Vai que é sua, Rafaeeellll
Por José Nilton Dalcim
9 de junho de 2019 às 22:02

E Rafael Nadal deu mais uma volta por cima em sua inacreditável carreira. Torneios abandonados, derrotas incomuns sobre o saibro, dúvidas sobre seu estado físico ou da capacidade de reação rechearam os meses que se sucederam ao ótimo início com o vice no Australian Open.

Já vimos esse filme tantas vezes e, a bem da verdade, o tempo inteiro o canhoto espanhol disse que aguardava o melhor para as semanas seguintes. Deu a primeira importante resposta em Roma, elevando o nível, e confirmou seu favoritismo em Roland Garros neste domingo, onde mostrou um tênis agressivo, versátil e eficiente. Nem precisava, mas ainda contou com o apoio dos deuses, que lhe deram uma chave perfeita e complicaram a vida dos principais rivais na hora decisiva.

Quem assistiu às atuações de Nadal sabe que o título não poderia estar em outras mãos. E os números explicam isso com facilidade. Dono do tênis mais sólido sobre o saibro quando se trata de trocar bolas e construir pontos, ele fechou suas sete partidas com 75% de pontos vencidos com o primeiro saque e uma média de 35 winners por jogo. Ou seja, foi muito mais agressivo do que o tradicional, exibindo um backhand batido na subida com muitas paralelas desconcertantes ou ângulos surreais.

A performance junto à rede na final contra Dominic Thiem, que incluiu saques-voleios oportunos e lances muito exigentes, lhe deu 23 pontos em 27 tentativas. Aliás, essa opção tática se mostrou adequadíssima e provavelmente tenha tido muito a ver com o que Novak Djokovic havia tentado na véspera, quando ir atrás dos slices flutuantes do austríaco ajudou muito o sérvio em diversas situações.

Thiem fez dois primeiros sets que até me surpreenderam, porque aguentou a pancadaria e se mexeu muito bem para usar o forehand o máximo que pôde. Teve falhas imperdoáveis, como o saque perdido no final do primeiro set e principalmente a queda total de intensidade quando tinha acabado de empatar a partida. Mas é desculpável. O austríaco estava em quadra pelo quarto dia seguido, tendo feito uma média superior a 2 sets e meio por dia. A segunda parte da semi, feita no sábado, foi de exigência emocional enorme e ele sequer teve 24 horas inteiras para deglutir tudo isso. Não diminui em nada a vitória de Nadal, que seria favorito de um jeito ou de outro, mas influenciou no que poderia ter sido um duelo bem mais apertado.

Sem qualquer sinal de sequelas físicas nestas últimas quatro semanas, Nadal precisa ser considerado com seriedade para o restante da temporada, a começar já pela curta fase da grama. Principalmente se mantiver a postura ofensiva. E nesse aspecto, duas coisas chamam a atenção: a primeira, claro, o 18º troféu de Grand Slam deixa novamente Roger Federer em sua alça de mira. A outra é que ele assume a liderança do ranking da temporada com 780 pontos de vantagem sobre Djokovic, abrindo perscpectiva de luta pelo número 1 na parte final do calendário.

Motivações não faltam. Cuidado com o Touro Miúra.

E mais
– Nadal se aproxima de Federer também em finais de Slam disputadas (30 a 26) e abre de Djokovic (24). Igualou as 31 semis de Connors, atrás das 35 de Djokovic e das 44 de Federer.
– Em Wimbledon, Nadal precisa de três rodadas para chegar ao 300º jogo de Slam, algo que Djoko (312) e Federer (403) já obtiveram. Em termos de vitórias, também está atras dos dois: 260 contra 270 do sérvio e 347 do suíço.
– O espanhol no entanto tem o melhor percentual entre os três: 87,5%, bem acima dos 86,5% de Djokovic e dos 86,1% de Federer. Mas Borg lidera por 89,8%.
– Apenas Nadal (93 em Paris), Federer (97 na Austrália e 95 em Wimbledon) e Connors (98 no US Open) têm mais de 90 vitórias num mesmo Slam.
– Terceiro mais velho campeão de Paris agora, aos 33 anos e seis dias, ele é o quarto ‘trintão’ a somar quatro Slam na Era Aberta, junto a Federer, Rod Laver e Ken Rosewall.
– Espanhol chega a 82 títulos na carreira, ainda 12 atrás do terceiro colocado Ivan Lendl. Atingiu o 59º sobre o saibro, longe dos 49 de Guillermo Vilas.
– O Big 3 ganha seu 10º Slam consecutivo, terceira maior série, uma a menos que a anterior. A mais longa foi de 18.


Comentários
  1. Fernando Pauli

    Terminou agora a pouco em Stuttgart, Struff x Pouille, com vitória de Struff. Realmente estou impressionado com o jogo desse alemão na grama. Um saque bom com médias próximas de 200 km/h, um aproveitamento de primeiro serviço na casa dos 50%, isso pode melhorar, porém com aproveitamento acima de 80%, quando entra o primeiro serviço. Um bom segundo serviço que o salvou várias vezes. Uma boa direita pesada, tanto na cruzada como de inside out. Pode aproveitar mais seu jogo agressivo e ir mais vezes à rede. Se evoluir mais nos torneios preparatórios (Halle), pode chegar muito bem em WB. Não sei se vai conseguir ficar entre os 32 cabeças de chave para WB, mas deve dar trabalho para os top 8 em um possível encontro nas primeiras rodadas. Irá enfrentar na SF o italiano Berrettini, outro que vem jogando muito bem. Termina nesse momento Coric 2×1 em Garim. O Garim agora no final do TB deu uma de Tsitsipas, reclamou escandalosamente de um saque do Coric no seu MP claramente na linha ( até levantou cal ), fez cara feia para o juiz de linha foi reclamar com o juiz de cadeira, resultado perdeu os outros dois pontos rapidinho.

    Responder
  2. Dimas S. Schünemann

    Dalcim, excelente análise. O Nadal era favorito em qualquer condição, mas que o Thiem estava desgastado e foi visível depois da metade do jogo. O adversário mais temido pelo Nadal é o Djoko até pelo Head-to-Head. Se fosse o sérvio, descansado ( não nas condições que o Thiem jogou ) a final poderia ser imprevisível porque mentalmente ele aguenta o jogo do Nadal e este sente a pressão. Não foi a primeira vez que RG devido a estrutura e mal tempo coloca dois jogadores na final em desigualdade de condicões físicas. Mas torcer para que melhore a organização com a quadra coberta prometida para 2020. Mas não quero tirar o Mérito do espanhol que ganhou com justiça este torneio.

    Responder
  3. Rodrigo S. Cruz

    [Rubens Leme]
    10 de junho de 2019 às 12:42

    ” Ufa, estou no caminho certo.
    PS: Federer merecia melhores fãs. E o Brasil um presidente que honrasse o posto”.

    E quem seria esse?

    O presidiário de Curitiba?

    Caso seja, continue no teu “ótimo” caminho…

    Responder
    1. Roger Fedeiros - O Binário!

      Se não for apoiador do agh presidente, é eleitor do presidiário!
      Se não for federete… é nadalista!
      Se for nadalista… não entende de tênis!
      Se for euzinha… é fake!

      Raciocínio binário dá nisso… aff!

      E euzinha anda tão cansada…. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk…. Vai ver que o “ele não” tem razão quando fala sobre uma geração que não sabe pensar e nem resolver uma regra de 3 simples.

      Responder
  4. João Heitor

    Boa noite, Dalcim.

    Perdoe minha ignorância, mas se vc puder me esclarecer: como vão ficar os primeiros kbcas de chave em Wimbledon devido ao ranking da grama?

    Mais uma vez parabéns pelo excelente trabalho de sempre.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ainda não tenho uma indicação clara, João Heitor, até porque os torneios de Halle e Queen’s entram na conta. Mas não acredito que vá mudar alguma coisa em relação a Djokovic, Nadal e Federer, que devem seguir nessa ordem.

      Responder
  5. Luís H Sheltz

    Tem que ver a lisura dos slam que Rafa ganhou. Será que ele estava realmente limpo? Acho muito suspeito ele ter muito mais intensidade que jogadores 8, 10 anos mais jovens. Muito estranho! Sem o físico que tem, jamais seria top 10.

    Responder
  6. Pedro

    Dalcim,

    Há alguns anos, não sei se você viu uma entrevista com o Nadal em que ele foi perguntado sobre a rivalidade com o Federer, e a resposta foi meio arrogante, dizendo, que rivalidade? Visto que ele tinha quase o dobro de vitórias. O engraçado agora é que o espanhol fala sobre a grande rivalidade com o suiço. Meio conflitante. Ou o tradutor traduziu errado (o que eu acho difícil), ou foi uma brincadeira (o que eu acho difícil porque ele estava sério), ou eu não sei o que o fez mudar de opinião nestes últimos anos.

    Responder
    1. Luiz Henrique

      Ele jamais falaria isso. Mais fácil Federer perder do Ferrer 6/0 6/0 6/0 em wimbledon do Nadal ter falado isso. Mostre aqui então

      Responder
  7. Paulo Almeida

    Concordo que os títulos no barro amador de RG devam valer meio, assim como os títulos em cima de pangarés. Títulos no barro e em cima do pangaré Soderling então valem meio de meio, ou seja, 0,25. Sendo assim, a coisa fica dessa forma:

    Djokovic – 13 GS inteiros + 0,5 + 0,5 = 14
    Nadal – 4 GS inteiros + 2*0,5 fora do barro + 11*0,5 no barro + 0,25 = 10,75
    Federer – 7 GS inteiros + 12*0,5 + 0,25 = 13,25

    Pior que a coisa ficou pior pro Nadal. Quem não entendeu a conta, fique à vontade para tirar dúvidas!

    Responder
    1. Luiz Henrique

      Australian open e wimbledon contam como meio slam porque não dá pra fazer uma preparação digna pra eles. O AO fica no comecinho do ano, todo mundo voltando das férias. E wimbledon só tem uns 2 ou 3 torneios pequenos mixurucas pra servir de preparação, por isso a maioria chega despreparado. Somente RG e USO possibilitam que os jogadores cheguem preparados, jogando grandes eventos. Dentro desse critério, Nadal tem 16,5 slams, Djokovic tem 9,5 slams e federer tem 13 slams

      Responder
  8. DANILO AFONSO

    Nobres, gostaria de compartilhar com vocês, por meio de fotos do meu perfil no Facebook, a oportunidade de ter assistido a final de Roland Garros e visitado o complexo envolta da quadra Philippe Chatrier após o jogo.

    https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=2678689022159752&id=100000560404414esa

    Apesar de ser fãnzaço do DJOKOVIC e de ter sofrido muito com as derrotas do sérvio em Paris para o espanhol, há anos sonhava assistir NADAL em Roland Garros. A áurea de quase imbatível e números assombrosos que dificilmente serão superados, faz qualquer fã deste maravilhoso esporte ignorar preferencia por este ou aquele tenista.
    Em 2016 tive a felicidade de ver algumas partidas da campanha vitoriosa do NOVAK em Paris, mas em razão da lesão do espanhol, não tive a honra de vê-lo atuando no seu principal habitat.

    Este ano vislumbrava uma final entre NOVAK x NADAL, mas mesmo com a eliminação dolorosa do sérvio, mantive-me muito animado com final entre NADAL X THIEM.

    Já presenciei ao vivo vários eventos esportivos marcantes (F1, Copa do Mundo, Olimpíadas, Champions League, clássicos Barça e Real, NBA e NHL), mas a final de ontem, apesar do placar elástico no 3° e 4° sets, é sem dúvida um dos meus preferidos. É impressionante a atmosfera que cerca uma final de Roland Garros com NADAL. O absurdo que é a força e consistência do seu forehand suportando os torpedos de THIEM, cobertura da quadra ou suas subidas à rede providenciais e quase sempre letais, tudo isso combinado com seus gritos (gemidos) altos e incomparáveis.

    Responder
  9. Philip

    Dalcim, você conseguiria me explicar pq as pessoam acham unidimensional um sujeito que possui 4 finais no US Open (3 títulos), 5 finais em WB (2 títulos) e 5 finais na Austrália (1 título)?

    Na sua opinião, se caso Nadal nunca tivesse ganhado RG, ainda estaria no top 10 do esporte?

    Abs e continue o ótimo trabalho!

    Responder
  10. Wladner

    Esse papo de que o desgate fisico do Thiem não teve influência no resultado do jogo é de uma balela descomunal. Todo mundo sabe da potência e jogo agressivo do Thiem. Claro que ele teria uma chance real de ganhar se estivesse descansado como o Nadal estava e prova disso foi ele ter ganho o 2 set e logo após o cansaço bateu forte. Ano que vem isso não acontecerá e isso ficará claro. Vou na contra mão de todos empolgados com o mostro que o Nadal é e lembro que esse pode ter sido o último Slam do touro.

    Responder
  11. Roger Fedeiros - O Esperançoso

    “… Mesmo sendo torcedor de Roger Federer, tenho que reconhecer a monstruosidade de Rafael Nadal, o quão completo ele é. Espero que ele não quebre o recorde de Slams do maestro, mas agora, o número está sob real ameaça, e se for quebrado, não diminuirá em nada a grandeza do suíço…”

    clap, clap, clap!… Ainda há equilíbrio e esperança, a despeito dessa zorra de extremistas que infestam esse país (E blog). Clap, Clap, clap!

    – “… dos quais você é um, seu fake lixo!” – dirão uns poucos (kkk). E euzinha, do alto da minha sapiência, retrucarei … kkkkkkkkkkkkkkkk… 12 ou 18 vezes?… kkkkk

    Responder
  12. Paulo Sérgio Rocha

    Dalcim, seu blog é excelente. É uma grande referência, não só em língua portuguesa. Minha admiração por você só aumentou depois que você respondeu neste post que não aceita ser comentarista na TV porque isso seria incompatível com o blog. Parabéns! Mesmo assim, apesar de adorar seu blog, gostaria muito também vê-lo como comentarista na TV. Seus stories no Instagram mostram que você leva bastante jeito.

    Tenho algumas perguntas para você (dê-me detalhes porque sua opinião é muito importante):

    1) por que você comentou neste post que acha que já a partir de 2020 o domínio do Big3 acabará? Se Federer com quase 38 ainda joga muito, por que Djokovic e Nadal com 32 e 33 não teriam mais uns 4 ou 5 anos de sucesso pela frente?

    2) você acha que o casamento de Nadal, aparentemente marcado para o fim de junho, pode atrapalhar os treinos e o desempenho dele em Wimbledon?

    3) na sua opinião, algum dos Big3 consegue alcançar o segundo título no slam que lhe falta? Quem? Nadal no AO ou Djoko ou Federer em RG?

    4) por que algumas pessoas, inclusive comentaristas aqui do blog, dizem que RG é como se fosse um slam “menor”, de pior estrutura? O que há de tão pior nele em relação aos demais?

    5) você acha que Nadal e sua equipe se preocupam com isso de ele “precisar” ganhar outros slams além de RG, para não ficar na história como apenas um bom saibrista? Ou você acha que eles não ligam para isso, que isso não é meta e que vão simplesmente treinando e se inscrevendo nos slams?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      1. Porque o estilo dos dois depende mais do físico. Além disso, é evidente o crescimento da nova geração. Se Kyrgios não fosse um desmiolado e Zverev tão inconstante, acredito que esse domínio já teria sofrido outros abalos. 2. Não em Wimbledon, mas é bem possível que mexa um pouco com sua vida como um todo, como aconteceu com Djoko, Federer e Murray. 3. Acho que Djokovic é tem mais chance. 4. Falta do teto, espaço apertado para o público são os fatores essenciais, mas não o acho tão inferior assim. 5. Não, de forma alguma. Nadal já fez coisas notáveis fora do saibro e precisa cuidar do joelho. Já deveria há muito tempo fazer um calendário mais enxuto. E obrigado!

      Responder
  13. Denis

    Dalcim,
    Parabens por mais uma cobertura diaria de um Grand slam. Imagino o quão dificil e desgastante devem ser essas duas semanas, sem contar a quantidade gigante de mensagem sem noção que vc recebe aqui no blog rsrsrs

    Em relação a temporada de grama, apenas o Federer deve jogar Halle? Djokovic joga algum preparatório?

    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado, Denis. É bem cansativo, sim, porque vai bem além do Blog. Tem o Placar, notícias, vídeo, desafio… rsrs… É bastante coisa! Nem Nadal, nem Djokovic estão inscritos nos preparatórios. Abs!

      Responder
  14. Carlos

    Dalcim, tem erro nessa frase, já que ele igualou as 31 do Connors, como ficar atrás das 25 de Djokovic?

    “Nadal se aproxima de Federer também em finais de Slam disputadas (30 a 26) e abre de Djokovic (24). Igualou as 31 semis de Connors, atrás das 25 de Djokovic e das 44 de Federer”.

    Responder
  15. Carlos

    Nadal nessa forma física é imbatível no saibro. A palavra chave dele é intensidade. Consegue manter uma intensidade sobre-humana enquanto o outro tenista se cansa naturalmente. Quando ele perdeu pro Soderling e para o Djokovic em RG como estava a forma do Nadal, Dalcim? Foram derrotas por questões físicas ou também por algumas questões técnicas?

    Responder
  16. André

    A final do AO 2017 foi realmente importante… talvez tenha sido ali que o Federer tenha conseguido defender o reinado, pois valeu por 2!! do contrário já estaria 19 a 19… Nadal jogou muito e venceu com méritos!! Vamos ver como o espanhol segue agora e se afasta de vez a sina das contusões

    Responder
  17. Victor De Luca

    Verdade tem que ser dita. Levando em consideração todos no melhor ápice físico, Nadal encomoda e ganha de todos em seus respectivos territórios, agora ganhar dele em RG ele estando na sua melhor forma física, ta pra nascer!

    Responder
  18. Rafael Brasiliense

    Agora o que importa, pelos comentários de alguns aqui, não é a quantidade de títulos, mas sim o aproveitamento. Basta dividir o número de títulos pelo número de torneio disputados para ver quem é o melhor. Essa galera tá de sacanagem. Se isso for critério, tinha que ter falado pro Nadal parar de jogar tênis em 2005 quando venceu RG. Assim, apesar de ter somente um título de Major, ele teria ganho 25% dos GS que disputou (4, à época), se tornando o maior da história.

    Responder
  19. Maurício Luís *

    A culpa do Rafa Baloeiro Nadal morder mais uma taça é da Madame MIN, a incompetente ajudante da Maga Patalogika.
    Explico.
    Acontece que antes da final eu pedi pra Maga fazer num caldeirão a “Praga dos 7 Anos” pra jogar em cima do baloeiro, o “Tom Cruz Credo” do tênis. E a Madame MIN ficou encarregada de trazer os ingredientes. Um deles era sobrancelha de escorpião. Mas como ela não tava encontrando, resolveu trazer cílios de tarântula, achando que não ia fazer diferença… a Maga nem ia perceber… Mas fez.
    Resultado: a “Praga dos 7 Anos” virou uma merreca de feitiçozinho de 10 minutos.
    Portanto, é tudo culpa da sem noção da Madame MIN.
    Eu não me CLOROFÓRMIO !

    Responder
  20. Nando

    Esses fakenetes (fakes torcedores do cotonete) mostram o desconhecimento do esporte a cada post (aliás com vários coments)…Dalcim faz um post sobre Bellucci, e os “caras” falam de fregueser, djokovic goat, cara de capivara e blá blá blá. Dalcim faz um post sobre nadal, e os “caras” falam de fregueser, djokovic goat, cara de capivara e blá blá blá. Muda o post, mas as fakenetes só sabem falar a mesma ladainha…mostram tbm q não gostam do esporte, e sim do jogador. Torcer pros Bigs se aposentarem logo, quem sabe esses fakenetes desaparecem e assim despolui o blog né?

    Responder
  21. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, o Janowicz está aparecendo como inativo no sítio da ATP. Ele se aposentou? Eu soube que ele operou o joelho em agosto de 2018, mas nunca mais vi notícias sobre ele.
    Abs

    OBS: Atendendo a pedidos, parabenizo o grande Rafael Nadal pelo RG 12. Os Doze Trabalhos de Nadal.

    Responder
  22. Renato

    Nadal tem vantagem sobre Roger apenas no saibro, enquanto Federer tem vantagem na grama e hards. 2 x 1 pro suíço. O melhor é aquele que joga melhor nos diferentes tipos de piso.
    Se tirar os slam do espanhol no barro, sobram apenas 6. Se tirar os slam do suíço na grama, sobram 12. Percebem? E olha que a padronização favoreceu o jogo robótico do espanhol e do do sérvio.

    Nadal venceu Roger na grama sagrada? Sim, mas o suíço vinha de recuperação de mononucleose, caso contrário, sabemos que não venceria.

    Responder
  23. Renato

    Se Nadal deixou de jogar alguns slam por contusão, a culpa é de quem? Unicamente dele que teimava em jogar na correria passando bolas pro outro lado.
    Federer e ninguém tem nada a ver com isso!

    Responder
  24. Rodrigo S. Cruz

    [R. P.]

    [“Rei da Entressafra teve colheita gorda de 2003 a 2007. Quando chegou a concorrência, quem costumava ganhar 2,4 slams por ano teve que se contentar com 0,72 (de 2008 até o presente). Realidade dura dos números: na entressafra, 12 majors em 5 anos. Fora da entressafra, 8 em 12 anos; queda livre de 70%”]

    Legal…

    Deixa só eu te lembrar de umas “coisitas” aqui.

    Se fosse o Djoko que tivesse ganhado isso tudo no período citado, você viria aqui elogiar, e não detrair…

    Eu acho esta tua inveja, ALARMANTE. Daquelas que a bíblia costuma mesmo chamar de “podridão dos ossos”. (rs)

    Mas é compreensível.

    Por você saber que o suíço é o único da história (e do BIG 3) que se mantém competitivo e vencedor de Majors, mesmo tendo passado por VÁRIAS gerações de jogadores, e mudanças de superfície.

    Ignorar um feito tão incrível quanto este, ou pior, tentar inverter os valores afirmando que ele é um mero aproveitador de “entressafras”, é de uma mancada que não tem tamanho.

    Sinceramente acredito que dentro de alguns anos, você sentirá vergonha de ter escrito essas coisas…

    Com 37, quase 38 anos nas costas, o cara está aí, mano. Dando acara a tapa, e sem fazer feio!
    Ganhando Majors como fez em 2018, fazendo muitas finais importantes, sendo semi em RG depois de 4 anos sem pisar ali, ganhando Masters 1000, enfim…

    Se é fato que perdeu muito mais de dois outros grandes rivais, nos últimos anos. (se bem que do Nadal, vinha de 5 vitórias seguidas, e só foi perder no local que sempre perdeu).

    É fato também, que continuou super-competitivo, até contra o atual número 1, que nunca tem vida fácil, quando o enfrenta…

    E isso tudo, muito, mas muuuuuito longe do seu auge físico.

    O contrário, aliás, do status atual que goza os seus dois arquirrivais, os quais esbanjam um físico monstruoso!

    E digo mais.

    Há poucos que dividem que ambos seriam tenistas bem menos vitoriosos, com um físico, nem digo ruim, porém PADRONIZADO, como os demais…

    E os quais vocês exaltam, sempre em detrimento do quase “40tão”…

    Abs.

    Responder
    1. R. P.

      “Se é fato que perdeu muito mais de dois outros grandes rivais, nos últimos anos. (se bem que do Nadal, vinha de 5 vitórias seguidas, e só foi perder no local que sempre perdeu).”

      Com esta frase você resumiu tudo o que eu disse. O resto foi só rodeio. Correu, correu e correu atrás do rabo até parar no mesmo lugar.

      Mas fique feliz. Depois desta campanha em RG vocês já tem a desculpa engatilhada para mais um fracasso em Wimb: “ainnn… o goat tinha que ter se poupado. Tá véio… tá cansado… ” kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
    1. Miguel Delfes

      Rafael Nadal mereceu o título..sem dúvida..ele nada tem a haver com o mais desorganizado GS entre todos..
      Além disso..ele quase sempre tem sempre uma incrível sorte nas chaves e desta x até o tempo o ajudou além claro da desorganização..
      Talvez , se Thiem estivesse descansado , sua vitória não teria sido tão fácil ou até talvez não tivesse ocorrido..basta ver o q ocorreu nos dois primeiros sets..

      Responder
  25. Alison Cordeiro

    Independente de alcançar ou não Federer e de qualquer outro recorde que possa conquistar, Rafael Nadal é sinômino de Roland Garros. A simbiose entre ele e este torneio é algo inimaginável na história do esporte. Ele conhece cada grão de poeira da quadra, coloca a bola onde quer, seja contra quem for. Ele é o Superman dessa competição, imbatível, mas ainda assim humanizado em duas oportunidades, uma numa façanha incrível de Soderling e outra enfraquecido diante de Djokovic. Tropeços que no entanto apenas lhe deram mais gana para vencer, de superar seus limites. Merece nosso louvor. Seus feitos em Paris ecoarão através dos tempos, lembrados como o maior saibrista de todos os tempos.

    Responder
  26. Jonatas Bruno

    O título deste post me fez lembrar de Taffarel, que com segurança e maestria segurava as pontas na defesa, um paralelo que converge ao dodecacampeão. No caso de mais esse triunfo do Nadal,é justo reconhecer que imprimiu um ritmo mais incisivo, demonstrando que pode prevalecer se impondo e encurtando a distância. Assim o fez de forma louvável!
    Para se ter uma idéia da relevância histórica de Nadal em Roland Garros, nada melhor do que aproveitar o ensejo e reviver como estava o circuito em 2005, em seu primeiro título.
    A idéia também serve para efeitos comparativos, ao comparar o panorama da época com o atual.

    -Na chave: 9 campeões de Slam: Federer,Agassi, Guga, Safin, Roddick, Ferrero, Moya, Costa e Gaudio (6 em Roland Garros).
    -Dos 32 cabeças, apenas cinco estão na ativa: Federer, Nadal, Gasquet, Lopes e ‘Robredo’.
    -Next Gen – Qualifying: Djokovic e Wawrinka; Convites: Tsonga, Monfils e Simon.
    -Brasileiros: Guga, Saretta, Ricardo Mello e Marcos Daniel!
    -Sete cabeças sul-americanos: Gáudio, Coria, Canas, Nalbandian, Massu, Gonzales e Chela (Entre os 10 principais, 4 argentinos).

    Achei interessante compartilhar essa compilação de dados,época em que a conjectura era bem diferente! Chega a ser surreal 14 anos depois, Federer e Nadal mantendo-se no pelotão de frente.
    Prevaleceram na geração de Agassi,Guga e Safin, em suas respectivas gerações e seguem na de Zverev, Tsitsipas… Tem que bater continência!

    Responder
  27. Alexandre Maciel

    Dalcin, imagino como deve ser difícil para você escrever sobre as conquistas de Rafa em RG, chega a faltar adjetivo para descrever o que esse cara anda fazendo. Eu no seu lugar apelaria para o “ctrl+c / ctrl+v” e reaproveitaria textos de anos anteriores, alterando somente o número de títulos e demais marcas exorbitantes que o espanhol exibe:

    2019: “E neste domingo, Nadal conquista seu 12º título sobre o saibro francês…”
    2020: “E neste domingo, Nadal conquista seu 13º título sobre o saibro francês…”
    2021: “E neste domingo, Nadal conquista seu 14º título sobre o saibro francês…”

    Fica a dica… rsrsr

    Responder
  28. Lomeu Lima

    Aos que insistem no item chave fraca, vamos lá. NADAL teve 3 jogos fáceis até as oitavas. Depois vieram NISHI, GOFFIN, FEDERER e THIEM. Se analisarmos as chaves de FEDERER e NOLE as situações se assemelham. Todos pegaram chaves tranquilas. A diferença é que o ET NADAL ganharia de todos. Parabéns ao Espanhol GÊNIO!!!

    Responder
  29. Gabriel aguiar

    Dalcim voce acha que Nadal poe fazer frente ao Federer e principalmente o Djokovic na grama?
    gostei muito da atuaçao dele ano passado,deu um show e voleios e deixadinhas, pra mim fez um jogo melhor que o Djokovic, esteve mais perto da vitoria mas perdeu muitos breaks points, além do absurdo do teto fechado que influenciou bastante…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bom, Gabriel, acho que você mesmo respondeu à pergunta… rsrs… É isso mesmo. Nadal tem os recursos para ser muito competitivo na grama e com seu jogo de hoje, ainda mais agressivo, entra sim como um dos candidatos em Wimbledon.

      Responder
      1. Wilson Rocha

        Dalcim, só não entendo uma coisa: como é que Nadal é agressivo no saibro e quando chega no piso rápido desaparece. Basta vê na Austrália esse ano, vinha atropelando , sem perde set, com novo movimento no saque e, de repente, pega Djoko e leva um chocolate. É bom lembrar que na grama a concorrência é grande, não se resume a Federer e Djoko.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Você está se baseando num único jogo. Há dias que as coisas não funcionam no tênis, seja você quem for. Além disso, havia obviamente um bloqueio diante de Djokovic e ele para mim errou na parte tática justamente ao não manter o padrão ofensivo.

          Responder
          1. Wilson Rocha

            Dalcim,
            de forma alguma estou me baseando no autralian open 2019, foi só um exemplo. A última vez que Nadal derrotou Djoko na quadra dura foi no usopen/2013. De lá para cá são oito derrotas seguidas sem sequer ganhar um set. A agressividade tão festejada ficou onde? É bom lembrar também que contra o seu eterno freguês Federer, nos últimos cinco encontros fora do saibro, também só derrota.

          2. José Nilton Dalcim

            Se você assistir aos jogos do US Open do ano passado, verá uma atitude mais agressiva, Wilson.

  30. Renan Vinicius

    Aspas para Alexandre Cossenza:
    “De lá para cá, já experimentou cordas diferentes, raquetes com distribuição de peso diferentes, várias mecânicas de saque… Aperfeiçoou slices e voleios, ganhou peso de bola e tornou-se mais agressivo, enquanto manteve uma rara habilidade de contra-atacar, uma força mental inigualável e uma capacidade extraordinária de se recuperar de lesões.”
    Nadal é a maior mentalidade vencedora da história do esporte! Não duvido nada que ele ainda faça ajustes para vencer mais títulos na grama e na hard.

    Saudações ao Rei!! 18 e contando…

    Responder
  31. Gabriel

    Dalcim, parabéns pelo blog, acompanho há alguns anos e ainda me impressiono com tamanho qualidade de suas críticas e palpites (praticamente todos certeiros). Quanto ao espanhol, nítida é a sua evolução desde o título de 2005, como sua habilidade (muita gente ainda dúvida que ele tem) e capacidade de concentração dentro do jogo só evolui. Nos primeiros anos, muitos duvidavam se teria capacidade pra ganhar em quadras rápidas. Contrariou expectativas e evoluiu, sendo bi campeão em Wimbledon, além de chegar em outras finais perdidas pra federer e djoko. Não fosse por detalhes, teria conseguido também mais slams em quadras duras, como no Australian Open, onde tem 4 vices, perdidos em batalhas épicas (2012 e 2017, ou como na contusão diante de Wawrinka).
    Espero que continue sendo agressivo como foi, de forma até surpreendente, nesse RG, só assim terá chance títulos no restante da temporada, certo, Dalcim?

    Responder
      1. Leonardo T.

        Dalcim,
        Nadal ganhou varios títulos e mudou muitos aspectos do seu jogo desde que Moya começou a trabalhar com ele. O quanto se atribui a Moya essa fase vencedora de Nadal?

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Muito importante, a meu ver. A forma de pensar do Toni precisava de um ‘banho de loja’ e Moyá conseguiu colocar isso na cabeça do Rafa.

          Responder
  32. André Barcellos

    Acho muito difícil que Nadal supere Federer em número de GS.
    Ele teria que ganhar mais 3 Roland Garros.
    Sim, porque outro Slam fora do saibro ele não deve ganhar mais mesmo.
    Além do Djoko, nas hards e grama, teria que superar o próprio Federer (que ainda tem jogo naquela raquete aos 38) e mais uma dezena de meninos que podem tirá-lo do páreo. Vide, Tsitsipas, Kyrgios, etc.

    Responder
  33. Renato

    A ladainha é a mesma todo ano. Nadal ganha Rg e seus adoradores acham que vai ser número 1, ganhar Wimbledon, finals…. Copia e cola. Kkkk

    Lista atualizada dos maiores da história

    Federer
    Laver
    Nadal
    Borg
    Sampras

    Responder
    1. Luiz Henrique

      E vocês também sempre vem com a mesma ladainha, de que ele não será n1, ou não ganhará wimbledon nem us open. Só que 4 vezes no passado ele provou o contrário, e pode muito bem fazê-lo por uma 5º vez.

      Responder
  34. Paulo Almeida

    O GOAT Djokovic só teria tido chance de fechar mais um Nole Slam se tivesse pegado a chave baba do Capivara e jogado sempre antes, tendo assim mais tempo de descanso. Teria chegado 100% na final depois de despachar o Jagua da Montanha com facilidade e o espanhol 80% depois de um jogo duro contra um Thiem descansado.

    Só que os demônios do tênis conspiraram a favor do robô da laje. Paciência.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Balela.

      Pelo que o Federer se mostrou capaz de fazer no dois primeiros sets contra o Nadal, com a ventania e tudo?

      Acredito que o suíço teria despachado Novak Franco-vice, de boas…

      hehehehe.

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Só na sua cabeça de fedtard que Frauderer teria despachado seu outro carrasco com aquelas esquerdas bisonhas, madeiradas e ainda por cima sem saque, seu maior ganha-pão.

        Responder
  35. ANTONIO GABRIEL

    Bom, todos os elogios para o Nadal neste momento são poucos, o que ele esta fazendo é deveras impensável e dificilmente será feito novamente, entao vamos aos fatos, Thiem ainda deve ganhar RG, mas apara isso ainda vai precisar evoluir e decerta forma se preparar pois a 2 ou três tenistas chegando e quando o big 3 parar esse pessoal que esta vindo de baixo vai dar muito trabalho, o Big 3 segue favorito pros dois Slans que faltam e teremos que esperar como o fisico de Nadal e Djoko vai estar pro resto da temporada, alias Djoko parece estar com seu fisico em queda, espero que a equipe dele esteja atenta a isso. Ano que vem com quadra coberta (assim espero), certamente não teremos estas discrepâncias que ocorreram com o Thiem jogando dias seguidos, se isso não faria diferença apara conquista do titulo, certamente ocasionaria um jogo mais disputado, pois do 3 set em diante ele perdeu totalmente a intensidade. De toda forma, agora é aumentar a angustia pela espera do próximo GS. KKKKK

    Responder
  36. Chileno

    Não tem muitas palavras pra descrever o tamanho da soberania do Nadal em RG. Lá ele é o bichão mesmo. O maior especialista da história, um imenso campeão! Muito legal que ele esteja jogando mais agressivo. Acho o jogo dele muito mais interessante assim. Aos 33 anos, acho que ele vai ter mesmo que migrar cada vez mais para a ofensividade. Enfim… que façanha do espanhol! 12 títulos num mesmo Slam! Esse é um recorde que provavelmente jamais será quebrado.

    Quanto ao Thiem… bateu na trave. Fez um belíssimo torneio. Eliminou o poderoso Djokovic na semi em 5 sets. Realmente parece questão de tempo até o austríaco vencer RG. Esse ano ele já passou mais perto, e arrancou um set do Nadal. Talvez se tivesse tido mais tempo de descanso… quem sabe…? Mas de qualquer forma, acho que o Thiem se firma cada vez mais como uma força no circuito. Tomara que ele consiga manter o alto nível.

    Dos tenistas mais jovens, ele é de longe o que mais me agrada, em postura, técnica e forma de jogar. Já estou satisfeito porque quando Roger e Stan pararem, sei que terei alguém por torcer por mais alguns anos pelo menos.

    Responder
  37. Paulo F.

    Ficou fácil demais pro Nadal.
    Uma organização ridícula de torneio, fazendo o futebol de várzea brasileiro parecer um luxo.
    Os únicos adversários à altura eliminados – um deles voltando a ser um poço de mimimi – deve ter abraçado árvores em excesso.
    Aí o que deveria ser uma final de GS foi algo de nível tão baixo e com um adversário tão medíocre, que ficou com cara de treino.

    Responder
    1. Carlos Reis

      Sempre fui anti Nadal, mas devido a Djokovetes do teu naipe, decidi mudar, agora sou anti DjokoVICE de Roma! kkk
      Nadal pode se tornar o novo GOAT, ele representa melhor esse posto. DjokoVICE de Roma NUNCA SERÁ!!!!

      Responder
      1. Paulo F.

        Pior que ser uma federete que não enxerga UM único defeito no intocável, perfeito, cheiroso, bonito, mítico suíço.
        “Nadal poderá ser o próximo GOAT” – Vindo isto de uma federete revoltada, já disse e repito: Síndrome de Estocolmo define – afeiçou-se ao eterno agressor da bailarina do Alpes.

        Responder
  38. Luis

    Tem que se dar muito crédito para o Moyá, que treinou e incentivou o Nadal quando era criança e que conhece ele como ninguém. A escolha dele para substituir o tio baonpoderia ter sido mais perfeita. Foi adiada por um tempo, mas no final ele consegui aos poucos dar um backhand excelente para o espanhol, o que foi essencial para a confiança. Depois o trabalho do saque conseguiu dar para ele a vantagem de encurtar os pontos. Mas ainda faltava o fato do “buraco” contra adversários agressivos. Moyá cinseguiu finalmente colocar o Rafa jogando mais perto da linha, algo que nunca imaginei que seria possível.
    Ou seja, parabens para ele que não desiste e se emociona ainda e melhora e muitos parabéns para seu treinador que para mim, sem ele, o Nadal nunca estaria jogando desaa maneira.

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Quando foi contratado p fazer parte do time do Nadal, Moya enfrentou um certo descrédito por parte de alguns. Pessoalmente sempre vi sua vinda como positiva, pelo excelente trabalho feito junto a Raonic, basta ver como o canadense despencou após a saída do espanhol do seu staff. Passados 2.5 anos, vemos um Nadal mais agressivo, voleando bem melhor e com um BH excepcional. Creio apenas q o serviço, q no meu entendimento ainda deixa a desejar, e muito, precise ser aprimorado, algo q o próprio Moya já detectou há tempos e tenta implementar mudanças.

      Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Lembrando que Federer disputou vários torneios lesionado, como todos em 2013, Wimbledon 2016 e 2018 e US Open 2018. Já Nadal evita jogar.
      Abs

      Responder
  39. Pedro

    Dalcim,

    Em relação ao post, discordo sobre o restante da temporada, pois será uma surpresa se o espanhol conseguir bons resultados. Acredito que hoje a concorrência está bem maior, e ainda tem o Nole e o Federer. Não acho que o espanhol chegue nem em terceiro no fim do ano. Nas quadras duras, a bola dos adversários, mais chapadas, andam mais, e ainda tem o fato do joelho do Nadal não se adaptar bem a este tipo de quadra.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que você está se esquecendo que ele foi semi em Wimbledon e do US Open e campeão do Canadá no ano passado, Pedro, apenas para citar seu histórico mais recente.

      Responder
      1. Pedro

        Entendo o seu ponto de vista, mas é uma questão de ponto de vista. Ao mesmo tempo que fez semis, ele terá que defender estes pontos, e temos que lembrar que a cada ano que passa, seu joelho não é mais o mesmo. Vamos esperar. Vejo a trajetória do suiço muito boa neste ano, assim como a de Nole, sendo que, os dois levam vantagem na quadra dura. E temos outros que ganharam espaço.

        Responder
    2. Gabriel aguiar

      piada um comentário desse, perdeu em Wimbledon jogando mais, Us open foi campeao em 2017 e ano passado abandonou a semi machucado, ganhou Toronto e o resto não jogou, não vejo possibilidade dele não terminar o ano entre os 3, 99% de chance de em segundo ou primeiro

      Responder
    3. Geraldo

      Como lembrou Dalcim, vice em Wimbledon e US Open e mais um título de masters 1000. Estes são todos os pontos que ele tem a defender até o final do ano. 2440 de 9500 possíveis. Se ficar sem lesão até o fim do ano, a briga pelo número 1 vai ser acirrada sim. Como ano passado também seria. Teve que desistir na semi do US Open, por lesão, onde defendia 2000 pontos. Não pode defender 500 pontos do ATP 500 China Open, 600 pontos da final do Shangai, mais 180 de Paris. No Finals chegou a ir, mas a lesão voltou. Certamente iria somar mais alguns pontos no Finals, que tem de 1500 pontos. Então é o seguinte: se Nadal conseguir atravessar o ano sem lesão, a coisa muda de figura. Ano passado, ele liderava com muita folga a corrida. Não esqueçam disso.

      Responder
  40. Dumont

    Nadal é Nadal, aplaudamos seus feitos, meus caros. Confesso que assisto estes notáveis com alegria e pesar, ao mesmo tempo. Os três já possuem prognóstico reservado, mas este não é o meu pesar. Alegria, eles me dão sempre que estão em quadra, lutando pelos seus recordes e euros aos milhões. Pesar vem sobre mim pelo que virá após os três. Vai ser pesaroso assistir essa molecada da geração “bate-bate”, que sucumbe a qualquer grito do outro lado da rede. Creio que se algum marmanjo quase trintão pegar a dica, bastará dar “uns gritos” do outro lado da quadra pra estes “doidinhos” começarem a derreter a mente…

    Tênis, acima de qualquer coisa, é um jogo mental. A geração vindoura – acredito eu – não está ainda acostumada às pressões que incidem sobre o circuito. Que tratem logo de engrossar o couro, ou então verão Nadal, Federer e Djokovic empunharem bengalas ao invés de raquetes, deixando-os chupando os dedos por longo tempo…

    Abraçasso!

    Responder
  41. Thiago

    Engraçado como os Federetes diminuem o Nadal fora do saibro, porém, ele foi o primeiro tenista a ter a oportunidade de ganhar todos os 4 slams por 2 vezes.
    O desespero pela perda de maior ganhador de slams é visível…rs. E o medo do titulo de GOAT pelos federetes, que sempre se sustentou por ser o maior vencedor de slam, não ter mais esse argumento a favor causa pânico nestes.

    Responder
    1. Nando

      Negativo…Federer foi o 1° a ter tal chance (de ganhar 2 Slams de tds) em RG2011. O espanhol só teve a chance no AO 2012…pesquise antes de falar.

      Responder
  42. Sandra

    Nem para o Federer deram tanta facilidade para ele quanto para o Nadal, seja em que torneio fosse!!! Perde se até a contade de ver tênis , Nadal não precisaria disso

    Responder
  43. Barocos

    Parabéns Dalcim, como de costume, excelente descrição e interpretação dos fatos.

    Nadal não tem nada a ver com toda a falta de estrutura do torneio, entrou em quadra e fez o que tinha que fazer, no entanto, o mesmo não se pode dizer sobre os organizadores, que mereciam uma nota de agravo por parte da associação dos tenistas. Já o Thiem, este deveria receber uma comenda pelo elevado espírito esportivo.

    Pondo a injustiça da situação, que eu acredito que não mudaria o resultado final, de lado, Nadal mostrou mais uma vez porquê é considerado inquestionavelmente um dos 3 maiores da história. Fenômeno precoce, vitorioso contumaz, atleta hiperdedicado. Os seus detratores deveriam pôr o fanatismo e a idolatria de lado nas suas argumentações, ficaria menos ridículo para os mesmos.

    Responder
  44. Aluizio Barros

    Bom dia meus prezados. Após ler tantos comentários da injustiça que foi a organização do Torneio de RG ter colocado a Final no domingo, gostaria de lembrar o seguinte: a chuva que interrompeu o jogo, pela segunda vez, na sexta-feira, entre Thiem X Dojkovic, parou por volta das 18h00 de Paris, saiu sol, porém o vento continuava forte. Os jogadores foram convidados a voltar para o jogo, pois ainda restavam cerca de 3 horas com luz natural, tempo suficiente para terminarem a partida, porém não quiseram voltar, alegando condições climáricas inapropridas para o jogo. Nesse momento o Diretor do torneio Guy Gorget concordou que o jogo fosse transferido para o sábado desde que os jogadores aceitassem a final no domingo. Foi o que aconteceu! O que é combinado não é caro.

    Responder
  45. Renato Toniol

    Chega a ser bizarro pensarmos que um determinado tenista pudesse ganhar 12 vezes o mesmo Grand Slam. Quando Rafa ganhou la décima, em 2017, já achávamos um absurdo e tanto, e hoje, o cidadão levou mais duas.
    Só temos de parabenizá-lo por isso. Se fossemos pensar em um “saibrista” nos anos 90, ou até meados dos anos 2000, imaginaríamos apenas um tenista “metendo rosca” na bola, correndo feito um doido devolvendo tudo. Nadal tem todas essas características, mas com um tênis muito mais arrojado. Sobra recursos a ele. Um top spin jamais visto na histórias do tênis, um backhand que melhorou demais ao longo dos anos, slice, drop-shot, voleio, smash perfeito, e coragem.
    Enfim, é um saibrista com tantos recursos, que fica quase impossível derrotá-lo nessa superfície quando ele está bem fisicamente, até pelo fato de ele ter uma facilidade absurda de sair da defesa para o ataque.
    Mesmo sendo torcedor de Roger Federer, tenho que reconhecer a monstruosidade de Rafael Nadal, o quão completo ele é. Espero que ele não quebre o recorde de Slams do maestro, mas agora, o número está sob real ameaça, e se for quebrado, não diminuirá em nada a grandeza do suíço.
    Na real, nós é quem somos privilegiados de sermos contemporâneos dos três maiores tenistas de todos os tempos. Só sinto falta de ter mais gente fazendo frente aos três. Tsitsipas ao meu ver, é o único da nova geração coma soma de potencial técnica e mental para isso.

    Responder
  46. V Maurício

    Bom dia!
    Alguns comentários sobre o jogo: o duelo começou espetacular, com 2 sets incrivelmente disputados, emocionantes e imprevisíveis, onde cada um dos sets poderia ter ido pra qualquer um dos dois. Aí entra a fantástica força mental e capacidade emocional de Nadal. Quem poderia imaginar que, após perder o segundo set, ele voltaria pro terceiro da forma como voltou e mandaria um duplo 6-1? Realmente é de se tirar o chapéu. Percebi que o Thiem mudou um pouco o jeito de jogar no terceiro set, tentando ser mais agressivo e encurtando os pontos, ficando mais sujeito a erros. Difícil avaliar até que ponto a parte física influenciou olhando de fora, mas certamente foi injusto Thiem ter que entrar em quadra pra jogar uma final menos de 1 dia depois. Ganhar de Nadal numa final de RG deve ser o maior desafio da história do tênis.
    Quanto ao recorde de Slams, a chance de Nadal será vencer pelo menos mais um fora do saibro. Não vejo Nadal ganhando mais 3 RG. Acho que ganha um, no máximo 2. Se fechar o ano com 19, acho que passa. Mas particularmente, acho que vai terminar empatado.

    Responder
  47. Filho

    Djokovic foi esperto, jogou RG meia boca, parecendo se conservar pro restante da temporada. Esta correto ! Nadal aposta todas as suas fichas no saibro, é o que sobra pra ele, de resto tem levado so surra. E que chave moleza ele pegou hein e torneio desorganizado demais RG, poderia ter sido mais divertido.

    Responder
  48. Marcelo-Jacacity

    Imaginem, agora se o Dalcim colocasse:
    O mundo aguarda agora Federer igualar Nadal com o 12. título de Wimbledon!
    Seria incrível isso e o suíço seria tão grande em Londres assim como Nadal é em Paris.
    As derrotas para o Nadal em 2008 e para o Djoko em 2014-15 tiraram essa áurea de invencível de Roger em Wimbledon que só o Nadal tem em Roland Garros.

    Responder
    1. Gildokson

      Não fosse tão lenta a grama, isso poderia realmente estar acontecendo. Mas não tem problema, Federer deve ficar contente de ser o maior campeão do Grand Slam mais nobre e tradicional de todos.

      Responder
  49. Ismael Crispim

    Em primeiro lugar quero parabenizar o José Dalcim pelos comentários estupendos!…
    Dizer que aprecio o RF, ND…
    Tem um ditado que diz: A boa educação é tipo moeda de ouro vale em qualquer parte do mundo! Isso eu aprecio no Nadal… humilde, reservado, calmo, preocupa-se muito com o adversário, estupendo Nadal.
    Ele só não tem maior audiência ou notoriedade (em termos de marting), porque é tipo Messi, são muito reservados…

    Responder
  50. Miguel BsB

    Acho que os franceses deveriam fechar logo Roland Garros,embrulhar,e dar de presente pro Nadal…
    Depois inventem um outro torneio rs

    Responder
  51. Mangostin

    Dalcim, eu assisti a transmisao australiana da final e eles elogiaram o tempo todo a qualidade tecnica do voleio do Nadal como exemplo para escola australiana de tenis

    Responder
  52. Maior geração do tênis chegando

    Nadal é o maior do saibro mesmo ngm dúvida disso ..mas que final roubada ……o thiem poderia vencer sim o rei do saibro ..mas cansou no fim .. agora vô fala em Nadal claro tá na briga pra alcançar os slam do Federer apezar que eu acho que o tsitsipas ano que vem comece a vencer o Nadal no saibro .agora o Djokovic que vai precisar jogar muito mas muito pra alcançar o Federer ..pq o wawrinka voltou o thiem ta perdeno respeito por ele tsitsipas é fenômeno zverev vai crescer muito olha o sérvio pra alcançar o Federer precisa ganhar os dois slam desse ano se não esquece

    Responder
  53. ligia

    Dalcim, vi a estatística dos slams, ótima. Você teria a estatística de “número de semanas sequenciais como número 1 do ranking”? grata

    Responder
      1. Rodolfo Costa Sousa

        Dalcilm olá tudo bem ?
        Desses feitos qual vc acha mais difícil bater ?
        Vou colocar na minha ordem
        1-8 vezes seguidas em monte Carlo Nadal
        2- 6 vezes seguidas terminar o ano em 1 Pete Sampras
        3-12 vezes de RG de Nadal
        4-270 semanas seguidas em 1 do Federer
        5-Golden slam da steffi
        6-20 slam do Federer
        7-grand slam do Rod Laver ou do Dojko( considero iguais )
        8-81vitorias seguidas no saibro Nadal

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Praticamente impossível responder essa questão, Rodolfo. Os itens 2, 3, 4, 5. 7 e 81 são extremamente difíceis de se repetir. Mas talvez a 3 e a 4 sejam as mais improváveis.

          Responder
  54. Efraim Oliveira

    Nadal vs Rolang Garros

    Vitória – derrota

    Jogos 93 – 2
    Games 1802 – 913
    Tiebreak 10 – 4
    Sets 277 – 27

    Por ano… games – sets

    2005: 135 – 75 / 21 – 3
    2006: 134 – 86 / 20 – 3
    2007: 133 – 67 / 21 – 1
    2008: 128 – 41 / 21 – 0
    2009: 74 – 49 / 10 – 3
    2010: 130 – 71 / 21 – 0
    2011: 150 – 96 / 21 – 3
    2012: 130 – 53 / 21 – 1
    2013: 148 – 95 / 21 – 4
    2014: 135 – 57 / 21 – 2
    2015: 85 – 55 / 12 – 4
    2016: 36 – 9 / 6 – 0
    2017: 116 – 35 / 19 – 0
    2018: 132 – 64 / 21 – 1
    2019: 135 – 60 / 21 – 2

    Começou perdendo 9 partidas, das quais conseguiu virar 8

    Perdeu 7 sets em 12 finais; nenhuma delas foi ao 5° set

    Em 95 jogos, só foi levado ao 5° set por duas vezes, tendo vencido as duas

    Perdeu 2 jogos dos 95 – num deles levando a única virada que culminou em derrota… teve ainda a desistência em 2016

    Final mais folgada foi a de 2008 – 6/1 6/3 6/

    A mais disputada foi a de 2011 – 7/5 7/6 5/7 6/1

    Que aproveitamento fantástico!

    Mais que merecido esse título; só me resta dizer:

    “Dai a César o que é de César”🏆🍃

    Responder
  55. Rodrigo S. Cruz

    O Nadal pegou uma chave fácil ao extremo, e o seu adversário na decisão estava fisicamente acabado.

    Peço licença aos nadalistas para dizer que, para mim, foi uma final “fake”.

    (e não estou provocando, apenas dizendo o que eu acho).

    Seria menos penoso, entregarem o troféu logo para ele…

    Dito isso, é preciso reconhecer que se o físico do Nadal continua monstruoso, ele também evoluiu na parte técnica…

    Portanto, seria bem difícil para qualquer tenista superá-lo, mesmo em igualdade de condições.

    Durante o jogo contra o Thiem, eu pontuei isso.

    Incrível o aprimoramento do backhand do espanhol.

    Agora, ele tem duas grandes armas:

    O running forehand “estiligue”, que tantas veze surpreende o adversário, na paralela.

    E o backhand batido, que se mostra eficiente, tanto para a defesa, como para o ataque.

    Responder
    1. rob

      mas me parece que toda a chave em slam é fácil… veja bem… no caminho o Nadal teve Goffin, ex-top 10, nishikori , atual top 10, Federer, FEDERER!!! e Thiem, atual 4… fácil? djoko teve quem? struff, thiem, e ninguem mais de peso… fácil? estranha sua colocação sobre facilidades.

      Responder
  56. Rubens Leme

    O incrível é que ainda falam que não tem talento, que é baloeiro e que goat e o suíço que toma de 10×3 em Slams e 24×15, no geral e 6×0, em Paris (aceita o Felipão vomo técnico, Rogério, ele te garante um 7×1, em Paris…) e 3×1 no Australia Open.

    Parabéns, Nadal. Borg foi o mais jovem a vencer 11 Slams (25 anos e 1 mês), mas você foi o mais jovem a vencer 12 Slams de um único torneio.

    Os dois verdadeiros GOATS. Agora é empatar o H2H em Wimbledon (talvez com um tri lá) e cantar, em 2020, o que o Palmeiras cantou em 1974, quando venceu o Campeonato Paulista em cima do Corinthians, por 1×0, aumentando a fila do freguês para 21 anos:

    “ZUM ZUM ZUM É 21!”

    PS: 21, NESTE CASO, SLAMS.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      O músico se entrega como um Fake qualquer . ” Para enaltecer o melhor de todos ( Borg ) , não preciso menosprezar ninguém “. Pois é , não precisa ter um bom Português pra demonstrar qual é a a sua rsrsrs …

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Sem querer, com isso, tirar os méritos dele que é um grande campeão.

      O Nadal tem pinta de baloeiro mesmo.

      E você foi um fanfarrão agora…

      Além de mostrar um profundo mau gosto, para tudo.

      tênis, futebol, enfim…

      Ele toma 10 x 3 em Grand Slams, porque desses dez, seis foram justamente em RG, onde Nadal não perde nem para sombra…

      Mas se você viu o jogo, sabe que o Federer conseguiu criar suas chances.

      Tenho certeza que não fosse o vento forte, que pelo estilo, incomoda mais ao suíço, o jogo complicaria pro Nadal.

      Agora, sobre Wimbledon, você já pode ir tirando o cavalo da chuva…

      Se o Federer pegar o Nadal, será um pouco menos difícil do que foi a final do Australian Open 2017.

      Responder
      1. Rubens Leme

        Fico extremamente aliviado e feliz por ser criticado e chamado de fake e fanfarrão por dois eleitores do mito. Duro, preocupante e desesperador seria se concordassem comigo.

        Ufa! Estou no bom caminho, como sempre.

        PS: Federer merecia melhores fãs. E o Brasil um presidente que honrasse o posto.

        Responder
          1. Cuca

            O assunto nem é política e vc coloca bolsonaro no meio? O que tem a ver?? Não sei se vc é PT, mas, se for, justifica esse raciocínio enviesado e vitimizado

  57. Gildokson

    Que fortaleza mental esse Nada viu..só tem um cara que consegue abrir uma fenda na cabeça dessa monstro. Então o quenos resta é parabenizar e dar parabéns à quem torce pra ele, o cara não para de ganhar e além de tudo tem uma sorte sem tamanho, nasceu com talento e estrela.
    Esse RG deve ter sido o mais fácil que ele conquistou, com a chave favorável e com fatores extra quadra atrapalhando os adversários, conseguiu ser mais tranquilo que o UsOpen 17 sem nenhum top 10 no caminho. Mas o homem ta certo, vai la e crava mesmo sem dó.
    Agora o que dizer de Thiem? Tudo bem que jogou durante 4 dias seguidos, mas daí a virar uma chave pro lado negativo de uma hora pra outra logo após vencer um set?!
    Posso estar enganado, mas isso é coisa de quem nunca vai ganhar um Slam a não ser que seja ala Cilic, contra um outro coadjuvante como ele.

    Responder
  58. Jonas

    Parabéns ao monstro Nadal. Como previsto, atropelou seu maior rival na semi e dominou Thiem na final.

    Deve ser duro pro austríaco…aos 25 anos ele ainda não venceu Major, mesmo tendo tênis e cabeça suficiente pra isso.

    O problema pra ele é somente o Nadal, neste piso. Um cara que em vários momentos apresenta problemas físicos e mesmo assim consegue se reinventar. Acaba de vencer seu 12° Roland Garros, com sobras. Agora é mais uma ameaça aos 20 Slams de Federer. Esse recorde em breve será quebrado, já que Nadal e Djokovic ainda estão em condições pra brigar pelos maiores títulos.

    Quanto ao Djoko, agora é focar em defender seu título em Wimbledon. Acredito que se manter esse nível de jogo, vai ser difícil perder o posto de melhor do mundo. Ele é muito regular em todos os pisos, mesmo que o saibro limite um pouco seu jogo.

    Não é um mau resultado perder em uma partida duríssima contra o Thiem. De qualquer forma, era claro que o Nadal iria vencer essa final. O espanhol é muito acima no saibro. O cara está com 33 anos, direto tem problemas físicos e mesmo assim segue vencendo Majors, sem essa desculpa de idade.

    Responder
  59. O LÓGICO

    E o robozinho Lajeano kkkkkk venceu mais um Roland Cagoous kkkkkkk, com seu tênis de latrina e com o corpo saturado de açaí espanhol kkkkkkkkk. Guru, se foram os deuses do tênis que ajudaram o robozinho “satânico”, estão eles foram corrompidos pelas forças do mal kkkkkkk. Eu estou mais inclinado a crer que esses deuses do tênis são bem “Humanos”, e burocratas do tênis kkkkkk, se me entendes kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Eu acho que o robozinho fez cocô, kkkkkkk, naquela parada em que foi para o vestiário kkkkkkkk. Perceberam, nadalchacretes, como ele voltou com o resto de cabelo todo molhado? Culpa dos organizadores do torneio que não compraram um chuveirão na Leroy Merlin e colocaram na Felipe Chatatrier para que o primogênito tomasse um banho ali mesmo. Fico imaginando o frisson que ele causaria tirando o calção e mostrando sua cueca fio dental kkkkkkk. O L Folling in Love ficaria louquinho, e o M Cocotinha piraria de vez kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Bom, título pro tenista do mangue kkkkkk, só ano que vem kkkkkk. A partir de agora, se Deus não atrapalhar kkkkkk, o robozinho volta a cumprir seu papel de Sísifo do tênis, devido à sua clara UNIDIMENSIONALIDADE tenística. Só está se aproximando de Fedex devido os torneios da Laje. Aliás, como já falei alhures de algures kkkkk, todos os seus recordes são função da Laje, e um candidato a GOAT precisa ter um caráter mais universal. Então, o robozinho pode até passar Federer em slans, mas se for às custas de Roland Cagoous kkkkkk isso deporá contra ele mesmo.

    L Ferdandu kkkkkkk, M C das farmácias e demais cocotinhas do robozinho: NUNCA SERÃO kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  60. Rafael

    Grande Nadal!! 12º RG e 18º no total. Gigante!! Djoko tem um mundo inteiro de pontos a defender até o fim do ano, Nadal tem um caminhão (semi em Wimbledon e usopen). E tem comentaristas de plantão que insistem em dizem que o ano do espanhol termina hoje. Pobres mortais, não conseguem ver um palmo à frente do nariz. 😂😂😂😂 peninha!! VAMOSSS

    Responder
  61. Sérgio Ribeiro

    Para variar aquele monte de análises das Chaves para no Final dar a mesmice que prognosticamos. Os 4 TOPs nas Semis , e o Rei do Saibro levando. A péssima organização do Torneio em nada diminue os méritos do vencedor. Ao contrário, mostrou o jogo mais agressivo de todos os 12 Títulos. Moya conseguiu superar o Titio Toni , e esse atual Backhand do Espanhol está primoroso. Um Campeão que não deixa margem a qualquer discussão. E Novak e Federer que abram os olhos no Saibro verde de Wimbledon. Se passar da primeira semana , esse Espanhol muito mais agressivo , pode novamente levar o Caneco. ABS !

    Responder
  62. Danilo

    Dalcim . A ida ao vestiário do Nadal foi mais estratégica ou fisiológica quando perdeu o segundo set ? Bem no momento em q o thiem estava voando . Esfriou ele. Abraço.

    Responder
  63. Maurício Luís '

    Haja Deus. Como é dura a vida de secador do baloeiro. Mordeu a décima-segunda
    Tem nada não. Eu não ligo… Snif… Snif… BUÁÁÁÁÁ !!! Assim não vale. Assim eu não BRINCO MAIS !!

    Responder
  64. Miguel Delfes

    Nadal dispensa comentários..
    Título merecidíssimo..
    RG é o torneio mais desorganizado..
    Um absurdo fazer um jogador , depois de tanto esforço e preparo , ver seu sonho de ganhar um GS ser prejudicado da forma como foi..
    Jogar 4 dias seguidos é uma piada..ainda por cima disputar a final com RNadal na casa do mesmo..
    Prova disso foram os dois primeiros sets..

    Responder
    1. Luiz Henrique

      Wimbledon é mais desorganizado ainda. Fizeram patifaria com Nadal ano passado naquela semi. Vergonhoso. Não sei até hoje como ele ainda teve chances de ganhar com tudo a favor do djokovic

      Responder
      1. Gabriel aguiar

        foi o maior absurdo da historia do tenis aquele teto fechado num torneio outdoor e o sol estalando la fora…e mesmo assim Nadal não venceu por pequeno detalhe

        Responder
      2. Rafael Brasiliense

        Que patifaria? Se for sobre o teto que não foi aberto depois, não houve patifaria nenhuma, porque isso está no regulamento. O teto só é reaberto se ambos os tenistas concordarem.

        Responder
  65. Luiz Fernando

    Dalcim peço a vc um exercício de adivinhação: até quando vc julga q esse domínio absurdo do Big3 continuará? Eu chutaria q alguma mudança mais evidente talvez a partir de 2022…

    Responder
  66. Arthur

    12 títulos em um mesmo Slam é uma boçalidade, Dalcim.
    E, pelo andar da carruagem, virão outros 12 se o pessoal da novíssima geração continuar nesse chove-não-molha.
    A lembrar, por oportuno, que a antiga “nova geração” (Dimitrov, Goffin, Nishikori e cia.) já foram ultrapassados sem jamais terem chegado a dizer a que vieram.
    Tomara que o mesmo não aconteça com Zverev, Thiem, Kyrgios e os demais.

    Um abraço.

    Responder
    1. R. P.

      Com quase 26 anos, Thiem não é next gen. E o mais incrível é que se espera que esse “menino” quase balzaquiano se torne um vencedor com apenas 1 grande título da ATP conquistado até hoje, justamente o IW deste ano.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Procure pesquisar com que idade STANIMAL começou a vencer Torneios importantes, caríssimo R.P. Ao contrário do amigo que teme Postar com seu verdadeiro Nick , Thiem não teme Novak. Pegar no pé do rapaz não vai mudar nada … rsrsrs Abs!

        Responder
        1. Chileno

          O próprio Murray ganhou seu primeiro Slam com 25 ou 26 anos, salvo engano. O Stan ganhou quase com 30. Thiem ainda tem tempo pra levantar seu caneco. Provavelmente ainda nem atingiu seu auge.

          Responder
        2. R. P.

          Começou e já terminou. Um intruso que fez sua graça e pode se dar ao luxo de dizer que venceu 3 slams na era mais difícil do tênis (esta década). Por um q ele não empate com o rei da entressafra.

          Responder
  67. Luiz Fernando

    Ao contrário de alguns habituais “do contra” aqui do blog, Thiem foi absolutamente justo e honesto ao reconhecer que ele encarou uma lenda viva do esporte na manhã de hj, um cara q o Guga ontem chamou de “ET”, pelo domínio q tem nesse torneio. Com a 12ª mordida na taça dos mosqueteiros, Rafa, apenas com esses títulos, seria o quinto na lista de quem mais venceu GS, podendo, por mais absurdo q possa parecer, empatar, ou, que sabe, até superar os 14 de Sampras só com títulos de RG. E como exposto no texto, hj, além do físico privilegiado, ele é um jogador agressivo, com um jg de rede excelente e um BH como ele nunca teve. Em resumo, o Rafa destes dois últimos anos é o melhor Nadal de todos os tempos, superando o de 2010 ou de 2013. Outro ponto legal, parece mais ciente de suas limitações físicas, ao anunciar hj mesmo q irá direto p W, algo q deu certo nos 2 últimos anos, em especial em 2018, quando esteve perto de vencer o torneio. Se conseguir se manter livre de contusões, algo incomum nos últimos anos, pode perfeitamente lutar pelo número um do mundo nesse ano e chegar ainda mais perto de Federer em GS.

    Responder
    1. O LÓGICO

      L Felino, sua paixão descarada pelo robozinho o cega completamente para um fato inexorável kkkkkk: o robozinho das trevas do submundo do tênis é um tenista medíocre fora da Laje, e só ganhou o que ganhou fora da Laje por questões circunstanciais e seu preparo físico produzido pelo consumo inveterado de açaí espanhol kkkkkkkkkkkkk. E existe sempre várias maneiras de provarmos isso. Me responde: considerando que o robozinho do tênis brega é o GOAT da LAJE kkkkkkk, então seria normal vermos o Fedex e o Djokão serem surrados de forma acachapante por ele nesse piso, da mesma maneira que o robozinho já foi surrado várias vezes de forma acachapante nas hards pelos dois. Mas você conceberia, ou já viu, Roger e Djoko, meu eterno herói kkkk, serem humilhados no saibro, considerando que esse não é o piso predileto dos dois? Não, né. Isso nunca aconteceu, e nunca vai acontecer kkkkkk. Agora, como explicar o fato de o robozinho ser humilhado vez ou outra, por tenistas que estão fora da lista dos TOP do tênis, em outros pisos, se não pelo fato de sua mediocridade tenística? Dá uma olhada no vídeo abaixo e me diz se você tem a coragem de contestar que o tenista tá dando aula de como se joga tênis pro robozinho dos balões. Aliás, você diz que o robozinho é agressivo kkkkkk. Só na Laje e por uma razão bem simples: os golpes dos grandes tenistas perdem seu poder devastador porque a quadra é lentíssima, a bola quica muito alto e permite que o UNIDIMENSIONAL prepare-se para deflagar seus golpes. Como sua habilidade é abaixo da média, cortado esse efeito da Laje, ele vira um pangaré, e joga sempre transando com os logotipos dos patrocinadores kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      CHUPA QUE É DE UVA KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

      https://www.youtube.com/watch?v=lZhqofkUdIU

      Tenho certeza que até o GURU concorda que esse é um fato esclarecedor, do ponto de vista da análise LÓGICA kkkkkkkkk

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Eu vi o vídeo aqui.

        Impressionante o que fez o Brown fez com o Nadal nesse dia…

        Fazia inúmeros pontos que eram CONSTRANGEDORES do adversário engolir.

        E com uma calma e naturalidade, que devia causar irritação. (rs)

        E não foi porque o Touro tenha jogou tão mal.

        Mas porque simplesmente o Brown não deixava o cara jogar…

        Responder
    2. Luiz Alexandre

      O Rafa e o Federer se aprimoraram tática e até tecnicamente ao longo dos tempos, então neste aspecto, estão claramente melhores. Contudo o desgaste natural provocado pela idade complica a performance. Assim tenho dúvidas se o Nadal e o Federer de hoje venceriam o Nadal e o Federer de 10 anos atrás.

      Responder
    3. Chileno

      Sem dúvidas! Monstro Nadal! Acho que tecnica e taticamente talvez seja a melhor versão do espanhol mesmo. Mas não diria que essa é a melhor versão do espanhol, porque colocando o físico na conta, acho que o Nadal 2010 e talvez também o 2013 tenham sido mais implacáveis.

      Responder
  68. André Barcellos

    Dalcim, Mudando o rumo da prosa:
    O que vc acha que falta, tenisticamente falando, ao Tsitsipas pra ele ganhar um Slam. Claro que ele está ainda no começo da carreira.
    É que seu jogo me parece muito redondo, seu mental forte e sua condição atlética excelente.
    Mesmo assim ele perdeu para o Wawrinka, que perdeu para o Federer, que perdeu para o campeão.

    E ele não parece estar muito atrás dos grandes, entende? Não saberia o que dizer a ele como técnico…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que falta consistência, André. Esse é o segredo para se vencer os Slam, torneios mais longos. Também adaptar-se um pouco melhor a cada adversário, o que se consegue com rodagem. Tstistipas é bem completo, tem obtido resultados expressivos em diferentes pisos. Está no caminho certo.

      Responder
  69. André Barcellos

    Se eu fosse como um dos torcedores chatos do Djokovic diria que RG não deveria ser contado como um Slam.
    Pela sua estrutura, organização e sujeição a intempéries.
    Aí relativizaria os 18 de Nadal porque estão concentrados em um Slam só.
    Diria que cada RG vale, digamos, meio Slam.
    Então Rafa só teria 12 Slam. Federer 19,5 e Djoko 14,5.
    Sim, assi mesmo. Arbitrário e ridículo como soa parece. E como de fato é.
    O critério sou eu quem escolhe…

    Responder
    1. Luiz Henrique

      Então vai meu critério: australian open e wimbledon contam como meio slam porque não dá pra fazer uma preparação digna pra eles. O AO fica no comecinho do ano, todo mundo voltando das férias. E wimbledon só tem uns 2 ou 3 torneios pequenos mixurucas pra servir de preparação, por isso a maioria chega despreparado. Somente RG e USO possibilitam que os jogadores cheguem preparados, jogando grandes eventos. Dentro desse critério, Nadal tem 16,5 slams, Djokovic tem 9,5 slams e federer tem 13 slams

      Responder
  70. André Barcellos

    Não acho que Nadal vá superar Federer em GS.
    Ele teria que ganhar RG por mais 3 anos.
    Não me é crível que ele mantenha esse físico até os 36.
    Sim, porque outro Slam fora do saibro ele não ganha mais. Tanto Djoko como Federer ainda o vencem com regularidade em outros pisos, assim como muitos outros que podem superá-lo nas duras ou grama.

    Responder
    1. Roberto

      Não aprendem nunca hein…

      Nadal tem plenas condições de vencer outro Slam em quadra dura e pode muito bem ultrapassar o suíço. Sempre o mesmo papo… dessa vez ele está acabado, não vence nem master…e o Touro sempre calando vocês.

      Responder
    2. Luiz Henrique

      Sim, é bem fácil Federer e Djokovic vencerem Nadal em slam fora do saibro, Federer “apenas” teve q virar um 3 x 1 num 5º set, e Djokovic “apenas” teve q salvar um break point no 7 a 7 do 5º set com uma passada na linha, para depois vencer por 10/8, isso com Nadal perdendo um set point pra vencer o 3º set, e com o fechamento absurdo do teto que o favoreceu. Bem simples e garantido pra eles ganhar de Nadal

      Responder
    3. Jonas

      Cômico. Nadal tem 33 anos, Djokovic 32. E os fãs do Federer chorando, afinal desde 2011 tentam justificar as derrotas de seu ídolo botando a culpa na idade.

      Responder
      1. Gildokson

        Tu só teria razão no q escreveu se houvesse um monstro do calibre dos 3 no circuito nesse momento com uns 27 anos de idade e disputando várias finais contra Djokovic e Nadal.
        Só assim teríamos um parâmetro para comparar. Esse cenário que Federer teve que encarar, Djokovic e Nadal não vão ter, simples assim. No caso do Nadal ja deu pra ver o que a ascensão do sérvio fez com ele neh? Não fosse Djokovic o espanhol ja teria ultrapassado Federer em Slans faz tempo.

        Responder
        1. Chileno

          Pois é. Fácil dizer que idade não pesa aos 32 anos, sendo que quem supostamente deveria estar no auge e causando problemas pro Djoko são Raonic, Nishikori, Dimitrov, Goffin e Carreño Busta. Quando o Federer tinha 32, quem estava no auge eram Nadal, Murray e o próprio Djoko.

          Responder
        2. JOSÉ EDUARDO PESSANHA

          Gildokson,

          Esse lance de “se” é meio complicado. rs Posso citar inúmeros “SEs” que teriam beneficiado o Craque Suíço:
          – Se tivesse mudado de raquete uns 4 anos antes, teria pelo menos mais uns 5 Slams e umas 150 semanas na liderança do ranking;
          – Se os pisos não tivessem sido padronizados e mantivessem suas velocidades, já teria passado dos 30 GS;
          – Se Federer e Djokovic não tivessem caído do mesmo lado da chave em Slams 11VEZES SEGUIDAS, Federer teria mais Slams, Djoko também e Nadal muito menos;
          – Se Federer tivesse apego a táticas e não fosse teimoso em enfrentar o ponto forte de seus adversários, também teria trocentos Slams a mais;
          – Se não tivesse a mononucleose em 2008, teria ganho o AO e feito 19 finais de Slam seguidas, não tomaria pneu em RG e ganharia Wimbledon 2008.
          A lista é interminável rsrs
          Só uma coisa é certa: Federer é o tênis encarnado, como Senna é o automobilismo encarnado. Nunca mais aparecerão outros do mesmo naipe.
          Abs

          Responder
  71. Fernando Rodrigo

    Boa noite!!!

    Dalcim, parabéns pelo texto excelente como sempre.

    Nadal, como pode evoluir tanto nessa idade. Os buracos no seu jogo foram tampados aparentemente.

    Nunca vi o Nadal tão agressivo assim.

    Dalcim, se possível passar o seu top 5 dos melhores até o momento de todos os tempos.

    Responder
  72. João Paulo Iglesias

    Dalcim, boa noite!

    Duas perguntas em uma:
    – Você não acha que o Thiem deveria ter pedido pra organização ter adiado a final para segunda-feira?
    – E se pedisse você acha que os organizadores aceitariam?

    Falo isso porque se fosse o Djoko que pedisse eu acredito que ele conseguiria a mudança. O Thiem foi muito educado, não reclamou de nada nas semi-finais e acho que fez certo. A irritabilidade do Nole fez muito mal pro sérvio, ficou muito instável. Tivesse ficado mais concentrado teria ido à final. Acho que seria justo pela educação, bom comportamento do Thiem ter feito esse pedido. Nesse ponto faltou ser mais exigente. “Quem não chora, não mama”.

    Abraço e seu blog segue o melhor!

    Responder
  73. Marcos Marinho

    Acabou a parte da temporada em que Nadal é especialmente relevante. Fora do saibro, há quanto tempo o espanhol não vence Novak ou Roger? A última vitória sobre o sérvio deve ter sido em 2013 e sobre Roger em 2014. Faz tempo. Na grama ou na quadra dura é possível que Tsitsipas, Cilic, Del Potro e outros o vençam sem causar grande surpresa.

    Todo final de Slam é a mesma coisa. Acabou Australian Open, muitos escreveram que não viam adversários a altura de Djokovic. Agora vem Roland Garros e começa algo semelhante com o Nadal, com as pessoas já cravando que ele vai superar os números do Federer já no ano que vem. Se o suíço jogar bem e levar Wimbledon começa outra versão análoga a essas histórias.

    Mas o jogo é jogado. Que venha a grama.

    Responder
  74. Renato

    Luiz Henrique,

    Sem dúvidas o feito de ganhar 12 vezes o mesmo slam é fantástico. Mas é preciso lembrar que a maioria absoluta dos principais rivais de Rafa preferem as quadras mais rápidas. Fato!
    Na minha opinião, o maior feito é de Roger, que conquistou 2 slam diferentes por cinco anos seguidos, como Federer fez em Wimbledon e u.s open, grama e cimento, inigualável.

    Responder
    1. R. P.

      KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

      12 vezes o mesmo slam na prateleira não é só o maior recorde do tênis, mas o maior recorde da história de qualquer esporte. O tenista tem que começar levando caneco ainda guri e continuar ganhando boa parte da carreira. E o pior é q ano que vem tem de novo! KKKKKKKKKKKKKKK

      15 RG disputados. 12 vencidos. O torneio pode ser feio e o sorteio uma mãe, mas o cara já é dono desse terreno por usucapião.

      Responder
      1. O LÓGICO

        LF, tira uma dúvida minha: quando o robozinho perder todo o cabelo ou casar com a XISPA kkkk, você ainda vai continuar gostando dele? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        Responder
  75. Gabi

    Luiz Fabriciano,

    muito obrigada por se identificar. Tentei te achar mas não consegui. Pelo visto vc é dentista, então poderia dar um jeito nela, hein? Rsrs

    João Ando,

    pois é!! Nós meros mortais fazemos isso, os milionários tb poderiam e deveriam né?! Talvez ela devesse contratar os serviços do colega acima.
    Não sei se foi vc quem ganhou o desafio. Se sim, muitos parabéns!!

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      Oi Gabi, sou dentista não, mas certamente ela tem plenas condições de “consertar” aquilo.
      Mas viste o vídeo dela fazendo fotos como a campeã de duplas? Que show!
      Ao menos esse troféu o Thiem levou para casa.

      Responder
  76. Marcelo-Jacacity

    Finais de Major “no seu quintal”:
    Australian Open : Djokovic. 7/7 100%
    Roland Garros: Nadal 12/12 100%
    Wimbledon:. Federer 8/11 73% *

    *Suíço perdeu em 2008 para Nadal e em 2014 e 2015 para Djokovic no Slam Britânico.
    Federer nunca poderia ter perdido essas finais em casa, e
    ainda tendo sido derrotado por seus rivais históricos.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Nao podia porque você não quer né , caríssimo Marcelo. Ninguém em toda ERA profissional venceu 8 SLAM na Grama Sagrada. Nem mesmo Pistol Pete Sampras. E ninguém venceu 12 vezes no Saibro de Roland Garros . Nem mesmo Björn Borg . Você acredita que quem vai repetir esses feitos de Federer e Nadal. Seria Novak Djokovic ? rs Abs!

      Responder
      1. R. P.

        Ninguém venceu 8 e também ninguém jogou tanto: já se foram 20 participações, o q dá uma média incrível de 0,4 conquistas por torneio disputado. Mas o Sampras participou de “apenas” 14, vencendo todas as finais. Depois disso, só Djoko com 7 AO em 15; todos separados por outra dimensão quando comparados aos 12/15 do Nadal.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Discordo. O número de participações em nada é sinônimo de Vitória. Feliciano Lopez é um exemplo. Já jogou mais SLAM consecutivos que Federer e nada venceu. Quantas participações Novak já teve em RG ? E venceu quantas ? O argumento para variar e’ fraquíssimo. Abs!

          Responder
      2. Marcelo-Jacacity

        Sérgio Ribeiro,
        Porque eu quero?? rs
        O que salientei é o que amigos fãs do suíço dizem também. Federer em Wimbledon tinha que ter aniquilado Nadal e Djoko.
        Possui 8 títulos! Fora de série! Mas imagine se estivesse invicto em finais em Wimbledon, seria surreal, assim como Nadal em Roland Garros.
        Apenas isso.

        Responder
    2. Chileno

      Com todo respeito ao Marcelo, mas esse tipo de número, pra mim, entra no âmbito das “estatúpidas”.

      Deve ser uma mácula mesmo perder na final para um grande rival em melhor momento técnico e físico. Tranquilo é perder para o Chung nas oitavas ou para o Istomin na segunda rodada.

      Vocês têm que parar de execrar os caras por chegarem nas finais. Faz parecer que é melhor perder para um pangaré antes das quartas, do que chegar na final do torneio e perder para o atual número 1 do mundo.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Realmente, Chileno.

        Esse critério é muito falho.

        Pra não levar desvantagem em finais, bastaria ao Federer… RUFAM OS TAMBORES…

        Não chegar às finais, oras!

        kkkkk

        Responder
      2. Marcelo-Jacacity

        Chileno,
        Cara, não tem nada estapafúrdio nisso não. Acho que você não entendeu.
        Quem disse que eu execrei o Federer por perder 3 finais de Wimbledon? Óbvio que não. Mas perder para os grande rivais em casa não deveria ter acontecido, mas aconteceu. Demérito? Longe disso.
        Somente seria incrível se o Federer tivesse 11 títulos de Wimbledon, já pensou o absurdo desse feito?
        Claro que 8 títulos é fantástico também.
        Quando ao Chung e Istomin todos sabem que o sérvio estava lesionado fazendo hora extra no circuito. Federer também não escapou de algumas zebras ao longo da carreira, mas não vou entrar nesse assunto.

        Responder
          1. Sérgio Ribeiro

            O caro Blogueiro, sempre dá essa resposta. Mas se no Canadá fazem um rodízio de sede , porque não poderia se repetir com Stuttgart e Halle. Ou Queen’s ? Ficando os outros como ATP 250 . A verdade é que sem nenhum , Novak e Nadal vão direto para WIMBLEDON. Ambos somente possuem 5 e 4 Títulos na superfície respectivamente . Os 18 de Federer parece que não serão igualados enquanto continuar essa indecência. Abs!

  77. Nelson Maciel Filho

    Nadal tem uma carreira extraordinária e vitoriosa.
    A cada temporada ele se reinventa.
    Desde quando ele tinha seis grande slan que diziam que a sua carreira seria curta em função das lesões. Já se passaram uma década, e ele continua firme e vitorioso.
    Além de genial, super campeão, Nadal é educado, humilde e respeita todos os adversários.
    O espanhol é um tenista extraordinário. Sem dúvida um dos maiores esportistas da história.
    Parabéns Rafael Nadal por mais um RG?

    Responder
  78. José Alves

    Fico muito feliz com seus posts! Sempre ,até mesmo nas derrotas de Nadal dá ansiedade para lê-los! Lembro de um post pós final de Madrid em que vc considerava o Sérvio na frente da corrida e “que os demais corram atrás” Pois Nadal se superou mais uma vez e mostrou porque é o rei de RG! Parabéns Dalcim,vc tinha razão ! Nadal se superou e como o espanhol consegue evoluir assim em tão pouco tempo é inacreditável

    Responder
  79. Marcelo-Jacacity

    Dois recordes do Federer, aparentemente, impossíveis de serem quebrados estão sob risco:
    – 20 Slams: Nadal próximo.
    – Semanas na liderança do ranking: Djokovic próximo.

    Responder
      1. R. P.

        Dos que interessa: campeão do Finals, falta um para ser igualado por Djokovic; 237 semanas consecutivas na liderança, esse é difícil mesmo, porque outra geração entressafreira daquelas vai demorar muito.

        De resto é isso: vai perder o posto de maior vencedor de Slams e maior número de semanas na liderança. Já perde p/ Nadal e Djokovic no hxh, nos confrontos diretos em finais e nos confrontos em majors; ou seja, ocupará o lugar que lhe é devido no Big 3.

        Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Essa são as suas preocupações um dia após nova derrota de Novak em Roland Garros , caríssimo Marcelo ? Deveria ficar mais preocupado com o Espanhol abrindo vantagem pra cima do Sérvio … rs Abs!

      Responder
      1. Marcelo-Jacacity

        Sérgio Ribeiro,
        Preocupações? Zero. O Djoko estava morto (com problemas de todos os tipos) com 12 Slams. De repente, ele conquista três Majors seguidos e volta ao posto de melhor tenista do mundo.
        Está bom demais. Não dá pra querer tudo.
        Já em RG em 99% das vezes o título sempre do Nadal, não tem jeito.

        Responder
  80. José Eduardo Pessanha

    Há uns 20 anos eu faço uma brincadeira com meu pai. Digo pra ele que o Príncipe Charles nunca será rei, pois a Rainha Elizabeth não larga o osso. SuperesTHIEMado se enquadra nesse perfil. Nunca será o Rei de Roland Garros. Seja pela presença do Nadal, seja pela ascensão de Tsitsipas e de outros next gen. Receio que Thiemado nunca ganhe esse torneio e, consequentemente, nenhum Slam…..mas isso não muda o fato de que ele foi garfado nessa final rs.
    Não vejo nenhuma garantia de que Nadal seria campeão se ambos tivessem tido o mesmo tempo de descanso. Seria equilibrado, mas o Thiem poderia ganhar, embora ele não tenha aquele instinto matador.
    Estou curioso pra ver o Zverev nessa temporada de grama. O cara simplesmente desaprendeu a jogar tênis. Se não reagir agora, ficará pelo meio do caminho.
    Abs

    Responder
        1. Luiz Henrique

          Foi garfado de todas as formas possíveis. Eles poderiam ter feito várias coisas diante daquele atraso por conta do jogo de 6 horas de isner e anderson. Poderiam adiar por dia seguinte, colocar em outra quadra, mas forçar a barra por jogo começar naquele dia, sabendo que não dava tempo de terminar, fechar aquele maldito teto, criando a situação ridículo de ter que recomeçar o jogo no outro dia de manhã com o teto fechado de novo, MAIOR FAVORECIMENTO DA HISTÓRIA DOS GRAND SLAMS! E olha q djokovic não precisava disso. Ele já era o favorito. Aliás, na teoria, vai ganhar tudo de novo e chegar a 18 slams na austrália em 2020

          Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Na , boa Conterrâneo. É decepcionante ver alguém com a sua experiência comentar como se fosse um desses Fakes da vida. Como pode alguém com apenas 22 esquecer como se joga Tênis ? Os problemas extra-quadra de Zverev foram amplamente noticiados. Já possui mais títulos importantes que muitos marmanjos frequentadores de anos do TOP 10. Essa de Thiem não ter um estilo vencedor o amigo tira da onde ? Vitórias sobre todo o Big 3 ( sendo 4 sobre Rafa Nadal no Saibro ) . GUGA foi taxativo ao afirmar que Thiem somente ainda não possui Rolanga , devido a incrível presença do Rei do Saibro. Assim como Federer e Novak possuem apenas um . Na boa, tá na hora do amigo assistir mais aos jogos. Esse SuperesTHIEMado é uma grande sacanagem com o garoto , ao menos a meu ver. ABS

      Responder
      1. José Eduardo Pessanha

        Calma, Sérgio. rs O legal do blog é justamente a provocação sobre os tenistas rivais do seu preferido. Zverev decepcionou mesmo, eu fui o primeiro do blog a falar bem dele e do Felix. Acho que ele está numa encruzilhada. Tsitsipas e Felix irão engoli-lo nos próximos anos. Com relação ao Thiem, continuarei chamando-o de superesTHIEMado até que ele ganhe Roland Garros, o que, na minha modesta opinião, será difícil acontecer. rs. Gosto do austríaco, mas falta algo nele. Algo que seus principais rivais têm.
        Vamos pra temporada de grama. Se Rogério mantiver o físico dos últimos meses, leva novamente. Serão 21 Slams, 1 para cada ano de carreira do Craque.
        Abs

        Responder
  81. Nando

    Parabéns a Rafael Nadal e aos seus torcedores, pelo 18° Slam! Segue imbatível no saibro (especialmente em RG) onde só tem 2 derrotas até hoje (uma delas qnd estava em péssima fase técnica em 2015).
    Agora vamos para a curtíssima temporada na grama (ATP deveria dar um jeito e colocar um masters no piso hein), onde o cotonete começa a defesa de 8000 pts…se nadal e Federer ainda pensam em N1, terão q ganhar WB.

    Responder
  82. Felipe Velasquez

    Boa noite Dalcim!
    Parabéns pelos belos e precisos artigos. Você é uma referência, para mim.
    Quero só fazer uma pergunta: Rafa vai conseguir alcançar Federer em números de GS?

    Abraços

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que ele tem chance, sim, Felipe. Mas acredito que precise se manter em alto nível pelo menos até o final de 2020.

      Responder
  83. Renato

    Obviamente Thiem não estava no seu estado físico adequado, caso contrário o jogo com certeza seria mais apertado, talvez um 5 set. Mas Nadal não tem nada com isso.

    Responder
  84. Geraldo Arnt

    Dalcim, ótima análise. Lembra que após o jogo de ambos no US Open tu querias entregar o troféu para ambos? Pois é, Nadal logo após teve outra lesão e não pode defender seus pontos até o final da temporada. Acredito que a briga pelo número poderia ter sido acirrada no fim do ano passado. Essas coisas o pessoal que comenta aqui no blog esquece. Sempre com mais lesões que os outros top e mesmo assim se sustenta lá em cima. Abraço

    Responder
      1. Paulo Tonhasolo

        Sim, mas eu senti falta de você comentar sobre este feito que é espetacular, visto que antes na história nunca havia sido atingido.
        Obrigado pela atenção e resposta!

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          É que eu falei sobre isso justamente no post anterior sobre ele, Paulo, e sempre procuro abordar algo diferente em cada texto. Abs!

          Responder
  85. Gilberto

    Olá Dalcim boa noite!
    Gostaria de parabenizar você pelos textos …
    Dalcim e quero te perguntar duas coisas.
    Você já foi convidado por alguma emissora a fazer os comentários de algum evento de tênis, tipo RG, Wimbledon,AO, USO ou até mesmo master1000?
    A outra pergunta é o seguinte.
    O que desespero tático?
    Kkkkkk eu ri muito quando eu acompanhava o placar pelo site e li vc dizer isso.
    Um abraço e continue sempre com esse jeito crítico e irônico ao mesmo tempo nos comentários.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, Gilberto, mas é um trabalho incompatível com o meu no site. Desespero tático é quando o tenista começa a fazer coisas completamente fora do seu padrão porque não encontra mais soluções.

      Responder
  86. Renato

    Fernando Garcia, Nadal está fora da disputa sobre quem é o GOAT por alguns motivos:

    Nunca ganhou um finals
    Pouco liderou o ranking
    Poucas semanas seguidas na liderança do ranking
    Concentração de títulos de Major em um único slam.
    Não é o mais técnico
    Não tem mais títulos.
    Não é o mais popular.

    Federer segue imbatível, mas Rafa está em segundo. Aliás, é o tenista que mais esquentou a segunda colocação do ranking na história.

    Responder
    1. RCM

      Nossa! Sugiro você estudar sobre o tênis. Engraçado, o Nadal não é técnico mas sempre ganhou mais do Federer do que ao contrário, em todos os pisos, inclusive final de Wimbledon. Outro detalhe, deve ter esquecido que o Federer ficou sozinho um razoável tempo no início da carreira, algo que nunca aconteceu para o Rafa.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Você manda o colega pesquisar e posta um monte de bobagens , caríssimo RPM. Desde quando Rafa tem vantagem sobre Roger nos outros Pisos ? 13 x 10 para o Suíço ( venceu as CINCO últimas ). O amigo já era nascido em 2005 ( um ano depois que o Craque assumiu o Topo ) ? O N2 era Rafa Nadal com uma penca dê Masters 1000 no bolso e vencedor de SLAM. Se caia sedo em varios é totalmente diferente de estar “sozinho”rsrsrs Abs!

        Responder
    2. Luiz Henrique

      Eu deixo essa discussão de GOAT pra vcs torcedores de federer e djokovic. Como torcedor do Nadal, eu não discuto mais com vcs, pq esse recorde de 12 roland garros não pertence mais ao tênis, é a maior marca do esporte mundial. Então a partir de hoje eu debato com fãs de Phelps, Bolt…sacaram? Então podem ficar debatendo aí quem o maior do tênis.
      Ah, meu palpite é q Djoko será o maior. Ele deve ganhar esses slams aí tudo de novo. Ficam fazendo pouco caso do Nadal fora do saibro, mas n fosse por Djokovic, Nadal seria o atual campeão de wimbledon e austrália

      Responder
  87. Luiz Henrique

    Difícil saber qual das 3 séries de Nadal em Roland Garros foi a mais incrível. Claro q em termos numéricos, seria 2010-2014. Mas em termos de circunstâncias, cada série teve suas características. Ganhar as 4 primeiras participações, chegando com 19 anos, com federer sublime na época, foi incrível. Ao mesmo tempo, o feito de ganhar de 2010 a 2014, com o tanto de coisa q aconteceu nesse período, 11 meses sem títulos entre 2009 e 2010 (e problemas físicos), 7 derrotas seguidas para djokovic entre 2011 e 2012, 7 meses sem jogar entre 2012 e 2013, uma gira no saibro péssima em 2014, lidar com tudo isso e ganhar os 5 anos foi inimaginável. Por sua vez essa terceira série, acima dos 30 anos, ficou 2 anos e meio sem UMA SEMI DE GS, teve um 2015 ridículo, abandonou RG com lesão no punho em 2016. O que dizer dessa terceira série, com essa idade, após todos esse acontecimentos? Talvez seja ainda mais incrível do que a série anterior, Por enquanto são 3 títulos

    Responder
  88. Renato

    Nadal jogou muito, está de parabéns! Hoje ele é um dos melhores voleadores do circuito.

    Mas a partir de agora até o final do ano, a história é diferente.
    Só terá chances em Wimbledon ou u.s open se ele tiver sorte nas chaves ou Federer e Novak caírem fora antes.

    Reparem que nos últimos oito anos, Federer tem melhores resultados em RG do que Rafa no saibro, mesmo o suíço não tendo disputados os dois últimos.

    Curtam o momento, Nadalistas. Tudo voltará ao normal em um mês.

    Responder
      1. Mike

        é impressionante como além de pegar apenas os dados que são convenientes pra ti querer enfeitar um pseudo-fato, tu mente descaradamente, mas vamos a alguns dados: nos ultimos 8 anos ( isso inclui 2011 caso tu não saiba fazer conta), nadal chegou na final de wB e federer na final de Rg, os dois perderam, depois disso, nadal chegou ano passado na semifinal de wB perdendo no 5 set por 10/8, federer chegou na semi esse ano, sendo trucidado pelo próprio nadal em 3 sets a zero, nesse hiato de 2011 a 2018, os dois não passaram das quartas em seus respectivos grand slams inversos, fora que nadal já ganhou duas vezes wB e federer apenas uma, na única vez que nadal não estava lá inclusive, nadal não precisou do federer cair pra ganhar wB , ganhou em cima do próprio e mais uma vez depois e mais: corre risco de ganhar pelo menos mais um até o final da carreira, federer NUNCA mais vai ganhar RG.

        Responder
    1. Luiz Henrique

      Vc enlouqueceu? Federer com melhores resultados no saibro do q Nadal fora do saibro nos últimos 8 anos ? Nadal nesse período ganhou 2 us opens e fez 4 finais de AO, por pouco n ganhou Wimbledon

      Responder
    2. R. P.

      Rei da Entressafra teve colheita gorda de 2003 a 2007. Quando chegou a concorrência, quem costumava ganhar 2,4 slams por ano teve que se contentar com 0,72 (de 2008 até o presente). Realidade dura dos números: na entressafra, 12 majors em 5 anos. Fora da entressafra, 8 em 12 anos; queda livre de 70%.

      Responder
  89. Rodrigo Bravin

    Independente do Nadal ter vencido não se pode esquecer que o austríaco, enquanto teve fôlego, endureceu dois sets. Isso mostra a sacanagem que a organização da várzea francesa fez. Thien poderia ter vencido os dois sets, por isso, não foi uma final em igual condição para os dois jogadores. Para os fãs do Djokovic, quero parabenizá-los pelo “nole slam”.

    Responder
  90. Luiz Henrique

    Acabou a parte mais emocionante do ano, incluindo o único slam em que não se tem certeza de um título de Djokovic. Agora sim vamos voltar a previsibilidade, Djokovic ganhando tudo de novo…por isso que acho a temporada de saibro e RG mais emocionantes

    Responder
    1. Marcelo-Jacacity

      Hahahahaha.
      Essa foi boa!
      Muita calma nessa hora! Mas na torcida pela defesa do título de Wimbledon e USOpen!
      Até que não foi tão ruim o Djoko ter caído pro Thiem, afinal, chegaria cansado hoje e em Rolanga só iria fortalecer o mental do Nadal perante ao sérvio para o restante da temporada.

      Responder
      1. Luiz Henrique

        Eu concordo, foi bom pro djokovic e ruim pra Nadal n terem feiro a final de RG. Era a chance perfeita do Nadal dar uma invertida na questão mental q ficou após a final do AO, poderia ajudá-lo nos próximos slams.

        Responder
    2. Lucas Leite

      Não entendi essa sua avaliação, todo mundo falando que o cara jogou Roland Garros 14 vezes na carreira e venceu 12 e você achando que previsível é o Djokovic ganhar Slams? Sem sentido…

      Responder
    3. Jonas

      Pois é. A regularidade do Djoko é impressionante.

      Ao que parece, o homem está realmente focado em superar RF e pra isso precisa se manter como número 1 do mundo. Pelo que está jogando não acho nenhum absurdo isso acontecer.

      O Nadal é um monstro no saibro e pode aprontar em Wimbledon, mas pós US Open o espanhol começa a ter problemas…enquanto o Djoko chega voando. O sérvio se sente confortável jogando Shanghai, Paris e o Finals e o Nadal chega muito irregular nessa parte do ano.

      Responder
    1. Nando

      Pesquise sobre Teddy Rinner, e aí vc saberá sobre “Esporte Mundial”….pesquise tbm sobre Michael Phelps, e aí vc tbm saberá sobre “Esporte Mundial”.

      Responder
      1. Luiz Henrique

        São grandes marcas sem dúvida. O primeiro não conhecia, obrigado pela informação. Todas marcas muito complicadas de serem batidas. Mas ainda acho q os 12 RG vão perdurar por mais tempo…talvez uns 300 anos

        Responder
      2. José Eduardo Pessanha

        Nando, eu acompanhava o Teddy, mas fiquei envergonhado com a garfada que deram num oponente dele durante a final de um campeonato mundial. O cara, no extra-time, claramente aplicou o golpe no Teddy e ganhou a luta. O golpe não foi pontuado e Teddy foi campeão. Isso não diminui o Teddy, mas foi um fato lamentável.
        Abs

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *