Nadal é o maior vencedor do tênis profissional
Por José Nilton Dalcim
10 de junho de 2019 às 22:16

Com as sete vitórias obtidas em Roland Garros, que lhe garantiram o feito surreal de 12 troféus num mesmo Grand Slam, domínio que nenhum outro tenista possui em qualquer nível ATP, Rafael Nadal ratificou sua condição de tenista com maior eficiência em toda a Era Profissional.

O canhoto espanhol atinge 951 vitórias em 1.146 partidas disputadas em sua carreira, o que lhe proporciona o percentual de sucesso de 82,98%. Deixa assim para trás o sueco Bjorn Borg, que ganhou 642 jogos e tem eficiência de 82,73%, e o sérvio Novak Djokovic, que está com 864 triunfos e 82,68%. O quarto posto pertence a Roger Federer, com 1.208 e 82,1%.

Obviamente, o destaque no currículo de Nadal é o saibro. Já fez 475 partidas no piso e perdeu apenas 39, o que lhe confere 91,8% de aproveitamento, a maior soberania de um tenista sobre uma superfície. Borg vem bem atrás no saibro, com 86,2%, e Ivan Lendl chegou a 81%.

Federer está com 87,1% sobre a grama (176 vitórias e 26 derrotas), à frente dos 85,8% de Jimmy Connors, e Djokovic lidera o sintético, com 84,1% (552 triunfos em 656 possíveis), meio ponto percentual superior a Federer.

O espanhol também disparou na liderança em quadras abertas, somando-se todos os pisos, com 84,7% (873 vitórias e 158 vitórias), descolando-se dos 83,8% de Borg e dos 83,5% de Djokovic.

Nadal-web-960x544

Mais façanhas
– Nadal é único profissional com mais de 10 títulos em um mesmo torneio. Na verdade, tem em três deles: 12 em Paris e 11 em Monte Carlo e Barcelona. Soma ainda 9 em Roma e aí fica ao lado de Federer, em Halle e na Basileia.
– Rafa também é o único a disputar 12 finais num Slam (Paris) e em qualquer Masters (Monte Carlo). Federer lidera nos ATP 500, com 14 na Basileia e 12 em Halle. Os dois também se dividem com 11 finais: Federer tem em Wimbledon e Nadal, em Roma e Barcelona.
– Ao ganhar Roma, o espanhol garantiu ao menos um título anual por 16 temporadas consecutivas, ou seja desde 2004, outro recorde absoluto. Federer chegou a 15 e Djokovic está no momento com 14.
– Nadal tem ainda a maior série de vitórias no saibro (81) e de sets vencidos na terra (50). Federer ficou invicto 65 jogos na grama e 56 na dura.
– O total oficial de premiação de Rafa sobe para US$ 109,5 mi, atrás somente dos US$ 131 mi de Djoko e dos US$ 124 mi de Roger.


Comentários
  1. Luiz Fernando

    Aí Pessanha, Aliassime em mais uma final, na luta p chegar na frente do Zé Verev no fim do ano. E o alemão ainda defende os pontos do Finals, digamos q na atual fase é um pouco difícil repetir esse resultado.

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Luiz, muito estranha essa queda de rendimento do Zé Verev. Como o garoto é “russo”, sinto que a cachaça é uma das responsáveis. Rs
      Com relação ao Felix, esse terá que jogar bem pra ganhar. O italiano é bom jogador e está numa trajetória ascendente no circuito.
      Abs

      Responder
  2. Rafael Brasiliense

    Dustin Brown teve a oportunidade de fechar o jogo contra o Aliassime, mas acabou pecando. Não gostei do resultado porque, embora eu admire o garoto canadense, considero o jogo do alemão muito mais interessante de se assistir. Sua técnica é um espetáculo e seu voleio, primoroso, algo cada vez mais raro de se ver. Triste saber que, de forma tão rápida, o estilo saque e voleio está sumindo das quadras. Muito devido à idiotice ímpar de padronização do circuito, conceito contrário à diversidade de estilos. A pessoa responsável por essa estupidez apelidada de ideia deveria ser banida pra sempre do tênis.

    A propósito, Dalcim, sabe me dizer quem foi o idealizador disso?

    Responder
      1. José Nilton Dalcim

        Também não vamos exagerar, Luiz. Nadal voleia muito bem, mas está longe de praticar o jogo clássico de rede. Quem faz isso é quem vive dos voleios. O jogo de rede é talvez 10% da base do jogo do Nadal, ainda que ele o faça com enorme competência.

        Responder
  3. Rodrigo S. Cruz

    [Jonas]

    13 de junho de 2019 às 13:16

    “Muito difícil? Sério? Nadal foi semifinalista ano passado e perdeu no detalhe do detalhe pro Djoko.
    Se ele passar da primeira semana é perigoso vencer sim. Não fosse um tal de Djokovic o espanhol seria tricampeão”.

    Na verdade, eu fiquei surpreso dele tem ido tão longe na edição passada.

    Ter feito semi, e perder apenas no detalhe, pro Djokovic, foi uma campanha e tanto…

    Mas tem 9 anos que o Nadal não conquista Wimbledon.

    E em várias dessas edições, ele deu adeus muito cedo.

    Depois de perder aquela final de 2011, pro sérvio, o Nadal só colecionou participações decepcionantes em Wimbledon:

    Em 2012, segunda rodada. Caindo pro “varzeano” Lukas Rosol.

    Em 2013, primeira rodada, pro ridículo Steve Darcis.

    Em 2014, oitavas de final, levando uma “aula” de Nick Kyrgios.

    Em 2015, segunda rodada, levando uma” SUPER-AULA” de Dustin Brown.

    Em 2017, oitavas de novo, perdendo do sacador Gilles Muller.

    A grama, é a superfície em que Nadal menos gosta de atuar.

    E acho que se der o azar de pegar um grande sacador, ou um cara que gosta muito do piso, ele roda…

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Concordo em parte com vc, sem duvida é o pior piso p ele, por razoes já expostas aqui pelo Dalcim e se der a falta de sorte de pegar um sacador nato na primeira semana pode rodar. Por outro lado, vem de duas excelentes participações recentes, com semi em 5 sets em 2018 e perdendo p o Muller nas quartas em 2017 no quinto set, sendo q o luxemburguês apertou o finalista Cilic na semi, e muito. Alem, disso, o Nadal atual é bem mais agressivo do q aquele das derrotas p alguns manes q vc citou, ou seja, ele tende a se portar melhor na atualidade do no passado no piso. Mas vamos p o outro lado: vc considera Federer tão favorito este ano quanto em 2017? Eu sinceramente não, sem qualquer provocação. Depois do titulo no AO 2018 o nível de jg e os resultados do suíço caíram muito, com 3 torneios jogados na grama em 2018 e nenhum titulo. É o principal favorito? Creio q sim, mas menos do q nos últimos anos, bem menos Pode ganhar? Claro, Rafa também era menos favorito esse ano em RG e levou…

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, não vejo chance, Helena. Eles teriam de fazer depois do Australian Open, mas daí em diante o calendário é muito recheado. Lamentável esse fim da Hopman.

      Responder
  4. Jonatas Bruno

    Felix e Dustin num jogo de três tiebreaks! Grama é grama! Jogo definido em minúcias e sem marasmo.
    Ufa, bendita transição ao piso que norteia o melhor dos efeitos. O Brown com a sua tripa exibição, já valeu a semana. Espero que volte a pintar aa caras novamente,sempre valerá o ingresso. Ao menos, perdeu para este jovem canadense que tem tudo para ter um futuro brilhante.
    O Raonic voltando em boa hora, num piso em que seu jogo casa perfeitamente.
    E o Bruninho se dando bem com o ex parceiro do Jamie,nada melhor do que uma dupla após a outra.

    Responder
  5. Carlos Reis

    Dalcim, ontem lá no clube que jogo surgiu um papo estranho, que o Marcelo Melo e o ZéVerev são (sic) namorados!? Vc já ouviu alguma coisa a respeito?

    Responder
        1. PIETER

          Sério; acompanho tênis há mais de 20 anos e jamais ouvi um rumor sequer digno de credibilidade.
          É, ainda, um meio muito machista é um tanto homofóbico.

          Responder
  6. Luiz Fernando

    Esse D Brown é uma carne de pescoço na grama, levou Aliassime a 3 tiebreaks e teve matchpoint não concluído, o cara chato nesse piso…

    Responder
  7. Luiz Fernando

    Challenger de Halle, atp 250tinha até 2 ou 3 anos atrás, com chave dificílima p Federer: Zé Verev, antiga promessa, atual mané, Thiem, cujos grandes resultados são no saibro, e o já retirado japa. Prevejo grandes dificuldades kkk..,

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Fora Nadal ( nunca passou da segunda rodada ) , Novak e Thiem ( preferiu esticar as férias ) , uma penca de TOP 10 e Especialistas estarão em Halle , informadissimo L F. Você tenta menosprezar ( como sempre ) , devido a Federer ter contrato vitalício. O tempo passa e o rapaz continua afiado no Recalque. Onde o Espanhol e o Sérvio vão treinar ( caiu em Queen’s ano passado para Cilic ) ? No Saibro mesmo. Ao contrário dos preparatórios , WIMBLEDON virou um autêntico Saibro Verde rsrsrs Abs!

      Responder
      1. Luiz Fernando

        Engraçado, quando outros falavam isso de RG vc ficava quieto, agora eu posto isso vc vem responder, q estranho kkk. Eu hein, sai satanás kkkk. Grande abraço.

        Responder
    2. Gildokson

      Reclamou de quem menospreza RG por falta de organização e depois vem diminuir um torneio na grama só pq sabe q ele ja foi vencido diversas vezes pelo Federer, que alias pode vencer de novo.
      Por essas e outras que devia haver um master 1000nna grama, e o Federer ter ganho no mínimo uns 6 nesses anos todos que se passaram… que vocês iam ver com quem estaria esse outro recorde.
      Ps: Essa chave que você citou não está tão diferente do que Nadal encarou no Us Open 2017.

      Responder
      1. Luiz Henrique

        Gildokson, o maior beneficiado se tivéssemos vários masters 1000 na grama seria o Nadal. Pode ter certeza que ele adoraria tirar uns 3 da quadra dura e passar pra grama. Ele teria menos lesões, mais títulos de wimbledon (daria uma preparação melhor), mais títulos de masters 1000, e até mais us open…com menos lesões, se ausentaria menos, já teria mais títulos lá tb

        Responder
        1. Gildokson

          Não tem sentido o que você disse Luiz, a grama é o piso mais “fraco” do Nadal, pela lógica ele teria até mais derrotas nos confrontos contra Federer e Djokovic assim como o suíço pagou caro por sempre chegar nas finais do saibro contra o espanhol.
          É só você vê quantos torneios disputados na grama por Nadal e quantos ele venceu.

          Responder
  8. Viana

    Esses dados têm q ser revisados, mas, tb não querem dizer nada… só pra apimentar a discussão.

    Com a idade atual de Nadal (33), Federer tinha 17 Grand Slams, contra 18 de Rafa.

    Com a idade de NOvak (32), Rafa já tinha 17 Grand Slams, contra 15 de Djoko.

    Aos 33 Roger já tinha jogado 65 Grande Slams contra 56 de Rafa (contando 4 abandonos). O q faz o percentual de vitórias ser ainda maior.

    Dados de Fernando Gomez e “97InThe5th” no Twitter. NÃO SEI SE PROCEDE

    Responder
    1. Roberto Léo

      Entendo a colocação, mas tenistas evoluem em momentos diferentes e carreiras mudam.
      Para comparação, todos com 25 anos:
      Borg tinha 11 títulos de grand slam, e terminou a carreira com 11.
      Djokovic tinha 5 títulos, atualmente tem 15 e ainda pode ganhar mais.
      Federer tinha 8, atualmente com 20 e ainda pode ganhar mais.
      Nadal tinha 10, atualmente 18 e ainda pode ganhar mais.

      Responder
  9. Maurício Luís *

    O Justin Brown me passa a impressão de ser tipo “tenista-cometa”. Aparece 1 vez por ano na grama, sempre aprontando… E no resto do ano some como fantasma. Que estranho…
    E deve dar um trabalho lavar aquele cabelão… Haja paciência.Tá bom pra ser garoto- propaganda de xampú. Podia cortar e vender pro Nadal, pro Medvedev ou pro Grigor Dimitrov, o trio ‘pouca telha’ do tênis.
    Tá certo que não é o mesmo tipo de cabelo dos três, mas pra quem tá ficando careca, foi o que se pode arranjar.

    Responder
    1. Luiz Henrique

      Tb acho q Djokovic passa primeiro. Ele só vai voltar a perdem em slam em RG do ano q vem, e olhe lá. Por isso que acho a temporada de saibro mais interessante e imprevisível

      Responder
  10. Luiz Fernando

    Abaixo disseram q Federer ja foi “enterrado” algumas vezes, mas Rafa o foi muito mais. Sempre disseram q o cara era dependente apenas do fisico, que não aguentaria jogar muitos anos e agora o cara está vencendo GS com 33, se tornou um exímio voleador, faz mais winners do o adversário em todo jogo, tem um BH de respeito etc etc etc. Evolução pura! O simples fato de num dos comentários abaixo o próprio Dalcim dar a ele 25% de chances de vencer W enquanto o maior especialista em grama tem 30% na visão do mesmo demonstra bem a paridade de forças nos diferentes pisos.

    Responder
    1. Luiz Henrique

      Verdade Luiz Fernando, é só ir nos arquivos aqui do blog. Nadal no começo de 2010 já era dado como morto. O mesmo no começo de 2013. Supostamente não era pra jogar depois dos 25 anos. Por mim Nadal ganhar GS com 31, 32, 33 anos, é algo até mais incrível do que Federer ganhar com 37, pq ninguém duvidava mesmo que Federer poderia jogar bem com essa idade. Nadal é um exemplo para todos nós, de como se trabalha, como se evolui.

      Responder
  11. Victor Martins

    Em relação ao percentual de vitórias e derrotas do Nadal, é muito relativo. Por quê agora começa a temporada de grama e depois quadra dura, aí vai ser pêia e muita. Esse percentual vai cair.
    Se na temporada de saibro quase não consegue ganhar um torneio preparatório antes de Roland Garros. Imagina agora.
    Que bom que acabou o Grandslam mais pobre (em termos de estrutura e organização) do circuito. Pra começar o mais tradicional de todos.
    Go Roger, rumo ao 21°!!

    Responder
  12. Renato

    Luis Henrique,

    Federer é melhor que Nadal porque tem mais títulos e é melhor que o espanhol em dois dos três piso em que o esporte é disputado. Simples assim. Não estou nem levando em conta critérios técnicos, que o suíço sempre foi e é superior, apesar da evolução do espanhol.

    Responder
  13. Miguel BsB

    Vou Defender o Djokovic nessa questão do preparo fisico ,que o pesdoal ta discutindo, de como ele deixa jogadores bem mais novos no chinelo…isso e Verdade!
    Ninguém no Atual circuito se prepara e se cuida como o servio,acho que nem msm Nadal.
    O cara se mantém magro e leve,abaixo do peso que deveria ter pela altura, gordura corporal bem baixa,alimentação super regrada, (Federer msm já admitiu que não resiste a um hambúrguer,por exemplo), faz yoga, acho que até balé, pra ter essa flexibilidade absurda que o transforma num paredão humano.
    vive uma vida regrada e caseira,familiar,longe de baladas e bebidas, ao contrario de vários outros tenistas, inclusive muitos dessa nextgen…não à toa,o cara é esse exemplo de fisico ideal pra prática no mais alto nível do tênis.
    Concorda Dalcim?

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Bom, depois dessa e de outras opiniões, só posso inferir que o fator idade pode ser muito bem minimizado com muita disciplina e não serve como desculpa para justificar derrotas. E isso vale pra todos esses caras.

      Djokovic dominou tanto Federer quanto Nadal de 2011 pra cá principalmente porque atingiu um nível de jogo superior ao deles. Outros fatores são ínfimos.

      Responder
  14. Gustavo

    Mestre, boa noite!

    As chaves de SW19 somente estarão disponíveis dia 28/06. Mesmo assim, e ainda não tendo chegado a hora de o senhor realizar um post a este respeito, hoje seria justo atribuir uma chance de vitória da ordem de 35% para Djokovic, 30% para Federer e 25% para Nadal? Reservando 10% para alguma surpresa e, claro, considerando que as porcentagens mudarão após o sorteio? Ou você visualiza esta matemática dos favoritos um pouco diferente?

    Muito obrigado!

    Abraços

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que está bem de acordo, Gustavo. Ao que tudo indica, Djoko e Nadal novamente não irão fazer qualquer preparativo especial – apenas jogos de exibição ás vésperas de Wimbledon, como no ano passado – e Federer tentará aquecimento em Halle. A menos que o suíço vá muito mal ou se machuque, acho que os percentuais estão bem perto do que você indicou. Abs!

      Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Humilhou ? Kkkkkkk Vocês continuam vendo somente melhores momentos. Precisou salvar 12 Break- Points numa partida duríssima. Conseguiu uma quebra a mais. E já perdeu pro Félix do Pessanha . Eu não digo que o L F faz Escola. Nem viu o jogo e já veio com Zé Verev kkkkkk Abs!

      Responder
      1. Luiz Fernando

        Depende de qual escola, se for pelo menos a que permite q eu escreva bem sim, per o Rodrigo Cruz escreve muito bem ao contrario de vc, com tetos bem confusos e muitas vezes sem nexo. Agora na parte da arrogância, falta de humildade e correlatos, ai eu tenho q admitir q vc é catedrático kkk. Abs.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          O Português é ruim ,mas você entende tudo. Podes crer. Releia a estupidez desse seu repetitivo texto L F . Sempre com papinho de ” arrogância “. Manda sempre muito mal . A não ser quando é pra Gabi kkkkkkk

          Responder
      2. Rodrigo S. Cruz

        Ah não, Sérgio.

        Fala sério, cara.

        Essa tua mania é quase tão chata quanto a dos Clones.

        Porra bicho, qualquer pessoa que curta , de verdade, tênis sabe dar o valor devido a um jogo bonito.

        Resultado não é tudo. A forma de jogar importa sim!

        E o Dustin Brown joga bem, e com um tênis LINDO na grama!

        Deixar de admitir isso, só porque ele venceu esse cabeça-oca do Zverev, que voce idolatra, irrita viu…

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Irrita é dizer que alguém ” humilhou ” alguém, somente porque aprecia o estilo do Alemão mais velho. Repito, até nos melhores momentos ,longe de ser humilhação. E repetiu seus lindos golpes contra Felix. O garoto jogando sua primeira partida na Grama. Para mim há que se unir Talento com competitividade. É o que faz o Craque

          Responder
  15. Luiz Henrique

    Algumas pessoas gostam de dizer que Nadal não teve muito sucesso fora do saibro. Eu vou fazer o seguinte: comparar Nadal nos grand slams fora do saibro com Federer em Roland Garros (que essas mesmas pessoas elogiam muito sua carreira neste torneio). Eu vou até lançar um desafio para mim mesmo: eu não vou considerar Nadal melhor que Federer enquanto não conseguir nos outros 3 slams resultados iguais ou melhores do que Federer em RG. Primeiramente, vamos aos títulos: neste quesito. Nadal já bateu a meta, não precisa mais ganhar nenhum. Isso pq Federer tem 1 Roland Garros, e Nadal tem 6 slams fora do saibro (o que dá uma média de 2 por cada slam fora do saibro). Mas alguns dirão: Federer teria mais RGs, perdeu 4 finais para Nadal etc e tal. Tudo bem, vamos lá, fnais: Federer tem 5 em Roland Garros. Nadal tem 5 no AO, 5 em WB e 4 no USO. Logo falta 1 no USO pra ele igualar o número de finais que Federer tem em RG. Fica o desafio para Rafa, está bem próximo já. Agora alguns torcedores do Federer podem dizer: Federer perdeu 2 semis pra Nadal em RG, ele poderia ter mais finais. Vamos lá: Federer tem 8 semis em RG. Nadal tem 6 semis no AO, 6 em WB, e 7 no USO. Faltam 2 para Rafa no AO e em WB, e 1 no USO. Fica o desafio para Rafa, creio que ele consegue. Agora pelamor né, não vamos entrar aqui em outras estatísticas idiotas, do tipo: quantas “2º rodada” cada um tem em cada slam, pq isso seria ridículo, a gente entraria num nível de discussão que daqui a pouco concluiria que Feliciano Lopez é alguém na história pq jogou 1 milhão de primeiras rodadas.

    Responder
  16. Jonatas Bruno

    Dobradinha chilena e rastafari, para dar aquela quebrada nos prognósticos, é a grama já causando os seus efeitos!
    Falando no Chile, como o Garin evoluiu! Até o ano passado, vivia na penumbra, agora já começa a fazer o seu nome.
    Agora os destaques do dia foram o Jarry e o Dustin Brown, esse será que vai para a trinca? Se continuar a embalar, já vou fazendo a minha fezinha para a quina.

    Responder
  17. Fernando Pauli

    Esse Tsitsipas é um tonto mesmo. Entregou no colo do Jarry um game em 4/5 no terceiro set com duas DP e um erro bobo, quando liderava por 30/15. Com essa mania boba de querer cantar toda hora bola fora, errou os três desafios, e nesse game o juiz avisou que ela não tinha mais chamadas. E não é que ele pediu o desafio duas vezes inclusive no MP, tendo que escutar do juiz por duas vezes ” no challenges remaining”. Tava mais preocupado com a marcação do que com o jogo, resultado caiu na segunda rodada.

    Responder
  18. Joao M P De Faria

    Estes números só vêm confirmar uma coisa. Federer já deixou de ser há muito tempo o melhor. E veja que Federer tem mais 6 anos de estrada que Nadal e Djoko.

    Responder
  19. Renato

    Disse Ivan Lendl: ” Trocaria todos meus títulos de Roland Carros por um de Wimbledon “.

    Segundo o próprio Dalcim, o jogador falou muito sério.

    Responder
    1. Jonatas Bruno

      Entendo que ele quis ressaltar a questão da “divisão dos bens”, em não ficar tudo por um lado só. Não duvido nada, que daqui há alguns anos quando o Federer já estiver fora do circuito, dar uma declaração que trocaria um dos seus troféus de Wimbledon por mais um de Roland Garros em especial sobre o Nadal.
      Quem está neste esporte, sonha por obter façanhas inatingíveis, portanto, a declaração do nobre croata é reflexo disso.

      Responder
  20. Renato

    E Dustin Brown fez mais uma vítima. Kkkkk Agora o compatriota Zverev.

    Pergunta: Seria Dustin mais jogador que Rafa Nadal na grama? O espanhol tem dois títulos de Wimbledon, mas o alemão venceu os dois confrontos entre eles na grama.
    À final de contas, o que vale, h2h ou títulos?

    Responder
    1. Barocos

      A. Zverev, Monfils e Kachanov já foram batidos em Stuttgart, só falta o Aliassime perder também.

      Tsitsipas foi despachado em Hertogenbosch.

      Está feia a coisa para a tal “Maior geração do tênis chegando”.

      Responder
      1. O LÓGICO

        L Fujão kkkkkk, por que você não responde à minha pergunta: por que o robozinho, e somente ele, apanha igual masoquista de parafilia kkkkkk quando joga em pisos diferentes do saibro com tenistas fora do TOP 10, tomando aulinhas do ensino básico do tênis kkkkkk, enquanto não vemos isso acontecer com Roger Angel kkkkk e Djokão no saibro? Como falei, isso prova minha tese de que o robozinho tem um tênis medíocre, não importando os títulos que ele já ganhou fora da Laje kkkkk. Ganhou o AO 2008 e W 2009 porque Roger estava esmerilhado kkkkkkk, e o USO 2017 porque Deus o presenteou kkkkkkkkkk. Ele só era pra ter três slams fora da LAJE. O mesmo para os Masters 1000: quantos ele tem fora da LAJE? kkkkkk; e o Finals? kkkkkkkkk. A minha dúvida é só uma: ele é medíocre como tenista porque é UNIDIMENSIONAL, ou é UNIDIMENSIONAL porque é medíocre como tenista kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk? Podes me responder, nadalfanzet kkkk?

        Responder
        1. Luiz Fernando

          Se vc escrevesse em português claro, ao invés de postar sempre textos como kkkkkkkkkkk ou kkkkkkkkkkk talvez fosse mais fácil obter algum retorno. Alem disso, eu não tenho o habito de responder a caras que agem de forma oportunista, mas como vc é velho de guerra, e de sofrimento, aqui no blog, talvez eu fizesse uma exceção…

          Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Pior é que se o Nadal tiver o azar de pegar o Brown, nas primeira rodadas de Wimbledon…

      Aposto que ele cai fora.

      O jogo do inglês é todo talhado pra grama, e costuma crescer contra esses grandes tenistas…

      Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          É diferente, amiguinho.

          O Federer é o maior vencedor da HISTÓRIA de Wimbledon.

          Acho que você não entende bem a dimensão desse feito…

          Óbvio que todo grande campeão, vez por outra, joga mal e perde pra algum pangaré, como foi o caso desse Stakovsk…

          Porém, não será agora. E nem adianta você agourar.

          O Federer está com muita confiança, depois da semi de RG, e muito bem fisicamente.

          Acho muito difícil dele cair antes da final, dessa vez…

          Responder
    3. Carlos

      É caso de se perguntar: qual a consistência da carreira do Dustin Brown? O que ele já ganhou? Ganhar um ou outro jogo não lhe dá a primazia de ser melhor que o Nadal em grama. Quero ver é o Brown ganhar duas vezes Wimbledon. Não é para qualquer um ganhar GS.

      Responder
  21. Leomar Ribeiro Mendes

    Bom dia!!
    Sou fã de Nadal, mas falar que o cara só joga no saibro, temos alguns dados, Nadal venceu Federer no auge em Wimbledon 2008 talvez o melhor jogo de tênis da história recente, porque não posso falar por antigamente, ninguém fez isso, digo auge, aqueles 5 anos impressionantes de Federer, que só tinha um oponente, Nadal, Nadal venceu Djoko em finais na quadra dura, lembro de Djoko dizer algo como: “Ele me venceu no meu melhor piso”, se não me engano US Open 2013, alguém conseguiu vencê – lo em RG em finais??mesmo dizendo que ele não estava no melhor, obviamente que ambos tanto Federer e Djoko são excepcionais, vamos falar de finais de Grand Slan, se eu não estiver errado, AO 5 finais, WB 5 finais, US Open 4 finais e RG 12 finais,tirando RG, Djoko e Federer, quem se aproxima dos números de Slan dele, Acho que Murray e Stan num sei, agora que lembrei a medalha de ouro olímpica, lembrando em piso rápido, será que teremos olimpíada em piso de saibro?? Abraço

    Responder
  22. Luiz Fernando

    O que não está ao meu alcance eu desmereço kkk, algo parecido com a falácia nazista da mentira q é contada muitas vezes e se torna verdade. O significado de vencer RG está claramente demonstrado no choro da vitória tanto de Federer quanto de Djoko ao vencerem lá, está certo q só uma vezinha mas venceram. O torneio está defasado em relação aso demais? Sem dúvida. Precisa melhorias? Sem dúvida. Vale menos do q os outros? Só nas cabecinhas ocas de alguns…

    Responder
    1. Maurício Luís *

      Também acho. Desmerecer Roland Garros é desmerecer Guga por tabela. Apesar que o baloeiro está deixando as coisas bem monótonas por lá, mas é mérito dele. Então… “O que não tem remédio, remediado está”. Melhor já darem um troféu permanente pra ele que compensa mais.

      Responder
      1. Luiz Henrique

        Monótono é o resto do ano. Djokovic brincando de ganhar slams, vai repetir tudo de novo. Só um Nadal sem bloqueio mental talvez tenha uma chance, mas vai ser difícil

        Responder
  23. Pedro

    Dalcim,

    O Federer arrecadar 86 milhões enquanto Nadal 26 milhões em patrocínio falam muita coisa. O espanhol não consegue ser carismático. Pode superar os títulos de GS, mas mesmo assim uma diferença e vezes menor em patrocínio.

    Responder
  24. Renato

    Paulo Almeida,

    Se os números de Roger forem batidos serão por méritos dos rivais, que também são gigantes.
    A vida vai continuar a mesma coisa. Tenho contas pra pagar, mulheres pra encantar, família pra amar e amigos pra zuar.

    Responder
  25. Paulo Almeida

    Renato está mesmo desesperado com a iminência do Jagua da Montanha ser ultrapassado pelo Cueca Encravada, hahaha.

    Acho que nem mesmo o GOAT Djokovic pode impedir que isso aconteça; pode no máximo continuar atrasando o inevitável.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Pois é.

      Era isso que vocês diziam do Federer, desde 2013…

      ” Nunca mais ganhará um Grand Slam”.

      Só pra contrariar, o homem foi lá e ganhou três!

      Portanto, continuem agourando o GOAT…

      Profetizo que quanto mais vocês falarem contra, mais vitorioso e sortudo será o suíço.

      kkkkk

      Responder
  26. Rodrigo S. Cruz

    [Jonas]

    12 de junho de 2019 às 08:37

    “Djokovic não está no auge, longe disso. Mas ele continua jogando muito, assim como o Federer, mas auge mesmo já foi há um bom tempo”.

    isso mesmo.

    Continue dando uma de bobo da corte como aquele teu amiguinho, o vulgo “BBKinha imitão”…

    kkkk

    Evidente, indiscutível que Djokovic está no auge físico!

    Corre mais rápido nas bolas do que o Usian Bolt.

    É mais incansável “maratenista” do que o Paul Tergat!

    Ganhou 3 Grand Slams seguidos, antes de fazer semi em RG!

    E além de tudo é “apenas”, apenas, o número 1 do mundo!

    Uma vez que seja na vida, abra mão do teu VIGARISMO intelectual.

    Não há nenhum trouxa no blog…

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Vou concordar parcialmente com você.

      DjokoGOAT vive o terceiro auge de sua carreira, com partidas no GOD MODE e outras bem abaixo. Não está tendo a mesma consistência dos outros dois auges, mas foi o suficiente pra ganhar três Grand Slams seguidos.

      Agora auge físico é uma piada, tanto que não aguenta mais várias partidas duras em sequência. O que está fazendo diferença agora é principalmente o primeiro saque, melhor do que no passado.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Ok.

        Realmente, o Djoko está longe do auge físico.

        Deve ser por isso que o rendimento dele deixa tenistas mais novos, muito mais novos que ele, no chinelo.

        Deve ser por isso, que se trocarem 35 bolas do fundo, em jogo longo, o Djoko ganha a maioria dos rallies.

        kkkk

        Responder
    2. Jonas

      Auge do Djokovic foi em 2011, 2015.

      Ele correr muito é normal. Não há nenhum absurdo nisso. Me refiro ao auge técnico mesmo que claramente já passou.

      Federer também está bem fisicamente, até melhorou em alguns aspectos, mas o auge técnico dele também já passou concorda?

      A questão aqui é que eu não uso desculpas como idade pra justificar as derrotas do Djokovic. Mesmo que ele esteja com 32 anos e seu estilo seja bem exigente pro físico.

      Enquanto que praticamente toda sapecada que o Deus suíço leva de Nadal ou Djoko vocês usam a mesma desculpa.

      Mesmo nessa última atropelada que ele levou do Nadal, vocês usaram a desculpa até do vento. Sendo que o suíço é bem mais habilidoso que o Nadal, deveria lidar melhor com a situação do que o espanhol.

      O Djoko agnt sabe que sempre teve dificuldades em jogar contra o vento e mesmo assim acredito que ele perdeu pq o Thiem foi melhor mesmo e levou no detalhe.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Esquece 2011…

        A avaliação do auge, está quando comparamos o físico do Djoko hoje, com tenistas na versão de hoje.

        E exceto o Nadal, ninguém no circuito se defende como o sérvio faz, nem remotamente.

        E na parte técnica, até o slice que antes incomodava o sérvio, não incomoda mais.

        (antes, o Federer o deixava louco com o slice).

        Ou seja, auge técnico, pelo fato do seu jogo não ter buracos para se explorar.

        Pra ganhar do Djokovic se ele jogar bem, tem de ser na RAÇA mesmo!

        Arriscando, indo pra bola vencedora e sacando bem, o tempo todo, assim como fez o Thiem em RG…

        Responder
      2. Chileno

        Se você tivesse visto seu tenista preferido equilibrar o jogo contra um grande rival por 2 sets, e depois decair enquanto o adversário de 27 anos se mantem inerte, você entenderia.

        Talvez nunca passe por isso, porque a geração que veio depois do Djoko não vingou. Dimitrov, Raonic, Nishikori, Goffin…

        Invés disso, a concorrência mais forte que o Djoko vinha enfrentando desde que passou dos 30 era toda de caras da mesma idade ou mais velhos que ele, o que anula qualquer desvantagem física. Somente agora, tá parecendo que talvez, numa dessas, o Thiem consiga ser o cara mais jovem que vai dar trabalho.

        Ele que provavelmente nem chegou no auge ainda. Talvez a partir do ano que vem ou de 2021 você entenda, e isso, se o Thiem vingar mesmo, ou se alguém mais novo se firmar, como o Tsitsipas ou o Zverev.

        Responder
        1. Jonas

          O fator físico vai influenciar se o jogo se alongar, ainda mais em 5 sets.

          Não foi o caso nesse Rg, já que o Nadal venceu em sets diretos. Em 2017 o Federer venceu o Nadal no 5° set e estava voando no último set. Enfim, claro que o fator físico é importante no tênis e vai afetar o Djokovic em poucos anos. O Federer tem um estilo que prejudica bem menos o físico, por isso está aí voando.

          Se ele jogar um Slam e pegar sequências duras indo pro 5° set, acredito que vai ter mais problemas por conta da idade. Mas é mais a exceção do que a regra isso acontecer.

          Responder
        2. Paulo Almeida

          Besteira e choro, como respondi no post do Miguel.

          De 2011 pra cá, Federer perdeu 19 partidas e venceu outras 9 do Djokovic estando bem tanto física quanto tecnicamente na maioria absoluta dos confrontos. O que definiu essa vantagem foi quase que exclusivamente o nível superior do sérvio.

          Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Em Roland Garros ele é foda mesmo.

      Mas nas outras quadras, nem tanto…

      Acho que se pegar o Federer mais umas 10 vezes, fora do saibro, perderá umas 9 !

      Responder
  27. Renato

    Então, Se alguns aqui consideram Nadal ou Novak GOAT, mesmo sem ter os números de Federer(No caso do espanhol ZERO finals e poucos semanas na liderança) por que torcedores do suíço não poderão considerar o suíço o GOAT mesmo que seus números sejam batidos?
    Existem critérios subjetivos que devem ser respeitados. Conta muito a favor do suíço o fato de ser o mais popular, mais técnico e com jogo mais vistoso. Afinal de contas, muitos consideram o Flamengo o maior do Brasil mesmo nem de longe sendo o mais vitorioso.

    Responder
    1. DANILO AFONSO

      Nobre RENATO, ignore esse ponto “popularidade”.

      Ninguém deve se gabar ou achar que esse ou aquele esportista é melhor por que é mais popular. Isso é irrelevante.

      Eu sou torcedor do DJOKOVIC e FLUMINENSE. Quando escolhi torcer para estes, 1° semestre de 2008 e 1987, respectivamente, eu sabia que não eram os mais populares. Quem escolheu torcer para Djokovic e Nadal na década passada ou nesta, sabiam disso.

      O mesmo vale para o aspecto técnico mais perceptível no jogo do FEDERER. Tirando os torcedores nacionais de NADAL e DJOKOVIC, possivelmente os demais torcedores os escolheram em razão da garra e entrega física em quadra, bem como a força mental de ambos.

      Responder
    2. Naira

      Renato, boa noite. Concordo que existem critérios objetivos e subjetivos. Quanto ao Flamengo, que a maioria considera o maior do Brasil, se considerarmos todos os títulos do futebol profissional, do futebol amador (sub-20, sub-17, sub-15, etc, todas as categorias de base), futebol feminino, do basquete, do vôlei, da ginástica artística, do judô, polo aquático, nado sincronizado, natação, do futsal, tênis, remo, etc, falando objetivamente não vejo um clube maior que o Flamengo no Brasil. Agora se voce se refere a números de torcedores, então objetivamente falando, não vejo um clube no Brasil com mais torcedores que o Flamengo, porque em todas as pesquisas já realizadas até hoje sempre foi constatado que o Flamengo possui a maior torcida do Brasil, como o Brasil tem um tamanho continental, daí que se diz também que o Flamengo tem a maior torcida do mundo. Se voce se refere ao futebol profissional unicamente, o Flamengo tem todos os títulos que um clube profissional sul-americano pode ter. Para voce ter uma dimensão do Flamengo leia a matéria “DNA rubro-negro: 67 times que se basearam no Flamengo na fundação”. O nome Flamengo é o que tem a maior quantidade de clubes registrados.

      http://globoesporte.globo.com/futebol/times/flamengo/noticia/2015/11/dna-rubro-negro-67-times-que-se-basearam-no-flamengo-na-fundacao.html

      Agora, subjetivamente falando, o Clube de Regatas do Flamengo é o maior do Brasil.

      Responder
    3. Roger

      Eu acho a questão nem tão complicada. O Nadal e o sérvio jogam um outro esporte: é o Maratenis, nisso eles são imbatíveis, principalmente em uma determinada época não muitos anos atrás onde eles pareciam que podiam jogar partidas de 6 horas e dar uma corridinha logo após para descontrair. Isso é um misto de maratona com tênis. O suíço joga sim tênis, o clássico. Quem tem dúvidas do que estou falando, por favor vão atrás da seguinte estatística: quantos jogos cada um dos 3 venceu com mais winners que o oponente direto que perdeu. Não estou falando entre os 3 somente, mas os 3 ao longo de suas histórias contra outros adversários. Irão perceber que um enorme % de vitórias do Nadal e do Djokovic está em devolver a bola pro outro lado e vencer o outro pelo cansaço, eles venceram uma grande parte de suas partidas com baixíssimo % pontos ganhos com suas bolas vencedores, e com uma enorme quantidade erros do outro lado, exatamente o oposto do suíço. Façam este estudo para comprovar. E é sério.

      Responder
      1. Viana

        Falou besteira: matatênis!!
        Só quem não quer não vê a habilidade de Nadal e Djoko.
        E digo mais, outro lenda q existe é q Federer não sabe se defender… muito pelo contrário!!! Se defendeu muito bem em várias ocasiões em RG.
        Nadal está voleando e fazendo smashes com maestria!
        Djoko está fazendo drop shots bem tb!
        Os 3 são muito habilidosos!
        Renato: o seu GOAT, vc que escolhe!!! Os critérios são seus, inclusive essa adoração que vc tem pelo Federer.
        O q não podemos negar é a visão geral!
        Hoje, Federer é considerado GOAT pela maioria. Mas isso pode mudar, ou não!!
        É claro, q no mundo do tênis o número de Slans conta muito… Caso ele seja ultrapassado por um dos dois, muita gente dirá q ele foi ultrapassado.
        Mas, mesmo assim, vc poderá considerá-lo como GOAT!!
        O fato é q hoje já existem argumentos para os fãs dos 3 tenistas angariarem a posição de GOAT, cada um com seu critério! E isso já faz essa discussão bem legal.
        Só não acho q devemos menosprezar algum deles pra ressaltar o que torcemos.

        Responder
      2. R. P.

        Critérios aplicados de forma equivocada tendem a causar distorções.

        O correto é analisar a proporção winners/erros não forçados. Quem ataca mais consegue mais winners, porém, erra mais. A tal “análise” que você sugere é quase impossível. Qualquer um sabe que vitórias dilatadas têm proporção maior de winners. Um exemplo: Quartas de RG, Federer x Stan e Djoko x Zverev.
        Relação winners/ENF do Federer 53/49 = 1,081. Relação W/ENF do Djokovic 24/18 = 1,333. Agora vamos regressar até as oitavas, onde ambos derrotaram adversários mais fracos e com placares dilatados: Federer x Mayer W/ENF 31/19 = 1,631. Djokovic x Struff W/ENF 31/12 = 2,583. Perceba que nas oitavas Djokovic conseguiu o mesmo número de winners jogando menos pontos que Federer: 139 contra 157. Já nas quartas, Federer tem grande vantagem em números absolutos (obviamente por ter jogado muito mais: 320 pontos disputados contra 170), e também leva vantagem quando fazemos a relação pontos ganhos/ winners (53/168 = 0,3154, contra 24/97= 0,247 do Djoko). Porém, esta última relação ignora a quantidade de pontos cedidos ao adversário por erros não forçados.

        Quem acompanha os jogos do Djoko sabe que, geralmente, ele erra menos porque espera a melhor hora para decidir o ponto. Não vejo vantagem nenhuma ter muitos winners e também cometer muitos erros. Tem gente que acha essa “agressividade” uma virtude, outros acham afobação, e entre a frieza de saber trabalhar um ponto no “maratênis” e obter maior precisão e a ânsia de decidir logo o ponto errando um monte, eu prefiro o “maratênis”.

        Responder
        1. Chileno

          É tudo muito relativo. Winners são indícios de um jogo agressivo, mas só esse número frio e cru pode ser enganoso também. O próprio Djoko já venceu vários jogos com uma “grande” quantidade de winners, mas que se você assistisse aos jogos, notava que ele trocava 30 bolas com o adversário sem nenhum risco, até que em algum momento o oponente encurtava uma bola, e aí ele marcava um winner, de dentro da quadra, numa posição totalmente favorável. Se ele vencer a maior parte dos pontos assim na partida, o número de winners dele pode até ficar grande, mas ainda assim ele pode estar jogando defensiva e conservadoramente.

          Uma estatística que ajudaria, mas que até onde eu sei, não é muito computada, é a média de golpes por ponto marcado ou por winner. O Federer provavelmente teria algo em torno de 4 a 5 golpes por winner, enquanto Djokovic e Nadal provalvelmente teriam em média 8 ou mais golpes, pois dificilmente vão à rede e arriscam menos em geral. Semelhantemente, os games das partidas do Federer normalmente são mais curtos do que das partidas do espanhol e do sérvio, porque para o bem e para o mal, o suíço arrisca mais, o que torna os pontos mais curtos.

          A beleza do jogo é bastante subjetiva, de fato. Eu não gosto muito desse jogo mecânico e de regularidade que o sérvio vem fazendo de 2014 pra cá, embora seja indiscutivelmente eficiente. Acho enfadonho. Mas é só minha opinião. Em 2011, por exemplo, eu gostava muito mais do jogo do Djoko, que marcava winner lá da baseline mesmo, sem precisar aguardar o oponente afrouxar uma bola. O backhand dele na paralela era magnífico!

          Responder
          1. R. P.

            Esta proporção winners por golpe seria interessante mesmo. Mas winners/erros não forçados é uma proporção mais significativa, pois o atleta que tem essa proporção menor terá que jogar mais pontos, pois cederá mais pontos ao adversário. O jogo, em si, só fica mais rápido por haver menos troca de bolas, mas EU acho que fica mais feio justamente pela grande quantidade de pontos abreviados por erros não forçados, seja por precipitação ou má execução.

    1. DANILO AFONSO

      Ei nobre, esse codinome é meu…kkkkk
      E usava LOBOVIC e outros “nomes” por alguns anos aqui no blog antes de adotar em definitivo o meu nome verdadeiro.

      Responder
    2. O LÓGICO

      Lobovicão kkkkkk, eu tinha lançado às nadalzetes o seguinte desafio: considerando que o robozinho do tênis brega é o GOAT da LAJE kkkkkkk, então seria normal vermos o Fedex e o Djokão serem surrados de forma acachapante por ele nesse piso, da mesma maneira que o robozinho já foi surrado várias vezes de forma acachapante nas hards pelos dois. Mas você conceberia, ou já viu, Roger e Djoko, meu eterno herói kkkk, serem humilhados no saibro, considerando que esse não é o piso predileto dos dois, por tenistas que não são os tops do tênis ? Não, né. Isso nunca aconteceu, e nunca vai acontecer kkkkkk. Agora, como explicar o fato de o robozinho ser humilhado vez ou outra, por tenistas que estão fora da lista dos TOP do tênis, em outros pisos, se não pelo fato de sua mediocridade tenística? Esse fato científico, kkkkk, prova que o robozinho, dentre os grandes, é um medíocre, mesmo ganhando deles muitas vezes. De outra parte kkkkkk, esse mesmo raciocínio serve para provar não só a tese da MEDIOCRIDADE, como a da UNIDIMENSIONALIDADE. O robozinho xinguiling só tem 6 slams fora da LAJE, e nenhum finals. Isso se deve ao fato irretocável de que ele perdeu finais para Fedex e Djokão, mas que ficou pelo meio do caminho para vários outros tenistas. Eu acredito que até o GURU kkkkkk, concorda comigo kkkkkk, porque até o satanás, pai do robozinho kkkk, concorda. Com respeito ao D. Brown trata-se de experimento científico testado no laboratório da grama de Wimbledon kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Eu gostaria de ouvir as nadalzetes kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
  28. Guilherme

    Top 4 do Ranking da ATP DEZ ANOS ATRÁS, em 15.06.2009:

    1. Rafael Nadal
    2. Roger Federer
    3. Andy Murray
    4. Novak Djokovic

    Top 3 do Ranking da ATP HOJE, em 10.06.2019:

    1. Novak Djokovic
    2. Rafael Nadal
    3. Roger Federer

    Mais incrível que a longevidade desses três (RN, RF, ND), só mesmo a longevidade no topo!

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Não…

        Vira esse disco pelo amor de Deus!

        Já é duro aguentar a ladainha dos fakes com: ” GOAT, Fregueser, Capivara”.

        Day in, day out, a mesma coisa.

        Ainda temos de aguentar você, day in, day out, com essa implicância com o Kyrgios?

        Vi-ra o dis-co!

        Responder
        1. neuton

          Acho que não vou virar o disco. Acredito que o assunto precisa ser difundido para talvez ser resolvido. Mas, obrigado pela sua opinião. Ela é muito importante para o nosso desenvolvimento.

          Responder
  29. Luiz Fernando

    Dalcim o Dustin Brown me parece um jogador de bom serviço e hábil, pq ele inexiste nas quadras duras e ressurge sempre na grama?

    Responder
  30. João ando

    Com 33 anos Nadal ganha mais três ou quatro anos rg.ou seja ultrapassa Roger…se ele não ganhar mais nada…como deve ganhar mais duas outras veZes wb não ultrapassa. ..23/21 Roger ter goat

    Responder
  31. Renato

    Pois é, meus amigos. Mesmo longe do auge, Roger é o tenista mais bem pago do circuito, recebe quase o dobro do que Novak recebe e o triplo do que Rafael Nadal recebe.
    Detalhe: Até Nishikori ganha mais que o espanhol. Kkkkk

    Responder
    1. Carlos Reis

      Não significa NADA, pessoas lamentáveis como Anita, Ludmila e Neimidia ganham muita grana…Nadal é muito maior do que o japa, lamento informar…

      Responder
  32. Renato

    Não vejo qualquer motivo para duvidar do título de Federer em Wimbledon. Roger tem grande saque, ótimo forehand, melhor slice, melhor voleio e ainda se movimenta bem, apesar da idade.
    Mas é claro que depende de uma chave Boa. Tudo vai depender dos adversários que vai enfrentar a partir das oitavas.
    É o melhor tenista que pisou em uma quadra de grama até hoje, mesmo com o piso não tão rápido como antes.
    Aliás, quantos títulos em Wimbledon Sampras teria se jogasse na grama lenta de hj e quantos Federer teria se jogasse na grama rápida de antigamente. O que vc acha Dalcim?

    Responder
  33. Sandra

    Dalcim , porque o jogador adora ser cabeça de chave 1 ? Sempre o cabeça 2 pega melhor chave , vamos ser sinceros , o Nadal pode ser até cabeça 32 , ou seja lá o que for sempre pega a mais fácil , e seja fã ou não Do Federer ultimamente ele que tem pego as mais difíceis rsss, aliás pura curiosidade , vc já viu Nadal pegar alguma chave difícil , caso sim você pode me lembrar? E quantas vezes Nole foi campeão em Wimbledon ?

    Responder
  34. Paulo F.

    Nadal inclusive já anda cooptando bailarinetes tradicionais como postulante ao título de GOAT.
    As constantes humilhações ao suíço já andam fazendo até os rebeldes piratas cogitarem o espanhol como o GOAT.
    hahahahahaha!

    Responder
  35. Rafael Brasiliense

    Apesar do tênis não ser um esporte tão popular quanto outros, Federer é, disparado, o atleta que mais ganha com patrocínios no mundo. Seus ganhos com sua imagem são de US$86 milhões por ano. Em seguida, aparece LeBron James, com ganhos aproximadamente 40% inferiores aos do suíço, com um faturamento de “somente” US$53 milhões. Incrível o peso da imagem de Roger e, consequentemente, a sua contribuição histórica para a popularização do tênis. https://forbes.uol.com.br/listas/2019/06/10-atletas-mais-bem-pagos-do-mundo-em-2019/

    Responder
  36. Paulo Almeida

    Djoko não jogará Queen’s e assim perderá 300 pontos. Parece estar mais preocupado em preservar sua longevidade do que obcecado em manter o número a qualquer custo. Está mais do que correto.

    Responder
      1. Chileno

        Sem dúvida, uma boa decisão do sérvio. Provavelmente vai focar em defender o título de WB também. Só precisa ver se esse torneio não pode fazer falta na preparação. Mas conservar o físico também é importante.

        Responder
        1. Paulo Almeida

          Falta não faz, assim como não fará para os outros dois. Eles vão ganhando ritmo com as partidas iniciais, mas podem dar o azar de pegar um sacador inspirado nas primeiras rodadas, como o Querrey 2016.

          Responder
  37. Maurício Luís *

    Atendendo a zerocentos pedidos de nenhum internauta, vamos à conceituada opinião do Sr. Spok sobre a viória do Rafa Baloeiro Nadal em Roland Garros.
    – Sr. Spok, o senhor que é Oficial de Ciências da nave estelar Enterprise, qual a sua análise científica semântico-ortopédica?
    – Morder a taça é uma atitude ILÓGICA, uma vez que o troféu não é comestível. O ibérico tenista deveria ser desclassificado e multado, por confundir taça com palito de biscoito.
    Este seria o desfecho mais racional, de acordo com as Leis do meu planeta natal, Vulcano.

    Responder
  38. CARLOS UMBERTO

    Meus amigos, a historia e infinita. Alguem pode ter sido melhor até agora, mas no futuro teremos pessoas melhores que todos nos. porque criar tantos rótulos ! Estamos ainda na pré-história da espécie humana

    Responder
  39. Renato

    Viana,

    Não existe disputa pelo GOAT, mas sim disputa pelo vice. Nadal, Borg, Laver , Sampras e Novak estão em uma bela disputa, apesar de só dois em atividade.

    Responder
    1. Viana

      Sua opinião, mas a maioria do mundo do tênis acha que hoje Federer é o GOAT, mas, isso pode mudar.
      Visualize um cenário: Caso Federer não ganhe mais nada e Nadal ganhe mais 4 Grand Slans (sendo 1 AUs Open), e ainda ganhe um Finals. Sei q é difícil, mas como disse, é uma suposição…
      Nesse cenário, muita gente irá dizer q o Nadal é o GOAT…

      Essa dúvida já existe, muitos já apontam Nadal como GOAT, apesar de muitos, é minoria!
      A maioria, HOJE, aponta Federer como GOAT, mas isso pode mudar.
      Não querer ver isso já parte para o fanatismo! Como vc já disse, pra vc o Federer será sempre o GOAT, mas isso é sua opinião, respeito… mas não concordo!

      Responder
    2. Eduardo

      Você tem toda Razão Renato , Deus supremo dos comentários, não há o que contestar a condição de GOAT de RF em relação às quadras de grama. Quanto ás demais, sinto muito bonitão.

      Responder
  40. Maurício Luís *

    Bom, é o seguinte: baixada a poeira de Roland Garros, como ‘secador’ do baloeiro, sou brasileiro e não desisto nunca.
    Só que agora, como diz o Dalcim, entrei em “desespero tático”. Vou tentar convencer a noiva do Nadal a dar uma ‘canseira’ nele na véspera das partidas de Rolanga ano que vem. Quem sabe assim ele cai de rendimento. Porque olha… 12 canecos… Ninguém merece. Suplício sem fim! Por que não lhe dão um troféu honorário definitivo, e deixam os outros mortais disputarem sossegados? ET não deveria entrar, a não ser que a partida seja em Marte.

    Responder
  41. Robson Couto

    Prezado Dalcim,
    Não poderia deixar de parabenizá-lo pela competição do site em relação aos resultados de RG. Muito divertido e prático para participar e acompanhar os resultados. Essas novidades juntamente com seus textos, acompanhamento das partidas em tempo real, cobertura do circuito entre outras coisas, só podem realmente ser feitos por alguém que ama o que faz. Fica o agradecimento e muita gratidão a você e sua equipe. Grande abraço!

    Responder
      1. Jonatas Bruno

        Dalcim, há possibilidade ou disponibilidade de reimplantar o desafio para Wimbledon? Certamente deve ter caído nas graças do público.
        Um gol de placa de toda a equipe, diga-se de passagem!

        Responder
  42. Luís H Sheltz

    Não, Nadal não é o maior vencedor do tênis profissional. O título não procede com a realidade.

    Chances em Wimbledon “Lance ” Nadalmstrong só vai ter set ganhar os sete jogos por wo. Carreira patética na grama sagrada.

    Go Nole!

    Responder
    1. Thiago Luiz

      Uma vez comentei aqui nesse blog que tinham parado de acusar o Nadal por algo que nunca foi provado e que nem mesmo mostraram até hoje o motivo de terem começado essa suspeita.
      Sou torcedor do Djoko assim como vc diz ser, e admiro tanto Nadal quanto o Federer, pq chegar onde esses 3 chegaram só com muito trabalho e dedicação.
      E só pra te lembrar, o Federer com 38 cansa menos que jogador de 25, Djoko então todo mundo sabe que é tão bom de físico quanto o Nadal.
      Então sinceramente fica parecendo apenas inveja do que o Nadal consegue, pq é só o mesmo ganhar que começa de novo esse papo.
      Mostre provas contra o Nadal, assim como pedi quando acusaram o Djoko por algumas coisas aqui.

      Responder
    2. Lucas Pires

      São 05 finais em Wimbledon com 02 títulos, sendo que um dos títulos foi sobre o maior jogador da história da grama em seu auge. Eu queria ser medíocre assim na minha profissão.

      Responder
    3. Jonas

      Nadal é Bicampeão em Wimbledon. A primeira vez que venceu por lá, foi em cima do Federer. O contrário não ocorre, já que o suíço nem chega perto de arranhar o Nadal na casa do espanhol.

      Nem torço pelo cara, mas essas Freguesetes não cansam de passar vergonha. Espero que os dois se enfrentem de novo na grama. Se Federer perder, a desculpa será a “idade” como sempre.

      Responder
  43. CARLOS UMBERTO

    O título do texto é exato. Maior vencedor pois tem a melhor estatística. Não significa ser o melhor ou o maior tenista. Esse domínio absoluto no saibro, mérito dele, infla os números. Difícil fazer prognósticos, mas se ele estiver bem fisicamente ganha pelo menos mais um RG. Acho que empatará com RF no número de GS. Mas isso não me importa, quero ver duelos épicos, como já vi muitos, decididos em 5 sets, com emoção, sofrimento. Sou um simples mortal, não fico satisfeito com vitórias fáceis. O esporte para nós é entretenimento, embora envolva muito dinheiro! Aqui nesse blog, que leio a muito tempo assiduamente, vejo muito discussões apaixonadas de torcedores fanáticos que perdem o discernimento da realidade objetiva dos fatos. O Dalcim por certo é um gentleman por suportar e conduzir tão bem este caldeirão efervescente.

    Responder
  44. Luiz Fernando

    Não sei se estou equivocado ou a antipatia pelo cidadão me atrapalhou, mas fiquei com a clara impressão de que no matchpoint de hj Kyrgios nem tentou devolver o saque do italiano. Derrotas desse babaca fazem bem ao esporte…

    Responder
  45. Oswaldo E. Aranha

    Estive com tendência de tirar férias do blog depois das derrotas da Halep e do Djokovic, mas não resisti ficar afastado por tanto tempo. Dalcim, criaste uma forma de nos manter presos, apesar de algumas agressões injustificáveis. Continua na tua missão, ainda que árdua, para não nos deixar órfãos.

    Responder
  46. Rodrigo S. Cruz

    [Renato]
    10 de junho de 2019 às 22:26

    “Normal. Se jogar mais alguns anos a tendência é o % cair naturalmente. Apesar do título em Rg e Roma, Nadal perdeu pra vários tenistas esse ano. O percentual é enganoso as vezes. O próximo semestre se aproxima e as derrotas costumeiras também”.

    Verdade.

    Quanto menos disputas, maior a porcentagem. (aproveitamento)

    Juan manuel Fangio detém um recorde relativo que JAMAIS será igualado na Fórmula 1:

    O aproveitamento em vitórias.

    (o de pole-positions também lhe pertence).

    Porém, unicamente pelo motivo que você expôs:

    Na época do argentino, o calendário da Fórmula 1 era muito mais enxuto, e havia poucos GP’s por ano.

    Fangio, em toda carreira, disputou apenas 51 GP’s, e obteve 24 vitórias.

    Portanto, seu aproveitamento é de 46% em vitórias.

    E muito superior ao do Schumacher, apesar deste ter muito mais vitórias do que o Fangio.

    Pois o alemão é o detentor do recorde absoluto de vitórias na F-1, com 91.

    Porém, 91 vitórias em 308 GP’s. Que dá um aproveitamento de “apenas” 29,5%.

    Responder
  47. Rodrigo S. Cruz

    [Nando]
    10 de junho de 2019 às 15:10

    “Esses fakenetes (fakes torcedores do cotonete) mostram o desconhecimento do esporte a cada post (aliás com vários coments)…Dalcim faz um post sobre Bellucci, e os “caras” falam de fregueser, djokovic goat, cara de capivara e blá blá blá. Dalcim faz um post sobre nadal, e os “caras” falam de fregueser, djokovic goat, cara de capivara e blá blá blá. Muda o post, mas as fakenetes só sabem falar a mesma ladainha…mostram tbm q não gostam do esporte, e sim do jogador. Torcer pros Bigs se aposentarem logo, quem sabe esses fakenetes desaparecem e assim despolui o blog né?”.

    Concordo inteiramente.

    Não importa o assunto, a babaquice não muda. Apenas ficam repetindo a mesma ladainha.

    Como você disse, o blog precisa ser DEDETIZADO dessas pragas virtuais…

    Responder
    1. Willian Rodrigues

      De fato, esse Dustin Brown é mais um daqueles que, se dosse mais focado, mais profissional teria atingido facilmemte o top ten. Essa foi, provavelmente, a melhor partida densua vida!

      Responder
  48. Jonatas Bruno

    Destes dados, o que mais me impressiona é a liderança do Nadal em percentual, nas quadras abertas, e ainda com boa margem! O que realça que mantém um padrão elevado, além saibro. Digno de nota.
    Curioso ser um dos raros tópicos em que o Federer não consta no tópico! Bem capaz de estar neste top 5, estou certo?

    Off-Tópic:
    Dustin Brown voltou a dar o ar da graça, e o que é melhor, estreando com vitória! Chega a grama, a sua praia, ressurge em boa hora, numa semana morna sem grandes atrativos. Se resolver ir contra a lógica e colocar todos na fila, quem sabe Wimbledon o faça ser feliz rs. Expectativa zero,contudo presencia-lo em ação, já vale a empolgação.

    Blog continua convidativo, análises em cima do lance, mais dados passados a limpo, e a conexão com a “platéia”, são o que fazem essa plataforma, a preferência e prestigio em coro.

    Responder
  49. suely

    Nadal e o maior na Laje somente na Laje KKKKKKKKKKK e os outros 3 US Open 2 wimbledon e um AO mais 2 Medalhas de ouro etc etc…….Assim como o Nadal…. Federer e Djokovick so tem um GS. Logico, vc deveria esquecer o Nadal e ler mais a respeito do seu outro idolo ROGER FEDERER kkkkkkkk. SABE QUAL FOI O MAIOR FEITO DA CARREIRA DELE…..A LAJE KKKKKKKK DITO PELO PROPRIO FEDERER SEMANA PASSADA. O MEU PROBEMA EM R GARROS SEMPRE FOI O RAFA NADAL. RAFA E O RAFA ADMITE O SUICO DE 37 ANOS QUE FALA DA CONQUISTA DE RG 2009 COMO UM DOS MAIORES FEITOS DE SUA CARREIRA. FOI UM SONHO TORNADO REALIDADE . LEMBRO-ME QUE QUANDO ROBIN SORDELING GANHOU DE NADAL NAS OITVAS DE FINAL OS JORNALISTAS COMECARAM A DIZER QUE SE EU (FEDERER) NAO GANHASSE NAQUELE ANO NUNCA MAIS GANHARIA.EU SENTI QUE NESSE MOMENTO EM VEZ DE SER MAIS FACIL GANHAR IA SER MAIS DIFICIL POR TODA PRESSAO QUE IA SENTIR. E ASSIM FOI.ESTOU ORGULHOSO PELA FORMA COM DIGERI A SITUACAO. qUE IRNIA DO DESTINO SER NA LAJE O MAIOR FEITODE SUA CARREIA…..PALAVRAS DO FEDERER KKKKKKKKKK ACEITA QUE DOI MENOS KKKKKKK RSRSRSRS

    Responder
    1. O LÓGICO

      Os números mostram que ele é o tenita da LAJE. E eu acho que as nadalzetes gostam mesmo é de ver o robozinho do TOC se picando em quadra com suas incontinentes dedadas kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não posso afirmar nada, Ando, mas o que se diz nos bastidores que foi o Jamie quem tomou a decisão e pegou Bruno de surpresa. Acredito que a queda de rendimento tenha influenciado, assim como a vontade de jogar com um compatriota, talvez mirando as Olimpíadas.

      Responder
  50. Carlos Alcides Fenili

    O próprio Thien disse neste mesmo site antes do jogo com Nadal que estava plenamente recuperado fisicamente, e esse não seria problema durante a partida. Também devemos levar em conta a idade. Nadal descansou um dia a mais, mas tem 32 anos. Thien descansou menos, mas tem somente 24. Por isso não é justificativa pela derrota do Thien, o fato é que o Nadal deu mais uma aula no austriaco.

    Responder
  51. Fernando Brack

    Quanto à corrida pelo total de Slams, o ogro recebeu um gás absurdo com o caneco em RG, que não era tão certo como em outras ocasiões.

    Chegou aos calcanhares do Mestre, que eu não acredito que ganhe outro. O ânimo do espanhol nos próximos torneios estará nas alturas.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Brack,

      Nunca duvide de Roger Federer…

      Em meados de 2016, o Chetnik escrevia aqui, que ele também não acreditava que o suíço ganhasse, nem mesmo mais um.

      Mas desde aquela época, eu argumentava com ele o seguinte:

      Se o Federer chegou em duas finais seguidas de Wimbledon, e só perdeu do próprio número 1, uma hora ele consegue sim…

      Só que o Federer foi bem além.

      Não só ganhou em Wimbledon. Ganhou mais dois Australian Open…

      Eu acredito firmemente que pelo menos mais 1 major ele vai conseguir.

      Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          O Nadal tem chances razoáveis na Austrália…

          Mas Wimbledon, eu acho muito difícil do espanhol ganhar.

          Por ser um torneio em que ele tem mais chances de cruzar com um grande sacador como Kyrgios, Anderson, Isner.

          E cair fora, mais cedo do que espera…

          Responder
          1. Jonas

            Muito difícil? Sério?

            Nadal foi semifinalista ano passado e perdeu no detalhe do detalhe pro Djoko.

            Se ele passar da primeira semana é perigoso vencer sim. Não fosse um tal de Djokovic o espanhol seria tricampeão.

  52. Lomeu Lima

    Dalcim, com esse novo GS vencido por RAFA, vc cravaria ele entre os 3 maiores da historia??? Já fez uma contagem “abusiva” caso alguns torneios MM antes disputados em 5 sets fossem considerados como GS, de forma análoga ao futebol que chancelou alguns títulos antigos como Campeonato Brasileiro, beneficiando alguns grandes clubes como Palmeiras e Santos? Como ficaria a contagem dos GS do BIG THREE? Abs.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu fiz um ranking dos emus ‘top 20’ em outubro do ano passado, Lomeu, por conta do 20º aniversário do TenisBrasil. Nadal já era o segundo.

      Responder
  53. Fernando Brack

    Dalcim, o maior vencedor de qualquer esporte é quem vence mais vezes e as maiores competições.
    Em minha opinião, o maior vencedor do tênis profissional ainda é Roger Federer, com Nadal logo ali.

    Responder
  54. Fernando Brack

    Pobre Thiem! Não aguentou o tranco da confusa reta final do torneio, tão prejudicada pelas condições do tempo, e foi humilhado por Nadal. O rapaz não merecia isso. Espero que tenha outras oportunidades em RG. Já pensaram se ele nunca mais volta a uma final lá?

    Responder
  55. RAMON ASSIS OLIVEIRA

    Eu acho que esses percentuais são uma maneira errada de calcular a eficiência.

    Por exemplo, um jogador que chegue às quartas de final de 4 slams, terá 16 vitórias e 4 derrotas. O que aparentemente dá uma eficiência de 80%.

    Mas, na realidade, ele venceu 16 partidas de 28 possíveis, eficiência inferior a 60%.

    Responder
    1. Barocos

      Usando seu raciocínio, um torneio em que o jogador se retire por lesão já na primeira rodada ou pior por desistência fica como? E se a lesão for grave e o tenista desistir do torneio seguinte?

      De verdade, o método correto é o atual, número de vitórias dividido por partidas disputadas.

      Responder
    2. Efraim Oliveira

      Nenhuma de suas análises está incorreta… estáticas podem ser feitas sobre os mais variados aspectos; tu citou duas aí. Depende do que se quer analisar, se vitórias possíveis ou vitórias sobre jogos realizados.

      Nadal em Roland Garros em 15 participações

      Em 105 jogos possíveis, venceu 93… 89% de aproveitamento.

      Em jogos feitos, jogou 95 vezes e perdeu 2… 97.9% de aproveitamento.

      Responder
  56. eu

    Rodrigo,
    nada a ver o comentario do Rubens leme.
    O que uma coisa tem a ver com a outra né? O assunto é tênis e ele dá um jeito de falar de te agredir com bolsonaro e afins…
    No fundo, a resposta dele só confirma pq tudo foi como foi e é como é…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Pois é.

      Mas eu já notei que ele passou a me ver até como inimigo, pelo simples fato de eu ter votado no Jair Bolsonaro.

      kkkk

      Não existe petista que não tenha sofrido alguma lavagem cerebral.

      É o famoso “nós contra eles”.

      Herança deixada pelo marxismo cultural que conseguiram implantar, com relativo sucesso, em alguns segmentos da sociedade…

      Não sei se o Bolsonaro será um bom presidente.

      Mas a minha diferença para essas pessoas, é que caso ele se revele ruim, ele NUNCA MAIS terá o meu voto.

      Todavia, eu só posso julgar o caráter de alguém, se for pelas suas ações, não por conceitos pré-estabelecidos…

      E entre as opções que haviam no segundo turno:

      1.Bolsonaro (que veio com uma proposta nova)

      2. Haddad ( lacaio de presidiário corrupto)

      Estou certo de que, no mínimo, optei pelo menos pior…

      Responder
      1. Chileno

        Rodrigo, concordo com quase tudo que você posta, mas na política eu discordo muito. Até aí tudo bem.

        Mas gostaria de elucidar que infelizmente não é exclusividade dos petistas a “barreira”. Tanto petistas quanto bolsonaristas criaram essa resistência ao diálogo racional.

        Eu recomendo que você fique antenado, porque já tem bastante cagada pipocando nesse governo.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Chileno,

          “Cagada” é uma coisa.

          Roubalheira de cifras astronômicas, é outra bem diferente…

          No momento presente há um ABISMO tão grande, que forçar uma comparação entre as gestões é esdrúxulo, risível.

          Quando foi que você já viu o Lava-Jato acusando o Bolsonaro de corrupção?

          Responder
          1. Chileno

            Não estou comparando as gestões. Estou apenas te alertando, porque seu discurso faz parecer que até agora o governo Bolsonaro está indo bem, e na verdade ele já está indo bem mal. Claro que pode reverter e tal, mas o começo está muito ruim.

      2. RONALDO SOUSA

        Sr, Rodrigo.

        A frase “Não existe petista que não tenha sofrido alguma lavagem cerebral”, é um conceito pré-estabelecido, além de não deixar de ser apenas mais uma falácia!
        Logo, você fala e pensa o mesmo que critica.

        Responder
  57. João Heitor

    Dalcim, eu acho q nas façanhas do Nadal está faltando a de ser o único nos últimos 15 anos a não quebrar raquete em quadra kkkk. Brincadeira

    Responder
  58. Luiz Fernando

    Moya é um dos responsáveis pelos resultados e pela evolução do Rafa nos últimos anos. Me lembro bem q quando foi contratado disse q só aceitou o convite após Nadal lhe dizer q tinha compromisso com as melhoras sugeridas e com a recuperação da antiga forma. Daí foram mais 4 GS e a forma atual, bem mais agressiva e por isso mesmo capaz de poupar tempo em quadra e físico.

    Responder
  59. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, López foi derrotado em Stuttgart, onde defendia quartas de final de 2018. Ele atualmente está na posição 108 do ranking e, certamente, cairá algumas posições até o fim de semana. Dessa forma, deverá disputar e, provavelmente, perder no quali de Wimbledon, quebrando assim a sequência de Slams disputados de forma consecutiva.
    Caberá a Verdasco tentar alcançar esse recorde. Está 69 a 64 pro López. Entretanto, se Verdasco mantiver a pegada, ultrapassará López no US Open 2020.
    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A lista de inscritos de Wimbledon já foi definida, Pessanha, e López já estava fora. A menos que oito desistam ou ele ganhe convite, terá de jogar o quali e aí colocará em risco a sequência.

      Responder
  60. Antônio Carlos Marques Mota

    É duro ver um tenista ser alçado ao um patamar elevado por conta de um aproveitamento espantoso em apenas um tipo de piso. Se RG fosse retirado das estatísticas, Nadal teria apenas 6 GS. Retire-se o maior número de slams do Federer em um piso (no caso, Wimbledon), e ele continuará à frente do espanhol. Os números são mesmo cruéis e podem fazer do espanhol o maior tenista da história por ser vendedor do maior número de slams em um único piso. Só uma coisa os números não serão capazes de disfarçar: a qualidade do saque enigmático, a técnica maravilhosa do backhand com uma mão, a eficiência dos voleios e a plasticidade do forehand de Roger Federer. Isso, Nadal jamais terá.

    Responder
    1. Luiz Fernando

      E foi justamente esse maravilhoso BH de uma mão que ajudou Nadal a vencer tantos torneios e fazer dele seu freguês de caderneta…

      Responder
    2. Luiz Henrique

      “Apenas 6 GS”, o terceiro maior vencedor de torneios desse tipo durante sua carreira, só atrás de Federer e Djokovic, Nadal é tricampeão do Us Open. Nada mal hein? Melhor do Federer e Djokovic em Roland Garros. E Nadal fez 5 finais de WB e AO, o mesmo número de finais de Federer em RG q vcs tanto se orgulham (já vi até usando como argumento pra ele ser melhor q Djokovic no saibro)

      Responder
  61. Renato

    Resumo do dia:

    – Mano Brown tá na área! Venceu hj e vai enfrentar o Zverev.
    – Kyrgios perdeu na estreia de Sttutgart para o saibrista Berretini. Pulo Rg pra que? Nem na grama o cara vence.
    – Shapovalov tá demorando pra decolar. Mas uma derrota pro Struff, agora na grama. E olha que o canadense já foi campeão juvenil de Wimbledon.
    – Raonic voltou e cravou 31 aces na Vitória sobre o australiano A Popryn por 2 x 1. Saque calibrado.
    – Aliassime venceu Gulbis por 2 x 0. Olho nele.

    Responder
  62. Chileno

    Importante ressaltar que Nadal tem quase o dobro de partidas que o Borg, o que torna esse percentual de vitórias muito mais relevante. É um monstro mesmo, especialmente no saibro.

    Responder
  63. Rubens Leme

    Dalcim, vendo a programação de Stuttgart aparece o Jurgen Melzer, que, aos 38 anos, virou duplista apenas há uns 3 anos e vem bem, com dois títulos este ano. Pensei até que tinha se aposentado de vez. Será um belo exemplo do que acontecerá com o Andy Murray?

    E aproveito para assistir Kyrgios x Berrettini (para ver se realmente os treinos do australiano na grama londrina deram resultados) até para uma possível batalha, na segunda rodada, contra o russo Kachanov, mas o que vejo é o italiano passando por cima, neste set inicial, abrindo 5-2. Mas, o que mais incomoda no australiano é essa roupa horrorosa que a Nike forneceu. Perto dela, os da Hydrogen são Armani. Coisa pavorosa.

    Responder
    1. Rubens Leme

      A julgar pelo que (não) mostrou hoje, Kyrgios terá uma temporada tenebrosa na grama. Melhor voltar para Londres e pedir conselhos ao Andy.

      Responder
  64. FERNANDO/MG

    Prezado Dalcim, parabéns pelos excelentes posts e por toda a cobertura de RG, “cara”, como você conseguiu comentar dois jogos ao mesmo tempo?? Título mais que merecido, nas mãos do maior saibrista da história, o resto é conversa pra boi dormir. Se o Guga Kuerten ler os comentários dos torcedores do Federer e do Novak aqui no blog, deve ficar muito chateado, rsrsrs…RG não vale nada para eles… O maior feito do Tênis brasileiro de todos os tempos, não deve ter a mínima importância para esses “torcedores” afinal de contas RG não conta na fatura…Pobre Guga.
    Dalcim, os direitos de transmissão de um GS fica para os organizadores (FFT, USTA, etc) ou vai para a ATP? Vc sabe quanto fica aproximadamente os direitos de transmissão de um GS para o Brasil?

    Abraços e mais uma vez parabéns pelo excelente site/blog. O Guga deve ficar chateado né? rsrsrsrs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ah, estou ficando bom nisso, Fernando! E obrigado. Não, os direitos são vendidos diretamente pelo organizador às redes de TV, a ATP e WTA não têm influência sobre isso. Acho que varia muito conforme a quantidade de jogos. Pode-se comprar um pacote só com a transmissão internacional básica (acredito que em torno de 300 mil dólares) ou com direito total (o que dobraria esse valor).

      Responder
  65. Pedro

    Dalcim,

    Sempre achei que os tenistas diferenciados tinham aproximadamente 80% de vitórias, mas é importante também relembrar que manter este percentual com o número de partidas é igualmente importante. Por exemplo, um jogador em início de carreira não tem 80% de vitórias, entende? Federer com mais de 1 mil partidas, ainda apresentar percentual acima de 80% é muito bom. Vamos ver até o final de carreira de cada um destes 3, quem conseguirá continuar na faixa dos 80%. A grande vantagem de Nadal em RG é algo a ser bem visto, porque os adversários são todos muito competentes. Não podemos dizer que Nole é ruim no saibro, e muitos outros jogadores.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não tenho a menor dúvida disso, Fernando. Está sacando melhor, voleando melhor e ganhou um backhand agressivo, além de ter tido sempre um bom slice.

      Responder
  66. Renan Vinicius

    Bom, se o Dalcim falou, quem são esses bandos de fanáticos ai pra discordar?
    A verdade é dolorida mesmo, mas o que resta é aceitar.
    Nadal é o maior vencedor da história do tênis! Vale ainda lembrar que o mesmo deixou de participar de 15 Slams por lesões. Caso as lesões não atrapalhassem tanto, a diferença seria ainda maior.

    Responder
  67. Gilçon De Jesus

    Eu comecei a gostar de Tenis por causa do Guga , mais depois apareceu o Nadal . A primeira vez que assisti ele jogando me tornei seu fã , não só pelo seu jogo fantástico, mais pelo que ele passa jogando , a sua determinação , força mental , disciplina , respeito ao esporte, respeito ao adversário uma lição de vida.

    Responder
    1. David Lopes

      Momento de euforia para os torcedores do Nadal, mas vamos colocar os pontos nos ; vejamos: força mental – sim, quando não está pressionado, caso contrário amarela como todos, vide sacando no segundo set contra Thiem, segundo set contra Djoko em Roma, contra Tsipas em Madrid, contra Thiem em Barcelona, contra Fognini em Monte Carlo, contra Kirgyos no México e muito mais contra Nole na Austrália, só mencionando jogos neste ano de 2019. Respeito ao adversário – quando ganha, quando perde cumprimenta protocolarmente e nem olha para o adversário. É o maior vencedor mas também é o maior número dois???!!! Estranho, não!!!!

      Responder
    2. Antonio Caser

      É importante considerar, ao comentar quem é o melhor e mais eficiente, que a temporada anual de grama e piso sintético é consideravelmente maior do que a temporada de saibro. Neste aspecto, Nadal especialista no saibro, entra em desvantagem ante os demais tenistas , especialistas na grama e pisos simtéticos. Mesmo assim, êle já foi ganhador de 6 Grandes Slans em quadras que não são de sua especialidade, enquanto Federer conquistou um único GS no saibro.Devemos atentar ainda ao fato de que, em confrontos entre ambos, em todos os pisos, apesar de haver menor número de eventos no saibro, Nadal possui 9 vitórias a mais sôbre Federer. Por tudo isso e além de ser o maior ganhador de um Grand Slam até o momento, em meu modesto entendimento, considero o Touro Miura, até êste momento, o maior, o mais fantástico tenista de todos os tempos./

      Responder
      1. Chileno

        Tem fundamento Caser. Porém, vale lembrar que a temporada de grama é a menor de todas. Não tem nenhum Masters 1000, tem apenas dois ATP 500, e Wimbledon, enquanto no saibro existem 4 Masters 1000, um punhado de ATP 500 e RG. O piso sintético, indubitavelmente é o mais presente no circuito.

        Responder
  68. Viana

    Nadal está na briga!!!
    O touro miúra vem com tudo em WB. Creio q essa agressividade possa render alguns títulos nesse fim de ano.
    Federer e Djoko estão bem, o q promete um ótimo torneio!

    Esses 3 vão brigar pelo posto de GOAT até o fim de suas carreiras, e depois q acabarem tb!!
    Quem não reconhece os méritos do outro… são fanáticos, e não merecem crédito!

    Responder
    1. sander

      Concordo plenamente, Viana. Os três são excepcionais. Temos de deixar de lado a paixão (cega) e reconhecer o mérito desses excepcionais jogadores, além do privilégio de fazer parte da geração que os vê jogando! Pena mesmo haver tantas discussões e falta de respeito…
      abs

      Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Exato, Nada e Borg . Nada no USOPEN e Nada no AOPEN. Até como Popstar , Nada. Roger Federer o supera de longe. O único Tenista Profissional a possuir Contrato Vitalício com um Torneio ( Halle ) e com seu Patrocinador. Sabe muito o caro músico rsrsrs.

      Responder
  69. Nando

    Dalcim, agora q começa a defesa dos 8000 pts do djokovic né? Acha q pra entrarem na briga pelo N1 (q deverá ter seu ápice no USO), Federer e nadal precisam necessariamente ganhar WB?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Esqueça o ranking tradicional e olhe o ranking da temporada. Aí você terá uma noção melhor do como está o tênis hoje e do que pode acontecer. O ranking tradicional apenas deixa muito claro que uma aproximação só pode ocorrer depois do US Open.

      Responder
  70. Gerson

    Sem querer diminuir o feito, conquistado,,pelo rei da terra,. Dalcim vc não achou como pode tudo favorecer, um tenista como foi esse Slan, fator dos grupos nem tanto, afi afinal as chaves do Djoko e do Federer também foram se abrindo, mas a chuva da quarta e depois a ventania da sexta ajudaram muito o Rafa, o Federer depende muito do seu saque, acho que se não fosse aquele vento teria sido um jogo muito mais apertado com certeza! E o Djoko também estava jogando muito bem com o saque na mão, eu acredito que aquele vento atrapalhou muito o seu jogo, por isso estava tão nervoso, também pudera a frustração por não poder jogar tudo que pode, numa hora tão importante para ele, pois queria fechar mais um Djokoslan, eu achei uma péna, estava com muita animação de poder ver o BIG 3 nas semis e na final, mas São Pedro era espanhol vc não achou???

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, acho que tudo conspirou a favor do Nadal, Gerson. E ele aproveitou todas as chances oferecidas com enorme competência.

      Responder
    2. Maria izabel

      Kkkk,sem querer desmerecer já desmerecendo(vide Jô Soares).Paris é tão incrível ,que o vento sopra só de um lado.
      Haja paciência!!

      Responder
  71. R. P.

    O que é Halle e Basileia comparados com Paris, Monte Carlo e Roma? “Ainnnnn, mas meu tenista favorito é o melhor na grama”…. É…. mas grama é um grande torneio em 14, e no saibro são 4.

    Responder
    1. Gildokson

      Que tiro no próprio pé hein kkkk

      Você tem razão, na grama é 1, no máximo 2 em 14, se houvessem mais torneios na grama….
      Quem será que teria mais títulos hein?! kkkkk
      Ai ai como faz falta um master 1000 na grama….
      Agradeça!!!!

      Responder
      1. Maria izabel

        Achp que se tivesse mais torneios na grama,os maiores vencedores seriam os bois e vacas.Se,se,e se…duas palavrinhas com grande dimensão.

        Responder
      1. Paulo F.

        Que merda…
        Nadal e Djokovic possuem 06 títulos em Wimbledon, sendo TRÊS em cima do bode.
        Que tragédia não possuir títulos em Halle, ó deus!

        Responder
  72. Sérgio Ribeiro

    Depois de tantos anos , não entendi o Título do Post. O Jogador com Maior Percentual de Vitórias , não necessariamente é o MAIOR VENCEDOR DO TÊNIS PROFISSIONAL. O maior exemplo é Björn Borg até pouco tempo. Se mandou aos 26 , enquanto seus maiores rivais viram seu Percentual de Vitórias diminuírem com a idade e o surgimento de NOVOS grandes jogadores. Lendl bateu impiedosamente Connors e o Big Mac. Hoje sabemos o que Jimbo venceu , e como terminou seu Percentual no encerramento de carreira. O mesmo vale para seus maiores Rivais. Pra complicar , Rafa além de somente possuir 6 SLAM fora de seu Habitat, possui ainda menos SLAM e FINALS no GERAL.. Obviamente que isso é tão somente a minha opinião. Depois se fala em MAIOR EFICIÊNCIA. Mas ela é bastante inflada pelos 91,8 % da Terra Batida. Qual seria o Posto do Espanhol na Grama Sagrada ?

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Ps. Ivan Lendl venceu as últimas 17 partidas contra Jimmy Connors. E 10 das últimas 11 contra John McEnroe. Lembrando que Borg somente enfrentou McEnroe 14 vezes ( 7 x 7 ) , em toda a carreira. Lendl acabou com mais SLAM e FINALS que o Big Mac em Simples. ABS !

      Responder
    2. Arthur

      Interessante análise, meu caro Sérgio.
      Outro ponto a ser considerado é algo que normalmente é visto ao reverso, isto é, em seu sentido contrário.
      Fala-se muito dos Slams que Nadal não jogou por conta das lesões. Mas, ao contrário do que o senso comum indica, isso na verdade conta a favor do espanhol no quesito “eficiência”. Afinal, se ele deixou de participar de tantos Slams assim (fora outros em que abandonou antes de perder, como em RG 2016, salvo engano), isso significa que ele só vai na boa, em plenas condições físicas e técnicas.
      Federer e até mesmo Djokovic não adotam esse padrão. Vão pro pau mesmo quando as condições físicas não estão excelentes. Daí a vantagem do Nadal no quesito eficiência (vitórias x derrotas).

      Um abraço.

      Ps.: Essa observação não diminui em nada os feitos do espanhol, registre-se. Trata-se apenas de tentar enxergar a questão sob outro ângulo. #FicaaDica

      Responder
    3. Luiz Henrique

      Talvez o posto de tetracampeão de wimbledon, não fosse o fechamento do teto e jogar 6 dias seguidos em 2007. Se tirassem 3 masters 1000 da hard e jogasse pra grama, pode ter certeza absoluta q Nadal teria muito mais títulos de masters 1000

      Responder
  73. Efraim Oliveira

    “Cada vez mais completo, Nadal mostra por que é o rei do tênis”.

    Ao ler o blog hoje, o título me fez recordar um título de outro texto seu de 09/2010 – que é justamente este citado acima.

    Dois textos excelentes!

    Responder
  74. Rodrigo S. Cruz

    [R. P.]
    10 de junho de 2019 às 16:24

    “ Com esta frase você resumiu tudo o que eu disse. O resto foi só rodeio. Correu, correu e correu atrás do rabo até parar no mesmo lugar”.

    Putz. mediocridade pouca é bobagem.

    Não rebateu um só argumento…

    Depois o Federer é que é “fujão”.

    Responder
    1. R. P.

      Medíocre é essa tua vontade irrefreável de continuar a se debulhar em lágrimas. Como se não bastasse a enxurrada de lamentações no domingo, tem que carregar post de outro tópico para se lamentar mais um pouquinho. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

      Responder
  75. Nelson Maciel Filho

    Nadal além de Gran slan, Master, olimpíadas, tem no seu currículo várias copas Davis.
    Falta a ele o título ATP final.
    Somos uns felizardos de ver jogar a mais de 10 anos Nadal, Djokovic, Federer, Wavrinka, Del Poltro e outros grandes tenistas.
    Vamos desfrutar e enaltecer o Big 3.

    Responder
    1. Marcelo Monteiro

      O Nadal não ter um mísero título de ATP Finals é, de certa forma, uma mancha na sua carreira excepcional. E pior que isso ainda é ter que ouvi-lo se queixar , por mais de uma vez, que gostaria de Finals fosse no saibro.

      Responder
      1. Luiz Henrique

        Bobagem, O Finals é apenas um torneio recreativo/comemorativo, basicamente uma confraternização de natal entre os jogadores, todos felizes de estar ali, pq significa que tiveram um ano bom, ocasião pra tirar uma foto com a família, colocar na internet, exatamente como uma confraternização. Só falta fazer um amigo secreto. Ninguém sonha em ganhar aquilo, só em participar, pra dizer que teve um ano bom

        Responder
  76. O LÓGICO

    O robozinho filho do satanás kkkkkk, que fica operando seus milagres na moita kkkkk, é a expressão da LAJE. Qualquer recorde dele, quando destrinchado, observa-se que é sempre em função dos jogos na LAJE. Ele é o maior na Laje, e somente na LAJE kkkk. Misturar os ingredientes é empanar sua mediocridade tenística. Decomponha-se os slams e se analise individualmente que teremos a verdadeira face do tênis COCÔ DE CHANEL do UNIDIMENSIONAL kkkkkkk. Então, eu, O LÓGICO, não reconheço essa consideração do GURU kkkkkk, por questões meramente LÓGICAS kkkkkkkkkk. O esporte tênis não é jogado só na LAJE, e, portanto, a análise tem que levar em conta os números em todos os slams, ou quadras, separadamente. Ele é tão vencedor que durante toda sua carreira só venceu um AO, e nunca venceu o Finals kkkkkkk. E essa porcentagem é quase desprezível em termos de algarismos significativos. Se formos falar de qualidade, aí a coisa fica podre kkkkkkk. Temos que reconhecer que seu tênis é horrível, ficando bem atrás de muitos tenistas do circuito. Ele vence mais, sem dúvida, mas é sempre, primordialmente, em função da sua capacidade de se defender, que é função do seu condicionamento físico decorrente do consumo de açaí espanhol kkkkkkk. É impensável não reconhecer-se a mediocridade de seu tênis. Peguem os jogos dos grandes da história e me digam se eles, ganhando ou perdendo, jogavam da forma medíocre que o robozinho joga. São incontáveis os jogos dele com tenistas fora do top 10 onde se vê o adversário assumindo o controle da maioria dos pontos, fazendo o robozinho correr de um lado para o outro, e só levar vantagem por conta de sua condição física e forma de se defender. Aliás, até na LAJE isso acontece. Não dá pra comparar em termos de o feito dele com os do Borg e Fedex. O que é mais importante e põe um destaque maior em termos de qualidade? Ganhar 12 slams num mesmo torneio e piso, ou ser pentacampeão em dois torneios, sendo que em pisos diferentes?

    L Fernando kkkk e M C das farmácias kkkkk, enquanto o LÓGICO viver nesse mundo corrompido pelo pai do primogênito, não me cansarei de pôr o robozinho dentro dos seus verdadeiros limites tenísticos, não importando quantos títulos ele tem na LAJE kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Ele, o robozinho, só serve para confirmar a máxima de que o mundo é imperfeito e injusto kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Meu caro opinião cada um tem uma, e vc pode perfeitamente externar a sua, mesmo com seus textos bobos e infantis. O problema é q vc sempre foi oportunista, sumindo nos momentos ruins e só aparecendo nos bons. Esse comportamento tem um termo q o caracteriza bem na língua portuguesa, q por razões obvias vou declinar de citar. Pelo menos nesse ultima torneio vc agiu com correção, aparecendo na derrota, algo inédito. Tomara q continue assim…

      Responder
  77. Renato

    Números inflados pelo barro. Lembrando que a maioria esmagadora do circuito prefere as quadras rápidas, entre eles Federer, Delpo, Novak, Stan, Zverev, Murray, Raonic, Cilic, Kyrgios, Nishikori, Anderson e etc.

    Responder
  78. Paulo Almeida

    Djokovic é facilmente o GOAT das hards e tem mais GS de peso em Wimbledon (4×3). Mais um dado a seu favor agora e a tendência é abrir distância para a enganação Frauderer, que fez carreira em cima do Roddick.

    Responder
      1. Paulo Almeida

        5 são várias agora? Fora que ganhou todas em cima de um Djokovic longe do auge e com problemas alimentares e depois fugiu do circuito, evitando uma surra no h2h.

        Aliás, o medíocre Roddick himself tweetou semana passada que se retirou das quadras pra preservar o 5×4 contra o GOAT, haha.

        Enfim, isso aí tem o mesmo peso de ter desvantagem contra o Vesely e o Daniel. Frauderer fez carreira em cima de pangaré.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Então vejamos:

          Se agora o Federer perde do Djoko (que está no auge), pouco importa pra um Fake como você, que o suíço esteja longe do auge.

          Mas quando o Djoko perdia do Federer e do Roddick, com esses dois no auge, aí não valia?

          Kkkkkk

          Entendi…

          Responder
          1. Jonas

            Djokovic não está no auge, longe disso. Mas ele continua jogando muito, assim como o Federer, mas auge mesmo já foi há um bom tempo.

          2. Rodrigo S. Cruz

            [Jonas]

            12 de junho de 2019 às 08:37

            “Djokovic não está no auge, longe disso. Mas ele continua jogando muito, assim como o Federer, mas auge mesmo já foi há um bom tempo”.

            isso mesmo.

            Continue dando uma de bobo da corte como aquele teu amiguinho, o vulgo “BBKinha imitão”…

            kkkk

            Evidente, indiscutível que Djokovic está no auge físico!

            Corre mais rápido nas bolas do que o Usian Bolt.

            É mais incansável “maratenista” do que o Paul Tergat!

            Ganhou 3 Grand Slams seguidos, antes de fazer semi em RG!

            E além de tudo é “apenas”, apenas, o número 1 do mundo!

            Não há nenhum trouxa no blog, não…

      1. R. P.

        Última partida de slam na hard que o entressafreiro venceu Djoko tem “só” uma década KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

        Depois disso foi tanta entubada, que fica até chato.

        Nem em Cincinatti o entressafreiro levou. Imagine o tamanho da sova que seria no USO!

        Responder
          1. Gildokson

            Deixa ele pegar o Djokovic numa quadra rapidinha… não essa lentidão que costumam colocar nos últimos anos.
            Na Austrália ja mudou um pouquinho e tu viu o que aconteceu neh? 2 títulos consecutivos do Gênio kkk
            Título que o colocam ainda a frente do Djoko nos Slans cimentados.
            Ahhh!!! e é um brincalhão quem falou de Cincinnati neh?!kkkk Federer é o rei de la, ja deu até pneu no Djokovic na rapidíssima cincy kkkk

          2. Rodrigo S. Cruz

            Jura?

            Então quer dizer que o GOAT suíço está ganhando de 8 x 2, nos últimos anos?

            Eta cabra BOM, esse Federer!

            (rs)

  79. Guilherme

    Dalcim, você sabe que é sempre um prazer enorme conversar de tênis com você aqui no blog.

    Pois vou contar uma coisa. Em meados dos anos 2000, eu gostava de ler a coluna do Regis Andaku na Folha, no jornal impresso mesmo. Eu até fazia uns recortes de textos que eu achava interessante e guardava numa pasta fichário. E já naquela época um jovem tal de Rafael Nadal já inspirava pelo exemplo, obstinação e determinação.

    Tentei achar na Internet exatamente o texto do jornal impresso da Folha que mais marcou minha memória, mas não consegui (talvez fazendo uma pesquisa mais aprofundada nos arquivos da Folha eu consiga – uma dúvida: era só o Regis Andaku que escrevia sobre tênis na Folha nos anos 2000? Me parece que tinha outro jornalista, isso ia facilitar minhas buscas no Google).

    Dois textos parecidos com aquele que está na minha memória seguem nesses links: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/esporte/fk0203200519.htm e https://www1.folha.uol.com.br/fsp/esporte/fk3004200814.htm (edite esse texto caso não sejam permitidos links externos).

    Observe um trecho do texto que foi escrito em março de 2005 pelo Regis: “Apesar disso, Nadal, sujo pelo saibro e esgotado pelo cansaço, parece inabalável. Troca bolas como quem ainda tem uma madrugada inteira para fechar o jogo. Paciente, disciplinado, tático, ignora o relógio e faz Calleri, então vice do torneio, penar no calor e na umidade do litoral nordestino. Em quadra, concentrado, Nadal nem repara nas vaias que começam a pipocar fora do estádio. Sim, porque o show daquela noite, programado para as 22h, no embalo do Carnaval de Salvador, não vai começar enquanto Nadal não fechar a partida -e já passou faz tempo da meia-noite…Moleque (18 anos), cabeludo (diz que deixou crescer porque está na moda), dependente (viaja sempre com o tio-treinador, Toni Nadal), “Rafa” tem impressionado críticos e rivais não só pelo alto nível técnico em quadra, mas principalmente pela maturidade com que disputa cada ponto”. LEMBRE-SE: estamos fazendo uma viagem no tempo, para março de 2005, antes dele conquistar seu primeiro Roland Garros.

    Agora, observe esse trecho do texto escrito em 2008, já depois do tetra em RG, falando também sobre aquele episódio na Costa do Sauípe: “Mas, no último jogo, havia Rafael Nadal. O espanhol, tarde, 23h, chegou a fechar o jogo, mas ele próprio cantou bola fora, contra si, e fez a partida continuar. Do outro lado, o argentino Agustín Calleri resistia. Depois de “se dar bola fora”, Nadal perdeu o segundo set. Só fechou no terceiro, mais de meia-noite, meia dúzia de torcedores vendo o jogo e milhares cansados de tanto esperar. Depois da 1h, Nadal, com seu tio, a pé, ignorava o show, os fãs, as cervejas e o barulho alto. Ia até o hotel, em silêncio, onde refeição recompensadora e cama macia lhe aguardavam”. – Nesse texto o Regis até faz uma citação nominal sua!

    Nessa semana fomos brindados por excelentes textos de outros especialistas no esporte, como os seus próprios, o do Cossenza, o do Meligeni… comentando sobre os feitos do Nadal. E o mais incrível disso tudo é resgatar essas memórias de quase 15 anos atrás e perceber que Rafael Nadal CONTINUA a evoluir, bem diante de nossos olhos.

    Não é incrível isso tudo? Eu acompanho a carreira do Nadal desde que ele começou, e acho ele um ponto totalmente fora da curva no mundo esportivo, não somente no do tênis. Uma verdadeira fonte de inspiração para todos!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Regis, um grande amigo, também sempre foi um excelente jornalista e um fã do tênis. Acredito que a coluna da Folha era exclusivamente dele, mas vou repassar este seu texto e ver se ele ajuda a lembrar. Abração!

      Responder
      1. Guilherme

        Obrigado, Dalcim!

        Só pra ajudar o Regis, era um texto em que ele falava sobre um treino que o Rafael Nadal fez depois de terminar uma partida na Costa do Sauípe, bem no começo da carreira dele.

        Salvo engano, terminada a partida, quando todo mundo foi para as festas, ele preferiu continuar na quadra treinando e corrigindo os pontos fracos. De madrugada e sem ninguém por perto.

        Um abraço!!!

        Responder
      2. Rubens Leme

        Antes do Regis, com quem trabalhei na Folha e era meu carona nas voltas pra casa pós-fechamento das 23 horas, quem escrevia era o Thales de Menezes, nos anos 1990.

        Responder
    2. Eduardo

      Guilherme, acredito que o Regis passou a escrever depois de um jornalista que se chamava (chama) Thales de Menezes. Assim como você, eu também acompanhava as colunas na Folha, principalmente na época do Guga, e se não me falha a memória, acredito que essa seja a pessoa. Talvez o Dalcim possa confirmar.

      Responder
      1. Gabi

        Dalcim, Guilherme e Eduardo,

        se eu já gostava do Thales de Menezes pelas críticas de cinema que ele escreve na Folha, agora eu irei valorizá-lo muito mais ainda!!

        Responder
    3. Gabriel

      O Meligeni tá escrevendo atualmente em algum blog ou coluna? Gosto muito das opiniões dele, mas depois que saiu da ESPN, não o vejo mais.

      Responder
  80. Maurício Luís *

    Os convidados para a festa de casamento do Sr. Nadal – a qual será lindamente decorada com BALÕES – numa hora dessas devem estar se sentindo meio que perdidos. O que dar de presente pra alguém que tem mais de 100 milhões de dólares arrecadados? Vão ter que usar a criatividade.
    Por falar em $$$$$, tem gente que me criticou por eu zoar da aparência dele. Bom, a cara pode não ser lá essas coisas, mas a conta bancária é lindona. De cair o queixo!

    Responder
  81. Mário Cesar Rodrigues

    Boa noite,ontem estava cansado mas li o post anterior mas agora em casa,Você Dalcim enganou dizendo que o Borg teria mais em porcentagem,nem Federer tem.e ninguém é olha que estou falando de GS tem 12 finais e ganhar todas.mas seu texto hoje ratificou e muito bem abraços.

    Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Porque cada um acha que eu torço por alguém. Há três dias disseram que eu era descaradamente a favor do Djokovic… rsrs… A paixão é assim mesmo. O resto da pergunta eu não entendi.

          Responder
      1. Maria izabel

        Boa Dalcin!Cumprimento-o pelos belos textos,e capacidade de lidar com muitos comentários negativos, bobos e sem conteúdo.
        Você dá show em educação. Parabéns!!

        Responder
  82. Renato

    Normal. Se jogar mais alguns anos a tendência é o % cair naturalmente. Apesar do título em Rg e Roma, Nadal perdeu pra vários tenistas esse ano. O percentual é enganoso as vezes. O próximo semestre se aproxima e as derrotas costumeiras também.

    Nadal é o maior sobre o saibro sem dúvidas. Assim como Roger é o maior sobre as hard é a grama, que é o piso mais tradicional é importante.

    Temporada pequena no piso verde? Sim, mas os melhores perfumes estão nos pequenos frascos.

    Responder
    1. Miguel Delfes

      Boa..
      Falou pouco..disse muito..
      É óbvio q qt mais partidas menor será a porcentagem..
      Quero ver Nadal e Djokovic terem uma porcentagem maior q Roger Federer qd alcançarem o seu mesmo número de partidas..
      Não é impossível mas..muito pouco provável..

      Responder
    2. Luiz Henrique

      Uma pena q o piso mais tradicional e importante não permita uma preparação digna como roland garros e us open permitem, com grandes eventos. Tivéssemos 2 masters 1000 na grama antes de wimbledon, o histórico de Nadal no torneio seria ainda melhor, e seu número de títulos masters 1000 tb. Lembrando q Nadal brigou pelo título de wimbledon com 20 anos e com 32 anos! Nada mal. Embora eu admire Federer ter chegado a semi de RG com 38, tenho q ser justo. No mais, Nadal poderia até fazer um “grama slam” igual fez em 2013 na Hard com Montreal, Cinci e Us Open. Quando ele pega um bom momento, com boa preparação, é difícil pará-lo.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *