Quanto fatura um Grand Slam
Por José Nilton Dalcim
21 de maio de 2019 às 22:08

Mais importantes torneios do calendário do tênis internacional, os Grand Slam – denominação originalmente citada em 1937 para denominar os principais títulos do circuito e baseada numa cartada do bridge – também detêm os valores mais expressivos de faturamento, lucro e premiação, com significativas diferenças.

O Australian Open detém hoje o recorde de ingressos vendidos. Pelo segundo ano consecutivo, superou o US Open e cravou nesta última edição 780 mil espectadores, cerca de 50 mil a mais do que o Slam norte-americano. Esses são os dois únicos Slam a ter duas sessões diárias até as semifinais, o que explica terem quase o dobro de Wimbledon ou de Roland Garros.

Melbourne está com faturamento estimado de US$ 190 milhões, dos quais perto de US$ 40 mi são pagos em premiação aos jogadores. Para tocar o evento, único dos Slam a ter três estádios com quadra coberta, emprega cerca de 9 mil pessoas. O lucro estimado é considerado pequeno, na casa dos US$ 10 milhões.

O US Open por sua vez tem o mais custoso de promoção entre os quatro grandes, com faturamento que ultrapassa os US$ 270 milhões. Sempre foi o que remunera melhor os tenistas, com US$ 50 milhões no ano passado, já que também foi o pioneiro na equiparação de premiação a homens e mulheres, que vem desde 1973. Segundo a revista Forbes, emprega quase 10 mil pessoas e o lucro anual fica na casa dos US$ 50 milhões graças a um painel de 30 patrocinadores.

Justamente por isso é que Wimbledon gera espanto. Por tradição, jamais estampa qualquer marca em suas telas de fundo de quadra e ainda não conseguiu atingir a casa dos 500 mil ingressos vendidos. Tem persistentemente cravado os 485 mil e só agora, com a expansão diária de 39 para 42 mil espectadores, poderá enfim atingir a desejada meta.

Ainda assim, com custo anual estimado em US$ 250 milhões e pagando US$ 50 mi aos tenistas, é o Slam com maior lucro, estimado em cerca de US$ 80 mi nas recentes edições. Curiosamente, Wimbledon também é o único a pertencer a uma entidade privada, o All England Club, que no entanto reserva uma generosa parte desse lucro para o fomento do tênis britânico. O torneio de 13 dias emprega 6 mil pessoas. Neste ano, entregou o teto de seu segundo maior estádio e anunciou a compra do campo de golfe anexo para grande expansão.

Roland Garros acabou se tornando o ‘primo pobre’ dos Slam, mas não tão pobre assim. Sua área tem apenas a metade do que ocupam atualmente os outros complexos tenísticos, o que gera um tremendo aperto para o público. Mas não fica atrás de Wimbledon. Em 2018, foram 480 mil entradas vendidas, mais 23 mil no quali, crescimento de apenas 1,5% porém recorde para o torneio.Importante lembrar que é o único dos Slam com 15 dias de programação.

É o Slam que emprega mais funcionários, com 10 mil, e seu custo está na faixa dos US$ 210 milhões, dos quais US$ 45 mi são dados aos tenistas, ficando ainda acima do AusOpen. Não há um dado oficial sobre o lucro para a Federação Francesa, organizadora do evento, mas a estimativa é que fique acima dos US$ 30 mi.

Depois de longa briga judicial e ameaças de deixar Paris, foi autorizada a ampliação territorial e melhorias – lança neste ano a bela quadra Simonne Mathieu -, mas o estádio principal só receberá o tão sonhado teto retrátil em 2020, quando todos os concorrentes já terão pelo menos dois.

Day after
– Djokovic ampliou em mais 240 pontos sua vantagem sobre Nadal no ranking. Chegarão a Paris, onde o espanhol não pode somar e Nole defende 360 pontos das quartas, com vantagem do sérvio na notável casa dos 4.410 pontos.
– Nadal por sua vez chegou à 735ª semana consecutiva no top 10, portanto desde 25 de abril de 2005, superando Roger Federer. Agora, a busca é pelas 789 do recordista Connors.
– Tsitsipas é o terceiro melhor da temporada (2.760 pontos), atrás de Nole (4.005) e Nadal (3.505) e à frente de Federer (2.640) e Thiem (2.105).
– Dois top 20 estão fora de Roland Garros (Anderson e Isner) e aguarda-se poisção de Raonic. Assim, deveremos ter nove cabeças acima dos 30 anos e três abaixo dos 21.
– A chave feminina confirmou até agora todas as 32 primeiras do ranking. Kerber era a principal dúvida. Apenas duas (Osaka e Sabalenka) tem menos de 21 anos.
– O sorteio está marcado para as 14h (de Brasília) desta quinta-feira.

Desafio de Roma
O internauta Norbert Goldberg levou a biografia de Novak Djokovic, grande sucesso da Editora Evora, ao ter feito o melhor palpite para a vitória de Rafael Nadal sobre Djoko na decisão de Roma no domingo. Vários cravaram 2 sets a 1, mas ele esteve bem mais perto do andamento do jogo e das parciais de cada set, já que palpitou 6/4, 3/6 e 6/2, em 2h50. Como todos se lembram, Rafa ganhou por 6/0, 4/6 e 6/1, em 2h25.


Comentários
  1. Rodrigo S. Cruz

    Trecho retirado de um texto aqui no tenisbrasil:

    “A semi pode brindar os fãs parisienses com o 39º embate entre Nadal e Federer. Porém, o suíço precisará superar uma chave dura até chegar no duelo com o atual vice-líder da ATP. Sua campanha começa com o italiano Lorenzo Sonego e deve ter o tunisiano Malek Jaziri na segunda partida. Na terceira fase podem aparecer Matteo Berrettini, Ernests Gulbis ou Casper Ruud.
    Os possíveis oponentes de Federer em uma eventual partida de oitavas de final não são dos mais assustadores, com destaque para o argentino Diego Schwartzman e para o italiano Marco Cecchinato, que defende a semi do ano passado”.

    Mas hein?

    Quem foi que escreveu isso?

    Será que alguém pode me explicar como que Berretini, Gulbis, Ruud ou Jaziri, podem ser considerados tenistas duros pro Federer.

    Ao passo que Cecchinato e Schwartzman (que fez um jogão com Djokovic), podem não ser tão assustadores?

    Acho que seria o contrário, não?

    As primeiras fases pro Federer serão tranquilas, e depois a coisa vai se complicar.

    E o Djokovic pegou uma chave mediana.

    Enquanto o Nadal pegou um bando de MOLOIDES até à semi. Meu Deus, como pode tanta sorte?

    Parece que o maiorquino foi mesmo predestinado, para ganhar quase todas as edições de RG que participar!

    Responder
  2. Rodrigo S. Cruz

    [Paulo Almeida]
    23 de maio de 2019 às 01:14

    [“Murray é um gigante da história do tênis e jogou muito no barro tanto em 2015 quanto em 2016”].

    Nisso que dá lavar a cara com óleo de peroba! Murray gigante no saibro? Putz. kkkk E mesmo que no saibro ele fosse um Golias, o Djoko seria um Davi. Estamos falando de 25 x 11, Sr. Pinóchio…

    [“Portanto, mais um GS de peso para o GOAT”].

    Peso pena? (rs)

    Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Quem mandou trocar de “ Goat “ em 2011 ? Em 2017 , 3 x 2 no Touro no AOPEN. Este ano 1 x 3 para o Touro em Rolanga kkkkkk Abs!

        Responder
  3. Maurício Luís *

    Para meu desânimo, a chave do Rafael ‘Tom Cruz Credo’Nadal não é das piores não. Pelo visto, ele já está com o pé e a raquete na final.
    Resta somente aconselhá-lo que no caso de levantar o décimo-segundo caneco, que tome um certo cuidado na tradicional mordida. Vai que quebra algum dente, daí a coitada da noiva vai ter que ver estampado no álbum de casamento um noivo com aquela “beleza estonteante” e ainda por cima banguela.
    Aí ninguém merece…

    Responder
  4. Luiz Fernando

    Rafa não pode reclamar desse sorteio, pois tem tudo p ir até as semis sem grandes sustos. Não acredito q o japa sobreviva ate as as quartas, teoricamente seria o adversário mais duro até esta fase, mas como preparo fisico passa longe dele é duro apostar no cara em um GS. Se houver um Fedal na semi, dessa vez vejo Rafa com toda a chance de vencer, finalmente.

    Responder
  5. Paulo Almeida

    É brincadeira como o Cara de Capivara é favorecido nesses sorteios! Só pega galinha morta até a final, enquanto o GOAT Djokovic sofrerá já na primeira rodada contra o bom garoto da Polônia.
    Vai chegar um bagaço na final de novo caso Thiem, Delpo, Zverev, Fognini e Coric não fiquem pelo caminho.
    Ainda inconformado com esse roubo!

    Responder
    1. Bruno

      Paulo Almeida(Robson),será que vc teria coragem ,se um dia vc tiver oportunidade de gritar Frauderer ,em um Us open ?
      Pensa bem aí ,Robson.

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Claro que teria, inclusive porque esse apelido também existe em inglês (fraude é fraud) e é corriqueiramente utilizado em fóruns estrangeiros, assim como Weak Era Champ.

        Seria mais difícil alguém entender Fregueser, Jaguatirica da Montanha, rei da entressafra e outros lá na Arthur Ashe, mas não impossível.

        Responder
      2. Sérgio Ribeiro

        Na mosca , Bruno . O pior que ele ( Ex-Torcedor do Federer até 2011 ) , se faz passar por “ bonzinho “ com a turminha do Sítio, no grupo da Whats kkkkkkkk meu filho morre de rir das figuras ! Abs!

        Responder
  6. JMSA

    Dalcim,boa tarde !
    Sei que não gosta de comparações,mas ontem entrei numa discussão sadia sobre um hipotética partida entre NADAL E GUGA no saibro de Rolang Garros,os dois jogando no auge do seu tênis,eu afirmei pro meu amigo que Nadal venceria,pois faria com o Guga a mesma estratégia que faz com o Federer ,porém ele me afirmou que o Nadal nunca pegou alguem tão agressivo no saibro quanto o Guga e isso traria dificuldades pro espanhol.Na sua opinião,quem voce acha que venceria ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que a desvantagem do Guga não é técnica, mas física. Nadal vive uma outra era do tênis na questão do preparo físico, velocidade de pernas, ação e reação. Então o Nadal no seu auge físico tenderia a superar Guga, que nunca foi um jogador realmente veloz e que, por isso, tinha alguma dificuldade com as defesas.

      Responder
      1. lEvI sIlvA

        Dalcim, e as já famosas paralelas de direita e backhand do Guga, não iam complicar ao menos um pouquinho a vida do espanhol? Digo isso por que poucos faziam isso como nosso Guga, além é claro das deixadinhas que bem lembrou dia desses. Abraço!

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Claro que incomodariam. Eu não disse que seria um jogo fácil, mas que a tendência era do físico superior do Nadal prevalecer.

          Responder
  7. Adriano Souza

    E o Nadal mais uma vez beneficiado por uma chave mais facil no saibro
    Mas o Djokovic ta com sangue nos olhos pra esse Rolan Garros
    Acredito no titulo do Sérvio

    Responder
  8. sandra

    Dalcim, bem sei que voce não gosta de comentar algumas coisas, mas nunca vi nada igual, só Nadal de dá bem nas chaves??? Nem O Federer se dá tão bem quanto ele, e a pior chave sempre sobra para o Djokovic, é melhor Nadal já levar a taçça

    Responder
      1. Sandra

        Obrigada por ter respondido, nem o Federer em áureos tempos tem a sorte do Nadal, a minha esperança que está prevendo chuva e seja na hora do jogo do Nadal, kkkkk, a propósito o Kyrgios está na chave do Djokovic?. Nem vou ver esse torneio

        Responder
      2. Júlio César

        Boa Dalcim,parabéns por não ter receio dos patrulheiros do politicamente correto, porém o Djokovic é que deu sorte,pois com o chaveamento ele tem mais chances de chegar a uma final porque se caísse do outro lado era certeza de pedia na semi kkkk.abraços.

        Responder
  9. Renato

    Teoricamente a chave do sérvio ficou mais difícil. Mas a gente sabe que tanto Zverev, Thiem e Fognini adoram adora pisar no tomate antes de chegar nos jogo importante.

    Sobre os rivais de Rafa, não dá nem pra secar ou torcer contra pois é perda de tempo. Até a semi-final o espanhol o espanhol vai passear sem perder sets.

    Responder
  10. JOSÉ EDUARDO PESSANHA

    Saiu o sorteio da chave. Só deu tempo de ver a chave do Craque. Gostei, apesar de ter o Nadal na semi. Não achei o caminho tão difícil até chegar à semifinal. Schwartzmann (oitavas) e Tsitsipas (quartas) não são lá tenistas tão assustadores, apesar da vitória do grego no AO.
    Abs

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Fica frio , caríssimo Conterrâneo. O Craque tem hora marcada com o Touro na Semi de Rolanga 2019. Já até mandou fazer roupa nova. Isso tudo segundo o amigo do Lógico kkkkkkk Abs!

      Responder
  11. Renato

    Não que Rafa precise de qualquer tipo de ajuda pra ganhar RG, mas o sorteio foi uma mãe com ele.
    Federer, se passar por Diego, provavelmente estará desgastado pra segunda semana. Deu azar de enfrentar italianos em ascensão logo nas primeiras rodadas.

    Responder
  12. joao paulo pereira

    Dalcim me tire uma duvida e me de sua opiniao, muito se fala do dominio de roger durante uma “entresafra” (o que acho uma tremenda besteira) mas nessa epoca de dominio nao tinhamos tb uma maior variedade quanto a velocidade do piso e tipos de bola tornando por exemplo um pesadelo para qualquer um enfrentar um grande sacador em quadras realmente rapidas? Sera que veriamos um dominio tão grande do big3 ,especialmente do servio, nos grandes torneios se as quadras nao fossem tão padronizadas quanto as de hoje? Vejo o sérvio o tenista perfeitamente moldado para essa padronizaçao dos pisos. Não acha que veriamos uma maior variedade de campeões sem essa padronização? Por exemplo enfrentar um Del Potro em uma quadra extremamente rapida.
    Parabens pelo blog dalcim

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, João Paulo, esse é um assunto já extremamente debatido aqui. Eu nunca fui favorável à padronização, embora a maciça maioria dos jogadores goste disso. Também prefiro variedade, o que exige adaptação. Quanto ao que aconteceria, é muito relativo. É totalmente possível que os tenistas mais espetaculares se adaptassem a essas variações.

      Responder
  13. Wilson Rocha

    Mestre Dalcim,
    Como você vê a porcentagem de título entre Nadal e Djokovic em Roland Garros? Nos slam fora do saibro, vejo as chances de Nadal vencer Djoko bem remotas.

    Responder
  14. Adriano Souza

    Dalcim, vc não acha injusto um jogador ter mais tempo de descanso do que o outro?
    Não seria melhor os jogadores jogarem no mesmo horario, ou ter pelo menos 1 dia de descanso?
    Assim o espetáculo não seria prejudicado, e o publico veria jogos mais empolgantes

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não sei a qual torneio você se refere, mas obviamente que isso não é possível. Como colocar as semis de Nadal e Djokovic no mesmo horário e em quadras diferentes?

      Responder
  15. João

    Dalcim, boa tarde.

    Fugindo do assunto, li uma vez sobre o estilo de forehand que mantém o braço reto na batida (Federer, Del Potro, Nadal). Tinha um nome pra isso, mas não lembro. Poderia falar um pouco sobre isso?

    Abs

    Responder
  16. neuton

    Dalcim,
    Você acha que algum tenista brasileiro de até 22 anos de idade tem condições de chagar (e se manter por uns 3 anos) no Top 100 da ATP?
    Se positivo, qual?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      No momento, o top 100 está distante. Mas certamente o Wild tem qualidades para isso. Também gosto muito do Menezes. E destaco esses dois porque têm grande afinidade com a quadra sintética, o que vejo como essencial no circuito de hoje, Neuton. Por isso também acho que a Stefani teria uma boa chance, já que possui um estilo bem versátil.

      Responder
      1. PIETER

        A Stefani em um hipotético top 100??!!!
        Puxa, que agradável surpresa seria! Nem imaginava que ela estava com essa bola toda. Tomara que não demore!
        Eu a vi jogando duplas em Praga com a Bia e fiquei positivamente surpreso com a habilidade dela nos voleios. É muito boa mesmo na rede!
        Mas, no feminino, quem é que joga na rede? Nem a Serena, com toda a potência dela…

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Nem é a questão de jogar na rede, mas o fato de estar nos EUA desde os 15 anos e assim muito bem adaptada à quadra dura.

          Responder
  17. Sônia

    Dalcim, assistindo aqui Humbert vs Shapovalov. Humbert sacou forte, bola bateu na raquete do Shapovalov e foi longe. O árbitro português (mesmo da Serena) deu ponto para o Humbert, mas Shapovalov viu a marca e a bola foi bem fora. Shapovalov se recusou a escutar o juíz, e se recusou a jogar até conversar com o superior. Vários minutos se passaram, o superior chegou, conversou um pouquinho com ele, marcação do juíz foi mantida e o canadense voltou a jogar. Na sua opinião, quem está certo? O que voce acha dessa atitude do Shapovalov. Beijos.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ou os jogadores desconhecem a regra, ou são teimosos mesmo. O supervisor jamais poderia alterar uma decisão ‘de fato’ feita pelo árbitro, isso está na regra. Esse excesso de discussão com árbitros é um dos defeitos de uma ba parte dessa nova geração (Zverev, Tsitsipas…). Por isso gosto muito da postura bem mais profissional do Aliassime.

      Responder
      1. Gabi

        Dalcim,

        penso igual!!

        Tem de ser como na NBA, onde os jogadores nem podem ficar batendo boca com os árbitros, se prevalecendo em cima deles (o clássico – “vc sabe quem eu sou?”, “ Não, aqui é jogo de basquete, não teste de DNA” rsrs), sob pena de multa, etc.!!

        Se virar o que acontece no futebol, pior ainda!!

        Responder
  18. José R.

    Três monstros mesmo (levantamento feito pelo bolamarela.pt):

    DJOKOVIC no dia em que cumpre 32 anos

    — 15 títulos do Grand Slam (3.º)

    — 252 semanas como número 1 (2.º)

    — 33 Masters 1000 (1.º)

    — 5 ATP Finals (2.º)

    NADAL no dia em que cumpriu 32 anos

    — 16 títulos do Grand Slam (2.º)

    — 175 semanas como número 1 (3.º)

    — 32 Masters 1000 (2.º)

    — 0 ATP Finals (3.º)

    FEDERER no dia em que cumpriu 32 anos

    — 17 títulos do Grand Slam (1.º)

    — 302 semanas como número 1 (1.º)

    — 21 títulos Masters 1000 (3.º)

    — 6 ATP Finals (1.º)

    Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Os rivais sempre serão diferentes , meu Caro Coelho. E o ritmo muito parecido. Rafa Nadal já era Top 2 em 2005 para irritação de certos fanáticos. Nada que desmereça os Campeões, a meu ver. Abs!

        Responder
  19. Gabi

    Luiz Fernando,

    pelos teus comentários e postura, vc só pode ter um diploma de Harvard legítimo!!

    Sérgio Ribeiro, não fique com muito ciúmes rs.

    Por outro lado, de acordo com os comentários de uns e outros aqui, o diploma deles é igual ao da Joana d’arc e do Witzel. Hihihihi

    Responder
        1. Luiz Fernando

          Depois q os Celtics rodaram nem tenho visto mais isso. E ainda teve a surpresa desagradável do ultimo capitulo do GOT, vc gostou? Queria q a Cersei fosse torturada até pedir arrego kkk…

          Responder
        2. Sérgio Ribeiro

          Outro jogaço, Gabi. Imperdível. Mas do outro lado do jeito que o “ Brinquedinho Assassino “ anda aprontando não tem pra ninguém. Não fique com ciúmes rsrsrs Abs!

          Responder
    1. Luiz Fernando

      Vc já viu alguém aqui negar q Federer é o mais técnico dos tenistas da atualidade? Isso é inegável, mas de fato isso não garante vitória…

      Responder
  20. Rubens Leme

    Dalcim, o Tsonga pós-matriônio, me parece mais magro, com um físico mais enxuto. Uma pena que isto aconteceu já no final da carreira e não no seu auge. Foi um daqueles “quase”, que poderia ter vencido Slams e ido bem mais longe.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Dizem que a falta de um bom trabalho físico o prejudicou – aliás, parece ser um padrão no tênis francês. Também acho que Tsonga se acomodou nos grandes momentos em que teve a chance de ganhar um Slam.

      Responder
      1. Rubens Leme

        Sim, a geração dele – Moflls, Gasquet, Simon – nunca primou pelo preparo físico, embora fossem todos muito talentosos. E acho que, mais importante, faltou um trabalho mental. Eles rapidamente se acomodaram em ser apenas muito bons, mas não deram o pulo final. Não vamos nos esquecer que Tsonga nos deu alguns dos melhores jogos deste século, como o 3×0 na semifinal do Australian Open, em cima de Nadal, em 2008, ou aquela virada épica em cima de Federer, em WImbledon, quando saiu perdendo de 0x2.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Sem dúvida. Tsonga sempre foi um dos meus tenistas preferidos. Acho que ele nunca explorou todo seu potencial. Poderia ter investido seriamente na melhoria do backhand, talvez até mudado de vez para o bh de uma mão, o que se encaixaria bem no seu estilo agressivo e de rede.

          Responder
          1. Rubens Leme

            Sem dúvida. No jogo contra o Federer ele sacou tão bem e voleva com tanta facilidade, que uma hora pensei que ele tinha se tornado o suiço, que não tinha respostas. Foi uma pena que a geração dele tenha pegado não apenas ele mas também Djokovic e o Nadal.

            Enfrentar os três ao mesmo tempo foi demais para ele, Nalbandian, Roddick e até mesmo o Safin, que se aposentou com apenas 30 anos, entre outros. Acho que isso o desmotivou (e a todos os outros citados), porque viu que o sarrafo era alto demais e teria que se dedicar de uma maneira que não combinava ou não conseguiria. Hoje, ele é mais um que tenta voltar, mas perdeu o bonde, como é o caso do Berdych, do Wawrinka e, em menor nível, do Raonic.

            Gostaria que, ao menos, fizesse uma outra final de Slam, mas parece que o tempo já passou.

          2. José Nilton Dalcim

            E agora vieram as outras prioridades: casamento, filho… Então o foco acaba naturalmente mudando.

  21. Luiz Fernando

    Frente as inúmeras contusões q sofreu, q impediram Nadal de tornar-se o maior vencedor de GS da historia, ele no fim nao pode reclamar tanto, quase sempre voltou bem, sempre voltou a ser bem competitivo, o q contrasta com outros, basta olhar o exemplo do genial Wawrinka, q nunca se recuperou e perde uma atras da outra, e de Murray, o qual eu acho q nunca mais voltará a jogar em um nível competitivo.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Nunca entendi muito bem por que você ironiza tanto o Wawrinka.

      Será que todo mundo precisa vencer tanto quanto vencem Federer, Nadal e Djoko, para terem o teu respeito?

      Porque se for esse o caso, você vai ter de parar de assistir tênis, quando eles três se aposentarem…

      Eles são pontos fora da curva, na história do tênis.

      Acho que nunca mais veremos 3 tenistas tão vitoriosos jogando ao mesmo tempo…

      Responder
      1. Gildokson

        Ele ja começa mal quando diz que as contusões impediram Nadal de ser tornar o maior vencedor de Grand Slans da história. Uma coisa que infelizmente ele ainda pode ser.
        Sem contar que do jeito que ele fala, parece que o Nadal ganharia todos aqueles torneios que não jogou.
        Na verdade os grandes culpados por isso não ter ocorrido ainda são Djokovic e o próprio Wawrinka, sem contar Federer, Brown, Kyrgios, Rosol, Del Potro etc etc e etc kkkkk

        Responder
      2. Luiz Fernando

        Se vc se refere ao ”genial” é apenas provocação, algo comum aqui. Agora os resultados dele pos contusão são bem ruins mesmo, concorda?

        Responder
    2. Rafael Brasiliense

      Quatro finais de Grand Slam e três títulos em cima de Nadal e Djokovic (2x) não é pouco. Atrás do big four, Wawrinka é, sem dúvidas, o maior tenista do circuito.

      Responder
  22. Nando

    Mestre, pra vc quem pode atrapalhar o Federer na chave, num suposto caminho até a semi? Eu particularmente acho q Coric, Monfils e Delpo são esses caras…os 3 sempre jogam bem contra Federer (Coric joga mto taticamente). Tsitsipas tbm.
    Acho q o fator físico é o maior obstáculo, comparado com os outros tenistas do circuito….o q acha?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, sem dúvida todos eles. Dependerá também do clima. Paris tradicionalmente tem dias muito quentes e secos, o que combinam melhor com o jogo do suíço, mas também tem dias frios e úmidos, que deixam tudo muito lento. Então também depende de quem ele enfrentará em cada condição.

      Responder
      1. Luiz Fernando

        Mas Dalcim esses caras q o Nando listou podem atrapalhar qualquer um, assim como Cx9, Fognini e alguns outros, não acha? Claro q como vc expôs, as condições climáticas também podem interferir!

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Claro, é isso que faz do tênis um esporte tão interessante. Mas Khachanov está num péssimo momento, Fognini também não está fisicamente bem e muitos jogos longos podem complicar. Hoje, sinceramente, só vejo Thiem com possibilidade de atrapalhar Djokovic ou Nadal em melhor de cinco sets.

          Responder
  23. Paulo F.

    Dalcim:
    Eu considero Djokovic um saibrista injustiçado – tem menos reconhecimento do que vários especialistas na superfície – mesmo tendo um cartel mais variado e algumas vezes maior.
    – Ele sendo bicampeão de RG, tu passaria a considerá-lo acima de nomes consagrados no piso, tais quais Sergi Bruguera e Thomas Muster?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Muito provavelmente, Paulo. Nem acho o Bruguera tudo isso. Acho que os grandes do saibro foram Vilas, Borg, Orantes, Lendl, Muster (apesar de só ter um Roland Garros), além é claro do Nadal.

      Responder
  24. Tomaz Radel

    É fato que Nadal é o melhor de todos os tempos no saibro, mesmo ganhando muitos torneios em quadras duras, Federer o melhor de todos os tempos em quadras rápidas, só ver os títulos, sobra para Djoko ser coadjuvante um degrau abaixo, falam tanto que o Sérvio vai bater todos recordes de Federer e Nadal, tá de brincadeira, com 17 GS o Espanhol pode vim a ser o maior campeão de GS do tênis moderno, ele vem adaptando seu jogo para quadras rápidas, melhorando a velocidade do saque e os winners no drive paralelo, já que no saibro em condições normais em melhor de 5, fica difícil vencer o Miura.

    Responder
  25. Paulo Almeida

    Guga é bem melhor do que Frauderer no saibro, tendo inclusive detonado o mesmo em Rolanga 2004, já cheio de pino no quadril.
    O suíço teve muitas chances antes do Nadal e não aproveitou nenhuma, pois sempre foi fraco no piso.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Guga não só foi melhor do que o Federer no saibro, como também muito melhor do que a Olivia Palito da Sérvia.

      Tanto que mesmo com a carreira abreviada pela lesão, teve tempo de ganhar 3 vezes RG.

      Ao passo que a Olivia só ganhou em 2016, porque pegou uma chave incrivelmente ridícula.

      E o seu freguezaço Murray na final.

      Ou seja, na prática, foi quase um título falsificado… (rs)

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Não, não foi, caro freguês.
        Djokovic doutrinou o rei do saibro sete vezes, sendo em quatro finais.
        Murray é um gigante da história do tênis e jogou muito no barro tanto em 2015 quanto em 2016. Portanto, mais um GS de peso para o GOAT.
        O que não vale quase nada é título em cima do Soderling.
        No mais, aqui são 10 títulos grandes na época do Saibral. Fregueser?

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Por isso que todo mundo te leva a sério, caro Fake… (só que não rs)

          Chama de Fregueser um tenista que só tem 3 derrotas de saldo negativo.

          e chama de “um dos maiores” outro que perde de 25 a 11.

          Kkkk

          Responder
          1. Jonas

            Murray era número 2 do mundo na derrota pro Djoko em 2016.

            “Ah mas era freguês”

            Cara, são raros os tenistas que tem um retrospecto “respeitável” contra o Djoko. O Kyrgios tem 2 vitórias em 2017, não lembro de outros tenistas que conseguem bater de frente assim. Mas Murray apesar de freguês no geral, já complicou pro Djoko em alguns torneios bem importantes.

            Roma 2016, Jogos Olímpicos de 2012, Us Open 2012, Wimbledon 2013…finais importantíssimas. E tem o fato de que 2016 é o melhor ano da carreira do Murray, inclusive terminou como número 1.

            Comparar um rival desse calibre com uma total zebra como o Soderling é risível. A final de Rg 2009 foi entre Del Potro e Federer, na minha opinião.

        2. Rodrigo S. Cruz

          E sempre falei aqui e vou falar. Pode espernear a vontade.

          RG 2016 foi o título de major mais medíocre do Djoko:

          Pegou uma série incrível de Pangarés nas rodadas iniciais. Pegou um Thiem novato na semi, e o maior freguês de sua carreira na final.

          Responder
          1. Paulo Almeida

            Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, eu vivi para ler um fedtard chamando algum Grand Slam do Djokovic de medíocre. Calma, respira, KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!!!

            Cara, se GS em cima do Murray não vale, o Frauderer só tem 4 válidos na carreira: os 3 em cima do Nadal e 1 em cima do Djoko, sendo que eles eram bebês ainda, exceto no AO 2017.
            O cara cavou a própria cova com esse post!

            Fregueser realmente é freguês do GOAT com 19×9 pro sérvio de 2011 pra cá e 24×17 em finais + semifinais no geral. E o Murray chegou a ter 11×9 no h2h contra ele. Em suma, Frauderer não bate em ninguém do Big Four.

        1. Rodrigo S. Cruz

          Paulo F.

          Pragas de milharal são combatidas com agrotóxicos. (rs)

          E Pragas virtuais?

          Mas de toda forma, RG 2016 eu sinceramente achei que caiu no colo dele.

          Responder
  26. DANILO AFONSO

    Dalcim, nunca foi cogitado a possibilidade de remanejar um dos Masters 1000 para a América Latina ? Quem sabe retirar um dos 3 Masters americano.

    Acredito que a globalização do esporte ocorrerá quando de fato distribuir os principais torneios em todos os continentes, igualmente a F1 pratica há anos. Não adianta colocar um ATP 500 e 250 no Brasil e Argentina, se a nata do esporte não comparece. Vez ou outra NADAL da as caras por aqui.

    Já pensou o espetáculo que seria as feras aqui no Brasil ?? Iria bater recorde de público e com certeza traria novos torcedores telespectadores e/ou praticantes do esporte.

    Outra pergunta:

    Não seria mais lógico termos dois torneio Master 1000 na GRAMA, preparatório ou não para Wimbledon ?

    Atualmente temos 6 no piso duro e 3 no saibro.
    Ficaríamos com as alterações, 4 Masters no piso duro, 3 no saibro e 2 na grama. Tinha que seguir essa proporção.

    Por que é tão difícil a ATP enxergar essas mudanças ???

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não é de todo impossível, mas qual país sul-americano hoje teria um patrocínio para bancar premiações de 5 milhões de dólares? O custo do evento é facilmente multiplicado por 4 ou 5. Nosso ATP 500 sofre todo ano para arrumar 1,5 mi de prêmio e conta com ajuda essencial da Lei de Incentivo (o que para mim é um erro, mas enfim…) Então acho fora da nossa realidade no momento.

      Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Aí é uma questão de estratégia de mercado, mas lamento o Itaú ter abandonado o tênis brasileiro. Grama aqui? Impossível com nosso clima.

          Responder
          1. R. P.

            Aproveitando o ensejo, qual a diferença entre o gramado “padronizado” exigido pelo tênis e os gramados (de boas condições, obviamente) de futebol?

          2. José Nilton Dalcim

            O do tênis é muito mais exigente, porque qualquer desvio é fatal. A grama geralmente é cortada a 8mm do solo para ficar bem baixa. Existe o desgaste diário – cada vez mais acentuado – e um trabalho permanente é feito para se tentar mantê-la lisa. Os gramados do futebol são incomparavelmente maiores e podem ter maiores irregularidades sem tanto comprometimento do jogo, exceto claro próximo ao gol.

  27. Paulo Almeida

    Parabéns ao melhor tenista que esse planeta já viu! Grande Novaking DjokoGOAT!
    E que daqui a 2 anos no máximo já tenha quebrado todos os recordes do tênis.

    Quanto a Roland Garros, é de fato o mais amador dos GS, seguido por Wimbledon. Australian Open é disparado o mais moderno e o US também não faz feio.

    Responder
  28. Sônia

    Dalcim, vendo o filhinho do Tsonga assistindo o jogo do papai, percebo o quanto o tempo passa rapidamente, inacreditável. Tsonga é outro que logo logo… :’( . Beijos.

    Responder
  29. Helena

    Dalcim,
    O prazo para inscrição das duplas é o mesmo para a de simples? Digo isso porque a última postagem do Tsitsipas me deu a impressão de que ele pretende jogar as duplas mistas também.
    Me lembro do Demo e outros jogadores falando da correria para se inscrever até o último momento, mas não lembro do prazo.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Varia muito de torneio para torneio, mas geralmente a lista ‘fecha’ no sábado. Nos Slam, a mista é diferente e vai até o primeiro ou segundo dia de jogos.

      Responder
      1. Helena

        Entendi, obrigada.

        Eu estava achando essa ideia de duplas um pouco insensata , mas depois dessa chave acho que vale a pena investir mesmo… hehehe

        Responder
  30. sandro

    Dalcim, boa tarde. Eu vejo os toneios atp pelo tenistv, da atp. Para mim ver os slams em streaming, existe algum site específico?
    Grato,
    Obrigado por suas análises excelentes, que nos fazem aprender mais sobre o tenis.
    Grande abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Cada Grand Slam tem uma fórmula, Sandro. O AusOpen liberou tudo no seu site, Roland Garros lançou um app pago (30 reais pelo torneio todo) que vale a pena. Wimbledon não permite nada ainda e o US Open libera todas as quadras para alguns países (Brasil, não).

      Responder
  31. Renato

    Rodrigo,

    Como o Pessanha e Sônia postaram, Federer tomou apenas 4 pneus na carreira toda, e o curioso é que só no espanhol Federer enfiou três, ou seja, quase o mesmo número que o suíço tomou a carreira inteira. Kkkkk

    Eu não sei como é que a Michelan ou Pirelli não aproveitaram a sacada pra patrocinar o espanhol. Novak também merecia um patrocínio de fábricas de pneus.

    Responder
  32. Samdra

    Dalcim, no seu blog anterior eu havia perguntado sobre Kyrgios e a relação com Roland Garros. 0 que eu quis dizer é porque se ele critica tanto o saibro, porque não dão chances a outros que realmente querem jogar

    Responder
  33. Marcos

    Onde é possivel adquirir uma bolinha usada em um jogo de GS? Lembro de vc mencionar uma vez que as usadas em Wimbledom são vendidas para financiar aulas de tenis para crianças carentes. Algo assim. Ou me enganei?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      As de Wimbledon são vendidas ao público também. Tem um setor especializado que fica perto das quadras 15 ou 16, se não me engano. Saem por preços bem módicos.

      Responder
    1. Paulo F.

      Parabéns Renato, feliz aniversário.
      Te desejo menos amargura contra um certo tenista, se ele fosse assim tão ruim, não teria um retrospecto muito bom contra o maior tenista de todos os tempos.
      Abraço.

      Responder
    2. DANILO AFONSO

      Olha ai RENATO !! Eu sempre soube que havia algo especial entre você e o Djokovic. Você apenas pega no pé dele porque a mídia tem que dividir a atenção e os holofotes entre vocês dois no dia 22/05 de cada ano.

      “…Nossos destinos, foram traçados na maternidade…” (Exagerado, Cazuza).

      Feliz Aniversário seu mala sem alça !!!

      Responder
      1. lEvI sIlvA

        Boa Danilo, agora sim, tá explicado a “fixação” do Renado no Djoko! Quem sabe ainda muda de torcida, né não?!? 😉 Abraço!

        Responder
  34. Paulo F.

    Aproveitando para te parabenizar, Novak Djokovic, feliz aniversário!
    Meu ídolo no tênis e fácil um dos 5 maiores de todos os tempos.
    Que possa se manter neste nível mais uns 2 anos.

    Responder
  35. JMSA

    Dalcim,na sua opinião,GUGA foi mais jogador que Federer no saibro ?
    Porque apesar de ter apenas um título ,ele chegou em 5 finais e ainda tinha um tal NADAL de concorrente .
    Como sempre textos excelentes do seu blog

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      São comparações sempre complexas. Acho que Federer tem um histórico respeitável em Roland Garros, mas não dá para competir com os três títulos de Guga, também obtidos sobre grandes especialistas da sua época (Muster, Kafelnikov, Bruguera, Ferrero, Norman), ainda que os vices do suíço tenham sido diante do Nadal. Além disso, existem os outros grandes torneios sobre o saibro e Guga ganhou os três (então Hamburgo no lugar de Madri). Por fim, o catarinense teve importância enorme ao introduzir uma nova forma de se jogar sobre o saibro, de forma agressiva, com backhand simples forçado, e trazendo de volta a deixadinha que estava um tanto esquecida. Abs!

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Concordo plenamente com o Blogeiro. Lembrando apenas que atuando próximo a linha de base ( ao contrário de GUGA ) , o Suíço foi finalista em Rolanga em 2006 , 2007, 2008 , 2009 e 2011. E possui 6 MASTERS 1000 no Saibro contra 4 do Manezinhos da Ilha.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Dos seis, quatro foram em Hamburgo e dois em Madri, com finais em Monte Carlo e Roma. Como disse, é um currículo muito respeitável no saibro.

          Responder
        2. Marcelo

          Temos que considerar que o Guga jogou em alto nível, e com saúde física, por 5 temporadas. O Federer tá desde pelo menos 2004 com chances claras de ganhar qualquer Slam ou Masters 1000. Como disse o Dalcim, é sempre muito complexo de se comparar.

          Responder
    2. Luiz Fernando

      De fato dizer q A é melhor do q B ou o contrário é sempre complicado, mas indiscutivelmente Federer é um excelente saibrista também, fez varias finais e as q perdeu o fez diante do maior saibrista da história. É algo semelhante à dizer q Nadal não seria um bom jogador de grama, fazendo 5 finais de W, vencendo duas, e as q perdeu o fez encarando Federer e Djoko, expoentes do tênis em qualquer piso. Quando se fala desses caras do Big3 e os compara com outros sempre será difícil fazer qualquer comparação desfavorável ao Big3.

      Responder
  36. Paulo F.

    Que me desculpem os nadalistas e a grande maioria dos latinos – que são escravos espirituais do saibro:
    É vergonhoso do quanto Roland Garros está cada vez mais ficando abaixo dos demais Slams, principalmente no apecto de infra-estrutra.

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Será q vc não está no segmento errado? Em geral não é a torcida do Djoko q tem hábito de menosprezar o q favorece o adversário…

      Responder
      1. Paulo F.

        Tu não tem problemas de interpretação de texto ou só absorve aquilo que te favorece, Luiz Fernando.
        Leia de novo, pois não estou tentando diminuir o Nadal com isso.

        Responder
      2. Paulo F.

        Se Roland Garros fosse nagrama, a crítica seria igual.
        Ou seja, a crítica é contra o quê envolve no que oferece ao público e à infra-estrutura, não uma crítica à superfície.
        Mas eu entendendo essa reatividade toda, anos aguentando os fedtards não é fácil!
        kkk
        Abraço.

        Responder
        1. Luiz Fernando

          Sabe Paulo, acho q eu estou tao acostumado trombar com os caras do segmento zumbi como diz o Chetnik que nao prestei atenção de fato no teor da sua postagem, simplesmente errei na resposta kkk. Fui uma vez a RG e de fato nao pretendo voltar mais, pq a estrutura deixa a desejar e os franceses fazem de tudo pra vc nao querer mais voltar. Mas como postou abaixo, acho q quem tromba com algumas pessoas aqui do blog ha tempos esta antecipadamente perdoado por algum pequeno equivoco. Abs.

          Responder
      3. Renato

        Como se vc e seus colegas Djokovetes nunca tentassem desmerecer os feitos do suíço, com aqueke papinho de entressafra e demais baboseiras. Não vou te chamar de hipócrita pois não lhe conheço, mas está sendo.
        Antes que vc me critique, eu assumo as coisas que falo aqui e admito que tento desmerecer os feitos dos rivais, mas na maioria das vezes é pura provocação contra os xiitas do espanhol e sérvio.

        Responder
  37. Maurício Luís *

    Um certo espanhol – o Tom Cruz Credo do tênis – com pouco cabelo e especialista em ‘balões’ com spin, dizem que chegou pra namorar, todo arrumadinho, penteado e perfumado:
    – Meu doce, acabei de chegar do salão de beleza !
    – Mas… e tava fechado?

    Dizem também que o Kyrgios, quando ficou sabendo, escangalhou-se de rir.

    (+ uma da série “Esqueci de tomar o Rivotril”)

    Responder
  38. CARLOS ITAMAR PEREIRA

    Dalcim,
    Muito boa a matéria sobre o faturamento dos GS .
    Sabemos que o tênis é um dos esportes que menos remunera os attletas comparado a outros esportes.
    Sugiro que explore um pouco mais o tema mesmo pq está no centro da polêmica troca de comando da ATP.

    Abs.

    Responder
  39. Ronildo

    Obrigado por responder minha pergunta sobre o ranking da grama no post anterior Dalcim.

    Realmente, em 2017 e 2018 Nadal foi bem em Wimbledom.

    Como expectativa e ânimo para Federer seria bem importante ele entrar como cabeça 2 em Wimbledom, pois nos últimos 10 anos somente ele, Djokovic e Murray venceram lá.

    Responder
  40. Bruno

    Léo Gavio ,com todo respeito
    Mas se vc tivesse que arrumar um namorado (a)no tênis,quem vc escolheria:
    Djokovic
    Serena
    ou a sharapova?

    Responder
    1. Miguel BsB

      Vi que você e o Dalcim escolheram atletas mulheres, eu só listei os marmanjos…
      Mas, se fosse geral, tb ficaria com a Graff de 88, ganhou tudo que podia, temporada mais sensacional da história!

      Responder
  41. Luiz Fernando

    Nove dos principais cabeças de chave trintões, esses tenistas mais jovens engatinham e vivem de danoninho mesmo, é algo indiscutível…

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Ainda bem que alguns se utilizam de Danoninhos. E aqueles que não amadurem nunca ? Os TOP 4 , 5 e 6 são respectivamente : O SuperEstimado, o Danoninho Russo e o Grego Marrento. É somente pesquisar e assistir aos jogos rs Abs!

      Responder
      1. JOSÉ EDUARDO PESSANHA

        Sérgio, o Thiem não entra nessa leva de “jovens”. Está bem rodado, já consumiu bastante iogurte Chambourcy. Esse aí não ganha Roland Garros. rsrs
        Abs

        Responder
  42. Carlos

    Na verdade há o puma da Slazenger estampado nas telas de fundo pelo menos da quadra principal em Wimbledon. Pequeno mas está lá, próximo aos juízes de linha.

    Responder
  43. Celia Kruger

    Prezado Dalcin’

    Federer estara apenas 5 pontos na frente de Nadal, assumindo o segundo lugar no ranking, antes de Roland Garros comecar ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Na teoria, exatamente isso. Desde que se desconte os pontos a defender, ele iniciará Paris com 5 pontos de vantagem. Portanto, para ser 2 Federer tem que igualar pelo menos a campanha do Nadal.

      Responder
  44. Rodrigo S. Cruz

    Ah, e só lembrando

    No último domingo tivemos mais um pneu sofrido pela Olívia Palito.

    E quem aplicou dessa vez foi o BRUTUS…

    Responder
  45. Rodrigo S. Cruz

    Até o Renato deve estar agradecendo o Djoko de joelho, agora!

    (rs)

    Porque os Fakes fizeram das tripas coração para REQUENTAR a celeuma do pneu de RG 2008.

    E se esqueceram de que a Olívia Palito tomou um pneu 10 vezes mais “fidido”…

    Tão fedido, que até o Dalcim, o sujeito mais “responsa” do blog, não resistiu em tirar sarro!

    Tomar 6/0 do Bello foi colossal.

    Muito obrigado, Djoko!

    Você nos prestou um grande serviço…

    Responder
    1. Jonas

      Entre tomar 6×1 6×3 6×0 em final de Slam ou ganhar um jogo do Belucci mesmo tendo tomado um 6×0 no primeiro set, sinceramente acredito que o Djoko prefere a segunda opção.

      Responder
      1. Jonas

        E outra coisa óbvia. Nadal era o maior rival de Federer, que estava com o espanhol entalado na garganta. Passar por uma situação dessas em uma final de Slam é bem marcante, com certeza mexeu com o psicológico de Federer na época.

        Já Djokovic venceu o jogo e foi em um masters 1000. Inclusive, neste mesmo torneio ele derrotou o Nadal e chegou a final perdendo pro Murray.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Bahh!

          O Federer nem se lembra disso.

          Até porque, no ano seguinte ele foi o campeão.

          E isso já faz 11 anos.

          Só quem realmente faz questão de lembrar disso são as olivetes desse blog.

          Mas não contavam com pneus do Nadal e do Bello…

          Responder
          1. Jonas

            Vocês só podem viver em outro mundo.

            Djokovic venceu o jogo e chegou a final, enquanto Federer foi surrado pelo seu maior rival. Surra é até um elogio pra falar desse jogo.

            Você acha mesmo que o sérvio preferiria ser massacrado sem dó pelo Federer em uma final de Wimbledon, do que tomar um pneu e virar o jogo em um masters 1000?

            Com toda certeza é bem melhor tomar alguns pneus em torneios menores do que em uma FINAL de Grand Slam, ainda mais contra aquele cara do outro lado que sempre te vence e ainda passa por cima.

          2. Rodrigo S. Cruz

            Eu vivo neste mundo.

            Você que parece viver em outro.

            Como comparar Wimbledon com Roland Garros, nesse caso?

            Tanto Federer como Djoko são tenistas fortíssimos em Wimbledon.

            Improvável um ser massacrado um pelo outro ali.

            Já o Federer em comparação com o Nadal, no saibro, a balança desequilibra muito mais.

            Um é rei do saibro ( naquela época Monstro). O outro tem no saibro, sua pior superfície.

            Tomar 6/0 do Nadal ali, é pra você algo tão espantoso assim?

            Se o até o Nadal tomou um pneu do Fognini num saibro lentão,

            Por que raios o Federer não pode tomar um do Nadal, no seu nível máximo?

  46. Sônia

    O quê? Como? A quadra central não teve nenhuma reforma? Não mexeram no piso? Putz… agora ferrou, affff, vai entender esses vassalos franceses. Beijos.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, teve reforma para poder receber o teto retrátil, mas em que isso muda alguma coisa, Sônia? O piso será exatamente igual ao que sempre foi.

      Responder
        1. José Nilton Dalcim

          A terra é diferente da grama ou do sintético, Sandra. A velocidade na verdade se dá mais em função do clima. Claro que, quando for coberto, ele pode ficar mais veloz, porque terá menor interferência do vento e por vezes o teto fechará. Bjs.

          Responder
  47. Paulo Almeida

    Acredito que o GOAT Novak Djokovic já esteja em processo final de recuperação da musculatura e quase pronto para focar nos treinamentos rumo a mais um Nole Slam.

    Em relação às semanas como número 1, já tem 264 garantidas e com uma boa campanha na França ultrapassará finalmente Connors e Lendl em setembro. Não dou muita bola para esse critério superestimado, mas é bom quebrar mais um recorde.

    O rei absoluto de torneios ATP com 38 canecos entrará com sangue nos olhos no barrão francês com certeza absoluta. A derrota para seu maior rival teve esse lado positivo.

    Responder
    1. Marcio

      Tomara que perca mais uma… o Chatovic tem de aprender a perder… quando ganha tudo são flores, aplausos, sorrisos… quando perder quebra tudo… chorão demais!!!! Força Nadal, Federer!!! Deixa o sérvio chato para trás!!!

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Mentir é feio, Marcio.

        Quem nunca ou quase nunca reconhece os méritos do adversário quando perde é o Nadal. Djokovic SEMPRE parabeniza os rivais quando é derrotado. Quebrar raquete é coisa de momento durante um jogo e faz parte da personalidade do sérvio. Federer também quebrava muitas no início de carreira para sua informação.

        Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      ” Não dou muita bola para esse critério Superestimado ” . Por acaso foi o Thiem quem inventou ele ? Kkkkkk . Hoje o Goat Paraguaio faz 32 anos. Será que ele merece Paulos, Jonasers, Gaviões e CIA ? rs Em homenagem a ele ,vou tentar te ajudar. Recordista pela ITF é Federer com 20 SLAM. Pela ATP é também o próprio com 81 . Vários Torneios de Connors pela WCT ( funcionava simultaneamente com a ATP ) , são reconhecidos. O recordista de FINALS é também o Suíço com 6 . De MASTERS 1000 é Rafa Nadal com 34 . Esse recorde absoluto do Sérvio seria o que, caríssimo Pauloser ? rsrsrs ? Abs!

      Responder
      1. Paulo Almeida

        Sergioloser, o correto é somar os títulos grandes da ATP, entendeu? Nisso o GOAT é soberano com 38 canecos.
        E ele vai passar as semanas como número 1 do Frauderer só para calar fedtards como você.

        Responder

Deixe uma resposta para Ronildo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *