Número 1 continua sem brilho
Por José Nilton Dalcim
19 de abril de 2019 às 18:38

Perder faz parte do tênis e todo mundo sabe que há dias em que as coisas simplesmente não funcionam. Mas os frequentes tropeços do número 1 Novak Djokovic vão além do infortúnio. Falta mesmo qualidade.

Com exceção a alguns grandes momentos aqui ou ali, o fato é que Djokovic não jogou um tênis de seu excepcional nível nos três Masters que disputou desde a conquista do Australian Open. Sofreu contra Bjorn Fratangelo antes de ser dominado por Philipp Kohlschreiber em Indian Wells; perdeu set de Federico Delbonis e caiu depois para Roberto Bautista. E no reencontro com o alemão em Monte Carlo, passou apuros.

Coincidência ou não, na semana anterior à volta ao saibro europeu, ele descansava na República Dominicana, onde treinou sua adaptação ao lentíssimo piso de Mônaco sobre uma quadra de har-tru. Publicou até um vídeo onde brincava de jogar na chuva. Ao que parece sua preparação foi, digamos, descontraída.

Na entrevista oficial, considerou a derrota para Daniil Medvedev normal, admitiu desconforto com o vento e com as bolas baixas do russo. Acha que tem muito tempo ainda para chegar bem a Roland Garros, seu objetivo principal. Lembremos que Madri serve de pouquíssimo parâmetro devido à altitude e eventual teto coberto – o sucesso ajudaria mais na confiança – e a adaptação final tem de acontecer em Roma, aí sim um saibro mais próximo a Paris, porém onde se treina pouco porque se joga todo dia.

Rafa Nadal, por questões óbvias, levou muito mais a sério sua preparação para a fase de saibro, o grande ganha-pão de sua temporada. E isso se reflete claramente na quadra. É bem verdade que o saque ainda não engrenou, o que explica a brecha que abriu para o valente Guido Pella dar aquele susto todo do primeiro set. Porém, a atitude, o empenho, a busca por soluções, o preparo físico estão tão afiados que Roland Garros poderia começar amanhã para o espanhol.

Rafa é experiente e inteligente o bastante para não menosprezar Fabio Fognini. Suas três derrotas diante do habilidosíssimo italiano foram em 2015, duas sobre o saibro e a terceira naquela virada histórica do US Open. Depois disso, mesmo o espanhol tendo sofrido altos e baixos físicos e emocionais, ganhou todos os seis duelos. Em Roma do ano passado, perdeu o primeiro set e depois atropelou Fognini.

A virada sobre Borna Coric deste sábado repetiu o script que estamos tanto acostumados. Frio e desinteressado, ele demora para engatar. E se o adversário afrouxa, seu tênis tão rico de repente faz diferença. O garoto croata teve 6/1 e 2/0, e deixou o leão acordar. Mesmo com o braço direito enfaixado – uma real preocupação para a semi deste sábado -, Fognini ganhou 12 dos 15 games seguintes, escapando de quatro break-points com coragem e apoio do público.

Medvedev não é um saibrista e reconhece sua própria surpresa com a ótima campanha na lentidão de Monte Carlo. Na véspera já havia feito uma partida complicada diante de Stefanos Tsitsipas. A ventania do sábado era um prenúncio de horas difíceis para Djokovic, que fez um primeiro set pavoroso, com 21 erros não forçados. Achou finalmente um caminho com as curtinhas que o russo detesta, porém Medvedev se mostrou notavelmente sólido no terceiro set, aguentando trocas com movimentação perfeita.

Tal qual Fognini, os recorrentes pedidos de atendimento para aliviar dores nas duas coxas ao longo de todo o terceiro set deixam dúvida sobre o estado físico do russo para reencontrar Dusan Lajovic. Como se esperava, o sérvio de 28 anos fez valer a experiência em cima do bom Lorenzo Sonego e continua mesclando muito bem o jogo, ataque e defesa, força e jeito. Quem diria, o backhand de uma mão sobrevive em Monte Carlo.

E mais
– Outra vez Nadal errou mais do que o adversário no saibro: 31 a 28. O primeiro saque evoluiu em relação aos outros jogos (66%), mas o índice de pontos vencidos com ele foi baixo: 58%.
– Coric cometeu um único erro não forçado no set inicial contra Fognini. Mas depois se perdeu e terminou com 28.
– Medvedev não foi para a quadra e assim Marcelo Demoliner parou nas quartas de duplas. O gaúcho anda mesmo sem sorte. Bruno Soares avançou ao lado de Jamie Murray e os dois são favoritos para o título. Até houve, nenhum duplista brasileiro foi campeão no torneio. Soares chegou a duas finais e Melo, a uma.
– Lajovic já garantiu o melhor ranking da carreira, ao subir 16 postos e ir ao 32º. Chegará ao 24º se atingir a final. Pella será um inédito top 30, já que avança provisoriamente ao 27º.
– Enfim, um jogo fácil para Thomaz Bellucci. Com a semi em Túnis, terá seu melhor ranking em 12 meses, com o 212º posto. Se ganhar do português João Domingues, irá a 201. Sua última final aconteceu no ATP 250 de Houston, em abril de 2017.


Comentários
  1. Geailton

    Quanta inocência. Será que não perceberam que o sérvio só entrou neste torneio pra pegar ritmo? Ele não quer forçar muito, mas ao mesmo tempo não queria ficar enferrujado. Vai ser da mesma maneira nos próximos torneios, ele vai entrar pra pegar ritmo mas sem se desgastar, sem ter como foco principal ganhar. Ele está se preparando mesmo é pra Rolanga. E escreve aí, vai chegar ao menos na final

    Responder
  2. José Eduardo Pessanha

    Craque Dalcim, Fognini ganhou 58% dos pontos disputados no saque do Nadal. Surreal. Essa derrota evidencia que Nadal fugiu do confronto com o Rogério em Miami. Sem sombra de dúvidas. Mudando de assunto, a questão agora não é saber se Federer voltará à ponta do ranking. Isso pra mim é líquido e certo. A dúvida é saber quando. Prevejo enorme sofrimento na comunidade maratenística dentro de curtíssimo prazo.
    Abs

    Responder
  3. Aurélio Passos

    O super humilde Ogro diise, na entrevista, que foi sua pior partida no saibro em 14 anos.
    Um amor de pessoa, a humildade em carne viva….

    Responder
  4. Ricardo - DF

    Dalcim,

    O guru do tênis “paz e amor” está de volta. Desde de o AUSOPEN, Djoko anda em baixa. Muitos atribuem a presença do guru à queda de rendimento do sérvio, mas pode ser também que Nole se aproxime dele por estar de novo com problemas pessoais.

    Existem notícias de problemas pessoais com o sérvio ? Vi uns comentários neste sentido na internet.

    Comentário do Fognini, ontem, sobre o jogo contra Nadal:
    “O que eu posso fazer contra ele ? Eu deveria acabar com ele ! Amanhã eu não tenho nada a perder, eu gosto de jogar este tipo de jogo. Eu perdi para ele mais vezes do que ganhei, mas eu acho que eu tenho jogo para machucá-o e eu sei que ele sabe que eu posso exigir muito dele”.

    Agora, a final será certamente o tipo de jogo que Fognini não gosta de jogar, pois é franco favorito contra Lajovic. Se bobear, perde, como perdeu no Rio para Ferrer depois de ter eliminado Nadal.

    Responder
  5. Aurélio Passos

    O problema do Nole não é o guru picareta espanhol. É o irmão Marko Djokovic.
    O cara ficou depressivo porque não conseguiu fazer carreira igual o irmão. Aí foi procurar ajuda. Achou o guru do cão. Não satisfeito, falou pro Nole que eke tinha de c9nhecer o guru fantástico… o resto já viu….

    Prova que o ptoblema é o irmão wue o Nole se sujeita a pedir convite pras duplas e fazer papelão ak lado do irmão.

    Responder
  6. Ricardo - DF

    Que sábado !!!

    Incrível o apagão do russo. Se perdeu completamente.

    Sensacional vitória do Fognini !!! Quando deixou o espanhol reagir, com 5×0 e 40×0 no saque, chegando a 5×2, deu a impressão que o apagão russo ia se abater sobre o italiano. Felizmente ele voltou a si e fechou o jogo com um forehand espetacular.

    É ainda mais divertido assistir uma partida assim com os fans do Nadal narrando e comentando o jogo no Sportv. “Pena que Nádal perdeu”, afirmou o Narc no final do jogo. Pois é, coitadinho, ganhou apenas 11 vezes o torneio, que lástima não ganhar mais uma vez !!! Deixa os outros ganharem um pouco, rapaz !

    Fognini parece que está mais focado este ano. Será que o casamento com a Flávia lhe trouxe um pouco mais de juízo ? Ele tem feito piadinhas no final de suas vitórias, que parecem ser para ela.

    Em todo caso, quem iria imaginar uma final de Monte Carlo com Fognini x Lajovic !?!? Que torneio maluco foi esse.

    Responder
  7. Nando

    Q surra do Fognini hein…só faltou o pneu pra humilhar mesmo. O italiano (q raramente joga com o 1° saque) jogou demais.
    Mas tem q vencer o torneio hein, com td respeito ao Lajovic, q faz uma grande campanha.

    Rodrigo, Fognini doutrinou hein kkkkk

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Pois é, cara!

      Uma das partidas mais perfeitas que o italiano já fez.

      O Nadal ficou parecendo aquelas baratas, quando a gente borrifa um pouco de DETEFON, nelas…

      Tontinho, e desnorteado.

      Sinceramente, deu pena…

      Responder
  8. Rodrigo S. Cruz

    Que SURRA!

    O Fognini definitivamente não tem qualquer respeito pelo Nadal.

    Nem mesmo num saibro lento, como Monte Carlo.

    3 matchpoints, sacando em 5/0.

    E aí o italiano provavelmente deve ter sentido PENA do espanhol, e resolveu fechar só dois games depois.

    Responder
  9. Luiz Nunes

    Dalcim, boa tarde!!!
    E quanto ao brilho do número dois…kkkkkkkkkkk
    Brilho na verdade tem nome Fábio Fognini…para desespero das nadaletes…kkkkkkk

    Responder
  10. Babidi

    Realmente.. bem que Roland Garros poderia começar hoje mesmo para o espanhol hein, Dalcim. Pelo menos em cinco sets dava pra virar o jogo de hoje.

    Responder
  11. Fernando Brack

    E Nadal, como sempre, faz aquela cara de nojo que só ele sabe fazer ao cumprimentar seu algoz na rede. Ô carinha entojado esse. #Nadalfora.

    Responder
  12. Fernando Brack

    Não acredito no acabo de ver! O ogro levando surra em MC de um baleado Fognini. E só não toma um pneu pq o italiano foi piedoso (ou avoado). Muito bom ver o touro levar uma traulitada no barro lamacento do Principado.

    Responder
  13. Marcos

    Por gentileza, alguém carregue o Nadal até o ponto de ônibus mais próximo e indique ao motorista para baixar na emergência do Hospital de Monte Carlo.

    Responder
  14. Fernando Brack

    Fico com a impressão de que os Masters ficaram sem importância pro Djoko. Impressionante a falta de interesse dele e zero preocupação com essas derrotas precoces. Ele não tá nem aí pra situação.

    Responder
  15. Marcelo-Jacacity

    Djokovic, entrando na onda da sociedade alternativa de Raúl e da fase Racional de Tim Maia.
    Como um cara disse em um fórum: É uma droga como cocaína e heroína que distorce a mente deixando o indivíduo como um zumbi alienado.

    Responder
  16. Marcelo-Jacacity

    Djokovic não está jogando nada! Está sem vontade e lendo os fóruns internacionais, infelizmente o maior pesadelo para os fãs do sérvio, ressurgiu: o “guru” Pepe Imaz.

    Já já o Vadja vai pegar o boné!
    Djokovic, seu Zé Mané, acorda, e sai dessa, enquanto há tempo, caso contrário, será só ladeira abaixo, e nem top-10 será ao final do ano.

    Responder
  17. DANILO AFONSO

    Conversa fiada do DJOKOVIC de que seu objetivo final é RG. Tantos tenistas que disputam os Master e nunca levaram um título para casa ou outros que sonham pelo menos participar. Achei que Djokovic foi muito infeliz na sua fala.

    Perdeu porque o adversário foi mais consistente e o sérvio está descalibrado desde os Masters americano. Além disso vem sacando mal, muito inferior ao aproveitamento da segunda metade do 2° semestre de 2018. Em vários confrontos seus adversários estão com % de devolução superior ao sérvio.

    A importância de um evento Master 1000 não pode ser ignorada. Torneio com a presença da nata do circuito e que vale muitos pontos para fechar o ano como n. 1 e manutenção da liderança.

    Responder
  18. Marcelo Barros Pereira

    José Nilton, li no Bola Amarela que o Guru Pepe Ippmaz voltou ao Box de Djoko em Monte Carlo. E lembro que o Marian disse, em julho de 2018, que o queria longe. Será que essa queda, do AO pra cá, tem relação com esta reaproximação? E o Vajda, vai segurar essa divisão de influências sobre o sérvio? A ver!

    Responder
  19. Leo Gavio

    Djokovic perder torneios de nivel master não é novidade nenhuma. Novidade é ele cair antes de uma semi de Grand Slam, considerando que esteja fisicamente bem.

    Não sei por que as pessoas ficam teorizando o caos, o foco dele está na joia da coroa que são os torneios onde as partidas são disputadas em melhor de 5 sets, e é lá que as crianças são separadas dos adultos. Quem precisa vencer esses masters é o Nadal, a confiança dele esta nesses torneios disputados contra os pangarés do circuito.

    Vida que segue, rumo aos 20 slams, faltam só 5. Chora Federista, chora Cuequista.

    #prontocomuniquei

    Responder
  20. Rodrigo S. Cruz

    Desse jeito até eu, ganho do Bellucci, em partida de simples.

    Porque se ele tem 17 chances de quebra, e só consegue converter 3.

    E isso contra um adversário fraquíssimo, que não mostrou ter uma arma sequer…

    Imagine então se o Bello tiver de enfrentar um tenista com algum talento.

    Vai tomar uma bicicleta…

    Responder
  21. Paulo F.

    Vi o guru espanhol na arquibancada de Mônaco.
    Se estava me questionando do porquê da queda de rendimento e desmotivação de Novak Djokovic, agora está tudo explicado.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Mas ele já veio com uma desculpa pronta.

      Você não viu?

      “O Djoko estava sem vontade”

      kkkkkkkk

      Então agora, vai ser assim:

      Toda vez que o Federer perder alguma partida, iremos dizer que foi por falta de vontade.

      Direitos iguais, né Paulo Al qaeda

      Responder
  22. Mark Ruben

    Bom dia a todos.

    Na opinião de vocês, Rafa tem se dopado ao longo dos anos? Vcs acham que algum dia a casa vai cair?

    Grato.

    Vivam a vida intensamente!

    Responder
  23. Marcos Ribeiro

    Em grande parte Djoko ganhou o AO porque seus últimos 2 adversários, Tsisipas e Nadal, jogaram muito abaixo do que podem. Nadal, então, teve uma queda brusca de qualidade na final, depois de 6 excelentes jogos. E o desempenho do Djoko já não estava grandes coisas. Para mim, este slam do Djoko vale 1/2, o que já é bastante, mas cai no caso do copo com água até a metade, depende de quem olha.

    O que veio depois reforça esta avaliação crítica do seu título no AO. Mas… com a quilometragem que o cara tem, tudo é possível. Ele afirmou que a prioridade é Rolanga, e que há bastante tempo até lá. De fato! Se ele aproveitar bem o tempo que resta, pode chegar voando a Paris, e com os golpes bem calibrados, o que é essencial. O que virá, só saberemos quando chegar.

    Responder
    1. Paulo F.

      Por favor, Nadal vinha tratorando seus adversários até enfrentar o Djokovic.
      Foi a atuação do sérvio que fez parecer que Nadal tivesse jogado mal.

      Responder
    2. abel Afonso Ribeiro

      Um torneio de Slam que vale por meio…
      Ok, Um 3 a 0 no Nadal Para o sétimo troféu na Austrália é pouco
      Engraçado, quantas pessoas você conheceu que acham isso pouco?
      Quantos chegam em uma final?
      Não fala bobagem…

      Responder
  24. Alexandre G.

    Fognini jogou muito nessa partida contra o Coric. Quando quer, ou quando joga com foco e comprometimento é um outro tenista, mostrando quase genialidade.
    Era um tenista para estar pelo menos entre os cinco. Sobra talento, mas a cabeça não ajuda.

    Responder
  25. André Luiz

    Estou viajando e não tenho como acompanhar todos os jogos.

    A eliminação de Thiem me surpreendeu, ainda mais frente a Lajovic. Mas nada vi dessa partida.

    A Zverev me surpreendeu menos, pois o Fognibi, ibspirado, tem tennis pra vencer de qq um na terra batida. Mas tb nada vi da batalha.

    Consegui assistir oa dois últimos sets da partida do Djoko. E devo dizer que a eliminação não me surpreendeu.

    Esse ano, o Aussie Open foi uma exceção até aqui. Uma grandiosa e espetacular exceção, mas ainda assim uma exceção. O tennis de Nole, infelizmente, não tem sido de número um do mundo.

    Ano passado, quando voltou a vencer majors, Nole voltou tb a ir bem nos outros torneios: venceu Cincci, Xangai, fez final em Paris e na Master Cup….Será que ele consegue elevar o nível a tempo de defender seus mais de oito mil pontos a partir da temporada de grama?

    Responder
  26. Fabricio Florencio

    Como todo esporte de ponta a derrota e vitória anda lado a lado… e segue o jogo; Djoko vai perder cada vez mais, pois a idade chega – pegou jovens encardidos vai sofrer, ganhar algumas e perde muitas.
    Nadal continua Rei no Saibro (veremos em outros pisos) e o Eterno e GOAT Federer sabe, com sua inteligência acima do normal, onde pode ou não “pisar” (risos).
    Abraços.
    Fabricio (FF)

    Responder
  27. Mário Cesar Rodrigues

    Não existe nenhum outro jogador em Master 1000 se bem que em RG Rafa é superior em M Carlo Rafa tem 75 jogos 71 vitórias o que chega perto dele é Federer 4 a menos em IW.Dalcim com o não reconhecer aceitar
    E bater continência a Rafa kkkk.

    Responder
    1. Luiz Nunes

      O italiano Fábio Fognini que o diga e confirme suas palavras…kkkkkkkkkkkkkkkkk
      MC Virgulino, vc só passa recibo com suas previsões de araque. Kkkkkkkkkkkk

      Responder
  28. ALEXANDRE ADORNO DA CUNHA

    Dalcim, achei que o Pella jogou muito bem e me surpreendeu..surpreendeu você? Ma dai até ganhar do Nadal é outra coisa, mas foi um belo jogo de Tê
    nis ( o melhor do saibro que vi este ano) que vc acha? abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, jogou muito bem e saiu de sua característica, arriscando lá de trás. Pena que não tenha um saque contundente. Fez muita falta.

      Responder
  29. Sérgio Ribeiro

    Não se pode negar que o Touro tem dado algumas chances. Varios ENFs pouco comuns em seu habitat. Fábio Fognini pode sonhar com a sua maior vitória na carreira e se aproximar feito um raio do TOP 10. Confesso que não acreditava mais no Veterano. Será que ele acredita ? Tem muito mais bola que Pella. E cada vez mais a Next Gen vai calando o “ grupinho” do repetitivo papo dos “ Cachorroes “ . Andam enfileirando nada mais nada menos que o N 1. O Sérvio de Back de uma mão tomou um sonoro 6 x 0 , 6 x 1 de Novak na edição de MC 2018. Medvedev é sempre ridicularizado sem motivos. A obediência tática de trocar bolinhas no centro levou Novak a loucura. Já que secaram Thiem e Sasha ( atuações pífias ), porque não posso secar Rafa Nadal e Medvedev ? rsrsrs Abs!

    Responder
  30. Vinicius

    Dalcim, a impressão que eu tenho é que como o djokovic já ganhou todos os masters 1000 do calendário, ele está jogando sem tanta vontade nesses torneios. Vc não acha que o djokovic está jogando com mais interesse nos grand slams do que nos masters 1000?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, mas ele não tem a menor obrigação de jogar esses torneios. Ele já tem o direito de saltar qualquer Masters que quiser. Então não acho que seja falta de interesse, mas talvez que acredite na vitória mesmo sem estar totalmente em forma.

      Responder
  31. Tiago

    O tênis masculino anda mesmo muito estranho esse ano. Mais estranho que isso é a postura tanto em quadra quanto fora das quadras de Djokovic. Depois de um avassalador Australian Open, se perdeu no seu jogo. As derrotas de Indian Wells e Miami realmente pareceu mexer com sua confiança. Seus golpes estão totalmente sem potencia e sem fundamento algum, sua confiança está nitidamente frágil em quadra, simplesmente sem coragem depois dessas derrotas pífias! E falar na entrevista que a derrota para Medvedev é normal…e que seu principal objetivo é Roland Garros!!! Afff…inventa outra vai. Sua desculpa não convenceu ninguém! Realmente terá que trabalhar muito seu lado mental, o que parece estar muito frágil depois desses revezes inesperados! Falando em lado mental, alem do jogo de Djokovic e Medvedev, foi demonstrado nesta rodada. Guido Pella tava com a faca e o queijo na mão. Com a bola para fazer 5 a 1 no primeiro set, perdeu o ponto, o game e permitiu a reação de Rafael Nadal para entrar de vez no jogo e logo depois encaminhar para a vitoria. Nadal sim é aquele jogador que não se pode dar ponto de graça, e pior ainda, no seu habitat preferido qualquer um se torna presa fácil. Realmente chegada a temporada de saibro sua confiança em quadra surpreende qualquer adversário e na minha opinião, Fognini terá que se reinventar no seu jogo para poder vence-lo, o que acho pouco provável. Falando em Fognini…que jogo foi esse com o Coric??? O jovem croata estava com 6 a 1 e 2 a 0 no segundo set, e saiu completamente do jogo, cometendo erros incríveis!!! Daí falo do lado mental do tênis, o quanto isso é importante e está definindo jogos nesta temporada. Quem assistiu o primeiro set, talvez poucos acreditariam na virada do italiano. Tomara que aquela faixa no seu braço direito não seja nada preocupante para amanhã, e que possa ter oportunidade de fazer um belo tênis. Afinal depois das belas atuações em 2015 contra Nadal, depois não se viu mais atuações pelo menos com chances de vencer o Touro de Miúra. Enfim, acho que em Monte Carlo veremos mais um titulo de Nadal. O suficiente para ter seu primeiro titulo na temporada e ganhar confiança no seu ganha pão que é o saibro europeu. O que na minha opinião deixa o tênis um pouco sem graça devido a grande falta de competitividade nesta fase da temporada. Não me resta duvidas que em Madri, Roma e Roland Garros não aconteça algo diferente. Já que Djokovic está totalmente perdido no seu jogo e lado mental, vemos um Dominic Thiem também muito instável, apesar de seu inesperado titulo em Indian Wells. Alexander Zverev é outro que ainda não se encontrou neste ano. E Roger Federer que vai voltar a jogar no saibro, já cansamos de ver suas derrotas acachapantes para Nadal neste piso. Vamos torcer para que surja alguma surpresa agradável neste saibro totalmente previsível… não é meu povo. Abs e parabéns pelos belos textos Dalcim!

    Responder
    1. abel Afonso Ribeiro

      ” desde 2015 não joga para ganhar de Nadal desde 2015″
      Quem tomou 3 a 0 na final da Austrália?
      O que diz é tão louco que de 2015 para cá é 9 a 2 para Djokovic.
      Incluindo que Nadal só venceu o sérvio no saibro.
      E ressaltando que Nadal nesse periodo foi derrotado em monte carlo e RG
      Comente com base

      Responder
  32. Luiz Fernando

    Winner como devolução de smash, imagino os comentários aqui se fosse outro tenista q fizesse isso. E o detalhe é q não foi a primeira vez, há uns anos em IW ele fez algo parecido contra um americano q não me lembro o nome. Coisas de jogador sem técnica kkkkkkkkkkkkkkkkkkk…

    Responder
    1. Rodrigo

      Você deve ter algum complexo. Pq não apreciar o que seu tenista fez? O fato de Roger ser o mais querido não impede que outros jogadores façam coisas legais.

      Responder
    2. Luiz Henrique

      Luiz Fernando, não foi em IW, foi no US Open 2013, contra o americano Harrison, 1º rodada, 1º game, no 30 iguais. Os comentaristas até falaram q embora fosse 1ª rodada, provavelmente seria o ponto do torneio.

      Responder
  33. Daniel de Melo Silva

    Sobre o Demoliner, acho que é a única forma de entrar nos Masters: jogando com simplistas. Sem o ranking do russo dificilmente ele entraria nesse torneio. Pelo menos ganhou 180 pontos. Dá pra ganhar terreno no ranking.

    Responder
  34. Renato

    Por que Nadal ganha muito no saibro e vence jogadores 5, 10, anos mais jovens no barro na base da correria? Mistério……. Pobre Pella! O argentino parecia um veterano e o espanhol um adolescente.
    Claro que tem a grande quantidade de spin que o baloeiro coloca no bola, mas o maior motivo das duas vitórias sem dúvida alguma é o ritmo alucinante que ele faz movido a combustível de foguete, creio Eu. Kkkkk

    Responder
  35. Gilvan

    Eu imaginava que o Djoko teria problemas contra o Medvedev. O russo adora trocar bolas sem fim, tem boa movimentação e, apesar de não ter peso de bola, tem grande regularidade. Ficou trocando bolas no meio da quadra com o Djokovic o tempo todo.
    Djokovic parece fora de forma e desinteressado. Pouca bola para quem sonha em ganhar Roland Garros. De ponto positivo apenas as deixadinhas, que estavam afiadas.
    Nadal, pra variar, ganhou pelo cansaço. No pântano de Monte Carlo não tem pra ninguém, o Siri se impõe no físico, fazendo a quadra central parecer uma festa de São João: balões para todo lado.

    Responder
  36. Miguel BsB

    Parece que o Djokovic gastou todo o seu tênis do semestre depois daquele tourocídio da final do Ausopen… A ver como será seu desempenho em Rolanga.
    Apesar de toda sua qualidade, vejo poucas chances de um Fognini com braço lesionado ganhar do Nadal em MC.
    Mas, minha torcida, é claro, vai pro Laiovic, digno representante do Backhand de uma mão!

    Responder
  37. Nando

    E cotonete segue jogando mto e chegando longe em tds os torneios disputados em 2019 kkkkk

    Mestre, acho q a chave da vitória pro Medveded foi aguentar as longas trocas, sem tentar o winner (aí q mtos ganham pts, nos enf) e isso deve ter incomodado o sérvio, pois ele tinha q bater mais de “uma bola a mais”. Isso pq o russo não sacou tbm…concorda?

    Responder
  38. Danilo BR

    A monstruosa hegemonia de Nadal na temporada de saibro deixa o tênis sem sabor todos os anos nessa época.. a certeza de que ele vai ganhar todos ou ao menos 90% dos torneios mesmo sem jogar tudo que sabe é muito maçante… e me parece que os principais concorrentes de outrora (Nole e Thiem) não estão muito inspirados em 2019… mais uma temporada de domínio do espanhol. Mais do mesmo… Até quando??? Por mim também o saibro virava grama!

    Responder
    1. Luiz Henrique

      Q exagero de vcs, Rafa nunca na vida ganhou os 5 torneios da gira européia, no máximo 4, sempre q ele jogou os 5 torneios perdeu em pelo menos 1, e sempre tem jogos em q ele é levado ao limite. Eu conseguiria listar inúmeros jogos que ele ganhou na gira européia na carreira em q foi desafiado e correu riscos reais de perder.
      Parte monótona da temporada vem depois do US Open, ali sim, dá sono.

      Responder
  39. Nando

    Como joga o tal de Fognini hein…meu Deus!
    Td jogo ele dá essa viajada (desinteressada) e perde o set sempre de 6/1 ou 6/2, mas qnd resolve voltar, aí mostra seu extenso repertório…o problema principal dele sempre foi e sempre será a cabeça. Nunca teve um grande saque, mas isso ele compensa um pouco com a “mão”.
    Seria bacana demais se ele ganhasse o torneio.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Pois é.

      Ganhar um torneio como esse, deixando pelo caminho, o “campeoníssimo” Nadal, seria mais que um sonho…

      O Fognini poderia até se aposentar, depois dessa.

      Porém, acho muito difícil.

      O italiano tem as armas, mas contra o Nadal numa quadra como essa, é preciso algo mais.

      Consistência é fundamental…

      Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Kkkkk

          Deus, ao que parece, ouviu as minhas preces, Luiz.

          Um CRAQUE, esse Fabio Fognini!

          Chega deixou o Nadal tonto, der tanto dar winner no coitado!

          Responder
    2. Maria antonieta

      To torcendo pro Fognini ! Se tiver de cabeça boa ,ganha ! Hj vi o espanhol perder o seu saque 6 xx ,contra um argentino mal ranqueado !

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *