Festa, alívio e frustração
Por José Nilton Dalcim
23 de fevereiro de 2019 às 00:38

Thomaz Bellucci e Rogerinho Silva viveram sentimentos antagônicos nesta sexta-feira no Rio e levantaram polêmica das boas. Conseguiram outra ótima atuação, avançaram inesperadamente à final do Rio Open sem serem especialistas de duplas, contando com um apoio maciço da torcida na quadra 1.

Mas ao mesmo tempo, eles ficaram de fora do qualificatório do Brasil Open, que também começa neste sábado no Ibirapuera. E aí sobraram críticas à organização do ATP 250 paulistano por ter dado com antecipação convite para o uruguaio Pablo Cuevas, tricampeão do torneio, que se esqueceu de fazer a inscrição e foi jogado para o quali. Não fosse o convite, seria ele o prejudicado com a campanha do Rio e talvez se abrisse vaga para Bellucci ou Rogerinho.

“É triste ver isso”, lamentou Thomaz. “Onde está o apoio quando mais precisamos?”, queixou-se Rogerinho. “Era momento de apoiar o tênis brasileiro”. O Brasil Open deu os outros dois convites ao jovem Thiago Wild e ao número 1 nacional Thiago Monteiro, e reservou vaga na chave de duplas para Bellucci e Rogerinho. Vale destacar que Bellucci não sabia o que era disputar um título desde o vice de simples em Houston de 2017.

As semifinais de simples deste sábado terão Aljaz Bedene e Laslo Djere, e pelo sofrimento físico do esloveno parece que o sérvio de 23 anos tem uma chance incrível de disputar inédita final de ATP (Bedene soma três vices).

A sensação do Jockey Club, no entanto, é o garoto Felix Auger-Aliassime, com um tênis maravilhosamente agressivo, desde a base até a transição à rede, além de um saque muito pesado. É certo que por vezes exagera na força e na ousadia, porém pode-se colocar tudo na conta de seus 18 anos.

Dominou o espanhol Jaume Munar, que é muito mais afeito ao saibro do que ele, e terá delicioso desafio diante da experiência de Cuevas, 14 anos mais velho, quatro vezes campeão no saibro brasileiro, uma delas no Rio. O bom de tudo é que o uruguaio gosta de bater na bola e exibe um admirável backhand de uma mão.

No campo das polêmicas, sobram também reclamações sobre o salgado preço dos ingressos do Rio Open. Para as semifinais e final, sai por R$ 440 na arquibancada o valor cheio (há promoções de alguns patrocinadores que reduzem até 30%).

Com a queda dos favoritos, não seria o caso de redução?, me indagam. É um problema complexo. Em primeiro lugar, acho o valor excessivo para o mercado brasileiro. Mas não dá para reduzir no meio do caminho, porque seria uma tremenda injustiça com aqueles que compraram a entrada antes.

O fato é que, mesmo com poucos brasileiros e favoritos, a arquibancada até encheu nesta sexta-feira e é bem provável que isso se repita no sábado e domingo.


Comentários
  1. Luiz Fernando

    É uma final é diferente de tudo como aprendeu hj nosso caríssimo Aleassime, que perdeu de um Djere claramente limitado fisicamente. Mas o rapaz é muito jovem, será mais uma lição, dura por sinal, rumo ao estrelato…

  2. Nando

    Hahahahahahahaha li o chilique q Sérgio Cipriani deu no post anterior…chilique igual djokovic costuma dar nos jogos. Ou seja: jogador chiliquento, torcida chiliquenta?

    Torcendo mto pro Félix faturar o título hoje…esse moleque vai longe.

  3. João ando

    Pedro acaba de ganhar do berlocq e entrou no Brasil open…vamos ver até onde vai….está em casa o tenista de guarulhos

    1. João ando

      Vai acontecer um caso interessante caso ganhe do munar e o Daniel tarô ganhe do argentino ….os dois se enfrentam na segunda rodada…um japonês e um descendente de japonês…

  4. Luiz Fernando

    Nadal precisa de jogos q exijam dele, o irmão do Zverev não me parece q exigirá, Kyrgios é uma incógnita e Wawrinka vem jogando muito e se ambos chegarem la deverá ser um belo jogo. Claro tudo dependerá do nível de jg do Rafa, se jogar como no AO, antes da final, bem entendido, tem tudo pra vencer esses caras…

  5. Renato

    Vou dar meu pitaco sobre Guga x Stan. Acho que o suíço é mais jogador sim. O brasileiro tinha um saque melhor, os dois não tem grande movimentação, mas Stan tem não só o back, mas o forehand melhor também! Os dois são/eram fracos na grama, o brasileiro melhor no saibro e o suíço muito melhor nas rápidas, apesar de na época do manesinho não existir a maldita padronização, o que prejudicou Guga e favoreceu Stan.

  6. Oswaldo E. Aranha

    Dalcim, dentro do contexto.
    Vi algumas críticas ao Rio Open e acho que um pouco é do bairrismo.
    Assisti alguns jogos muito bons e fiquei feliz com a final entre dois jovens promissores.
    Também é preciso lembrar que algumas cidades tem um charme especial, como Rio e Monte Carlo, merecendo todo o interesse pelo que despertam tanto aos tenistas como ao público.

    1. José Nilton Dalcim

      Por princípio, sou contra convite a estrangeiros, a menos que seja uma estrela imprescindível ao evento ou um acordo com outras promotoras na base de permuta de convites.

  7. Jonatas Bruno

    Em pleno Rio Open,dois debutantes em final de nível ATP. Neste nível de pontuação (500 pontos) pode ser outro fator histórico para o torneio (que eu me lembre).
    E o garoto canadense já começa a preparar o seu terreno. É uma grata surpresa, pois tem bom controle de bola e emocional,além de saber trabalhar bem com o seu serviço.
    Me fez lembrar o Shapovalov, nesta saudável comparação,o “caçula” está no páreo, e já pode abrir frente de vantagem (em termos dos “quinhentos).

  8. Rodrigo S. Cruz

    (rs)

    Concordo que o Bellucci merece ser criticado pelos erros, bem naquele momento decisivo.

    Mas que a galera é bem oportunista nos comentários, não resta dúvidas.

    É como se o Rogério tivesse chegado lá sozinho.

    Pera lá, que foi bem pelo contrário, né gente?

    Acho que foi o Bello quem carregou a dupla nas costas, a maior parte do tempo.

    Porém, e em que pese a fraqueza mental indiscutível, vamos combinar também que o sujeito é muito AZARADO!

    Kkkkkk

    Nem se lembrarão da boa campanha dele, mas sim das duplas faltas…

  9. Sérgio Ribeiro

    É óbvio que Agassi tem conhecimentos de sobra , para emitir opiniões . Só que quem não gostou muito delas foi o próprio Sérvio que o despediu rapidinho rs O problema é que o Carequinha já mudou de ordem do melhor de todos varias vezes… Estamos observando que Novak Djokovic ( se espelhando nos mais velhos) , pode sim se tornar o mais eficiente. Como competidor , já não existe mais dúvidas. E fisicamente ( depois de largar o tal guru ) , se apresenta perto dos 32 , alguns furos acima dos demais. Dito isto, somente nos testa esperar o final da carreira de todos os componentes do Big 3 , sem estresse rs . Abs!

  10. Sérgio Ribeiro

    “ Uma pena que nenhum Brasileiro tenha conseguido entrar na chave principal do Brasil Open “ . Disse tudo , a meu ver, o diretor do Torneio que não poderia deixar de fora o ÚNICO Tri-Campeao em sequência do evento. E caro Renato , Thomas Koch se utilizou da palavra forte “ Fenômeno” durante a transmissão. Repetindo: Aos 18 em 2004 ( época da entressafra segundo a Tchurminha rs ) o precoce Rafa Nadal terminou como N 51 do Mundo e já virou TOP 2 em 2005. Ano em que Murray terminou igual a Federer em 1999 como TOP 64 e Novak TOP 76 , todos aos 18. Isso não quer dizer muita coisa devido a Shapovalov ter terminado no TOP 27 em 2018. Mas que Félix Auger – Aliassime é uma joia a ser lapidada , acredito que não exista muitas dúvidas. O Saibro não é muito a sua Praia , mais além de bater um Espacialista 4 Vezes Campeão no Brasil, caso vença a Final, Já atinge o TOP 42. Abs!

    1. Jonatas Bruno

      A frase entre aspas, foi justamente no último parágrafo da nota. Foi direto ao ponto e o ter irônico, caiu como uma luva no cerne da questão.

    2. Alessandro Sartori

      “o saibro não é sua praia´´…E realmente olhando o biotipo do jovem canadense tem tudo pra ser jogador melhor ainda nas hards, mas quando pegamos os resultados dele desde seu “surgimento´´ é no saibro onde conseguiu se dar melhor…

  11. Miguel BsB

    Vejo direto comentários depreciando o caráter do Agassi. Ele deu umas vaciladas na carreira sim, mas quem não deu?
    A biografia dele é excelente e ele parece que foi muito verdadeiro nela, inclusive mencionando a questão de uso de drogas, recreativas, não de desempenho, e o acobertamento da ATP. Foi corajoso, poderia ter escondido esse fato, mas botou lá pra conhecimento público.
    E, principalmente, ele tem um dos melhores e maiores programas de ajuda filantrópica que eu conheço feito por um ex esportista de sucesso.
    Ele botou muitooo dinheiro, dedicação e tempo na escola preparatória pra faculdades, dando educação DE QUALIDADE para milhares de crianças e adolescentes, tirando gente de um futuro pobre e incerto pra um caminho de cidadania e inclusão social…
    Respeito muito o Agassi por isso… Poderia ter se aposentado multimilionário, usufruindo do melhor da vida, mas, ao invés, botou muito coração, dedicação e dinheiro pra realmente transformar o mundo, principalmente sua nativa Las Vegas, através de educação de primeira qualidade. Sou fã do cara!

    1. João ando

      As drogas recreativas que ele usou São inapropriadas ….principalmente o pó. …sabemos que vários tenistas usam o cigarro de maconha …agora drogas de desempenho não sabemos se usou ou nao…

      1. Miguel BsB

        Sabemos que muitos tenistas usam cigarro de maconha? Eu não sei disso não, se vc sabe, diz aí… Rs tenho uma desconfiança de um certo brasileiro, mas não vou especular sobre o que eu não sei…
        Claro que drogas fazem mal, mas, no esporte, se não for algo que sirva pra aumentar artificialmente o desempenho, acho que deveriam deixar passar. Isso é problema de cada um…

        1. João ando

          Nos anos 70/80/90 vários tenistas brSileiros e estrangeiros usam …quem jogou tênis juvenil e foi até os 18 anos sabe disso…tem até um comentarista do SporTV que e veterano e ja falou na espn que usa um cigarrinho …outros dr São Paulo ..um que tinha acAdemia em Campinas e faleceu ano retrasado …não vou falar nomes e se for uma inverdade esse post não vai aparecer

    2. Luiz Fernando

      Agassi foi indiscutivelmente um gigante, que voltou de Challengers p numero 1 do mundo. Se dissesse q Federer era o maior haveria uma romaria de elogios aqui…

  12. Chetnik

    Duas duplas faltas seguidas para entregar o jogo, kkkk. Esse Bellucci é uma ameba. Não tem como não achar graça das constantes vergonhas que ele passa. Coitado do Rogerinho.

  13. Antonio

    Não aguento, vou comentar sobre o WC do Cuevas. Alguém tem dúvida que a fase do Cuevas é melhor do que a do Bellucci e a do Rogerinho? Se a resposta for “não”, então já está respondido. No momento é o Cuevas que terá mais condição de prover bons espetáculos, jogou os torneiros por aqui com frequência e obteve ótimos resultados.
    Já joguei muito tênis na minha vida, dos 7 aos 24 anos, inclusive 4 anos de universitário nos EUA – vixi, há mais de três décadas! Além disso acompanho tênis de perto há mais de 4 décadas. Por isso, dá sim para comentar sobre Bellucci e o Rogério. Sempre tive enorme respeito e admiração por ambos, por motivos diferentes. O Bellucci tem jogo de top 30 e já chegou a ao 21o posto no ranking – pra quem joga ou jogou sabe quão difícil e quão competente um atleta precisa ser para alçar a este posto mesmo que tenha sido por um breve período, nem tão breve assim no caso em questão. Não dá pra chegar lá sem ganhar ou por sorte. Bellucci passou aproximadamente 3 anos no top 70, acredito até que ininterruptamente. Top 40 por mais uns dois anos. Não dá pra falar que a carreira dele foi ruim, muitíssimo pelo contrário. Inclusive a carreira dela não acabou e ele está pronto para voltar ao top 100 e alçar voos mais interessantes ainda. Conheço uns duzentos ou mais jogadores que trocariam suas carreiras pela do Bellucci. Sim ele está em uma fase difícil mas se conectar quatro, cinco vitórias, ele engrenará uma sequência sólida e voltará para o top 50/60. Não tenho bola de cristal e não sei de fato o que acontecera com o Bellucci de agora em diante, mas sei que o potencial para este retorno onde merece ele tem.
    O Rogerinho não tem a potência do Bellucci, nem de longe (nem de perto) mas é extremamente dedicado, ético, sério e encontra ótimas soluções para jogos que nem de longe é o favorito. Aprecio sua tenacidade, amor pelo jogo e gosto muito de vê-lo jogar. É um ótimo exemplo para os jogadores em atividade e para os mais jovens que estão fazendo a transição para o profissional. É sim para se espelhar na carreira do Rogério que, como a do Bellucci, ainda não acabou. Quem sabe até com esse vice no Rio os dois engrenam nas duplas e faturam alguns títulos por aí – eu não duvidaria. Agradeço aos dois pelo sucesso que tem obtido em um país que, convenhamos, salvo meia dúzia de gladiadores (Maria, Thomaz, Kirmayr, Mattar, Jaime, Meligeni e o gênio Guga)i, não tem tradição nenhuma de tênis. Portanto, acredito que o sucesso deles ainda é mais valioso.

    1. João ando

      António .bom post …mas o Thomaz não chega top 150 …imagina 100 ..ou ser 50/60 do mundo .quanto ao resto concordo com vc

  14. Antonio

    Muitos comentários e conversas interessantes por aqui. Estes são os meus comentários.
    Episódio 1 – Del Potro: entendo que o Del Potro poderia se poupar mas, na semana que antecede o ATP 500 de Acapulco, preparatório para Indian Wells e Miami, ambos Masters 1000, há o ATP 250 de Marseille, França e o de Delray. Se a ideia inicial do Del Potro era a de jogar em Acapulco, jogar na França não faria sentido logístico – então, sobrou Delray para se preparar, o que sim faz sentido mesmo porque poderia vencer alguns jogos e entrar no ritmo de competição. Infelizmente, porém, o joelho ainda não está 100% recuperado e ele não participará de Acapulco. A decisão de jogar em Delray me parece sim razoável. Muitos jogadores top 10 jogam ATP 250 – ex. Federer em Stuttgart.

    Episódio 2 – Preço dos ingressos no Rio Open: primeiro, acho que temos que entender, e quiça concordar, que está tudo errado com o Rio Open, menos a data. Comecemos com meia lona pra “cobrir” a quadra em casa de chuva – como se não chovesse no Rio nessa época do ano! Duas cadeiras de vime encostadas na lona do fundo da quadra – meu Deus, não conseguiram estampar um cadeira tipo diretor com o logo do torneiro? E, afinal, para que serviam aquelas duas cadeiras. Segundo ponto, para que tenhamos qualquer possibilidade de atrair grandes nomes do circuito, a quadra deve ser rápida, cimento ou como quiserem chamar. A semana do Rio Open, juntamente com o ATP 500 de Acapulco que começa na semana seguinte ao Rio Open, são preparatórias para Indian Wells e Maimi – dois ATP 1000 importantíssimos que são em quadra rápida (vejam a chave do ATP de Acapulco; a diferença de nível dos jogadores é grotesca. É uma teimosia Tupiniquim não mudar pra quadra rápida; e essa teimosia me leva ao comentário do preço do ingresso – já farei a ponte. Tem teimosia Tupiniquim de um lado e aquele tremendo Coronelismo do outro – patrocinadores enchendo boxes com ingressos para convidados e arquibancadas nem perto da lotação que deveria ter um evento deste pretendido porte. Pessoal, deveria haver disputa por ingressos, no mínimo à noite. Mas o problema, que tem a ver com Tupiniquim e Coronelismo, fazemos tudo errado porque não fazemos para o público e sim para meia dúzia – acho que quanto a isso não há dúvida nesta suposta democracia. Me parece bem mais do obvio que a Lei da Oferta e Procura deve ser aplicada definitivamente se algum dia tivemos um mínimo de anseio para alçarmos ao primeiro mundo, pelo menos um pouquinho. Entretanto, não conheço nenhum participante do Coronelismo que queira que o nosso País alce ao primeiro mundo, nem que seja por uma semana.
    Episódio 3 – WC para o Cuevas. Honestamente, diante de tudo isso, não precisa nem comentar.

    1. José Nilton Dalcim

      A decisão sobre o piso não cabe ao Rio Open, mas à ATP. O torneio tem tentado mudar de piso (ou de data para isso), mas não obteve autorização.

  15. Fernando Pauli

    Aliassime já fez história nesse Rio Open, pois será o finalista mais jovem da história do tênis a disputar uma final de ATP 500. Se vencer amanhã bate outro recorde sendo o mais novo vencedor de um atp 500 da história também. Esse título se vier será imenso, pois será num piso que não é o seu preferido, nunca venceu uma partida de GS na chave principal, sendo que a primeira que disputou foi no US Open 2018, perdendo para o seu compatriota Shapovalov, por desistência ( arritmia cardíaca ), presenciei ao vivo esse jogo. Em M 1000 só passou da primeira rodada duas vezes, e a melhor campanha em um atp foi uma quartas de final num atp 250. Torcendo muito por ele amanhã.

  16. Rodrigo S. Cruz

    Acho que vou discordar do Dalcim em relação ao Guga x Wawrinka.

    Evidente que em termos técnicos, o Stan não deve nada pro Guga.

    Acho o suíço até melhor.

    Porém, se a gente for pensar no lado mental, aí o Guga se sobressai com relativa folga…

    Só lembrando que o Guga conseguiu terminar a carreira, com h2h positivo sobre ninguém menos do que Federer.

    Ok, ok. Alguns dirão: “ah, mas foram apenas 3 confrontos”.

    Verdade.

    Bem provável que o Federer reverteria isso.

    Mas mesmo assim, foi um feito e tanto pro Mané da ilha…

    Principalmente, por causa daquela emblemática vitória em Roland Garros…

    Enquanto o Stan, parece que sempre teve bloqueio quando enfrentou o Federer.

    Uma freguesia desconcertante.

    É chato pra mim admitir isso, já que sou muito fã do Wawrinka.

    Mas…

    1. Sérgio Ribeiro

      Não dá nem pra comentar esse h2h de Federer x Guga , Rodrigo rsrsrs O Manezinho não teria chances fora do Saibro , a meu ver. E também com STANIMAL. Nas rápidas ele tinha problemas terríveis com Hewitt . Fora o Back , The Man leva vantagem ate’ mesmo na movimentação por incrível que pareça. E olha que ele foi meu Ídolo Maior até a aposentadoria. Abs!

      1. Rodrigo S. Cruz

        Bom,

        Então eu vou SEMPRE discordar dessa tua visão, Sérgio.

        Dizer que o Guga jogando hoje, não teria chances contra ninguém bom, fora do saibro, é como RASGAR a biografia do cara…

        Olha quanta gente excelente o Kuerten venceu em quadras duras:

        Sampras, Safin, Agassi, Rafter, Henman, etc…

        Mesmo que o tênis naquela época, tenha sido outro.

        Hoje, as bola são maiores, mais pesadas, as quadras rápidas são mais padronizadas, etc.

        Mas daí a dizer que o Guga não teria chances? Poxa…

        Seria quase o mesmo que dizer que o Djoko e o Nadal, não saberiam jogar na época do Guga…

        1. Luiz Fabriciano

          Esqueceram de acrescentar que o ponto que deu o h2h positivo ao Guga contra Federer foi em Indian Wells, ou seja, quadra rápida.
          No final, foi vice, perdendo do Hewitt em um jogo que mau andava na quadra depois de fazer uma semi em dois dias.

    2. lEvI sIlvA

      Rodrigo, respeito muito as opiniões do Dalcim, mas minha impressão é de que Guga foi mais jogador que Wawrinka. Claro, a opinião dele em relação ao melhor back, tem que ver com o slice do suiço no back e conseqüentemente com o fator variação. Entendo isso e acho que o Dalcim fala de uma esquerda mai completa. Contudo tenho de analisar os resultados e aí fecho contigo quanto ao Guga ser mais jogador. Citou o H2H contra Federer e sei que foi apertado, embora favorável ao Kuerten. Vou mais além na minha impressão. Em 2004, lesionado e não no seu melhor, o brasileiro deu um sonoro 3 a 0 no suíço que era então Nº 1 em RG. Perdeu , creio eu, logo na seqüência acho que pro Nalbandian que vinha jogando muito. Mas convenhamos, não havia muito o que fazer, pois olhando os Highlights via-se com convicção como perdera potência, precisão e movimentação. Tenho um outro exemplo que muito me chama atenção da capacidade de Guga de sobressair no mental, como bem diz você. Guga vs Rafter em Cincinatti 2001 Final. Numa quadra rápida, um exímio saibrista, não mais que isso e fazendo o que bem quis contra Patrick Rafter…!!! ( https://www.youtube.com/watch?v=u3speSkiGeY ) Sem contar o que fez na Masters Cup de 2000 com Sampras e Agassi, enfim, um assombro!!! Ao menos pra mim, Guga 60 x Wawrinka 40 , é o que penso. Abraço!

      1. Rodrigo S. Cruz

        Boa lembrança do Rafter, Levi.

        Eu tenho a impressão que o Sérgio deve achar que o Guga foi nada mais que um PANGARÉ.

        Porém, um pangaré que deu sorte de jogar em outra era, onde as coisas funcionavam… (rs)

        Ou seja, na era 97 à 2004, foi estrela.

        Mas hoje em dia, seria menos que o Bellucci.

        OBS: (não estou dizendo que o Bello seja pangaré, só usei alguém muito criticado como exemplo)

      2. Sérgio Ribeiro

        O grande barato, caro Levi , é sabermos respeitar opiniões. Ele realmente estava iluminado no FINALS de Lisboa. Sampras e Agassi não esconderam a admiração e a justiça. Como devolvia muito atrás da linha de base ( o que não ocorreu no evento) , e pecava na movimentação lateral e no jogo de rede, ficou com apenas um MASTERS 1000 nas duras , mesmo em seu Auge. Mas isso em nada o diminui. Ao contrário, GUGA se superava. Mas respeito a sua opinião. ABS !!!

        1. lEvI sIlvA

          Sérgio, meu caro, lembra qual a declaração que Magnus Norman fez sobre as limitações de Guga na Masters Cup? Concordo com suas colocações sobre as reais dificuldades e limitações do nosso Guga, mas devo acrescentar Kuerten ganhou de Sampras na SF indo muitas vezes à rede e teve, na minha franca opinião saldo positivo por lá. Sobre a movimentação lateral, não foi contra Agassi, a melhor devolução e contragolpe da linha de base que ganhou na Final? Enfim, todo o maior e sério problema que obrigou Gustavo Kuerten a se aposentar começou ali. Creio que, dificilmente teria muito sucesso nas duras desde então…! Abraço!

  17. Rodrigo S. Cruz

    E o Bellucci conseguiu estragar tudo.

    Duas duplas faltas seguidas, para entregar o título nas mãos dos gringos.

    Pelo menos, a campanha dessa vez foi boa, e faltou bem pouco.

    Mas a cabeça do Bello em momentos decisivos…

  18. Jonatas Bruno

    Blecaute em plena Quadra Central do Rio Open, justamente no final do espetáculo! Como ficará por assim mesmo, sò resta desejar força, ao parceiro de cena, que mal pode se recompor, e veio mais outro duro golpe!. Difícil hein!
    Nestas horas, nem o parceiro é considerado?!
    Só resta desejar boa sorte ao desafortunado, em seu próximo desafio, logo ali em Sampa.

    1. José Nilton Dalcim

      Guga escolheu alguns nomes promissores para dar apoio, incluindo investimento financeiro, e reuniu alguns nomes importantes para dar suporte em treinamentos especiais, no caso Bellucci e Soares.

  19. Luiz Fernando

    Aliassime mostrando q alem de promissor atleta é um cara de muito coração, ao brincar na quadra e se emocionar com a historia tocante do menino Pablo. Tem minha total torcida amanha e talvez no futuro…

    1. João ando

      Sim Luís está mais forte fisicamente …na última vez até perguntei ao dalcim se ele não fazia musculação. ..tem futuro para top 10

  20. João ando

    Homenagem estranha a uma ex tenista brasileira que nunca ganhou nada como profissional. .. . Com pedido de casamento. …Ana Clara Duarte foi uma Boa tenista juvenil mas no profissional …

  21. Cadu

    Dalcim, sabemos muito bem que o uruguaio “não se esqueceu de fazer a inscrição”, bem pelo contrário. Cuevas sabe que seu “ganha-pão”são esses torneios no saibro com chaves mais fracas.
    Considero um termendo desrespeito com o Bellucci toda a situação. As carreiras de Bellucci e Cuevas são bem parecidas, veja só : idade (31×33), melhor ranking (21×19), títulos de Atp (4×5), melhor campanha em GS (R16xR16). No entanto, alguns querem “vender”o Cuevas como um “grande nome”, qdo sabem bem que não é, e a própria organização não fez os esforço$$$ inicias para agraciá-lo. Com toda má/péssima fase do Bellucci, pelo histórico e potencial, ele sempre deveria ser a primeira opção de WC dos torneios nacionais -Rio e SP-, mesmo a frente do promissor Wild (que ainda não tem capacidade física para aguentar o circuito) e do esforçado -e limitado- Monteiro. Tudo muito lamentável.

  22. Renato

    400 reais!? Hahahahahahaha Não pago nem 100! Se bem que a organização tem que cobrar caro pra compensar as quadras vazias, creio eu.

    Dalcim, não sei se vc sabe dizer, mas o Rio Open é fiasco de público se comparado a outros atps-500 pelo mundo?

    1. José Nilton Dalcim

      Não, acho que está dentro da média, porque sempre consegue encher nas rodadas finais. Se você assistir jogos da tarde de Acapulco, verá que há pouca gente também.

  23. João Sark

    Dalcim, boa tarde.

    Vi o jogo do Cuevas ontem, mtu bom por sinal. Ele bate qualquer tipo de bola na esquerda. Você diria que o backhand dele, seria um dos melhores do circuito, de uma mão? Tipo top 5?

        1. José Nilton Dalcim

          Belíssimo backhand, mas teria de pensar muito para falar em top 5 ou top 10, Jonatas. Eu só sei o 1 e o 2: Stan e Guga.

          1. lEvI sIlvA

            Dalcim, meu caro, o que imagina ocorreria em digamos 10 embates entre Guga e Wawrinka ambos estando no seu melhor? É claro, tudo no campo das hipóteses, já que ambos não se confrontaram, né?

          2. Jonatas Bruno

            Ok Dalcim! Top 5 deixaria bons expoentes amontoados mesmo! Grande Guga,quem viu,viu e testemunhou!
            O seu Top 2 vai de encontro com o meu!

  24. Miguel BsB

    Esses 2 camaradas não tem vergonha na cara não? Rogerinho inho inho e Beloser? Chorões! Tem resultados medíocres há anos, o Beloser nem quali de chalenger anda furando, ranking horríveis, e querem convites pq são brasileiros? O Cuevas é muito mais jogador que qq um deles, e, mais, TRI campeão do torneio! Merecido o WC.

    1. Rodrigo S. Cruz

      Bahhh

      Não vejo a menor graça nesse Cuevas também não.

      Só ganha títulos no Brasil, e olhe lá.

      Porque esse ano deve perder do jovem Aliassime…

  25. Renato

    Que hilario djokovete dando piti por causa do que Agassi falou e como não agradou o leitor, descarregou a raiva em alguém. Kkkk

    1. Sônia

      Renato, esse cabeção americano confessou em sua biografia “métodos antiéticos” para vencer, se escrupuloso fosse, jamais daria opinião sobre qualquer tenista. Beijos.

  26. Sônia

    Puxa vida Kvitova, muito instável, tire essa pressão de suas costas, não precisa provar mais nada pra ninguém, voce é maravilhosa. E que semaninha hein Bencic? Uau uau uau, clap clap clap. Dalcim, amei o torneio de Dubai, muito legal, nós do feminino estamos muito bem com a “next gen”. Beijos.

  27. Renato

    Novak é o melhor de todos os tempos sem dúvidas, do Paraguai. Na real, Roger é o melhor e o maior até com certa folga.
    Falando no melhor de todos, que chavinha difícil em Dubai, hein? Roger é o favorito, mas com boas chances de perder.

    Hoje vai ser um verdadeiro teste de fogo pro Aliassime mostrar o que é capaz. Tenho certeza que a maioria aqui torcera por ele.

    1. José Eduardo Pessanha

      Achou difícil, Renato? Eu achei mais fácil do que o previsto. Vários vassalos no caminho e todos os oponentes fortes do outro lado.
      Abs

  28. Pedro Moreira

    Os preços dos ingressos para estes eventos no Brasil são caríssimos. Roterdã cobrava 57 euros pela mesma coisa. Só que com um elenco de jogadores muito mais atraente. Fora a desorganização do evento – vide uma quadra sem proteção contra chuva.

    Falar que é injusto abaixar os preços para um evento minguado e sem sal. É tão justo como aumentar os preços dos lotes quando vai chegando o evento. Alguns apostam que o evento ia ser legal, se organizou, e pagam com antecedência. No Rio Open, queira ou não aconteceu o contrário, o evento foi ruim e deveria abaixar os preços – a famosa “Lei da oferta e procura”, que tanto gostam de falar. Mas concorrência nessas terras, é piada.

    Fui na Copa Davis e foi a mesma coisa. Como sou um iniciante de tênis e estou aprendendo a gostar, tomei uma decisão: não assisto eventos desse tamanho no Brasil. Lá fora não sei se terei oportunidade.

    1. José Nilton Dalcim

      Pense bem, Pedro. Se você tivesse comprado ingresso antecipado a R$ 400 e hoje, ao chegar ao Jockey, visse que o valor caiu para R$ 200. Qual seria sua reação? O erro, a meu ver, é cobrar os R$ 400. Deveriam começar nos R$ 200 e, se o evento valer, subir pela lei da oferta e procura.

      1. Pedro Moreira

        Empresas de aviação de baixo custo americanas e europeias vendem os assentos restantes na véspera por preços bem mais baixo. Vários eventos culturais e esportivos adotam essa prática também.

        Agora pense que dois dos maiores eventos de tênis do país, Rio Open e Davis Cup, estavam com arquibancadas bem vazias. Tem como estimar a perda de oportunidade de se divulgar o esporte? Na minha humilde opinião, isso é quase um crime… Para um esporte popular como futebol, estádios vazios são uma piada (de mal gosto). Para um esporte dito elitista e com dificuldades de se popularizar, eu penso que é quase uma irresponsabilidade (não sei de quem, por que não sei, por exemplo, qual é a responsabilidade da CBT perante a organização desses torneios).

    2. Miguel BsB

      Nesse país somos explorados de cima a baixo, meu caro…
      Seja pelo governo, seja pela “iniciativa privada”. Tudo aqui é sempre mais caro, de ingressos para shows e eventos, esportes, carros, celulares, computadores, roupas etc…
      É uma vergonha o que se faz nesse país com sua população, população de poder aquisitivo médio pra baixo…
      Pagar 440 bozonaros pra assistir semi e finais de um torneio em que o melhor rankeado tá pra lá de 50 do mundo? Hahahaha o meu suado dinheiro não!

      1. José Eduardo Pessanha

        Um outro ponto a ser considerado no Brasil é a farra das meias entradas. Muita gente comprando ingresso de meia entrada com carteira “legalizada” pela UNE. Isso faz com que os promotores elevem o valor da meia entrada e, consequentemente, o valor do ingresso cheio.
        Abs

  29. Sérgio Cipriani

    Como me irrita a falta de sabedoria e ambição de Juan Martín no circuito… Poxa, o cara não respeita o próprio corpo. O cara já passou dos 30 anos, é um top 5 consolidado quando está bem fisicamente… Não entendo essa pira de se encher de torneios ATP 250… Será que ele não percebeu que isso o impede de competir à sua plenitude contra os big dogs dp circuito?? Ano passado foi a mesma coisa… Jogou o 250 de Los Cabos e precisou ficar de fora do 500 de Washington (que já é um torneio em que ele nem deveria querer competir a essa altura da carreira) e foi prejudicado no Masters do Canadá… Esse ano, insiste com Delray Beach e já perdeu Acapulco… Claramente escolhe mal os pontos do ranking que disputa. Aí atinge um bom ápice nesses torneios… Às vezes voando… Mas quando chega nos grandes, o corpo já está em descendente… Que desperdício. Torneios menores são bons para jogadores novos e ascendentes no circuito, com a intenção de somar pontos e se estabelecer na parte de cima do ranking… Para aí sim, jogar só as grandes competições.

    1. Babidi

      Concordo plenamente com você, cara. O Del Potro realmente escolhe mal os pontos para o ranking. Acho que falta um planejamento melhor pra ele quanto a isso. Um cara que já tem um histórico de lesões considerável deveria preservar melhor o corpo para os torneios mais importantes.

    2. Sérgio Ribeiro

      O Big Dog ou Cachorrão ( coisa de P. Cleto e seus seguidores ) , com essa montanha de ATP 250 ( a la’ Connors ) , também possui mais Vitórias que Marat Safin mesmo tendo ficado muito tempo parado por lesões. Logo , esse tipo de comparação não serve pra nada. Pior é insistir com Sérgios Ribeiros da vida , que jogadores ” normais” como Monfils, jamais teriam mais vitórias que ” gênios” como Rafa e Novak . Argumentos toscos de Ciprianis da vida… Abs!

      1. Sérgio Ribeiro

        Ps. Mesmo assim ele insiste em nunca jogar em casa o ATP 250 de Buenos Aires. Para irritação dos Hermanos com uma seca desde 2008. E nós desde 2004 com GUGA. Não é somente Brasuca que treme em casa rs Abs!

    3. Mario César Rodrigues

      O ganha Pâo dele é este mesmo 250 lembra de Estoril,ele leva um por fora.quase sempre ganha e os outros torneios ele vai mas sem muita chance,uma histórico de lesáo,não treina o que se exige para um nivel desses basta ver desde a volta dele!Fognine vive de que?

    4. Jonatas Bruno

      O Del Potro deve ter se valido pelo cachê em primeiro lugar. E em segundo,para adquirir ritmo de competição. Ainda assim, é preciso saber respeitar os limites do corpo, e ter bom senso é essencial.

    1. José Nilton Dalcim

      Em termos de momento, Rogerinho merece mais que ele, sem dúvida. Mas se pensarmos em termos de atrativo para o público, Bellucci seria melhor opção.

  30. Tulio Medeiros

    Dalcim, com a semifinal no Rio em simples, e tendo em vista que o Cuevas esta inscrito no qualy em SP, ele não entra na chave como Special Exempt? Se sim, sobraria mais um convite!

  31. Jonatas Bruno

    Em termos circunstanciais, não sei até que ponto seria bom,Thomas e Rogério terem disputado o qualy no Brasil Open! Fatores como desgaste mental e nível de concentração acho que seriam entraves,exatamente no dia posterior a uma possível derrota nas duplas. Vale lembrar que a perspectiva de entrar na chave seria razoável,devido ao atual momento dos brasileiros.
    Comparando perspectivas, alcançarem o título é mais razoável, além de dar valor e confiança tão necessários para os objetivos excedentes.
    Acho que o desabafo dos brasileiros tem mais a ver com a questão da vaidade (compreensível), do que a desconsideração com os atletas da casa. A meu ver não foi bem assim, já que o que pesou na opção pelo Cuevas, foi o contexto histórico e o do momento. Frustrante de fato, pelo fator nacional, mas coerente pelo fator racional!

    E por fim, Cuevas e Aliassime, os reversas de luxo!
    Esta rodada promete! 2 a 1 é um bom prognóstico.
    Acho que o diferencial, será o que tiver o melhor contra-ataque, e observo que o uruguaio executa melhor a transição da defesa para o ataque. Vamos aguardar.

    1. Mario César Rodrigues

      Cuevas não vai ganhar!agora quanto ao WC o Brasil Open deu dois Thiago,e o mala do WILD,o que Belo e Rogérinho estáo reclamando?Já que queriam jogar o Quali ué erafácil perdia as duplas mas ai vemea grana a eles vão dar o WC para nós cara o mundo é cercado deinteresses!

    2. Jonatas Bruno

      Completando a linha de raciocínio, a questão do quali nem entrou no mérito da questão e sim o convite restante ter sido dado a um não brasileiro.
      Neste caso,até teriam condições de entrar direto na chave, já que daria tempo hábil para o descanso e as adaptações necessárias.
      Agora,será que o protesto foi válido? Pois além do convite já ter sido dado e aceito, causou um certo desconforto com o Cuevas, mesmo o enaltecendo.
      Entendo a imensa vontade de representar bem o Pais e de querer mostrar serviço. Mas mesmo assim…
      Talvez tenha polemizado, mais que os próprios.
      De qualquer forma, o assunto abordado, requer opiniões e gera discussão. Eis a minha.

  32. Luiz Fernando

    Creio q todos estaremos torcendo mais tarde p Bello e Rogerinho, justamente os dois q tem despertado “disputas” entre torcedores aqui no blog. Com a derrota da dupla favorita ontem, creio q podem perfeitamente vencer. Nessa semana tem chamando a atenção o jovem Aliassime, pela potencia e agressividade, detonando os adversários com winners e mais winners, fazendo jus aos comentários q ha tempos vejo o Pessanha fazer a respeito dele. Aparentemente trata-se de um futuro campeão, com a ressalva q tem problemas de saude, ainda esta muito viva em minha aquela cena dele chorando abraçado ao Shapovavolv não me lembro em qual torneio.

  33. carlos itamar pereira

    Dalcim,

    Estive no Rio Open ano passado e percebi que na verdade tem muita gente que não compra ingresso por recebê-los de cortesia.
    Vi os jogos desde segunda mas me recusei a pagar pelas semis e finais justamente por não concordar com o valor.
    Ficou parecendo que no fundo eu tava subsidiando os ingressos cortesias da cariocada vida boa.
    Resultado: Não fui esse ano .
    Abs.

    1. José Eduardo Pessanha

      Olha, se você pesquisar direitinho quem recebe essas cortesias, irá descobrir que grande parte dos contemplados não é carioca…mas fica mais fácil julgar pelo estereótipo, né?

  34. Rubens Leme

    Os dois lados têm razão. Os tenistas, por serem pouco prestigiados, ainda mais, sendo paulistas e, os organizadores por saberem das campanhas pífias dos dois, sendo que Bellucci chegou a ser vaiado em 2013, quando caiu para o Volandri e já admitiu que se sente pressionado jogando no Brasil, fato que dificilmente mudará nesta fase terrível de sua carreira.

    Dar conselho é inútil porque todos vivemos com nossa consciência, mas o fato é que nenhum deles transmite confiança ou mesmo carisma.

    1. José Nilton Dalcim

      Não. Ele só poderia pedir para os outros dois 500 da semana. Fora isso, seu jogo terminou depois de sorteado os qualis.

  35. Felipe Santos

    Total falta de respeito com o Thomaz, uma pena não valorizarmos nossos ídolos e “babar ovo” de uruguaio. Prefiro pagar R$ 500,00 pra assistir um brasileiro do que R$ 0,01 pra ver o Cuevas.

    1. Rodrigo S. Cruz

      Os grandes beneficiados foram o Monteiro e o Wild.

      Ambos com convites, tanto no Rio como em São Paulo.

      Agora, essa do Pablo Cuevas, foi grave mesmo.

      O cara esqueceu de se inscrever, e mesmo assim recebeu o convite…

    2. Geailton

      Nossos ídolos não, seisso. Não torço só pra é brasileiro. Um jogador que vc vê mãos notícias de derrotas do que vitóriase não deveria ser idolo de ngm

    3. Miguel BsB

      Pagar 500 pra assistir o bellucci? Hahahaha
      Bom, cada um sabe o que faz com seu dinheiro…
      Mas só avisando, esse seria o ingresso de 1 rodada mais caro do mundo, mais caro até que Grand Slams rsrs

    4. Eduardo

      concordo 100%, mas invertendo os nomes…rsss O Cuevas eleva o nível do torneio e convidar os brasileiros é perder um convite e dar $$ pra quem não merece ou justifica em quadra só por ser brasileiro. Sem falar que os 2 já estão em fase de carreira que não precisam de um empurrão pra engrenar, estão só capitalizando o que podem mas sem perspectiva nenhuma de carreira e entrariam no torneio pra perder logo.

  36. Wagner

    Boa noite Dalcim você acha que o título de duplas ou mesmo a final aumenta um pouco a confiança do Bellucci para o resto da temporada,acho que ele deveria jogar mais duplas para poder aumentar a confiança dele e tentar voltar ao top 100 , vi que ele vai entrar pro time do guga isso vai ajudar ele concorda?

    1. José Nilton Dalcim

      A presença dele no Time Guga é muito mais como conselheiro do que como jogador, mas sem dúvida ajuda. Sempre achei que ele deveria jogar mais duplas, o que ajudaria a pegar ritmo e confiança e ficar mais tempo nos torneios.

Comentários fechados.