O incrível show de Stef
Por José Nilton Dalcim
20 de janeiro de 2019 às 12:42

O que de melhor se pode esperar de um tenista de alto nível foi mostrado, game a game, pelo ainda garoto Stefanos Tsitsipas. E logo diante de seu ídolo e inspiração, o megacampeão Roger Federer. Saque variado e poderoso, golpes de base extremamente firmes dos dois lados, agressividade constante com direito a excelente trabalho de rede, tudo obviamente calcado em ótimo jogo de pernas. Mas, acima de tudo, concentração absoluta, nervos no lugar e confiança, tudo muito necessário porque afinal de contas Federer jogou muito também.

Um show de Stef, que relembrou seu grande momento em Toronto do ano passado, quando reuniu todas suas armas para derrubar quatro dos então top 10, entre eles Novak Djokovic e Alexander Zverev. Em entrevista na pré-temporada, ele revelou a intensa preparação física a que se submeteu e como encarava sua chance de disparar no ranking neste primeiro semestre. Algo fundamental, agregou Patrick Mouratoglou ao time – treina desde 2017 na academia de Nice – e afastou um pouco a influência do emocional pai.

O duelo de gerações foi espetacular, disputado em alto nível do começo ao fim. Mas é inegável que o grego de 20 anos se mostrou mais sólido na base e, tal qual havia feito na Copa Hopman de semanas atrás, investiu no ataque sobre o backhand do suíço sempre que pôde. Como bem disse o ‘repórter’ John McEnroe pouco depois, é uma dádiva ver um garoto explorando com tanta categoria o jogo de rede.

Federer usou com maestria o saque mas pagou caro por dois break-points cruciais que teve à disposição – os outros 10 foram verdadeiramente evitados por Stef -, o mais importante deles no set-point que lhe daria o segundo set e a vantagem de 2 a 0. Também teve um forehand de meio de quadra jogado para fora no 3/4 do terceiro set, falhas que se mostrariam cruciais porque Tsitsipas atuou sempre de forma brilhante e corajosa nos tiebreaks.

Quem deve ter ficado feliz com o resultado foi Roberto Bautista, que pouco antes ganhou seu terceiro jogo da semana no quinto set, agora em cima do atual vice Marin Cilic. O espanhol – que ergueu as mãos aos céus para comemorar enfim uma ida às quartas de Slam – sempre perdeu para Federer e nunca cruzou com o grego. Mas sabe que vai precisar ser muito firme na base e nas passadas.

A nova geração também brilhou com Frances Tiafoe. Eu já havia chamado a atenção para o tênis cada vez mais completo do norte-americano, que festejou seus 21 anos com notável atuação em cima de Grigor Dimitrov, abusando de seu forehand pesadíssimo, mas fazendo saque-voleio e dando drop shots.

Seu problema para sonhar com a semi se chama Rafael Nadal. O renovado espanhol sufocou um perdido Tomas Berdych e só teve de salvar um set-point já na terceira série, quando enfim o tcheco se soltou. Rafa está batendo muito na bola, desde o novo saque bem direcionado e profundo até um forehand devastador, que se alia a um backhand na subida que surpreende o adversário. Difícil imaginar que Tiafoe terá resposta para tudo isso, mas ao menos ele poderá se inspirar no trabalho de Hércules realizado por Tsitsipas.

Surpresas e sonhos
A chave feminina continua deliciosamente imprevisível. A primeira parte das oitavas de final marcaram a incrível e massacrante vitória de Danielle Collins em cima de Angie Kerber e a virada de Ash Barty em cima de Maria Sharapova.

Collins deu prioridade aos estudos, se formou em Economia e só levou o circuito a sério a partir de 2018, quando jogou o quali do AusOpen e nem passou. Mas iniciou uma rápida caminhada, tendo alcançado já o top 50, com direito a derrotar Venus Williams e ir à semi em Miami. Sempre abusando de seus golpes retos, profundos e precisos, havia tirado Julia Goerges e Caroline Garcia nesta semana antes de massacrar Kerber. Já top 30 do ranking, pega a sempre perigosa Anastasia Pavlyuchenkova, ex-top 15 que barrou Sloane Stephens.

Apoiada pela torcida e por seu estilo cheio de slices, Barty fez um duelo nervoso contra Sharapova, em que a russa se perdeu repentinamente nos erros e viu a australiana fazer 4/0. Aí foi Bart quem tremeu, garantindo um final de jogo emocionante. Em suas primeiras quartas de Slam, encara a experiência da canhota Petra Kvitova, que atropelou sem piedade Amanda Anisimova e ganhou os três duelos feitos contra Barty.

A luta pelo número 1 aliás prossegue. Kvitova é no momento a maior ameaça a Simona Halep, mas Naomi Osaka, Elina Svitolina e Karolina Pliskova continuam com chance.

Completando as oitavas
– Djokovic tem 2 a 0 contra Medvedev em partidas de 2017 e busca marcar ao menos 10 quartas de final em cada Grand Slam. Sérvio fará sua 303ª partida desse nível (261 vitórias) e russo, a 18ª (9 triunfos).
– Zverev jamais venceu um top 20 em partidas de Slam e tem a chance diante de Raonic, a quem venceu no saibro mas perdeu na grama, ambos há dois anos. Alemão nunca havia ido tão longe em Melbourne, canadense fez semi em 2016.
– Duelo inédito entre Nishikori e Carreño, dois jogadores que saíram de 0-2 na estreia deste AusOpen. Vale lembrar o retrospecto em 5 sets: japonês tem 20-6 e Carreño, 4-8.
– Coric e Pouille jamais havia vencido um jogo em Melbourne até este ano. Francês já esteve em duas quartas de Slam (Wimbledon e US Open de 2016). Croata busca maior campanha da carreira e tem 2-0 nos duelos diretos, ambos em quadra dura.
– Serena e Halep fazem grande duelo do dia, que promete ser um ataque-contra-defesa. A heptacampeã tem 8-1 diante da finalista de 2018. Quem vencer, encara Pliskova ou Muguruza. A tcheca tem histórico de 7-2 e está em melhor momento.
– Tudo pode acontecer entre Osaka e Sevastova, que fazem quinto duelo totalmente empatadas. Há duas semanas, japonesa ganhou de virada. Keys tem 2 a 0 sobre Svitolina, que mostrou problemas físicos no jogo anterior.


Comentários
  1. Renan Vinicius

    Mesmo o sérvio elevando um pouco o nível de jogo, Nadal desta vez tem a chance de ouro para conquistar pela 2ª vez o AO. No entanto, a milonga sérvia já é bem conhecida, e ele pode ta muito bem tentando tirar um pouco da pressão de si mesmo.Caso os 2 cheguem a final bem fisicamento, não há favorito, 50-50, mas se o djoko chegar com algum problema físico, o espanhol janta ele.

    Responder
  2. Dalcim, tudo bem?

    Muito bom o Stefano, me lembra um pouco o Guga, na cabeleira, no carisma e na bela esquerda de uma mão.

    Vi um pouco do jogo do Berdych contra o Nadal, o saque do tcheco não funcionou e faltou confiança nos golpes, mas achei ele mais magro e procurando ser mais agressivo, me pareceu focado. Acho que com confiança ele vai voltar a jogar em alto nível.

    O que você acha? Berdych volta a jogar em alto nível?

    Responder
  3. Rubens Leme

    Dalcim, nos anos 90 quando vieram pro Brasil, o vocalista do Tears for Fears ficou furioso de serem chamados de “tias fofinhas” e perguntou a tradição. Claro, odiou saber que era algo como “fluffy aunts”.

    Vendo o nome de Francis Tiafoe, ficou pensando se o “tia foi” dele não viraria “chico aunt was” se fosse mais famoso.

    Perdoe-me pela bobagem e reminiscência.

    Responder
  4. Gabriel

    Dalcim, a tendência é mesmo a final entre Nadal e Djokovic? Pelo pouco que assisti, Nadal voltou bem das contusões e está com um backhand mais agressivo. Seria surpresa ele conseguir ganhar do sérvio, que parece está oscilando durante as partidas?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, claro que não seria surpresa. Estamos falando de dois jogadores excepcionais, que tiram o máximo de si. Djokovic não me agradou hoje.

      Responder
  5. Sandra

    Dalcim, o Djokovic não sabe sacar? Como o russo deu 18 ações e ele só 6? Estou começando a achar que quem se deu mal no sorteio das chaves foi o Federer russo, não consigo ver Nole mais longe, o Raonic está voando , o japonês só deu sabe, e o Nadal se Deus bem com a queda do Federe, aliás o Nole tem toda hora o saque quebrado , qual a explicação? Se e com NadAl e Raonica não tem volta

    Responder
  6. Lola

    Se alguém estava colocando o Djokovic como favorito, tire, por favor, está ganhando jogos de maneira sofrível, as bolas não andam o saque não funciona, muito mal. Se pegar o Tsitsipas vai levar uma surra e do Nadal, também, acho que nem passa pelo japonês.
    Hasta lá vista!!!

    Responder
    1. Sérgio Cipriani

      Moça, vejo que começou a assistir tênis a pouco tempo. Vou te ensinar uma coisa sobre Nole: Ele joga bem apenas 2 partidas por Slam; semifinal e final.

      Responder
      1. Lola

        Moço, já acompanho tênis um tempinho r principalmente as partidas do Djokovic e sei que ele não tá bem. E cravo que com o que vem jogando, cai até pro Nishikori.

        Responder
        1. Sérgio Cipriani

          Nole derrota o japa em três sets de jogo chato e sem graça. Desafio aceito. Tens mais de 18 anos? Podes me pagar um bom jantar para comemorarmos a minha vitória.

          Responder
  7. EDUARDO LUIZ POMIECINSKI

    Continuando o post anterior …Ate poderia lancar uma enquete para o pessoal, de qual jogador da nova geracao ( nascidos a partir de 1995) chegara primeiro a uma final de Grand Slam?? Acho interessante e acho que pode levar ate mais de 2 anos para acontecer….Espero que aconteca antes, pp com o Tsitsipas!

    Abraco.

    Responder
  8. EDUARDO LUIZ POMIECINSKI

    Bom dia Dalcim,

    Como voce caracteriza/identifica a nova geracao hoje? Nascidos a partir do ano de 95?? Qual seria o seu ponto de corte? Se sim, consideraria Thiem (25), Poullie ( 24), Schwartman(26) na geracao intermediaria de Raonic (28), Goffin (28), Dimitrov (27), Nishikori (29), mesmo estes tendo somente de 4 a 2 anos a menos que Djokovic ??

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Essa é uma discussão complexa, Eduardo, porque há uma mescla grande. Acho que nova geração no momento é quem está no máximo até os 23 anos.

      Responder
      1. Rubens Leme

        Talvez para facilitar, seria bom classificar até 25 anos e depois dos 25, ou a geração entre 23 e 26 ficaria perdida neste reciocínio. Mas, parece que esta será com certeza a geração a ter um vencedor de Slam mais veterano.

        Responder
      2. Alice

        Era o que eu estava tendo em mente, Dalcim. Penso que a nova geração seja os atuais sub23, sendo assim…estava vendo que 12 tenistas estão ou já estiveram no Top50 e claro de todos esses, apenas o Zverev conseguiu até o momento furar o Top10.

        Responder
  9. André Borges

    Dalcim, to assistindo o jogo Djokovic x Medvedev e me corrija se eu estiver errado o Medvedev é bem sólido de fundo de quadra, mas não tem potência nenhuma, concorda?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele espera a bola ficar mais curta para então atacar, mas a base de seu jogo é ficar lá no fundo mesmo. Precisa urgentemente treinar voleios.

      Responder
      1. Rubens Leme

        Acho curioso quando você diz que fulano precisa apreder a volear, sacar, etc porque isso não só é apenas básico, como todos eles têm treinadores para isto.

        Mas aí, claro, se faz a comparação com boleiros que não sabem chutar, cabecear etc, mas, sendo o tênis um esporte individual, onde há uma equipe imensa cercando os tops, é inadmissível que um top 20 possa ser tão fraco em tal fundamento.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Pois é. Acho que falta trabalhar mais firme em determinados elementos. Veja o Delpo, que tinha um voleio fraco e, após a cirurgia, foi obrigado a desenvolvê-lo.

          Responder
  10. Miguel BsB

    O Careno Busta acabou de ser roubado no tie break do 5 set como eu não via há muito tempo. Em 8×5 pra ele, dominando o desempate, mandou uma pararela que pegou na fita, passou, e claramente tocou a linha. O juiz de linha gritou out, nishikori continuou mas ele parou e pediu desafio, sem dúvida pq era claro que a bola foi dentro. Foi feito o desafio, mas não sei pq cargas d’água, o juiz de cadeira deu o ponto pro japonês. A partir daí, a cabeça do espanhol foi embora e perdeu tds os pontos seguintes…
    Viu esse lance Dalcim, conseguiria explicá-lo para mim? Há muito tempo não via isso. O Busta saiu indignado e xingando, na minha opinião, com razão.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Estava no tiebreak do Djokovic e só vi da reclamação em diante. Vou tentar ver mais tarde, mas me parece que o Carreño parou o lance e aí correu o risco de perder o ponto. De qualquer forma, não deveria ter saído tanto de jogo assim.

      Responder
  11. Miguel BsB

    Depois dessa vitória contra a Halep, acho que ninguém segura mais a Serena. Com a Kerber fora, talvez a Kvitova… A Osaka tá viva ainda, mas acho que numa revanche do USopen, dá Serena.

    Responder
  12. Ricardo - DF

    Putz, pena a derrota do velho leão. Nos priva de um novo Fedal nas semis. O grego tem muita qualidade e, sobretudo, – o que me faz acreditar que vai atropelar no ranking – um mental muito forte para um garoto de 20 anos. Bem mais sólido mentalmente que o Zverev.
    Mas, normalmente, é aquela história. O jovem leão jogou tudo e mais um pouco, com vento a favor e os astros alinhados naquele dia, e derrotou o velho leão que jogou abaixo de suas capacidades. Só que isso não vai ser o suficiente para derrotar o touro turbinado, a menos que o turbo falhe – mas aí, o touro usualmente desiste. Por outro lado, o velho leão certamente subiria seu nível e faria um jogo memorável contra o touro. Por isso, é uma pena, estamos perdendo as últimas chances de ver esse duelo.

    Responder
  13. Renato Toniol

    Muito decepcionado pela derrota do Zverev. Não assisti ao jogo, e ao acordar para trabalhar, me deparei com a notícia.
    Sinceramente, após a conquista do Finals, eu acreditava plenamente que ele deslancharia nos Grand Slam, talvez não a ponto de conquistá-lo, mas sim, de deixar de perder jogos que deveria ganhar, e perder somente nas rodadas finais para Federer, Djokovic, Nadal etc.
    Não estou menosprezando o Raonic, mas pelo placar tão elástico como foi este jogo, acredito que o alemão esteja se pressionando muito para conquistar um Slam.

    Responder
  14. Paulo F.

    É, Sascha, o furo é Grand Slam é muito mais embaixo.
    Até parei de te zoar após ter derrotado Federer e Djokovic na sequência e erguer um importante caneco.
    Mas tu também não se ajuda!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele voltou a jogar bem e com confiança, mas na teoria terá de passar por Djokovic e Nadal e aí me parece uma tarefa extremamente difícil.

      Responder
  15. João ando

    Tem uma moça no box da sevastova que e a cara dela ….deve ser irmã …agora vimos como gosto e discutível e vou falar de novo da beleza …acho a sevastova bonita tb …mas rosto de menina ..não lembro a idade dela mas deve ter uns 20/21 anos

    Responder
          1. João ando

            Se eu sentir que estão me perguntando de forma debochada eu tb vou responder no mesmo calibre…como ja respondi para um sr aqui do blog quand o se fala do tenista do clube do tiete

  16. Márcio Souza

    Salve, salve galera!

    Eita que a galera dos urubus e aves de rapina estão se esbaldando aqui no Blog e sorrindo de orelha a orelha.
    Tudo bem, faz parte, afinal de contas nos dois últimos anos eles sofreram bastante com as nossas gozações pra cima deles quando o Fedex levou os dois canecos do AO.

    Aproveitem cambada, só não se esqueçam que tanto o Siri quanto o Cotonete ainda não levaram o AO, e a entubada deles também esta guardada e esta vindo a galope.
    Ja vou deixar o texto pronto aqui e salvo pra também tirar sarro de vocês quando as derrotas vierem, porque a zueira só faz sentido quando o tenista de vocês levantam o caneco.

    Não se esqueçam que não sera nenhum absurdo se tivermos uma final Zverev x Tsitsipas, portanto coloquem as barbas de molho e tomem um pouco de caldo de galinha e tenham cautela, porque agora com o GOAT fora a pressão pro Cotonete ou o Siri levar o caneco quadriplicou.

    Mas aproveitem, limpem a garganta que estava inflamada de tanto engolir a seco as vitórias do GOAT no AO nos últimos dois anos e gastem o teclado ai mandando as baboseiras de vocês, é justo.

    Mas como dizia o Cazuza na música O TEMPO NÃO PARA, “…saibam que ainda estão rolando os dados…”, então não joguem fora a pomada Hipogloss pra assaduras que vocês estão acostumados a passar, porque ela ainda vai ser util nesse AO, falta uma semana ainda de competição e não tem nada ganho pra vocês.

    Em relação a picanha e ao churras de praxe, como o jogo foi as 06:00 da manhã, estava tudo no jeito para ser feito no horário do almoço, mas devido a derrota do Fedex, só tinha uma coisa a ser feita, e eu fiz, FIZ O CHURRAS COM A PICANHA sim e estava uma delícia como sempre, aproveitei o domingo e a tarde antes da rodada do futebol, tirei aquela soneca dos justos e certo de que o FEDERER é de fato o MAIOR E MELHOR mesmo e o resto, como a própria palavra diz, é resto e só.

    Vamos que vamos que ainda tem mais essa semana de AO e não vejo a hora de ver o Siri e o Cotonete ser entubados pra vir tirar uma onda com vocês de novo, o que ja é praxe.

    Quando ao grego Tsitsipas jogou muito bem e mereceu, soube sair dos breaks com eficiência e aproveitou as oportunidades, não tenho dúvidas que esse moleque ainda vai ser número 1 um dia.
    Parabéns pra ele também pro Fedex que apesar de tudo, tentou e buscou o jogo, mas perdeu pra alguem que hoje foi superior e jogou muito.

    Segue o jogo.

    Responder
      1. Mário Fagundes

        Rapaz, concordo com você: picanha é mesmo uma carne superestimada, sobretudo pelo fato de que muita gente compra coxão mole/paulista pensando ser picanha. rsrsrsrs

        Responder
  17. José Alves

    Dalcim sou muito fã dos seus comentários porque são compatíveis demais com a realidade.Agora,como tem sido seus dias? Vc assiste a todos os jogos? Vc não está dormindo não?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, não consigo assistir a tudo, mas deixo gravando nas poucas horas que consigo dormir – geralmente entre 3 e 6h da manhã… rsrs… E obrigado!

      Responder
  18. Rodrigo S. Cruz

    Dá asco desse comportamento dos anti-Federer do blog.

    Na prática, são os piores fundamentalistas que existem.

    Acusam seus elegidos desafetos sem qualquer base, sem qualquer critério…

    E a TÁTICA é tão simplória quanto estúpida:

    Quem acusar primeiro, vence! kkkkkkkkkk

    E daí acusam, julgam e condenam, sem que exista o “crime”, propriamente dito.

    Por exemplo:

    O Federer perdeu de fulano ou cicrano.

    Aí já vem um e escreve com a cara mais LIMPA desse mundo:

    “agora todos os federistas vão odiar o tenista cicrano”.

    Putz grila.

    É assombrosamente patético!

    Responder
  19. Rodrigo S. Cruz

    [Miguel BsB] Bom, não foi isso que vc escreveu lá em cima… Vc disse estar decepcionado pelo Fognini ter sido derrotado pelo Carreno “Bosta”.
    Que ele e os demais citados farão belas jogadas no decorrer de seus jogos, isso é óbvio, dado o talento deles. Farão um ou outro grande jogo, tb.
    Mas agora, o caráter deles, e para mim só interessa o caráter tênistico, de competição e alto rendimento, os leva a derrotas para jogadores muito mais limitados tecnicamente, como o carreno busta, que, apesar de não ser tão talentoso, é claramente mais dedicado e focado na carreira, atingindo rankings mais altos, e chegando a disputar o finals, por exemplo.
    Portanto, não consigo entender quem ainda se decepciona ou se surpreende com as derrotas precoces dos malas.
    Mcenroe e Connors talvez tenham sido 2 dos maiores malas da história do tênis, mas tinham um caráter tênistico extraordinário, e, não à toa, foram Tb 2 dos maiores de tds os tempos…

    Se você não entendeu até agora o que eu escrevi, acho que nem desenhando…

    É muito chato toda hora ter de ficar explicando coisas tão óbvias.

    Um fato não demente o outro. Pelo contrário, o confirma…

    Fiquei sim decepcionado pelo Fognini que é MIL VEZES melhor que o Carreno Bosta, ter perdido para este.

    E ter perdido, porque simplesmente jogou sem compromisso, e abaixo do que podia, como você mesmo disse.

    Agora, o fato dele ter feito isso, ou de fazer muitas vezes isso na carreira, jamais vai tirar de mim a ADMIRAÇÃO que tenho pelo tênis dele.

    Coloca uma coisa na tua cabeça:

    Eu NÃO PENSO E NEM SINTO IGUAL A VOCÊ.

    Period !

    As pessoas são diferentes, ora bolas.

    Você curte pangarés como o Pablo Carreno que se esforçam muito e galgam resultados. Ótimo! É um direito que lhe assiste.

    Eu, por outro lado, curto tenistas talentosos que na derrota ou na vitória, dão espetáculo do mesmo jeito.

    Fim de papo. Aceite.

    Responder
    1. Miguel BsB

      Cara, não vou estender essa discussão em respeito ao restante do blog. Vc tem pouca capacidade pra debater civilizadamente, pouca capacidade pra entender e se fazer entender. Não por acaso tá sempre envolvido em bate bocas com diversos integrantes.
      Aprenda a desenhar msm, pois com as palavras vc se enrola.
      Modere seu tom de voz, em nenhum momento fui agressivo com vc. E, principalmente, aprenda a ETIQUETA da Internet. ESCREVER O TEMPO TD EM CAPS LOCK DEMONSTRA ALTERAÇÃO DA VOZ E AGRESSIVIDADE, ta ok?

      Responder
        1. Miguel BsB

          Tudo bem, desculpas aceitas!
          Valorizo sua atitude em vir se retratar.
          Em nenhum momento quis te provocar, apenas debater tênis com um participante que julgo entender do esporte…
          Mas, se em algum comentário meu vc se sentiu ofendido, peço desculpas tb.
          Bola pra frente, com muito topspin! Rs

          Responder
  20. Nando

    Mestre, não sei se concorda cmg, mas desde a final de IW perdida pro Delpo, q Federer vem oscilando mto em momentos decisivos…seu fh é a maior prova disso. O golpe q o fez ganhar td o q ganhou ( claro q o resto tbm né) vem se mostrando errático, e noto isso desde 2017…ele vem errando mais com esse golpe q com o bh por exemplo…qual a sua opinião?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que essa final perdida de forma tão dura afetou sim seu emocional. Aí veio a dor na mão, que teria surgido na grama alemã. Sem dúvida, o forehand é seu golpe principal, então normal que cometa mais erros não forçados com ele. Porém, incomoda ver como por vezes ele perde totalmente o timing, com madeiradas e bolas muito fora do centro da raquete, dando a impressão de não ter mexido bem as pernas.

      Responder
  21. Babidi

    Perder é difícil, mas acho que dessa vez o Federer caiu de pé porque não deu nada de graça. Martelou, martelou, tentava quebrar, mas não conseguia de jeito nenhum. Quando o Tsitsipas ganhou o segundo set já com quase 2h de jogo, vi que as coisas estavam se alongando demais e que ficaria difícil pro Federer ganhar. O suíço fez o possível, só que hoje foi um dia iluminado para o grego, que joga demais, acreditou e também tem muito talento. Claro que queria ver o Federer ganhando o 100º título da carreira logo em um Grand Slam, porém precisamos saber que a vida não é um conto de fadas em que nós decidimos como as coisas devem acontecer, ainda mais no tênis em que existem tantos atletas que sentem tanta fome pelas grandes conquistas.

    Mesmo assim, acho que o Federer se mostrou em ótima forma física, mostrou um bom nível e ainda tem lenha pra queimar no circuito. Agora é esperar por Dubai, onde ele também gosta muito de jogar. Essa queda nas oitavas do AO vai deixá-lo ainda mais motivado pra treinar. Deixou boa impressão pelo que fez até aqui.. somos muito exigentes com um cara de 37 anos, por mais que seja uma lenda no nosso esporte. O que vier de bom é lucro, não esqueçam!

    E a vida segue, pessoal.. no segundo semestre de 2016 cheguei a imaginar que nunca mais iria ver o Federer em quadra. Estamos em 2019 e o cara ainda tá lá entre os melhores e enchendo os olhos dos amantes do tênis. Daqui a um tempo não vamos ter mais esse privilégio..

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Sim.

      Foi uma derrota regular. Em partida de dois tenistas excelentes, e decidida ali no detalhe.

      Eu já simpatizava com esse grego.

      Além de jogar um tênis muito belo, eu também detecto uma dose de carisma nele.

      Vou ficar na torcida pra ele atingir a final.

      Só acho que será muito difícil ele ganhar do Djojovic, caso ele chegue lá…

      Responder
  22. Thiago Silva

    Que balde de água gelada na cabeça de quem passou a semana rezando pro Nadal levar uma canseira do De Minaur e do Berdych e chegar esgotado pra tentar tirar um set do goat(?) kkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  23. Sacha Pontes

    Tsitsipas: forehand, mistura do Del Potro e Federer, menos preciso do q a do Federer mas muitas vezes bem forte; bacKhand com a raquete mais em pé muitas vezes proporcionando mais solidez do q a do Federer.

    Responder
  24. Fernando Godinho

    O Tsitsipas tem um tênis muito agressivo e vistoso, bom de assistir mesmo, e parece ser um cara carismático. Se continuar melhorando e aprender a ser mais educado com os boleiros quando estiver em um dia ruim, tem tudo para virar ídolo.

    Responder
  25. AKC

    Tsitsipas tem tino de campeão, mais até que Zverev, e mais do que o Kyrgios, que tem tino de fanfarrão. Acho que daqui uns 3 anos vai estar brigando forte pelo #1. E lembra o Guga mesmo, não só pelo backhand e pelo cabelão, mas também por conseguir saques salvadores em momentos de aperto. Jogão.

    Responder
  26. Marcos RJ

    Grande jogo, Federer criou varias chances mas não soube aproveitar e os 12 break points perdidos, que acabaram decidindo o resultado. Mais por mérito do grego que jogou muito.
    Me lembrou um pouco aquela vitória épica de Federer contra Sampras em Wimbledon 2001, também na 4a rodada, quando Federer tinha quase 20 anos e Stefano por volta de 3. Sampras era o Goat da época e Federer uma grande promessa. A diferenca de idade era de “apenas” 10 anos, bem menos que os 17 que separam o Fed e o grego. Algumas semelhança entre todos são o belo backhand de uma mão, muito talento e confiança. Ainda é muito cedo para o grego, naturalmente, mas como seria bom se isso se consolidar como uma passagem de bastão como disse BigMac. O tempo vai dizer.

    Responder
  27. Marcos Ribeiro

    Obrigado pelo ótimo post, Dalcim, especialmente o currículo da Colins. Esta mulher é uma máquina, tem um jogo muito preciso e interessante. Seu último ponto do jogo foi muito especial. Lembro de tê-la visto jogar o ano passado e gostado muito. Seu comentário num post anterior sobre o Tiafoe tb foi muito bom e me motivou a assistir seus jogos neste AO e valeu a pena. Mas ele acabou este último jogo um tanto arrastando nas pernas, não sei se por cansaço ou problema muscular. A conferir. Ótimo AO, muitos jogadores chegaram hiper preparados. Acho que é o slam que sempre tende a ter o nível mais alto, devido a este período de preparação.

    Responder
  28. Jonatas Bruno

    Impressionante a atuação do Tsitsipas! Nem tanto pelo que feito, pois quem o acompanha, sabe o que é capaz de fazer, mas sim por se manter firme mentalmente ao longo do jogo! É muito difícil, pois Federer impõe pressão o tempo todo, devido a eficiência em seu serviço e em encurtar os pontos. Soma-se ao fato dos doze break points salvos, mais a batalha game a game. Venceu não apenas o MITO, venceu também o desgaste mental! Digno de nota!

    Responder
  29. PIETER

    Dalcim, o que a Danielle Collins jogou contra a Kerber foi uma barbaridade! Ela simplesmente pulverizou a 2a melhor jogadora do ranking atual em menos de uma hora. Fiquei impressionado com a potência dos seus golpes de fundo de quadra.
    Você acredita que ela possa vir a ser uma bela zebra neste AusOpen, chegando até a final?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Pieter, a chave feminina está interessantíssima e totalmente aberta. Talvez a falta de experiência possa prejudicá-la, mas não me surpreenderia se chegasse à final se mantiver o incrível nível mostrado até agora.

      Responder
  30. Jocelino jr

    Dalcin boa tarde.
    Bom jogo do Tsitsipas e grande mérito mas pensando pra frente no torneio acho q o jogo do Nadal encaixa no dele e no do Tiafoe e vejo o touro na final. Seria top um rematch de 2012 contra Nole mas acho q a final vai dar Nadal e Zverev. Qual seria sua aposta hoje?

    Responder
  31. LOMEULIMA

    Discordo que FEDERER tenha jogado bem. Esteve bem abaixo das últimas partidas e errou bolas fáceis, inclusive voleios junto à rede. Faltou condicionamento físico, o suíço estava extremamente lento e defensivo. Obviamente que o grego não tem nada a ver com isso e jogou leve e solto. ROGER diz que vai jogar alguns torneios no saibro, mas, se não souber dosar o calendário vai chegar na grama de W cansado, e suas chances de levantar mais um caneco de GS diminuirão ainda mais . O jogo de TSITSIPAS e o espanhol BAUTISTA deve ser equilibrado. Acredito que 60% a 40% para o grego. Aguardemos.

    Responder
  32. Barocos

    Dalcim,

    Achei o jogo espetacular, cheio de jogadas excepcionais e, conforme já havia dito, o melhor duelo da competição até aqui com folgas.

    Ambos os jogadores se portaram muito bem em quadra e concordo com a sua afirmação que o jovem Tsitsipas foi mais sólido no jogo de base.

    Permita-me, no entanto, discordar sobre a justeza do resultado: acho que nenhum dos dois merecia a derrota.

    Se o jovem grego continuar praticando tênis no nível que está, acredito que estará preservado o tipo de jogo espetáculo que mais gosto de assistir neste esporte: ataque contra defesa, tão bem representado nas figuras de Federer vs Nadal/Djokovic/Murray e que nos últimos 8/9 anos tem se mostrado muito mais favorável ao segundo.

    Dalcim, lhe parece que o tipo de jogo do jovem Tsitsipas esteja mais para o estilo Federer e o do Zverev para o dos outros 3 grandes? (o backhand de uma mão já é uma coisa à parte)

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ah, sem dúvida, André. O ímpeto agressivo, já a partir do saque, é bem claro nele, assim como no Shapovalov. Zverev prefere atacar da base e se mexe ainda mal para a frente. Acho que Zverev está mais para Djoko do que para Nadal ou Murray.

      Responder
  33. Marcel Azevedo

    Dalcim vc vai colocar algum postou sobre a questão do Federer jogar no saibro esse ano???? Oq vc acha sobre essa decisão?? Forte abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não por enquanto, Bartolomeu. Bom, quando diz a análise de 2019 eu escrevi que Federer estaria se despedindo do saibro agora, porque isso seria bem mais difícil em 2020, quando as Olimpíadas bagunça o calendário. Ainda acho que ele optará por Madri, Roma e Paris.

      Responder
  34. Chetnik

    Tem gente que ainda se engana com o Berdych. É sempre a mesma coisa “tá voando. Olho nele”, kkkkk. Atropela os fracotes e se borra todo nos grandes jogos. Eu já aprendi a lição, faz tempo. O cara é uma vergonha.

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Entre Verdasco e Berdych a disputa é boa….mas são casos distintos. A amarelada do Berdych talvez seja por não se achar digno de ser campeão (ou por não acreditar que possa ser campeão). Já o Verdasco é uma coisa mais de desleixo mesmo. Ao menos é essa impressão que eu tenho depois de ter visto dezenas de partidas dos dois.
      Abs

      Responder
  35. Bartolomeu

    Apesar de ser federista, fiquei muito satisfeito com a vitória do jovem grego.

    E agora torço para uma semi entre Tsitsipas e Tiafoe e, do outro lado, para que Zverev ou Coric fiquem entre os quatro.

    Esse jogo de ontem me lembrou o épico triunfo do próprio Federer sobre Sampras em Wimbledon 2001, também nas oitavas de final. Uma daquelas vitórias que tem um gosto de passagem de bastão.

    Atenção: não digo que Tsitsipas vai ganhar tudo a partir de agora, ou que ele, Zverev, Coric etc serão tão vencedores que o Big 4. O simbólico da vitória é algo como: vocês estão cada vez mais preparados para vencer, e logo vencerão.

    Em tempo: apesar do triunfo sobre Sampras em 2001, Federer só foi ganhar o seu primeiro slam dois anos depois.

    Responder
  36. Chetnik

    De fato, problema da Sharapova é a falta de consistência. Nesse nível não dá mais. Não aguentou nem a mini gremlin. Uma pena.

    Já esperava uma vitória tranquila da Kvitova, que jogou muito. Mas vou acompanhar a Anisimova no futuro.

    Responder
  37. Chetnik

    Depois de ser exaltado por vencer o Djokovic ano passado, o Tsitsipas vai agora ser alvo de toda a bile vil da turminha da idolatria demencial. O seu crime? Ousar não abrir as pernas para o imã.

    Para ser querido pelo culto tem que fazer igual o Wawrinka. Vencer o Djoko e abrir as pernas para o Ser Supremo, kkkkkk.

    Desejo sorte ao Tsitsipas, mas com o tempo ele aprende: ignorar os zumbis, kkkkk.

    Responder
    1. Nando

      Olha as merdas q vc disse aí… Não aprendeu até hoje o senso do ridículo…e vc é “velho de blog” hein. São raríssimos os comentários seus q agregam nesse espaço, pois prefere “atacar” determinada “torcida”. E imagino qnd djokovic parar…o q será de vc aqui? Pois parece q vc não gosta do esporte, mas sim de novak djokovic (a quem vc denominou como “macho-alfa”) e de ofender os outros.

      Responder
    2. Rodrigo S. Cruz

      Piada!

      Porque não há uma postagem sequer de federista, mostrando hostilidade ou despeito contra o jovem grego.

      Fato.

      O que se vê aqui sempre e sem falta, é nolista acusando ou “pré-acusando” os outros do que ele mesmo adora fazer, ou seja, destilar veneno…

      E você é o número 1 deles.

      Responder
  38. Luiz Fernando

    Se o Thiem é o superestimado o Moya é o subestimado, nesse blog foi dito, quando incorporado ao staff do Rafa, que acrescentaria pouco ou nada. Passados 2 anos, acrescentou muito no BH, hoje mais potente, mais angulado e bem mais regular; agora acrescentou no serviço, quem viu o jg hj deve ter notado q a maioria absoluta das vezes no lado do “iguais” a velocidade era superior a 190/hora, algo inédito no passado. Alem disso, também está claramente recebendo os serviços mais a frente, em especial nos segundos serviços do adversário, algo q era obvio q precisava ser aprimorado e só agora surgiu. Por fim, quem leu o livro “Nadal e Federer” também deve ter visto q Moya mudou até a dieta do Rafa, antes plena de doces e chocolate, agora bem mais condizente com sua atividade profissional. Resumindo: essa melhora clara do Rafa tem dois grandes responsáveis, o próprio tenista e seu técnico, e hj o cara está vivendo um momento incrível, q nem o mais otimista dos seus torcedores poderia imaginar que veria isso neste AO… Vamos pra quartas!!!!!!!

    Responder
      1. Luiz Fernando

        Vc é um cara q eu respeito aqui, pois sabe muito e não é arrogante nos comentários, não é pedante. Se vc disse acredito, mas veja, vc está citando um evento isolado e creio q a pretensão de Nadal e seu staff é q este padrão se mantenha de agora em diante.

        Responder
  39. Chetnik

    Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Deixa eu recuperar o ar… kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

    Rivotril neles, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

    “O AUSO já é do GOAT”, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

    Responder
  40. Fernando Souza

    Boa tarde,

    Dalcim, sabemos que acompanha o circuito a muito e muitos anos, já viu um tenista com tanta dedicação igual Rafael Nadal?

    Com tanta contusões na carreira ele não desiste!

    Não sei se chega na final mas merecia mais título nesse s slam.

    Parabéns pelo texto!

    Responder
  41. EU

    Hehehe….essi robozin fdp istragou meu dumingu….visse GURI…..hehehe….mais EU ainda acreditu na magia negra …..hehehe….eli ainda vai si quebrar todinhu …..istou na trucida juntu cum u logicu….hehehe…e o rafaelzovski…que é louquinhu pelo djokovice….hehehe

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      A chave dele é muito dura. Vem agora o Bautista, que está jogando bem embora provavelmente cansado. E aí viria Nadal, que vem voando. Então, se Tsitsipas perder logo, não vejo qualquer problema.

      Responder
  42. Fernando Brack

    E o Nadal, hein? Que jogagor sui generis. Bate na bola de um jeito todo esquisito, muitas vezes completamente torto e desequilibrado, e ainda assim a amarelinha não apenas cai na quadra do adversário como vezes sem conta lhe aplica um winner. Esse ogro, quando tá com a macaca, só quebrando as pernas dele.

    O pobre do Berdych ficou zonzo nos 2 primeiros sets, levando uma tratorada homérica, pra quem vinha jogando tão bem e com fome de vitória.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O tênis é muito curioso mesmo, Brack. O tcheco teve break-point logo no game inicial, depois perdeu o saque com dois voleios muito fáceis que não vinha errando. E daí em diante se perdeu.

      Responder
  43. Fernando Brack

    A vitória do Tsitsipas hoje sobre seu ídolo lembrou a do Federer sobre seu ídolo de então, Pete Sampras, em WB 2001. Grande partida do garoto grego. Que lhe sirva de trampolim no circuito como aquela do Fed foi pra ele.

    Responder
  44. Miguel BsB

    Só pra finalizar meu comentário, voltando às pérolas do Post anterior, outro comentarista classificou de antijogo covarde os ótimos slices da Barty contra a Sharapova. Pqp! Meu amigo, vc já jogou contra alguém que sabe fatiar bem a bola? O quanto é chato e machuca essa tática, quando bem aplicada?
    Simplesmente a australiana atrofiou e machucou demais a russa, que só sabe espancar a bola e se complicava toda pra abaixar e tirar essas bolas do chão… Que bom vermos 2 jogadores, tsitsipas e Barty, que conseguem sair do padrão porrada/correria do circuito e aplicar variações de jogo!

    Responder
  45. Miguel BsB

    Que rodada ótima para se comentar!
    Começo com o grande jogo da rodada e do campeonato até agora, Tsitsipas X Federer.
    Esse garoto é fenomenal, joga demais! Um tênis agressivo e clássico, Back de uma mão, jogo de rede e voleios excelentes, coisa rara na sua geração… E, principalmente, cabeça e nervos no lugar (talkei Kirgios, Tomic, Fognini? Rs) esse, eu não tenho dúvidas, vai longe na carreira! Não vai ser Nadal, Djoko, Zverev, minha torcida tá agora td com ele, espero que ele leve esse slam e chegue chutando a porta do top 10!
    Concordo com o Dalcim, Roger jogou bem. Atipicamente, não conseguiu aproveitar nenhum BP, e deu entrevista dizendo que precisa entender o que está errado com sua devolução contra o grego. Eu me arrisco a dizer, mestre Roger: se vc não voltar com uma devolução de esquerda batida , ao invés do tradicional slice, contra esse garoto que sobe à rede com vontade, ele vai pegar essas devoluções lentas e sem peso lá na frente e já começar a te pressionar ou, como fez algumas vezes, matar no voleio… Essas devoluções de slice funcionam com 90% do circuito. Com quem sabe e gosta de fechar os ângulos e subir à rede, muito pouco.
    Alguém ligou o módulo Robozinho assassino no Nadal… Rs massacrou sem dó seu tradicional freguês. Um colega Federista fanático aqui do blog, conhecido por seus comentários sempre pertinentes e embasados, rs, disse que apostaria tudo numa vitória do Tcheco. Kkkkkkk
    Espero que nessa aposta ele tenha poupado a casa e o carro….
    Pra finalizar, outro colega postou que a Russo/Americana de 17 anos era a nova Mônica Selles! Meus amigos, tem gente que se empolga demais e não mede palavras e apostas. Titia Kvitova mostrou que o buraco é mais embaixo. Vai devagar que vc é boa, mas tem muito chão pela frente ainda…
    Abs

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      kkkk. Eu falei sobre a Seles. Falei que não me empolgava assim com uma tenista desde o surgimento da Seles. Não falei que era uma nova Seles. Acho difícil a Anisimova ser tão boa quanto a Seles, pois acho a eslava a melhor tenista de todos os tempos, que foi impedida de ter todos os recordes do tênis devido à ação daquele louco.
      Falando em Seles, dá pra fazer uma comparação bem tosca com o Senna. Até onde chegaria o Senna? Até onde chegaria a Seles? Em ambos os casos, no topo, eu acho.
      Abs

      Responder
  46. Robson Couto

    O Federer está jogando de maneira muito conservadora nos pontos importantes. Ele tem a capacidade de buscar alternativas mais do que qualquer um devido a seu talento. Tirar o peso da bola com slices, drop shots, bolas menos retas, enfim, deveria tentar alguma maneira de tirar o adversário da zona de conforto alternando o ritmo dos pontos. Como na última partida já não conseguiu quebrar o grego, faltou estudar os pontos onde poderia incomodá-lo e encontrar buracos em seu jogo. O Federer está longe da decadência, falta um plano tático mais elaborado.

    Responder
    1. Chetnik

      Que isso, cara? Falando sério, para variar um pouco, ele pode não estar acabado, mas “longe” da decadência? Você acha que ele vai jogar até que idade?

      Responder
      1. João ando

        Chetnik vou me intrometer …se quiser joga até os 45 anos. Mas ele joga até olimpíadas de Tóquio por causa do patrocínio da roupa …uniqlo

        Responder
  47. Alice

    Sérgio Ribeiro, concordo com você. Também acho que não se pode ter dúvidas alguma que o ‘garotão’ Federer pode terminar no Top10 até Tóquio-2020. A cada dia que passa mais surpresa e empolgada fico com a longevidade do suíço. É de deixar qualquer tenista…babando!

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Obrigado, Alice. O nível dele aos 37 me deixa sem palavras. Connors chegou a uma Semi de USOPEN aos 39 , mas perdia pra todo mundo em qualquer Torneio. Acho que realmente não terá dificuldades de se manter no TOP 10 até o meio do próximo ano. O nível altíssimo de hoje com 61 WINNERS, não deixa muita margem . Exceto alguma lesão. Abs !

      Responder
  48. Luiz Fernando

    Sugiro aos amigos nadalistas cautela, afinal o cara ainda não foi testado no torneio, não se esqueçam da manchete do site de uns dias atras: “Federer é testado por quali”, ou algo assim. Claro não poderia deixar de dar os parabéns ao Berdych, que vinha voando e agora aterrissou: bem vindo ao “Clube das 20”, vc está em ilustres companhias…

    Responder
    1. José Alves

      Mas vai dar certo Luiz Fernando,o Forehand está devastador e o Djokovic perdeu mais games que o Nadal no torneio. Nadal será campeão do Australian Open 2019

      Responder
    1. Sônia

      Adriano, estou triste não, ano passado apostei meus cabelos acreditando que o Lindinho não vence mais nenhum Slam. Já estou bem realista e creio estar muito aliviada, pois Lindinho com aquelas devoluções “softs” não iria conseguir vencer nem o grego, nem o Bautista, nem o argh argh muito menos o sérvio ou o alemão. Na minha opinião, melhor ser entubado agora pelo grego do que pelo… rsrsrs, e cá entre nós, foi uma derrota com placar “não vexatório”, ou seja, menos mal. Tenha a certeza, o que vier agora, será lucro. O importante é que sempre, sempre, estarei na torcida por ELE. Beijos.

      Responder
  49. Luiz Fabriciano

    Rodrigo S. Cruz, sobre aquele post passado, peço apenas que relaxe, pois não queria nada de mais a não ser entender o que disseste, em seu ponto de vista, afinal, sou falho em determinadas interpretações. Não o critiquei tampouco exigi nada. Leia minha frase novamente. Se achar que deve, é lógico.
    Abraço.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Luiz,

      Eu tenho certeza que não te destratei.

      Mas, não raro acabo sendo grosseiro com outros que não merecem.

      Eu confesso portanto, que ando sem paciência.

      E isso, porque acaba sendo muito frustrante ver que o tempo passa, e o mau comportamento de alguns aqui no blog permanece inalterado.

      Só querem saber de guerras babacas, e de provocações gratuitas.

      Por isso, ás vezes, acabamos descontando em quem não merece.

      Portanto, se você acha que te respondi mal, peço que me desculpe…

      Responder
      1. lEvI sIlvA

        Prezado Rodrigo, permita-me entrar no meio dessa conversa aproveitando de algo que você mesmo disse em resposta ao Luiz Fabriciano. Sei bem que, em alguns casos podemos perder a paciência com alguns participantes ou mesmo com coisas que “dizem”. Já ocorreu comigo e creio eu, com qualquer um posta aqui. Discordar faz parte, e é um direito nosso, tanto quanto o é do outro também. Eu tento, em geral, interagir com pessoas que se mostram mais afinadas com minha maneira de ser e isso, como bem sabemos, independe de torcida. Acho infrutífero esperar que pessoas mudem seu comportamento a menos que queiram fazer isso. Pode, como você disse, soar frustrante ler tantas provocações gratuitas por derrotas que aparentam ser vexatórias, mas lhe digo com convicção, não o são. Quando Federer, Nadal e Djokovic encerrarem suas gloriosas carreiras elas parecerão nada diante de seus feitos, ou melhor, ninguém sequer irá lembrar. Em último caso, só gostaria de lembrar uma coisa. Cada um de nós é que escolhe a quem “escuta” ou mesmo “responde”, não é mesmo? Ainda assim , não quero lhe dizer com quem deve ou não interagir, o que deve ou não dizer. Somos responsáveis por tudo que fazemos e nossas reações, mesmo que provocados. Talvez devesse tentar se divertir mais com o Blog, sei lá…! Abraço!

        Responder
  50. Alice

    Pude nem brincar com o Tsitsipas, fui dar um “tchau” pra ele poder acompanhar o Alex de Minaur e o Shapovalov e esperar o Medvedev…tirou só o bi-campeão do torneio! Que ‘frieza-foco’ esse garoto tem…Nem dá pra lamentar pelo Federer, porque foi de detalhe no mais alto nível…mais de 100 winners em 4 sets.

    Responder
  51. Mario Cesar Rodrigues

    Caro Dalcim,irretocável hoje como sempre ou quase mas hoje 100 por cento!te digo Sevastova vai ganhar da Osaka e Bautista vai ganhar do Grego palpites,Rafa com sorte chega na final!Mesmo o Augut estando extremamente cansado, o jogo dele casa mais com o Grego!a Osaka joga muito mas hoje vou torcer pela Sevastova gosto também do jogo dela,e merece um lugarao sol tem tempo que vem labutando!

    Responder
    1. Alice

      Pois é, Adriano. Só ‘walkovers’…aí fica fácil. Mas, não se preocupe, quando ele (Nadal) perder do outro lado, com certeza estará um tenista decente…rs

      Responder
  52. Marcos

    Aos poucos a nova geração vai ganhando partidas do Big 3 e chegando hein Dalcim, mas ainda falta o título de Grand Slam. O mais próximo foi Zverev ganhando o Finals, que já foi um excelente feito.
    Agora toda a atenção se volta aos confrontos envolvendo Nadal (em surpreendente forma) e Djokovic, será que teremos algum azarão levantando a taça?

    Responder
    1. Alice

      Complicado, Marcos. É só olharmos o histórico do Big Four que a realidade bate a porta, mal dá pra sonhar…pois ainda temos 2 de pé..rs!

      Mas, nunca dizer nunca.

      Responder
  53. Rafael

    Uma pena a derrota do Federer, mas o grego mereceu pela mentalidade firme o tempo todo. Já o Nadal está voando. Fiquei impressionado com sua atuação. Agora o vejo como forte candidato a final. Não acha, mestre?

    Responder
  54. André Barcellos

    Finalmente Federer perdeu uma jogando muito, apesar dos erros cruciais.
    Mas o mérito da vitória é todo do grego.
    Sou torcedor do suíço, mas reconheço um jogador agressivo (e hoje foi melhor) quando vejo um.
    Parabéns Tsitisipas.

    Responder
  55. Gabriel Vieira

    Dalcim, vc vê o grego repetindo a dose e batendo o Nadal numa eventual semi? Lembrando que Rafa o venceu facilmente em Toronto ano passado…

    Responder
  56. Kennys

    Dalcim, jogo bastante equilibrado. Como falei antes, minha preocupação com o Federer seria esse jogo, pois ele não chega às quartas desde o AO do ano passado. Mas desta vez o Federer não jogou mal, só pecou nas chances de quebra que teve, muitas delas o Tsitsipas conseguiu se salvar devido as devoluções sempre errantes do suíço. Parabéns para o Tsitsipas que jogou o seu melhor jogo da vida, se continuar assim será um dos top 5, logo logo.
    Dalcim, não tem como não perceber que a movimentação do Federer não é a mesma e ele já não consegue chegar bem nas bolas forçadas, errando muitos contragolpes. Mas apesar disso fez um belo jogo. Não acredito que o Tsitsipas consiga uma noite perfeita como essa tão cedo, caso consiga chegará às semis. Que jogo fez o grego! Não errou quase nada e forçou muito. Além de tudo contou com a sorte nos pontos decisivos, onde o Federer construiu os pontos e acabou errando bolas fáceis.

    Responder
  57. Pedro

    Dalcim,

    Jogo muito bom o de hoje, porém, Federer não estava confiante. Enquanto o Grego nunca perdeu a convicção de que iria ganhar. O jogo do grego, e a mente de competidor são aspectos a serem considerados, porém, não acho a atitude dele como pessoa, uma boa coisa. É muito cheio de chiliques, nervosinho. Já sofreu uma enquadrada do Medvedev ano passado, e ainda vai ter muitos problemas pela frente se continuar com este estilo. Mas também vai continuar ganhando. Pelo que o McEnroe falou, há uma troca de guarda. Você também acha? É difícil não pensar que o grego pode estar entre os primeiros, mas será ele o primeiro, e também dominar o tênis? Veremos. Mas que o técnico da Serena agregou muita coisa, agregou. Mesmo jogando mais que o suiço, ainda assim, Federer teve chances de ganhar a partida, nos inúmeros break points, e não converteu simplesmente porque estava com a confiança na média. Se entrasse em quadra mais decidido, teria ganhado em 3 sets, mesmo jogando menos.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, como já disse antes não acredito no domínio de um único jogador quando a nova geração avançar. Acredito num grande equilíbrio.

      Responder
      1. Helena

        Também acredito nisso.
        Falando nisso, existe algum Nextgen que tenha um confronto direto favorável contra a maioria dos outros? Tenho a impressão de que já é algo bem equilibrado.

        Responder
    2. André Barcellos

      Sem duvida que ele não estava solto mesmo, apesar de ter jogado bem. Diria que ele dirigiu na ponta dos cascos…
      Tentou soltar o forehand algumas vezes, mas não estava tão calibrado.
      Mesmo assim fez um jogo digno.

      Responder
    3. Sérgio Ribeiro

      Onde o parceiro estava em 2001 quando um jovem de 19 anos, bateu o então ” dono da Casa ” , Pistol Pete Sampras numa partida de altíssimo nível técnico , em plena Grama Sagrada de WIMBLEDON ??? Tsitsipas também NÃO TINHA NADA A PERDER , e salvou os 12 Break Points enfiando a mão na bolinha sem ter medo de ser feliz. Sem essa de ” meia confiança ” do Craque Suíço. Todos os méritos são do Grego e seu excepcional pacote completo com um maravilhoso Back simples. Abs!

      Responder
    4. Marcos RJ

      Uma outra curiosidade, adivinhe qual era o ranking de Federer em Wimbledon 2001:
      Resposta: #15, mesmo ranking de Stefanos Tsitsipas nessa semana

      Responder
  58. Celso Rabello

    Caro Dalcim, só discordo quando você diz que o “Federer jogou muito bem também”. O grande numero de erros não forçados, principalmente de forehand, a falha em converter os break points, devoluções muito ruins e que causaram estrago zero no Tsisipas e uma clara lentidão física, mostra que o Federer jogou abaixo do seu habitual. Isso tudo não tira os méritos do grego que foi ousado, não teve medo de arriscar o sacou muito bem. Sem dúvida foi melhor em quadra e mereceu a vitória.

    Responder
    1. PIETER

      Também ouso discordar do Dalcim quanto ao Federer ter jogado muito bem. Não foi mesmo o que vi.
      A mim, ele pareceu errático demais, um tanto lento e vacilante. Para os padrões do suíço foi uma atuação um tanto ruim. Já no segundo set quando ele perdeu o tiebreaker, ficou claro para mim que só um milagre o faria vencer o grego que, justiça seja feita, foi o melhor jogador e mereceu demais a Vitória.

      Responder
      1. José Eduardo Pessanha

        Depende, Pieter. Tsitsipas fez 12 pontos a mais, mas também sacou 32 vezes a mais do que o Rogério. Ou seja, Federer até foi melhor na pontuação, proporcionalmente. Faltou aproveitar os BP.
        Abs

        Responder
  59. Sandra

    Dalcim, qual a diferença que você acha dessa geração para a geração anterior que era do Dimitrov, Raonic, etc!?.. Eles estão chegando, a outra nunca chegou, Djokovic que se cuide, espero que só tenha pego o Federer, e pegue também o Nadal RSSs, Djokovic já experimentou do veneno, não precisa mais rsssss, outra pergunta , independente de gostar ou não de Federer, não acha que já está na hora de dar chances aos outros? Ninguém tira o mérito dele, e acho pouco provável que Nadal é Djokovic cheguem a idade dele, mas ele não é o unico

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que a novíssima geração chega mais completa em termos de golpes e encontra o circuito menos competitivo, já que o Big 4 e tenistas como Delpo e Stan caíram de produção nos últimos dois anos. Não vejo a questão do Federer como dar chance ou não. Se os novatos tiverem de vencer ele ou Nadal ou Djokovic que seja por méritos, como fez hoje o Stef.

      Responder
      1. Rubens Leme

        É, podemos dizer que a geração de Goffin, Dimitrov, Raonic, etc, nasceu na hora errada, mas, por outro lado, são jovens suficientes para ainda almejarem os grandes títulos. Um dos problemas deles é que estavam acostumados com o domínio esmagador dos 4, se acomodaram, mas souberam aproveitar um pouco, no segundo semestre de 2017 e, quando pensaram que iam se lambuzar em 2018, colecionaram fiascos e viram a next gen aparecer, sem falar na volta em grande forma de Djoko e até Del Potro, que chegou ao número 3.

        Sem falar que boa parte deles é totalmente sem carisma.

        Responder
    2. rodrigo w

      Na minha opinião, uma das razões de a atual nextgen performar melhor que a geração de Raonic e Dimitrov frente os grandes favoritos também é a óbvia passagem do tempo. Quando Raonic, Dimitrov despontaram, o Big 4 (com Wawrinka sempre correndo muito bem por fora) estava com mais fôlego e menos deteriorado por tantas contusões, ou seja, praticamente não havia brechas. No atual momento, já há mais brechas e oportunidades para a nextgen começar a se impor, embora eu ache que isso não ocorra de forma contundente antes de 2021 (pelo menos nos slams)

      Responder
  60. José Alves

    Estive otimista com Nadal desde o Mubadalah mas ele tem me impressionado ainda mais,principalmente ontem quando sufocou Berdych de todas as formas. Djokovic e Nadal farão o jogo do campeonato na final( com vitória do espanhol claro rsrs)

    Responder
  61. Jonas

    Federer ganha fácil esse Aus Open, Nadal baleado perde fácil nas semis.

    Final entre Djoko e Federer que está com a mão recuperada e deve levar fácil o caneco.

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
      1. Luiz Fernando

        O mesmo fanatismo q dizia q Federer era franco favorito, que o BH estava igual ao de 2017, q Rafa poderia vencer um set contra ele, não me lembro de vc contestar essas lorotas…

        Responder
        1. Viana

          Eu nunca falei isso…
          Realmente acho q o Renato exagera as vezes, como quando disse tudo isso aí!
          No começo do torneio não acreditava q o Rafa podia ser tão competitivo! Mas, quando o BIG3 joga, vc não pode duvidar de nada!
          Federer não jogou mal, mas o moleque estava demais!!!
          Rafa está muito bem!! Mas acredito q ainda lhe falte um grande desafio, eu acreditava q seria o Berdich!!
          Tiafoe tb está muito bem, e acho q vai tentar bater de tudo quanto lado contra o Nadal!
          Djoko tb está muito bem!! Medvedev acabou de igualar uma quebra no primeiro set.

          Agora, não vou ficar amolando o Renato pelos palpites dele. Se ele acredita nisso, que o Federer é quase invencível… fazer oq??

          Responder
    1. Valmir

      Kkķkk
      Esperavam que o… Tsitsipas fosse outro… Marcos Baghdatis… mas em comum só a mesma origem grega (Chipre… metade grega… metade turca).

      O vício de só jogar na boa… na moleza da rodada noturna… foi atrapalhado por duas partidas seguidas à tarde… embora sem sol.
      Quando voltou para a noite… perdeu a mão.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Não teve nada disso, cara.

        O Tsitsipas ganhou porque é um jogador de muito talento. E ontem, jogou melhor do que o Federer.

        Simples assim.

        Mesmo assim, o jogo foi decidido nos detalhes, em 3 tie-breaks. Não se esqueça disso.

        Do jeito que você fala fica parecendo que o Federer não tem o direito de perder jogo nenhum.

        Responder
  62. Marcel Azevedo

    Achei a esquerda do Federer muito frágil e o jogo de base também por causa das pernas mais lentas vc concorda Dalcim? mas claro o adversário teve muito mérito por vencer !!!

    Abc

    Responder
  63. Rubens Leme

    E “o filho do Borg” brilhou hoje. Será que ele começará sua dinastia onde o “pai” nunca venceu? Difícil porque o Nadal tá destroçando todos que o encontram. E, ironia das ironias, foi entrevistado por John McEnroe.

    Responder
        1. Rubens Leme

          Sim, até postei uma vez um link de uma matéria falando do filho dele que já tinha assinado contrato com uma marca de roupas com 14 anos.

          Pena que dificilmente será “filho de peixe, peixinho é”.

          Responder
          1. Rubens Leme

            Que eu me lembre teve a dinastia dos Ramesh Krishnan, na Índia e teve o Édouard Roger-Vasselin e o pai Christophe Roger-Vasselin, que perdeu a semifinal de Roland Garros, em 1983, para Yannick Noah.

            No circuito atual tem alguns parentes, mas muito muito longe do que foram os pais.

            Uma pena.

          2. José Eduardo Pessanha

            No basquete é que isso ocorre com bastante frequência. Kobe Bryant, Stephen Curry e Klay Thompson são filhos de ex-jogadores da NBA. No Brasil, temos o Hélio Rubens e seu filho Helinho, bem como a família do Marcelinho Machado (irmão e tios ex-jogadores). Temos outros exemplos, mas esses são bem recentes. Abs.

          3. Rubens Leme

            Na F-1 é que foi mais notório: Graham Hill (bicampeão mundial) e Damon Hill (um título); Keke e Nico Rosberg (um título cada), Giles e Jacques Villeneuve (filho campeão mundial em 1997), Nelson e Nelsinho (pai tricampeão) e, quem sabe, o Mick Schumacher, que acabou de assinar um contrato com a Ferrari para treinar na escola de novatos e, seu pai. o maior de todos.

            No futebol, tivemos alguns famosos como Djalma Dias-Djalminha. Domingos e Ademir da Guia; Mazinho-Tiago Alcántara e Rafinha e até Pelé-Edinho (podem rir, mas foi eleito o melhor goleiro do Paulistão de 1993) e outros mais que a preguiça mental me faz esquecer a essa hora. Bem, só para falar dos craques estrangeiros teve o Johan e o Jordi Cruyff… até pela seleção holandesa e o Barça a cria passou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *