Djokovic dá a resposta
Por José Nilton Dalcim
25 de janeiro de 2019 às 08:55

Menos de 24 horas depois de Rafael Nadal chocar o tênis com uma exibição mágica, Novak Djokovic deu uma resposta à altura e, de forma ainda mais veloz e contundente, garantiu sua sétima presença na final do Australian Open, onde ninguém até hoje conseguiu derrotá-lo. É o ‘revival’ de sete anos atrás, única vez em que os dois se cruzaram na Rod Laver, e ficaram ali por 5h53.

A vitória esmagadora de Djokovic sobre Lucas Pouille nesta sexta-feira serviu para colocar ainda mais molho na decisão histórica do próximo domingo. Seguiu o modelo do espanhol diante de Stefanos Tsitsipas, ou seja, fez uma exibição alucinante, cheia de lances de grande qualidade, saque muito eficiente, devolução forçada, precisão irritante nas trocas de bola e trabalho de pernas invejável. Destaque para a agressividade do forehand do sérvio, com menos spin e maior antecipação.

A questão sobre o eventual desgaste por fazer sua semifinal um dia depois de Nadal nem cabe mais, já que seus dois últimos jogos no torneio foram rápidos, mas é uma situação que os organizadores poderiam rever. Compreensível o desejo pela venda de ingressos ao separar as rodadas, porém fica o risco de uma desigualdade que tenderia a prejudicar justamente o momento mais importante do torneio: a final.

O fato é que Djokovic e Nadal chegam para o 53º capítulo do duelo mais repetido do tênis profissional na mais absoluta igualdade de prognósticos. Bem diferente da batalha de Wimbledon do ano passado, quando Djokovic ainda tentava reagir na carreira e estava um tanto longe de seu melhor tênis.

Se por um lado Nadal mostra o estilo mais agressivo e eficiente que me lembro de ele ter obtido na longa carreira, Djokovic é um adversário que cobra caríssimo por erros não forçados, exigindo perfeição constante de qualquer oponente e atenção redobrada com os games de serviço.

Seu histórico recente contra o canhoto espanhol é expressivo, com 12 vitórias e apenas três derrotas (e no saibro) desde a final perdida no US Open de 2013. Certamente isso tem muito a ver com a decisão de Nadal em mudar o saque e adotar atitude ofensiva para uma temporada em que sabe que Nole será seu principal concorrente na maior parte do tempo.

O Australian Open não poderia terminar com expectativa maior: ou Nadal será o primeiro homem com dois troféus em cada Slam e ameaçará Roger Federer com o 18º título, ou Djoko marcará o recorde absoluto em Melbourne, deixará Pete Sampras para trás com 15 Slam e, o mais incrível, ganhará seu terceiro Slam consecutivo pela terceira vez na carreira, algo totalmente inédito no tênis profissional.


Comentários
  1. Romão Gomes

    A final de hoje confirmou uma convicção minha: Nadal nunca mudou, e nunca vai mudar seu jogo. Não é raro ouvir especialistas dizendo que Nadal está mais ofensivo e tal. Amigos, o que ocorre é que,dada a idade, Nadal tem procurado abreviar as partidas contra jogadores que não lhe oferecem riscos. Mas, sempre que enfrenta um oponente a altura, volta aos balões e a receber o saque lá no fundo da quadra. Não é uma critica, pois foi com este jogo que ele se tornou um mito, e não acho que ele deva mudar, pois isso poderia abalar sua confiança. Mas é obvio também que, estando em forma, O Nole sempre irá tirar proveito dos balões jogados em sua esquerda, que tanto incomodam os outros jogadores, especialmente o Federer.

    Responder
  2. Rildo Reno Custodio

    Gosto muito do seu blog. Pra mim, independente de quem ganhe amanha (Nadal x Djokovic), pelo que eu vi acredito que os dois continuarão dominando o tênis ainda por um bom tempo. Apesar de estarem surgindo novos bons valores não vejo ninguém no curto prazo para ameaçá-los. As duas coisas que podem atrapalhar seriam contusões ou desmotivação (que eu não acredito). Acho que o recorde de slams do Federer vá ser ultrapassado pelos dois. Abçs.

    Responder
  3. FABIO ARAUJO SILVA

    Dalcim, na verdade são 68 jogos que Naomi Osaka não perde quando ganha o primeiro set, incluindo 1 qualifying de Stuttgart de 2017, 2 da Fed Cup de 2017, 1 do qualifying de Toronto 2018, 2 do qualifying do Catar 2018, 1 da Fed Cup 2018 e 1 da Copa Hopman 2018.

    Responder
  4. Sérgio Ribeiro

    Estamos cansados de saber que Novak tem o antídoto para os Spins altos do Espanhol , devido ao seu excepcional Back de 2 duas mãos. Pega na subida e com direito a Winners na paralela. Aquele Rafa Nadal lá nas placas de publicidade, ficava à mercê também das cruzadas em seu Back. O Nadal versão 2019 , passou a Sacar melhor e ficar mais próximo a base encurtando os pontos. Tem mostrado habilidades até então mal aproveitadas junto à rede. Neste quesito o vejo com um jogo ligeiramente superior. Dito isto, se o Sérvio ( continua favorito ) não conseguir empurra-lo lá pro fundo , teremos um jogo decidido nos detalhes. Acho ambos excelentes estrategistas. Os dois melhores do Circuito. Deixando de lado jogos como contra a Zebra Francesa, Novak em dificuldades me parece muito mais impaciente do que no seu auge. Vejo chances sim do Espanhol acabar com a escrita fora de seu Habitat contra o atual N 1 do Mundo. Abs ! Ps. Meu caro ando lembra o que Postamos após I.Wells 2018 ? Surgiu ou não a grande Campeã? ABS !

    Responder
  5. Marcelo-Jacacity

    Dalcim,

    O que acha da declaração do Laver acerca da possibilidade do Djokovic ultrapassar o Federer?
    Sinceramente, pra mim a questão é matemática: Nadal está apenas 3 títulos do suíço, e o Djokovic tem que escalar uma montanha gigantesca de 6 Majors para se igualar ao Federer.
    Mesmo o Nadal se ausentando em virtude de lesões, ele é muito dominante em Roland Garros e é um título quase certo, sem contar que hora ou outra abocanha um trófeu nos outros Majors.
    O jogo de amanhã clareará um pouco as tendências.

    Responder
  6. Marcelo-Jacacity

    O negócio é o seguinte:

    Se o Nadal conquistar amanhã o Australian Open, partirá com tudo para o mais que provável 19º Slam em Roland Garros e aí seguraaa o espanhol rumo ao recorde de Majors.

    Se o Djokovic quiser participar dessa festa na corrida pelo maior número de Majors, tem que ganhar de qualquer jeito o título amanhã.
    O sérvio já desperdiçou muitas oportunidades na carreira e do Big-3 é o que tem pior aproveitamento em decisões de Majors. E obviamente por estar atrás com 14 títulos não pode perder de jeito algum.
    Já se o espanhol perder, será ruim para ele, porém, não será catastrófico, pois, está bem perto do Federer.

    Responder
    1. André Barcellos

      Acho que Nadal ganhando estará bem perto de Federer. Mas se perder fica bem longe.
      Acho que não idade e estilo dele o primeiro Slam da temporada é onde ele está mais inteiro.
      Se não ganhar amanhã, pode ganhar RG, mas não acredito em outro major em 2018.
      Daí permaneceria na obrigação, nesse cenário, de ganhar mais dois com 33 anos, pra EMPATAR.

      Responder
  7. Marcelo-Jacacity

    Osaka, figuraça e joga muito! Tem um futuro brilhante pela frente, tomara que não sucumba às pressões inerentes à liderança do ranking.

    Responder
  8. Luiz Fernando

    Dalcim, pessoalmente vejo Rafa, Djoko e Federer como os 3 maiores expoentes da história do tenis, sem qualquer tipo de demérito p outras lendas vivas como Laver, Borg e Sampras. De onde vem minha visão? De dois fatos: 1) o trio, ao lado de Agassi, venceu nos 4 pisos diferentes (Laver fez o GS mas não em quatro pisos diferentes, se não me engano); 2) e principalmente pelo fato q todas as suas conquistas aconteceram em um momento no qual todos estavam presentes de forma simultanea, inclusive várias finais foram realizadas entre eles, o q valoriza sobremaneira cada conquista individual. Também não há como deixar de ressaltar seu poder de superar maus momentos, todos saíram de fases de grande contestação para novas conquistas espetaculares, e na faixa dos 30 anos, e aqui o mérito de Federer sobressai, por ser 5-6 anos mais velho. Reitero q trata-se de uma visão pessoal, sujeita a contestações, mas gostaria de ouvir sua opinião.

    Responder
    1. EU

      Hehehe….L Ferdandu….devi duer mucho pra ti admentir qui u FeDez é u milhor… visse….hehehe….purissu tu é moita…..hehehe…..o mesmu vali pru rafelzovski……hehehe too.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Que comentário infeliz.

        Na prática, você adora enfiar a mão num vespeiro, né amiguinho?

        O pior, é que sequer presta atenção no que ocorre no blog.

        O post do rapaz não teve NADA de racista. E na ocasião, eu também frisei isso.

        Ele só disse que a Serena era uma “fera”.

        Qual o problema?

        Agora, o que eu quero saber é que diabos tem a ver a minha defesa ao Bellucci, com esse assunto da Serena?

        Absolutamente nada.

        Não gosto que falem mal do Thomaz, mas nem por isso vou te rotular de racista, por fazê-lo.

        Até porque, eu não poderia fazer o mesmo com o Rogério ” Pangaré” Dutra… (rs)

        Eu hein, é cada uma…

        Responder
          1. Ed Jr

            Faz mt bem em excluir comentarios agressivos e preservar o debate saudavel, esse é um caminho pra salvar a net dos haters, todos deveriam fazer isso.

  9. Luiz Fernando

    Grande e merecida conquista da japinha da pele morena Osaka, que jogou muito, com devoluções espetaculares. Creio q não venceu em 2 sets pela ansiedade, sem desmerecer o Kvitova, que sempre q esteve abaixo no placar se superou, elevando seu nível de jg, o q ficou escancarado quando encarou 3 break/match points no set 2. A japa me parece ter dado um recado claro, após sua segunda conquista em sequencia: vim p ficar e pra conquistar no circuito, mensagem que, pex, Muguruza não conseguiu enviar após conquistar seu primeiro GS. Torci muito pela Osaka, q só me decepcionou na comemoração, julguei q fosse comemorar como Rafa e ela comemorou como japa. Comemoração a la Rafa vai ficar p amanhã…

    Responder
  10. Roberto Rocha

    Se Nadal quer realmente vencer esse jogo, não pode ficar cruzando bolas na esquerda do sérvio. Eu nunca entendi porque ele faz isso…só leva bordoada na paralela. E quando decide cobrir aquele lado, o sérvio já está confiante para cruzar winners.
    Nadal tem que trabalhar na direita do sérvio com golpes profundos e também com bolas no corpo durante as trocas. Isso dificulta a mudança de direção do sérvio e reduz o percentual de winners que ele dispara.
    Já estou preparando o meu brunch…porque esse jogo promete ir longe…

    Responder
  11. Miguel Ângelo Pereira Delfes

    Dalcim..
    Está complicado postar aqui qd se fala em previsão de jogo envolvendo estes três monstros do tênis não apenas da atualidade mas de todo o sempre..
    Q prazer poder ter tido a oportunidade de viver em uma época em q presenciamos os três maiores tenistas jogando quase q ao mesmo tempo..
    Federer começa a perder força..de repente surge das cinzas e em 2017 dá um show..inclusive vitórias incontestáveis sobre seu maior algoz..Rafael Nadal..
    Nadal..com suas contusões..estava p muitos entregue perdendo até p jogadores sem expressão..de repente..volta em 2018 com tudo e agora inicia 2019 arrasador..
    Djokovic..impecável em 2015..2017 contusão..2018 começa se arrastando..porém termina como número 1..
    Sendo assim..eu nem deveria arriscar qq palpite sobre estes 3 pois..estamos falando de 3 entre os maiores ganhadores de tudo o que diz respeito ao tênis..
    Arriscarei dizer..
    Federer tem sua última chance de um GS em Wimbledon..
    Teremos ainda pela lógica q nem sempre acontece..três anos de vida ativa p Nadal e Djokovic..sendo assim..12 GS..eu arrisco dizer..
    Federer ganha 1..total 21
    Nadal ganha 4..total 21
    Djokovic ganha 7..total 21
    Por uma diferença mínima..Federer com mais recordes..aclamado como a maior expressão do tênis..
    E tem mais..quais conquistas..qtas semanas será q qq um destes 3 teriam conquistado a mais se não tivessem dois mas um concorrente á altura como quase sempre foi o q acorreu n passado ?
    Percebo q vc não compactua com este tipo de tarõ rs mas..
    O q vc acha ? rs
    PS..magino q teremos uma das mais belas e disputadas partidas de tênis das últimas décadas..
    Uma verdadeira dádiva dos deuses do tênis p nós simples mortais rs..

    Responder
  12. ROMAO GOMES JULIO DE MELO

    Amigos, acho muito pequeno diminuir alguem para exaltar seu adversário. Pequeno e tolo. Mas, o que me incomoda no Nadal, é como ele sempre volta de suas contusões melhor do que antes e, principalmente, como ele nunca está contundido na temporada de saibro.

    Responder
  13. Jonatas Bruno

    O tempo passa e a velha guarda não baixa a guarda. Desta vez, coube ao francês reestruturado ser sugado.
    Uma surreal e realista idéia a “implantar”:
    Fazer os remanescentes do Big Four, entrar na chave só na final. Até lá, dar oportunidade para os demais formarem parceria na chave de duplas com os “Imortais”!
    Aula grátis! E ainda com chances de dividir o lucro!

    O que esses célebres finalistas, seguem “aproveitando” é fora da curva! Transcende eras medievais!
    E assim segue a escrita, em mais um duelo dos dinossauros do tênis.
    Apesar de… Vai ser divertido!
    Nesta insana e implacável luta dos gladiadores, que vença o ultimo dos moicanos.

    Responder
  14. Ricardo - DFe

    Dalcim,
    Na entrevista do desolado grego, ele afirma que não entendia como Federer tinha vencido tantas vezes Nadal, se seus estilos são parecidos. Isso, aliás, virou piada aqui no blog, pois ficou parecendo que o grego acha que pode se comparar ao suíço por ter vencido uma vez ele – aos 37 anos…
    Enfim, na resposta dos comentaristas, além do óbvio “ele não é Federer”, dois argumentos que surgiram foram o saque e o backhand. O suíço é muito superior em ambos, a backhand suíço anda mais, e ele ainda pega na subida, encurtando o tempo de respostas.
    Concordas? Na verdade, Federer é superior em tudo ao grego, na curta, no voleio, no smash, nas pernas.
    Se fosses dar um conselho ao grego, qual seria ?

    Responder
  15. Marcos RJ

    E enquanto isso… a Nextgen vai ter que ficar de molho e esperar pelo declínio do Big-3 (ou 2.75 nesse momento), para enfim ter a chance de beliscar um GS.

    Responder
  16. Barocos

    Rapaz, isto está parecendo decisão do campeonato paulista entre o Parmeira e o Curintia. A torcida adversária (outros times) está assim dividida:
    – 10 % torcem contra o Corinthians;
    – 10 % torcem contra o Palmeiras;
    – 80 % torcem contra os dois !

    Ajde Djokovic !

    Responder
  17. Lucas Duarte Parra

    Dalcim…quando Djokovic jogou Australian Open 2011 ele tinha 1 Grand Slam contra 9 do Nadal,sendo que a diferença de idade é de aproximadamente 1 ano…porque Djokovic demorou tanto a jogar nesse nível?ou Nadal que foi muito precoce?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Nadal certamente foi precoce. Djokovic demorou sim a ganhar um padrão definitivo em seu jogo, embora se desse bem fora dos Slam, vencendo até um Finals.

      Responder
      1. Criatiano

        Não é somente isso. Djokovic apresentou no início da carreira um problema que comprometia o seu desempenho como atleta. Portador de doença celíaca – intolerância a glúten – ele precisa seguir uma dieta rigorosa. Dizem que após a descoberta de tal doença, ele conseguiu controla-la o que o ajudou no seu desempenho.

        Responder
      2. Naira

        Além do problema de intolerância a glúten, temos que levar em consideração que o Nadal nasceu e cresceu em um grande centro formador de tenistas na Europa. O mesmo podemos afirmar do Federer. Já o Djokovic teve que sobreviver a uma guerra na infância.

        Responder
          1. Naira

            Dalcim, entendo o que voce quer dizer… que houve uma “compensação” pelo fato do Djopkovic ter treinado, quando adolescente, na Italia; mas ainda penso que “talvez” se o Djokovic tivesse uma melhor estruturação na infância, “talvez” o problema de saúde dele tivesse sido descoberto e tratado precocemente. Imagino, que em período de guerra, problemas de saúde devam ser mais difíceis de serem descobertos e tratados. Lembro de uma entrevista do Djokovic onde ele disse que treinava paredão dentro de uma piscina vazia de um hotel abandonado durante a guerra, então, penso que “talvez” se ele tivesse uma melhor estrutura de treinamento na infância, sua genialidade pudesse ter aflorado mais cedo; mas uma coisa é certa… nunca saberemos a resposta… sempre será um “talvez”…

  18. Rafael

    Até o dia em que Nadal e Djokovic se aposentarem, na minha opinião, não dá nem pra discutir quem é o maior jogador de todos os tempos. O que dá pra discutir é a distância entre eles, que está diminuindo consideravelmente. Djoko pode passar o No. de semanas como No. 1 e Finals, Nadal pode empatar ou passar em SLAMS. Os dois já passaram e abriram folga em M1000.

    Por enquanto, não vejo dúvidas de que Federer ainda seja o maior. Acho até injusto (e simplista) comparar os momentos dos 3.

    Vivemos numa era onde querem enterrar gênios ainda em atividade, affe.

    Quanto a essa final, é a maior rivalidade do tênis, sem dúvidas. Espero que dê Djoko, mas Nadal está merecendo muito, também.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Falou tudo, Rafael.

      Procuram de tudo pra enterrarem um gênio, por mera implicância…

      Querem respeito pelo Nadal e pelo Djoko.

      Mas o respeito pelo Federer é zero…

      Como já dia Eistein:

      ” Duas coisas eu reputo por infinitas: o universo, e a estupidez humana”.

      Responder
  19. Feelog

    Depois da declaração do Tsitsipas (como o Nadal conseguiu vencer o Federer por mais de 10 vezes), eu como viciado por números fiquei pesando qual dos jogadores tinha conseguido derrotar o BIG 3 pelo menos 1 vez mas só os jogadores que conseguiram derrotar os 3, então procurei no site de estatística que conheço e não é que tinha mesmo, segue abaixo para os interessados:

    Vitorias sobre o BIG 3 somadas
    29 Andy Murray 
    17 Juan Martin Del Potro 
    16 Jo Wilfried Tsonga 
    14 Lleyton Hewitt
    13 Tomas Berdych 
    11 Andy Roddick
    11 David Nalbandian
    11 Stan Wawrinka 
    10 Nikolay Davydenko
    07 Dominic Thiem 
    07 Ivan Ljubicic
    07 Kei Nishikori 
    06 Fernando Gonzalez
    06 Juan Carlos Ferrero
    05 Arnaud Clement
    05 Marin Cilic 
    05 Nick Kyrgios 
    04 Gilles Simon 
    04 Julien Benneteau 
    04 Robin Soderling
    03 David Goffin 
    03 Jurgen Melzer 
    03 Mario Ancic
    03 Xavier Malisse

    Ficaram de fora muita gente nomes como Ferrer, Anderson, Monfis e o único da nextgen é o Kyrgios.

    Responder
    1. Jonatas Bruno

      Feelog, ter deixado o Ferrer abaixo de três, pode estar certo que esta fonte de pesquisa é uma tremenda furada!
      Nem sei quem compilou estes dados, mas é gritante a imprecisão!
      O notável espanhol, tem por volta de 10 triunfos ( somados) contra o big 3. Ao menos contra dois deles, o que coloca-o numa posição honrosa.

      Prezado(a) sugiro que busque as fontes oficiais que regem o tênis. Estas sim tem 100% de credibilidade.

      Responder
      1. Feelog

        Jonatas,

        O site é 100% vc que não deve ter entendido o do Ferrer não conta pois ele nunca venceu Federer são 17 a 0, por isso que não conta.

        A lista trás apenas jogares que ganharam dos 3 jogadores (Federer, Nadal e Djokovic)

        Responder
        1. Alessandro Sartori

          O Monfils ter ficado de fora é normal, circense apesar de boa habilidade e solidez, jogasse um pouco mais sério chegaria mais longe, ainda ganhou de prêmio na reta final da carreira a super valorizada(na beleza) Esvitolina, mas que pra ele tá de mto bom tamanho…

          Responder
        2. Jonatas Bruno

          Realmente, enfatizaste bem em sua postagem! Feelog! Preciso de óculos urgente! rs
          Pode ter sido a pressa de correr logo minhas leituras, já que gosto de ler à todos e até então percebi que surgiram dezenas de postagens para ler.

          Fica o aprendizado: Atenção redobrada à cada momento!

          Responder
      2. Eduardo

        Caro Jonatas,

        Antes de criticar alguém , aprenda a ler o que o outro escreve. O colega foi bem claro no comentário que a lista só inclui tenistas que ganharam AO MENOS 1 VEZ DOS 3 INTEGRANTES DO BIG 3!

        E o Ferrer NUNCA Ganhou do FEDERER. Tem 17 a 0 CONTRA!

        Conselho: Leia 3x antes de criticar!

        Abraço!

        Responder
        1. Jonatas Bruno

          Na verdade, Renato não foi uma crítica, apenas dei uma sugestão! Ainda assim, caiu por terra, porque fui infeliz na observação devido a afobação na leitura.
          A propósito, me referi a dois dos “Figurões”, obviamente não pus o Federer na conta.
          Conforme disseste reler outras vezes faz toda a diferença! Valeu pelo toque.
          Abraço.

          Responder
  20. Leonardo T.

    Dalcim,
    Não gosto da pessoa nem do jogo do Djokovic, mas acho que ele ja está merecendo entrar no panteão das lendas do seu “Nunca duvide de…”, não? Haha.
    Essas mensagens subliminares de um jogador para outro são incriveis. O psicológico é tudo no tênis!

    Responder
  21. O JR7

    Olha.. eu achei que o francês não jogou mal como alguns colocaram. Vi bons lances em que teve a inciativa do ponto e procurou sempre o ataque. A bola estava andando muito até. A questão é que do outro lado o carinha sempre devolve mais uma, sabe se defender e contra-atacar como poucos. Daí realmente fica difícil de vencer. Foi bem mais mérito do sérvio pelo seu estilo regular e consistente.

    No momento, se fala do saque do espanhol como uma arma a mais nessa final, mas lembremos que o sérvio ganhou, por exemplo mais recente, do Anderson em Wimbledon, numa quadra bem mais rápida, com várias quebras. Então, não acredito que esse fundamento será tão decisivo na final de Domingo. Ainda penso que o back do Nadal evoluiu bastante – não que lhe fosse uma fraqueza – mas por aquele lado o sérvio encontrou uma entrada pra começar a ganhar mais partidas e com certeza será um lugar bem mais difícil de ser explorado.

    Como eles já se conhecem bastante não acredito em surpresas táticas. O que não vai faltar é aquela conhecida entrega que todos já vimos nesse carimbado duelo.

    Responder
  22. Thiago Silva

    Espero que a zebra dê as caras no domingo, pelo que o Cotonete apresentou hoje, chega mais favorito ainda à final.
    Apesar de o Pouille ser um pouco inferior ao Tsitsipas, nem viu a cor da bola, o grego ainda conseguiu equilibrar um set.

    Responder
  23. Juscelino Júnior

    Dalcim, você acha que nesta final os dois gênios chegam mais igualados física, técnica e mentalmente do que na final do AusOpen de 2012, quando Novak vinha de 6 finais consecutivas vencidas sobre Rafa??
    Abs

    Responder
  24. André

    Dalcim, não assisti ao jogo djoko x pouille então não tenho como opinar sobre a performance dos jogadores. Mas essa vitória arrasadora do djokovic se deve unicamente a sua performance ou o pouille não jogou nada?

    Responder
  25. Marcos RJ

    A rodada de ontem não foi surpresa de forma alguma. É impossível duvidar da competência de Nadal ou de Djokovic e a final tem tudo para ser excelente. E a final feminina também promete ser especial embora por ingredientes bem diferentes. De qq forma um início de temporada perfeito para os circuitos masculino e feminino. O AO2019 deve destruir o recorde de público anterior.

    Responder
  26. sander

    Dalcim, vc falou hoje sobre a mudança do forehand do Djokovic. Ele fez isso para se adaptar ao jogo contra o Pouille ou vc já vem notando uma mudança?
    Outra coisa: o backhand dele sempre foi muito bom. Hoje, vc acredita que o backand dele ainda é melhor que o forehand?

    Parabéns pelo blog e comentários.
    abç

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ao menos nestes jogos da Austrália, ele não tinha mostrado um forehand tão chapado. Mas o backhand continua sendo seu grande golpe.

      Responder
      1. Marcelo-Jacacity

        Dalcim,
        No torneio exibição em Mubadala, o Djokovic bateu várias vezes o forehand chapado com bem menos spin. Já em Doha bateu menos chapado.
        Provavelmente o sérvio esteja querendo definir mais rapidamente os pontos e se cansar menos, afinal, já não tem mais 20 e poucos anos.

        Responder
  27. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, uma coisa bem cristalina pra mim é que o Federer saltou 5 degraus em relação aos seus rivais mais velhos no circuito (Safin, Agassi, Hewitt, etc.). Isso coincidiu com o surgimento do Nadal, que claramente moldou seu jogo e sua carreira para bater Federer. Já Djokovic, que surgiu 3 anos depois de Nadal, aproveitou muita coisa dos dois. Isso posto, pode-se afirmar que o Federer foi a mola propulsora do Big 3. Djokovic e Nadal são o que são hoje, em termos de técnica, preparo físico, carisma e atitude, por causa da existência de um certo Roger Federer.
    Abs

    Responder
    1. Sérgio Cipriani

      Cara, Djokovic até concordo… Acho até que ele já falou algo nesse sentido… Mas Nadal não… A diferença de ápice entre eles é pequena para um já se moldar especificamente para tal jogador… Lembrando que Nadal bateu Federer já em 2004 na quadra dura de Miami, se eu não me engano… Federer tinha vencido apenas WB/03 e AO/04 antes desse jogo. No ano seguinte, em 2005, Nadal já era campeão de Slam… Ou seja, apesar dos 4 anos e 10 meses de diferença, em termos de circuito, são praticamente da mesma geração.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Acho que isso nem precisaria se discutir mais…

        O próprio Nadal já deu várias declarações.

        E ele afirma que jamais seria o jogador que é, sem a rivalidade com o Federer e com o Djokovic.

        Responder
    2. Thiago Silva

      Que piada, Nadal moldou seu jogo pra ser o melhor do saibro, a consequência disso foi espancar os backhand de uma mão.
      E se o Federer não existisse, não teria mudado nada na evolução do espanhol, Nadal ainda teria uns slams a mais.
      Quem passou anos tentando aprender a ganhar do Nadal foi o Federer, demorou mas conseguiu uma sequencia pequena em 2017.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        O Guga pra mim, veja bem, PRA MIM, tinha mais empatia natural do que o Federer…

        Mas é impossível quantificar carisma. E obviamente eu não falo em nome de todos.

        Já que o número de fãs do suíço é muito maior, pelo simples fato de que as conquistas dele são muito maiores.

        Contudo:

        acho que se o Guga tivesse conquistado o mesmo tanto que o Federer, ele teria o mesmo número de seguidores.

        Talvez, até mais…

        Responder
  28. Ronildo

    Pelo andar da carruagem e até por causa da idade de Federer, que tá fazendo milagre com a idade que tem, acho que o que temos no circuito masculino de tênis no presente momento é um BIG TWO. Para falar a verdade foi até bom para o Federer perder para o Tsitsipas. O Federer não tava preparado para vencer Nadal na semi-final, pois Nadal elevou muito o nível de seu tênis. Além do mais o Agut iria tirar muita energia dele.

    Se eu fosse o Federer eu “encerraria” a carreira agora e ficaria treinando escondido da mídia e cuidando do físico. Daí, passados 2 anos, depois que Nadal e Djokovic encerrassem suas carreiras, eu voltaria novamente! Kkkk

    Responder
    1. Hugo Leonardo

      Colega,
      A beleza do esporte está na competitividade. Serena, Vênus e Roger são clássicos. Eles sempre nos prestigiaram c/ lances bonitos, jogadas construídas. Nadal e Djokovic estão em belíssima forma. Manhã de Domingo perspectiva de um grande jogo. Sou fã do Federer. Aposto em Nadal 3 sets a Zero. O conjunto quadra, bola, forma física favorece o jogo dele.
      Abraços,
      Hugo Leonardo

      Responder
      1. Anti anti-jogo

        Kkkkk….. sim, “favorec”e muito kkkkk… o fato de ser no torneio que Nole já venceu cinco vezes, e em superfície que venceu os lçtimos 14 sets contra Nadal, tornam o Nadal favorito!!! kkkkk Primor de lógica invertida…

        Nadal pode vencer, mas nada a ver com bola ou piso.

        É cada uma…

        Responder
    2. Leonardo lima

      Não vamos ser imediatistas, concordo que talvez essa seja a última temporada de alto nível do federer, mas ele ainda é sim, mt competitivo, vamos esperar o continuar da temporada, principalmente os masters americanos e wimbledon.
      Calma jovem,rs .

      Responder
  29. Mike

    Rodrigo S. Cruz

    Não respondo a fakes…

    ____________________________________________________________________________

    E porque respondeu antes e se incomodou com a risada então ? Seja mais criativo na próxima vez e não simplesmente copie a mesma resposta com crtl c crtl v do seu amigo Renato, seu bobo-hipócrita.

    Responder
      1. Mike

        Toda vez que posto algo, alguns vem com essa frescura de que sou mário césar ou o rafael, não é possível que não percebam a diferença do padrão de escrita de mim pro mário césar, sobretudo no uso da vírgula que quase nunca ele usa e na concatenação de ideias que muitas vezes é feita de forma pueril.

        Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Ah tá.

      Criativo agora foi você, né?

      Que acabou de me copiar na cara dura, apena strocando ” bobo-alegre” por ” bobo-hipócrita”.

      kkkkkkk

      Putz… muito bizarro!

      Responder
  30. Marcelo

    Nadal está jogando num nível que jamais jogou. Atropelando seus adversários com um repertório gigante de ganhar os pontos. Se ele já era um monstro jogando o que jogava, agora com um saque afiadíssimo e com uma rede excelente fora o que já tinha, acredito que Nadal leva essa.
    Ficará 27×26 o confronto direto e Nadal estará a 2 GS do Federer. Nadal tem que controlar o emocional. É só jogar o que vem jogando que ele ganha de 3×1

    Responder
  31. Daniel

    O Nadal sempre jogou agressivamente contra adversários de ranking menor que não o preocupam muito. Nesse AO, não levou nenhum jogador que realmente o preocupasse e como quebrou os adversários rapidamente, a confiança cresceu.

    Vamos ver se realmente é um novo Nadal se ele manter essa postura agressiva contra um exímio devolvedor de saque, que é completo e super regular. Não me surpreenderia do espanhol se intimidar e voltar pro estilo limpador de para-brisa.

    Em todo caso, eu dispenso essa final de “Maratenis”. O estilo de ambos não me agrada, é só solidez da base praticamente. Na essência é isso. Muita qualidade na trocarão de bolas, aliada a um físico e agilidade acima da média. Variação, slices e voleios quase inexistentes.

    Vou ler um livro e correr no parque que eu ganho mais.

    E fica o destaque negativo mais uma vez para a lenta e inexistente renovação no Tênis masculino. A facilidade com que Nadal e Djokovic chegaram na final de um GS, com um tênis arroz com feijão, na casa dos 32 anos, representa uma vergonha para todos aqueles tenistas que estão na faixa dos 22 a 29 anos. Duas gerações inteiras que não vingaram e os finalistas desse AO estão sabendo aproveitar bem esse cenário de concorrência baixíssima pra chegar nas marcas do Federer. Uma pena.

    Responder
    1. Robson

      Se Nadal e Novak tivessem a mesma idade do seu ídolo suíço, não tenho dúvidas que seu ídolo suíço teria uns 10 SLs a menos,pq só pegou babas entre 2003 e 2005.

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Você já tinha o Sítio nesta época, caro Robson ? Desde quando jogadores como Safin ,Hewitt, Nalbandian eram babas ? Os dois primeiros venceram SLAM batendo Pistol Pete Sampras em Sets diretos no USOPEN. Sendo que o Australiano continua sendo o mais jovem N 1 do Mundo até hoje. Pode crer que segunda você volta a se esconder no Sítio kkkkkkkk Abs!

        Responder
    2. Marcelo

      Comentário de quem é torcedor e não enxerga nada do que está acontecendo no tênis. Federer é um monstro mas está 23×12 no confronto direto para o Nadal. Os 3 estão entre os melhores da história. É fato goste ou não .

      Responder
    3. Anti anti-jogo

      COmentário estava bom até mencionar o Federer desnecessariamente…

      Sim, concordo. O problema não é eles chegarem à final NOVAMENTE. O problema é COMO chegaram… Um sem perder nenhum set, nem suar (só um mísero tie-break), ninguém levado ao quinto set, zero drama… Lembrem-se, por exemplo, da luta de Guga em seu primeiro Slam…. várias partidas no quinto set….

      Responder
  32. Fernando Brack

    Eu fico aqui pensando: se o ogro não conseguiu ganhar o AO em 2017, diante de Federer, num jogo de 5 sets e com quebra de vantagem no 5°, o que ele vai ter que fazer pra bater um Djokovic estalando de afiado?

    Responder
    1. Rafael Wuthrich

      Vou mais longe: se, em pior fase e em baixa, contra um Nadal jogando seu melhor tênis da carreira na grama, transbordando confiança, Nole ganhou, imagina agora?

      Responder
      1. Anti anti-jogo

        Tudo bem, entendo… mas não esqueçamos que Nole foi vice-campeão em Queens (teve até match point contra o CIlic), ou seja, já vinha crescendo….

        Responder
  33. Sérgio Cipriani

    Putz… Essa amassada do Djoko no Pouille caiu como ducha de água fria em geral… Assombroso isso. Estava todo mundo em clima de euforia e apreensão pelo desfecho do torneio (não só os torcedores de Rafa), mas Nole praticamente colocou ordem na casa. Rafa disse uma coisa sábia e muito importante ontem: “O mental vem antes do jogo”… Djoko mostrou dominar esse aspecto à perfeição. A guerra psicológica já começou. Não é menosprezo a seu adversário de semifinal, mas, como em um jogo de xadrez, você precisa estar sempre pensando rodadas a frente….

    Responder
  34. Fernando Brack

    Essa tratorada do Djoko hoje atiçou espetacularmente as expectativas para a final. Que venha outro embate de 6 hs entre os líderes do ranking. Vou ficar na frente da TV cada minutinho dessas longas horas.

    Responder
    1. Anti anti-jogo

      Deus me livre… não vejo um minuto… Só espero poder ler após a partida que Djokovic venceu e impediu mais uma mancha perpetrada pelo dissimulado-mor do tênis, aquele que dá explicações estapafúrdias sobre contusões. grunhe feito um ogro, finge humildade, etc…

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Novak soube se aproveitar bastante do monte de vezes que já treinou com a jovem Zebra Francesa. Agora, é incrível um apreciador do Tênis Arte querer uma maratona de seis horas … Felizmente os Trintões atualmente encurtam muito mais os pontos nos poupando deste terrível sofrimento. Acredito que o grande jogo não ultrapasse 4 horas. A conferir. Abs!

      Responder
  35. Chileno

    Essas semifinais ficaram com cara de Guerra Fria. Hahahaha!

    Nadal (URSS) desfilou ontem seu arsenal bélico, de maneira imponente e intimidatória para o Djoko. Hoje, o sérvio deu a resposta pulverizando o pobre coitado do Pouille (Japão) pra dar uma mensagem ao espanhol.

    A diferença é que a guerra está agendada mesmo, e será domingo. Imagino que será um bom jogo. Torço pro Nadal ser agressivo. O jogo fica muito mais interessante quando ele joga assim.

    Responder
  36. Daniel Zaitz

    Deveriam mencionar que Nadal ganhou apenas 7 vezes em 25 duelos em quadras duras contra Djokovic, isso aponta um grande favoritismo para Nole.

    Responder
    1. Alessandro Sartori

      É verdade, e não é atoa que mesmo o espanhol jogando muito e inovando, as casas de apostas já dão ligeiro favoritismo ao sérvio…

      Responder
  37. Hendrix

    Dalcin,
    Ha um erro no texto com relacao ao H2H do confronto. Nadal venceu 3 jogos apos o US Open 2013, e nao apenas 2 como citado. Alem disso, nas 12 derrotas nesse periodo nenhuma foi em final de Grand Slam, o que alias nao ocorre desde a fatidica final de 2012 na Rod Laver Arena. Finais de Grand Slam por sinal continua 4×3 Nadal, que por sinal vem de 2 faceis vitorias nos ultimos 3 confrontos, perdendo a unica num apertado 10×8 no 5 set, em jogo que poderia ir para qualquer lado. Como tudo na vida, podemos dizer que um copo esta meio vazio ou meio cheio, depende de como analisamos. Domingo e 50/50, e terei o prazer de estar em Melbourne Park pelo 2 ano seguido para acompanhar essa epica batalha.

    Responder
  38. Davi Poiani

    Que privilégio poder assistir a mais uma final entre Djokovic e Nadal. Viva o Big 3!!

    Tivemos duas aulas nas duas semifinais. Discordo dos que dizem que os adversários eram fracos. Enfrentaram oponentes muito superiores. Chegar em semifinal de Slam não é para qualquer um. Pouille e Tsitsipas fizeram sua melhor campanha neste nível.

    Djokovic passou pelo adversário hoje lembrando a época em que parecia imbatível no circuito! Devolução impecável de saque e winners neste quesito. Firmeza e solidez nos ralis. Hoje vi o sérvio bem mais agressivo do que no confronto das oitavas com Medvedev, buscando mais os ângulos da quadra. Não ofereceu chance ao adversário. Terceira final de Slam seguida após o período difícil por conta das lesões, feito notável!

    No entanto, pelo histórico e circunstâncias, gostaria de ver o Nadal vencer desta vez, vejo ele merecedor pelo brilhante tênis que vem jogando. As mudanças no saque, backhand mais afiado e potente. O nó tático e técnico que impôs na semifinal, algo que os críticos não enxergam mas que demonstram uma das qualidades do espanhol. A constante busca em aperfeiçoar seu jogo, além de superar as constantes lesões.

    Também creio que a vitória do espanhol seria um ótimo contraponto nesta gigante rivalidade entre os dois, considerando principalmente o épico embate na final de 2012 e a chance de uma revanche, 7 anos depois. Algo interessante para a história do esporte.

    Mas em Roland Garros irei torcer novamente para que Djokovic supere Nadal, já está na hora de alguém terminar com a hegemonia do espanhol no saibro. Vai ser muito bom também ver Federer conseguir chegar longe por lá!

    Com mais esta final já são 52 títulos de Grand Slam para o Big 3. Algo sem precedentes! Dificilmente haverá outra rivalidade neste nível no tênis, com os 3 melhores de todos os tempos jogando ao mesmo tempo!

    Ao invés de ficar em intrigas entre fãs de um ou de outro, aproveitemos esta era meus amigos!! Isto não irá se repetir novamente e até mesmo alguns críticos irão sentir saudades… E viva o Tênis, este nobre e belíssimo esporte!!

    Responder
    1. Fernando Pauli

      A chance do Big 3 vencer os próximos 3 GS desse ano, provavelmente está na casa dos 80%. Se isso realmente acontecer, teremos um domínio de praticamente 85% de aproveitamento de 2004 até 2019 ( 54/64 ). Desses 16 anos, 8 com 100% de aproveitamento ( 06,07,08,10,11,17,18 e 19 ), seis anos com 75% ( 04,05,09,12,13 e 15 ) e apenas dois anos com 50% (14 e 16 ). Note que de 2006 a 2012, com 28 GS jogados somente dois não foram vencidos por eles ( US 09 e 12), ou seja 7 anos com 93% de aproveitamento. Em se realizando o domínio completo do big 3 nesse ano, se repetirá pela segunda vez o triênio absoluto ( 06,07 e 08) e ( 17,18 e 19), 11 anos depois. E alguém duvida que esse domínio não irá continuar, pelo menos para os próximos 3 anos?

      Responder
  39. Antonio Gabriel

    Se os dois estiverem bem no dia da final, será um jogo decidido nos detalhes, espero honestamente que Djoko não jogue só na defesa, caso contrário Nadal vai prevalecer pois está muito ofensivo e diferentemente dos outros quase não erra, então Djoko vai ter que atacar também. Aqui torcendo pro Djoko, mas daria hoje 55% para Nadal no favoritismo. Mas como disse Dalcim em um dos comentários, o histórico a favor do Sérvio na quadra dura pode mexer com a cabeça do espanhol caso ele não saia atropelando no jogo.

    Responder
  40. Evaldo Medeiros

    Dalcim, gostaria que me esclarecesse outra pequena dúvida. Você comentou várias vezes que a superficie dura “castiga” o Nadal. Ora, não entendo porque esse comentário é feito quase sempre em relação ao Nadal. A superfície dura não castiga igualmente os outros jogadores???

    Responder
  41. Eduardo Junior

    Dalcin, Rafa e Novak são obviamente muito experientes. Mas quem você acha que pode perder mais a confiança ao perder o primeiro set nesta decisão. Ou isso não iria abalar em nada esses dois guerreiros?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não vejo o primeiro set tão importante assim nesta partida, Eduardo, a menos que seja um placar muito dilatado que obrigue o derrotado a mudar sua postura tática. Mas claro que é sempre melhor vencê-lo.

      Responder
    1. Sérgio Cipriani

      Pois é, Lola…
      Esse cara é assim. Joga bem só quando precisa: a semi e a final… Às vezes, só a final… Se Rafa não tivesse impressionado no dia anterior, Nole talvez tivesse vencido Pouille em mais uma partida morna… Mas, já antecipando o confronto e o duelo mental, Novak resolveu depenar o francezinho e colocar ordem na casa…. rsrs

      Responder
  42. André Barcellos

    Sobre quem será o GOAT etc, esse posto ainda pertence ao Federer, e se um dos dois não superar o suíço por margem bem confortável nos quesitos mais importantes de estatística, tenderá a ser assim em razão do estilo e mágica do Federer.
    As torcidas podem argumentar o que for, mas o suíço está praticamente em sua temporada de despedida. Os 5 ou 6 anos a mais de Federer finalmente apontam que ele só vence grandes torneios, hoje, em condições muito específicas. O que não deixa de ser genial.
    Mas querer falar de H2H em relação a Djokovic é hilário. Estava empatado até 2016, quando Federer teve a contusão. O sérvio nitidamente tem problema com Federer quando este está afiado, o que não ocorre desde janeiro de 2018. Ganhou, sim, de Federer jogando bem, mas em 2014 e 2015, quando o suíço já mostrava, principalmente no fim dos jogos, falta de pernas. Tanto que em melhor de 3 o suíço não raras vezes levou vantagem mesmo nesses anos.
    Já Nadal conseguiu sua vantagem no saibro. O que atesta sua genialidade soberana neste piso.
    Federer infelizmente não jogou contra o sérvio em 2017…
    Enfim, todos esses dados apenas frutam a tentativa de rivalizar o suíço com os outros dois com base no confronto direto. Isso é momento.
    Vide Kyrgios vs Nole.
    O que é claro, hoje, é que esses três não jogam mais entre si, mas sim contra a história.

    Responder
    1. abel af

      tua visão se contradiz aos números evolutivos
      pegue os resultados de Djokovic contra os dois antes e depois de 2011
      depois que Djokovic cresceu o suficiente e principalmente virou o número 1 nunca mais a diferença entre ele e os dois rivais parou de crescer
      isso começou em 2010 e foi se concretizando
      ele tinha muito menos vitórias e ultrapassou os dois, não dá para dizer nada sobre idade em relação ao Federer sem atestar que Djokovic passou a ser melhor que o suiço em quadra até porquê quando esta virada se iniciou Federer tinha ainda seus 28 anos para 29…
      com Nadal foi o mesmo, quando Djokovic finalmente deslanchou, passou a ganhar quase quatro para uma para uma do espanhol
      isso de 2011 para cá

      Responder
    2. Luiz Fabriciano

      Sim, as derrotas citadas de Federer por falta de pernas, aconteciam em finais contra Djokovic, porque, antes ele atropelava todos, como fez com Murray em uma semi de Wimbledon. E falando nisso, na semi do AO 2016, Federer ganhou o sorteio e deu ao sérvio a vez de sacar. Quando abriu o olho estava 6×1, 6×2 para Djokovic.

      Responder
    3. Thiago Silva

      Se algum deles passar o recorde de slams e o outro o número de semanas, vai ficar impossível defender que o Federer é o goat, já que ele não vai ter nenhum recorde relevante, nem o de masters ele tem, talvez o finals, mas o Cotonete ainda tem grandes chances de alcançar e até passar.

      Responder
      1. Sônia

        Concordo plenamente, esses são os números e “se” forem ultrapassados… mas vamos aguardar rsrsrs, pois não sei se voce sabe, os deuses do tênis são muuuuuito sádicos rsrsrs. Beijos.

        Responder
    4. Julio Cesar

      é o seguinte: quem não tem condições de brincar, não desce pro play. Quem perdeu, perdeu e pronto! Sem desculpinhas. Se jogou é porque achou que tinha condições. Que sempre vença o melhor, oras.

      Responder
  43. Apaixonado por tenis

    Dalcim …. que os Deuses do tenis e do esporte permitam o titulo do Nadal nessa final!!! Trocaria 2 RG por esse AO…. dificil mas nos vamos conseguir…. vai ser a maior vitoria do Rafa de todos os tempos!!!

    Avante Rafa !!! Avante miura!!!

    Responder
  44. André Barcellos

    Tenho pra mim que, se a vitória não for acachapante de um dos dois lados e a partida se estender, os dois se estragarão bastante, a ponto de comprometer a gira de verão norte americana.
    Minha maior suspeita disso recai sobre Nadal, que hoje em dia não parece ter as articulações pra aguentar jogos de 5 horas, embora tenha físico.
    NO entanto, hoje, vejo Nadal com mais bola que Djokovic, apesar de numericamente o sérvio estar melhor posicionado. Parece-me que Nole tem sentido mais desgaste nas partidas longas.
    Resumo:
    Cardio mais em dia, Nadal
    Ortopedia mais em dia, Djokovic
    Rs

    Responder
  45. Pedro Henrique Bueno Matos de Almeida

    Não dá pra estatisticamente dizer mais quem é o melhor de todos os tempos, se o mundo acabasse hj Federer isso ser o maior, mas como cravar que os dois alienígenas não vão passar o tio? Só resta esperar e contabilizar os títulos.

    Responder
  46. Evaldo Medeiros

    Bom dia Dalcim e amigos virtuais amantes e/ou admiradores do tênis. Hehe. Dalcim, quero lhe refazer a mesma pergunta que lhe fiz a duas rodadas atrás. Na ocasião você respondeu dizendo para que aguardássemos as 2 próximas partidas de Nadal e de Djokovic. A pergunta que eu lhe fiz foi: Será que o desgaste que Nole sofreu ao longo do torneio irá prejudicá-lo se a partida de domingo se extender por longas horas (4 ou 5 horas) levando-se em consideração que o sérvio terá 1 dia a menos de descanso e que Nadal fez partidas fáceis e está super descansado??? Pra mim cada detalhe importará nesse final e o Nadal entrará com mais energia guardada para utilizar, se preciso for, caso a partida se alongue muito. Não sou fisiologista nem preparador físico ou nada parecido, e não sei o quanto esses fatores mencionados poderão influenciar no resultado do jogo. Portanto gostaria de perguntar a você novamente: Na sua opinião, Nadal entrará em vantagem física contra o Djokovic nessa final de domingo??? Abraços.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ah, os dois estão cansados de se enfrentar e a rigor não há grandes novidades. Claro que o primeiro saque e o backhand do Nadal melhoraram, mas teremos de ver qual será seu posicionamento em quadra, mais longe ou mais perto da linha de base. Djokovic sempre aposta na bola na subida, principalmente nas cruzadas de backhand, para tirar o tempo do espanhol.

      Responder
    1. Fonseca

      Realmente…. por um lado ha´aquele discurso de “somos privilegiados de assistir os melhores da história, blá, blá, bá…” pr outro, é esse marasmo, essa humilhação imposta há várias gerações…. difícil isso aí…

      Responder
  47. rafael

    Perfeita análise mestre! Que aula de tênis do Sérvio. Acho que serviu para mostrar e aniquilar qualquer dúvida sobre sua performance no torneio e que ele sobe o nível quando necessário. Eu acho que a final será extremamente exigente, mas que o Djoko vencerá. Mesmo o Nadal tendo melhorado o saque, o Djoko possui a melhor devolução circuito e isso não fará tanta diferença. Djoko em 3 sets!

    Responder
  48. Chetnik

    É, Dalcim, acho que o Djoko quis mandar uma mensagem sim rs. Mas vejo tudo muito aberto no domingo. Djoko vai ter que aproveitar melhor as chances contra o Nadal. Não anda com uma grande conversão de BP. Aliás, em WB também não teve.

    Responder
  49. Vítor Barsotti

    Que promessa de final essa hein! Estou com o Dalcim, vejo ligeiro favoritismo do sérvio. Mas vou torcer pro Nadal dessa vez.

    Dalcim, caso Nadal leve esse AO e ultrapasse os 20 slam de Federer, e Djokovic ultrapasse a quantidade de semanas como n°1, (lembrando que um seria o único a possuir pelos menos 2 slam de cada e o outro o único a possuir os 4 ao mesmo tempo), e o restante dos números não se alterasse muito, já daria pra rever bem a questão de quem seria o maior/melhor de todos os tempos, não?

    Claro que há muita água pra rolar, mas vejo o suíço seriamente ameaçado nos seus principais recordes. E quem diria, o mesmo pode ser alçado de #1 da história do tênis para #3 ainda antes da aposentadoria. Incrível!

    Responder
  50. Chetnik

    Que vergonha esses jogadorzinhos. Da base não vi muita diferença entre os 2, mas o Tsitsipas pelo menos sacou bem. O francês nem isso. Entrou 10x mais borrado. Que fique longe de outras semis de GS.

    Responder
  51. Fonseca

    Um é magro, longilíneo, aplicado no preparo físico de maneira a deslocar-se mais rápido e carregar menos “esqueleto”.
    O outro, apesar de rapidíssimo, anda meio travado, musculoso, meio truculento, o oposto.

    O fato é que foram DUAS SEMIFINAIS DE SLAM ONDE NÃO TEVE JOGO!! (ou onde um não deixou o outro jogar, indiferente, rsrsr). Inacreditável onde o tênis profissional masculino chegou… Premiações melhores, mídia muito mais participativa, divulgação total…e dois, três caras deixando o “resto” para os outros, há quase 14 anos… afi…

    Responder
  52. Chetnik

    Que final, que final! Na madrugada de sábado para domingo tem a luta do GOAT Fedor, e no domingo de manhã a grande final entre os 2 GOATs do tênis. Se eu não morrer do coração, não morro nunca mais.

    Responder
  53. Artur Lelis

    Dalcim, grande mestre! Sempre sábio em suas observações. Assiste ontem o programa “”Pelas quadras do AO” pela ESPN e a Teliana estava lá junto com Leo Azevedo e ele disse algo que acredito que possa acontecer agora na final….disse que Moya é fanático por números e que faz estudos estatísticos sobre todos os adversários do Nadal e que Nadal está gostando desses estudos e se aprofundando. Bom, em cima dessa constatação e olhando a forma como jogou contra o Grego parece que prevendo alguns golpes e movimentos, vc não acredita que o Djokovic foi sua base de maior estudo? Sendo assim deve ter analisado onde o Djokovic responde melhor, ataca mais e etc…E mais, se levarmos em conta o duelo de Wimbledon onde o Nadal perdeu no detalhe, vc não acredita que esse novo saque foi construído depois daquela derrota onde naquele caso se o Nadal tivesse um saque desse porte teria levado?
    Eu sei que os números favorecem Djoko como favoreciam o Roger em Wimbledon, mas domingo eu acredito que ele quebrará a escrita mais uma vez e vencerá seu algoz em sua casa favorita.
    Cravo 3 sets a 1 estilo contra Del Potro no US Open 4×6 – 6×3 – 6×2 – 7×5

    Responder
  54. Rodrigo Alvez

    Dalcim, por acaso haverá comentários dos pontos importantes em tempo real, como já foi feito por você em outras oportunidades? Infelizmente estarei trabalhando (você leu certo) e perderei essa que imagino ser a maior final da história dos slams.

    Responder
  55. Marcelo-Jacacity

    Olha que depois da partida de hoje do Djokovic até que eu fiquei animado para a final.
    Djokovic elevou o nível e precisa manter esse patamar para o confronto com Nadal.
    Vamos ver!

    Responder
    1. Miguel BsB

      Acho que não meu caro Ando. Nadal vem se poupando nesse torneio, jogos rápidos e sem perder sets…
      Além de ter ficado meses parado ano passado.

      Responder
  56. Barocos

    Dalcim,

    Parabéns pelos textos corrente e o da “narração online”, descreveu à perfeição o que foi a diferença no nível do tênis atingido pelos dois atletas no confronto desta manhã.

    Permita-me discordar de você em um ponto, em uma resposta que deu ao Tarcísio Nascimento, claro que é só minha opinião, mas ou Djokovic vs Nadal ou Djokovic vs Federer deve ser reconhecida como a maior rivalidade entre tenistas profissionais de todos os tempos, nos dois casos tanto pelo número de jogos quanto pelo equilíbrio e imprevisibilidade do resultado. Claro que se o critério for carisma a coisa muda de figura mas, para mim, um aficionado por estatísticas, este tipo de argumento é irrelevante.

    Ainda tenho esperança de que o jovem grego eleve o seu nível. Seu estilo é muito parecido com o do Federer e possui uns golpes muito bons, quem sabe se ele melhorar a qualidade da devolução e a preparação dos pontos ele não se torna um oponente realmente perigoso para Novak e Nadal. Por enquanto seu estilo impaciente não o tem ajudado muito, basta ver a razão entre o número de vitórias pelo número de partidas.

    Com fazem falta Wawrinka e Murray em boas condições no circuito !! Com certeza o Federer acha a mesma coisa.

    Espero que sejamos todos agraciados com mais um grande jogo neste domingo.

    Ajde Djokovic !

    Responder
  57. Miguel BsB

    É, o sérvio mostrou que Tb tá “nos cascos”… Grande expectativa para o superclassico, promete.
    Pra mim, vai ser aquele jogão de 3×2 para algum lado, difícil dizer…
    Só vou arriscar um palpite mais detalhado no desafio do Dalcim que espero que virá pra essa final do Ausopen, certo Dalcim?

    Responder
    1. Marcelo Costa

      Puxa mas e a renovação? No feminino é ótimo ver uma Osaka reinando, no masculino ainda os três dominam, mas o tenis ainda é maior que eles.

      Responder
  58. Josh

    Muito difícil saber quem leva o caneco. Vou torcer para o Djoko como sempre, até pq ele merece ser dominante em um Slam. Se o Djoko entrar com os olhos arregalados, quer dizer que está num bom dia, rsrsrs. Que venha a batalha!!!

    Responder
  59. Tiago Castro

    Que jogo. O tênis masculino peça pela ausência de alternância nos títulos, mas é muito bom ver essas rivalidades do big3.
    Torço para Nole, para que Nadal fique longe de RF, em número de títulos de GS. Porém, acho q o espanhol legal essa.

    Responder
  60. Nairea

    Dalcim, gostaria que voce fizesse uma avaliação dando notas de 1 a 3 comparando Nadal e Djokovic quanto a:
    1- Forehand – Nadal
    2- Backhand – Djokovic
    3- Return – Djokovic
    4- 1st Serve – Djokovic
    5- 2nd Serve – Djokovic
    6- Volley – Nadal
    7- Speed- Nadal
    8- Jogo de rede (é a mesma coisa que voleios, não)
    9- Jogo fundo de quadra – Empate
    10- Drop shot – Nadal
    11- Parte mental – Empate
    12- Parte física – Empate
    13- Outros (variação de jogada, variação de velocidade, volume de jogo, etc) – Empate

    Responder
  61. Marcelo Calmon

    Enquanto no feminino existe uma grande alternância de campeãs (se a Kvitova ganhar vão ser 9 campeãs diferentes nos últimos 9 GS), no masculino o agora TOP 3 domina de forma absoluta. Enquanto os velhinhos estiverem por aí, a next generation ainda vai ralar muito para ter sucesso.
    Duas aulas de tênis nas semis. Considero Djoko favorito (18 x 7 em quadras duras), mas o Nadal é um grande competidor. Sorte deles que agora tem o TB no 5º set.
    abs

    Responder
  62. Luiz Fernando

    Vi ontem a noite a entrevista do jovem e transtornado Tsitsipas, que entre outras, disse: não entendo como eu e Federer temos o mesmo estilo de jg e ele venceu Rafa tantas vezes. Kkkkkkkkkkkkkkkkkk. Pq será jovem promessa? Será q uma vitória isolada, e creio q casual, sobre o cara fez de vc um jogador do mesmo nível que o suíço? Parece q o grego ainda está na fase de carruagem da Cinderela, não percebendo q virou abóbora a meia noite da partida contra Rafa, comparando-se com um dos maiores jogadores de todos os tempos, e q ainda joga em alto nível, acorda rapaz, no momento sua semelhança com Federer se resume ao estilo… Quanto ao Djoko, se o grego viu a partida desta manhã talvez tenha percebido o abismo q existe entre o Big3 e os demais jogadores de forma clara.

    Responder
    1. Naira

      Luiz, concordo plenamente. Enquanto o Djokovic, com grande humildade, agradece ao Nadal e ao Federer por fazer dele o jogador que é, porque ele teve que trabalhar e se esforçar muito para chegar no nível destes 2 “monstros”; esses nextgens são marrentos, mimados, metidos… Vai ser difícil torcer por algum destes nextgens… Tomara que os trintões virem quarentões….

      Responder
      1. Ricardo

        Li a entrevista, e não achei que ele foi marrento ou arrogante, longe disso. Achei ele bastante sincero e se mostrou bastante decepcionado com a sua própria atuação, o que é absolutamente normal. Por ter chegado tão longe no torneio e, em especial, por ter feito excelentes jogos – com destaque para o jogo contra o Federer – é mais do que natural ele ter uma expectativa real de chegar à final. Isso, a meu ver, não faz dele uma pessoa arrogante e sim alguém que confia no seu próprio potencial e tem uma mentalidade vencedora, o que é ótimo para um atleta de alto nível. Aliás, na mesma entrevista, ele fez elogios rasgados ao Nadal. Enfim, espero que ele continue evoluindo pois se trata de um jogador excelente e com muito futuro! Abs

        Responder
    2. José Eduardo Pessanha

      Verdade, LF. Como falei no outro tópico, acho que perderei o meu interesse no tênis após o fim dessa era. Mais ou menos como no caso da Seleção. Desde 2006 eu não torço mais pro Brasil. Nem a favor, nem contra. Será a mesma coisa quando a Next Gen começar a ganhar seus primeiros GS.
      Abs

      Responder
    3. AKC

      Permitam-me discordar, não achei soberba do grego, primeiro porque a entrevista como um todo foi uma confissão de impotência, segundo porque ao dizer que não entende como Federer conseguiu suas vitórias sobre o Nadal, ele mesmo está assumindo que o suíço tem um plus que ele ainda não tem…

      Responder
    4. FABRÍCIO

      Além disso o Tsitsipas esqueceu que embora o Federer tenha ganho do.Nadal, no duelo a vantagem do Nadal é enorme. Com o dobro de vitórias que o Federer.

      Responder
    5. José Alves

      Eu ri demais dessa entrevista com o Tsitsipas.No jogo contra Nadal apanhou sem nem saber como conseguiu ser nocauteado com tanta facilidade kkkk

      Responder
  63. Everton Weslley

    É, meus amigos… tem que respeitar este Sérvio. Maior “devolvedor” da história do tênis. Ao invés de “Nole”, seu apelido poderia ser ‘The Mole”. Como uma toupeira, ele sai do buraco quando todos esperam o contrário. O Touro vai ter que fazer chover nesse verão da Austrália. Jogão!

    Responder
  64. V Mauricio

    Pois é meu nobre Dalcim. Duas semifinais muito sem graça! Quem pagou ingresso pra assistir esses 2 jogos, onde praticamente não houve dúvida de quem venceria, deve ter ficado frustrado.
    A meu ver, Djokovic aumentou ainda mais seu favoritismo após o atropelo de hoje, muito embora seja difícil medir seu real nível porque seu adversário não exigiu nada dele. A bola do francês não machuca nem um pouco o sérvio.
    Agora cria-se uma enorme expectativa para Domingo, mas acho que será um jogo mais tranquilo do que a maioria está pensando. Não só pela parte técnica, como também pela psicológica, já que Nadal vai entrar com vários filmes passando pela memória, incluindo AO 2012 e WB 2018, ambos perdidos em um quinto set onde o touro teve reais chances de vitória.
    Enfim, cravo 3×0 para Djokovic, de forma surpreendentemente tranquila.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que Djokovic tem ligeiro favoritismo porque o vejo com menor pressão (Nadal tem contra si o histórico frustrante de vices em Melbourne e uma série negativa frente a Nole). No entanto, gostaria de ver o espanhol levar essa, porque afinal eu cobrei anos a fio para ele desenvolver um tênis mais agressivo como o que tem mostrado agora.

      Responder
  65. José Alves

    Djokovic e Nadal estão no mesmo nível! Será um jogo emocionante que terminará a sequência de vitórias de Djokovic e vai ferver a briga pelo número 1

    Responder
  66. Ricardo

    Que exibição do sérvio! De tirar o chapéu, sem dúvidas. É por melhor que o Nadal esteja, bem, na quadra dura sempre a apostarei no Djokovic.

    Responder
  67. Jonas

    Dois monstros e não há melhor final do que essa. Uma coisa é certa, ou Djokovic ou Nadal se tornará o melhor e maior jogador de todos os tempos.

    Eu aposto em Novak em virtude de sua consistência ao longo do ano. Pode não passar os 20 slams de Federer mas aposto que vai derrubar o recorde de semanas como n° 1.

    Nadal mantendo este nível ao menos nos slams, vai bater sim os 20 de Federer, possivelmente por muito! Se ele não se lesionar chega aos 22,23 troféus.

    Quanto a Federer eu acredito que consegue levar mais um WB e aposenta.

    Responder
    1. SAT

      Sem paixões ou torcida, poderia detalhar esse 5 ou 6 slams por vir?

      Ele tem 17 slams e 32 anos. Como joga muito em cima do físico, a tendência é não ter tanta longevidade.

      Se ficar mais 5 anos, terá 5 RG para ganhar, onde é o favorito obvio, mas não único. Além de RG, ele sempre entra como um dos principais postulantes ao título nos demais slams, mas tem mais concorrência fora do saibro.

      Nesse seu exercício de futurologia, em quais torneios ele atingiria tal marca?

      Abusando um pouco, e o seu principal adversário nessa corrida, o Djoko?

      Responder
      1. Jonas

        Nadal está focando mais nos slams, se ele continuar nesse ritmo e sabendo que esse rapaz só vai parar de jogar quando não aguentar mais andar…eu diria que:

        AO- No domingo Nadal pode vencer e não será um absurdo.
        RG- Nadal leva mais uns 3 neste ritmo aí.
        USO- Acredito em mais 1 USO pro espanhol
        WB- Leva no mínimo mais 1

        Quanto a Djokovic, se cuidar bem do físico:

        AO-mais 2 ou 3
        RG- mais 1
        WB- mais 1 ou 2
        USO-mais 1

        A discussão seria bastante apertada. Como Novak perdeu diversas chances no passado, o recorde de semanas é primordial. Mais uns 3 anos no topo seria ótimo, mas é bem difícil.

        Responder
    2. Marcelo

      Pois é.
      Acho que o Djoko passa o número de Semanas na liderança do Federer e o Nadal o número de slams.
      Tudo para apimentar a discussão de quem é o melhor da história.
      O que acha Dalcim?

      Responder
  68. Sandra

    Dalcim, o jogo é na quadra, mas a estrela e do jogador e nesse quesito Nadal está na frente, gostaria imensamente que a estrela do Djoko brilhasse mais , mas enfim , para quem estava pestes a se aposentar e ninguém acreditava mais nele , com certeza ele está no lucro

    Responder
  69. Paulo F.

    Djokovic também deu um pneu no adversário na semi-final.
    Mas como o derrotado não foi o que anteriormente derrubou o Bode e muito menos não tem corpo de fisiculturista, daí não atiça a libido de muitos dos integrantes do blog.

    Responder
    1. Valmir

      Bode… rsss
      Goat quer dizer… cabrito montês… mas .. BODE… está de bom tamanho… mais simples para caracterizar … rsss

      Final do Australian… Já pensou como esta a cabeça da torcida… bodista…

      a) Se Djoko vence,
      Vira o … rei da Austrália… deixando o bode para trás.
      Passa a ser o único com 3 séries de Slams seguidos da era aberta
      Continua a chance de outra série de deter o títulos de todos os Slams simultaneamente
      A ultrapassagem do bode no recorde de semanas na liderança fica super encaminhada

      b) Se Nadal vence,
      Passa a ser o único da era aberta a vencer todos os Slams ao menos duas vezes,
      O … rei do saibro… baloeiro… com 2 Wimbledon e 5 Slams em quadras duras… e o bode só com … unzinho RG,
      Entra em RG ainda mais motivado e ir para os 19 Slams e em dois anos, no máximo, ser o recordista de Slams.
      Ainda tem as duas medalhas de ouro olímpicas (simples e duplas)
      Recorde de Masters 1000

      Aí… o goat vai deixar de ser… bode… para ser touro.

      Que dilema da torcida bodista… queriam dormir e acordar somente quando começar Wimbledon.

      kkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Quem nasce para Mané , sempre será. Durante 21 anos as Cabras nunca perderam a libido pelo Bode. Sempre gostaram de dar pra ele kkkkkkk Abs!

      Responder

Deixe uma resposta para José Alves Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *