Fognini precisa agora ir atrás do top 10
Por José Nilton Dalcim
21 de abril de 2019 às 21:53

O primeiro passo foi dado. Enfim, o talento de Fabio Fognini ergueu um dos grandes troféus do circuito masculino e faturou com máxima justiça Monte Carlo. Afinal, alguém que domina Rafa Nadal como ele fez no sábado teria mesmo de ficar com o título.

Então o sonho de um dia chegar ao top 10, que ele próprio revelou meses atrás, nunca esteve tão perto. O italiano, pertinho da casa dos 32 anos, aparecerá nesta segunda-feira em seu recorde pessoal, o 12º posto, 5 pontos atrás de Marin Cilic e a apenas 245 de John Isner. Somará tudo que fizer acima dos 45 em Barcelona e dos 10 em Madri. É uma chance de ouro. E depois defende apenas 180 em Roma e em Paris, locais onde pode se sair muito, muito bem.

Fognini garante no entanto que não quer pensar em Barcelona ou em ranking por enquanto. Ele será cabeça 4 lá e portanto deve estrear somente na quarta-feira, o que lhe dá tempo para comemorar e descansar. Ele destacou na campanha de Mônaco, claro, sua vitória na semi sobre Nadal, mas mostrou muita consciência ao dizer que o espanhol continua favorito a tudo que jogar no saibro europeu. A boa notícia é que Rafa ficou do outro lado da chave em Barcelona.

A final deste domingo começou tensa, como era de se esperar. Dusan Lajovic teve a primeira vantagem, ainda no terceiro game, mas cedeu o 2/2 em seguida e daí em diante o que se viu foi Fognini sempre muito mais oportuno nos famosos ‘pontos importantes’. Lajovic várias vezes pareceu indeciso sobre que postura adotar, foi menos agressivo do que vinha fazendo na semana, e obviamente sofreu com a incrível capacidade do italiano em variar direções e efeitos. Não foi um jogo espetacular e o vento contribuiu muito para isso.

Lajovic aliás também deu uma declaração interessante, afirmando que ver Fognini jogar o melhor tênis da carreira pertinho dos 32 anos é um grande incentivo para ele, que aos 28 disputou sua primeira final de nível ATP.

Novos tempos
Fato muito relevante: este é o segundo ano consecutivo em que três diferentes jogadores vencem os Masters iniciais do calendário e que dois deles são debutantes. Em 2018, foram Juan Martin del Potro e John Isner e agora Fognini e Dominic Thiem. Algo que só havia acontecido em 1990, quando foi instituída a série Masters, com triunfos de Stefan Edberg, Andre Agassi e Andrei Chesnokov.

Outro dado bem interessante divulgado pela ATP lembra que Fognini é o oitavo tenista a ganhar seu primeiro Masters nos últimos 17 eventos disputados. Antes de Roma-2017, também foram oito porém em 92 torneios, ou seja, no período de amplo domínio do Big 4.

Detalhes
– Fognini é o primeiro tenista a derrotar Nadal e ganhar um troféu no saibro desde Pablo Cuevas, no Rio Open de 2016.
– O último italiano a ter vencido Monte Carlo foi Nicola Pietrangeli, em 1968, quando o tênis ainda não havia entrado na Era Profissional. Corrado Barazzutti foi vice em 1977.
– Lajovic é treinado justamente pelo ex-técnico de Fognini, o espanhol Jose Perlas, e treina atualmente em Barcelona.
– Sinal de como o saibro é lento em Monte Carlo, Fognini levantou o título com média na semana de 57% de acerto de primeiro saque e 65% de pontos vencidos com ele.
– O sérvio jogou a semana toda com uma bolha dolorida no dedão do pé e revelou que a preparação para entrar em quadra foi extremamente chata e longa.

Não deu
O renovado time brasileiro da Fed Cup não teve mesmo muita chance em Bratislava, mesmo jogando sobre saibro coberto. Dominika Cibulkova, ex-top 4 e vice do Australian Open, colocou toda sua experiência em quadra e fez a diferença, mas ainda assim Bia Haddad esteve bem perto de ganhar o primeiro set no terceiro e decisivo jogo deste domingo, quando abriu 5/3 e teve o serviço a favor.

Vale lembrar que a canhota de 22 anos estava competindo em Bogotá até o sábado e se dispôs a um longo deslocamento até a Eslováquia, onde chegou apenas na quarta-feira.

É preciso ainda dar o devido desconto às meninas, que raramente disputam jogos de nível tão alto e sob tamanha pressão. Há uma distância grande de qualidade e de experiência entre Bia e as demais integrantes do time, isso é inegável.

O lado realmente positivo está no fato de esse grupo ser muito unido, todas trabalham juntas e sem atritos, algo bem raro na nossa longa história de Fed Cup.


Comentários
  1. Rodrigo S. Cruz

    Por isso que o Fognini não devia ter sentido pena do Nadal, em Monte Carlo.

    O certo era o italiano ter aproveitado os 3 matchpoints com saque, e liquidado o jogo com o “pneu”…

    Porque o Nadal é um tipo de cara que JAMAIS teve pena de ninguém.

    Pode estar vencendo o jogo por 6/0 e 5/0, e mesmo assim fará de tudo pra fechar a parcial com outro 6/0…

    Hoje, contra o Davi Ferrer não foi diferente.

    Mesmo tendo vencido esse pobre coitado milhões de vezes, e sabendo que era despedida do cara, o Nadal não perdoou.

    Atropelou o cara mais uma vez.

    Engraçado é que depois do jogo ele quer enaltecer a carreira do Ferrer…

    Curioso como o Nadal só enaltece a tenistas que ele mesmo derrota.

    Agora, basta alguém vencê-lo ou lhe dar muito trabalho, para ele dizer que jogou mal…

    Responder
  2. Mário Cesar Rodrigues

    Boa noite Dalcim,Rafa esta parecendo ou estava com o de 2015 estava com medo de perder e medo de ganhar,mas segundo set melhorou e no terceiro o saque voltou ao normal sacando melhor e pontos mais fáceis,o Garuin o Chileno muito esforçado mas não aguenta jogar muito tempo ser consistente,o Shapopalov misericórdia Dalcim ele acha a coisa mais linda bater com uma mão e tirado demais vai se perder no circuito infelizmente.o canadense nome difícil do cadete e bom bonzinho nada além disto Dimitrov inconstante não tem remédio. Agora Meia noite e 20 e 15 graus vou dormir Dalcim cansa o dia todo numa quadra kkkk

    Responder
  3. Sandra

    Dalcim, você por acaso já havia visto o Nadal tão vulnerável?. Ele sempre se machuca mas acaba voltando voando até por que ele fica parado quando se joga em quadra dura, mas nunca tinha visto depois de uma boa parada ele custar a voltar, eu achomque ele vai voltar voando e você?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A atuação de hoje foi sofrível, pelo menos nos dois primeiros sets. Ele parecia claramente pressionado a jogar bem e aí, com aquele vento todo e a falta de confiança, fez uma atuação bem abaixo do normal.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Há controvérsias. Segundo os especialistas, o que faz mal para os atletas não é o ato sexual, mas o horário em que ele acontece, principalmente se for uma ‘noitada’.

      Responder
  4. Luiz Nunes

    Dalcim, bom dia quase boa tarde!!!
    Uma pergunta nada a ver com o texto:. Depois do imbróglio com a Serena, não tenho visto mais o árbitro de cadeira Carlos Ramos atuar. Você sabe o que aconteceu com ele? Tá na geladeira ou foi banido?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Realmente, não o tenho visto, mas não soube nada sobre ‘geladeira’, embora nesses casos raramente surjam notas oficiais.

      Responder
  5. Luiz Fernando

    Rafa vai se embolando num jogo q deveria ser tranquilo, o q demonstra claramente insegurança, essa temporada de saibro promete grandes emoções…

    Responder
  6. Paulo F.

    O bugrão, já na estreia em Barcelona, está tendo dificuldades contra Leonardo Mayer.
    E em outro lugar que seu domínio é mais do que absoluto.
    Acho que sua condição física está aquém realmente.

    Responder
  7. Miguel BsB

    Odeio entrar nessa briga de GOAT, mas, como estou lendo agora a biografia do Nadal, vou citar algumas passagens do livro…
    A todo o momento, tanto Rafa quanto o seu mentor e tio Toni Nadal repetem que o Federer é o maior da história e mais talentoso que Rafa.
    Nadal cita a diferença a seu favor no H2H, mas faz a ressalva que grande parte dos confrontos deu-se no saibro, onde ele leva vantagem, e, em quadras rápidas, o confronto sempre foi muito equilibrado…
    Essas são passagens da biografia oficial do Miura.

    Responder
  8. Oswaldo E. Aranha

    Dalcim, gostaria da tua opinião sobre o seguinte: prefiro um jogo de fundo de quadra com alguma subidas à rede do que saque e voleio; no primeiro caso acontecem jogadas bonitas e que entusiasma os presentes, na segundo é um “vapt vupt” e tudo acaba sem graça.
    Também acho que saque e voleio é sobretudo um sistema americano que quer logo resolver; e a arte onde fica?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Existe arte no saque e voleio, Aranha, gente como Edberg, McEnroe, Rafter que o digam. Mas acho que tudo é uma questão de gosto. Dois grandes sacadores ou dois grandes baseliners se enfrentando pode ser chato, já o duelo de estilos pode ser espetacular.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Exatamente.

        Murray x Djokovic, por exemplo, me dava mais sono do que DIAZEPAM.

        No entanto, Federer x Djokovic é quase sempre um espetáculo…

        Responder
  9. Renato

    Eduardo, não existe discussão sobre quem é o GOAT, são dois. Federer é o verdadeiro e Novak o dá 25 de Março, brigando palmo a palmo com o Bellucci.

    Responder
  10. Jonatas Bruno

    Título merecido do Fognini, pelos predicados técnicos e por superar o desafio dos desafios da superfície. Agora até que ponto o fará dar contornos a tudo o que pode rende? Há de se considerar que basta um desconcentrar, ou um mal momento para descontruir o que até então trabalhou. Esse é para confiar desconfiando rs.
    Quanto a projeção de almejar um Top 10, vale lembrar que em termos de chaveamento (Slams e Masters) o seu atual ranking o deixa no mesmo patamar que o número 9 ou 10 do mundo. Portanto para efeitos “geográficos” também já pode comemorar rs (ao menos por ora).

    Sò um breve adendo, nem um dos Top 3 está brilhando no momento, e por aí se vê que a decisão do Federer de retornar ao saibro nunca esteve em boa hora! Madri dará a devida resposta.
    Enquanto isso em Barcelona, pelo que pude observar, Tsitsipas a jogar como jogou hoje, pode gerar boas receitas no saibro. Espero muito que sim!

    Responder
  11. Nando

    Zverev se continuar nessa toada, entrará em RG como cabeça 5…tem 1850 pts pra defender até lá, dos 2250 q irá disputar.
    Foi a Marrakesh em busca de “confiança e ritmo”…perdeu cedo lá, em MC e hoje em Barcelona kkkkkkkk.
    E daki à pouco, Lendl pedirá o boné hein.

    Responder
  12. Rodrigo S. Cruz

    E esse Zverev está pior que o Djokovic na perebice.

    Perdendo pra pangaré até na estréia.

    O Djokovic pelo menos faz umas oitavinhas…

    (rs)

    Responder
  13. André

    Bela surpresa a do Fognini… quem sabe o saibro fique mais competitivo!! Nadal e Djoko seguem favoritos, mas não é aquela barbada de outrora… vencer quase sem perder sets, atropelando todo mundo, é coisa do passado aparentemente. Esse povo da geração intermediária também busca um lugar ao sol!!

    Responder
  14. DANILO AFONSO

    Faltam 63 semanas para NOVAK torna-se recordista de semanas na liderança do ranking.

    Se o sérvio mantiver esse rendimento dos últimos 3 meses, vou ter que parar com essa contagem daqui alguns dias…kkkk

    Responder
    1. André Barbosa

      Pelo menos você reconhece isso Danilo, kkkkkkk.

      Até Wimbledon as coisas estão tranquilas. A partir daí é que ele corre sério risco caso não melhore o rendimento.

      Responder
    2. Paulo Almeida

      Esse recorde não tem muita credibilidade, Danilo.
      Claro que seria bom o GOAT terminar a carreira na liderança, mas quem leva a sério um critério de grandeza no qual Lendl e Connors ainda estão à frente de Djokovic e Nadal?
      O importante são os títulos na era mais difícil do tênis.

      Responder
      1. Nando

        Dalcim, parece q o indivíduo aí não conhece a história do esporte…poderia falar pra ele q o tênis não começou em 2011? E falar tbm sobre a importância de Lendl e Connors? Sérgio Ribeiro e André Luiz poderiam fazer o mesmo?

        Responder
        1. Paulo Almeida

          Acho que você está com problemas de interpretação. Onde eu disse que Lendl e Connors não são importantes?
          O problema é alguém em sã consciência afirmar HOJE que os dois foram melhores do que Djokovic e Nadal por terem mais semanas como número 1. Os dois somados possuem menos GS que o espanhol, que provavelmente nem vai ultrapassá-los. Até pro Djoko não está fácil.
          Esse critério é falho, por mais que machuque fedtards.
          H2H entre tenistas grandes é muito mais confiável e reflete melhor a realidade.

          Responder
      2. Sérgio Ribeiro

        TODOS levam a sério. Havia muita diversificação de superfícies. E não esta ridícula padronização a feição do maratenis. . Queria ver como se virariam na Grama da Época ( Novak jamais venceu na rápida de Halle e Queen’s ). Idem no Carpete. O parceiro gosta mesmo de ser o bobo da corte . Assim como o nosso amigo Robson sempre adorou rsrsrs Abs!

        Responder
        1. Paulo Almeida

          Padronização que ocorreu antes da entressafra dos anos 2000 e beneficiou tanto Fregueser no saibro quanto Cueca na grama. Olhe para o próprio umbigo primeiro.

          Responder
      3. Maurício Luís *

        O que você está afirmando é que hoje em dia as coisas são + difíceis, então os títulos valem mais. Discordo. Cada um foi o melhor da sua época, e a dificuldade era a mesma de hoje. Porque entra também o lado emocional. Esta mentalidade de que o que vale é sempre o mais recente, eu não acho válida.

        Responder
        1. Paulo Almeida

          Errado. As coisas são mais difíceis, especialmente nessa década, porque os 3 melhores da história jogam/jogaram juntos e ainda havia coadjuvantes de luxo como Murray, Wawrinka e Del Potro. Não tem nada a ver com ser mais recente, que o que é mais novo vale mais. Você foi outro que entendeu tudo errado.

          Responder
  15. Miguel BsB

    Zé Verev mais uma vez cai precocemente em um torneio…o que se passa com ele?
    Será que essa geração Danoninho é tão manhosa que nem o grande Lendl consegue dar jeito? rs
    Agora, o Chile está mais uma vez botando bons jogadores na praça. Tanto Jarry como Garin tem potencial para se estabelecer no top 30, e quem sabe, até voos mais altos.

    Responder
    1. Nando

      E olha q Jarry quase entrega a paçoca hein…teve 2 quebras à frente no 3° set, depois reve outra quebra à frente…depois fez df no tie-break, louco pra entregar.

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      O Craque secou tanto o Danoninho ( perdeu Match Point ), que já está grudado na briga pelo TOP 3. O Danone tinha aberto 2000 pontos que caíram pra 200 rs Abs!

      Responder
  16. Fonseca

    Fognini jogou muito.
    Porém, ficar virando bola cruzada que vem com spinzão no backhand para pancada na paralela O TEMPO TODO não é para qualquer um. Tem que estar num dia muito inspirado….

    Responder
  17. Renato

    Nando,

    Vc esqueceu de apenas um detalhe sobre a humilhante surra que Federer impôs a Rafa Nadal naquele finals: O jogo teve menos de uma hora de duração.

    Federer deu pneu, deu banho nos winners e ainda por cima despachou o espanhol rapidinho, assim como costuma fazer com tenistas do terceiro escalão em melhor de três sets.

    Responder
  18. O LÓGICO

    Torcerei para que a gravidade Newtoniana opere no fétido tênis do robozinho satânico e ele caia com peso e velocidade máximos kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Me economize robozinho, já deu pra bola seu tênis medieval kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Você transformou o tênis numa verdadeira pornochanchada kkkkkkkkkk. Sua forma de jogar representa o holocausto e a barbárie do tênis mundial kkkkkkkkkkkkkkk

    NADALZETES, ANOTEM: desse ano não passa kkkkkkkkkk, e veremos o fim do tênis macabro kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Convoco todos os torcedores do Fedex a se unirem nessa corrente contra o mal kkkkkk. Vale VUDU e Magia Negra kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
    1. Fonseca

      Será, caro Lógico?

      Com essa inconstância de Zverev,Thiem, Khachanov, Tsitsipas, etc, creio que o espanhol vai vencer muiiiito ainda (no saibro principalmente). O etilo dele também não me apetece, mas os fatos…

      Responder
  19. Marcio Souza

    Salve, salve galera!

    Fognini mereceu demais ter levado o caneco desse Masters de Monte Carlo.
    Um tenista com o talento que ele tem, não merecia encerrar a carreira daqui a uns anos e não ter um titulo desse nivel, parabéns ao italiano!
    Lembrando que tenistas menos talentosos que ele ja haviam ganho o seu Masters como o Berdych e o Dimitrov por exemplo.
    Mas a parte boa foi o Nadal ter tomado na tarraqueta e caido cedo em um dos seus torneios prediletos kkkk
    Será um prenuncio do que esta por vir? kkk
    É claro que o espanhol ainda é o maior favorito nos torneios de saibro que ainda estão por vir, mas ver ele sendo entubado e fazendo aquela carranca toda vez que teve o seu saque quebrado, não tem preço kkkk

    Cotonete é outro que anda sendo surrado jogo sim e jogo não, desde o AO, não tem tido nem graça zuar os torcedores dele, porque ja esta virando rotina ele cair cedo nos torneios e enfiar a raquete no saco e dar aquele tchauzinho maroto pra torcida.
    Enquanto isso, o MAIOR e MELHOR de todos esta só de boa, treinando e como diz o velho ditado, passando giz no taco para voltar a jogar no barro em Madrid, quem sabe ele também não resolva jogar Roma e assim nos brinde com mais belas atuações, porque ve lo jogar, é uma das coisas mais belas do esporte.

    Só lembrando os desavisados:
    Já são 1.198 vitórias e contando…
    Já são 101 canecos e contando…
    Vida longa ao Rei e GOAT Roger Federer!!!

    Boa semana a todos!

    Responder
    1. R. P.

      Os arautos do apocalipse são engraçados. Nadal não pode perder um torneio no barro que lá vem profecias. E os mesmos entendidos não vaticinaram os 4 anos e meio de “dieta” do Federer (de Wimbledon 2012 a AO 2017). Depois o destino se encarrega de mais um Fedal humilhante em RG, vem a estratégia do avestruz.

      Responder
      1. Alexandre Maciel

        Difícil acontecer mais um Fedal em Paris visto que ambos teriam que chegar na semi, o que é pouco provável para Federer. Na boa, essa passagem pelo saibro europeu está mais pra uma mini-tour de despedida (e somar alguns pontinhos para se segurar no top 4, é claro) do que qualquer outra coisa.

        Responder
      2. Rodrigo S. Cruz

        Melhor de 5 sets no saibro, fica muito difícil pro suíço.

        Portanto, só de fazer uma final, já seria um incrível resultado…

        E contra o Nadal, mesmo que o favoritismo do espanhol seja imenso, nem assim dá pra cravar nada.

        O jogo precisa ser jogado…

        Há quem diga que algumas partidas que o Federer perdeu, foi por teimosia em insistir na tática incorreta…

        Responder
        1. Fonseca

          Roland Garros 2017 foi tenebroso para o suíço o único dia que teve chance reais de vencer Nadal em RG: : 1 break point convertido em DEZESSETE CHANCES… (e na época o serviço do espanhol era mais fraco que hoje-apesar do gás ser maior).

          Responder
        2. Sérgio Ribeiro

          Pois é, ” Teimosia ” pela tatica incorreta , mas ninguém disse qual seria a ” Correta “. Parar aquele Spin alto com Backand de uma mão em RG , praticamente Impossível. Novak com seu excelente perdeu SEIS em Sete rs Abs!

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Não existe essa de “impossível” no tênis, Sérgio.

            E já vimos o que o Federer é capaz de fazer pegando o backhand afiado na frente, e usando a paralela…

  20. Marcelo

    Não sei se o Fognini teria consistência emocional pra ganhar Roland Garros (apesar de eu torcer pra sim).
    Mas, se ele jogar o que jogou sábado, ganha de qualquer um no saibro em 5 mesmo, inclusive do próprio Nadal.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Também acho que tem boa chance.

      Eu me lembro que o lucky-loser Simon Bolelli quase aprontou pra cima do Nadal, na primeira rodada, em 2018…

      Jogou de maneira agressiva, encaixou bons winners, e por muito pouco não arranca um set.

      Olhando o placar em sets diretos, parece que não fez grande coisa.

      Mas quem assistiu, realmente assistiu aquela partida, sabe que foi um jogo parelho.

      Até nas trocas do fundo.

      Para ganhar do Nadal no saibro tem de ser assim. Não pode respeitar.

      E o Fognini é muito mais jogador do que o Bolelli…

      Responder
  21. Arthur

    Muito feliz com o título do Fognini, Dalcim.
    Não só porque dá uma variada nesse circuito tão repetitivo de Federer-Nadal-Djokovic, mas também porque o título faz jus ao imenso talento que o italiano tem.
    Tomara que isso sirva de estímulo para que ele tenha mais força e consistência mental. Bater o espanhol por três vezes no saibro e ser o único na história a virar um jogo de Slam contra o Rafa partindo de 2×0 pra 3×2 não é pra qualquer um.
    Seria muito bom se ele ganhasse regularidade e adicionasse mais títulos de porte à coleção dele.
    Quem gosta de tênis bonito e ofensivo agradeceria.

    Um abraço.

    Responder
  22. Bartolomeu

    Tenho muita admiração por caras como o Fognini, de carreira sólida e que atravessam os anos, sempre se mantendo entre os vinte melhores, com alguns maus momentos,destemperos, vacilos, mas também com eventuais vitórias sobre os gigantes.

    Falo de tenistas como o Fognini, Ferrer, Tsonga, Berdych, Monfils, Isner e tantos outros. A grandeza, e a beleza, do tênis, é feita de esportistas assim: bons competidores, que jogam o melhor que podem, enfrentam os melhores, e constroem uma carreira fazendo aquilo que amam. Quantos de nós podem dizer isso?

    Daí eu ficar bastante chateado com a postura desrespeitosa de alguns, referindo-se a tais tenistas como pangarés, amarelões, perdedores natos etc – pois é um comportamento que demonstra um desconhecimento tão grande sobre o esporte e a vida, e traduz uma arrogância que talvez seja o que nossa época tenha de pior: a necessidade de coroar mitos, de exaltar vencedores, de desprezar todo o resto.

    Também por isso fiquei muito feliz ontem, com a vitória de Fognini. Foi um triunfo bonito e merecido. E espero que alcance o top 10, pois o tênis dele é muito vistoso.

    Responder
    1. Rodrigo Keke

      Bartolomeu, aplausos para suas sábias palavras. Essa história de que o esporte – e a vida – é feita apenas para parcos vencedores desfrutarem é uma balela de quem vive no mundo encantado da cornucópia, que só existe nas lendas e utopias.

      Responder
  23. Paulo Almeida

    O GOAT Djokovic não está velho, longe disso. Está é com uma bolinha pífia e perdeu pra si mesmo, como bem frisou o Jonas no outro tópico.

    Jamais usaremos as desculpas que os fedtards usam desde que o ídolo tinha 26 anos em 2008 e perdeu seu domínio.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      kkkk

      Mas é ser muito “face de madeira” mesmo!

      Não usa desculpa de idade, e vem com outra MUITO pior.

      Ao dizer que o Djokovic “perde pra si mesmo”.

      kkkkkk

      Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Deixa de ser tão fanboy, rapaz.

          Já tá ficando feio…

          Perdeu porque o outro jogou melhor.

          Perdeu, porque ninguém é imbatível.

          Muito menos o Djokovic, que é o integrante menos talentoso do BIG 4…

          Responder
          1. R. P.

            Fanatismo faz confundir habilidade com talento. O “menos talentoso” do Big 4 conseguiu se impor nesta década, conquistando 14 majors, 4 Finals (3 sobre o mais talentoso), 5 ATP World Tour, um monte de Masters, etc… E o melhor: a década ainda nem terminou.

            Diferentemente de alguns, acredito ser necessário um talento formidável p/ se sagrar o maior tenista na década mais difícil da história do tênis profissional.

          2. Paulo Almeida

            Discordo, nesse caso foi mais demérito de Novak do que mérito do rival. Diferente do Fognini, que realmente se impôs pra cima do Capivara.
            Curioso o menos talentoso ser o pai de todos do Big Four. Imagina se fosse o mais, kkkkkk.
            De novo você confunde talento com fazer jogadas acrobáticas. Se fosse assim, Monfils ou Kyrgios seria o GOAT.

          3. Rodrigo S. Cruz

            Tá mais pra “patinho feio” do Big 3, isso sim.

            kkkkkk

            Até o Nadal tem mais Slams do que essa farsa…

  24. Eduardo

    Dalcim, acho que o Djokovic e o Nadal deveriam estar bem preocupados com essa temporada de saibro. O primeiro se arrastou na semana, sempre com postura passiva, parecendo só esperar o erro do adversário, tentando “ganhar com o nome”… estava irreconhecível … Aliás, desde o AusOpen que ele está nessa pasmaceira. Tomara que seja verdade a estória do foco ser RG. Os 02 últimos jogos do Nadal deveriam deixá-lo alarmado. Número absurdo de ENF… não bateu quase nenhuma bola daquelas 02 que são um termômetro da sua confiança : o forehand de dentro pra fora e a paralela também no forehand. Absurdo como um cara do seu nível ficou em situação tão desfavorável naqueles jogos, em que pesem as boas atuações do Guido e do Fognini. Esse primeiro Masters me lembrou muito aquela desastrosa temporada dele de 2015. Vamos ver os próximos torneios, mas esse RG está com cara de que se verá um campeão diferente. Acho que Federer poderá ser uma boa aposta pra quebrar a banca. O que acha ? O suíço ser o primeiro homem a ganhar pelo menos 02 Slams de cada seria mais um balde de água fria na tal da chatíssima discussão do GOAT…

    Responder
    1. R. P.

      Federer ganhando RG??? kkkkkkkkkkkkk
      Foi Nadal quem “aposentou” o Federer no saibro, e não as lesões. O suíço só joga esse ano por pressão do patrocinador e pela “despedida”.

      Responder
    2. Paulo Almeida

      Pra discussão de GOAT acabar, o Jagua da Montanha vai ter que ganhar pelo menos 20 jogos do Nadal (alguns no barro) e pelo menos ter 10 GS em cima de tenista do Big Four.
      Na verdade não é nem acabar e sim ficar um pouco mais equilibrado o debate. Por enquanto é só o terceiro mesmo.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Pena que o português João Sousa, cravou nessa semana que Federer é o primeiro.

        Então a quem será que darão ouvidos?

        A opinião de um fanboy frustrado, ou a de um tenista profissional, em plena atividade?

        Humm, deixa eu pensar…

        kkkkk

        Responder
  25. Paulo

    Li hoje num post:
    Uma coisa que todo mundo ama e eu simplesmente não ligo: chocolate.

    Para o tênis:
    Alguém que quase todo mundo ama (kkkkk) e eu simplesmente nao ligo: Roger Federer.

    kkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  26. Paulo

    tem gente colocando a responsabilidade pelo sucesso ou fracasso do Fognini à sua esposa.
    qualé…
    ok, num casal, um influencia o outro para o bem ou para o mal…mas garanto que o Fabio tem capacidade propria de decidir o rumo da sua vida!

    Responder
  27. CARLOS UMBERTO

    Gostei da vitória do Fognini. O tênis na sua essência não é um jogo de pancadaria. Acho sempre que o talento natural de bater na bola pode fazer a diferença, porém o que vejo são mais jogadores robotizados. Um profissional deve ser um atleta e aliar a sua capacidade física ao seu talento natural. Esse nosso esporte baseado apenas na força física, subtrai dele o que ele pode oferecer. Dê sua opinião Mestre Dalcim?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho espetacular que tenhamos diferentes tipos de jogadores: os que usam mais as pernas e o poder de defesa, os que usam mais a força do saque, os que jogam na rede, os que são criativos. Aí está a beleza do tênis, Carlos.

      Responder
  28. Luiz Fabriciano

    Tenisbrasil nos lembrou de um fato incrível depois de Monte Carlo: há quinze anos Nadal ou Djokovic vencem um dos três M1000 no início de temporada. Esse ano foi a exceção. E outro também incrível: apenas Djokovic já venceu os três primeiros em sequência. Em 2015.

    Responder
  29. Ramon

    Não é sendo fifi não, mas o bellucci ta separado da filha de Roberto Cabrini? A moça anda no insta em varias festas sozinha, não vejo nada deles juntos. Estranho, talvez o mal momento do bellucci possa ser fruto do mal momento que vive em casa. Só suposições. Vc sabe de algo mestre?

    Responder
  30. Chetnik

    Muito bom esse título do Fognini. Gosto muito do jogo dele. Pena que é um anão e não tem saque.

    Confesso que fiquei surpreso. Não esperava que um dia ele fosse vencer um MS. Mas ficou em boas mãos. Cada pangará que já ganhou MS…

    Responder
  31. Marcos RJ

    Gostei muito do título de Fognini pois ele sempre teve um talento nato, uma facilidade incrível de gerar potência e trocar a direção da bolinha. Achei que o comentário após o título (“se tivesse cabeça estaria no top 10 por 10 anos”) sou mais como um lamento pelo tempo desperdiçado. Como não dá para voltar no tempo, seria interessante se usar essa conquista como motivacao para ir bem em RG e depois se manter no top 8 pelos proximos 2 anos – tarefa dificil mas nao impossivel. E como bônus, não teremos que assistir ao jogo entediante de John Isner.

    Responder
  32. Rodrigo S. Cruz

    (…) Por fim, ao ser perguntado sobre quem gostaria de ganhar antes de parar, o português João Sousa não tergiversou.

    “Se pudesse escolher alguém para derrotar seria Federer. Eu o enfrentei somente uma vez, em Halle, e ele me superou no terceiro set. É um cara que o mundo inteiro fala ser o MELHOR da história. Não é um objetivo, mas gostaria muito de vencê-lo”, finalizou o tenista de Guimarães.

    Pelo visto, a leva dos que colocam o suíço no primeiro posto, continua sendo majoritária.

    Vai ver seja por isso que a “casta” se ressente tanto, né…

    Responder
  33. Sandra

    Dalcim, uma curiosidade , Nadal sempre chega em todas as bolas, mas não sei qual foi o jogo dele que eu estava vendo , que reparei que o oponente jogou bastante curtinhas e ele não chegou, você reparou isso.?…

    Responder
    1. Sandra

      Foi recente, acho ate que foi em Monte Carlo , por isso a minha pergunta, sempre vi ele chegando em todas e reparei que ele não estava chegando

      Responder
  34. Thiago Silva

    A derrota do Rafa foi vergonhosa, ele não sabia mais o que fazer em quadra, ficou totalmente dominado.
    Não sentia um constrangimento tão grande numa partida desde a final de RG 2008 que o Federer venceu só 4 games em 3 sets, menos até do que o Nadal no sábado.

    Responder
    1. Nando

      Então faz tempo hein…2008? 11 anos atrás, o real valia mais, o presidente era outro, cotonete tinha só 1 Slam e não tinha alcançado o topo do ranking ainda, Hamilton conquistava o 1° título de F1 com Massa vice, o recordista de títulos de Slams e semanas na liderança ainda era do Sampras…

      Responder
    2. Nando

      Teve um 6/3 6/0 q nadal tomou do Federer no Finals 2011, foi tipo o mesmo “sentimento” de sábado…somente 3 games.
      O espanhol tomou 29 winners do Federer e fez apenas 4 winners no jogo td….4 winners feitos em 2 sets! Média de 2 winners por set kkkkk.

      Responder
      1. R. P.

        Só o Brian Gottfried tomou um pau maior em final de Slam que o Federer. O coitado fez só 3 games na única final de major que disputou; bem diferente do helvético que já colecionava uma dúzia de troféus. O resto é relativismo.

        Responder
  35. Rodrigo S. Cruz

    Eu dei uma olhada na chave de Barcelona, e o Nadal mais uma vez se deu muito bem.

    Pegou uma chave muito tranquila.

    O nome mais “fortinho” que o espanhol pode enfrentar até a final, é o do Stefanos Tsitsipas, que ele ESPANCOU, no Australian Open.

    Já o Fognini, foi quem pegou a chave mais dura do torneio, eu acho.

    Deve estrear contra o Delbonis, e depois enfrentar Klisan, Garin ou Shapovalov.

    Se passar, o quadrante dele tem nomes como Nishikori, Auger-Aliassime e Fritz.

    E nas rodadas finais pode jogar contra Medvedev, Dimitrov ou Zverev.

    Além de ter de pegar o Nadal na decisão, já que o caminho do espanhol até lá, é bem tranquilo…

    Responder
  36. Alexandre Maciel

    Fognini abusou das paralelas no sábado fazendo parecer fácil o árduo caminho a ser percorrido para bater o espanhol no saibro. Se não tiver com o golpe afiado não tem jeito.

    No domingo jogou o necessário para coroar a semana com este belo título. Uma pena o italiano não ter a consistência que estamos acostumados (ou mal acostumados?) a ver nos cachorrões.

    Responder
  37. Gilvan

    Estou feliz com o título do Fognini. Seus jogos são um espetáculo à parte, algo de encher os olhos. Quando deixa a fanfarronice de lado ele sobra no circuito. Que entre no top-10 e mire vôos mais altos, afinal, Roland Garros é logo ali.

    Responder
  38. Carlos Torre

    Dalcim, fala sério, uma vitória do Lajovic na final, depois do Fognini dominar o Nadal, seria um balde de água fria no torneio. O sérvio não tem nível técnico pra jogar uma final desse porte. Ainda é muito cedo pra fazer qualquer constatação, mas, pelas contusões recentes do Nadal e pela fase do Djokovic, talvez a temporada de saibro esteja mais aberta este ano.

    Responder
  39. Renato

    Depois de Novak, o italiano é o jogador com mais competência pra trocar as bolas de direção.
    Nadal deveria tentar trocar mais a direção da bola, pois tem um excelente forehand na paralela. Quem assiste um pouco os jogos do espanhol, consegue notar que ele prefere sempre mais uma bola cruzada na esquerda do oponente, mesmo com a quadra aberta do outro lado.

    Responder
  40. Renato

    Tá certo que Federer e Fognini nunca se enfrentaram no saibro, apesar de eu ter certeza que o italiano teria poucas chances. Mas até agora, o italiano sequer tirou um set do GOAT original. Quatro jogos, quatro derrotas. Adoraria ver Roger contra Fábio na terra batida e torço por isso. Seria um espetáculo pelo grande talento e habilidade dos dois.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Que isso, Renato.

      (rs)

      Não exagera…

      Como assim o Fognini teria “poucas chances”?

      É certo que pra cada oponente se requer uma tática específica, individualizada.

      Mas se o italiano jogasse o que jogou contra o Nadal em Monte Carlo, acho que quem teria poucas chances seria o suíço…

      Responder
  41. Pieter

    Em relação à participação brasileira na Fed Cup lá em Bratislava, parece-me que as nossas valorosas meninas fizeram o que lhes foi possível, dadas as circunstâncias. Jamais pensei que pudéssemos vencer o confronto, talvez, com muita sorte fazer um ponto (o que acabou acontecendo, de forma até surpreendente, nas duplas, mas quando a derrota já era irreversível).
    A diferença de nível técnico e, principalmente, de experiência em competições importantes e/ou decisões era abissal e isso faz muita diferença nessas horas.
    Espero que as meninas sigam trabalhando duro e evoluindo. Outras oportunidades virão.

    Responder
    1. VALDIR BITTENCOURT JUNIOR

      Verdade, fizeram o possível.
      Porém, Bia NOVAMENTE falhou na hora de sacar para fechar o set. Ela precisa urgentemente melhorar nesse quesito. Vai tornar a vida dela mais fácil e abrir mais oportunidades nos jogos.

      Responder
  42. Jonas

    Fognini e Kyrgios são a prova de como ‘apenas’ talento é muito pouco pra figurar entres os tops do circuito.

    Título merecido desse craque italiano. Só faltou o pneu…por pouco.

    Responder
  43. Leo Gavio

    O decimo sexto slam e o segundo Grand Slam consecutivo estão bem proximos de Novak.

    Todo mundo sabe que o foco dele é RG, e quem em GS ele joga muito melhor.

    Foi assim no AOpen, nas primeiras rodadas ele não estava tão cotado, mas no decorrer da competiçao dominou os adversarios com autoridade. Não deixem o DJoko chegar nas quartas de final, a parti daquele ponto é mais um titulo.

    Nadal já era. È fregues, Federer é coadjuvante. Reidaentres.

    Responder
  44. Rafael Darvin

    Mestre,

    Assim como a maioria aqui, sempre admirei o tenis do italiano e sua capacidade em trocar direção e gerar winners dos dois lados a esmo. Fora a improvisação e sutileza de seus voleios e dropshots..
    Agora, todos focamos na questão mental (que deve claro ser melhorada pois antes tarde do que nunca), porém pouco se fala de seu segundo serviço..
    Como analisa o saque do italiano? Sabemos que jogadores agressivos precisam contar com saque para livrá-los de dias menos inspirados ou situações difíceis, não dá para se apoiar somente na contundência de seus golpes…

    Que tenhamos esse ano novas “surpresas” e resultados imprevistos, somente fed em wimbledon pode ser mantido kkkk

    Abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, acho que a derrota para o Murray em Madri foi um pouco pior. Não apenas pelo placar (6/3 e 6/2) mas porque Murray não era então um tenista tão cotado no saibro e ainda foi diante da torcida espanhola. Fognini, ao contrário, havia imposto duas derrotas a Rafa na terra.

      Responder
      1. Pieter

        Caro Dalcim, os saibros de Monte Carlo e Barcelona se equivalem na lentidão? Pergunto porque ambas ficam ao nível do mar, à beira do maravilhoso Mediterrâneo…

        Responder
      2. Arthur

        Bem lembrado, Dalcim.
        Nadal não jogou nada naquela final e até colecionou um monte de erros bizarros de forehand, errando o ponto do spin e mandando a bola na lua ou na rede.

        Um abraço.

        Responder
    2. Fernando Brack

      Por outro lado, essa de agora poderia ser considerada pior porque Nadal nunca dominou Madri como MC e também por quase ter levado um pneu. Ele tomou um baile do veterano Fognini.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Concordo com o Brack.

        Achei muito mais feia do que aquela derrota pro Murray…

        O Nadal só não levou pneu nesse saibro lentíssimo, porque o Fognini claramente ficou com pena.

        Pois teve 3 match-points, e vendo o desânimo do Nadal do outro lado, tirou o pé do acelerador…

        Responder
      2. José Eduardo Pessanha

        O detalhe, Brack, é que o Nadal é infinitamente mais veterano do que o Fognini. rs
        Por exemplo: quando Fognini estreou no ranking da ATP (27/10/2003), na posição 1095, Nadal já era 49 do ranking. E quando Nadal virou top 2 (25/07/2005), Fognini era apenas 365 do ranking.
        Abs

        Responder
  45. Ronildo

    Só gostaria de lembrar que Fábio Fognini não é o mesmo que Nick Kirgios. A performance de caráter do Kirgios é simplesmente pornográfica! Completamente inadequada para crianças que muitas vezes tem uma boa presença nos estádios e com certeza à frente de televisores. Eu, se tivesse poder na ATP, não pensaria duas vezes em baní-lo. Não definitivamente, mas de maneira escalonada: primeiro 1 mês, depois 2, 4, 8 …, e assim por diante. Queria ver se não aprenderia a se comportar de maneira educada dentro de uma quadra! Uma coisa é uma explosão de raiva dentro de uma quadra; outra coisa completamente diferente são ações vulgares constantes praticadas pela mesma pessoa!

    Responder
  46. Roberto Rocha

    Sou fã do jogo do italiano. Muito, muito talento! Oxigena o Tênis e abre possibilidades interessantes no circuito…
    Vamos ver se resolve levar a carreira mais a sério. Poderia, assim, ocupar um espaço que Del Potro ocupava, de alguém que enfrentava os cachorrões de peito aberto.

    Responder
  47. Marcelo Calmon

    Realmente muito legal esse título do Fognini, só lamentei não ter dado o pneu no 2º set contra o Nadal. Com sobras é o jogador que mais vi jogar ao vivo, pois é figurinha certa no Rio Open, e sempre é divertido vê-lo jogar, ou pelo seu talento ou pelo seu temperamento. Só não entendi muito como um cara pra lá de mediano chegou na final.

    Vendo alguns jogos da Fed Cup e a vibração das torcidas, ratifiquei meu pensamento que a Copa Davis nunca deveria ter mudado seu formato. A participação das torcidas é muito legal, a conexão com as jogadoras é algo realmente insubstituível.
    E falando em Fed, é gritante que ainda falta muito para sermos competitivos em termos mundiais.

    Uma curiosidade: com é definido em qual lado da quadra um tenista começa jogando ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É feito aquele sorteio ali na rede, Marcelo. Quem vence o sorteio, decide se quer sacar ou receber. O seu adversário decide em que lado quer iniciar.

      Responder
      1. Marcelo Calmon

        Achei estranho, pois o sorteio para definir quem começa sacando é feito já com os 2 tenistas em quadra, um de cada lado da rede. Não me recordo de uma vez sequer, e olha que eu vejo muitos jogos desde 74, os tenistas mudarem do lado. Pensei que era algo já definido.
        Você se recorda de alguém pedir para trocar de lado ? Não deveria ser assim tão raro, pois tem a questão do sol, vento, etc.
        Sempre que é definido quem saca, os 2 tenistas saem correndo para o fundo da quadra, sem trocar de lado, para inciar o aquecimento.

        obg e abs

        Responder
          1. CFSoares

            Correto Dalcim. Até porque o sorteio é feito antes do aquecimento. E os jogadores retornam às suas cadeiras antes do saque inicial, portanto nem sempre dá para ver se o jogador optou por mudar de lado.

  48. Fernando Godinho

    O Fognini é muito talentoso, é o terror de professores de tênis que tentam ensinar os alunos a importância de se agaixar bem pra bater na bola. Dalcim, já houve outro tenista capaz de gerar tanta potência sem praticamente dobrar os joelhos como ele faz no backhand?!

    Responder
      1. Miguel BsB

        Verdade, Kyrgios joga assim tb, mas o backhand do Fognini é anos luz melhor que o do Australiano.
        O outro australiano sem noção, Tomic, tb joga sem quase flexionar os joelhos…

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Realmente o backhand do Fognini é bem melhor que o do Kyrgios.

          Em compensação, o saque do australiano fica anos-luz à frente.

          (rs)

          E ambos usam o toque com maestria.

          São dois excepcionais jogadores!

          Responder
          1. Miguel BsB

            Sem dúvida! Aliás, poucos sacam melhor que o Kyrgios…
            A direita do australiano tb acho mais mortal. Quando ele resolve disparar ela sem receio, e às vezes até sem responsabilidade, o adversário nem vê a cor da bola.
            Agora, é na cabeça que os 2 deixam a desejar, com uma leve vantagem pro italiano rsrs

  49. Rubem Corveto

    Fábio Fognini finalmente vence um título do nível que seu jogo merece. Espero que sua cabeça segure e ele possa ganhar outros Master em especial o de Roma ou mesmo RG, pois tem talento para vencer SLANs. Sempre foi um prazer vê-lo no Rio Open, onde inclusive venceu Nadal.
    Vamos Fognini!

    Responder
  50. Antonio Lázaro Sant´Ana

    As eslovacas jogaram muito bem, no nível do ranking que possuem. A Bia teve chances, na hora decisiva não suportou a pressão, mas parece que está evoluindo na parte mental.
    Tem hora que lamento o fato do tênis não ter empate, mas ter goleada… No sábado todos os jogadores brasileiros perderam seus jogos de simples!

    Responder
  51. rafael

    Eu acho que o Fognini faz um bem danado ao tênis! Precisamos de atletas com esse perfil para que o esporte saia da mesmice. Além de tudo, ele joga muito tênis!! Parabéns!
    Já o Nadal e o Djoko devem crescer muito até Paris, que deve ser o RG mais aberto dos últimos anos.

    Responder
  52. Neuton

    Fognini não precisa ir atrás de top 10 coisa nenhuma. Precisa ter prazer em jogar e se divertir, se fizer isso chega no top 10. Fognini sim é um “bad boy” do tenis. Kyrgios é um imbecil, débil mental que só faz mal para o tenis.

    Responder
  53. Kadu

    Repito!

    se o Roger conseguir uns 500/600 pontos na terra (quartas em Madrid e RG), beliscar algo em Halle e ganhar WB!

    ele sairia de WB até o Aus (temporada, basicamente, na quadra rapida) com +/- uns 5K pontos!!!

    e brigaria por algo ABSURDO! dentre todos os absurdos da sua carreira!

    Vamo Roger!!!

    Responder
    1. Willian Rodrigues

      Desde que Djokovic, Kyrgios e alguns grandes sacadores não consigam jogar bem a temporada de grama, desde que Júpiter e Vênus estejam alinhados, desde que não chova, desde que Federer esteja em sua máxima inspiração e sem qualquer lesão, desde que outros jogadores emergentes concordem, … KKKKKKKKKKK
      Com certeza, o suíço retornará ao posto de número 1

      Responder
  54. Paulo F.

    Todos sabemos que o jogo é jogado.
    Mas seria realmente injusto que aquele que tinha desbancado o undecacampeão não conquistasse o troféu.
    Parabéns Fognini, finalmente seu talento foi premiado com um troféu desta grandeza.

    Responder
  55. Rafael Brasiliense

    Bom demais ver o Fognini jogar. Puro talento. Seu backhand encanta qualquer um. Sempre fui seu fã e esse título que eu jamais esperava foi mais do que justo. Espero que ele atinja o top 10, condição dígna do seu nível de tênis. Difícil olhar para a circuito e apontar jogadores com a técnica similar à dele. Talvez isso se restrinja apenas ao Federer. Por fim, impossível falar do italiano e não lembrar desse jogo que expõe seu talento inquestionável:: https://m.youtube.com/watch?v=_TBtMJSGftA

    Responder
      1. Paulo

        qualé… a mulher é a responsável pelo sucesso ou fracasso do marido agora?!
        ok, num casal, um influencia o outro para o bem ou para o mal…mas garanto que o Fabio tem capacidade propria de decidir o rumo da sua vida!

        Responder
  56. Maurício Luís *

    O problema do Fabio Fognini é o mesmo do Nick Kyrgios: tem dia que esquece de tomar o Rivotril. Aliás, dependendo do que eu escrevo, eu também esqueci…

    Responder
  57. Luiz Gustavo

    Além do”parabéns” para Fognini gostaria de destacar que o reinado dos big four serviu muito para popularizar o tênis, mas simultaneamente, também para infantilizar as pessoas que acompanham o esporte. Onde estão a meia centena de comentários, no mínimo, que a postagem no blog receberia se a vitória tivesse sido do Nadal ou do Djokovic? A culpa não é deles, que são soberbos jogadores, mas é um pouco triste ver toda uma massa de torcedores que, aparentemente, não gostam de tênis bem jogado, parecendo apenas gostarem de brigar entre si. Afinal, o Fogni jogou muito e qualquer admirador do tênis deveria ter ficado radiante com as partidas.
    Caro Dalcim, o que será do tênis quando Federer e companhia se aposentar? Você acredita que poderá acontecer uma regressão, como aconteceu no boxe, onde depois da sucessão da geração Cassius Clay e em seguida a Mike Tyson, o esporte entrou em decadência, com o tênis?
    Parabéns pelo site, pelo blog e por toda sua verdadeira paixão pelo tênis!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado, Luiz Gustavo. É sempre difícil avaliar. Esta geração foi abençoada com três jogadores espetaculares, mas acredito que, assim como em outros momentos, surgirão sim jogadores de alta qualidade e carismáticos para manter o tênis em grande destaque. Vemos já muitos bons jogadores na nova geração.

      Responder
      1. Rafael Brasiliense

        Por outro lado, Dalcin, apesar de sempre surgir bons jogadores, o tênis vive uma era única na qual os três maiores jogadores da história jogam simultanamente. Estamos mal acostumados. Isso é algo único na história do esporte. Creio eu que, infelizmente, após a era big 3, haverá, sim, uma grande decaída na audiência do tênis global.

        Responder
  58. Maurício Luís *

    Toda vez que o Fabio Fognini acertava uma daquelas paralelas desconcertantes, eu me lembrava da risada do Muttley!
    … E agora vamos às opiniões.
    – Sr. Spock?
    – Bem racional. Fognini fez apenas a coisa lógica, poupando os espectadores de Monte Carlo de mais este suplício tenístico do Nadal.

    – Hebe Camargo, o que você achou das paralelas e das curtinhas do Fognini?
    – EEuu achei uma GRACIIINHA !!

    – Bolsonaro?
    – O Fognini mandou bala, taokey?

    – Lula?
    – Companheiro, esse italiano aí, se for comemorar tomando uma, fala pra me convidar…

    Responder
  59. Jose Yoh

    Aparentemente a maturidade mental ainda leva vantagem sobre o auge físico. Lá vai mais um trintão faturar um master.
    Talvez esse seja um dos motivos para a next gen ser sempre só promessa.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Não entendi , meu caro Yoh. Somente aos 32, o talentoso Italiano consegue seu primeiro MASTER 1000. E como diz o Post , já passou da hora de tentar o TOP 10. Enquanto isso o ” grupinho ” da Whats , repete a exaustão que o tal de Sasha , TOP 3 e vencedor de 3 MASTERS 1000 e um FINALS ( Nadal ainda não possui ) , continua tomando Danoninho com 6000 Pontos no Ranking. Thiem está no TOP 10 desde 2016 . E possui MASTERS 1000. Na boa, não acredito que seja o seu caso, mas a maioria morre de inveja dos milionários moleques. Se preocupam até de chamar Alemão de Russo. Abs !

      Responder
      1. Jonas

        Zverev não vai bem nos Slams justamente pelo fator mental, algo bem comum já que é necessário maturidade e o rapaz tem apenas 22 anos.

        Federer começou a vencer Slams com 22 anos, Djokovic venceu seu primeiro com 20 anos, no entanto, adquiriu maior regularidade em torneios deste porte aos 23 anos.

        Responder
      2. Carlo

        Oi Sérgio, não me parece que o comentário tenha qualquer menção depreciativa à next gen. impressiona que jogadores mais velhos continuem ganhando cada vez mais torneios importantes, e, lembrando o que o anacone falou do Federer, talvez isso demonstre mesmo que a maior experiência tática está diminuindo o problema de perda de força e velocidade . Abs

        Responder
      3. Jose Yoh

        Caro Sergio, como bem disse o Carlo, não quis diminuir a next gen, apenas queria ressaltar o fato de que muitos trintões faturam os torneios por terem mais experiência, mesmo tendo menos físico. Para mim é uma tendência o auge da carreira dos tenistas ser atingido cada vez mais tarde.
        Também não pensei muito no Zverev e no Fognini (este talvez nem atingiu a maturidade mental ainda, rs), você tem toda a razão.
        Abs.

        Responder
  60. Neto

    Absolutamente merecido, italiano jogou demais todo o torneio, finalmente o talento dele foi recompensado com um grande título, impressiona a variação de fogo desse cara!!!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *