Nadal sai na frente em Madri
Por José Nilton Dalcim
4 de maio de 2019 às 11:50

* Atualizado às 18h45

Rafael Nadal decididamente tirou a sorte grande na formação da chave para o Masters 1000 de Madri, onde a partir de segunda-feira irá buscar seu primeiro título desde agosto do ano passado. Cinco vezes campeão na capital espanhola, quatro delas sobre o saibro da Caixa Mágica, ele viu Novak Djokovic, Roger Federer, Dominic Thiem e Fabio Fognini ficarem juntos do outro lado.

É para comemorar, mas não relaxar. A curiosa estreia será diante de um garoto canadense, Denis Shapovalov ou Felix Aliassime. Não são grandes jogadores sobre o saibro, mas a velocidade de Madri sempre preocupa diante de adversários que espancam a bola e não têm muito a perder.

O adversário natural seguinte seria Nikoloz Basillashvili, um jogador de resultados fracos no piso, e o primeiro teste real viria contra Kei Nishikori ou Daniil Medvedev, que poderão jogar ao melhor estilo quadra dura, ou seja com bolas bem retas, como o japonês já fez com sucesso outras vezes, como naquela final de 2014 em dominava Rafa até se contundir. Stan Wawrinka está no grupo dos dois, porém o suíço raramente se deu bem em Madri, à exceção do vice de seis anos atrás.

Rumo a uma final que ainda não fez no saibro europeu deste ano, restaria a Rafa passar por Stefanos Tsitsipas, que é o favorito de um setor que tem Alexander Zverev e Karen Khachanov, ambos em péssimo momento. O alemão, com apenas três vitórias em seis jogos no saibro até agora, tem a pressão de defender o título. Borna Coric e Roberto Bautista nunca podem ser descartados, mas eis que ali está também David Ferrer na despedida definitiva de sua torcida.

O outro lado da chave é efervescente, ainda que Djokovic na teoria tenha se saído bem melhor. Deve começar por Grigor Dimitrov, talvez depois Jeremy Chardy ou Marco Cecchinato e aí um adversário enigmático, que poderia ser Juan Martin del Potro ou Marin Cilic, mas até mesmo Nick Kyrgios ou Jan-Lennard Struff. Seja quem for, o sérvio terá amplo favoritismo se voltar a jogar um tênis de primeira linha, o que não faz desde o Australian Open.

De volta ao saibro e ao torneio após quatro anos, Federer é total incógnita, apesar de as condições de velocidade de Madri sempre casarem bem com seu estilo. A estreia pode ser diante do surpreendente espanhol Alejandro Davidodich, em grande semana no Estoril, onde acaba de vencer seus primeiros jogos de nível ATP, mas que sequer possui títulos em nível challenger. Se confirmar, o suíço desafiaria os experientes David Goffin ou Gael Monfils antes de reencontrar Thiem.

Seria legítimo dizer que o austríaco seja o favorito para ir à semi contra Djokovic. Finalista nos dois últimos anos – deixou no caminho até mesmo Nadal na última campanha -, terá no entanto de tirar Fognini nas eventuais oitavas de final, caso é claro o italiano tenha se recuperado fisicamente e esteja com vontade de jogar. Ou seja, para ganhar Madri o austríaco terá de fazer um torneio bem perto do impecável.

Como de hábito nos Masters 1000, há duelos incríveis logo na primeira rodada: Cecchinato x Schwartzman, Kyrgios x Struff, Goffin x Fucsovics, Coric x Pouille, Ferrer x Bautista, Medvedev x Pella e Aliassime x Shapovalov. Os jogos dos garotos canadenses e de Kyrgios já acontecem neste domingo.

Para matar saudades, deixo o vídeo da vitória de Federer sobre Nadal na decisão de exatos 10 anos atrás.

Chave feminina interessante
Um dos torneios mais gostosos do calendário, Madri também faz chave bem forte no feminino, com 16 das 17 melhores do ranking inscritas. Apenas Serena Williams continua evitando o saibro europeu.

Atual campeã, líder da temporada e vinda do título em Stuttgart, a canhota Petra Kvitova é a maior candidata ao título e já teve ótimo início em cima de Sofia Kenin. Pode reencontrar Kiki Bertens nas quartas e acho que daí deve sair a finalista da parte inferior.

A número Naomi Osaka não tem currículo no torneio, já que sequer passou da estreia no ano passado. Mas não existem motivos para não ir bem agora, mais experiente. O caminho é árduo, com Dominika Cibulkova, Annet Kontaveit e Karolina Pliskova pela frente e a japonesa deixa dúvidas sobre seu estado físico, o que automaticamente mexe com a confiança.

É possível então que outras fortes concorrentes tentem ocupar sua vaga na final, como Simona Halep, Elina Svitolina ou Ashleigh Barty. A australiana saca melhor do que as duas, uma vantagem considerável em Madri, mas tem uma chave bem exigente. Tirou Daria Gavrilova e deve encarar Danielle Colins antes de Svitolina. E o setor de Halep não é nada fácil, com Johanna Konta, Alison Riske, Maria Sakkari, Viktoria Kuzmova e principalmente Julia Goerges.

Curioso observar que o feminino paga um total de 7 milhões de euros, 500 mil a mais que o masculino, embora os campeões recebam igualmente 1,2 milhão. Isso se explica porque a chave feminina não tem lugares vazios, enquanto os oito cabeças do masculino saem adiantados.

Vai ser um Premier bem interessante.


Comentários
  1. Renato

    Acho que Guasquet seria um adversário melhor para Roger na primeira rodada. Além de ser um dos maiores fregueses do suíço, não está muito bem no ano, e como Roger precisa de ritmo na terra batida, seria um treino perfeito.
    O espanhol é desconhecido e pode vir como franco atirador. Perigoso, principalmente porque Roger,as vezes, faz péssimos jogos de primeira rodada.

    Responder
  2. Fonseca

    Fernando Romboli fatura segundo título conscutivo em Challenger duplas, nos EUA!

    Felipe Meligeni fatura Future Duplas nas Ilhas Canárias!

    Orlandinho Luz e Rafael Matos dominam o Future de Tabarka na Tunísia (Matos ganha simples, e duplas com Orlandinho!)

    Responder
  3. Mauricio

    Eita P…
    nao deu uma dentro kkkk Kirgyos já foi, Shapovalov foi, Dimitrov foi.., Basilashvili tb foi! ufa.. vamos ver quem sobra das suas previsões hehe.. torcendo p dar Nadal e Djoko na final!! abcs

    Responder
  4. Oswaldo E. Aranha

    Dalcim, não tenho colocado opiniões no blog, para evitar encontros indesejáveis com os hulligans do tênis, mas tenho sempre acompanhado. Mando-te um abraço de um vascaíno que anda triste para um co-irmão palmeirense. Nessa ligação gostaria de destacar que um jogador que foi do Vasco e do Palmeiras, Vavá, cujo atuação nas copas de 58 e 62 foi decisiva, está injustamente esquecido, quando a mídia só fala em Garrincha e Pelé, os quais têm todos os méritos.

    Responder
  5. Rubens Leme

    Dalcim, é velho, alguém já deve ter postado mas sempre vale… tirado do twitter oficial dele. O Big 3 de hoje pode ser mais espetacular, mas o Big 3 de quando comecei – Borg, Connos e McEnroe – era bem mais divertido.

    Jimmy Connors

    @JimmyConnors
    Mar 2
    More
    Welcome to the “ Triple Digit” tournament victory club @rogerfederer — I’ve been a bit lonely- glad to have the company !!!

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Eram 3 gigantes mesmo, aprendi a gostar de tênis vendo Jimbo vs Borg, pena q naquela época as transmissões eram bem escassas e limitadas as finais de alguns GS.

      Responder
  6. Miguel Delfes

    Dalcim..
    Acho um erro em alguns sites inclusive n da ATP , ficarem somando GS com Master1.000 com Finals dos 3 maiores pontuadores até o momento neste tipo de somatória pois , cada qual tem sua pontuação..
    Os M1.000 valem metade dos GS e metade dos Finals se invicto..
    Existe possibilidade de vc com seu extenso banco de dados fazer um levantamento de somatória de pontos levando em consideração tudo GS Finals Master1.000 500 e 250…?
    Eu poderia fazer por aqui mas..seria bem mais preciso de vc pudesse fazê-lo..
    Seria interessante ver como seria até então o resultado dos 10 ou 20 maiores somadores de pontos independente de seus títulos..
    Como um ranking de pontos corridos desde a era moderna do tênis..
    Desde já..obrigado..

    Responder
      1. Miguel Delfes

        Somar os pontos q cada tenista(os 10 melhores..Federer..Nadal..Connors..Da.pras..Djokovic etc) da era aberta..cada GS valem 2.000 x 17 se for Nadal..cada Master 1.000 x qts ganhou e assim vai Master 500..Master 250..somando tb a pontuação n Finals..
        Uma curiosidade q acho ser interessante..

        Responder
    1. Samuel

      Prezado amigo,

      Existe um site com mais de 120 milhões (!!!) de dados estatísticos sobre tênis masculino.
      Certamente o que você procura está lá!!!
      Se você desejar e o Dalcim permitir, posso indicá-lo.

      Saudações,

      Samuel

      Responder
      1. Miguel Delfes

        Oi Samuel..
        Ele entendeu perfeitamente a pergunta..apenas deu um jeitinho de não responder..
        Agradeço se vc passar esta informação afinal..
        Este Blog não teria sentido sem nossa participação d: )

        Responder
        1. Miguel Delfes

          Desculpe Dalcim..
          Se não permitir..peço a gentileza de o Samuel não postar o site aqui..
          Se vc não entendeu o q pedi p vc..ok..
          Vou tentar encontrar a resposta p minha curiosidade nos sites do qual tenho acesso..
          Como sou leigo..vou demorar mas acho..
          Mais uma x desculpe ter sido rude..

          Responder
          1. Samuel

            Prezado amigo,

            No motor de busca de seu PC ou notebook, digite ULTIMATE TENNIS STATISTICS.
            Você vai se sentir uma criança na Disney!!!

            Saudações,

            Samuel

  7. O LÓGICO

    No vídeo abaixo dá pra ver o quanto Pelé era marcado. Duvido que Messi sofra marcação parecida. O Maradona, sim, sofria marcação pesadíssima. Zico jogou na Udi e Maradona no Nápoli, times de pouca expressão, e se houveram muito bem. Zico foi vice artilheiro do italiano com um gol a menos que o Platinir, com cinco jogos a menos que o francês. Zico jogou três copas. Sendo que, se formos honestos, Zico jogou realmente uma única copa. Na de 78, se contundiu no primeiro jogo e em 86 já chegou para jogar a copa contundido. Peguem os números de jogos, o número de gols e assistências de ambos e tirem suas conclusões. Toda vez que o Zico jogou contra o Maradona, ou deu empate ou o Zico foi melhor. Isso começou em 79, quando a Argentina jogou contra a seleção do resto do mundo, onde Maradona fez um golaço, e no segundo tempo o Zico entrou, marcou um gol e acabou com o jogo.
    https://www.youtube.com/watch?v=QiKTorLegkU&t=927s

    Mudando para o Tênis, ouvi um boato que o M C hipotecou duas farmácias para pagar as dívidas da famigerada turnê da sofrência kkkkkkkk. Eu tô apostando que esse ano o robozinho não ganha torneio algum, nem na LAJE kkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  8. Fred José Ferreira Ribeiro

    O fato é:
    Federer tem três anos de invencibilidade no saibro. Nem nadal tem isso.

    Sinto o cheiro de outro RG.RS

    Responder
  9. paullo

    o djoko nao pode ser o messi porque esse raramente se lesiona kkkkkkkkk
    o nadal nao pode ser o CR7 porque esse raramente se lesiona kkkkkkkkkk

    tb acho que a folga para descansar a grama de wimbledon poderia ser na segunda e nao no domingo. Domingo é dia de ver esporte na tv.

    Responder
  10. Bartolomeu

    Considerando o instável momento vivido por Djokovic, e a informação de que Nadal não vence um título desde agosto do ano passado, e porque o ócio de domingo também permitiu, perdi meia hora analisando as faixas etárias dos top 50. Algumas conclusões que achei interessantes:

    As idades com mais tenistas no top 50 são 28, 29 e 32 anos: representadas por 5 tenistas em cada faixa etária. Um desses tenistas é o Nadal, com 32 anos.

    Logo depois, com quatro representantes em sua respectiva faixa etária, temos os jogadores com 22, 23, 27 e 31 anos. Nesse grupo, está o Djokovic com 31 anos.

    Logo, com base na análise da faixa etária de cada esportista, podemos dizer que, atualmente, o auge de um tenista é entre os 27 e 32 anos. Simplesmente metade dos Top 50 se encontram nessa faixa etária.

    Após os 33 anos, há apenas seis tenistas no top 50, e apenas um com mais de 35 anos, justamente o Federer.

    Outro detalhe interessante, temos apenas 6 tenistas com idade entre 24 e 26 anos, muito pouco, o que talvez justifique a afirmação de que aqui temos uma geração inferior às demais.

    E a assim chamada Next Gen vem demonstrando que vai ocupar uma posição de cada vez mais destaque no circuito: são 12 tenistas com idade entre 20 e 23 anos.

    Conclusões finais:

    Para Nadal e Djokovic, o teste da longevidade começa agora, pois muitos tenistas da mesma faixa etária (31/32 anos) vem se mantendo extremamente competitivos e vencedores, e depois dos 33 a queda de rendimento fica mais acentuada. Federer, não preciso dizer, passou com folgas por esse filtro, e é um ponto totalmente fora da curva em termos de longevidade, coisas que Djokovic e Nadal ainda não são.

    O outro ponto fora da curva, e que aqui destaco como menção honrosa, é o garoto Felix. O único representante do top 50 com menos de 20 anos.

    Responder
  11. Luiz Fernando

    Vejo essa temporada de saibro como a mais aberta em muitos anos, pelo momento irregular de Rafa, que vem vacilando. Além disso, esse piso é o mais veloz destes torneios, o q embola ainda mais as coisas. Não há como negar q esse torneio é uma grande incognita. O sorteio sem dúvida o ajudou, mas a ajuda principal deve vir dele mesmo, na quadra. Federer aparentemente se deu mal, pegou uma chave ruim, mas o q manda é o q acontece dentro da quadra…

    Responder
  12. Rodrigo S. Cruz

    Outro bom resultado do Auger-aliassime.

    6/2 e 7/6 sobre Denis Shapovalov.

    O Nick Kyrgios já caiu fora também.

    Perdeu pro Struff. 7/6 e 6/4.

    Responder
  13. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, é muito bom assistir ao Felix jogar. Muito concentrado, embora ainda oscile muito. O que é perfeitamente natural, dada a pouca experiência e ao corpo ainda em maturação.
    Abs

    Responder
      1. PIETER

        Não me surpreenderei nem um pouco se ele vier a dar uma canseira no Nadal, na 4a feira, conseguindo, inclusive, tirar um set do supercampeão.

        Responder
  14. Pedro

    E o grego ganhou. Para mim, um jogador sem carisma, que de vez em quando fala besteira, como dizer que o Federer era favorecido. Que fica afetado a todo instante (piti toda hora). Até joga bem, porém este resto, que forma o conjunto de um jogador, é deplorável. Ainda bem que o Medvedev surra ele o tempo todo. O pior é que pela idade, talvez tenhamos que aturar esta figura por um bom tempo. Espero que, ele mude bastante, embora eu ache difícil. Para rivalizar com ele, só o Shapovalov, que leva bichinho de pelúcia para a quadra. Que espetáculo tenebroso. Espero que ou o Zverev ou o Thiem assumam a liderança desta juventude o mais rápido possível. Não que eles sejam exemplos, mas são menos piores.

    Responder
  15. O LÓGICO

    Respondendo às Messizets, como eu kkkkkk, ainda estou esperando um exemplo de genialidade do Messi, gol é pedir muito kkkkkkk. O que foi mostrado foram gols de habilidade, e não de genialidade. Se habilidade significa o mesmo que genialidade, o que pra mim não é, então temos uma miríade de gênios no futebol, porque são incontáveis os jogadores da história do futebol que fizeram gols driblando vários jogadores, e várias vezes.

    Se formos cuidadosos com nosso olhar e compararmos os gols de Messi com os de Pelé, veremos um fato cristalino: Messi tem quase uma única maneira de fazer gols bonitos: sempre com a bola no chão. Já viram Messi fazer gol dando lençol em adversário? Pelé fazia gols bonitos de todas as maneiras. A forma como Pelé driblava seus adversários e fazia gols era bastante diversificada. Dribles de corpo, dominando a bola com o peito, fazendo tabela com o próprio corpo do adversário, dribles com o pé direito, com o pé esquerdo, até com a cabeça. E a sua genialidade era absurda, genialidade que pra mim é expressada pela sua capacidade ímpar de criar algo novo, uma jogada impensada, jamais vista, mesmo que não resultasse em gol. A rapidez de raciocínio e execução das jogadas era impressionante. A esmagadora maioria dos gols de Messi, é driblando adversários com a bola no chão e em arrancadas, coisa que Pelé fazia a rodo.
    Não precisa falar em velocidade do futebol à época do Pelé, pois o futebol era ligeiramente mais lento, e Pelé era extremamente veloz à sua época. Mas atentem nos vídeos abaixo para a precisão de movimento, a coordenação dos membros quanto a velocidade, o equilíbrio, o arranque, a mudança de direção, a precisão e a velocidade do raciocínio quanto ao que os marcadores vão fazer. Ele fundia todas as qualidades dos grandes jogadores; tudo ele fazia: cabeceava bem, chutava, driblava e dava passes bem com as duas pernas, era rápido, forte, intuitivo e criativo, se movimentava por toda a parte do campo, cobrava faltas com força e alternava com chutes colocados, batia penal como ninguém, sua forma de driblar era inesgotável. E saindo dos aspectos futebolísticos, Pelé era um Beatles com um único membro. Onde ele ia se apresentar era uma verdadeira histeria do público masculino e feminino. O cara parava até guerra.

    Eu nunca vi o Pelé jogar. Meu lugar afetivo chama-se ZICO. E só fui pesquisar Pelé, quando vi algumas críticas a ele; então resolvi investigar a fundo. Então, a admiração, que até então era apena um eco do senso comum, se tornou implacável. E uma das coisa mais prazerosa é ver seus vídeos, que não expressão sequer 30% do que ele fez. E isso é impressionante, porque se esse vídeos não existissem Pelé já teria sido sepultado.

    Eu concito a todos a fazerem a seguinte abstração: vejam os vídeos abaixo, analisem as formas diversas de Pelé fazer gols, criar jogadas e driblar, e respondam se alguém pode ser comparado ao Rei. Peço que sejam sinceros num outro ponto. Imaginem se o Pelé estivesse jogando nos dias atuais, em outro clube que não o Barcelona, e marcando a mesma quantidade de gols que o Messi e disputando com ele quem seria o melhor do mundo. Com a pequena amostra dos vídeos abaixo, e com a clara diversificação do Pelé na forma de driblar, dar passes e executar gols, bater faltas, penal, cabecear, chutar e criar com as duas pernas, quem você escolheria como o “melhor”? Não vale perguntar as nadalzetes kkkkkkkk. Elas não gostam de arte kkkkkkkkkkkkkkk. No minuto 12 23 segundos do primeiro vídeo, tem um gol de Pelé, após drible “genial” de corpo, que o adversários cai: pura intuição do intuição d e Negão kkkkkkkk O Cara era uma fera, uma máquina de fabricar coisas novas.

    https://www.youtube.com/watch?v=ioA0DwrriWM
    https://www.youtube.com/watch?v=6303edZXTdY
    https://www.youtube.com/watch?v=yK03syEJGKI

    Responder
    1. Renato

      O gol mais bonito da carreira do Pelé não tem registro de vídeo. Foi contra o Juventus da Mooca, na Rua Javari. Ele chapelou três jogadores antes de fazer o gol. Tem uma projeção no filme “Pelé Eterno”.

      Responder
      1. O LÓGICO

        Na verdade foram quatro, porque ele deu chapéu no goleiro, também kkkkkk O Negão era fooooda. Agora, imagina ele fazendo isso nos tempos atuais, e imagina o quanto de jogada bacana dele nós perdemos. O que tem no youtube é apenas uns 30%. Em matéria de genialidade Pelé- Federer- Jordan. E de bestialidade, Robozinho-Robozinho- Robozinho kkkkkkkkkkkk

        Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Concordo contigo, Lógico!

      Pelé foi, é e sempre será referência mundial, quando o assunto for futebol…

      Ele foi muuuuuuuuito melhor do que o Lionel Messi.

      Zico e Maradona (pra mim) vem logo em seguida…

      Responder
    3. periferia

      Olá….
      Não sendo deselegante com o Zico….foi um grande jogador….poderia ser chamado de craque….fez por merecer…..
      Mas na realidade foi um jogador de província (O Rio de Janeiro até hoje é uma província ) onde as pessoas acham que o sol do mundo se encontra apenas lá……e ainda para piorar a situação jogou no Flamengo…grande time carioca ….que tem uma grande torcida….mas não nos esquecemos…..nos últimos 25 anos ganhou um brasileiro.
      Messi com certeza é o jogador mais visto de todos os tempos (com a divulgação das partidas…vemos ele toda semana)…..nunca pensei de alguém acusar o Messi de “pouca genialidade”…..ou dizer ” faz sempre do mesmo modo”……o cara é um Deus do futebol….como estamos em um blog de tenis…..sou obrigado a citar John McEnroe quando perguntaram quem era melhor …nadal ou Federer?
      Diz McEnroe:…”federer é melhor….mas Nadal tem feitos para contestar”
      Assim é Messi em relação a Pelé……ele pode contestar.
      E estamos comparando deuses……..Zico é um mortal.

      Responder
  16. Roger Fedeiros

    Federer:

    “No saibro, você precisa de mais tempo para construir os pontos e eu tenho que me acostumar com isso. Você pode jogar com mais ângulos e alturas de bola, enquanto em uma quadra rápida você tem apenas que bater nela”.

    Estão vendo como jogar em uma quadra lenta é muito mais difícil do que jogar numa quadra rápida!

    Responder
    1. Miguel BsB

      Nisso eu concordo. Jogar no saibro exige muito mais variação e “caixa de ferramentas” completa do que qualquer outra superfície…

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Nunca antes na história desse País alguém disse algo parecido. A quantidade de passadores de bolinhas que possuem titulos na terra batida , vai daqui ao cárcere de Curitiba. Até mesmo o “ Rei do Saibro” , que está longe de ser apenas mais um , possui apenas 6 SLAM nas outras superfícies. Ivan “ o Terrível “ Lendl : “ Troco todos os meus Títulos em Roland Garros , por um em Wimbledon “ . Porque será ? Abs!

        Responder
    2. Chileno

      Acho que “difícil” é um termo bem subjetivo. No saibro o jogo é mais lento, tático e físico. Mas nas quadras mais rápidas, a precisão e velocidade dos golpes pesa muito mais que na quadra lenta. Além disso, os jogadores precisam de mais agilidade pra chegar nas bolas, e têm menor tempo de preparação para os golpes. Por isso acho meio simplório dizer que um ou outro é mais difícil. Acho que na verdade, aspectos diferentes do jogo são favorecidos em quadras mais lentas.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que tem um pouco de descontração, mas também para pegar o adversário de surpresa, porque ele saca muito forte e aí um saque tão lento pega qualquer um desavisado.

      Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Porque o fator surpresa está justamente na preparação curta por baixo. Sacando por cima, não se consegue um ‘saque deixadinha’, por exemplo.

          Responder
  17. Daniel

    Bem, o Federer vai voltar no saibro e caiu numa chave bem difícil, então não vou esperar uma boa campanha e acho que ele vai jogar Roma. Vamos ver, quem sabe ele surpreenda. Quartas ou semi seria ótimo.

    Djokovic e Nadal se deram bem com a chave e são os favoritos, com o Thiem correndo por fora.

    Só gostaria de fazer um apelo aos meus colegas: nesse torneio provavelmente teremos novas provocações dos fakes fanáticos pelo Djokovic, e acho que o pessoal deveria ignorar. Como dizem por aí: “Não alimentem os Trolls”.

    Abs

    Responder
  18. Renato

    Sem dúvidas Nishikori foi o campeão moral em 2014. A final foi um dos jogos mais repugnantes da história, com a total falta de respeito do baloeiro, que vibrou como se tivesse acertado na mega Sena com a contusão do japonês, que estava atropelando o espanhol.

    Responder
  19. José Alves

    Nadal como sempre será grande favorito nesse torneio. Ele cresce a cada torneio e sempre volta a ganhar muito quando fica muito tempo com jejum de títulos

    Responder
  20. André Barcellos

    Creio que essa final de Madrid o Federer ganhou pelo mesmo motivo que Murray ganhou as Olimpíadas em 2012. Jogo do adversário de 4 horas no dia imediatamente anterior.
    Com a observação que Nadal tinha 22 anos em Madrid 2009 e Federer já rondava os 30 nas olimpíadas de 2012.

    Responder
    1. Marcos RJ

      André, a diferença de idade entre Federer e Nadal é de aproximadamente 5 anos, logo, se Nadal tinha 22 então Federer tinha 27, portanto não estava “beirando os 30” ainda.

      Responder
      1. André Barcellos

        Marcos, vc não entendeu.
        As partidas aconteceram em épocas diferentes.
        -Nadal contra Djokovic e depois contra Federer no dia seguinte, em 2009. Nadal, com 22 anos, não aguentou o desgaste de ter que jogar no dia seguinte depois de 4 horas de semificnal.
        -Federer, beirando os 30, não aguentou jogar no dia seguinte contra Murray depois de ter vencido a Semi olímpica contra Del Potro, em 2012.

        Estou comparando as duas situações. São finais que normalmente não teriam sido perdidas por Nadal ou por Federer.

        Responder
  21. Tiago

    Como de costume Nadal sempre é o sortudo nos sorteios de grandes torneios! Nunca vi um tenista com tamanha sorte nas chaves. Seus maiores rivais estão no outro quadrante da chave. Seu lugar está garantido na final…Fica então a expectativa para quem irá enfrenta-lo na final.

    Responder
    1. Jonatas Bruno

      Em termos, pois corre risco de cair na estréia, por que não? Enquanto que o Shapo, já o venceu em outro Masters, o Félix vem em curva ascendente, e o que é melhor possuem um tênis arrumado e dinâmico. Me parece óbvio que duelar com um dos jovens canadenses logo de cara, não animaria quem quer que seja.
      Para começo de largada, o sorteio não foi generoso, passando pelo teste, aí sim a sorte já começa a ser considerada.

      Responder
  22. PIETER

    Que jogaço essa final de Madrid entre esses dois gênios do tênis e com uma atuação primorosa, impecável do Federer!
    Dalcim, revendo jogos antigos entre esses dois monstros, parece-me que o tênis do Nadal decaiu mais com o tempo, notadamente o saque e a precisão de suas devoluções embora ele tenha aperfeiçoado o seu backhand, tornando-o mais agressivo e menos vulnerável.
    Ambos são menos velozes agora, é fato, mas tenho a impressão de que o Federer, pela sua absurda habilidade, soube adaptar-se bem à lentidão crescente dos pisos (até em Wimbledon, outrora piso rápido, agora se joga quase que só no fundo da quadra), e foi capaz de jogar um tênis mais tático, até em pisos lentíssimos, como se viu, de forma brilhante, recentemente, em Miami.

    Responder
  23. Gustavo M.

    Dalcim,

    A grande conquista do basilashvilli foi Hamburgo, não? Se vira bem no saibro, embora não tenha estilo pra incomodar o Nadal.

    Abraço

    Responder
  24. Paulo Almeida

    O GOAT Djokovic deve pegar logo de cara a imitação piorada do Ronaldinho Gaúcho das quadras. Acho que o Dimitrov é uma espécie de Denilson.
    Se passar, tem caminho tranquilo até a semifinal. O Capivara pegou uma chave ridícula e o Jagua da Montanha se deu mal de fato.

    Responder
  25. O LÓGICO

    Conversei com o Prometeu há pouco, e ele me “prometeu” que não iria quebrar seu contrato comigo. Portanto, Nadalzetes, podem esperar mais um fiasco do robozinho na Laje kkkkkkkkkkkkkkkk O M Cocotinha, que tá fazendo a turnê da sofrência pela Europa kkkkkk, já preparou sua faixa para levar para os jogos do primogênito, com o seguinte “mantra” kkkk: EU ACREDITO kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk E o L F fica aqui no Brasil só orando pelo seu CRUSH kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
    1. José Alves

      Há pelo menos 4 anos vc insiste nesses comentários ridículos acerca do Nadal .Bizarro quando é unanimidade no circuito considerá-lo o maior da história no saibro.Sugiro que arrume outro serviço melhor que contradizer o óbvio.E não esquece que Djokovic tem embora masters que Nadal

      Responder
  26. felipe

    O Mestre… desculpe ser fora do tema, mas conto com sua ajuda ou de algum colega do site…
    O atp finals começa num domingo, dia 10/11. Se eu comprar ingressos para segunda feira, dia 11 (tarde e noite) e também para a terça-feira, dia 12, certeza que eu verei os 8 jogadores qualificados em ação correto???
    Abração !!
    ps: saiu uma promoção muito boa de milhas, com voos à partir de 23K pontos…
    Abs !!

    Responder
  27. Miguel BsB

    Muitas ponderações a se fazer desse sorteio…
    Primeiro, por óbvio, a chave do Nadal tá bem “menos difícil” que a que reúne, somente, Federer, Djokovic, Thiem, Fognini (é mole?).
    Dalcim, Bashilashivili (eita nome complicado) pode não ser um especialista no saibro, mas fez um grande ano passado e ganhou um atp 500 no saibro, se não me engano, Hamburgo. Um título de 500 no saibro mostra que o camarada tá longe de ser bobo no piso…seu jogo de pancada pode surpreender o Nadal no saibro Madri lenho.
    Por último, estou na dúvida pra quem irá a torcida de Madrid no jogo do Federer contra o garoto espanhol. Imagino que para o conterrâneo, mas o Federer, ainda mais nessa reta final de carreira, costuma ter torcida maior em qualquer palco que atua, contra qq um.
    Ah, bienvenido de volta, Juan Martin “patada atômica” Del potro!

    Responder
  28. Sandra

    Dalcim , sempre achei Federer o mais sortudo de todos os tenistas até aparecer o Nadal, você já viu alguma vez na vida o Nadal pegar uma chave ruim??? O Djokovic e outro , não da uma dentro rssss

    Responder
  29. Miguel BsB

    Rubens, tamo junto! A recíproca é verdadeira, tb gosto muito dos seus comentários, entende muito de tênis, esportes em geral, música e tem um visão política esclarecida, além de ser palestrino como eu… hehe

    Tb gosto dos comentários do Rodrigo Cruz, quando não está “quebrando o pau” com a ala djokovista do blog ou defendendo o governo bolsonaro rs. Escreve muito bem e sabe concatenar as ideias.
    Abs

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Digo o mesmo, Miguel.

      Também curto a maioria dos teus comentários.

      E sou mil vezes mais anti-PT, do que pró-Bolsonaro…

      Embora acredite (e torça) que ele consiga fazer uma boa gestão.

      Mal começou. Vamos dar um tempo…

      Inacreditável que eu mesmo já tenha sido um eleitor de Dilma, de Lula…

      E hoje, quando olho pra trás, parece até que não era a mesma pessoa, e sim um sósia.

      (rs)

      Responder
  30. Sônia

    Rsrsrs… sorteio? Em Madri? Rsrsrs… rsrsrs, rsrsrs… mudando de assunto, que saudade Meu Lindinho, que saudade. Torcendo aqui pra VOCE, MAESTRO, sempre juntos, sempre juntos. Beijos.

    Responder
    1. Jonatas Bruno

      Sônia, e o que dizer do Ferrer? Querem fazê-lo “descansar” com os parças ao relento! 2 vezes consecutivas o mesmo filme! rsrs Brincadeira a parte, ele no fundo merece! Beijos.

      Responder
  31. Guilherme Fernandes

    ENCONTRANDO A FELICIDADE.

    Apesar de não ter o hábito de postar, acompanho o blog há quase 10 anos e de antemão parabenizo o mestre Dalcim pela paciência para com os participantes do blog (lamentável aquela crítica no comentário da jogadora ambidestra, o cara que a fez não estava lúcido) e pelo excelente trabalho ao longo desses anos na Tênis Brasil. Sobre os participantes do blog, a maioria tem um membro do BIG 3 como preferido e uma pequena parte (grande por conta dos fakes) chega a um nível extremo de fanatismo. Faz anos que postergo este comentário, acreditava que não mudaria nada, mas resolvi tentar e se conseguir fazer com que UM leitor do blog siga o meu exemplo a ser exposto, já me darei por satisfeito.

    O post além de ser direcionado aos ”djokovetes”, ”nadaletes” e ”federetes”, também vai para aquele torcedor sensato, porém que torce CONTRA os outros dois. É lamentável que, tendo o privilégio de ver os três MAIORES e MELHORES tenistas de todos os tempos atuando juntos (e por mais de 10 anos), haja torcedores em sua maioria não sabendo apreciá-los.

    Eu mesmo até 2013 torcia pro Nadal e contra os outros dois, mas depois de uma conversa com meu saudoso tio José Reis, que acompanha tênis desde os anos 70, compreendi que temos de apreciar os três. Na verdade, O TÊNIS. Desde então admiro e torço pelo sucesso do trio. Sim, é possível!! E sabe de uma coisa? É MARAVILHOSO! Antes eu assistia aos jogos secando os outros dois, com MEDO, ficava nervoso, sofria, suava e tudo mais. Há seis anos, assisto às partidas das três lendas torcendo por todos, e é TOTALMENTE DIFERENTE quando você faz isso! Você fica feliz e empolgado sempre! E quando eles se enfrentam, assisto tranquilo, torcendo pra darem o melhor de si e aprecio este maravilhoso esporte que é o tênis, prestando atenção a cada detalhe, para que daqui a 30, 40 anos, quando falarem sobre os sensacionais feitos de QUALQUER UM deles, em vez de usar um argumento que favoreça/menospreze algum, farei como meu tio e direi: EU VI, FOI INCRÍVEL!!!

    O que Djokovic fez em 2015 foi fantástico, bateu todos os recordes de pontuação, e ainda fechou o Career Grand Slam no primeiro semestre do ano seguinte. E o que foi o DECACAMPEONATO do ”aposentado” Nadal em Roland Garros? e o Enea? a retomada do número 1? E o que fez o outro “aposentado”, Federer, em 2017/18? nem se fala! Alguém em sã consciência diria que ele ganharia do Nadal em 5 sets? a volta ao topo? centésimo título? E o ressurgimento do também aposentado (caramba! os fanáticos aposentaram as três lendas!) Djokovic ano passado rumo ao topo com três Slams seguidos, podendo fechar novamente o Grand Slam?

    Pois é… eu comemorei ISSO TUDO! E você, que torce pra apenas um deles, um terço disso. Só lamento.

    Dalcim, já pensou em fazer um post falando a respeito do SEU PRAZER e da fruição em ver as três lendas jogando sem torcer contra eles? pois como eu tentei explanar, quem torce só pra um deles NÃO É COMPLETAMENTE FELIZ! abraço e sucesso!

    Responder
    1. lEvI sIlvA

      Guilherme, meu caro, excelente e oportuno comentário o seu. Por vezes achamos mesmo, uma falta de bom senso muita coisa que se diz. Alguns comentários que soam puro despeito, outros a maior falta de coerência e respeito. Mas olha, o que mais me surpreende mesmo, é a pura insistência de muita gente em interagir com quem quer brigar das outras torcidas ou até mesmo com as da mesma que tem algum ponto diferente de vista. Eu, muitas vezes, tentei interagir com alguns por ter conta de alguma idéia semelhante, algum interesse similar mesmo que não do tênis. Infelizmente fui deixado de lado pra pessoa discordar e debater com muitas outras por nada, afinal não existiu diálogo compreensivo entre as partes. Por último, peço que continue comentando. seria mais um que posta com a idéia de acrescentar por aqui. Abraço e volte sempre, amigo!

      Responder
    2. Rodrigo Alvez

      Olha, não sei se conseguirei, mas garanto que tentarei seguir o seu exemplo. Essa coisa de ser completamente feliz realmente chamou a atenção.

      Responder
  32. José Eduardo Pessanha

    Mestre,

    Só vou escrever um comentário sobre esse assunto, pois aqui não é o espaço pra isso. Ler alguém dizer que o Zico não fez uma boa Copa de 82 é simplesmente bizarro. O cara só fez 4 gols e deu 4 assistências em 5 jogos, além de ter participado de outros 4 gols. Ou seja, dos 15 gols que o Brasil fez na Copa, o Craque carioca participou de 12. É mole ou quer mais? rsrs. Desconfie de quem não gosta de Federer e de Zico. E a pessoa em questão não gosta de nenhum dos dois. Vai entender. kkk.
    Lembranças doces de 1985/1986/1987, quando eu assistia, muito menino, os treinos do Flamengo com Zico, Leandro, Mozer, Bebeto, Jorginho, Tita, Zé Carlos, Andrade, Adílio e Adalberto (nos profissionais), bem como os juniores/juvenis Leonardo, Djalminha, Gonçalves (sim, foi mais um cara que jogou Copa que o Flamengo revelou), Júnior Baiano, Paulo Nunes e Marcelinho Carioca, que chegou no Fla em 1987. Só aí nessa brincadeira temos 10 jogadores revelados pelo Fla que foram a Copas do Mundo e mais uns 5 que poderiam ter ido tranquilamente (Andrade, Adílio, Djalminha (ah, aquela cabeçada), Marcelinho e Paulo Nunes.
    E deixei muita gente boa de fora dessa lista. A maior constelação de craques já reunida em um clube de futebol. É isso aí, quem desdenha do Zico não sabe nada de futebol.

    OBS: Olhem como o Zico foi “somente” OK contra a Argentina, como o cara disse:
    https://www.youtube.com/watch?v=NJ4eDcZxaYY
    Sabe nada. rsrs

    Abs

    Responder
    1. O LÓGICO

      Se o Galinho tivesse jogado toda a sua carreira no Barcelona do “Messi”, teria feito mais de 1000 gols com certeza. O pessoal fala do Messi, mas ele não recebe a metade da marcação que o Zico recebia no Flamengo. O mesmo para o Maradona. Ambos eram literalmente cassados em campo. Nas copas que o Messi participou jamais ele sofreu marcação como o Zico e o Maradona sofreram na de 82. O mesmo para o Pelé que foi cassado em 66. Admiro muito o Messi. Acho ele um espetacular driblador, batedor de falta e finalizador, mas não tem a genialidade do Pelé, do Maradona e do Zico. Aliás, eu lancei o desafio no post anterior, e lanço novamente. Me mostrem um único lance ou gol de genialidade do Messi.

      Compararam os tenistas com jogadores, então, Pelé-Federe, Robozinho-Chicão kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
      1. GILDOKSON

        Ta brincando que você nunca viu um lance de genialidade do Messi? Gol dando chapeuzinho no goleiro, driblando o time adversário inteiro, tu não viu isso? E sobre não sofrer marcação? Que isso cara! Pra não ir muito longe pegue só o vt do jogo contra a Islândia nessa última Copa, o time Islandês chegou a atacar o argentino até com 5 defensores em determinado momento. Sem contar a marcação que ele sofre a anos de Higuain, Bligia, Demicheles, Zabaleta, Mercado, Fazio, Acuña, Tagalliafico, Pérez, Rojo, Garay, Banega e cia na tentativa de ganhar uma Copa do Mundo.

        Responder
        1. O LÓGICO

          Acho que você não entendeu o que quis dizer com sofrer marcação. Ter cinco adversários, em algum momento, “cercando” o Messi, não significa sofrer marcação pesada. Até o Denilson já passou por essa situação em Copa. Veja o jogo do Zico e do Maradona contra a Itália em 82, e vai entender o que é sofrer marcação. No Flamengo o Zico era abatido em campo e no Nápoli e na seleção Argentina, o Maradona também. Cara, vamos ser sincero, o Messi pega na bola com muita tranquilidade, tendo tempo pra pensar e partir para o drible, isso não acontecia com Zico, Maradona e Pelé. E vou mais longe, o mesmo acontecia com o Fenômeno. Então não me diga que o Messi sofre uma marcação cerrada pelos adversários, porque não sofre. E nunca vi um craque como ele jogar em Copa de forma tão tranquila do ponto de vista da marcação como o Messi. Veja os jogos do Zico pela Udinese, e me diga se o Messi sofre a mesma marcação que o Zico sofria.

          Responder
          1. O LÓGICO

            Messi joga muiiiiito, e seu futebol é belo. Mas quando vamos decidir quem é o melhor entre os Titãs, o olhar tem que ser mais clínico. Esse é apenas um gol de habilidade, e não de genialidade. E até o Neymar tem gol de genialidade e o Messi, não. Esse tipo de gol o Pelé tem pra dar e vender, e só pesquisar. Dizem que ele seria dispensável para o Brasil ganhar as copas de 58, 62 e 70. Vendo os jogos que pude ver, na íntegra, não me parece ser o caso. Garrincha arrasou em 62, e Pelé se machucou e não jogou mais. Pegue o jogo do Brasil com o México em 62 onde Pelé e garrincha estavam em campo, e veja que quem jogou melhor naquele jogo, inclusive marcando gol, foi o Pelé. Na verdade, aquela seria a copa onde Pelé seria mais devastador, porque em 62 ele estava no ápice da carreira. Em 66, idem, mas ele foi cassado em campo e se contundiu.

        1. O LÓGICO

          Belíssimo Gol, já feito pelo Maradona, EM COPA, e pelo Pelé, em COPA. Sim, pelo Pelé. Se a memória não me falta, Pelé fez um gol desses na copa de 62 contra o México, saindo exatamente dessa posição do campo, driblando vários adversários e finalizando com o pé esquerdo. A plástica do Gol do Maradona e do Messi, sem dúvidas, é mais especial, até mesmo porque conta a qualidade da imagem e de outro fatores. Mas o gol tem as mesmas características. O do Pelé, guarda habilidade e força física. Em resumo, você me apresentou um gol de habilidade, e não de genialidade. Aliás, pegue os gols do Pelé em Copa e os do Messi, e até do Maradona, e me diga quem fez mais gols, e mais gols bonitos e diversificados na forma de execução?

          Responder
      2. periferia

        Alguém comparar Messi a Zico é uma heresia…..nem sendo flamenguista é perdoavel…….vi Zico jogar muitas vezes (no estadio)…..hoje vejo Messi….meu Deus….é Messi.

        Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Também achei bizarro.

      Mas se o mesmo diz que um apedeuta (Lula) merece estátua por prêmio de Literatura ( Jesus amado!) é porque a coisa tá feia mesmo…

      Melhor nem discutir.

      Depois teve outro que colocou o Maradona muito acima de Zico.

      O que eu respeitosamente, também discordo.

      Não sou flamenguista. Sou botafoguense por causa do meu pai.

      Mas vi algumas atuações do Zico no Flamengo que foram antológicas.

      Não é porque o Maradona foi superior ao Zico nas Copas, que ele seja melhor do que o Zico.

      Eu vi ambos jogando, e pra mim eles estão praticamente no mesmo nível.

      Dois gênios.

      A diferença, é que o Zico era um exemplo de atleta, simpatia, modéstia e ética.

      Já o Don Diego…

      Responder
      1. Miguel BsB

        Só pra deixar claro aqui, acho o Zico um craque, não há dúvida. Mas, no panteão da história do futebol, está abaixo do Maradona e de tantos outros, inclusive brasileiros como Ronaldo e Romário. Ganhar Copa do Mundo com atuações decisivas tem um peso gigante na minha avaliação e na da maioria dos especialistas quando vão rankear esse tipo de coisa. Esse fato tb vai pesar pra outro gênio, Messi.
        Zico, principalmente em 82, tava cercado de craques, e perdeu pra Itália naquele fatídico jogo, acontece, faz parte do esporte. Maradona, em 86 e 90, era ele e um bando de medianos…
        O mesmo na Itália, Napoli era time pequeno, o cara conseguiu transformar numa potência campeã pra cima de Juventus de Platini, Milan dos Holandeses etc… O Zico não conseguiu fazer o mesmo em outro time pequeno, a Udinese.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Pra você que esse critério de atuação em Copas do Mundo é muito menos decisivo do que você afirma.

          Apesar do Zico sim, ter feito uma grande Copa em 82.

          E o Romário levou a seleção nas costas em 94. Ou seja, fez mais em Copa…

          Mas dizer que Zico foi menos jogador que Romário?

          Tá de brincadeira. Nunca!

          O Romário só foi realmente grande, para fazer gols dentro da área.

          Um oportunista nato.

          Porém, muito menos talentoso do que Zico.

          Que driblava, arrancava do meio-de-campo, fazia golaços de falta, enfim…

          Responder
          1. Miguel BsB

            São posições diferentes, e isso conta Tb… O Zico era mais completo por ser o 10,meia armador… Tinha que saber fazer o passe, lançamentos, pensar o jogo, e batia faltas como ninguém!
            Mas o Romário era habilidoso pra cacete Tb, e, enquanto jovem, era capaz de arrancar do meio campo, driblar, e fazer o gol. Além de ser um matador implacável dentro da área… Fazia gols de cabeça!
            Na minha seleção de todos os tempos, o centroavante é um baixinho de menos de 1,70m, Romário de Souza Farias!

          2. Rodrigo S. Cruz

            Exatamente por isso Miguel…

            Repare que mesmo você se vê forçado a admitir que o Zico foi mais completo.

            E isso, por toda carreira, não só quando jovem…

            Mas enfim, não mudaremos a visão do outro.

            Pra mim, o Zico era um nota 9,0 e Romário um nota 7,5 ou talvez um 8,0.

            Porém, dois craques, sem dúvida.

          3. Viana

            Quem fala isso não viu o Romário no Vasco (início de carreira) , PSV e Barça!!
            Romário jogou mais e foi mais decisivo q Zico!
            Fez mais gols e foi um gênio! GANHOU UMA COPA SOZINHO!!
            No começo Romário jogou de ponta no VAsco e ainda assim foi artilheiro, junto com R Dinamite!
            No PSV até hoje o idolatram!
            No Barça jogou muito pouco tempo e mesmo assim é reverenciado!
            Na seleção ele falou naquele famoso jogo contra o Uruguai q nos classificou: – Vou dar boné, caneta e vou classificar o Brasil!
            Fez os três!! Eloe falava e cumpria… Zico foi um grandíssimo jogador. Mas na hora H na Copa, não foi como Romário!!
            E posso lembrar q ele foi artilheiro do BR com 41 anos!!! Só um gênio mesmo!!!

        2. José Eduardo Pessanha

          Bom, Miguel, dá pra rebater seu comentário. A começar pelo Maradona: os jogadores de 86 não eram medianos. A Argentina tinha a excelente dupla de atacantes Burruchaga e Valdano (esse é uma lenda do Real Madrid), além dos ótimos Pumpido, Ruggeri e Batista. Todos técnicos e MUITO raçudos. Aliás, Burruchaga e Valdano salvaram o Maradona naquela final de Copa, pois Diego não esteve bem naquela ocasião.
          O Napoli era pequeno em 85, 86, mas tinha um ótimo time turbinado pela Máfia Napolitana em seu auge. Portanto, Maradona teve ótima companhia na Itália.
          Por fim, como alguém que viu Zico e Romário jogarem MUITAS VEZES no Maraca e muitas vezes na TV, posso te afirmar que Zico era muito melhor do que Romário. De longe. Ah, e Romário tomou de 4 a 0 do Milan na final da Champions de 93, sendo colocado no bolso pelo Baresi. E perdeu o mundial de 88 pelo PSV contra o limitado Nacional- URU. E foi novamente colocado no bolso pelo contundido Baresi na final da Copa de 94. E passou vexame no Fla, perdendo um Fla – Flu de um time com 9 jogadores em campo, tomando um gol de barriga.
          Com relação a Rivaldo, não dá. Muito longe do nível do Zico.
          Grande abraço.

          OBS: Quer ver como o Zico é craque? Só olhar como ele bate na bola aos 66 anos. Agora experimente ver o Ronaldo Fenômeno chutando uma bola aos 42 anos….nem acerta o gol rsrs

          Responder
          1. Miguel BsB

            Eita que o Dalcim tá deixando o papo sobre futebol rolar esses dias… Somos participantes assíduos do blog Mestre, a discussão enveredou por esse lado e tá boa, dps voltamos pro tênis hehe
            Pessanha, discordo… O Burruchaga, sim, até tinha qualidade, e o Valdano, apesar de ter jogado no Real, pra mim era um centroavante mediano, meio caneludo inclusive.
            Falo isso pq, coincidentemente, semana passada estava assistindo os melhores momentos no YouTube dos jgs da Argentina em 86,principalmente contra Inglaterra e Bélgica. Procure pra vc ver. É inacreditável as diversas jogadas que o Maradona fazia, daquele estilo dele de driblar meio time, deixava o companheiro na cara do gol, e o boludo errava, chutava por cima etc… Era um time organizado, e que jogava em torno é em função de um gênio, que entregava.

          2. Miguel BsB

            No Napoli sim, ele teve grandes companheiros, principalmente o Careca. Mas era “dono” de 90% do time…

        3. Chileno

          Ganhar Copa e tal, eu concordo que é algo enorme e deve ser muito valorizado. Mas também há de se convir que o time todo tem um peso grande. O Messi, por exemplo, embora nunca tenha sido tão brilhante na seleção da Argentina quanto no Barcelona, pegou dois arremedos de time em duas das três Copas que disputou. Na última Copa, o time era simplesmente ridículo. Só tinha atacante. Do meio campo pra trás, o melhor do time provavelmente era o Banega, que era um Hudson com grife. Na de 2010 era aquele time cheio de estrelas, mas bisonhamente montado pelo Maradona. Não levou o Cambiasso por birra. Montou um time todo torto. O Mascherano marcava sozinho. Enfim…

          A única real oportunidade que ele teve foi em 2014, quando realmente não brilhou tanto quanto podia (e aqui sim, acho que ele merece críticas), mas levou um time de mediano pra bom, até a final da Copa, perdendo pra melhor seleção das últimas 3 ou 4 Copas. Se o Higuaín fosse um pouquinho menos horrível, ele provavelmente teria uma Copa.

          Responder
  33. Rubens Leme

    Uma matéria legal que estava lendo e sobre a chave de duplas em Madrid com várias duplas interessantes, entre elas uma de badboys (Tomic/Kyrgios) que só encontro paralelo em Nastase/Connors, mas apenas neste sentido, pois os dois ex-número 1 do mundo venceram Wimbledon (1973) e US Open (1975), juntos.

    Vai ser interessante de ver até porque podem enfrentar o Marcelo Mello.

    https://bolamarela.pt/o-incrivel-quadro-de-pares-em-madrid-com-destaque-em-del-potro-nishikori-e-kyrgios-tomic

    Responder
  34. Carlos Torre

    Caramba, o Thiem, pra vencer o torneio, se der a lógica, precisará jogar contra Fognini, Federer, Djokovic e Nadal. Pelo amor de Deus!!! Rsrsrs

    Responder
  35. Nando

    Concordo com td o q foi dito no post…chave do espanhol é mais mais tranquila, porém era tranquila em MC tbm e vimos o q aconteceu.
    A de Federer é a mais difícil, aliada ao fato dele não jogar no barro há tempos…vamos ver o q ele pode fazer aí.

    Responder
  36. Luiz Eduardo

    Acho que Djokovic também é uma incógnita, ele foi mal em IW, Miami e Monte Carlo, não se sabe ao certo como ele vai chegar para o torneio. Esse Medvedev ganhou do Nishikori em Barcelona, e vinha jogando bem contra o Thiem na final até sentir um desconforto no ombro. Ele também tem um saque que machuca e um forehand eficiente, se ele estiver bem e não sentir a pressão de jogar contra o Nadal pode surpreender. Com relação ao Federer mesmo que ele se adapte bem, terá logo no terceiro jogo Dominic Thiem, para mim parece impossível Federer derrotar o austríaco, você consegue ver qualquer possibilidade de vitória do suíço Dalcim?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Vou usar minha famosa frase, Luiz Eduardo: jamais duvide de Federer. Claro que é uma tarefa muito difícil, porém Madri está entre os pisos mais velozes dos Masters e o suíço vem muito confiante de Miami.

      Responder
      1. Marcelo Bragatto

        Mestre,

        Aproveitando o comentário… a velocidade de Madrid seria maior do que algum Master de quadra dura?

        Forte abraço!

        Responder
  37. Jonatas Bruno

    Dalcim, acho que trocou o Chardy pelo Tsonga! De qualquer forma,uma boa troca rs, ainda que aprecie o jogo do Chardy que na altitude pode aprontar.
    Djoko e Federer realmente pegaram s chave mais exigente, em compensação Nadal a estréia que requer uma maior concentração. Ficou a caráter para o bom amante do tênis. Resta saber na prática, pois há certos coadjuvantes que já começam a subir o nível, e isso é bom, muito bom!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, não troquei. Acredito mais no Tsonga nessas circunstâncias, embora claro ele ainda não tenha recuperado seu melhor ritmo.

      Responder
      1. Jonatas Bruno

        Estranho, pois o Tsonga não consta na chave no próprio site da ATP! Por isso achei que estivesse se referindo ao Chardy que (pela fonte) é um dos tenistas que o Djokovic (caso avance) pode enfrentar nas oitavas-de-final. Como o Cecchinato e o Schwartzman não estão num bom momento,,achei que projetou o francês de menor currículo, mas no momento, acabou digitando o mencionado em questão.

        Responder
  38. Renato

    Nadal favorito absoluto no lado dele, deu sorte. Acredito mais em Medvedev pra chegar as semi finais para o confronto contra o espanhol.

    Chave razoavelmente difícil de Roger até as quartas. Não pelos adversários em sim, mas pelo ponto de interrogação que é Roger atualmente no piso. Se vencer bem e pegar ritmo, acho que poderá equilibrar com o austríaco. Quem passar do confronto Roger x Thiem é o favorito natural pra chegar à final. Boto mais fé em Dominic.

    Legal o vídeo daquele jogo. Roger tinha muito mais agilidade naquela época, o que faz um pouco a diferença hoje em dia quando enfrenta seus rivais robos.

    De qualquer forma, a presença do melhor e maior disparado de todos os tempos anima qualquer torneio, dá audiência e trás público.

    Responder
  39. Danilo BR

    Nadal costuma se dar muito bem nos sorteios… A exemplo do Roland Garros do ano passado… Dalcim, vc acha que o Rei do Saibro vai entrar pressionado em Madri? Até pq não é normal que ele ainda não tenha levantado no ano nenhum troféu na terra batida. Eu acho que essas circunstâncias podem beneficiar os concorrentes ao título.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, imagino certa pressão, ainda mais se enfrentar tenistas bem agressivos. Importante para ele ter uma sequência de bons jogos para estar confiante nas rodadas finais.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *