‘Fedal’ dispara corações 15 anos depois
Por José Nilton Dalcim
4 de junho de 2019 às 19:30

Mais um sinal evidente da incrível tenacidade técnica e física dos dois mais importantes tenistas da história, Rafael Nadal e Roger Federer voltam a se cruzar em Roland Garros depois de oito anos. O maior clássico do tênis terá seu 39º capítulo e é extasiante lembrar que o primeiro deles, em 2004, reunia o jovem líder do ranking contra um fenômeno de precocidade. Na sexta-feira, apesar das indeléveis marcas do tempo, eles ainda se mostram capazes de fazer o mundo do esporte parar e admirá-los.

Será possível Federer surpreender o ‘rei do saibro’ no seu domínio? Todos os números dizem que não. Além do placar geral amplo de 23 a 15, Rafa tem esmagadores 13 a 2 no saibro – com última derrota há 10 anos – e indiscutíveis 5 a 0 em Roland Garros, quatro dos quais impôs vices ao suíço, que sequer conseguiu levá-lo a um quinto set em Paris. Há dois pontos de esperança para Roger: a série inédita de cinco vitórias seguidas que mantém hoje e, acima de tudo, o fato de que a obrigação de ganhar é do espanhol.

Os desafios desta terça-feira foram tão díspares como o currículo de cada um no saibro. Enquanto Nadal atropelou mais um adversário, vendo diante de si um Kei Nishikori incompetente tanto na execução tática como na força das pernas, Federer precisou administrar frustrações e correr muito atrás dos golpes pesados de Stan Wawrinka, marcando virada em quatro sets muito apertados que penderam para qualquer lado.

Mantendo o padrão ofensivo que mostrou em todos seus jogos até aqui, o canhoto espanhol anotou 29 winners e 22 erros, mas o que não se vê nas estatísticas é quantas vezes colocou o adversário nas cordas com bolas profundas e alternâncias constantes de direção. Federer por sua vez não se intimidou com a artilharia pesada do compatriota e arriscou 60 subidas à rede, muitas delas atrás do segundo serviço, algo que só alguém com sua experiência e habilidade poderia ousar no saibro lento e sob vento forte.

Teremos de aguardar três longos dias para saber se Nadal irá preferir o conforto de despejar topspin no backhand adversário, à espera das bolas curtas, ou se Federer terá confiança para ir à rede e se expor aos contragolpes mortais que tanto conhece.

Vai ser angustiante esperar.

Nova finalista
E a chave feminina continua dando suas surpresas. Johanna Konta derrubou a vice do ano passado Sloane Stephens e teremos ao menos uma finalista inédita, e totalmente inesperada, no sábado. Sua adversária de penúltima rodada é a jovem e talentosa Marketa Vondrousova, de 19 anos.

Konta jamais havia vencido uma partida em Roland Garros em quatro participações anteriores, mas está claramente embalada pela final em Roma e jogando um tênis agressivo mas inteligente. Já esteve em outras duas semis, na Austrália e Wimbledon, e tem de ser considerada favorita.

Vondrousova venceu um jogo tecnicamente muito interessante contra Petra Martic, ambas com variações bem aplicadas, e tentará um feito, já que Roland Garros só viu até hoje 10 canhotas campeãs, e apenas duas entre as profissionais (a bi Martina Navratilova e a tri Monica Seles).

Juntas e misturadas
Como faz desde 2017, Roland Garros irá cobrar ingressos separados para as duas semifinais masculinas de sexta-feira. Ou seja, quem quiser ver os dois jogos terá de gastar dobrado. O mais barato, nos aneis superiores, custam 90 euros e os mais nobres, próximos à quadra, 210 euros. Para a final masculina, os valores dobram. Clique aqui para ver a tabela completa.

Quartas de final, parte 2
– Se Djokovic avançar à semi, será a primeira vez desde o Finals de 2015 que o Big 3 estará na penúltima rodada de um mesmo torneio. Sérvio tenta sua 10ª semi em Paris, duas a menos que o recordista Nadal.
– Zverev tenta ser primeiro alemão na semi de um Slam em 10 anos. Ficou 5h20 a mais em quadra do que Nole neste torneio. O placar é de 2-2, com Sascha tendo vencido o único no saibro. Mas jamais se cruzaram em melhor de cinco sets.
– Thiem só tirou 5 games de Khachanov no duelo entre eles de Bercy-2018. Apenas dois anos mais velho que o russo, Thiem tem mais do dobro de vitórias na carreira e em Slam. E quatro vezes mais no saibro.
– Se conseguir quarta semi consecutiva em Paris, Thiem se iguala a gigantes como Borg, Lendl, Murray. Courier, Ferrero e Wilander. O líder é Djoko (6), à frente de Nadal e Federer (5).
– Com a queda de Wawrinka, o top 10 inédito está garantido a Khachanov (9º) e Fognini (10º), que ocuparão as vagas de Isner e Del Potro.
– Halep enfrentará a juvenil Anisimova pela primeira vez e obviamente a diferença de currículo é enorme, já que a 51ª do ranking de 17 anos disputa apenas o terceiro Slam.
– Imprevisível será Barty e Keys, que empatam por 1-1 nos duelos. Será a quarta americana no caminho de Barty em cinco jogos, porém Keys tem mais intimidade com o saibro do que as outras.


Comentários
  1. Gabi

    Li hoje sobre a precoce aposentadoria da Ruta Meilutyte, fenômeno mundial e juvenil da natação.
    A Mayra Siqueira disse: é palpitante, gritante e alarmante o assunto de depressão no esporte. E o assunto é pra lá de sério e relevante.
    Dalcim, no tênis têm muitos casos de depressão?
    Muito obrigada.

    Responder
  2. Nattan Lobatto

    Queria comentar somente após a final com um Post do Dalcim mensurando a conquista de mais um NoleSlam. rs

    Só que o embate épico de duas lendas desse maravilhoso esporte merece um elogio e reconhecimento pela magnifica história que esses caras estão construindo. Bem, torço para o Sérvio, mas o FeDal deixa qualquer um extasiado, e ansioso para assistir a partida.

    Federer pode até não ser favorito, mas tem grandes chances de vencer, aliás, mesmo saindo agora o gosto é de vitória. O que fez e vem fazendo é estarrecedor, aos 38 anos chegar na semi de um torneio que não joga há 3 anos é assustador, de fato, esse suíço é diferenciado.

    No mais, só torço e espero para que na chave de cima Djokovic esteja na final, pois, certamente, será uma grande partida sendo Nadal ou Federer do outro lado. Abs

    Responder
  3. Luiz Fernando

    Incrível a estupidez de alguns comentários nas manchetes do site acerca da chuva de hj: disseram q a organização arrumou tudo p Rafa vencer Djoko no domingo, pois o segundo jogaria desgastado kkkkk. Que absurdo completo, não é nem parcial, como se existisse tal distinção. Primeiro, nem sabemos se ambos farão a final; pior, não bastasse as bobagens de doping e manipulação dos sorteios das chaves, agora Sao Pedro também foi acusado de ajudar Rafa kkkkkk. Como eu sempre digo, se alguém estiver de mau humor, passe aqui no blog e relaxe…

    Responder
    1. Alessandro Siqueira

      Mesmo em condições normais, a parte de baixo da chave teria um dia a mais de descanso entre quartas e semi. Na boa, as condições deveriam ser sempre iguais. Como isso não é possível, que a priorização fosse dada à parte de cima da chave, onde está o #1.

      Responder
      1. Carlos Reis

        Eles alternam, no próximo ano, o cabeça n.1 – parte de cima da chave – vai jogar antes. Na Austrália é quase a mesma coisa, é até pior, a 1a semi é jogada na quinta.

        Responder
  4. Athos

    Bom comento bem pouco aqui , mas gosto de ler e aprender com vocês , nando é o que mais me conhece por conta do grupo do what, me apelidou de Tsonga rs só pela semelhança física mesmo . Sou torcedor do Federer , mas não vejo chances dele ganhar esta partida , muito de deve ao fato de que ele não o fez em seus melhores anos como jogador , mas mesmo assim não vou me espantar de Federer vencer por alguns fatores .
    1- Federer está melhor tecnicamente nos dias de hoje
    2- Está voleando melhor
    3- Seu segundo saque no saibro está lhe dando tempo de ir a rede
    4- Está mudando de estratégia durante o jogo , as vezes joga próximo a linha de base , em outras não , bloqueia na devolução ou usa slices e até curtas , ou seja faz de tudo para achar a melhor opção .
    5- A esquerda está ok acredito que ja esteve melhor , porém ja esteve bem pior .

    Suas chances são mínimas por conta da falta de pernas em determinados pontos , ele tem perdido intensidade durante os jogos ,o que é normal levando em conta a idade e o tipo de piso, coisas que ele pode explorar caso a esquerda não esteja em seus melhores dias , slices na paralela e meter a cara na rede , não vejo um nadal aplicando muitas passadas de BH como outrora , agora subir no FH do espanhol é meio suicídio , somente se for em um saque aberto com o espanhol bem atrás para receber .
    Nadal também está melhor tecnicamente nos dias de hoje e etá com a confiança nas alturas , mas onde ele sempre se destacou contra o Federer no passado , não está mais lá , a capacidade de voltar winers certos e transforma los em contra ataques indefensáveis , de todos os lados da quadra , Nadal não chega mais tão bem em curtas o que também é normal , mas seFederer quiser ter chances de vencer , esse golpe terá de funcionar muito bem como variação . Já falei demais , seja qual for o vencedor e acredito que será o espanhol , somente esses 2 são capazes de nos fazer sentar e desfrutar do maior jogo entre tenistas da história , muito respeito e muita admiração , eles levaram o esporte para outro patamar se perguntarmos para alguém que não conhece tênis se ele sabe como funciona as regras e a pontuação eles vão dizer que não , mas experimente perguntar …. você conhece Federer e Nadal ?

    Responder
      1. Athos

        Kkkkk vamos ver o que acontece , pela aula de saque e voleio que o Federer deu em uma entrevista ,aposto em muitas subidas a rede , mas eu sempre achei que contra Nadal Federer sobe menos , já respeitando a capacidade de passadas do espanhol .

        Responder
  5. Gabi

    Para nós aqui do sofá, trocamos a quinta sem jogo pela quarta, então meio que deu na mesma. Assim, teremos jogo masculino amanha rs

    Aliás, ainda bem que o torneio nao começou na segunda, e sim no domingo. Esse um dia a mais deu uma margem de folga para os organizadores se virarem.

    Quer dizer, mais ou menos, já que tem previsão de muita chuva na sexta tb. então…já passou da hora da França no geral e Paris em particular deixarem de se achar a última bolacha do pacote.

    Um grand slam que para a rodada por chuva ou falta de luz natural é pra acabar.

    Se até Wimbledon, o mais tradicional, está se “modernizando”, nao faz sentido os franceses continuarem na mesma batida da época de Napoleão.

    Responder
  6. Paulo Almeida

    Mais uma vez o GOAT Djokovic foi prejudicado no torneio amador de Roland Garros.
    Em 2016 foi um parto para ganhar o torneio também.

    Responder
  7. Rodrigo S. Cruz

    [Paulo F.]
    5 de junho de 2019 às 07:59

    Djokovic x Nadal no saibro – placar: 17 – 7 para Nadal.
    Mesmo com essa grande desvantagem, no confronto geral, Djokovic TEM MAIS VITÓRIAS contra Nadal: – placar GERAL: 28-26.
    INCLUINDO NA SOMA o horroroso retrospecto no saibro que o sérvio TAMBÉM POSSUI contra Nadal.
    Federer x Nadal – placar GERAL: 15 – 23
    Não adianta passar paninho com os outros pisos para o Federer – ele tem um retrospecto ridículo contra o Nadal

    Mas isso não é “passar paninho”, porra.

    È analisar e comparar de forma justa e equânime!

    Nada mais que isso…

    Você alega, que apesar de tudo, o Djoko lidera na contagem geral, e por isso tudo fica bem.

    Só que uma coisa não tem NADA a ver com a outra, mano.

    A balança continuaria sendo injusta com o suíço…

    Porque pense:

    O Djokovic enfrentou o Nadal em 54 duelos, no geral.

    E desses, 24 confrontos foram nas Hards, quadra preferida do Djoko, e 25 no saibro, quadra favorita do Nadal.

    Esta é a ÚNICA razão de haver equilíbrio entre eles dois:

    Pois o Djoko lidera com folga, por 18 x 6 nas hards, e o Nadal lidera com folga, por 18 x 7 no saibro.

    Por outro lado, o Federer só enfrentou o Nadal na grama, quadra favorita do suíço, 3 MISERÁVEIS vezes.

    Lidera na grama por magros 2 x 1 (e mesmo que fosse 3 x 0, daria no mesmo).

    O Nadal ganhou do Federer no saibro, 13 de 15 vezes… Algo absolutamente normal.

    Agora, vamos imaginar que o Nadal tivesse pegado o suíço 15 vezes na grama.

    O Federer não só descontaria a desvantagem de ( -7 ) , como ultrapassaria o espanhol.

    Você é cabeça-dura!

    Responder
    1. Alessandro Siqueira

      Ora, ora. Se Federer é mesmo o GOAT, deveria ter primazia ao menos em dois pisos, sendo certo que, mesmo na grama, a proporção não é acachapante: 2/1.

      Responder
    2. André Barcellos

      Só uma correção, como fã do suíço eu sei que seu piso predileto não é grama, mas as quadras duras cobertas.
      A grama apenas é um piso em que ele é fenomenal, mas ele mesmo prever jogar nas hard indoors e já declarou isso n vezes. E se não me engano, acho que o Nadal perde de cinco a um nesta superfície.

      Responder
  8. Chileno

    Gostaria de apoiar o comentário do colega Rafael Brasiliense.

    Stan é um tremendo jogador. Querer comparar ele com os 3 aliens é meio injusto. Ele simplesmente não tem o mesmo nível e consistência que eles. Não consegue manter constantemente o nível tão alto por muitos torneios e jogos seguidos… enfim… mas inegavelmente ele tem tênis pra bater qualquer um quando liga o Stanimal mode. Mesmo o Big 3.

    Ele e o Murray foram sem dúvida os únicos “seres humanos” que fizeram frente aos 3 aliens nessa geração. O Del Potro poderia ter sido mais um. É bem notável que mesmo voltando de lesão, parando e voltando a jogar ciclicamente, ele ainda consegue dar trabalho e eventualmente vencer um do Big 3. Mas infelizmente as lesões comprometeram muito a carreira dele.

    Responder
  9. José Eduardo Pessanha

    Puxa, essa organização de Roland Garros deixa muito a desejar. Estava na cara de que isso iria acontecer. O torneio começou no domingo e o Djokovic só estreou na terça. Mais uma obra do nosso politicamente correto. Em Slams, quem atrai público deve ser privilegiado. Não pode acontecer uma coisa dessas. 95% do público comparece para ver Federer, Djokovic e Nadal. Muitas pessoas programam férias para isso. Muita gente atravessa o mundo para poder prestigiar esses torneios. Olha o estrago que foi feito…..O torneio está comprometido de uma forma praticamente irremediável.
    Abs

    Responder
  10. Miguel Delfes

    Dalcim..
    Sou Federer mas..suas chances 6f são muito pequenas..
    Nadal quase imbatível em saibros lentos como RG..
    Salvo lesão..somente Djokovic/Wawrinka/Thiem/Tsitsipas tem chances maiores porém RF é RF e..quem diria q Nadal perderia p Fonini há algumas semanas atrás..
    Qt a ND e AZ..se o jogo for p 5 sets..idade pode fazer a diferença..
    Eu já achava Nadal favorito ao título..com o adiamento do jogo de hj acho q suas chances são ainda maiores..caso passe por RF rs..pois Djokovic ( este + ) ( se AZ não aprontar rs ) e Thiem ( este – ) estarão mais cansados e..vejo o D Thiem ou Karen K ( zebra se ganhar ) em vantagem por serem mais jovens e poderem suportar mais esta maratona..
    Qual sua opinião qt a este adiamento no q diz respeito a mudança das probabilidades ?

    Responder
  11. Rodrigo S. Cruz

    [Eduardo]
    5 de junho de 2019 às 01:21

    “Também já tinha visto, inclusive nas outras por não ser um ponto tão importante, ficou ali ainda discutindo com o juiz….A marca tá ali, não há dúvidas. Ele pode ganhar tudo, mas esses detalhes fazem realmente os campeões. Ainda mais no tênis , esporte de cavalheiros…..
    Digamos que o máximo em q ele pode se tornar é um Schumacher, campeao mas trapaceiro….hehehehe”.

    Realmente, Eduardo…

    A VIGARICE estava no DNA de Michael Schumacher. (rs)

    Houve muitos lances na carreira dele, em que isso ficou patente.

    Mas nunca vou esquecer do campeonato de 1994, por ter sido o mais negro e sanguinário de todos.

    Dois pilotos morreram na pista (Senna e Ratzemberger), e um outro teve um acidente grave ( Karl Wendlinger).

    Apesar disso, o Schumacher não se sentiu nem um pouco desconfortável em trapacear a temporada inteira! (rs)

    Primeiro descobriram que ele estava usando controle de tração embutido no carro.

    A FIA não pôde puni-lo, graças a uma manobra “ixpertíssima” , pra não dizer mau-caráter de Flávio Briatore, chefe de equipe Benetton.

    (por causa do tamanho do texto, eu explico isso em uma outra oportunidade).

    Não satisfeito, o alemão CAGA de novo no regulamento, ao ultrapassar o pole-position Damon Hill, em VOLTA DE APRESENTAÇÃO, no GP da Inglaterra…

    Detalhe, ele já tinha feito isso com o Senna, em Interlagos, impunemente.

    Em Silvertone, porém, ele se deu mal… Os comissários resolveram fazer cumprir a lei.

    Primeiro ordenara que cumprisse um “stop and go”. Todavia, orientado pela equipe, ele descumpriu a determinação.

    Resultado? Recebeu uma bela duma bandeira PRETA e foi desclassificado! kkkk

    Só que mais uma vez ele de forma inacreditável ignorou a punição, e continuou até ao final da corrida, chegando em segundo.

    A FIA então, se EMPUTECEU de vez, e lhe aplicou duas penas duras.

    Primeiro, retirou os pontos obtidos pelo segundo lugar, e ainda lhe aplicou um GANCHO de 2 corridas de suspensão!

    Achou muita vigarice? Mas calma aí, que tem mais (rs)

    No GP da Bélgica, em SPA-Francochamps, Schumi vence a corrida. Mas é novamente desclassificado porque o assoalho do carro estava a 1,2 milímetros abaixo da espessura mínima de 10 milímetros, permitida pelo regulamento de 94…

    A Benetton também correu várias etapas do campeonato, com o a bomba de combustível, sem o filtro obrigatório, para com isso ganhar segundos preciosos de vantagem no reabastecimento…

    A FARSA só foi descoberta, quando o holandês Jo Vertappen, o companheiro de equipe dele, quase morreu incinerado no GP da Alemanha.

    E o pior foi fechar com a ” chave de ouro” da roubalheira, a última etapa, em Adelaide:

    Schumacher liderava o campeonato sobre Damon Hill, por 1 ponto apenas.

    Ou seja, bastaria qualquer um chegar na frente do outro, que seria o campeão.

    Durante a corrida, Schumacher liderava, com Hill há poucos segundos atrás.

    Então, o alemão sentindo-se pressionado, erra uma curva e acaba saindo da pista e danificando o seu Benetton, no muro.

    A corrida estava acabada, e a ele sabia que a Benetton só andaria mais alguns metros…

    Hill então se aproximou e o ultrapassaria facilmente.

    Primeiro ele tentou por fora, mas o “Dick Vigarista” fechou a porta.

    Aí ele tentou por dentro, e Schumacher desesperadamente arremessou a Benetton Na Williams de Hill,e abandonou a prova…

    Hill correu pros boxes, mas foi informado que não poderia continuar, porque o braço da suspensão havia sido danificado.

    Com o abandono de ambos, Schumacher foi declarado campeão por apenas 1 ponto.

    Foi o título mais IMUNDO de um piloto de Fórmula 1 teve, desde sempre…

    Responder
    1. Luiz Fernando

      E o “limpo” Senna batendo na largada em Prost em Suzuka, em 1990, como vc chamaria isso? Schumi errou mesmo ao bater em Hill, da mesma forma q Prost errou ao bater em Senna em 89 e Senna errou ao bater em Prost em 90. Todos são Dikcs então?

      Responder
  12. Renato

    O drop, Saque e FOREHAND do Federer empata com Novak!?!? Meu Deus, que m… que o cara escreveu! Deve achar que a terra é quadrada, não é possível!

    Responder
  13. Rodrigo Bravin

    Duvido que o Nadal terá coragem de jogar agressivo contra Federer. Vai ficar 4 passos da linha de base jogando bolas nas alturas, esperando erros.

    Responder
  14. Daniel

    Uma pena essa chuva prejudicar o Thiem e o Zverev, são dois que teriam grandes chances de título na final, especialmente o austríaco. Mas agora pode ser que o desgaste pese…

    De qualquer forma a final antecipada será Federer x Nadal, os melhores jogadores de saibro desde 2005. Estou ansioso por esse embate.

    Responder
  15. Fernando Pauli

    Bom hoje a vaca já foi para o brejo, sem jogos. Amanhã a previsão é de tempo bom, e o que seria hoje nas quadras principais irá ser amanhã. Portanto ao final de quinta-feira as quartas masculina e feminina já terão terminado. O problema que na sexta a previsão é de tempo ruim novamente. Se não tivermos jogos na sexta o descanso de quem jogou na quinta estará assegurado já que as SF masculina e feminina serão no sábado com tempo bom. Agora no domingo a previsão é de chuva a partir da tarde, dá para salvar a final feminina. Se por acaso a final masculina não for no domingo aí só na terça pois segunda irá chover o dia inteiro. Supondo que tudo termine no domingo, não teremos um dia de descanso entre as SF masculinas e a final. Quem estiver com o preparo físico melhor irá levar uma grande vantagem.
    Se já tivessem uma quadra coberta, nem que fosse na Lenglen, tudo isso seria evitado. Torcendo para que a final seja na terça, aí quem ganhar na SF terá o descanso assegurado para a final.

    Responder
  16. Marcos

    Roland Garros inscreve-se definitivamente, como o mais arcaico Major de todas as épocas, e também, o mais previsível dos últimos 15 anos. Porém, o Nadal está absolvido nesse julgamento.

    Responder
  17. Leonardo Barbosa Lima

    Dalcim
    Imagine vc sendo ljubicic ou severin, primeiro sobre a estratégia de jogo, o que falaria para o maestro ? Use mais slice, mais drop shot, usar tbem o balão no fundo de quadra, so bater a esquerda quando estiver equilibrado, subir mt a rede. Segundo sobre o mental, falaria pra ele ligar o modo ” sem pressão “, variar demais a devolução pra mudar algo ?
    E ai dalcim

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eles já se enfrentaram muitas vezes, Leonardo, então só haverá novidade se alguém trouxer para a quadra uma mudança muito drástica, o que não acredito. Slice não machuca o Nadal, Federer precisa bater mais o backhand e usar slice apenas como variação.

      Responder
  18. André Luiz

    Passei aqui para comemorar mais um capítulo na rivalidade entre Federer e Nadal, uma das maiores, se não a maior, que já acompanhei na minha vida.

    No saibro, o favoritismo de Rafa é total. Qualquer outro resultado que não uma vitória do espanhol em três ou quatro sets será considerado zebra.

    Mas é sempre bom ver esses dois jogadores importantes para a história do esporte frente a frente em mais um Grand Slam.

    Responder
  19. Rodrigo S. Cruz

    Agora, vem a chuva e ferra com toda a rodada.

    Que porcaria esse RG ser o ÚNICO dos 4 Majors que não possui teto retrátil.

    Dá raiva!

    Tomara que chova ininterruptamente até segunda-feira.

    Só assim para ver se os responsáveis pelo atraso, criam vergonha na cara…

    Responder
  20. Eduardo

    Dalcim, uma questão que me ocorreu e não sei se você concorda: o fato de Nadal estar jogando de forma mais agressiva do que costumava jogar não pode trazer um ingrediente totalmente novo e inesperado a esta partida ? Pergunto porque, no passado, Nadal parecia ter ainda mais capacidade de chegar nas bolas e cobrir a quadra, enchendo Federer de passadas e contra ataques, deixando-o meio que sem alternativas. Atualmente Nadal tem precisado partir mais para o ataque, por já não ter mais tanta capacidade de defesa como tinha antigamente. Nesse sentido, ousaria dizer que essa será a maior chance que o Federer já teve para vencer o Nadal em RG.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É um bom ponto de vista, Eduardo. Lembro que também vimos Federer bem mais paciente em Indian Wells e Miami, trocando bolas de fundo até com bastante topspin. Então poderemos mesmo ter ingredientes novos.

      Responder
  21. Chileno

    Muito improvável uma vitória do maestro. Acho que o Nadal vence em no máximo 4 sets. Mas… quem sabe né?

    Do outro lado da chave, acho que o Thiem passa pelo Caixa9 e o Djokovic provavelmente tratora o Zverev.

    Jogão dos dois suíços! Como joga bonito esse Wawrinka… definitivamente, o jogador que mais gosto de assistir depois do Federer.

    Responder
  22. Luiz Fernando

    RG está atrasado um milênio em infraestrutura. Essa história da chuva ainda impedir jogos nas quadras principais é uma piada. Isso vai causar problemas na sequencia do torneio e dependendo do desenrolar dos fatos pode prejudicar os caras que jogariam hj.

    Responder
    1. Paulo F.

      Bato nesta tecla há tempo, LF.
      RG chega a ser uma piada de mau gosto, sem comparado aos outros torneios equivalentes.
      Até os ingleses com sua tradição e empáfia se renderam a cobertura das quadras principais.

      Responder
    2. JAN DIAS

      Torneio sem teto retrátil é impraticável, atrasa demais os jogos e tumultua a vida dos jogadores e dos expectadores…um horror..

      RG precisa se atualizar urgente, inclusive adotando o HAWK EYE, pra evitar dúvidas, marcações erradas e reclamações excessivas dos

      jogadores.. Evitaria talvez atitudes como a de TSISIPAS no match-point contra o WAWRINKA…

      Os vídeos de highlights, entrevistas e bastidores do torneio tb são os piores dos 4 Grand Slams (de alguns jogos nem vídeo tem)..

      Responder
  23. Emerson Lopes

    Acabo de ver uma Life do Mineiro que vcs soam ele ele fica e rindo,mostrando como está RG tá horroroso conversou com Djokovic,Zverev só que ele não deixa na página para qualquer um e não faz a menor questão sem chance de jogos hoje!!!!!

    Responder
  24. Tom

    Dalcim, bom dia !

    Entendo que nada pode superar o peso de se conquistar um slam, mas caso aconteça do Federer vencer o Nadal em seu piso predileto, creio que será uma vitória maior do que os majors adquiridos contra o Cilic, por exemplo, não acha?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ah sim, acho que desgaste não será um componente. Mas ainda assim o Nadal tem físico superior de forma geral, Raul, pensando numa partida eventualmente mais longa.

      Responder
  25. Fernando Vieira

    Sem qualquer sombra de dúvida, Rafael Nadal é o melhor da história em quadras de saibro; Roger Federer é o melhor da história nas quadras rápidas. Quis o destino que nós vivêssemos nesta época: a dos maiores fenômenos do tênis, sem contar Djokovic, que é o terceiro melhor da história. Que época gloriosa para o tênis!

    Responder
  26. Evaldo Moreira

    Bom dia,
    O espetáculo aqui, já começou com esse texto primaz do Dalcim, e depois, vendo a recibada que um tal de Paulo almeida recebe, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, caracas, ô cara que gosta de recibos, afffffffffffffff, poxa cara, seja leve, menos rancoroso, fala isso, e fala aquilo, e nada justifica o que você diz, por isso, que a rapaziada te tritura cara, faça comentários leves e seja sarcástico, é bom sabia!?
    Vejamos, torço pelo Federer, admiro a tenacidade, força e empenho de Nadal, embora seja ogro demais e com atitudes estranhas, kkkk, o Djokovic, pela excelência e solidez na base, com bons golpes, e se eu tivesse no jogo dele, falaria assim: kokovic, não quebre a raquete, me dá ela, eu sei o que fazer, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, tadinha da bichinha, mas sofre essa raquete, kkkkkkkkkkkkkkkk, mas falho em outros, ou seja, o big3, tem qualidades e falhas, fato.

    Responder
  27. Pedro

    Dalcim,

    Na entrevista do Federer sobre encontrar o Nadal, ele como sempre foi muito eloquente, em dizer que deveria encontrá-lo mais cedo ou mais tarde. Porém, acredito que ele pensava que não chegaria tão longe em RG. Na partida contra Wawrinka seu nível diminuiu e acho que tem a ver com a partida seguinte que era o Nadal. Ele também falar que os adversários podem esperar que o espanhol entre machucado ou doente, é praticamente dizer que ele é quase como invencível. Você acha que ele falou sinceramente, quis jogar o responsabilidade para o outro lado, ou reconheceu com base no histórico que não tem a menor chance, a não ser que algo excepcional aconteça? Sei que o Nadal é o favorito, mas é bom lembrar o que algum entrevistador perguntou ao espanhol e que é verdade (acho que foi o Elia Jr.), a bola do espanhol está mais curta. Talvez Federer não ganhe, mas acredito que Nole pode vencer o espanhol.

    Responder
  28. André Rodrigues

    Dalcim desde o início do domínio do Big three , quantos slams tivemos,e quantos não teve nenhum dos 3 nas finais, visto que esse Roland Garros 1 deles já está garantido na final?

    Responder
  29. Rubens Leme

    Dalcim, amanhã o maior de todos completa 63 anos, aquele que nos ensinou a amar este esporte e que deixou momentos mágicos na quadra, o primeiro popstar e superstar do esporte: Bjorn Rune Borg.

    E, no dia 11, se completam 40 anos do título de 1979, em Roland Garros, em cima do paraguaio Victor Pecci e que o tornaria único, pois entre 1978 e 1980 seria tri em Paris e em Wimbledon. Neste mesmo ano ainda, tornou-se o primeiro tenista a superar a casa de 1 milhão de dólares em prêmios (sim, eles eram ridículos comparados aos atuais).

    Grande Borg, que nos deixou cedo demais e que com 25 anos e 1 mês de vida já somava 11 Grand Slams (Federer, por exemplo, com a mesma idade somava apenas 9) e poderia ter ido ainda mais longe, não tivesse perdido um Roland Garros por problemas burocráticos ou tivesse jogado mais vezes o Australian Open, que na época se jogava durante o Natal e era disputado na grama.

    Quem viu, viu, quem não viu irá dizer o quanto ele já foi superado pela atual geração.

    Em números sim, mas em carisma, feitos e lembranças de suas batalhas contra John McEnroe, Jimmy Connors, Vitas Gerulaitis, Ilie Nastase, Guillermo Vilas, entre outros, ainda é imbatível.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Você só pode estar de brincadeira. O profissionalismo começou bem antes em 68 . E Rod Laver foi mais jogador que Björn Borg. Ele foi sim , um Popstar. E muito carismático, mas longe de ser o mais. Perder TODAS as Finais para seus maiores rivais ( Connors e MsEnroe ) do USOPEN e ficar também sem o AOPEN , são manchas que não se pode apagar em sua carreira. Ao perder 3 FINAIS de SLAM consecutivas para o BigMac ( e com o surgimento de Lendl ), resolveu se aposentar precocemente cheio de problemas extra-quadra. O maior de Todos ? Nem o próprio acha rs . Voltemos às músicas …

      Responder
    2. marcilio aguiar

      Bela lembrança sobre Borg, o meu primeiro ídolo no tênis , mesmo tendo acompanhado poucos jogos pela TV, em comparação com hoje. Tive o prazer de ve-lo no Ibirapuera nos anos 80, ainda que em jogo exibição conta Kyrmair. Para mim, também, estará sempre no Panteão do tênis. Seu feitos foram tão magistrais quanto os do Big 3.

      Responder
  30. Nando

    É senhores, o tão esperado jogo do barro entre Federer e nadal irá acontecer (desejo de mtos nadalistas, principalmente)…mtos já dão como certa a vitória (fácil) do espanhol, é o favorito com ctz, rei do saibro. Mas Federer tem chances sim, será o franco-atirador total nesse jogo…obrigação de ganhar é do “pouca telha”.
    Mas vamos aguardar, li uns coments antigos, da véspera da final do AO 2017 onde mtos diziam o mesmo (claro q a missão agora é mais difícil) e vou ficar com uma frase dita naquela época: No tênis, cada dia é um dia.
    Go Roger!

    Responder
  31. Maior geração do tênis chegando

    O Nadal é claro dos grandes da história do esporte ..mas pode ganhar do maior de todos o Federer pode ganhar espanhol oque adianta ganha dele mas perde pó dominic thiem que tem 25 anos e nem no seu auge está ainda ……..Federer o maior de todos

    Responder
  32. Daniel

    Federer e Nadal neste RG me lembra o filme Rocky 4. O suíço (Rocky) é o “lutador” zebra, possui técnica e amor ao que faz e vai enfrentar o espanhol (Ivan Drago), o “lutador” vitaminado que intimida pelo sua força / físico e resistência infinita. Espero que aconteça na vida real como aconteceu na ficção rs.

    Se não acontecer, que o “Rocky” pelo menos canse o maratenista para que o Thiem seja o herói do torneio. Falando nisso, tomara que Zverev e Thiem, juntos, eliminem o outro maratenista…

    Responder
  33. Leonardo Faria

    Prezado Dalcim

    Estou em Paris e tive o prazer de acompanhar Federer x Wawrinka na Suzane Lenglen e vou compartilhar algumas impressões que tive.
    A primeira delas, ao chegar no complexo, é que ele precisa de mais espaço. Estava bem lotado e parecia pequeno para o tanto de gente circulando, tanto que, quando começou a chuva, virou um formigueiro de gente procurando espaço para se abrigar. Sobre a Suzane lenglen, o que notei é que há apenas 2 banheiros em torno da quadra, o que achei pouco.
    Sobre o jogodores, cabem algumas observações:
    1 – Wawrinka tem a bola bem pesada. Tanto no saque (sacou acima de 200km/h a maioria dos primeiros serviços), quanto no forehand quanto backhand. A impressão que dava era que ele batia com toda força em quase todos os golpes.
    2 – Federer tem a torcida em peso o apoiando. É impressionante o tanto que o povo aqui gosta dele.

    Bem, quando o jogo começou estava bem quente (próximo de 30 graus) e não estava ventando muito. No primeiro set, Federer estava devolvendo melhor, tanto que teve alguns breaks, salvos na base do saque pelo Wawrinka. Enquanto Federer confirmava seus serviços com tranquilidade, Wawrinka geralmente enfrentava um 30×30 ou iguais. O tiebreak foi decidido em alguns ENF do wawrinka que permitiram ao Federer manter vantagem e fechar o set.
    Ao final do primeiro set, saí para comprar água (continuava bem quanto) e ao conseguir voltar , já estava 2×1 wawrinka com quebra na frente. O set continuou com o mesmo panorama do primeiro. Wawrinka salvando breaks, geralmente com o primeiro serviço, e Federer mantendo os seus. Como não houve mais nenhuma quebra, o placar ficou em 6×4, mas já com o Wawrinka devolvendo um pouco melhor o saque.
    No terceiro set começou a ventar mais e fechar o tempo, baixando um pouco a temperatura e ficando mais agradável, mas o mesmo vento que trouxe as nuvens , as levou embora. No meio do set Wawrinka conseguiu uma quebra que podia ser decisiva para o set, mas não sustentou a vantagem sofrendo a quebra logo em seguida. Novamente o jogo foi para o tiebreak e novamente o Federer jogou alguns pontos melhor que lhe permitiu sair com a vitória no set.
    O quarto set começou com o vento trazendo as nuvens de novo. Quando chegou no 3×3, wawrinka, que já havia reclamado das condições de iluminação, falou com o juiz, o supervisor entrou em quadra e conversou com os jogadores e a partida foi suspensa. Uns 2 minutos depois, no máximo, a chuva caiu. Quando voltou o jogo, no 4×4 Federer pressionou o saque do Wawrinka e conseguiu a quebra, sacando para o jogo. Ele não teve vida fácil, tendo que salvar breaks ora com o saque ou então indo para a rede, até em segundo serviço, até que finalmente conseguiu fechar o jogo.

    Para mim, alguns pontos foram determinantes para a vitória do Federer. Ele devolveu o saque, de um modo geral, melhor que o Wawrinka. No 4×4 do quarto set ele chegou a se afastar uns 2 a 3 metros da linha de base para devolver o saque. Outro ponto foi a variação de jogo. Enquanto o Wawrinka espancava a bola do fundo de quadra, Federer ia a rede, dava drops, slices e saque voleio. Wawrinka precisa urgente ir mais a rede. Várias vezes deslocava o Federer e não subia e isso permitia ao Federer retornar no ponto.

    Para o próximo jogo, Federer vai ter que subir um pouco mais o nível, pois Nadal devolver melhor o saque e contragolpeia melhor que o Wawrinka. Além disso Nadal está mudando bem a direção da bola e assim, Federer vai ter que correr mais. Infelizmente não tenho ingressos para a semifinal e o resale do site de Roland Garros já da como esgotado há mais de 2 meses.

    Bem Dalcim, essas foram minhas impressões sobre a partida. Um abraço.

    Responder
    1. Rafael Brasiliense

      Muito legal, Leonardo! Deve ser uma experiência marcante. Pretendo assistir a algum jogo do Federer antes dele se aposentar também. Acho que o US Open do ano que vem.

      Responder
  34. Paulo Almeida

    DjokoGOAT é melhor em devolução, backhand, lob, jogo de pernas, defesas impossíveis, elasticidade, mental, tática, físico.
    Frauderer é melhor em voleio, smash e slice.
    Saque, forehand e drop dá empate.

    9×3 para o GOAT do tênis e isso porque dei o mesmo peso, senão seria bem mais.

    Responder
      1. Paulo Almeida

        Não, o lob do Djokovic é melhor e Federer provou do veneno várias vezes.
        Não estão listados apenas os fundamentos técnicos e sim todos os atributos para vencer um jogo de tênis.

        Responder
        1. Chileno

          Sim. Porque o Federer vai à rede e o Djokovic praticamente nunca. Assiste os jogos do Federer contra jogadores que vão à rede, e vê lá se o lob do Federer não é no mínimo tão bom quanto o do Djoko, que é sim, excelente.

          Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Só de se falar que o forehand dá empate, é forçação.

        Mas até perdoável.

        Porque o Djokovic realmente melhorou muito o seu forehand.

        Ele tem feito muitos winners com ele…

        Agora, saque e drop?

        Pode chamar os enfermeiros do hospício logo…

        Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Mas rapaz…

      Igualar o saque do Djoko ao do Federer?

      Isso chega a DOER nos olhos.

      Acho que é muito penoso, para qualquer pessoa séria aqui, ser obrigado a ler tanta porcaria que você escreve…

      O saque do Federer está entre os melhores e mais eficientes da história. (não pela força, mas pela variação).

      E ele já cravou 10989 ACES. Só perde, em números absolutos, pro Isner e pro Karlovic, que são sacadores mais de força, do que variação.

      O Djokovic tem menos da metade dos ACES que tem o suíço: 5354, ocupando a vigésima-oitava colocação.

      Porém, o Stan Wawrinka que ocupa a vigésima-nona, também é melhor do que o Djokovic no saque.

      Pois em números RELATIVOS (que é o que importa mesmo):

      o Stan tem 5304 em apenas 750 partidas. Ou seja, mais de 7, 07 aces por jogo.

      E o Djoko tem 5354 em 1000 partidas, ou seja, 5,3 aces por jogo.

      Em números relativos, o Federer tem o percentual de 7,81 aces por jogo.

      Ou seja, supera o Djokovic com folga, em percentual relativo. E o ESMAGA, em número absoluto!

      O próprio jogo do suíço, depende mais do saque, do que o do Djokovic.

      E sem esse saque, o Federer não teria a qualidade que ele tem…

      O saque dele é muito superior ao do Djokovic.

      Responder
    2. Rafael Brasiliense

      Você até que não estava tão mal, até que soltou que “Saque, forehand e drop dá empate.”. Aí você forçou demais, amigo. Por isso alguns tem dificuldade de te levar a sério.

      Responder
    3. Paulo Almeida

      Olha quantos fedtards morderam a isca. E pra variar o R. da Cruz foi o mais chiliquento. Como sangra esse cidadão.

      Mas sério, hoje o saque do Djokovic não deve em nada, inclusive na variação. No passado que não era tão bom assim.

      Responder
      1. Chileno

        Entendi. Então você é um fanfarrão que solta “iscas” travestidas de opinião controversa, e ainda vem chamar os outros de fedtard. Parabéns! Assinou com maestria seu atestado de djokotard e hipócrita ainda.

        Responder
  35. André Barcellos

    Mais uma coisa. A iminência do Fedal ofuscou a partidaça que Wawrinka e Federer fizeram.
    Muita pancadaria e lances geniais e precisos de ambos os lados.
    O suíço número dois não abaixou a cabeça em nenhum momento e poderia levar, se Federer não estivesse afiado.

    Responder
  36. Eduardo

    Boa noite Dalcim,

    Sei que a discussão é sobre o Fedal de sexta-feira, mas um lance não sai da minha cabeça e resolvi perguntar:

    Você não achou “ canalhice “ do Tsitsipas ao apontar bola fora no match point em q levou passada de slice do Wawrinka?

    O juiz desceu rápido e logo confirmou bola boa, mas ele já tinha feito o gesto com a raquete na quadra de bola fora. Muito malandro. Acho q ele vai ser um futuro número 1 , mas anda se queimando….

    Responder
      1. Eduardo

        Também já tinha visto, inclusive nas outras por não ser um ponto tão importante, ficou ali ainda discutindo com o juiz….A marca tá ali, não há dúvidas. Ele pode ganhar tudo, mas esses detalhes fazem realmente os campeões. Ainda mais no tênis , esporte de cavalheiros…..

        Digamos que o máximo em q ele pode se tornar é um Schumacher, campeao mas trapaceiro….hehehehe

        Responder
      2. Luiz Fabriciano

        Achei que ele acusado bola fora por estar de costas para o quique, pois a passada veio quase que por fora da rede. Mas ao passar a raquete no chão, talvez quisesse realmente induzir o juiz à outro julgamento. Mas vamos levar em consideração o momento de frustração pela derrota. O problema são as recorrências.

        Responder
      3. Lucas pinheiro

        Dalcim, pegando o gancho do colega acima, vejo o tênis como o suprassumo do que significa esporte, sempre com honestidade, jogadores corrigindo arbitragem pro adversário, eles se matando em quadra e na rede aquele abraço e reverências. O voleio do federer ontem na tentativa de passada do stan, estava 1-1 e no tb no 3o set o cara elogia a jogada… aí vejo essa nova geração indo nessa contramão, muitos com muito talento , mas sem comprometimento com o esporte… e isso acontece em outros esporte, futebol temos grandes exemplos disso…

        Acho que essa geração mimimi vai ser muito chata, para varios esportes . Será que perderemos público com isso??? Tem jogo q nem assisto pq não gosto dessas atitudes

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Minha esperança é que isso se conserte com o passar do tempo, Lucas. Acho que hoje existe uma cobrança muito grande e acabam ocorrendo essas distorções pelo desejo exagerado de vencer a qualquer custo.

          Responder
          1. Barocos

            Vou passar a prestar mais atenção. Ele tem um jogo muito vistoso mas, se ficar comprovado que possui desapego pela ética desportiva, jamais poderei torcer a seu favor (não que isto faça qualquer diferença para ele, é claro).

    1. Rafael Brasiliense

      Percebi isso também. Mas não acho que seja falta de caráter. Ele ainda é muito novo (20 anos) e tem uma vontade absurda de ganhar. Ele disse depois que merecia ter saído com a vitória, o que faz sentido. Ele teve vários break points no último set e não soube aproveitar. No seu primeiro vacilo no saque, perdeu. Inclusive perdeu o jogo tendo ganho mais pontos. Ele deve ter ficado muito frustrado e no calor do jogo fez isso. Faz parte. Ele ainda tem muito o que aprender. O lado bom disso é que mostra seu espírito de querer vencer sempre. Gosto dele.

      Responder
  37. Jonatas Bruno

    Como José Augusto já dizia: “Agora aguenta coração…”.
    Francamente não esperava o Federer chegar até a semifinal, mas já que é matuto e presunçoso, avante e seja o que Deus quiser!
    O excepcional suíço segue quebrando paradigmas com a sua idade e arte!!
    É curioso que já se passaram oito anos desde o último confronto. De lá para cá, ambos passaram a viver novas emoções e experiências, principalmente no tocante a esfera familiar, como no caso do Federer. Já vale em criar uma atmosfera diferente.

    Circuito feminino já com a nova geração tomando corpo. Essa tcheca tem sustância, pega firme na bola e trabalha bem o seu saque.
    A República Tcheca está muito bem servida!

    Responder
  38. André Barcellos

    Como bem foi colocado no texto, tudo joga contra o Federer, exceto a série de partidas recentes. Mas agora, no saibro lento, melhor de cinco sets, ele com 38 anos… É demais. Só um milagre para mesmo.

    Responder
  39. Rodrigo S. Cruz

    [Rafael Brasiliense]

    4 de junho de 2019 às 22:12

    “Chega a doer ver a galera depreciando o Wawrinka como se ele fosse um pangaré no circuito. Em que mundo vocês vivem? Onde vocês estavam, quando, em plena era Big 4, ele ganhou 3 GS e chegou em 4 finais? No AO de 2014, quando ele derrotou o Djokovic nas quartas e o Nadal na final, vocês estavam onde? E quando, em RG 2015, ele venceu Federer nas quartas e o Novak na final? E no ano seguinte, quando ele derrotou novamente o sérvio na final, dessa vez no US Open? Onde você estavam??? Fala sério.”

    É simples.

    Os dementes que afirmam essas coisas não apreciam o esporte tênis, propriamente dito.

    Aliás, você já viu qualquer deles elogiando e/ou depreciando qualquer outro jogador, exceto o dueto Djoko/ Federer?

    Esses caras fundaram foi uma seita.

    O Djoko, é tão somente a figura que eles elegeram como objeto de culto da seita.

    Se deus nenhum pode ser nunca contestado, por ser blasfêmia. O Djoko muito menos…

    E a maior ameaça ao seu reinado sempiterno é justamente o “diabão” suíço!

    kkkkkkk

    Sinceramente,

    Acredito que no dia que o sérvio parar, esses caras se reunirão todos num galpão, ao melhor estilo JIM JONES, para cometer suicídio coletivo…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Ah,

      E antes que eu seja de novo mal-interpretado:

      EU NÃO ESTOU FALANDO DOS DJOKOVISTAS EM GERAL, me dirijo apenas aos Fakes adoradores…

      Responder
    2. Rafael Brasiliense

      Sim, existe um grupo que parece uma seita mesmo. E o pior é que Djokovic é, de fato, fenomenal. Sua devolução, por exemplo, é um dos golpes mais lindos de se ver no tênis, tal como sua solidez com aquele backhand. Destaque também pra sua força mental inigualável.

      O problema é que, como você disse, tem uma turma que não sabe apreciar os outros tenistas. Daí surge aquele papo de que Federer é o rei da entressafra, Wawrinka é um vassalo de backhand razoável (lembra dessa?) e por aí vai.

      Responder
  40. Marco

    Convenhamos, esse confronto só vai pela mística FeDal.
    Federer não tem a menor chance de vencer o espanhol, nunca venceu dois sets do Nadal em Paris, que dirá 3 e no nível que o espanhol vem apresentando.. Sem qualquer chance.
    Mística essa que faz as pessoas falarem do Aus 2016, aquele jogo foi horroroso, com os caras nunca jogando bem ao mesmo tempo e com os forehands pífios, mas fica essa lenda de que foi grande jogo.

    Quanto ao Djoko: jogo amanhã vai ser complicado, Infelizmente, Zverev é um cara que complica o jogo, mesmo ganhando o Djoko vai ter que se desgastar consideravelmente. Mas enfim, tudo pode acontecer

    Thiem é favorito, em teoria, contra o russo, mas tudo pode acontecer tb.

    Responder
  41. Arthur

    Dalcim,

    Como torcedor do Federer, é claro que eu ficaria feliz com uma vitória do suíço na sexta-feira.
    Já disse aqui outras vezes que, pra mim, o “último grande troféu” que falta na galeria do Roger é uma vitória sobre Nadal em RG.
    No entanto, seria muita ingenuidade ou wishful thinking achar que, de algum modo, ele possa ser favorito pra essa partida.
    Acho que o espírito é justamente o que ele resumiu na entrevista: “Numa partida, nunca se sabe. Qualquer coisa pode acontecer”.
    Traduzindo: “90% de chances de levar um 3×0 do espanhol, mas vai que esses 10% vão cair justamente nesta sexta-feira?” 😉

    Um abraço.

    Responder
  42. Rafael Brasiliense

    Não há dúvidas que Fognini é um dos tenistas mais agradáveis de se assistir. Se tênis fosse apenas técnica, aliás, ele estaria entre os três melhores do circuito. O cara joga tênis com uma facilidade diferenciada. É nato. Aquela partida contra o Nadal no US Open de 2015, por exemplo, é lindo de assistir. De vez em quando vou ao youtube pra dar uma relembrada. Era uma bola vencedora atrás da outra, num nível de tênis assustador. Teve um momento no quinto set que ele disparou incríveis 5 winners seguidos (!!), todos geniais.

    A propósito, acho o seu backhand de duas mãos disparado o mais bonito do circuito.

    Responder
  43. O LÓGICO

    Teremos uma semi entre duas lendas: a lenda da LAJE, o UNIDIMENSIONAL, e a lenda do Universo do tênis kkkkkkk, Roger Angel kkkkk. E nessas horas o L Fingido e o M Chacrete já devem estar se esfranganhando kkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Espero que o robozinho satânico não exacerbe nas baixarias kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  44. Luiz Fernando

    Aqui alguns babacas atribuem sempre as vitorias dos adversários a doping ou a esquemas absurdos de manipulação de sorteios. Também se cunham apelidos estupidos e pejorativos p denegrir esses mesmos adversários. Tudo isso é dito varias vezes sem q nenhum dos supostos “bons moços” digam qualquer tipo de reprimenda. No entanto, esses falsos moralistas quando se da o troco ficam ofendidinhos, que dó kkk…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      É com essas e outras, que acabo saindo do sério, viu…

      Primeiro de tudo, de quem você estaria falando, afinal?

      Quem foi que deixou de defender o Nadal aqui?

      Pois se você mesmo assistiu o Fake nolista acusar sistematicamente o Nadal de doping, e não reclamou de porra nenhuma ?

      Tive que ser eu a reclamar.

      A depender de você, os dois estariam agora trocando figurinhas ou então batendo bafo…

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Ah, e antes que você interprete mal:

        Não estou sendo grosso contigo, apenas fiquei sem entender bulhufas do que você escreveu…

        Responder
  45. Rafael

    Mestre, achei que o saque e a esquerda do Federer foram muito firmes, além dos voleios, claro! Você acha que se mantiver esse golpes a chance de vitória passa dos 20%? Rs e Nole amanhã? Pelo menos uns 70% de chances de vitória, não? Abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Falando sério, Rafael, para ter chances reais de uma vitória Federer precisa ganhar ao menos dois dos três primeiros sets. Eu diria que até o primeiro é essencial, tanto no aspecto físico como emocional. Daí as chances dele para mim serem mais complicadas. Djoko sim, você pode dar 70%.

      Responder
  46. Renato

    Se levarmos em conta o conjunto da obra, potência, beleza e eficiência, não resta duvidas que o backhand do Wawrinka é o melhor da história.

    Responder
  47. Fernando Pauli

    Roger Federer se dirigiu aos deuses do tênis e pediu ajuda para vencer esse GS. Aí os deuses do tênis responderam a ele. Você terá ainda mais dois anos muito bons pela frente. Mas se você ganhar este, será com certeza seu último. Se você Dalcim estivesse no lugar de Federer o que faria? Arriscaria nesses mais dois bons anos ganhar um WB e talvez um Us Open pela última vez ou a última conquista em RG. Abs!

    Responder
  48. Renato

    Só pra lembrar os que adoram o linguiça:

    Saque: Federer
    Forehand: Federer
    Voleio: Federer kkkk Dá pena
    Drop: Federer! Kkk Dá pena
    Slice: Federer kkk Dá pena
    Smash: Federer kkkkk Humilhante
    Devolução: Novak é melhor, mas não tem habilidade para fazer um SABR que Federer fez contra o cotonete humilhando-o
    Backhand: Novak

    Critérios técnicos, 5 x 2 Roger, um massacre!
    Não tem nem como questionar e comparar a qualidade técnica dos dois.

    Responder
      1. Renato

        Não quero impor nada, até porque o blog dá o direito de quem não concorda responder meu comentário. Apenas minha opinião, mas me parece difícil não concordar. Se não concorda, escreva seu ponto de vista.

        Responder
  49. Tiago

    É triste dizer, mas é pura realidade…Federer pode ser um astro do tênis, mas não suficientemente um gênio! Talvez diria isso com toda certeza se ganhasse a partida contra Nadal nas semis de RG, algo que acho impossível de acontecer. Nem vou perder meu precioso tempo e atenção, mas do jeito que o Nadal está jogando…afff, o cara tá voando e sobrando no “barro” parisiense, não adianta, não vai ter pra ninguém, nem Djokovic tem chances, só uma tragedia tira esse titulo de Nadal. Não gosto de dar palpites, mas creio que seria melhor Federer ter dado oportunidade mesmo para Wawrinka levar o vexame da vez. Quem vier vai ser triturado como um trator. Federer deveria focar mesmo na grama que é seu habitat, com esse vexame que está por vir só fará mal para sua confiança e jogo. Gosto do tênis bem jogado e do estilo Federer, mas mesmo torcendo para Djokovic não vejo outra expectativa para esse Grand Slam frances a não ser o titulo nas mãos de Rafa. Oh torneio chato e previsível!!!

    Responder
    1. Gilvan

      Genio entao so o Soderling, que bateu Nadal em Paris no seu auge. Seria Isner um semi-genio, ja que quase venceu o espanhol tambem nos seus melhores dias? Oh duvida cruel.

      Responder
    2. Paulo F.

      Federer é o maior tenista de todos os tempos sem dúvidas.
      Mas sempre ter sido um yorkshire contra o Nadal (com a excessão honrosa do AO17) é uma mácula e tanto…

      Responder
    3. Chileno

      Esses “critérios” dos caras…

      Ter 20 Slams, 8 Wimbledons, pentacampeonato em 3 dos 4 Slams, maior líder do ranking da história e mais Finals, não fazem o cara ser um gênio.

      Ter revolucionado o nível do tênis, jogar um tênis intuitivo e criativo e ainda assim ser competitivo numa era de tênis extremamente físico e brigando com os segundo e terceiro maiores tenistas da história, não fazem do cara um gênio.

      Ele só será um gênio, se ele vencer o Nadal na semifinal de RG 2019. Realmente… ótimo critério.

      Responder
    4. Luiz Henrique

      Chato e previsível vão ser os outros grand slams, djokovic ganhando tudo de novo com um pé nas costas. Se Nadal ganhar RG pelo menos temos uma cara diferente ganhando um slam, caso contrário vão ser 7 slams seguidos pro djoko…

      Responder
  50. Wilson Rocha

    Dalcim,
    Dissecando o placar de 23 a 15, temos:
    Confrontos no saibro (piso preferido de Nadal) 15 – placar: 13 a 2 Nadal.
    Confrontos na grama (piso preferido do Federer) 3 – placar: 2 a 1 Federer.
    Confrontos na hard – 20 – placa: 11 a 9 Federer.
    Federer leva vantagem em dois pisos. Sendo que no seu preferido só aconteceram três confrontos, enquanto que no do Nadal, foram 15.
    Analisando assim – essa estatística (23 a 15) – fica fácil de ser explicada.

    Responder
    1. Paulo F.

      Djokovic x Nadal no saibro – placar: 17 – 7 para Nadal.
      Mesmo com essa grande desvantagem, no confronto geral, Djokovic TEM MAIS VITÓRIAS contra Nadal: – placar GERAL: 28-26.
      INCLUINDO NA SOMA o horroroso retrospecto no saibro que o sérvio TAMBÉM POSSUI contra Nadal.
      Federer x Nadal – placar GERAL: 15 – 23
      Não adianta passar paninho com os outros pisos para o Federer – ele tem um retrospecto ridículo contra o Nadal.

      Responder
  51. Rafael

    Pro Federer ganhar roland garros, ele terá de passar provavelmente pelos tres unicos campeões de roland garros em atividade, um ja foi, faltam dois. Muito complicado, pra não ser pessimista.

    Responder
  52. Rafael Brasiliense

    Chega a doer ver a galera depreciando o Wawrinka como se ele fosse um pangaré no circuito. Em que mundo vocês vivem? Onde vocês estavam, quando, em plena era Big 4, ele ganhou 3 GS e chegou em 4 finais? No AO de 2014, quando ele derrotou o Djokovic nas quartas e o Nadal na final, vocês estavam onde? E quando, em RG 2015, ele venceu Federer nas quartas e o Novak na final? E no ano seguinte, quando ele derrotou novamente o sérvio na final, dessa vez no US Open? Onde você estavam??? Fala sério.

    No final das contas sua grandeza em termos de títulos são apenas meras consequências do seu jogo cativante, com o melhor backhand de uma mão do circuito e um dos melhores da história. Quem fala mal do jogo do Wawrinka tá no blog errado. Aqui é blog do tênis, esporte ao qual o suíço domina com autoridade.

    Quem quiser discordar, sinta-se à vontade. Apenas tente começar explicando como ele conquistou tanto jogando um “tênis de vassalo”. Boa sorte com isso.

    Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Não necessariamente.

        Com o Federer é porque é nítido que o jogo não encaixa.

        Porque quem viu o jogo hoje, sabe que coragem foi o que MENOS faltou pro Wawrinka…

        Responder
      2. Rafael Brasiliense

        Wawrinka derrotou o Nadal na final de um Major. Derrotou o espanhol também nas quartas do Masters de Roma – nesse mesmo torneio, aliás, derrotou o Federer na final e levou o título. Ele já derrotou todos do big 3 nas fases finais dos GS. O que significa ser vassalo pra você, afinal?

        É claro que ele tem mais derrotas do que vitórias em cima desses caras. Federer, Nadal e Djokovic são os melhores jogadores da história. Se for seguir sua linha de pensamento, todos são vassalos dos Big 3. Ninguém sabe jogar tênis mais.

        Responder
      1. Rafael Brasiliense

        Essa é fácil. Ao lado do Djokovic, Federer e Nadal são os melhores jogadores da história. Simples explicar.

        A propósito, Wawrinka começou a jogar o tênis que joga hoje a partir de 2014. Antes disso, ele nunca havia se destacado. E desse ano em diante, foram 9 duelos contra o Nadal, nos quais o espanhol lidera por 6×3. Disputaram, nesse tempo, duas finais de Major: uma no AO, na qual Wawrinka saiu vitorioso, e outra em RG, onde Nadal jamais perdeu. Não tem vassalo nenhum aqui.

        Contra o Djokovic, também a partir de 2014, foram 7 duelos, dos quais o sérvio lidera por 4×3. Se for analisar somente os Majors, Wawrinka lidera por 3×1. Novamente, não há nenhum vassalo nessa história.

        Por fim, contra o Federer, de 2014 pra cá foram 11 duelos. Aqui, o placar é mais elástico: 9×2 para Roger. No entanto, as duas vitórias de Stan são sonoras: final do Monte Carlos e quartas de RG (em sets diretos). Há também duros embates nos quais Federer saiu com a vitória, como na semi do AO de 2017 (3×2), ATP finals (parciais de 4×6, 7×5 e 7×6) e Cincinnati, onde houve 2 tiebreaks.

        Responder
        1. Rafael Brasiliense

          Vale acrescentar que, como o Rodrigo disse, Wawrinka enfrenta dificuldades contra o Federer, já que o jogo não se encaixa. Isso acontece. Um exemplo clássico de jogo que não se encaixa é o do Federer contra o Nadal no saibro, onde o suíço, entre outros fatores, enfrenta grande dificuldade com o backhand de uma mão, já que a bola com o spin do Rafa, nesse piso, sobe demais. Daí o H2H de 11×2 a favor do espanhol no saibro.

          Responder
      2. Chileno

        Pô… mas se todo mundo que não tem bom H2H contra o Big 3 for pangaré, só existiriam 3 “não-pangarés” no circuito inteiro. Hahahaha!

        Responder
    1. Arthur

      Assino embaixo, Rafael.
      O cara começou dizendo que o Wawrinka é vassalo ou pangaré, eu nem termino de ler o comentário.
      O sujeito tem o mesmo número de Slams do Murray, só que em três pisos diferentes e em apenas 4 finais.
      Sem falar que é o único que conseguiu faturar 3 Slams nesse período de mais de uma década em que o tênis foi dominado pelo Big3 + Murray.

      Um abraço.

      Responder
    2. Gildokson

      E tem um sabido aqui que deprecia o Wawrinka direto, mas hoje chamou o Nishikori de ótimo tenista, não que o Japa não seja… mas pra que esculacha Wawrinka, achar o frágil japonês um ótimo jogador… eu até me assustei kkkk

      Responder
      1. Bruno Souza

        Isso é o que eu gosto de descrever como ‘Efeito Goffin’. Quando o belga joga contra o tenista favorito de determinado elemento, i.e., contra Nadal, Federer ou Djoko, ele é perigoso com potencial chance de engrossar o caldo. Quando é contra um dos outros dois, ele é pangaré, fraco, amarelão, cabeça fraca, dentre outras belas expressões. Nishikori, Berdych, e até mesmo os tricampeões Wawrinka e Murray são tratados dessa forma, apenas para exemplificar, existem muitos inseridos nessa categoria por esses cidadãos. Isso em uma era que raríssimos tenistas tem qualquer tipo de paridade com os referidos. O mais interessante de se notar é o perfil dessas pessoas. O amor incondicional a determinado tenista, não ao esporte em si. O tênis mesmo é secundário. Gostaria muito de entender a psicologia por trás desse pensamento tacanho. A cretina alcunha de vassalo dada ao Wawrinka, se expandida em nível continental, pode ser atribuída tanto em relação ao Nadal quanto ao Djokovic, uma vez que os confrontos diretos são totalmente desfavoráveis contra os 3, reitero, todos os 3. O mais curioso são certas conclusões dessa gente, como a seguinte: “Só gostam do estilo de jogo do Wawrinka, pois ele é vassalo do Federer”. Pois bem, não é pelo fato dele ter um estilo de jogo que agrada a muita pessoas, com intensidade, agressividade, potência nos golpes e a maravilhosa esquerda, não. É porque ele é tão “somente” vassalo do Federer. Não existe nada mais ignorante que a verdade seletiva.

        Responder
  53. Maisa

    Rafa e Roger!!!! Feliz demais … para tudo! Talvez seja o último… então vamos curtir ! Expectativa enorme. Duas lendas do esporte. Só não entendo porque somente na sexta.

    Responder
    1. Fernando Pauli

      As SF femininas em RG é sempre na quinta pois a final é sábado e as SF masculina é sempre sexta , do mesmo modo, já que a final é no domingo. Entre a semi e afinal todos tem o mesmo dia de descanso, tanto no masculino como no feminino.

      Responder
  54. Sandra

    Dalcim, estou achando até graça dessa discussão toda, por acaso o torneio já acabou? Será que os quatro do outro lado são tão ruins assi?…

    Responder
  55. Guilherme

    Excelente texto, Dalcim, um verdadeiro clássico para os amantes do tênis!

    O primeiro parágrafo que abre o texto é primoroso, arrepia e é emocionante. Sim, veremos em ação novamente os dois maiores da história num Grand Slam. Sim, uma década e meia depois dos primórdios. Sim, o número 2 e o número 3 do ranking. Incrível a longevidade deles. Quase 4 dezenas de taças de Slams e quase duas centenas de títulos num único jogo. Inacreditável. Exemplo para todos, dentro e fora das quadras.

    Feliz essa época em que estamos vivendo. Quero ler seus primorosos, empolgantes e deliciosos textos, Dalcim, sendo publicados semanalmente, até o ano de 2149. No mínimo.

    Responder
  56. Eu

    O post é das 19h30 e duas horas depois já temos 47 comentários!!
    Fedal Dispara muitos corações!!
    Dalcim, vc quem dá título aos post?

    Responder
  57. Rafael Brasiliense

    No Bet365 tá pagando 6,50 para o Federer e 1,11 para o Nadal. Zebra total. Vamos ver como o suíço vai se comportar nessa condição inédita.

    Responder
    1. Arthur

      Eu, se fosse o Nadal, pegava um laranja e apostava tudo no Federer pra depois entregar o jogo.
      Quebrava a banca e ainda ficava mais rico que o Bill Gates. KKkkkkk

      Um abraço.

      Responder
  58. JAN DIAS

    Não sei se o ZVEREV ganha do DJOKO, mas com certeza vai dar trabalho ( se não tiver nenhuma crise de humor) ..

    THIEM é mais jogador que o KACHA9, mas pelo nível mostrado pelos 2 até agora acredito num jogo muito parelho (provavelmente 5 sets).

    Responder
  59. Rodrigues

    Dalcim

    Certa vez, no USOPEN, Federer e Dimitrov iriam se enfrentar e, momentos antes do jogo, foi possível vê-los juntos no vestiário assistindo pela TV e comentando o jogo da Sharapova e conversando animadamente, com muitas risadas.
    Hoje houve a interrupção do jogo Federer x Wawrinka e os dois foram para o vestiário.
    Você saberia dizer o que acontece durante essa interrupção? Os jogadores mantém contato entre si? O que eles fazem, como dispõe do tempo?
    Obrigado

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, não acredito que eles conversem entre si, aquilo foi uma exceção. Eles geralmente se hidratam, comem algo leve e conversam com os treinadores. Se a interrupção for mais longa, tomam banho e jogam alguma coisa para relaxar.

      Responder
  60. Gabriel aguiar

    Dalcim, sendo sincero, tu ve mais e , sei la, 20% de chances pro Federer?se considerando saibro, RG, 5 sets…no plano tatico o que teria de funcionar a perfeiçao?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Federer teria que evitar pontos muito longos, o que exige sacar muito bem e tentar resolver em poucas bolas. Isso ao menos o levaria a alguns tiebreaks e aí geralmente o tenista mais agressivo tem vantagem. É preciso ver que postura o Nadal vai adotar nas devoluções. Se vai ficar lá atrás para entrar nos pontos ou se vai ficar mais perto da linha, como fez em Roma diante do Djokovic. O espanhol tem sacado bem, principalmente o saque no meio no lado do ‘iguais’.

      Responder
  61. Paulo Almeida

    Eu tenho motivos para ter muito mais raiva do Nadal do que do Federer, afinal ele tirou 2 US Open (2010 e 2013) e 3 Roland Garros (2012 a 2014) certos do GOAT Djokovic, enquanto o segundo só tirou um US de um menino Djoko de 20 anos em 2007.

    No entanto, a legião intragável de torcedores de Frauderer me fará torcer para o Capivara ser finalista e com isso ficar mais perto ainda de seu 12º Rolanga, já que o rei do tênis chegará quebrado mais uma vez em uma final. Isso, claro, se conseguir passar de sua chave duríssima. Pra piorar, é capaz de nem ter jogo amanhã e ele ter que jogar quinta e sexta nessa várzea sem teto coberto e luz artificial que é o French Open!

    Responder
      1. Paulo Almeida

        Leia de novo o meu post. Estou falando de títulos CERTOS e não de eliminações que não garantiriam títulos, como essas duas que você citou. Seria o mesmo que eu citar as eliminações do suíço para o Djoko no US 2010 e em RG 2012.

        Responder
    1. Carlos

      Que poço de ressentimento, hein, Paulo Almeida.
      Tem “raiva” de Nadal e Federer só porque estes ganharam de seu ídolo numa competição esportiva (nossa, que crime! Rsrs). Além disso, acha “intragável” os que torcem para Federer, chamando de “fraude” esta lenda do esporte. Ainda chama de Capivara o gigante Nadal e diz que o charmoso e tradicional RG, disputado numa das cidades mais lindas do mundo, é uma várzea.
      Caramba, como cabe tanto ódio nesse coração???
      A propósito, sou torcedor do Federer, o que não me impede de admirar a técnica e a força mental de Nadal, e nem a consistência e tenacidade do “seu” Djoko.

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Faltou interpretação pra você, meu caro. Eu disse que tenho motivos para ter raiva e não que tenho. A nação fedtard é intragável mesmo, essa é uma dura realidade.

        Que mané charmoso, cara. Esse GS ficou pra trás em relação aos outros, beirando o amadorismo. Em pleno 2019 um torneio desse porte ficar dependente de bom tempo e luz natural é ridículo.

        Responder
  62. Gilvan

    Sobre o jogo de hoje, foi um alento ver que o backhand do Federer esta afiado. Ele ira precisar muito desse golpe contra o Nadal. O jogo de rede tambem sera especialmente importante. Nadal tem um posicionamento de devolucao de saque muito parecido com o do Wawrinka (bolas pesadas batendo 4 passos atras da linha de base). Saques abertos serao especialmente importantes.
    No mais, vejo um Nadal muito vulneravel no seu saque (nao vem sacando tao bem e sofreu com quebras e breaks ao longo do torneio). Acredito que Federer ira agredir muito o espanhol no 2o servico (diferente de hoje, em que tivemos muitos bloqueios de slice).
    Nadal eh amplo favorito, mas nao eh imbativel. Se o Goffin tirou um set do espanhol, porque o suico nao poderia sonhar com algo a mais?

    Responder
  63. Paulo Almeida

    “Paulo Almeida, responda sim ou não.”

    Vou responder de forma mais completa!

    “1. Djoko tem o jogo mais bonito;”

    Jogo bonito é relativo. Para mim, o jogo sólido, completo, efetivo e vencedor do Djokovic é mais atraente. Ainda mais porque ele não tem esquerda meia-boca e nem dá aquelas madeiradas bisonhas.

    “2. Djoko tem os melhores golpes do tênis (pelo menos os que importam);”

    Sim, você já ajudou a responder inclusive: os que mais importam são saque, devolução, direita e esquerda e ele tem a melhor devolução e a melhor esquerda do circuito, além de ser excepcional também nos outros dois.

    “3. Djoko tem a técnica mais soberba, mais plástica e mais eficiente do tênis em toda a história deste esporte;”

    Técnica mais eficiente com TODA a certeza. Se soberba e plasticidade forem sinônimos de golpes de bailarina, aí felizmente não tem.

    “4. Djoko é o jogador que mais ganhou títulos em cima dos cachorrões;”

    Óbvio, isso todo mundo está cansado de saber. Depois vem o Nadal e em terceiro Federer.

    “5. Os títulos vencidos por Djoko são os maiores em importância;”

    Claro, afinal todos foram na era Big Four e com alto grau de dificuldade, tirando um ou dois. Mesma resposta da questão anterior.

    “6. Eu não respeito e nem admito que alguém pense diferente de mim;”

    Respeito, mas gosto de doutrinar fedtards. Esses sim vivem no mundo paralelo.

    “7. Eu odeio o Federer e quem quer que torça para ele;”

    Não odeio nenhum deles.

    “9. Eu sempre tenho razão;”

    Muitas vezes sim, algumas vezes não.

    “8. Eu sempre tenho bom senso.”

    Sempre.

    Responder
    1. Lucas Belizario

      boa noite Paulo Almeida. Vc é tenista? e a sua analise foi baseada em numeros e qualidade de jogo praticada (plasticidade, técnica, talento natural, finesse, exuberância fisica, disciplina, técnica, talento natural e habilidade)?

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Que mané Robson do sítio, nada…

        O Robson era apenas uma “Maria deslumbrada” pelo Djoko.

        Esse daí é não menos do que um sociopata…

        Responder
  64. Marcelo Corrado Krebs

    Pelo menos na quarta ainda tem as semis de Djoko e Thiem………duro será a quinta sem jogos no masculino……….terei de trabalhar………..coisa triste rsrs Pra mim também favoritismo total do espanhol mas como disse o Federer tudo pode acontecer……..5 vitórias nas últimas partidas……torceremos para um jogo disputado

    Responder
  65. Gilvan

    Estou com um pressentimento de que o Zverev cometera o crime amanha. Djokovic ainda nao foi testado, o alemao vem crescendo no torneio e o jogo dos dois casa bem pro Zverev.
    Thiem nao deve ter problemas contra Kachanov, a nao ser que o backhand esteja muito descalibrado (tem ventado bastante em Paris).

    Responder
  66. Renato

    Não acho a façanha de Nadal em 2008 tão gigante assim. Lembremos que Roger teve mononucleose que atrapalhou toda a preparação, o que justifica a derrota pra Rafa, O péssimo jogo que fez em Roland Garros e a derrota pro cotonete na Austrália.

    Responder
      1. José Eduardo Pessanha

        É fato que a mononucleose atrapalhou o Craque no AO 2008. Ela impediu que Federer tivesse uma sequência de finais de Wimbledon 2005 até o Australian Open de 2010. Seria o maior feito da história do esporte mundial. 19 Slams seguidos com o Craque na final.
        Abs

        Responder
        1. Luiz Fabriciano

          Atrapalhou de fato. O Mario Ancic que jamais empunhou uma raquete de tênis novamente como tenista profissional.
          Federer perdeu jogos citados pelo Renato apenas para Nadal e Djokovic, ou seja, uma nova variação da doença: mononucleose seletiva.

          Responder
  67. Renato

    Realmente, quem disse que Roger entrega jogos ou inventa contusões pra não enfrentar Rafa no saibro é demente.
    E quem entregava jogos pra favorecer a mafia das apostas era outro…..

    Rafa em 90% de favoritimos contra Federer no saibro. Mas Roger tem 60% nas hards e 80% na grama contra o mesmo rival.

    Responder
  68. Ricardo Lessa Filho

    Mesmo o Djokovic tendo o h2h superior contra os dois, e o confronto mais repetido da história do tênis seja o sérvio contra o Nadal (inclusive o confronto com maior repetições em finais), existem aqueles que insistem em chamar (mesmo depois de tantos jogos mornos entre Federer e Nadal) O Fedal do maior confronto da história… Os números não mentem e nem a qualidade e igualdade dos jogos. O maior confronto em repetição e qualidade é Djokovic X Nadal.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      De jeito maneira…

      Eu acho Djokovic x Nadal, um dos pareamentos mais ABORRECIDOS do tênis hodierno.

      Porque eles dois jogam praticamente do mesmo jeito!

      Fora um jogo ou outro, é um SACO de assistir.

      Federer x Nadal, por outro lado, é um confronto de estilos.

      Possui ingredientes bem mais interessantes.

      Responder
  69. Paulo F.

    Me recuso a chamar um confronto tão desparelho de rivalidade.
    A maior rivalidade da história do tênis é Djokovic x Nadal.
    Até Federer x Djokovic é muito melhor do que Federer x Nadal.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Poxa, cara.

      Depois você reclama de eu brigar com os Fakes, né?

      Mas ainda não se recusou nem a largar essa CONVERSA FIADA?

      Claro que são rivais sim. Arquirrivais, aliás.

      Somente no saibro, você ainda pode falar em domínio amplo do Nadal.

      Mas clamo a Deus, para que até mesmo isso caia por terra, na próxima sexta-feira…

      Responder
  70. Pedro

    Mestre,

    1) Voce acha que tem alguma chance da outra semi não ser djoko x thiem?
    2) hoje na torcida pelo wawrinka percebi que para ele ser campeão teria que provavelmente bater Federer, Nadal e djoko em sequência. Alguma vez alguém conseguiu isso?

    Obs:
    1) Acho impossivel Federer vencer, mas gostaria que não fosse um massacre para curtirmos o jogo.
    2) Fico feliz por Federer estar demonstrando bom físico, esperança de grande campanha para Wimbledon.

    Responder
  71. Renato

    Só gostaria de saber do Paulo Almeida, que chama TODOS os torcedores de Roger de fetards, fanáticos e apaixonados, apenas por dizer que Roger é melhor da história, opinião compartilhada pelo Dalcim, além das lendas Sampras, Laver, Guga, Ferrer, Borg, Novak, Nadal e vários outros, se ele também chamaria os Djokovistas Rafael, Paulo F, Marcelo Jaca da mesma forma pejorativa, pois os nolistas citados por mim também consideram, momentaneamente, Roger o melhor da história?

    Pega essa picanha! Kkkkkk

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Renato, não chamo todos que acham o Rogério o melhor de todos os tempos de fedtards. Opinião cada um pode ter a sua.

      Para ser considerado um fedtard, é preciso dizer coisas como: não houve entressafra, Roddick, Hewitt, Baghdatis e outros eram geniais; Federer é infinitamente melhor do que Djokovic e Nadal, que não passam de maratenistas; h2h entre os grandes não significa nada; isso entre outras pérolas.

      Dácio Campos, Narck Rodrigues, Mats Wilander e Andre Agassi já declararam que Novak é o melhor que viram jogar e a “opinião” do sérvio e do espanhol é meramente política. Nenhum deles vai se declarar GOAT, pois não seria bom pra ninguém criar um clima no circuito. Isso é coisa de Kyrgios da vida.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Putz!

        Nada a ver o REGO com as calças!

        kkkk

        Impressionante como não se aproveita uma mísera linha do que escreve esse fake.

        Responder
  72. FILIPE

    Federer tem chances; não diria remotas, já que Federer é um gênio, mas a terra batida é o ambiente perfeito para o jogo de Nadal que ainda dispõe de um atleticismo invejável, o que aliado ao seu jogo metódico de muita preparação do golpe e sua onisciência tática o tornam virtualmente imbatível, ainda mais num jogo de cinco sets, que premia a disciplina espartana mental e física. Por outro lado, Federer terá de contar com um primeiro serviço extremamente calibrado para encurtar os pontos. E de fato, será muito estimulante assistir essa partida, porque desde aquele jogo da final do Australian Open, em que o jogo foi decidido no quinto set e Federer sai perdendo na derradeira parcial por 2/0 e buscou a vitória, ele entendeu que podia vencer Nadal e isso o fortaleceu demais animicamente. Tanto é que não perdeu mais para Nadal. Ele entendeu que não basta só a genialidade; ele tem que transpirar, suar a camisa aliado ao seu talento. Acho que se Federer vencer esse jogo e esse torneio, será difícil lhe retirar o designativo do maior de todos os tempos.

    Responder
  73. Juninho

    Meu Deus!!!…AAAAAAJJA CORAÇÃO!!!!como diria Galvão Bueno!!..kkkkkkk…VAMOS ROGEEERRRR!!!…..DALCIM!!!!… previsão do tempo em Paris já sexta feira??……40 graus?? E 0% de umidade??..kkkkk…….só assim p mestre ganhar!!!!…VAMOS!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ouvi um boato de que vai ser no deserto do Saara! rsrsr… Previsão nada animadora, eu diria assustadora: 80% de chuva, com ventos de 30 a 50 km/h e temperatura máxima de 19 graus.

      Responder
  74. Augusto Montenegro

    Federer tem todas as condições de vencer Nadal. Está invicto desde o master 1000 de Roma. Venceu as últimas partidas contra o espanhol. O suíço vai aproveitar os dias de descanso e entrar com todo gás sexta-feira. Lembrar que toda vez nadal entra a mil, superaquecido, e acaba roubando um game do adversário. Allons-y, Federer! Você é nossa esperança de fechar o Djoko-Slam. hahahahaha

    Responder
  75. Renato

    Eu estou achando um barato as noletes torcendo pro suíço endurecer com Nadal, alguns desesperados, outros torcendo por Roger. Kkkkk Estão com medo, ne? Querem o espanhol no bagaço na final pra ter alguma chance.
    Primeiro tem que chegar lá. Boas chances do cotonete rodar pra Zverev ou Thiem.

    Responder
  76. Marcel Azevedo

    Dalcim, fico com bastante dúvida em qual postura Federer terá que tomar contra um Rafael Nadal totalmente agressivo, aonde fez 29 Winners no jogo contra o Nishikori com bolas bem profundas e atacando sempre, qual é a melhor alternativa para o Federer?? Sacar e ir a rede?? Para surpreender o adversário ou ficar plantado na linha de base atacando, se antecipando e pagando a bola na frente isso se ele sacar bem, pois no piso duro ele ataca com o saque coloca duas bolas em quadra na direita e faz um Winner ou um ponto mto rápido!! Creio até que ele terá essa duvida. Forte abc

    Responder
  77. Renato

    Roland Garros vai ferver com o MAIOR clássico do esporte DISPARADO por tudo que envolve. O melhor tenista da história contra o segundo melhor da atual geração(obviamente Roger o melhor), diferença de estilos e o maior número de fãs, além de toda mídia envolvida.
    Sinceramente, eu achava que Roger não passaria nem por Diego(esperava o argentino nas oitavas), então, chegar até as semifinais é um bônus, missão cumprida com sucesso, quem sabe não rola algo mais, sem expectativas?
    Nadal tem 90% do favoritismo, óbvio, o h2h entre os dois no piso diz tudo.
    Se Roger vencer, creio que será a maior Vitória da carreira do suíço.

    Responder
  78. DANILO AFONSO

    Dalcim, você acredita que eventual vitória do FEDERER teria igualmente o mesmo peso que a incrível vitória de NADAL em WB 2008, quando este teve que se reinventar para superar FEDERER no seu melhor hábitat??
    Sei que que aquele duelo ocorreu em uma final, mas…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Seriam situações semelhantes, mas ainda é preciso lembrar que Federer está há muito tempo sem jogar no saibro e chegando aos 38 anos. Então seria algo realmente impensável.

      Responder
  79. Roger Fedeiros - O Comparador!

    “…tenacidade técnica e física dos dois mais importantes tenistas da história…”

    Melhor usar o EPI:

    1) Comparar a técnica de Federer com Nadal é um sacrilégio… kkkkkkkk
    2) Comparar a tenacidade física de Federer com a de Nadal, vai fazer alguém pedir “os sais”
    3) Como assim os “dois mais importantes da história?”… Alguém vai surtar hein?… kkkkkkkk…

    Responder
  80. Fred José Ferreira Ribeiro

    Na quinta Federer vai ter de treinar muito as paralelas. E na sexta executar um jogo buscando as linhas a todo momento. Se não for dessa forma acho muito difícil ganhar.

    PS: Do jogo entre Nadal e Federer sai o campeão do torneio.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que as finais de Wimbledon de 2008, para mim a maior façanha de Nadal, e a do Australian Open de 2017, em que Federer se reinventou.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Konta fez ótima campanha em Roma, mas nem passou da segunda rodada em Madri e perdeu final de Rabat – em que basicamente ganhou de adversárias mais de piso duro – para a Maria Sakkari, não? Foi toda essa campanha dela no saibro.

      Responder
      1. Eduardo

        Konta vem jogando muito bem o torneio. Vondrousova idem (não perdeu set). Portanto, podem não ser as maiores favoritas, mas não são zebras. Muito longe disso. Vondrousova e Konta estavam entre as 15 favoritas nas casas de apostas antes do torneio começar.

        Responder
          1. Eduardo

            Para finalizar, só digo que a Vondrousova ganhou da Halep no saibro há poucas semanas. Não preciso dizer mais nada. Inesperada seria, com todo o respeito, se a Bia Haddad furasse o quali e chegasse à final de Roland Garros. Isso sim seria TOTALMENTE INESPERADO. Vondrousova e Konta, definitivamente não.

  81. Kadu

    Várias vezes foi noticiado hoje que Nadal e RF jogaram na semi em 2011

    não jogaram, foi na final!
    até hoje me machuca aquele primeiro set =/

    na semi, o Federer colocou o Djoko no bolso… que jogo ESPETACULAR!

    Responder
  82. Danilo BR

    Esse Fedal em pleno 2019 e Djokovic do outro lado mostra que não existem adversários à altura do Big 3… os demais tenistas já entram psicologicamente derrotados nos Grand Slam! Até quando veremos os mesmos protagonistas? Nadal e Rolanga é um caso obsessivo que parece que vai durar mais uns 50 anos, e ele ainda terá chances reais em 2069… lamento por essa repetitividade do tênis desde 2005!!!

    Responder
  83. Leandro martins

    Sou fã do tênis agressivo e consequente do Federer,como é bom vê-lo sacar e volear numa quadra tão lenta,e com equipamentos (raquetes)que meio que facilitam passadores hj em dia,acho que a chave contra o Nadal será atacar primeiro ,controlar o spin do espanhol no Bach,e cortar os erros o máximo possível!!parece fácil,mas ganhar do Nadal nessa lentidão é complicadíssimo,mas torceremos que esses dois monstros nos brinde com mais uma epopéia de tênis ,e que vença o que melhor jogar!!!

    Responder
  84. Bruno

    Vai ser a primeira vez que não ficarei triste por uma eventual derrota do Federer.
    Já foi longe demais nesse RG,e perder para Nadal lá não é demérito para ninguém inclusive para ele.
    E os bundoes ainda não se manifestaram.

    Responder
  85. Fernando Pauli

    O tão sonhado FEDAL irá acontecer novamente após aproximadamente 1 ano e meio, (último encontro ATP 1000 de Shangai 2017) e lá em RG já se vão 8 anos. E se encontraram apenas uma vez em SF de RG, lá em 2005. Pelo site da ATP Federer tem 6 vitórias seguidas diante de Nadal (levando em conta o W/O em IW 2019), nunca houve uma sequência dessas no H2H, seja para Nadal ou Federer.
    Federer tem chance de ganhar de Nadal nessa SF de RG? Vejamos.
    A última vitória de Nadal sobre Federer foi no AO 2014 (Hard) há mais de cinco anos, encerrando a última sequência de cinco vitórias sobre Federer, quatro em 2013 e a de 2014. Ano de 2013 onde Nadal estava voando (ganhou 10 torneios, 2 GS, 5 M1000, 2 ATP 500 e 1 ATP 250 e obteve quatro vice-campeonatos). Nadal estava com 26 para 27 anos e Federer 32 para 33 anos. Nessa época Federer não tinha mental para ganhar de Nadal e nem plano tático.
    A grande virada no mental e na confiança veio no AO 2017, ali Federer tirou um caminhão de seu ombro (em relação a Nadal), voltou a jogar um tênis vistoso, agressivo e plástico e vem fazendo isso até agora. Nesse jogo de sexta quem tem a obrigação de ganhar é Nadal, se formos ver a casa de apostas, deverá ser de 3/1 no mínimo para Nadal, já que o jogo será na Chatrier em 5 sets e no saibro, lugar onde Federer jamais venceu seu rival. Só que estamos falando de algo de pelo menos 8 anos atrás, e nesse último confronto a coisa foi apertada até o terceiro set 7/6, 7/5 e 5/7. Os dois fisicamente estão bem e terão pela frente dois dias de descanso. Nadal até agora não pegou nem de longe alguém que o incomodasse, já Federer teve alguém agora. Ambos até agora perderam um set em seus jogos.
    Lógico que as chances de Federer são pequenas, mais se alguns fatores acontecerem nessa partida a favor de Federer, as chances aumentam, a começar pelo tempo, se estiver muito úmido e a quadra pesada, já era. Agora se estiver com sol e sem muita umidade, o saque afiado, devolução de saque no fundo e com um volume de jogo que ponha Nadal na defensiva e Federer na ofensiva, as coisas começam a mudar de figura, principalmente se Federer ganhar os dois primeiros sets. Federer precisa ganhar em 3 ou 4 sets, não vejo nenhuma chance se for para o quinto set. Nadal estava sobrando até a SF do AO desse ano, porém na final só foi Djoko dar um abafa nele no começo que Nadal saiu completamente do eixo, e todos sabemos o que aconteceu. E é como o grande Dalcim sempre diz: “Nunca duvidem de Federer”. E caso dê a lógica, (Nadal nunca perdeu uma SF ou Final em RG) acho que os sets a favor de Nadal não serão elásticos, ou seja não imagino uma surra de Nadal sobre Federer. Federer tem mais é que curtir essa SF em RG, pois deve ser a última, e jogar descontraído. Vai que….

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *