‘Mineirim’ de ouro
Por José Nilton Dalcim
3 de agosto de 2019 às 18:05

Embora seja o grande favorito neste domingo para conquistar o título pan-americano em Lima, já nem importa tanto se João Menezes se tornará o quinto homem brasileiro a pendurar a medalha de ouro de simples na história dos Jogos. O que ele já fez nesta semana vale por um pódio inteiro.

Vale recordar logo de início que Menezes não pisava numa quadra de saibro desde maio, justamente quando conquistou seu primeiro troféu de nível challenger, tendo disputado desde então seis torneios consecutivos sobre quadra dura, com um vice e uma semi. Aliás, a terra sequer é seu piso predileto do momento.

Além da difícil adaptação ao saibro tão lento de Lima, a campanha exigiu duas vitórias muito signifitivas, especialmente em cima do chileno Nicolas Jarry, este sim um autêntico saibrista, campeão em Bastad dias atrás e 55º do ranking. E foi uma atuação das grandes, em que dominou nervos. No dia seguinte, o experiente e canhoto Facundo Bagnis, atual campeão pan-americano, ganhou o primeiro set e ainda assim Menezes manteve-se confiante, ousou na parte tática e foi mais frio do que o argentino na hora h.

Juvenil de grande qualidade, Menezes já passou momentos duros na curta carreira. Ficou quase um ano todo sem competir por conta de três cirurgias no joelho e uma na coluna justamente quando faria a transição ao profissional. Precisou de um intenso trabalho físico para recuperar o equilíbrio das pernas e desde então lentamente vem se recuperando. Passou valioso tempo em Barcelona, sob orientação de Galo Blanco, bom profissional e ex-treinador de Milos Raonic, onde treinava ao lado de Karen Khachanov e Andrey Rublev.

A inesperada campanha em Lima vem em hora oportuna, porque Menezes acaba de garantir a meta de entrar no quali do US Open. Com apenas 15 pontos a defender até o fim do ano, só se pode esperar ascensão no ranking, o que abre enorme chance de ele confirmar a vaga olímpica em Tóquio. Isso está assegurado pela final no Pan, mas condicionado a que esteja no top 300 após Roland Garros de 2020.

Não parece um problema a mais um mineiro de ouro do tênis brasileiro.

P.S.: O Pan de Lima também me pareceu valioso para Carol Meligeni Alves, que ainda tenta se firmar no circuito profissional. Fez boas partidas, superou sufocos com garra ao estilo do tio Fininho e pode voltar para Campinas com duas medalhas de bronze, uma delas ao lado de Luísa Stefani.


Comentários
  1. Mário Cesar Rodrigues

    Dalcim Boa Noite. Vi o jogo do Rafa é conhecendo o tênis do Rafa a melhor chance para ele cair é no primeiro jogo entra ansioso falta ritmo dito isto no segundo set começou a ficar um pouco mais agressivo e ganhou agora quebrou o gelo….e dificilmente agora a meu ver perde cedo o que acha?

    Responder
  2. Sandra

    Dalcim, não sei se é impressão minha , mas só vejo o grego, o Kyrgios, essa garotada com raras exceções só se esforçarem quando jogam com Nadal, Federer, e Djokovic ,, poderia me tirar essa dúvida .?

    Responder
  3. Sônia

    Inacreditável como só falam de VOCE meu Lindinho, argh argh argh. Orações fortes aqui, pois a inveja está braba… “JS, NS” (1000x). Mudando de assunto, Dalcim, como a Andreescu está mais gordinha, inacreditável, por isso tantas lesões. Beijos.

    Responder
  4. Luiz Fernando

    Vi q Rafa venceu em 2 hs, o q sinceramente isso não me surpreendeu. Na segunda vi um video de um treino dele com o Coric no Canada e observei uma profusão de erros, em especial na devolução. So resta aguardar q vá evoluindo no torneio.

    Responder
  5. Fonseca

    Mestre Dalcim, uma dúvida:

    A Laver Cuo consta no calendário oficial da ATP este ano (no site da ATP).

    Pergunto: ela dará pontos no ranking???? Creio que não.

    Responder
  6. Jonas

    “Traulitada, né? (rs)

    Aham.

    Explique pra gente como é que se dá uma traulitada de 56 x 96 !”

    Hahaha. Acho que isso explica bem o famoso “jogou como nunca, perdeu como sempre” kkkk.

    O cara deu a vida nesse jogo, estudou bem o Djokovic, fez tudo que tinha que fazer, correu até mais e…perdeu, kkkk.

    Responder
      1. Jonas

        Apenas um fanático pelo Federer como vc diria que o Djokovic não convenceu rs. De qualquer forma, tenho certeza de que o próprio Federer está bem ‘convencido’ de que nem jogando seu melhor tênis, foi possível derrotar o Djokovic em Grand Slam.

        Só lembrando, a última vitória de Federer sobre Novak em Grand Slam foi em 2012. Os números não mentem, mas continua sendo engraçado ver Federetes como vc tentando o impossível. Isso mostra como vocês estão sangrando…

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Ô Gleisi, o próprio Federer te desmente.

          Pois ele disse:

          “inacreditável a chance que eu perdi no matchpoint”.

          Ele colocou muito mais culpa em si mesmo, do que deu mérito ao farsante. Kkkk

          E não cultive mania de grandeza. O sérvio nunca foi invencível.

          Ninguém é…

          Responder
          1. Jonas

            Óbvio que o Federer vai chorar cara, perdeu tendo match point e jogando bem, assim como no USO 2010,2011 lembra?

            Infelizmente pra ele, o Djoko foi melhor nos momentos de maior pressão, coisa comum neste confronto, o sérvio é melhor em um aspecto do jogo essencial.

            Você vê sorte porque não entende nada de tênis.

  7. Luis

    Dalcim ruim essa coisa de desmerecer um cara como Federer que foi um ícone transformação tênis moderno interesse das pessoas pelo tênis cresceu muito com suíço,também com Nadal e Djokovic,até ex tenistas parecem aproveita pós Wimbledon pra tirar casquinha do Suico rs como diz Dalcim pelo conjunto da obra Federer e’ o melhor da história,uma pergunta Dalcim esses grandes tenistas como Federer conseguem esquecer derrotas mais fácil que outros tenistas?

    Responder
  8. Eu

    Ryan Lochte completou 35 anos de idade no sábado e anteontem nadou os 200 medley e venceu a prova no Campeonato Americano com expressivos 1:57.76. É o seu primeiro título nacional desde 2014 e que ganhou ainda mais relevância depois de 14 meses de suspensão por ter utilizado a infusão intravenosa de aminoácidos. A prática é considerada uma violação do código de controle anti-dopagem e Lochte pagou por isso.

    Então Federer com 38 não tem nada demais kkkkkk

    Responder
  9. CAIO CESAR DE PAULA

    Dalcim, ausentei-me um pouco do blog pq a última derrota doeu demais.
    Me senti duas vezes assim com o esporte: quando o Corinthians perdeu para o Palmeiras na Libertadores 2000 e na derrota para o River Plate em 2006 (nessa, inclusive, dei tudo que tinha do Corinthians … Minha mãe na época disse eu ia me arrepender, e me arrependo até hj kkkkk).
    Vc pode perceber que não é a derrota em si que me machuca, mas o modo como ela acontece. Já comentei isso uma vez em uma derrota do Krachanov para o Nadal sem conseguir andar direito.
    Apesar de tudo, impressionei-me com um comentário seu, mto humano e de quem ama o esporte. Vc disse que não ficou triste pela derrota do Federer, mas pela forma como foi, pois pode vir a atrapalhar a sua motivação para jogar tênis. Tbm tenho essa sensação e é isso que incomoda mais.
    Enfim, que ele consiga se superar mais uma vez e dar a volta por cima. Como fez ganhando RG/2009 após a dolorida derrota do Australian Open, como fez ao ganhar o Australian Open/2017 após quase 5 anos de jejum em Slams e como fez ao ganhar tantas vezes de Nadal após inúmeras derrotas dolorosas.
    Enfim, só nos resta esperar …
    Grande abraço!

    Responder
    1. Fonseca

      Machucou, e machucou demais. Independente de ser fã ou não do suíço, o fato é que, desde 1948, ninguém havia vencido uma final de Wimbledon saindo de match point… mais um feito para Djokovic…. o mais incrível foi que estava 15×15 e Federer sacou dois aces para chegar no 40×15… e aí foi aquilo.

      E outra coisa pouco mencionada: o suíço ficou no jogo até o final… inclusive, creio que foi no 8×8 ou 9×9 que ele teve dois breaks. Ou seja, mesmo após perder os match points ele ficou firme.

      Responder
  10. Rodrigo S. Cruz

    Eu pensando cá com os meu botões, né.

    As fiéis beatas do “bully” dos boleiros que comem sardinha e arrotam caviar escaparam foi de uma boa!

    Porque se o Federer converte aquele matchpoint no 40/15, criar-se-ia um novo critério aqui.

    Um tão idiota quanto o critério parido por eles:

    “O SLAM SUPER-PARRUDO”.

    kkkkkkkkk

    Pois o Federer teria desbancado no mesmo torneio, Nadal e Djokovic!

    Responder
    1. R.P.

      Em tempo, é melhor mudar a onomatopeia de choro; ao invés de “buá”, que tal “se, se, se, se”… KKKKKKKKKKKKK (Melhor deixar só 3 “ses” em homenagem ao trivice).

      Responder
    2. Jonas

      “teria” kkkkkkk.

      Seria algo fora da curva mesmo. Mas deu a lógica, inclusive o normal seria ele perder do Nadal nas semis. Aquele jogo mostrou que o Federer estava em seu melhor nível. E nem isso foi possível pra parar o Djokovic.

      Responder
    3. Paulo Almeida

      O rei do tênis Novak Djokovic já possui um Slam supermegaparrudo, o US 2011, já que despachou versões top de linha do Fregueser e do Capivara. Enquanto isso, o suíço continua apenas no cheirinho e com 13 Majors com peso pena.

      Responder
  11. Rodrigo S. Cruz

    [Paulo Almeida]
    5 de agosto de 2019 às 23:34

    “Os anos de 2009 e 2010 foram ruins para o sérvio, pois ele sofria com a intolerância ao glúten. Foi só resolver esse problema que os resultados apareceram”.

    Na boa, cara…

    Que se phôda essa conversa fiada de glúten! (rs)

    Atenha-se aos fatos, e nos poupe de “chololôs” e das desculpas rotas.

    Seria o mesmo que lamentar que o Federer deixou de conquistar mais, só porque demorou em trocar de raquete…

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Vocês utilizam as desculpas estapafúrdias de idade, saibro verde, jogo que não encaixa, mononucleose, raquete etc.

      Por que não posso utilizar um fato que faz parte inclusive da biografia oficial do sérvio? Sei que é muito difícil para um fanático sem noção como você compreender que a doença celíaca comprometia muito a performance de Novak, mas não sou eu que vou perder meu tempo tentando te convencer a respeito.

      Responder
  12. Lola

    O tal Kyrgios é tão insuportavel, arrogante,mau caráter, que não consigo nem achar o jogo dele bonito.

    Ah, e ainda quis dar um migué fingindo lesão, embora ele seja um corcunda.

    E tem mais, ele mooooooorre de inveja do Djokovic, só quer chamar atenção, pq nunca vai ser nada no tênis, só um fanfarrão que se destaca pela má educação e prepotência.

    Só vai vencer esses torneios secundários, é o q resta pra ele.

    Responder
  13. Fernando Brack

    Tem um punhado de torcedores do Djoko aqui que não se cansa de viajar na maionese. Pra essa patota, o tênis se divide em antes de 2008, uma era sombria e medíocre do esporte, tipo uma Idade Média, e depois, mais especialmente depois de 2011, com o advento de uma era mágica e fabulosa, tipo o Renascimento. Fanatismo é uma droga que destrói os neurônios do indivíduo.

    Responder
      1. Lola

        Daqui há 50 anos ninguém vai lembrar que o Federer deu 96 winners na final, a não ser que vc ainda esteja aqui no blog falando disso.😂😂😂😂

        Responder
  14. Luiz Fernando

    Rafa disse q nada muda sem os outros caras do Big3. De fato acredito q no comportamento e na preparação dele nada mude mesmo, mas claro q ele sabe q facilita muito…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Bom,

      Na verdade a gente sabe que o Nadal calado é um POETA, né?

      Repete sempre as mesmas falas previsíveis e insossas.

      Nesse sentido, o “bad boy” Kyrgios dá um banho nele…

      Responder
  15. Daniel

    A meu ver Kyrgios necessita urgentemente de um tratamento psiquiátrico.
    É clara a instabilidade emocional que apresenta no decorrer das partidas.
    Qualquer pequeno detalhe pode levá-lo a uma reação intempestiva.
    Com o talento que tem, a força física, velocidade e mobilidade (pelo tamanho) pode se tornar o nome a ser batido nos próximos anos.
    Estou certo de que um acompanhamento só faria bem. Resta saber quem o convenceria a se submeter.
    Ele me lembra um pouco o Marat Safin, que não era tão doido, mas tinha um talento absurdo e poderia ter sido nº 01 se levasse a carreira mais a sério.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Perder um jogo fazendo menos winners é uma coisa…

      Agora perder fazendo QUARENTA winners a menos, é outra totalmente diferente.

      Desculpe, mas me parece uma vitória bem medíocre sim.

      Apanhou demais…

      Responder
      1. Paulo F.

        Enquanto o Djokovic se cura da “surra” de winners que levou, mais uma quinta taça do “medíocre” torneio de Wimbledon encontra-se em Belgrado.

        Responder
      2. Luiz Fabriciano

        Rodrigo, esse assunto está ficando tão batido e chato que você está até trocando as coisas: quem fez winners a menos ganhou o jogo, mas completando, não foi uma vitória medíocre, foi uma vitória brilhante de quem teve resiliência para superar o genial adversário. Eu torci para que fosse um triciclo, mas no final, teve um sabor melhor, temperado pelo sofrimento.

        Responder
      3. Carlos Reis

        O Federer na real, ganhou o jogo, mas perdeu o TÍTULO…rsrsrs

        Difícil perdoar o craque suiço depois dessa hein!?

        E todas as glórias foram para o ‘palhaço de torcida pequena e ruim’, que não mereceu esse título um minuto sequer.

        Responder
      4. Paulo Almeida

        Esses 40 winners a mais são resultado de um set que o sérvio jogou no lixo por causa de uma de suas viajadas. O mesmo aconteceu com o Fregueser na semifinal, já se esqueceu?

        E no final quem bateu no rival foi o GOAT Djokovic mesmo, vencendo três sets.

        Responder
      5. Fonseca

        Inclusive estatisticamente, é quase impossível perder uma partida com tal diferença de winners (só se os erros fossem muito mais também – o que não foi o caso desta partida final). Assim como, estatisticamente, no nível deles perder três tie-breaks em uma só partida foi inacreditável…

        Responder
  16. Marcilio Aguiar

    Parece que nas últimas semanas a tentativa de rebaixamento a Roger Federer tomou proporções nunca dantes vistas neste Blog. As criticas costumeiras já não são suficientes. Agora, a todo momento, são invocadas opiniões de ex-tenistas, que tem todo o direito de expressá-las, direcionando-as para o intento de emplacar as teses estapafúrdias de “slam parrudo” ou de entressafra. Sempre tive meus tenistas preferidos (Borg, Edberg, Agassi, Guga, etc.), mas, por princípio, nunca me permiti desvalorizar seus principais adversários. Pelo contrário, sempre reconhecia as qualidades e feitos desses. Para mim Federer é o melhor tenista que já vi jogar, não só porque é vencedor, mas pela forma como ele joga. Não sou louco de depreciar ou não reconhecer todas as conquistas do Nadal e do Dojko, mas o jogo deles não é o que mais me agrada. É bem provável que em dois ou três anos superarão os números do Federer e isso não me importa. Acima de tudo eu gosto de tênis e vou continuar gostando mesmo depois que RF parar. O Federer não precisa de defesa, pois sua carreira fala por si. Também não gosto de me envolver em polêmicas, mas diante dessa avalanche de ataques resolvi engrossar o coro daqueles que, brava e diariamente, aqui defendem a visão dos que apreciam um tênis vencedor e praticado como a mais fina arte.

    Responder
    1. Barocos

      Bem, sou primeiramente, fanático por resultados justos, depois, torço por jogos disputados e, finalmente, escolhendo um jogador, torço pelo Djokovic.

      Isto posto, acho ridícula a postura de alguns aqui que insistem em depreciar as qualidades de todo e qualquer outro tenista que não os seus ídolos. Nada pode ser mais tacanho, pois, assim agindo, conseguem também depreciar as qualidades daquele para o qual torcem.

      Federer, Nadal, Djokovic e Murray são os melhores jogadores que já vi jogar e, sim, vi o Borg, o Sampras, o Edberg e muitos outros.

      Uma pessoa tem que ser muito falsa para chamar o espetacular Federer de Frauderer ou coisa parecida. Tem que ser muito idiota para chamar o Nadal de baloeiro. Tem que ser muito sonsa para tachar o Djokovic de maratenista.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Don’t lie!

        O Renato falava outras coisas para tentar exaltar o Federer e diminuir o Djoko.

        Mas essa ideia de asno citada aí por ti, quem inventou e tem repetido à exaustão é o teu xará…

        Responder
        1. Paulo F.

          Errado!
          Ele coloca Wimbledon e US Open acima do AO e RG – obviamente pq são os dois que Federer mais possui êxito, ainda mais em comapração a Djoko e Nadal.

          Responder
    2. Luiz Fabriciano

      Parabéns por você dizer que Federer é o melhor tenista que VOCÊ já viu jogar. Ao contrário de muitos que insistem que quem não acha isso, não entende de tênis.

      Responder
      1. Marcílio aguiar

        Luiz Fabriciano. Nada mais natural do falar que apenas por mim. Não tenho condições nem pretensão de avaliar o conhecimento de alguém com base em suas preferências. No máximo, posso considerar que temos visões diferentes quanto a estilos e outros aspectos do esporte, mas sempre respeitando a escolha do outro.

        Responder
    1. Carlos Reis

      kkk Para mim não fez falta, depois de Wimbledon/19 o tênis virou futebol, onde o pior em quadra pode vencer…

      Não tenho mais vontade de assistir…

      Responder
  17. Paulo Almeida

    O Masters do Canadá mal será transmitido por causa dessa droga de Pan. Menos mal pelo fato do GOAT Djokovic não estar participando.

    Responder
  18. Valmir

    Pois é… o time dos que consideram o Fregueser o maior vai sofrendo rachaduras atrás da outra… se rendendo à realidade dos fatos.

    Nick Bollettieri… um dos maiores treinadores de todos os tempos…que .. em sua academia na Flórida… formou nada menos que… Andre Agassi… Jim Courier… Serena e Venus Williams… Monica Selles… Maria Sharapova… foi treinador por 2 anos de Boris Becker.

    Pois Nick foi questionado sobre quem seria o maior jogador que já viu jogar… ele não teve dúvidas e respondeu de bate pronto.

    No alto dos seus 80 anos de vida… ele afirmou categoricamente… e detalhando o porque… que o GOAT é somente… Novak Djokovic.

    https://www.tennisworldusa.org/tennis/news/Novak_Djokovic/74821/novak-djokovic-is-the-best-ever-great-to-see-him-back-nick-bollettieri/

    Logo após a final de Wimbledon… Patrick Morataglou… treinador de Serena… falou na mesma linha.

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Normal, todos estão tomando coragem pra assumir que o verdadeiro GOAT é o Djokovic e não o Frauderer com números inflados pela entressafra e em períodos de lesões de Nadal e Djokovic.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        O “goat” que executa slices que mais lembram um MACACO segurando a raquete…

        kkkkk

        Que penou por anos, pra executar um simples smash minimamente aceitável.

        Como são pouco exigentes essas beatas ridículas do sérvio…

        (rs)

        Responder
        1. Paulo Almeida

          O slice do Djoko é excelente e o smash já está em um nível bem razoável. Já o Jagua da Montanha só melhorou um pouco sua esquerda nível tênis feminino em 2017, mas continua sendo o GOAT das madeiradas bisonhas, inclusive no championship point de Wimbledon, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Almeida,

            O slice do sérvio é tão ” excelente” que eu não vi o Federer perder UM PONTINHO SEQUER pro slice-calango dele.

            Ou seja, não bastasse a execução ser horrorosa, é pouco eficiente. Em suma, um lixo.

            Abs.

    2. Sérgio Ribeiro

      Você fica tentando angariar opiniões, caríssimo Valmir , com qual objetivo? Encher a Kombi ? rs Agassi por exemplo detestava esse senhor citado por você. Quase largou o Tênis. Ele jamais teria capacidade pra treinar alguém fora do Tênis força. Becker ficou somente dois anos e respeita o Suíço como ninguém. Até porque apanhava de Sampras. Nem citando mais Rod Laver ( devido à Laver Cup ) , que tal John McEnroe que enfrentou grandes feras de Borg ao falastrão Wilander ( disse ao início do ano que o Suíço jamais venceria outro SLAM ) , “ Roger provavelmente é o melhor jogador que já empunhou uma Raquete “ . Posso te garantir que a grande maioria acha isso. Inclusive os “ alunos “ da Academia do tal senhor. Há começar pelas irmãs Willians . Abs!

      Responder
    3. João ando

      Valmir. Sinceramenre o Nick não deve ser considerado sua opinião deve estar com demência e o moratoglou e treinador se nao me engano de uma desequilibrada como a serena e um maluco como o nick …ou melhor ja foi ne …técnico do kirgios

      Responder
    4. Fernando Brack

      Vejo esse pessoal aí falando como torcedor. Obviamente, Djoko não é o GOAT, mas pode bem vir a ser. Vontade parece não lhe faltar e isso é muito bom pro esporte.

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Obviamente Djokovic é o GOAT, já que detém os recordes mais absurdos do tênis e domina incontestavelmente seus maiores rivais desde que atingiu seu melhor nível de jogo.

        A coisa mais próxima que o Federer tem de GOAT é o seu apelido JaGUATirica da Montanha (GUAT para os íntimos).

        Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          “Recordes mais absurdos”.

          Nem o de Slams o coitado tem!!

          Perde até pro Nadal.

          Ou claro, mas espere um pouco, tem os “parrudos”.

          kkkkk

          Responder
          1. Paulo Almeida

            Golden Masters e 4 Slams consecutivos na era mais difícil do tênis, por exemplo. Nem preciso citar os 15 GS parrudos, senão é covardia.

  19. Nattan Lobatto

    Como torcedor do Novak tenho todos os motivos para odiar Nick Kyrgios. O cara já fez/falou muita merda, um verdadeiro bobalhão e um total desperdício de talento. Talento este que o fez levar com todos os méritos o ATP 500 de Washington, MERECIDO, jogou muiiiiiito!!!!!

    Bem, o cara pode ter uns 300 parafusos soltos mas parece que tá começando a manter o foco. Confesso que fiquei extasiado com algumas jogadas de efeito e até as suas brincadeiras arrancaram risos, como aquela de se ajoelhar para entregar o sapato nas mãos de Tsitsipas kkkkkkkkkkkkkk… Que foi aquilo!?!?!? rsrs

    Abs e para a irritação de alguns: só faltam 48 semanas!!! hahaha

    Adje Nole!

    Responder
  20. Mauro

    Se o jornalista Dalcim, com toda sua experiência, diz que Federer é melhor, quem somos nós para discordar, não é mesmo? Pelo visto o sérvio vai ter que ganhar uns 30 slam e mesmo assim será dúvida.

    Responder
  21. Luiz Fernando

    Dalcim vc sempre comenta acerca do grande potencial de Kyrgios. Assistindo alguns sets dos jogos dele em Washington, me chamou a atenção o serviço, com bom índice de primeiro serviço em quadra, várias vezes a 135 mph (216 km/h) ou mais, com vários aces e outro tanto sem devolução na quadra. Perguntas: qual é a regularidade desse padrão? Seria essa sua principal arma? Se ele mantiver essa regularidade será um adversário duro nessa temporada de quadras duras que se avizinha.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, o saque é sua principal arma, Luiz. Ele ganha muito pontos sem esforço. Até mesmo um bom devolvedor como o Medvedev já estava tentando adivinhar o lado do saque no segundo set, sinal evidente da dificuldade de leitura do movimento do australiano. Certamente, ele seria um adversário muito perigoso em pisos mais velozes, mas Kyrgios raramente mostra interesse em jogar com seriedade dois torneios seguidos.

      Responder
  22. Angela B.

    Sobre o Kyrgios (again) –
    Deixando de lado suas fúrias emocionais em quadra (kk) e especialmente sua falta de comprometimento com o tenis profissional – coisa que ele mesmo assume, mas tem todo direito como ser humano (gostem ou não) de escolher seu próprio caminho – Kyrgios é sem dúvida o mais talentoso tenista dessa “new generation”. Falem bem ou falem mal (seja por desconhecimento, despeito ou hipocrisia)…o australiano é o ÚNICO desses tenistas mais jovens que enfrenta o big 3 de igual pra igual …..e c/ a faca nos dentes.—- Ele não entra em quadra com medinho do Federer, Nadal ou Nole como a esmagadora maioria. .. Não! —- Ele pode até não estar “afim”de jogo, mas medo… esse cara nunca vai sentir. — E podem ter certeza.. os big 3 sabem disso e por isso, nenhum deles fica feliz qdo tem de enfrentá-lo…especialmente num Grand Slam. —- Ps – E é exatamente por esses motivos que sou fã desse cara – além de não querer fingir ser o que nao é …”he has the “guts” que falta no atual (e boring) circuito masculino… e de quebra, nos presenteia com surpreendentes atuações. Portanto, impossivel não admirá-lo. #GoKyrgios

    Responder
    1. neuton

      Ângela,
      Desculpe-me descordar, mas acho que Kyrgios é como é por medo do fracasso. Contra o Big 3 ele não tem nada a perder, por isso as vezes joga bem contra esses caras. Contra os demais, sempre que a derrota o ameaça ele logo sai com suas asneiras, isso porque tem medo de perder tentando jogar e ser criticado. Enfim, acho que ele é um medroso, por isso usa ser um doidão e irresponsável como fuga.
      Ele é muito inteligente, pois descobriu um filão de mercado (agir como bad boy doidão e irresponsável) e está se dando bem com isso.

      Responder
      1. Angela B.

        neuton ….sem problemas. Vc pode discordar de mim, assim como eu tb discordo (em numero, genero e grau) de vc. ..Afinal: “Assim caminha a humanidade” rsrs! Ps- Aliás, eu super recomendo esse filme. Uma obra prima.
        Abs

        Responder
    2. R. P.

      Jogou Washington descansado. Apesar da preparação adiantada, na prática, a temporada na grama de Kyrgios foi bem curtinha… KKKKKKKKKK

      Responder
    3. Maurício Luís *

      Angela, isso do Kyrgios não ter medo é o que eu mais admiro nele, também. Quantos tem coragem de passar um ‘ace’ de segundo saque encarando um match-point contra? Quantos se atrevem a sacar por baixo tendo um Nadal do outro lado da quadra?
      O tênis precisa dessas maluquices, também. Todo mundo padronizado e bem comportadinho, tudo muito igualzinho… tô fora.
      Ele tem defeitos sim, mas os outros tem tanto ou mais do que o australiano ‘bad boy’. A diferença é que a maioria sabe esconder muito bem o seu lado escuro, por causa dos patrocinadores, telespectadores, admiradores e outros ORES mais.

      Responder
      1. Angela B.

        Sim, Maurício Luís….concordo com vc! Tem muito “profissa” que se faz de “bom mocinho” só por causa dos patrocinios….mas nos bastidores, são pessoas totalmente diferentes.
        De qualquer forma, vou repetir o que já disse por aqui – o que adianta um tenista ser “focado” e profissional, se qdo tem de enfrentar o Federer, Nadal ou Nole…já entra em quadra mijando nas calças??? Poxa…na boa…eu tô fora!!! Nem tenho vontade de assistir ao jogo! Estou de saco cheio dessa “new generation’ que entra tremendo de medo do Big 3 e ainda perdem de lavada. —-Pelo menos com o kyrgios, perdendo ou ganhando do Big 3, a gente vai ver um jogo onde tudo pode acontecer…….além de belas jogadas. Anyway….uma pena que a imprensa contribui (de forma exagerada, oportunista e sensacionalista) p/ a imagem de “bad boy” do cara….e tudo p/ ganhar “cliques”e ibope (!!) —- Mas como já não sou mais uma adolescente (e já faz bastante tempo rsrs), ainda bem que estou vacinada dessa tentativa baixa da midia de nos fazer lavagem cerebral.
        Abs, amigo.

        Responder
  23. Maurício Luís *

    Dalcim, bom dia. Um colega internauta afirmou que esporte de alto nível sempre lesiona. Depois da aposentadoria, será que todos ficam com problemas de saúde como o Guga? Isto é consendo entre os especialistas?
    Porque que eu saiba, Jimmy Connors, Martina Navratilova, Chris Evert, Ivan Lendl, o próprio Federer… não estão “inválidos”. Por outro lado, há muitos casos semelhantes de lesão permanente.
    Então… acho que é uma coisa meio polêmica. Qual seria a sua visão?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, na verdade são poucos os casos de tenistas que ficam com lesões graves após a carreira. Posso citar um sem número de grandes tenistas que não tiveram sequelas. Mas é fato que o esporte de alto nível causa problemas físicos constantes, principalmente nas modalidades mais repetitivas e de impacto (ginástica, vôlei, basquete, tênis por exemplo).

      Responder
  24. Rodney

    Realmente, vi um jogo muito consistente do Joao, tem potência nos golpes e um mental muito forte, neste ponto ele se parece com o Guga que não era de se abalar muito em um jogo. A sobrinha do Meligeni mostrou muita raça, mas acho que lhe falta muita profundidade e potencia nos golpes.

    Responder
  25. Luiz Fabriciano

    Mestre Dalcim, notei que a bola ontem era a AO da Dunlop.
    Joga-se bem com ela no saibro ou a marca tem o modelo apropriado a esse piso?

    Responder
  26. Rodrigo S. Cruz

    Ótima conquista do João Menezes.

    E num momento em que o tênis brasileiro atravessa uma fase péssima, com o mau nível do Bellucci, e o lamentável doping da Bia…

    Responder
  27. Luiz Fernando

    Grande vitória do Menezes e do Brasil. O cara, acima de tudo, me pareceu demonstrar grande foco e força mental, em especial quando desperdiçou 3 breaks seguidos no set3 (recebia com 0-40) e não se abateu. De início fiquei com a mesma impressão do João Ando abaixo, de que a bola do Menezes andava pouco, mas depois creio que com o desenrolar do jogo a velocidade da bola melhorou muito, embora claramente inferior a do chileno. Parabéns, para o combalido tenis brasileiro foi um feito maiúsculo do jovem Menezes.

    Responder
  28. Valmir

    A lista dos que vão percebendo que 12 dos 20 Slams foram ganhos na … era fraquíssima… vai aumentando.
    A ficha do Sampras caiu esses dias… agora… no meio de um artigo onde Federer fala do ponto mais forte de Djokovic,
    colocaram o ex-tenista e hoje comentarista… Heinz Gunthardt … suíço, por sinal, falando também sobre essa … era difícil de 2003 a 2004.

    Em 1985… Heinz Gunthardt foi campeão de duplas em… Wimbledon… e de duplas mistas no US Open … com Martina Navratilova.

    https://www.tennisworldusa.org/tennis/news/Novak_Djokovic/74001/roger-federer-shares-novak-djokovic-s-biggest-strength/

    Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Como não concordar com esse grande amante do Esporte. Claro caríssimo Paulo, que o Tênis ficou mais forte a partir de 2008. Exatamente o ano de 2008 , quando Novak venceu seu primeiro SLAM. Pra trás não conta rs . Por isso que o jogador sem “ buracos “ , ficou até 2011 sem vencer mais nenhum. E continua também com apenas UM RG. O Esporte se divide antes e depois do Sérvio rsrsrs Abs!

        Responder
        1. Paulo Almeida

          Resposta incompleta, freguês.

          Ficou mais forte tanto pelo fato do Nadal ter se tornado um jogador de todos os pisos e ter tirado o número 1 do Jagua da Montanha quanto pela consolidação de Novak no top 3, tendo vencido 1 GS, 2 M1000 e o Finals. O ano de 2007 não foi tão fraco, exceto pelo patético AO com o González sendo finalista.

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Pois é.

            Só que Djokovic perdeu justamente do FEDERER, ô Vovó Mafalda!

            Ou seja, até mesmo segundo o teu critério debiloide (que eu pessoalmente desprezo) foi um slam “parrudo”.

        2. Paulo Almeida

          Os anos de 2009 e 2010 foram ruins para o sérvio, pois ele sofria com a intolerância ao glúten. Foi só resolver esse problema que os resultados apareceram a partir de 2011, quando começou a espancar seus dois rivais sem parar.

          Responder
        3. Luiz Fabriciano

          Se o critério de qualidade for vencer um RG, então, temos o seguinte: Nadal pode se aposentar hoje e descansar por mais 100 anos que não perderá o posto de #1; Sampras sairá do top 100 e Federer junto com Djokovic dividirá algum posto entre o top… sei lá.

          Responder
        4. Jonas

          Mas ele só disse a verdade. As lendas Djokovic e Nadal pais do Federer ainda não tinham atingido seu melhor nível antes de 2008.

          Djokovic mesmo vencendo o Australian Open 2008 ainda estava vem longe de ser aquele fenômeno de 2011.

          Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Como e’ que esses 4 caras podem repetir diariamente estas babaquices , caro Ronildo ? Dá pra perceber que é combinado. Os imbecis nem se dão ao direito de pesquisar. Somente como exemplo , Rafa Nadal não se furtou em afirmar que se inspirou no mais jovem N 1 da Era Profissional ( Hewitt ) , que infernizou Sampras e Agassi. E o homem que não tem ” buracos ” em seu jogo, tomou 94 Winners de um Senhor de 38 kkkkkk Abs!

        Responder
        1. Jonas

          Lá vem o mimimi da idade kkkk. Cara, esse Federer de 38 anos é muito superior ao de 2014 e 2015, por exemplo. A única coisa que não mudou é que ele continua sendo menos jogador que o Djokovic.

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Menos jogador é o Djokovic (rs)

            E em quase todos os golpes:

            forehand, slice, smash, winners, drops…

          2. Jonas

            É realmente curioso como alguém tão melhor assim, consegue perder tanto pro mesmo jogador, rs. Como é sortudo esse Djoko, kkkkkk.

    1. Sérgio Ribeiro

      Você somente lê o que te interessa, né Valmir. Na mesma entrevista ele começou com o grande equívoco que Borg era o Cara na geração de Lendl . Não foram da mesma geração. Connors e o Big Mac sim. Se ele resolveu “largar “ precocemente, o fez depois do surgimento de Federer. Agassi ainda prosseguiu mais quatro anos e teve embates com o Suíço e com Nadal . Em 2005 , Nadal já era um grande Campeão de SLAM e MASTERS. Portanto o Norte-Americano se perdeu , assim como a Kombi faz questão, por puro oportunismo. Quando Federer bateu Roddick por 14 x 12 no Quinto Set ( com 50 Aces ) em Wimbledon 2009 , Pete Sampras estava lá sentadinho , vendo o Suíço quebrar seus Recordes de SLAM , com oponente a altura. Os cabeças 1 , 3 e 4 viram pela TV. Eram eles Nadal ( alegou lesão) , Novak ( caiu pra Tommy Haas nas Quartas ) , Murray ( caiu nas Semis para Roddick ) . Já sei , não tinha adversário e com isso o SLAM não foi parrudo kkkkkk Abs!

      Responder
  29. Sônia

    “Mineirinho”, voce me fez chorar, parabéns, super merecido. Momento mais lindo… quando voce tira a camisa (uau uau uau) e joga pra torcida. Beijos.

    Responder
  30. Sandra

    Dalcim, acabei de ver o João Menezes ganhar o ouro do Pan, por isso a minha pergunta , qual o critério de escolhas dos jogadores que foram para o pan?

    Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Continue assim mesmo, Roger!

            Que vergonha um senhor de 38 anos dar um show daqueles às custas de um outro de 32.

            E com direito a 96 winners, 2 matchpoints, e um PNEU MORAL no segundo set.

            (rs)

        1. Jonas

          Seria surpreendente um bitolado pelo Federer gostar de assistir o Djokovic…ainda mais depois da traulitada que o suíço levou mês passado, kkkkk.

          Responder
          1. Carlos Reis

            Putz… É lamentável receber resposta dessa gentalha, tenta não escrever para mim novamente ok!?

            Sou preconceituoso com Nolete sem noção…

          1. Luiz Fabriciano

            kkk.
            Os torcedores de Djokovic nem têm o direito de dizer “fuck” à um torneio. Ele já venceu em todos.

  31. Maurício Luís *

    Se confirmados os rumores da aposentadoria do Juan Martin del Potro, o Diego Swartzman em breve será o número 1 da argentina. Como luta! E no caso dele, é um alento pra quem não é alto: é possível jogar em alto nível, mesmo não sendo um grandalhão.
    Com a queda de rendimento do Belucci, espero que o João Menezes salve esse fim-de-festa que está o tênis brasileiro.

    Responder
  32. Nando

    Mestre, conheço mto pouco sobre Menezes, o pessoal no grupo do whats (André, Caio, Benes, Gustavo, Denise, Lincoln, Thiago, Thiago Braga…) q falam bem bem.
    Como é o estilo de jogo dele? E HOJE entre ele e Wild, quem vc acha q pode “dar caldo” ou ir mais longe?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É um estilo até um tanto parecido, bem moderno: saque forçado, jogo forte da base e transições à rede. O mais importante é que tanto ele como o Wild gostam de jogar na quadra dura e isso é essencial para tentarem sonhos mais altos, Nando.

      Responder
  33. Eu

    Sexta e sábado o kyrgios perguntou para alguém da arquibancada onde deveria sacar para acabar com o jogo!!

    Kkkkkkkk

    E ele tá fazendo isso o de deve: nos Estados Unidos, que gosta de espetáculo!!

    Muito show!!

    Responder
  34. Pedro

    Dalcim,

    Sobre o jogo do Kyrgios, ele estava dominando e com 2×0 no segundo, e de uma hora para outra parece que ficou com medo de jogar e enlouqueceu. Já vi muitos jogadores fazerem o mesmo (medo de jogar), principalmente quando estão ganhando. Isso tem algum tipo de treinamento mental que possa ser executado? Ficou claro ontem que ele estava jogando muito mais que o grego, que ele ganhou e foi ele também que perdeu os pontos depois. Com o mental apropriado o australiano iria longe.

    Responder
    1. Pedro

      Outra coisa é que parece que ele leva apenas duas raquetes para a quadra. Uma quebrou a corda e neste instante as coisas ficaram ainda mais complicadas. Merece falar também a palhaçada do sapato do grego que toda hora vai e volta para o pai. A ATP deveria ter alguma regra para isso.

      Responder
    2. José Nilton Dalcim

      Não se trata de medo, Pedro. O que me parece acontecer com o Kyrgios é uma dificuldade em suportar a frustração quando as coisas não andam como ele quer, o que é algo problemático num esporte como o tênis, em que as frustrações são tão constantes, e comumente acontecem dentro de um mesmo jogo ou até de um game ou set. Isso sim tem treinamento e é totalmente emocional. Talvez seja o ponto mais crucial para Kyrgios trabalhar.

      Responder
          1. Pedro

            Dalcim,

            Acho difícil o Kyrgios continuar ganhando esta semana. Basta lembrar as contusões e o grande empenho na conquista do título na semana passada.

  35. Luiz Gustavo Serpa

    Caro Dalcim,

    Olá! Por favor, gostaria de saber sua opinião sobre o João Menezes quanto a capacidade dele sustentar o nível de jogo atual e, claro, o quanto ele ainda pode evoluir e em que ele precisa se desenvolver mais para conseguir ser o melhor tenista possível dentro de suas próprias características. Fico curioso quanto a estes aspectos pois, como ele não é um desses prodígios que com 18/20 anos “estouram” e despontam entre os 50 primeiros do ranking, o que podemos esperar dele sem ufanismo? A evolução deste ano no jogo e no ranking tem sido um belo trabalho de esforço e constância, mas ele tem qualidades técnicas para ir muito mais além?
    Parabéns pelo seu trabalho e pelo post!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Luiz, é sempre difícil fazer previsões. Mas eu sempre considerei o Menezes como o de maior potencial dentro da nossa nova geração, porque sempre o vi com uma atitude agressiva e cabeça muito no lugar. Isso são condições essenciais para continuar progredindo, então eu acredito que ele tenha chances reais. Claro que precisa trabalhar de tudo um pouco. O backhand tem de ficar mais sólido, o saque pode garantir pontos mais fáceis e pode-se aperfeiçoar as transições à rede, que ele muitas vezes faz sem bola profunda ou insistindo na cruzada, o que sempre complicam as coisas.

      Responder
  36. Paulo Almeida

    Claro que o Kyrgios é hors concours em mau-caratismo, mas o Tsitsipas com aquela presepada de trocar o tênis no meio dos games também não é flor que se cheire. Pelo menos parou de tentar enganar o adversário no toss.

    Responder
  37. Gildokson

    Sabe quando a ATP vai punir ou banir o Kyrgios?
    Nuncaaaaaa!!!!
    O cara é entretenimento puro. De bom gosto em alguns momentos e de mau gosto em muitos. Mas não deixa de ser um puta de um entrenteiner.

    Responder
  38. Luiz Fernando

    No primeiro set Kyrgios estava irreconhecível, focado e interagindo positivamente com o público. No segundo mostrou quem realmente é: um palhaço inconsequente e com algum distúrbio de comportamento.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      No terceiro mostrou que mesmo deixando escapar um 5 x 1 no Tie-Break, teve armas de sobra pra fechar a partida. O rapazinho “ confuso “ deve ter ido dormir de raivinha. Afinal qualquer um da Next Gen que bata o Espanhol e’ motivo de chacota pro desinformado. É bom saber que Alex De Minaur ( chamado de De Menor pelo engraçadinho ) , venceu semana passada o Atlanta Open sem ter seu Serviço quebrado em todo Torneio. Bem mais encorpado , não vai ser tão presa fácil assim para o Touro como prognosticou o brilhante comentarista . É melhor ao menos ver este jogo. Já sei , muito “ confuso “ esse comentário para o rapazinho entender rsrsrs Abs!

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        “ Interessante “ . Em 31 partidas contra TOP 10 , possui apenas DEZOITO Vitórias. Sendo TRÊS contra Nadal , DUAS contra Djokovic e UMA contra Federer . Abs!

        Responder
      2. Luiz Fernando

        Meu caro ninguém questiona as qualidades dele, se vc souber ler, e acima de tudo entender o q os outros postam, o questionamento, ou seja, a pergunta, é sobre o comportamento. Abs

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Meu caro , aprenda a ler você. A criança já falou mal de toda a Next Gen , incluindo o Kyrgios. Como conhece pouco ou nada, falava até do pífio backhand de Federer. Esse teu papo de posts confusos e arrogância, já deu. Tu é fraquinho mesmo KKKKK Abs!

          Responder
          1. Carlos Reis

            Bem fraquinho eu diria… É uma Nadalzete que deveria estar ao lado das Noletes mais sensatas, Almeidão e Cia, só sumidades…

    2. LígiaB

      Só vi o terceiro set. Vi um Kyrgios leve, irreverente e divertido que venceu, apesar do bom jogo e das diversas tentativas do adversário de cortar ritmo.

      Responder
    3. Rodrigo S. Cruz

      Mas focou no jogo novamente, e ganhou a partida

      Kyrgios é garantia absoluta de SHOW, perdendo ou ganhando.

      E é isso que faz dele um cara tão especial e diferenciado…

      Responder
  39. Thiago

    Dalcim não sei até onde pode chegar, mais ele tem um jogo agradável de ver e um mental forte. Estamos muito orgulhosos claro q ainda tem margem pra evoluir. Mais top 100 parece uma realidade que chegará naturalmente. E será nosso futuro na Davis. Está com uma confiança absurda. Não será surpresa se furar o qualy do Us open.

    Responder
  40. RicardoCWB

    Que vergonha do projeto de tenista australiano… O sujeito quase cuspiu no boleirinho.
    Já passou da hora de levar uma bela de uma suspensão da ATP.
    Mas é aquela: enquanto tiver gente batendo palma pra maluco dançar, maluco vai dançar.
    Eu, pelo menos, me orgulho de nunca ter caído no papo deste ser insignificante.
    abs

    Responder
  41. Marcelo-Jacacity

    Nessa semana, o Kyrgios está jogando muito mesmo, na verdade, ele joga muito, até disse lá atrás quando surgiu, que ele seria o próximo n. 1 do ranking, infelizmente, parece cada vez mais improvável.

    Mas pra mim quem está jogando demais é o Medvedev. Impressionante, contra o Cilic ontem foi perfeito, tie-break muito bem jogado pelos dois tenistas. E o russo fez jogadas de cinema.
    Pelo jeito, se desenha a final de Washington entre Nicholas e Danill.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Exceto nos SLAM , caro Marcelo. Estamos tendo a presença da Next Gen na grande maioria das FINAIS dos ATP. Isso sem contar o já “ Velhinho “ Dominic Thiem , finalista em RG e vencedor do MASTERS 1000 de Indian Wells. O SuperEstimado já se classificou para o FINALS 2019. Fato que se repete há 4 Temporadas consecutivas. E se firmou no TOP 4 . ABS !

      Responder
  42. Marcelo-Jacacity

    João Menezes, muito centrado, mental forte, golpes com boa potência em ambos lados, sobe à rede de forma inteligente, é consistente, tem um jogo certinho.
    Gostei, principalmente quando a gente compara com atuais tenistas brasileiros que oscilam tanto que precisamos de um cardiologista de prontidão.
    Obviamente, tem que se levar em conta que o Menezes nem chegou ao nível de Atp, por enquanto. Assim, é um pouco injusto compará-lo aos que já chegaram lá.

    Responder
  43. Jonatas Bruno

    Legal o devido destaque aos nossos no Blog e no SporTV, ambos em sequência!
    Valeu a audiência, á começar pela Carol Meligeni pela vibração e demonstração. Mais tarde, rendeu o bronze nas duplas. Quanto ao João Menezes, tem um jogo que dá gosto prestigiar, dada a disciplina tática (executa o golpe conforme o andamento); além do componente mental, diante do revés do primeiro set que poderia ter ido para o seu lado, manteve-se positivo.
    Ainda que o Pan é uma outra realidade, não deixa de ser um alento ao estagnado tênis nacional.

    Responder
  44. PIETER

    Utilidade pública: alguém poderia me informar o horário da final de tênis amanhã com o João?
    Li por aqui que o Sportv3 está transmitindo, então quero torcer…

    Responder
  45. Jony Marcio

    Brilhante post, Dalcim. Só lembrando que o Bellucci também teve sérios problemas no joelho no início da carreira e depois se afirmou com muita competência, chegando a ser 21 do mundo, nosso segindo melhor simplista masculino até os dias atuais, só perdendo para o Guga, que é hors concours. Muito cedo pra projeções ainda, mas na sua opinião qual seria uma posição no ranking, baseado nessa evolução que salta aos olhos, que a gente podetia esperar que o Menezes alcance, Dalcim? Na minha humilde opinião, eu creio que um Top 40 em algum ponto da carreira seja algo bem factível.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, eu acho totalmente impossível prever algum ranking. Ele ainda precisa evoluir em pontos muito importantes para chegar ao top 50. Mas acho que chegar a 150 ainda neste ano será um salto importante e animador.

      Responder
      1. PIETER

        Eu já sabia que ele havia operado três vezes o joelho mas a coluna também foi uma completa e desagradável surpresa!
        Quanta superação em tão pouca idade. Talvez por isso ele tenha um mental diferenciado em relação aos demais jovens brasileiros.
        Ainda há de nos proporcionar muitas alegrias, esse talentoso João Menezes.

        Responder
  46. Ricardo Lessa Filho

    Muito legal, logo após as duas últimas vitórias do João, ver o pai dele profundamente emocionado. Só eles sabem o que passaram, só eles sabem quão difícil é a vida de tenista. Parabéns, João, e que traga a medalha de ouro ao Brasil

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *