Meio a meio
Por José Nilton Dalcim
26 de março de 2019 às 00:02

Embora esteja longe de ser favorita, a nova geração conseguiu dividir as oitavas de final do Masters 1000 de Miami com os veteranos. Mesmo sem Alexander Zverev, oito classificados estão abaixo da faixa dos 25 anos, com quatro deles com no máximo 21. Melhor ainda, veremos dois duelos diretos da Next Gen.

Claro que Novak Djokovic e Roger Federer continuam como maiores candidatos à final de domingo. O sérvio ainda não jogou seu melhor tênis, mas todo mundo sabe de sua capacidade de elevar o nível quando realmente importa. O suíço por sua vez apagou a estreia ruim com uma exibição muito boa, encarando uma tarde de alta umidade em Miami.

Apesar do evidente momento de desconcentração, Nole também jogou melhor do que na estreia, ainda que tenha perdido um set bobo para Federico Delbonis. O andamento natural da partida era uma vitória fácil em dois sets, mas Djoko desperdiçou vantagens. Quando relembrou do começo da partida, em que batia uma  bola em cada direção com enorme controle, tudo voltou a ficar fácil.

A sequência de Djokovic coloca do outro lado da quadra Roberto Bautista, que o derrotou no começo do ano quando estava jogando muito tênis. O espanhol deu uma queda desde então, porém ainda assim será um teste interessante com suas bolas retas batidas na subida. Também sabe trocar direções e acredito que Djokovic precisará evitar a passividade que o acometeu no domingo. Bautista parece um adversário muito mais perigoso do que John Isner ou Kyle Edmund na eventual rodada de quartas.

O outro quadrante reúne três nomes da nova geração e uma incógnita. Nick Kyrgios continua com um tênis inversamente proporcional a sua irritante conduta. Enquanto faz chover em quadra com variedade invejável de golpes, xinga juiz, briga com torcedor, dá saque por baixo, brinca de forma exagerada com o adversário. Se jogar bem, deve tirar o instável Borna Coric. Já o garoto Felix Aliassime continua em momento mágico, sem jamais abrir mão da agressividade. Nikoloz Basilashvili não faz um grande 2019 e assim há chance para o canadense diante do forte jogo de base do georgiano.

Gostei muito do segundo jogo de Federer porque Filip Krajinovic exigiu o tempo todo. O suíço precisou ser consistente na base e o fez com louvor, principalmente o backhand. Passou alguns apertos e aí o saque funcionou e os voleios foram perfeitos. As condições estavam lentas, e Roger raramente se apressou.

É exatamente dessa paciência na construção de pontos que irá precisar diante de Daniil Medvedev, a quem venceu duas vezes no ano passado mas levou susto em Xangai. Se passar, há chance maior de reencontrar Kevin Anderson, favorito diante de Jordan Thompson e um ‘freguês’ do suíço até a incrível virada de Wimbledon.

Na última parte da chave, se repete o quadro: três garotos contra o experiente David Goffin, com destaque total para o terceiro duelo entre Stefanos Tsitsipas e Denis Shapovalov, o que tem tudo para ser uma constante no futuro do tênis. O outro jogo é bem curioso: Frances Tiafoe andou perdido depois da grande campanha em Melbourne e cruza com Goffin, que nunca mais se achou depois da bolada acidental no olho de um ano atrás. O belga venceu os três confrontos já realizados, porém Tiafoe vem de duas grandes partidas, despachando nesta noite David Ferrer.

Já o torneio feminino caminha para um desfecho de ouro, uma vez que tanto Simona Halep como Petra Kvitova ultrapassarão Naomi Osaka na pontuação do ranking caso atinjam a final de sábado. E como as duas estão em lados opostos, a chance de uma luta direta pelo título e pelo número 1 está aberta.

Halep fez seu melhor jogo das últimas semanas contra Venus Williams, enquanto Kvitova chegou a 26 winners diante de Caroline Garcia. Outra sensação é a taiwanesa Su-Wei Hsieh. Aos 33 anos, emendou a vitória sobre Naomi Osaka com a eliminação de Caroline Wozniacki. É uma autêntica ‘giant killer’. Neste ano, já derrotou Angelique Kerber e Karolina Pliskova, no ano passado surpreendeu Halep e Garbiñe Muguruza.

Como se esperava, acabou o gás da canadense Bianca Andreescu, que já sofreu muito para repetir a vitória sobre Kerber de Indian Wells. A alemã, aliás, se irritou e chamou a garota de ‘drama queen’ na hora do cumprimento, mas a canadense deixou claro que estava mesmo no limite e se arrastou em quadra contra Anett Kontaveit. Mal aguentou jogar nove games.


Comentários
  1. Rodrigo S. Cruz

    Denis Istomin, Taro Daniel, Bautista Iogurte, Philipe Kohlschreiber…

    ETA NÓIS !

    A lista de “magistrais” não pára de crescer…

    Responder
  2. Rodrigo S. Cruz

    Anda mal das pernas, o IMÃ sérvio, não?

    Não consegue atingir uma mísera ” quartinha-de-final” em Masters 1000 mais?

    E em quadra dura, que é o seu forte.

    Imagina então quando começar a temporada de saibro, né…

    Cadê o tal do Valmir agora?

    kkkkkk

    Responder
  3. Rafael Brasiliense

    Dalcin, será que, devido à chuva, o jogo do Federer será adiado para amanhã? Existe um horário limite para os jogos começarem?

    Responder
  4. Ricardo - DF

    Bah, Federer tem feito jogos “de cinema”. No primeiro, sofreu para derrotar o hobbit. No segundo, venceu com mais facilidade o jovem Mr. Beans… kkkk

    Responder
  5. Adriano Souza

    Eu acho que o Shapovalov vai chegar mais longe q o Aliassime

    E porq dizem q o Aliassime é o substituto do Ferder? Nada a ver o jogo dele com o do Federer

    O Aliassime tem mais um estilo de predador
    é muito agressivo.

    O Federer é mais tecnico

    Responder
  6. Rafael

    Quando a motivação do Djoko voltar, eu volto a assistir os jogos dele. Perdi a paciência. Daqui a pouco vai querer disputar só SLAM.

    Parabéns pro Agut, que não tem nada a ver com isso.

    Responder
  7. Adriano Souza

    E o Djokovictory me decepcionou de novo
    Passeou no primeiro set e no restante não foi o mesmo
    Mais uma final contra o Frauderer q não acontece, infelizmente

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Kkkkk

      Chora na tua caminha, que é lugar quente!

      Freguês é o sérvio, desse ultra-inexpressivo Roberto Bautista “Yougurt”.

      Segunda PIABA que leva dele em 2019, e contando…

      Mas não esquenta, não.

      Pode deixar que o Federer mostrará pro FREGUEVIC como que se derrota os Bautista-Yougurts da vida…

      Responder
  8. José Eduardo Pessanha

    Quem é antigo aqui sabe que eu sempre falei que FedEx se aposentaria depois dos maratenistas. E isso vai se cumprir. Com mais uns 2 Slams e umas semaninhas a mais como número 1 do mundo.
    Abs

    Responder
  9. Sandra

    Dalcim, pelo que estou vendo nesse torneio de Miami só está se dando bem quem sabe sacar , até o Federer que é um sacador esta se enrolando, , tem alguma razão com as condições do clima ou da quadra? Será que vamos ver um novo campeão ?. Que seja o Coric, e espero que Djokovic não demita a equipe dele novamente

    Responder
  10. Luiz Fernando

    Será q o guru voltou? Djoko fez um primeiro set excepcional, um segundo set bem inferior e o terceiro foi horroroso, sua fisionomia exteriorizava sofrimento, as vezes passando a impressão de q torcia p o jogo acabar e ele ir embora, semelhante ao visto na derrota de Kyrgios. Maldito, não podia ter jogado assim no AO? Já o espanhol, apesar de clara covardia em alguns momentos nos quais estava claramente na ofensiva e retrocedia, jogou esse ultimo set de forma mais segura, me parece em muito boa forma, vai ser um duro adversário se mantiver esse nível…

    Responder
  11. Paulo F.

    Voltou a abraçar árvores?
    Só na dieta vegana?
    Quer dosar a energia, dependendo do adversário e da fase do torneio?
    Então toma mais uma eliminação, Djokovic!

    Responder
  12. Maior geração do tênis chegando

    Que nasceu Djokovic nunca será Federer kkkkkkkkk Djokovic grande jogador está entre os maiores mas não é gênio como Federer .. Djokovic vai chegar no máximo a 95 títulos com o condicionamento físico muito maior que Federer que mesmo não sendo um atleta excepcional vai terminar com 105 títulos por ae ..imagina se o suíço treinasse como o Djokovic o físico KK ia terminar com 135 títulos a carreira ..sem Djokovic minha torcida fica para nova geração que vem com tudu e vai sim igualar a Nadal Federer Djokovic e até passar essa geração é a melhor sem dúvida ..Félix auger tsitsipas ou shapolov fica minha torcida pra esses

    Responder
  13. Sônia

    Hilário demais, “gatos pingados” rsrs e torcendo para o magistral Bautista rsrs. O que acontece? Rsrs… seria isso prestígio? rsrs. Beijos.

    Responder
  14. Paulo F.

    Por isso Kyrgios nunca levará um GS.
    Não tem a consistência, regularidade e, principalmente, amor e respeito ao desporto que pratica – necessários para campanha com duração de 2 semanas e melhor de 05 sets.

    Responder
  15. Paulo s. Andrade

    Agora na transmissão O narck Rodrigues flagrou o djoko usando um grip da marca concorrente da que patrocina as suas raquetes.
    Que feio, djokinho

    Responder
  16. Rafael

    Assisti o jogo de Kyrgios hoje. Ele tem a personalidade desajustada e não aceita uma contrariedade. Responde com agressividade à qualquer situação que o desagrade. E lembra muito coisas que já li aqui: quando está ganhando é uma pessoa, quando está perdendo é outra.

    Em tempo: O underarm serve é um recurso desrespeitoso. Me espanta Juddy Murray defendê-lo.

    Kyrgios é uma pessoa com problemas; como o pai dele só é um, uma hora vão cansar de passar a mão na cabeça dele. Essa de ninguém sabe o que eu passei não cola comigo. O que quer que tenha passado (nada de sensacional, ou já teria sido noticiado), ele não soube lidar e se tornou um homem imaturo.

    O pior é a Tennis TV dando moral pra esse palhaço.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Pois é!

      Escapou de novo.

      Pois se perde pro Bautista-Iogurte, seria humilhado pelo Kyrgios.

      Já que o australiano só joga sério, quando é contra os grandes…

      Responder
  17. Rodrigo S. Cruz

    Nick vinha perdendo o primeiro set, com uma quebra atrás.

    De repente, aplica uma passada no Coric grudado na rede, de GRAN WILLIE cruzado.

    Monstro!

    Daí quebra o saque, vira, e vence o set.

    Depois, começa a se arrastar em quadra, e sem empenhar o menor esforço entrega a partida de bandeja pro adversário.

    Nick Kyrgios é isso…

    For better or for worse.

    Responder
  18. Oswaldo E. Aranha

    O narrador do Sport TV, mais parece um torcedor do Kyrgios do que um profissional de imprensa. Lembra-me o Ary Barroso narrando jogo do Flamengo.

    Responder
  19. Eleotério Almeida

    Dalcim, qual foi a melhor posição de um negro no ranking da ATP e quem foi ele? De todo modo, creio que Felix terá condições de chegar a top 10 em pouco tempo. Quiçá top 5 ou número 1 a médio/longo prazo!

    Responder
  20. Paulo S. Andrade

    Pessoal reclama dos tensitas que quebram raquete, mas concordo com o comentario no post anterior, o tenista ta la, sozinho na quadra, precisa extravasar, ue.
    E mais: muitos querem a raquete quebrada do tenista, entao é muita hipocrisia.

    Responder
  21. Luiz Fernando

    Humildade é algo que uns tem outros não, seguramente quem diz q venceu um adversário em 20 min é muito humilde e tem grande apreço e respeito pelo cara do outro lado da rede kkk…

    Responder
  22. Adriano Souza

    Dalcim, pra vc o Kirgyos é imbativel? Porq da a impressão q vc acha q o adversario nunca é melhor q ele. Na minha opinião esse comportamento dele é uma estratégia pra alguns inocentes pensarem q ele só joga quando quer. Quando percebe q o adversario ta superior na partida, começa…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não entendi a sua colocação. Quando eu disse que Kyrgios é imbatível? E se eu tivesse dito isso, poderia me internar junto com o australiano.

      Responder
  23. Renato

    Quando Federer tinha a mesma idade que Rafa e Novak tem hj, 33 anos, os maiores rivais do suíço eram os dois, jovens, no auge e com 28/27 anos.
    Quais são os maiores rivais de Rafa e Novak, hoje, com idade entre 27/28 anos? Perceberam a diferença?
    Geralmente e, na maioria das vezes, o tenista chega ao auge físico e técnico na casa dos 25 até 28 anos.

    Responder
  24. alvaro armbrust

    Dalcim, assistindo a alguns jogos do polonês HURKACZ, não pude deixar de lembrar do Murray. O jeito de andar, os cacoetes em quadra (até as mancadinhas) e principalmente o jeito de bater na bola. Claro, é apenas uma comparação de estilos, não de qualidade e talento. Até porque os jogadores mais jovens certamente se inspiram em seus ídolos e muitas vezes tentam copiá-los. Você concorda?

    Responder
  25. Paulo S. Andrade

    Até o site do torneio de Miami é muito ruim.
    Eu que to no trabalho agora e nao posso ver tv nao tem como acompanhar direito os jogos só pelo site. Na aba live score não aparece nem quem tá sacando e tampouco estatisiticas.

    Responder
  26. Arthur

    “Kyrgios tem um tênis inversamente proporciona à cabeça”, hahahaha

    Dei muita risada com essa, Dalcim.

    É realmente a melhor definição para o australiano.

    Um abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, já falei muito sobre ele aqui, André. É um talento excepcional sem a menor cabeça para ser um profissional. Além de exagerar no malabarismo, raramente mostra espírito de luta. Desperdício total.

      Responder
  27. Neuton

    Enquanto tem público achando graça do palhaço, este mantém o emprego no circo. Simples assim. Quando pararem de elogiar esse palhaço ele perde o picadeiro, aí ou vira tenista ou vai procurar outro circo.

    Responder
    1. eu

      o do kyrgios espero que passe! Oh não, entao tenho de torcer para o do isner ter tres tiebreaks, assim o do djoko demora para comecar e o do kyrgios será transmitido. Porque se o do djoko e kyrgios forem na mesma hora, duvido que o sportv mostre o do australiano que dá um show e coloca os torcedores nos seus devidos lugares!

      Responder
  28. Pedro

    Dalcim,

    E a situação da Osaka? Vinha com tudo no ano passado, ganhou o AO este ano, e depois um rompimento estranho com o treinador que querendo ou não fez parte do sucesso dela. Depois, não se encontrou mais. O problema é que ninguém sabe os reais motivos que fizeram isto acontecer.

    Responder
      1. Pedro

        Mas foi aquela entrevista em que ela dizia que não estava feliz? Se foi isso, foi bem superficial. Pode-se pensar em várias coisas, como treinos excessivos, cobrança excessiva, e etc…

        Responder
  29. Miguel BsB

    Tsitsipas x El Shapo tem td pra ser um grande jogo e um clássico da próxima década.
    Agora, o grego joga muito, mas tem de aprender a usar o Hawk Eye… Mais uma vez ontem, contra o Mayer, desperdiçou 2 seguidos no msm game, um pra uma bola bem fora. Dps, no seu game de saque, pra fechar o jg, tomou uma bola fora cantada dentro, e não teve o que fazer… Conseguiu manter a cabeça no lugar e fechar a partida.
    Jogar contra caras como ele, no amador, em quadras duras, é ctz de confusão…

    Responder
  30. Sandra

    Dalcim , pior que o Kyrgios e ter pessoas que ainda o defendem , vai ver que é por isso que ele faz o que quer ? Qual a aposta para hoje, contra o Coric , esperando para ver o que ele apronta

    Responder
  31. André Barcellos

    Tá todo mundo falando de quadra lenta etc, mas ontem achei umas-ancoraria o jogo do Federer. Não sei se é o ângulo da câmara ou o fato de ele é o sérvio pegarem cedo na bola, mas as trocas estavam insanas. Inclusive dois rallies de 26 trocas….
    Federer melhorou muito depois da estreia.
    Mas tanto quanto melhorou, corre o risco de ter um dia ruim.
    A esta altura é assim….

    Responder
  32. fabrício goiano

    Mestre Dalcim….

    Estava acompanhando o jogo entre o Nole e o Delbonis e notei uma coisa esquisita:

    O sérvio não estava jogando perto da linha de base como de costume. Fato que explicaria um bom aproveitamento do argentino nas trocas de bolas pesadas que disputou, não acha?? Isso para não falar que Nole estava recebendo o saque do argentino a uns 2 metros atrás da linha de base!!! Ele ele não estava jogando contra um Isner….ou um Karlovic. Tinha notado isso Dalcim? A que se deve essa mudança????

    Parabéns pelos posts e obrigado!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Provavelmente pelo lançamento de bola diferenciado do Delbonis, que complica demais a leitura do saque e altera o tempo de reação.

      Responder
      1. Aurélio Passos

        É mucho loco o serviço do Delbonis. No toss lança a bola quase no quinto andar, e na flexão dos joelhos para dar o impulso só falta tocá-los no chão….

        Responder
  33. Joca

    Dalcim, bom dia.

    Não há grandes probabilidades de vermos futuramente o Canadá campeão da Copa Davis?

    Felix e Shapovalov com futuro promissor e ainda com Raonic em ação.

    Vejo os garotos juntos num Top 5 daqui um tempo.

    Abs

    Responder
  34. Tom

    O peso que Shapovalov põe nesse backhand de uma mão é algo espetacular de se ver. É bom saber que tem caras como ele, Aliassime e Kyrgios no circuito, mesmo o último sendo tão insano. Espero ver grandes embates desse caras de agora pra frente. Já o professor suíço mostrou toda a maestria que lhe é peculiar com o forehand matador de sempre e deixadinhas desconcertantes. Estou gostando bastante do nível do torneio.

    Responder
  35. Jonatas Bruno

    É muito bom essa mescla entre juventude e experiência,o meio termo serve para dar o devido balanço.
    Gostei demais dos jogos do Federer e Shapovalov.com pontos muito bem elaborados!
    O excepcional suíço segue defendendo muito bem a sua reputação, espero que continue motivado e inspirado até secar o Sol.
    Djokovic continua a dever,mas acredito que a atuação e motivação variam conforme os desafios, acredito que contra o Bautista deve desenvolver melhor o seu jogo.
    Grande expectativa para Tsitsipas vs Shapovalov e Nikoloz vs Felix,nos jogos de logo mais.
    E Dalcim, kyrgios não é nada confiável, portanto, mesmo o Coric ficando a dever,não me surpreenderia a vitória deste de forma até tranquila. Apesar de… Seguirei a ter esperança que o australiano tome jeito e emplaque de vez, mas enquanto isso…

    Responder
      1. Jonatas Bruno

        Exatamente! Há os dois lados da moeda, resta saber para qual lado ele fará predominar, e aí só o próprio decidirá. Teoricamente, o chaveamento o faculta a postular uma vaga na semi, a conferir o que apresentará na prática.

        Responder
      2. Jonatas Bruno

        Dalcim, se me permite desviar um pouco do assunto, que bom poder ouvir o Thomaz Koch comentando os jogos de Miami, pois demonstra sempre estar bem a vontade, com o seu lado natural de ser, faz a gente se sentir representado.
        Ele é o contraponto do Narck e Acioly que são excelentes, mas já sabemos o que esperar, já o Koch com toda a sua naturalidade traz elementos novos para a transmissão. Enfim, vale como o complemento.

        Responder
      3. Jonatas Bruno

        Me parece que o Thomaz Koch foi solicitado para ficar no lugar do Acioly, (a princípio para esse Marters),e também que a sua participação já foi completada. Se for o caso, deve estar fazendo o mesmo papel que fazia a Maria Esther Bueno, algo como convidado especial.

        E o Felix Aliassime segue decolando! O tênis está bem encaminhado!

        Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Concordo que o Craque está afim mesmo com toda a lentidão, Jonatas. O problema é sua dificuldade de converter a montanha de break -points. Qualquer Tenista mediano se salva servindo até o segundo em seu Back. Quando consegue devolver , da’ jogo para o oponente. Bem longe daquele Back de 2017. E’ um mistério a ausência de Ljubicic até nos MASTERS. Esta’ tocando o barco graças ao seu enorme talento. Ontem botou a cara na rede sem se preocupar com as inevitáveis passadas neste piso. Me parece que com jogadores mais talentosos, está muito difícil pra ele levar. Mesmo assim acredito que vai encerrar dentro do TOP 10 sem sustos. A conferir. Abs!

      Responder
      1. Jonatas Bruno

        Há de se considerar tudo o que disse,Sérgio. Acrescento que a questão do back enxuto,acho que tem a ver com o plano traçado de saber que tem outras cartas na manga. Claro que poderia solta-lo bem mais, no entanto, esse é o dilema de quem tem várias opções,ainda mais no ponto chave do game, pois passar o rojão para o outro lado,às vezes já é o suficiente.
        Na questão do talento,acho que já começa a influir numa melhor de 5 (depende do contexto). Em melhor de três, ainda acho que dá, vide o último duelo com o Tsitsipas, a meu ver, o mais talentoso sub 23 (kyrgios não conta rs). Abraço.

        Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Que nada!

      Final dos sonhos é Federer x Djoko mesmo.

      E desta vez, com o suíço entubando o sérvio, para vergonha dos fanáticos que infestam o espaço…

      Responder
  36. Rafael

    Mestre, esses jogos do Djoko me faz lembrar o Ausopen. Começando devagar, meio passivo, mas depois eleva o nível e se torna praticamente imbatível. Será isso mesmo?

    Responder
  37. Henri

    Quando vejo o jogo da Andeescu, me lembro muito da Ostapenko.
    Só joga com winner pois, nada tem a perder (por enquanto).
    Qundo os winners deixarem de entrar, despenca feito balão.

    Responder
      1. Rodrigo Keke

        Trabalha bem com slices e outras variações também, né mestre? A Bibi é bem mais versátil que a Ostapenko, que sim, só sabe espancar a bola. Lembrei de um comentarista do Eurosport que falou durante a campanha do título em Roland Garros bem assim sobre o estilo de jogo da letã: “see ball, hit winner” rsrsrs

        Responder
  38. Maior geração do tênis chegando

    Bom nunca intendi essa crítica a nova geração..as vezes posto Aki faz 1 ano e meio que posto com esse Nick exaltando a nova geração…….. E acredito que esse ano eles comecem a dominar o top 10 ..e ano que vem roubou o topo do mundo zverev vai tirar o apenas ótimo porém muito físico Djokovic do topo ..mas será no meio do ano que vem só .e pq não entendo as críticas aos jovens .. pow Djokovic chegou ao topo com 24 anos Federer com 23 ..calma ae tsitsipas tem 20 zverev 21 ………Rafael Nadal chegou aos 21 no topo porque seu físico era diferenciado para idade ..e se alguém dizer que esses mitos do tennis ganharam campeonatos mas difíceis nessa idade .. eu não vejo surpresa nisso ..todos jogadores dizem que hj é mas difícil prós jovens ganhar slam hj do que antigamente o próprio Djokovic disse isso e quem acompanha tennis sabe que tá mas difícil mesmo hj o corpo aguenta bem depois dos 30 anos os cara ainda tão no auge .. e a pressão que a mulekada senti hj é maior hj existe muito mas jogadores de nomes

    Responder
    1. Carlos

      Hoje é mais difícil justamente por que os jovens precisam enfrentar Federer, Djokovic e Nadal, sem contar Murray que até outro dia fazia parte do Big4. Essa sim a maior geração do tênis. É difícil entender isso?

      Toda vez você vem com esse blá blá blá, ano que vem zverev isso e aquilo, Djokovic é só físico, Nadal é só físico, etc..

      Agora Aliassime virou o novo Federer, ano passado era Coric. Não sei onde você encontra a semelhança do tênis desses caras com o do suíço.

      Enfim, só me divirto lendo isso, ainda mais com um português tão rebuscado.

      Responder
      1. Maior geração do tênis chegando

        Me mostre onde disse que coric é novo Federer ? Coric é mas estilo Djokovic grande jogador mas nunca será gênio ..e outra realmente vc não entende nada por não ver semelhança do Félix no Federer Sua classe vc percebe só pelo seus movimentos …….. E outra vc acha que o tennis nunca se renova ? Kk nunca mas vai surgiu jogador? Essa conversinha eu sempre ouvi quando parou Sampras quando Federer tava ficando velho não adianta sempre surge outros craques ..enquanto vc fica viúva do Djokovic Nadal o Félix vai batendo todos recordes para sua idade

        Responder
          1. Maior geração do tênis chegando

            Comparei ao estilo clássico ..mas nunca disse que seria o novo Federer ……..se vc pegar as postagens antigas vou sempre falando que tem outros a frente de coric ..como Félix auger e zverev ..Félix é sim novo Federer e shapolov passa Nadal e Federer ..não adianta essa geração é maior que a antiga o tênis se renova Djokovic e até o rei Federer demoraram pa chegar no topo tbm ..e hj é mas difícil ainda chegar no topo

          2. Maior geração do tênis chegando

            Achei meu comentário ..eu disse que ele tem o estilo Federer nunca citei que seria o novo Federer como citei o Félix auger ……… O zverev shapolov são melhores que coric ..eu só acho coric mas talentoso que Djokovic porém coric nasceu numa geração que vai ter 10 candidatos ao topo e nunca vai ter a carreira do Djokovic que pegou o Federer em fim de carreira por isso reinou .. Djokovic com 35 anos não configura ficar entre os top 10 anote ae elevdelendevdo físico ..coric mas elegante que ele

  39. Rodrigo S. Cruz

    O cara começou foi quem danou a xingar o Kyrgios, gratuitamente.

    O australiano só errou em dar uma valorizada na coisa.

    Achei que pegou até leve, pois o cara chamou ele pra porrada e tudo.

    Mas e se tivesse sido com o sérvio que eles veneram?

    Eu mesmo já cansei de ver o Djoko bater boca com algum engraçadinho da torcida.

    E na maior parte das vezes ele estava com a razão…

    Responder
    1. alvaro armbrust

      Kyrgios em quadra é certeza de espetáculo. Acho seu jogo sensacional. Quanto a desestabilizar o adversário, vale lembrar que em Acapulco Nadal pedia para esperar um pouquinho toda vez que o Kyrgios ia sacar, numa clara tentativa de desestabilizar e quebrar o ritmo do australiano. Portanto, pau que bate em Kyrgios, tem que bater nos outros também. Ou não?
      No episódio com o torcedor, o babaca xingou e inclusive chamou o Kirgios pra briga. Ridículo!! Tem que botar pra fora mesmo. Otário!!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *