Até o último suor
Por José Nilton Dalcim
2 de junho de 2019 às 19:15

Foram 389 pontos ao longo de 5h09 de um jogo disputado game a game, mínimas vantagens e sempre uma chance de reviravolta. Melhor e mais relevante: Stan Wawrinka e Stefanos Tsitsipas buscaram o tempo todo tomar a iniciativa e encurtar o tempo do adversário, nem que fosse preciso mirar a linha ou se arriscar num voleio voador. Um duelo daqueles que não se esquece tão cedo, talvez o mais empolgante da temporada até aqui.

Wawrinka precisou dar 284 saques e encarou incríveis 27 break-points, dos quais salvou 21. Talvez o mais importante deles tenha sido ali no finalzinho da partida, 5/5 no quinto set e Tsitsipas grudado na rede, em que o suíço conseguiu o ponto numa segunda tentativa de passada batendo o forehand na paralela num autêntico bate-pronto.

Tsitsipas deu o máximo que podia, jogando-se diversas vezes ao chão para bloquear bolas inalcançáveis. Foi nada menos que 74 vezes à rede sem temer o bombardeio do adversário, somou 61 winners e curiosamente terminou a partida com um ponto somado a mais. Completamente compreensível, o garoto de 20 anos confessou pouco depois ter chorado muito no vestiário. Sinal de grandeza. É essa vontade de vencer que tanto se admira.

Stan fez outra magnífica exibição em Paris, e não apenas por seus golpes de base de cair o queixo ou o sangue frio com que encarou tantas pressões. Também aplaudiu os lances notáveis do grego, incentivou participação da torcida, mandou beijo a uma espectadora e consolou Stef na hora amarga da derrota.

Deixa claro que, aos 33 anos, está definitivamente recuperado na parte física. Talvez seja demais pedir que apareça inteiro para enfrentar o amigo e rival Roger Federer dentro de 48 horas. Não bastasse o histórico de 22 derrotas em 25 tentativas, ainda encontrará o compatriota mais famoso descansado e confiante. Vale no entanto lembrar que a última vitória de Stan sobre Roger foi exatamente nas quartas de Paris de quatro anos atrás na trajetória de seu título inesperado.

Mais um passeio
Federer e Rafael Nadala justificaram amplamente o favoritismo diante dos argentinos. A tarefa do suíço foi ainda mais tranquila porque Leonardo Mayer conseguiu fazer pouco com o serviço. Esperto, Roger pressionou sempre as devoluções, usou o slice à maestria e explorou a rede para concluir games rapidíssimos no mais deslumbrante saque-voleio. Alguém avisou Federer que a temporada de grama só começa dentro de oito dias?

Nadal e Juan Ignacio Londero encararam rajadas de ventos terríveis na Philippe Chatrier e a adaptação não foi fácil. O argentino começou nervoso mas depois se soltou, encarou as trocas sem medo, foi abusado e premiado com uma quebra de saque. O espanhol novamente me deixou ótima impressão: 39 winners, forehand afiadíssimo, backhand batido na primeira oportunidade, um ritmo pesado, envolvente, sufocante. Londero, a certa altura, virou para o box e revelou: não tinha mais fôlego.

Há grande chance de Rafa reencontrar Kei Nishikori, que até já podia ter ido dormir classificado, mas falhou no tiebreak e terá de voltar à quadra para tentar mais um set diante de Benoit Paire.

Stephens supera teste
Aumentou a chance de uma segunda final seguida entre Simona Halep e Sloane Stephens em Roland Garros. A norte-americana também garantiu lugar nas quartas de final ao recuperar um começo ruim e ver Garbiñe Muguruza abrir 3/1. A espanhola no entanto só ganharia mais quatro games na partida.

A tarefa de Stephens continua exigente. Encara agora Johanna Konta, que a venceu dias atrás em Roma mas que nunca foi tão longe em Paris. É outro jogo em que a norte-americana terá de encarar uma adversária que prefere sempre o ataque.

Petra Martic venceu num jogo muito instável diante de Kaia Kanepi, que perdeu inúmeras chances na partida. Pela primeira vez nas quartas, a croata de 28 anos encara a jovem tcheca Marketa Vondrousova. A canhota de 19 anos arrasou Anastasija Sevastova e é mais uma novata que se candidata a surpresa em Paris.

A segunda-feira
– Djokovic pode se tornar o único homem a atingir 10 quartas consecutivas no torneio se passar por Struff. Um dia quente como neste domingo aumenta as chances do alemão. Previsão no entanto é de 25 graus.
– Monfils tenta se igualar a Noah e Leconte como franceses com mais quartas em Paris (5). Nunca venceu Thiem em 4 duelos, 2 no saibro.
– A única presença em quartas de Slam veio em Roland Garros tanto Zverev como para Fognini. Italiano nunca esteve tão perto do sonhado top 10.
– Delpo lidera duelo contra Khachanov por 3 a 0 e tenta 14ª presença em quartas de Slam, aproximando-se assim das 19 do recordista argentino Vilas.
– Esta é apenas a terceira vez na Era Profissional que os 10 principais cabeças atingiram as oitavas de um mesmo Slam, repetindo Paris-68 e Austrália-70.
– Nova geração domina rodada feminina que completa as oitavas de final. Halep é favorita diante de Swiatek (18 anos) e aguarda Anisimova (17) ou Bolsova (21).
– O outro quadrante também tem novidades: Kenin (20), que tirou Serena, e Siniakova (23), algoz de Osaka. Favoritismo da experiência de Barty e Keys.


Comentários
  1. Luiz Fernando

    Quem imaginaria q Delpo, q fez grandes partidas em Roma, perderia hj p CX9, que vinha em péssimo momento. Isso deve alertar a todos p a possibilidade de resultados inesperados nas quartas, que tem claros favoritos nos confrontos.

    Responder
  2. Rodrigo S. Cruz

    Um dia totalmente decepcionante pra mim…

    Primeiro, o Fognini não joga nada do que pode, e perde pro Zverev.

    E agora, o Del Potro, vulgo “CANSADÃO”, quase não oferece resistência,e cai pro russo Caixa 9.

    Responder
  3. Jorge

    Boas, Dalcim!
    Sei que não é exatamente sobre o esporte em si, mas queria falar sobre o nível da transmissão do tal do Bandsports. E não só sobre a escolha discutível de ficar mostrando jogo de duplas quando tem outro jogo “grande” rolando só por que há brasileiro em quadra, isso todas fazem igual, erram igual (o número de comentários nas redes sociais no momento da transmissão corroboram essa afirmação) e não consigo imaginar qual a lógica distorcida que leva alguma emissora a fazer isso.
    Queria falar sobre os profissionais, narradores e comentaristas. Bom, pra começar, o tal do Oliveira Andrade já deveria estar narrando dominó ou bocha já há algum tempo – saber a hora de parar também é considerada uma bela qualidade. O tal do Álvaro José, que também já está caminhado para o fim (pra mim, não era bom nem quando era novo), confunde lembrar quem ganhou de quem na final de um Slam em 1978 com entender do esporte. Longe disso. Sem contar as gracinhas nível Praça é Nossa. E tem um tal de Cacá alguma coisa, meu Deus, tenho dúvidas inclusive que sequer entende minimamente a dinâmica do jogo, além de claramente estar precisando de lentes mais grossas nos óculos! No campo dos comentaristas, o Chiquinho deve carregar algum tipo de recorde, algo como “homem que há mais tempo cobre um esporte sem entender desse esporte”. O Saretta entende bem (bem mais do jogava, aliás) mas é tipo um Fognini (rs) só quando está a fim, no mais, também só fica de brincadeirinhas, falando de roupa de jogador, de olho no Instagram, mandando abraço pra amigo, pra parente, pra padeiro do bairro e etc, além de “vira-e-mexe” dar uma castigada na Língua Portuguesa. A Dadá, poxa, tem que dar um desconto, ela só fala obviedades, mas pelo menos não irrita, talvez às vezes, vai (rs). O Renato Messias é o melhor, entende bem e não fala asneiras ou obviedades, nem entra nas brincadeirinhas.
    Para finalizar, queria dizer que chamo esse meu texto de “uma ode ao que ninguém está nem aí” 😀

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Na boa , Jorge . Qualquer cara que tenha uma idade um pouco mais elevada , vocês detonam. Álvaro José, detentor de varios prêmios de mídia , narrou o Épico jogo na Globo Aberta entre Connors x McEnroe , partida histórica pra TV Brasileira em 82. A voz das Olimpíadas entende bem do riscado. Embora não seja Comentarista. Atualmente repete muito o famoso “ melhor de Todos os Tempos “ ou “ Sua Majestade “ , para o Suíço Roger Federer. Isto desagrada algumas crianças. Os demais estão no nível das outras emissoras , exceto SporTV . Isto é óbvio, a meu ver. Abs!

      Responder
      1. Jorge

        Prezado,

        A única coisa minimamente aproveitável (porém incrivelmente óbvia!) que esse senhor se presta a comentar é isso, que o RF é o Rei e o GOAT.

        Quanto as crianças que o amigo citou, me incluo aí, viu?! E temo que é a maioria da audiência, se comparada a quem se lembra bem de algo que ocorreu em 1982.

        Sds,

        Responder
  4. Fernando Pauli

    Olá Dalcim.
    Por qual razão não colocaram os dois jogos masculino na quadra principal e os dois femininos na Lenglen? Pois quando estiver jogando o Federer todo mundo vai querer ver e a Chatrier vai estar vazia. Quando começar o jogo do Nadal e terminado o jogo do Federer, todo mundo volta para a Chatrier. De qualquer forma o jogo do feminino ficará esvaziado. E o pior que se o jogo dos suíços demorar, teremos dois jogos de quartas do masculino ao mesmo tempo. Essa é a diferença do padrão americano e australiano para o francês, anos-luz na frente.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Há um acordo para sempre haver um masculino e um feminino em cada estádio, Fernando. Mas acredito que a ameaça de chuva a partir do fim de tarde seja o principal motivo para não se arriscar a colocar os dois masculino na mesma quadra.

      Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Não exatamente.

      O que ocorre é que o Gael Monfils é um freguês de CARTEIRINHA do Dominic Thiem!

      Preciso conferir com exatidão.

      Mas acho que o francês nunca o venceu, em 5 ou 6 confrontos…

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Tinham se enfrentado apenas 4 vezes , Rodrigo. E o SuperEstimado bateu o último Francês vivo no Torneio , e dentro de Casa, com direito a jogada mais espetacular até agora do Torneio. Dominic é o Top 4 , que defende a FINAL. Bem ao contrário do que o Pessanha e a “ Turminha “ previam a apenas alguns meses rsrsrs Abs!

        Responder
  5. Igor

    Dalcim, boa tarde!

    Acompanho diariamente seu blog e análises, sempre bem esclarecedoras e de uma lucidez ímpar. Me apaixonei pelo tênis ainda em 2012, com o título do Federer em Wimbledon, e desde então não larguei mais esse “vício”. Sou torcedor do suíço, sem, contudo, desmerecer os demais membros do Big Three o(ou Four), sendo exatamente uma das minhas melhores experiências assistir ao vivo as quartas de final das Olimpíadas 2016 (Murray X Fognini e Nadal X Simon). Meu sonho de ver o Federer em Wimbledon dificilmente será realizado… rsrs

    Agradeço-lhe enormemente por, através do seu trabalho, renovar todos os dias esse apreço pelo tênis, não obstante me irrite bastante o embate irracional que por vezes alguns membros do blog travam, sem qualquer sentido. Parece que, longe de enaltecer o tênis – e até mesmo seu ídolo -, algumas pessoas tem “tara” por desconstruir os outros.

    Por fim, fica uma pergunta/dúvida: a alguns dias atrás, e hoje novamente, você comentou que para aumentar as chances de Federer vencer o Nadal em RG, o saibro deveria estar mais seco (dia com sol), para o jogo ficar mais veloz. Embora, a princípio, tende a concordar com essa afirmativa, esse saibro mais seco não “potencializa” o efeito do top spin do espanhol na esquerda do suíço (questão que certamente mais o incomoda, especialmente nesse piso)? A bola não sobe mais nos dias quentes, de saibro seco? Nesse cenário, os dias mais úmidos em Paris, com o saibro mais pesado, não tenderiam a reduzir o efeito do topspin, o que contrabalançaria o fato do jogo ficar mais lento? Além disso, esse jogo mais lento não permitiria que o suíço pegasse a bola mais facilmente na subida, notadamente no backhand, o que facilitaria as mudanças de direção e encarar os ralis?

    Em suma, o fato do piso mais “pesado”, e portanto, mais lento, não poderia contrabalançar com a perda de topspin e a facilitação da “esquerda na subida”?

    Muito obrigado pela atenção!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado pelas palavras antes de tudo, Igor. O melhor exemplo sobre essa questão técnica do piso mais veloz pode se espelhar na final do Australian Open de 2017, num piso bem rápido. Antes de pensar no topspin espetacular do Nadal, é preciso ver o quanto o piso rápido ajuda o trabalho do saque do Federer e sua definição curta dos pontos, sem deixar que o espanhol entre tanto nos pontos. Obviamente, sempre que houver trocas mais longas, Nadal terá essa vantagem e aí não faz muita diferença se é piso rápido ou lento. Não é conveniente para o suíço entrar nos ralis e assim o piso veloz permite que ele tente deslocar o espanhol e encurtar os pontos. O bloqueio do backhand na subida é essencial para isso, mas se a quadra estiver mais lenta Nadal terá maior facilidade em chegar na bola e contragolpear. Abs!

      Responder
  6. Renato

    Federer, Nadal, Zverev, Novak, Thiem, Khachanov, Stan…. Tem muita gente jogando bem. Na parte de cima, está cada vez mais imprevisível quem vai chegar na semi. Na parte de baixo, está cada vez mais certo.

    Responder
  7. JOSÉ EDUARDO PESSANHA

    Dalcim,

    Você notou um aumento no carisma do Wawrinka nesses últimos tempos? Antigamente o nível de carisma dele era do nível do Bautista-Agut ou do Japa. Agora ele está interagindo com a platéia. E isso é benéfico pro jogo dele (e de qualquer tenista).
    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Muito bem observado, Pessanha. Eu acho que Stan conseguiu nos últimos anos ficar mais descontraído em quadra, e isso ajuda muito. Deixou de ser carrancudo, mal-humorado. A idade, as contusões, a família… tudo ajuda nisso.

      Responder
  8. Luiz Fernando

    Dalcim, nas quartas temos 4 favoritos: Djoko, Nadal, Federer e Thiem. Quem desses vc considera menos favorito? Eu diria Thiem, no caso de encarar Delpo…

    Responder
  9. Cassio

    Um texto maravilhoso do grego Stefanos! Um prazer de ler e de acompanhar esse jovem que, pelo o que escreve e diz, mostra que sua perspectiva é sutil, carismática e artística (do esporte e da vida). Vai muito além da visão do público (internautas) em geral manifestada em comentarios que se acreditam na condição de setenciar o destino dos outros provando que realmente a HUMILDADE é mesmo difícil de se praticar (“Vai ser número 1”, “esse é melhor”, “esse é o tal”, “esse é mediocre” etc). Desde de que lugar, em nossa própria vida estamos posicionados para pensar assim do outro? De um jogador? De um atleta? Ou artista? O que você diria de você mesmo usando o mesmo juízo? É… é duro. Por isso, para mim, o texto do Tsisipas tem o incrível e simples poder de deixar aberta a possibilidade de nos tirar da obviedade do mundo, do entretenimento e do esporte e olhar para nós mesmo. Mesmo que seja por um instante. Aproveitem. Obrigado, jovem grego!

    Responder
    1. Gabi

      Pode até ser.
      Mas, por exemplo, o Curry ontem jogou com mais de 39 de febre e, nos últimos 5 minutos do segundo quarto, o camisa 30 do Warriors apareceu, matou uma bola atrás da outra, fez 12 pontos praticamente seguidos e reduziu a margem dos donos da casa pra cinco pontos no intervalo (59-54).
      Óbvio, cada um é cada um, e cada pessoa reage a lesões e doenças de um jeito…

      Responder
  10. Rodrigo S. Cruz

    [Paulo F.]

    3 de junho de 2019 às 07:43

    “Eu vi do quanto é superior o drop do suíço contra o excepcional jogador Mayer”.

    Tá bom, Paulo.

    Os drops do Federer são uma porcaria.

    Bom mesmo são os do Djoko…

    (rs)

    Responder
  11. Rodrigo S. Cruz

    Hoje o Fognini jogou muito mal.

    Errou o que podia, e o que não podia.

    Até mesmo aquela arma que ele tem, o backhand na paralela, que tanto estrago causou no Nadal, hoje sumiu.

    Todas que ele tentou, ficou no pé da rede.

    Uma pena.

    Quanto ao Zverev, mostrou insegurança e instabilidade em alguns momentos.

    Acho que não vai dar nem pra SAÍDA, diante da consistência de Djokovic.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Assim é fácil, né Rodrigo ? Hoje ele não conseguiu executar … Ao contrário do N 1 e do N 2 ( ambos em grande forma ) Fognini aumenta a sua crescente freguesia contra a “ Farsa “ Next Gen , e quem diria, logo para o que está em ma’ fase. Em pleno SLAM no Saibro perde pro ridicularizado pelo “ grupinho “ , Zé Verev ou Danoninho “ Russo “ e outras babaquices . Uma demonstração que Tênis é muito mais que apenas Talento. E ao não conseguirem perceber os que amaduram mais tarde , me desculpe, que torçam para anti-atletas como Fognini, Kyrgios e Gulbis da vida. Abs!

      Responder
  12. Renato

    Thiem indiscutivelmente vem apresentando o jogo mais legal de assistir e o melhor jogo da chave de cima, deve estar na final sem sombras de dívida. Vai atropelando o supervalorizado Monfis.

    Responder
  13. Gabi

    Se eu pudesse escolher três tenistas vivo(a)s pra sentar comigo numa mesa de bar:

    Nadal
    Feliciano Lopez
    Steffi Graf (ela do meu lado rsrsrs)

    Responder
  14. Sônia

    Depois dessa atitude, dizer o quê? ThieMito voce é lindo “por demais”, tremendo fair play, te amo. Difícil tua caminhada, estamos na torcida, mas muito difícil tua caminhada. Jamais desanime lindão pois os justos sempre serão recompensados. Beijos.

    Responder
  15. Luiz Fernando

    Talvez p não melindrar alguns poderíamos substituir o temo vassalagem por freguesia absurda. E engraçado, há alguns dias o Renato disse q Wawrinka contra Federer era amarelesco, brincando com título de um post, e ninguém disse nada, agora surge a turma defensora dos fracos e oprimidos, vai entender..,

    Responder
  16. Ronildo

    Eu nunca engoli os comportamentos da Serena e da Sharapova. Sempre torci contra elas seja qual fosse a adversária. Jogo entre elas: não tinha vontade de ver.

    Apesar de não gostar de suas atitudes, respeito bastante suas conquistas, pois precisa muito empenho para ser vencedor no circuito profissional de tênis. São guerreiras.

    Responder
  17. Maurício Luís *

    *****NADAL E O TÚNEL DO TEMPO*****
    O ano é 2020. Niver de 1 ano de casamento e o baloeriro se esqueceu. Ele pergunta à esposa:
    – Benzinho… por que você tá com essa cara de quem perdeu o quinto set no tiebreak?
    – É porque você se esqueceu que dia é hoje.
    – Puxa… esqueci o que? Tem dica?
    – NÃO!!
    – Xá pensar… AAAHH, LEMBREI! É dia de por o LIXO pra fora!!

    Responder
  18. Paulo Almeida

    Mais uma partida magistral do maior e melhor de todos os tempos DjokoGOAT mostrando todo o seu arsenal de golpes. Acertou inclusive smashes dificílimos e deu os seus drops sensacionais de sempre. Aliás, o Fregueser precisa de umas aulinhas com o sérvio nesse último quesito.

    Pior do que ler fedtard falando que o jogo do Djokovic é chato (por puro recalque e inveja) é ler que Wawrinka faria mais falta do que o Murray faz.
    Patético.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Patético e invejoso é querer USURPAR para si, o que é de outrem…

      kkkkk

      Insinuar que o drop-shot selo de qualidade “Djoko-cô” seja melhor que o drop selo de qualidade “Federer”, é o que?

      Nada! Invejinha e mais nada!

      kkkkk

      Seria a mesma coisa de um federista dizer que o backhand do suíço é melhor que o do Djoko.

      Abs.

      Responder
  19. Samdra

    Dalcim, tanto no masculino, quanto no feminino, que tipo de bolso, eles conseguem colocar as bolinhas para não cair?. e perde ponto se cair? Ou são os boleiros que entregam as bolas???

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O bolso comum a qualquer calção de tênis, Sandra. Nada diferente. São advertidos na primeira vez que cair a bola, perdem o ponto a partir daí toda vez que a bola cair. O mesmo vale para o boné.

      Responder
  20. Paulo F.

    Djokovic, em Slams, realmente não fica no piloto automático.
    Evita-se assim os desgastes tolos e desnecessários como contra Schwarzmann em Roma, por exemplo.

    Responder
  21. Luiz Fernando

    Djoko vai atropelando Struff, me parece dos caras do Big3 o q está jogando melhor. E o japa parece ter ressuscitado contra Paire e o jogo vai se estendendo, Rafa agradece…

    Responder
  22. Ricardo

    Fala Dalcim

    Em um eventual confronto com Nadal, quem vc acha que teria uma “lasquinha” a mais de chance de vencer: Paire ou Nishikori?

    Responder
  23. Pedro

    Dalcim,

    Sobre a programação exibida na TV, é difícil agradar a todos, mas acho que o jogo do Wawrinka com o grego deveria ter tido prioridade ontem. Todo mundo já imaginava a qualidade da partida, e só conseguimos ver pela TV o último set.

    Responder
    1. Barocos

      A Band passou o jogo na íntegra via Internet. Não tem a mesma resolução da transmissão em HD, mas deu para ver tudo com boa qualidade.

      Conforme já repeti várias vezes, foi um jogaço, dos melhores dos últimos anos.

      Responder
  24. Luiz Fernando

    Inesperadamente Nishikori vai naufragando no quinto set, demonstrando o q todos sabem: seu preparo físico é fraco. Paire lidera por 41, Rafa agradece…

    Responder
    1. Renato

      Nadal não depende do desgaste de ninguém pra ser favorito absoluto. Mesmo se Nishi vencesse o jogo por 3 x 0, em 1:30, não vai escapar do massacre contra o espanhol.

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Continue ” assistindo ” pelo Live Score que continuará errando como sempre , cabecinha ” oca ” que é o que a moderação permite. Seu comentário dizia que STANIMAL perderá por ser ” Vassalo ” . Sempre desrespeitou também THE MAN. Somente que no Saibro ele possui Vitórias sobre o Craque que o credenciam. Tá bom pra você ? Abs !

      Responder
      1. Luiz Fernando

        Serginho, não se magoe por pouco, vc é meu ídolo aqui no blog, afinal, vendo a forma com a qual vc se refere aos demais nas suas postagens me inspiro todos os dias p agir completamente diferente kkkk. Grande abraço.

        Responder
  25. Samdra

    Dalcim, a impressão que dá que o jogo do Djokovic qualquer um passa por cima dele , e ele ainda bem que ganha , porque? O que ele faz? Dito isso , fica difícil vencer Federer, Stan, que não perdem saques , e o Nadal que na correria também não perde? Aliás brincadeirinhas , quantas voltas ao mundo você acha que Nadal já teria dado?

    Responder
  26. Sônia

    Rsrsrs… zapeando os canais aqui e confesso estar boquiaberta com a ausência de público (oitavas-de-final de um Slam) para prestigiar o atual número 1, o tenista que está destruindo todos os recordes, o tenista que irá vencer esse RG. Puxa vida, o que se passa? Desse jeito, infelizmente poucas pessoas receberão os coraçõeszinhos rsrs. Se bem que, vai que terminando as partidas nas outras quadras, o público cria coragem e decide prestigiar. Eu, infelizmente não poderei dar essa força pois estou assistindo esse joguinho do japa vs bipolar e aguardando ansiosamente ThieMito vs Monfils. Beijos.

    Responder
    1. delei

      eu particularmente nem ligo pra essa coisa de torcida, talvez se djoko fosse o que tivesse maior numero de admiradores entre todos acho que nem torceria pra ele, assim como no futebol, nem ligo que flamengo e corinthians tenham torcedores em todo quanto é canto, que o sérvio continue sendo o ”terceiro” no quesito torcida, porque nos numeros vai ser o primeiro entre todos, com pouca ou bastante gente assistindo e gostando do estilo de jogo dele ou nao NAO VAI TER JEITO !!!

      Responder
    2. Angela B.

      Rsrsrs… zapeando os canais aqui e confesso estar boquiaberta com a ausência de público (oitavas-de-final de um Slam) para prestigiar o atual número 1, o tenista que está destruindo todos os recordes, o tenista que irá vencer esse RG. Puxa vida, o que se passa? Desse jeito, infelizmente poucas pessoas receberão os coraçõeszinhos rsrs. Se bem que, vai que terminando as partidas nas outras quadras, o público cria coragem e decide prestigiar. Eu, infelizmente não poderei dar essa força pois estou assistindo esse joguinho do japa vs bipolar e aguardando ansiosa ThieMito vs Monfils. Beijos.

      Para quem frequenta Roland Garros, sabe que na maioria dos jogos as quadras tem estado mais vazias que nos anos anteriores, especialmente a quadra Philippe-Chatrier. E isso nao tem nada a ver com Nole, Federer ou Nadal, ou com ingressos ‘muito caros”…..Isso tem a ver com o movimento do gilets jaunes (jaquetas amarelas) que alem de estarem boicotando Roland Garros, estao todos os sabados protestando nas capitais francesas contra o establishment, Macron, e tudo que eh neo-liberal, autoritario e capitalista. Porem, a imprensa marron no Brasil nao divulga essas noticias, ne??? E claro, vc como bolsominian, que apenas se informa pelo Whatss, uol e globo…acha que eh “culpa” do Djokovic (!!). Amusant!
      Cherie, sai da bolha e vai se informar melhor. Ps- sou torcedora do Federer, viu? 😉

      Responder
  27. Paulo F.

    Teremos um novo Fedal em RG depois de tanto tempo, quiçá o derradeiro.
    Sua quarta de final será um mero protocolo contra o seu vassalo cansado.

    Responder
      1. Paulo F.

        Sim, mestre!
        Que ironia que um dos maiores confrontos da história do tênis nunca ocorreu no US Open né?
        E isso que um deles possui 03 títulos e o outro 05.

        Responder
  28. Ronildo

    Tsitsipas é um tenista formidável com tão pouca idade. Com essa idade e dos dos tenistas ainda em ação, apenas Nadal foi superior à ele em minha opinião. O quanto de excelentes resultados ele consegue no saibro é sinônimo de sua determinação assim como é o caso do Nadal. Já que no saibro, como todos sabem, a definição dos pontos é mais demorada, e enquanto não se definem eles estão lá, lutando até o último segundo. Já na quadra dura, a coisa é diferente. Por isso mesmo a derrota do Tsitsipas para o Aliassime na primeira rodada de um master 1000 este ano. Porém, Tsitsipas é um um tenista completamente diferente de Nadal no quesito habilidades e se sua postura continuar assim vai dominar o circuito em todo tipo de quadra. Formidável!!!
    Porém, ainda espero que Zverev retome e até melhore a qualidade do tênis que mostrou ano passado quando foi campeão sem ter o saque quebrado em Madrid e calou a boca de todos que davam como certa a conquista de mais um ATP Finals por parte de Djokovic. Se isto acontecer, será um adversário à altura de Tsitsipas, assim como Federer, Nadal e Djokovic são um do outro. E tem a provável evolução de outros jovens tenistas ainda, como Aliassime, por exemplo.

    Responder
    1. Alessandro Siqueira

      Na idade de Tsitsipas, Djokovic já tinha final do USOpen e já tinha ganhado o Aberto da Austrália. Sim, o sérvio é de maio de 1987 e faturou o aberto da terra dos cangurus em janeiro de 2008. Além disso, já tinha Master 1000 no bolso antes dos 20 anos. Ganhou Miami em abril de 2007. Meses depois, já com 20 anos, levou Toronto, ganhando de Federer na final.

      Responder
    2. HeitorD

      Djokovic já era campeão de Grand Slam. Com poucos meses a menos, mas já era. O pessoal parece que se esquece que o Djokovic ganhou seu primeiro Slam aos 20 anos…

      Responder
  29. Lucas

    Dalcim, por que toda quadra de saibro nos torneios profissionais tem uma caixinha alinhada à rede, como esta com a marca do patrocinador em Roland Garros? Outra pergunta: numa eventual SF, as adaptações de jogo que o Federer vem fazendo desde 2017 são bastantes para finalmente vencer o Nadal no saibro em Roland Garros? Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, isso é reminiscência dos tempos em que existia o ‘juiz de net’, um juiz que ficava ali do lado com o dedinho no topo da rede para detectar se a bola resvalava na fita durante o saque, gritando um sonoro “filé”! Acho que aproveitaram principalmente para manter o patrocinador bem visível. Acho que para o Federer vencer o Nadal no saibro é necessário antes de tudo que o espanhol não jogue no seu máximo potencial e que o dia esteja bem seco para permitir um jogo mais veloz.

      Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Naquele caso do árbitro de cadeira foi assim.

      Ela estava 100% errada, mas quando viu que não ia conseguir ganhar no grito, partiu para acusações malucas.

      Aliás, até hoje me pergunto:

      Como diabos o Carlos Ramos seria ” sexista”, só porque decidiu dar o ponto à outra tenista?

      A Serena naquele dia jogava com um homem, por acaso?

      kkkkk

      Responder
      1. Eu

        Sim, por isso que eu disse que só faltava desta vez ela tb falar, por exemplo, que a sala de entrevista estava com o Thiem porque ela é mulher, e mulher tem de esperar!!
        Muito ridículo o argumento sexista dela no caso que vc citou!!

        Responder
  30. Rodrigo S. Cruz

    Ah, e quase ia me esquecendo de comentar:

    Que raiva me dá essa “parada” do Wawrinka SEMPRE, ETERNAMENTE cair na chave do Federer.

    Justamente o cara que ele mais detesta enfrentar…

    Não fosse a cantilena insuportável de acusarem o Federer de fugir de A ou B, eu torceria até com VUVUZELA pro Stan ganhar…

    Apesar de que vencer Federer, Nadal e Djokovic , no mesmo torneio?

    kkkkk

    Chega a ser ridículo pensar, de tão impossível que isso deve ser…

    Responder
  31. Sônia

    Muito legal saber que o grego disse que chorou todas no vestiário. Fiquei mais fã ainda tendo a certeza que o grego não é um macho alfa. Beijos.

    Responder
  32. Rodrigo S. Cruz

    A Serena Williams tem agido como uma tremenda mau-caráter…

    Não consigo ser brando.

    Como se fosse coisa de somenos:

    1. As encaradas que sempre fez às adversárias (com objetivo claro de intimidar) ;

    2. Os gritos histéricos de quando comemora pontos, ou salva break-points.

    3. E o assédio moral que já fez tantos com juízas de cadeira.

    Ainda se mostra ser esse “animal” fora das quadras…

    Eu me pergunto como uma pessoa que tanto se queixou de sofrer preconceitos, não ter aprendido com isso…

    Teria se tornado uma super-campeã para fazer com outros, aquilo que os “bullies” dela fizeram com ela ?

    Primeiro foi aquela PALHAÇADA com o árbitro de cadeira Carlos Ramos.

    E agora o mal-estar que a pedante, prepotente, causou ao Dominic Thiem.

    Ah, se eu fosse ele…

    Acho que teria levado um ” lança-chamas” para aquela sala.

    kkkkk

    Se a americana não aprendeu a lidar com derrotas, ou não se conforma em perder de ninguém, (o que tem sido mais recorrente agora) é simples:

    Pega o bonezinho e se manda…

    Uma boa oportunidade para alguns que detestam o Federer, reverem um pouco seus conceitos.

    O suíço tem quase o mesmo número de Majors que Serena, mas sempre teve um comportamento exemplar, tanto nas vitórias como nas derrotas…

    Como, aliás, bem pontuado pelo Thiem:

    “Federer e Nadal JAMAIS fariam uma coisa desse tipo”.

    Responder
  33. Miguel Delfes

    Por mais q os organizadores do evento sobre as entrevistas possam ter errado..a Serena foi de uma grosseria felizmente rara neste nobre esporte..
    Thiem na minha opinião jamais deveria ter saído..ter mais $$..mais títulos..mais fama..não faz de um jogador uma pessoa maior q a outra a ponto de desrespeitá-la..
    Mais uma mancha em sua tão vitoriosa carreira..

    Responder
  34. Rodrigo S. Cruz

    [R. P.]

    2 de junho de 2019 às 22:03

    “(…) Wawrinka é vassalo sim, mas mesmo jogando só a bagaça vai ganhar do Leão da Montanha, pois este vai achar uma “saída pela esquerda” para não enfrentar o Saibral. E o Stan será “istraçaiado” na semi”.

    Cara,

    Você não sabe o PRAZER que vai me dar imaginar a tua cara de tacho (e a do Chetnik), no exato momento em que o Federer derrotar o Stan na terça próxima, e sepultar completamente com essa babaquice que vocês tanto amam.

    Terão de inventar um outro tipo de lorota, para acusarem o Federer, porque essa não vai colar mais.

    E olha que ainda pode ser apenas o “couvert”.

    Já que o prato principal seria curtir coma a cara de vocês, caso o Rogério apronte para cima do Nadal também…

    Responder
    1. R. P.

      Tu ficará muito sem graça ao ver o Waw cansadão arrancar o couro do “Leão da Montanha”. Arrumar uma “lesão na perna” em semi de majors é muito mais difícil. Melhor perder na quadra e depois assistir de boas o Saibral trucidar o vassalo, já que o Waw estende a vassalagem também até a Espanha.

      Responder
  35. Ramon mota

    Venho acompanhando o grego desde o masters do Canadá, ano passado. Incrível a sua evolução. No início do ano protagonizou umas situações que não gostei muito, o achei um tanto arrogante com os boleirinhos e com os adversários, mas logo vi do que se trata: ele é extremamente concentrado e tem uma VONTADE de vencer absurda, que nem de longe vejo o thiem ou Zverev ter.

    Dalcim, na minha opinião tsitsipas número 1, não sei se em 2020 mas logo logo ele será o cara a ser batido. Mesmo as derrotas que vem tendo ele vende caro, ele fica no jogo. Olha, esse menino pode escrever bons capítulos na história do tênis. Djockovic até mostrar uma postura grande demorou bastante. Sempre q via os jogos deled ele ers spenas um jogador ok, ganhador, mas ok, só depois virou um assassino. Federer e Nadal foram mais meteoricos. Nadal até mais q o Federer. Mas de qquer forma ambos ja tinham um espírito matador desde o inicio e engrossavam pra qualquer um, igualzinho ao tsitsipas. Vejo um futuro promissor no tênis.

    Responder
      1. R. P.

        E já tinha feito final de USO antes disso, além de campeão de M1000. Tudo isso sem saber que era celíaco.

        Lembrando, exceto o ano horroroso de 2017, Djoko sempre fez final ou semi desde 2007. Na idade do grego “next Goat”, Djoko tinha 1 título, 2 finais e 4 semi. Com 20 anos e 10 meses o “fenômeno” grego tem o que mesmo? Uma semi no AO 2019, onde foi varrido, com pneu e tudo, pelo Saibral.

        Responder
  36. Rodrigo S. Cruz

    Numa das melhores partidas já vistas em RG, Stan Wawrinka mostrou porque seu jogo fascina a tantos…

    Stefanos Tsitsipas foi um adversário formidável, valorizando ao extremo a vitória do suíço.

    Este jovem grego tem uma postura admirável, e parece que nasceu para brilhar.

    Não hesita nunca em agredir, e nem tem medo de arriscar.

    E já mostrou em RG e alhures que não se intimida quando enfrenta um grande adversário.

    Bem mais maduro do que muito veterano que tem por aí…

    Por isso, acredito que conquistará tudo aquilo que o Nick Kyrgios não se empenha em perseguir, ou o que o Sacha Zverev persegue, mas falha…

    Por outro lado, como é bonito ver esse tal de Stan Wawrinka jogar o que pode.

    Se ele cara se aposentasse por lesão, acho que seria uma perda MIL VEZES maior do que a de Andy Murray.

    Nem o britânico, nem o Djoko, e muito menos o Nadal conseguiriam produzir um show desses, com uma raquete na mão…

    Que plasticidade, que beleza de técnica!

    É uma pena que alguns aqui ainda não tenham sensibilidade para admirar um jogador igual a esse.

    Preferem aquele multi-vencedor protocolar, cujas partidas muitas vezes dão sono…

    Todavia, o Stan não precisa ganhar do seu compatriota para ter o meu respeito.

    Basta apenas produzir espetáculos como o de hoje.

    Foram apenas 5 saques cedidos nas 27 vezes que Tsitsipas o ameaçou.

    Monstro!

    E uma boa resposta para aqueles que também duvidam da sua força mental…

    Responder
    1. Daniel

      Perfeito comentário Rodrigo.

      Inclusive é por isso que alguns fãs do Djokovic se exaltam tanto na hora de denegrir o Federer: é puro recalque e inveja pelo fato do jogador deles não ter nada de interessante para mostrar além de consistência na troca bolas. Como vc disse, o jogo dá sono. Muita gente prefere assistir a um Wawrinka, Tsitsipas, Del Potro, etc.

      Essa galera possui a mesma mentalidade do típico torcedor de futebol. O que importa é o resultado. Ainda bem que no momento parece que os tenistas mais promissores não se parecem em nada com os maratonistas. O futuro do tênis será bom após o Federer

      Responder
    2. R. P.

      Normal os vassalos do suíço sempre serem enaltecidos: “Oh, que técnica, que espetáculo, que freguês!”.

      Enquanto isso, qualquer um que derruba o pedestal joga feio, tem pouca técnica, golpes medíocres, talento pouco, etc, etc, etc, etc.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Nunca gostei do Wawrinka por ele ser “vassalo” do Federer.

        Gosto do Wawrinka porque gosto de TÊNIS.

        Olhe ao seu redor.

        Tá todo mundo aí babando pelo jogo, exceto você e alguns dos que compõem essa torcidinha ridícula do Nole.

        Vocês sofrem de uma espécie de complexo de inferioridade, só pode…

        Bua, buá, não elogiou o meu Djokinho.

        Puta que pariu…

        Responder
        1. R. P.

          Não. Você não gosta de tênis. 90% do q vc posta é relacionado a algum ponto negativo sobre o jogo do sérvio. Vc simplesmente não consegue fazer um elogio a um jogador sem detrair o Djokovic. Conduta típica de quem não gosta de tênis; só gosta de ver o “ídolo” ganhar. Se alguém vence o “ídolo” com FREQUÊNCIA, já não é por talento ou habilidade. Já os vassalos são sempre ótimos, habilidosos e jogam bonito. E como vc tem dificuldade com interpretação, desenho: eu não disse que o jogo de ontem foi ruim. Cuidado com as suas ilações; elas são muito elásticas.

          Responder
    3. Miguel BsB

      Rodrigo,concordo contigo sem tirar nem pôr…
      Sou muito fã do jogo do Wawrinka, e vou sentir muito a falta dele no circuito qd se aposentar…

      Responder
      1. Rafael Antonio

        Pô mestre, erro todo da organização!? A serena não poderia esperar o Thiem acabar a entrevista? É claro que a organização errou, mas educação e compreensão com o colega, que estava ali trabalhando (me refiro ao Thiem) , não faria nenhum mau….
        A impressão que tenho é que todo o mundo do tenis, inclusive a impressa, alivia muito para a Serena, se fosso o Nole….abs

        Responder
          1. Paulo

            Ia falar a mesma coisa que o Rafael Antonio.
            Desculpe, dalcim, mas pela tua frase anterior não tinha como interpretarmos isso que vc disse agora.

  37. Paulo Almeida

    O GOAT Djokovic já deve começar a ter trabalho de verdade amanhã e das quartas pra frente vai ser pior ainda, caso siga vencendo.
    Será um título de ultramegapeso, caso aconteça esse bi Nole Slam.

    Responder
  38. Paulo Almeida

    Esse Estanislau vira outro jogador em Grand Slam, compensando sua mediocridade em torneios da ATP. Vai entender essa bipolaridade…

    Tá com muita cara de Jaguatirica da Montanha X Cara de Capivara na semifinal. Vamos ver se vai ser aquele jogo protocolar de sempre ou se acontece uma zebra.

    Responder
  39. Jonatas Bruno

    Um jogo com com 123 winners (media de quase 27 por set!) e 309 minutos de intenso combate, o terceiro mais longo da histórica de Roland Garros. Jogo épico e de exímia categoria, proporcionaram Stan e Stefanos! Admirável a resistência física e mental dos dois, em especial ao Wawrinka, que dada a questão da idade e do peso corporal, tudo me levava a crer que influenciaria a favor do Tsitsipas uma hora ou outra.
    O grego totalmente devastado e desgastado na entrevista coletiva, frustrado consigo próprio por considerar que poderia ter jogado melhor nos momentos chaves do jogo. Pobre riqueza de temperamento! Pode até deixar transparecer desmerecimento os seus colegas de profissão, por outro lado, tem a vocação de ser um vencedor, pela obstinação e pela forma de trabalhar os pontos,

    Dalcim, tem previsão de chuva para essa segunda-feira de jogos? Pergunto, porque os jogos de fundo foram programados para a chave feminina.
    E caso tenha conhecimento, me permita tirar uma outra dúvida, o que levou a organização a manter o jogo do Nishikori e Paire, na mesma quadra prevista? Afinal, depender da duração de uma partida é chover no molhado. Como outros remanejamentos o fizeram, me pareceu no mínimo estranho.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Previsão de 25 graus de máxima, mas sem chuva. Terça, sim, pode garoar e na quarta a previsão é de muita chuva. A questão é que se vende ingressos para cada estádio. Então se você mudar o jogo de estádio, estará prejuicando quem comprou ingresso.

      Responder
      1. Jonatas Bruno

        Sim, me venho a mente quanto so prejuízo ao público pagante, por outro lado também prejudica os tenistas a fecharem a programação, como foi o caso. Achei que poderiam pender pelo lado dos jogadores, ainda mais agora que o torneio vai chegando na fase decisiva, que requer as melhores condições físicas dos tenistas, ganhando todos com isso: expectador e o evento (no âmbito da competividade). A organização acabou dessa vez,agindo com incoerência! Fica a bronca.
        Puxa,chuva na quarta,logo neste dia! Tomara que dê que os jogos sejam finalizados (ao menos da chave masculina). Fosse na terça, não haveria maiores transtornos quanto a um dia de descanso.
        Valeu pelas duas informações, e por agregar a situação meteorológica.

        Responder
  40. Fabio

    O Tsitsipas disse que jogava como o Federer quando falou que não entendia como ele, Federer, tinha tantas vitórias sobre o Nadal; ele estava certo, ele jogou como o Federer e não converteu um monte de break points.

    Responder
      1. periferia

        20%?
        Fiquei espantado……tudo bem que é saibro….roland garros….nadal…..agora 20%……só a forma como ele está jogando roland garros (apesar dos adversarios) ja merecia 40% …..homem de pouca fé.

        Responder
          1. José Nilton Dalcim

            20% não quer dizer que o placar vai ser fácil ou difícil. É o percentual de chance final de vitória de cada jogador, na minha opinião.

          1. Osvaldo NT

            Dalcim,

            Um bom blefe no Poker funciona, mas não contra um bom jogador com AA na mão… Se você blefar, ele te leva a um All In e ele terá 80% ou mais chances de ganhar. As únicas formas de um 22 ganhar é a chegada de elementos novos favoráveis; no caso mais um 2 no flop/turn/river, sem que venha um A, obviamente, ou ser muito sortudo e ser contemplado com uma sequencia ou um flush…

            Para começar, o Federer não é 22. Eu diria que ele é um QQ (par de Damas), se reservarmos o KK (par de Reis) para o nosso Guga. Mesmo assim, KK, QQ, JJ etc têm praticamente a mesma chance de derrotar o AA, ou seja, em torno de 20%.

            Assim, para o Federer QQ ganhar do Nadal AA, algo diferente, favorável ao QQ, precisa ser adicionado ao jogo. Quem sabe, chuva, dor de barriga do AA, dia inspirado do QQ e “desinspirado” do AA, etc. Alea Jacta Est !!!

            Abs

            Osvaldo NT

  41. José Eduardo Pessanha

    O pessoal está achando que o excelente Tsitsipas será número 1 do mundo. Tenho minhas dúvidas. Ele é freguezaço do Aliassime, desde a época de juvenil, mesmo sendo 2 anos mais velho do que o canadense. Minha aposta seca é no Felix. Esse vai dominar o circuito por muito tempo.
    Abs

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Eu estava me segurando para te dizer isso, Pessanha.

      Mas quer saber de uma?

      Sou MIL VEZES mais o Tsitsipas do que esse “superestimadíssimo” Aliassime…

      Responder
      1. JOSÉ EDUARDO PESSANHA

        Vamos ver. rsrs. Aliassime tem mais potencial. Joga mais e tem uma cabeça mais equilibrada. Espere pra ver a fera com a mesma idade do Tsitsipas. rsrs
        Abs

        Responder
        1. Barocos

          Pessanha,

          Está aí uma coisa bem difícil de se prever, nos primeiros anos de tênis, além da habilidade, é claro, pesa muito também o preparo e o desenvolvimento físico, esta fase de saída da adolescência é muito diferente para muitas pessoas.

          Concordo com você que os próximos anos serão determinantes, mas o Aliassime, por enquanto, é só uma promessa e o Tsitsipas já é um jogador excepcional.

          Quem viver verá, mas, pelo que eu vi até agora, eu coloco minhas fichas no Stefanos.

          Responder
    2. Paulo F.

      Outra coisa, Pessanha:
      Djokovic também era freguesaço do Murray nas categorias inferiores.
      No profissional, acabou tendo uma carreira bem maior.

      Responder
  42. Marcel Azevedo

    Dalcim, vc não concorda que o verdadeiro teste do Federer será agora com o Stan Wawrinca?? Fico com a sensação de o Federer não ter sido testado ainda com grande adversários! O que você acha? Parabéns pelo blog e forte abc !!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Com certeza ainda não foi testado, Marcel. Acho que Stan pode realmente complicar, mas vai depender muito do físico e de como ele conseguir encurtar os pontos.

      Responder
  43. Barocos

    Um jogaço este do Wawrinka vs Tsitsipas. Partidaças como esta me fazem desejar que o empate pudesse ser um resultado possível no tênis, é muito injusto, quase um sacrilégio, que jogadores que se entregaram tanto, que jogaram tanto, que nos brindaram com tantas jogadas sensacionais, saiam de quadra tristes e/ou frustrados.

    Ninguém foi realmente derrotado, não há espaço para a derrota em embates como o que foi travado hoje.

    Meus efusivos agradecimentos, respeito e admiração aos dois jogadores.

    Responder
  44. JAN DIAS

    STAN, além de jogar muito, é um FOFO! (abraçando e consolando o grego no fim da partida)..

    Não gosto de ver ELE e o FEDERER duelando, porque gosto muito dos dois, mas quem quer que vença, por
    favor ganhe também do NADAL..KKK

    Responder
  45. JAN DIAS

    Acho que:

    DJOKO ganha do STRUFF (mas o alemão vai dar trabalho).

    FOGNINI ganha do ZVEREV (5 sets e muito estrelismo).

    KHACHANOV ganha do DELPO (pancadaria total).

    Responder
  46. Renato

    Paulo F,

    Vc não me conhece pra me chamar de mentiroso. Abaixa sua bola aí!
    Na minha opinião o drop do sérvio é fraco e está a anos luz da qualidade do golpe do suíço.

    Se vc faz questão de ridicularizar o que eu escrevo então não perca seu tempo mais, não Leia!

    Responder
  47. Jeronimo Brito

    Fantastico o POST Dalcin…Jogo excepcional…lembrou de fato Nadal x Thiem no Usopen 2018…TB prevalecendo a experiência.
    Que ótimo ter Stan assim forte…apesar dos resultados não aparecerem ele vinha lutando bem desde início do ano.
    Dalcim…sei que ainda é cedo, mas numa eventual semi, uma vitória de Roger sobre Rafa significaria muito pra ele! Como você pontuaria isso?
    Abraço

    Responder
      1. PIETER

        Dalcim, tudo indica que haverá, de novo, mais um Fedal na semifinal de RG.
        Você acredita que o Federer realmente possa vencer o Nadal no lento saibro de Paris, na casa do espanhol? Não vejo como isso pode acontecer embora torça pelo mestre suíço…

        Responder
  48. Augusto Montenegro

    Roger tá chegando como quem não quer nada. Abocanhando vitórias rápidas em sets diretos. Sei não… kkkkkkkkkkk Se passar em sets diretos por Wawrinka tem chances reais de bater o espanhol. Adoraria uma final entre RF x ND

    Responder
  49. Samdra

    Dalcim, você continua achando o Nadal favorito ? O Stan, o Federer e o Monfils , a essa altura até o Zverev, não podem causar uma surpresa???

    Responder
      1. Samdra

        Tirei até o Djokovic da lista!!! Sou uma pé frei danada, como flamenguista ia sempre no Maracanã , há anos atrás e ele sempre perdia , vou torcer pelo Palmeiras rsssssssss

        Responder
  50. Nando

    Hoje Tsitsipas mostrou (mesmo sendo derrotado) q é nextgen mais pronto e melhor (melhor jogador), será o cara a ser batido num futuro não tão distante…mesmo Zverev tendo mais conquistas e melhor ranking, o grego evoluiu mto no período de 1 ano, e consigo ele mais jogador q o alemão. Perdeu hoje num jogão, mas não foi pra qlqr um.
    Qnt a Federer, jogo tranquilo hoje, não foi ameaçado…atinge as quartas de um Slam q não jogava desde 2015. Aos 37 anos e 10 meses, segue surpreendendo, e à partir de agora, o q vier é lucro total. Favoritos são siri calvo e cotonete, com Thiem como 3° mais cotado.

    Responder
  51. Sérgio Ribeiro

    Postamos que o Rei do Saibro tinha um encontro marcado com o Craque Suíço antes do início do Torneio na Semi . E que a Zebra ia passear a vontade no Feminino . O primeiro parecia muita pretenção devido à ausência desde 2015 do Suíço de RG. STANIMAL vai precisar operar um milagre para impedir a previsão. Longe de ser freguês no Saibro do amigo, e muito perigoso quando vai pro tudo ou nada ( Tsitsipas que o diga ) , The Man parece extenuado. E o Samurai ( difícil Paire ) , não é páreo para Rafa Nadal no Saibro. No feminino, 7 Cabeças de chave já dançaram , inclusive a N 1. A Final entre o N 1 e o N 2 parece cada vez mais com hora marcada. Mas secar não custa nada rsrsrs…Abs!

    Responder
  52. Arthur

    Será que joga tênis esse Wawrinka, hein, Dalcim? Hehehe…
    É impressionante a facilidade com que ele bate aquela esquerda de qualquer lado da quadra, com uma potência simplesmente devastadora.
    Federer certamente é favorito por conta do menor desgaste físico, mas eu faço parte do time daqueles que acha que será muito mais difícil do que parece.
    Aliás, eu não me surpreenderia se o Stanimal atropelasse novamente como em 2015 e partisse rumo ao bi em RG.
    Vamos ver o que vai acontecer depois de amanhã.

    Um abraço.

    Responder
  53. Osvaldo NT

    Dalcim,

    Sem dúvida, Nadal e Djokovic são os melhores tenistas da atualidade, mas eu não fico entusiasmado vendo o jogo deles, especialmente do Djokovic. Muito sólido, muito consistente, muito forte e muito previsível…

    Curioso, mas todos os jogadores que adoro ver jogar têm a esquerda de uma mão: Federer, Tsitsipas e Wawrinka. Os três não ficam enrolando o adversário ou jogando no contragolpe; eles têm coragem para partir para cima e fuzilar para qualquer lado.

    O Tsitsipas é o meu candidato principal para ocupar o lugar que o Federer vai deixar, e que o Guga deixou. Aliás, falando nele, como o Stef lembra o catarinense quando ganhou o RG-1997, hein?! Magrelos, cabeludos, altos, esquerdas espetaculares de uma mão, agressivos e inteligentes.

    Abs

    Osvaldo NT

    Responder
  54. Ramon Assis

    Eu espero que Tsitsipas se torne o number one. Ele é muito intenso.

    O modo como ele bate na própria cabeça é típico de quem vai enlouquecer se não atingir o topo.

    Eu espero que ele chegue a ser o cara que vai incomodar o Djoko até superá-lo.

    Deve ser muito emocionante os dois perdendo a cabeça.

    Responder
  55. Miguel BsB

    Stan é o cara!
    Tsisipas indubitavelmente futuro n 1 do mundo!
    Versátil,agressivo,talentoso,joga bem tanto nas hards como no saibro,e,principalmente,tem sangue nos olhos,quer ganhar sempre e não treme pra ninguém…

    PS: a Serena cada vez mais se mostra uma diva prepotente e arrogante…eu,que já tive muito respeito por ela,por sua história de vida,estou cada vez mais decepcionado…

    Como disse o Thiem,esse sim um cara tranquilo e educado até demais, ninguém vê Roger ou Rafa fazendo essas coisas.

    Responder
    1. Paulo F.

      Tsitsipas vem sofrendo umas eliminações bem duras.
      Mas acho que isso vai ajudá-lo a engrossar o couro e a enfrentar muito bem as adversidades futuras, para ser sim, o melhor sucessor do big-3.

      Responder
  56. Luiz Fernando

    Conforme esperado Rafa e Federer treinaram, qualquer comentário adicional seria negar a realidade. Creio q a vassalagem histórica de Wawrinka, associada a falta de preparo fisico q sempre o caracterizou, será fatal p suas pretensões; como creio q o japa vença, acho q dará mas trabalho a Rafa, mas nao o vejo com capacidade de vencer 3 sets do cara. Rafa vs Federer a vista na semi.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Vassalagem história no Saibro ? Como sempre mal intencionado nos comentários e muito mal informado , caríssimo L. F. E não vem com o papinho de arrogância pra quem discorda de seus fraquíssimos comentários . Já deu . Federer somente não possui o MASTERS 1000 de Monte Carlo graças a derrota de Virada para STANIMAL na Final. E em sua última participação em Rolanga 2015 , caiu na mesmas Quartas para o amigo. Este viria a ser o Campeão pra cima do Goat dos Fakes. Abs!

      Responder
      1. José Eduardo Pessanha

        Sérgio, o Ursinho Carinhoso é muito vassalo do Rogério. Não é pouca coisa, não. Nessa eu estou com L.F. Rs. Aposto até num pneuzinho no próximo confronto.
        Abs

        Responder
      2. R. P.

        Sérgio não consegue interpretar poucas linhas. Wawrinka é vassalo sim, mas mesmo jogando só a bagaça vai ganhar do Leão da Montanha, pois este vai achar uma “saída pela esquerda” para não enfrentar o Saibral. E o Stan será “istraçaiado” na semi.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Somente retardado para postar ” saibral” . Aprenda a ler antes de postar babaquices. Quem bate o Craque em Final de MASTERS 1000 , e em pleno RG pra se tornar Campeão, não é vassalo de ninguém no SAIBRO , caríssimo Ruim. Pacas. Abs!

          Responder
      3. Luiz Fernando

        Quem disse vassalagem no saibro? Talvez sua cabecinha oca kkk. Preste atenção no termo: vassalagem HISTÓRICA! Ou será q não é?

        Responder
  57. Fernando Godinho

    Como volta e meia o pessoal fala em acabar os jogos de 5 sets? São exigentes, mas são incríveis.
    Imagina Wimbledon 2008 terminando em 3 sets.

    Responder
    1. Fernando Augusto

      Acho que as 4 primeiras rodadas deveriam ser melhor de 3 set,s. Na segunda semana, ou seja, das quartas em diante, aí sim deveria ser melhor de 5 set,s. Economizaria bastante a parte física dos atletas, evitando até muitas desistências.

      Responder
      1. José Nilton Dalcim

        Pois sabia, Fernando, que as edições de 1973, 74 e 75 de Roland Garros era assim. As duas primeiras rodadas eram em melhor de três sets. Abs!

        Responder
  58. Efraim Oliveira

    Nadal vs Federer, Wimbledon 2008
    Nadal vs Novak, Aus Open 2012
    Nadal vs Novak, Roland Garros 2013
    Nadal vs Thiem, Us Open 2018
    Stan vs Tsitsipas, Roland Garros 2019

    Jogos para a história.

    Responder
    1. Renato

      Nadal x Novak em 2012 não foi de grande nível técnico. Federer x Safin no Austrália Open e Federer x Rafa na final do Austrália/2009 foram jogos bem melhores.
      Mas tá mais que na cara pra quem vc torce.

      Responder
      1. Kleber Sena

        O que tá na cara é que vc é anti Djokovic isso sim. Como vc diz que a final no Australian Open de 2012 não foi de grande nível técnico? Sai daí rpz…

        Responder
      2. Fernando Godinho

        Não concordo, acho aquele jogo do Australian Open muito bom, e olha que eu não costumo gostar dos duelos entre Djokovic e Nadal. Também incluiria na lista do amigo acima

        Federer x Nadal, WB07
        Nadal x Del Potro, WB 18
        Federer x Nadal, AUS17 (nem foi um nível absurdo, mas significou muito por os dois estarem voltando de lesões, o tempo sem duelos, etc)

        Responder
      3. Efraim Oliveira

        Curioso é que você foi único que vi citar esses jogos aí. Pois eu vejo as pessoas falarem beeeem mais da final Winbledom e do Austrália Open… Não precisa torcer pra ninguém pra se constatar isso.

        Os jogos que referi foram com placares mais apertados.

        Responder
      4. R. P.

        O q não foi de grande nível técnico foram as finais de Winb e USO 2015. Dois jogos com um cara só batendo e o outro só apanhando.

        P.S. A final do Finals desse mesmo ano tbm não foi muito diferente. Uma chatice.

        Responder
  59. Rubens Leme

    Ao lembrar da derrota para Wawrinka, em 2015, Federer comentou do shorts horrível do compatriota, aquele quadriculado, realmente feio. Bom, depois das 5 horas, se sou o Stan mando revirarem o armário dele, em casa, atrás daqueles shorts e o vestiria novamente, nem que tenha que comprar uma unidade em algum ebay da vida.

    Vai que ele é a kryptonita do rival! Nessa hora, vale tudo. E o deixa ainda mais com cara de caipira!

    Para cima dele, Stan!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *