O sorteio e os números de Wimbledon
Por José Nilton Dalcim
26 de junho de 2019 às 20:17

Com a eterna polêmica sobre o direito que qualquer Grand Slam tem de alterar a ordem seus cabeças de chave, Wimbledon novamente usou o ‘ranking da grama’ e isso aumentou a expectativa para o sorteio das 6h (de Brasília) desta sexta-feira que parece muito importante para os postulantes a surpresas e título.

Novak Djokovic, Roger Federer, Rafael Nadal e Kevin Anderson poderão enfrentar nas oitavas de final Marin Cilic, Borna Coric, Milos Raonic ou Gael Monfils, os cabeças de 13 a 16. Não são adversários fáceis, mas obviamente que Cilic e Raonic, apesar de não viverem um grande momento. precisam ser os mais temidos devido ao saque bombástico e histórico muito respeitável em Wimbledon.

Cabeças de 5 a 8, Dominic Thiem, Alexander Zverev, Stefanos Tsitsipas e Kei Nishikori têm chance de cruzar na quarta rodada com John Isner, Karen Khachanov, Danill Medvedev ou Fábio Fognini, os de 9 a 12. O norte-americano é de longe o mais perigoso, porém vale lembrar que não jogou um único torneio desde Miami, nem mesmo qualquer preparativo para o Slam britânico.

Antes disso, porém, os oito primeiros favoritos podem cruzar na terceira rodada com os cabeças que vão de 25 e 32, lista que tem Denis Shapovalov, Benoit Paire e Kyle Edmund como nomes fortes e outros bem menos cotados como Guido Pella ou Laslo Djere. A sorte já começa a valer aí. Já os de 9 a 16 podem pegar os que vão de 17 a 24, e aí dá para temer Matteo Berrettini, Felix Aliassime, Gilles Simon, David Goffin e quem sabe Roberto Bautista. Até mesmo Nikoloz Basilashvili e Diego Schwartzman merecem atenção. Poderemos ter então ‘grupos da morte’, ótimo para o torneio. Sem falar eu nomes como Nick Kyrgios, Jan-Lennard Struff, Feliciano López, Richard Gasquet ou Grigor Dimitrov podem pegar qualquer um na estreia.

A mesma lógica serve para as meninas, e então Ash Barty, Naomi Osaka, Karolina Pliskova e Kiki Bertens pode ter nas oitavas Belinda Bencic, Carol Wozniacki, Qiang Wang ou Marketa Vandrousova. Já as cabeças de 5 a 8, que são Angie Kerber, Petra Kvitova, Simona Halep e Elina Svitolina, são candidatas a ter Sloane Stephens, Aryna Sabalenka, Serena Williams ou Anastasija Sevastova nas oitavas. A perigosa terceira rodada das cabeças de 1 a 8 vê ameaças como Amanda Anisimova, Garbine Muguruza ou Sofia Kenin. Pesos pesados como Venus Williams e Maria Sharapova estarão soltas no sorteio.

Antes de tudo isso, fiz um levantamento dos recordes de Wimbledon e da grama na Era Profissional:

Recordes de Wimbledon
Masculino
– Títulos: 8 (Federer)
– Títulos seguidos: 5 (Borg e Federer)
– Finais: 11 (Federer)
– Finais seguidas: 7 (Federer)
– Vitórias: 95 (Federer)
– Efetividade: 92,7% (Borg)
– Jogos sem perder: 41 (Borg)
– Sets sem perder: 34 (Federer)
– Título sem perder set: Borg (1976) e Federer (2017)
– Finalista sem perder set: Federer (2006, 2008 e 2017)
Feminino
– Títulos: 9 (Navratilova)
– Títulos seguidos: 6 (Navratilova)
– Finais: 12 (Navratilova)
– Finais seguidas: 6 (Navratilova)
– VItórias: 120 (Navratilova)
– Efetividade: 91,3% (Graf)
– Jogos sem perder: 48 (Navratilova)

Recordes da grama
Masculino
– Títulos: 19 (Federer)
– Vitórias: 185 (Connors)
– Efetividade: 87,4% (Federer)
– Títulos num mesmo torneio: 10 (Federer, em Halle)
– Finais num mesmo torneio: 13 (Federer, em Halle)
– Jogos sem perder: 65 (Federer)
– Sets em perder: 36 (Federer)
– Mais jovem campeão: 17 anos e 5 meses (Borg, em Auckland, e Becker, em Queen’s)
– Mais velho campeão: 37 anos e 10 meses (Federer, em Halle)
Feminino
– Títulos: 32 (Navratilova)
– Vitórias: 308 (Navratilova)
– Efetividade: 89,8% (Navratilova)
– Títulos num mesmo torneio: 11 (Navratilova, em Eastbourne)
– Finais num mesmo torneio: 13 (Navratilova, em Eastbourne)
– Jogos sem perder: 48 (Navratilova)


Comentários
  1. Maria izabel

    Agora chegou Wimbledon. As chaves saíram e acredito que esse Wimbledon será de zebras.
    São enganosas essas tais chaves “fáceis”,penso que começar com os melhores jogadores ficam mais focados.
    Djockovic é o cara desse torneio,embora Federer esteja em seu habitat. Para mim,tudo pode acontecer,tomara!!
    Que venha grandes jogos!!

    Responder
  2. Jonas

    Rapaz o Nadal se lascou nessa chave kkkkkk

    Até acho que o espanhol teria alguma chance de ir bem, assim como ano passado, mas agora ficou bem difícil pra ele.

    Responder
  3. Valestra

    Boas, Dalcim!
    Wimbledon é o mais complicado GS para acompanhar aqui no BR, pelo menos pela TV. Não só pelos jogos serem em “horário comercial” mas também porque o SporTV, a meu ver, quando tem a prerrogativa de escolher os jogos a transmitir, a exerce mal e, claro, se tiver jogo de futebol no horário (o que é raro, ainda bem!), eles deixam de transmitir o tênis sem pestanejar.
    Abs!
    PS. Não tem como alterar a forma de comentar aqui? Tipo, colocar um botão “comentar” que traga direto para essa área, ao invés de ter que clicar em “comentários” e depois ainda ter que descer tuuuudo até chegar nessa área?

    Responder
  4. Luiz Henrique

    E o torneio previsível vai começar: todo mundo já sabe que djokovic vai ganhar de federer na final. A única dúvida interessante é em qual rodada Nadal cai, provavelmente uma das primeiras pq vai chegar sem preparação. Por isso que acho a temporada de saibro mais interessante e imprevisível

    Responder
    1. Rafael Brasiliense

      Nas últimas três edições de Wimbledon, foram três campeões diferentes; nos três últimos Roland Garros, tivemos um único campeão que em 21 jogos sequer foi levado ao quinto set. Não sei como uma temporada na qual somente um jogador ganha praticamente tudo todo ano pode ser considerada imprevisível.

      Responder
    2. Ana

      Como assim a temporada de saimbro é mais imprevisível??? Tomo lindo já sabe quem vai ganhar antes mesmo do sorteio da chave…. Aquele torneio sempre prejudica os jogadores e beneficia um… Mas espero que o ano que vem m mude já que finalmente terá teto na quadra principal então não vai mais funcionar deixar um jogador jogar primeiro sabendo que logo depois irá chover e prejudicar os que jogam depois….

      Responder
  5. Luiz Fernando

    Esperando pelos comentários abalizados de sempre após o sorteio das chaves de W. Quem foi o favorecido, Rafa ou Federer? De fato esses sorteios são cartas marcadas p favorecer o espanhol kkk…

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      LF, quando Federer e Djokovic ficaram 11 VEZES SEGUIDAS do outro lado da chave você não dizia nada… A chance disso acontecer é 1 vez em 1024. Sorteios direcionados. kkk
      Abs

      Responder
  6. Paulo Almeida

    Melhor realmente é diferente de maior.

    Djokovic já é o melhor de todos os tempos desde 2016, quando fechou o Nole Slam. Nem precisava ter voltado e vencido mais 3 Slams seguidos para corroborar essa condição. E também é o maior vencedor de títulos parrudos, de peso ou qualquer outro sinônimo. Não precisa superar os Slams fakes de Frauderer para ser o GOAT de fato e de direito.

    Responder
    1. Jonas

      Nesse ponto concordo.

      Federer é o MAIOR de todos os tempos pelos títulos e obviamente detém os maiores recordes do tênis até então.

      Eu não acho ele melhor nem que o Nadal.

      Responder
    2. Igor Gomes

      Cara, muito raro eu comentar alguma coisa aqui no blog, mas vou te dizer, tu é o famoso mané. Cara repetitivo, querendo aparecer o tempo todo. Que grande trouxa que tu é viu amigo.

      Responder
  7. Sandra

    Dalcim, eu vi uma reportagem do John Isner falando que não é tão fácil se ganhar dinheiro com o tênis, pois tem que pagar viagens, comissão técnica, massagistas e etc, e impostos dos prêmios ,até que colocação você acha que dá para viver como magnata no tênis?

    Responder
  8. Maurício Luís *

    Boa noite. Dalcim, o Justin Brown será que teria ainda alguma chance de entrar como lucky-looser? Achei injustiça ele não ter recebido convite para Wimbledon. O jogo dele é heterodoxo, engraçado, interessante e gostoso de ver. Bem ao contrário de um CERTO BALOEIRO que anda por aí…

    Responder
  9. uJonas

    Em Wb 2015 a maioria apostou no Federer, o homem realmente estava voando e atropelou o Murray nas semis.

    Pra mim a derrota dele pro Djoko foi bastante mental, nenhum pouco física. Djokovic atropelou no final porque cresce nesses torneios gigantes como WB, enquanto Federer é muito passivo contra seus maiores rivais.

    Aquela final do Australian Open 17 foi algo milagroso, acho que nem o Nadal acredita até hoje, kkk.

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Algo milagroso? Discordo. Federer foi superior ao Nadal o torneio todo. Pegou uma chave (pra variar) infinitamente mais dura. Berdych, Nishikori, Wawrinka e Nadal em sequência. Com o tênis que o Rogério estava jogando naquele torneio, o placar poderia ter sido tranquilamente 3 a 0 pro Craque. Abs

      Responder
      1. Jonas

        Acho que estava 3 a 1 pro Nadal no 5° set Pessanha. Tiro o chapéu pro que o Federer fez naquele dia, pois o histórico era extremamente desfavorável pra ele.

        Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Federer venceu Nadal TREZE vezes fora do Saibro. E fez com o Espanhol uma das 3 partidas mais votadas da História. Já disse, seus comentários são na maioria das vezes imprecisos ( passa na moderação). Na , boa. Compre um Óculos e assista os jogos. Abs!

        Responder
      2. Rodrigo S. Cruz

        Então assista mais aos jogos…

        Porque naquele mesmo ano, depois do Aus Open, o Federer entubou o Nadal mais 3 vezes.

        E sem perder um set sequer.

        Responder
    2. Paulo Almeida

      Tem razão, Jonas.

      Frauderer sempre tremeu para os rivais na hora da decisão e aquela final do Australian Open pode sim ser considerada zebra.

      Responder
    3. Rodrigo S. Cruz

      Milagroso?

      Se tivesse sido milagre, o Federer não teria ATROPELADO o Nadal depois em Indian Wells, Miami, e Shangai…

      O Federer deu um show, pegando tudo na subida, e fazendo miséria com o backhand.

      Responder
      1. Jonas

        Milagroso foi Federer ter vencido Nadal no Australian Open, já que era um Major logo contra seu maior rival.

        Os outros jogos entre eles foram sim interessantes porque o Federer atropelou.

        Responder
    4. Ronildo

      Você se esqueceu de mencionar que nas semi-finais Djokovic economizou energia jogando com Gasquet que vinha de um jogo de 5 sets contra Wawrinka, o último set 11-9. Enquanto isto Federer se desgastava num jogo de altíssimo nível contra Murray na outra semi, mesmo tendo levado em 3 sets. Se a sorte de ambos na chave tivesse sido diferente duvido muito que Djokovic tivesse sido campeão. Talvez até mesmo caísse na semi diante de Murray.

      Responder
      1. Jonas

        Não acho que Federer se cansou contra o Murray. Você mesmo disse que foi um jogo em sets diretos.

        Problema do Federer neste torneio foi só o Djokovic mesmo.

        Responder
    5. André Barcellos

      Atropelou? Jogo de 5 sets? Menos…
      Sim, eu acho que teve um componente emocional grande por causa da vitória do sérvio em 2014. Mas fisicamente acho que Federer já estava mais lento, como está hoje.
      Em 2014 que eu senti que a vitória poderia ir pra qualquer lado.
      Em 2015, apesar dos 5 sets, a conta não estava fechando pro Federer (movimentação, pegar a bola no sweet spot)

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Vamos liberar todos os links possíveis, mas Wimbledon costuma dificultar ao máximo isso. Eles não tem qualquer previsão de mostrar jogos online.

      Responder
  10. Jefe

    Comentário horrível e desnecessário de Nadal e do Tio.
    Não precisam disso, mas não precisam mesmo, tão vencedores que são, uma pena.

    Responder
  11. periferia

    Olá Dalcim…..vendo o vídeo do Borg contra o Connors..reparei que o vice recebe uma “medalhinha”….até hoje é assim?
    O cara ganha 6 jogos no torneio mais importante do mundo e leva uma medalhinha…

    Responder
  12. Rubens Leme

    Dalcim, dois documentários maravilhosos sobre a grande rivalidade em Wimbledon, Borg-McEnroe. O primeiro é melhor (Icex Fire), com depoimentos atuais dos dois, mas foi criminosamente limado do final, quando Big Mac vence em 1981.

    O segundo é também muito bom e mostra aquela famosa matéria com os dois de pistola na mão, prontos para um novo duelo. Um dos melhores momentos é quando uma amiga de John conta que certa vez Billie Jean King se aproximou dele e perguntou como ele se preparava para os torneios, porque ele era famoso por não cuidar da parte física e comer montes de hambúrgueres, etc. Ele virou e disse “o que faço? eu jogo tênis!”.

    Peter Fleming vai mais longe e disse que o motivo deles jogarem tantas duplas é que Mac odiava treinar e preferia jogar. E veja onde ele chegou e poderia ter ido tivesse mais preparo físico.

    Para que nunca os viu jogar ou viveu esta era, uma ótima chance. Para nós, sempre um deleite (re)ver esses caras.

    https://www.youtube.com/watch?v=DfW3vGGYAtI

    https://www.youtube.com/watch?v=7feTBuz6Sf4

    Responder
  13. neuton

    Dalcim,
    Poderia, por favor, esclarecer-me uma dúvida: tenista que fura o “quali” e joga a primeira rodada de um Grand Slan como wimbledon, por exemplo, ganha a premiação do “quali” + premiação da 1ª rodada ou só esta última?

    Att.
    Neuton

    Responder
  14. Luiz Fernando

    Grande resultado da Bia e do Monteiro, em especial pq esse tipo de piso é absolutamente incomum no nosso país. Parabéns a ambos.

    Responder
  15. Ronildo

    Eu sou a favor que Wimbledom retire o ranking da grama para escolher os cabeças de chave DESDE QUE SE COLOQUE 3 MASTERS 1000 NAS SEMANAS ANTERIORES!

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Pois é, Ronildo. Sabemos que não há tempo para 3 . Mas é evidente que mesmo os Tenistas adorando o principado de Mônaco, se acostumariam rápido com o MASTERS 1000 de Queen’s. Tradicionalíssimo e com a Grama idêntica à atual de Wimbledon. É uma sacanagem histórica da ATP. E ainda rebaixaram Stuttgart para ATP 250. Isso depois de sumirem com o MASTERS 1000 de Hamburgo. E todos teem que aguentar MC , ATP 500 de Barcelona, Madrid e Roma , tudo seguidinho e colados à Roland Garros. Sei … ABS !

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Três seria pedir demais.

      Mas pelo menos umzinho, né…

      Se existisse, acho que o recordista de torneios Master seria o Federer ainda.

      Responder
  16. Rubens Leme

    Um dos “motivos” para Rafa não jogar estes dias, foi a partida do seu Mallorca (ela chegou a comprar ações do clube, mas já as vendeu) contra o Deportivo La Coruña, em que venceu por 3×0 e retornou à primeira divisão).

    No instagram dele, pode-se ver a foto que postou do estádio após o apito. Como bom torcedor e, embora fanático pelo Real Madrid, Rafa tem uma ligação muito forte com a equipe, pois é perto de Manacor e seu tio, Miguel Ángel Nadal, ex-zagueiro do Barcelona e carinhosamente apelidado de “A Besta”, jogou lá por 10 anos, em duas passagens.

    https://www.instagram.com/p/BzEQgBbCXpj/?igshid=dy47e7nsjqyl

    Responder
  17. Jonatas Bruno

    Bacana o Thiago Monteiro entrar na chave, primeiro objetivo alcançado, o que cabe agora é depender do sorteio para definir as pretensões.
    Para quem sonha ou projeta as oitavas, uma combinação com Nikoloz,mais Fognini, ou Monfils,como os dois primeiros cabeças na chave, até que soaria bem, como primeira ou segunda rodada. Tanto para o Thiago, como em outros que almejam chegar ao menos até a quarta rodada.
    Felizmente, prognósticos existem para serem quebrados, e jogo só é concluído após o ultimo ponto. À aguardar,

    Responder
    1. Jonatas Bruno

      A Bia também adquiriu o seu passaporte. Pacote completo, agora é contar com a chave. Considerando o nivelamento do circuito feminino, pode se dar melhor que o seu parceiro de dança rs.

      Responder
  18. Evaldo Moreira

    Lá vem o titio Toni Nerdal,
    “Wimbledon não respeita o circuito?. Poxa vida, é de família mesmo, até tu Toni Nerdal, kkkkkkkkk.
    Lá se vai o Dustin Brown, no quali, já pegou o beco já, poxa vida, eita grama que apronta, estou ansioso para o sorteio de amanhã……..promete e muito.

    Responder
  19. Denis

    Dalcim,

    Duas duvidas sobre a eterna polemica do ranking da grama:
    1) A ordem dos cabeça de chave é alterada somente para os 32 jogadores com melhor ranking? Ou um jogador que estiver em, por exemplo, 40 do mundo pode ser alçado a condição de cabeça pelo historico dos dois ultimos anos na grama?
    2) Por que o ranking da grama não é aplicado para as mulheres?

    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O acordo de 2002 determinou que Wimbledon não colocasse alguém de fora dos 32 cabeças, mas apenas alterar a ordem dos 32 cabeças. Antes disso, Wimbledon chegou a fazer isso. O sistema nunca foi usado para o feminino – e admito que acho isso um erro -, exceto no ano passado quando subiu Serena de posição. Abs!

      Responder
  20. Eu

    Dalcim, por que um tenista prefere participar de um torneio de exibição na grama (the biodiesel) em vez de um Atp 250 tb na grama e na mesma semana?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Imagino que exibição tem pressão menor e são apenas 1 ou 2 jogos, ao contrário de um ATP 250 que poderia obrigar até a 5 jogos.

      Responder
  21. Chileno

    Impressionante o desempenho do Federer na grama e em WB. Tomara que ele faça um bom torneio. Obviamente, melhor ainda se levantar o 9º caneco. Apesar do título e de ter jogado bem em Halle, o primeiro saque falhou em alguns momentos e ele passou alguns apuros. Acho que o Chalita é o favorito, seguido de perto pelo Megamente.

    Responder
  22. Luiz Fernando

    Muitos aqui nao gostam dele em razão da rivalidade (e freguesia) com Federer, mas Rafa é um competidor impar, um cara q faz tudo ao seu alcance p vencer, um exemplo de desportista. O cara jogou ontem a tarde com Cilic e ainda foi treinar com Thiem, seu grande amigo, depois. Incrível!!!!!

    Responder
    1. Tiago Santana

      Bastante pertinente o comentário. Por questão de estilo, tenho preferência – em termos de torcida – por outros tenistas, porém Nadal sempre me impressionou como esportista. Sempre superando lesões, se reinventando e aperfeiçoando, com atitudes exemplares dentro e fora de quadra, sem falar no belíssimo tênis praticado (podemos até discordar sobre a preferência de estilos, mas negar a prática de um tênis de altíssima qualidade me parece difícil). Em relação a torcida e a freguesia (que de fato existe, mas é algo normal no esporte), é interessante que os atletas possuam um enorme grau de respeito entre si, alguns mantendo relações de quase amizade (vide os próprios Nadal e Federer), enquanto nós, como torcedores, insistimos em discussões por vezes bobas e sem qualquer finalidade útil. Creio que somos muito privilegiados em poder acompanhar tantos monstros, cada um ao seu modo de jogar.

      Responder
  23. Evaldo Moreira

    Bom dia,
    Espetacular, para não dizer assombroso, esses recordes de Roger, e mais assombroso ainda, da Navratilova, o muié insana essa na grama, kkkkkkkkkkkkkkkk.
    Dalcim, esses recordes do feminino na grama, são dificeis de bater, tanto é que, que perdura até hoje, digo isso, porque no tênis feminino tá uma gangorra danada, sobe e desce na liderança no ranking, e a competividade maior entre elas na atualidade, concordas mestre?

    Responder
  24. Paulo Almeida

    O GOAT Djokovic é o maior vencedor de Slams com alto grau de dificuldade na grama, o terceiro piso mais importante do circuito. No entanto, a vantagem é de apenas 4×3 para a concorrência, de modo que não há margem para vacilos.

    Responder
    1. Bruno

      Vc é uma piada ,não pode ser levado a sério .
      Observe bem o paradoxo (deve saber o significado)
      Então o grau de dificuldade dos torneios de W de Djokovic é maior pq foram em cima do Federer.
      Então se foi em cima dele……

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Não há nenhum paradoxo. Fregueser é o terceiro melhor da história, logo Slams em cima dele possuem mais peso do aqueles em cima de bagres. Captou?

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          ” Federer é o terceiro melhor da história” (ass: Fake Almeida)

          ” Federer é o melhor tenista de todos os tempos”. ( ass: Novak Djokovic).

          kkkkkkkkkkk

          Responder
  25. Rubens Leme

    Não é meu aniversário, mas agradeço o vídeo de 1978,, entre o maior de todos e o (terceiro ou quarto?) maior canhoto da história e os meus dois tenistas favoritos.

    Dalcim, para você, quem foi o melhor canhoto? Laver, Big Mac ou Jimbo? e o seu favorito do trio?

    Responder
    1. Rubens Leme

      O que mais me deixava maluco no Connors era a sua esquerda, a preparação extremamente curta e rápida, como se ele tivesse um elástico segurando o ombro para se movimentar apenas um pouco e depois bater na bola como um estilingue.

      Quando comecei a ter aulas, meu professor ia à loucura porque inventei de copiar o movimento. Certo dia, ele parou e perguntou o que diabos era aquilo. Disse que tinha visto o Connors jogar e como era canhoto igual a ele, pensei em fazer o mesmo.

      “Primeiro aprenda a segurar a raquete direito, a flexionar os joelhos, posicionar as pernas e olhar para a bola e ver onde ela vai e repetir os movimentos até ficar bom. Daí você pode imitá-lo, ou o Borg, ou o McEnroe ou quem você quiser”.

      “Mas eu quero aprender como ele, afinal, ao imitá-lo, homenageio o Connors!”.

      “Meu filho, dificilmente ele se sentiria homenageado, é mais fácil ele abandonar o tênis ao te ver jogar”.

      Claro, ele estava errado. Connors jogou por mais de uma década ainda.

      Responder
    2. José Nilton Dalcim

      Vi pouco o Laver, Leme, mas seu histórico é tão espetacular que não me deixa muitas dúvidas. Quanto ao favorito, Big Mac era demais. Você sabia que sua base no tênis foi no saibro e só muito depois ele optou pelo saque-voleio? Além de ser showman, era duplista excepcional.

      Responder
      1. Rubens Leme

        Aliás, Big Mac tem mais títulos de duplas do que simples (78×77). Foi espetacular e formou, na minha opinião, a maior dupla junto com Peter Fleming, porque o jogo de duplas antes era bem mais difícil. Claro que os irmãos Bryan limaram todos os títulos e recordes possíveis, mas quem para pra assistir duplas hj, como era antigamente?

        Falando nisso, estes recordes da Martina são inacreditáveis. Pode não ter sido a maior vencedora de Slams, mas foi a maior de todas e olha que pegou várias gerações e sempre colecionou troféus.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          E no caso da Martina, nem estão incluídos aí seus feitos incríveis de duplas ao lado da Pam Shriver. Aliás, ressalte-se que Big Mac ganhou três vezes Wimbledon em simples e duplas na mesma temporada (81, 83 e 84), algo inimaginável nos dias de hoje. E duplas em Wimbledon sempre foram em melhor de cinco sets também.

          Responder
    3. Sérgio Ribeiro

      Graças ao vídeo dá pra todos que não tiveram a oportunidade, perceber que faltou o nobre músico, mandar o MAIOR DE TODOS DE SUA ÉPOCA, se me permite. E quanto ao CARISMA , parece claro ao final do jogo , que fica fácil uma comparação entre o Sueco e o Suíço desta ÉPOCA.Pra mim não significa nada , mas incrivelmente o h2h entre Connors e o Big Mac terminou idêntico ao de Sampras e Agassi ou seja, 20 x 14 para John McEnroe.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Ps. É óbvio que não podemos cravar se a “ Melhor mão que já empunhou uma raquete “ , segundo o Big Mac , estivesse ali no lugar de jimbo enfrentando o Ice Borg com uma de MADEIRA , venceria com sobras.

        Responder
  26. Fernando Pauli

    Federer o eterno GOAT do tênis.
    Além de ainda deter as marcas mais importantes do tênis, números de GS e semanas como número um, esse ser está no circuito há mais de 20 anos. Já são 155 finais com 102 títulos, GS (20-10), F (6-4), M1000 (28-22), JO (0-1), 500 (23-7) e 250 (25-9). Começou a se destacar a partir de 2002 com seu primeiro M 1000 sobre Safin e já em 2003 vence seu primeiro GS em WB e o Final, terminando a temporada como número 2. Em 2004 vence três GS e o Final e passa a ser o número um. Mas o que ele fez a partir de WB 2005 até AO 2010 é algo assombroso. Vamos por partes. De WB 2005 até US 2007 foram 10 finais seguidas de GS com 8 títulos e de RG 2008 até AO 2010, mais 8 finais seguidas com 4 títulos, ou seja, 18 finais de GS com 12 títulos em 19 possíveis. Mais, de WB 2003 até AO 2010 foram disputados 27 GS e ele esteve presente em 22 finais com 16 títulos aos 28 anos e 5 meses. Naquela época e com essa idade alguns tenistas já pensavam em se aposentar, podia muito bem ter parado. Era número um ainda, fechou as temporadas de 2004, 2005, 2006, 2007 e 2009 como número um e de 2003 e 2008 como número 2, já tinha o recorde de GS e de semanas como número um, por que continuar então? Seu único rival até então Nadal tinha 6 GS e Djoko apenas um. Provavelmente sabia que podia ganhar mais, e já via em Nadal um potencial fora do comum já que possuía 6 GS com apenas 23 anos e meio, mas continuou principalmente porque ama esse esporte e sabia que podia continuar jogando em alto nível, pois se cuidou, com um jogo econômico no que diz respeito ao desgaste físico, era adorado em qualquer lugar que jogava e queria também continuar a bater recordes e marcas. Do primeiro título em 04/02/2001 até o AO 2010 (31/01/2010), Federer tinha 62 títulos com 16 GS, 16 M1000 e 4 Final em 9 anos e a partir daí até agora, 9 anos e meio, ganhou mais 40 títulos com 4 GS, 12 M1000 e 2 Final. A idade, seus rivais em crescimento e a padronização das quadras, a partir de 2012, foram os principais motivos da diminuição de seus títulos e principalmente dos títulos de GS jogados em 5 sets, mas até hoje joga em alto nível, sempre chegando pelo menos em quartas, semi ou finais de torneios, arrastando por onde passa multidões encantadas com seu jogo, que ainda é um diferencial no circuito. Certa vez lá em 2012 perguntaram para ele como estratégias de jogos mais defensivas lhe causavam problemas, resposta: “A solução é simples: quadras mais rápidas, o que torna mais difícil defender. Apenas em quadras mais lentas podemos defender como estamos fazendo agora. Pode ser emocionante jogar dessa maneira, mas também é duro. E ninguém quer ver um ponto de 15 belos golpes terminar num erro. Ter pisos mais variados ajudaria a causa.” Que esse ser jogue pelo menos até o final de 2020.

    Responder
  27. O LÓGICO

    É sério que o analfabeto do tênis, o UNIDIMENSIONAL, tem seus jogos, que exalam cheiro nauseabundo de cocô de tiranossauro rex kkkkkkk, elevado à sublime categoria de EXIBIÇÃO? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk E na grama? kkkk 😆✝✝✝✝✝✝✝

    Responder
  28. Sérgio Ribeiro

    Os números de Martina Navratilova ( impressionantes) na Grama , só comprovam o que todos já sabemos. A ridícula padronização somente veio atrapalhar a importante diversidade de estilos. A excepcional jogadora de estilo Saque-Voleio, não pode impedir que sua maior rival ( Chris Evert ) , levasse 3 na verdadeira Grama Sagrada. E muito menos que Chris se tornasse a maior vencedora com 7 Títulos em RG. Dito isto, os números de Roger Federer muito próximos aos seus na Grama Fake atual , só demonstram quem é o verdadeiro Rei da Grama. E está pertinho de passar Jimbo no número de vitórias nesta superfície com muito menos Torneios disputados. Por falar em Connors, este merecia que no Post você passada a Final anterior ( 1977 ) contra o mesmo ICEBORG rs. No Quinto Set o Sueco abriu quatro a um , e Connors indo muito à rede igualou tudo. Ninguém precisa dizer que o homem de gelo pouco se importou e quebrou em seguida , e sacou pra brilhante vitória. Abs!

    Responder
  29. Rafael Brasiliense

    Em uma final entre Federer e Djokovic, eu não coloco minhas fichas em nenhum. Pode acontecer qualquer coisa. Analisando a campanha até a final nas últimas três decisões entre eles (WB 14, WB 15 e USO 15), Djokovic havia somado 8 sets perdidos, contra somente 2 de Federer, que por isso foi cravado como favorito nas três. Mas aí no final das contas o suíço inesperadamente foi embora pra casa com a bandeja em todas. O retrospecto não dá margens para indicação de favoritos, independente das campanhas que os dois fizerem até lá.

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Inesperadamente apenas para os fanáticos que subestimaram o rei do tênis Djokovic.
      Esse seu post acabar de jogar uma pá de cal em todos os mimizentos de idade, incluindo você mesmo. Haha, parabéns.

      Responder
  30. Jonatas Bruno

    Curioso para conferir como será desenhada a chave do lado do Anderson. Pegando como base o momento, e aspecto mental, o sorteio indicando Zverev e Fognini no horizonte, pode colocar meio mundo a cruzar os dedos. Principalmente os que seguem em curva ascendente como o Berretini, Aliassime, além de outros com históricos respeitáveis na grama como o Tsonga, Lopes e Querrey, e por que não o Berdych? É o que penso.

    Responder
  31. Rafael Brasiliense

    Dos 19 recordes sobre a grama listados no texto, Federer é o dono de 15 (79%). O segundo nome que mais aparece é o do Borg, com 5 aparições (26%).

    Responder
  32. Luiz Henrique

    Dalcim, agora estou me lembrando que faz pelo menos 10 anos que acompanho seu blog.
    Na final de Wimbledon 2009, entre Federer x Roddick, eu comentei aqui que nos últimos 6 anos apenas 3 jogadores haviam chegado na final do torneio.
    Federer x Roddick em 04, 05 e 09 e Federer x Nadal em 06, 07 e 08.
    O tempo passa hein…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O jogo contra o Tommy Haas nas quartas de 2007 não foi realizado, portanto não é somado às estatísticas e Federer ficou com 40 vitórias seguidas. Abs!

      Responder
  33. Renato

    Capaz do Federer ter Tsonga ou Lopes nas primeiras rodadas e encarar Kyrgios, Berretini ou Aliassime mais à frente, além de ter Cilic nas oitavas e Tsipas nas quartas.
    Por outro lado, espero que Nadal não tenha sorte danada de enfrentar Delbonis, Tiago Monteiro e etc logo no começo e à partir das oitavas Monfis, Pella, Nishikori e demais bagres no piso verde.

    Responder
    1. Valdir

      Nadal é o rei das chaves fáceis, tipo esse último RG. Sempre pega o menos perigoso nas oitavas e quartas.
      Será que vai ter 2 qualys seguidos de novo nas primeiras rodadas?

      Responder
  34. Otávio Albuquerque

    Dalcim, é um prazer comentar aqui no teu blog pela primeira vez. Queria te fazer um questionamento: Embora o Federer venha mantendo um bom nível de competitividade às vesperas de completar 38 anos, vc acredita q ele ainda possa erguer um troféu de grand slam? Se sim, Wimbledon seria o major mais adequado para ele vencer, uma vez q, apesar de obviamente contemplar tbm um jogo de cinco sets, exige menos do físico? Abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bem vindo, Otávio! Sim, acredito que ele tenha chances reais em Wimbledon. Além de um desgaste possivelmente menor, é também um piso que domina como poucos. Abs!

      Responder
  35. Renato

    Que números fantásticos do suíço Roger Federer no piso mais importante para o esporte. Como eu disse no post anterior, o melhor nas hards e com folgas na grama. Borg vem depois entre os homens.

    Lembrando:

    Títulos grandes:

    Federer: 26
    Pirulito: 20
    Nadal: 18

    Slam mais importantes:

    Federer: 13
    Pirulito: 7
    Nadal: 5

    Responder
    1. Jefe

      É por aí em termos de importância e/ou prestígio, mas não esqueçamos que slams valem os mesmos 2000 pontos.
      Mas é uma análise interessante.

      Responder
  36. Henrique Max

    Dalcim, pra mim ano passado a maior zebra do torneio foi Guido Pella ganhar de virada de 3 x 2 do Cilic …
    Você lembra de outras grandes viradas e zebras em Wimbledon? Abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Só para citar o Federer, ele levou duas viradas incríveis contra Tsonga e Anderson. e sua derrota na 2ª rodada para o Stakhovsky, em 2013, foi totalmente inesperada. No mesmo ano, aliás, Nadal nem passou da estreia, superado por Steve Darcis, tremenda zebra. Ou o George bastl tirando o Pete Sampras em 2002. A grama é um piso muito traiçoeiro e por isso perigosamente imprevisível, Henrique.

      Responder
  37. Atilio

    Tem um erro nos recordes, é o número de finais de Federer em torneios de grama:
    – Finais num mesmo torneio: 13 (Federer, em Wimbledon)
    Acho que deveria ser em Halle, ele tem 11 finais em Wimbledon

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *