas detectada qdo uma pessoa começa a se sentir fraca fisicamente (mesmo ingerindo a quantidade de vitaminas necessárias) ou porque teve uma infecção qualquer (pode ser de garganta e etc) e não consegue curá-la com antibioticos. Ou seja, a mononucleose é uma doença que afeta a imunidade do corpo e apenas descanso e boa alimentação (por aproximadamente 4 a 6 meses) é capaz de tratá-la, pois não existe remedios eficazes disponiveis pelas grandes industrias farmaceuticas p/ combatê-la – coisa que os compontentes da cannabis resolveriam facilmente, devido ao grande poder de imunidade e cura do sistema canabioide, já existente no nosso corpo.. [rsrsrs..não resisti fazer essa pequena, mas significativa observação☺️]–
    —-Aliás, se houver muito esforço físico, o paciente c/ mononucleose é capaz de desmaiar e ter outras complicações. Portanto, apesar de ser curável com boa alimentação e descanso, precisa-se de TEMPO e muita paciencia p/ que se obtenha total recuperação.

    Responder
    1. Marcílio aguiar

      Excelente explicação. Qualquer atleta que não esteja em sua perfeita saúde tem seu desempenho afetado. Até uma criança sabe disso, menos uns poucos “iluminados”.

      Responder
  2. Angela B.

    Acho de um extremo mau-gosto chamarem atletas que vieram de uma contusao de ‘gordinhas’. O mesmo se aplica qdo essas ou outras atletas possuem características genéticas específicas, como a própria Andreescu, que nunca teve um biotipo “slim” ou até a tenista Arantxa Sanchez (p/ citar outro exemplo) que tb já fora chamada várias vezes de “rechonchuda’. — Sem esquecer (obviamente) do caso da Serena, que tb sempre foi mais corpulenta e depois de ter tido uma filha (aos 35 anos de idade!!!) foi massacrada por ter engordado e ainda criticada por estar demorando mais tempo p/ recuperar a forma física. ———–E isso não tem nada a ver com o tal do “politicamente correto” ou um mero “discurso feminista’, porque apesar das críticas serem mais frequentes às mulheres, consideraria igualmente de mau-gosto um atleta homem ser apontado como tal. ——————– Aí provavelmente vão me dizer: “Ahh, Angela, então temos de ignorar que um/a atleta está acima do peso?” …Não. Não estou dizendo que temos de ignorar que um atleta ganhou peso devido a uma contusão ou uma situação pessoal (como no caso da Serena que se tornou mãe) ….mas o modo que verbalizamos isso, chamando a pessoa gratuitamente de “gordinha”…soa de forma desrespeitosa, meio como um deboche. E isso não é legal. Minha opinião.

    Anyway…. mas aproveitando o assunto, Dalcim: acabei de ver a partida da Serena e Osaka e fiquei muito feliz que a Serena vem recuperando sua forma física e por estar mais “fit”, está conseguindo não só se locomover melhor dentro de quadra, como tb disparar aqueles shots poderosos que a gente tanto conhece, vc não acha?
    #WelcomeBackSerena!

    Responder
      1. Angela B.

        Sou muito fã dela tb, Dalcim…E estou adorando sua evolução física. Mas mesmo em grande forma, vejo no circuito feminino atual as meninas (especialmente as mais jovens) com mais sangue nos olhos do que os homens – por isso, na minha opinião, não acredito que a vida da Serena seria tão fácil como já foi em outros anos. Mas sem dúvida alguma: ela sempre será a grande favorita. Abs

        Responder
    1. Angela B.

      Ooops…foquei tanto na questão do ganho de peso e caracteristicas físicas no comentário acima, que acabei esquecendo de falar da vitória da Andreescu – apesar de não ter visto a partida (fuso horário não ajuda kk) ..o fato da canadense ter vencido a Pliskova em dois sets é um grande sinal de que a menina não está pra brincadeira nesse seu retorno….e tão confiante e agressiva como antes. #WelcomeBack vc tb, Bianca!

      Responder
  3. Mário Cesar Rodrigues

    Dalcim Boa noite,vi o jogo do Rafa mais tem uma coisa que todos sabem Rafa para ganhar dele é muito difícil pode jogar um game ou mais de mofo errado.o importante é a sequência do jogo Rafa domina o jogo mesmo com poucos wineeres e é complicado ganhar dele .isso é o que a maioria das pessoas que não manja o jogo do Rafa aceita ele é consistente. Olhem este ano e não irei aqui tecer comentários de outros jogadores nunca mas nunca teve um jogador como Rafa.Dalcim esperei vamos combinar em RG em 12 finais ganhou todas ninguém conseguiu isto.e nas quadras duras ele é monstro também.

    Responder
  4. Paulo Almeida

    Uma chave mais difícil do que essa para DjokoGOAT em Cincinnati seria mpossível. Só sacador pelo caminho.

    E mais uma chave pífia para o Capivara do outro lado.

    Responder
  5. Pedro

    Dalcim,

    O SporTV só vai televisionar a final do Canadá? Se estivessem jogando Nole e Federer, você acha que mudaria a quantidade de jogos televisionados?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eles estão mostrando no site do Globo Esporte (mas precisa ser assinante a cabo) com VT na madrugada. Acho que o Pan teria prioridade de qualquer jeito.

      Responder
  6. Marcilio Aguiar

    Linda homenagem a RF com 38 jogadas geniais. Interessante que boa parte delas, se não a maioria, foi construida ou finalizada com o BH, que os detratores chamam de pífio. Pode ser o golpe menos consistente do Suiço, em comparação com todos os seus recursos, mas pífio jamais. Parabéns Roger Federer por tudo que ja fez e ainda fará pelo tennis.

    Responder
  7. O LÓGICO

    Mais um recorde do robozinho da LAJE, o Lailtinho brega do tênis kkkkkkkkkkk. Vamos esclarecer esse recorde do UNIDIMENSIONAL? Função, como sempre, dos jogos na LAJE kkkkkkk. Novidade kkkkkkk. Chequem os números de vitórias na Laje e nas demais quadras, nadalzetes carentes kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    O Almeidão deve se tremer todo quando olha o vídeo com as espetaculares jogadas do Fedex kkkkkkkkkkk. E olha que isso representa apenas, eu diria, uns 10% de jogadas geniais e espetaculares Dele kkkkkkkkkkkkkkk Daqui a pouco ele vai classificar as jogadas, também kkkkkk. E só vão valer como parrudas kkkkkkkkk, aquelas realizadas contra o Djokão kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. É pra urinar de tanto rir kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  8. Sandra

    Dalcim, eu particularmente acho estranho ou talvez a palavra mais apropriada seja difícil, o Guga e outros jogadores tiveram qua parar de jogar por causa do quadril, inclusive o Guga até pouco tempo dizia que nem exibições fazia em função das dores no quadri. Aí de repente aparece o Murray jogando ,antes pares e agora em Cinincinati simples, vc acha que ele aguenta ? Físico e as dores?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A medicina avançou muito nesse campo, Sandra. Guga operou pela primeira vez em 2003 e a única referência então era o Magnus Norman, tanto que operou com o mesmo médico nos EUA.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      São situações distintas, mas ele pode chegar cheio de confiança e ritmo em Cincinnati, um torneio que já venceu em 2013 em cima de Federer e Isner, ou seja não foi pouca coisa.

      Responder
  9. Rodrigo S. Cruz

    [GLEISI]
    9 de agosto de 2019 às 06:49

    “Claro, um ze ninguém que era n3 do mundo aos 20 anos rs. Cara, vc não entende nada de tênis mesmo.
    Só acertou na parte do mental que eu canso de falar aqui. E nesse quesito o Djokovic sobra no circuito há anos”.

    Alto lá, Gleisi!

    A cada dia você quer colocar mais as “manguinhas” de fora, né?

    Posso ter as minhas discordâncias e farpas com o Sérgio Ribeiro.

    Mas como até o Rafael que é fã do Djoko já escreveu aqui, ele entende de tênis sim.

    Aliás, quem manja bem pouco ou nada é você e o Almeida.

    Tênis pra vocês é Djokovic. O que vocês entendem bem é de provocação e babaquice.

    Sim, nisso são Mestres!

    Outra prova disso é que quando citei o Guga como grande oponente, você veio dizer que ele foi só ” jogador de saibro”.

    Puta merda.

    Só por aí se aduz que você nem deve ter visto o Guga jogar.

    Ninguém gostava de ter Kuerten do seu lado da chave, exceto na grama.

    O cara tinha um mental fortíssimo, ótimo jogo de base, além de grande saque.

    Se o Bozo do blog acha que Slam parrudo é meramente desbancar um BIG 3, ele iria pirar se visse aquilo.

    O Guga ganhou um Master memorável, em Cinci 2001.

    Foi a chave mais escrota que eu já vi, de todos, até o dia de hoje.

    A começar da PRIMEIRA RODADA, Guga venceu em sequência os melhores tenistas de hard da época:

    Roddick, Haas, Ivanisevic, Kafelnikov, Henman e Rafter!

    Enquanto Sampras dava vexame, tendo caído na segunda rodada para Alberto Martin.

    Guga foi muito mais que um mero jogador de saibro. Ter sido número 1 não foi obra do acaso.

    O próprio Djokovic tem um grande respeito por ele…

    Abs.

    Responder
    1. lEvI sIlvA

      Caro Rodrigo, acredito que foi por volta dessa época que nosso Guga atingiu o ápice de seu potencial tenístico. Este torneio foi algum tempo depois da Masters Cup de Lisboa (Final de 2000) na qual este jogador, Gustavo Kuerten fez a proeza de DERROTAR Pete Sampras e Andre Agassi, pra sagrar-se campeão. Vale lembrar (NINGUÉM OU MELHOR, NENHUM OUTRO TENISTA JAMAIS) conseguiu o mesmo feito, antes ou depois dele. Eu tenho aqui o jogo da Final com Rafter na íntegra e posso afirmar com muita convicção, Guga levou a melhor contra o australiano não só em passadas, mas também na rede. Estava com uma confiança, uma moral que nem dá pra imaginar! Ao ponto de se dar ao luxo de encerrar o jogo da SF e jogar a Final no mesmo dia, logo em seguida. Foi um pedido do Larry à época e deu tão certo, que nem parecia que Kuerten jogava contra um dos maiores jogadores de saque e voleio da época. Infelizmente, depois disso, as coisas foram saindo dos eixos e tudo acabou. Mas pode crer numa coisa, o motivo de tanta audácia, arrojo e tudo o mais só veio após a Masters Cup de 2000. Ali, meu caro, ele finalmente entendeu… Podia ganhar de qualquer um!

      Responder
      1. Marcílio aguiar

        Para mim Cincinati 2001 foi o torneio mais brilhante do Guga (a final contra Rafter foi inacreditável). Em grau de dificuldade só comparável a RG 1997 quando bateu 3 ex campeões do torneio.

        Responder
  10. Valmir

    Nadal disse que está preocupado com o Tênis… e por isso voltou ao conselho da ATP.

    Será mesmo ?? O histórico dele não mostra muito bem isso.

    Tempos atrás ele queria mudar o sistema do ranking de anual para… bi-anual.
    O motivo era que numa janela maior, alterações muito fortes no ranking ficam mais difíceis de acontecer no curto prazo.
    A janela maior suaviza alterações bruscas, tanto em perda como em ganho de pontos.

    Federer… na época, presidente do conselho… foi contra argumentando que ela prejudicaria os jogadores mais novos… e prejudicaria mesmo!

    Mas porque Nadal queria mudar, então ??

    Porque foi em uma época que ele sofria muito com contusões e perdia posições no ranking e aí enfrentava jogadores fortes mais cedo nos torneios.
    Na verdade, ele queria mesmo era um sistema que o favorecesse… evitando confrontos duros precocemente.

    Então… é bom torcer o nariz… quando o Nadal diz que está preocupado com o futuro do Tênis.

    Responder
  11. Sônia

    “Já a chamaram de ‘gordinha’ e acusaram Bianca Andreescu de jogar fora de forma. Ela responde na quadra: 3h28 para vencer a número 5 Kiki Bertens e avançar às quartas de Toronto, onde já tirou Bouchard e Kasatkina”.

    Rsrsrs, euzinha disse que a Andreescu está gordinha e engordou mais ainda (inacreditável), por isso vive lesionada, vive fazendo caras e bocas de “dorzinhas” aqui e ali (total “drama queen”). Gosto dela, na torcida por ela, mas deveria emagrecer sim (vida longa nesse esporte). Torcendo para uma final entre as bolotas Andreescu vs Williams rsrs. Mudando de assunto, adorei o vídeo Dalcim, obrigada (1000x). Beijos.

    Responder
  12. Paullo

    Sônia entende muito de tênis kkkkkk
    Falou que o torneio tá fraco
    O post do Dalcim mostra o contrário
    Mas como ela torce para o Federer, o sergio Ribeiro não tira sarro.

    Responder
    1. Sônia

      Repito, totalmente fraco, jogos sem emoção, sem garra, sem “sangue nos olhos”, erros bisonhos… enfim, se voce ler direitinho, Dalcim analisou “ranqueados” (técnica é o mínimo que se espera) e até já “afirma” o vencedor. Não desenharei para não humilhar. Beijos.

      Responder
      1. Paullo

        Desenhe para ver se assim vc mesma entende
        Desde RG vc fala que tá tudo sem graça, sem garra. Wimbledon vc disse a mesma coisa.
        Nem sei porque ainda assiste
        Já no título o post do Dalcim de ontem fala que as disputas estão fortes.

        Responder
  13. Luiz Fernando

    Infelizmente não pude ver nada do jg do Rafa, mas vencer é o q interessa, sempre é melhor vencer do q perder fazendo mais winners, algo q nada significa. Creio q tem tudo p ir a semi amanhã, só não pode dormir como ontem, como os q viram citaram.

    Responder
  14. Jonas

    Luis Fernando, isso mostra o quanto o Nadal é regular.

    Bateu um dos recordes do Federer. O Djokovic deve bater o de semanas em pouco tempo, na era mais forte do tênis .

    Claro que os fãs malucos vão tentar diminuir o feito, normal. No final de carreira ele vai ser superado pelos 2 maiores rivais. Esse é um dos motivos pelos quais ele não se aposentou ainda, por isso continua motivado, sabe que se parar vai ser superado por muito.

    Responder
    1. Jonas

      O Sérgio Ribeiro deve ser o primeiro a responder alguma besteira do tipo “não existe masters 1000 na grama”

      Gênio, o Nadal é 5 ANOS mais novo que o freguês.

      Responder
      1. Gildokson

        Pq besteira? Se ele escrevesse isso estaria mentindo?
        E se existisse master 1000 na grama não seria um absurdo afirmar que Gênio teria um número maior de vitórias.
        De qualquer forma, recorde em ótimas mãos.

        Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Parabéns pro Nadal.

      Não é a toa que nem o Djokovic tem tantos Masters 1000, quanto ele.

      Curioso é o Federer ter 102 títulos ATP, e vocês dizerem que isso é nada.

      E o Nadal ter mais vitórias em Master 1000, e isso ser tudo.

      kkkk

      É como eu sempre digo.

      Nadal não é nem nunca será ameaça real, para vocês, aves de rapina.

      Ele pode ser elogiado, numa boa.

      kkkk

      Responder
  15. Luis

    Dalcim muito legal a homenagem ao Federer 38 jogadas e’ pouco kkk acho que Medvedev traduziu bem Federer e’ um artista cara do Kyrgios na jogada do suíço foi muito legal rs a do Roddick brincando quase joga raquete no Federerkkk,sobre Kyrgios falasse muito no Becker pra ajudar o Zverev,Dalcim o Becker daria certo como técnico do Kyrgios?rs talvez Hewitt daria com Kyrgios que admira muito o ex número 1 e já estiveram na davis

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, acho que Becker não combinaria com o Kyrgios. Ele precisa de alguém que o discipline, e talvez não exista alguém neste planeta para fazer isso… rsrs…

      Responder
  16. Rodrigo S. Cruz

    Vem aí mais um FODAL

    Façam suas apostas.

    O Touro deve estar com o italiano entalado na garganta, depois daquela surra em pleno Monte Carlo.

    Responder
  17. Rodrigo S. Cruz

    [Eu]
    8 de agosto de 2019 às 23:22

    “To vendo o panamericano. Natan Adrian teve câncer na próstata e agora acabou de conquistar a prata nos 100m livre
    Federer com mononucleose não jogou jkkkkkkkk”

    Parabéns.

    Essa deve ser uma das comparações mais “jeniais” já escritas por essas bandas (rs)

    Mononucleose é uma coisa tão sem importância que o Soderling pegou, e NUNCA MAIS pisou numa quadra de tênis.

    Responder
    1. Eu

      Por mais que com a mononucleose tenha-se de tomar cuidado com o baço e o fígado, vc nao quer comparar mononucleose com tumor maligno, cirurgia e quimioterapia, né?!

      Responder
    2. Luiz Fernando

      Nossa, mas se ele teve algo tão grave assim como jogou 5 sets na final, lutando, e muito, até o 97 no final? Concorda que quanto mais grave a doença maior a restrição e limitação física que impõe ao indivíduo? Alguma coisa não bate nessa equação. Imagino o q alguns alguns imbecis aqui do blog diriam se fosse Nadal que aguentasse jogar 5 sets numa final com uma doença grave, doping seria pouco…

      Responder

Deixe uma resposta para Paulo Almeida Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *