Djokovic aperta na luta para ser o maior
Por José Nilton Dalcim
14 de julho de 2019 às 21:39

Vencer Wimbledon é o maior sonho da maciça maioria dos tenistas do circuito. Imagine então ganhar uma final salvando dois match-points com o adversário sacando, e levantar três troféus no Club em cima de Roger Federer. Como tem sido hábito, Novak Djokovic se encheu de feitos extraordinários neste domingo de tanta emoção em Wimbledon. Chegou ao pentacampeonato, igualando-se a Bjorn Borg. Garantiu justo lugar entre os grandes que já pisaram a quadra de grama.

Quando Federer chegou ao 40-15 no 8/7 do quinto set e perdeu os dois match-points, veio à minha cabeça situação bem semelhante, embora menos importante, na semi do US Open de 2011. Então, Djokovic também salvou os dois match-points com o suíço no saque, o primeiro deles com uma devolução que ficou antológica. A diferença é que naquela ocasião Roger saiu totalmente de jogo. Agora ainda se manteve firme, tendo até uma nova oportunidade de quebra antes do tiebreak do 24º game.

O que decidiu o jogo, a meu ver, foi a postura de cada tenista nos três tiebreaks. Vale lembrar, aliás, que Djokovic já havia vencido dois desempates no duelo mais recente de Paris-Bercy. Neste domingo, obteve quebra logo no terceiro ou quarto lance de todos os desempates, abrindo sempre 3-0 ou 3-1. Obrigou o adversário a correr atrás do placar e se aplicou ferrenhamente em fazer Federer jogar o tempo inteiro, induzindo a erros. Recordista de tiebreaks vencidos no tênis profissional, o suíço não teve a postura ofensiva recomendada.

Djoko jamais perdeu um quinto set para o rival em quatro ocasiões. É dono de um poder mental incomum, encontrando soluções corretas nas situação mais apertadas. Neste longo duelo de 5 horas, viveu um ‘apagão’ no segundo set e voltou a se achar, retomando o plano de jogo que pretendia prender ao máximo o oponente no fundo de quadra. Sofreu como era de se esperar com os slices. Talvez pudesse ter sido um pouco mais agressivo – fez 40 winners a menos e se arriscou na rede apenas 36 vezes em mais de 400 pontos disputados – e isso lhe custou sete quebras de serviço. A famosa ‘vitória nos detalhes’ cai como uma luva nesta maratona.

Federer sempre disse que uma de suas grandes qualidades é esquecer rapidamente o que passou, mas tenho dúvidas se a chance perdida do 9º Wimbledon e do 21º Grand Slam será assim apagada de imediato. Qualquer ‘domingueiro’ que já perdeu uma partida com match-point sabe o quanto isso mexe com a cabeça. O que dirá então ver um título de tamanha envergadura escapar entre os dedos, ainda mais na reta final da carreira. Como bem disse Serena Williams no sábado, nesta altura cada vez parece a última.

Existem atenuantes motivadores, e sem dúvida o principal deles é como o suíço se manteve com pernas ao longo do extenso jogo, vencendo com empenho físico algumas longas trocas de bola lá no final do quinto set. Mostrar-se competitivo contra um adversário tão qualificado, no ápice de sua forma e seis anos mais jovem, é sinal evidente de que ainda há oportunidades pela frente. A pergunta que só Roger poderá responder é o quanto o fardo dessa amarga derrota irá pesar.

Com quatro dos últimos cinco Slam conquistados no espaço de 12 meses, numa reviravolta completa e exemplar de sua carreira, Djokovic não poderá estar mais motivado para o US Open, onde também defenderá o título dentro de seis semanas. O 16º troféu de Slam reduz novamente a distância para os 18 de Rafael Nadal e principalmente para os 20 de Federer, o que abre perspectivas reais de se lutar por esse recorde já em 2020. Temporada em que também poderá superar a marca do suíço na quantidade de semanas na liderança do ranking.

A briga para ser o maior de todos nunca esteve tão aberta para o sérvio.

A façanha de Halep
Confiança foi a chave para Simona Halep conseguir uma verdadeira façanha na Quadra Central no sábado. Não pela vitória em si sobre a multicampeã Serena Williams, mas pela forma com que dominou a partida do começo ao fim, uma postura que mesclou determinação de correr atrás de todas as bolas com a coragem de tomar a iniciativa dos pontos.

Não é fácil encarar uma adversária com histórico tão vasto em Wimbledon e, mais ainda, entrar em quadra com retrospecto de nove derrotas em dez tentativas. Halep no entanto teve atitude positiva o tempo inteiro e talvez lá no fundo apostasse que a proximidade do recorde de Slam iria novamente afetar o emocional da norte-americana.

A definição da romena foi precisa e preciosa: aprendeu com cada derrota que já sofreu, tanto em finais de Slam como no circuito, e acreditou que poderia mudar seu destino. Apenas para lembrar, Halep ficou com três vices, dois em Paris e outro em Melbourne, até finalmente ganhar Roland Garros no ano passado. Agora, adicionou Wimbledon, um feito que ela admitiu não ter passado por sua cabeça, ao menos para este ano.

Serena não deu desculpas e creditou tudo na conta de Halep. Afirmou estar fisicamente bem e saber que a cabeça não tem suportado a pressão. Acha que a falta de títulos no circuito dificulta a missão nos Slam, mas ao mesmo tempo que o joelho não suporta um calendário mais apertado. Uma encruzilhada. E, como diria o poeta Mick Jagger, o tempo não espera por ninguém.


Comentários
  1. Miguel BsB

    Mestre Dalcim, me perdoe se estiver errado, mas me lembro claramente dos seus posts clássicos de 2017 “jamais duvide de Roger Federer” e ” jamais duvide de Rafael Nadal”, mas não me lembro de vc já ter postado o “jamais duvide de Novak Djokovic”…
    Acho que o sérvio merece tb ter esse adágio eternizado em um post do seu blog, não?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Com certeza, Miguel. Eu repito incansavelmente que estamos diante dos três maiores de todos os tempos, verdadeiros gênios com suas características tão peculiares.

      Responder
      1. Luiz Fernando

        Pra vc são gênios, pra outros dois deles são baloeiros, jogadores sem técnica, maratenistas, dopados, jogadores da segunda divisão etc etc etc.

        Responder
  2. Edi

    Os federistas estão se.portando igual aquela história de brigar com bêbado,se bate,nossa!!bateu num bêbado,se apanha,nossa!!!conseguiu apanhar de um bêbado.

    Responder
  3. Edi

    Dalcin,vc não acha que também pesa para o fato do Federer continuar competitivo,apesar da idade,o fato de ele ter trocado de patrocinador,tipo ele querer ganhar um Wimbledon com o novo patrocínio?

    Responder
  4. Paulo Almeida

    Atualizando a contagem de Grand Slams DE PESO, ou seja, passando por PELO MENOS um tenista do Big Four:

    Djokovic – 15;
    Nadal – 13;
    Federer – 7.

    O GOAT tem mais do que o dobro do rei da entressafra, QUE SURRA!!!

    Responder
    1. Gildokson

      Devíamos contar título passando pelo Wawrinka também neh?! Tu não acha lega? Afinal o cara ja deu dois cocos no Djokovic em finais de Slam e no augeee hein kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Isso tornaria dois AO do Djokovic ainda mais pesados e o AO 2017 do Fregueser também, mas Slam passando SOMENTE por ele, acho que não.

        Em 2015 ele derrotou o Djoko no auge, já em 2016 um sérvio lesionado e jogando mal. Inclusive só fez aquela final porque chegou à final sem enfrentar ninguém.

        Responder
  5. Eduardo

    Caramba Dalcim, há dois anos acompanho o seu blog e nunca vi tantos comentários como há nesse (636). Espero q a audiência tenha crescido de verdade, admiro muito suas análises. Conseguiu ler o texto q recomendei aqui ontem? haha Abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Li, sim, e como te disse achei interessante, mas não vi nada verdadeiramente novo. Não sei também se compactuo com essa questão da xenofobia ao leste europeu, me parece mais uma procura de justificativas que na verdade me parece ser bem naturais: ele veio depois de Federer e Nadal, que já eram muito grandes em popularidade quando ele deu a grande arrancada na carreira, e precisou de tempo maior para ganhar seu espaço. Abs!

      Responder
  6. Lola

    Aquele sorrisinho irônico no final, como quem diz: jogue o que for aqui eu sempre vou ganhar de você, tri-vice.

    Mario,
    Eu sou a motorista da Kombi. 😉

    Responder
    1. Gildokson

      Será que ele teria um pensamento tão ridículo assim naquela hora?
      Não… esse pensamento aí ta mais pra vocês…
      Os caras se respeitam e ele sabe que ficou por um triz de perder.

      Responder
    2. Carlos Henrique

      Kkkk
      Lola, não.acho que o riso ao final da.partida foi endereçado ao helvético, mas sim ao público. Curti demais o desdém para aqueles que minutos antes mostraram o dedo de “falta um”. Que sabe numa próxima, pessoal?! HOJE NÃO.
      hahahha

      Responder
  7. Gabi

    lEvI sIlvA,

    muito obrigada pelos esclarecimentos!!
    Tb gosto muito do adoro cinema. Sempre clico rsrs lá para consultar sinopses e críticas dos filmes/séries!!

    Responder
  8. Valmir

    Pequenos números que dizem muito da história….. Djokovic x Federer

    4 ………. encontros que foram ao quinto set… Djokovic ganhou todos… em três teve que salvar 2 match points.
    7……….. vezes Djokovic virou uma partida contra Federer… este virou só uma… e não foi em Slam.
    14 x 6… em finais gerais para Djokovic… mais do que o dobro
    3 x 0 …. Djokovic tem em finais de Wimbledon…. Nadal não perdeu nenhuma final em RG… reis muito diferentes.
    4 ………. partidas foram para a decisão em um tiebrake (3 ou 4 sets)… Djokovic ganhou todos.

    Responder
  9. Maurício Luís *

    Comentei abaixo sobre os 2 match-points perdidos pelo Federer, mas achei que ficou faltando o seguinte:
    1) 40 iguais: mesmo assim, a situação do sérvio beirava o crítico. Estava a 2 pontos da derrota e à mercê do saque do adversário. Federer saca tentando o ace, erra. Tem que se contentar com o segundo saque. Bola em jogo, o sérvio força o erro do suíço na direita. Assim como nos 2 match-points, mérito do número 1;
    2) vantagem contra: aí o Federer acerta o primeiro saque, não tão forte, pra evitar ser atacado na resposta. É quando comete erro não forçado – tentando atacar a direita – e perde o fatídico game de serviço.
    CONCLUSÃO ::: A partir do 40-15, foram 3 acertos seguidos do Djokovic. Só o último ponto, o da quebra, é que foi erro não forçado do Federer.
    Então, senhoras e senhores federetes, não há do que se lamentar. Seu ídolo fez o possível e o impossível. O problema foi ter enfrentado um paredão mental do outro lado, um ET em matéria de controle emocional e presença de espírito.
    “Ah, mas SE aquele saque tivesse entrado…” ORA PITONDAS, meu pai conheceu minha mãe num ponto de ônibus. SE o ônibus dela tivesse passado 1 minuto antes, eles não teriam se conhecido e eu não teria nascido.
    Neil Armstrong, primeiro homem a pisar na Lua, safou-se de uma explosão que o mataria porque conseguiu desarmar o mecanismo UM SEGUNDO antes do prazo fatal. E por aí vai…

    Responder
    1. Maurício Luís *

      P.S. “Mas ele jogou + BONITO!”
      Se estética fosse critério pra ganhar jogo, o ilustríssimo senhor Rafael Nadal seria o ÚLTIMO colocado do ranking da ATP.

      Responder
    2. Malu Buzon

      Verdade… criticar é fácil. Esses torcedores sentados no sofá com o controle remoto na mão, queria ver eles surrando a bola depois de 5 horas de jogo, correndo que nem condenado, sem deixar a raquete cair da mão de tanto cansaço.

      Responder
  10. DANILO AFONSO

    Obrigado Dalcim por ter respondido a minha pergunta (16/07/2019 às 04:49) sobre seu papel como jornalista/admirador !

    Confesso que fiquei preocupado com a sua eventual reposta, achando que você poderia pensar que eu estava de algum modo debochando.

    A sua resposta foi mais completa e precisa do que imaginava.

    Responder
  11. marcilio aguiar

    Caro Dalcim, sou leitor assíduo desse excelente Blog há anos. Além das suas análises e informações precisas, leio também a maioria dos comentários, mas raramente me manifesto porque não me sinto competente e com paciência para entrar na discussão corriqueira e acalorada sobre GOAT. Esse assunto, talvez ficasse um pouco em suspenso caso o Roger tivesse convertido um dos MP. Já que não foi assim, o lenga-lenga vai persistir por muito tempo ainda e cada um vai usar de argumentos embasados ou apelações para defender a primazia do seu tenista favorito. Vou tentar abordar um tema que era secundário, mas ganhou uma força imensa depois de domingo. Os torcedores do Djoko, a exemplo do próprio tenista, estão muito incomodados com a grande popularidade do suíço não só em Wimbledon como também entre a comunidade tenística em geral. Acho que eles deveriam mais é comemorar o que importa: a vitória do seu ídolo. Cada um ao seu estilo; uns comedidos e respeitosos e outros nem tanto, com grosserias, depreciações e teses estapafúrdias de praxe (que para ser justo, também são praticadas por alguns Federistas). Primeiramente deixo claro que, para mim, nessa construção de preferência para A ou B, não entram o comportamento do jogador em quadra ou fatores fora dela, até porque não conheço nenhum deles e, à distância, os três me parecem ser pessoas de boa índole e não fazem nada que seja imperdoável ou que prejudique alguém. Eu, como torcedor do Federer reconheço e admiro o conjunto de recursos que têm Nadal e Djoko para jogar tênis, mas a preferência vai alem disso. Desses dois sabemos que são capazes de executar à perfeição e à exaustão táticas, golpes e rituais que lhe garantiram e garantirão vitórias extraordinárias. Isso é ruim? Não mas, para mim, se aproximam mais das máquinas que são programadas para funcionar perfeitas a todo instante. O Federer está longe dessa perfeição calcada em disciplina tática, regularidade e precisão. É obvio que ele também treinou muito e automatizou todos os movimentos de seus golpes, mas os executa de uma maneira tão natural que parece não se esforçar para fazê-lo. Os seus recursos e capacidade de improvisação são tão variados que às vezes ele se perde na finalização de uma jogada, porque não escolhe o que seria óbvio e seguro para qualquer outro jogador. Vejo o Federer como um tenista de ação, sempre procurando comandar, atacando, fazendo mais winners e também se expondo mais ao risco, chegando às raias da teimosia, enquanto os outros dois são mais de reação. Isso não quer dizer que não tenham recursos de ataques, mas não o utilizam como base do seu jogo. Preferem explorar o erro do oponente e só atacar com segurança. Não tenho bola de cristal, mas acho que muitas pessoas que escolheram torcer para o Federer o fizeram por razões próximas dessas ou seja, não só porque ele é um grande vencedor, mas principalmente pelo modo como ele consegue as suas vitórias. Torcedores do Djoko, curtam o sucesso do seu ídolo, que é muito grande e não se preocupem se ele é mais ou menos amado. Tem várias maneiras de jogar e vencer. O Roger não tem culpa se o seu estilo agrada à maioria. Somente isso. E que venha logo o USOPEN para o bem de todos os amantes desse maravilhoso esporte (só por curiosidade vejam essa página de anuncio do torneio https://www.usopen.org/index.html precisa falar mais?).

    Responder
  12. Luiz Fernando

    Quanta injustiça existe no mundo, como um jogador q faz 94 winners perde p outro q venceu apenas 3 sets, de fato não da pra entender kkk…

    Responder
      1. Valmir

        Também espero que ele não se aposente tão cedo.

        Ainda quero ver outros jogos que ele tenha match points com 40-15.

        No 8-7… como me lembrei do US Open 2011… e não é que a história se repetiu.
        Só não teve outro… THE SHOT… que pena.

        Djokovic está encrustado na cabeça dele… mais do que Nadal já esteve lá.

        Responder
  13. Nattan Lobatto

    Ah, ñ poderia me furtar de elogiar os torcedores de Federer pela excelente campanha em Wimbledon/19, jogou muiiiito!!!.. A esquerda (que era escalafobética) melhorou de forma descomunal, desconcertou o Nole diversas vezes domingo. Ficou perto da vitória e vendeu caro o 16º Slam…

    Um forte abraço e congratulações a torcida do Novak (faço parte dela). Começamos em 2010 e cabíamos em uma combi e quem diria, hj dominamos o mundo. Aqui no Norte do Brasil ele têm uma grande legião de fãs, apesar da falta de quadras e o esporte (tênis) ser pouco conhecido ainda, a torcida aqui é 90% do Djoko. Ah, quem estiver em visita pelo Pará (de preferência os federistas e nadalistas, ganhar de vcs tem um gosto especial rsrs), é só avisar, pois tem uma quadra indor aqui no meu condomínio.

    Enfim, Nolistas, conquistamos o mundo e caminhamos a passos largos (4/5 nos últimos 5 Slam) para sentar no topo do Olimpo! O regicída tá com sangue nos olhos, faminto por novos títulos, novas façanhas e quer aumentar mais ainda a freguesia encima do Touro e do Leão da Montanha.

    Para finalizar meu post, deixo-vos com a célebre frase de uma grande e contemporânea filósofa brasileira que fala sobre quem será o GOAT do tênis depois de 2022: Não acho que quem ganhar ou quem perder, nem quem ganhar nem perder, vai ganhar ou perder. Vai todo mundo perder. (Dilma Rousseff).

    Vlw, Flw, srs!

    Responder
    1. Maurício Luís *

      Puxa, não sei o que eu faria se não fosse essa altamente esclarecedora frase da ilustre ex-mandatária que saúda a mandioca.

      Responder
  14. lEvI sIlvA

    Dalcim, por favor, da uma olhadinha pra mim em “Federer tenta a maior façanha”. Creio que tenha algum comentário meu na caixa de Spam ou algo assim. É que já tem uns dias que fiz um comentário, só que ele não apareceu. Não tinha nada de ofensivo ou passível de ser cortado na sua moderação. Desde já agradeço. Abraço!

    Responder
      1. lEvI sIlvA

        Que é isso, Dalcim? Não há de que desculpar, são coisas que acontecem e ninguém tem culpa! É que lembrei noutro dia que algo assim ocorreu com outro internauta.
        ********************************************************************************************

        Outra coisa, uma idéia, pra quem sabe um post futuro. Já que foi tão discutido e falado sobre a vitória de Nole contra Federer com matchpoints contra, que tal fazer um sobre todos os jogos em que Federer, Nadal e Djokovic ganharam GS contra os outros 2 apesar de o adversário precisar de apenas 1 ponto pra ganhar?

        Responder
          1. lEvI sIlvA

            Idéia pra um provável Post, Dalcim. Onde comenta e coloca-se todas as estatísticas nas conquistas de Federer, Nadal e Djokovic de GS em que tiveram de salvar matchpoints contra pra ganhar do adversário. Sendo esse adversário outro do Big 3, entende. Por exemplo, US Open 2011 também foi assim, e todas as outras vezes, entende? Abraço!

  15. Marcos Vinicios

    Dalcim, me recordo que no fim das olimpíadas de 2016 te perguntaram aqui se você achava que o djokovic teria chances de ganhar em 2020
    Você respondeu que achava bem improvável

    O que você pensa agora, quando ao que tudo indica ele ainda vai chegar como número 1 do mundo pra elas
    Talvez a frase nunca duvide do Roger Federer também possa ser usada pros demais big 3

    Responder
  16. Ronildo

    Depois de ler muita besteira, desta vez não darei os parabéns pelo título de Djokovic. Afinal, ali foi simplesmente a vitória natural da juventude sobre a idade de um rival que já passou faz tempo da idade atlética para o tênis!
    O que Roger Federer teve que jogar para chegar no match-point depois de ter eliminando no jogo anterior o outro grande favorito!
    Todo mundo sabe, (desde que a pessoa tenha alguma seriedade para refletir e alguma sinceridade para admitir), que a pressão trava qualquer esportista! Não tem essa de grande poder mental neste nível que alguns dizem. O poder mental é simplesmente estar bem fisicamente e NÃO TER MOTIVO PARA SENTIR PRESSÃO! Assim o poder mental de Djokovic e Nadal (na maioria das vezes) quando jogam com Federer é o mesmo da Ostapenko quando foi campeã em RG sobre a Halep! Vejam o que aconteceu quando Federer jogou sem pressão na Austrália em 2017. Quando Federer chegou ao ponto final o estádio inteiro quase foi abaixo, com várias pessoas apontando o dedo indicador para cima! Aquilo era uma mensagem clara dizendo: “Nós te reconhecemos como o (eterno em nossos corações) verdadeiro número 1! Olha a pressão! Pessoas já estavam quase desmaiando nas arquibancadas! Eu mesmo pensei que Federer iria desmoronar e ser quebrado após e fiquei com a impressão depois da partida que se não tivesse tiebreak final a partida ficaria mais para Federer do que para Djokovic! É evidente que Djokovic entraria mais Ostapenko e menos Halep no tiebreak, afinal, já tava soberbamente no lucro!

    Enfim, depois de Wimbledom fica a certeza: NINGUÉM NUNCA JOGOU TÊNIS COMO ROGER FEDERER! (Mas também ninguém nunca jogou com tanta pressão na carreira como ele! Esta pressão (ser endeusado pelo público foi seu calcanhar de Aquiles,
    o grande motivo de suas principais derrotas para seus grandes rivais. É a LEI OSTAPENKO, não reconhecida pelos sarristas!

    Responder
  17. Joaquim

    Deve ser duro pros torcedores do djokovic saber que mesmo ele passando os Grand slams do federer( o que não vai ser fácil porque o federer ainda vai ganhar mais Grand slams e talvez em cima do djoko e o djoko com ctz vai sentir a pressão na hora de alcançar e passar o número do federer vide serena williams), o federer ainda assim será considerado o melhor da história para desespero dos fanáticos pelo sérvio. E esse papinho de mais vitórias tb não é muito relevante, visto que grande parte das vitórias do djoko foram na base da cagada proporcionadas pelo déficit mental do federer ao enfrentar o djokovic. E não é choro não. Essa derrota foi dura, mas o federer tem 20 ainda…O djoko 16. Então tomem cuidado pra não cantar galo cedo demais e pagarem mico depois caso o djoko não alcançe. O federer jogando desse jeito não deverá se aposentar tão cedo.

    Responder
  18. antonio gabriel

    Recomendo ao pessoal que ainda esta se lamentando pela derrota do Federer, ler também o blog do Chiquinho leite Moreira aqui do site, conhecido comentarista e torcedor do Federer, ele também faz uma ótima descrição da final de domingo, além de relatar um pouco sobre a resiliência de Djoko, vale a pena.

    Responder
  19. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, você acha que Zverev e Shapovalov tem “conserto”? Shapovalov está tendo um 2019 catastrófico. Zverev não fica atrás. O interessante é que o Becker está solto aí e ninguém pega o cara pra ser treinador. Se eu fosse o Shapo, aproveitaria essa chance de ter contato com alguém destemido como o Becker.
    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que o problema do Shapo é relaxar, tirar esse fardo que ele parece carregar. Jogar com alegria e pedir para a mamãe deixar o ursinho em casa. O Zverev é mais complexo, porque ele teve seu grande brilho e agora entrou em grande baixa. Acho Becker excelente opção para o Zverev, até porque ele precisa muito melhorar o jogo de rede.

      Responder
    2. Luiz Fernando

      Acho o caso do Shapo pior, pq esse rapaz vive até hj da vitória sobre o Nadal em 2017, e praticamente nada mais. Zverev vive um momento péssimo, mas já mostrou do é capaz vencendo seguidamente Federer e Djoko no Finals; como ainda é muito jovem, tende a se recuperar e em alguns anos disputar os grandes títulos com o grego e o Aliassime. Shapo tende a continuar coadjuvante!

      Responder
  20. Márcio Souza

    E mais um recado pros Urubus e Aves de Rapina desavisados ou desentendidos:

    Ja falei aqui diversas vezes, mas como alguns tem dificuldade em entender algumas coisas, alguns sem noção ficam falando que eu sumi, que eu não apareço, que eu só desdenho, enfim a ladainha de sempre falada pelas mesmas bocas insanas que ja estamos acostumados a ver por aqui.

    Mas vamos lá e mais uma vez, de fato não tenho participado muito por aqui devido falta de tempo e do nascimento da minha segunda filha, porém tenho participado diariamente no grupo de WatsApp em que o Mestre Dalcim é o administrador, portanto tanto ele quanto umas 100 pessoas que comentam aqui ou apenas lêem os comentários aqui mas que participa também la no grupo do WatsApp sabe que eu estou por lá todo dia e comentando sobre tudo que envolve o tênis e não somente no assunto Federer/Nadal/Djoko que permeia e domina aqui o espaço.

    Quem participa la sabe que o grupo movimenta mais de 2.000 comentários por dia quando não tem jogo de tênis e quando tem como durante essas últimas semanas de GS que isso dobra fácil, e até pros desavisados de plantão até o Eusébio Rezende narrador do Sportv participa lá e comenta algumas coisas.

    Resumindo, quando algum cabeça de vento posta que:
    “Puxa não vi nenhum comentário do Márcio Souza aqui, ninguém sabe e ninguém viu mais ele, como ele é isso ou aquilo”, vocês não tem idéia do tamanho da vergonha e do recibo que esse ser esta passando, mas isso pra ele deve ser normal diante de tanta asneira e falta de bom senso que permeia o cérebro desse infeliz.

    Mas como eu disse tanto o Mestre Dalcim sabe o quanto eu o prestigio la no grupo e aqui e as mais de uma centena de pessoas que convivem diariamente comigo la no grupo sabem que estou sempre na área.
    Portanto antes de falar algo pelos cotovelos “presidente do clube Urubus e Aves de Rapina”, se informe melhor pra não passar vergonha e recibo a toa kkkkk

    Segue o jogo!
    Fedex 20 GS e 6 Finals e contando para ultrapassar a quantidade de vitórias e canecos do Connors.
    Depois do que ele jogou na sexta e no domingo nos encheu ainda mais de esperanças de que ele vai conseguir.

    Bora Fedex!

    Boa semana a todos!

    Responder
    1. Alessandro sartori

      Aí…quem falou que ele nāo vinha, o verdadeiro urubu do blog, geralmente só aparece pra comer picanha nas vitórias do Federer…Oh larga mão de choro e ve se descongela essa carne aí e manda vê, pq se vc for esperar por uma vitória do Federer sobre o sérvio pra comer essa carne vc vai virar vegano kkkkk….

      Responder
  21. Márcio Souza

    Alô, alô Urubus e Aves de Rapina!

    Vejo que mais do que nunca agora vocês estão se sentindo como pintos no lixo aqui no Blog hein!
    Lendo alguns comentários da até pra notar a baba escorrendo no canto da boca enquanto vocês digitam e um pouco que cai em cima do teclado kkk

    Vejo que alguns aqui estão sentindo minha falta, e que apesar da quantidade de comentários aqui estar quase nos 600, vemos que uns 500 só falam sobre o Fedex, porque se ele não estivesse na final e o Cotonete sido campeão em cima de outro, ja sabemos a quantidade que teríamos aqui como nos últimos que o Cotonete levou, porque como todos sabem a torcida do sérvio não cabe dentro de um fusquinha.

    Todos que viram o jogo no domingo viram que após o match point o público presente por respeito aplaudiu o sérvio de forma justa e merecida, mas alguém aqui duvida se o Fedex tivesse convertido o match point se a torcida não iria entrar na quadra e carregar o suíço nos ombros? Kkkk

    Os deuses do tênis não quiseram que se isso acontecesse houvesse pessoas como algumas aqui do Blog entituladas “Urubus e Aves de Rapina” cometessem suicídio ou cortassem os pulsos de ódio ou repulsa e como ja presenteou demais o Craque e Mestre suíço com tanto talento e genialidade e a maioria dos principais títulos, permitiu que o maratenis vencesse mais uma vez.

    Esse foi mais um dos caprichos que o esporte nos proporcionou de que nem sempre p melhor vence, mesmo tendo feito 94 winners (quase o dobro do adversário) e feito mais pontos no jogo ficasse com o vice.

    A parte boa nisso tudo é que o Fedex deu um recado claro pro Siri e pro Cotonete:
    Que fora do saibro que ele não perde mais pro espanhol e nos próximos duelos contra o Cotonete que se ele vacilar o cachimbo dele cai, tendo em vista que ele só venceu os dois últimos duelos nos tiebreaks, o que não deixa de valer, mas que mostra claramente que o Fedex ainda tem gás pra vencer os seus dois principais rivais.

    Curtam bastante e gastem seus estoques de asneiras urubus e aves de rapina porque o momento agora é de vocês, mas la na frente a gente se encontra de novo e ai caso o capítulo final seja diferente do de domingo vocês ja sabem que tem que engolir ne!

    Boa semana a todos e parabéns mais uma vez aos torcedores de verdade do Djoko!

    Responder
    1. Nando

      Kkkkkkkkkkkkkkkk
      Agora os fakes irão te responder com as já tradicionais asneiras….o sérvio foi o campeão, mas os caras só falam do Federer né? Incrível isso…

      Responder
      1. Carlos Reis

        Não se conformam, pois depois de tudo que o “palhaço sem torcida” conseguiu, ele ainda é coadjuvante perto de Nadal e principalmente Federer. Título mais injusto da história!!! NUNCA SERÁ…

        Responder
  22. Márcio Souza

    Salve, salve galera!

    Parabéns ao Djokovic e aos seus torcedores pela conquista de Wimbledon no domingo.
    Jogaço!!!
    Alias como tinha que ser um duelo entre os dois principais cabeças de chaves e últimos campeões do GS londrino.
    O jogo foi decidido no detalhe e o nível mostrado pelo Fedex que suportou bem as quase 5 horas de jogo mostra que ele ainda tem bala na agulha pra terminar bem a temporada.
    Quanto ao Djoko, realmente é um monstro, soube manter o sangue frio nos principais momentos e levou de forma merecida o caneco.

    Ps: Pronto ja postei o meu comentário elogiando a conquista do Djoko, agora os próximos vão na linha e direccionados aos urubus e aves de rapina quw estavam sentindo a minha falta kkkk

    Boa semana a todos!

    Responder
  23. André Barcellos

    Acho que essa perda na final foi um grande golpe.
    Ninguém acreditava mesmo que o suíço fosse, levar, mas de repetente ele estava com Match point.
    Jogou mal os dois MP, além dos tiebreaks, o que mostra que nem ele acreditava direito que poderia vencer.
    Djoko jogou muito bem, mostrando alguma inconsistência em alguns momentos, aliás, o que Federer também vem mostrando desde 2009.
    Federer jogou pra ganhar, mas nos momentos importantes jogou pra não perder.
    Ressalto a força mental do suíço que, apesar de estar um break atrás no quinto set, conseguiu quebrá-lo e apertar mais ainda o jogo.
    Depois a for,a de ser manter mo jogo por mais 12 games, apesar de ter perdido MP.

    Finalmente, mostrou que encara de igual pra melhor o número 1, cuja vitória deveria ter sido um vareio e não foi.
    Aos 38, impossível não considerar o suíço único. Não haverá ninguém que possa fazer parecido com a mesma idade.

    O momento agora é do sérvio, mas bastaria um ace pra estarmos todos falando outra coisa.,
    Coisas da vida e do tênis, que se parece incrivelmente com a vida.

    Responder
  24. Jonas

    “Seu comentário não faz sentido, vc cita o Agassi como tênis clássico sendo que ele sempre foi um jogador de base elogiado pela até então melhor devolução do tênis, e o jogo do Djoko é uma evolução do dele e não do Hewitt, pode até se dizer que o Hewitt é um Agassi piorado enquanto o Djoko um melhorado.
    Outra coisa Borg jogava maior parte do tempo no fundo de quadra e tinha um tênis extremamente físico, até mesmo o Dalcim já falo da incrível adaptação de jogo que o Borg tinha de fazer para a grama, exatamente pelo mesmo ser um jogador totalmente diferente em todo o resto do ano.
    O Federer é sem duvida nenhuma mais habilidoso do que o Djoko e o Nadal, mas temos que ser mais racionais nas nossas colocações, não é pq ele perdeu que tem que falar que um esporte com mais de um seculo de historia esta acabando. O Federer no fim do jogo estava fisicamente inteiro e ele correu mais que o Djoko, o que também faz o seu comentário ter menos sentido ainda.”

    Exato. O cara deu um tiro no pé com essa afirmação.

    O Federer é sim bem mais habilidoso que o Djokovic, óbvio. Só que tênis sempre foi e sempre será um esporte MENTAL, um jogo de xadrez, ainda mais em uma final de Slam com os dois extremamente pressionados.

    No segundo set o Djoko relaxou um pouco e o Federer atropelou. Mas a força mental do sérvio fez a diferença nos três tiebreaks jogados. Ou seja, habilidade pura não ganha título. Não estou dizendo que o Federer é fraco de cabeça, mas ele é inferior a seus maiores rivais neste quesito.

    Responder
  25. Jonas

    Desculpe a demora Chileno. Ficar respondendo pelo celular não dá.

    Olha, eu concordo com você.

    Vencer um Grand Slam por si só já é difícil, bem difícil. Eu não vou menosprezar nenhum Slam que o Djokovic venha a ganhar daqui pra frente, não importa qual seja o tenista.

    Acredito sim que os adversários que Djokovic enfrentou até aqui são mais qualificados que os do Federer. Já listaram isso aqui várias vezes, mas o Federer não tem culpa nenhuma disso e o Djokovic também não terá caso pegue o Isner em uma final de Slam, por exemplo. O Nadal teve uma chave tranquila no US Open 2017, que culpa ele tem nisso? Não deixa de ser um grande título.

    A questão da idade eu já falei aqui. Federer não é mais um jovem tenista, mas ele tem sim um preparo físico BEM acima da média. Ele tem plenas condições de competir com Djokovic e Nadal atualmente sim. Agora, o que existe há tempos é um exagero e valorização enorme em cima disso a cada vez que ele perde, o que acho errado, abs.

    Responder
  26. Evaldo Moreira

    Bom dia,
    Vi muitos comentários interessantes, outros pífios, até política e menção á bolsa de valores, foram feitas, kkkkkkkkkkkkkkkkkkk, até o bolseiro, também.
    Mas, vi o jogo, e que espetáculo que foi, sensacional, e a tal geração nuttela e danoninho, vai ter que esperar, como é bom, ver o Federer em ação, saque, voleio, o cara é único, mas também, não posso ver somente o que o Roger, mas também, dizer parabéns ao Djokovic, não fez uma partida top, tudo bem, decaiu e levantou, cobre a quadra como ninguém, foi encurralado como ninguém, achou brechas, o saque, não é dos mais potentes, mas ele usa como poucos, ambos, com o preparo físico espetacular, ai vejo no comentário de um ignorante, um sem noção, veio com piadinha de doping, poxa vida, só em escrever, já deveria ter deletado a palavra, será que ele ouviu falar em medicina esportiva?.
    Acho que não né, ignorante, então, a medicina esportiva evoluiu de maneira épica, e o mais vemos, são atletas estendendo a carreira por um pouco mais, além disso, caro ignorante, para quem joga, e tem foco, há aquela chama interior, que é inexplicável, aquela paixão, além da motivação, temos atletas excepcionais, um deles, o Zé Roberto (Palmeiras), corria como garoto, já acusaram Nadal e Djokovic, provas?, cadê…., então, até o Federer!?, prove então, ignorante.
    Dalcim, desculpe o post longo, mas, gostaria de fazer uma sugetão a ti: ” Um post dedicado a Medicina Esportiva”, o que achas?
    Parabéns pela cobertura, sensacional….

    Responder
  27. Sandra

    Dalcim , e o us open que ninguém consegue defender o título ? Quem sabe lá a tristeza do seu blog acaba ?? Até voce Dalcim pareceu estar arrassado !!!

    Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Pois é, US Open tem se mostrado o mais democrático dos Slam, e acho isso sensacional. Talvez por estar tão no fim da temporada, o que pega alguns favoritos já sem muito físico, ou pela enorme proximidade com dois Masters muito competitivos. Mas também porque a quadra dura é a favorita da maciça maioria dos tenistas atuais, incluindo muitos novatos.

          Responder
  28. Alessandro Siqueira

    A regra no jogo de tênis é muito clara. Faz ponto quem consegue que a bola caia no campo adversário. Dito isso, o maior será quem conseguir mais resultados ao final da carreira, sem essa de jogo assim ou assado.

    Tenho para mim que somos bastante hipócritas ao falar de esforço, resiliência e coisas que tais, afinal muitos de nós, embora tenhamos um discurso de valorização da dedicação, ainda ficamos na discussão de maior e melhor, sendo que o melhor seria o mais “talentoso”. Por quê?!

    Ninguém tem dúvidas de que o coelho corre mais que a tartaruga e tem mais aptidão para a corrida que ela, mas é ela quem ganha a corrida na fábula. No mesmo sentido, pouco importa se Djokovic tem menos talento do que Federer, porque sendo a tartaruga tem tudo para ir mais longe, visto que já tem 54 grandes títulos, exatamente a soma do suíço. Fruto de muito esforço, dedicação e superação, parece fato que o conjunto do sérvio nada deve a Roger e, se é verdade que Federer é o melhor, significa que andou enterrando talento ou, pelo menos, fazendo uso aquém das aptidões.

    Responder
    1. Sandra

      Concordo plenamente com você , ninguém consegue aceitar, e depois são os torcedores do Djokovic que são fanáticos , importante é ganhar , se quiser show ver alguém jogar bonito vamos ver o Fognini

      Responder
  29. Barreto

    Grande jogo. Djokovic mostrou que é, de fato, mais jogador que o Federer, até mesmo na grama, onde o sérvio venceu as três finais disputadas entre o dois. Agora é uma questào de tempo pra ele superar o recorde de GS.

    E acho injusto criticar o Federer. O suiço jogou muito bem e quase conseguiu vencer alguém que é melhor que ele.

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Federer seria o Federer se jogasse nos anos 60, 70, 80 e na primeira metade dos 90, assim como ele está sendo espetacular desde que virou profissional há 22 anos. Já Djokovic e Nadal não seriam 30% do que são se jogassem de 2000 pra trás, pois nessa época o Maratênis não existia como peça importante para a definição dos pontos. Ao compararmos os três jogadores, há uma enorme disparidade de técnica e habilidade a favor de FedEx.
      Exemplo disso é Nadal, que experimentou um único saque e voleio contra Federer na semifinal. Essa cena acabou sendo uma coisa simplesmente dantesca de se assistir. Parecia o Incrível Hulk se movimentando rumo à rede. Essa visão ampla do Tênis, focada na arte do tênis-arte é uma coisa lúdica que a torcida do Djokovic se esforça em não perceber. Só há um único Rei do Tênis. O resto é gambiarra.
      Viva o Tênis Clássico. Viva Roger Federer.
      Abs

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Complicado o cara tomar um “chocolate” de 94 x 54, em Winners, e ainda ser considerado o melhor.

      Venceu.

      Mas será que convenceu?

      Responder
      1. Ricardo

        Complicado é considerar um tenista melhor q o outro quando se tem no confronto geral 22×26, em GS 6X10, em final de GS 1X4, no Wimbledon (palco favorito do Roger) 1×3, e em final do Wimbledon 0x3.
        Absolutamente TODOS esses aspectos no confronto direto o Novak lidera, aceita q dói menos.
        Logo mais o Nole passará o Roger em números de GS e aí sobrará qual argumento? Jogo bonito? Winners? Ahaha
        Djoko sobra em relação aos demais no h2h e em questão de tempo tbm vai bater o recorde de GS e semanas como número 1, aproveite enquanto pode e comece a aceitar q logo mais DJOKO será o rei do tênis e todos os números estarão a seu favor, e por enquanto o q temos é o Federer tri vice em Wimbledon pra ele e freguês nos confrontos em todos os aspectos.

        Responder
  30. DANILO AFONSO

    Dalcim, sei que você tem o maior respeita e reconhece o potencial de vários tenistas do circuito, mas por diversas vezes você já deixou claro que tem uma admiração especial pelo FEDERER, possivelmente pelo seu carisma, jogo vistoso e outras qualidades tantas vezes citadas aqui neste blog. PERGUNTO:

    Você apesar de jornalista blindado do fanatismo que cerca os torcedores do BIG 3 e por já ter vivenciado outras experiências esportivas, ficou chateado e/ou frustrado pela forma como o FEDERER perdeu a final de ontem ou os anos acompanhando profissionalmente o esporte te deixou imune a tais sentimentos ??? A paixão pelo esporte e ídolos ficam em segundo plano quando você está cobrindo profissionalmente um evento épico como de ontem ???

    FEDERER já teve outras derrotas dolorosas, inclusive em Wimbledon, na qual destaco 2008. Mas naquele torneio jornalisticamente era interessante a consagração do NADAL após já ter perdido duas finais para o mesmo FEDERER. Certamente outros jornalistas vislumbravam que a vitória do NADAL era mais atraente e vendável.
    Ontem certamente era o momento do FEDERER, pois vinha acumulando vários revés para o NOVAK e estava na sua casa preste a completar 38 anos.

    Se não achar interessante responder, eu vou entender.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Como já disse aqui, Danilo, quem não admira o jogo do Federer – e admirar é diferente de torcer -, não entende lá muito de tênis. Como sou de uma geração muito antiga, de tênis clássico, agressivo e criativo, tenho especial admiração por esse tipo de tenista, onde incluo Federer, Tsonga, Fognini, Kyrgios, mas acho absolutamente espetaculares tenistas como Nadal, Djokovic ou Del Potro que vêm continuamente buscando novos elementos em seu jogo, e com sucesso. Em termos jornalísticos, isso não afeta nada meu trabalho, já que me considero uma pessoa bem esclarecida sobre este esporte, fazendo um esforço para entender como se ganha ou se perde, independentemente de quem ganha ou de quem perde. Por fim, como empresário, eu torço pelo melhor para o tênis e para a audiência do TenisBrasil, conforme as circunstâncias. E estou muito, muito satisfeito com os dois últimos Grand Slam, onde tivemos jogos incríveis, o Big 3 no ápice e campeões dignos, o que só nos levou a novos recordes de visitação. Abs!

      Responder
      1. José Nilton Dalcim

        Desculpe, faltou responder a questão da final. Fiquei chateado pelo Federer não pela derrota em si, porque afinal das contas eu disse desde as primeiras rodadas que Djoko era o meu favorito ao título, mas pela forma com que aconteceu, o que pode afetar muito a motivação do suíço nesta reta final de sua carreira. Quanto mais tempo ele permanecer em alto nível, melhor para o tênis.

        Responder
        1. Gildokson

          Pegando carona nessa tua resposta Dalcim (até pq eu ainda não consegui esquecer essa maneira como o gênio perdeu) eu te faço outra pergunta que a resposta ja sei que vai ser uma suposição.
          Você não acha que por ter conseguido em maio de 2009 estar tão competitivo a ponto de ganhar RG e WB em sequência mesmo depois daquele momento doloroso que culminou com o choro no discurso do AO, o Federer conseguiria de novo sair de um momento que pra mim parece ser tão doloroso quanto aquele ja no Us Open? Aquela época eu lembro de pensar “ah agora esse cara não vai ter mais cabeça pra ganhar Grand Slam, destronado em WB e na quadra rápida pelo rival”
          Será que por saber que tem menos tempo de carreira dessa vez não vai ser mais difícil?

          Responder
  31. DANILO AFONSO

    Ricardo, tive a mesma recordação que você citou:

    “Dalcim, a passada do Djoko pra salvar o segundo match-point no 7/8 foi idêntica a que ele fez no ano passado pra salvar o break-point contra o Nadal, reparou?
    Pra mim, ambas foram o ponto chave dos dois jogos.”

    Inacreditável como foram parecidas.

    Responder
  32. Valmir

    Vendo o choro das referentes… vai uma imagem de consolo.

    Digamos que… o Federer de Wimbledon 2019…. seria um equivalente da… Seleção Brasileira da Copa de 1982.

    Joga bonito… Joga muito… encanta… mas perde !

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Acho que é bem por aí mesmo.

      E a maioria das pessoas dão mais valor pro espetáculo, e não necessariamente para aquele que ganhou mais.

      A seleção de 82 é considerada por muitos, a melhor seleção que já existiu.

      E o Federer, será considerado o melhor tenista que já existiu, quando o BIG 3 finalmente se retirar…

      Responder
  33. Valmir

    A final de Wimbledon 2019 se pareceu um tanto com a eleição americana de 2016.

    Hilary Clinton tinha muito mais torcida, a grande mídia a favor… gastou o dobro de Trump… o mundo das celebridades em peso a seu favor.
    Ganhou no voto popular por mais de 3 milhões de votos.

    Trump ganhou aonde precisava… somadas as diferenças a seu favor em 3 estados chaves – Wisconsin, Michigan, Philadelfia… foram de apenas 160 mil votos.

    Djokovic ganhou apenas em um item importante e decisivo… os 21 a 12 dos 3 tiebrakers… o suficiente!

    Até hoje os eleitores democratas não engoliram a derrota de 2016… os federistas não engolirão nunca também A de 2019!

    Responder
  34. Rodrigo S. Cruz

    [Fábio Júnior Gonçalves de Araújo]
    15 de julho de 2019 às 19:33

    “Boa noite
    Dalcim.
    Você acha que ontem foi a última chance do Roger Federer ter ganhado um grande slam. Ou ainda é possível por oque ele vem jogando apesar da idade? E
    será que o mental dele dele agora pra frente o prejudicará?” .

    Sei que a pergunta foi pro Dalcim.

    Mas como sou enxerido mesmo, darei o meu “pitako” (rs) :

    Como é que PODE, depois de tudo que o Federer mostrou nessa final de Wimbledon, você ainda duvidar que ele seja capaz de vencer um Slam?

    O cara mostrou:

    A técnica absurda de sempre, um físico PRIVILEGIADO para idade que tem, e uma força mental que só perde mesmo para a do Djokovic que é um rochedo!

    Claro que uma derrota tão dura, levará um certo tempo para ser esquecida.

    Mas caras como o Roger tem a tendência de usar esses revezes como TRAMPOLIM, para não cometer o mesmo vacilo no futuro.

    Agora, o Federer sabe que se quiser ganhar do sérvio, vai ter de jogar melhor os pontos mais importantes.

    Pois nessa partida, ele foi melhor o tempo todo, e pecou nos tie-breaks e nos macthpoints.

    Porém acredito que os grandes como ele, também sabem como tirar força das fraquezas, meu caro!

    Abs.

    Responder
    1. Anderson P

      “Agora, o Federer sabe que se quiser ganhar do sérvio, vai ter de jogar melhor os pontos mais importantes.” Ele certamente já sabia disso, senão não seria o campeão que é. Isso ele não precisa aprender, mas claro que ele pode aprender a ajustar algo em seu jogo que o faça vencer uma próxima partida.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Verdade, Anderson.

        Eu me expressei mal.

        Na verdade eu quis dizer que contra o Djokovic, tem de ser mais ainda.

        Ninguém no circuito cuida tanto dos pontos-chave, como o sérvio.

        Pode reparar:

        Se precisa de um ace, ele vai lá e encaixa.

        Se precisa de várias bolas fundas, ele põe.

        Se precisa de uma passada improvável, ele executa.

        Djokovic é o tenista mais INFERNAL de superar, nesses pontos importantes…

        Responder
  35. Angela B.

    Muito boa analise, Dalcim…..Confesso que estou ainda meio traumatizada c/ a derrota do Federer kkk especialmente pelas chances perdidas por ele e que foram muito bem aproveitadas pelo Nole. E se eu ainda estou mexida c/ o outcome, fico imaginando como estah a cabeca do Federer nesse momento…
    Anyway…
    Uma pergunta, Dalcim: vc acha que ha alguma chance do piso o USOpen ficar um pouco mais rapido em 2019? Ou vc acha que a organizacao deverah mante-lo como nos ultimos anos??

    Responder
  36. Luiz Fernando

    Hummm, esqueci outro ponto relevante que vale a pena comentar, como pude esquecer disso, finalmente esse torneio demonstrou de forma clara a existência dos… esquemas de bastidores kkkk. Vejamos, com a teoria da conspiração aventada nesse evento, escancarada sob a forma do “saibro verde”, algumas pessoas bem informadas imediatamente vieram ao blog postar: a Nike é capaz de tudo, ela não ficaria um período X, Y ou Z sem vencer (como se não tivesse acabado de vencer em RG). O detalhe é q nem se aventou uma outra empresa, imediatamente surgiu o nome da empresa americana, claro q sem nenhuma insinuação de favorecimento ao principal jogador patrocinado por ela. Sob os auspícios dos milhões de dólares dessa empresa sem qualquer ética ou escrúpulo, os organizadores deixaram a quadra propositalmente mais lenta, esses mesmos organizadores que num casuísmo rebaixaram o principal atleta que usa material fornecido por ela de cabeça 2 para cabeça 3; para disfarçar ainda mais, fizeram um sorteio de cartas marcadas de modo q esse tenista tivesse uma chave, em tese, duríssima. Agora, para completar a operação “vitória a qualquer custo” da Nike, ela, surpreendentemente, com o altruísmo e benemerência que são suas marcas registradas, permitiu q jogadores q usam material fornecido pelas concorrentes fizessem a final, que gesto magnânimo. Torço, sinceramente, pela nobreza do esporte, para que, no futuro, a verdade venha a tona e esses organizadores corruptos, bem como os responsáveis pela ITF, que os respalda, sejam severamente punidos; o mesmo deve ocorrer com a Nike, que deve ser banida não do tenis, mas do esporte em geral.

    Responder
    1. Mateus Mello

      Essa acusação sobre a Nike ter comprado o torneio pro Nadal foi a maior vergonha alheia dos últimos anos aqui no blog, não vou me admirar se a pessoa que criou essa teoria for terraplanista.

      Responder
  37. Vitor

    Dalcim, pra você que acompanha o tênis há muito tempo e viu a carreira do Djokovic desde o começo, é surpreendente o tamanho que ele alcançou?

    Ainda não é maior que Federer e Nadal, mas já passou nomes como Borg, Sampras, Laver… Lá em 2010 você imaginava que isso poderia acontecer?

    Fico curioso pelo relato de quem viu essa história acontecer.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Realmente, não era possível prever isso antes da arrancada de 2011. Era evidente sua qualidsde mas faltavam detalhes, que ele foi aprimorando aos poucos. Julgo a passagem do Becker como fundamental nisso so lhe dar consistência no jogo de rede e no saque.

      Responder
  38. Luiz Fernando

    Esse final de semana finalmente finalmente consegui identificar um jogador que eu suspeitava quem fosse, mas tinha dúvidas se de fato minha visão estava correta. Ao observar um jogador veterano de quase 38 anos correr 5 horas seguidas sem demonstrar sinais claros de cansaço, finalmente confirmei minha suspeita: ele é o jogador q alguns se referem como “aquele q não cansa nunca” kkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!! Aqui é diversão garantida…

    Responder
    1. Fonseca

      Bela maldade no comentário, mas o detalhe é que o suíço há muitos anos joga pouquíssimos torneios por ano. inclusive pulando o saibro completamente em 2017 e 2018. Enfim…

      Responder
  39. Luiz Fernando

    Quase 500 comentários e aquelas figuras carimbadas q circulam aqui nos momentos fáceis, nos momentos de fazer piadinhas com as derrotas dos adversários, nos momentos de postar “kkkkk”, nos momentos de menosprezar os torcedores e jogadores adversários etc, simplesmente sumiram, desapareceram, escafederam-se kkkk. Coisas associadas com hombridade, ou, para ser mais exato, de falta dela…

    Responder
  40. Mário Cesar Rodrigues

    Dalcim Boa noite.talvez eu esteja atordoado ainda com a derrota do Rafa.e acho que me equivowuei o Zverev ganhou em Montreal do Federer na final em 2019 anunciou que vai jogar só Cincinato Ferrer não defende pontos em Montreal pq Cincinatti perdeu para Djoko você que é o entendedor poderia esclarecer estou muito confuso normal.abs

    Responder
  41. Paulo F.

    E o quê se vê muito é questionarem a educação do Djokovic.
    O cara é de boa, aguenta quieto muita coisa.
    Se sou eu no lugar dele, no fim do jogo, daria uma kyrgieada e iria reto naquelas mulheres e seria a minha vez de esticar o dedo indicador dizendo: – número 1? Sou eu!

    Responder
  42. Rildo

    A nova geração já deveria estar vencendo slams, mas não.

    Fantástico o big 3. Não vejo ninguém para fazer-lhes frente. Talvez em Masters 1000, mas em Majors ainda não. Pra mim, eles ainda estarão dominando por um bom tempo.

    Palpite. Ainda teremos o grande Federer por um ou dois anos e os grandes Djokovic e Nadal por uns quatro ou cinco anos.

    Abçs.

    Responder
  43. Robson Couto

    Olá Dalcim,
    Tenho uma dúvida: Por que o Djokovic tem tanta dificuldade em ganhar do Federer em Cincinnati e tem êxito em Wimbledom? Na teoria a grama não seria mais favorável a Federer?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que melhor de cinco muda um pouco as coisas, principalmente no approach para o jogo. E existe o desgaste das duas semanas de torneio, diferente de Cincinnati. De qualquer forma, não se pode dizer que as vitórias de Djokovic sobre ele tenha sido fáceis, bem ao contrário.

      Responder
    2. M. Fonseca

      Dalcim
      Compreendo claramente os que rendem elogios a essa final de Wimbledon. Mas não acha que há componente desumano em um jogo de 5 horas? Não é hora de uma discussão mais séria sobre isso no tênis? Não é hora de mudar nossa percepção sobre jogos como esse?

      Responder
      1. Fonseca

        Desumano? Hihihi.. “desumana” é a premiação desse negócio. rsrsr:

        2019 £ GBP $ USD € EUR
        Winner £2,350,000.00 $2,983,748 €2,645,874.97
        Runner-up £1,175,000.00 $1,491,874 €1,322,937.48
        Semifinal £588,000.00 $746,572 €662,031.69
        Quarterfinal £294,000.00 $373,286 €331,015.85
        Round 4 £176,000.00 $223,464 €198,159.15
        Round 3 £111,000.00 $140,934 €124,975.37
        Round 2 £72,000.00 $91,417 €81,065.11
        Round 1 £45,000.00 $57,136 €50,665.69

        Responder
      1. lEvI sIlvA

        Há vários sites nacionais e principalmente internacionais que fazem uso deste recurso nos comentários. Um deles do qual gosto muito é o AdoroCinema. Pode ir lá no site e dar uma olhada, Gabi. A sessão de comentários é toda baseada no Disqus.

        Responder
        1. lEvI sIlvA

          Ops, falha nossa! rsrsrs Toda baseada não. Pode-se comentar usando Face, Twiter, Google ou o próprio site. Mas muitos outros usam apenas o Disqus.

          Responder
  44. Murer

    Dalcim,

    Sou novato nos comentários, não prático este esporte mas acompanho o circuito.

    Não vi o auge de Federer e Nadal acompanho o circuito a partir de 2011. Justamente o auge de Djokovic. Sempre vi meus amigos discutindo por conta de quem é o melhor. Talvez o Djokovic ainda não tem a maior torcida porque ele surgiu enquanto essa rivalidade era única correto?

    Responder
      1. Mangostin

        Dalcim, vc nao acha q o Novak nao tem mais torcida justamente por ele mendigar torcida? O Nadal ganhou muitos torcedores com um discurso humilde. Quase que se desculpou qdo ganhou do Federer no AO 2009 seguido dum abrazo empatico quando Roger estava chorando. E quase sempre se desculpa com a torcida quando ganha do tenista local.

        Responder
  45. Joaquim

    Se o federer conseguir vencer o djoko( que é sem dúvida um monstro) uma vez em um Grand slam( como quase conseguiu nesse winbledon), diria que vai começar a vence-lo seguidamente como aconteceu com o nadal depois do australian open 2017. O federer se alimenta de confiança… Ele perdeu no mental pro djoko nesse winbledon( assim como no usopen 2010-20111). 94 winners contra 51 diz muita coisa. Eu sei que ele só tah perdendo pro sérvio… Mas as vitórias do sérvio tem sido bem apertadas…E ele( federer) joga muito mais bonito. O federer sempre será( pelo menos até surgir um novo personagem que não é o djokovic) o maior mito do tênis. Ganha muito mais grana com a imagem do que o djokovic… E vai continuar ganhando mais. Será sempre muuuuuito mais amado pelos fãs de tênis do que o djokovic é. Não adianta… mesmo sabendo que o djokovic é um monstro de jogador( na minha opinião muito mais completo que o nadal)… nunca será a lenda que o federer foi e é. E continuo dizendo. Basta uma Vitória do federer em Grand slam e ele vai começar a vencer mais o sérvio.

    Responder
    1. Roberto Garcia

      Kkkk essa foi hilária. Ele tem quase 38 e não conseguiu ganhar ainda… será que ganha quando tiver 50?? Kkkkk
      Falando sério, agora, ninguém aguenta mais os ressentidos federistas falando de plasticidade, talento, tietagem etc etc…. como se djoko só fosse raça pura e mais nada….. entao o egípcio lá corrredor dos 42,5km poderia mudar de esporte… enfim, djoko é uma máquina mesmo, e, desde quando, máquina não pode ter talento?? É, indubitavelmente,o jogador mais completo da história, possuindo pouquíssimos pontos fracos. Digo mais, joga melhor quando encontra os maiores…tá aí o h2h que não me deixa enganar. Então, Federetes, deixem de choro bobinho e torçam para que Federer tenha aprendido algo com mais essa derrota, e que ele aprenda com mais outras que virão, com certeza.

      Responder
      1. Joaquim

        O federer é muito mais tenista que o djoko. Perdeu no mental porque o sérvio tá muito confiante. Me parece uma burrice enorme achar que ele não pode vencer sendo que quase venceu essa vez. Ninguém achava que ele venceria o nadal tb. Provavelmente o nível do djoko vai cair ano que vem. O dia que ele vencer o djoko( e vai vencer uma hora) muita gente vai ficar quietinha. E se o djoko por acaso não alcançar o recorde do federer então…vai haver um coito interrompido histórico que vai levar muita gente ao suicídio.

        Responder
  46. Paulo Almeida

    A longevidade do Fregueser é uma coisa absurda: o que esse cara correu com quase 38 anos em 5 horas de partida não está escrito. Acho até que nesse momento está melhor fisicamente do que Nadal e Djokovic. Dada essa premissa, a desculpinha de idade fica cada vez mais frágil. Djokovic mete tanto 20×9 no suíço quanto 21×10 no espanhol de 2011 pra cá porque atingiu o melhor nível de o tênis já visto, se tornando o mais completo da história.

    Seu jogo é maravilhoso: tem a melhor devolução da história, joga o adversário de um lado pro outro na troca, muda de direção com extrema facilidade tanto de fore quanto de back, manda um míssil de esquerda, afunda a bola com precisão incrível, faz defesas impossíveis com sua fenomenal elasticidade, saca muito, dá show de slices, voleios e curtas e também tem smashado muito bem. Além disso, é a maior fortaleza mental da história. Enfim, é o GOAT.

    Claro que os antis nunca vão aceitar, mas o azar é deles! Enquanto isso, o sérvio segue empilhando taças!

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      ” ACHO QUE NESSE MOMENTO ESTÁ MELHOR FISICAMENTE DO QUE NADAL E DJOKOVIC”.

      Meu Deus!

      Mas a que PONTO a desfaçatez de um homem pode chegar!

      kkkkkkkkkk

      Responder
    2. Carlos Reis

      O ‘GOAT do Almeidinha’ apanhou de relho na final, só Deus sabe como conseguiu vencer perdendo em todos os quesitos, menos os erros não forçados… PS: Em Roma apanhou de relho tbm.

      Responder
      1. Jonas

        Não apanhou. Federer fez talvez o seu melhor jogo no ano e não conseguiu vencer.

        O sérvio foi irregular e deu uma viajadas. Mas no fim, o Djokovic jogou melhor nos momentos de pressão e mereceu vencer.

        Responder
      2. Luiz Fabriciano

        Depois de Djokovic ter levantado o troféu na quadra, ter ido ao baile de gala, ter recebido sua réplica, já estar em Monte Carlo, ainda tem gente que diz que foi ele que perdeu…

        Responder
    3. Paulo Almeida

      O choro é livre, freguesada TRIVICE de Wimbledon. Aliás, vocês vão chorar por muito tempo.

      Djokovic é o melhor da história tanto no hard quanto na grama e, portanto, o melhor no geral, já que o saibro envolve apenas nove semanas no calendário.

      Ao Fregueser resta comemorar Wimbledons falsos em cima dos servebots bisonhos Philippoussis e Roddick e do medíocre Cilic. Ah, pode celebrar também os três verdadeiros em cima do moleque Nadal e principalmente o de 2012, no qual derrotou o rei da grama Novak Djokovic na semifinal, pois na final NUNCA SERÁ.

      Responder
    4. Gildokson

      Ta bom… ta bom… SEIS ANOS não são nada, na fazem diferença nenhuma, afinal o que muda em 6 anos neh? tão pouco tempo assim não faz diferença, ele corre mais que Djokovic mesmo.
      Deve ser por isso que ele sempre foi conhecido por ser um tenista que corre e chega em todas as bolas. Misericórdia!!!
      Comemorar e exaltar os feitos de Nole que é um monstro sagrado tudo bem, mas vocês forçam demais querendo lutar contra o que não da pra negar. Djokovic e Nadal são mais jovem que o Federer e pronto. Simples assim.
      O suíço ta jogando contra a terceira ou quarta geração ja nesse bendito circuito, logo logo ele ganha d algum pivete que tem idade pra ser filho dele e vocês vão vim dizer que a idade no esporte não faz diferença kkkkkk

      Responder
  47. Rodrigo S. Cruz

    [Ramon Assis]
    14 de julho de 2019 às 22:46

    (…) “E sabe por que Federer perdeu? Por que o que importa hoje é vencer, não importa como.
    Infelizmente, o próprio Federer é culpado pelo surgimento do estilo de tênis praticado hoje. Quando Nadal passou a vencê-lo, apelando para o balão na esquerda do Federer, criou-se uma escola: vencer na base da regularidade e no erro do adversário.

    Afinal, se Nadal era o único capaz de vencer o Federer, era o melhor estilo a se adotar.
    E Djokovic se tornou o grande tenista desta escola. O mais eficiente e perfeito de todos os pragmáticos.
    E assim, vai superar Nadal e Federer.

    E fica a pergunta? Surgirá algum estilo de tênis que possa se sobrepor a este? Seria algum estilo mais enfadonho?
    O único motivo para Djokovic ter torcedores, não é devido ao tênis que ele pratica, mas aos resultados que ele alcança.
    O engraçado é que Djokovic provavelmente irá alcançar os números do Federer, mas, ainda assim, não vai ser admirado.
    Espero que ele saiba lidar com isso.

    Ele é parece ser um grande cara, um grande vencedor, carismático. Quanto ao fato dele não ter admiração, é pelo simples fato do tênis que prática. O mesmo tênis que o põe no topo, é o que lhe impede de ser visto como um ídolo”.

    Grande Ramon,

    Bri-lhan-te!

    Provavelmente um dos comentários mais PRECISOS que eu já li aqui.

    E dou destaque para esse trecho:

    ” O único motivo para Djokovic ter torcedores, não é devido ao tênis que ele pratica, mas aos resultados que ele alcança”.

    Putz… genial.

    Eu nunca havia pensado por esse prisma, mas ao ler agora, concordo inteiramente!

    Difícil de gostar mais desse tênis RIVOTRIL do Djoko, do que do tênis de caras como o Fognini, o Federer, ou mesmo o Kyrgios.

    Os caras vão para bola, usam e abusam das variações, dão drop-shots desconcertantes, e jogam com uma beleza plástica incríveis.

    Duvido que esses caras sejam 100% honestos, quando dizem que preferem o tênis do sérvio!

    Responder
    1. Luiz Fernando

      De fato vencer não é tudo, mas desde que de forma honesta, é a única coisa q vale. A frase acima é mais uma desculpa de perdedor…

      Responder
    2. Geraldo Flavio

      Depois que o Guga despediu do circuito, so voltei a ter um tenista preferido quando Djokovic começou a vencer o Federer e Nadal.

      Responder
    3. Daniel

      Se resultado não importasse, se só importasse carapaças, drop shot, slice, voleios etc, vc deveria torcer para o dustin brown.

      Por favor, para de ser fiscal da torcida alheia!

      Cada um torce para quem quiser!!!!

      Responder
    4. Jonas

      Isso é bem contraditório.

      Se eu fosse torcer por alguém pelo número de títulos, obviamente seria o Federer. Afinal, o cara sozinho é recordista de semanas como n1 e também tem 20 Slams conquistados, fora outros recordes de peso.

      O Djokovic tem menos Slams até que o Nadal.

      Ultimamente ele tem sido o melhor tenista mesmo, mas não acredito que os torcedores dele vão deixar de torcer se ele começar a perder seguidas vezes. Menos ainda que começaram a torcer por ele agora que está vencendo.

      Quanto a estilo de jogo, isso é subjetivo cara. Eu admiro muito o estilo do Djokovic desde 2010 e pra mim é uma aula de tênis. Mudança de direção, posicionamento, estratégia, o cara é muito equilibrado e é muito completo.

      O Federer enche os olhos pela agressividade, ele joga indo quase sempre pra frente e abafando o adversário, possivelmente tem o melhor trabalho de pernas junto com o Nadal, mas eu simplesmente não consigo torcer por ele. Acho que ele poderia se impor mais sobre seus rivais, assim como ele fez com o Nadal nas semis. Eu não vou torcer pelo cara só porque ele joga bonito. Sinceramente, eu prefiro assistir um jogo do Djokovic.

      Quanto a não gostarem do Djoko, acho que isso é óbvio. O Djokovic começou a vencer tudo com Nadal e Federer consolidados como monstros sagrados do esporte. A grande maioria da torcida do Nadal e Federer não vai simplesmente migrar pra do Djokovic. É o que o Becker falou recentemente, o Djokovic estragou a festa, isso explica.

      Responder
  48. Mário

    Sem querer partir pro campo das provocações que estão infestadas nos comentários desse blog, eu só queria dizer que torcer pro Djokovic é bom demais. Só quem torce de verdade pro sérvio pode entender. Ele parece ter algum tipo de contrato onde diz que em jogos ÉPICOS, verdadeiramente ÉPICOS, a vitória sempre tem que ficar com ele, seja na final de ontem, na semi contra o Nadal ano passado, na final do Australian Open em 2012, ou na semi do US Open em 2011 (inclusive foi naquele jogo que eu comprei a carteirinha de fã e que me deu acesso à Kombi que cabe os fãs do Djokovic como alguns dizem por aqui).

    Na hora do 40-15 no quinto set a única coisa que eu conseguia pensar era “US Open 2011, US Open 2011, US Open 2011…” Talvez todo mundo da Kombi tenha pensado junto e as vibrações positivas ajudaram-no. Só sei que ao final da partida eu vibrei… Vibrei mais do que eu poderia vibrar caso o modesto time de futebol que eu torço ganhasse a Libertadores.

    Ainda bem que no tênis resolvi torcer pro tenista que pode não ser perfeito, pode não ganhar tudo, mas quando é pra valer, quando é pra ser histórico, quando é pra calar a boca da torcida inteira do ginásio torcendo contra e dos comentaristas da transmissão, não titubeia. Tenho muito orgulho de torcer pro Djokovic e o seu “maratênis”.

    Obrigado Novak!

    Responder
    1. DANILO AFONSO

      Isso nobre Mário !!

      Torcer para o Sérvio é muito especial. Completamente diferente de outros ídolos que já tive neste e em outros esportes. Comecei a torcer para o NOVAK em 2010 e acreditava que ele se destacaria com alguns títulos relevantes, mas confesso que nunca imaginei que atingiria esse nível de tênis, certamente o mais competitivo padrão praticado neste esporte. Quem um dia segurou uma raquete sabe o que estou dizendo.

      Responder
  49. Rodrigo S. Cruz

    [Luiz Henrique]
    15 de julho de 2019 às 05:38

    “Pois é, Federer com 32 anos = perdeu para o brilhante Stakovski
    Nadal com 32 = semi
    Djoko com 32 = campeão”.

    Que análise rasa, burrinha e simplória.

    Primeiro, que nenhum federista veio culpar a idade pela derrota de ontem.

    Não precisava desenterrar isso.

    Segundo, porque se for para citar derrotas ESPESSAS para gente fraca, o Djoko é tão mestre quanto no assunto:

    Foi inexoravelmente vencido no Aberto da Austrália 2017, pelo Denis Istomin.

    Um tenista que de tão fraquinho, eu vi perder em rodada pífia de torneio Challenger, mês passado…

    Responder
  50. Marcelo-Jacacity

    Opa, bacana, foi postado parte dos dados que postei aqui no blog acerca dos match points salvos nas vitórias e desperdiçados nas derrotas.
    https://tenisbrasil.uol.com.br/noticias/69629/Federer-perdeu-22-jogo-com-matchpoints-a-favor/

    Segue a fonte para quem tiver curiosidade de ler o post completo e a fantástica compilação do forista jm1980.
    http://tt.tennis-warehouse.com/index.php?threads/match-points-saved-and-squandered-by-the-big-four.580186/

    Responder
  51. Rubens Leme

    Mais um italiano começa a pintar por aí: Jannik Sinner.

    Dalcim, acha que a Itália poderá ser nos próximos anos a sucessora da Espanha no saibro? O que está saindo de moleque bom lá…

    E olha que mesmo os veteranos deles dão muita inveja aqui e nem me refiro ao Fognini. Já ficaria feliz de ter um Seppi, nos dias de hoje.

    Responder
  52. Maurício Luís *

    Esqueci de mencionar que a bolsa – com tijolo dentro – que a noiva do Nadal vai dar no pé da orelha dele se não marcar o casório é LOUIS VUITTON. Chique no último levar uma BOLSADA dessas. Mas dói do mesmo jeito…

    Responder
  53. Rodrigo S. Cruz

    [Chetnik/Gildokson]

    15 de julho de 2019

    Chetnik: “(…)Quanto sofrimento e humilhação. Devem estar sangrando por todos os orifícios corporais”.
    Gildokson:”O que faz sangrar é ler os comentários de um oportunista como você, que desapareceu em RG e agora volta escrevendo as mesmas besteiras chamando torcedores do Federer de zumbi”.

    Pois é.

    Depois o problema são sempre o Renato e o Marquinhos.

    Só que deles eu nunca leio certas palavras que de tão perversas quebram o espírito.

    Claro que provocam.

    Mas sabem como provocar, sem deixar transparecer tanto rancor.

    O Chetnik has no BOUNDARIES…

    Responder
    1. Mike

      olha quem ta falando kkkkk logo tu brutus que o dalcin editou um post alegando que TODO post tinha uma ofensa kkkkkkkk ofensa no olhos dos outros é refresco né? renato provoca sem deixar transparecer rancor? essa é a piada do ano, tem que emoldurar essa, não transparece rancor pra você né, que é do clubinho… larga de palhaçada rapaz.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Quem está falando é alguém que posta, todos os dias aqui.

        E você, por onde andou nos últimos 6 meses?

        Já sei!

        Espere um momento.

        Se tem conhecimento do “puxão de orelhas” do Dalcim, é porque nunca saiu daqui…

        Grato por se entregar de novo…

        FAKE !

        Responder
      2. Chetnik

        Pois é, logo o cara que se irrita e dá piti em TODOS os posts. Todos os posts tem xingamentos ou ofensas, seja a colegas do blog, seja a jogadores. Eu, pelo menos, fico só na zoação – às vezes pesada, é verdade -, mas faz ANOS que eu não me irrito aqui e saio xingando.

        Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Vamos à frase clássica: jamais duvide de Roger Federer, Fábio. Quem poderia imaginar que ele teria match-points no quinto set diante de Djokovic? Então ainda acho que tudo é possível para ele enquanto mantiver a motivação. Abs!

      Responder
  54. Alan Guimaraes

    Boa noite Dalcim.

    lembro de um tempo atrás , vc achar que Djoko estava muito próximo de assumir o segundo posto de melhor da história do Nadal.

    Na minha opinião, apesar de Nadal ter 2 Slams a mais, a quantidade de semanas como numero 1 do mundo ( nesse quesito, eu penso que ao final da carreira, esse recorde será do sérvio) , ter 5 ATP Finais e todos os masters 1000 , já rola um empate técnico , com o RF um pouco na frente……

    e a Sua opinião, mudou?

    Um grande abraço e Parabêns pela cobertura brilhante desse esporte maravilhoso.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não posso ficar mudando de opinião a cada momento do tênis, Alan… rsrs… Vamos esperar o final da temporada, acho que temos alguns meses bem interessantes pela frente. Abs!

      Responder
    2. Luiz Henrique

      Alan, Djokovic não vai tomar o posto de Nadal como segundo. Isso porque Djokovic vai ser o primeiro, Nadal o segundo, e Federer o terceiro

      Responder
      1. Alan Guimaraes

        Olá Luiz Henrique.

        Melhor da história é algo muito relativo.

        não acho que somente os números devem ser usados para apontar quem é o melhor.

        por exemplo; na F1 schumacher foi o maior vencedor deste esporte e onde vou pelo mundo, se fala mais de outros pilotos do que dele como melhor da história.

        O bom é acompanhar a história sendo redesenhada por esses 3 gênios do tenis.

        abs

        Responder
  55. Rafael

    Mestre, eu achei que o djoko jogou abaixo do melhor dele e assim mesmo ganhou. Muitos aqui mencionaram o lado mental extraordinário dele, principalmente nos tie brakes, mas também acham ele um maratenista. Eu acho isso muito mais “dor de cotovelo”, que qualquer outra coisa. O Djoko não é o mais genial, mas não seria o mais completo jogador hoje? O melhor atleta?!

    Responder
  56. Rodrigo S. Cruz

    [Angela B.]
    14 de julho de 2019 às 19:04

    “Mas nada pior que ver os poucos bolsominions NESSE BLOG (que infelizmente tb torcem p/ Federer….. affff..) tentando dar desculpas estapafurdias a derrota do Roger, menosprezando as qualidades do Nole!!!!!
    PQP!!!! WTF??????
    REALLY??????
    E depois nao entendem o Brasil ter se tornado uma piada MUNDIAL sob o governo BOZONARO”.

    Ah, claro!

    Agora sim, quem ENTENDEU perfeitamente fui eu!

    Então for isso que você veio me atacar, gratuitamente, naquele post .

    E na hora, eu fiquei meio que quebrando a cabeça e tentando achar um motivo.

    Sempre o bom e velho erro de levar ideologias políticas para o lado pessoal.

    Pois saiba que há vários anti-Bolsonaros aqui no blog, com quem convivo bem.

    E outra coisa: não sou fã do Bolsonaro.

    Mas acredito com convicção que dentre as opções postas, ele era e é a menos catastrófica…

    Abs.

    Responder
    1. LION

      Não ligue para o que a canalhada pensa… “piada mundial” só na cabela tratorizada dessa gente. O dolar está baixando e a bolsa está subindo, pelo que me consta. Esses defensores de bandidos não se cansam…

      Responder
      1. Jonas Normando

        (A bolsa pode bater recordes, e a economia e o desemprego não se alterarem em nada. O mundo financeiro não tem nada a ver com crescimento… No governo Temer a bolsa foi a máximas históricas, enquanto o dólar teve períodos de pico — pico mesmo agora, em 2019.

        Bolsonaro certamente é o menos catastrófico… para aqueles que têm o cifrão para se aposentar. Se for o teu caso, justo, se não for, oriente-se.)

        E Dalcim, por que Federer é o maior que você viu jogar? Fiquei curioso agora. Tem algum texto aqui em que você fala disso?

        Obrigado!

        Responder
          1. Roberto Cerqueira

            Ainda existem pessoas que pensam que podem ter aposentadoria de primeiro mundo num país com renda per capita de terceiro mundo.

      2. Alessandro sartori

        Canalhada pensa? O fake! O fato da moça se posicionar contra o atual governo a torna canalha? Não quer ver ou ouvir nada contra o presidente e sua gente? Simples…assisti sbt, recortv que lá vc só vai ver “o lado bom do Brasil…kkkkk

        Responder
      3. Angela B.

        LION, por favor…vai estudar: 84% dos investidores na bolsa de valores sao os super ricos..ou seja bilionarios que possuem helicopteros, yachts..mansoes ao redor do mundo e etc e tal!! Entao, nao vejo motivo p/ vc estar comemorando. A nao ser que vc seja o Jorge Paulo Lemann e tenha vindo ao blog do Dalcim disfarcado de LION….meu caro!!!! kkkkkkkkkkkkk Qto ao dolar ter baixado um pouco, pode aumentar de valor amanha…..pois eh pura especulacao desses mesmos investidores (ou mercado) que tem controle do Brasil e outros paises subdesenvolvidos. Um mercado que tem (obviamente) uma parceria criminosa c/ as poucas instituicoes financeiras que existem nas terras tupiniquins…Eh um cartel, querido. Portanto…nao espere q o dollar um dia vah ficar em patamares aceitaveis…especialmente com a desindustrializacao do Brasil e que so promete viver (futuramente) de risiveis commodities—-Conclusao: please, stop saying BS.

        Responder
        1. Angela B.

          Isso pq nem mencionei o petrodollar…kkkk. Ou o povo acha que o preco do barris de petroleo aumentam e abaixam “aleatoriamente”??? Helllooooo???
          Vai estudar geopolitica e vai entender o que estah acontecendo fora da bolha….ou a razao da guerra economica contra China (aliada da Russia diga-se de passagem)…e porque o Honduras e Brasil sofreram golpes e porque USA querem tanto derrubar o governo venezuelano desde o comeco da decada, com Chaves……. e outros paises do oriente medio=============Isso se chama petroleo! Poder!! Folow the money!!! However, get some reading as well, mate! Estudar nao machuca ninguem.

          Responder
    2. Angela B.

      Rodrigo….Li duas linhas do que vc escreveu acima. Honestamente, nao tive muita paciencia pra ler o resto, mas minha resposta talvez te sane algumas duvidas:
      Resposta – Nao unicamente pq vc eh bolsominion…mas porque vc me chamou indiretamente de abutre (assim como outros federetes) qdo apostei que Nadal iria massacrar Federer. E o fez so depois q o suico o venceu com propriedade…o que eh muito conveniente.
      Mas obviamente suas posicoes politicas risiveis e insistentes tentativas de querer impor aos outros as suas opinioes, me deram um certo rancinho de vc., sabe?? Eu confesso isso, sim…
      E por mais que vc nao perceba…sua mania esquisita de re-postar comentarios dos outros em outras publicacoes (como fez agora comigo e faz c/ outros) eh absolutamente ridiculo (desculpe a sinceridade), pois mostra um desejo seu incontrolavel de aparecer – e isso eh coisa de adolescente, meu caro. Pois se fosse menos imaturo, responderia as pessoas em seus respectivos comentarios….
      Ps – By the way…hoje acordei de bom humor, mas da proxima vez que vc re-postar algum comentario meu (ou ate esse aqui)..vc vai perder seu tempo e energia. Nem vou me dar o trabalho de ler uma linha sequer…Abs e tudo de bom.

      Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Carlos,

          A resposta da mulher foi tão louca, que achei melhor nem retrucar.

          Eu não disse que era “abutre” quem achava que o Nadal massacraria o Federer.

          Eu disse que “abutre” eram os que TORCIAM para o espanhol fazê-lo.

          Tem um ABISMO de diferença aí…

          Como que eu iria chamar justo quem torce para o Federer, de abutre?

          Responder
          1. Angela B.

            – Carlos Reis, bom humor…sim!!!! So porque vou direto ao ponto e nao fico enrolando c/ respostas cerimoniosas/hipocritas, nao quer dizer que estou de mau- humor, bebê… 😉

            – Mário Fagundes, vc deve estar rindo de nervoso, ne? Conta pra mim..kkk

            – Rodrigo S. Cruz, aih que peninha de vc..!!! Ohhhhhh!!! 🤕 Se esforca tanto pra chamar a atencao e agora que conseguiu, tem que aproveitar o momento e fazer showzinho de “victim role”, ne??? Oh…poooor thing!!! Botar uma melancia no pescoco, as vezes nao eh o bastante, ne? Oinnnn…Que dó! 😢

            Sonia – Serio que por falta de argumentos vc (de novo!!!) responde c/ risadinhas??? Melhora aih a representacao das mulheres, por favor….I beg you!! 🙏🙏

            Ps – E ja que os defensores do “”goverrrrrno menos piooooorrrrr” kkk.. me brindou com essa comovente reuniao kkkk…eu diria que pro NIVEL de expectativa de vcs, o governo do COISO deve estar realmente muuuuito bom mesmo: afinal, Dudu frita o hamburguer, Carluxo faz o suco de laranja e o papi Jair.. entrega o país!!! Hehehe.. E isso eh muito legal…talkei??…Porque no final das contas, a família eh boa de Delivery, ne non? –😁✌️🖖🤙
            Ps2 – Cheers e obrigada pelo entretenimento!!🤙😘

  57. Naira

    Entrevista de Djokovic onde ele reconhece que Federer jogou melhor e que ele (Djokovic) poderia ter jogado melhor, porém ele se manteve calmo durante todo o jogo tentando achar uma estratégia para vencer.

    Novak Djokovic: 2019 Wimbledon Final Championship Win Tennis Channel Interview

    https://www.youtube.com/watch?v=UpUrUUsyajw

    Premiações e discursos de Djokovic e Halep no jantar dos campeões.

    Novak Djokovic and Simona Halep discuss Wimbledon 2019 triumphs at Champions’ Dinner

    https://www.youtube.com/watch?v=xvKXWH1Z01k

    Responder
  58. lEvI sIlvA

    Puxa, Dalcim, tava indo tão bem no meu prognóstico do jogo… Rsrs Quase cravei o 1 set cima! Depois o Djokovic acabou com todos que tentamos adivinhar o resultado. Mas olha, dois anos seguidos e o cara ganha por um triz de RN e RF. Ganhar jogando bem é fácil… O duro é fazer isso vacilando aqui e ali.

    Responder
  59. Rodrigo S. Cruz

    [Luiz Fabriciano]
    15 de julho de 2019 às 11:21

    “Concordo apenas com a menção ao Lleyton Hewiit, que é infinitamente inferior, em todos os aspectos ao sérvio multi campeão. Não precisa ir tão longe, basta rever a final do Australia Open desse ano e provar a diferença. Se quiser ir um pouco mais atrás, a semi de 2016 contra o próprio Federer. O sérvio tem a incrível capacidade de se alinhar ao estilo adversário”.

    Pois pra mim, o Djoko não se alinha à nada.

    O que ele consegue muito bem é ANULAR e ESTRAGAR várias jogadas bonitas do adversário, por correr nas bolas mais do que um cavalo!

    Se bem que ontem, apesar de tudo quanto fez, o culpado pela derrota foi o Federer, e não o ANTI-JOGO do sérvio.

    Já que o suíço mostrou-se até que fisicamente capaz de vencer alguns rallies de tira o fôlego.

    Todavia, até os que ele venceu, muitas vezes foi com o Winner.

    Porque se não meter uma BALA DE PRATA no coração ou na cocuruto do sérvio, a bola segue voltando…

    Abs.

    Responder
    1. Luiz Henrique

      Rapaz, eu n tenho nada contra o Federer em si, mas esse fanáticos loucos que só menosprezam os feitos dos outros, essa arrogância, é o motivo pelo qual serpa divertido ver federer ser ultrapassado por 2 jogadores.
      Nunca vi torcedores de djokovic ou nadal com essa desculpa estaparfúrdia de querer criticar o estilo de jogo do adversário.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Nem todos!

        Há quem diga até que eu goste de “lacrar”, aparecer,e pendurar melancias no pescoço.

        Mas, obrigado de qualquer jeito.

        Responder
  60. Marcelo-Jacacity

    O DjokoVader conquistou o 5. Wimbledon e tem que comemorar muito mesmo. Mas depois precisa descansar e refletir com o Vadja como melhorar o nível de jogo para os Masters americanos e principalmente para o USOpen (Major sempre difícil para o sérvio). Ontem foi no limite. É necessário, treinar, evoluir e detectar o porquê do apagão do segundo e do quarto sets.

    Responder
    1. Luiz Henrique

      Marcelo Jacarity, tudo aquilo foi pra dar uma sensação de imprevisibilidade, dar uma emoçãozinha.
      Mas na verdade era previsível.
      Imprevisível só a temporada de saibro, com nadal e thiem pra desafiar djokovic.
      Próximo jogo de djokovic com federer vai ser que nem a final do AO esse ano, quando a torcida do nadal achou q ia dar jogo pq em wimbledon deu jogo.
      N vai dar jogo. Se jogarem no us open vai ser 3 x 0 djokovic

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Não sei quanto tempo você acompanha o Esporte , caro Luiz. Mas a tua tese de imprevisibilidade no Saibro ( repetidamente) é no mínimo ridícula. Todos sabiam antes de RG começar, que os 4 TOPs ( Nadal , Novak , Thiem e Federer ) seriam os Semis. Poucos sabiam que o mental do Sérvio em Roma ( pneu pra Nadal ) e contra Dominic em RG ( pisou feio na bolinha ) , deixaria a desejar. Agora , imaginar que grandes Sacadores ficariam pelo caminho e Bautista Agut faria sua primeira Semi , nem pensar. Fora as Zebras intermitentes no feminino. Já percebi que a memória não é o forte de muitos que somente veem resultados imediatos. Abs!

        Responder
  61. Naira

    Algumas reações de celebridades deste icônico jogo de tênis.

    Celebrities REACT to Federer vs Djokovic ICONIC Wimbledon Final (2019)

    https://www.youtube.com/watch?v=bVdrXKhJvGY

    Gostaria de me juntar a eles e agradecer de coração por este maravilhoso espetáculo de tênis e torcer muito para que o BIG3 possa perdurar por mais uns 10 anos. Torcendo muito pela volta de Murray para termos novamente o BIG4.

    Responder
  62. Bruno

    Mestre, fazendo um exercício de imaginação, se o Federer tivesse vencido o jogo, seria um momento espetacular para ele anunciar ao vivo a sua aposentadoria, não acha? Claro que ele ainda poderia ter muita lenha pra queimar, mas conseguir parar no auge, diante de uma façanha dessas, na grama sagrada de Wimbledon, seria memorável, concorda?

    Eu pensei nisso quando ele sacou em 40/15 e tremi na base pensando que poderia ser o último ponto que veríamos ele disputar…rsrs. Como fã dele, acho que eu até preferia vê-lo vencendo e se aposentando do que sofrendo uma derrota tão dura como essa.

    Abraço e parabéns pelo blog!

    Responder
    1. Luiz Henrique

      Aposentar? E praticamente entregar o recorde de bandeja pros outros 2? kkkk, até parece.
      Vai ter que aguentar ser ultrapassado em quadra, kkkk

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        O amigo tem noção dos valores do Contrato assinado com os Japoneses , Luiz ? Você parece um guri sem noção em seus “ lúcidos “ comentários. Se supera em cada um deles rs Abs!

        Responder
  63. Felipe Pontes

    A imagem dos torcedores apontando com o dedo que só faltava um, após dois aces e 40-15, jamais sairá da minha mente. Apesar das voadas intensas terem sido do sérvio no jogo, perdeu dois saques seguidos no set 2 e 4, o suíço não teve mental para fechar o jogo. Que atrasada foi aquela? Que subida descabida no 40-30? Perder três tie-breacks, sendo outrora um expert no quesito? Djoko, de acordo com as últimas derrotas, está promovendo uma trava mental em Federer. Parece que a kriptonita, que era espanhola, passou para o lado dos balcãs. Parabéns ao sérvio, que venceu a final mais emocionante da história, pelo menos das que assisti. Serve como alento as inúmeras qualidades técnicas e físicas demonstradas pelo Suíço, a esquerda (apesar dos tie-breaks) suportou bem, o saque afiado em vários momentos, a paciência na trocação, os voleios magistrais e as quase 5h suportadas de jogo. Enfim, se em 2014, muita gente duvidava da condição de Federer vencer outro slam, pela sua idade. Em 2019, ouso dizer que se não vencer o n° 21, não será pelo físico, mas pelo psicológico ou pela decolada da nova geração. Tecnicamente ele sempre foi e será capaz. Parabéns pela cobertura, Dalcim. Acompanho o blog de forma assídua, apesar de não ter postado mais nada.
    E aí mestre, Djoko, com todos os méritos, é o calo mental do Federer? Como superar?
    Recordo que até em 2015, no auge do sérvio, Federer conseguia tirar uma casca. Ultimamente, com a melhora do suíço e a queda, pelo menos comparada a 2015, do sérvio, só derrotas. Vá entender

    Responder
  64. Rodolfo Costa Sousa

    Dalcim, não gostava tanto do sérvio
    Mais do Nadal e Federer
    Mas eu acho Djoko uma mistura dos dois
    No começo só perdi achou as soluções e passou os
    Dois inclusive do h2h antes ele tomava lavada
    Mas eu assumo quando vi a final do us open
    Eu vi ao vivo como ele parecia q sofria mais pra fazer os games e parecia sempre q del Potro ia levar
    Mas uma vacila em 1 lance ele ia lá e matava
    O game q del não quebrou ele acho q foi 20 min de mais pura defesa eu entendi pq ele na minha opinião vai passar nas estatísticas-
    Eu acho que ele até brinca tamanho o controle q
    Tem do jogo não sei passa essa impressão.
    Mas a pergunta q te faço observei bem o técnico dele dessa vez sinistro ele não ? E achei tive a impressão que nos pontos mais importantes ele encarava de um jeito para amendrontar entrar na cabeça não sei . Como esse técnico dele é guru tbm vc acha que além de treinamentos ele Buscou técnicas seja de leitura corporal de reforço psicológico magia sei lá ? Mas akele técnico não é normal não kkkk.
    Concorda Dalcim

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Hahahaha… Gostei da magia. Olha, quando duas pessoas se entendem muito bem, são capazes de se comunicar sem palavras. Talvez seja o caso e essa simbiose sem dúvida só tem gerado muito sucesso.

      Responder
  65. Mágno Lucas samapaio

    Olá Dalcim!
    Foi um jogo fantástico com muitas alternâncias e qualquer um podia levar que estaria de bom tamanho, mas o sérvio parece talhado para estes momentos, como disse o colega RicardoCWB a passada que ele fez quando salvou o segundo matchpoint foi de cinema.
    Mas Dalcim por favor me responde uma questão, foi o Nole que jogou abaixo principalmente no 2 e 4 set ou foi o Federer que provocou isso?
    Parabéns a toda a equipe do TenisBrasil pela cobertura e a você pelos comentários sensacionais durante a partida.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que um pouco de tudo, como a maioria das situações. Você sabe que precisa do saque, mas algumas bolas chegam e te incomodam, talvez ache que seja melhor mudar alguma coisa, surpreender. Enfim, o ideal nessas horas é ‘zerar’ o pensamento e jogar quase no automático, mas isso é uma das coisas mais difíceis de se fazer no tênis, Magno. E nunca vamos esquecer que os dois estavam ali já há quatro horas!

      Responder
  66. Luiz Fernando

    Nossa, mais de 350 comentários no post e faltam as abalizadas (kkkk) análises de alguns blogueiros, que estranho, pq será? Onde está, pex o Lógico, tão criativo e risonho nas besteiras q posta quando Nadal perde, deve estar em retiro espiritual kkkk. As pessoas se mostram nas adversidades, não nos momentos de alegria…

    Responder
    1. Maurício Luís *

      Luiz Fernando, sobre o Lógico, eu sempre achei que ele é muito mais ‘secador’ do Nadal do que propriamente torcedor do Federer.

      Responder
  67. Miguel BsB

    Dalcim, venho pensando ultimamente de onde que o Djokovic tira essa força mental toda. De como ele parece gostar das adversidades, de sofrer, de crescer nesses momentos, de ter o descrédito de grande parte da torcida e especialistas….
    E eu creio que ele tire essa força mental lá das adversidades que ele passou na infância, da guerra dos Balcãs, dos bombardeios, de vir de uma região pobre e devastada por guerras, ao contrário da maioria de seus adversários europeus do oeste ou americanos/australianos, que vem de países que lhes proporcionou uma estrutura muito maior, em quase todos os sentidos, para se desenvolverem e se tornarem tenistas profissionais.
    Imagino que ele veja o Federer na frente e pense: vou lutar até minhas últimas forças, mas não vou perder pra esse playboyzinho suíço, criado a base de chocolates e fondue, não vou dar nada pra ele de graça, nada, ele já teve/tem muito mais do que eu….Imagino que seja daí que ele tire essa capacidade monstruosa de resiliência mental.

    Responder
        1. Sônia

          O ódio alimenta essa região do sérvio. Transpiram ódio, ressentimento… estive lá, senti o horror, cruz credo, nunca mais. Felizmente Federer é o oposto disso, felizmente.

          Responder
    1. Carlos Reis

      Meu Senhor…Até onde vai a loucura desse povo!? Normalmente o campeão é o melhor jogador do torneio, desta vez não foi o caso, foi injusto e lamentável, mas vida que segue… Comemorem muito, não é sempre que o pior em quadra vence…

      Responder
  68. Rubens Leme

    Ah, antes que me esqueça, a minha “homenagem” ao Federer. Se em Paris, o carrasco foi (e sempre será) Nadal, em Londres, Djokovic faz o que quer do suíço.

    Sendo assim… https://www.youtube.com/watch?v=3BDt7h_Myds

    “Escravo Rogério”.

    Lerê, lerê, lerê, lerê, lerê
    Lerê, lerê, lerê, lerê, lerê
    Lerê, lerê, lerê, lerê, lerê
    Lerê, lerê, lerê, lerê, lerê

    Vida de Rogério é difícil, é difícil como o quê
    Vida de Rogério é difícil, é difícil como o quê
    Eu quero morrer de noite, em Londres me matar
    Eu quero morrer de açoite se tu, Djoko, me deixar

    O “Rei da Grama” perdendo a terceira final consecutiva pro sérvio, no All England. Tal desgosto, Borg não me deu. Ó Roddick, porque tu se aposentastes?

    Responder
      1. Paullo

        Tb n gostei
        O Rubens é de uma vaidade enorme pois não comenta durante os slams porque diz que seus comentários se perderiam entre os muito numerosos nesse período.
        Então vem agora com tudo que estava acumulado kkkkkk

        Responder
  69. José

    Dalcim, pra mim você é o maior especialista de tênis no Brasil. Você já pensou em ser comentarista de jogos na TV? Acho que as trasmissões ganhariam muito.

    Outra pergunta, que jornalistas de tênis você gosta no Brasil?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não tenho interesse, José, ao menos enquanto estiver com o TenisBrasil. Olha, por questões éticas, não falo do trabalho de outros jornalistas. Posso falar de quem não é: gosto muito dos comentários do Narck, do Koch, do Roese e da Dadá. Abs!

      Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Puxa, o tal Koch foi o maior tenista brasileiro depois de Maria Esther e Guga. Tem quartas em três Slam diferentes, ganhou de Laver e Borg… Foi cotado 10 anos entre os 20 melhores do mundo.

          Responder
  70. Tadeu.

    Mestre,

    Mais uma vez, parabéns pela cobertura de todo o torneio, pela qualidade dos textos e conteúdos aqui compartilhados.
    Sobre o jogo, ainda que Djokovic, no meu entendimento, tenha sido muito mais inconstante do que o habitual, o que mais me surpreendeu foi a postura do Federer, com uma estratégia precisa: saque à perfeição, agressividade e encurtamento dos pontos sempre que possível. Era assim que deveria ser, mas funcionou extremamente bem, basta ver os números finais da partida. Porém, Djokovic, como de costume, parece especialista em encontrar soluções quando está contra à parede, o que está totalmente voltado ao seu mental. Foi um jogaço.

    Sei que tem muito cuidado com suas explanações, afinal hoje estamos em uma era de torcidas presentes, fanáticas, seja para Federer, Djokovic ou Nadal.
    Mas gostaria de perguntar uma coisa: Federer, antes de Djokovic e Nadal se estabelecerem como concorrentes, teve adversários de mais grosso calibre em comparação a geração mais presente no desenvolvimento de Nole e Rafa, ou o nível de ambos é que realmente foge a qualquer comparação?

    Forte abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado, Tadeu. Claro que você não pode comparar Roddick, por exemplo, a Nadal ou Djokovic, que são fenômenos. Mas o contexto todo é muito complexo. Roddick jogou numa fase em que o tênis era realmente rápido e vencer o maior sacador de então por tantas vezes, incluindo em Wimbledon, foi um grande feito. Federer precisou adaptar seu jogo a um circuito cada vez mais lento, e talvez seu grande erro tenha sido não ter mudado de raquete alguns anos antes.

      Responder
  71. Fedex

    Dalcim, o Federer foi melhor em todos os números desde aces, bp, quebras, pontos vencidos com 1° é 2° serviços, menos duplas faltas, melhor devolvedor de 1° e 2° serviço, maior pontuador da partida, 40 Winners a mais etc, etc, etc… Só perdeu nos erros não forçados (62 x 52). Vc se lembra de alguma final de Slam um tenista ser tão superior em praticamente tudo e perder?

    Federer cometeu 3 erros no game de fechar o jogo (8x 7 do 5° set) em bolas fáceis na hora de fechar o jogo, eu nem acredito que hoje ele não é o campeão, foi a derrota mais dura pelo fato de talvez ser a última final em Wimbledon, de ver o Djoko encostar e principalmente pq ele jogou melhor, mas o esporte é assim, nem sempre o melhor vence.
    Vc já viu numa final de Grand Slam em que o tenista que foi melhor em praticamente todos os números perder?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não que eu me lembre, mas estatísticas são algo que precisam ser relativizados. Talvez seja correto avaliar cada set ou por vezes cada ponto importante de um jogo tão apertado. Ninguém tem dúvida que tudo foi decidido em quatro ou cinco pontos, daí a necessidade de três tiebreaks. Abs!

      Responder
  72. maurício

    Dalcim, primeiramente, parabéns pelo texto, de longe, mais de longe mesmo, a melhor análise da batalha que foi Djokovic x Federer. Queria compartilhar uma opinião minha e saber sua opinião. Para mim o Djokovic não jogou o que ele costuma jogar, é lógico que isso se deveu, também, a excelente partida do Federer, mas era nítido o desconforto do Djoko, desde o início da partida. Quase não vibrava, ao ponto de quase não comemorar o feito de vencer aquela partida histórica. Eu sei que tem coisas de bastidores que a gente nunca vai saber, mas vc não acha que atmosfera feita, a torcida quase que unânime para o Federer vencer, não foi para fora das quadras, não acha que houve uma pressão, não direta, claro, mas de forma indireta para que o Djoko perdesse, afinal são muito interesses, e , pode até não parecer, mas o sérvio é humano e deve ter sentido toda esta pressão, o que acha? eu acho que em condições normais, o sérvio poderia até perder o jogo, mas jogaria num padrão bem melhor, obrigado pela atenção e fica em paz.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, pode ter coisas além do jogo em si. Torcida é algo que não dá para se mensurar. Vamos lembrar que os ingressos são vendidos com um ano de antecedência, são sorteados entre as pessoas e portanto ninguém ali sabia quem estaria na final. Um pequeno número provavelmente conseguiu comprar ingresso depois de definidos os participantes. Eu achei o jogo bem tenso, e dos dois lados. Não sei explicar a reação final do Djokovic. Acredito que foi acima de tudo de alívio, mas até pode ter sido de repúdio à torcida ou de certo desprezo ao adversário, como se o jogo não tivesse sido tão difícil como foi. É algo que só ele poderá elucidar.

      Responder
  73. FERNANDO/MG

    Prezado Dalcim, mais uma vez parabéns pela excelente cobertura de todo o torneio, ontem eu assisti ao jogo, lendo seus comentários no site…sempre com informações pertinentes e tendo total conhecimento do que acontecia na quadra em cada comentário, se eu deixasse a TV no mute, não teria o menor problema em obter as valiosas informações, mais uma vez parabéns mestre e sugiro aos leitores que se tornem adeptos em assistir aos jogos e ler os comentários do Dalcim ao vivo acerca da partida.
    Prezado, na sua opinião o que faltou ou falta no Novak para ele ser admirado e ter essa legião de fãs que o Federer e o Nadal possuem? A impressão que passa que o cara é até antipatizado, tudo bem que ele tem uma postura arrogante, mas tenta ser simpático, forçado é verdade, mas pelo menos tenta. Em alguns momentos é notório o tanto que ele fica desconfortável em sempre ter a torcida contra, ontem então foi demais, eu percebi o Novak incomodado demais com isso, diria que o sérvio chegou a ficar sem graça.
    Vc acha ainda que essa idolatria que lhe falta, mesmo tendo ganhado tudo tantas vezes, realmente o incomoda? Haja vista que esses caras tem sim um ego inflado, e como vc mesmo diz Dalcim, no Tênis não tem nenhum santinho. Creio que no fundo, o sérvio é um pouco frustrado por isso.
    Acho que, a grande rivalidade entre Federer e Nadal, o grande clássico do Tênis, o estilo tão antagônico de se jogar e tão congruentes fora das quadras, ajudaram a moldar essa aura de ídolos supremos do esporte, sendo que ao Novak sobrou uma espécie de terceira via…Nenhum tenista top tem o Novak como seu maior adversário, ou mesmo uma inspiração.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, acredito que isso incomoda o sérvio, Fernando. Mas vejo tudo com naturalidade. Ele veio bem depois de estabelecido o duelo entre Federer e Nadal, virou quase uma terceira via e no fundo passou a tirar os holofotes dos dois com sua grande ascensão. Não contribuem muito as raquetes quebradas, os destemperos, a ironia para o público. Mas acredito que Djoko naturalmente irá ocupar seu espaço no gosto maior do público, principalmente quando o suíço e o espanhol saírem de cena. E aí ele próprio reduzirá esses repentes.

      Responder
  74. Paulo F.

    Pelo visto não é só o Robson que tem um sítio.
    O Renato também possui um e não sabíamos!
    Sumiu em exílio a criatura!
    kkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
    1. Robson

      Parei de comentar a muitos meses,mas estou sempre passando por essas bandas, principalmente pra ler os posts do Dalcim,mas nesse post eu resolvi correr os olhos nos comentários,uma pena tudo continuar como sempre foi,as “etes” com seus delírios infantis,quando digo “etes”,se enquadram noletes,nadaletes e federetes,acho lamentável demais,essas três máquinas de jogar tênis,esses três fenômenos que pra mim são os 3 maiores da história, não precisam desse lixo de torcedores.
      Um JOGAÇO como o de ontem e vejo só asneiras em vários comentários,gente amargurada,raivosa,o tempo todo desqualificando um tenista ou outro,o jogo de ontem foi sim um JOGAÇO,venceu Novak Djokovic, más poderia ter vencido Federer, parabéns aos dois pela bela final,pelo belo torneio e viva essas três lendas vivas do tênis, Nadal, Novak, Roger.

      Responder
  75. Eu

    Os dois jogaram quase 6h seguidas de um tênis de altíssimo nível depois de duas semanas jogando dia sim dia nao.
    Enquanto isso, os jogadores de futebol jogam no maximo 2 vezes por semana, com mais 10 em campo, e reclamam de jogar 90 minutos.
    É pra acabar.

    Responder
  76. Sergio Gonçalves

    Novak Djokovic é a Portuguesa de Desportos do tênis: tem uma torcida de meia-dúzia de fanáticos que juram que é o melhor do mundo. Sim, diriam eles, mas a Lusa não ganha nada e o Nole vence tudo. Fato. Mas isso, longe de ser atenuante, é agravante. Afinal, como pode um atleta profissional com os números do Djkovic ter uma torcida que cabe num Karmann Ghia 67? Eu pergunto e eu mesmo respondo: Djkovic é um vencedor mas apenas isso não basta para conquistar corações e mentes. Boletos de contas vencem todo mês e nem por isso são adorados.
    Penso que a nanotorcida de Nole tem motivos para comemorar. Ele não tem nada a ver com os equívocos do Vacilão Craque Suíço. Mas ficar se lamentando porque Nole não teve torcida na quadra (ou em parte alguma) já é querer muito. Porque essa é a verdade: vai levar muito tempo para Federer acreditar que perdeu. E talvez mais tempo ainda para o Nole acreditar que venceu.
    Minha recomendação aos torcedores do Nole: sentem numa mesa de bar (pode ser mesa pequena que ainda assim sobra lugar), peçam quatro choppes (muita bebida para tão poucos) e comemorem. Sem beicinho, por favor.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      kkkkk

      Perfeito, Sérgio.

      É o que eu sempre falo.

      O segmento “AL QAEDA” da torcida do Nole deve sofrer de um complexo de vira-latas de dar pena.

      “Oh, porque o Djoko veio de baixo, então é normal ser mais forte”.

      ” Oh porque o Federer foi criado no luxo, na frescura”.

      Putz, que mentalidade retrógrada, medieval.

      Como se qualquer pessoa tivesse mais ou menos valor, em razão da sua origem.

      Meus pais vieram de baixo, quando nasci moravam num barraco, só que venceram na vida.

      Mas nem por isso se consideram melhores do que os ricos…

      Teve outro aí que veio choramingar porque a torcida inglesa só mostrava reação, quando o Federer vencia o ponto.

      É por essas e outras, que o Federer gera tanto ódio desses caras.

      São COMPLEXADOS!

      Mas isso aí, bola pra frente.

      Responder
    2. Miguel BsB

      Rapaz,na Boa…da onde vc e outros tiram essa estória de torcida minúscula pro sérvio? Isso é um grande papo furado…ele provavelmente tem menos torcedores que Federer e Nadal, mas tem a torcida e admiração de muitos milhões, sendo o fenômeno de tenista, atleta e campeão que é. Além de ser carismático sim, e muito bem articulado.
      Tiro como exemplo a grande recepção e festa que a torcida brasileira fez pra ele nas olimpíadas do Rio, msm perdendo na primeira rodada…

      Responder
  77. André Barbosa

    Acho que esse é o primeiro jogo de tênis que eu vejo e acho o resultado “injusto”, Federer jogou melhor e merecia levar o caneco. Por outro lado, vale ressaltar a força mental do Djokovic; não largou o osso por nada.

    A pergunta que fica agora é: Até onde o Sérvio pode chegar?

    Responder
  78. RCM

    Fiquei bastante decepcionada, pq se Federer realmente fosse o melhor, com toda experiência em GS, particularmente Wimbledon, foi privilegiado na chave, e ainda com a torcida pra si, teria tido a frieza de fechar o jogo. Isto pra mim demonstra que não é completo, falta muita força mental e isto é algo importantíssimo no tênis. Então, esta final mostrou que nunca poderá ser considerado o maior. Djokovic tem um jogo muito defensivo e feio até, fica no rebate rebate, mas ele e Rafa são os maiores em força mental.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Eu acho que o Djokovic já é muito maior do que o Nadal, mentalmente…

      Uma rocha inabalável.

      O Nadal já sofreu inúmeras derrotas duras também.

      Recentemente teve aquela em Monte Carlo, onde o Fognini fez dele ” gato e sapato”.

      Além disso, se formos completamente honestos, é IMPOSSÍVEL chamar um cara que tem 20 Grand Slams, e que joga nesse nível com 38 anos, de ser fraco mentalmente.

      Quem realmente é fraco de cabeça no tênis, não conquista absolutamente nada.

      Tênis é um jogo sobretudo mental…

      Responder
      1. Miguel BsB

        Concordo…impossível alguém conquistar tudo o que o Federer conquistou, ser considerado por muitos o maior de todos (sim, colegas nolistas, o Federer ainda é o maior campeão de todos os tempos), e ter um mental fraco…ele tem um mental extraordinário, mas é fato que Nole e Rafa são melhores que ele nesse quesito. Acho que nunca vi, em nenhum esporte, uma força mental como a desses dois indivíduos.

        Responder
      2. Sônia

        O mental do sérvio já não está tão “fortinho” assim. Segundo semestre chegando… verás. Me cobre depois se eu estiver errada. Beijos.

        Responder
  79. Maurício Luís *

    Agradeço ao Djoko por mostrar a nós todos que é possível vencer mesmo com quase todos contra. Fora a família dele, parece que todo o resto da torcida era contra. Até os narradores, blogueiros, boleiros… Nos match-points, vi senhoras de aspecto respeitável se “descabelando” com o dedinho em riste, como se quisessem colocar no nariz do sérvio: “- Falta uuuumm!!” Pois é. Mas faltava.
    ALIÁS, se torcida ganhasse jogo, a China seria campeã da Copa do Mundo invicta e sem perder nenhum ponto.
    **********************************************************************************************************************************
    Enquanto isso, em algum lugar da Espanha…
    – Benzinho (grrrrrrrrrrrrr…), e o CASÓRIO, pra quando vai ser?
    – Amoooor… pera + um pouquinho. Preciso me preparar para o US Open.
    – Ah, é?? Pois então prepare-se também pra lever uma BOLSADA no meio da orelha. E com tijolo dentro!!

    Responder
  80. Ricardo - DF

    Interessante: bastaria um ACE no serviço decisivo do Federer, coisa que ele já fez tantas vezes, para que os comentários aqui fossem totalmente diferentes.

    Responder
    1. Nando

      Pois é…e ele vinha de 2 aces, pq então ele não partiu pro 3° (q seria o do título) no 40/15 e/ou no 40/30 né? Não dá pra entender.

      Responder
  81. Jonas

    “Nole, na média, é o tenista mais técnico da atualidade. Tem todos os golpes equilibrados: 1º e 2º saques, devolução de saques( o melhor ), drives de direita e esquerda, slices, smashs, bola curta, voleio, etc….”

    Concordo e acho um estilo lindo de se assistir. Há quem chame de “maratênis” rs.

    Responder
    1. Anderson P

      Os que chamam de maratênis são os que gostam de desmerecer as conquistas dos dois tenistas que impuseram um H2H negativo para o suíço.

      Responder
    2. Sergio Gonçalves

      Desculpe, Jonas: Djokovic, “smash” e “voleio” não pode integrar a mesma frase. É, provavelmente, um dos piores smashes do circuito. Abs

      Responder
  82. Franco

    Dalcin, que jogão. 5 horas tensas. Federer me pareceu muito consistente e sem viajar no mental como em muitos títulos que perdeu. Mas faltou aquele ponto em alguns momentos. Teve chances, mas do outro lado estava um grande jogador, que também teve chances e não aproveitou. Tudo foi para o último minuto. Que não parem. Queremos mais.

    Responder
  83. Paulo F.

    Trezentos comentários e nada do Renato e do Comedor de Picanha.
    Meus parabéns ao Rodrigo Cruz e ao Pessanha que não sumiram após derrota tão dura e aqui estão.

    Responder
    1. Paulo F.

      ** P.S.: Falando nesses dois sujeitos supracitados, eu pago se alguém filmou a cara deles quando o deus supremo da ate e técnica tenística madeirou com gosto a bolinha no match point contra!
      HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!!!

      Responder
      1. Carlos Reis

        Com 3-6 no tiebreak querias o que!? Eu jogaria a bola na Lua… Federer é um tenista genial, o melhor de todos, mas é um competidor medíocre, infelizmente.

        Responder
        1. Miguel BsB

          Putz…Gostaria de entender o raciocínio de alguém que qualifica um tenista que tem 102 títulos de atp de “competidor medíocre”…

          Responder
          1. Paulo F.

            E isso que torce pro Federer!
            E nos últimos tempos também virou um torcedor lamentável do suíço, tipo os Renatos da vida.

  84. Rodrigo Alvez

    Federer jogou incrivelmente bem, sacou num nível altíssimo, correu como se tivesse 27 anos, fantástico! Djokovic jogou bem abaixo do que pode e ainda assim ganhou. Não sei o que é mais impressionante.
    O mental foi a diferença, pelo jeito Federer se livrou do Nadal e ganhou o Djokovic pra atormentar sua mente. Carma?

    E essa foi a maior final de Wimbledon de todos os tempos. Que tensão!

    Responder
  85. Sérgio Ribeiro

    O Sérvio precisou suar sangue para confirmar seu favoritismo. Reconheceu com muita personalidade na Coletiva. O homem que não tem buracos em seu jogo , levou quase 100 Winners ( 94 ) do “ fujão” dos Fakes Fanáticos. Ele deve ter aprendido de vez porque a grande maioria dos que pagam ingresso, preferem o jogador mais agressivo do Circuito com seu Back pífio, segundo os “ especialistas” de Live Score e grupinhos da Whats. Qualquer um que vencesse seria justo. Faltou ao Craque Suíço dar uma ensebada a lá Nadal nos dois Match Points rs Se demorasse um pouquinho ajeitando a Cueca, o ENEA era certo. Há Novak sobrou comer grama : “ Quando eles gritavam Roger eu mentalizava Novak “ . Empatou com Borg e botou Pimenta no segundo Semestre ( USOPEN ). Fiquei impressionado
    com a quantidade de 3 x 0 nos palpites dos lunaticos kkkkkk Depois deste Show , o Velhinho não larga o osso antes de Tóquio. A conferir. ABS !

    Responder
    1. Luiz Henrique

      Moyses, acho que maior no número de slams com ctza vai ser.
      Um pouco mais difícil vai ser superar os 8 wimbledons, mas acho bem possível tb

      Responder
  86. Spencer Santos

    O que mais me impressiona é o Djokovic jogando 50% do que pode, vencer o “melhor” Federer de todos os tempos, no piso preferido dele e pela terceira vez em final de WB. O Federer está no auge técnico e mental, especialmente pela experiência, tendo um físico suficientemente adequado para enfrentar qualquer desafio na atualidade, como mostrou ontem. Então, o único comentário “Lógico” é aquele que exalta a extraordinária vitória de Djokovic, o qual, de fato e de direito, já pode ser citado como o melhor de todos os tempos, afinal, conquistou o que já conquistou 100% na fase Big 3 (Big 4), o que não pode se dizer dos números do próprio Fedal, pois boa parte deles ou não inclui o Nadal e o Djokovic (caso do Federer, na primeira parte das conquistas) ou não inclui o Djokovic (caso do Nadal, na primeira parte das conquistas). Mas, até essa polêmica provavelmente não existirá no final de 2021, já que, salvo uma contusão, ele naturalmente terá, no mínimo, as duas principais marcas do tênis – GS e Semanas na Liderança. – e confronto direto positivo contra o Fedal. Eu me rotulo “Nadalista Xiita”. Por mais “xiita” que um fã possa ser, está mais que na hora de admitir, sem dúvida, ele, Djokovic, já é o Maior e Melhor Tenista dos Anos 2000. Saudações Nadalistas Xiitas a todos! 🙂

    Responder
    1. Julio Cesar

      e, sem complementar seus argumentos, eu acho bobagem dizer que Federer não venceria qualquer tenista ontem. Como os desculpadores plantonistas adoram invocar o “saibro verde” e a “idade” como fatores.

      Responder
    2. Carlos Reis

      hahaha O sérvio declarou depois da semi estar jogando o seu melhor tênis, mesmo assim apanhou o jogo inteiro, perdeu em TODOS os números, exceto os erros não forçados(61-52). Título mais INJUSTO da história do tênis…

      Responder
      1. David Torres

        É engraçado ler os comentários fanáticos de alguns. O que importa é o resultado final. Quem ganhou mais sets. De que adianta liderar todas as estatísticas de um jogo e perdê-lo no final? Temos que aprender a aceitar que um dia ganha-se e em outros perde-se. Os três são grandes tenistas e possuem defeitos e qualidades. Ficar aqui discutindo quem é melhor, quem é isso ou aquilo, não agrega em nada. Que discutamos os jogos, as grandes jogadas e não a personalidade de cada um.

        Responder
  87. robs

    Asisti o jogo todo… e achei os 4 primeiros sets bem mornos.. claro que tivemos grandes lances… mas achei tudo muito sem tensão…. o quinto foi excelente em todos os quesitos…daí a impressão geral de que foi um super encontro… não achei… Federer deveria ter levado.

    Responder
  88. Oswaldo E. Aranha

    Chetnik, vajo que no tênis temos afinidades, mas no futebol não, vi tuas referências pouco apreciadas a um grande clube, Vasco da Gama, que foi o 1º campeão do torneio continental, que deixava o time reserva para disputar o campeonato carioca e ganhava, indo disputar o Teresa Herrera e ganhava. Fui criado dentro do clube quando meu pai por 3 vezes foi presidente, onde pratiquei remo e tenho muito orgulho de ser vascaíno. Não quero que essa diferença nos separe, abraços.

    Responder
  89. Guilherme

    A esta altura assistindo tênis e acompanhando os 3 desde 2006, eu me rendi. Eu sempre tive uma predileção por Nadal, mas pela primeira vez eu gostaria de ver Federer vitorioso no jogo de ontem, pelos inúmeros contextos que giram em torno do possível final da carreira dele e pela qualidade, que há muito tempo eu não via, do tenis que ele apresentou. Entretanto, o que Djoko jogou foi algo inexplicável pra mim, sempre preciso demais, um verdadeiro cirurgião das raquetes. Federer pagou um preço altissimo por ter desperdiçado os dois match points no 40-15 no quinto set, na lógica do “quem não faz toma” do futebol. Foi uma partida em que o mental prevaleceu muito, mas muito acima da média. Que sorte a minha de ver esses 3 reescrevendo a história desse esporte. Era de ouro, pessoal. Cada um ta fazendo coisas gigantescas, a seu modo. É isso que torna essa época tão especial. Vamos admirar os três enquanto houver tempo, são lendários.

    Responder
  90. Luiz Fernando

    Djoko caminha a passos largos para ser o GOAT, algo q parece inexorável, pois deverá suplantar Federer em GS e nas semanas como numero1e vai superar Rafa nos M1000. Contra fatos não há argumentos…

    Responder
  91. Nattan Lobatto

    Chupa que é de uva e senta que é de menta, Renato!!! Rsrsrs…

    Jogaço, um dos melhores da década, se ñ for o melhor. Dar para fazer um breve resumo e leitura da partida:

    1. Djokovic ñ jogou 70% do q sabe e pode, no 2° set baixou p 10%.

    2. A vitória poderia ir para qualquer lado.

    3. Nole ganhou seus títulos encima de Federer (3), Nadal (1) e do excepcional Kevin Anderson (1). Como diria meu amigo Paulo Almeida, títulos de + mais peso e prestígio, dada a bagagem de seus adversários.

    4. A atual versão do Roger Federer ganharia de triciclo encima da versão 04 – 07. Tá no seu ápice técnico e ontem ficou provado q o físico ñ é problema, apenas desculpa.

    5. O regicída, Novakiller MERECEU a vitória, aguentou a pressão, jogou bem nos pontos cruciais e, se estivesse focado e jogando 100% de sua capacidade, QI (Dragon Ball Z rsrs), ganharia em 3 sets, com direito a pneu…

    O Sérvio saiu gigante dessa partida, vai dar muito trabalho, comer muitos fígados, papar vários títulos e quebrar vários recordes. Força Nole! O topo do Olimpo deste esporte será seu…

    Abs, faltam 51.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Crê em Deus Pai!

      Uma bobagem atrás da outra.

      Então vamos item a item:

      1) Se é verdade, e se o Djoko precisa apenas jogar 70% do que sabe pra ganhar do Federer ou do Nadal. Então, eles são dois LIXOS, e não merecem compor o BIG 3.

      2) Sim. Poderia ir pra qualquer lado. Mas tirando o mega-vacilo, o Federer foi superior.

      3) Jura que você chancela as bobagens do Paulo Almeida, e manda o renato chupar uva? Tá mals, hein…

      4) Ok. Ontem o físico não foi problema e ele não perdeu por causa do físico. Mas o tênis hoje é mais exigente fisicamente hoje, do que em 2006. E o Djokovic é o mais preparado de todos. Mais até do que o Nadal.

      5) Afirmação ridícula, de selo ” Paulo Almeida de qualidade”. Se for assim, ninguém precisa mais se inscrever em torneio algum que o Djokovic jogue. O Djokovic e o Federer jogaram TUDO que sabiam, e ganhou o de mental mais forte…

      6) Sim, o sérvio vai sair muito mais forte e confiante, depois de ganhar um jogo que estava mais para o outro. Devido a importância do jogo em si. Já o suíço terá de dar um jeito de juntar os ” caquinhos”, pois saiu estraçalhado da derrota.

      Responder
      1. Nattan Lobatto

        Grande Rodrigo, de vez em quando o sr tb dá uma Renatada rsrs…

        Mas ainda assim, acompanho e concordo com grande parte de suas postagens.

        Responder
  92. Josh

    Que tensão esse jogo, o mais tenso que assisti, esses caras são de outro mundo, grande virada em Nole! Eu assisti o jogo da primeira bola até a última, sem desgrudar. Nole vacilou no 4×2 do 5 set, errando bolas bobas, mas é humano assim como Federer. Mas depois se recuperou de forma fantástica salvando dois match points. E o Federer fez certo em subir à rede naquele match point, é um golpe que ele estava confiante, pois esse ano já havia resolvido algumas situações, se não me engano contra Monfils e Thiem, só que do outro lado havia um cara ferrenho até demais. Nole não é brincadeira não. Não estava no melhor dia, mesmo assim venceu. A história conta o vencedor. As coisas prometem ficar melhores com esses 3 duelando pelo recorde. Pela forma e títulos nos pisos, ao meu ver Nole e Federer estão acima de Nadal até o momento,

    Responder
  93. Paulo F.

    Roger Federer, que tanto amam por sua técnica e plasticidade, deu uma madeirada na bola no match point contra com uma grossura daquelas.
    Mas nããããoooo é o Nadal e o Djokovic que não têm técnica..

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Deu uma madeirada e NOVENTA e QUADRO Winners, contra o cara que melhor se defende no Circuito. Jogadas mágicas de ambos os lados. Sabe nada “ Paulinho “ rsrsrs Abs!

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Ah, claro tudo na vida é técnica.

      O componente emocional, mental ou psicológico, nada importa no tênis.

      E claro, Federer é robô.

      Portanto se acertar 1000 execuções, e errar 9 ou 10, é porque não tem técnica…

      (rs)

      Responder
  94. Dimas S. Schünemann

    Dalcim, excelente análise. Concordo em muitos pontos com que você escreveu e lendo alguns outros comentários aqui, uma constação é inequívoca : Djokovic é o melhor tenista de todos os tempos. Ou na pior das hipóteses, o mais completo. Senão vejamos : Ele faz parte do BIG 3, já considerado o tempo de ouro do tenis profissional por agregar os tres maiores em atividade ao mesmo tempo. As conquistas do Sérvio aconteceram justamente com os outros dois já consagrados no circuito, principalmente a partir de 2011. Ele tem mais Slam’s que outros dois neste tempo e no head-to-head com os outros dois, tem vantagem também. O que o impressionante Djokovic fez ontem é para entrar para os anais da história do tenis : Pela terceira vez ele conseguiu ganhar do rei da grama ( este jogando muito bem como não se via àlgum tempo ) , com o público todo contra gritando o nome do Roger a cada momento possível , foi fenomenal. Via-se claramente que ele não estava confortável ( sem a vibração característica dele ) , nem jogou o seu melhhor, mas mesmo assim venceu 3 TB contra o senhor desses. Um espetáculo de eficiência, frieza, e dureza de espírito que não se verga diante das maiores adversidades. Ele não é o maior em conquistas ( Federer ainda o é , e possivel que mantenha este posto ) , mas a prova de ontem é inconteste de quem é o verdadeiro GOAT. Se o tenis fosse um esporte de exibição , realmente a classe e elegância do suiço são inquestionáveis e este é o motivo para tantos admiradores, mas como competicão e para quem entende do esporte, o número 1, o Gigante, chama-se Novak Djokovic.

    Responder
  95. Luis

    Dalcim sobre Federer acho que não faltou luta atrás placar e na quando consegue devolver quebra no 5 set,acho que jogou parecido contra Nadal,uma grande final faltou suíço aproveitar chance e foi um pouco abaixo nos tiebreaks 5 horas Go Federer Angelkk Aguenta chetnic

    Responder
  96. Paulo F.

    Mestre Dalcin:
    Além da vitória do Djokovic, eu também fiquei muito feliz ontem por ver a condição física que Federer apresentou.
    Que se mantenha assim ainda, para ir até aos 40 anos (se ainda manter a motivação) e talvez conquistar mais uns Slams.
    O tênis agradece!

    Responder
  97. Cassio

    Dalcim, há algo no Nole que me faz pensar se ele realmente ainda pode vencer muitos Slams: Ele recentemente teve desempenhos abaixo da média dele em finais. Tomar 6-0 e 6-1 pro Nadal na final de Roma. Ontem por pouco não tomou 6-1 e 6-2 em dois sets pro Federer.

    Até então isso não era normal na carreira do sérvio, muito menos depois de vencer sets contra seus maiores rivais.

    E o incrível que não foi nada físico, aparentemente é apenas mental. É incrível como ele pode ser tão forte mentalmente quando está contra as cordas e ao mesmo tempo ter dado viajadas tão distantes quando estava em vantagem.

    O que acha que pode ser isso?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É muito difícil de dizer, Cássio, mas o tênis é um esporte que exige demais da parte mental e por vezes qualquer detalhe causa um apagão, seja porque foi ficou decepcionado pelo que não fez ou até mesmo quando você ficou feliz demais pelo que fez. Mas aí recomeça outro set e tudo volta à estaca zero. É uma batalha emocional gigantesca quando falamos em tenistas do nível de qualquer top 50. A vantagem dos jogos em cinco sets é que existe maior tempo de reação.

      Responder
      1. Geraldo Flavio

        Dalcim, parabens pelo blog. Acho que se Federer tivesse a mesma idade do Nadal e Djokovic seria entre os 3 o que teria menos titulos de GS.

        Responder
  98. Márcio

    Mestre Dalcim, parabéns pela excelente cobertura do tênis que vem fazendo, um jogo tão intenso e embates entre um big 3 tão forte e superior ao restante do circuito nos últimos dez anos vem coroar ainda mais e merecidamente o seu grande trabalho!!

    Uma pena que mesmo diante de uma partida tão linda e com tantos elementos a serem analisados, o pessoal por aqui ainda consegue tentar desdenhar de um ou outro jogador, talvez um mal do próprio brasileiro fruto de nossa incapacidade de interpretação e de não saber dar importância ao esporte.

    Por isso tenho limitado a leitura dos comentários naqueles em que há sua resposta, melhor para o espírito.

    Os fãs dos dois jogadores depois dessa partida estarão ainda mais satisfeitos com seu jogador predileto.

    Forte abraço.

    Responder
  99. Cassio

    Sou fã do Djokovic, agora fico incomodado com parte da nossa base de fãs que começam a fazer projeções de quantos Slams ele vai ganhar daqui pra frente… pessoal, vocês esqueceram do passado recente?

    Depois de Roland Garros 2016 quais eram nossas previsões? E o que aconteceu?

    Vamos aproveitar o momento, pq não sabemos do amanhã, tudo pode acontecer.

    Responder
    1. Marcelo-Jacacity

      Cassio,
      Depois da queda abrupta ocorrida em 2016 eu só falo do presente. E que presente ter saído de 12 para 16 Majors.
      Fantástico Djokovic!

      Responder
  100. Alison Cordeiro

    Federer esteve inteiro, motivado e focado o jogo todo. Sabia do tamanho do desafio que era bater o melhor tenista da atualidade. Djoko, por sua vez, manteve-se preciso e mesmo contra as cordas, mostrou porque é quem é. Um jogo extremamente mental, em que o uso da técnica era consequência das melhores escolhas.

    Djoko sentiu o segundo set escapar e decidiu se poupar. Não fazia sentido correr mais que o necessário. No quarto, ainda tentou equilibrar, mas duas quebras atrás eram demais. Deixou tudo para o quinto. Abriu 4×2 e parecia que ia levar. Aí Federer foi quem elevou seu nível e empatou. Seguiram disputando cada ponto como se fosse o último. E vieram os match points. Djoko jogou demais novamente. Sei que os torcedores de Federer lamentam e alguns até o criticam, mas do outro lado Djoko foi sensacional, não dá para negar. Manteve-se vivo e levou ao tie break final.

    Ganhou. Há por aqui quem tente desmerecê-lo e o chame de maratenista. Robô. Chororô de quem não sabe reconhecer o talento de um gigante. Federer é mágico, fenomenal. Mas Djoko também é de outro planeta. Talentoso, e nessa final, frio e cirúrgico. Torcida contra, o melhor de todos do outro lado, e ele venceu. Impossível não admirar sua capacidade extraordinária de jogar tênis.

    Parabéns Dalcim por mais uma cobertura maravilhosa. Seus comentários jogo a jogo são um deleite a parte. Sua leitura precisa de cada lance os torna ainda mais épicos. Grande abraço!

    Responder
  101. Eduardo

    Oi Dalcim, não sou torcedor de um ou outro tenista, mas ontem o coração estave o tempo todo com o Federer. Acho que ele merecia demais levar esse título por tudo que fez na semi contra o Nadal e pelo tanto que jogou contra o Djokovic. Uma pessoa com quase 38 anos, metendo quase 100 winners (01 centena !!) em um jogador que é uma autêntica muralha humana, é inimaginável ! Teve um momento do 5º set, em que o Federer fez um bate pronto voleando pra frente, assombroso, que eu disse pra minha esposa “Pqp, que que é isso…hoje ele não perde !”. Na hora dos championship points tinha certeza de que ele meteria mais um ace, daqueles costumeiros que ele faz, que a gente (e o adversário) só consegue ver direito onde a bola vai depois que já passou da rede, mas, infelizmente, e muito dolorosamente, não aconteceu. Vi aqui nos comentários muita gente exaltando a perda desses pontos, totalmente compreensível, claro, mas eu gostaria de exaltar a força mental que o Federer demonstrou para não entregar o campeonato depois daquilo, e ainda ficar no jogo por mais tantos games. Fiquei pensando se fosse eu naquela situação, se conseguiria esquecer aqueles pontos e seguir no jogo…De forma alguma ! Por isso que fico tão triste de ver tantas pessoas aqui chamando o Federer de amarelão, dizendo que o encanto acabou, que não assistirão mais a jogos de tênis por conta disso…Não podemos esquecer que havia, do outro lado da rede, aquele que é, talvez, o maior jogador de todos os tempos, e que foi muito merecedor. Todo o legado que o Federer representa, tudo que ele já fez pelo esporte, todos os seguidores que ele angariou ao longo dessa tão longeva e vitoriosa carreira, não deveria jamais ser posto em xeque pela não conversão de championship points…Aproveito para deixar aqui uma mensagem da minha filha pequena, que vendo a mim e à mãe tristes após o resultado, falou de forma tão simplista e, ao mesmo tempo, tão sábia: “É só um jogo boboca”. Federer ainda vai proporcionar muito espetáculo e alegrias. Bola pra frente !

    Responder
  102. Geailton

    É tanto estrume em alguns comentários que deixem-se falar pela paixão e não pela razão. “Ain, foi Federer quem perdeu, não Djokovic que ganhou” Ah é, cara-palida? Qual foi o resultado registrado? “Ain, Federer amarelou”. Todas as derrotas vão ser reduzidas a isto? Então Djokovic amarelou quando tinha 4×2 no quinto set? As chances eram para os 2 e não acho que Federer amarelou ou fez algo errado, foi competência do adversário. ” Ain, Federer fez mais pontos e devia vencer”. Então o que dizem da final de WB 2009? É tanto absurdo que dá vontade de vomitar. Ademais, o suíço jogou muito bem, também acho que fez a melhor partida contra o sérvio em que perdeu e mostrou que está com o físico em dia. Está de parabéns. Agora para os torcedores do suíço e do Nadal um aviso: preocupem-se. Os 2, segundo muitos, jogaram melhor que o sérvio em WB 18/19 e mesmo assim perderam, e isso que o Djoko não tá no nivel de 2015. Ou seja, pra ganhar do sérvio em final de slam, tem que estar acima dos 100% e ele nao estar próximo da sua plenitude, em hipótese alguma

    Responder
  103. Fabrício Citro

    Dalcim, Dalcim, vocês precisam ter uma paciência de Jó com alguns “comentaristas”, que fazem da disputa entre Federer, Nadal e Djokovic um verdadeiro Fla-Flu… Meu Deus! Tem comentários que chegam a ser desrespeitosos…

    Enfim, falando de tênis, é um privilégio poder presenciar a carreira completa dos três maiores nomes da história do tênis. Sou Federer, hoje ele teve a chance do 21, mas deixou escapar.

    E considerando que ele está mais próximo do final da carreira, isso pode ser fatal na questão numérica.

    Agora, é fato que, em termos de tênis jogado, o Fedal foi muito mais técnico e de alto nível do que a final.

    A discussão sobre quem é o melhor da história, o mais talentoso, etc, existirá para sempre.

    Numericamente, só teremos como saber com o passar do tempo, e de como os três encaminharão suas carreiras, até quando o corpo vai aguentar etc.

    Mas, é difícil não acreditar que Djoko, com 6 anos a menos que o Federer e um físico menos judiado que o do Nadal, não consiga superá-los em números de Slam e de Masters.

    Além disso, se mantiver a média absurda de 6 títulos por ano (em 12 temporadas, foram 72 títulos, nesta temporada, que está entrando na segunda metade, já foram três) e jogar em alto nível até os 38, certamente passará Federer e Connors. Mas, aí, estamos jogando com o “SE”…

    Portanto, é preciso aguardar o tempo, pois só ele poderá nos dizer o que está reservado para o Big3.

    A única certeza: os três maiores da história do tênis desfilam pelas quadras do mundo sob nossos olhos e precisamos ser gratos por ter o privilégio de presenciar a história sendo escrita e reescrita!

    Que joguem até depois dos 40 anos! Vida longa aos três!

    E parabéns pela cobertura, não só a Wimbledon, mas ao tênis em geral. É o melhor site para saber tudo o que acontece no mundo da bolinha amarela!

    Abraços.

    Responder
  104. Fabio

    O problema de qualquer analise em um jogo tao nos detalhes como esse eh que seria completamente diferente apenas por um ponto. Sim, 3 tie breaks perdidos devem dizer alguma coisa, mas era soh um saque bem encaixado e estariamos louvando a capacidade do senhor Federer, pai de familia. A meu ver, nos 3 primeiros sets Federer foi melhor. Estava sendo solido e, por motivos de azar ou de nervos, perdeu dois desses sets. Depois, apesar de ter ganhado o quarto set, ja se entrevia muita falta de solidez nas trocas. Raramente pontos de trocas de bola iam para ele e fica dificil ganhar sempre com bolas magicas. Achei surpreendente ter quase ganhado. Pareceu que a qualquer momento a coisa iria pro vinagre. A criatividade perdeu para a solidez. Faz parte.

    Responder
    1. Weslei

      Nossa olhando isso da para se dizer que o Djoko só pegou pedreira em finais de Slam, apenas o Anderson é um jogador meia boca (nota 7)

      Finais Ganha:

      Murray 5
      Nadal 4
      Federer 4
      Tsonga 1
      Del Potro 1
      Anderson 1

      Finais Perdidas:

      Nadal 4
      Wawrinka 2
      Murray 2
      Federer 1

      Responder
  105. Mário Fagundes

    Como diz o velho ditado: “nada como um dia depois do outro”. Apesar da tristeza pela dura derrota de Federer ontem, acredito que a resignação virá mais rápida tanto para a torcida do suíço quanto para o próprio Federer. As derrotas de Wimbledon 2008 e AO 2009, a meu ver, foram bem mais duras, e Federer seguiu em frente, fazendo história, para o bem do tênis. Penso que o mesmo bloqueio mental que, por anos, o prejudicou diante de Nadal, agora o persegue frente a Djokovic. Haverá tempo de reverter isso? Creio que sim. Pelo que disse na entrevista pós-jogo, tudo indica que ele vai tentar dar a volta por cima. Com o tênis apresentado nesse W2019, dá pra acreditar que Federer terá mais uma temporada em alto nível de competitividade em 2020. Dá pra sonhar com mais um slan! Quem sabe no US2019? E por que não? O retorno aos melhores dias está marcado para Cincinatti. Vida longa ao craque Federer!

    Em tempo: Um grande abraço à Sônia, que ainda deve estar digerindo mais essa mancha no tênis. rsrs

    Responder
    1. Eu

      mancha no tênis…
      O djoko jogou muito e o torcedor do Federer em dizer que é mancha no tenis.
      Alias, o Djoko só nao fez chover porque, se fizesse, o teto seria fechado e o beneficio seria do Federer kkkk
      bua bua bua
      Se abracem para chorar

      Responder
    2. Sônia

      Um grande abraço pra voce também meu grande amigo Mário, quem disse que seria fácil, quem disse? Mas somos torcedores DELE, sim DELE, ROGER FEDERER, não desistimos NUNCA. Ontem a sensação foi como o 7/1 da Alemanha, ainda mais perdendo dois matchpoints, affffff, affffffff, ainda bem que, assim como Federer, temos pessoas maravilhosas ao nosso redor para nos confortar. Tenha certeza amigo, conseguiremos superar, somos FEDERER, somos ESPERANÇA… goooooo Federer, SEMPRE JUNTOS! Beijos.

      Responder
  106. Renan

    Novak Djokovic vai passar as 310 semanas como número 1 e ainda vai ampliar bastante o recorde. Passar os 20 Grand Slams do Federer é questão de tempo também, coisa que Nadal também fará.
    Parabéns ao Federer pelo belíssimo jogo de ontem mas sucumbiu a um tenista que é atualmente o melhor do planeta e isso é normal. Parabéns ao sérvio que mesmo não jogando bem, mostrou ao mundo que para derrota-lo, o cara tem que estar 200%.

    Responder
  107. Renatinho

    Dalcim , vou dar uma opinião e quero ver se concorda. Vou falar em termos de ponto fracos no seu jogo , ou seja, qual jogador é mais difícil de você achar uma solução para vencer ele quando esta no seu nível máximo ( aqui englobo tb parte mental, física e tática também) . Atualmente para mim em primeiro lugar o mais completo neste sentido é o Djo que só num saibro contra Nadal ( no seu melhor nível) tem alguma desvantagem Depois vem o Federer que atualmente com uma esquerda boa já é um jogador que consegue se impor nas hards e gramas contra o Nadal . E ai em terceiro vem o Nadal. Concorda ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que é uma boa análise, Renatinho, mas o tênis é um esporte muito curioso. Mesmo com todas essas qualidades inegáveis, Djoko perdeu duas vezes neste ano para um tenista tecnicamente inferior, como o Bautista. Então vamos que existe uma questão de momentos, de situações, que por vezes derrubam qualquer teoria.

      Responder
      1. Renatinho

        Entendi. Na análise que fiz imaginei o nível máximo de cada um , ou seja, quando cada um está jogando tudo que realmente sabe. Dificilmente esses 3 perdem para qualquer adversário fora do big 3 se estiverem no seu nível máximo ( obs: lembrando que não estou contando murray nessa lista, já que não joga simples há um tempo) , salvo um dia inspirado do adversário ou caso surja outro tenista espetacular que consiga jogar num nível muito alto rotineiramente ou talvez em situações de lampejos de tenistas de ótimo nível ( abaixo do big 3) como stan, delpo etc.

        Responder
  108. ANTONIO GABRIEL

    Mais um jogo Épico entre os seres anormais deste esporte. Confesso que esse jogo foi tão tenso que não consegui ver o jogo direito no seu final, torço pelo Djoko mas acredito que no “geral” do jogo RF jogou melhor e se tivesse ganhado eu não ficaria triste, agora para o pessoal que esta inconformado dizendo que os números mostram um massacre do RF em cima do Djoko é preciso ver um pequeno detalhe, nos dois sets vencidos pelo RF Nole simplesmente apagou em 1 e jogou bem mais ou menos em outra e talvez ai esteja a grande diferença em pontos e outras estatísticas no jogo. Federer foi praticamente perfeito no saque ontem e isto talvez sirva para mostrar a grandeza de Djokovic que foi muito melhor que Federer nos momentos decisivos da partida, isto é fato. Aliás o jogo desta final serviu para mostrar o porque de ser o tênis o esporte onde o fator mental mais conta entre todos os esportes individuais e nesse quesito eu tinha dúvidas sobre quem seria o maior neste quesito: Nadal ou Djoko, o jogo de ontem me tirou essa dúvida. Dalcim, primeiramente parabéns pelos comentários e mais um acompanhamento fantástico do torneio ao longo destas duas semanas. Sobre a eterna discução de quem é / será o maior de todos os tempos continuo com minha opinião que RF é o maior pelos números obtidos ao longo dos anos e isso é indiscutível, já não me atrevoa dizer se ele será ultrapassado por Nadal ou Djoko pois isso depende de muitos fatores que fogem do nosso controle, agora acredito que o Recorde de mais semanas como número 1 deve ser quebrado por Djoko, o que você acha Dalcim? Outra coisa, na sua opinião Dalcim, esta derrota vai pesar na cabeça do Federer quando ele encontrar com Djoko novamente ? Um abraço mestre.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ah, não tem como não pesar, Antônio. Ainda mais pela repetição histórica. É fácil perceber o quanto Federer respeita as qualidades do Djokovic.

      Responder
      1. HeitorD

        Sou Djoko, mas preciso ser justo com Roger Federer. Essa boboquice vergonhosa de torcidas nem sequer passa pela cabeça dele. Aliás, é bastante óbvio, mas bastante mesmo, que ele nutre um EXTREMO respeito pelo Djokovic, como bem escreveu o Dalcim aí em baixo na resposta a um comentário.

        Responder
  109. Chileno

    Meus Deus… como os caras pensam pequenininho. Depois de uma final dessas, vêm nego querer diminuir qualquer um dos dois jogadores é de uma mentalidade de ervilha. O mínimo que se espera é que pra mandar groselhas como essas o cara seja o melhor da história na atividade que realiza, o que me parece um pouquinho improvável. Imagina só se todos os melhores da história frequentassem o mesmo blog e gostassem de tênis…? Parece pouco provável não? O melhor engenheiro, melhor contador, melhor advogado da história… todo mundo aqui comentando neste blog? Acho que não.

    Federer jogou demais. Poderia ter vencido dessa vez. Essa derrota foi muito diferente da final de Wimbledon 2015 ou da semi do Australian Open 2016, em que o sérvio simplesmente foi superior. Essa ele realmente tinha tudo pra vencer, e jogou em alto nível. Mas o sérvio foi uma rocha mental, jogou melhor os pontos importantes, venceu os 3 tiebreaks da partida e, portanto venceu com todos os méritos.

    Acho que o balanço final é positivo para o maestro, por incrível que pareça.

    De positivo: o suíço jogou demais o torneio todo. Venceu o seu maior algoz com muita desenvoltura na semi, e jogou um tênis extremamente competitivo na final. Em nenhum momento pareceu abaixo do sérvio, como nas últimas derrotas em 2015 e 2016, em que, embora o suíço estivesse jogando bem, estava claramente num nível inferior ao de Nole. Quando vi a final de WB 2015 por exemplo, fiquei com a sensação de que o Federer não ia mais conseguir vencer Nole em Grand Slam, sem contar com uma má atuação do sérvio, ou algo do tipo.

    Naquela ocasião o suíço deu trabalho, jogou bem, mas o sérvio parecia invencível. Ontem não. A sensação que passou é que o maestro ainda tem totais condições de vencer não só o Nole, mas qualquer um, mesmo com praticamente 38 anos nas costas. A derrota sem dúvidas é dolorida. Eu ainda estou aborrecido, lamentando os 3 tiebreaks e os 2 match points perdidos. Mas tem muito de positivo a se tirar dessa derrota e especialmente, desse torneio.

    Discordo de quem diz que o suíço foi fraco mentalmente. Ele perdeu o tiebreak do primeiro set e logo na sequência tratorou o sérvio no segundo. Perdeu o tiebreak do terceiro, e voltou forte no quarto set, novamente equilibrando a partida. Saiu de inúmeras situações ruins no quinto set. Vários 15/30… o cansaço batendo e o cara foi se mantendo no jogo. Foi quebrado no quinto set, salvo engano no 3/2, e recuperou a quebra logo em seguida. Desculpa, mas se isso não é força mental, eu não sei o que é.

    A questão é que Nole foi mais forte ainda, vencendo os pontos mais importantes, os tiebreaks, e salvando os dois match-points, um deles com uma passada cirúrgica. Acho que era isso que as pessoas deveriam comentar. Ser mais positivas com tudo. Federer jogou muito. Muito mais do que eu esperava, e parece ter combustível para competir em altíssimo nível por mais algum tempo. Nole conseguiu novamente ser ainda mais forte mentalmente do que o suíço. Que final! Que monstros! Viva o tênis!

    Responder
    1. Mateus

      Acompanho este blog há anos, mas comento pouco. Como é bom ler um comentário que fuja das tentativas torpes de diminuir esses caras. O jogo ontem foi para entrar nos anais do tênis como um dos maiores, senão o maior jogo de todos os tempos. Foi tecnicamente perfeito? Não, mas foi tecnicamente excelente. Além, juntando todos os componentes, a tensão (Mirka estava a beira de um colapso) incessante, o duelo mental contínuo, o físico agredido e exigido ao máximo sem qualquer demonstração de fraquejo (principalmente do Federer, já com seus quase 38), a manutenção do nível de intensidade, tirando uma ou outra oscilação natural – como o segundo set…

      Sou torcedor do sérvio desde o início de sua carreira, quando sequer havia ganhado o primeiro Masters 1000, em Miami 2007. Considero esta uma das maiores vitórias de sua carreira, pois tecnicamente não esteve 100% (apesar de estar muito bem) e enfrentou a melhor versão que já vi de Roger. Quantas vezes não ouvimos aquela máxima que o suíço é tão magistral apresentando seu arsenal de golpes, que já cansou de perder por não “aceitar” jogar o jogo tático que o tênis exige? Lembro, inclusive, de uma declaração do próprio onde dizia que conseguia vencer seus oponentes fazendo o jogo deles, que nada mais é que dizer que a sua superioridade técnica na maioria das vezes dispensava a preocupação tática do seu jogo frente ao oponente.

      Pois ontem, os 38 anos ajudaram Fedex: sua postura tática foi impecável, fruto, entre outras coisas, da já vasta experiência. Esta foi fundamental para que fizesse o jogo que fez. Nunca o vi jogando de forma tão tática, variando incansavelmente as jogadas, abaixando a bola o tempo todo, controlando o backhand com slice tornando muito difícil para Djoko atacá-lo com frequência e não insistindo em trocar porradas cruzadas daquele lado, pois estaria enfrentando um dos melhores backhands de todos os tempos e fatalmente seria o caminho para derrotá-lo, como ocorrera em outras ocasiões. E atacava quando a bola sobrava na sua direita, o forehand assassino que possui. Além de tudo isso, sacou de forma brilhante, não somente distribuindo aces de todos os ângulos e com variados efeitos, não permitindo a Djoko um BP sequer até o 4º set, quando já se passara 2:30 de jogo, algo impensável se tratando da melhor devolução que o tênis já apreciou, mostrando o nível absurdo que se viu do saque do oponente quase 6 anos mais velho. E mesmo sacando tão bem, não se desesperou quando perdeu o terceiro set sem ainda ter sido quebrado.

      Foi tão bem o suíço que distribuiu surreais 93 winners, dos 218 pontos que ganhou ou seja 43% dos seus pontos. Isso, sem contar ainda as bolas que por serem bem anguladas ou forçadas não era possível passar de volta, apesar de não entrarem na estatística de “winners”, mas ganharem pontos da mesma forma.

      Do outro lado da rede, temos Djokovic, que é um animal. Jamais se viu um jogador com mental tão absurdo, que consegue realmente obter a vitória em batalhas como essa, mesmo jogando abaixo do seu 100% e enfrentando um cara do tamanho de Federer jogando certamente uma das melhores partidas da vida. Por tudo que já foi dito, enfrentar mais uma vez os 2 match points e sair com uma devolução arrojada e uma passada milimétrica (o cara está enfrentando Roger em WB, com o ponto do campeonato contra, recebe uma bola profunda e vê o exímio voleador subir à rede com sua rara capacidade de matar pontos dali – imprimindo ainda maior pressão).

      No final das contas, acho que Djoko teve um série de pontos para se sentir mais pressionado que Federer, tendo uma devolução incrível e não break points, jogar tie-breaks contra o jogador que mais ganhou estes tipo de game na história e com um saque muito melhor que o dele. Teve todos os motivos para “desabar”, quando foi varrido no segundo set depois daquela batalha pelo primeiro ou quando teve a quebra em vantagem no 5º e deixou empatar saindo de 30-0 ou quando mais uma vez iniciando o seu game de saque com este mesmo placar, deu uma viajada bruta e teve seu saque quebrado, permitindo ao suíço sacar para o jogo e se manteve firme mesmo ao defrontar-se com 2 match points na saque de um dos mais hábeis sacadores do circuito. Isso tudo com a torcida nitidamente torcendo contra de formas pouco vistas até hoje. A disparidade foi enorme.

      Federer também se segurou em momentos que poderia baixar a guarda e manteve-se competitivo o tempo todo, mas ontem pelo menos foi o fator humano que decidiu o jogo, pois nos momentos mais importantes, quando iam os sets para o game de desempate ele sentiu mais que Novak e, mesmo jogando um tênis superior ao adversário e anulando em grande parte seu poder de ataque, sucumbiu à tensão e perdeu mesmo jogando um tênis de encher os olhos.

      Desde que assisto este esporte, não vi nem de longe um jogador com as qualidades técnicas de Roger. Sua capacidade de improvisar e atacar de todas as formas é incrível. Mas, o tênis não se resume a isso. Outros elementos fazem parte do jogo e tornam-no pouquíssimo “linear” neste sentido. É possível um jogador com menos técnica ganhar de outro. Novak perdeu para Bautista duas vezes somente este ano, por exemplo. Fazer a bola voltar sempre mais uma vez como é parte da tônica do jogo de Rafa e Novak não é anti-tênis, como já ouvimos por aqui. Pelo contrário!

      Todos os méritos e adjetivos para Federer e Nadal, por suas brilhantes carreiras e pelos jogadores que são. É um privilégio poder ver mais de 100 embates entre estes caras. Mas para mim, ontem, mais uma vez ficou nítido que não há jogador com menos “buracos” em seu jogo, nem tão difícil de vencer quanto Djokovic, por tudo que este traz à quadra, técnica, física e mentalmente.

      Parabéns pelo post, Chileno.

      Responder
  110. Paulo

    Todo respeito aos torcedores do Federer, mas adoram menosprezar a qualidade do Djokovic. Vamos aos fatos:
    – Falam da perda de dois MP ( é o terceiro jogo importante que o Djokovic salva MP, esqueceram dos US Open ?). Esqueceram que o Djokovic foi ridículo no segundo set e péssimo quando estava sacando em 4×2 no quinto set.
    – Falam sobre maratonista: o Federer correu mais do que o Djoko.
    – Falam em injustiça: tênis não é apenas habilidade. O que vale é o conjunto da obra: equilíbrio emocional, estratégia de jogo para cada adversário, disciplina, trabalhar para minimizar os pontos fracos, resiliência, vontade de vencer, coragem para decidir os grandes jogo, etc. Tudo isso, o sérvio têm de sobra!!!
    – Será que o Djokovic errará tanto nos próximos confrontos entre eles? Acredito que não. Ele jogou 60% do seu potencial. Basta observar a quantidade de erros de BH (o que não é normal).

    Responder
    1. Carlos Reis

      hahaha Errava com o BH quando tentava acelerar mais ou se defender os ataques do suiço. Dizer que jogou a 60%, com mensurar isso!? O próprio palhaço sem torcida disse que estava jogando o melhor tênis da vida depois da semi… Ele apanhou o jogo inteiro e conseguiu ganhar na bacia da almas e por DEMÉRITO do suiço.

      Responder
      1. Nando

        Carlos, já q eles dizem q o cotonete jogou a 60%, então eu posso dizer tbm q Federer jogou a 30% de sua capacidade né?
        Os caras ao invés de comemorarem os feitos do “macho-alfa” (segundo Fakenik e suas 1000 faces), ficam empobrecendo esse maravilhoso blog com asneiras…e o fazem td dia, parece até q querem q o blogueiro desista do blog, pois haja saco pra ler esses “comentários” e ainda ter q aprová-los hein.

        Responder
  111. Carlos

    Acredito que faltou ao Federer mental para vencer o Djokovic. Percebe-se que, por pouca margem, Federer bateu bolinha melhor que o Djokovic no jogo,, tanto é fato isso que fez mais pontos e mais games. Porém, deu incríveis vaciladas em momentos cruciais de tie-breaks. Observe-se também que Federer quebrou mais Djokovic do que o contrário, e os sets vencidos pelo Federer foram mais tranquilos que os vencidos pelo Djokovic. Agora, não se pode vacilar com um robô como o Djokovic, programado para matar. A consistência do Djokovic durante os tie-breaks é algo formidável, provando que, mentalmente, é um tenista superior a todos no circuito. Não é o Djokovic mais exuberante (ele já esteve melhor, por exemplo, em 2011), mas é o mesmo Djokovic forte mentalmente. Eu acho que sempre os melhores no jogo vencem, mas esse jogo foi um pouco atípico, vencido nos detalhes. De todo modo, uma vitória maiúscula do Djokovic, colocando o sérvio de maneira indiscutível no panteão dos monstros do esporte (não só do tênis). Uma pena para o Federer, monstro sagrado que jogou tudo o que podia, aos 37 para 38 anos, e que teve dois match points para matar o adversário.

    Responder
  112. Jonas

    “Importante ressaltar que Federer foi quem mais correu em quadra hoje. E, aos 37, depois de 4h55min de jogo, estava inteiraço.
    Como eu sempre digo, quem usa a desculpa da idade e diz que ele só perde por isso são os fãs.”

    Acho que isso resume bem.

    Responder
    1. Jonas

      O preparo físico desses caras é espetacular. Se um tenista não aguenta se manter em altíssimo nível, ele se aposenta, simples assim.

      Esses três gigantes do tênis vão continuar jogando enquanto estiverem em condições de vencer Grand Slam, abs.

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Como eu sempre digo o que, caríssimo Jonas ? Isso é uma exceção na história do Tênis. Jamais aconteceu antes e possivelmente não veremos de novo. Aguardemos pois ainda faltam 5 anos para Rafa Nadal e SEIS para Novak , mostrarem que podem atingir esse nível absurdo de jogo aos 38. Sampras e Agassi passaram longe. Abs!

      Responder
      1. Jonas

        Cara, você é péssimo em interpretação de texto.

        “O preparo físico desses caras é espetacular”

        Ou seja, os três são a exceção. Normalmente, o tenista não joga em altíssimo nível aos 37 anos mesmo. Nem fica vencendo Slams a rodo aos 32,33 anos.

        Responder
      2. Marcelo F

        Sampras e Agassi são de outros tempos Sérgio.
        A preparação física, e principalmente a recuperação física, evoluíram muito de lá pra cá.
        Com certeza Djokovic e Nadal chegam aos 38 em alto nível. Pode apostar.

        Responder
      3. Chileno

        Pois é Sérgio. Meio oportunismo barato comentar isso agora, sendo que em 2015 o suíço claramente perdeu por falta de pernas do terceiro set em diante. Não sei se o cara está fazendo algum treinamento físico diferenciado agora em relação àquela época, ou se é o calendário mais enxuto… talvez uma mescla de ambos. Mas ontem sem dúvida o preparo físico dele estava muito superior ao de 2015 (assim como estava em 2017, em que pese a lesão nas costas na reta final da temporada).

        Responder
    3. Chileno

      Jonas, essa discussão cretina surgiu por causa da ladainha ridícula da entressafra. Deixa eu te elucidar como normalmente surgem essas discussões aqui no blog, pra você entender de onde vem o papo da idade:

      Torcedor do Djokovic: Federer é o rei da entressafra. Só pegou pangaré nos primeiros 10 Slams. O circuito era fraco. Blá blá blá – groselhas- blá blá blá.

      Torcedor do Federer: Ué… mas no circuito de 2006 estavam Nadal e Djokovic.

      Torcedor do Djokovic: Mas o Djokovic e o Nadal eram jovens na época.

      Torcedor do Federer: Até aí, o Federer estava velho em 2014 e 2015.

      Torcedor do Djokovic: Não tava não. O Federer era número 2 do mundo, vinha voando, etc.

      Torcedor do Federer: O Nadal era número 2 do mundo, bicampeão de Roland Garros, finalista de WB, etc., etc.

      E segue a discussão idiota e improdutiva. Na minha opinião, o papo da entressafra por defensores da tese “DjokoGOAT” não se sustenta, porque qualquer pessoa imparcial e coerente inevitavelmente deveria ter uma das duas opiniões seguintes:

      1 – Se a idade pesa, os títulos do Djokovic encima do Federer velho pesam tanto quanto os do Federer quando Rafa e Nole eram jovens;

      2 – Se a idade não pesa, então todos estavam presentes no circuito quando os outros venceram seus Slams, e aí o Federer (ainda) tem a vantagem de deter 20 Slams.

      Invés disso, eles criam vertentes enviesadas do tipo:

      3 – Os títulos de Nole sobre Roger contam porque o Federer era melhor em 2015 do que o Djoko em 2006. Ora… quando muito, isso nos diz que o Federer velho é melhor que o Djoko jovem. E de alguma forma, se esforçam para tornar isso um argumento para enfraquecer o Federer;

      4 – Nadal era jovem e não sabia jogar fora do saibro. Pff… ele era número 2 do mundo, ganhou RG seguidas vezes. Amadureceu super cedo. Em 2006 e 2007 era número 2 do mundo, foi campeão de RG e finalista de WB. Foi melhor nesses anos do que o Federer em 2014 e quiçá 2015, por exemplo.

      Enfim… basicamente um monte de baboseiras. Eu acho que todos os títulos contam muito. Acho bacana debater quais foram os títulos mais sofridos, quais foram as batalhas mais épicas, e tal… mas nunca com o intuito de “invalidar” ou diminuir os outros títulos.

      Responder
    1. Jonas

      Quando eu disse aqui que há muito tempo o Djokovic havia quebrado a hegemonia Fedal, muitos riram e não aceitaram. Mas é fato.

      Eu diria que após a derrota pro Nadal no US Open 2010, o sérvio decidiu fazer uma mudança radical em sua rotina e estilo de jogo, o que fez a diferença no início de 2011. Pra mim o Djokovic nunca mais voltou a jogar naquele intensidade, porém manteve uma regularidade absurda ao longo dos anos seguintes. Exceção feita ao ano de 2017, no qual ele estava lesionado e sem aquele motivação habitual.

      Responder
  113. Geailton

    Eu disse que ia pedir música. Mas tem torcedor do suíço que é cego e sem noção (o mesmo serve para do Nadal). Gostam de desmerecer o sérvio, apenas chorem, de novo. Mas ao contrário dos torcedores lesados do suíço que desmerecem seus adversários, eu reconheço a ótima partida que fez, e poderia ter vencido tbm. E isso só valoriza mais o título do comedor de fígados, que gosta de bater em suíço e espanhol (já bateu um no AO e agora em WB).

    Responder
  114. Rubens Leme

    Dalcim, a questão do maior de todos os tempos precisa passar pelos confrontos diretos, onde o suíiço é derrotado facilmente por seus maiores rivais: Além de 24×16 a favor de Nadal, são 10×4 em Slams, 6×3 em finais deste porte. Contra Djokovic perde por menos, 26×22, sendo 10×6 em Slams, 4×1 em finais, sendo 4×0 após 2011, quando o sérvio atingiu o o primeiro ápice de sua carreira.

    Desta maneira, em um esporte individual onde os três são considerados os maiores do esporte, tais estatísticas de maneira alguma poderão ser descartadas.

    Uma coisa é ser seu favorito, outra é brigar contra a história. Até por isso acho que Djokovic já passou Nadal, porque, em termos gerais, seus feitos são superiores.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Isso só porque o caríssimo corresponde musical quer né? Dalcim isso , Dalcim aquilo… A verdade é que o Senhor não vai conseguir botar Borg como o melhor de todos de jeito algum. Mesmo no confronto direto tendo perdido TODAS as FINAIS de USOPEN para seus maiores oponentes ( 2 para Connors e 2 para o BigMac ) e largando depois de perder 3 FINAiS de SLAM consecutivas para John, é considerado o melhor de sua época pela maioria dos especialistas. Os mesmos que consideram o Suíço bem mais completo que o Sueco .

      Responder
  115. Leonardo

    Dalcim, apesar dos números realmente impressionantes do Djoko nos últimos 5 slams, tendo vencido 4 dos 5 disputados, me parece que o nível de tênis dele e de seus principais rivais (Nadal e Federer) está muito próximo. No jogo de ontem, achei o Federer superior, podendo ter resolvido o jogo em 4 sets ou sem o tiebreak do 5. Talvez se fosse o Nadal na final, por ser mais regular que o Federer, o Sérvio poderia ter sorte diferente. O que você acha, Dalcim? Você não tem notado que os 3 tem jogado em níveis muito próximos? Abraço e parabéns pelo blog

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, acho que é bem isso, Leonardo, mas claro que isso varia em relação aos pisos e ao momento de cada um. De qualquer forma, no momento as vitórias ou derrotas têm sido bem apertadas.

      Responder
  116. Mateus Mello

    Djokovic tem 5 títulos de Wimbledon, três em cima do Federer, um em cima do Nadal e outro em cima do Anderson.
    Federer tem 8, dois em cima do Nadal, um em cima do Murray, três em cima do do Roddick, um no Philipoussis e outro em cima do Cilic.
    Dos títulos contra adversários difíceis em finais de Wimbledon tá 4×3 pro Djoko.

    Responder
  117. Barocos

    Torço para o Djokovic, para que ele quebre todos os recordes e ganha a medalha de ouro nas olimpíadas, o único título importante que não tem e, na minha opinião, aquilo que seria a cereja do bolo, ainda que muitos por aqui não considerem a mesma como tão valiosa quanto os GS e M1000. Assim considero porque este é um título que só se disputa a cada 4 anos, mesmo um jogador tão longevo quanto o Federer teve apenas talvez umas cinco oportunidades de conquistá-la, a maioria não vai ter 3 e, se há alguns anos os grandes jogadores não faziam tanta questão de participar da competição, nos últimos 15 anos a coisa mudou.

    Ainda assim, não gostei do resultado final de hoje, não me pareceu justo, não venceu quem se apresentou melhor.

    Sobre estas argumentações de entressafra, acho que está ficando claro para todos que ela não ocorreu e que o período que estamos vivendo é que é exceção. Não dá para acreditar, em uma época onde os incentivos para a prática deste esporte maravilhoso sejam tão grandes, que novos talentos não sejam alçados entre os muitos (milhões) de praticantes.

    Ocorre que de tempos em tempos surjam os fora de série entre os excepcionais, como já aconteceu com Pelé, Maradona, Michael Jordan, Cassius Clay, Usain Bolt e mais uns poucos atletas que dominaram uma época em suas práticas desportivas. Apenas que desta vez quiseram os deuses que, no tênis, fossem três e quase ao mesmo tempo.

    Responder
  118. Babidi

    Dalcim, boa noite. Ainda não consegui aceitar essa derrota do Federer. Coitado.. se esforçou tanto, lutou demais, chegou ao limite, mas mais uma vez os deuses do tênis não estiveram no seu lado

    Federer é meu grande ídolo. Comecei a gostar de tênis por causa dele em um momento difícil da minha vida. Estou devastado por essa derrota, apesar de ele nem saber da minha existência e de estar muito rico. Sei que só joga porque ama o que faz mesmo.

    Mas infelizmente tenho que dizer que Federer foi superado na minha opinião e é questão de tempo para que seus principais recordes também sejam batidos. Dói muito dizer isso, mas é a verdade

    – Semanas como número 1 (Djokovic vai superar)
    – Títulos de Grand Slam (Djokovic e Nadal vão superar)
    – Títulos de ATP Finals (Djokovic vai superar)
    – H2H bem desfavorável contra Nadal e Djokovic

    Infelizmente o esforço venceu o talento. Federer será eternamente lembrado pela sua genialidade e magia dentro de quadra, mas será deixado para trás, assim como Agassi e Sampras. Acho que os únicos recordes que ainda restarão pro Federer são o de semanas consecutivas como número 1 do mundo. Superar os 109 títulos do Connors também seria um grande prêmio de consolação.

    Ele não merecia esse final. Para mim sempre será o GOAT, mas para o tênis não. Números são números. O Santos sempre será o maior time do mundo pra mim, mas sei que para o futebol não é. Não sou tolo

    Responder
  119. Luiz Henrique

    Acho engraçado os torcedores do federer se escorarem nessa questão da idade, kkkkk.
    Há quanto tempo falam isso mesmo?
    Podem pesquisar nos arquivos do blog, quando federer tinha 30, 31, 32, 33….sempre a mesma conversa, que nem djokovic nem nadal jogariam bem nessa idade.
    Pois é, Federer com 32 anos = perdeu para o brilhante Stakovski
    Nadal com 32 = semi
    Djoko com 32 = campeão.
    KKKKKKKKKKKKKK
    Djoko vai terminar a carreira com 11 AO, 2 RG, 9 WB, 5 US. 27 slams
    Nadal vai terminar a carreira com 1 AO, 16 RG, 2 WB, 4 US, 23 slams
    E federer termina com 20
    Abraços

    Responder
  120. V Maurício

    Bom dia caro Dalcin. Que monstro é esse Djokovic!!!! O que ele fez hoje entrou pra história e jamais será esquecido. Aí eu fico me perguntando: 3 vitórias em 3 finais na grama sobre o considerado melhor de todos neste piso! Esse feito começa a deixar dúvidas sobre o melhor na grama, a despeito da diferença de títulos em Wimbledon (ainda há espaço para tirar essa diferença). Diferentemente da semifinal, onde não se esperava nada diferente do que aconteceu, que foi uma vitória tranquila de Federer sobre um Nadal que não tem recursos para vence-lo na grama, contra Djokovic o buraco é bem mais embaixo. O sérvio saca e devolve melhor que o espanhol, além de entrar na cabeça de Federer muito mais do que o seu tradicional rival hoje em dia. Agora já são 5 derrotas em finais de Slam, se não me engano, e ainda pode ter mais. E que bela freguesia em Londres! Se mantiver o foco, o sérvio caminha pra ser o maior da história.
    Nos próximos 6 Slams, se apenas Nadal e Djokovic vencerem, poderemos ter o 3 com 20 títulos ou um dos 2 já terá passado Federer. Me parece bem plausível essa possibilidade. Concorda Dalcin?

    Responder
  121. Luiz Henrique

    Deu o que já era sabido, Djokovic ganhou mais um slam.
    Ainda brincou de dar emoção igual a no us open 2011, na semi.
    Deu o biscoito pra criança de bandeja pra tirar depois kkkk.
    Acho q Federer será o 3º no nº de slams.
    Na verdade, acho até possível que Djokovic se torne o recordista de títulos de wimbledon, inclusive
    E imprevisibilidade mesmo, só a partir de abril com Nadal e Thiem pra desafiar Nole.
    Por isso acho a temporada de saibro mais interessante e imprevisível.

    Responder
  122. W. A.

    Lendo os comentários e muitas análises sobre essa partida, ou melhor, sobre os 3 maiores, faço apenas algumas reflexões: (1) quando vc aprende e treina tênis, seu objetivo é vencer e (2) diferentemente dos estilos no futebol, não existe jogar bonito, necessariamente jogar para plateia. As pessoas supervalorizam com razão o estilo do Federer por ser limpo, perfeito nas execuções mas aparentemente se esquecem q ele o serve para ganhar jogos! Tal qual do Djoko e Nadal com o mesmo objetivo. Chamar o sérvio de maratonista ou o espanhol de balaozeiro, além da mal gosto, é uma tremenda injustiça. Todos têm muita técnica, muitos recursos e estilos diferentes, mas ao final e ao cabo, tênis é ser mais eficiente que o adversário durante a partida, adaptando-se as circunstâncias da mesma, algo que eles fazem tão bem. Parem de menosprezar os feitos do sérvio, ele e um dos grandes e se caminha com segurança para bater todos os recordes jogando assustadoramente bem em todas as superfícies.

    Responder
    1. Julio Cesar

      Uma prova desse argumento é o querido tenista Dimitrov. Ele tenta, a todo custo, imitar Federer nos golpes, na execução, tanto que foi alcunhado “baby Federer”. Mas não lhe serviu bem. Cada pessoa tem sua anatomia, suas particularidades. Quando não se respeita sua própria individualidade ao tentar imitar outro, isto provavelmente não lhe será útil ao propósito que pretende. E este é um dos motivos pelos quais criticar “ad hominem” um tenista para quem não se torce é um absurdo. Ninguém tem que ser, ou poderia ser, igual ao Federer, por mais que se pense em imitá-lo. Concluo ser um desperdício de esforço, com base neste fato, criticar outro tenista porque ele não tem um tênis “bonito”, ao ponto de vista do crítico. Mas vejo que falta muita maturidade na maioria das pessoas pra ter uma boa discussão sem ataques pessoais.

      Responder
  123. Cristiano Almeida

    Djokovic é gigante. Venceu A final desse domingo contra tudo e contra todos literalmente. A quadra principal estava totalmente torcendo por Federer. A reação de Nole ao vencer demonstra o que estava sentido.
    Não há dúvidas de que é questão de tempo para que Djokovic seja o maior de todos os tempos. O maior, mesmo, pois não existe esse negócio de mais habilidoso, mais resistente, mais …. não sei lá o que. Num esporte de alto desempenho como o tênis, ganhar títulos de simples mostra o quanto o tenista é grande.
    Lembrando, Djokovic está no auge de sua forma física, 6 anos a menos que Federer é apenas 4 Grand Slam para igualar o suíço. A entrevista do Djokovic deixou claro que o move hoje são recordes. Segura o sérvio!

    Responder
  124. DANILO AFONSO

    Se o GALVÃO BUENO fosse sérvio, teríamos o seguinte comentário após a final épica de ontem:

    GANHAR É BOM, GANHAR DO FEDERER EM WIMBLEDON COM A TORCIDA CONTRA É MUITO MELHOR

    Responder
  125. DANILO AFONSO

    Sugiro aos torcedores do FEDERER fazerem um ABAIXO-ASSINADO para a ATP mudar a regra do jogo, onde o jogador que fizer mais pontos e winners seja considerado o vencedor independente do tenista que tiver mais sets vencidos…kkkkkk

    Vocês são ridículos !!! Essa não é a primeira vez que isso acontece e não será a última.

    Ganhou quem tem mais CULHÕES !!!

    Responder
  126. Adriano Souza

    Porq que acho o Nole melhor q o Federer: Mesmo quando não joga tudo q pode, ele vence o Federer. No segundo set o Sèrvio não entrou em quadra. No quinto set ele estava vencendo por 4 a 2 e permitiu o empate. Ele deu muitas chances pro Federer, e o Federer cometeu erros bisonhos. Genio? kkkk

    Responder
  127. Marco

    Não acho tecnicamente foi o maior jogo da história, mas com certeza foi o que eu mais fiquei nervoso, quase passo mal. hahaha

    Honestamente, queria e acreditava que o Djoko venceria com mais facilidade, pensei que ele elevaria o nível como fez no AO e o Federer não acompanharia, tal como foi nas finais anteriores entre ambos. Mas não, Djoko não jogou seu máximo, não jogou o que eu esperava, felizmente ainda conseguiu sair com o título.

    Federer merece respeito e me surpreendeu. Não sei se concordam, mas nunca vi o Federer jogar da forma como fez nessas duas últimas partidas. Talvez este seja o auge de atuação do suíço, mesmo tendo 37 anos… fisicamente está inteiro, chegava em todas as bolas e continuou intenso durante todo o jogo, coisa que nem o Djoko conseguiu.
    O suíço sacou demais, o maior devolvedor da história do tênis só foi ter um BP no fim do quarto set. Ademais, o suíço ainda devolveu até melhor que o sérvio e mesmo assim perdeu.

    Tudo isso corrobora para a legenda do Djoko, mesmo não jogando seu melhor, contra um adversário tb lendário em, talvez, sua melhor performance na carreira. Uma grande fortaleza mental, hoje não sacou tão bem, não devolveu tão bem, cometeu erros clamorosos de devoluções de segundo saque em momentos importantes, foi menos agressivo, mas soube suportar a pressão e foi cirúrgico para vencer.
    Grande Djoko e que siga focado em busca de mais glórias.

    Responder
  128. Sônia

    Ciente de que os deuses do tênis são sádicos “por demais”, cada vez mais me preparo emocionalmente para assistir esse tipo de jogo. Infelizmente Federer, meu lindinho, TU bobeou demais, bobeou tanto que conseguiu perder esse jogo. Eu sei, eu sei, voce não precisa provar mais nada pra ninguém, aliás, quem imaginaria que em 2019 voce ainda estaria dando tanto trabalho rsrs, mas bobeou. O fato é que o sérvio não tem nada a ver com isso, portanto, parabéns ao sérvio por vencer pela quinta vez o torneio de WB, feito notável. Estou preocupada se VOCE irá conseguir esquecer esse jogo, pois foram muitas oportunidades perdidas, só o tempo nos dirá, mas o que importa é que eu e toda a legião de fãs, estaremos na torcida para que VOCE consiga superar e continuar jogando. Mudando de assunto, estava desesperada com a possibilidade de perder meus cabelos, pois havia dito que rasparia a minha cabeça se o Federer vencesse mais um Slam rsrs… ufa rsrs. Eu não acreditava, mas depois do jogo de hoje… bora Federer, bora campeão, levanta a cabeça, sacode a poeira, bora pra próxima, esse esporte é maluco mesmo, vida que segue, VOCE tem muito tênis ainda pela frente, pode acreditar, mais do que nunca… SEMPRE JUNTOS, com amor triplicado elevado ao infinito. Beijos.

    Responder
  129. André Barcellos

    Notes do jogo não esperava tanto que Federer poderia ganhar.
    Mas ao buscar varias vezes planares adversos eu vi uma chance,
    De repente estava nos MP e eu não acreditava. Senti no rosto da Mira a mesma coisa.
    Ela esteve quase às lágrimas.

    Quando ele não converteu pensei que perderia logo.
    Mas os dois ainda jogaram praticamente um set inteiro a mais.
    Djoko foi levado ao limite, e Federer então nem se fala.
    Perdeu porque não jogou bem os tie breaks.
    Djokovic jogou certinho neles, mas nada especial.

    Responder
  130. Luis Nascimento

    Sinceramente não esperava ver um Djoko tão inconstante numa final. Coisa raríssima de acontecer.

    Federer teve as chances de fechar o jogo, e tremeu. Não tem outra explicação. Djoko foi cirúrgico nos tie breaks, mas no geral, jogou abaixo do seu máximo. É exatamente isso que mostra como ele é acima dos demais, pois mesmo jogando abaixo do que normalmente joga em finais, ele conquistou mais um GS.

    Impressionante como Federer sente a pressão quando joga contra o sérvio, de novo tremeu e perdeu, definitivamente virou freguês do Djoko. Poderia ter ganho, teve a bola, braço encurtou, perdeu o jogo. Vai levar anos sonhando com o 40-15 pra fechar o jogo.

    Não tenho mais dúvida que Novak Djokovic irá passar Nadal e Federer no número de G.S, se mantiver saudável por duas ou três temporadas.

    Parabéns Djokovic!!!!

    Responder
  131. RicardoCWB

    Dalcim, a passada do Djoko pra salvar o segundo match-point no 7/8 foi idêntica a que ele fez no ano passado pra salvar o break-point contra o Nadal, reparou?
    Pra mim, ambas foram o ponto chave dos dois jogos.
    abs

    Responder
  132. Erick Fioretti

    Caro Dalcim,

    Parabéns pelo post!

    Fiquei chateado pela derrota do suíço. Ele merecia a vitória hoje. Lamentavelmente deixou escapar entre os dedos.

    Realmente não entendo como alguém possa preferir o jogo do sérvio ao do helvético. Respeito, mas não entendo.

    Apesar de ser claramente eficaz o jogo feio praticado pelo jogador das Balcãs, para mim a melhor definição é: Djokovic, o maior passador de bolas de todos os tempos.
    Federer, o maior tenista de todos os tempos.

    Simples assim.

    Let’s move on…

    Abraço

    Responder
    1. Vial

      Você não entende porque não torce por ele. Federer tem um jogo mais plástico? Sim.. Isso é um fato. Mas o que seria do tênis se fosse uma obrigatoriedade jogar de forma vistosa? Existem diversos aspectos no jogo do djokovic que enchem os olhos dos seus fãs. A elasticidade para chegar em bolas impossíveis. A eficiência tática que como uma partidade de xadrez é lindo de ver. O back encontrando ângulos surreais. A sagacidade para escolher quase sempre os melhores golpes em momentos cruciais. E principalmente a força de vontade e a mente de ferro para resistir quando tudo parece perdido. Djokovic é aquele que veio para desafiar uma dinastia.. Uma ditadura do suíço e do espanhol. É é óbvio que muitos vão torcer por ele nessa batalha contra os dois. Sua história de vida é linda. Veio de um país destruído pela guerra e ele se mostra um guerreiro que nasceu para vencer grandes batalhas…Mesmo parecendo frágil em um corpo tão magro. É tudo isso que faz um fã do djoko torcer por ele..E pense bem…Federer não possui nada disso. São outras qualidades. E é por isso que você se identifica mais com federer. E eu, como fã e muitos outros, nos identificamos com Novak. O mestre da mente. Obrigado amigo. Talvez não tenha conseguido te fazer entender… Mas é mais ou menos isso Abraço!

      Responder
  133. Miguel BsB

    Resumindo, porque a final de hj foi de tirar o fôlego e ainda estou sem palavras…
    Djoko não ganhou esse jogo, apesar de sua EXTRAORDINARIA, FENOMENAL, FANTÁSTICA, resiliência mental!
    Neste domingo, Federer perdeu o jogo…E vou te falar, como deve tá doendo essa derrota…

    Responder
  134. Maria izabel

    Já fiz um comentário logo após o jogo.
    Dalcin,Federer as vezes por ser tão habilidoso dá a impressão de querer fazer grandes jogadas.Não seria melhor ele fazer o simples e ganhar os pontos?Deixadinhas em uma final acho demais.
    Você sabe dizer o porque o Ferreiro foi contratado por Federer para as quartas de finais?Será por ser Espanhol e conhecer as manhãs do Nadal?No que você acha que ele acrescentou ao Federer?
    Federer jogou muito,mas Djocovick penso que jogou uns 75% e ainda venceu.Posso estar errada,mas isso significa que o Federer precisa de 100%contra ele,e consegue perder assim?Me decepcionei,dava como certo o Federer vencer sacando 40/15.
    Agora é ver como Federer vai assimilar ele perder essa é logo partir para outra.
    Mas esse Big Thee é incrível isso é!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Pelo que eu entendi, ele apenas convidou o Ferrero para bater bola com ele, não para treiná-lo ou algo do gênero. E foi antes do Nishikori, talvez por haver certa semelhança de estilo.

      Responder
  135. Rodrigo Bravin

    Que tristeza pelo Federer! Acho que agora alguns entenderam o quão é difícil para os mais novos vencer grand slam.. Enfrentar os dois robôs do circuito, baseados no “tênis-porcentagem” é tarefa impossível. Federer terminou o jogo com mais pontos, mais winners, mais quebras de serviço, fez os pontos mais bonitos e etc. etc. etc., mas quem venceu? O tênis maratona. Nem Nadal nem Djokovic têm coragem de enfrentar Federer de peito aberto e agressivamente e se o fizerem perderão sempre, pois o suíço é muito bom em quase tudo. A única forma de ganhar dele é no tênis-maratona
    Federer pode ser ultrapassado em seus recordes, mas nunca os robôs poderão ser considerados melhores que ele. Ele é o cara que faz um sujeito como eu que nunca pegou uma raquete se apaixonar por tênis, ele me faz esperar jogadas geniais, voleios, slices, etc.

    Responder
    1. V Maurício

      E ainda dizem que Nadal e Djokovic têm físico privilegiado! Vejo um Federer, com quase 38 anos, correr durante todo o jogo, por 5 horas, disputando rallys e chegando até mais inteiro no final do jogo do que o adversário. Pra mim quem tem físico privilegiado é Federer!!
      Quem quer ter mais winners tem que estar disposto a ter mais erros não forçados. É muito mais fácil dar winner atrás de winner naqueles que não sabem se defender! Consistência, físico e regularidade também fazem parte do tênis, além de psicólogico e mental. Se ele quer algo que não precise correr, vai jogar damas ou poker!

      Responder
    2. Vial

      Legal.. Mas entenda que essa é sua opinião. O jogo do federer não agrada a todos. Eu realmente prefiro é acho mais encantador o jogo do djoko. suas devoluções, sua flexibilidade e sua força de vontade.Mas a vida é assim amigo. É ótimo que cada um tenha seus gostos. E vou sempre respeitar o seu.

      Responder
    3. Roberto Garcia

      Tenis maratona?? Que comentario pífio… quantos slices k federer aplicava pra se defender?? Toda hora ele desacelerava o jogo… absurdo um comentário desse… dava ódio… o Djoko sentava a mão e o Federer… slice slice slice…

      Responder
      1. Diego

        Quem disse que slice foi feito pra se defender? rs. Jogar com Slice é tática de jogo, ainda mais na grama. Ontem ficou claro e evidente, que a intenção era usar o slice curto, pra tirar o Djokovic de sua zona de conforto, o QUE DEU MUITO certo. Ele se mostrou incomodado o jogo inteiro com o slice do Federer.

        Isso se chama estratégia de jogo, nunca foi pra se defender. Os slices do Federer são muito mais ofensivos que podem parecer.

        No mais, muito machucado e triste. Não doeu só no atleta, e sim em todos seus fãs. A ressaca vai ser foda.

        Responder
    4. HILARIO MUYLAERT DA SILVA LIMA

      Nole, na média, é o tenista mais técnico da atualidade. Tem todos os golpes equilibrados: 1º e 2º saques, devolução de saques( o melhor ), drives de direita e esquerda, slices, smashs, bola curta, voleio, etc….

      Federer tem dificuldades no revés batido, e top spin.

      Nole — caso não se machuque —- deverá passar Federer e Nadal, e será o melhor tenista de todos os tempos no próximos 2 anos…

      Nole precisa de 50 semanas ( 1 ano ) como número 1 do mundo para ultrapassar Federer. Além disso, tem amplas possibilidades de chegar aos 20 Slams, empatando com Federer.

      Responder
  136. DANILO AFONSO

    Eu nunca pensei que viveria a mesma felicidade esportiva que tive quando o meu FLUMINENSE ganhou o Campeonato Carioca de 1995 (gol de barriga do Renato Gaúcho) no ano do centenário do seu maior rival.

    Igualmente ao Fluminense naquela ocasião, DJOKOVIC hoje jogou contra a maioria da torcida e mídia, e o adversário também estava com o título na mão.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Renato ao botar o barrigão estava na banheira rs . Ailton não cruzou da linha de fundo, parceiro. Chutou de fora da área. Se tivesse entrado direto , tudo bem . Interferiu na jogada estando atrás da linha do goleiro. Só havia Fabinho entre sua barriga e o gol. Portanto impedido e gol ILEGAL rs Abs !

      Responder
  137. Fernando C.

    Dalcim, a briga está embolada (16, 18 e 20). Ainda enxergo o Federer como o maior (por enquanto). Independentemente dessa situação você se arrisca a dizer que são os 3 maiores da história?

    Responder
  138. Efraim Oliveira

    Enfim, o nível que Roger jogou e pelo tempo que jogou, serviu pra derrubar mitos que torcedores ficam criando. O Roger tem um físico apurado tanto quanto Nadal e Novak; eles são fora de série também nesse quesito. Final do AO 2017 e essa final de Wimbledon mostram claramente que Roger está no páreo – sempre esteve. Acontece que Novak e Nadal conseguem se sobressair no h2h frente a Roger.

    Parabéns ao NovaK! Ele só não domina o tênis por completo porque tem Nadal no saibro – que é a coisa mais fora de série numa superficie.

    Acho que Nadal não voltará a vencer outro Wimbledon enquanto os reis da grama estiverem competindo no mais alto padrão. Finals então, esquece.

    Quanto aos jogos aos melhores jogos de slam, os que acho são estes:

    Novak vs Nadal – Final, Austrália Open 2012
    Novak vs Roger – Final, Wimbledon 2019
    Nadal vs Roger – Final, Wimbledon 2008
    Roger vs Nadal – Final, Austrália Open 2017
    Nadal vs Novak – Semifinal, Roland Garros 2013
    Novak vs Stan – Oitavas, Austrália Open 2013
    Nadal vs Thiem – Quartas, Us Open 2018
    Novak vs Nadal – Semifinal, Wimbledon 2018

    Cada qual têm seus jogos preferidos; os meus são estes aí.

    Só relembrando… Roger ganhou a final de Wimbledon 2009 fazendo menos ponto que o perdedor… É aquilo: aqui se faz, aqui se paga. Que ironia do destino!

    Responder
    1. V Mauricio

      Boa tarde
      Belas escolhas. Eu incluiria a final do AO 2009 entre Rafa e Roger e a semi deste mesmo AO entre Nadal e Verdasco. Também foram fantásticos. Se bem que teve também a final de RG 2015 entre Stan e Djokovic, que foi surreal.

      Responder
  139. Isaías

    Dalcim a final de hoje lembra em 2 questões a semifinal do ano passado entre Djoko e Nadal, naquela ocasião após o jogo eu vi muitos comentando em outros veículos de comunicação e até aqui no Tênis Brasil que Nadal jogou melhor mais Djoko venceu e hj a mesma coisa, vi vários dizendo que Federer jogou melhor porém Djoko venceu, e ai entra a segunda questão que é Djokovic quando enfrenta Nadal e Federer ele sempre toma as decisões mais simples e eficientes nos momentos de aperto ao meu ver, diferente de seus 2 rivais que quando estão com a faca e o queijo contra nole parece que esquecem por um momento o plano tático, parece que esquecem de várias coisas e nessas horas Djoko aposta sempre naquilo que é sua melhor característica e dessa forma ele capitaliza as oportunidades que lhe aparecem no momento de aperto justamente apostando em suas armas e na ansiedade de seus 2 rivais e aproveitando uma certa fragilidade e desorganização de idéias de seus 2 rivais nesses momentos, não sei mais a impressão que passa daqui de fora assistindo é essa, que Djokovic além da força mental leva ampla vantagem sobre os 2 nas decisões que toma quando está apertado e ele sempre toma as decisões óbvias dentro de suas principais características que é foco na devolução de saque e regularidade nas trocas, ja seus 2 rivais quando estão em situação semelhante contra ele sucumbem, principalmente Federer, é um backhand forçado quando poderia jogar com mais top spin e segurança ou é uma subida a rede equivocada, ou uma deixadinha inapropriada, depois de tantos anos de disputas seus 2 rivais ja deveriam saber que com Djokovic não se deve inventar soluções sofisticadas quando se estiver com a faca e o queijo na mão. Abraço Dalcim

    Responder
    1. Julio Cesar

      boa análise. Acho que o Djokovic não estava particularmente feliz no saque e, principalmente, ficou devendo na devolução, enquanto o Federer jogou muito bem a partida inteira, tanto no saque quanto na devolução. Tive a impressão, que na verdade a maioria das pessoas parece ter tido, de que ele jogou melhor, dominou a partida. Mas nos famosos “pontos importantes”, neste caso os tiebreakers, Djokovic jogou bem e isso fez toda a diferença.

      Responder
    2. Roberto Cerqueira

      E impressionante a quantidade de BP,SP e MP que tenho visto Federer perder. Mas é mais impressionante ainda que, com toda esta fraqueza, ele ainda tenha os úmeros que tem!

      Responder
  140. Eu

    Federer aos 38 jogando desse jeito que vimos e todos estão escrevendo e ninguém vem questionar dopping??
    Se fosse o Nadal…
    É muita hipocrisia

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Perfeito, preciso, os caras acham normal um cara de 38 anos correr quase 5 horas mas insinuam doping em relação a um de 33 quando faz algo parecido. Hipocrisia e estupidez no mais alto grau…

      Responder
  141. Gabi

    Dalcim,

    depois destas duas semanas e da final de hj, vc muito bem poderia se dar uns dias de pernas para o ar no Caribe hein?! Rsrs.

    Muito obrigada por fazer tudo o que (nos) faz!!

    Responder
  142. Reinaldo

    Triste porque o Roger perdeu mas feliz pela categoria dos dois atletas. Já ganharam tudo e ainda se esforçam ao máximo para seguir ganhando. Belíssimo exemplo pois não deve ser fácil ser atleta de ponta como esses dois por tanto tempo. E ainda tem Rafa e Murray… Que eles não parem nunca. Não dá para criticar o Roger. Foi valente o tempo todo. Parabéns aos dois. Parabéns ao Tênis. E obrigado por continuarem jogando.

    Responder
  143. Chetnik

    Esse jogo cementou o Frauderer como o eterno GOAT da entressafra, kkkkk. E dá-lhe sofrimento. Tô esperando os zumbis ilustres aparecerem, kkkk. Devem estar com indigestão com tanta picanha estragada, kkkk.

    PS: Será que o Marquinhos vai desaparecer na forma atual e reaparecer dentro de algumas semanas como um novo “nome”? Kkkkk.

    Responder
  144. Eduardinho

    Se existe alguma dúvida se o sérvio é maior do que nadal e federer, ele próprio tratou de por um fim:

    – Estou chegando perto, mas eles também estão ganhando os campeonatos. Complementamos um ao outro. Fazemos um ao outro crescer. Eu acho que esses dois caras são duas das principais razões de eu continuar competindo nesse nível. O fato de que eles fizeram história nesse esporte me motiva, me inspira a tentar fazer o que fizeram, conseguir o que conseguiram e mais. Se vou conseguir ou não, eu não sei. O que eu disse na quadra permanece: Roger me inspira com seu esforço nessa idade – opinou.

    A parte do “se vou conseguir ou nao..” já tira qualquer dúvida. Essa grande vitória de hoje não diminui federer em nada, apenas engrandece o sérvio.

    Responder
    1. Geailton

      Apenas foi político. Tomando sua linha de raciocínio, Nadal disse que Djokovic jogando seu melhor é imbatível. Pode ser considerado o maior por este comentário?

      Responder
  145. marcilio aguiar

    Caro Dalcim, essa derrota foi mais dolorida do que qualquer outra pelos match points perdidos e péssimo desempenho nos tiebreaks. Se eu como mero admirador do suíço fiquei frustrado, imagina ele que sentiu na pele. Passado algum tempo do jogo, analisando com mais frieza, também penso que, caso ele se mantenha nesse nível por mais um ano, ainda vai ter outras oportunidades em Slam, só espero que com desfecho diferente. No mais, parabéns ao Djoko.

    Responder
  146. DANILO AFONSO

    Hoje foi tão tenso que após o ponto do título, peguei meu filho de 5 anos no colo e saímos gritando pela casa descontrolados até pularmos com roupa e tudo na piscina. A comemoração enlouquecida durou por mais dois minutos.
    A minha esposa desceu as escadas assustada e não demorou para os vizinhos ligarem preocupados para a portaria e seguranças do condomínio…kkkk

    FELIZ D+ !!!
    Obrigado NOVAK por me proporcionar esse dia inesquecível !!

    Responder
  147. André

    Dalcim, a regra do jogo permite que um campeão ganhe o jogo ganhando menos pontos… na minha humilde opinião, Roger ganhou de Roddick com menos quebras e talvez até menos pontos também… ou seja, se fosse “justo” o suíço ganhar hoje, tb teria sido o americano ganhar em 2009… vc se recorda de outras partidas “grandes” cujo resultado possa ter sido “injusto”?? Qdo Djoko ganhou do Nadal na Austrália teve mais brakes e fez mais pontos e acho que foi justo… naquela semi que ele perdeu do Nadal por tocar a rede, sabe se ele fez mais pontos que o espanhol e se teve mais quebras?? No Fedal de 2008, pelo que me recordo, Nadal teve mais quebras e ganhou mais pontos, correto?? Vc se recordo de outros jogos assim emblemáticos e que possam abrir discussão sobre a justiça da regra??

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não vejo sentido em qualquer discussão sobre esse assunto, André. Se existe um esporte em que o melhor vence 99,9% das vezes, esse é o tênis.

      Responder
      1. André

        Justamente… minha intenção não era polemizar… tanto que citei situações desfavoráveis para os 3… achei, inclusive, um artigo interessante sobre isso, mas desatualizado e que cita justamente a final de 2009:

        https://revistatenis.uol.com.br/artigo/o-que-os-numeros-dizem-no-tenis_3192.html

        No geral, essas partidas acabam revelando o poder mental do ganhador, que mesmo com menos pontos/oportunidades acaba se sagrando vitorioso. E, no geral também, são as melhores partidas e sempre lembradas por muito tempo!!

        Me lembrei de outro jogo assim: Thiem vs. Nadal, em que o espanhol ganhou depois de um pneu e, muito provavelmente, fez menos pontos… Enfim, minha intenção não era polemizar e, pelas estatísticas, muito mais do que 90% dos jogos acaba tendo como vitorioso o que faz mais pontos.

        Li em algum lugar que, para facilitar a transmissão, tiveram a ideia de deixar os jogadores jogando 1h00 e ao final apenas somariam a quantidade de pontos, mas na minha opinião, esses pontos “grandes”, breakes e situações “injustas”, ou mesmo de que “jogou como nunca e perdeu como sempre” é o que torna o esporte legal e atrativo!

        No futebol tb o que vale é bola na rede, assim como no tênis o que vale é o último ponto… mas nem por isso eu, como corintiano, achei que o meu time foi superior e tivesse merecido vencer muitas das partidas vencidas na garra, depois de muito sufoco, com um gol feio de bola parada!

        Djoko foi campeão e foi merecido… mas a final, do jeito que foi, gera a sensação de que o Federer também merecia muito. E, no caso do suiço, o mundo dá voltas… ganhou do Roddick merecendo também, mas assim como ontem, como telespectador, achei o resultado “injusto” com o perdedor

        Responder
  148. Marcelo-Jacacity

    Federer jogou demais mas perdeu uma chance de ouro hoje, sobre isso não há dúvida. Djokovic entregou dois sets (saiu do jogo completamente, estranhíssimo) sem contar os match points e a falta de confiança durante todo o jogo (exceto em momentos chave da partida, obviamente).
    Não dá pra cravar que o suíço não terá outra chance, pois tudo é possível com o Big-3. Mas acho improvável o sérvio facilitar tanto assim na próxima oportunidade.

    Responder
    1. Luiz Henrique

      Marcelo-Jacacity, Djokovic deu essas facilitadas para fazer de conta que o resultado era imprevisível!
      Mas imprevisível mesmo, só a temporada de saibro!
      Chega abril!
      Até lá, todo mundo já sabe.
      Federer no us open vai ser até café com leite, ele tá mais tempo sem ganhar lá do q nadal em wimbledon ou austrália, pra se ter uma ideia.

      Responder
  149. Denis

    Dalcim, parabéns novamente pela grande cobertura do Blog e todo o TenisBrasil em mais um grand slam. Muito conteúdo e informação durante essas duas longas semanas.

    Responder
  150. Chetnik

    E a Serena, vasco da gama, Williams, ficou com mais um vice, kkkk. Tomou uma surra da primeira jogadora decente que enfrentou, kkkk. Dá-lhe Halepinha. Muito feliz com a sua vitória. Leste Europeu dominou WB, kkkk. A inglesada nojenta deve ter ficado louca da vida, kkkkk.

    Responder
  151. Chetnik

    5a – quinto. Repito, QUINTO WB para o passador de bolas, maratenista sem talento que vence GS só na base do físico, no piso que os zumbis afirmam que só os mais talentosos, com mais versatilidade, técnicos, agressivos e que jogam o “verdadeiro tênis” se criam, kkkkkk. Tem alguma coisa errada aí. “Saibro verde”. Claro, kkkkk.

    Djokovic jogando a 50%, sem o saque o jogo inteiro. Federer a 200%. Resultado? Kkkkk. É mais difícil quando não são o Cilic ou o Roddick do outro lado da quadra, né? Kkkkk. GOAT da grama é a PQP, kkkkk. E tem gente que se enganou, achando que os títulos achados quando o Djokovic estava lesionado seriam conquistados com o Djokovic em forma no circuito, kkkkk. EU SEMPRE AVISEI, kkkkk.

    Como devem estar sofrendo, kkkkkk.

    Responder
    1. Babidi

      Comemorar o fracasso dos outros. Você deve ser um desgraçado mesmo em vir aqui nesse blog difamar e ridicularizar alguém que trabalha dignamente pra alcançar suas metas. Um cara que até mesmo já admitiu que odeia determinado tenista, sem ele nunca ter feito nada com você, demonstra uma falta de caráter absurda. Tô cansado de suas asneiras aqui nesse blog. Infeliz!

      Responder
      1. Chetnik

        Primeiro lugar, eu NUNCA admiti odiar tenista algum, porque eu não odeio. Larga mão de ser mentiroso.

        Segundo, engole o choro que tá feio, kkkk.

        Responder
        1. Babidi

          Com certeza o Djokovic não aprovaria esse tipo de comportamento vindo de um fã. No mais, me recuso a debater com uma pessoa desqualificada como você.

          Responder
    2. Paulo F.

      E o Renato adora falar que Roddick ganha do Djokovic nos confrontos.
      Esse mesmo Roddick PERDEU TRÊS FINAIS em Wimbledon para o mesmo Federer que TAMBÉM PERDEU TRÊS FINAIS de Wimbledon para o mesmo Djokovic.
      Realmente, Chetnik, há algo de errado aí.
      kkkkkkkkkk

      Responder
  152. Cleuton

    Federer perdeu porque foi extremamente medroso, quis só ficar dando slices e passando bola nos pontos importantes, sem arriscar. Muito cauteloso, principalmente nos tie-brakes. Lastimável.
    Dalcim, você acha que se o Federer tivesse uma atitude mais ousada, como no Fedal, principalmente com devoluções mais agressivas, o resultado teria sido outro??
    E mais, não te lembrou a derrota para o Delpo em IW também com 02 match points perdidos, sendo o primeiro também com uma subida à rede apressada e ineficiente no primeiro match point e um erro não forçado no segundo??
    Acho que ele não aprendeu com a dura derrota de IW.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, você achou o Federer medroso de bater na bola? Posso lhe dar uns 40 exemplos de que isso não aconteceu no jogo, Cleuton.

      Responder
  153. Marcelo

    Dalcim, eu entendo que você queira ser o mais pacifista possível, mas a verdade é só uma e você tem que admitir, Federer amarela contra DJokovic, e isso ficou mais do que provado hoje.
    O que aconteceu hoje talvez tenha sido a maior tragédia para os fãs de Federer, que já estavam acostumados com jogos ganhos perdidos.
    Inclusive, eu resolvi parar de acompanhar tênis após esse jogo, ao meu ver eu cheguei ao meu limite com Federer, e acho que em respeito ao tênis teria muito mais valor um cara como Nadal se tornado maior vencedor de Slam, que quando vê o fim tenta chegar nele, do que um cara como Federer, que quando vê o fim se amedronta.
    As sensações que passei hoje me fizeram decidir que enquanto Federer estiver jogando acho melhor não assistir suas partidas, consequentemente não acompanhar o tênis.
    Espero ver Shapovalov ou Tsitsipas dominando o circuito em pouco tempo, então voltarei a acompanhar.

    Responder
    1. Julio Cesar

      Marcelo, o próprio Federer, na entrevista após a partida, disse que ele “choked” que é um termo em inglês que descreve a pessoa que ficou inseguro de si em momento importante. Aqui, no Brasil, é chamado “amarelar”.

      Responder
  154. Rafael

    Mestre, acompanhei a transmissão pela Espn americana. Impressionante o que davam atenção ao suíço e ao seu box. Cansaram de mostrar a feiosa da mulher dele sofrendo e mal mostravam o box do Djoko. Achei um absurdo. Já não bastasse a torcida in loco toda a favor do Federer. Enfim, parabéns ao Djoko!! Uma máquina de jogar tênis. Queriam ou não ele será o melhor da história, mesmo não sendo o mais genial. Parabéns pelo blog mestre.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, duvido que a ESPN tivesse imagens diferentes da geração oficial que vimos aqui no Brasil. E mostraram várias dezenas de vezes o Vajda, os pais do Djoko. Se a ESPN fez diferente, aí não sei.

      Responder
  155. José Eduardo Pessanha

    Infelizmente deu o Maratênis. Estilo de jogo horroroso surgido com Lleyton Hewitt no final dos anos 90, desenvolvido ad nauseam por Rafael Nadal e que tem Djokovic como expoente máximo. A plateia de Wimbledon, 100 % a favor do Craque, como sempre, ficou estupefata. O tênis arte sofreu uma dura derrota hoje, com a queda de seu único representante. Ainda não é o fim. Outras glórias virão, mesmo com os pisos padronizados e um circuito repleto de jogadores sem um pingo de arte e de improviso.
    E novamente vem a mesma pergunta: “O que será do tênis quando esse senhor de 38 anos decidir pendurar as raquetes?”. Não sabemos a resposta, embora saibamos que o tênis irá sobreviver…..Entretanto, nunca mais, será o que um dia foi. Todo o legado de Rod Laver, Bjorn Borg, John McEnroe, Jimmy Connors, Ivan Lendl, Stefan Edberg, Boris Becker, Pete Sampras e Andre Agassi se esvairá com a saída de cena desse senhor. Os Deuses do Tênis já estão em prantos. Torçamos para que o Craque Suíço continue sua heroica e incansável jornada. É essencial que esse senhor continue a nos deliciar com voleios, bate-prontos, slices venenosos e uma criatividade sem fim. Urge aparecer um novo substituto que absorva esse imenso legado. A parte superior da ampulheta está se esvaindo. Reage, Tênis.

    Abs

    Responder
    1. Luiz Henrique

      José Eduardo Pessanha, o maratenis vai ter os 2 maiores ganhadores de slam: djokovic e nadal, um com 27 e outro com 23!
      kkkkkkkk
      O tenis arte vai ficar a ver navios kkkk

      Responder
    2. Eduardo

      Posso imaginar sua revolta, Senhor Pessanha. Todos os elogios ao Federer são mais do que merecido, porém , desqualificar seus algozes, a dupla ND e RN , que , juntos, ganharam umas 50 vezes do Suíço, não faz o menor sentido. ND jogou ontem contra tudo e contra todos, numa demonstração de superação e força mental extraordinárias. O esporte tem que ser valorizado por isso, nobre e astuto comentarista. Os três senhores aqui citados são os maiores da história do tênis, queira o senhor ou não.

      Responder
    3. Luiz Fernando

      Engraçado Pessanha, será q o simples maratenis como vc diz venceria 38 GS? Isso vindo de alguns alienados q frequentam o blog não me chamaria atenção mas vindo de vc me decepciona. Pelo vc já tem um candidato promissor em vista, o Aliassime. Abs
      PS: parabens pela previsão, de q Federer perderia entre 4 e 6 sets no torneio, acertou kkk…

      Responder
    4. Luiz Fabriciano

      Concordo apenas com a menção ao Lleyton Hewiit, que é infinitamente inferior, em todos os aspectos ao sérvio multi campeão. Não precisa ir tão longe, basta rever a final do Australia Open desse ano e provar a diferença. Se quiser ir um pouco mais atrás, a semi de 2016 contra o próprio Federer. O sérvio tem a incrível capacidade de se alinhar ao estilo adversário.

      Responder
    5. José

      O tênis vai continuar sendo um esporte maravilhoso sem o Federer. É só ver que entre 2012 e 2017 que Federer se limitava a ganhar alguns M1000, o tanto de audiência que esse esporte alcançou.

      Arrisco a dizer que nunca foi um esporte tão popular o tênis. E pra mim isso tem tudo a ver com Djokovic, que foi o mais importante elemento dessa popularização, já que os jogos épicos vem de sua raquete.

      Responder
    6. Thiago Luiz

      Seu comentário não faz sentido, vc cita o Agassi como tênis clássico sendo que ele sempre foi um jogador de base elogiado pela até então melhor devolução do tênis, e o jogo do Djoko é uma evolução do dele e não do Hewitt, pode até se dizer que o Hewitt é um Agassi piorado enquanto o Djoko um melhorado.
      Outra coisa Borg jogava maior parte do tempo no fundo de quadra e tinha um tênis extremamente físico, até mesmo o Dalcim já falo da incrível adaptação de jogo que o Borg tinha de fazer para a grama, exatamente pelo mesmo ser um jogador totalmente diferente em todo o resto do ano.
      O Federer é sem duvida nenhuma mais habilidoso do que o Djoko e o Nadal, mas temos que ser mais racionais nas nossas colocações, não é pq ele perdeu que tem que falar que um esporte com mais de um seculo de historia esta acabando. O Federer no fim do jogo estava fisicamente inteiro e ele correu mais que o Djoko, o que também faz o seu comentário ter menos sentido ainda.

      Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      E mesmo assim tem mais títulos, joga muito mais, é mais reconhecido, tem grande parte dos recordes e muito mais torcida do que o seu tenista.
      Abs

      Responder
      1. José

        Se “jogasse muito mais” teria um HTH favorável! Mas na verdade tem um sonoro 26×22 contra.

        Quanto aos números, os do suiço são maiores no momento, mas nunca se esqueça que ele tem SEIS anos a mais.

        Responder
  156. lEvI sIlvA

    Dalcim, meu caro, por vezes penso que a “culpa” por termos um Big 3 aí ainda dando tanto trabalho a molecada é o sérvio… rsrsrs Mas falando sério, não te passou pela cabeça que, se Djokovic não seguisse tão resignado em busca dos seus sonhos, Tanto Federer, quanto Nadal já tivessem pendurado as raquetes? Rafa correndo pra se distanciar dele e Federer se esforçando pra tirar o espanhol do retrovisor… Enquanto isso, quem ameaça Nole?!? Abraço!

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Excelente análise.
      Nenhum dos três corre mais atrás de dinheiro (nem cabe mais em suas contas, rsss). Correm atrás de simplesmente engordarem records.
      Na altura de suas carreiras, cada jogo faz a linha dos records tomarem novas dimensões.

      Responder
  157. Chetnik