Que a grama os conserve
Por José Nilton Dalcim
23 de junho de 2019 às 22:50

O tênis masculino conheceu num mesmo domingo seus dois mais velhos campeões de nível ATP das últimas quatro décadas. Roger Federer, em Halle, e Feliciano López, em Queen’s, se tornaram os jogadores de maior idade a erguer um troféu de primeira linha desde Ken Rosewall, em 1977. O suíço nasceu apenas 42 dias antes do espanhol e ambos assim caminham para os 38 anos dentro de dois meses. O notável: esbanjam vigor físico e aquela essencial vontade de vencer.

Federer reencontrou o caminho da grama depois de sua excursão ao saibro europeu, mostrando que a mudança de calendário não o afetou. Ao contrário, talvez tenha até contribuído para o deixar com pernas mais fortes, algo que ele precisou muito na campanha de Halle, principalmente em duas rodadas exigentes diante de Jo-Wilfried Tsonga e Roberto Bautista.

Fato curioso destacado pela ATP, ele jogou Halle pela primeira vez no ano 2000 e nenhum tenista daquela chave continua em atividade, entre eles Ivan Ljubicic e o treinador de David Goffin, o sueco Thomas Johansson.

Embora sejam universos um tanto diferentes, Federer deixou bem claro que a 10ª conquista em Halle é muito animadora para Wimbledon, onde ele será mesmo o cabeça 2. Se ‘melhor de cinco sets’ podem pesar para a idade, não parece menos verdade que sua experiência em jogos longos sobre a grama serve como diferencial importante diante dos mais jovens.

Se eu fosse apostar hoje, cravaria Roger como o favorito ao título.

O nome da semana
Quando López ganhou convite e entrou na chave de simples de Queen’s, ele não era muito mais do que o parceiro que Andy Murray havia escolhido para tentar sua volta às quadras. Apesar de já ter vencido o torneio em 2017 e feito outra final em 2014, o ranking de 113º e os 37 anos nas costas não davam qualquer credencial ao canhoto espanhol, que ainda sonhava que o All England lhe daria ingresso direto em Wimbledon.

É bem verdade que Feli deu alguma sorte ao não precisar enfrentar Juan Martin Del Potro na segunda rodada, mas todos seus outros quatro jogos foram ao terceiro set, e três deles exigiram virada. Tirou o garotão Marton Fucsovics, o sacador Milos Raonic, a estrela adolescente Felix Auger-Aliassime e por fim o experiente Gilles Simon. A soma deu 9h13 de esforço, e uma parte considerável disso sob grande pressão.

A campanha nas duplas não foi menos exigente, obrigando López a ficar mais 6h02 em ação. O problema maior no entanto esteve no acúmulo dos jogos, já que a chuva do meio de semana o fez entrar duas vezes em quadra na sexta, três no sábado e mais duas no domingo. E querem saber? López jogou muito tênis no finalzinho do match-tiebreak da dupla, mostrando energia e determinação incomuns.

Para mim, López foi o homem de uma semana que teve muita coisa boa. O retorno vitorioso de Murray, com destaque para um primeiro saque muito firme, ótimo tempo de bola nas devoluções e passadas, voleios apurados e muita garra, jogando-se ao chão algumas vezes. Jurou não ter sentido qualquer dor no quadril, o que é ainda mais esperançoso. Ele irá jogar Eastbourne ao lado de Marcelo Melo e Wimbledon com Pierre Herbert (e talvez mistas) e considera a chance de jogar simples num challenger inglês em setembro.

Também foi excepcional ver as campanhas de Felix e do italiano Matteo Berrettini na grama, dois nomes da nova geração que se firmaram no saibro europeu e mostram aquela versatilidade essencial para quem deseja brigar lá em cima do ranking. Está certo que ficaram muito mais no fundo de quadra, mas essa parece a tendência inevitável do tênis atual até mesmo para a grama. Novak Djokovic, Rafael Nadal, Marin Cilic e Kevin Anderson que o digam.

Aliás, a ATP lembra que mais um campeão de 37 anos surgiu neste domingo: o ex-top 10 Tommy Robredo, em challenger sobre o saibro.

Vida longa e próspera a esses notáveis senhores.

Número 1 muda de mãos
A queda técnica e assuntos extra-quadra de Naomi Osaka desde a conquista do Australian Open se somaram à qualidade crescente de Ashleigh Barty e eis que enfim o tênis feminino tem uma nova líder, a 27ª de sua história e apenas a segunda australiana, após Evonne Goolagong, desde que o ranking foi criado, em novembro de 1976.

A rigor, a pequenina Barty saiu do zero ponto ao topo da lista em apenas três temporadas, o que é um feito espetacular. Neste ano, venceu três torneios, um em cada piso, com destaque óbvio a Roland Garros, ainda mais que o saibro nunca foi o favorito. A grama combina muito mais com seu estilo requintado e daí que ela já vira séria candidata a Wimbledon, desde que saiba controlar ansiedade e bajulação, um binômio nada fácil de se administrar quando se tem 23 anos.


Comentários
  1. Marcelo Calmon

    Depois de 2 campanhas muito boas nos qualis, o casal Thiago e Bia deu muito azar no sorteio !!!
    Aliás nem sei se eles ainda formam um casal (momento Caras !). Formam ?
    O Thiago pegou a pior opção para os qualis. Uma vitória na chave principal de GS dá muitos pontos, além de uma boa grana, o que seria bom para ele voltar ao TOP 100.
    Vamos torcer para o Nishikori e Muguruza estarem num péssimo dia.
    As duplas também não vão ter moleza, aliás em GS, moleza é o que não tem.
    Do TOP 4, quem você acha que pegou a chave mais tranquila ? Acho que foi o Djoko mesmo.
    abs

    Responder
  2. Renato

    A derrota de hj fez o espanhol lembrar como a vida é dura na grama. Kkkkkk
    O cotonete também levou a dele, mas tem moral, é o atual campeão de Wimbledon.

    Responder
  3. Rodrigo S. Cruz

    Boa vitória do El Shapo sobre o GOAT “falsifié”.

    tomara que isso aumente sua confiança para Wimbledon.

    E se por “acidente” o sérvio cair antes da final, e o campeão for o Federer, os fakes dirão que foi culpa da entressafra de novo…

    kkkkk

    Responder
  4. Fernando Souza

    Tsonga, Berdych, Dimitrov, Lopez, Querry, Tomic, Kyrgyos, Karlovic…
    Todos com bom histórico na grama, e estarão soltos na chave!
    Apesar de alguns estarem em má fase, eles podem fazer estragos nas primeiras rodadas.
    Esse sorteio promete!

    Responder
  5. Rodrigo S. Cruz

    Ê laiê!

    É por isso que eu amo a América…

    Vejam essa última:

    “Roger é o maior tenista de todos os tempos e ganhou mais títulos que qualquer um em Wimbledon. Se alguém merece isso é ele, mas ao mesmo tempo estão derrubando Nadal para isso”, (Novak Djokovic)

    Hummmm! Doeu…

    Essa deve ter ido bem na boca do estômago do “indigitado” do blog, hein.

    Aquele, que com seus critérios mentirosos e pífios, coloca até o Nadal acima do Federer.

    Aí vem o próprio ídolo dele, e o repõe a ordem na casa!

    Deve dar uma raivinha, né não fake?

    kkkk

    Responder
  6. Cássio

    RANKING DA GRAMA.
    Acho que as críticas sobre este tema estão levando em conta varios pontos importantes, Dalcim. Mas estão ignorando, pelo menos na argumentação, uma questão chave que é a proporção. Não é só uma regra antiga (como estão dizendo) é um pensamento proporcional clássico e pertinente. Pois, usa do peso de ser o Gran Slam que é (Wimbledon) para se fazer valer. Os outros torneios não estão desfavorecidos no quesito proporção, por isso que dizer “Só Wimbledon é assim, não é justo” é justamente desconsiderar o fato de quem exatamente a desproporção desfavorece. Vamos aos números:
    Há 66 torneios no ano.
    37 no DURO (sendo 28 ATP250, 6 nivel ATP1000, 1 Finals e 2 Slam). São 18500 pontos possíveis.
    21 no SAIBRO (sendo 17 ATP250, 3 ATP1000 e 1 Slam). São 9250 pontos possíveis.
    8 na GRAMA (sendo 5 ATP250, 2 en ATP500 e 1 Slam). São 4250 pontos possíveis.

    O que acha, Dalcim? Sería legal uma materia usando estes números não. Aprofundando o debate sobre Wimbledon querer proporcionalidade em seu piso em relação ao circuito.
    Eliminar o RANKING DA GRAMA não seria, justamente, diminuir o peso que tem o tenis na sua diversidade e tradição. Já que Wimbledon não levaria em conta os torneis disputados nesse piso tradicional? Justamente não é uma maneira de “equilibrar o ranking” compensando o peso (quantidade) que JÁ tem os outros pisos hoje?

    Abraço e um prazer total este blog sempre.

    Responder
  7. Luiz Fernando

    Vi a partida do Rafa, q atuou de forma mediocre, demonstrando o risco de enfrentar um sacador precocemente em W. Não teve chances contra Cilic, mais habituado ao piso. O sorteio será fundamental p suas pretensões…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      É aquilo que eu vinha dizendo…

      O Nadal pode ter sérios problemas em Wimbledon, ao se defrontar com um grande sacador.

      Terá de tentar algumas soluções.

      Responder
  8. Sandra

    Dalcim, porque é tão difícil Djokovic dar aces?. Você vê tanta facilidade para os outros tipo Federer, Shapovalov, Félix, que na hora do aperto dão aces e você não vê Djokovic fazendo isso , e sorte do oponente ???

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Você não anda vendo jogos do Djokovic, Sandra. Ele faz muitos aces, sim. Além de muitos saques que, embora não sejam aces (porque foi tocado pelo adversário), não têm resposta.

      Responder
  9. Miguel BsB

    Para o Djokovic passar o recorde de liderança do Federer, ele vai ter que manter o numero 1 por mais ou menos mais 1 ano…
    Lembrando que ele tem muitos, mas muitos pontos pra defender nesse segundo semestre…tarefa complicadíssima!

    Responder
  10. Miguel BsB

    A “entressafra” que o Guga enfrentou em Roland Garros:
    Bruguera: Bi campeão
    Munster: Campeão, o “animal” do saibro
    Kafelnikov: Campeão, bi campeão de Slam, ex numero 1, campeão olímpico
    Ferrero: Campeão e ex numero 1 do mundo.
    Entre outros…(até o Federer caiu pro manezinho)

    Esso é uma safra saibrista da melhor qualidade!

    Espero que o colega abaixo esteja apenas brincando com um comentário desses…

    Responder
  11. Jonatas Bruno

    Por um acaso descobri que o canal de Wimbledon no Youtube está mostrando o qualifying. O jogo inaugural dessa quarta, Brown até então, jogando pelo Ymer, sem o mínimo de paciência, estourando tudo! Carlos Bernardes na cadeira.

    Responder
    1. Jonatas Bruno

      Fica a lição pro Brown: Nem só de rede se faz um pescador, é preciso se valer da isca e das possibilidades sobre a mesa.
      Pro Ymer só bastou aproveitar-se dos buracos.

      Responder
  12. Nando

    Lopez, Tsonga, Opelka (por ser sacador), Kyrgios, Brown (se furar o quali)…nomes perigosos pra se pegar numa 1R ou 2R em WB hein.
    O sorteio sexta será importantíssimo (como tds os outros), vamos ver quem dos Bigs terá sorte nisso aí.

    Responder
  13. Eric

    Esse tipo de comentário que o Nadal fez fica com cara de chororô mesmo.
    Se ele quisesse tanto ser o cabeça numero 2 e sabendo desse critério histórico (deve ter uma equipe que faça as contas pra ele), deveria se inscrever num desses atp 500 ou 250 que antecedem e certamente resolveria o problema.
    Ah, mas ele só joga masters 1000 pra cima… Aí se vê o problema de não haver um masters 1000 ou uma temporada maior nessa superfície.

    Responder
  14. Maior geração do tênis chegando

    Esperando o Djokovic e o Nadal fazer 34 anos e começarem a virar freguês de thiem e kachanov kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk ae vão ver que o Nadal e Djokovic são os reis da entressafra ..enfrentaram Federer velho Murray machucado no auge ..vão ver q idade peza quando virarem freguês do thiem kkkkkkkkkkk 34 anos te esperam kk com os 37. Do Federer será top 30 no máximo

    Responder
    1. uJonas

      Mais um equívoco.

      Federer foi muito freguês de Nadal até 2014, com 10 anos de confronto. O suíço estava com 33 anos.

      Federer venceu 4 seguidas do Nadal em 2017, equilibrando um pouco um H2H que antes era ridículo. Federer completou 36 anos. Nem sempre a idade do cara influencia tanto assim, se Federer está jogando hoje, é porque tem plenas condições físicas e técnicas de vencer um Grand Slam de novo.

      Responder
  15. Wladner

    Dalcim, toda essa crítica sobre a definição dos cabeças de Wimbledon para mim são injustas. Pense comigo: há pouquíssimos torneios jogados na grama o que indiretamente causa impacto no ranking. Detalhando: quantos pontos são jogados no saibro por exemplo? Só de Masters 1000 são 3. Quantos Masters 1000 são jogados na grama? Nenhum! Então a análise correta é outra: Como uma superfície que é pouco representada no ranking tem que ser obrigada a segui-lo? E mais, Wimbledon inventou o Tenis como é jogado hoje sendo o torneio mais antigo do mundo. Então eu acho é justo essa compensação na definição dos cabeças pela pouca representação da grama no ranking da ATP. O que você pensa sobre isso?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sou completamente favorável ao ‘ranking da grama’ e não acharia absurdo se houve um ‘ranking do saibro’ também. Como você bem disse, a grama é um piso muito diferenciado e nada mais correto do que dar favoritismo a quem realmente tem histórico no piso.

      Responder
  16. Luiz Fernando

    Cada GS tem autonomia para determinar como as coisas devem correr, assim, um faz tiebreak no quinto set outro não. A mesma coisa vale para esse casuísmo do ranking da grama, eu não o considero justo e correto mas a organização tem toda a autonomia para agir desta forma. Não nos esqueçamos de q alguns anos atras Guga chiou e se recusou a participar do torneio em razão disso. Assim, Nadal tem todo o direito de externar sua opinião, q não precisa ser a mesma dos organizadores e de alguns blogueiros. Agora se fosse Federer o prejudicado, imagino o teor das postagens de alguns companheiros deste espaço kkk…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      LF,

      Wimbledon já foi muito criticado por esse desrespeito ao ranking do tenista.

      E as críticas são compreensíveis.

      A tua menção ao Guga foi muito pertinente. Eu mesmo me lembro daquela edição.

      Ele, e alguns outros boicotando Wimbledon.

      O que irrita no Nadal é que ele quase sempre leva vantagem em tudo, e mesmo assim reclama.

      Olha esse último RG, por exemplo, o tanto que ele foi favorecido.

      A começar pelo sorteio…

      Responder
      1. André Barcellos

        Nadal já quis aumentar a altura da rede, finals no saibro e outras coisa assim. Parece ser o ‘homem que procura levar vantagem em tudo’, lei de Gerson

        Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Infelizmente o Manezinho da Ilha foi “ maria vai com as outras “ junto aos Espanhóis. A maldita padronização dos Pisos conseguida por um deles na Presidência do Conselho ( Alex Corretja ) , não trouxe vantagem nenhuma ao Brasileiro. Jamais passou de uma Quarta de Final em nenhum SLAM , fora Roland Garros. Em contra partida jogadores mais agressivos ( menos passadores de bolinhas) , foram extremamente prejudicados. Acabou o Saque-Voleio. E o Ranking da Grama continua … Abs!

      Responder
  17. Sandra

    Dalcim, como é feito o sorteio das chaves? Porque o cabeça 2 sempre pega a chave mais fraca? Vide Roland Garros, pelo visto o Federer vai ficar com a mais fácil, será que fizeram de propósito ? Nadal não tem do que reclamar , se em Roland Garros ele tivesse sido número um talvez ele não tivesse ganho

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      De novo com essa história, Sandra? Não tem sentido isso de cabeça 2 pegar chave mais fraca. O sorteio dos jogadores não cabeças é feito por computador, o sorteio dos cabeças é feito manualmente.

      Responder
  18. Nattan Lobatto

    Tens razão, Rodrigo S. Cruz…

    O Renato tem bons argumentos e concordo em grande parte com o que ele expõe no blog. Talvez o meu lado fã (Por Djokovic) tenha se ofendido algumas vezes, normal, muito mais injúrias e ofensas gratuitas. Porém, há de se levar em conta que argumentos existem de ambas as torcidas, assim como adjetivos e ofensas, nesse meio termo, prefiro ficar neutro, no sentido de saber respeitar, apreciar e admirar a qualidade de cada tenista, pois, convenhamos, são extraordinário. A habitualidade passa longe rsrs…

    Quanto ao Marquinhos, realmente, era uma figura icônica no blog que nunca mais deu as caras… Lembro de discussões acirradas dele com o Robsom + o Chatnick.

    No mais, nobre amigo, um forte abraço…

    Responder
    1. Nattan Lobatto

      Cruel digitar no celular, só depois de postado é que dar pra ver os erros rsrs…

      Renato, Paulo Almeida, Rodrigo e outros devem rivisar umas 10 vezes antes de postar. Enfim, o q vale é a compreensão da informação (msg) rsrs.

      Responder
  19. Renato

    Dar voz para Rafael Choramingal é pedir pra ouvir m… Impressionante a capacidade do cara em querer tudo pra benefício próprio. O ranking da grama é feito antes de ele ser profissional. Se Roger não tivesse chegado à final de Halle, duvido que o FALADOR diria alguma coisa.
    Por que ele nunca criticou a organização de Roland Garros, mesmo sendo um torneio de várzea???

    Responder
      1. Evaldo Moreira

        Bom dia, Rodrigo e Renato
        Concordo amplamente, com vocês, como pode um cara como o Nadal, reclamar e ainda por cima, sabendo das regras de Wimbledon?
        A vida inteira, reclamando sem razão na maioria dos assuntos do tênis, não tem alguém da equipe dele para orientar o cara?.
        Como o mestre me respndeu ontem, eles sempre fizeram nesta forma, por isso que são diferentes, ô Nadalzinho meu filho, vai jogar um preparatório antes, tipo Queens, Esatbourne, ou Halle, bom, ai em Halle, acha dificil ele ir, kkkkkkkkkkkkkkkkkkk, mas então, faça cara e não reclame.

        Responder
        1. Evaldo Moreira

          E complementando,
          Novak, acaba de cutucar os organizadores, dizendo estar surpreso, por eles terem tirado Nadal, então, fico a pensar: “Nadal cutucou a organização, e por consequência, soltou uma piada para o Federer, e o sérvio, me parece estar indo junto no remo, kkkkkkkkkkkkkkkk, ora bolas, bambinos, Federer não tem culpa de ter ganho Halle, foi lá e ganhou, com isso somou mais pontos, e Nadal, jogou!!!, não jogou, preferiu pular a temporada de grama e pular direto.
          Djokovic, é o atual campeão, certo!?,
          Dalcim, você já me explicou sobre os sorteios, agora Novak e Nadal alfinetando a orgaização, e o incrível disso tudo, é que, eles sabem que essa regra sempre nesta forma há muitos anos………, se brincar, nem nascido eu era, rsrsrs.

          Responder
    1. Marcio

      Pois eh o Nadal não precisa disso, se queimando a toa. Talvez um ato falho, um erro, quem nunca falou besteira atire a primeira pedra…

      Responder
  20. Miguel BsB

    Os títulos de desse domingo do Federer e do Lopez atestam 2 coisas: Que a medicina esportiva evoluiu demais, especialmente na última década, e que permite que atletas já perto dos seus 40 ainda sejam competitivos e ganhem títulos importantes. O do Lopez é ainda mais incrível, pois ele teve que jogar mais de uma vez no dia e ainda foi campeão de duplas…Alguns vão argumentar que o estilo agressivo de ambos contribui para essa longevidade, é fato, mas no tênis era raríssimo algum jogador ser competitivo dps dos 32 anos.
    Segundo, a grama é o piso que menos desgasta o físico no geral.

    Responder
    1. lEvI sIlvA

      É a mais pura “verdade”, caro Leandro. Nas 3 conquistas de Guga em RG foi por pura sorte e nunca, jamais nosso manezinho derrotou sequer um ganhador do torneio. rsrsrs Abraço!

      Responder
  21. Evaldo Moreira

    Rafael Nadal,
    “A única coisa que não gosto é Wimbledon ser o único que faça algo assim. Não acho correto que um jogador que tenha conseguido bons resultados o ano inteiro em outras superfícies seja desprestigiado em detrimento de outros”, finalizou Nadal.”
    Mestre Dalcim,
    Até que ponto, Mr. Nadal está correto!?. Em detrimento de quem?. Ao meu ver, Wimbledon sempre fez isso, pelo que acompanho, antes era diferente mestre?.
    Se não, então o espanhol não tem do que reclamar, e ele mesmo se contradiz que: não importa se 2 ou 3, vou dar o melhor e vencer os meus rivais, como assim, se número 2, vai assim mesmo, á galope, se é 3, no mesmo ritmo, então, acho essa declaração um tanto inoportuna no momento.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Wimbledon sempre fez assim. Em 2002, diante de muita reclamação dos espanhóis, adotou-se o ranking da grama oficialmente, com o critério de Wimbledon adotar os 32 cabeças pelo ranking, mas com direito a alterar a ordem conforme o desempenho na grama.

      Responder
  22. Ronildo

    Tsonga 70 do ranking, Feliciano Lopes 53.

    Hummm. Esse caras podem pegar o Federer, Nadal e Djokovic já na primeira rodada! E aí? Oque será?

    O Nadal que sempre tem a sorte de pegar espanhóis nas chaves dos slans poderia ficar com está sorte em Wimbledom.

    Seria bem justo.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Seguindo a tradição, me parece que jogará na terça. Como campeão, Djokovic abrirá o torneio na segunda-feira. Federer ficará do lado oposto da chave e portanto deve jogar no dia seguinte.

      Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Não, antes era apenas uma avaliação do Comitê de forma mais informal, mas sempre considerando o histórico recente da grama dos tenistas.

          Responder
    1. HeitorD

      Com toda essa “superioridade” sobre o sérvio tenho certeza de que Novak ficaria muitíssimo preocupado com essa volta! Basta ver o histórico de confronto entre os dois! A “superioridade” do escocês é acachapante!! Kkk

      Responder
    2. Eduardo

      Que comentário mais ridículo … Novak cansou de passar o trator no Murray, inúmeras vezes, sem dó nem piedade. Por favor, arrume outros meios de diminuir o Djokovic, meios que não denotem tratar-se, tão claramente, da mais pura birra e dor de cotovelo por ter tirado tantos títulos do Federer

      Responder
    3. Paulo F.

      Aí, quando é para falar da única conquista de Novak Djokovic em Roland Garros, os federistas tentam diminuir dizendo que foi contra um “freguês” do sérvio…
      Haja contradições!

      Responder
  23. Rafael Brasiliense

    Os critérios na análise do GOAT são subjetivos, mas as conquistas sempre figuram entre os mais importantes em qualquer comparação. Nesse sentido, adotando esse critério como parâmetro, Federer é o maior da história. Djokovic, no entanto, ameaça alguns dos recordes do suíço. O número de semanas na liderança se apresenta como o mais vulnerável deles, já que o sérvio está a somente 54 de superar a marca do tenista da Basileia. Se manter a liderança até meados de julho do ano que vem, Novak chega lá.

    O recorde de Majors está mais distante, mas não inalcançável. Djokovic precisa vencer mais 5 para alcançar a estante com 20 troféus de Roger, que ainda pode ser ampliada. Imagino que Djokovic terá algo como entre 20 e 25 Grand Slam’s pra disputar. Vencer ao menos 1/4 deles me parece ser uma possibilidade no mínimo razoável. Mas a verdade é que aqui existe uma verdadeira incógnita cuja resposta virá apenas acompanhada do futuro. O jeito é esperar.

    Por outro lado, vale salientar que, mesmo que Nole quebre as duas marcas, sempre haverá quem considere Federer o maior de todos. Consequência do fato de que os recordes seriam quebrados por uma pequena margem – ou ficariam praticamente empatados -, fator que acarretaria, para alguns, na entrada de outros critérios na análise, como a popularidade ou o estilo de jogo único e completo de Roger, que envolve uma inigualável capacidade de praticar estilos oposto, desde um sólido jogo de base a uma bela capacidade de sacar e volear.

    Mas esses já são critérios cuja importância é relativa. Por isso, caso Djokovic alcance as principais marcas, a discussão sobre quem é o maior deixaria de ser uma unanimidade. Por enquanto, somente nos resta reconhecer que, para coisas futuras, é o próprio futuro quem detém o monopólio do saber.

    Responder
    1. Leandro

      Acho que Federer será sempre considerado o melhor, agora o maior vira da análise das conquistas de cada um, o que ainda pertence ao suíço.

      Responder
    2. Paulo Almeida

      Andou quietinho desde a surra em Rolanga, hein? Inclusive fugiu do meu último post naquele tópico.

      Atendo-se ao seu comentário, as conquistas também são relativas: a maioria dos títulos do suíço estão concentrados num período recheado de bagres ou foram vencidos quando os principais rivais estavam lesionados, como em 2009 e em 2017/2018. Portanto, é preciso avaliar torneio por torneio para determinar o maior vencedor de títulos com maior grau de dificuldade. E os números são frios: apontam Novak e Nadal à frente do suíço.

      Assim como você acha que, mesmo que Nole seja o maior vencedor de Majors, Federer ainda será chamado de GOAT por alguns, eu acho que o sérvio e o espanhol já são jogadores superiores, sendo o primeiro o maior de todos. Percebe o outro lado da moeda ou só consegue enxergar o que quer?

      Por curiosidade: você por acaso é fake do Otávio Albuquerque? Ah, e o correto é “mantiver” e não “manter”. Favor não cometer mais esse erro.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Então você já pode ir tirando o “cavalinho da chuva”…

        Porque esses critérios desprezíveis que você trás, não encontram guarida na comunidade tenística.

        Nunca li nem ouvi em parte alguma, qualquer tenista desdenhar de um só título que fosse do Federer…

        Nunca.

        Não é coisa de gente séria.

        Apenas de HOOLIGANS de torcidinha frustrada…

        Só concordo que se o Djokovic ultrapassar os números do suíço, a coisa vai ficar mais dividida.

        Alguns, poderão rever sua posição inicial, e passar a alçar o sérvio a condição superior.

        E vejo o suíço com leve vantagem ainda.

        Porque acho que tem bem mais pessoas que preferem o jogo dele, ao jogo do sérvio.

        Fato…

        Responder
      2. Rafael Brasiliense

        Engano seu. Eu nunca sumi. A esperada derrota do Federer para Nadal não mudou absolutamente nada na minha vida. A propósito, admiro Rafa e Djokovic da mesma forma que admiro Roger. Eu gosto é de tênis.

        Você pode achar o que quiser. Muita gente acha muita coisa. Mesmo que ninguém concorde.

        Meu erro ortográfico é somente um dentre tantos que cometo. Nem todos são perfeitos como você, senhor Paulo. E cuidado com sua arrogância. Mais cedo ou mais tarde a vida pode te dar uma rasteira.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          E ainda teve a “pachorra” de te perguntar se você era um fake.

          Coitado.

          Sempre tentando rebaixar os demais à condição que lhe é PRÓPRIA…

          (rs)

          Responder
  24. Renato

    Admiro a persistência do Sr Paulo Almeida, que continua com suas bizarrices mesmo levando p de todo mundo nas argumentações. Kkkkkkk
    Não tem argumentos minimamentes convincentes pra chamar Novak de GOAT, então acaba sofrendo com deboches diariamente.
    As pessoas estão vacinadas contra aquela antiga tática nazista: ” Uma mentira repetida diversas vezes acaba se tornando uma verdade.”
    Então não canse seus dedos à toa.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      O ideal seria ninguém mais responder a esse cara.

      E deixá-lo falando sozinho.

      Se bem que até o Natan já passou a apoiar as asnices dele, né…

      O mesmo Nattan que vivia reclamando do que você escreve, e do falecido Marquinhos.

      Vai entender, né…

      (rs)

      Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Vixe!

            Já foi refutado, excomungado, execrado.

            Vomitado, porque dá ânsia. Enfim…

            Aqui, no mar, no céu, na terra, até no INFERNO.

            kkkkkk

            Basicamente todo lugar.

            Abs.

        1. Rodrigo S. Cruz

          Você até que está sendo bem generoso, Chileno…

          Só de considerar o que esse cara escreve como “opinião”.

          kkkkkkk

          Me lembra um filme que vi, e que tinha um sargento casca-grossa treinando uns recrutas…

          Em certo ponto o sargento vira e diz:

          ” Vocês agora formam um time. Não os chamo mais de cagões. Vocês foram promovidos a vermes”.

          kkkkkkk

          Responder
  25. José Eduardo Pessanha

    Dalcim,

    Acho que o sorteio definirá 80% do campeonato. Imagine Federer escapando do Nadal na semi, do Tsitsipas nas quartas e de azarões como Aliassime, Coric, Kyrgios, Tsonga, Berrettini e Agut ?….só a título de exemplo… Acredito que quem, dentre Federer, Nadal e Djokovic, conseguir escapar desses caras em sua chave terá grandes chances de ser campeão.
    Abs

    Responder
  26. CUTRIM BOLIVIANO ENRUSTIDO

    O melhor Slam sem dúvida é o Australian Open, todo mundo chega inteiro, organizado, País lindo. E lá Nole é Rei.

    Responder
  27. Daniel

    Boa noite, Dalcim! Excelente post, Federer e Lopez realmente fizeram algo enorme nesse fim de semana, merecem todo o reconhecimento!!! Por curiosidade, qual jogo foi realizado primeiro nas finais de Queens, o de simples ou o de duplas com o Murray??? Falando no Murray, por que ele não jogará Wimbledon com o irmão??? Abraços!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O tenista nunca pode jogar duplas antes de simples, Daniel. Então, quando um mesmo tenista está nas duas competições, sempre jogará simples primeiro se tiver de jogar no mesmo dia. Andy diz que pensou no irmão, mas como não poderia dar certeza de que iria realmente estar em condições de jogar, preferiu não arriscar as boas chances de Jamie para lutar pelo título. Mas acho que agora Jamie deve estar arrependido… rsrs… Abs!

      Responder
  28. Paulo F.

    Numa coisa eu concordo com o poço de arrogância deste blog: o absurdo de não existir um M1000 na grama – o piso original deste louvável desporto.

    Responder
  29. Marcos Pontes

    Dalcim, você lembra nas quartas de Cincinatti de 2015, quando Federer disse que ele e Lopez ainda teriam alguns anos???
    Pois bem, ele acertou.
    Dalcim, analisando o circuito, o jeito que os torneios na grama são desvalorizados num causa uma falsa impressão em relação a alguns tenistas?
    Analisando um Almagro mesmo, que só fez final no saibro em toda a carreira, se o número de torneios na grama fosse igual aos do saibro e tivesse grama por uma boa parte do calendário, com ctz Lopez teria sido top 10 e teria ao menos o mesmo número de títulos de Almagro, porém do jeito que o negócio é organizado acaba prejudicando muito os jogadores de grama.

    Responder
  30. Paulo Almeida

    Qual tenista foi melhor no período 2008-2016?

    Federer – 5 Grand Slams, 0 Olimpíadas, 10 Masters 1000, 2 ATP Finals, 1 temporada terminada como número 1;
    Murray – 3 Grand Slams, 2 Olimpíadas, 14 Masters 1000, 1 ATP Finals, 1 temporada terminada como número 1.

    Acho que o suíço ganha bem apertado na disputa pelo terceiro melhor no período pós-entressafra, mas respeito quem acha que o britânico foi melhor.

    Responder
    1. André Barcellos

      Kkkk
      Agora pinça o período que quer. Tá cada vez mais hilário.
      Que tal não incluir 2016?
      Que tal só 2017?
      Ou começou outra entressafra em 2017?

      Responder
      1. Nando

        André, esse fake é patético…é a laranja podre q se instalou no blog (infelizmente). Só deverá desaparecer qnd djokovic se aposentar ou entrar na descendente.

        Responder
      2. Paulo Almeida

        2017 foi ano de lesão do sérvio e do britânico, assim como 2009 ano de lesão do espanhol. Aí a hiena, bem definida pelo sábio Leo Gavio, foi lá e abocanhou as deixas.

        Ainda assim, anos superiores à pífia entressafra recheada de bagres de 2003 a 2007. Isso eu reconheço.

        Responder
          1. Paulo Almeida

            Federer fez semi do AO (onde tomou uma surra do GOAT) antes de machucar o joelho em casa e depois jogou temporada de saibro e grama. Nadal fez semi em Indian Wells, ganhou MC, fez semi no Rio e ainda foi campeão de duplas. Fora que voltaram voando em 2017.

            Enfim, foram lesões menos graves do que a de Djoko e Murray.

          2. Chileno

            Ah… entendi. Então a gravidade da lesão importa. Até que ponto o cara tem que estar lesionado pra valer?

            Obviamente é você que decide que lesão é válida ou não, certo? Você certamente tem diploma de medicina, especialização em ortopedia, os históricos médicos e exames físicos do Federer, Djokovic e Nadal à mão para isso.

            Por isso você tem embasamento pra afirmar que coincidentemente sempre as lesões do Djokovic são mais graves, e portanto válidas para desmerecimento do que os outros conquistam enquanto ele está por baixo, e as lesões do Federer e do Nadal não o são.

          3. Paulo Almeida

            Tenho um diploma tão pesado quanto os melhores Slams do GOAT Djokovic mesmo, Chileno, embora isso não venha ao caso.

            Bom, você e o André podem tirar o ano de 2016 da conta se quiserem, mas Federer continuará bem atrás de Djokovic e Nadal do mesmo jeito.

      3. Rafael Brasiliense

        É que na cabeça dele apenas os títulos conquistados enquanto Djokovic está em grande fase são válidos. Nole até jogou os Majors vencidos por Roger em 2017 e 2018, mas como não estava em grande fase, os títulos foram anulados. Pobre Federer.

        Responder
        1. Chileno

          Obviamente não vale. O fiel máximo da balança, senhor do esporte, do tênis e da Via Láctea Djokovic não estava na plenitude da forma técnica e física.

          Responder
    2. Nattan Lobatto

      Murray, com certeza, Paulo Almeida. Pós entressafra (se é que existiu) fica (Até hj):

      1. Nole
      2. Nadal
      3. Federer
      4. Murray

      Até 2016:

      1. Novak
      2. Nadal
      3. Murray
      4. Federer

      Vale lembrar q Nole só deu um Plus na carreira após descobrir a dieta contra o glúten, q certamente o limitavam fisicamente. Depois disso a conversa foi outra e ele conseguiu subjugar todos os seus maiores rivais.

      Abs

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Bastou achar um fake da turminha, pro Ex – Engenheiro Lobatto vir passar recibo aqui também. Na boa , se continuar assim o rapaz ganha fácil do outro kkkkkkkk Abs!

        Responder
        1. Nattan Lobatto

          Isso mesmo, Sergio. Usava o nick de Engenheiro Lobato, bem lembrado. Bom saber que nada passa batido aos olhares altivos da galera do blog rsrsrs

          Um abraço meu amigo.

          Responder
      2. Paulo Almeida

        Respeito sua opinião, mas realmente falei sério quando disse que achava o suíço melhor. Pra mim 2 GS + 1 Finals é maior que 2 Olimpíadas + 4 Masters, mas por pouco.

        Você tem razão. Se Novak tivesse descoberto sua intolerância ao glúten mais cedo, já poderia ter iniciado seu domínio em 2008 e não em 2011.

        Responder
        1. Nattan Lobatto

          Obg, Paulo Almeida. Mas minha linha de raciocínio é essa mesmo. Se formos avaliar esse recorte temporal ficaria com Murray a frente de Federer.

          Outra coisa, é nítido o plus q Novak deu de 2011 p cá. Tudo depois de descobrir sua intolerância ao glúten e, claro, a uma preparação física e técnica, ao meu ver, jamais vista neste esporte.

          O q me leva a torcer pelo Sérvio e sua ganância em se aperfeiçoar. Um cara que ñ reclamou da sorte de ter nascido e jogar tênis em uma época formada por outras duas lendas, Roger e Rafa. O q ele fez!? Se aperfeiçoou e conseguiu com primor descambar seus principais rivais.

          Digo mais, Paulo, o crescimento monstruoso de sua torcida se deu muito por isso, pois muitos se identificam com a história de vida e a forma como ele lida com os problemas. Ñ nasceu p ser lamber botas e sim para comer fígados.

          Abs meu amigo.

          Responder
    3. Rodrigo S. Cruz

      Perfeito!

      E acabo de bolar um critério ainda mais genial:

      Respeito MUUUUUITO quem acha o Bellucci melhor do que o Djoko.

      Afinal, pelo menos 6/0, o nosso Thomaz nunca tomou daquele farsante…

      rs rs

      Responder
    1. Jonas

      Rapaz que coragem você tem. Aguarde os haters do Djoko virem aqui afirmar que o suíço perdeu por causa da avançada idade de 33 anos…

      Responder
  31. Nattan Lobatto

    Boa tarde, srs!!!

    Vitória memorável do Suíço, não só pelo título como pela aproximação dos 109 de Connors (que disputou em uma época bem menos competitiva), assustador. Agora, só terá 3 pedras no caminho: Nadal, Novak e o tempo (nova geração tb), mas creio que conseguirá e, até mesmo, ultrapassar…

    Wimbledon promete fortes emoções, como sempre, estarei torcendo para um dos tenistas mais completos da história ND e pelo 16º caneco em sua prateleira e, assim, incendiar mais ainda a corrida pelo GOT, as variáveis são muitas mas o desejo existe, e tudo começa com a cogitação.

    Uma caminhada de mil passos se inicia com o primeiro. O Sérvio já percorreu 90%…

    Abs e uma excelente semana p/ geral…

    Responder
  32. Fernando Brack

    López x Simon foi uma final totalmente inusitada para um torneio na grama em 2019.
    Os jovens talentos, que já há tempos não conseguem furar a barreira imposta pelo Big3, não aproveitam a chance quando ela se oferece.

    Responder
  33. José

    Acho que dificilmente não teremos o Big3 ganhando Wimbledon deste ano. Mesmo os grandes tenistas (Zverev e Thiem que estão jogando muito bem) não são especialistas de grama, são mais de quadras lentas. Além disso, aqueles que já muito incomodaram em Wimbledon como Raonic, Anderson, Cilic, Tsonga e Murray(2 vezes campeão), não estão em grande fase.

    Acredito que o Nadal tem uma das maiores chances de vencer Wimbledon depois de muito tempo! Se eu fosse ele, trabalhava muuito neste torneio e teria uma esperança grande. Mas claramente Federer e Djokovic são favoritos em relação ao espanhol.

    Mas, olhos abertos para onde vão os enormes Tsisitpas, Kyrgios, Cilic (acredito nele) e Aliassime. Eu, como grande fã de Nole, vou torcer para eles ficarem bem longe no sorteio! hahaha

    Responder
  34. Renato

    Halle tem estrutura, quadra central com teto retrátil, enquanto os challengers de Roma, Monte Carlo e Roland Garros não tem. Kkkkk

    Considero maior vencer 10 torneios na grama como Halle, do que ganhar dez vezes em Monte Carlo ou Barcelona, por exemplo, pelo fato dos torneios no piso verde serem poucos e o piso mais difícil do esporte. Vou dizer a mesma coisa de Roger vencer 10 em Cincinnatti.

    Responder
  35. Maior geração do tênis chegando

    Federer beirando os 38 mês que vem faz 38 e continua genial ..estou ansioso pó Nadal e djokovic fazer 35 anos e perderem pá Borna coric memedv imagina pá tsitsipas zverev e alassime então kkkkkkkk vão ser humilhados …….não adianta gênio é só Federer mesmo ..sorte que apareceu o novo Federer alassime auger o nome dele ..o tênis vive

    Responder
    1. Leandro

      Sorte que a next gen parece ter um jogo bacana, envolvente e não só aquele marasmo de passar bola até q um não aguente mais correr e assim surgir um ponto.
      A geração do djoco e três anteriores são umas feridas de dar dó. Por isso o tênis foi para o sportv 3, provavelmente esse o motivo.

      Responder
    2. Chileno

      Por isso eu digo… é muito fácil alguém que torce para o Djokovic vir dizer que idade não pesa e que aos 33 ou 34 anos o cara deveria estar no pleno esplendor da forma física. O sérvio nem chegou lá ainda, e todos os principais adversários dele até hoje foram mais velhos que ele.

      As gerações que o sucederam infelizmente não vingaram, seja por irregularidade técnica e/ou problemas físicos. Goffin, Dimitrov, Nishikori e Raonic não conseguem passar de coadjuvantes. De vez em quando fazem algum bom torneio, vez ou outra até derrubam um Big 3, mas simplesmente não tem regularidade. Fazem um bom torneio, depois passam meses perdendo em rodadas iniciais de outros torneios.

      Agora parece que talvez, numa dessas, quem sabe, a geração mais nova comece realmente a firmar presença. Thiem aparentemente já não respeita tanto o Big 3. Já venceu os 3 e em Grand Slam. Parece questão de tempo até ele finalmente levantar um caneco de GS. Ele deve estar se aproximando do seu auge nos próximos 2 anos. Zverev, Khachanov, Aliassime, Tsitsipas e, em menor escala o Shapovalov, começam a aparentar potencial para brigar regularmente pelos grandes títulos e primeiras posições do ranking.

      Responder
  36. Renato

    Nadal chegou a disputar o torneio de Halle no passado, mas após duas derrotas vexatorias pra Brown e Plillip K, desistiu de disputar. Nunca chegou a final pra enfrentar Federer.

    Responder
  37. Renato

    “Títulos grandes ” são slam e finals, que Roger lidera a contagem com 26 títulos, contra 20 do “pusher sérvio ” e 18 do baloeiro.
    Mas na contagem dos slam maiores e mais importantes(Wimbledon e u.s open), Federer tem ampla vantagem totalizando 13 títulos contra 7 de Novak e 5 do bugre careca.

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Chora lá na ATP: cry@atp.com.

      Lembrando que o Finals não passa de um Masters um pouco mais incrementado, com peso 1,5. Fazendo-se a conversão, os Big Titles nível ATP ficam assim:

      DjokoGOAT – 33 + 7,5 = 40,5;
      Jaguatirica da Montanha – 28 + 9 = 37;
      Capivara – 34 + 0 = 34.

      Portanto, com ou sem entressafra, o sérvio é o rei da ATP.

      Responder
      1. André Barcellos

        Rei da ATP?
        Mas os Slmas quem organiza não é a ATP!
        Nem chorando na ATP alguma coisa mudaria.

        Daí, se vc não entendeu ainda, a ATP talvez inventar essa de big titles na página deles (e só lá).
        Os Slams pertencem à ITF, juntamente com a copa Davis

        E essa sua conta tá errada.

        Responder
        1. Paulo Almeida

          De novo com dificuldades de interpretação? Tá difícil, hein, cidadão?

          Não há nenhum erro no meu post. Tente ler de novo, com calma.

          Responder
  38. rafael

    Mestre Dalcim,

    Lendo as entrevistas do Federer apos a comquista de Halle, ele afirma que no final das contas acha que jogou bem tecnicamente. Os comentarios de quem assistiu o jogo é que ele nao jogou bem. O 1o servico esteve bem abaixo, nao consegue ganhar as trocas de bolas de fundo de quadra e back hand erratico de sempre. OU seja, adversario esperto é aquele que tem paciencia, vai ganhar o ponto de graça.
    Aí eu ti pergunto, será que ele tem noção disso tudo? Sera que os seus tecnicos tem coragem de dizer que ele ganhou, mas ganhou jogando mal e precisa melhorar ??
    Tenho minhas duvidas…..

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Rafael, achei o backhand dele bem sólido a semana toda. Jogou muito menos com slice, o que até seria natural sobre a grama, batendo o tempo todo. Agrediu também devoluções. Acho que ele testou coisas diferentes. Realmente, o saque deixou a desejar em alguns momentos, mas não foi o tempo todo.

      Responder
  39. Jônatas

    Olá mestre José Nilton Dalcin! Tudo bem?

    2 percepções:

    1) Vão chamar o piso original de coisa de gente idosa
    2) É TRISTE ver jogadores de base terem sucesso na grama sinceramente. Grama é para jogadores agressivos que não tem receio de voleios. Podem jogar muito bem de fundo mas ao menos que subam à rede com mais freqüência. Aprimorem o voleio PELAMORDEDEUS. Chega de jogador que só sabe jogar de um jeito, bate de fundo e só corre.

    Abs e espero retorno sobre o embate deste final-de-semana!

    Responder
  40. Renato

    Federer é o maior nas hards com certa folga e vai nadando de braçadas como o maior e melhor na grama. Aliás, se somarmos os títulos que Nadal e Novak tem na grama, creio que não dá nem o que Federer tem em Halle. Kkkkkk

    Rumo aos 109 títulos! O próximo é em Wimbledon!

    Responder
  41. Márcio

    Cravar Federer como favorito em Wimbledon é algo que mexe com a torcida e suas expectativas, seria muito bom ver o goat ganhar novamente o maior de todos os torneios.
    Mas prefiro apreciar cada jogo, sabendo que não poderemos curtir o seu estilo único nesse esporte para sempre.
    Como ele mesmo já disse noutra ocasião, entrar como favorito em tantos torneios com essa idade é bastante estranho.

    Responder
  42. Luiz Fernando

    Muito se fala q Federer visa superar os 109 títulos de Connors, seria algo assim ou assado, o q eu discordo. Pq? Pq não há como comparar os títulos de um e do outro, por uma simples razão: a qualidade dos 102 títulos de Federer supera por larga margem a casuística do americano. É algo semelhante a história de q Vilas em algum momento tinha mais títulos no saibro do q Rafa, mas mesmo nessa época a qualidade dos títulos do espanhol já era incomparavelmente superior…

    Responder
      1. Rafael Brasiliense

        Natural que ele tenha dito. Nenhum (ou muito poucos) atletas assumem que almejam quebrar determinado recorde, já que podem não conseguir. Mas com certeza ele tem essa vontade.

        Responder
  43. Kennys

    CABEÇAS-DE-SÉRIE MASCULINOS

    1. Novak Djokovic
    2. Roger Federer
    3. Rafael Nadal
    4. Kevin Anderson
    5. Dominic Thiem
    6. Alexander Zverev
    7. Stefanos Tsitsipas
    8. Kei Nishikori
    9. John Isner
    10. Karen Khachanv
    11. Daniil Medvedev
    12. Fabio Fognini
    13. Marin Cilic
    14. Borna Coric
    15. Milos Raonic
    16. Gael Monfils
    17. Matteo Berrettini
    18. Nikoloz Basilashvili
    19. Felix Auger Aliassime
    20. Gilles Simon
    21. David Goffin
    22. Stan Wawrinka
    23. Roberto Bautista Agut
    24. Diego Schwartzman
    25. Alex De Minaur
    26. Guido Pella
    27. Lucas Pouille
    28. Benoit Paire
    29. Denis Shapovalov
    30. Kyle Edmund
    31. Laslo Djere
    32. Dusan Lajovic

    CABEÇAS-DE-SÉRIE FEMININAS

    1. Ashleigh Barty
    2. Naomi Osaka
    3. Karolina Pliskova
    4. Kiki Bertens
    5. Angelique Kerber
    6. Petra Kvitova
    7. Simona Halep
    8. Elina Svitolina
    9. Sloane Stephens
    10. Aryna Sabalenka
    11. Serena Williams
    12. Anastasija Sevastova
    13. Belinda Bencic
    14. Caroline Wozniacki
    15. Qiang Wang
    16. Marketa Vondrousova
    17. Madison Keys
    18. Julia Goerges
    19. Johanna Konta
    20. Anett Kontaveit
    21. Elise Mertens
    22. Donna Vekic
    23. Caroline Garcia
    24. Petra Martic
    25. Bianca Andreescu*
    26. Amanda Anisimova
    27. Garbiñe Muguruza
    28. Sofia Kenin
    29. Su-Wei Hsieh
    30. Daria Kasatkina
    31. Carla Suárez Navarro
    32. Maria Sakkari

    Responder
  44. Daniel Linhares

    Fala, Dalcim. O Mischa é o atual campeão de Eastborn, mas acho que não entrou pelo ranking. Não merecia um convite, o atual campeão?

    Responder
  45. Maurício Luís *

    Sem desmerecer o número 1 da Ashleigh Barty, mas nota-se que houve uma conjunção de fatores e coincidências para que isto acontecesse. Osaka caiu de produção após o Australian Open, não sei se por causa de problemas com o ex-técnico. Angelique Kerber, Simona Halep e Caroline Wozniaki também não estão lá essas coisas. A Elina Svitolina ganhou o Finals e ficou nisso. Serena reduziu bastante o calendário. Sharapova contundida, e já passou dos 30. Victoria Azarenka ainda tentando recuperar terreno, mas também não tá fazendo nenhum milagre.
    Seja tenista homem ou mulher, para ser Top 5, não basta ser esforçado(a). Tem que ter muito talento e uma boa dose de sorte, também. Se dependesse só de esforço, bastaria ver quem treinou mais e com maior dedicação, e seria assim número 1.

    Responder
    1. periferia

      Esqueceu de dizer que a Mônica Seles foi esfaqueada…..a Graffi casou…..Davenport está acima do peso…..Higgis está deprimida…..e Navratilova não quer jogar mais…..aqui no Brasil temos a mania de não reconhecer a capacidade das pessoas…..Barty merece está em primeiro..se as outras não chegaram….nao é problema dela.

      Responder
    2. Jonatas Bruno

      Penso que se o(a) tenista de ponta se propõe a atuar, certamente é porque sente que está em,plenas condições físicas e técnicas para concorrer ao títulos. O circuito vai se remodelando aos novos tempos e isso já ocorre no masculino, ainda que em escala menor.
      No caso da Barty, é nítido perceber que tem jogo para incomodar qualquer uma, assim como demonstra administrar a questão emocional, o que também se torna elemento-chave para definir os rumos de um jogo.

      Responder
      1. Jonatas Bruno

        Complementando, já que não foi colocado em xeque o componente técnico, sumariamente as questões das concorrentes de renome. Ainda assim, havendo o comparecer já dá margens para considerar a aptidão em competir,independente de não viver o melhor momento, aliás, faz parte no contexto de todo tenista, ao longo da carreira.
        Vale a suas tese sobre a Serena, agora, se ela não estava presente em certos torneios, é porque sabia que não estava em condições de vencer. E só vence quem estiver melhor preparado.
        Em suma, a Barry chegou ao topo não por influências externar, e sim porque soube acumular melhor,e assim o fez com propriedade.

        Responder
  46. Jader

    Dalcim, a contusão do Del Potro, pra mim, anulou tudo de bom que aconteceu essa semana. O cara chegou a falar em fim de carreira, imagina a decepção do hermano?
    Abraços

    Responder
    1. Fernando Brack

      Triste mesmo, mas não anulou o fato positivo de Murray ter voltado bem e, segundo ele, não ter sentido nenhuma dor.
      Eu gostaria muito de ver o escocês recuperar seu melhor nível.

      Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Olha,

          Essa, eu juro que não entendi.

          Justamente você chamar alguém de “imbecil”, por uma coisa que você faz toda hora?

          De cada 10 postagens tuas, ONZE são tentando diminuir o Federer, usando o Nadal…

          Responder
  47. rafael

    Parabéns aos vencedores na grama, mas fiquei mais feliz com o Lopez! Campeão duplamente e em um torneio mais forte que o do Federer. Sinceramente mestre, não vejo o Federer ganhando Wimbledon,. Acho que ele fará mais uma ótima campanha, mas acho difícil ele vencer 07 jogos em melhor de 05! Enfim, a ver. Na minha opinião, Djoko partirá para o 16º Slam e 5º na grama! Abraço

    Responder
  48. Kennys

    Dalcim, sobre o Roger, ele fez uma bela semana, mas ainda tem muita coisa pra melhorar para Wimbledon como o primeiro serviço, calibrar mais o BH e o ser um pouco mai firme na base. Claro que se ele passar da primeira semana de Wimbledon os golpes tendem a ficarem mais precisos, espero que ele consiga melhorar o percentual de acertos do primeiro serviço, o que lhe daria mais confiança de ir mais a rede e fazer um jogo mais agressivo, assim ele dependeria menos do jogo de base, que lhe vem acarretando algum sofrimento. Acredito que o Federer entra como um dos favoritos ao título, mas não com o favoritismo que entrou em 2018, apesar de ter mais ritmo esse ano.
    Elencando os meus favoritos para Wimbledon, alguns não para o título e sim para um grande torneio:
    1. Roger Federer
    2. Djokovic (o grande favorito, mas na grama sou mais Federer)
    3. Nadal
    4. Thiem
    5. Kevin Anderson
    6. Tsitsipas
    7. Raonic
    8. Wawrinka
    9. Nishikori
    10. Alliassime
    11. Isner

    O que acha dessa lista Dalcim

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Há alguns pontos a se pensar: Wawrinka nunca jogou bem na grama, Isner não joga desde Miami. Incógnitas também para Anderson e Raonic, que não voltaram tão firmes. Thiem teria de mudar um pouco seu jeito de jogar, será um teste interessante.

      Responder
      1. Kennys

        Certamente Dalcim. É improvável que o Stan, Isner, Raonic e o Anderson vençam o torneio mas em melhor de 5 sets acredito que eles passem da primeira semana.O Isner deve ter maiores problemas devido a falta de ritmo, talvez não chegue a segunda semana. Esqueci do Zverev que não podemos deixar de fora, apesar dos dias que tem vivido. Talvez o Berretine dê um pouco de trabalho e tire um dos favoritos, não se pode deixar o Tsongo tbm, jogou muito contra o Federer.

        Responder
      2. Jônatas

        Confio mais no Dustin Brown que vários da lista. Lembrando que o Feliciano López vai jogar WB também.

        Os 2 principais favoritos são Federer e Djokovic. Ponto.

        Fiquei pensando, pensando e pensando, poderia colocar quem corre por fora mas sinceramente NÃO TEM. No máximo o Nadal mas eu o acho vulnerável (ou ganhável) se pegar um Tsitsipas, Alliassime, Kyrgios, Dustin Brown, Feliciano López, Agut etc. Não é 100% de certeza que passa, ou melhor colocaria 50% ainda mais sem nenhuma adaptação ao piso.

        O Kevin Anderson do ano passado poderia ser outro a correr por fora mas está muito aquém no momento. Kei Nishikori é outra incógnita.
        Enfim chances:

        42% Federer
        38% Djokovic
        10% Nadal
        10% o resto

        Lembrando que a chance de surpresas em grama é maior. Pega um sacador ou sacador/voleador no meio do caminho pode complicar para qualquer um.

        Responder
  49. Luiz Fernando

    Federer sempre foi o principal favorito p W, pois é o melhor jogador sobre a grama. No entanto, é inegável q teve dificuldades óbvias frente a Agut, que na grama nunca se destacou, e no primeiro set contra Goffin, que criou 3 chances de break contra nenhuma do suíço. Resumo: é favorito, mas num grau bem abaixo do q era em 2017.

    Responder
  50. Jonas

    Rodrigo S. Cruz
    23 de junho de 2019 às 17:54

    Foi isso mesmo que eu disse, uai…

    O Federer não consegue ganhar do Nadal em RG. O jogo não encaixa.

    Na grama seria muuuuuito diferente essa história.

    Mas essa tua paixão pelo Cotonete, te alucina…

    E a depender dos “recibos”” que eu já vi você passar aqui, o FEDAL seria equilibrado até na grama.

    (rs)

    Desculpe dizer isso, mas você é fanático, brother.

    Na mais completa abrangência e alcance do vocábulo…

    Você está sendo fanático Rodrigo, pelo Federer. Veja, eu acho o jogo do Nadal feio, não consigo assistir uma partida dele, mas o que você argumenta é incoerente. Você afirma que o Nadal foge do Federer na grama, sendo que o Nadal todo ano joga Wimbledon, mesmo com suas evidentes limitações no piso. Aí o cara não joga um atp 500 e supostamente está fugindo.

    Então o Djokovic foge do Nadal no saibro pela sua lógica já que raramente joga Barcelona. Mas veja que o sérvio já enfrentou o Nadal várias vezes em Monte Carlo, Roma, Madrid, Roland Garros (torneios bem maiores). É bem diferente de um jogador que opta por não jogar o maior torneio no saibro que existe, apesar de ser uma várzea aquilo ali. O Federer evitou sim jogar no saibro. Alegou que “haveria desgaste no joelho”, ele não jogava NADA lá desde a derrota pro Thiem em Roma 2016.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Escreve compulsivamente e não lê os comentários, caro Jonaser . Nadal tinha contrato com Halle , e rescindiu pois não se adaptou a Grama rápida. Nada a ver com Torneios menores porque não existe ( absurdamente) MASTERS 1000 na Grama. Ele , assim como o Suíço, precisa sim de preparatórios. Veja a idade que Roger começou a pular o Saibro depois de uma cirurgia no joelho que o Espanhol adia há anos. Teus comentários, assim como os do Paulo Chatonik Robson Jonaser Almeida são de fanáticos exacerbados . Mas não colam rs Abs!

      Responder
      1. Jonas

        Eu leio sim. Você claramente não lê já que mais uma vez não falou nada com nada.

        A discussão aqui amigo é sobre o Nadal supostamente estar fugindo do Federer na grama, entendeu? Presta mais atenção e pare de ficar passando recibos.

        Nem torço pelo Nadal, mas óbvio que Halle é um preparatório pra Wimbledon, tem muito tenista que não joga por lá. E eu não disse que existe masters 1000 na grama, mas com certeza seria mais interessante.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Quem foi o Mane’ que disse que Halle e Queen’s são ignorados por Rafa e Novak por serem Torneios Menores ? E Federer fugir de Nadal no Saibro depois de participar de QUINZE edições de Roland Garros. Aonde você e o outro mane’ estavam nesta época ? Quem não diz nada com nada são os dois maiores passadores de recibo que já passaram por aqui. E sem personalidade ainda ficam repetindo o Fregueser do chefe Chatonik. Se liga , criança kkkkkkk Abs!

          Responder
          1. Jonas

            São torneios menores sim, já que não existe masters 1000 na grama.

            Aí o que os caras fazem? Sabendo que é um torneio preparatório e sem tanta importância, pulam direto para Wimbledon, simples assim.

            E não é só Nadal e Djokovic que fazem isso, é comum o tenista pular esses torneios na grama.

            Quanto ao Federer eu também só disse FATOS. Ele ficou 3 anos sem jogar no saibro, menti?

            Nadal ficou 3 anos sem jogar na grama? O que eu falei é óbvio.

          2. Jonas

            Já que você tem dificuldade em entender vou ser mais didático.

            Se houvesse masters 1000 na grama, os melhores tenistas iriam pra lá jogar, o que tornaria a temporada de grama interessante.

            Mas torneio grande na grama é só em Wimbledon e é uma temporada curtíssima. Então os caras preferem se preparar de outras formas.

            Djokovic costuma fazer isso e venceu WB 14 e 15 em cima do Federer. Quando ele está bem fora de forma ele joga Queens, por exemplo.

    2. Rafael Brasiliense

      Nadal não foge de Federer. Os poucos confrontos entre os dois na grama não são causa de uma suposta fuga, mas sim consequência dos poucos torneios existentes nesse piso. O que é mais salientado pelo Rodrigo, nesse sentido, é que o H2H poderia ser bem diferente se, em vez de no saibro, a maior parte dos jogos entre os dois fossem disputados na grama. Faz total sentido. Rafa é o melhor no saibro e Roger, na grama.

      Jogadores do nível que estamos discutindo não disputam torneios simplesmente por disputar, mas sim pra ganhar. Daí a causa das desistência do Federer em disputar RG. Seu retrospecto de um título em meio a tantas decepcões não é dos melhores, fator que pesa nas suas sábias escolhas. O suíço reconhece a superioridade do Nadal nesse torneio e, sabendo que não tem muitas chances de vencer, pula. Nada mais inteligente. Beirando os 38 anos, por que disputar torneios num piso no qual suas chances são mínimas e seu desgaste, máximo?

      Responder
      1. Jonas

        Sim, é claro que poderia ser diferente.

        Agora, veja uma diferença óbvia entre os 2. O Nadal joga Wimbledon TODO ano, enquanto o Federer optou por não jogar saibro, ficou um bom tempo sem pisar lá.

        O Rodrigo alega que o Nadal não joga um atp 500 pra evitar o Federer.

        Mas eu concordo contigo, jogadores desse nível disputam torneios pra ganhar e tá aí mais uma diferença. A grama é o pior piso do Nadal, mas ele joga lá e foi semifinalista ano passado. Poderia ser tricampeão ali sem exageros, mesmo sendo o pior piso dele.

        Agora eu te pergunto, você acha que o Nadal evita a grama?

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          É porque você tem memória seletiva, quanto a se escrever “absurdos”…

          Você afirmou aqui que o Federer perderia do Wawrinka, só pra não enfrentar o Nadal.

          (e ficou a semana toda batendo nessa tecla, junto com os fakes…)

          Aí quando você viu que o tenista de Basel venceu o de Lauzanne, você mudou o discurso e disse algo do tipo:

          ” ah, mas até a sexta-feira, ou faltando meia hora pro jogo, ele vai inventar uma contusão”.

          Portanto, não entendo como você estranhe a minha afirmação sobre o Nadal supostamente fugir de Halle.

          Ela tem tanto ou mais substrato do que a tua, sobre RG.

          Pois o Federer é DECA em Halle, e a grama é a pior superfície pro joelho do Nadal.

          Ou seja, pode ser um pouco das duas coisas. Mas claro que nada passa de mera especulação…

          Responder
          1. Jonas

            Eu não achei que ele ia encarar o Nadal mesmo, já que tava fugindo há 3 anos, ou evitando, tanto faz. Mas jogou e foi massacrado.

            Agora me diz aí quando RF massacrou Nadal em Wimbledon. Não faz sentido o espanhol fugir de seu freguês, tanto é que não foge.

            Você está se pendurando em um mero atp 500, é isso.

          2. Rodrigo S. Cruz

            Bom,

            Eu não achei que foi massacre.

            Considerando tudo, acho que o Federer até que foi bem…

            Pois se não fosse a ventania daquele dia, o jogo teria ficado perigoso pro Nadal.

            Já que o suíço teve quebra pra fehcar um set em seguida.

            E, ao longo do jogo, teve outra boa chance de quebra, mas ficou com “peninha” de acertar a bola em sua majestade…

            E não saia pela tangente.

            Porque isso não muda o fato de que você MENTIU, com tua teoria furada sobre fuga…

        2. Rafael Brasiliense

          Pelo histórico, Nadal tem mais chances de vencer WB do que Federer tem de vencer RG. Outro fator é que, após voltar de lesão, Roger sabiamente adotou um calendário enxuto cuja exigência física é menos intensa.

          Como disse, não acho que Nadal fuja de Federer e nem evite a grama. Mas com certeza ele dá mais prioridade aos torneios no saibro, porque sabe que suas chances lá são maiores. Ele joga Barcelona, que é um atp 500 no saibro, mas não joga Halle, que é um atp 500 na grama.

          Não há demérito nenhum nisso. Não se trata de fuga. Tenistas do nível desses dois jamais entram em um torneio com qualquer finalidade que não seja o título. Federer não acredita em um título em RG. Nadal acredita em um título em WB. Daí a diferença.

          Abs.

          Responder
    3. Rodrigo S. Cruz

      Não, pera aí…

      Até agora não entendeu nada.

      Pra mim, o estilo do Federer é muito mais do que a pessoa do Federer, amigão.

      Já pra você, o tênis não existe sem Novak Djokovic…

      Você idolatra o homem, eu idolatro o estilo.

      Tem vários outros tenistas que torço na mesma medida que o Federer:

      o Stan, o Fognini, o Kyrgios, etc…

      Defendo, portanto, um dos caras que torço desse fanatismo mambembe de vocês… O que é bem diferente.

      E por que ele?

      Porque é só nele que vocês focam para diminuir.

      Você mesmo disse que o Federer foge do Nadal em RG.

      E que na edição de agora, ele fugiria, fingiria uma contusão, etc.

      Pois ele foi lá e te provou, pela SEXTA vez só em RG, que você só sabem mentir…

      Ora, se vocês se sentem á vontade para provocar, e até com invencionices, por que eu não posso?

      O que é uma pena.

      Pois o nível do blog vai sempre baixando, graças a essas babaquices.

      Pra mim é péssimo me rebaixar a um patamar como esse.

      Paciência…

      Responder
      1. Jonas

        Cara, eu nem estou me referindo ao Djokovic, você leu o que escrevi?

        Você que tá defendendo uma suposta fuga do Nadal na grama, isso beira o absurdo, parece desespero.

        Afirmar que Federer foge do Nadal no saibro claro que é em tom provocativo, mas é fato que ele evitou jogar ali por 3 anos, não deu as caras em nenhum torneio, nada nada, sumiu. Deve ter jogado este ano em tom de despedida.

        Aí você quer comparar com o Nadal, sendo que se trata de um cara limitado na grama, mas que mesmo assim joga lá todo ano. É Bicampeão, já perdeu outras finais, ele dá as caras por lá. Isso pra mim não faz o menor sentido, mesmo não torcendo pelo Nadal.

        Pra mim isso é uma forma de tentar esconder um fato. Nadal domina no saibro, porém equilibra nos demais pisos e no histórico geral em Grand Slam. Já o Federer perdeu diversas boas oportunidades de dominar o Nadal nas hards. Perdeu em Dubai, Miami, Indian Wells, Australian Open, até em Cincinnati…ele deveria ter dominado ali e não o fez, simples.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Na, boa Cara. É que a moderação não deixa eu expressar o que penso sobre tanta m**da que você Posta. Federer participou de QUINZE edições de RG e dos preparatórios no Saibro. Dos Torneios citados, você reparou quantos Títulos o Suíço venceu e o Espanhol caiu antes ??? Ele não jogava em lugar nenhum por causa de h2h. Fez 5 FINAIS em Rolanga e tentou mais uma aos 37/ 38. Difícil pros dois Fakes entenderem devido às claras limitações. Abs!

          Responder
        2. Rodrigo S. Cruz

          Uso o veneno dos senhores, contra vocês mesmos.

          Porque é lógico que você não liga pro Nadal.

          Todo mundo aqui sabe qual é a tua:

          Usar desesperadamente o histórico do Fedal, para elevar o Djokovic, por tabelinha!

          kkkkkk

          Isso é claro como o sol…

          Vocês são doentes!

          Acham que a única forma do Djoko possuir grandeza, é tentando derrubar o suíço da dele!

          E se pensarmos bem, o que escrevi não chega a ser assim tão absurdo…

          Djokovic e Nadal sempre evitaram torneios preparatórios na grama mesmo.

          Vai saber se para se pouparem, ou se é mesmo por saberem que o Federer reina absoluto em Halle…

          Talvez, um pouco dos dois.

          Responder
          1. Jonas

            Mais uma vez você cita o Djokovic sem motivo.

            Enfim, quer falar do Djokovic?

            Djokovic é o cara tem 2 títulos de seguidos de WB em cima do Federer na grama.

            Já surrou o suíço nos 4 Grand Slams. Federer é vice pro Djoko até no atp finals, por duas ou três vezes.

            Esse aí não foge mesmo, aliás ele deve agradecer muito quando vê o Federer em sua chave.

            E Halle é mesmo um mero torneio preparatório, assim como Queens. A temporada de grama é bem sem graça porque os caras só focam em Wimbledon.

          2. Rodrigo S. Cruz

            Oh, que dó…

            Não caio nessa provocação barata.

            Apenas a devolvo:

            Volte no teu quarto e lamba com força o pôster do Djokovic, que você ganha mais do que discutir comigo…

            E não, ele não agradece quando tem o Federer em rota de colisão.

            Pelo contrário.

            O Djoko faz o que essa torcidinha BABENTA de vocês, nunca fez aqui:

            Ele respeita muito o jogo do suíço, e sabe que precisa elevar ao máximo o nível, para superá-lo!

          1. Jonas

            Você não acompanha tênis. Primeiro jogo entre eles foi em 2004, tem um bom tempo e o Nadal tinha 17 anos. Volte lá e tente novamente.

  51. André Rodrigues

    Bom dia Dalcim,o que seria mais provável a essa altura?
    Recorde de títulos:109
    Número de semanas na primeira posição do ranking
    Número de conquistas de grand slams
    Abs!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que você quer saber qual marca poderá cair mais rapidamente… qualquer uma delas não acontecerá antes da metade de 2020. Acho que a mais difícil são as conquistas de Slam, porque o prazo é mais curto.

      Responder
  52. Daniel

    Dalcim, o Nadal e o Djokovic pularam toda a temporada de Grama?
    Se sim, isso pode atrapalhar suas performances em Wimbledon.

    Quanto ao seu post anterior, me preocupa um pouco o crescimento dos haters em seu blog.
    As pessoas perderam a noção do que é torcer e o que é agredir. Parece que as organizadas do futebol invadiram o blog.
    Infelizmente isso não agrega em nada.
    Sei que você fica entre a cruz e a espada, afinal este espaço é medido em acessos, likes e comentários, mas acaba manchando um pouco um trabalho tão bem feito ao longo de tantos anos.
    Decepcionante a forma como se agride caras que dedicaram e dedicam suas vidas ao esporte.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, já fizeram isso no ano passado, Daniel, e não atrapalhou. Lamento tanto quanto você. Há pessoas que fazem questão de criticar ou minimizar as conquistas dos tenistas, o que é um absurdo. Mas ainda não perdi a esperança!

      Responder
  53. DANIEL DE FIGUEIREDO TOLEDO

    Prezado Dalcim, quais os jogadores com mais finais num mesmo torneio? Roger Basiléia e Halle e Rafa em Monte Carlo e Barcelona? Abraços

    Responder
  54. André

    Estava no fds conversando com um amigo sobre tênis… chegamos à conclusão que o mais legal seria se o BIG3 todo terminasse empatado com 20 ou 21 Slams… todos empatados e cada um sua verdade sobre o GOAT seria muito bom pra história e pras conversas de bar e lembranças saudosistas… que te parece Dalcim?? Imagina os 3 empatados no final??

    Responder
  55. Maurício Justus

    Mestre pena que o estilo do Feliciano está acabando. Muito legal ver um estilo diferente da nova tendência de fundo de quadra. Alguém da nova geração surgindo que possa dar prosseguimento ao saque voleio? Saudades do tempo em que os melhores jogadores do saibro tinham extrema dificuldade em Wimbledon mesmo jogando com jogadores desconhecidos e fora do top 100.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, acho que dificilmente veremos isso, exceto talvez na grama. Tsitsitpas e Aliassime são plenamente capazes de adotar esse estilo em circunstâncias especiais.

      Responder
  56. Renato Toniol

    Muito feliz pela conquista de Murray ao lado do Lopez. Fico na expectativa por sua volta aos torneios de simples, aonde certamente a exigência física será muito maior.
    Quanto ao maestro Federer, ele não deu o costumeiro show, mas mostrou a sua grandeza ao conquistar o título mesmo atuando abaixo de suas condições.
    Expectativa agora por sua participação em Wimbledon, e na torcida pelo 21º Slam. Sim, eu acredito!
    Dalcim, na minha opinião, o Federer deveria tentar na próxima temporada, conquistar o título na grama de Queens, que é um torneio de enorme prestígio, que ele sempre abre mão optando por Halle, que ocorre na mesma semana semana.
    O que você acha? E seria o torneio Queens mais prestigiado do que Halle?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele é mais tradicional, até porque Halle começou na década de 90. Federer tem contrato vitalício com Halle, acho bem difícil mudar de lugar.

      Responder
  57. Tom

    Bom demais ver esses notáveis senhores conquistando títulos deste nível e com grande qualidade. Entretanto, o meu destaque fica para a volta do Murray às quadras. Tomara que ele tenha uma recuperação plena para estar inteiro também nos jogos individuais. Esse cara faz MUITA falta ao circuito.

    Responder
    1. Rafael Brasiliense

      Realmente ele faz muita falta. Ao lado de Federer, Nadal e Djokovic, Murray era o tenista mais sólido do circuito. Não por acaso, o britânico é colocado ao lado dos cachorrões no grupo chamado de Big 4.

      Responder
  58. Gilvan

    Uma pena que o circuito de grama tenha sido sufocado pela ATP. É incrível que o berço do tênis tenha sido reduzido a pouco mais de 1 mês no calendário atual. Enquanto isso, temos mais de 3 meses de jogos no saibro (contando a temporada sulamericana e as temporadas no saibro europeu) e mais de 6 meses na quadra dura.

    Responder
  59. Marcel Azevedo

    Vida longa ao rei, Dalcim a queda de intensidade do Federer nas partidas contra o Tsonga e o Agut, vc considera normal para a idade dele, mesmo pegando um Djokovic na final ??

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, considerado isso normal, Marcel. Daí eu pensar que jogos de cinco sets precisam de uma dosagem energética que a experiência ajuda a alcançar.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Realmente, ele poderia ter feito mais. Não levou sua carreira tão a sério quanto poderia, mas foi uma personalidade no circuito.

      Responder
    2. Jonatas Bruno

      Um dos que mais curti jogar e torcer. Lembro de seu jogo contra o Agassi no Us Open de 2006, a atmosfera em torno,personalidades e nível de jogo, fizeram desse, um dos meus favoritos e inesquecíveis.
      O empenho e a reação do cipriota as câimbras é digno de nota. Um exemplo de conduta e combatividade. Personalidade notável, já faz falta.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Para meia dúzia de Fakes do Blog , o Cipriota é sempre motivo de chacota. Muito bem lembrado esse jogo contra o Agassi, parceiro. ABS !

        Responder
    3. HUGO

      o vi jogar in loco nas quartas de final contra o Ljubicic no australian open de 2006 . jogava muito fácil , criava potencia sem fazer força alguma . muito talento .
      pena mesmo .

      Responder
  60. Jonatas Bruno

    Os títulos da semana fazem jus ao jogo exuberante e afeito a grama. A maturidade produz frutos, Roger e Feliciano tendem a render e a contribuir para o nível de competição que se espera para o mais relevante torneio da grama.
    Fica a expectativa para a composição da chave, com o Lopes, Tsonga, Herbert, Kyrgios, soltinhos na chave.

    Murray ressurge com a motivação a potência máxima, vibrante e mantendo o padrão técnico. Deixou possibilidades, que seja!

    Responder
  61. Rodrigo S. Cruz

    [Rodrigo Bravin]
    23 de junho de 2019 às 17:47

    “A necessidade de exaltar seu ídolo o tempo todo indica que nem você acredita no que fala. Sobre Federer, é um espetáculo o ver jogar nesse nível contra um cara que vendeu caro a derrota no primeiro set”.

    Se fosse só exaltar o Djoko, mesmo que o tempo todo, não haveria problema algum…

    Coisa de torcedor deslumbrado.

    E alguns são sempre mais apaixonados que outros.

    O insuportável é essa obsessão que ele tem de REBAIXAR os ídolos alheios.

    O nível do blog tem estado em constante baixa, desde que esse cara deu o ar da sua DESGRAÇA…

    Responder
  62. Efraim Oliveira

    “A queda técnica e assuntos extra-quadra de Naomi Osaka desde a conquista do Australian Open se somaram à qualidade crescente de Ashleigh Barty e eis que enfim o tênis feminino tem uma nova líder”.

    Acho que isso se encaixaria melhor no masculino… o feminino tem vivido um troca constante na liderança.

    Responder
  63. Nando

    Q esse 10° título em Halle sirva de combustível pro Rei fazer grandes jogos em WB. Foi uma semana dura (exceto na semi), mas ganhou o 102° título (e contando…).
    Torcer pra uma boa chave e pensar jogo a jogo.
    Parabéns tbm para o outro velhinho, Feliciano Lopez…e pra Andy Murray! Acho q o escocês volta a jogar em simples hein…parece estar sem dor e isso é o q importa.

    Responder
  64. Maurício Luís *

    Acompanhei boa parte da trajetória do Jimmy Connors, de quem até hoje sou fã. E eu tinha como inalcançáveis ao menos 2 feitos dele:
    – o recorde de 109 títulos;
    – a longevidade.
    Acontece que o Federer está para deixar pra trás tudo isso e muito mais, contrariando convicções. “Não sabendo que era impossível, foi lá e o fez.”
    Não sou propriamente fã do suíço, mas há que se reconhecer que ele é um fenômeno.
    Uma coisa tenho notado no Federer, Nadal e outros: a mania de ficar soltando as pérolas da obviedade. “Título dá confiança para Wimbledon”, diz o suíço. AAhh, JURA, Federer?? E eu que pensei que você tinha ficado inseguro e contrariado. Mas não… ficou confiante.
    Ficou faltando dizer que a grama estava verde e a bolinha redonda. E que a rede estava suspensa bem no meio da quadra.
    _-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_-_
    Na zona rural da minha cidade há uma formação rochosa que o pessoal chama de Pedra-Balão. Vamos sugerir ao Prefeito que mude o nome pra PEDRA-NADAL. Quem sabe assim atrai mais turistas…

    Responder
  65. Reinaldo

    Que semana legal de tenis. Seria muito bacana ter o Roger perseguindo os 109 títulos do connor e ao mesmo tempo ser perseguido pelo Rafa e pelo Nole na questão dos slams. Dalcim, o que você acha mais provável, o Roger chegar aos 109 ou ser alcançado pelo Rafal ou Nole na questão dos slams. Eu torço para o Roger mas ganhar mais 7 títulos seriam necessário mais 2 anos em alto nível. Me parece pouco provável. Abraços e boa semana.

    Responder
    1. Raul Patti

      Reinaldo, dependendo desta outra metade da temporada o Federer pode chegar já no ano que vem
      Esse ano ele chegou em 4 finais e ganhou 3
      Se ganhar WB, pode sem forçar , terminar com 105 ( Basíleia e Xangai por exemplo)..
      Você tem dúvidas que nesse nível, chegando a 104 ou 105 este ano, a marca pode ser atingida ano que vem ?

      Responder
      1. Márcio

        Seria mágico mas concordo que é improvável, até pelo fato de esse não ser o foco do suíço, que continua jogando os torneios top incluindo a temporada no barro. Ainda bem que não machucou. A probabilidade de vencer esta diminuindo a cada dia que passa, então devemos curtir cada partida e q ele jogue solto e sem pressão. Que venha wimbledon.

        Responder
      2. Reinaldo

        Olhando por essa lógica vc e tem razão. Espero que esteja certo. Imagina a importancia dos torneios, seja qual for, se o Federer estiver a somente um titulo do recorde. Seria fantastico. Abraços.

        Responder
  66. Rodrigo S. Cruz

    Que semana MEMORÁVEL do Feliciano Lopez.

    Uau!

    Fiquei muito mais alegre com o fim do jejum dele, do que com a conquista do Federer que já era esperada…

    Demais esse canhoto espanhol. Joga um tênis clássico. E que slice lindo!

    Os Fakes devem sentir vergonha, se forem comparar esse golpe do Lopez com aquela “lagartixa com câimbras” do Djokovic.

    kkkkkk

    Campeão de simples e duplas, incrível…

    E excelente essa volta do Andy Murray, sendo campeão ao lado dele.

    Responder
    1. PIETER

      Concordo absolutamente com você Rodrigo (e com o Dalcim). Os títulos do López em Queens foram feitos memoráveis e admiráveis para quem ama o tênis espetáculo, ainda mais na grama.
      Um senhor de quase 38 anos ( em dois meses) que jogou 3 vezes no sábado e mais 2 no domingo é prova inequívoca de ótima forma física mas, principalmente, vontade de vencer. Que exemplo aos mais jovens !
      E penso também que este ano o Maestro está mais favorito que nunca. Que bom seria ele ganhar mais um Wimbledon, ainda mais dando show, como sempre.

      Responder
    2. Geailton

      Kkkkkk fakes…uau quantos títulos e relevância tem o Lopez comparado com o sérvio. Para os haters qualquer coisa serve quando não há o que discutir sobre quem é melhor

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *