Palavras importantes
Por José Nilton Dalcim
6 de maio de 2019 às 20:18

Nenhum dos grandes nomes do tênis masculino foi para a quadra nos dois primeiros dias de Masters de Madri, mas eles frequentaram as entrevistas e disseram coisas interessantes para aquecer este início de semana. Vamos a um resumo:

Novak Djokovic
Apesar dos resultados pouco satisfatórios desde o Australian Open, o tema da entrevista do número 1 foi Justin Gimelstob. O polêmico norte-americano desligou-se do Conselho da ATP e automaticamente abriu mão da candidatura à presidência. Mas Novak disse que as portas estão abertas quando ele quiser voltar. Nole marcou nesta segunda-feira sua 250ª semana como líder do ranking.

Rafael Nadal
Muito diz-que-diz depois que o Rei do Saibro cancelou treinamento no domingo e também a entrevista oficial de segunda-feira. Falou-se em uma virose estomacal e cogitou-se o abandono. Os ânimos só serenaram quando Rafa foi para a quadra à tarde desta segunda-feira. Os maldosos garantem que foi tudo pretexto para ele ver o jogo do Real no domingo à noite.

Roger Federer
O suíço não poderia ter sido mais escorregadio quando foi questionado sobre a volta ao saibro após três anos. Olhem só: “Não tenho expectativas muito altas, mas também sei que tudo é possível”. Na mesma linha, garantiu que “o saibro exige preparar mais os pontos” para logo imediatamente acrescentar que, na altitude de Madri, não é exatamente bem assim. Só esperando mesmo para ver. Se vencer dois jogos, ele chegará à vitória de número 1.200.

Alexander Zverev
Doença e hospitalização do pai, separação da namorada e uma demanda judicial (supostamente contra seu agente) teriam sido as causas da repentina queda de produção de Sascha. Ele não entrou em detalhes, mas garantiu que viveu tempos difíceis fora das quadras e que agora finalmente conseguiu pensar somente no tênis.

Dominic Thiem
O campeão de Indian Wells e Barcelona falou ao jornal espanhol Mundo e duas frases merecem destaque.  “Costumo dizer a mim mesmo que, se estou 100%, sou um adversário difícil de vencer no saibro”. E depois: “Vencer Nadal em Buenos Aires (isso em 2016) foi essencial para minha carreira”.

Curtinhas
– Nadal, que pegou a chave mais favorável, terá a estreia teoricamente mais difícil entre o Big 3, já que encara o destemido Felix Aliassime. Já Djoko reencontra Fritz, a quem surrou em Monte Carlo, e Federer pega o ‘freguês’ Gasquet, sobre quem possui 17-2.
– Thiem cruzará com outro americano vindo do quali, Opelka, e Zverev aguarda Ferrer ou Bautista. Ou seja, o alemão não deve ter vida fácil.
– Depois de três estreias frustradas seguidas, Khachanov enfim voltou a vencer. Mas Munar teve 3/0 nos dois sets e vacilou.
– CIlic venceu seu segundo jogo desde o Australian Open, tendo evitado quatro match-points diante de
Klizan. Agora, pega Struff. Perigo à vista.
– Stephens gosta mesmo de um saibro e avançou às oitavas ao lado da embaladíssima e atual campeã Kvitova.
– Grande atuação coube a Bertens, que passou com folga pela instável Ostapenko. Outra já classificada é Ash Barty.


Comentários
  1. Rodrigo S. Cruz

    Mário Cesar Rodrigues
    6 de maio de 2019 às 23:05

    [“Boa noite,Rafa o que?Problemas estomacais ok fakenrws,este Feliz até parece gente Boa tímido,mas prepare a bordoada que vai levar vai ser grande”].

    Pai eterno.

    Que dialeto será este? Nem o “dilmês” jamais chegou a ser tão indecifrável…

    Pera aí, deixa eu ver se consigo traduzir:

    BOA NOITE, RAFA O QUE? (um cara pega uma conversa pela metade, diz “boa noite”, e pergunta: ” Rafa o que?”)

    PROBLEMA ESTOMACAIS OK FAKE NEWS, (é uma nova classe de problema estomacal: a classe fake news….)

    ESTE FELIZ ATÉ PARECE GENTE BOA TÍMIDO (um certo homem feliz parece ao mesmo tempo ser tímido e gente boa)

    kkkkk

    Responder
  2. Luiz Fernando

    Dalcim nao sei se vc assistiu mas hj a tarde vimos um dos maiores espetáculos da historia do esporte, sim do esporte, não apenas do futebol. Uma torcida q mesmo sabendo q seu time jogaria desfalcado contra o melhor time do mundo, sem contar com seu melhor jogador e jogando contra o melhor do mundo. lota o estádio e “joga” com o time por 90 min contra todas as possibilidades, que coisa maravilhosa. O espetáculo ao final da partida me pareceu tao ou ate mais impressionante do q o jogo em si, ouvindo todo o estádio cantar “You’ll never walk alone” me encheu os olhos de lagrimas, e olha q nao sou torcedor do Liverpool, mas nessa final da UCL estou com ele!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, foi um jogo histórico e notório. Mas vamos deixar o futebol de fora do Blog, ok? Senão começa a chover mensagens. Abs!

      Responder
  3. Rodrigo S. Cruz

    O tempo passa, o tempo voa.

    Mas o tênis do Gasquet, nunca fica numa boa…

    (rs)

    Impressionante como o jogo do homem não evolui.

    É o mesmo forehand sem força e errático de sempre.

    Não dá pra jogar com os grandes do circuito, contando apenas com um bonito backhand.

    É muito pouco.

    Depois é a cena de sempre:

    vai ele todo resignado á rede, cumprimentar o algoz.

    Do Nadal, por exemplo, acho que nunca ele ganhou… (vergonha)

    Do Federer, é a décima-oitava piaba.

    Já desistiu de vencer os melhores, de há muito…

    Responder
  4. Renato

    Dalcim, quem é melhor, Opelka ou Karlovic? Me parece que o croata tem um saque melhor, usa melhor o slice e sobe mais a rede. Já o americano tem um Backhand melhor, além de se movimentar melhor também.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, difícil essa comparação. O Opelka talvez seja um pouco mais completo que o Karlovic, mas o currículo do croata é considerável.

      Responder
  5. Renato

    Não existe um tenista com a precisão e habilidade do drop do Federer, o melhor que eu já vi, com folgas.
    O smash também é o melhor, sem dúvidas!

    Ótimo treino hoje, apesar da freguesia. Jogo rápido, sem desgaste. Ainda falta calibrar um pouco o back. Normal.

    Foi melhor do que eu esperava.

    Responder
  6. Renato

    Não, o saibro não é o piso que exige mais diversificação de qualidades do tenista. O slice não é muito usado pois não faz muito efeito, o chip and charge nunca é usado, saque e voleio, pouco usado. O saque, golpe mais técnico do tenista, também não faz tanto efeito assim. O jogo de rede também não é muito usado devido a lentidão do piso.
    O piso que exige do tenista a maior diversificação de qualidades do tenista é aquele que consegue exigir do tenista um equilíbrio entre jogo de rede é jogo de base, ou seja, uma hard de velocidade média para rápida.
    O saibro exige do tenista ótimos golpes do jogo de base e grande preparo físico. Só!
    O fato da terra batida ser o piso que o jogo mais se alonga, mais lento e que exige muito mais do FÍSICO que os outros pisos diz muita coisa.

    Responder
  7. Pedro

    Dalcim,

    O que aconteceu com o Khachanov? Estava bem no fim de 18, a HEAD assinou um contrato bom com ele (ele jogava com HEAD antes da Wilson), e depois disso, ele praticamente sumiu, perdendo tudo.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É difícil dizer. Pode ter sido um pressão que o tenista coloca em si mesmo, cobrando resultados no mesmo padrão. Ou relaxamento, achando que está jogando muito. De qualquer forma, parece muito mais mental do que técnico ou físico. Uma sequência de boas vitórias deve colocar a casa em ordem, porque ele tem um belo potencial, Pedro.

      Responder
      1. Pedro

        Ele joga bastante mesmo. Mas já vi filmes semelhantes com resultados parecidos, quando há contratos, publicidade, isso mexe com a cabeça da pessoa e perde-se o foco. A troca de equipamento é algo complicado para alguns e fácil para outros. Pelo que vi, embora a HEAD tenha anunciado o contrato com ele, e ele tenha jogado este ano com HEAD, os últimos jogos ele apareceu com a Wilson antiga. Neste caso, o que acontece? Desfaz o contrato?

        Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      O jogo do Taylor Fritz, no saibro, é bem precário.

      Por isso que acho imperdoável o Dimitrov ter perdido dele, na primeira rodada…

      Mas

      Dimitrov é Dimitrov, né.

      (rs)

      Responder
      1. Sônia

        Dimitrov está numa fase depressiva, vide suas postagens nas redes sociais. Na torcida para que ele saia dessa situação. Beijos.

        Responder
  8. Chileno

    Acho que o Federer para no Thiem. O Nadal tem a chave teoricamente mais fácil, mas não acho impossível do Felix aprontar alguma. Mesmo o Wawrinka, deve ser respeitado.

    Responder
  9. Leopoldo Carlino

    Esse povo só quer ganhar dinheiro não tem tempo para carcar nhame!
    Enquanto isso os Brazucas, nada…nada… só tem bunda em challenger.

    Responder
  10. João Alexandre

    Dalcim,
    Pensei que iria comentar a carta do Wawrinka, em que expôs a falta de ética revelada pelos tenistas nesse episódio de mudança no comando da ATP. Você concorda com o Stan ou com o Djoko…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O Wawrinka se manifestou algumas vezes, até me surpreendi com a veemência de suas declarações contra o Gimelstob. Olha, é um campo difícil de opinar. Até entendo que os tenistas não estivessem contentes com o Kermode, apesar de não achar tão ruim assim sua administração. mas não me agrada também a postura do Gimelstob como um todo. Esse é um cargo essencialmente político, que necessita de alguém ponderado para encontrar conciliação entre torneios, promotores e patrocinadores. É uma equação muito mais difícil do que parece. Os tenistas, claro, querem ganhar mais. No entanto, não podem apertar demais os promotores, porque o circuito depende da boa saúde dos torneios. Abs!

      Responder
  11. PIETER

    É de se perguntar que interesses “subterrâneos” fazem com que Djokovic apoie incondicionalmente e de forma tão desavergonhada uma figura como Justin Gilmestob que, a julgar pelo seu prontuário policial e declarações e atitudes lamentáveis , já deveria estar banido da direção do tênis há muito tempo.
    E o sérvio aparentemente não se importa nem de se queimar perante os colegas de circuito com uma atitude dessas, no mínimo, polêmica…

    Responder
      1. Sandra

        A minha dúvida é que o Bruno Soares também está nessa panela , o Isner entre outros, você saberia informar a razão deles estarem todos juntos???

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Isner é treinado pelo Gimelstob e o Bruno faz parte do Conselho, daí me parece natural que ele defenda as posições do grupo.

          Responder
          1. Samdra

            Eu concordo com você , o que não concordo e chamar o Djokovic de mau caráter, pois se fosse assim todos seriam mau carater

  12. Luiz Fernando

    Esse Aliassime é perigoso, é um craque, que por sinal é o mais sério candidato a ganhar minha torcida após Rafa parar. É uma questão de tempo até ele vencer alguém do Big3, tomara q não seja em Madri kkk. Djoko e Federer não jogarão amanhã, treinarão…

    Responder
      1. Eu

        A olya é muito mais gata e sensual.
        Tem aquele borogodó, na minha opinião
        A sharapova é muito dura, parece travada
        Claro, posso cometer um equívoco, já que publicamente a pessoa pode ser de um jeito (por ser uma pessoa pública precisa “atuar”) e na intimidade do lar, com amigos e cônjuge, ser de outro

        Responder
  13. paullo

    Alguém falou muito bem no post anterior e confirma a declaração do Federer que o dalcim escreveu de que jogar no saibro exige muito mais do tenista. Quem é o goat, quem, quem? Kkkkkkk

    Responder
          1. Paullo

            O julgamento dos critérios de quem é o maior e melhor é subjetivo (apesar de tb ser composto por análise objetiva – feitos numéricos por ex). Logo, não é porque o tio do Nadal, o borg, o laver etc disseram é que é lei. Assim como a minha opinião não tem que tb ser a sua. Oras.

  14. Paulo Almeida

    250 semanas como número 1 na era mais difícil do tênis é algo a se comemorar de fato. Diferente de comemorar semanas totais em entressafras da vida.

    Como já disse várias vezes, esse recorde sem uma análise aprofundada não tem esse peso todo, mas parabéns ao GOAT Novak Djokovic.

    Responder
  15. Pedro

    Por que os maldosos é que falariam isso do Nadal? Todo mundo sabe que ele é muito fã e não perde um jogo do real Madrid. Normal a atitude dele para ver o jogo

    Responder
  16. Rubens Leme

    2015 foi o único ano em que Nadal nao venceu Monte Carlo, Barcelona e Madrid. Aliás, naquele ano passou em branco no barro, pois foi surrado na final de Roma pelo Andy Murray e pelo Djokovic em Paris. Será que estamos tendo um repeteco?

    Este ano RG parece bem aberto, já que nem ele e nem Djokovic estão bem. É claro que em cinco sets a coisa muda de figura, mas quem sabe um Thiem da vida apronta.

    Dalcim, uma curiosidade: O Garin deixou de jogar Madrid porque chegou à final e não pode jogar o quali. Não seria o caso, em uma situação destas, do torneio, deixar um convite aberto para dar uma chance, especialmente alguém que vem jogando tão bem este ano? Ele está em forma, ganhando e seria uma atração a mais e torço para que seja uma das zebras em Paris. E detalhe: no ranking para corrida de Londres, ele é o 16 do mundo, o segundo melhor sul-americano, atrás apenas do Guido Pella.

    Responder
  17. Sérgio Ribeiro

    Precisar preparar mais os pontos na terra batida , não tem nada a ver com precisar ter mais habilidade. Muito pelo contrário, devido à lentidão, passadores de bolinhas conseguem vencer com mais frequência. Federer esclareceu a péssima tradução do que “ supostamente “ teria afirmado. Dito isto, segundo o diário Bola Amarela , ao acrescentar Roma , no ato abriu mão de defender seu Título na Grama de Stuttgart. Portanto o TOP 3 será decidido mesmo com Sasha e Dominic no Saibro. O Craque ao olhar as chaves de Madri deve ter pensado “ que burrice eu fui fazer “ rs. Ao menos teremos grandes emoções a partir de quarta. Amanhã realmente Félix parece ser o mais perigoso pra azucrinar o Big 3. O piso MAIS RÁPIDO de Madri , permite fluir as habilidades do rapaz. Principalmente junto à rede . Fato raro no “lamaçal “ de Monte Carlo. Abs!

    Responder
    1. Miguel BsB

      O saibro exige que se jogue mais… Se o saibro favorece os “passadores de bolinha”, que nesse nível de tênis é muito mais que um mero “baloeiro”, mas sim um jogador consistente, com bolas profundas, e forte na defesa e contra ataque, pois bolas minimamente curtas ou sem peso são impiedosamente castigadas, as quadras muito rápidas favorecem os “espancadores de bolinhas” e os servebots… Quase tudo se resolve em 2 ou 3 pancadas. No saibro, a variação de ângulos, efeitos, drops, aproachs, são muito mais necessárias para se definir os pontos do que em quadras velozes. Por isso, acho que o terrão exige mais recursos dos tenistas, não só técnicos, como mentais e físicos.

      Responder
    2. Chileno

      Fora o fato da declaração ter sido do Federer, que tem um jogo que não funciona tão bem assim no saibro. Pergunta lá pro Nadal, se ele acha mais difícil jogar no saibro ou em quadra rápida. Só pelo posicionamento dele em relação ao piso em que é disputado o Finals já dá uma enorme dica…

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Exato , Chileno. Quanto menos tempo você tem pra preparar o golpe ( no caso do Espanhol isso incomoda demais ) , mais habilidade e caixa de ferramentas são necessários ( caso de Federer ). Rafa Nadal somente possui 6 SLAM fora do Saibro devido a isso, a meu ver. Ao contrário, Novak pega na subida e ainda faz a bolinha andar muito com sua espetacular devolução. Björn Borg foi a grande exceção. Mas botava a cara na rede sempre que necessário nos pisos rápidos. Já essa turminha do Saibro …. Abs!

        Responder
  18. Kadu

    Djoko chegou a 250 Semanas no Topo!
    só algo, que beira ao impossivel, tira ele de lá antes do USOPEN!
    entao mesmo que faça campanhas bem ruins nos GS até lá… ele já irá chegar com quase 270 Semanas!

    Será?

    Responder
  19. Renato

    Zverev vai perder do Ferrer ou Agut e Cilic não passa por Struf.

    Novak foi suspeito de fazer parceria com a mafia das apostas, está sendo processado no Brasil, foi acusado de dopping e simular contusões, xinga pegadores de bola e agora abre as portas pro “criminoso ” americano voltar. ” Não basta ser honesto, tem que parecer ser honesto”
    O sérvio está bem atrás de Roger, Nadal, Lazer e Sampras na história do esporte, mas sem dúvidas é o maior em polêmicas e suspeitas malignas.

    Responder
  20. Nando

    Olha, não havia adversário melhor pro Federer (zebraça no torneio) nessa volta ao saibro kkkkkkk. Richard Gasquet é uma espécie de “bônus round” pros Bigs.
    Porém o suíço está há anos sem jogar no barro…vamos ver.

    Responder
  21. O LÓGICO

    Guru, eu sou um desses maldosos kkkkkkkk Mas a minha visada é outra: o robozinho Lobo da Estepe kkkkkk, como sempre, já tá plantando o álibi para a derrota líquida e certa kkkkkkk em Madri. Pela primeira vez me vejo empático com o M C das vírgulas kkkkkkkk. É lamentável ir para a gira do saibro só pra ver seu Hellboy kkkkkkk e ele não ganhar um torneio sequer kkkkkkkkkk.
    Nem na Laje de RG ele vai conseguir alguma coisa. Isso me parece tão claro e objetivo quanto às imagens do Hubble kkkkkk

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *