O padrão Djokovic está de volta
Por José Nilton Dalcim
12 de maio de 2019 às 22:31

Demorou, mas enfim Novak Djokovic voltou ao padrão com que se habituou a dominar o circuito. Saque calibrado, devoluções apuradas, golpes batidos na subida, troca constante de direções, toques magistrais, contragolpes mortíferos, trabalho de pernas invejável. Em qualquer piso, esse arsenal sufoca adversários e é sinônimo de sucesso.

A reação começou no sábado contra Dominic Thiem. Ficou duas vezes contra a parede, obtendo reações dignas de seu currículo nos dois sets. A parte mental se destacou acima dos golpes e isso foi o primeiro importante indício de que Nole havia readquirido a determinação ferrenha de ganhar.

A final deste domingo nos mostrou no entanto aquele Djokovic que toma a iniciativa, coloca o oponente sob pressão constante, é aplicadíssimo na parte tática e fecha todas as portas. Sim, Stefanos Tsitsipas parecia mais lento e menos paciente do que na véspera diante de Rafael Nadal. Tentaria jogar um pouco mais no risco, seja nos voleios ou nas deixadinhas.

O número 1 estava preparado para isso desde que pisou na quadra. Fez o grego se mexer o tempo inteiro, teve ótima leitura das variações que Stef buscou e acima de tudo sacou com enorme eficiência, sem permitir um único break-point. Deixou Tsitsipas com mínimas opções. Padrão Djokovic.

O aquecimento para Roland Garros ainda terá Roma, onde os favoritos devem estrear entre terça e quarta, mas para o sérvio isso já não tem tanta importância. Ele já deu a resposta esperada, readquiriu confiança, avisou que está pronto fisica e mentalmente para as batalhas de cinco sets em Paris. Seus concorrentes, especialmente Rafael Nadal, que corram atrás.

E mais
– Djokovic empatou novamente com Nadal no número de Masters, com 33, e poderemos ter um interessante tira-teima em Roma. A chave está muito boa para o sérvio, que viu Thiem, Tsitsipas e Fognini – os três algozes do espanhol no saibro europeu das últimas semanas – ficarem do lado do canhoto espanhol.
– O título em Madri fará com que Nole apareça 4.170 pontos à frente de Rafa nesta segunda-feira, o que é mais do que toda a pontuação do atual número 6 Kei Nishikori. Entre Roma e Paris, o espanhol tem 2.280 pontos para defender a mais do que o sérvio. Está cada vez mais difícil tirar Djokovic da ponta.
– No ranking da temporada, que projeta alguma reviravolta lá no fim do ano, Djokovic abriu 1.005 pontos  para o quarto colocado, o próprio Tsitsipas. O grego por sua vez está a apenas 105 de Nadal, o vice, e a meros 60 de Federer.
– Esta foi a 200ª vitória de Djokovic sobre um adversário top 10, aproximando-se das 218 do recordista Federer. Com 90 derrotas nesse patamar, a eficiência do sérvio subiu para 69% e continua atrás de Borg, com 69,8% (81 em 116).
– Com 205 vitórias e 53 derrotas sobre o saibro na carreira, Djokovic é o quinto profissional em eficiência (79,5%), atrás de Nadal, Borg, Lendl e Vilas.
– De seus 74 títulos, 14 agora vieram sobre a terra. Já em nível Masters, são 9 dos 33.


Comentários
  1. Carlos Umberto

    O Kyrgios poderia colocar seu nome na história do tênis como um dos grandes. Se não se aplica, não se dedica, não leva a carreira a sério, quem perde é ele mesmo. Talvez um dia mude para o bem dele mesmo!

    Responder
  2. Daniel

    Putz galera, não sei como vcs perdem tempo discutindo com fãs fanáticos do Djokovic. Fala sério, pula o comentário! Afinal quem é essa galera perto de ex-tenistas e especialistas no assunto?

    Essa galera precisa tentar provar para os outros que o Djokovic é o melhor pra satisfazer o ego. Eu acho patético.

    Cada pessoa tem o seu tenista favorito e vida que segue. Tem gente que acha o Sampras melhor, outros acham que o Borg foi melhor. Pra mim o Federer é infinitamente melhor como tenista que Nadal e Djokovic, independente de títulos. Não é uma dúzia de gatos pingados que nem do ramo são que vão tirar a minha paz.

    Abs a todos!

    Responder
    1. Paulo Almeida

      Daniel, você é outro que falou muita besteira antes da final de Madrid, como dizer que o suposto “maratênis” estava com os dias contados e outras sandices.

      O tênis de Djokovic e Nadal sempre foi mais competitivo e vencedor do que o do Fregueser, você querendo ou não.

      Fique aí achando que seu ídolo é infinitamente melhor sendo que tomou quase 50 cacetadas dos dois e foi apenas o terceiro melhor na era Big Four. Parece aqueles fedtards que acham que ainda estão em 2007.

      Abraço!

      Responder
      1. Fábio Marques

        A era Big Four começou com Federer… Novak foi FregUêzasso durante o auge do suiço. Nadal só tem vantagem por conta do saibro… nas outras superfícies Roger leva vantagem… O melhor é aquele que tem mais títulos e em especial os Grandslam. Novak precisa se apressar pois na mesma idade Federer tinha mais títulos e mais Grandslams rsrsrs Será q o sérvio chega aos 37 vencendo slam e Masters?? Fica o questionamento…

        Abrç

        Responder
    1. Nando

      Choranhas, educação eu tenho de sobra…até pq se eu fosse mal-educado, meus comentários não seriam aprovados, sabia?
      Responde aí pq vc só tem olho pra um lado, mas fecha os olhos pro outro lado? (qnd os fakes Vovó Mafalda e Bozo falam as ladainhas) Vc é tão fanáticos qnt a maioria q frequenta o blog (me incluo), e tenta passar um ar de “imparcialidade velada”…por isso é Choranhas!

      Responder
    2. Chetnik

      Sabe o que é pior, esse cara vive chorando para o Dalcim que eu ofendo os torcedores do Federer, só porque faço umas zoações, sendo que ele sempre te ataca pessoalmente.

      A cara de pau e incoerência dessa turma é de matar.

      Responder
  3. sandra

    Dalcim, você sabe qual é problema do Kyrgios de não gostar de jogar no saibro?? preguiça?? porque ele ganha de qualquer jeito e ainda debocha do oponente, realmente muito difícil
    E outra pergunta, acho que o Zverev está perdendo também porque está tentando gerenciar a própria carreira, pois pelo visto só tem gente querendo se dar bem as custas do sucesso dos outros, vide o técnico da Osaka

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O saibro obviamente não casa muito bem com o estilo dele, que gosta de definir pontos rapidamente e não ficar construindo jogadas. Paciência está longe de ser uma de suas virtudes.

      Responder
    1. Fonseca

      Do Dimitrov não é “fase”, é ruindade que bateu mesmo (talvez problemas físicos). Ganhou o ATP Finals em 2017. De 2018 pra cá, só tristeza. Zero títulos, nem semifinal ao menos de nada importante.

      Responder
  4. carlo

    Dalcim, estava dando uma olhada na chave de Roma e achei ela parecida com a de Madri com os papéis invertidos. O Djokovic ficou com a posição do Nadal em madri, o Federer com a do Djokovic e o Nadal com a do Federer. Só o coitado do Thiem é que manteve a dureza nas duas. É possível que para ser campeão tenha que enfrentar Nadal, Federer e Djokovic. Abs.

    Responder
  5. Fonseca

    A triste decadência de Zverevinho… a defesa do vice-campeonato de 2018 não durou uma rodada…. que fase…. nem Lendl dá jeito…

    Responder
  6. Mário Cesar Rodrigues

    Caro Dalcim,a Sabalenka é 10 do Ranking e não vejo que está a vontade no saibro perdeu feio hoje a Sevastova deu uma surra na Bel8nda e depois no seg7ndo set abriu 2×0 e depois se perdeu e o Zverev tá sofrendo pqp o cara tem uma batida Boa mas não sei o que passa com ele.kirgyos é um cara completamente fora da curva mas um grande irresponsável. Gael e Stan m ui tô devagar mas o Stan em RG é perigoso.abs

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      A cara-de-pau desse Paulo Almeida é tão agigantada, que ele cria, sem qualquer cerimônia, outro “Paulo” para elogiar a si mesmo…

      Que deprimente!

      kkkkk

      Responder
    2. Paulo Almeida

      Obrigado, xará. Às vezes exagero no fanatismo, afinal também sou torcedor, mas também acho que consigo analisar de forma ponderada.
      Não se se o Dalcim tem acesso ao IP de quem posta aqui, mas se tiver, pode esclarecer ao Rodrigo que somos pessoas diferentes.
      Aliás, nunca vi o cara tão transtornado.

      Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Pode ser o sal da terra, a luz do mundo. O que você quiser…

      Mas trocadilhos não mudarão o fato de que o jogo do Djoko é muito sem-graça mesmo…

      Abs.

      Responder
  7. Luiz Fernando

    Vamos terminar com as infantilidades: no momento Djoko é maior candidato a vencer os principais títulos, em qualquer piso! Negar isso é coisa de fanáticos, q aliás é o q não falta por aqui.

    Responder
    1. Nando

      Concordo com cada palavra q vc disse, o sérvio é o maior favorito a tds os torneios no ano HOJE. E realmente tem mto fanático aki, e nós nos encaixamos nessa aí, quem nega é mais fanático ainda.

      Responder
      1. lEvI sIlvA

        Kkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!!! Boa, muito boa mesmo! Parabéns aos dois participantes pela excelente “dupla no tênis” que representaram a pouco. Luis Fernando no fundo e Nando na rede, cobrindo com maestria!

        Responder
      2. Luiz Fernando

        Não me considero fanático e sinceramente nem a vc. Pq? Pq tanto eu quanto vc sabemos reconhecer maus momentos dos caras q nós torcemos, nem mais nem menos. Em resumo: ambos somos fanáticos do ponto de vista de torcer muito e sempre, independentemente da fase, mas não somos cegos…

        Responder
        1. Nando

          LF, falando sério agora, vc é um dos mais antigos aki no blog…sempre fui crítico a mtos comentários seus, não os q vc faz em relação aos tenistas, mas sim a determinada torcida (os q torcem para o Federer). Nunca vi vc criticar ou advertir os torcedores do djokovic (principalmente os fakes) pois ao q parece, vc tem uma espécie de “aliança” com eles. Aí q está o problema.
          Zuar com tenista, chamando de bailarina, cotonete, siri calvo…pra mim isso é irrelevante e acho ridículo quem se ofende com isso. A minha crítica em relação a vc é só essa q eu espus acima.
          Qnd vc se pega a comentar “de vdd”, é claro q vc comenta mto bem, critica os outros tenistas e o seu preferido tbm qnd é pra fazê-lo, elogia qnd é pra fazê-lo tbm.
          Só não deixe se contaminar por esses fakes q apareceram aki nos últimos tempos…percebeu q eles (Vovó Mafalda e Bozo) não comentam o esporte e sim falam as mesma ladainha de sempre, seja qual for o post do blogueiro? O post fala sobre o Bellucci? “Fregueser”, “Capivara”, “entressafra”.
          O post fala sobre Berdych? “Fregueser”, “Capivara”, “entressafra”…o post fala sobre Murray? “Fregueser”, “Capivara”, “entressafra”.
          Nunca vi falarem de outra coisa relevante, q possa agregar, informar ou “divertir” os frequentadores…aliás estou no grupo de whatsapp do Tenisbrasil há quase 2 anos, tds lá lêem os posts do Dalcim tds os dias. Mas mtos não comentam aki, sabe pq? Devido a esses “participantes ilustres”, tds q lêem os posts qnd querem ler os comentários, mas aí se deparam com as merdas ditas por esses “caras”…e não se pode culpar o blogueiro, pois como ele mesmo já disse várias vezes q impera a democracia, com moderação dos comentários claro.
          Então, não se deixe contaminar por esses caras…pode falar bem ou mal de tenista qnd achar q deve fazer, só tenha um olhar mais crítico pros 2 lados, em relação a torcida. Abs.

          Responder
  8. Eu

    Medvedev ficou nervosinho que não chegou na curta do kyrgios e destruiu a raquete…

    O narrador e comentarista do jogo do australiano só ficam criticando o Kyrgios, pq ele é imprevisível, pq ora dá uma curta, ora termina rápido o game para ir para casa ver basquete, ora não tem treinador porque ninguém o aguenta (talvez ele é que não queira alguém em cima dele o tempo todo…), ora não respeita adversário, ora que ele não se encaixa no padrão de jogar tênis (o quevrido mundo faz), ora isso, ora aquilo!

    Ué, esse é justamente o jeito de jogar do kyrgios, ser imprevisível, fora da caixa, fora do padrão, pegar o adversário de surpresa, etc

    Responder
    1. Eu

      O que todo mundo faz*
      …ora não quer ficar horas trocando bolas com o adversário, ora rebate reto

      Fico imaginando o que eles falam sobre todos os que são diferentes do padrão, da que todo o mundo é… E quem é diferente do todo mundo é ruim?

      Responder
  9. Eu

    Uma das coisas que gosto do jogo do kyrgios é que não tem enrolação. Pá pum, joga o que sabe, e ainda dá show!! Os haters vão falar que ele é mal educado, grosso, etc.! Não me importo, não vou casar com ele! Gosto de vê-lo jogar!!

    Responder
  10. Paulo F.

    Os torcedores do Federer SEMPRE tentando tirar o saibro da equação para diminuir o fiasco que o maior jogador de todos os tempos tem contra Nadal no mano a mano.
    Não dá, tênis também é feito de saibro.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Somente o Sr Paulo não sabe que o Suíço fez 5 FINAIS em RG e venceu 6 MASTER 1000 no Saibro ( GUGA venceu 4 ) . É freguês de Carteirinha do Rei do Saibro com 2 x 13. Assim como Novak com 7 x 15 . Nas outras superfícies ambos tem Head to Head favorável contra o Espanhol. Somente jogaram 3 vezes na Grama. Azar do Suíço rs Abs!

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Correção : O Rei do Saibro venceu as duas últimas portanto 16 x 7 para ele. E segundo os Fakes não é freguesia… 23 x 15 é que muitaaaaaa kkkkkkkkk Abs!

        Responder
  11. Roberto Léo

    Bom dia Dalcim,
    Mudando um pouco o assunto: o que achas da metodologia usada pelo Player DNA? (https://tennismash.com/wp-content/uploads/2019/01/player_dna_method.pdf)
    Eles pesam vários ítens e pontuam os jogadores.
    Interessante ver que: mental de Federer, tão desprezado por muitos, é o segundo, atrás do Nadal; Djokovic é o segundo mais técnico, também desprezado por muitos; apesar da dita “teimosia” do Federer, colocam ele como o segundo mais tático; Djokovic não é o primeiro em nenhum item, mas está sempre os três primeiros; o físico “mata” o Federer (18 colocado).
    Pesa contra, a metodologia só considerou jogos de grand slam.

    Responder
    1. R. P.

      Dá pra confiar nesses critérios aí? Um olhadinha rápida, dos 56 tenistas masculinos listados, 18 tem backhand melhor que Djokovic e 1 empate. Nem vi o resto.

      Responder
  12. Tadeu

    Mestre,
    Mais um texto preciso e brilhante.
    Ao que pese as oscilações durante o amadurecimento profissional, é nítido como o Tsitsipas parece se consolidar cada vez mais como o maior potencial da next gen, com o Zverev no encalço. Isso é digno de salientar enquanto vemos a dificuldade de outros nomes como Khachanov, Edmund, Coric, Shapovalov, Medvedev de mostrarem essa consistência e regularidade.

    Agora, quanto ao Djokovic, por que ele parece ter momentos de monotonia e falta de vontade, até mesmo com menor foco nos treinos, que foi uma constante pós Australian Open, e do nada também passa a ter aquela consistência única, com movimentação e variação absurdas, backhand e devoluções precisas, além de um forehand e saques eficientes? Em suma, uma parede!

    Algo explica essa oscilação, Dalcim?

    Forte abraço!!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que só ele pode explicar, Tadeu. Aqui de longe imagino que ele encontrou outras motivações na sua vida pessoal além do tênis (casamento, família, viagens de férias, amigos), o que é absolutamente normal.

      Responder
  13. Paulo Almeida

    Tenho duas pergunta pra galera aqui do blog:

    – É melhor ter 270 semanas como número 1 do mundo e 8 GS ou 196 semanas e 17 GS?

    – É melhor ter 33 M1000 e 5 Finals ou 28 M1000 e 6 Finals?

    Agora vamos separar fanáticos de analistas ponderados.

    Responder
    1. Maurício Luís *

      Como analista ponderado que me julgo, rabisquei um monte de contas no papel, tirei a raiz quadrada, formulei uma equação de segundo grau… não deu certo. Acho que deixei cair algum ZERO no chão.

      Responder
    2. Nando

      E vc se encaixa em qual categoria, Vovó Mafalda? Na dos fakes fanáticos ou na dos fakes neuras? Hahahahahahaha

      20>15
      310>251
      6>5
      101>74
      Opinião dos especialistas do esporte (blogueiros, comentaristas, ex-tenistas) > opinião da Vovó Mafalda

      Responder
    3. Rodrigo S. Cruz

      O melhor é ter:

      -20 Grand Slams
      – 310 semanas como número 1
      -6 ATP Finals
      -237 semanas consecutivas como número 1 (recorde que o Robô jamais vai quebrar!)

      OBS> E conseguir isso tudo jogando um tênis esteticamente vistoso, e não essa feiura praticada pelo teu “macho”…

      Responder
      1. R. P.

        20 majors são 20 majors!

        Como torci p/ Federer quebrar o recorde de Sampras, vou torcer para Djokovic quebrar o recorde de Federer; mas até lá não existe número maior na história do tênis. E claro, ninguém com juízo vai utilizar o número de semanas como critério para escolher quem é o melhor; no máximo, um desempate quando os grandes títulos estiverem igualados.

        Slam> Masters1000> ATP Finals

        P.S.: Não dá pra colocar Finals à frente dos Masters. Mesmo valendo mais pontos, torneio permite até sair campeão com derrota nas costas e o povo tá só o bagaço.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          O parceiro acompanha o Esporte a quanto tempo ? Ele somente perde em pontuação para o SLAM , pois é disputado pelos OITO melhores de Toda a Temporada. Não existe chave baba com desistências de Cilics da vida. Sempre será o Quinto SLAM. Infelizmente o Rei do Saibro continua Zerado neste Torneio rs Abs!

          Responder
  14. Oswaldo E. Aranha

    “Vocês vão ter de me engolir”
    Esta frase do Zagalo dita em determinada ocasião, quando estava sendo muito criticado, vale para o momento atual do tênis. Os detratores do Djokovic vão ter de engoli-lo como o grande tenista da década.

    Responder
    1. Maurício Luís *

      Eu me lembro desta do Zagalo. Nunca gostei dele. Cheio de empáfia, sempre “se achando”. Na semifinal da Copa de 74 contra o carrossel holandês, questionado se não era melhor estudar mais o esquema deles, disse que não havia nada de novo no tal carrossel. Perdeu de 2 a zero.
      Na volta da Copa de 94, quando a Polícia Federal reteve para averiguação o excesso de muamba que eles tinham trazido, ficou indignado, porque segundo ele, haviam feito um bem para este país. De fato, foram campeões. Mas isto não os autorizou a encher o avião de muamba, que quase que não levantou voo.
      Ô PURGANTE esse Zagalo…

      Responder
    2. Nando

      Agora mostre a sua “imparcialidade” e fale sobre os detratores do Federer e do nadal tbm…ah esqueci, vc não é imparcial. Chora sempre a mesma ladainha aki, só vê um lado e fecha os olhos pro outro.
      Por isso é o eterno Choranhas.

      Responder
    3. Alessandro Siqueira

      Zagallo disse essa frase logo após o Brasil passar pela Holanda na semifinal da Copa de 1998. Na prática, adiantou pouco, já que a França fez o que fez na final.

      Responder
  15. José Eduardo Pessanha

    Pessoal do Djokovic esquece um “pequeno” detalhe. Os masters antigos tinham finais decididas em melhor de 5 sets e 1 rodada a mais para todos os jogadores. Djokovic não pegou essa dureza. Se tivesse pego, talvez nem tivesse ganho 1 Masters 1000 no saibro. rsrs. O que eu posso assegurar é que Federer teria ganho tanto Roma como Montecarlo algumas vezes, caso essas finais tivessem sido disputadas em melhor de 3 sets, nos longínquos anos de 2004 a 2007…. sem dúvida, aquele era um circuito muito mais competitivo.
    Abs

    Responder
    1. Jonas

      O domínio seria ainda maior. Com a regularidade que o sérvio tem, ficaria até sem graça.

      Federer teria menos masters 1000, porque o lado físico pesaria demais. Esse jogo agressivo dele funciona muito bem pra ‘abafar’ o adversário em melhor de 3.

      Pra piorar, teria que lidar com o Nadal. O suíço é pífio contra o espanhol em melhor de 5. Tem apenas 3 vitórias em 12 confrontos.

      Responder
      1. Jonas

        Isso fica mais evidente ainda se olharmos apenas para o saibro.

        Vejamos, é fato que Federer não fazia volume contra Nadal em melhor de 5 neste piso. Que me lembre aqui fizeram um jogo absurdo em 2007 ou 2006 e Federer perdeu nos detalhes. De resto, era algo protocolar pro espanhol vencer sem sustos.

        Já o Djokovic equilibrava bem mais os encontros. Em melhor de 5 sets equilibrou entre 2012 e 2014. Venceu por 3×0 em 2015.

        Jogos em melhor de 5 sets seriam ainda mais favoráveis pra jogadores física e mentalmente mais fortes. É o caso de Nadal, Djoko, Murray, Tsitsipas…

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Murray e Tsitsipas com melhor mental que Federer?

          kkkkk

          Esse sujeito já passou da categoria de fanático, é um MANÍACO mesmo…

          Responder
          1. Jonas

            Federer amarela em jogos importantes. Tsitsipas ainda tem 21 anos, mas já demonstra que não respeita os tops, vai ficar ainda mais forte mentalmente.

        2. José Eduardo Pessanha

          Putz, Murray forte mentalmente…..kkkkk. Seria bom se tivéssemos a opção de “desler”. kkk. A verdade é única. Djokovic e Nadal seriam comuns nos pisos rapidíssimos de outrora. Federer seria Federer em qualquer época. Isso, aliado ao seu talento incomensurável, faz dele o melhor jogador de todos os tempos.
          Em 2019, vejo o Rogério focado e com paciência. Mantendo esse foco, ganha do Cotonete em RG, em Wimbledon, em Marte e na Lua.
          Abs

          Responder
    2. Paulo Almeida

      Não, não teria. Nunca foi rival pro Nadal em 3 ou 5 sets. Aceite que o rei da entressafra irá se aposentar sem esses dois torneios.

      Campeão de todos os Masters 1000 SOMENTE o GOAT Novak Djokovic.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Tanto foi e tanto é rival, que tem mais vitórias do que o Nadal em quadra dura.

        Contando 5 vitórias seguidas, hein…

        Imagine então, o estrago que seria caso jogassem mais vezes na grama, que é a pior superfície pro espanhol…

        Responder
    3. R. P.

      Em 2007 ambos os torneios já eram melhor de 3 sets.

      Agora gostaria de saber qual a mágica Federer faria para vencer em melhor de 3. A única vez que conseguiu 2 sets no mesmo jogo já perdia por 2×1; e no melhor de 3, só conseguiu tirar set do freguês Wawrinka.

      No fim das contas, oito finais, 4 sets vencidos e 19 perdidos. Pronto! Já daria para vencer um de cada. Só faltou combinar com os adversários.

      Responder
    4. Luiz Fabriciano

      Diz aí qual fórmula usas para assegurar que Federer teria ganhado vários Roma e Monte Carlo? Lembrando que em Monte Carlo até pelo vassalo Wawrinka foi derrotado.
      Até entederia supor que ganharia, mas assegurar… depois se queixam de fanatismos.

      Responder
  16. Maurício Luís *

    Nota-se perfeitamente, pelo número de comentários, a polarização de torcidas Nadal x Federer. Quando um dos dois está na final, os comentários passam de 500. Djoko na final… até agora pouco mais de 100.
    Então ficamos assim:
    – torcidas do Nadal e do Federer: não cabem no Maracanã;
    – torcida do Djoko: mal consegue lotar um ônibus;
    – torcida do Murray: cabe numa Kombi e ainda sobram 3 lugares. E estão todos hibernando;
    – torcida do Bellucci: + fácil é encontrar nota de 100 em carteira de pobre .

    Sr. SPOK, qual a sua abalizada opinião sobre a torcida do Nadal?
    – Fazendo uma análise dos torneios preparatórios até hoje, pensar que ele vai “passar o rodo” nos adversários em Roland Garros é ILÓGICO.

    DILMA, qual a sua altamente esclarecedora análise?
    – Uma análise semântico/ortopédica do jogo do baloeiro me faz concluir que a torcida está entrando num processo de cacofonia convergente reversa.

    Responder
    1. Paulo Almeida

      A torcida do Djokovic só é menor do que a do Fregueser e a do Siri porque ele começou a dominar o circuito depois.
      Infelizmente, a nassaum fedtard cresceu quando ele fazia suas jogadinhas de efeito em cima do pobre Roddick, que se esborrachava no chão ao tentar chegar em um drop shot. Que tristeza que tenha sido assim.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        De jeito maneira…

        Não se iluda.

        É menor, porque ele tem muito menos carisma do que os outros dois.

        Aceita que dói menos.

        Responder
        1. Paulo Almeida

          Não, não aceito. Djokovic tem muito carisma, humildade e simpatia e vários tenistas gostam dele.
          Sua opinião de fedtard hater não conta.
          E é isso mesmo: Fregueser foi o primeiro a aparecer e hipnotizou uma massa de bobos ganhando de pangarés. Depois Nadal o destronou e o GOAT destronou os dois. Infelizmente foi o terceiro a aparecer, mas tem uma torcida beeem grande também.

          Responder
    1. Sônia

      Lágrimas? Rsrs, estou amando até agora a temporada do barro rsrs… lágrimas? Rsrsrs. Percebo que tu não me conhece Adriano, pois quem eu gostaria que não vencesse de maneira nenhuma não é a taquara sérvia rsrs (a taquara ainda há de sofrer muito para “tentar” chegar próximo DELE). Amei a derrota do ThieMito e do Tsitsipas, são tenistas em evolução, sabem que precisam treinar mais e mais. Pra voce ter uma idéia, já consigo visualizar faíscas nos olhinhos do ThieMito rsrs. Lembre-se sempre, para esse tipo de tenista, uma derrota aumenta a gana, por isso, aguardemos RG.

      *** Frisando… JS, NS. Beijos.

      *** Daniel, Coric é lindo “por demais”. Beijos.

      Responder
  17. Paulo F.

    Tsitsipas ano passado ganhou do Djokovic no Canadá no piso duro (favorito do sérvio) e perdeu o título para o Nadal.
    Esta ano, ganhou do Nadal em Madrid no saibro (favorito do espanhol) e perdeu o título para o Djokovic.
    Não é mole ganhar desses dois titãs na sequencia, mas que Tsitsipas se fortaleça com essas experiências amargas.

    Responder
  18. Rodrigo S. Cruz

    Ah!

    Já ia esquecendo.

    Mais uma chave dura pra Nadal e Federer, em Roma.

    E outra chavezinha “zé moleza” pro sérvio.

    Isso sim é o que merece ser chamado de PADRÃO DJOKOVIC…

    Responder
    1. Marcelo Calmon

      Concordo que a chave em Roma é favorável pro Djoko, mas em Madri foi totalmente favorável ao Nadal.
      No mesmo lado da chave do Djoko saíram Federer, Thiem, Fognini, esses 2 últimos ganharam do Nadal nos últimos ATPs no saibro.
      Agora os 3 saíram do lado do Nadal. Só inverteu.

      Responder
    2. Chetnik

      ” Botafogo, Botafogo, campeão desde 1907
      Foste herói em cada jogo, Botafogo
      Por isso é que tu és e hás de ser
      Nosso imenso prazer
      …”

      Responder
  19. Rodrigo S. Cruz

    Pergunta que não quer calar!

    Qual será a desculpa da CASTA que não sai com jejum nem oração, a saber a pior trupe de fanáticos do mundo: a torcida do Robô sérvio?

    Sim porque segundo dizeres dos mais destacados cretinos que compõem tal torcida, título de qualquer coisa só vale se for derrotando pelo caminho Federer, Robô ou Nadal.

    Mas como foi o Robô que ganhou, e sem vencer os outros dois, o título deve ser anulado, certo?

    Ah e tem mais! Ganhou com direito a W.O. na semi.

    Responder
    1. Jonas

      Nem com os fatos na sua cara você enxerga o óbvio. O Djokovic é um dos caras que mais pega pedreira em Grand Slam e outros torneios grandes.

      Em Madrid ele venceu o Thiem, o mesmo jogador que entubou seu filho Fregueser este ano em 2 ocasiões, rs. Thiem era disparado o melhor jogador de saibro até perder do sérvio, inclusive fez final ano passado, ou seja, só um cego como você pra considerar Thiem fácil.

      Ahh mais não jogou com Cilic…todo mundo sabe que esse é mais um patinho do Djokovic, não faria cócegas no saibro.

      E na final pegou só o cara que entubou o Nadal na semi, apenas. Djokovic doutrinou. Além do título mostrou qualidade, jogou demais, quem assistiu o torneio sabe disso. O resto é mimimi dos Fedtards fregueses do Thiem.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Não importa se o Cilic é patinho.

        Importa é que o Djokovic chegou descansado na final.

        Enquanto o Tsitsipas veio dos jogos extenuantes, e ainda pegou o ” HOMEM QUE NÃO CANSA NUNCA”, na final…

        Responder
    2. Bruno

      Excelente,Rodrigo.
      Engraçado também que agora o cotonete não estava desanimado,que ele não quer saber de Masters 1000,que estava com o irmão e outras bobagens que estão acostumados a digitar.

      Responder
    3. Paulo Almeida

      A casta fedtard é imbatível com Rodrigo e Renato. Aliás, cadê o Renato que falou que o Djoko era brinquedinho da Next Gen? Sumiu pra variar.

      Fregueser foi beneficiado por w/o em Indian Wells, então não falem nada de w/o contra o Cilic, ainda mais no saibro.

      Responder
  20. Thiago

    Boa tarde Dalcim !!!!! Já notou que o Djocovick quando chega as rodadas finais, semi e final muda completamente a postura. Eu acho inclusive muito difícil de ele deixar escapar Roland Garros este ano se avançar até as rodadas finais. É muito consistente.Abraço Thiago

    Responder
  21. Andre

    Nole, Nadal e Federer, três craques.
    Federer, o mais talentoso dos três.
    Nadal, o mais coração dos três
    Nole, um pouco dos dois

    RG 2019 deve ser, depois de muitos anos, um dos mais legais: Nole está de volta (mas escapou da derrota para Thiem, que jogou mais, mas faltou cabeça. A manchete da matéria publicada aqui na TB de que Nole dominou o jogo contra Thiem não estava correta). Nadal aos poucos vem melhorando e eu não duvido que virá muito forte. Federer, dominou Thiem no primeiro set e deveria ter fechado no segundo. Deu milho pra bode e…Thiem, para mim deveria ter ganho Madri. Tisitisipas, outro que vai dar muito trabalho em RG. Ainda temos o “Monfa” o “zeverev”.

    Será um belo grande slam. Acho que Roma nos dará mais pistas de quem irá brigar.

    Responder
    1. Luiz Fabriciano

      O título da matéria estava certo e requer uma melhor interpretação de quem o lê. Djokovic dominou sim o ímpeto do Thiem, afinal quando se enfrenta um leão, ou o domina ou será engolido.

      Responder
  22. Alexandre Maciel

    Impressões da Semana:

    1ª Djoko elevando nível na hora certa. Vai chegar forte em RG.
    2ª Nadal finalmente jogando no nível de um ser humano normal no saibro. Mesmo assim continua favorito para mais um RG (Boooooring…)
    3ª Boa volta do Federer ao saibro. Vai somar pontos importantes para manter-se no TOP 4 até Winbledom.
    4ª A chance de vermos um campeão de Grand Slam que não se chama Federer, Nadal, Djoko, Warinka ou Cilic está crescendo (Será mesmo?).
    5ª Ferrer vai fazer muita falta ao circuito (Buáááá… aí eu choro…). Bom descanso ao guerreiro. Vai curtir a fortunar com a linda família !!

    Responder
  23. ANTONIO GABRIEL

    Djokovic apenas reforçou sua qualidade com a conquista do titulo, depois de 3 torneios bem abaixo da sua capacidade, ainda acho que NADAL, DJOKO e THIEM continuam como os principais candidatos a RG e o restante corre por fora. A melhor coisa nesta final foi ver Djoko indo pra cima do adversário e não só ficar esperando o erro, esta tem que ser a postura, ainda que ofereça um risco maior. Master de Roma vai servir para solidificar os favoritos em RG, vamos aguardar. Só um detalhe, tirando o glorioso MURRAY que sempre se metia no meio do BIG 3, o domínio dos 3 continua o mesmo na pontuação.

    Responder
  24. Gilvan

    Finalmente uma partida convincente do Djokovic. Contra o Thiem tinha jogado pior que o austríaco, mas venceu porque teve mais perna e foi mais firme nos pontos decisivos. Na final não teve discussão: jogou bem melhor que o Tsitsipas e sempre teve o comando das ações. Em nenhum momento flertou com a derrota e adotou uma postura muito mais corajosa do que a que vinha demonstrando ao longo do ano.
    Claro que Madrid, dentre os torneios de saibro, é o que menos se assemelha a Roland Garros, de modo que o resultado é importante para a confiança do sérvio, mas diz pouca coisa sobre o que podemos esperar no GS francês.
    Continuo apostando em Thiem para conquistar o seu primeiro GS em Paris, mas ele precisa ter mais cuidado com a carreira. Pra quê levou pra frente a campanha de duplas? Só serviu para deixar ele ainda mais desgastado para as fases finais da campanha de simples.

    Responder
  25. Paulo Almeida

    O GOAT Djokovic joga bonito demais quando quer e amassa o adversário com jogadas espetaculares e vários winners. Talentoso ao extremo.

    Agora possui 2 Monte-Carlo, 3 Madrid, 4 Roma e 1 RG, ou sejá, 10 títulos grandes no saibro. E também venceu o rei da superfície sete vezes, sendo quatro finais. Não restam mais dúvidas de que é o segundo melhor saibrista de sua época.

    Novak GOATovic também passa a deter 53 Big Titles com a conquista em Madrid, contra 50 do Siri Careca e 54 do Jagua da Montanha. Nem vou entrar no mérito de cada título, adversário enfrentados, senão a vantagem fica absurda pro monstro sérvio.

    No mais, o grego pode até não ter chegado inteiro na final, mas isso é culpa da ATP com seus horários malucos. Fregueser por exemplo só ganhou Madrid 2009 porque o Nadal chegou morto depois de uma semifinal de 3 horas contra o Djokovic. E como já disse, o sérvio também não teve tempo pra se recuperar em Roma 2016 e Paris 2018.

    Responder
    1. Jonas

      Essas Federetes deveriam ter vergonha ao falar de chave de torneio. Parece até Corintiano reclamando de arbitragem.

      Federer fica quase 10 anos enfrentando pangaré em Major e master 1000 e ninguém fala nada.

      Djokovic pega ‘só’ Thiem e Tsitsipas e os caras já vem de mimimi.

      Responder
        1. Jonas

          E quem você sugere?

          Nadal? Já foi atropelado no saibro pelo Djokovic e aconteceria o mesmo.

          O Thiem era o que tinha de melhor. Era o oponente mais qualificado e o sérvio venceu em sets diretos.

          Responder
  26. Marcelo

    Dalcim,

    A temporada do Nadal não tem sido péssima, como poderia parecer (é o 2o na temporada). Na verdade, nem foi mal nos torneios no saibro, até aqui (óbvio que mal para o padrão dele). O que mais me chamou a atenção, é que ele não parece ser o melhor tenista no saibro, neste momento. Diria que o Thiem e o Djoko estão jogando mais do que ele, na terra batida. Concorda?

    Abraços,
    Marcelo.

    Responder
  27. Marcelo Calmon

    Ainda falta Roma, mas pelo que apresentou até agora na temporada de saibro fica difícil imaginar Nadal como favorito para Rolanga. Lógico que o Miúra já se superou diversas vezes na carreira, mas hoje vejo alguns com grande possibilidades de vencer Nadal, mesmo em melhor de 5 sets: Thiem, Fognini, Tsitsipas, Federer e lógico Djoko. Vamos aguardar !!

    E o Monteiro vai desperdiçando chances para se aproximar do TOP 100 ! Perder para um cara que nem é TOP 300 é brincadeira. Tem mais uma chance essa semana.
    Mas ele deve estar entre os 16 cabeças no quali de RG. O ranking para definição da chave do quali é o da próxima segunda ?

    abs

    Responder
  28. Fonseca

    Sim, há derrotas esporádicas do Big Three… sim, tem gente boa aí.

    Mas o FATO é:

    Em pleno 06 de maio de 2019, o ranking DO ANO contempla: Djokovic, nadal e Federer. Há 14 anos e contando…

    Responder
  29. Luiz Fernando

    Dessa história só não entendi q um rapaz de 20-21 anos se dizia extenuado e o Djoko com 31 livre, leve e solto. Por isso q essa turma do BIG 3 ainda vai reinar por um tempo…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não esqueça que Djoko não jogou contra o Cilic, enquanto o Tsitsipas ganhou do Zverev e do Nadal seguidamente, em jogos bem duros, além de estar na chave de duplas (para mim, aliás, um erro, que irá repetir em Roma).

      Responder
      1. Miguel BsB

        O problema das seguidas gerações tem sido esse…O cara vai lá e mata um leão (Nadal), dps tem que matar outro em seguida (Djoko ou Federer), e, às vezes, os 3…ninguém consegue…
        O Thiem vai lá e ganha do Federer em 3 sets, na sequência pega o Djokovic voando…não é mole não!

        Responder
      2. Luiz Henrique

        Tsitisipas já melhorou muito seu condicionamento físico de 1 ano pra cá, só rever a final de Barcelona 2018 contra o Nadal, ele parecia um palito.
        Mais 1 ou 2 anos no máximo e ele estará em plena forma física pra encarar os grandes de igual pra igual.

        Responder
      3. Luiz Fernando

        Mas com 21 aninhos era pra se queixar menos, ao menos na minha visão. Jogar simples e duplas é uma opção dele, então q arque com as consequências, vc não acha?

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          O que não muda o fato. Sem falar que saiu de quadra meia noite no sábado. O próprio Djoko observou tudo isso na entrevista que deu.

          Responder
  30. Chileno

    Esse jogo do Djokovic que é bonito de ver. Tomara que ele mantenha assim. Jogando os pontos pra ganhar, e não pra não perder. Ao invés de empurrar a bolinha pro outro lado e esperar um erro, mudar a direção da bola constantemente, jogar perto das linhas, entrar no quadra sempre que possível.

    Vamos ver o desenrolar da coisa. Mas duas grandes atuações do sérvio na semifinal e na final. Desponta como sério candidato a RG, especialmente com o mau momento do Nadal.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      O único da chave que deu algum trabalho pro sérvio, foi o Thiem.

      E o austríaco quase perdeu pro Federer…

      De resto, pegou outra chave “zé moleza”. Com bye na primeira rodada, um W.O. do Cilic, e um morto na final…

      Portanto,, se formos usar os critérios “isentíssimos” da Casta, diríamos que o título não valeu muita coisa… (rs)

      Responder
  31. rafael

    O Sérvio quando está motivado é praticamente invencível. Muita solidez e precisão para um jogador. E como ele desmitifica que não possui um forehand poderoso. Pode não ser o mais potente, gera muita profundidade e machuca demais. Enfim, vejo o Nole como um dos favoritos a levar Roma e RG. Mestre, você acha que o Nadal pode estar contundido ou é o mental ou outra coisa qualquer? Parabéns pelo melhor blog de tênis! Abraço e boa semana.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado, Rafael. Não, não acredito que ele ainda esteja sentindo o joelho ou algo assim. Pela forma com que perdeu seus jogos, parece totalmente emocional. Ele deixou escapar em Barcelona que tem entrado muito nervoso em quadra, mais do que o normal. Abs!

      Responder
      1. Samdra

        Não sei se Pode ser o casamento dele que está próximo , você leu algo a respeito ? A impressão que dá é que ele fugiu desse casamento o quanto pode , mas pelo visto agora não teve como fugir!!!

        Responder
      2. Mário Cesar Rodrigues

        Caro Dalcim,tem razão,mas tudo começou em M.Carlo mas penso que só um torneio o Rafa ganhando ele melhora.5 torneios cinco derrotas este ano sendo 4 semifinais e uma final então não é o fim do mundo.Idade chega,E deve se aceitar e não colocar pressão sobre seus ombros e lutar que é o que sempre ele fez.Roma não adianta ele vai entrar nervoso novamente,RG tenho a Impressão e torço para que ele esteja bem sem ansiedade e jogar o que dar

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Sim, concordo com você. Se ganhar Roma ou até mesmo se embalar e fizer três bons jogos em Paris, ele recupera a confiança. Ele sabe que todo mundo o respeita demais lá.

          Responder
  32. Geailton

    Eu nao entendo alguns especialistas do blog, que pelo jeito começaram a acompanhar o tênis há 1 ano, dizer que o Thiem, que nunca ganhou um GS, era favorito contra um cara que tem 1 GS e 11 máster só no saibro. Fora o Nadal, o sérvio é o melhor jogador do saibro na última década. Os números estão aí pra desmentir os especialistas de momento

    Responder
    1. Jonas

      Os mesmo ‘especialistas’ colocam Federer e Djokovic como se estivessem no mesmo patamar em quadras de saibro.

      Tive que ler aqui que Federer é mais jogador de saibro que o Djoko, pqp.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        E o grande Especialista ( digo, Fanático) , deveria saber que Novak fez 15 FINAIS de MASTERS 1000. E perdeu 40 % ( SEIS ) , ou seja , não possui 11 como afirma mais acima o outro grande Expert. Venceu 9 e 4 ATPs 250 ( 2 em casa em Belgrado). Aos 32 , fez 4 FINAIS em RG , Federer na mesma idade 5 ( perdeu 4 para o Rei do Saibro, Novak 3 ). Portanto, Rafa Nadal disparado, Novak , Roger e Dominic , são os melhores Saibristas do momento. Abs!

        Responder
        1. Jonas

          Falou, falou e não disse nada. Djokovic continua muitos degraus acima de Fregueser no saibro, embora o suíço seja ótimo jogador no piso. Djokovic é um especialista, essa é a diferença.

          Responder
    2. Chileno

      Nossa cara… viajou legal hein? Tênis é momento. Aliás, esporte como um todo é definido pelo momento de cada esportista. O currículo, obviamente tem seu peso e influencia, mas ele não define o vencedor de nenhum jogo, e nem necessariamente o favorito. O Nadal com 11 Slams e sei lá… uns 20 Masters no saibro acabou perdendo pro Tsitsipas que não tem nenhum título desse porte no piso. Não que o espanhol não fosse favorito a vencer este confronto. Mas é mais uma prova de que o histórico não é tudo.

      Mesmo para o próximo torneio… o Djokovic que tem 1 Slam e 11 Masters no saibro, e provavelmente deve ser considerado favorito contra o Nadal que tem uma esmagadora vantagem histórica no piso. A questão, é que o sérvio vive melhor momento. Talvez até o Thiem possa ser considerado favorito contra o Nadal este ano, em Roma. E mesmo ao longo do torneio, essas percepções vão variando. Um cara que parece bem, de repente começa a jogar mal. Outro que não vinha tão bem… voltando de lesão, começa a jogar muito bem… e por aí vai.

      Responder
      1. lEvI sIlvA

        Chileno, tanto é verdade que o momento é importante, que ninguém cravava Djokovic favorito em Wimbledon ou mesmo US Open. Na grama, o espanhol jogou como nunca e o sérvio vinha mais pra lá do que pra cá. De fato, nem como finalista era cotado já que, sequer tinha obtido bons resultados até ali. No AO 2019, Novak de novo vinha meio sem rumo. Vitórias sofridas, perda de sets sem necessidade, tempo extra em quadra. Rafael vinha voando e atropelando tudo e todos, só que na Final, o que se viu foi um anti-atropelo do sérvio contra o espanhol. Ao ponto de Toni Nadal declarar que o jogo passou uma impressão irreal sobre o domínio de Djokovic sobre Nadal. Enfim, favoritismo não ganha jogo, a gente ratifica ou retifica em quadra e jogando, né…?!? rsrsrs Abraço!

        Responder
    1. Jonas

      Esses malucos tratam o Djokovic como passador de bolas, simplesmente pelo fato dele ser muito sólido.

      A realidade é que esse pessoal não gosta de assistir o sérvio jogar, logo não viram a final do Australian Open contra Nadal, por exemplo. É óbvio que contra um jogador como Federer o sérvio vai jogar no contra ataque, bem diferente de ficar passando bolinha.

      O Djokovic está no meio termo. O Nadal sim de vez em quando chega a ser irritante, começa a perder e fica dando aqueles balões ridículos, ainda mais tendo um forehand absurdo como aquele.

      Responder
      1. HeitorD

        Sem falar que o jogo de base do Djokovic é pura categoria. Ele bate a direita com muito estilo, coisa que é até comentada na internet e nos vídeos de YouTube que mostram aqueles “drills” e a câmera fica perto dele enquanto ele manda o forehand. Agora, quando ele se aproxima da rede, ou faz o slide, ou dá o smash aí o jogo dele realmente perde um pouco a estética. Eu acho até que o jogo de rede e o slide melhoraram muito( principalmente o jogo de rede). Mas a sua maestria na base é inconteste. O backhand e a devolução são verdadeiros terrores para o adversário. Teve uma devolução no jogo de ontem que ele meteu uma pedrada nos pés do grego, que nada pôde fazer a não ser bloquear de modo bem assustado e desengonçado! kkk foi bem engraçado…Dalcim tem razão, Agassi era tremendo neste movimento de receber o saque, mas não se compara ao Novak. Quando está calibrado é um “Deus nos acuda” para o oponente! Hehe

        Responder
        1. Jonas

          O Djokovic é um jogador muito técnico, é uma aula de tênis assistir seus jogos, especialmente a facilidade que ele tem pra mudar a direção da bola. O Grego falou muito bem desse aspecto pós jogo.

          Agora, o smash é horrível e não voleia bem, de fato.

          O exagero é ser tão hater a ponto de julgar o sérvio um mero passador.

          Responder
          1. Chileno

            O voleio dele é mediano na minha opinião. Não é fantástico de fato, mas ele costuma executar com competência os voleios mais fáceis. Quando o voleio já tem uma dificuldade maior, aí já dá pra notar que ele tem alguma dificuldade. Quando a bola vem no corpo, muito baixa, ou longe do alcance dele, ele costuma se enrolar.

      2. Rodrigo S. Cruz

        Deixa eu soletrar pra você, amiguinho.

        Não é passador de bolas.

        É meramente mecânico, sem-graça, robótico…

        Vence mas não causa frisson. Não empolga, não salga.

        Sem qualquer sombra de dúvida, é o campeão mais INSSOSO da era aberta do tênis…

        (rs)

        Responder
        1. Jonas

          O que só mostra que pra VOCÊ é um jogo sem graça. Ao se ater aos fatos, qualquer um com um mínimo de senso sabe que Djokovic não é um passador de bolas.

          Responder
        2. Paulo Almeida

          Só é sem graça para fedtards e rafatards que odeiam o sérvio e que acham que a única maneira bonita de jogar é com jogadas de bailarina. Segure o sangue e a inveja, freguês.

          Responder
    2. Chileno

      Bom… não me considero um fedtard, mas vou responder sua pergunta assim mesmo.

      Você fala como se o Djoko jogasse sempre como ontem. Eu gostaria muito que assim o fosse. Ontem ele jogou agressivamente, e eu achei muito bacana de ver. Gosto quando ele joga assim. Mas ele não vem jogando regularmente assim há algum tempo. Eu gostava muito do jogo dele de 2010~2012, quando ele marretava a bolinha pra todo lado, de forehand ou backhand.

      De 2013 pra cá, ele foi ficando cada vez mais defensivo. Em 2015, por exemplo, que foi o ano em que ele teve mais sucesso na carreira, o jogo dele era totalmente defensivo e, na minha opinião, enfadonho. A grosso modo, se preocupava apenas em devolver a bola até o adversário errar. Tática indiscutivelmente eficiente. Mas eu particularmente acho feio e chato de assistir. Prefiro ver os tenistas jogando os pontos pra ganhar como o próprio Djokovic jogava antes, e não pra não perder.

      Enfim… ele jogou muito na semi e na final deste último torneio. Tomara que ele mantenha o jogo agressivo. A conferir.

      Responder
        1. Nando

          Não, era extremamente agressivo, jogava igual 2011 né? Em 2015 ele fazia 40 winners por jogo….sqn.
          Essas chiliquetes são hilárias…

          Responder
        2. Rodrigo S. Cruz

          Claro que sim, Bozo.

          Em 2015, o teu amado era super-criticado por isso.

          Teve uma partida em que ele chegou a ganhar um set, cravando 1 winner!

          Responder
      1. Paulo Almeida

        Claro que você não está no nível de fedtardismo de Renato, Rodrigo Cruz, Nando e outros, mas já deixou transparecer seu fanatismo ao tentar definir quais são os principais critérios de grandeza do tênis e nesse mesmo post agora falando que o Djokovic era defensivo em 2015. Não, ele pode não ter sido tão ofensivo quanto em 2011, mas óbvio que ganhou vários jogos indo pra cima do adversário. Inclusive ele destruiu o Federer na semifinal do AO 2016.
        Começou a ficar defensivo e com jogo feio depois de RG 2016 e acabou merecidamente perdendo o posto de número 1 pro Murray.

        Responder
        1. Chileno

          Ele passou a jogar defensivo pra caramba muuuuuuito antes de RG 2016. Eu sei muito bem, porque eu torcia muito pelo Djokovic antes de 2014, porque eu gostava do jogo dele. Adorava assistir ele jogar em 2010, 2011… 2012… e aí o jogo dele foi ficando cada vez mais sem graça, pra mim. Em 2015, eu já não via a menor graça em assistir os jogos do Djoko.

          Eu acho muito errado dizer que ele era um passador de bolinha, porque ele tinha um excelente contra-ataque, a melhor devolução do circuito e um bom saque. Mas é inegável que ele parou de ir pras linhas, passou a jogar com uma margem de segurança muito maior, a bola dele andava menos de modo geral, ele usava menos a paralela… e na maior parte dos pontos, se contentava em devolver tudo e não errar. Só compara um jogo dele de 2011 com um de 2015. A diferença é gritante.

          Ele é/era muito bom jogando defensivamente. Teve muito sucesso jogando assim. Isso é inegável. Talvez até tenha sido o momento em que ele esteve mais implacáveI. Eu só acho feio. Acho muito mais bonito ver os caras tentando os winners, indo pra rede, etc.

          E você que é o presunçoso aqui, que acha que tem poder pra definir o que vale ou não vale, o que é grandiosidade ou não é, etc. Usa critérios malucos e inventados por você mesmo pra defender suas teses absurdas. Eu apenas disse que EU NÃO GOSTO do jogo defensivo. Acho feio e enfadonho. Acho que eu tenho esse direito né?

          Responder
          1. Paulo Almeida

            Sim, você tem o direito de não gostar, assim como eu também tenho o direito de criticar aspectos do jogo do Federer que não me agradam. Enfim, eu gosto dos dois estilos do Djokovic e continuo achando que o jogo dele só ficou intragável no segundo semestre de 2016.
            Meus critérios não são malucos. Eu questiono semanas como número 1 e ATP Finals com argumentos razoáveis, assim como defendo o número de M1000 e a dimensão do h2h entre os caras do Big 3.
            Já em relação aos GS, acho justo também avaliar de forma profunda cada um deles, levando-se em conta o nível dos adversários enfrentados.
            Não estou determinando que é a verdade absoluta, apenas acho que são critérios plausíveis para tentar definir um possível GOAT.

          2. Chileno

            Você pode ter os critérios que quiser. Isso até certo ponto, tem um pouco de opinião. O que é fanatismo, é excluir títulos de um cara, por conta dos rivais dele não terem sido bons o bastante pra desafiá-lo na final ou por outros motivos aleatórios. Falar que o Federer tem 8 Slams, por exemplo, não é opinião. É mentira, e uma tentativa até meio patética de empurrar seu critério, com o qual eu, e até onde eu sei, nenhuma pessoa muito entendida do esporte, concorda, na goela dos outros. Nenhuma pessoa razoável acha que H2H vale mais que títulos, finais, liderança do ranking, etc. É tão absurdo quanto querer que no campeonato brasileiro, por exemplo, saldo de gols e confronto direto valham mais que pontos ganhos.

            Eu tenho vários motivos pra achar seu critério horrível. Em tempo, se você quiser discutir imparcialmente, numa boa, se os Grand Slams vencidos pelo Djokovic foram mais difíceis de serem conquistados do que os do Federer, eu ficarei feliz em conversar com você a respeito. Mas se você realmente não é apenas um troll lunático, então pare de falar que o Federer tem 8 Slams, ou sei lá que outra groselha seu critério arbitrário define,porque felizmente, seu critério não é o que rege o mundo do tênis.

  33. Ronildo

    Djokovic realmente esteve superior aos últimos torneios. Mas não acredito que ele seria campeão se tivesse se desgastado com o Cilic, se o Thiem não tivesse travado aquela batalha com o Federer e o Tsitsipas idem com o Nadal. Ou seja, enquanto seus principais rivais nadaram contra a correnteza, Djokovic nadou à favor da correnteza no torneio. Aí não dá pra comparar né!

    Porém, não dá para negar que tudo isto serviu para aumentar sua confiança e proporcionalmente a qualidade de seu tênis. Para mim já é mais favorito do que Nadal ao título de RG.

    Responder
  34. FLÁVIO VIEIRA BARROSO

    Dalcim o Chileno Garin tá com o ranking 35. Ele não participou do Masters 1000 de Madri e nem de Roma por conta de não ter ranking pra entrar direto na chave quando fechou as chaves???? Uma pena hein, ele vêm de dois títulos e uma final no ano no saibro. Acho que poderia ir longe nesses torneios também.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Exatamente, Flávio. Os torneios ‘fecham’ a lista de inscritos seis semanas antes (42 dias), o que aliás há algum tempo eu considero um exagero. A explicação seria o tempo para promover os campeonatos e os tenistas organizarem agendas, mas poderia facilmente cair para 4 semanas. Ainda mais em Masters, onde se sabe por antecedência que praticamente todos os tops estarão ali e portanto a venda de patrocínios e ingressos não depende tanto assim dos inscritos. Abs!

      Responder
  35. Marcelo Bragatto

    Mestre…

    Um pouco fora de contexto… O estilo de jogo do Tsitsipas e essa boa fase que vem vivendo, acha que ele tem condições de vencer Wimbledon?

    Forte abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É o grande sonho da vida dele, Marcelo. Sim, ele tem os requisitos necessários: saque potente, vai com desenvoltura à rede, gosta de slices. Talvez precise apurar um pouquinho as devoluções, mas veja que ele já anda jogando bastante duplas, o que ajuda em tudo isso. Abs!

      Responder
  36. Nando

    Conquista merecida do cotonete, pelo q jogou na final. Não deu chances ao Tsitsipas (em q pese o cansaço do rapaz) q não incomodou o sérvio em momento nenhum do jogo…mas sem dúvidas q o grego é o nextgen mais pronto para ganhar um Slam, mais até do q Zverev (mesmo este já sendo mais vitorioso) na minha opinião.
    Fh melhor, saque melhor, voleia melhor…em comparação ao alemão.
    Enfim, parabéns aos djokovistas de vdd do blog, Rafael e mais alguns (não o fakes e nem a Rosinha, q não acrescentam absolutamente nada aki).
    Vamos pra Roma agora e espero q seja um excelente torneio como foi Madrid, e q Federer faça um bom papel nesse seu 2° torneio no barro após longa ausência.
    E sobre RG, o siri calvo ainda é o favorito, porém com porcentagem menor do q os anos anteriores…mas vamos aguardar Roma.

    Responder
  37. PIETER

    Não há o que contestar, os números do Djokovic em vitórias e torneios conquistados são espetaculares, fazendo do sérvio o mais sério concorrente a bater todos os recordes do Federer, se ele se mantiver saudável e jogando por mais alguns anos.
    No entanto, no que me concerne prefiro sempre assistir a um jogo do Federer e do Nadal do que os do Djokovic, que me parece um tênis burocrático, sem inspiração, quase um robô mas muito eficiente. E ele se beneficiou tremendamente da crescente lentidão das quadras no circuito mundo afora.

    Responder
    1. Jonas

      Eu costumava colocar o Nadal como favorito. Não fosse a questão física, certamente o espanhol também estaria mais ainda na briga por esse recordes.

      Responder
      1. Marcelo

        Sobre o Nadal, a questão física atrapalhou bastante, pois ele deixou de disputar muitos slams por estar lesionado. Mas ele já tem disputadas várias temporadas devido à precocidade , e sempre teve um estilo mais desgastante do que Federer e Djokovic. Então é coerente que ele esteja tendo mais problemas físicos que os dois.
        Eu acrescentaria também que as recentes derrotas para seus rivais podem ter abalado sua confiança. Se pegarmos os confrontos de 2015 para cá, Nadal tem 2-9 ante Djokovic e 0-5 contra Federer. São 5 temporadas desfavoráveis em sequência. Essa recente derrota na Austrália para Nole parece ter sido especialmente determinante.

        Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Perfeito, Pieter.

      É exatamente como penso também.

      Pode ganhar de quem ele quiser, quebrar o título que quebrar.

      E continuará sendo o que sempre foi:

      Um bonequinho de posto.

      Robótico, mecânico e “inassistível”…

      (rs)

      Responder
  38. Vinícius Bona

    Não importa a liderança… está correndo atrás de mais Slams e ela virá como consequência…
    Imaginaram que alguém seria capaz de ser detentor dos 4 Grand Slams novamente??
    Esse cara é um monstro!!!! Ele é capaz de vencer RG e realizar algo impensável 2X!!!
    Bora Djoko!!!

    Responder
  39. Denis

    Dalcim, com essa pontuação do Djokovic, uma eventual mudança na liderança poderia ocorrer por volta dos masters em quadra dura? Ou somente depois do usopen?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Cálculo ainda difícil de se fazer, Denis. Ideal seria esperar acabar a fase de saibro, porque será a partir de Wimbledon quando ele começará a defender os pontos realmente grandes que fez no segundo semestre. Então poderemos ter uma ideia melhor. A grosso modo, acredito que uma mudança só seria possível bem no fim do ano mesmo.

      Responder
  40. Paulo Almeida

    Quando Novak Djokovic liga o GOD MODE, ele se torna praticamente imbatível (almost unbeatable by Nadal) e o melhor tenista que o mundo já viu ou verá jogar de longe. Sólido, consistente, avassalador, perfeito em todos os golpes, DESTRUIDOR.

    Agora também é o maior vencedor de títulos de Masters 1000 e só não tem 35 porque chegou sem condições nas finais de Roma 2016 e de Paris 2018.

    A alegria da nassaum fedtard durou pouco. Vão ter que engolir o maior e melhor de todos os tempos.

    Responder
  41. Maurício Luís *

    Ao menos por enquanto, o que chama a atenção é o Nadal estar agora perdendo até para jogadores next gen com backhand de 1 mão, reconhecidamente os que mais tem dificuldade de enfrentar o terrível forehand do espanhol cara de intestino desarranjado.
    Mas o “piloto” Nadal, é como se virasse pros passageiros do avião e… ” CAAAAAALMA, gente! Não é porque os 2 motores da aeronave pifaram, está vazando gasolina das asas, o co-piloto desmaiou, caiu um raio no avião e desregulou o sistema elétrico, o avião está perdendo altura… que nós vamos nos apavorar, NÃO É MESMO?
    Mas tenho uma boa notícia pra vocês. Ainda tem bastante cafezinho! “

    Responder
  42. Jonas

    Nem parece que o mito vai fazer 32 anos, o físico está em dia como eu havia dito nas derrotas em Miami e Monte Carlo, sem aquelas desculpas absurdas, o famoso mimimi.

    O Monstro está aí, vem de 3 Slams seguidos, com direito a massacre no boi, que escapou de mais uma hoje.

    Só temos a agradecer, ainda tem muitas conquistas para o sérvio, depende de seu foco porque físico e mental ele tem sobrando.

    Esse Tsitsipas vai ser mesmo o próximo n1 depois do Djokovic, observem Fedtards o mental desse cara, a diferença dele pro Zverev por exemplo, esse grego não respeita ninguém, tem cabeça de campeão.

    Responder
    1. Ramon

      Concordo com vc. Ele tem uma mentalidade campeã. Tão forte quanto os do Big 3 que as vezes chega a ser desrespeitoso. Mas sim, concordo que será o próximo número 1.

      Responder
  43. AlexMel

    Realmente, pra quem como eu precisa de esporte, nossa época é inigualável.
    Temos acesso a tudo, quer seja via TV, cabo, internet, youtube, tudo à mão.
    E além de Messi & CR7 no futebol, alguns monstros na NBA, isso pra ficar só por aqui, acompanhar os Goat do tênis e essa nextgen incrível traz pras nossas manhãs, tardes & noites momentos inesquecíveis.
    Thank God that we now are alive and connect!! ????????????????

    Responder
  44. AlexMel

    Realmente, pra quem como eu precisa de esporte, nossa época é inigualável.
    Temos acesso a tudo, quer seja via TV, cabo, internet, youtube, tudo à mão.
    E além de Messi & CR7 no futebol, alguns monstros na NBA, isso pra ficar só por aqui, acompanhar os Goat do tênis e essa nextgen incrível traz pras nossas manhãs, tardes & noites momentos inesquecíveis.
    Thank God that we now are alive and connect!! ????????????????

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Ué.

      Estou confuso!

      Agora o título dele está valendo?

      Mesmo tendo sido ganho sem enfrentar Federer ou Nadal. E ainda com direito a W.Ozinho?

      Hummm dois pesos, duas medidas…

      Responder
      1. Jonas

        Claro que vale. Ninguém disse q teria que passar pelo seu pato Fregueser ou seu filho Nadal.

        O que foi dito é bastante claro. Federer vencia Pangarés, enquanto Novak venceu só neste torneio Thiem e Tsitsipas, uma diferença bem gritante.

        Thiem vai ser o novo rei do saibro. E o Grego será o número 1 e deve dominar o tênis depois que Djoko se aposentar.

        Responder
  45. Miguel Delfes

    Dalcim..
    Djokovic não impressiona mais quem quer q seja..
    Qd está bem.. atualmente é o cara a ser batido..mas..impressionante mesmo foi ver um jogador de apenas 20 anos neste nível de tênis..
    Jogador completo..saque excelente..bem colocado á lá Federer ( porém hj faltou uma porcentagem mais alta no primeiro serviço )..suas deixadinhas são desconcertantes..tem um belo backhand..bate muito forte c a direita..jogou muito mais tempo q Djokovic antes de chegar á final..
    Além de ser um excelente jogador e sem desmerecer sua vitória hj..Djokovic teve tb um pouquinho de sorte pois ganhar dois tie brakes de D Thiem e ganhar de w.o. a semi ajudou um pouquinho..
    Devido a sua tão rápida ascensão..vejo o Tsitsipas hj como o maior candidato da nova geração a ser o número um por um bom tempo..
    Sei q fazer previsões com tantos bons jogadores nesta nova geração é arriscado mas..qual sua opinião a respeito ?
    Desde já obrigado..

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Respondi isso a outro internauta ontem, Miguel. Também o acho como maior candidato ao número 1 entre os jovens de hoje.

      Responder
    2. Renan

      Tsitspas de fato saca muito mas……do outro lado estava Djokovic que tem uma leitura de saque absurda. O grego na minha opinião é o que de fato tem chances de chegar a ser número 1 mas de verdade, isso demora mais uns 3 anos pois Djokovic na minha opinião vem para barbarizar até 2022 e depois disto o resto é lucro. Vai defender pontos, perder alguns e recuperar em outros.

      Responder
  46. Danilo

    Dalcim ,vc não acha q o tsitsipas deveria tomar umas aulas com o federer de devolução de saque com bloqueio? Ele errou muitas devoluções de backrand batido.

    Responder
  47. Thiago

    Boa noite Dalcim!!! Gostaria de saber quantos pontos o Djocovick abrirá de vantagem no ranking sob o Nadal, e você acha que o Djocovick chegou ao seu melhor nível? Abraço Thiago

    Responder
  48. Cláudio Bernardo

    Achei ótimo ver Djokovic reencontrando seu nível e padrão. Tem que respeitar a velha guarda. Rs
    Acabou defendendo o Big3 da geração vindo aí cheia de fome por grandes títulos. Vamos ver os próximos capítulos.
    Dalcim, olhando a liderança do ranking do sérvio, acredito que briga briga mesmo, só no USOPEN, apesar de ainda matematicamente após o fim de Wimbledon ser possível. Pior cenário para o sérvio será a partir de Cincinati, e isso se ele for muito mal em Rolang Garros e Wimbledon e seus perseguidores irem muito bem. Seja como for, acho mesmo que só no USOPEN os perseguidores terão oportunidades de fato.

    Responder
  49. Schuster

    Boa noite Dalcim e amigos ! Faz um tempo que não escrevo ! O Djokovic mostra que tem ainda muito gás para poder queimar, mas no meu ponto de vista, precisamos ver em quantos torneios consegue manter este ritmo. Vendo os últimos torneios do Big3, me parece que são os melhores ainda quando estão 100% , mas não conseguem manter o ritmo por muitos torneios. Concorda Dalcim ? Abs

    Responder
  50. lEvI sIlvA

    Dalcim, meu caro, impressionante como Federer, Nadal e Djokovic seguem fazendo e reescrevendo a história do tênis! Permita-me perguntar qual foi a maior e melhor surpresa pra você ,dentre as partidas: Thiem vs Federer, Thiem vs Djokovic, Tsitsipas vs Nadal ou Djokovic vs Tsitsipas? Abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ah, sem dúvida foi o Tsitsipas diante de Nadal. Ele nunca havia tirado set, pegou o Rafa no saibro e em casa, backhand de uma mão aguentando pancadaria. Notável. O jogo do Thiem e Federer foi muito bom tecnicamente e Djokovic deu o salto de qualidade quando segurou a cabeça na semi. Foi um belo torneio, Levi.

      Responder
  51. Márcio Araújo

    É muito bom poder viver nessa época em que podemos nos deslumbrar com um cara como esse sérvio. Quando pensamos que ele começa a decair, somos surpreendidos com atuações como a de sábado contra Thiem e a de hoje. Nesse nível, esse cidadão é imbatível.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *